Grupo Maersk. Relatório do Comércio. O melhor dos mundos e o pior deles para o comércio exterior Brasileiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Grupo Maersk. Relatório do Comércio. O melhor dos mundos e o pior deles para o comércio exterior Brasileiro"

Transcrição

1 Grupo Maersk Relatório do Comércio QUARTO TRIMESTRE DE 215 BRAZIL O melhor dos mundos e o pior deles para o comércio exterior Brasileiro Exportações aceleram, mas importações colapsam em janeiro, impactando, principalmente, o comércio com a China Total de importações e exportações cai pelo terceiro trimestre consecutivo Menor preço do frete em todos os tempos ameaça limitar o crescimento das exportações brasileiras É o melhor e o pior dos tempos para o Brasil, com as exportações em rápida ascensão e as importações colapsando especularmente em um período tão curto de tempo capaz de desenhar uma mudança sísmica na performance comercial do País, após o terceiro trimestre consecutivo de declínio nos negócios. Ainda falta um pouco, mas se o Real se mantiver depreciado, a tendência é que o Brasil se torne um país mais exportador do que importador, o que colocará fim ao ciclo atual, em que as importações superam as exportações. No entanto, a transição dificilmente será fácil em um cenário com tantos obstáculos para o país e para a indústria enquanto a menor tarifa de frete para contêineres de todos os tempos pode começar a limitar o crescimento econômico do Brasil no lado das exportações. O crescimento das exportações brasileiras está ameaçado já que há limites relativos à quantidade de armadores preparados para operarem com prejuízo seus serviços de entrada no país, uma vez que as tarifas de frete são as mais baixas de todos os tempos. Isto representa um grande enigma para empresas de transportes marítimos, uma vez que os fretes de importação vinham subsidiando fretes de exportação com preços reduzidos. Há, evidentemente, a necessidade corrigirmos essa mudança de mares, já que as exportações brasileiras aceleraram e as importações afundaram. Diretor Superintendente da Maersk Line no Brasil, Paraguai, Uruguai e Argentina, Antonio Dominguez. O crescimento das exportações brasileiras está ameaçado já que há limites relativos à quantidade de armadores preparados para operarem com prejuízo seus serviços de entrada no país, uma vez que as tarifas de frete são as mais baixas de todos os tempos, diz o Diretor Superintendente da Maersk Line no Brasil, Paraguai, Uruguai e Argentina, Antonio Dominguez. Isto representa um grande enigma para empresas de transportes marítimos, uma vez que os fretes de importação vinham subsidiando fretes de exportação com preços reduzidos. Há, PAGE 1

2 Grupo Maersk Relatório do Comércio / Quarto Trimestre de 215 / BRAZIL evidentemente, a necessidade corrigirmos essa mudança de mares, já que as exportações brasileiras aceleraram e as importações afundaram, acrescenta. Segundo números preliminares do volume de mercadorias comercializado pela indústria de transportes marítimos fornecidos à Maersk Line pela consultoria Datamar, os dados de janeiro mostram que as importações despencaram quase 5% e as exportações saltaram 6% durante um mês considerado tipicamente tranquilo para o comércio exterior. O resultado compara-se ao quarto trimestre de 215, quando o total de importações e exportações recuou 8,1%, valor muito maior do que o esperado. Naquele trimestre, as importações recuaram 3% e as exportações escalaram 14,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Nunca, desde que a Maersk Line começou a compilar os dados para o Trade Report, em 212, havíamos detectado uma oscilação e divisão tão significativas entre o crescimento e a retração previstos para os segmentos, respectivamente, de exportação e importação, em um momento em que a China sofre com uma queda de 6% na demanda brasileira em janeiro, afirma o Diretor Comercial da Maersk Line no Brasil, Nestor Amador. Todos os segmentos de produtos importados registraram quedas de dois dígitos no quarto trimestre do ano passado. De fato, de acordo com reportagens na imprensa local 1, já é mais barato enviar um contêineres de Hong Kong a Santos do que contratar um serviço de courier por moto para uma entrega, ida e volta, entre os aeroportos de Campinas e Guarulhos. Importar um contê- Crescimento do mercado Total de Exportações/ ,9% -,2%,6% -8,1% iner da China ainda está mais barato do que enviar por Sedex uma caixa de 6 cm3, com três quilos, de São Paulo para Brasília. No lado positivo, as exportações de bovinos, suínos, frango e outras carnes estiveram em alta no quarto trimestre, com, respectivamente, altas de 2,9%, 29%, 1% e 2,8%. O mercado de carnes representa um dos poucos pontos positivos, considerando que o Brasil é um dos cinco maiores mercados de bens refrigerados do mundo e a Maersk Line investiu na aquisição de 3 mil novos contêineres refrigerados, diz Dominguez. 1 Folha de S. Paulo, 2 de fevereiro de 216: Frete de contêiner para a China é mais barato que motoboy de SP a Campinas, por Dimmi Amora PAGE 2

3 Grupo Maersk Relatório do Comércio / Quarto Trimestre de 215 / BRAZIL Exportações O Brasil contou com um crescimento acentuado em suas exportações para países como Vietnã, com algodão e milho; Emirados Árabes Unidos e China, mais focados em proteína; e Turquia, com algodão, para citar alguns exemplos. Em relação à performance, as exportações de carga seca cresceram 16%, enquanto os bens refrigerados saltaram 11% no quarto trimestre. Os resultados para as cargas secas poderiam ter sido melhores, no entanto, se houvesse um crescimento na demanda dos Emirados Árabes Unidos por bens automotivos semelhante ao observado no último trimestre de 214. Crescimento do mercado Exportações não-refrigerados (total) Crescimento do mercado Exportações refrigerados (total) ,6% ,9% 15,9% 8 4 5,4% 2,3% 1 6,3% 5 2,6% -4-4,5% -8 Com relação ao mercado de bens não-refrigerados, as exportações para a Europa foram 19% maior no quarto trimestre de 215 na comparação com o mesmo período do ano anterior. Ásia cresceu 13% e a África caiu 4%, mas o Oriente Médio observou um incremento de 57%. Já para as mercadorias refrigeradas, houve crescimento de 18% para Ásia, 23% para África e 4,5% para a Europa, mas houve declínio de 13% para o Oriente Médio. Segmento (Carga Refrigerada) Carne 2,9% Químicos 3,4% Peixe -3,9% Alimentos e bebidas -19,7% Frutas, Vegetais e Plantas 17,4% Outras Carnes 2,8% Porco 28,8% Frango 1,4% Segmento (Carga Seca) Vestuário 12,8% Automótivo e Transporte -19,% Químicos -,3% Café 5,6% Milho 71,6% Algodão 16,3% Manufacturados Principalmente Bens de Consumo 6,8% Alimentos e bebidas 29,7% Máquinas, Equipamentos e Eletrônicos -,4% Metais, Mineraise e Construção -1,8% Plástico e Borracha 28,7% Papel e Celulose 36,5% Resíduos da Indústria alimentícia 171,8% Soja 35,3% Açúcar 22,4% Têxteis e Couro 4,2% Tabaco 18,2% Madeira 15,2% PAGE 3

4 Grupo Maersk Relatório do Comércio / Quarto Trimestre de 215 / BRAZIL Nas importações, houve resultado consistentemente negativo em todos os segmentos de produtos, com perdas de dois dígitos que contribuíram para um declínio de 3% no volume total registrado no quarto trimestre. Apesar da performance negativa, a luz no fim do túnel foi um incremento de 9,9% na demanda por bens pro- duzidos na África. As importações advindas da Ásia, no entanto, caíram 36%, enquanto Europa e Oriente Médio declinaram, respectivamente, 23% e 34%, contribuindo ainda mais para um resultado total negativo. Crescimento do Mercado Total de importações ,1% -11,3% -13,3% -29,6% Segmento Vestuário -28,8% Automótivo e Transporte -32,8% Carne -23,2% Químicos -14,3% Algodão 9,6% Manufacturados Principalmente Bens de Consumo -25,6% Peixe -36,6% Alimentos e bebidas -14,% Frutas, Vegetais e Plantas -31,6% Máquinas, Equipamentos e Eletrônicos -43,2% Metais, Mineraise e Construção -36,3% Outras Carnes -13,% Plástico e Borracha -23,3% Papel e Celulose -31,% Resíduos da Indústria alimentícia -13,4% Têxteis e Couro -4,8% Madeira -19,2% Regiões Nos últimos três anos, os números mostram uma discrepância regional, com Norte e Nordeste geralmente registando resultados positivos e Sul e Sudeste observando performances levemente negativas. Desta vez, houve maior consistência entre as regiões nas exportações e importações, com as primeiras crescendo no Sudeste, Sul e Nordeste e as segundas declinando entre 23% e 45% no Sudeste, Sul, Nordeste e Norte. O resultado total para as diferentes regiões foi, no entanto, negativo, com o Norte, que normalmente supera outras regiões, passando por uma forte retração diante da desaceleração econômica do país. Crescimento Regional Por Segmento no Brasil Divisão Regional do Volume Total EXPORTAÇÕES Sudeste 4,4% 11,7% -1,% 1,2% Sul 3,5% 15,1% 5,6% 2,6% Nordeste -4,1% 5,8% 13,4% 15,% Norte 11,8% -4,1% -13,7% -7,6% 9% Northeast 3% North 5% Southeast IMPORTAÇÕES Sudeste -1,6% -12,1% -9,5% -23,5% Sul 3,5% -1,9% -15,7% -35,5% Nordeste,5% -9,9% -16,7% -33,4% Norte -12,5% -8,1% -26,6% -44,7% TOTAL Sudeste,9% -1,9%,5% -7,9% Sul 3,5% 3,7% -3,7% -4,8% Nordeste -4,9% -3,6% -4,% -9,3% Norte -7,8% -7,1% -23,8% -35,5% 38% South PAGE 4

5 Grupo Maersk Relatório do Comércio / Quarto Trimestre de 215 / BRAZIL Resultados no cluster East Coast South America (ECSA) COUNTRY ARGENTINA 119, , , ,13 115,9 13,28 143, ,829 PARAGUAY 13,327 19,379 18,532 18,954 17,817 16,117 17,541 17,733 URUGUAY 34,959 42,898 41,996 39,381 38,435 41,341 41,682 35,562 Grand Total 168,65 184, ,338 18, , ,738 22,87 175,124 Argentina Uruguai Crescimento do Mercado Total de Exportações/ Crescimento do Mercado Total de Exportações/ ,% 1,9% ,9% 5 2,2% 5-1,2% 1,5% -3,6% ,1% PAGE 5

6 Grupo Maersk Relatório do Comércio / Quarto Trimestre de 215 / BRAZIL Perspectivas Para 216, a Maersk Line está revisando para baixo sua previsão para o volume total de comércio. No final de 215, a expectativa era de que 216 terminaria sem variação ou 1% negativo (-1%) na comparação com o ano anterior. No entanto, retrações maiores do que as esperadas no quarto trimestre e em janeiro fizeram com que a companhia revisasse para baixo a performance do total de importações e exportações para uma contração de 4% em volume para este ano para o comércio do Brasil. Quando começamos a prever um crescimento anual em 212, estávamos olhando inicialmente para um Quando começamos a prever um crescimento anual em 212, estávamos olhando inicialmente para um crescimento de 1% em volume, mas essa perspectiva rapidamente declinou trimestre após trimestre e agora estamos avançando em território negativo, com baixa perspectiva de melhora para economia brasileira até 218, Diretor de Trade da Maersk Line no Brasil, João Momesso. crescimento de 1% em volume, mas essa perspectiva rapidamente declinou trimestre após trimestre e agora estamos avançando em território negativo, com baixa perspectiva de melhora para economia brasileira até 218, diz o Diretor de Trade da Maersk Line no Brasil, João Momesso. Para 216, a expectativa é de que o cluster da Costa Leste da América do Sul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) observe declínio de 3% na comparação com o ano anterior, com as exportações 7% maiores e as importações 1% menores no Brasil, o maior mercado para a Maersk Line na região. Mercado brasileiro por volume de contêiner Volume per Year Grand Total 661,984 68,525 Volume per Quarter Export 128,2 131, ,6 155, , , ,14 171,43 Import 25,367 2,239 24,38 32,225 28,115 24,234 27,113 2,859 Grand Total 153, , ,98 187,73 15,66 162, , ,262 Volume de contêineres para o cluster East Coast South America (ECSA) COUNTRY ARGENTINA 119, , , ,13 115,9 13,28 143, ,829 PARAGUAY 13,327 19,379 18,532 18,954 17,817 16,117 17,541 17,733 URUGUAY 34,959 42,898 41,996 39,381 38,435 41,341 41,682 35,562 Grand Total 168,65 184, ,338 18, , ,738 22,87 175,124 PAGE 6

7 Grupo Maersk Relatório do Comércio / Quarto Trimestre de 215 / BRAZIL Sobre Grupo Maersk Sobre Maersk Line Maior empresa de transportes marítimos do mundo, a Maersk Line investiu US$ 2,2 bilhões em 16 navios projetados especialmente para os portos de águas rasas brasileiros. A participação da Maersk Line no Mercado de contêineres latino-americano é de 15%. O Grupo Maersk finalizou um ciclo de investimentos no Brasil da ordem de US$ 4 bilhões. O grupo conta com mais 89 mil funcionários em todo o mundo. Desses, 6,8 mil encontram-se na América Latina, sendo mais de 2 mil no Brasil. O Grupo Maersk também se dedica à produção de Petróleo & Gás, reboque e serviços de emergência offshore, perfuração de poços e transporte de petróleo. A empresa está presente em mais de 13 países e tem como foco a sustentabilidade de suas operações e a segurança e treinamento de suas equipes altamente qualificadas. Para maiores detalhes e solicitações de entrevistas, contatar PR Consulting Brasil André Mascarenhas Tel: / Anthony Dovkants Tel: / PAGE 7

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 I Resultados do mês (comparativo Mar/2015 Mar/2014)

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Janeiro/2016 I Resultados do mês (comparativo jan/2016 jan/2015)

Leia mais

INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO MERCOSUL 1994 A 2003

INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO MERCOSUL 1994 A 2003 INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO A Marco Antônio Martins da Costa Melucci Friedhlde Maria Kutner Manolescu -Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas FCSA Universidade do Vale do Paraíba. Av. Shishima

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

Grupo Maersk. Relatório do Comércio. Brasil terá um Natal levemente melhor pela primeira vez desde 2010

Grupo Maersk. Relatório do Comércio. Brasil terá um Natal levemente melhor pela primeira vez desde 2010 Grupo Maersk Relatório do Comércio TERCEIRO TRIMESTRE DE 2016 BRAZIL Brasil terá um Natal levemente melhor pela primeira vez desde 2010 Importações reduzem velocidade de queda e devem voltar a crescer

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Leão Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

FAZENDO NEGÓCIOS NO RIO GRANDE DO SUL Política Industrial. Setembro 2013

FAZENDO NEGÓCIOS NO RIO GRANDE DO SUL Política Industrial. Setembro 2013 FAZENDO NEGÓCIOS NO RIO GRANDE DO SUL Política Industrial Setembro 2013 BRASIL BRASIL Avanços sociais A extrema pobreza (pessoas vivendo com US$1,25 por dia) caiu de 10% em 2004 para 3,4% em 2011 Plano

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Nota: A reprodução do artigo abaixo ou de trechos do mesmo é autorizada, sendo obrigatória a citação do nome dos autores. O texto abaixo está publicado em: www.cepea.esalq.usp.br/macro/ 1. Introdução EXPORTAÇÕES

Leia mais

O COMÉRCIO BRASIL-JAPÃO: O AGRONEGÓCIO

O COMÉRCIO BRASIL-JAPÃO: O AGRONEGÓCIO Nota: A reprodução do artigo abaixo ou de trechos do mesmo é autorizada, sendo obrigatória a citação do nome dos autores. O texto abaixo faz parte do artigo publicado na íntegra no site www.cepea.esalq.usp.br/macro/

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo.

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo. ANO 4 NÚMERO 31 OUTUBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1-CONSIDERAÇÕES INICIAIS O gerenciamento financeiro do governo, analisado de forma imparcial, se constitui numa das

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais 10 set 2007 Nº 36 A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais Por Fernando Puga Economista da SAE País tem maior difersificação em vendas externas em nações onde predominam recursos naturais

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

Oportunidades em Infr In aes aes rutura rutur 8º FÓRUM PERSPECTIV PERSPECTIV S 2014 Novembro 2013

Oportunidades em Infr In aes aes rutura rutur 8º FÓRUM PERSPECTIV PERSPECTIV S 2014 Novembro 2013 Oportunidades em Infraestrutura 8º FÓRUM PERSPECTIVAS 2014 8º FÓRUM PERSPECTIVAS 2014 Novembro 2013 1 ATIVOS DE INFRAESTRUTURA x INVESTIDOR INSTITUCIONAL 2 EXPERIÊNCIA ASSET CAIXA 3 OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO

Leia mais

Foco nas Oportunidades do Comércio na América Latina. Fred Giles Diretor, Escritório de Comércio Agricultural USDA / SP

Foco nas Oportunidades do Comércio na América Latina. Fred Giles Diretor, Escritório de Comércio Agricultural USDA / SP Foco nas Oportunidades do Comércio na América Latina Fred Giles Diretor, Escritório de Comércio Agricultural USDA / SP Escritórios da USDA no Brasil Brasília FAS Escritório de Assuntos Agriculturais Ag.

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº57 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Setor de supermercados acumula queda de -0,96% Renda e inflação afetam

Leia mais

Indústria indica recuperação gradual impelida pelo investimento, mas com trajetória irregular

Indústria indica recuperação gradual impelida pelo investimento, mas com trajetória irregular Indústria indica recuperação gradual impelida pelo investimento, mas com trajetória irregular O importante a conferir é a tendência da retomada e a resposta das medidas acionadas para alçar a produção

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 4 outubro/dezembro de 2013 www.cni.org.br Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação

Leia mais

workingpaper # 129 Septiembre 2010 FLACSO Rede Latino-Americana de Política Comercia l Red Latinoamericana de Política Comercial

workingpaper # 129 Septiembre 2010 FLACSO Rede Latino-Americana de Política Comercia l Red Latinoamericana de Política Comercial Red Latinoamericana de Política Comercial Rede Latino-Americana de Política Comercia l Latin A merican Trade Network Desempenho das exportações brasileiras no pós-boom exportador: características e determinantes

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Porto Alegre, Dezembro de 2015

Porto Alegre, Dezembro de 2015 Porto Alegre, Dezembro de 2015 Análise de indicadores do mês de novembro No mês, a exportação alcançou cifra de US$ 13,806 bilhões. Sobre novembro de 2014, as exportações registraram retração de 11,8%,

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real?

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? Paulo Springer de Freitas 1 No final de 2007, o saldo da balança comercial começou a apresentar uma trajetória declinante,

Leia mais

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Brasília, julho de 2007 Matheus A. Zanella 1 Superintendência Técnica da CNA Este artigo apresenta um panorama dos principais indicadores do mercado mundial de

Leia mais

Estudo dos países da América Latina e América Central

Estudo dos países da América Latina e América Central Empresa têxtil E M P R E S A T Ê X T I L Estudo dos países da América Latina e América Central Produtos considerados: 6003.33.00/6006.31.00/6006.21.00/6006.22.00/6006.23.00/6006.42.00 1. Exportações brasileiras

Leia mais

1 Introdução. 1.1 O Problema

1 Introdução. 1.1 O Problema 1 Introdução 1.1 O Problema Diante do cenário da globalização e da constante necessidade de expansão das empresas, muitas organizações em todo o mundo, já no início do século XX, intensificaram seus esforços

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Maio de 2015 Benefício do câmbio mais depreciado sobre as exportações de carnes será limitado pela queda da demanda de mercados relevantes Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados do 1º trimestre de 2012 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Maio de 2012 1.

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

Grupo Maersk. Relatório do Comércio. Brasil terá o pior Natal desde o final dos anos País enfrentará desafios em BRAZIL

Grupo Maersk. Relatório do Comércio. Brasil terá o pior Natal desde o final dos anos País enfrentará desafios em BRAZIL Grupo Maersk Relatório do Comércio TERCEIRO TRIMESTRE DE 215 BRAZIL Brasil terá o pior Natal desde o final dos anos 199 - País enfrentará desafios em 216 - Em meio ao rápido declínio nas importações, enfraquecimento

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Grãos: um mercado em transformação. Steve Cachia

Grãos: um mercado em transformação. Steve Cachia Grãos: um mercado em transformação. Steve Cachia Diretor - Business Development Consultor / Analista de Commodities 3º Forum de Agricultura da América do Sul. 12 de novembro, 2015 Curitiba, PR Brasil.

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Câmara dos Deputados Consultoria Legislativa Análise de Conjuntura Boletim periódico da Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados Os textos são da exclusiva responsabilidade de seus autores. O boletim

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Global Index Innovation 2015 Highlights

Global Index Innovation 2015 Highlights Global Index Innovation 2015 Highlights 141 países avaliados. Brasil: 70º lugar geral em 2015 (61º lugar em 2014). - 1º lugar: Suíça - 2º lugar: Reino Unido - 3º lugar: Suécia Top Performers Renda Alta

Leia mais

Curso de Administração

Curso de Administração Curso de Administração Análise de Conjuntura do Setor de Pizzarias Região de Pitangueiras Grupo: Deyvid Luiz de Jesus Felipe César Gonçalves da Costa Maiara Louzada Vanessa Cristina Lopes Wilson Moreira

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Brasil - Síntese País

Brasil - Síntese País Informação Geral sobre o Brasil Área (km 2 ): 8 547 400 Vice-Presidente: Michel Temer População (milhões hab.): 202,8 (estimativa 2014) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Brasília

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 As exportações paranaenses, em setembro, apresentaram queda de -8,61% em relação a agosto. O valor exportado atingiu a US$ 1,293 bilhão, ficando,

Leia mais

O Terminal Desempenho Operacional. Financeiro Acessibilidade ao Porto Desenvolvimento de Negócios

O Terminal Desempenho Operacional. Financeiro Acessibilidade ao Porto Desenvolvimento de Negócios TECON Salvador O Terminal Desempenho Operacional Financeiro Acessibilidade ao Porto Desenvolvimento de Negócios TECON Salvador Antes da Expansão Sem os portêineres, o cais de Ligação era voltado para a

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº59 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Supermercados mostram queda de -1,61% até novembro Desemprego e renda

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

Grupo Maersk. Relatório do Comércio. Crescimento do comércio exterior deve ser tímido em 2017

Grupo Maersk. Relatório do Comércio. Crescimento do comércio exterior deve ser tímido em 2017 Grupo Maersk Relatório do Comércio QUARTO TRIMESTRE DE 2016 BRAZIL Crescimento do comércio exterior deve ser tímido em 2017 Capacidade nos navios permanecerá inalterada durante o ano todo Exportações derrapam

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais Fatos Relevantes Maio/2014 Maio/2008 Vendas Industriais A Variável Indústria apresenta Química recuo com de (- aumento 8,42%), de incluso 9,16% em o maio setor fornece sucroenergético a maior contribuição

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Informe Econômico SEFAZ/RJ

Informe Econômico SEFAZ/RJ Economia Mundial. Em julho, o cenário geopolítico internacional apresentou-se bastante conturbado. Entre os acontecimentos que têm gerado grande apreensão internacional, são destaques: (i) o aumento das

Leia mais

Inovar para Sustentar o Crescimento

Inovar para Sustentar o Crescimento Café & Debate Escola Nacional de Administração Pública ENAP Inovar para Sustentar o Crescimento Glauco Depto. de Sociologia USP Brasília, 19 de abril de 2007 2007 China: volta ao patamar natural? Data

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

Repensando a matriz brasileira de combustíveis

Repensando a matriz brasileira de combustíveis 1 Repensando a matriz brasileira de combustíveis Marcos Sawaya Jank Conselheiro do CDES A matriz energética brasileira se destaca pela grande incidência de fontes renováveis... Ao longo desta década, a

Leia mais

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi);

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi); Abril / 2014 Resultados de Abril de 2014 - Exportação: US$ 19,7 bi em valor e média de US$ 986,2 milhões, 5,2% acima da média de abr-13 (US$ 937,8 milhões); 2ª maior média de exportação para abril (1º

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário Índice

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS O setor de serviços é, tradicionalmente, a principal porta de entrada no mercado de trabalho. Responsável por aproximadamente 60% do produto interno

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

Panorama Econômico - Outubro/08

Panorama Econômico - Outubro/08 Panorama Econômico - Outubro/08 COMÉRCIO INTERNACIONAL BALANÇA COMERCIAL MENSAL (OUTUBRO/2008) - MDIC Fato Em outubro, a Balança Comercial fechou com superavit de US$ 1,21 bilhão, resultado de exportações

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 Julio Gomes de Almeida Mauro Thury de Vieira Sá Daniel Keller de Almeida Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 149, nov. 2008. ISSN

Leia mais

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015 TRIGO Período de 2 a 6/0/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,5 34,0 35,42 35,94 Semana Atual

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

BOLETIM ECONÔMICO Agosto/2015

BOLETIM ECONÔMICO Agosto/2015 BOLETIM ECONÔMICO Agosto/2015 Minha Casa Minha Vida 3 será lançado dia 10 de Setembro. Nas duas primeiras edições do Minha Casa Minha Vida foram entregues 2,3 milhões de moradias para famílias de baixa

Leia mais

Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs

Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs Política Industrial no Brasil maior abertura de uma economia não aumenta, necessariamente,

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 Para o ano de 2007, o Produto Interno Bruto PIB do Estado de Rondônia apresentou um crescimento de 5,2% em relação ao ano anterior, ficando assim com 16ª a colocação no ranking

Leia mais

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO 31 de agosto de 2015 Sindirações 1 1. Cenário macroeconômico 2. Economia Implicações Brasileira para empresas 3. Um roteiro estratégico para o agronegócio

Leia mais

Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi

Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi I Introdução Um estudo organizado por técnicos do Departamento de Agricultura dos

Leia mais

Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China

Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China China Brazil Santa Catarina Santa Catarina Dados Gerais SANTA CATARINA Área: 95,442 Km² População: 6,38 Milhões (2012) Densidade: 67 habitantes/km²

Leia mais

Revista Istoé Dinheiro 16/08/2015 Desânimo elétrico

Revista Istoé Dinheiro 16/08/2015 Desânimo elétrico Revista Istoé Dinheiro 16/08/2015 Desânimo elétrico Há dois anos em crise, com custos nas alturas, o setor elétrico aguardava com enorme expectativa o anúncio do Programa de Investimento em Energia Elétrica,

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Márcio de Souza Pires, Dr.¹ A educação mundial é fortemente analisada e acompanhada por importantes instituições, em busca de avanços no

Leia mais

Luz no fim do túnel. de combustíveis foram responsáveis por US$ 501 bilhões

Luz no fim do túnel. de combustíveis foram responsáveis por US$ 501 bilhões Estados unidos Luz no fim do túnel Os Estados Unidos ainda não se recuperaram totalmente da última crise financeira, que fez estrago nos dos dois lados do Atlântico, mas vêm ensaiando uma recuperação e,

Leia mais

Os impactos econômicos dos ambientes livres de fumo

Os impactos econômicos dos ambientes livres de fumo Os impactos econômicos dos ambientes livres de fumo Por Roberto Iglesias, economista, consultor da ACT A indústria de cigarros alega que a proibição de fumar em ambientes fechados gerará quedas das vendas

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sexta-feira, 13 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,70 0,00 0,00-0,55 SET13 116,25 116,10 115,75-0,20

Leia mais

Felipe Oliveira, JPMorgan:

Felipe Oliveira, JPMorgan: Felipe Oliveira, JPMorgan: Bom dia a todos. Minha pergunta é em relação ao nível de despesa operacional, se você acredita conseguir, ao longo dos próximos trimestres, capturar no seu resultado operacional

Leia mais

Revisão Mensal de Commodities

Revisão Mensal de Commodities Revisão Mensal de Commodities segunda-feira, 3 de dezembro de 2012 Oferta maior e desempenho misto A estabilização do crescimento na China e riscos geopolíticos também afetaram os preços das commodities.

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR AGRO E ALIMENTOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR AGRO E ALIMENTOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR AGRO E ALIMENTOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa,

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros

A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros Estudo de Roberto Iglesias, economista, consultor da ACT Maio de 2009 O Poder Executivo, através da Medida

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº56 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Ritmo de vendas do autosserviço diminui em agosto Resultado do mês

Leia mais

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado.

No geral, a Hamburg Süd alcançou um resultado positivo nos serviços marítimos mesmo com as adversidades verificadas no mercado. Hamburg Süd encerra 2014 com faturamento de 5,2 bilhões de euros Empresa movimentou, juntamente com a subsidiária Aliança, cerca de 3,4 milhões de contêineres, um aumento de 2% em relação ao período anterior

Leia mais