Manual do Simulador Empresarial Tangram

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual do Simulador Empresarial Tangram"

Transcrição

1 Manual do Smulador Empresaral Tangram 2008

2 Sumáro 1 APRESENTA ÇÃO DA TANGRAM SISTEMAS EMPRESARIAIS DO PROCESSO LABORA TÓRIO DE GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO LEITURA DO MANUA L DO SIMULADOR EMPRESARIAL TANGRAM ÁREA COMERCIAL ÁREA DA PRODUÇÃO ÁREA DE RECURSOS HUMANOS ÁREA FINANCEIRA CE NÁRIO GL OBAL CLIPPING EMPRESARIAL ANEXO AO MANUAL ÁREA DE COME RCIA LIZA ÇÃO DE CISÃO MENSAL DECISÕES DA DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DECISÕES DA DIRETORIA DE FI NANÇAS DECISÕES DA DIRETORIA DE PRODUÇÃO DIRETORIA COMERCIAL LISTA DE SÍMBOLOS, ABREVIATURAS E SIGLAS GESTÃO COMERCIAL O PRODUTO COMPOSI ÇÃO ÁREAS DE COMERCIALIZA ÇÃO A DEMANDA O MERCADO ÍNDI CE DE CRES CIMENTO ECONÔMICO SAZO NALIDA DE GESTÃO DE PREÇOS PRA ZO DE VENDA TAXA DE JUROS GES TÃO DE MARKE TING CONTROLE DE PRE ÇOS GESTÃO DA PRODUÇÃO CAPACIDA DE DE PRO DUÇÃO NÍVEL DE ATIVIDADE PRODUÇÃO E XTRA PRODUTIVIDADE GESTÃO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO MANUTENÇÃO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO COMPRA E VENDA DE LINHAS DE PRODUÇÃO VENDA DE LINHAS DE PRODUÇÃO COMP RA DE LINHAS DE PRODUÇÃO GESTÃO DAS COMPRAS DE CMP COMPRA PROGRAMADA COMP RA EXTRA GESTÃO DE ESTOQ UE CUS TO DE MANUTE NÇÃO DE ESTOQUE DE CMP DESPESA COM MANUTENÇÃO DE PRODUTOS ACABADOS CUS TO TO TAL COM ESTOQUES DEPRECIA ÇÃO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS BANCÁRIOS CRÉDI TO ESPECIAL AUTOMÁTI CO FINANCIAMENTO PARA COMPRA DE LINHAS DE PRODUÇÃO ANTECIPAÇÃO DE RECEBÍVEIS DE CLIENTES APLICAÇÃO FINANCEIRA PARTICIPAÇÃO NOS L UCROS BÔNUS DIVIDENDOS ATRASOS GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS A FOLHA DE PAGAMENTO A MOTIVAÇÃO E A PRODUTIVIDA DE TURNOVER...35

3 6.4 ADMISSÕES DEMISSÕES A GREVE E A PRODUTIVIDADE AÇÕES DAS EMPRESAS E A BOLSA DE VALORES BUSCA DOS INDICADORES NOS RELA TÓRIOS BALANÇO PATRIMONIAL DEMONS TRAÇÃO DE RESULTADO DO EXE RCÍCIO DRE RE LATÓRIO DE MERCADO CLIPPING EMPRESARIAL INDI CADORES DE DE SEMPENHO VALO R DO PA TRIMÔNIO LÍQUIDO ENDIVIDAMENTO LIQUIDE Z CORRE NTE RE NTABILIDADE DO ATIVO MARGEM DE L UCRO PARTICIPAÇÃO NAS VENDAS CÁLCULO DOS COE FICIENTES COE FICIENTE DE E NDIVIDAMENTO COE FICIENTE DO VALOR DO PA TRIMÔ NIO LÍQUIDO COE FICIENTE DO VALOR DA LIQ UIDE Z CORRENTE COE FICIENTE DO VALOR DA MARGEM DE LUCRO COE FICIENTE DA P ARTI CIPAÇÃO NAS VENDAS COE FICIENTE DA RENTABILIDADE DO ATIVO CÁ LCULO DO VALOR DA AÇÃO OPERAÇÃO NA BOLSA DE VALORES BÔNUS DIVIDENDOS APLICAÇÃO (COMPRA) RESGA TE (VENDA ) EXTRA TO DA BOLSA DE VALORES RENDIMENTO DO INV ESTIDOR RELATÓRIOS GERENCI AIS INFORMAÇÕES GERADAS PELO SIMULADOR RE FERÊ NCIAS

4 1 APRESENTAÇÃO 1.1 DA TANGRAM SISTEMAS EMPRESARIAIS TANGRAM é um jogo fguratvo de orgem chnesa. Surgu por volta do século VII A.C. com a denomnação de As Sete Tábuas da Astúca. No decorrer destes mas de 25 séculos, os jogadores do TANGRAM têm demonstrado cratvdade e habldade para ordenar, de modo lógco, as 7 (sete) peças deste quebra cabeça. Utlzando-se da metáfora do jogo Chnês, um grupo de professores unverstáros, com experênca em gestão de empresas, crou a TANG RAM SIS TEMAS EMPRESARIAIS. A TANGRAM busca organzar os prncpas elementos ( peças ) da admnstração moderna, ntegrando-os harmoncamente, de modo a desenvolver nas empresas a cultura da excelênca em gestão empresaral. Gestão que deve estar alcerçada nos 12 fundamentos e 8 crtéros de excelênca do Prêmo Naconal da Qualdade (PNQ) para a construção de Empresas Classe Mundal. A logomarca da TANGRAM é uma versão estlzada do dagrama que representa o Modelo de Excelênca do PNQ uma vsão sstêmca da organzação. 1.2 DO PROCESSO Os partcpantes são nserdos em um ambente: Laboratóro Vrtual de Smulação Empresaral no qual se exercta a Admnstração nas suas dversas extensões. É de responsabldade dos partcpantes a tomada de decsões nas áreas fnancera, de marketng, de produção e de recursos humanos, levando em consderação a realdade dos respectvos setores e o mercado que os rege. O Laboratóro possblta o desenvolvmento de trabalho em equpe, atuando em ambente de concorrênca muto próxmo da realdade. Todo processo de gestão no Laboratóro segue o fluxograma apresentado na Fgura 1.

5 6 EMPRESA 1 Relatóros Gerencas Internet EMPRESA 2 EMPRESA 4 Planejamento (Orçamento + Indcadores) Análse e Dagnóstco AMBIENTE DE SIMULAÇÃO 1 Internet EMPRESA n Clppng Empresaral EMPRESA 5 Decsões (da Empresa e dos Dretores) Internet EMPRESA 3 AMBIENTE DE SIMULAÇÃO 2 LABORATÓRIO TANGRAM Gertão Empresaral Integrada AMBIENTE DE SIMULAÇÃO m AMBIENTE DE SIMULAÇÃO 3 AMBIENTE DE SIMULAÇÃO 4 Fgura 1: Fluxograma do processo de Smulação no Laboratóro

6 2 LABORATÓRIO DE GESTÃO EMPRESARIAL 2.1 INTRODUÇÃO Este manual orenta os partcpantes no processo decsóro de smulação empresaral. O Smulador Empresaral Tangram fo construído a partr de novas tecnologas, permtndo aproxmar teora e prátca. Portanto, um verdadero laboratóro de gestão. Este laboratóro possblta a completa mersão dos executvos - gerentes - tranees em um mundo empresaral vrtual, oferecendo uma excelente ferramenta de capactação estabelecda em ambente muto próxmo da realdade empresaral. O objetvo é oferecer ao partcpante do laboratóro de gestão empresaral a oportundade de VIVENCIAR as dversas atvdades do processo de gestão ntegrada (Áreas Comercal, Produção, Fnancera e Recursos Humanos) de uma Empresa do ramo Industral, em um ambente compettvo: Análse e dagnóstco do ambente nterno e externo. Processo partcpatvo de tomada de decsão. Importânca de um sstema de nformações ntegrado como apoo ao processo decsóro. Com esta capacdade de trazer a realdade para um ambente de teste, os executvos gerentes tranees terão a possbldade de smular estratégas, testar efcáca e medr a performance empresaral em um ambente CRIADO conforme as necessdades do mercado. O laboratóro de gestão possblta aos partcpantes o desenvolvmento do processo decsóro partcpatvo (trabalho em equpe) e a capacdade de INTEGRAR os concetos das dversas áreas da admnstração.

7 8 2.2 LEITURA DO MANUAL DO SIMULADOR EMPRESARIAL TANGRAM Para facltar a letura deste manual, descrevem-se os termos usados pelo processo de smulação e um cenáro para contextualzar a déa do processo ndustral smulado. Destacam-se as responsabldades de cada uma das Áreas Funconas da Empresa consttuída: ÁREA COMERCIAL Para defnção da Polítca de Comercalzação da empresa, com o objetvo de vender toda a produção, é necessáro decdr sobre: Área de venda. Preço de venda. Juros na venda. Prazo de venda. Número de campanhas de marketng ÁREA DA PRODUÇÃO Para a defnção da Capacdade de Produção da empresa e em busca de uma polítca que permta a redução dos custos da produção é necessáro decdr sobre: Modelos e quantdades de Lnhas de Produção. Número de Empregados. Produtvdade dos Empregados. Nível de atvdade da Empresa. A compra e venda das Lnhas de Produção. A compra de Componentes de Matéra Prma para composção do produto produzdo ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Nesta área é necessáro defnr: Contratação e demssão de empregados da Área de Produção. Defnr a polítca de motvação dos Empregados.

8 ÁREA FINANCEIRA Para a efetva gestão fnancera da empresa, é necessáro controlar o fluxo de caxa (referente a recebmentos e pagamentos) e os resultados contábes (orundos do Balanço Patrmonal e da Demonstração do Resultado do Exercíco). Com esses controles é possível defnr: Antecpação de recebíves. Investmentos para amplação da produção. Organzar fluxo fnancero: presente e futuro. Contratar fnancamentos e empréstmos bancáros CENÁRIO GLOBAL Uma nova equpe de executvos fo contratada para admnstrar a empresa, a partr de Feverero. Esta equpe será responsável pela admnstração das seguntes áreas funconas da Empresa: Recursos Humanos. Comercal. Produção. Fnancera. CONCORRÊNCIA GESTÃO FINANCEIRA CLIENTES GESTÃO COMERCIAL GESTÃO INTEGRADA GESTÃO PRODUÇÃO FORNECEDORES GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CENÁRIO EXTERNO Fgura 2: Fluxo do Cenáro Global

9 CLIPPING EMPRESARIAL É um nformatvo peródco, dvulgado a todas as empresas partcpantes, onde é dvulgado o cenáro do mês corrente: notícas e índces ANEXO AO MANUAL A sua fnaldade é de defnr os parâmetros que serão utlzados na smulação e abrange as seguntes nformações: composção do Produto, Lnhas de Produção ( LP ), Deprecação, compra de Componentes de Matéra Prma ( CMP ), Empréstmo Bancáro, nstruções sobre preenchmento da decsão mensal e contas do relatóro contábl ÁREA DE COMERCIALIZAÇÃO No níco da smulação serão defndas as áreas possíves para comercalzação dos Produtos. Contudo, a empresa poderá comercalzar os seus Produtos em quasquer das áreas defndas. As áreas de comercalzação também podem ser varáves: desde uma únca até um grande número (por exemplo: caracterzando cdades de um estado ou regões de um país). Nesta comercalzação haverá um custo de logístca, correspondente ao frete, seguro etc, para que o Produto seja entregue ao comprador. Este custo será dvulgado no Clppng Empresaral. Quando a empresa decdr vender na Área de Comercalzação na qual está localzada a sua sede, o custo de logístca é reduzdo para 50% do custo de logístca das demas áreas DECISÃO MENSAL Nesse relatóro devem estar contdas as decsões tomadas pela empresa para o próxmo mês. Todas as decsões devem ter valores postvos. Especal atenção deve ser dada para a data e horáro de entrega do relatóro com as decsões tomadas. Devem ser preenchdos os seguntes campos: Dretora de Recursos Humanos. Dretora de Fnanças. Dretora de Produção. Dretora Comercal. Decsão da Bolsa de Valores (Opconal).

10 DECISÕES DA DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS Admssões: Número de empregados da produção a serem admtdos. Demssões: Número de empregados da produção a serem demtdos. Saláro dos Empregados da Produção: Saláro a ser pago aos empregados da área de produção. Os empregados da área da admnstração e área comercal, terão como saláro três vezes o saláro da área de produção. O saláro pago no mês não pode ser nferor ao saláro pago no mês anteror. Trenamento: Deve ser nformado o percentual a ser aplcado sobre a folha de pagamento referente a trenamento dos empregados da produção. Partcpação nos Lucros: Percentual de partcpação nos lucros da empresa a ser dstrbuído aos empregados da produção. Bônus da Dretora: Percentual de partcpação nos lucros da empresa a ser dstrbuído aos dretores DECISÕES DA DIRETORIA DE FINANÇAS Empréstmo: Valor total do empréstmo a ser solctado. Tpo de Empréstmo: Códgo do tpo de empréstmo solctado. Pode ser Tpo 1 (pago no mês segunte) e Tpo 2 (4 parcelas pelo Sstema de Amortzação Constante, com níco de pagamento no mês segunte). Aplcação: Valor a ser aplcado no mercado fnancero. Antecpação de Recebíves de Clentes: Valor a ser antecpado, das vendas efetuadas a prazo, medante desconto de duplcata DECISÕES DA DIRETORIA DE PRODUÇÃO Nível de Atvdade: Percentual do nível de atvdade que a empresa rá operar no mês. O percentual pode varar de 0,0% a 100,0%. Produção Extra: Percentual de Produção Extra a ser realzada no mês. O percentual pode varar de 0,0% a 25,0%. Compra de Componentes: Quantdade: O número da quantdade de Componentes de Matéra Prma a serem adqurdos. Prazo: Códgo do tpo de pagamento da compra de Componentes de Matéra Prma. Pode ser Tpo 1 (À Vsta), Tpo 2 (1+1) e Tpo 3 (1+2). Compra e Venda de Lnhas de Produção: Venda: Quantdade de Lnhas de Produção a serem venddas. Compra: Quantdade de Lnhas de Produção a serem compradas. Fnancamento: 60% do valor das Lnhas de Produção recebe fnancamento compulsóro, que pode ser do Tpo 1 (Trmestral) ou Tpo 2 (Bmestral).

11 DIRETORIA COMERCIAL Solctação de Relatóros de Outras Empresas: Relatóro Contábl e/ou Relatóro de Mercado. Preço: É o preço do produto para cada Área de Comercalzação. Se a empresa não desejar vender em uma determnada área, deve defnr o preço como 0 (zero). O preço é defndo em undades monetáras sem casa decmal. Prazo: É o códgo do prazo de venda que a empresa deseja usar para vender os produtos em cada Área de Comercalzação. Pode ser Tpo 1 (Á Vsta), Tpo 2 (1+1) e Tpo 3 (1+2). Marketng: É o número de campanhas de marketng aplcadas por Área de Comercalzação: Em uma mesma área podem ser aplcadas no máxmo dez campanhas. Juros: Percentual de juros a ser aplcado pela empresa na venda a prazo, o uso de até uma casa decmal LISTA DE SÍMBOLOS, ABREVIATURAS E SIGLAS $ : Undade Monetára % : Percentual # : Número : Sub escrto sgnfca Índce ou ndcador numérco de posção : 1, 2,... : Taxa de Juros Ap : Aplcação AC : Atvo Crculante A : Atvo no Iníco do Mês Ca : Caxa CS : Captal Socal Cl : Clentes CMP : Componentes de Matéra Prma CP : Contas à Pagar CPR : Custos de Produção CF : Custos Fxos CV : Custos Varáves DP : Dvdendos a Pagar ECP : Empréstmo Curto Prazo ELP : Empréstmo Longo Prazo E : Endvdamento ECMP : Estocagem de CMP

12 13 ET : Estocagem Total EP : Estoque de Produtos EFP : Estoque Fnal de Produtos F : Fornecedores IRP : Imposto de Renda a Pagar ICE : Índce de Crescmento Econômco LP : Lnha de Produção LC : Lqudez Corrente LA : Lucro Acumulado L : Lucro do Mês ML : Margem de Lucro M : Mês Corrente M + 1: Mês Subseqüente ao mês M M + 2 : Mês Subseqüente ao mês M + 1 PV : Partcpação nas Vendas PP : Partcpações a Pagar PC : Passvo Crculante PE : Ponto de Equlíbro PCMP : Preço de CMP no Mês QPTV : Quantdade de Produtos Totas Venddos QPVE : Quantdade de Produtos Venddos pela Empresa QCMP : Quantdade Incal de RV : Receta de Vendas RA : Rentabldade do Atvo CMP TJLP : Taxa de Juros de Longo Prazo TA : Total do Atvo VPL : Valor do Patrmôno Líqudo

13 3 GESTÃO COMERCIAL 3.1 O PRODUTO A Bccleta fabrcada pelas empresas terá o mesmo padrão de benefcamento e qualdade. Não exstem dferenças que possam gerar vantagens para uma ou outra empresa. A vantagem compettva dar-se-á pela dferencação de preço, sto sgnfca que as empresas deverão mnmzar seus custos e despesas COMPOSIÇÃO A Bccleta será produzda a partr da combnação de Componentes de Matéra Prma: CMP, 1 CMP,... e 2 consta no tem 1.1 do Anexo ao Manual. CMP, ou smplesmente n CMP, conforme Exemplo 1: A Composção de uma Bc cleta é defnda p or: Pr oduto = 2 CMP onde: CMP2 + 2 CMP3 + 1 CMP4 + 1 CMP5 Pr oduto : Bccleta CMP :Freo CMP CMP CMP CMP : Quadro :Roda : Selm : Transmssão 3.2 ÁREAS DE COMERCIALIZAÇÃO As áreas de comercalzação possíves de Bccletas estão defndas nos relatóros gerencas. Cada Empresa está nstalada em uma Área de Comercalzação específca. A Empresa poderá comercalzar suas Bccletas em qualquer Área de Comercalzação que desejar. As despesas com logístca das Bccletas (transporte, seguro etc.) será nformada no Clppng Empresaral e será gual para todas as áreas de Comercalzação, exceto para a Área de Comercalzação onde a Empresa

14 15 está localzada, que terá um desconto de 50% do valor publcado no Clppng Empresaral. Todas as Áreas de Comercalzação são eqüdstantes entre s. A Empresa poderá dexar de comercalzar suas Bccletas em uma determnada Área de Comercalzação, bastando para sso nformar o preço de venda da Bccleta como 0 (zero). 3.3 A DEMANDA Cada Empresa deverá defnr sua polítca de comercalzação utlzando-se das seguntes varáves: Preço, Prazo, Taxa de Juros e Campanhas de Marketng. A combnação das polítcas de comercalzação das empresas com o Crescmento Econômco e a Sazonaldade defnrão a demanda pela Bccleta em cada uma das Áreas de Comercalzação. 3.4 O MERCADO O mercado será afetado apenas pelo Crescmento Econômco e determna o potencal máxmo de vendas por Área de Comercalzação. 3.5 ÍNDICE DE CRESCIMENTO ECONÔMICO O Índce de Crescmento Econômco (ICE) determna a tendênca de varação da demanda. O ICE pode ser postvo, nulo ou negatvo. Um ICE negatvo determna uma retração no mercado. O ICE é dvulgado mensalmente através do Clppng Empresaral. QUADRO 1: Í ndce de Cre scmento Ec onômco Indca dor Stuação Demanda ICE < 0,0% Mercado em Re traçã o Redução ICE = 0,0% Mercado E stável Manutenção ICE > 0,0% Mercado em Expansã o Crescmento 3.6 SAZONALIDADE A sazonaldade determna o aumento da demanda da Bccleta em determnadas épocas do ano. Ela representa um aumento de aproxmadamente 50% da demanda nos meses de Abrl, Agosto e Dezembro. O percentual de aumento poderá varar de acordo com os fatores que nfluencam a demanda pela Bccleta (polítcas de comercalzação e ICE).

15 16 Nos meses seguntes há ocorrênca da sazonaldade a demanda retorna aos níves normas. A demanda não é cumulatva, ou seja, demanda gerada e não atendda pelo sstema produtvo, será perdda. 3.7 GESTÃO DE PREÇOS O Smulador Empresaral Tangram não faz dstnção de qualdade das Bccletas fabrcadas pelas váras empresas. A lógca do mercado é: Venderá mas a Empresa que pratcar o menor preço, mantdos guas os demas parâmetros (marketng, prazo e juros). O Smulador Empresaral Tangram consdera como preço referencal, o preço médo do mercado, ou seja, o software compara os preços pratcados dentro da Área de Comercalzação, resultando em maores vendas para a Empresa que pratcar o menor preço. Venderão menos, proporconalmente, as empresas que pratcarem preços acma do preço pratcado pela concorrênca, porém, um preço maor pode ser compensado por maor prazo, maor marketng ou menores juros. Preço de Venda é gual ao preço de custo mas a margem de contrbução. Preço de Custo é gual ao custo de produção mas as despesas operaconas com vendas, mas despesas admnstratvas e mas despesas fnanceras. Margem de Contrbução é gual a mpostos (o smulador trabalha especfcamente com Imposto de Renda) mas a partcpação dos empregados no lucro, mas o bônus da dretora, mas os dvdendos dos aconstas e mas o lucro pretenddo. 3.8 PRAZO DE VENDA O prazo de venda também será consderado para defnr a quantdade vendda pela empresa. Quanto maor o prazo e menor a taxa de juros, maor a preferênca na venda (estes tens serão consderados em conjunto com o preço pratcado). O Smulador Empresaral Tangram permte opções de prazos para comercalzação das Bccletas (veja descrção no tem 1.2 do Anexo ao Manual). A Empresa poderá defnr Prazos e Taxa de Juros dferencados por Área de Comercalzação.

16 17 QUADRO 2. Ta bela de prazos de ve nda Códgo Prazo Parcelament o 1 À vsta 100% no mês da venda % no mês da ve nda + 50% no mês segunte, acrescdo de juros % no mê s da venda + 2 parcel as gua s acrescdas de juros nos meses subse qüente s Cálculo das parcelas Códgo 3 ( 1+ ) C Parcela = 2 + C : Captal (60% do valor à vsta) : Taxa de Juros defnda pela Empresa TAXA DE JUROS A Empresa defnrá a taxa de juros dretamente em forma de percentual, podendo utlzar uma casa decmal. A Empresa poderá não cobrar juros em suas vendas a prazo. Para sso basta nformar a taxa como 0,0%. Taxas de juros muto elevadas refletem no índce de nadmplênca. O Smulador Empresaral Tangram utlza códgos para a defnção dos prazos. Informações do tpo: Códgo, Prazo e Parcelamento serão descrtos no tem 1.2 do Anexo ao Manual GESTÃO DE MARKETING O nvestmento em marketng será defndo pelo número de campanhas de propaganda a serem realzadas em cada Área de Comercalzação. O nvestmento em marketng precsa ser ponderado, oportunzado e, preferencalmente, dferencado por Área de Comercalzação. Os efetos do nvestmento em campanhas de marketng realzados em um mês propagam-se por mas dos meses. O maor efeto será no mês da aplcação, e o menor efeto no segundo mês após a aplcação. Essa é a aplcação do conceto de marketng resdual.

17 CONTROLE DE PREÇOS O Coordenador da Smulação poderá determnar a mportação de Bccletas caso tal medda se faça necessáro. É comum ocorrer a mportação quando as empresas estverem pratcando preços muto elevados devdo a alta margem de lucro pratcada. A mportação é defnda através de um percentual arbtráro dvulgado nos relatóros gerencas. Esse percentual defne quanto da demanda o Governo pretende atender. As Bccletas mportadas pelo Governo serão colocadas nas Áreas de Comercalzação como sendo uma Empresa concorrente. Isto é, a Empresa perderá vendas conforme o seu preço pratcado. Quanto maor o preço pratcado, maor será o percentual de vendas perddas, até o lmte do percentual de mportação. A Empresa que pratcar preços atraentes não será afetada pela mportação. A mportação poderá ser suspensa a qualquer momento.

18 4 GESTÃO DA PRODUÇÃO 4.1 CAPACIDADE DE PRODUÇÃO A capacdade de produção da Empresa depende das seguntes varáves: Quantdade e Tpo de Lnhas de Produção. Número de Empregados. Índce de Produtvdade dos Empregados. Nível de Atvdade. Produção Extra. A produção também é afetada por greve de empregados (os fatores que levam à greve estão descrtos no capítulo de Gestão de Recursos Humanos). O não preenchmento dos postos de trabalho das Lnhas de Produção reduz, de forma dretamente proporconal, a quantdade produzda de Bccletas. Empregados excedentes na Lnha de Produção não aumentam a produção, pos as Lnhas de Produção possuem postos de trabalho. A alocação dos empregados é prorzada para a Lnha de Produção de maor capacdade e mas nova. 4.2 NÍVEL DE ATIVIDADE O Nível de Atvdade pode varar de 0,0% a 100,0%. Normalmente a Empresa utlzará um Nível de Atvdade de 100,0%, porém se possur estoques muto elevados ou se desejar evtar a Compra Extra de Componentes de Matéra Prma, CMP, poderá reduzr o Nível de Atvdade proporconalmente à quantdade que deseja produzr. A redução no Nível de Atvdade não reduz as despesas com a folha de pagamento, ou seja, será como a empresa defnr féras coletvas parcas no mês.

19 PRODUÇÃO EXTRA A Empresa poderá optar em aumentar a sua produção utlzando-se de horas extras. Para sso deverá nformar o percentual de Produção Extra. O máxmo de Produção Extra que a Empresa pode ter é de até 25,0%. Esse lmte fo defndo com base na le que lmta duas horas extras dáras, consderando uma jornada de 8 horas dáras. Somente poderá exstr Produção Extra quando o Nível de Atvdade for 100,0%. Durante o período da Produção Extra o valor do saláro dos empregados da Área de Produção será acrescdo em 50%. O smulador não prevê a cração de novos turnos de trabalho. 4.4 PRODUTIVIDADE A Produtvdade dos empregados da Área de Produção é afetada pelo Trenamento, Contratação/Demssão, Saláro e Partcpação nos Lucros. A produtvdade é nformada mensalmente nos relatóros gerencas. Representa a resposta dos empregados aos ncentvos monetáros e nãomonetáros dados pela empresa, gerando aumento ou redução da capacdade de produção. Caso a Empresa nvsta nos ncentvos monetáros e não-monetáros a produtvdade pode ultrapassar a méda e resultar em coefcente maor que 1,00. Não havendo este tpo de nvestmento a produtvdade poderá apresentar coefcente menor que 1,00. O índce de produtvdade pode varar de 0,80 a 1,29.

20 21 Exemplo 2: A Empresa possu apenas 900 emp regados, tem um índce de p rodutvdade de 0,90 e pratca a po lítca de produzr 20% extra. Possu duas L nhas de Produção (LP) com as seg untes característcas: LP PRODUÇÃO EMPREGADOS LP BI KE LP BI KE E possu a segu nte composção de estoque ncal de componentes de matéra prma (CMP): CMP Estoque I ncal Freo Quadro Roda Selm Transmssão Como det erm nar a capacdade de produçã o e a qu antda de necessá ra de c omponentes de maté ra prma. Capacdade de produção: ,9 1,2 = Nec essdade de Matéra Prma: CMP Estoque Incal Quant dade Necessára Compra Freo Qua dro Roda Selm Tra nsms são GESTÃO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Exstem város tpos de Lnhas de Produção que podem ser utlzadas no processo produtvo da empresa. Por serem varáves as especfcações de cada Tpo de Lnha de Produção serão apresentadas no tem 2.2 do Anexo ao Manual. O objetvo da Gestão da Produção é otmzar os recursos da produção, buscando redução de custos. Para a montagem das Bccletas poderão ser utlzados város tpos de Lnhas de Produção: LP, 1 LP,..., e 2 LP, ou smplesmente n LP. Cada tpo de Lnha de Produção possu uma capacdade de produção dferencada. As especfcações de cada lnha de produção serão nformadas no tem 2.2 do Anexo ao Manual.

21 22 Exemplo 3: QUADRO 3: Modelos de Lnhas de Produção dsponíves para a qusção para produção da Bccleta. Modelo Preço LP Nova ($) Produção Nomnal Empregados Neces sáros* Fat or de Manutenção LP Bk e ,30 % LP Bk e ,20 % * Posto de trabalho por Ln ha de produção Incalmente todas as empresas possuem a mesma quantdade e tpo de Lnhas de Produção. Novas Lnhas de Produção poderão ser adqurdas e ou venddas durante a smulação. Exemplo 4: QUADRO 4: Quantda de e modelos que cada Empre sa possu no níco. Modelo Ida de Qua ntda de Valor de Depreca ção (mese s) Aqusç ão ($/LP ) Ac um ulada ($/LP) LP Bke LP Bke LP Bke Importante observar que a quantdade de Bccletas produzdas, de empregados e o custo de manutenção varam de acordo com o tpo de Lnha de Produção utlzada. No tem 2.2 do Anexo ao Manual o quadro rá mostrar a produção normal a um Nível de Atvdade gual a 100%, sem Produção Extra e com a quantdade de empregados necessáros. Este número não sgnfca a produção máxma da Lnha de Produção, podendo esta produção sofrer varação de acordo com o Nível de Produtvdade dos empregados. A falta de empregados nas Lnhas de Produção acarreta em produção proporconal ao número de empregados dsponíves. Havendo um número de empregados superor à necessdade, esses empregados fcarão ocosos, pos a Lnha de Produção possu um número de postos de trabalho lmtado.

22 MANUTENÇÃO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO O custo de manutenção das Lnhas de Produção leva em consderação o Nível de Atvdade e eventual Produção Extra. Exemplo 5: Uma Lnha de Produção LP Bke 40 0, com manutenção def nda em 0,3%, comprada por $ (Nov ecentos e cnqü enta ml undades monetáras) no mês de J anero e que custe $ em Fev erero. Manutenção no mês de Fev erero = $ x 0,3% x 1 (dade em meses) x 1 (nív el de atvdade d e 100,0%) x 1 (produção extra gual a 0, 0%). No mês de Fev erero te rá custos de manut enção de $ As empresas têm no níco do mês de Janero a mesma Quantdade e Tpo de Lnhas de Produção. As nformações do Tpo, Idade, Quantdade, Valor Contábl e Deprecação Acumulada, serão detalhadas no tem 2.1 do Anexo ao Manual. 4.6 COMPRA E VENDA DE LINHAS DE PRODUÇÃO VENDA DE LINHAS DE PRODUÇÃO A Empresa poderá vender suas Lnhas de Produção usadas. O preço de referênca de venda será o Valor Hstórco de Compra menos a Deprecação Acumulada. O Coordenador da Smulação anda poderá defnr um percentual de prejuízo ou lucro na venda de Lnhas de Produção usadas. Esse percentual será dvulgado todo mês. A Lnha de Produção vendda, será entregue para o comprador no últmo da do mês, ou seja, dexará de produzr a partr do prmero da do mês segunte ( M + 1) COMPRA DE LINHAS DE PRODUÇÃO As empresas poderão comprar somente Lnhas de Produção novas. Será dvulgada no Clppng Empresaral a tabela de preços de Lnhas de Produção novas. Estes preços poderão ter varações mensas. A Empresa defne a quantdade e o tpo de Lnha de Produção que deseja comprar. Automatcamente será conceddo um fnancamento de 60% do valor da Lnha de Produção nova. O fnancamento é compulsóro (obrgatóro) e as suas regras estão defndas no capítulo sobre Admnstração Fnancera. Os 40% do valor das Lnhas de Produção adqurdas no mês M são pagos no mês M, ou seja, no mesmo mês da compra. As Lnhas de Produção

23 24 compradas serão entregues no últmo da do mês da compra, dessa forma a Empresa somente poderá contar com a produção das novas Lnhas de Produção no mês segunte ao da aqusção ( M + 1). 4.7 GESTÃO DAS COMPRAS DE CMP COMPRA PROGRAMADA A compra de CMP deve ser programada pela empresa. O Fornecedor Normal leva um mês para entregar o peddo. Isto sgnfca que as compras efetuadas no mês somente estarão dsponíves para a produção no mês segunte. A produção do mês será efetuada com o estoque fnal exstente no mês anteror. A Empresa deverá nformar a quantdade que deseja adqurr e o prazo de pagamento desejado. A tabela de preços será publcada mensalmente no Clppng Empresaral. Códgo, Prazo e Parcelamento, serão publcados no tem 4 do Anexo ao Manual. QUADRO 5. Tabela de prazos de compra de CMP. Códgo Prazo Parcelament o 1 À vsta 100% no mês da compra % no mê s da com pra + 50% no mês segu nte, acresc do de juros 40% no mês da com pra + 2 parcelas guas acrescdas de juros nos meses subse qüente s Cálculo das parcelas Códgo 3 ( 1+ ) C Parcela = 2 + C : Captal (60% do valor à vsta) : Taxa de Juros do Fornecedor COMPRA EXTRA Havendo falta de CMP para atender a produção será efetuada automatcamente a compra de Fornecedor Local (Compra Extra), não havendo necessdade de a Empresa solctar a quantdade a ser adqurda. A entrega do Fornecedor Local é medata e ocorre no própro mês em que a compra é efetuada.

24 25 O preço do Fornecedor Local é 25% maor do que o preço (dvulgado no Clppng Empresaral) do Fornecedor Normal. A compra do Fornecedor Local não pode ser parcelada e o seu pagamento deve ser efetuado à vsta. Exempl o 6: QUADRO 6: Para uma produção de B ccletas, def ndo por: Pr oduto Componentes de Matéra Prma = 2 CMP1 + 1 CMP2 + 2 CMP3 + 1 CMP4 + 1 CMP5. Nec essdade Estoque Incal Compra Ex tra CMP : Freo CMP : Qua dro CMP : Roda CMP : Selm CMP : Transmssão GESTÃO DE ESTOQUE A Empresa terá gastos com a manutenção de estoques dos CMP e das Bccletas não venddos no mês. O custo da manutenção de estoques de CMP é aproprado para a Área de Produção e o das Bccletas como despesa da Área Comercal. Para o cálculo desses custos foram consderadas algumas s mp lfca ções: o Cu sto de Manute n ção de Esto que s de CMP é calculado aplcando-se o percentual de 5% sobre o valor atualzado do estoque no níco do mês. Já o custo de estocagem de Produtos é calculado aplcandose o percentual de 10% sobre o valor do custo de produção das Bccletas que não foram venddas no mês.

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito.

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito. Matemátca Fnancera Rendas Certas Prof. Benjamn Cesar Sére de Pagamentos Unforme e Peródca. Rendas Certas Anudades. É uma sequênca de n pagamentos de mesmo valor P, espaçados de um mesmo ntervalo de tempo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Decisão Mensal. Abril/2013 (04) PUC-PR Marcio_7P CTEC. Diretor de Finanças. Diretor de Recursos Humanos. Diretoria de Produção.

Decisão Mensal. Abril/2013 (04) PUC-PR Marcio_7P CTEC. Diretor de Finanças. Diretor de Recursos Humanos. Diretoria de Produção. PUC-PR Decisão Mensal /213 (4) Diretoria de Recursos Humanos Diretoria de Finanças Admissões: 16 Empréstimo ($): 7. Demissões: Salário dos Empregados da Produção ($): Treinamento (%): Participação nos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA Concetos Báscos e Smbologa HP-12C Prof. Antono Sérgo A. do Nascmento asergo@lve.estaco.br GST0045 Matemátca Fnancera 2 Valor do dnhero no tempo q O dnhero cresce no tempo

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 4.3 Decsão Intertemporal do Consumdor O Mercado de Captal Isabel Mendes 2007-2008 4/17/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 3. EQUILÍBRIO

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO No mundo globalzado e etremamente compettvo em que as empresas dsputam espaço, clentes, reconhecmento e acma de tudo, condções de permanecer compettvas e lucratvas no mercado, é fundamental

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais 2013: Trabalho de Conclusão de Curso do Mestrado Profssonal em Matemátca - PROFMAT Unversdade Federal de São João del-re - UFSJ Socedade Braslera de Matemátca - SBM A Matemátca Fnancera nos Fnancamentos

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa.

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa. Custo e Captal 1 Custo e Captal Seguno Gtman (2010, p. 432) o custo e Captal é a taxa e retorno que uma empresa precsa obter sobre seus nvestmentos para manter o valor a ação nalterao. Ele também poe ser

Leia mais

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos 8 Indcadores de desempenho na cadea de suprmentos 8.1 O desafo da mensuração O estabelecmento de ndcadores de desempenho do supply chan management está sueto à estrutura da cadea, seus elos e partcpantes

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Fnancera 007. Prof.: Luz Gonzaga Damasceno E-mals: amasceno04@yahoo.com.br amasceno@nterjato.com.br amasceno@hotmal.com 5. Taxa Over mensal equvalente. Para etermnar a rentablae por a útl one

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO 1 ALGORITMO É a descrção de um conjunto de ações que, obedecdas, resultam numa sucessão fnta de passos, atngndo um objetvo. 1.1 AÇÃO É um acontecmento que a partr de um estado ncal,

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Modelo de Mensuração da Rentabilidade do Crédito Comercial

Modelo de Mensuração da Rentabilidade do Crédito Comercial Modelo de Mensuração da Rentabldade do Crédto Comercal Autora: Dany Rogers, Pablo Rogers, Karem Crstna de Sousa Rbero Resumo A avalação para concessão de crédto, prncpalmente em empresas comercas, é tradconalmente

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 e Controle de Estoques PUC CAMPINAS Prof. Dr. Marcos Georges Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 Fornecmento de produtos e servços Recursos da operação Planejamento e Controle de Estoque Compensação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA JOSÉ RAFAEL PEREIRA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA JOSÉ RAFAEL PEREIRA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LERAS DE RIBEIRÃO PREO DEPARAMENO DE FÍSICA E MAEMÁICA JOSÉ RAFAEL PEREIRA INERAÇÃO DE ESRAÉGIAS EM UM MERCADO DE OPÇÕES EUROPÉIAS: UMA ABORDAGEM

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

3 Formulação da Metodologia

3 Formulação da Metodologia 54 3 Formulação da Metodologa 3.1. Resumo das Prncpas Heurístcas de Solução A maora das heurístcas de solução para o ELSP aborda o problema na sua forma clássca, sto é, quando os tempos e custos de setup

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL Normas Regulamentares PREÂMBULO O regulamento geral dos cclos de estudos conducentes ao grau de Mestre da FCT-UNL organza,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO Felpe Mendonca Gurgel Bandera (UFERSA) felpembandera@hotmal.com Breno Barros Telles

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo.

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo. TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL PALAVRAS CHAVES: Crescmento, Transferêncas, Dnâmca, Convergênca e Governo. PEDRO JUCÁ MACIEL Analsta de Fnanças da STN/Mnstéro da Fazenda Mestre

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO Perspectvas Globas para a Engenhara de Produção Fortaleza, CE, Brasl, 13 a 16 de outubro de 2015. ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Avaliação de Empresas

Avaliação de Empresas Avalação de Empresas Gestão Fnancera Gestão Fnancera e Fscal IESF 2009 1 Cândda Botelho 2 1. Introdução... 4 2. Avalação de uma empresa... 4 2.1 Prncpas defnções de valor... 5 2.2 Premssas fundamentas

Leia mais

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento CAP RATES, YIELDS E AALIAÇÃO DE IMÓEIS pelo étodo do rendento Publcado no Confdencal Iobláro, Março de 2007 AMARO NAES LAIA Drector da Pós-Graduação de Gestão e Avalação Ioblára do ISEG. Docente das caderas

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Curso de especialização em Finanças e Economia Disciplina: Incerteza e Risco Prof: Sabino da Silva Porto Júnior Sabino@ppge.ufrgs.

Curso de especialização em Finanças e Economia Disciplina: Incerteza e Risco Prof: Sabino da Silva Porto Júnior Sabino@ppge.ufrgs. Incerteza: o básco Curso de especalzação em Fnanças e Economa Dscplna: Incerteza e Rsco Prof: Sabno da Slva Porto Júnor Sabno@ppge.ufrgs.br Introdução Até agora: conseqüêncas das escolhas dos consumdores

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DANIEL JOSÉ DE ALCANTARA COSTA APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA ANÁLISE ECONÔMICA FINANCEIRA DE INVESTIMENTOS EM UMA CAFETERIA

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

APOSTILA PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

APOSTILA PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Horas de Capacdade APOSTILA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 90 80 70 60 50 40 30 0 10 1 3 4 5 6 Semanas Prof.: Wllam Morán UFPI /Planejamento e Controle da Produção Prof. Wllam Morán UFPI /Planejamento

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL RISCO DE TAXA DE JUROS 1. Introdução O rsco de taxas de juros é a exposção da condção fnancera de um

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE a 2 edção Presdente da Repúblca Luz Ináco Lula da Slva Mnstro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Slva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presdente Eduardo Perera Nunes

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI APOSTILA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO I Prof. Wllam Morán UFPI PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA II: Prof. Wllam Morán 2 Problema 1: O gráfco PERT fo preparado no níco de um

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil

BBR - Brazilian Business Review E-ISSN: 1807-734X bbronline@bbronline.com.br FUCAPE Business School Brasil BBR - Brazlan Busness Revew E-ISSN: 1807-734X bbronlne@bbronlne.com.br FUCAPE Busness School Brasl Slva, Dany Rogers; Sousa Rbero, Karem Crstna de; Hua Sheng, Hsa Mensuração da rentabldade do crédto comercal:

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais