Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento"

Transcrição

1 Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o ajuste está longe da conclusão. As perspectivas para os países em desenvolvimento melhoraram consideravelmente nos últimos seis meses, afirma o documento Global Development Finance 2000 (Fluxos Mundiais de Financiamento para o Desenvolvimento) do Banco Mundial, que acaba de ser lançado. A produção industrial nacional e o crescimento do comércio internacional tornaram-se mais fortes e sua base foi ampliada. Embora os preços dos produtos básicos tenham se estabilizado, as pressões inflacionárias na economia mundial permanecem contidas. Enquanto as taxas de juros aumentaram em alguns países industrializados, as margens de lucro dos empréstimos aos países em desenvolvimento caíram abruptamente e os fluxos de capital para os países em desenvolvimento se estabilizaram. Os países em desenvolvimento cresceram 3,3% em 1999, 0,6% acima das estimativas do documento Global Economic Prospects (Perspectivas Econômicas Mundiais), lançado no outono passado, e duas vezes mais rápido do que em 1998 (Tabela 1). O crescimento dos países em desenvolvimento deve aumentar de 4,5 a 5%, no período de Durante a recente crise financeira em 45 países, com um total de 1,6 bilhões de habitantes, houve uma queda na renda per capita. Mas em 2000, espera-se que esse número de países caia para 14, com população total de 140 milhões. Mesmo assim, o ajuste do mundo em desenvolvimento em relação à crise recente ainda está longe de sua conclusão. O crescimento entre 2000 e 2002, provavelmente, permanecerá abaixo das tendências anteriores à crise, porque levará tempo para que as fragilidades expostas e exacerbadas por essa situação sejam resolvidas. Além disso, o processo de recuperação varia bastante para cada país. Momento de crescimento nos países industrializados e no comércio internacional Há perspectivas de que o crescimento nos países de alta renda aumente em 3,2%, em 2000, 0,7 pontos mais rápido que as estimativas do outono passado. Em 1999, o crescimento dos EUA atingiu aproximadamente 4%, pelo terceiro ano consecutivo, e espera-se que isso ocorra também no ano Contudo, a retração sustentada pelo Federal Reserve (Banco Central), para evitar a inflação, deverá desacelerar o crescimento até 3%, no período de A Europa experimentou um forte recuo do crescimento, aproximadamente 4% em termos anuais, no segundo semestre de 1999, reerguendo-se a partir de grandes exportações e da alta confiança dos empresários e consumidores. Espera-se que o crescimento na Europa continue no mesmo ritmo em Mesmo no Japão, onde a produção caiu na segunda metade de 1999, há perspectivas de crescimento de 1 a 1,5% nos próximos dois anos, à medida que o contínuo estímulo fiscal, o aumento de confiança no comércio e a estabilização dos mercados consumidores compensem os custos da reestruturação corporativa e financeira. Oscilações bruscas no crescimento do comércio internacional ajudaram a transmitir o impacto da crise financeira através da economia global, durante a curva negativa, de , e na atual recuperação. O crescimento das importações mundiais aumentou em torno de 6,5%, em 1999, uma elevação de quase 3 pontos, a partir de 1998, devido a uma forte recuperação da demanda no Japão e no Leste Asiático, e do crescimento contínuo, na casa dos dois dígitos, nos Estados Unidos. As importações mundiais deverão aumentar muito mais rápido, em torno de 8 a 9%, em 2000 e em aproximadamente 7%, em 2001, do que as estimativas anteriores, estimuladas pelo alto crescimento nos

2 países industrializados e pela recuperação dos países asiáticos e das maiores nações latino-americanas em desenvolvimento. Um aumento maior das importações na Europa e no Japão está ajudando a reduzir a dependência dos Estados Unidos como um mecanismo de desenvolvimento mundial. Por conseguinte, as exportações dos países em desenvolvimento devem crescer de 7,5 a 8,5%, no período de , de até 1,5 a 2 pontos, em relação a Estabilização dos preços de commodities A queda na demanda mundial, durante a crise financeira internacional, contribuiu para o declínio dos preços de muitos produtos primários, exacerbando a carga de ajuste nos países em desenvolvimento exportadores de commodities. Em 1998, os preços da energia diminuíram 30% e os preços de outras commodities caíram 16%. Esses últimos sofreram mais uma redução de 11% em 1999, com os preços dos produtos agrícolas apresentando um forte declínio. Contudo, a maioria das commodities começou a se recuperar em 1999, devido ao aumento da demanda de produtos industrializados, como metais e derivados de petróleo, e aos cortes no fornecimento pelos produtores. No caso especial do petróleo, houve um aumento aproximado de 40%. A maioria dos preços dos principais grupos de commodities deverá continuar em alta em Mas, exceto o petróleo e os metais, a estimativa é de que poucos aumentos sejam particularmente significativos. O padrão do desvio da recuperação dos preços afetou os países em desenvolvimento de maneiras distintas. Os ganhos com os termos de troca impulsionaram as receitas reais dos exportadores de petróleo em 5%, em 1999, e devem acarretar outros 3%, em Porém, as mudanças nos termos de troca cortaram os lucros dos exportadores de outros produtos diferentes de petróleo em mais de 1%, em 1999, e alguns exportadores de produtos agrícolas sofreram perdas muito maiores. Os efeitos sobre os exportadores de produtos diversificados foram pequenos - e devem continuar assim - porque os preços mais altos das importações de commodities são compensados pelos preços mais elevados das exportações de manufaturados. Recuperação gradual dos fluxos privados Os fluxos brutos dos mercados de capitais internacionais para os países em desenvolvimento diminuíram 14% em 1999, embora no segundo semestre do ano, eles tenham se estabilizado em torno dos níveis do ano anterior. A estimativa de crescimento desses fluxos é de 15% em 2000, equivalente a US$185 bilhões e de US$220 a 230 bilhões, em tão altos, em relação ao PNB, quanto em 1995, embora ainda mais baixos do que no período da alta extraordinária de , pouco antes da crise financeira. Em 1991, a estabilização dos fluxos foi acompanhada de uma queda de 6 pontos percentuais nas margens de lucro dos empréstimos aos países em desenvolvimento, refletindo uma melhora nas percepções de risco. Os investimentos diretos externos para os países em desenvolvimento se mostraram com capacidade de recuperação rápida durante a crise e a previsão é de que aumentem de US$183 bilhões, em 1999, para US$200 bilhões em 2000 e para US$215 bilhões em Essa taxa de crescimento seria mais modesta do que na primeira metade dos anos 90. Mas seria consistente com um processo de ajuste do estoque natural no qual, após uma década de rápido crescimento dos fluxos, as corporações multinacionais estariam mais próximas dos níveis desejados de investimento nos países em desenvolvimento visados. Um panorama diferente para os países em desenvolvimento A estimativa de aumento da produção dos países em desenvolvimento é de 3,3% em 1999, e está projetada para crescer de 4,5 a 5% no período de Mas diversos fatores podem impedir um retorno mais rápido às taxas de crescimento anteriores à crise. Em primeiro lugar, o ajuste doméstico à crise, especialmente no setor financeiro, está longe de sua conclusão em vários países asiáticos e latinoamericanos. A consolidação fiscal, nos países em crise e em algumas grandes economias em desenvolvimento, menos afetadas pela crise, provavelmente, será também difícil e demorada. Em segundo lugar, o crescimento em diversos grandes países em desenvolvimento e altamente endividados permanece vulnerável a uma renovada volatilidade nos fluxos de capital. Terceiro, as condições comerciais para os exportadores de produtos agrícolas provavelmente serão piores a curto prazo, à medida que os preços das commodities agrícolas se recuperem mais lentamente que os preços do petróleo, dos metais e dos produtos manufaturados.

3 Os cinco países em crise do Leste Asiático experimentaram uma recuperação muito mais rápida do que as estimativas de recuperação agregada, em 1999, impulsionada por uma forte alta nas exportações e na demanda interna. Contudo, o progresso lento da reestruturação financeira e corporativa, e a continuação das incertezas políticas na Indonésia devem restringir o crescimento nesses países a índices abaixo dos níveis anteriores à crise. De modo geral, a estimativa de crescimento do Leste Asiático é de 6 a 7%, em A América Latina sofreu menos com a crise financeira do que se temia. Em 1999, a produção regional foi uniforme e espera-se um crescimento de 3,6% em 2000, aproximadamente 1 ponto acima das previsões, apoiada por um sólido mercado americano e pelos preços mais altos das exportações. Mas diversos fatores pesam contra um recuo maior em , incluindo as taxas de juros mais altas dos EUA, melhores condições comerciais para os importadores de petróleo da região e os altos déficits de conta corrente, que podem impedir os investimentos estrangeiros. Ainda assim, as perspectivas são de que o crescimento deva aumentar à medida que os países avancem na implementação de ajustes. O crescimento de 5,8%, no Sul da Ásia, foi maior do que as estimativas para 1999, refletindo melhores resultados na agricultura e o aumento da confiança empresarial, devido, em parte, às melhores perspectivas de estabilidade política e à continuidade das reformas econômicas na Índia. Espera-se um desenvolvimento regional próximo a 6% em Diversos fatores impedirão um maior crescimento, incluindo o andamento lento da correção dos altos déficits fiscais, a erosão da competitividade de preços relativa ao Sudeste Asiático e aos confrontos entre a Índia e o Paquistão. O crescimento na Europa e Ásia Central foi de 1% em 1999, esteve 0,7% acima das previsões. As exportações da Europa Central se beneficiaram da recuperação do Leste Europeu, enquanto o crescimento na Comunidade Britânica de Países Independentes foi impulsionado pela alta de preços do petróleo e pelo amplo efeito da substituição de importações na Rússia. Contudo, surgiram problemas incluindo o terremoto na Turquia, a guerra no Kosovo e o frágil consenso sobre reformas nos Bálcãs e na Romênia. As projeções de desenvolvimento regional de 2,5 a 3,5%, em , estão compatíveis com a estimativa anterior. Embora o salto nos preços do petróleo, em 1999, tenha acarretado melhores posições fiscais de curto prazo e receitas reais para os exportadores de petróleo no Oriente Médio e no Norte da África, o aumento do PIB regional baixou para 2,2%. Contudo, o crescimento deve ser de 3 a 4% em 2000, apoiado pela recuperação na Europa, pelos preços mais altos do petróleo e pelo aumento de sua produção. Políticas fiscais mais rigorosas, visando fortalecer a sustentabilidade fiscal de longo prazo, restringirão o crescimento a médio prazo, mas a continuidade das privatizações e as reformas políticas deverão ajudar a manter o desenvolvimento na faixa de 3 a 4%, em , o que se caracteriza por uma melhora em relação às duas décadas passadas. Vários fatores tornaram lento o crescimento na África Subsaariana, que atingiu aproximadamente 2,5%, em 1999: preços baixos das commodities, fraca demanda de exportações, mau tempo, novas guerras civis e taxas de juros mais altas na África do Sul. Espera-se que um melhor desempenho das exportações e da agricultura em 2000, eleve o crescimento acima de 3%. As previsões para são de um aumento aproximado para 4%, presumindo-se que continuem a melhorar a governabilidade e as políticas. Riscos da previsão Os riscos do panorama apresentado em Global Development Finance 2000 são menores do que há seis meses ou um ano. Mas continuam significativos, originados pela necessidade de realizar quatro transições: A transição para condições suaves nos Estados Unidos. Uma restrição monetária sustentada para controlar o aumento excessivo da demanda poderia provocar uma importante correção nos mercados de ações dos EUA, acarretando quedas acentuadas no consumo e nos investimentos. A transição para o crescimento gerada pela demanda privada no Japão. O pequeno crescimento do Japão depende de um estímulo fiscal insustentável. O andamento inadequado da reestruturação financeira e corporativa poderia impedir a recuperação da confiança dos investidores e um fluxo adequado de crédito privado. A transição de uma forte recuperação cíclica para um alto desenvolvimento sustentável no Leste da Ásia, que dependerá da recuperação do equilíbrio dos setores corporativo e financeiro. A

4 reestruturação corporativa parece estar progredindo lentamente, mantendo os países vulneráveis a um período de baixa no conceito do investidor. A transição projetada de diminuição dos preços do petróleo ajudaria os importadores de petróleo, mas afetaria as perspectivas de recuperação de vários exportadores de petróleo atingidos profundamente pela crise financeira, incluindo o Equador, a Indonésia, Nigéria, Rússia e a República Bolivariana da Venezuela. Exceto no caso de uma saída difícil da crise nos Estados Unidos, se a conclusão de qualquer uma dessas transições falhar é improvável que a expansão global vá sair do seu curso. Mas cada erro levaria vários grupos de países em desenvolvimento a ficar expostos a choques e contribuiria para aumentar os problemas ao longo do tempo. Esta nota baseia-se no capítulo do Global Development Finance 2000 escrito por uma equipe do Development Prospects Group, composta por: Robert Lynn (chefe da equipe), Annette de Klein, Caroline Farah, Robert Keyfitz, Mick Riordan, Dominique Van Der Mensbrugghe e Bert Wolfe. As perguntas sobre as estimativas devem ser enviadas a Robert Lynn (x33961). Swaminathan Aiyar, Sandeep Mahajan e Milan Brahmbhatt prepararam o resumo contido nesta nota. Se você tiver interesse em artigos semelhantes, considere a possibilidade de participar do Grupo Temático sobre Desenvolvimento. Entre em contato com Sandeep Mahajan (x 80287) ou clique em The matic Groups, na Rede PREM. Page 1 Banco Mundial PREM A b r i l n ú m e r o 3 8 Política Econômica Vice-presidência para economia do desenvolvimento e rede de redução da pobreza e gestão econômica Page 1 Margin text O países em desenvolvimento devem crescer de 4,5 a 5% em

5 Page 2 Table 1 Tabela 1 Crescimento real do PIB e o ambiente econômico global (percentual de mudança a partir do ano passado, exceto a LIBOR) Perspectivas Econômicas Globais Estimativa Previsões atuais P revisões para 1999/2000 Indicador Crescimento Mundial do 2,9 3,5 3,1 3,1 2,9 2,8 3,0 PIB Países com renda alta 2,7 3,2 2,7 2,6 2,5 2,3 2,5 Países com renda média e 3,3 4,6 4,8 4,8 4,2 4,5 4,8 baixa África Subsaariana 2,5 3,2 3,7 3,8 3,1 3,4 3,4 Leste Asiático e Pacífico 6,5 6,6 6,3 6,1 6,2 6,2 6,2 Países em crise no Leste 5,8 5,7 5,4 5,1 5,3 5,1 5,1 Asiático a Sul da Ásia 5,8 5,9 5,8 5,5 5,5 5,3 5,3 Europa e Ásia Central 1,0 2,5 3,4 3,6 2,5 3,3 3,6 América Latina e Caribe 0,0 3,6 3,8 4,4 2,7 3,5 4,4 Oriente Médio e Norte da África Volume do comércio internacional Inflação nos países do G- 7 b 2,2 3,5 3,6 3,6 3,2 3,5 3,6 5,2 8,3 6,9 6,5 6,4 6,3 6,3 1,3 1,8 1,9 2,0 1,6 1,8 2,0 Preços de commodities -11,2 5,6 3,9 3,3 3,0 4,6 3,8 (exceto petróleo) c Preços do petróleo c 38,3 27,3-17,4-5,3 2,8-2,7 0,0 Valor unitário das -0,6 2,5 2,5 2,6 2,5 2,5 2,6 exportações de manufaturados d LIBOR de seis meses e 5,5 6,5 6,5 5,5 6,0 6,0 5,5 a. Indonésia, República da Coréia, Malásia, Filipinas e Tailândia. b. Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos. Em moeda local agregada utilizando pesos de c. Em dólares americanas nominais. d. Índice de valor unitário das exportações de manufaturados do G5 (França, Alemanha, Japão, Reino Unido e Estados Unidos) para os países em desenvolvimento, expresso em dólares americanos. e. Taxa interbancária de Londres (LIBOR). Page 2 Nota PREM 38 Abril 2000 Page 3 Nota PREM 38 Abril 2000 Page 3 Margin text Diversos fatores podem impedir um retorno mais rápido aos índices de crescimento anteriores à crise

6 Page 4 Margin text Embora as perspectivas tenham melhorado, ainda se mantêm riscos significativos Page 4 Esta série de notas destina-se a resumir as recomendações sobre práticas corretas e as principais políticas sobre os tópicos relacionados à PREM. As Notas PREM são distribuídas para toda a equipe do Banco Mundial e também estão disponíveis no site da rede PREM na Web, (http://prem). Se você tiver interesse em escrever uma Nota PREM, envie a sua idéia por correio eletrônico para Sarah Nedolast. Para obter cópias adicionais desta nota, entre em contato com o PREM Advisory Service, no telefone x Preparado para a equipe do Banco Mundial

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Informatização das administrações tributária e aduaneira Objetivos dos projetos de informatização da receita fiscal

Informatização das administrações tributária e aduaneira Objetivos dos projetos de informatização da receita fiscal Informatização das administrações tributária e aduaneira A informatização é uma parte importante dos projetos do Banco Mundial relacionados a impostos e alfândega. Baseando-se em projetos concluídos e

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castro

Prefeitura Municipal de Castro ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 (Art. 4º, 1º, inciso II do 2º da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000) DEMONSTRATIVO I ANEXO DE METAS ANUAIS Em cumprimento ao disposto

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil 1. INTRODUÇÃO Ivan Tomaselli e Sofia Hirakuri (1) A crise financeira e econômica mundial de 28 e 29 foi principalmente um resultado da

Leia mais

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Amir Khair 1 Este trabalho avalia o impacto do crescimento do PIB sobre a dívida líquida do setor público (DLSP). Verifica como poderia estar hoje

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS OBJETIVO: ILUSTRAR CONCEITOS TRABALHADOS EM MACROECONOMIA Patricia Bonini - patriciabonini@gmail.com Roteiro

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Henrique Meirelles

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Henrique Meirelles PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Henrique Meirelles 28 de agosto, 2015 AGENDA CURTO PRAZO (2015/2016): AJUSTES MACROECONÔMICOS PROJEÇÕES LONGO PRAZO: OBSTÁCULOS AO CRESCIMENTO PROPOSTAS DE POLÍTICA

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Brasília, julho de 2007 Matheus A. Zanella 1 Superintendência Técnica da CNA Este artigo apresenta um panorama dos principais indicadores do mercado mundial de

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL. Produção

A ECONOMIA MUNDIAL. Produção V A economia mundial / 135 V A ECONOMIA MUNDIAL Produção A crise econômica e financeira que teve início na Tailândia em meados de 1997 espalhou-se por outros países do Sudeste Asiático, incluindo Japão

Leia mais

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge 'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge José Gabriel Palma Veja, 16.1.2016, entrevista a Luís Lima Gabriel Palma, professor da universidade britânica, afirma que latino-

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Março de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Março de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Março de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 2º semestre/12 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade Crédito

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

Carlos Pio. O Brasil está preparado para atender a um novo cenário de demanda?

Carlos Pio. O Brasil está preparado para atender a um novo cenário de demanda? As Novas Perspectivas do Mercado Internacional O Brasil está preparado para atender a um novo cenário de demanda? Carlos Pio Professor, UnB (Economia Política Int l) Sócio, Augurium (Risco Político) 1

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Associado à Fundação Armando Alvares Penteado Rua Ceará 2 São Paulo, Brasil 01243-010 Fones 3824-9633/826-0103/214-4454 Fax 825-2637/ngall@uol.com.br O Acordo

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial A Evolução da Inflação no Biênio / no Brasil e na Economia Mundial A variação dos índices de preços ao consumidor (IPCs) registrou, ao longo do biênio encerrado em, desaceleração expressiva nas economias

Leia mais

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil CRISTINA FRÓES DE BORJA REIS (*) O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil Esse artigo apresenta as relações entre investimento público e desenvolvimento econômico no Brasil entre

Leia mais

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012 Relatório Econômico Mensal Abril - 2012 Índice Indicadores Financeiros...3 Projeções...4 Cenário Externo...5 Cenário Doméstico...7 Renda Fixa...8 Renda Variável...9 Indicadores - Março 2012 Eduardo Castro

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7%

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% Mogi Guaçu (SP), 11 de agosto de 2014 - A MAHLE Metal Leve S.A. (BM&FBOVESPA: LEVE3), Companhia líder na fabricação e comercialização de

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

CRESCIMENTO DAS MARGENS E RESULTADOS NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 Em relação ao primeiro semestre de 2014:

CRESCIMENTO DAS MARGENS E RESULTADOS NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 Em relação ao primeiro semestre de 2014: PARIS, 28 de julho de 2015 O Conselho de Administração da Teleperformance, líder mundial em multichannel customer experience, examinou recentemente os relatórios financeiros consolidados para o semestre

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2016. Fábio Silva fabio.silva@bcb.gov.br

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2016. Fábio Silva fabio.silva@bcb.gov.br PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2016 Fábio Silva fabio.silva@bcb.gov.br 27 de janeiro de 2016 Estrutura da apresentação PIB Inflação Mercado de Trabalho 1901 1907 1913 1919 1925 1931 1937 1943

Leia mais

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Data da divulgação do estudo 17/09/2015 CONTEXTO A consultoria Oxford Economics,

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

O estado actual e perspectivas sobre os investimentos estrangeiros directos NOTA DE TRABALHO REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA

O estado actual e perspectivas sobre os investimentos estrangeiros directos NOTA DE TRABALHO REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO O estado actual e perspectivas sobre os investimentos estrangeiros directos

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

China em 2016: buscando a estabilidade, diante dos consideráveis problemas estruturais

China em 2016: buscando a estabilidade, diante dos consideráveis problemas estruturais INFORMATIVO n.º 43 DEZEMBRO de 2015 China em 2016: buscando a estabilidade, diante dos consideráveis problemas estruturais Fabiana D Atri* Ao longo dos últimos anos, ao mesmo tempo em que a economia chinesa

Leia mais

A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL

A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL 1 -- SISTEMA FINANCEIRO E SEUS COMPONENTES BÁSICOS: >> Sistema financeiro = é formado pelo conjunto de mercados e instituições que servem para relacionar poupadores

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio

OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio João Basilio Pereima Neto A combinação de política monetária com elevada taxa de juros em nível e política cambial está conduzindo o país à uma deterioração

Leia mais

Perspectivas do consumo mundial de café

Perspectivas do consumo mundial de café Perspectivas do consumo mundial de café 19º Seminário Internacional de Café de Santos 9 e 10 de maio de 2012 Praia de Pernambuco, Guarujá SP Robério Oliveira Silva Diretor Executivo Resumo Produção mundial

Leia mais

Bruna Niehues Byatriz Santana Alves Mayara Bellettini Mirela Souza

Bruna Niehues Byatriz Santana Alves Mayara Bellettini Mirela Souza Equipe: Bruna Niehues Byatriz Santana Alves Mayara Bellettini Mirela Souza Contexto global Segundo (CARNEIRO, 1999): A globalização nova ordem econômica A mobilidade dos capitais o elemento central Contexto

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

ICC 103-7. 17 setembro 2009 Original: francês. Estudo. Conselho Internacional do Café 103 a sessão 23 25 setembro 2009 Londres, Inglaterra

ICC 103-7. 17 setembro 2009 Original: francês. Estudo. Conselho Internacional do Café 103 a sessão 23 25 setembro 2009 Londres, Inglaterra ICC 103-7 17 setembro 2009 Original: francês Estudo P Conselho Internacional do Café 103 a sessão 23 25 setembro 2009 Londres, Inglaterra Volatilidade dos preços do café Antecedentes No contexto de seu

Leia mais

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil Publicamos nesta semana nossa revisão mensal de cenários (acesse aqui). No Brasil, entendemos que o espaço para expansão adicional da política

Leia mais

Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna

Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna Condição para Crescer Carlos Feu Alvim feu@ecen.com No número anterior vimos que aumentar a poupança interna é condição indispensável para voltar a crescer.

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

BRASIL, FRÁGIL E VULNERÁVEL: O FED ERROU?

BRASIL, FRÁGIL E VULNERÁVEL: O FED ERROU? pesquisar... Blog BRASIL, FRÁGIL E VULNERÁVEL: O FED ERROU? ESC RITO POR ARMANDO C ASTEL AR. Se depender da senadora Gleisi Hoffmann, o Fed, o banco central dos EUA, receberá um voto de censura do Senado

Leia mais

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Nos primeiros anos desta década, os bancos centrais, em diversas economias, introduziram políticas monetárias acomodatícias como forma de evitar

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Número 01/2008 Cenário Moveleiro Número 01/2008 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor MB ASSOCIADOS XVIII Congresso Fenabrave Federação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores Curitiba, 22 de agosto de 2008 1 Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN 1 A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN Cézar Manoel de Medeiros* O Novo Ciclo de desenvolvimento em curso no Brasil é

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países Para o Boletim Econômico Edição nº 45 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países 1 Ainda que não haja receita

Leia mais

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas Luciano Coutinho Rio de Janeiro, 14 de julho de 2009 Limitação da política monetária após crises financeiras Processos de desalavancagem

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

Carta do gestor Setembro 2013

Carta do gestor Setembro 2013 Carta do gestor Setembro 2013 Em setembro, observamos significativa desvalorização do dólar e alta dos preços dos ativos de risco em geral. Por trás destes movimentos temos, principalmente, a percepção

Leia mais

Uma nova abordagem da reforma do serviço público O que é a reforma do serviço público? Essa estratégia funcionou? Por que não?

Uma nova abordagem da reforma do serviço público O que é a reforma do serviço público? Essa estratégia funcionou? Por que não? Uma nova abordagem da reforma do serviço público A reforma do serviço público é uma parte cada vez mais importante na carteira de setor público do Banco. No entanto, essa reforma não gera, com freqüência,

Leia mais

O Brasil e o Rebalanceamento

O Brasil e o Rebalanceamento n o 103 23.07.14 Visão do desenvolvimento O Brasil e o Rebalanceamento do Comércio Mundial A principal forma de explicar o desempenho comercial de um país é aquela que interpreta os comportamentos das

Leia mais

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira Comissão de Finanças e Tributação Seminário: Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria Armando Monteiro Neto Presidente CNI Maio 2010 1. Câmbio atual é inadequado para a

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais Fatos Relevantes Maio/2014 Maio/2008 Vendas Industriais A Variável Indústria apresenta Química recuo com de (- aumento 8,42%), de incluso 9,16% em o maio setor fornece sucroenergético a maior contribuição

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal INFORMATIVO n.º 35 AGOSTO de 2015 Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal Depreciação do yuan traz incertezas adicionais à economia chinesa neste ano

Leia mais

Indicadores de Desempenho Junho de 2014

Indicadores de Desempenho Junho de 2014 Junho de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Lenta recuperação da economia global Os dados do último relatório World Economic Outlook do FMI, como podem ser observado nos gráficos nº 1 e 2, deixam claro que

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS NATURAL

PETRÓLEO E GÁS NATURAL PANORAMA DOS MERCADOS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL E NO MUNDO* Ivan Magalhães Júnior** * Novembro de 2004. ** Engenheiro da Área de Planejamento do BNDES. PETRÓLEO E GÁS NATURAL Resumo O objetivo

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Junho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Reunião do FOMC...Pág.3 Europa: Grécia...Pág.4 China: Condições

Leia mais

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito 1ª GESTÃO DILMA Menor rigor fiscal Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito Controles diretos de preços (gasolina e energia, por exemplo) e desonerações

Leia mais

Comité Latinoamericano de Asuntos Financieros Comitê Latino-americano de Assuntos Financeiros Latin-American Shadow Financial Regulatory Committee

Comité Latinoamericano de Asuntos Financieros Comitê Latino-americano de Assuntos Financeiros Latin-American Shadow Financial Regulatory Committee Comité Latinoamericano de Asuntos Financieros Comitê Latino-americano de Assuntos Financeiros Latin-American Shadow Financial Regulatory Committee Declaração N 9 15 de setembro de 2003 Cambridge, EUA POR

Leia mais

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante No período entre o início da década de 2000 e a eclosão da crise financeira internacional, em 2008, o Brasil

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Quais Foram as Principais estratégias estabelecida pela Política Industrial e Comércio Exterior, adotada pelo Governo Brasileiro?

Quais Foram as Principais estratégias estabelecida pela Política Industrial e Comércio Exterior, adotada pelo Governo Brasileiro? Quais Foram as Principais estratégias estabelecida pela Política Industrial e Comércio Exterior, adotada pelo Governo Brasileiro? Política industrial é um conjunto de medidas para o desenvolvimento de

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

Dinâmica Internacional: EUA e Europa estagnados e ascensão da China

Dinâmica Internacional: EUA e Europa estagnados e ascensão da China Dinâmica Internacional: EUA e Europa estagnados e ascensão da China Eduardo Costa Pinto Técnico de pesquisa e planejamento DINTE/IPEA 05 de outubro de 2011 Salvador/Ba Estrutura da Apresentação Parte I

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro

Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro Boletim Econômico Edição nº 91 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro Neste ano de 2014, que ainda não terminou o Governo

Leia mais

Correção 9)As operações de mercado aberto envolvem variações nos encaixes compulsórios que os bancos. Conceito de Déficit e Dívida Pública

Correção 9)As operações de mercado aberto envolvem variações nos encaixes compulsórios que os bancos. Conceito de Déficit e Dívida Pública Conceito de Déficit e Dívida Pública Correção 9)As operações de mercado aberto envolvem variações nos encaixes compulsórios que os bancos comerciais detêm junto ao Banco Central e, por essa razão, afetam

Leia mais

O Esforço Monetário e a Estabilidade

O Esforço Monetário e a Estabilidade 1 O Esforço Monetário e a Estabilidade 1. INTRODUÇÃO Há consenso de que os obstáculos ao crescimento mais acelerado da nossa economia estão associados à capacidade de expansão da oferta. As reformas e

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

O BID E A AGRICULTURA NA ALC - Financiando oportunidades para o desenvolvimento do setor cafeeiro

O BID E A AGRICULTURA NA ALC - Financiando oportunidades para o desenvolvimento do setor cafeeiro O BID E A AGRICULTURA NA ALC - Financiando oportunidades para o desenvolvimento do setor cafeeiro 4.º Fórum Consultivo da Organização Internacional do Café (OIC) Londres, Reino Unido, 23 de setembro de

Leia mais

Regulação em Projetos Transnacionais de Infraestrutura Aspectos Econômicos. Arthur Barrionuevo FGV - Escolas de Administração e Direito

Regulação em Projetos Transnacionais de Infraestrutura Aspectos Econômicos. Arthur Barrionuevo FGV - Escolas de Administração e Direito Regulação em Projetos Transnacionais de Infraestrutura Aspectos Econômicos Arthur Barrionuevo FGV - Escolas de Administração e Direito Introdução Infraestrutura Características da Infraestrutura Projetos

Leia mais