Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi"

Transcrição

1 Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi I Introdução Um estudo organizado por técnicos do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos mostra que num período de 48 anos, 1961 a 2009, o uso de insumos foi responsável por cerca de 60,0% do crescimento do produto agrícola mundial, e a produtividade total dos fatores respondeu por 40,0% do crescimento do produto agropecuário (Fuglie, K.; Wang, S.; Ball,E, (2012). Eles notaram que a contribuição da produtividade para o crescimento do produto cresceu ao longo dos anos, e no período mais recente ( ), a PTF foi responsável por 74,0% do crescimento global do produto agropecuário. O trabalho organizado por Fuglie, K.; Wang, S. e Ball, E.(2012), analisa o crescimento da produtividade agrícola em 156 países, inclusive o Brasil (Capítulo 7). Sem dúvida, o trabalho representa uma das mais importantes contribuições para o estudo da agricultura mundial. Utilizando os dados da FAO, são calculadas as produtividades por país, região e para o mundo como um todo no período 1961 a Além das próprias estimativas realizadas pelos autores, diversos capítulos do livro são contribuições de autores convidados para compor o estudo através de estudos específicos realizados nos países. Crescimento do produto e da produtividade por regiões e por décadas Crescimento do produto agropecuário ( anual % ) Grupos de Países Todos países em desenvolvimento 3,15 2,97 3,43 3,64 3,34 Todos os países desenvolvidos 2,05 1,93 0,72 1,37 0,58 Mundo 2,74 2,3 2,12 2,21 2,49 Fonte: Fuglie, K; Wang, S.; Ball, E. ( 2012, p,351) Grupos de Países Crescimento da Produtividade total dos fatores( Anual % ) Todos países em desenvolvimento 0,69 0,93 1,12 2,22 2,21 Todos os países desenvolvidos 0,99 1,64 1,36 2,23 2,44 Mundo 0,18 0,6 0,62 1,65 1,84 Fonte: Fuglie, K; Wang, S.; Ball, E. ( 2012, p,351) A análise do crescimento do produto e da produtividade por regiões e por décadas mostra que os países em desenvolvimento tiveram um crescimento médio do produto de 3,34% na década de , e de 2,21% de aumento da produtividade total dos fatores. Os países desenvolvidos tiveram na década de 2000 um crescimento do

2 produto de 0,58 % ao ano e de 2,44% da produtividade. O mundo como um todo teve um crescimento do produto agropecuário de 2,49% ao ano e a produtividade total dos fatores cresceu 1,84% ao ano. Note-se, portanto que os países em desenvolvimento têm puxado o crescimento da agricultura mundial, embora a produtividade tenha crescido menos que nos países desenvolvidos. O crescimento do produto estimado para o Brasil, na década foi de 4,45% ao ano e para a produtividade total dos fatores de 4,04% ao ano. Essas taxas de crescimento são superiores, às taxas apresentadas pelos grupos de países mostrados na tabela, e também à taxa mundial. Os autores concluem que, Brasil e China, são os dois países grandes que mais têm crescido no mundo, e têm puxado o crescimento do produto mundial e da produtividade. Esses países têm também segundo o estudo sustentado o crescimento da produtividade total dos fatores excepcionalmente alta. Esse fato é atribuído aos pesados investimentos em pesquisa e extensão feitos em ambos os países (Fuglie, K. e Wang, S. 2012). Nos 156 países estudados foram identificados países com baixíssimo crescimento da produtividade. O maior grupo de países nessa condição está na África Sub-Sahariana, com crescimento anual da PTF abaixo de 1,0%. Também estão incluídos nesse grupo de baixo crescimento da produtividade vários países da América Latina, principalmente Bolívia, Panamá, Paraguai, vários países do Caribe e de parte da Ásia da região do Pacífico. A Argentina também trem crescido a taxa bem menor do que a taxa média mundial. II A PTF no Brasil e Comparações de Produtividade Um primeiro ponto a observar é que embora Fuglie, Wang e Ball (2012) tenham usado dados da FAO para estimar as produtividades, os resultados são parecidos com os resultados do trabalho apresentado abaixo onde são usadas outras fontes de dados para o Brasil. Fizemos verificações para alguns dos períodos usados por aqueles autores e os resultados são muito convergentes aos do trabalho que será exposto sobre a agricultura brasileira. Vê-se pelos resultados apresentados na tabela que nos últimos 37 anos o produto agrícola no Brasil cresceu a uma taxa média anual de 3,77%. A produtividade total dos fatores cresceu 3,56% ao ano nesse mesmo período e os insumos 0,20% ao ano. Logo, mais de 90% do crescimento da agricultura no país vem ocorrendo pelo aumento da produtividade e menos de 10% ao crescimento do uso de insumos. A tendência marcante de redução no uso de insumos na agricultura à medida que ocorre o crescimento também é muito visível no Brasil. Na última década, , houve uma taxa de crescimento negativa para o uso de insumos (-0,8%).

3 Por que a taxa de crescimento do uso de insumos é baixa no Brasil? A principal explicação para esse fato é a redução das áreas de pastagem e de mão de obra. A área de pastagens apresentou grande redução no Brasil nos últimos anos. Em 1975, ano inicial para o cálculo da produtividade total dos fatores, a área era de pastagens naturais e plantadas era de 165,6 milhões de hectares. Em 2011 esse valor caiu para 150,8 milhões (estimativa). Representou, portanto, uma redução de 9,0% entre os dois anos considerados. Ao mesmo tempo, o efetivo de bovinos mais que dobrou entre 1975 e 2011, passando de 102,5 milhões de cabeças para 210,4 milhões. Como a atividade pecuária tem um peso expressivo no produto bruto da agricultura o aumento da produção de carnes afeta os níveis de produtividade. Outras evidências do aumento da produtividade da pecuária são apresentadas por Martha, G. (2012) e Nicholas, R. and Buccola,S, ( 2012 ). 210 Brasil Evolução das áreas de Pastagens e de Lavouras Pastagens 151 milhões ha Lavouras Fonte: IBGE, PAM e PPM No período de 1975 a 2011, houve forte redução da mão de obra ocupada na agricultura. Os dados da PNAD Pesquisa nacional por amostra de domicílios do IBGE mostram uma redução de 16,7% do emprego agrícola entre esses anos. Mas essa tendência de queda ficou menos acentuada nos últimos 10 anos, e observa-se até mesmo uma estabilização do número de pessoas ocupadas no campo. O gráfico representando os índices de mão de obra terra e capital representam bem o padrão de crescimento da agricultura no Brasil nos últimos anos. Nota-se que o índice que mais cresce é o capital, representado por fertilizantes, defensivos e máquinas agrícolas automotrizes. A tendência de modernização, embora não de uma forma generalizada, também foi observada empiricamente no estudo de Fuglie, Wang e Ball (2012).

4 Ano Produto Agropecuário Insumos Totais PTF Tx. Anual Média de Cresc.( % ) Produto por Pessoa Ocupada Produto por Hectare Produtividade de Grãos ,37 2,87 1,46 4,25 3,15-6, ,38 2,2 1,16 2,13 2,91 2, ,01 0,36 2,64 3,52 3,25 4, ,85-0,8 5,69 5,71 5,32 2, ,77 0,2 3,56 4,29 3,77 2,96 Fonte: Gasques, J.G; Bastos, E.T; Valdez, C.; Bacchi, M.R., 2012 Produtividade de Grãos refere-se a arroz, feijão, milho,soja e trigo 140 MÃO-DE-OBRA TERRA CAPITAL ,7 120 índice ,0 102, , Fonte: Gasques, J.G; Bastos, E.T; Valdez, C.; Bacchi, M.R., 2012 O produto por hectare, que expressa a produtividade da terra apresenta taxa de crescimento de 3,77% ao ano durante o período Essa taxa é considerada elevada em comparações internacionais. As taxas encontradas por Fuglie, Wang e Ball (2012) não chegam a esse percentual. Embora os dados internacionais mostrem uma tendência de redução da produtividade de grãos os dados para o Brasil não são muito conclusivos. Tivemos aumento da produtividade de grãos (arroz, feijão, milho, trigo e soja), entre as décadas de 1980 e 1990 e uma taxa mais baixa de crescimento de 2000 a A média para todo o período analisado, 1975 ficou em 2,96% ao ano. Essa taxa também é considerada alta quando comparada a outros países. A redução do número de pessoas ocupadas vem ocorrendo mediante elevado aumento da produtividade do trabalho. O aumento da produtividade tem crescido mais velozmente que em outros países como mostra o trabalho de Fuglie, Wang e Ball (2012). Nesse trabalho a maior média mundial foi observada na última década (2001-

5 2009) e foi de 2,8% ao ano. No Brasil um período próximo desse, , a produtividade do trabalho cresceu 5,7% ao ano, quase o dobro da média mundial. A maior parte dos aumentos de produtividade do trabalho e da terra observados devese a um uso mais intensivo de fertilizantes, defensivos, máquinas mais eficientes e incorporação de novas áreas ocorrida no Centro Oeste e atualmente no Centro Nordeste do país (Ministério da Agricultura, 2012). Os resultados do crescimento da produtividade total dos fatores, como referem-se a um índice abrangente que envolve para seu cálculo as lavouras, pecuária e outras atividades da agricultura, permitem que se observe a relação entre a posição dos países na produção mundial de alimentos e os níveis de produtividade desses países. Foram selecionados através dos dados do USDA (2013) os principais países produtores de carnes e grãos no mundo em Cada país foi representado pelo total de produção de cada produto considerado e associou-se a esse país sua taxa de crescimento da produtividade média, e também a taxa mundial, de 1,84% ao ano no período analisado por Fuglie, Wang e Ball. Os resultados estão na tabela. Principais países produtores de carnes e grãos e suas produtividades Carne de Frango Carne Bovina Principais Produtores Milhões de Ton. PTF Principais Produtores Milhões de Ton. PTF Brasil 9,38 4,04 China 14,10 2,83 EU-27 7,70 2,59 Brasil 13,01 4,04 China 5,58 2,83 EU-27 9,58 2,59 Índia 4,17 2,08 Estados Unidos 16,34 2,26 Estados Unidos 11,27 2,26 Mundo 83,54 1,84 Mundo 57,53 1,84 Fonte:Fuglie, Keith; Wang, S. Ling; Ball, E e USDA, 2013 Porco Soja Principais Produtores Milhões de Ton. PTF Principais Produtores Milhões de Ton. PTF China 52,00 2,83 Brasil 82,50 4,04 EU-27 22,63 2,59 Estados Unidos 82,06 2,26 Estados Unidos 10,44 2,26 Argentina 54,00 1,22 Mundo 104,71 1,84 Mundo 269,41 1,84 Fonte:Fuglie, Keith; Wang, S. Ling; Ball, E e USDA, 2013 Milho Arroz Principais Produtores Milhões de Ton. PTF

6 Principais Produtores Milhões de Ton. PTF Argentina 28,00 1,22 Brasil 71,00 4,04 Bangladesh 33,80 3,31 Canadá 13,06 2,14 China 143,00 2,83 China 208,00 2,83 Índia 99,00 2,08 EU-27 54,67 2,59 Indonésia 36,90 3,68 Índia 20,00 2,08 Philipinas 10,99 2,70 México 20,70 2,59 Thailandia 20,50 2,37 Ukraine 20,50 2,08 Vietnam 22,71 2,44 Estados Unidos 273,83 2,26 Mundo 465,55 1,84 Mundo 852,30 1,84 Fonte:Fuglie, Keith; Wang, S. Ling; Ball, E e USDA, 2013 Foram tomados os principais produtores mundiais de carne de porco, de carne bovina e de carne de frango. Para grãos foram considerados os principais países produtores de arroz, milho e soja. Conclui-se que os grandes produtores mundiais também são aqueles que apresentam maiores taxas de crescimento da produtividade total dos fatores. A produtividade é um fator ligado a importância do país na produção mundial. Observa-se que os grandes países produtores de soja, com exceção da Argentina, apresentam taxas de crescimento da produtividade total dos fatores com maior crescimento que a taxa mundial. III Alguns Fatores Determinantes do Crescimento da Produtividade no Brasil O trabalho de Fuglie, K.; Wang, S. e Ball,E. (2012), verificou nos diversos estudos de caso apresentados no livro por eles organizado que uma fonte importante do crescimento da produtividade se deve a reformas institucionais e econômicas realizadas nos países e aos investimentos realizados em pesquisa e desenvolvimento. Num período de 40 anos examinado, a produtividade total dos fatores de Brasil e China, cresceu a média anual de 3,29%, que é a maior média entre todos os países estudados. O que explica esse crescimento é que Brasil e China fizeram pesados investimentos em pesquisa e extensão ao longo do período analisado. Um interessante estudo de Mendes, S.; Teixeira, E.C.,e Salvato (2009) analisou os efeitos dos investimentos em infra-estrutura sobre a produtividade total dos fatores e concluíram que o investimento em rodovia teve o maior efeito positivo sobre a PTF, seguido, em ordem decrescente, pelos investimentos em pesquisa, telecomunicações, irrigação e energia elétrica. Os impactos da pesquisa sobre a produtividade total dos fatores foi mais forte que a política de crédito e as exportações do agronegócio. O aumento de um por cento nos gastos com pesquisa traz um crescimento da PTF que pode atingir 0,35% em 10 anos; o aumento de 1% nos desembolsos do crédito rural (custeio, investimento e comercialização) que pode ter um impacto de 0,25% e o impacto das exportações sobre a PTF é de 0,14% (Gasques, J. Bastos, E. T.; Valdes, C.; Bacchi, M., 2012).

7 A mudança da qualidade dos insumos em geral, tais como máquinas agrícolas, defensivos, fertilizantes tem sido outra fonte de aumento da produtividade. Uma apresentação de um especialista em máquinas agrícolas mostrou que a evolução tecnológica das máquinas agrícolas no Brasil tem sido acelerada e forte (Malfitano, 2004). As operações são feitas com mais precisão e eficiência atualmente. Do mesmo modo os aperfeiçoamentos introduzidos em sementes têm sido enormes em direção a tornarem as atuais sementes de grãos mais produtivas e resistentes a ataques de pragas e doenças e mais resistentes às mudanças climáticas. A ocupação de novas áreas no Brasil tem sido outro fator de aumento da produtividade da agricultura. O deslocamento da produção de lavouras e da pecuária para novas regiões do Norte, Centro Oeste e Centro Nordeste tem sido outro fator responsável pelo aumento da produtividade. A expansão da produção de grãos nos últimos 37 anos teve uma contribuição do Centro Oeste de cerca de 120%. Sem essa região o aumento de produção teria sido de 163%; com o Cento Oeste a produção se elevou em 284% entre 1976 e Essas áreas de ocupação mais recente são dotadas de um conjunto de características propícias à produção agropecuária em grande escala, como: terras planas, disponibilidade de água; solos produtivos; intensidade de insolação elevada. Também é um fator de aumento da produtividade no Brasil o perfil das pessoas que trabalham nas atividades do campo. A maior parte das pessoas ocupadas na agricultura está na faixa etária entre 15 anos e 49 anos. Estes representam 69,2% das pessoas ocupadas (IBGE, Pnad, 2011). Este é um fator importante na tomada de decisões e também na realização de tarefas mais complexas que exigem treinamentos especiais, aspectos inerentes às pessoas de mais baixas faixas etária. Referências Fuglie, O. K. and Wang, S.L. New Evidence Points to Robust But Uneven Productivity Growth in Global Agriculture. USDA, Economic Research Service, Amber Waves, September Gasques, J. Bastos, E. T., Valdes, C. e Bacchi, M., 2012 IBGE, Pnad Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, Acesso em Dezembro de 2012 Keith, O. F., Wang, S.L. and Ball, E (eds.). Productivity Growth in Agriculture: An International Perspective. CAB International, Oxfordshire, UK, Malfitano, R. Evolução Tecnológica das Máquinas Agrícolas no Brasil. Seminário no IPEA em 28 de Setembro de Martha, G (2012).

8 Mendes, S.; Teixeira, E.C.,e Salvato (2009). Investimentos em Infra- Estrutura e Produtividade Total dos Fatores na Agricultura Brasileira: RBE Rio de Janeiro V. 63 n. 2 / p Abr.- Jun 2009 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Projeções do Agronegócio Brasil 2011/12 a 2021/ 22. Brasília, DF, Rada, Nicholas, and Steve Buccola, 2012, Agricultural Policy and Productivity: Evidence from Brazilian Censuses, Agricultural Economics 43 (4): USDA acesso em Janeiro de 2013 ANEXO ANO PTF PRODUTO INSUMO MÃO- DE- OBRA TERRA CAPITAL ,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100, ,58 99,04 104,71 100,00 101,79 102, ,88 113,64 114,93 106,03 103,39 104, ,72 111,42 110,63 100,88 103,91 105, ,17 116,75 112,07 100,13 104,97 106, ,03 125,22 99,36 86,82 106,11 107, ,68 133,80 103,17 91,67 106,17 106, ,51 133,09 110,44 97,84 107,45 105, ,45 133,24 99,84 90,26 105,57 104, ,53 139,77 119,95 104,15 107,61 107, ,54 158,00 121,97 105,63 108,71 106, ,04 142,77 120,95 99,93 109,36 110, ,33 158,11 119,49 98,55 109,27 110, ,93 164,45 120,10 99,23 110,04 109, ,78 171,96 117,96 98,12 109,87 109, ,20 165,06 116,08 99,02 107,70 108, ,01 170,20 104,41 89,51 107,69 108, ,34 180,53 118,50 101,72 107,65 108, ,34 177,89 115,26 100,72 105,33 108, ,01 191,88 114,21 96,91 107,87 109, ,40 196,58 117,43 100,77 107,51 108, ,09 193,40 108,60 93,25 105,34 110, ,34 200,30 115,55 93,48 105,83 116, ,38 206,94 112,23 90,74 105,37 117, ,80 223,43 120,90 95,79 105,95 119, ,14 232,74 114,01 87,60 106,17 122, ,09 252,28 111,58 86,46 106,06 121, ,99 262,83 116,30 88,64 106,91 122, ,19 285,89 122,60 88,95 108,39 127, ,92 303,54 132,60 94,13 109,74 128, ,48 307,85 126,44 92,17 109,74 125, ,09 324,30 114,96 88,77 103,96 124,56

9 ,48 346,00 115,92 86,01 103,50 130, ,44 367,60 111,58 82,74 103,95 129, ,19 360,29 106,85 82,19 103,37 125, ,38 384,42 108,78 82,19 102,85 128, ,15 395,50 108,91 82,19 102,94 128,73 Fonte: Gasques, J.G; Bastos, E.T; Valdez, C.; Bacchi, M.R., 2012

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 2007

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 2007 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO MUNDO E BRASIL 26/7 a 217/18 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 27 1 SISTEMA AGROINDUSTRIAL AMBIENTE INSTITUCIONAL

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Primeiro Trimestre 2015 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

Preços agrícolas, tecnologia e segurança alimentar

Preços agrícolas, tecnologia e segurança alimentar Preços agrícolas, tecnologia e segurança alimentar Apresentação no Debate realizado pela Comissão de Relações Exterior, na audiência pública: A crise econômica mundial de 2008 e suas consequências: volatilidade

Leia mais

BRASIL PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO 2011/2012 a 2021/2022

BRASIL PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO 2011/2012 a 2021/2022 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA BRASIL PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO 211/212 a 221/222 RESUMO EXECUTIVO* APRESENTAÇÃO Este trabalho é uma atualização e revisão

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 MILHO (Zea mays) Sustento da Vida Maior cultura agrícola do mundo;

Leia mais

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015 AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016 Carlos Cogo Outubro/2015 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 115 110 105 100 95 90 85 80 75 70 65 60 55 CARNES: EVOLUÇÃO

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO ANÁLISES DO PERÍODO 1996/2014

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO ANÁLISES DO PERÍODO 1996/2014 CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO ANÁLISES DO PERÍODO / BOLETIM: OUTUBRO/2015 PESQUISA DE PRODUTIVIDADE SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA DE PRODUTIVIDADE:

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Brasília, julho de 2007 Matheus A. Zanella 1 Superintendência Técnica da CNA Este artigo apresenta um panorama dos principais indicadores do mercado mundial de

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea),

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Nota: A reprodução do artigo abaixo ou de trechos do mesmo é autorizada, sendo obrigatória a citação do nome dos autores. O texto abaixo está publicado em: www.cepea.esalq.usp.br/macro/ 1. Introdução EXPORTAÇÕES

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: SOJA Safra 2010/11 e Expectativas 2011/12

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: SOJA Safra 2010/11 e Expectativas 2011/12 Safra 2010/11 e Expectativas 2011/12 BOLETIM ANUAL DO Safra 2010/11 e Expectativas 2011/12 1. Mercado Internacional A produção mundial de soja mantém a sua tendência de crescimento, porém, a taxas variáveis.

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

Pecuária em um contexto socioeconômico: desafios e oportunidades

Pecuária em um contexto socioeconômico: desafios e oportunidades Pecuária em um contexto socioeconômico: desafios e oportunidades Gabriel Granço www.iconebrasil.org.br Brasília, Julho 2012 Motivação Outlook Brasil Preparar estrategicamente as indústrias de insumos agropecuários

Leia mais

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C Questão 25 No Brasil, no período 1990-91 a 2003-04, a produção de grãos apresentou crescimento de 125%, enquanto a área plantada aumentou apenas 24%, conforme mostra o gráfico. BRASIL _ ÁREA PLANTADA E

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Visão. O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento. do Desenvolvimento. nº 93 15 abr 2011. no comércio internacional

Visão. O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento. do Desenvolvimento. nº 93 15 abr 2011. no comércio internacional Visão do Desenvolvimento nº 93 15 abr 2011 O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento Por Fernando Puga e Filipe Lage de Sousa Economistas da APE Países têm grande potencial de aprofundar

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção A em todo o Território Nacional. A presente análise apresenta

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE.

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE. O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE Ano 4 200 Nº 20 O nosso negócio

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 7B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA 1. Agricultura no Brasil: Breve histórico - Brasil Colônia: monocultura da cana se destacava como produto principal,

Leia mais

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas Moacyr Bernardino Dias-Filho Engenheiro Agrônomo, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Belém, PA www.diasfilho.com.br Conceito

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2.

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2. I N F O R M A T I V O Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição Agricultura Página 2 O Dragão está em xeque? Prezados

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta Monsanto 11 de junho de 2013 1 Objetivo do trabalho 2 Objetivo do presente trabalho é demonstrar a importância econômica da utilização da tecnologia no aumento

Leia mais

INFORMA DIEESE agosto/2008

INFORMA DIEESE agosto/2008 INFORMA DIEESE Nº. 74 AGOSTO/2008 1 INFORMA DIEESE agosto/2008 A INFLAÇÃO RECENTE E AS CAMPANHAS SALARIAIS A inflação voltou? Como ficam as campanhas salariais dos trabalhadores? Com o objetivo de discutir

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Analise o gráfico sobre o número acumulado de inversões térmicas, de 1985 a 2003, e a) defina o fenômeno meteorológico denominado inversão

Analise o gráfico sobre o número acumulado de inversões térmicas, de 1985 a 2003, e a) defina o fenômeno meteorológico denominado inversão 11 GEOGRAFIA Nas épocas de estiagem, a dispersão de poluentes é dificultada e a qualidade do ar piora muito na cidade de São Paulo, afetando, consideravelmente, a saúde das pessoas. NÚMERO DE INVERSÕES

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 A evolução da produção de milho no Mato Grosso: a importância da safrinha Jason de Oliveira Duarte 1 José Carlos Cruz 2 João Carlos Garcia 3 Introdução

Leia mais

PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE

PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE Ano V Agosto de 2011 Nº 13 INFORME RURAL ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação - AEPA PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE

Leia mais

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Dr. Guilherme Cunha Malafaia Embrapa Gado de Corte Estruturação do Debate A Cadeia Produtiva da Pecuária de Corte e seus Agentes;

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Fertilizantes no Brasil Para um Mundo mais bem nutrido Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Alimentando os 10Bi O crescimento da população irá aumentar a demanda mundial por alimentos. Até 2050

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman. Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.com Começa a segunda onda prevista de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 I Resultados do mês (comparativo Mar/2015 Mar/2014)

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL: fim de um ciclo expansionista? Eloísa Vidal (UECE) Leandro Costa (IPECE) Sofia Lerche Vieira (UECE, coord.)

ENSINO FUNDAMENTAL: fim de um ciclo expansionista? Eloísa Vidal (UECE) Leandro Costa (IPECE) Sofia Lerche Vieira (UECE, coord.) ENSINO FUNDAMENTAL: fim de um ciclo expansionista? Eloísa Vidal (UECE) Leandro Costa (IPECE) Sofia Lerche Vieira (UECE, coord.) Artigo sumário Introdução: recorte metodológico (Ensino Fundamental) e bases

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão Ministério

Leia mais

Desenvolvimento. Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Desenvolvimento. Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano A Desenvolvimento Processo

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA Holambra, 25 de Outubro de 2007 Fertilizantes: Análise Mercadológica Produto: Insumo Bem homogêneo Bem

Leia mais

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM MERCADO FUTURO Soja Diego Marafon Edemir Miotto Júnior Felipe Patel Prof. Dr. Miguel Ângelo Perondi INTRODUÇÃO Na atualidade, a soja apresenta-se como um produto em evidência Grão muito proveitoso, devido

Leia mais

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro O agronegócio brasileiro Setor estratégico para a economia brasileira, grande motor do seu desempenho Representa 23% do PIB brasileiro Responde por 40%

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina

Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina Resumo Lauro Mattei Professor dos cursos de Graduação e de Pós-Graduação do Departamento de Economia da UFSC. E-mail: mattei@cse.ufsc.br Este artigo

Leia mais

Painel Oficina 4 Agricultura e Segurança Alimentar

Painel Oficina 4 Agricultura e Segurança Alimentar ETHOS Conferência Internacional 2012 Painel Oficina 4 Agricultura e Segurança Alimentar André M Nassar ICONE www.iconebrasil.org.br São Paulo 12 de junho de 2012 Segurança Alimentar: Questões Fundamentais

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail. Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.com Algumas Questões Estamos no caminho correto do desenvolvimento

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 15 AGROPECUÁRIA E MEIO AMBIENTE

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 15 AGROPECUÁRIA E MEIO AMBIENTE GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 15 AGROPECUÁRIA E MEIO AMBIENTE Fixação 1) (ENEM) Calcula-se que 78% do desmatamento na Amazônia tenha sido motivado pela pecuária - cerca de 35% do rebanho nacional está na

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

Sumário. 1 A pirâmide social brasileira: 3 As aspirações e os desejos. 4 Um povo cada vez mais otimista...26. 5 As diferenças regionais:

Sumário. 1 A pirâmide social brasileira: 3 As aspirações e os desejos. 4 Um povo cada vez mais otimista...26. 5 As diferenças regionais: Sumário 1 A pirâmide social brasileira: uma mudança à vista?...4 Renda familiar e renda disponível: as classes DE chegam ao ponto de equilíbrio...10 3 As aspirações e os desejos de consumo do brasileiro...18

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões

Leia mais

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas Seminário de Avaliação de Impacto sobre as Adaptações da Agricultura Dakar, 26 a 29 de abril de 2011 Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas KLEBER SANTOS Brasília, 27 de abril de 2011

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE

PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE Ano V Abril de 2011 Nº 05 INFORME RURAL ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação - AEPA PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios José Ricardo Severo Superintendência Técnica CNA Março 2010 1 Objetivos: 1. Importância do Agronegócio; 2. Alavanca exportadora como fator de crescimento;

Leia mais

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil Brasil África do Sul Chile México Coréia do Sul Rússia Austrália Índia Suíça Turquia Malásia Europa China Argentina São Paulo, 26 de setembro de 2011. Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Maio de 2015 Benefício do câmbio mais depreciado sobre as exportações de carnes será limitado pela queda da demanda de mercados relevantes Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola Primeiro e Pecuário Relatório de Avaliação Nacional PAP 2013/2014 sobre Mudanças Climáticas ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Nelson

Leia mais

Resumo. Introdução. na UNIPIAGET, orientado pelo segundo autor. 2 Aluna de Economia e Gestão na Universidade Jean Piaget de Cabo Verde.

Resumo. Introdução. na UNIPIAGET, orientado pelo segundo autor. 2 Aluna de Economia e Gestão na Universidade Jean Piaget de Cabo Verde. Determinantes da Diferença na Produtividade Agrícola de Países e 1 Anilda Inês Jorge Ribeiro 2, António José Medina dos Santos Baptista Introdução Resumo Neste trabalho partiu-se do pressuposto de que

Leia mais