THIAGO DE MORAES ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br"

Transcrição

1 Panorama Recente do Comércio Exterior Brasileiro: Um Estudo Comparativo ( ) Entre as Cinco Principais Cidades Exportadoras do Estado de São Paulo. THIAGO DE MORAES ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP Resumo: Este artigo apresenta um resgate da evolução do comércio exterior brasileiro, dando um panorama do comércio exterior do Estado de São Paulo, e das cinco principais cidades quanto às exportações do Estado de São Paulo, apontando os principais destinos, origens, produtos. Palavras-chave: Exportações Importações Concentração Abstract: This article he presents um ransom from the development from the foreign trade Brazilian, administering um panorama from the foreign trade from the Been as of They are Paulo, AND of the five cities quantum the exportations from the Been as of They are Paulo, pointing the chief destinations, origins, commodities. Keywords: Exportation Imports Concentration 1. INTRODUÇÃO As exportações brasileiras seguem em ritmo acelerado de crescimento consecutivo há mais de 6 anos, batendo recordes históricos na economia brasileira e gerando superávits na balança de pagamentos nunca antes vistos. Este trabalho tem como objetivo geral apresentar um resgate da evolução do comércio exterior brasileiro, assim como sua participação recente no contexto econômico internacional, destacando os principais destinos e origens das transações brasileiras, os principais produtos e as principais empresas detentoras do fomento do comércio exterior brasileiro. Em aprofundamento ao estudo, o presente trabalho tem como objetivos específicos uma análise comparativa dos principais municípios, quanto às exportações do período , do Estado de São Paulo, analisando dados referentes ao panorama do comércio exterior e apontando as principais características qualitativas e quantitativas, principalmente no que se referem às exportações, importações, corrente de comércio, saldo na balança de pagamentos, origens dos produtos, destinos, principais empresas e produtos. 2. EVOLUÇÃO DAS IMPORTAÇÕES E EX- PORTAÇÕES BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1950 A As estatísticas do comércio exterior brasileiro vêm apresentando, nos últimos 6 anos, dados que podemos considerar como uma evolução histórica. Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 5(9):7-12, Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 5(9):51-57,

2 Em 2004, o comércio exterior brasileiro deu um salto, crescendo 31,2% em relação ao ano anterior, com um nível recorde de exportações totalizando US$ 96,5 bilhões, com crescimento de 32% em relação a Situação semelhante podemos observar em 2005, quando as exportações apresentaram um crescimento de 22,6% em relação a 2004 (Gráfico 1), chegando a US$ 118,3 bilhões. Já as importações em 2004 (Gráfico 2), somaram US$ 62,8 bilhões, com acréscimo de 30% sobre 2003, e em 2005 registrou um volume de importações de US$ 73,5 bilhões (MDIC, 2005). Gráfico 1: Evolução das exportações brasileiras Fonte: Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (2005). Os dados apresentados se tratam do maior montante já registrado até então pelo país. Segundo Ribeiro e Markwald (2005), dentre os fatores conjunturais, a partir da abertura da economia em 1990, é possível destacar, sem qualquer surpresa, o forte estímulo resultante da desvalorização cambial promovida pela adoção do regime de flutuação cambial a partir de 1999, a aceleração do comércio mundial observada nos últimos três anos e, ainda, um aumento dos preços de nossas commodities agrícolas e minerais, estimulado pela demanda resultante da progressiva incorporação ao mercado de consumo de importantes contingentes populacionais em paises como a China e a Índia. Gráfico 2: Evolução das importações brasileiras Fonte: Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (2005). O grande incentivo dado pela elevação da taxa de câmbio real resultou não somente da desvalorização que se seguiu à flutuação cambial em 1999, mas também das variações registradas em 2001 e As importações tiveram seu incremento principalmente a partir do ano de 2004, com a implantação do Plano Real, que estabilizou a paridade do Real com o dólar. O impacto das reformas estruturais promovidas ao longo da década de 1990 (liberalização comercial, privatização), teria introduzido fortes elementos de pressão competitiva no ambiente produtivo doméstico, com resultados expressivos em termos de aumento de produtividade das firmas brasileiras. Em adicional se aponta também o aumento expressivo das cotações internacionais das commodities, em especial daquelas que tem grande representatividade em nossa pauta exportadora, como os grãos e os minérios (RIBEIRO E MA- RKWALD, 2005). Numa análise mais detalhada sobre os destinos e origens do comércio exterior brasileiro, podemos destacar como os principais países nas exportações: os EUA com US$ 20 bilhões, a Argentina com US$ 7 bilhões e os Paises Baixos com US$ 6 bilhões exportados em Nas importações, num mesmo perfil de análise, tomamos os EUA com US$ 11 bilhões, a Argentina com US$ 6 bilhões e a Alemanha com US$ 5 bilhões (MDIC, 2005). Segundo Relatório do MDIC (2005 A), na composição da pauta das exportações, vinte e cinco produtos alcançou e cifra de exportação superior a 1 bilhão de dólares, tomados em conjunto, representaram vendas externas da ordem de US$ 52,8 bilhões, equivalentes a cerca de 54,8% do total, recorde que, em 2003, apenas vinte e um itens havia atingido tal patamar. Os principais produtos que se destacam na exportação em 2005 são: soja com US$ 5 bilhões, Minério de Ferro com US$ 5 bilhões e Automóveis com US$ 3 bilhões. Nas importações se destacam o Petróleo US$ 7 bilhões, o ramo de Autopeças e os Circuitos eletrônicos, ambos com US$ 2 bilhões importados em Distribuição das Exportações e Importações quanto aos Estados Brasileiros Analisando as informações no que se refere à distribuição dos montantes apurados pelas exportações 52 Rev. de de Negócios Internacionais, Piracicaba, 5(9):51-57, 5(9):7-12, 2007

3 e importações brasileiras, podemos fazer uma distribuição pelos estados da federação, a começar pelas regiões do país. Nessa distribuição, aponta-se como principal região o Sudeste, que de tem o maior volume de transações no comércio exterior brasileiro com exportações em US$ 65,2 bilhões e importações em US$ 45,2 bilhões, o Sul fica em segundo lugar com exportações e importações em US$ 26 bilhões e US$ 13,4 bilhões, respectivamente No comércio exterior brasileiro, quanto sua distribuição nos estados, os principais exportadores são: São Paulo com US$ 38 bilhões, Minas Gerais US$ 13,5 bilhões, Rio de Janeiro com aproximadamente US$ 10,5 bilhões, o estado do Rio Grande do Sul US$ 10,0 bilhões e o Paraná com US$ 10,0 bilhões exportados. Vale a pena frisar que estes cinco estados juntos, somam mais de US$ 80 bilhões em mercadorias, isso representa mais de 70% de todo volume exportado brasileiro Quanto às importações, podemos observar que os cinco principais importadores do Brasil são: o estado de São Paulo, que importou em 2005 cerca de US$ 30,5 bilhões, em segundo o Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul ambos com US$ 6,7 bilhões, o Amazonas com US$ 5,2 bilhões e o estado do Paraná com US$ 4,5 bilhões (ANUÁRIO, 2006). 3. PANORAMA DO COMÉRCIO EXTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Segundo Pavarina (2003), o Estado de São Paulo concentra quase 40 milhões de habitantes ao longo de um território de quilômetros quadrados, apresentando a mais alta densidade demográfica do país (aproximadamente 20% da população brasileira em 2,91% do território nacional, equivalem a mais de 150 habitantes/km2). Com relação ao comércio exterior, o Estado de São Paulo responde pela maior concentração das transações comerciais brasileiras, US$ bilhões em exportações em 2006, o que representa uma participação de mais de 33% do total exportado pelo Brasil em Já as importações em 2006 somaram US$ 37,0 bilhões, o que representa uma participação nas importações brasileiras de 40,55%, gerando um saldo comercial de US$ 8,8 bilhões e apresentando uma corrente de comércio de US$ 82,9 bilhões (MDIC 2006). O Estado de São Paulo apresenta uma capilaridade vasta em parceiros comerciais, distribuídos por todos os continentes, no que tange às exportações em 2006 podemos citar como principal país comprador os Estados Unidos, que representa um montante de mais de US$ 8,6 bilhões. Em segundo lugar a Argentina com US$ 5,8 bilhões, e seguindo o ranking temos México com US$ 2,2 bilhões, dentro outros As importações também seguem o mesmo ritmo, tendo uma ampla rede de parceiros, sendo os principais países de origem das importações do Estado de São Paulo: os Estados Unidos em primeiro, com US$ 7,7 bilhões; em segundo, a Alemanha com US$ 3,7 bilhões; em seguida a China com US$ 2,8 bilhões. No que tange às exportações, segundo o MDIC (2006 B), o Estado de São Paulo lidera na pauta dos produtos industrializados, com US$ 42,1 milhões, devido a concentração das indústrias no estado, dados referentes ao período de Podemos apontar como as principais cidades na pauta das exportações do Estado de São Paulo em 2006, no total dos produtos exportados, a cidade de São Paulo com exportações em torno de US$ 7,1 bilhões, em seguida a cidade de São Jose dos Campos com US$ 4,9 bilhões, São Bernardo do Campo com US$ 4,4 bilhões, em seguida Santos com US$ 3,0 bilhões e a cidade de Piracicaba com US$ 2,1 bilhões exportados Podemos apontar as principais cidades do Estado de São Paulo quanto às importações, em que a soma delas identifica a cidade de São Paulo liderando a lista com importações em torno de US$ 6,4 bilhões, em segundo, cidade de São Jose dos Campos com US$ 2,9 bilhões, São Bernardo do Campo com aproximadamente US$ 1,8 bilhões, Piracicaba com cerca de US$ 818 milhões e Santos com US$ 480 milhões. 4. EVOLUÇÃO COMPARATIVA ENTRE AS 5 PRINCIPAIS CIDADES DO ESTADO DE SÃO PAULO. O Gráfico 3 apresenta a evolução das exportações nos 5 municípios em estudo, e como podemos observar, a cidade de São Paulo, onde se concentra o maior volume em exportações do Brasil, apresentou Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 5(9):7-12, Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 5(9):51-57,

4 em 2003 exportações em torno de US$ 4,7 bilhões, passando para US$ 5,8 bilhões em 2004, caindo para US$ 5,6 bilhões em 2005 e retornando o crescimento em 2006, fechando com US$ 7,1 bilhões. A cidade de São Jose dos Campos registrou em 2003 exportações em torno de US$ 3,0 bilhões, passando para 2004 com US$ 4,7 bilhões e não obteve muito crescimento nos anos posteriores, fechando o ano de 2005 com US$ 4,9 bilhões, e se estabilizando como visto no gráfico, mantendo em 2006 a posição dos US$ 4,9 bilhões Já o município de São Bernardo do Campo vem registrando crescimentos constantes, pois em 2003 apresentou US$ 2,0 bilhões em exportações, passando para US$ 2,7 bilhões em 2004, e US$ 3,6 bilhões em 2005 e, em 2006 fechou as exportações com um volume de US$4,4 bilhões. Vale a pena frisar que, se São Bernardo do Campo continuar com esse crescimento, podemos considerar que no ano de 2007 a cidade alcance o município de São Jose dos Campos e ocupe assim, a segunda posição no ranking das maiores cidades exportadoras do Estado de São Paulo. Gráfico 3: Evolução das exportações nas 5 principais cidades do Estado de SP. Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (2006) A cidade de Santos também apresentou um crescimento constante das exportações no mesmo período em análise. Em 2003 fechou as exportações com US$ 1,4 bilhão, em 2004 com US$ 1,6 bilhão, em 2005, ficou com US$ 2,3 bilhões e em 2006 fechou com um montante de US$ 3,0 bilhões. A cidade de Piracicaba, no interior do Estado, assemelha seu crescimento na mesma escala da cidade de São Bernardo do Campo e vem demonstrando um crescimento constante nas exportações, pois em 2003 a cidade exportava cerca de US$ 664 milhões, passando em 2004 para US$ 1,2 bilhão, em 2005 fechou com US$ 1,6 bilhão e em 2006, apresentou um montante de US$ 2,1 bilhões exportados Gráfico 4: Evolução das importações pelas 5 principais cidades do Estado de SP. Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (2006) Com as importações, a cidade de São Paulo apresentou no ano de 2003, um volume de US$ 3,9 bilhões, em 2004, passou para US$ 4,4 bilhões e em 2005, US$ 5,4 bilhões, fechando em 2006 com US$ 6,4 bilhões importados. A cidade de São Jose dos Campos apresentou em 2003, um montante de US$ 1,9 bilhão, passando para US$ 2,9 bilhões em 2004 e, em 2005 teve uma queda nas importações, passando para US$ 2,6 bilhões, retomando no ano de 2006 quando fechou com US$ 2,9 bilhões importados (Gráfico 5), Já o município de São Bernardo do Campo, apresentou um crescimento constante, já que em 2003 fechou as importações com US$ 1,0 bilhão, em 2004, apresentou US$ 1,4 bilhão, em 2005 passou para US$ 1,7 bilhão e em 2006 fechou as importações com US$ 1,8 bilhão. A cidade de Piracicaba em 2003 apresentou um montante de US$ 382 milhões, passando para US$ 620 milhões em 2004, em 2005 fechou com US$ 735 milhões e, em 2006 apresentou um montante de mais de US$ 817 milhões em importações O município de Santos, a 5º maior cidade do Estado de São Paulo em volume de importações, fechou o ano de 2003 com US$ 330 milhões, em 2004 e 2005 sofreu quedas, caindo para US$ 306 milhões e US$ 281 milhões, respectivamente, retomando seu crescimento em 2006, quando fechou as importações em US$ 480 milhões. 54 Rev. de de Negócios Internacionais, Piracicaba, 5(9):51-57, 5(9):7-12, 2007

5 Podemos considerar, com base nos dados apresentados que, a cidade de São Paulo, apesar de sua grande importância e relevância no comércio exterior brasileiro não contribuiu significativamente, em volumes, com o saldo comercial, sendo a diferença entre as exportações e as importações, o que representou para o balanço de pagamentos em 2006, um valor de apenas US$ 672 milhões, que em comparação com as 5 principais cidades do Estado de São Paulo é o menor saldo comercial. Quanto à corrente de comércio, que é a soma das exportações com as importações, a cidade de São Paulo fechou em 2006 com US$ 13,6 bilhões, sendo a maior do Estado e do país, seguido por São Jose dos Campos com US$ 7,8 bilhões, São Bernardo do Campo com US$ 6,3 bilhões, a cidade de Santos com US$ 3,5 bilhões e Piracicaba com US$ 2,98 bilhões. As 5 principais cidades no estudo em questão, apresentam um grande leque de parceiros comerciais, tanto nas exportações como nas importações. A cidade de São Paulo tem como principais parceiros nas exportações a União Européia e a Ásia, que juntos representam mais de 47% das exportações do município, a cidade de São Jose dos Campos tem como parceiros o Estados Unidos (Inclusive Porto Rico) e a União Européia com mais de 42%, São Bernardo do Campo concentra suas exportações principalmente para a ALADI (Exclusive Mercosul) com 26%, também com o Mercosul e União Européia, ambos com 20%, somando 66% das exportações. A cidade de Santos tem suas exportações mais diversificadas e exportando para a África 16%, Ásia (Exclusive Oriente Médio) 16%, Oriente Médio 15% e União Européia, 13% e juntos eles somam 60% das exportações do município. A cidade de Piracicaba tem com principal parceiro comercial o Estados Unidos, com cerca de 20%, também se destacam o mercado da ALADI (Exclusive Mercosul) com 19% e a África com 14% das exportações Quanto às importações a cidade de São Paulo concentra principalmente na União Européia, com mais de 34%, também para os Estados Unidos (Inclusive Porto Rico) e Ásia (Exclusive Oriente Médio) ambas com 23%, que juntas somam mais de 80%. A cidade de São Jose dos Campos tem um grande volume de importações dos Estados Unidos (Inclusive Porto Rico) com mais de 63%, a cidade de São Bernardo do Campo tem como principal fornecedor a União Européia, com mais de 42%. Do mesmo modo, a cidade de Santos concentra suas importações em apenas um bloco econômico, cerca de 67% vem de origens de países do Mercosul. A cidade de Piracicaba também segue importando dos Estados Unidos (Inclusive Porto Rico) com mais de 60% do total importado Vale a pena frisar que cada município concentra suas importações e exportações num determinado bloco econômico ou país de acordo com sua atividade econômica e industrial, para suprir suas necessidades e ganhar mercado dos produtos de forma global. A pauta dos produtos nas 5 principais cidades do estado de São Paulo é bastante diversificada, contendo produtos desde os básicos como os agrícolas até os mais tecnológicos como máquinas e aeronaves. Porém, a maiorias das cidades concentra suas exportações em apenas um setor da economia. A cidade de São Paulo apresenta como seus principais produtos o açúcar e a soja. O corpo empresarial da cidade de São Paulo é bastante vasto, de modo que fica difícil identificar as principais empresas que fomentam o comércio exterior, para tanto, podemos citar como as principais, como: Companhia Siderúrgica Paulista COSIPA e a VCP Exportadora e Participações Ltda, que possuem um volume de exportações maior que US$ 100 milhões A cidade de São José dos Campos tem suas atividades internacionais voltadas principalmente para o setor aéreo, e automobilístico. A EMBRA- ER Empresa Brasileira de Aeronáutica S. A. com sede no município é responsável pelo montante de exportações de aviões, com cerca de 64% do total exportado. Uma grande parte também cabe a General Motors do Brasil Ltda que é responsável pelo setor automobilístico na cidade e representa cerca de 16% das exportações. Já a cidade de São Bernardo do Campo, o setor que mais fomenta o comércio exterior do município é o automobilístico. A cidade possui as principais empresas do setor automobilístico e é delas a maioria das exportações do município, sendo este um exemplo da centralização em um único setor Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 5(9):7-12, Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 5(9):51-57,

6 A cidade de Santos centra mais na exportação do açúcar e de óleos combustíveis, e as principais empresas são a Coopersucar Cooperativa de Produtores de Cana-de-Açúcar e a Petróleo Brasileiro S A PETROBRAS, e, por último, a cidade de Piracicaba, no interior do estado, que concentra suas exportações principalmente no setor metal mecânico e sucroalcooleiro, possuindo como principais empresas a Belgo Siderurgia S.A., a Caterpilar Brasil Ltda, e a Cosan S/A Indústria e Comércio. Essas empresas respondem por mais de 73% das exportações do município que exporta principalmente açúcar, máquinas niveladoras, dentre outras máquinas. Quanto às importações, elas seguem o mesmo setor das exportações, obviamente para suprir as necessidades das indústrias, como peças e suplementos. Na cidade de São Paulo, as importações são bastante diversificadas, não tendo um setor em especifico. Já em São José dos Campos, as importações se concentram principalmente no setor aéreo, com peças e circuitos, para suprir as necessidades da EMBRAER Do mesmo modo as importações da cidade de São Bernardo do Campo referem-se principalmente as partes e acessórios para veículos e seguem as mesmas empresas exportadoras. Em Santos, as importações se concentram principalmente em trigo e em produtos do setor químico e a principal empresa também é a PETROBRAS. O município de Piracicaba se destaca nas importações pelas peças e equipamentos para máquinas de terraplanagem e em motores a diesel, devido principalmente as importações da Caterpillar Brasil Ltda 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os dados apresentados nos mostram que o comércio exterior brasileiro apresenta crescimento constante há seis anos consecutivos, e o fato do Brasil estar crescendo a taxas iguais ou superiores as taxas mundiais já é um fator que podemos considerar, mesmo que por si só, ótimo e que vem contribuindo positivamente para o Produto Interno Brasileiro (PIB) brasileiro e para a economia nacional como um todo. A distribuição geográfica das exportações apresenta um grau de concentração, principalmente na região sudeste, com destaque no Estado de São Paulo. A pauta dos produtos também sofre uma concentração, pois quando avaliamos as cidades do estado essa concentração da pauta de produtos exportados é presente na maioria dos municípios Dentre as principais cidades do estado de São Paulo podemos concluir que a cidade de São Paulo, sendo a maior cidade exportadora do país, é a que menos sofre com essa concentração, o que não ocorre nas cidades como São José dos Campos, que se caracteriza principalmente no setor da aviação, devido à instalação da EMBRAER no município. O mesmo ocorre com a cidade de São Bernardo do Campo, que se caracteriza principalmente no setor automotivo e têm lá instalado as principais empresas do setor. O município de Santos, onde está localizado o Porto de Santos, por onde é escoada grande parte dessas exportações, caracteriza-se mesmo que em escala menor, pelo açúcar. Já na cidade de Piracicaba, as principais empresas concentram mais de 80% do comércio exterior do município e se destaca no setor metal mecânico e sucoalcoleiro. A concentração de setores industriais numa única cidade, como pauta de produtos para a exportação, é um fato que devemos considerar, pois caso ocorra uma crise no setor, prejudicaria drasticamente a estrutura econômica dos municípios apontados. Para tanto, envolve uma discussão do que deve ser feito daqui para frente, para dissipar essa concentração e também identificar claramente os requisitos que ainda devem ser preenchidos para que o Brasil se consolide no contexto do mercado global. REFERÊNCIAS ANUARIO do Comércio Exterior Analise. São Paulo BALANÇA comercial brasileira, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) Disponível em <http://www.desenvolvimento.gov.br>. Acesso em: 25 maio BALANÇA comercial brasileira, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) 2005 A. 56 Rev. de de Negócios Internacionais, Piracicaba, 5(9):51-57, 5(9):7-12, 2007

7 Disponível em <http://www.desenvolvimento.gov.br/sitio/secex/ deppladescomexterior/indestatisticas/balcomercialcompacta. php>. Acesso em: 25 maio BALANÇA comercial brasileira por regiões e estados, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) B. Disponível em <http://www.desenvolvimento. gov.br/sitio/secex/deppladescomexterior/indestatisticas/balcomercialcompacta.php>. Acesso em: 25 maio PAVARINA, P. R. J. P. Desenvolvimento, crescimento econômico e o capital social do estado de São Paulo f. Tese (Titulo de Doutor). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Universidade de São Paulo, Piracicaba, RIBEIRO, F. MARKWALD, R. Análise das exportações brasileiras sob a ótica das empresas, dos produtos e dos mercados. Revista Brasileira de Comércio Exterior. Rio de Janeiro. n. 85. p BALANÇA Comercial, por Município. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) Disponível em < Acesso em: 25 maio Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 5(9):7-12, Rev. de Negócios Internacionais, Piracicaba, 5(9):51-57,

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 APRESENTAÇÃO Minas Gerais se consolida como um dos mais importantes estados exportadores do Brasil, pela grande produção de commodities e pelos esforços

Leia mais

INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO MERCOSUL 1994 A 2003

INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO MERCOSUL 1994 A 2003 INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO A Marco Antônio Martins da Costa Melucci Friedhlde Maria Kutner Manolescu -Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas FCSA Universidade do Vale do Paraíba. Av. Shishima

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 I Resultados do mês (comparativo Mar/2015 Mar/2014)

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Janeiro/2016 I Resultados do mês (comparativo jan/2016 jan/2015)

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 Julio Gomes de Almeida Mauro Thury de Vieira Sá Daniel Keller de Almeida Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 149, nov. 2008. ISSN

Leia mais

MERCADO DE PASSAGEIROS

MERCADO DE PASSAGEIROS 2 ANAC/SRI/GAMI MERCADO DE PASSAGEIROS Os Estados Unidos representam o principal mercado aéreo internacional do Brasil, tendo respondido por 25,7% do total do volume de passageiros transportados com origem

Leia mais

O Brasil e o Rebalanceamento

O Brasil e o Rebalanceamento n o 103 23.07.14 Visão do desenvolvimento O Brasil e o Rebalanceamento do Comércio Mundial A principal forma de explicar o desempenho comercial de um país é aquela que interpreta os comportamentos das

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã

O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã Durval de Noronha Goyos Jr. São Paulo, 12

Leia mais

1. Balança Comercial do Ceará

1. Balança Comercial do Ceará Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 As exportações paranaenses, em setembro, apresentaram queda de -8,61% em relação a agosto. O valor exportado atingiu a US$ 1,293 bilhão, ficando,

Leia mais

AUSTRÁLIA Comércio Exterior

AUSTRÁLIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC AUSTRÁLIA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO 1 A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 Cleidi Dinara Gregori 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar a evolução do investimento externo direto, também conhecido

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE As Micro e Pequenas Empresas na Exportação Brasileira Brasil 1998-2009 EDITORIAL Presidente do Conselho Deliberativo Nacional: ROBERTO SIMÕES Diretor-Presidente: PAULO TARCISO OKAMOTTO Diretor Técnico:

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010 ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010 Antonio Hélio Junqueira 1 Marcia da Silva Peetz 2 As exportações brasileiras de flores e plantas ornamentais

Leia mais

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil Brasil África do Sul Chile México Coréia do Sul Rússia Austrália Índia Suíça Turquia Malásia Europa China Argentina São Paulo, 26 de setembro de 2011. Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações

Leia mais

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA 1.1. As Transformações Recentes O Brasil, do ponto de vista econômico e social, vem sofrendo uma constante mutação em seus principais indicadores básicos como: população;

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará INFORME TÉCNICO DO COMÉRCIO EXTERIOR PARAENSE

Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará INFORME TÉCNICO DO COMÉRCIO EXTERIOR PARAENSE Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará INFORME TÉCNICO DO COMÉRCIO EXTERIOR PARAENSE JULHO 2015 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Simão Robison Oliveira Jatene Governador do Estado do

Leia mais

Sexta-feira 06 de Fevereiro de 2015. DESTAQUES

Sexta-feira 06 de Fevereiro de 2015. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa tem pregão volátil Poupança tem em janeiro maior saque em duas décadas IPCA tem maior alta para o mês em 12 anos, aponta IBGE Planalto quer nome do mercado na Petrobras Cade marca data

Leia mais

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 A Diretoria do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul BRDE, em cumprimento às determinações legais e regimentais, apresenta as Demonstrações Financeiras relativas

Leia mais

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO COMERCIAL SCM / GCE ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS - MAIO DE 2009 Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP Av. Rodrigues Alves, s/ nº - Santos/SP - CEP

Leia mais

CHILE Comércio Exterior

CHILE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CHILE Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos. Principais

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados do 1º trimestre de 2012 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Maio de 2012 1.

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais 10 set 2007 Nº 36 A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais Por Fernando Puga Economista da SAE País tem maior difersificação em vendas externas em nações onde predominam recursos naturais

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

Inovar para Sustentar o Crescimento

Inovar para Sustentar o Crescimento Café & Debate Escola Nacional de Administração Pública ENAP Inovar para Sustentar o Crescimento Glauco Depto. de Sociologia USP Brasília, 19 de abril de 2007 2007 China: volta ao patamar natural? Data

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

BELIZE Comércio Exterior

BELIZE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BELIZE Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Perfil Exportador do Estado de Minas Gerais

Perfil Exportador do Estado de Minas Gerais Perfil Exportador do Estado de Minas Gerais 2013 1 Apex-Brasil Maurício Borges PRESIDENTE José Ricardo Santana DIRETOR DE NEGÓCIOS Tatiana Martins Porto DIRETORA DE GESTÃO CORPORATIVA Marcos Tadeu Caputi

Leia mais

Problemas Ambientais e Globalização

Problemas Ambientais e Globalização Problemas Ambientais e Globalização 1. (UFES 2014) O mapa acima ilustra as ameaças ambientais no Brasil decorrentes da ocupação do solo. a) Cite duas finalidades para o desflorestamento na região do "Arco

Leia mais

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento

Leia mais

ESTATÍSTICAS DE COMÉRCIO EXTERIOR, 2005 EMPRESAS DO ESPÍRITO SANTO

ESTATÍSTICAS DE COMÉRCIO EXTERIOR, 2005 EMPRESAS DO ESPÍRITO SANTO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO - SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES - IJSN ESTATÍSTICAS DE COMÉRCIO EXTERIOR, 2005 EMPRESAS DO ESPÍRITO SANTO Vitória,

Leia mais

São Paulo, 16 de julho de 2013.

São Paulo, 16 de julho de 2013. São Paulo, 16 de julho de 2013. Junho 2013 Balança comercial tem resultado inesperado em junho: o resultado da balança comercial brasileira surpreendeu as expectativas para o mês de junho. O superávit

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

Questões Específicas. Geografia Professor: Cláudio Hansen 03/12/2014. #VaiTerEspecífica

Questões Específicas. Geografia Professor: Cláudio Hansen 03/12/2014. #VaiTerEspecífica Questões Específicas 1. Considerando os Blocos Econômicos, a União Europeia (27 países em 2011) permanece como relevante importador de mercadorias brasileiras. Considerando os países individualmente, a

Leia mais

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011

CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 CONTEXTO & PERSPECTIVA Boletim de Análise Conjuntural do Mercado de Flores e Plantas Ornamentais no Brasil Março 2011 2010: BALANÇO DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA Antonio Hélio Junqueira

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

Analise o gráfico sobre o número acumulado de inversões térmicas, de 1985 a 2003, e a) defina o fenômeno meteorológico denominado inversão

Analise o gráfico sobre o número acumulado de inversões térmicas, de 1985 a 2003, e a) defina o fenômeno meteorológico denominado inversão 11 GEOGRAFIA Nas épocas de estiagem, a dispersão de poluentes é dificultada e a qualidade do ar piora muito na cidade de São Paulo, afetando, consideravelmente, a saúde das pessoas. NÚMERO DE INVERSÕES

Leia mais

BRASIL: INDUSTRIALIZAÇÃO RETARDATÁRIA

BRASIL: INDUSTRIALIZAÇÃO RETARDATÁRIA BRASIL: INDUSTRIALIZAÇÃO RETARDATÁRIA Entre as razões que mantiveram o Brasil alheio do desenvolvimento industrial estão: a permanência até segunda metade do século XIX de relações escravagistas de trabalho;

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor:

Leia mais

Brasil-China no Século XXI

Brasil-China no Século XXI Brasil-China no Século XXI Pespectivas para uma Parceria de Sucesso Gabriel Stoliar Diretor Executivo de Planejamento e Gestão Abril 2004 1 A progressão da economia chinesa é um dos fenômenos deste início

Leia mais

Visão. O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento. do Desenvolvimento. nº 93 15 abr 2011. no comércio internacional

Visão. O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento. do Desenvolvimento. nº 93 15 abr 2011. no comércio internacional Visão do Desenvolvimento nº 93 15 abr 2011 O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento Por Fernando Puga e Filipe Lage de Sousa Economistas da APE Países têm grande potencial de aprofundar

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009 Relatório de Acompanhamento Setorial TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III Julho de 2009 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO SETORIAL TÊXTIL E CONFECÇÃO Volume III Equipe: Célio Hiratuka Samantha Cunha Pesquisadores e

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013)

DERAL - Departamento de Economia Rural. Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013) Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013) 1.SINOPSE E ESTIMATIVA Oferta/Demanda: Apenas 7 países produtores de açúcar concentram 70% da oferta mundial, o Brasil, Índia, a soma da União

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004 03 DE MAIO DE 2004 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA JANEIRO/ABRIL -

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA SULFATO DE POTÁSSIO ORIGINÁRIO DO CHILE

O MERCADO BRASILEIRO PARA SULFATO DE POTÁSSIO ORIGINÁRIO DO CHILE O MERCADO BRASILEIRO PARA SULFATO DE POTÁSSIO ORIGINÁRIO DO CHILE Identificação do Produto A subposição 3104.30 compreende os fertilizantes potássicos. Especificamente, o produto está assim classificado:

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

A Mineração Industrial em Goiás

A Mineração Industrial em Goiás A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Mineração. Minério de ferro: Preços em queda e estoques crescendo. Análise de Investimentos Relatório Setorial. 22 de Maio de 2014

Mineração. Minério de ferro: Preços em queda e estoques crescendo. Análise de Investimentos Relatório Setorial. 22 de Maio de 2014 Minério de ferro: Preços em queda e estoques crescendo A redução no ritmo de crescimento da produção de aço na China, as dificuldades financeiras das siderúrgicas com os baixos preços naquele país e um

Leia mais

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Josué Gomes da Silva IEDI Seminário Internacional: A Hora e a Vez da Política de Desenvolvimento Produtivo BNDES / CNI CEPAL / OCDE 22/09/2009

Leia mais

China: novos rumos, mais oportunidades

China: novos rumos, mais oportunidades China: novos rumos, mais oportunidades Brasil pode investir em diversas áreas, como tecnologia, exploração espacial e infraestrutura 10 KPMG Business Magazine A China continua a ter na Europa o principal

Leia mais

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DA MESORREGIÃO CENTRO-OCIDENTAL PARANAENSE E SUA INTEGRAÇÃO COM O MERCOSUL

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DA MESORREGIÃO CENTRO-OCIDENTAL PARANAENSE E SUA INTEGRAÇÃO COM O MERCOSUL EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DA MESORREGIÃO CENTRO-OCIDENTAL PARANAENSE E SUA INTEGRAÇÃO COM O MERCOSUL Área: ECONOMIA CARDOSO, Eliane BASTOS, Luciana Aparecida DIAS, Ricardina Resumo: O objetivo desse estudo

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2012

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2012 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Brasil - Alemanha. Os principais setores industriais e de serviços Alemães e as oportunidades para os empresários brasileiros

Brasil - Alemanha. Os principais setores industriais e de serviços Alemães e as oportunidades para os empresários brasileiros Brasil - Alemanha Os principais setores industriais e de serviços Alemães e as oportunidades para os empresários brasileiros Karl Conrad, Embaixada da Alemanha Seminario bilateral de comércio exterior

Leia mais

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante No período entre o início da década de 2000 e a eclosão da crise financeira internacional, em 2008, o Brasil

Leia mais

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC 1 Sumário Executivo 1 - A China em África 1.1 - Comércio China África 2 - A China em Angola 2.1 - Financiamentos 2.2 - Relações Comerciais 3 - Características

Leia mais

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C Questão 25 No Brasil, no período 1990-91 a 2003-04, a produção de grãos apresentou crescimento de 125%, enquanto a área plantada aumentou apenas 24%, conforme mostra o gráfico. BRASIL _ ÁREA PLANTADA E

Leia mais

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo.

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo. ANO 4 NÚMERO 31 OUTUBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1-CONSIDERAÇÕES INICIAIS O gerenciamento financeiro do governo, analisado de forma imparcial, se constitui numa das

Leia mais

Junho/2015. Comércio Exterior

Junho/2015. Comércio Exterior Junho/2015 Comércio Exterior COMÉRCIO EXTERIOR Objetivo: A área de atuação Regional da CMC Jr. tem desenvolvido estudos a respeito do comércio exterior que versam sobre a avaliação da estrutura de comércio

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos

Leia mais

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE GEPETIS - Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7%

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% Mogi Guaçu (SP), 11 de agosto de 2014 - A MAHLE Metal Leve S.A. (BM&FBOVESPA: LEVE3), Companhia líder na fabricação e comercialização de

Leia mais

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações

UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO. 31 de agosto de 2015. Sindirações UM ROTEIRO ESTRATÉGICO PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO 31 de agosto de 2015 Sindirações 1 1. Cenário macroeconômico 2. Economia Implicações Brasileira para empresas 3. Um roteiro estratégico para o agronegócio

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

8º VALOR DAS MARCAS DOS CLUBES BRASILEIROS FINANÇAS DOS CLUBES

8º VALOR DAS MARCAS DOS CLUBES BRASILEIROS FINANÇAS DOS CLUBES 8º VALOR DAS MARCAS DOS CLUBES BRASILEIROS FINANÇAS DOS CLUBES 2015 Sumário Prefácio 5 FIFA Fédération Internationale de Football Association 6 CBF Confederação Brasileira de Futebol 9 Federações Estaduais

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Portugal. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Portugal. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

O Brasil, os demais BRICS e a agenda do setor privado.

O Brasil, os demais BRICS e a agenda do setor privado. O Brasil, os demais BRICS e a agenda do setor privado. João Augusto Baptista Neto* Analista de Comércio Exterior Secretaria Executiva da CAMEX 1. Brasil, os demais BRICS e o setor privado brasileiro Muito

Leia mais

Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014

Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014 Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014 Exportação de serviços de engenharia Benefícios para o Brasil Mercado Internacional Mecanismos de Apoio Oficial Propostas Índice O QUE SÃO OS SERVIÇOS DE

Leia mais

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio do Agronegócio Edição 2010 África do Sul Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Bangladesh Canadá China Cingapura Colômbia Coréia do Sul Egito

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR EXPORTADOR CEARENSE

ANÁLISE DO SETOR EXPORTADOR CEARENSE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) ANÁLISE DO SETOR EXPORTADOR CEARENSE Alexsandre Lira Cavalcante Daniele

Leia mais

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias 50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias Pesquisa realizada pela Rizzo Franchise e divulgada pela revista Exame listou as 50 cidades com as melhores oportunidades para abertura de

Leia mais