Soluções estratégicas em economia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Soluções estratégicas em economia"

Transcrição

1 Soluções estratégicas em economia

2 Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014

3 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos Negócios

4 Economia Global Perspectiva de desempenho algo mais regular Estados Unidos Atividade mais firme e desemprego em queda. Riscos: incerteza monetária (alta da taxa de juros). Zona do Euro Perspectiva de melhora, mas o risco de deflação (e de estagnação) ainda preocupa. Argentina Crescentes pressões cambiais e inflacionárias. Ajustes deverão ocorrer só depois das eleições presidenciais de outubro de China Reformas tornarão o crescimento mais irregular nos próximos anos. Japão Injeção de liquidez espantou o risco de deflação, mas a recuperação da atividade ainda não convence. 4

5 PIB Mundial Aceleração será puxada pelas economias centrais A partir de 2016 a economia mundial deve retomar um ritmo normal (mais moderado que o ritmo pré-crise). 3,1 2,6 2,7 2,6 2,5 1,9 PIB de economias selecionadas: projeções var. % anual. Fonte: Consensus Forecast. Elaboração e projeção: LCA (e) 2015 (e) 2016 (e) 2017 (e) 2018 (e) 1,7 1,6 1,8 1,7 1,5 1,1 1,0 1,1 1,1 1,0 1,0 7,7 7,5 6,9 7,0 7,0 6,5 4,5 3,5 3,0 2,0 0,0 0,0 Crescimento da Economia Mundial 2011 = 3,9% a.a = 3,2% a.a = 3,0 % a.a (e) = 3,6 % a.a (e) = 3,9 % a.a (e) = 4,2% a.a (e) = 4,2% a.a (e) = 4,1% a.a. -0,4 EUA EURO JAPÃO CHINA ARGENTINA 5

6 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos Negócios

7 PIB Inflação alta e incerteza atrapalharão Em 2014 e 2015 a inflação e o combate a ela inibirão o crescimento, que deverá acelerar moderadamente a partir de Projeções para o PIB de componentes selecionados Var.%. Fonte: IBGE. Projeções: LCA. 7,9 3,9 3,4 3,2 2,3 2,5 2,9 3,2 2,9 2,6 1,9 2,3 2,2 1,9 2,2 1,7 1,5 1,3 1,1 6,3 5,2 4,6 3,3 2,2 PIB TOTAL CONSUMO DAS FAMÍLIAS CONSUMO DO GOVERNO INVESTIMENTOS (e) 2015 (e) 2016 (e) 2017 (e) 2018 (e) (*)Nota: Incorporação da nova PIM-FP poderá gerar revisões na série histórica do PIB. 8

8 Investimentos Confiança dos empresários: fragilidade Para 2014, esperamos uma desaceleração do Investimento. Os ajustes fiscais esperados para 2015 deverão contribuir para uma desaceleração adicional, mas a partir de 2016 a redução da incerteza deverá permitir uma reaceleração. FBCF: Projeção anual %YoY. Fonte: IBGE. Elaboração e projeção: LCA Contribuições Positivas: ,9 13,6 Grandes projetos de infraestrutura, com prazo longo (Estados, concessões, PPPs) ,7 21,3 Setor automobilístico (Inovar-Auto). Construção residencial , ,0 6,3 Contribuições Negativas: 2014 (e) 2015 (e) 2016 (e) 2017 (e) 3,3 2,2 5,2 4,6 Incerteza, menor confiança Custo mais elevado do investimento Desaceleração das aquisições: Ônibus e Caminhões 2018 (e) 7,9 Máquinas e Equipamentos 9

9 dez/08 dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 dez/13 dez/14 dez/15 dez/16 dez/17 dez/18 Câmbio Relativamente estável em relação a 2013 Projetamos dólar a R$ 2,35/USD em 2014, mas com volatilidade elevada ao longo do ano. No longo prazo, a diluição das incertezas em relação ao crescimento chinês e à política monetária nos EUA deverão proporcionar maior estabilidade à taxa de câmbio. Taxa de câmbio R$/US$. Fonte: BCB. Elaboração e projeção: LCA 2,7 2,5 2,3 2,1 2,40 2,08 2,35 2,45 2,35 2,50 2,40 2,49 2,43 2,39 A queda inesperada do dólar para a faixa de R$ 2,20-2,25 reflete um recuo da aversão global ao risco (e, talvez, uma diminuição da incerteza política). 1,9 1,84 1,7 1,5 1,75 1,69 Projeções LCA Projeções Focus (02/05/2014) 10

10 Inflação Alívio da inflação apenas no longo prazo 2014 Pressões climáticas, do câmbio e da Copa Inflação (IPCA) var. % anual. Projeções: LCA. Efeitos defasados da recente estiagem pressionam itens in natura e carnes (custo das rações). Aumentos de passagem aérea e alimentação fora de casa contribuirão para o IPCA subir 6,4%. 5,9 6,5 5,8 5,9 6,4 6,0 5,8 5,7 5, Pressões de alta: Reajuste do preço da gasolina e do rendimento de empregados domésticos. Energia (intensidade em aberto). 16, Inflação (Alimentos e bebidas) Var.% 12 meses. Fonte: IBGE. Projeção: LCA. Alívios inflacionários: Perspectiva de menor volatilidade do câmbio (em torno de R$ 2,40/USD). Alimentos e bebidas deverão pressionar menos do que em 2014, mas ainda subirão acima da inflação. 14,00 12,00 10,00 8,00 7,2 6,00 9,9 8,5 9,2 7,1 Educação (menor crescimento da renda). 4,00 dez/11 jun/12 dez/12 jun/13 dez/13 jun/14 dez/14 jun/15 dez/15 11

11 dez/03 dez/04 dez/05 dez/06 dez/07 dez/08 dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 dez/13 dez/14 dez/15 dez/16 dez/17 dez/18 Juros Ajuste monetário terá continuidade No médio prazo, a perspectiva de alívio da inflação - decorrente, sobretudo, da interrupção de pressões do câmbio e do encarecimento dos alimentos - nos leva a projetar Selic em torno de 11% a.a. No longo prazo, a convergência da inflação para a meta deverá abrir espaço para juros mais baixos. 21,0 19,0 17,0 15,0 Selic Fim de Período (% a.a.). Fonte: BCB. Projeção: LCA 13,0 11,0 9,0 11,00 10,25 9,25 8,25 7,0 5,0 12

12 Brasil Rebalanceamento das fontes de crescimento Expectativas para os próximos anos: Crescimento mais modesto da renda e do endividamento das famílias: menor espaço para alavancar o consumo. Exportações e Importações: devem passar a contribuir (um pouco) para o crescimento do PIB, refletindo expansão mais forte do comércio global e câmbio mais depreciado. Investimento: concessões federais + PPPs regionais deverão dar sustentação. Ajuste fiscal: já começou em 2014 e trará em 2015 realinhamento dos preços (combustíveis, energia elétrica e transportes). Inflação: caminhando para a meta no longo prazo (câmbio menos volátil e devolução das pressões de alimentos). Juros: convergência da inflação para a meta no longo prazo deverá abrir espaço para juros mais baixos. 13

13 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos Negócios

14 Feijão (2ª safra) Mandioca Trigo Milho (2ª safra) Café canephora Laranja Feijão (3ª safra) Soja Arroz Algodão herbáceo Cana-de-açúcar Feijão (1ª safra) Milho (1ª safra) Fumo Café arábica Setores: Agropecuária Commodities: revisão altista da expectativa de produção A produção de cereais, leguminosas e oleaginosas deverá totalizar 191 milhões de toneladas em 2014, acréscimo de 1,5% frente à temporada anterior (e de 0,8% em relação à estimativa anterior, publicada em março). 10,2 Commodities: produção nacional Comparação das estimativas abr/mar Em var. %. Fonte: IBGE. Elaboração: LCA 3,6 3,4 3,2 1,7 0,7 0,4 0,1 0,0 0,0 0,0-0,7-0,9-1,2-4,1 Destaque das revisões para a produção de Feijão, Mandioca, Trigo e Milho. 19

15 Batata- inglesa Mandioca (aipim) Tomate Abacaxi Uva Banana Maçã Coco da baía Mamão Ovos Setores: Agropecuária Não commodities: aceleração dos preços em 2014 Entre as não commodities, a expectativa é de maior aceleração dos preços de batata inglesa, ovos e tomate em 2014 devido à estiagem recente. Em 2015, espera-se a devolução da alta de preços vista em Não commodities Projeção dos preços agropecuários no atacado em 2014 var.% anual. Fonte: IBGE. Projeção: LCA Preços agropecuários no atacado var.% anual. Fonte: IBGE. Projeção: LCA 48,9 27,2 35,0 27,3 29,3 19,2 17,7 14,1 0,6 3,1 9,5 10,0 8,9 8,0 5,2 5,3 4,3-12,1-3,7-1,7-2,0-1, (p) 2015 (p) Total Commodities Não-commodities 20

16 Setores: Agropecuária Pecuária Expectativa de alta relevante dos preços de Bovinos no varejo em 2014, com perspectiva de desaceleração em Pelo alívio observado nos primeiros dois meses de 2014, Leite e derivados deverá registrar variação mais modesta que a do ano anterior - por outro lado, pela restrição de oferta, esperamos aceleração em Preços pecuária var.% anual. Fonte: IBGE. Projeção: LCA 13,3 12,8 16,0 3,6 4,5 7,5 8,1 5,8 5,4 5,6 5,7 4,2 4,2 7,2-0,7 Carnes Aves e ovos Leites e derivados (e) 2015 (e) 21

17 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 Setores: Serviços Crescimento mais forte a partir de 2016 Perspectiva de crescimento limitado do setor de serviços em 2014 e 2015 pelo aumento mais fraco da renda das famílias e pela confiança do consumidor em baixa. PIB de serviços Var.% Fonte: IBGE. Projeção: LCA. Sondagens de Confiança FGV (Consumidor e Serviços) base 2012=100. Fonte: FGV. Elaboração: LCA 1,9 2,3 2,0 1,9 1,6 2,5 2,2 3,4 3,9 3,1 3,2 3,0 3,1 110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 90,8 1,0 85,0 80,0 85,5 75, (e) 2015 (e) 2016 (e) 2017 (e) 2018 (e) 70,0 PIB total PIB de serviços A revisão do histórico do PIB a partir do 1T13 em função da incorporação da PIM-PF reformulada pode gerar revisões não somente no PIB Industria, mas também em alguns componentes do PIB Serviços. Confiança do setor de Serviços Confiança do Consumidor 22

18 (p) 2015 (p) 2016 (p) 2017 (p) 2018 (p) (p) 2015 (p) 2016 (p) 2017 (p) 2018 (p) Setores: Indústria Recuperação gradual da indústria nos próximos anos O câmbio mais desvalorizado e a retomada da demanda global devem devolver moderado dinamismo à indústria. 8,3 Crescimento da produção industrial. Em %. Fonte: IBGE. Elaboração e projeção: LCA. 6,0 10,5 Participação dos importados no mercado nacional de bens industriais Em % do consumo interno. Fonte: IBGE. Elaboração e projeção: LCA. 21,8 22,4 23,0 23,3 22,4 22,5 23,2 24,6 3,1 2,8 3,1 0,4 1,2 1,7 3,1 3,1 3,3 3,2 15,7 17,4 16,4 19,9-2,5 12,1 12,5 14,0-7,4 23

19 Setores: Indústria Estoque alto atrapalha pequenos empresários Empresários apontaram melhor desempenho da produção industrial das pequenas empresas no 1T14 em relação ao mesmo período do ano anterior. Contudo, a elevação dos estoques no primeiro trimestre é sinal de alerta para os industriais. Produção industrial média por porte de empresa Indicador varia no intervalo de 0 a 100. Acima de 50 = crescimento Fonte: CNI. Elaboração: LCA Média dos estoques das Pequenas Empresas Fonte: CNI. 50,3 46,5 45,7 44,7 45,0 53,1 48,7 48,3 47,5 47,4 56,3 51,6 51,8 51,2 49,8 48,9 49,1 48,9 48,2 48,6 48,9 48,3 47,4 Pequena Média Grande 46,8 1T10 1T11 1T12 1T13 1T14 1T12 2T12 3T12 4T12 1T13 2T13 3T13 4T13 1T14 24

20 Setores: Indústria Confiança do empresário em baixa Dentre os principais entraves para as pequenas empresas, os empresários apontaram uma melhora nos itens carga tributária, falta de demanda e competição acirrada de mercado no 1T14 comparado ao 1T13. Entretanto, a confiança dos empresários está nitidamente mais fraca do que nos anos anteriores (para todos os portes de empresas). Principais problemas para as pequenas empresas (% das respostas dos empresários). Fonte: CNI. Índice de Confiança do empresário industrial (média jan/abr) De 0 a100. Valores acima de 50 = evolução positiva do indicador. Fonte: CNI. Elaboração: LCA 16,0 25,0 34,5 27,2 22,7 19,7 28,0 22,8 42,6 38,1 +3,6 +2,0-12,1-2,8 26,3 30,0 30,5 30,1 37,3 34,5 Grandes Empesas Médias Empresas 52,3 57,9 57,9 62,0 51,2 55,8 57,5 60, ,6 p.p. 63,7 66,6 63,9 63,3 I/11 I/12 I/13 I/14 Elevada carga tributária Falta de demanda Competição acirrada de mercado Alto custo da matéria prima Inadimplência dos clientes Pequenas Empresas Indústria Geral 51,6 55,7 57,1 58,9 51,8 56,8 57,8 60,8 50,0 55,0 60,0 65,0 25

21 (p) 2015(p) 2016(p) 2017(p) 2018(p) Setores: Comércio Menor crescimento para os próximos anos Perspectiva de moderação do ritmo de expansão das vendas do varejo. Crescimento das vendas do varejo total em volume (ex veículos e material de construção) Var. %. Fonte: IBGE. Projeções: LCA. Por que? Aumento pequeno da renda das famílias. Famílias endividadas. Condições de crédito menos favoráveis. Fim de incentivos do governo (ex.: IPI). Contribuições positivas: Preço dos alimentos atrapalhará menos as vendas de Hipermercados. 9,1 5,9 10,9 6,6 8,4 4,3 4,0 4,0 3,8 3,8 3,4 Memo: média : 7,9% 26

22 -5,0-2,9-2,5-1,6-1,6 2,4 1,5 0,8 0,1 2,0 3,7 4,3 2,7 1,9 2,6 2,2 2,5 4,5 4,2 4,6 5,8 5,7 7,9 6,9 5,4 7,7 7,7 7,3 5,3 7,0 7,6 7,0 7,3 8,1 8,2 10,1 10,9 13,6 12,3 12,1 12,8 15,2 1,9 3,1 2,7 3,1 3,2 3,2 1,8 0,5 1,5 8,5 6,8 3,5 3,4 2,0 3,0 10,0 9,0 4,0 4,4 3,6 2,9 2,9 5,1 12,1 12,5 12,5 12,0 11,6 11,5 6,4 5,9 5,7 5,6 15,9 15,5 15,5 15,2 15,0 8,8 9,3 8,8 8,7 Setores: Comércio Setores significativos para os Pequenos Negócios Super e hiperm., lojas de alimentos e bebidas Var.%. Fonte: PMC/IBGE. Elaboração e projeções: LCA. Tecidos, vestuário, calçados, e cama, mesa e banho Var.%. Fonte: PMC/IBGE. Elaboração e projeções: LCA (p) 2015(p) 2016(p) 2017(p) 2018(p) (p) 2015(p) 2016(p) 2017(p) 2018(p) Veículos, motos, partes e peças Var.%. Fonte: PMC/IBGE. Elaboração e projeções: LCA. Vendas de material de construção Var.%. Fonte: PMC/IBGE. Elaboração e projeções: LCA (p) 2015(p) 2016(p) 2017(p) 2018(p) (p) 2015(p) 2016(p) 2017(p) 2018(p) Faturamento nominal Volume de vendas Preços 27

23 Setores: Comércio Setores significativos para os Pequenos Negócios HIPERMERCADOS Crescerá em linha com Pressão dos preços de alimentos sobre o orçamento das famílias diminui, mas mercado de trabalho morno deverá limitar a expansão. Vendas tendem a sustentar crescimento anual em torno de 3% (contra média de 4,2% entre ). TECIDO & VESTUÁRIO Aceleração sobre um fraco Condições de crédito não piorarão. Consumidores mais propensos a gastar. Aceleração ao longo dos anos, mas ritmo inferior ao de 2004/13. VEÍCULOS, MOTOS, PARTES & PEÇAS Interrupção da queda de preços e vendas fracas. Ressaca do mercado após boom do consumo nos últimos anos. Melhora das vendas e faturamento. Novas fabricas e aumento de frota poderão estimular o setor. MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Ligeira desaceleração das vendas. Crédito habitacional desacelerará, mas ainda crescerá bastante (de 30% para 27%) Redução da Selic renova perspectivas favoráveis. 28

24 Crédito Previsão de menor desembolso do BNDES em 2014 Apesar do crescimento relativo da participação dos pequenos negócios nos desembolsos do BNDES, a redução dos aportes do Tesouro Nacional já se refletiu numa desaceleração dos desembolsos no primeiro bimestre de Desembolsos do BNDES por porte das empresas R$ milhões.fonte: BNDES. Elaboração: LCA Projeção de Desembolsos do BNDES em 2014 R$ bilhões Fonte: BNDES. Elaboração: LCA % 21% % 19% Grande 91,6 bi Total 150 bilhões Pequenos Negócios 37,3 bi Média Grande 21,1 bi % 30% jan-fev/11 jan-fev/12 jan-fev/13 jan-fev/14 Pequenos Negócios Méd/Grande Grande Desembolso do BNDES aos Pequenos Negócios deverá representar 25% do total em 2014 (2010: 19% do total). 29

25 (p) 2015 (p) 2016 (p) 2017 (p) 2018 (p) mar/07 ago/07 jan/08 jun/08 nov/08 abr/09 set/09 fev/10 jul/10 dez/10 mai/11 out/11 mar/12 ago/12 jan/13 jun/13 nov/13 abr/14 set/14 fev/15 jul/15 dez/15 Inadimplência do consumidor Abaixo da média histórica Menor ritmo de concessão de crédito e foco na qualidade da carteira pelos bancos deverá manter a inadimplência abaixo da média do período (7,4%). Inadimplência PF Livre (% do total) Fonte: BCB. Projeções: LCA Comprometimento com dívidas bancárias Em % da renda mensal. Fonte: BCB. Projeção: LCA 24 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 8,6 7,8 8,1 7,5 7,7 7,2 6,9 6,6 6,8 6,8 5,9 5,2 Média ,4% 5,9 5,9 5, Total 1,0 15 Total ex-habitacional 0,0 14

26 Renda do consumidor Menor avanço limita o consumo desde 2013 Aumento real do salário mínimo nos últimos anos impulsionou a renda e o consumo, mas a tendência é de diminuição dos reajustes. Crescimento mais lento da ocupação também contribui para altas mais moderadas da massa de renda Salário-mínimo (R$) ,6 Massa de renda das famílias Crescimento Real %. Fontes: diversas. Projeção: LCA. 2,9 2,9 2,7 3, (p) 2016(p) 2017(p) 2018(p) média (p) 2015(p) 2016(p) 15,1% Reajuste do salário-mínimo População Ocupada (PO) var.% anual. 5,9% 0,3% 7,5% 9,0% 2,7% 9,1% 8,1% 8,5% 9,3% 6,9% 2,3% 1,2% 1,9% 2,5% 3,4% 2,1 2,2 0,7 0,7 1,0 1,1 1,1 1, (p) 2016(p) 2017(p) 2018(p) (p) 2015(p) 2016(p) 2017(p) 2018(p) Nominal Real (acima da inflação)

27 Resumo Perspectivas para os Pequenos Negócios Perspectiva Observação AGROPECUÁRIA Aceleração Devolução da alta de preços observada no 1º semestre de Pecuária (Leite e Bovinos) e Açúcares (concorrência com o Etanol) podem ter alta de rentabilidade em SERVIÇOS Aceleração progressiva do setor a partir de Retomada de confiança do consumidor alavancará o setor. Ritmo não retornará aos níveis pré-crise. Crescimento mais lento da massa de renda moderará a alta. INDUSTRIA Crescimento em lenta aceleração. Efeitos positivos do câmbio aparecem de forma gradual. Crescimento moderado, porém sustentado no longo prazo. Perda de mercado para importados já está estancando, e perspectivas de exportação melhoram. COMÉRCIO Bom ritmo de crescimento das vendas,......embora bem inferior aos 7,9%a.a. de 2004/12 (boom do crédito). Redução da Selic e desemprego relativamente baixo renovam perspectivas favoráveis. 34

28 tel

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011 A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades Britcham São Paulo 25 de fevereiro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe Onde estamos? Indicadores de Conjuntura Inflação em alta

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43 3 INFLAÇÃO SUMÁRIO A inflação brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), vinha apresentando uma trajetória de aceleração desde o início de 2014, mas mantinha-se dentro

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 Porto Alegre, 4 de fevereiro de 2014 a CENÁRIO INTERNACIONAL CRESCIMENTO ANUAL DO PIB VAR. % ESTADOS UNIDOS: Focos de incerteza Política fiscal restritiva Retirada

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial A Evolução da Inflação no Biênio / no Brasil e na Economia Mundial A variação dos índices de preços ao consumidor (IPCs) registrou, ao longo do biênio encerrado em, desaceleração expressiva nas economias

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº56 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Ritmo de vendas do autosserviço diminui em agosto Resultado do mês

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº57 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Setor de supermercados acumula queda de -0,96% Renda e inflação afetam

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE ALÉM DA CONJUNTURA PROF.DR. HERON CARLOS ESVAEL DO CARMO Dezembro de 2006 Rua Líbero Badaró, 425-14.º andar - Tel (11) 3291-8700 O controle do processo

Leia mais

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 Recife, 18 de dezembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco

Leia mais

Panorama Econômico - Outubro/08

Panorama Econômico - Outubro/08 Panorama Econômico - Outubro/08 COMÉRCIO INTERNACIONAL BALANÇA COMERCIAL MENSAL (OUTUBRO/2008) - MDIC Fato Em outubro, a Balança Comercial fechou com superavit de US$ 1,21 bilhão, resultado de exportações

Leia mais

Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro

Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro Desafio da qualidade e produtividade no setor público brasileiro FNQ- Reunião do Conselho Curador São Paulo, 26 de agosto de 2010 Luciano Coutinho 1 Brasil retomou o ciclo de crescimento sustentado pela

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 07 de Outubro de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea),

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº59 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Supermercados mostram queda de -1,61% até novembro Desemprego e renda

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Santa Helena. jan/12 Aplicações Financeiro Inicial Aplicação Resgate Rendimento Total

Santa Helena. jan/12 Aplicações Financeiro Inicial Aplicação Resgate Rendimento Total Santa Helena Consultoria de Investimentos TC Consultoria de Investimentos Consultor Responsável: Diego Siqueira Santos Certificado pela CVM, Ato declaratório 11.187, de 23 de Julho de 2010 jan/12 Aplicações

Leia mais

Indicadores de Desempenho Junho de 2014

Indicadores de Desempenho Junho de 2014 Junho de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Lenta recuperação da economia global Os dados do último relatório World Economic Outlook do FMI, como podem ser observado nos gráficos nº 1 e 2, deixam claro que

Leia mais

ECONOMIA. Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Associação Brasileira de Supermercados

ECONOMIA. Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Associação Brasileira de Supermercados Associação Brasileira de Supermercados Nº38 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 26 de Março de 2014 Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Evolução do Índice de

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Conjuntura Economia Americana Crescimento e Mercado de trabalho PIB EUA (%) 11 Desemprego EUA 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 1,6 3,9 2,8 2,8 3,2 1,4

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Atratividade do Brasil: avanços e desafios Fórum de Atratividade BRAiN Brasil São Paulo, 03 de junho de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito;

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; 06-set-2013 Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; Ata do Copom referendou nosso novo cenário para

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA. Duplo desafio para crescer mais

ECONOMIA BRASILEIRA. Duplo desafio para crescer mais Informativo CNI ECONOMIA BRASILEIRA Edição Especial do Informe Conjuntural Duplo desafio para crescer mais O BRASIL TEM UM DUPLO DESAFIO EM 2015: restaurar os fundamentos macroeconômicos e elevar a competitividade.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world 12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016 The asset manager for a changing world CENÁRIO ECONÔMICO EDUARDO YUKI ECONOMISTA CHEFE The asset manager for a changing world RITMO DE CRESCIMENTO MUNDIAL ESTÁ

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 1 Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 2 Agenda EUA: Fim dos estímulos em 2013? China: Hard landing? Zona do Euro: Crescimento econômico? Brasil: Deixamos de ser rumo de investimentos? EUA Manutenção de estímulos

Leia mais

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012 Relatório Econômico Mensal Abril - 2012 Índice Indicadores Financeiros...3 Projeções...4 Cenário Externo...5 Cenário Doméstico...7 Renda Fixa...8 Renda Variável...9 Indicadores - Março 2012 Eduardo Castro

Leia mais

Informe Econômico SEFAZ/RJ

Informe Econômico SEFAZ/RJ Economia Mundial. Em julho, o cenário geopolítico internacional apresentou-se bastante conturbado. Entre os acontecimentos que têm gerado grande apreensão internacional, são destaques: (i) o aumento das

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013 Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo Setembro 2013 2 Melhoras institucionais do Brasil desde 1994: aceleração do crescimento e queda da inflação 9% Brasil: Crescimento do PIB 24% IPCA Inflação Anual 7%

Leia mais

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil Publicamos nesta semana nossa revisão mensal de cenários (acesse aqui). No Brasil, entendemos que o espaço para expansão adicional da política

Leia mais

Relatório Mensal - Novembro de 2013

Relatório Mensal - Novembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Depois de quatro meses consecutivos de alta, o Ibovespa terminou o mês de novembro com queda de 3,27%, aos 52.842 pontos. No cenário externo, os dados

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor MB ASSOCIADOS XVIII Congresso Fenabrave Federação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores Curitiba, 22 de agosto de 2008 1 Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza

Leia mais

Economia Goiana no Ano de 2014

Economia Goiana no Ano de 2014 Equipe de Conjuntura - IMB * Economia Goiana no Ano de 2014 Diante de um ambiente externo e interno desafiador, o cenário macroeconômico brasileiro recente não se mostra muito favorável a grandes melhorias,

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS NOVEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 1 Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 Porto Alegre, 07 de julho de 2014. NOTA À IMPRENSA Em junho de 2014, a Cesta Básica de Porto Alegre registrou queda de 4,00%, passando

Leia mais

INFORMA DIEESE agosto/2008

INFORMA DIEESE agosto/2008 INFORMA DIEESE Nº. 74 AGOSTO/2008 1 INFORMA DIEESE agosto/2008 A INFLAÇÃO RECENTE E AS CAMPANHAS SALARIAIS A inflação voltou? Como ficam as campanhas salariais dos trabalhadores? Com o objetivo de discutir

Leia mais

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Ministro Paulo Bernardo Brasília - DF, outubro de 2009 Sumário 1. Situação recente do setor da construção civil 2. Medidas já adotadas pelo

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2014 Vitória, dezembro de 2014 Cesta Básica

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado O dinamismo do consumo privado, traduzindo a evolução favorável das condições dos mercados de trabalho e de crédito, e das expectativas dos consumidores,

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

Ministério da Fazenda. Junho 20041

Ministério da Fazenda. Junho 20041 Ministério da Fazenda Junho 20041 Roteiro Os avanços do Governo Lula O Brasil está crescendo Consolidando a agenda para o crescimento 2 Os avanços do Governo Lula 3 Consolidando a estabilidade macroeconômica

Leia mais

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

200 180 Indice (abr/2004=100) 160 140 120 100 80 dez/97 jun/98 dez/98 jun/99 dez/99 jun/00 dez/00 jun/01 dez/01 jun/02 dez/02 jun/03 dez/03 jun/04 dez/04 jun/05 dez/05 jun/06 dez/06 jun/07 dez/07 Faturamento

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015 O fundo Iporanga Macro FIC FIM apresentou rendimento mensal de 3.7% (318% do CDI) em Julho. O mês também marca os primeiros doze meses de atividades do fundo, que durante o período obteve um rendimento

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2016. Fábio Silva fabio.silva@bcb.gov.br

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2016. Fábio Silva fabio.silva@bcb.gov.br PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2016 Fábio Silva fabio.silva@bcb.gov.br 27 de janeiro de 2016 Estrutura da apresentação PIB Inflação Mercado de Trabalho 1901 1907 1913 1919 1925 1931 1937 1943

Leia mais

Relatório Mensal Dezembro de 2015

Relatório Mensal Dezembro de 2015 Relatório Mensal Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa teve um desfecho melancólico no ultimo mês de 2015, fechando com queda de 3,92% e acumulando uma retração de 13,31% no ano. O cenário econômico

Leia mais

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo.

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo. ANO 4 NÚMERO 31 OUTUBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1-CONSIDERAÇÕES INICIAIS O gerenciamento financeiro do governo, analisado de forma imparcial, se constitui numa das

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 07 de março de 2012. CENÁRIO ECONÔMICO EM FEVEREIRO O mês de fevereiro foi marcado pela continuidade do movimento de alta dos mercados de ações em todo o mundo, ainda que em um ritmo bem menor

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Leão Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Nível de atividade no governo Dilma: determinantes do baixo crescimento econômico Grupo de Economia / Fundap Introdução Este Boletim volta ao tema do nível de atividade, para explorar os aspectos estruturais

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais