Implementando modelos DEA no R

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implementando modelos DEA no R"

Transcrição

1 Implementando modelo DEA no R Joé Francico Moreira Peanha UERJ Alexandre Marinho UERJ Luiz da Cota Laurencel UERJ Marcelo Ruben do Santo do Amaral UERJ Reumo:O preente artigo tem por obetivo apreentar a implementação do modelo cláico da Análie Envoltória de Dado (DEA Data Envelopment Analyi) no ambiente R, em particular o modelo com retorno contante de ecala (CRS) e o modelo com retorno variável de ecala (VRS), na verõe do multiplicadore e envelope e com orientação ao inumo. A implementação computacional é ilutrada por meio de um etudo de cao com a 18 maiore ditribuidora do etor elétrico braileiro. Palavra Chave: DEA - R - computação - energia elétrica -

2 1. ITRODUÇÃO O preente artigo tem por obetivo apreentar a implementação do modelo cláico da Análie Envoltória de Dado (DEA Data Envelopment Analyi) no ambiente R, em particular o modelo com retorno contante de ecala (CRS) e o modelo com retorno variável de ecala (VRS), na verõe do multiplicadore e envelope e com orientação ao inumo. A implementação computacional é ilutrada por meio de um etudo de cao com a 18 maiore ditribuidora do etor elétrico braileiro. Introduzida por Charne, Cooper e Rhode em 1978, a Análie Envoltória de Dado é uma importante área da Pequia Operacional e da Ciência Econômica, conforme atetado pela enorme quantidade de publicaçõe com aplicaçõe prática e deenvolvimento teórico ao longo de pouco mai de trê década (COOK & SEIFORD, 2009). De forma reumida, a Análie Envoltória de Dado pode er decrita como uma técnica não paramétrica, baeada em programação linear, para a avaliação da eficiência de organizaçõe (Deciion Making Unit - DMU) que atuam em um memo ramo de atividade, por exemplo, ecola pública, agência bancária, fábrica e conceionária de erviço público. Atualmente a Análie Envoltória de Dado conta com uma variedade de modelo que abrangem dede o modelo DEA cláico (decrito nete artigo) e ua variaçõe, até abordagen que combinam o modelo DEA com método de imulação de Monte Carlo, modelo etatítico e lógica fuzzy. Paralelamente ao avanço teórico, oberva-e a evolução do programa dedicado à DEA, dede oftware comerciai como o DEA Solver Pro (http://www.aitechinc.com/product/prod-dp.ap), Frontier Analyt (http://www.banxia.com/frontier/), MaxDEA (http://www.maxdea.cn/) e PIM-DEASoft (http://www.deaoftware.co.uk/), até programa não comerciai como DEAP (http://www.uq.edu.au/economic/cepa/deap.php) e SIAD (http://www.uff.br/deciao/). Uma lita mai abrangente do programa dedicado à DEA e ua funcionalidade pode er encontrada em (ÂGULO-MEZA et al, 2005). Detacae também página na internet que oferecem a poibilidade de obter reultado de diferente modelo DEA mediante a imple introdução do dado de entrada, por exemplo, Adicionalmente, o modelo DEA podem er programado em planilha eletrônica por meio do Solver Excel, conforme decrito por Ragdale (2009). Embora o programa comerciai e livre eam prático e contem com divero modelo e recuro para a aplicação da Análie Envoltória de Dado, a poibilidade de programar modelo DEA, em uma planilha eletrônica ou em qualquer outra linguagem computacional, é intereante, poi oferece ao analita uma grande flexibilidade na implementação computacional do modelo, incluive na invetigação de inovaçõe. Mai recentemente, o advento do programa R (http://www.r-proect.org/), um oftware livre e open ource, altamente extenível, diponibiliza uma variedade de funçõe para análie de dado e rotina gráfica por meio de funçõe nativa ou obtida em pacote (package) ditribuido na internet. Por exemplo, o R conta com doi pacote dedicado ao modelo DEA: o FEAR (Frontier Efficiency Analyi with R) (http://www.clemon.edu/economic/faculty/wilon/software/fear/fear.html) e o Benchmarking (BOGETOFT & OTTO, 2011). Contudo o R é mai do que uma imple biblioteca de pacote, poi permite que o analita contruam eu próprio programa ou package. Portanto, por meio do R, o analita podem obter oluçõe de baixo cuto e livre da retrita opçõe oferecida pelo programa dedicado apena ao modelo DEA.

3 O artigo etá organizado em quatro eçõe. A eguir, na eção 2, tem-e a formulação matematica do modelo DEA cláico (modelo CRS e VRS). a equência, na eção 3 ão apreentado o código para execução do modelo DEA cláico no R. Por fim, na eção 4 ão apreentada a principai concluõe do artigo. 2. MODELOS DEA CLÁSSICOS Conidere uma tecnologia de produção que tranforma um vetor com tipo de input X={x 1,..., x } R S em um vetor com m tipo de output Y ={y 1,..., y m } R m. A tecnologia de produção pode er repreentada pelo conunto de poibilidade de produção, definido como o conunto formado por toda a poívei forma de produzir o vetor de produto Y a partir de diferente combinaçõe do inumo no vetor X: T(X,Y) = { (X,Y) é viável produzir Y a partir de X } Sob o enfoque de conervação de recuro (orientação ao inumo), define-e a medida de eficiência técnica () de uma DMU (X,Y) como endo a máxima contração radial do vetor de inumo X que permite produzir a mema quantidade de produto Y, ou ea: Eficiência = Min { (X,Y) T(X,Y) } onde pode aumir um valor menor ou igual a unidade. Um valor unitário para indica que não é poível reduzir a quantidade de inumo e manter a mema produção. ete cao a DMU é tecnicamente eficiente. Cao contrário, quando < 1, ignifica que há um exceo de inumo e a DMU é tecnicamente ineficiente. Com bae no reultado acima e admitindo a hipótee de rendimento contante de ecala e tecnologia convexa Charne, Cooper e Rhode (1978) propueram o primeiro modelo DEA, conhecido como CCR ou CRS (Contant Return of Scale). ete modelo a eficiência é formulada como um Problema de Programação Linear (PPL), onde a função obetivo é a máxima contração do inumo (orientação ao inumo) e a retriçõe do problema repreentam o conunto de poibilidade de produção. Poteriormente, Banker, Charne e Cooper (1984) adicionaram uma retrição de combinação convexa no modelo CRS, criando um modelo que contempla a hipótee de rendimento variávei de ecala, conhecido como BCC ou VRS (Variable Return of Scale). A eguir, na Tabela 1 ão apreentado doi modelo DEA com orientação ao inumo e na formulação envelope, onde é o total de DMU analiada e o par (X,Y ) repreenta o vetore de inumo e produto da -éima DMU, =1,. Denotando a olução ótima do modelo (1) e (2) por (*,* 1,...,* ), a DMU avaliada (DMU 0) é eficiente, e e omente e, *=1 e toda a folga na retriçõe ão nula na olução ótima. Cao contrário, quando *<1 ou *=1, porém com folga poitiva, a DMU 0 é ineficiente. O coeficiente * >0 =1, indicam a DMU que compõem o conunto de referência (peer et) da DMU 0.

4 Tabela 1: Modelo DEA com orientação ao inumo na formulação envelope. Modelo CRS eficiência DMU 0 Min (1).a. 0 1 X X 0 1 Y Y 0 1,..., 0,..., 0 m+ retriçõe +1 variávei Modelo VRS eficiência DMU 0 Min (2).a. 0 1 X X 0 1 Y Y ,..., 0,..., m++1 retriçõe +1 variávei Quando uma DMU tranforma x unidade de um tipo de inumo em y unidade de um tipo de produto, a ua eficiência pode er avaliada pelo quociente de produtividade total y/x. A generalização, para o cao com múltiplo inumo e múltiplo produto, conite em calcular o eguinte quociente: u y u y u y U Y eficiência m m (3) v x v x v x V X onde o vetore V=(v 1,v 2,...,v ) e U=(u 1,u 2,...,u m ) denotam o peo atribuído à quantidade de input e output repectivamente. Charne, Cooper e Rhode (1978) ugerem que o vetore U e V eam determinado por meio do problema de programação linear (4) indicado na Tabela 2 e denominado modelo DEA/CRS com orientação ao inumo na verão do multiplicadore. Ainda na Tabela 2, o PPL (5) é o modelo DEA/VRS com orientação ao inumo na verão do multiplicadore. Prova-e que o modelo (4) é o dual do modelo (1) e que o modelo (5) é o dual do modelo (2). m i1 Tabela 2: Modelo DEA com orientação ao inumo na formulação do multiplicadore. Modelo CRS Modelo VRS Max u i y i, 0 (4) Max u y (5).a. i1 i1 m vi xi ui yi 0 1,..., 0,..., v i x i, 0 i1 1 u i 0 i 1,m v i 0 i 1, +1 retriçõe m+ variávei.a. i1 i1 m i1 m i i, 0 u0 vi xi ui yi u0 0 1,..., 0,..., v i x i, 0 i1 1 u i 0 i 1,m v i 0 i 1, +1 retriçõe m++1 variávei o PPL (5) a variável u 0 é irretrita em inal e indica e o rendimento é decrecente (u 0 <0), contante (u 0 =0) ou crecente (u 0 >0) em ecala. Denotando a olução ótima de (4) e

5 (5) por (*, u*,v*), a DMU 0 é coniderada eficiente, e e omente e, *=1 e todo o elemento de u* e v* ão poitivo. Cao contrário, quando *<1 ou quando *=1, porém com elemento nulo em u* e v*, a DMU 0 é coniderada ineficiente. O peer et de uma DMU ineficiente é formado pela DMU aociada com a retriçõe ativa. 3. IMPLEMETADO O MODELO DEA O R O programa pode er organizado em trê parte: entrada de dado, proceamento e gravação do reultado. a maioria da veze o dado de entrada de um modelo DEA encontram-e armazenado em uma planilha MS Excel, por exemplo, a planilha ilutrada na Figura 1 contendo dado de 2009 da 18 maiore ditribuidora de energia elétrica que atuam no Brail, onde ão informado o cuto operacional total em R$ (OPEX), a extenão total (km) da rede de ditribuição (ETWORK), o volume de energia tranacionada ao longo do ano (MWh) e o número de unidade conumidora (CUSTOMERS). Figura 1: Matriz de Dado (Fonte: Agência acional de Energia Elétrica - Aneel) O erviço pretado por uma ditribuidora tem dua dimenõe báica: o volume de energia ditribuída e o número de unidade conumidora atendida e que unto contituem o principai driver do cuto operacional. Adicionalmente, o cuto operacionai também ão influenciado por fatore não controlávei pela ditribuidora, por exemplo, a diperão da unidade conumidora um apecto aociado com o tamanho e a cobertura da rede de ditribuição. Para um determinado nível de erviço, a ditribuidora deve provê-lo com o menor cuto poível. Com bae na conideraçõe acima e tendo como obetivo a obtenção de uma medida de eficiência que quantifique o potencial de redução do cuto operacionai, em cada conceionária, a Agência acional de Energia Elétrica (AEEL) propõe um modelo DEA com orientação ao inumo, no qual o OPEX é o único input e com trê output: volume de energia ditribuída, número de unidade conumidora e extenão da rede de ditribuição. A importação do dado pode er realizada pelo comando read.xl, uma função diponibilizada no pacote xlreadwrite (http://cran.rproect.org/web/package/xlreadwrite/xlreadwrite.pdf). Admitindo que o dado eteam armazenado em uma planilha denominada dado.xl, localizada no diretório c:\exemplo, a importação do dado da planilha para o R pode er realizada pelo eguinte comando (comentário apó #): require(lpsolve) # carrega pacote lpsolve previamente intalado require(xlreadwrite) # carrega pacote xlreadwrite previamente intalado etwd('c:/exemplo') # define o diretório de trabalho

6 data <- read.xl('dado.xl',colame =TRUE,heet=1, type='data.frame',from=1) # importa o dado o código R acima, colame=true indica que a primeira linha contém o rótulo da variávei, heet=1 informa que o dado etão na pata 1 do arquivo e que devem er lido a partir da célula A1 da planilha (from=1), enquanto a opção type informa ao R que o obeto data (que recebe o dado da planilha) é do tipo data.frame (VERZAI, 2005). Figura 2: The data obect in R and the data import code O obeto data contém a lita de variávei candidata ao inumo e produto do modelo DEA. Aim, é neceário indicar quai ão a variávei coniderada no modelo e claificá-la entre inumo (input) e produto (output). Conforme ilutrado na Figura 2, a variável input (OPEX) etá na egunda coluna da matriz de dado, enquanto o output etão na coluna 3 (ETWORK), 4 (MWH) e 5 (CUSTOMERS). A eleção do input e output pode er feita pelo eguinte comando do R: input<- data.frame(data[,2]) # eleciona coluna 2 do obeto data output <- data.frame(data[,c(3,4,5)]) # eleciona coluna 3, 4 e 5 do obeto data <- dim(data)[1] # número de DMU <- dim(input)[2] # número de input m <- dim(output)[2] # número de output O proceamento de modelo DEA conite em reolver um PPL para cada uma da DMU analiada. o cao de um modelo DEA/CRS orientado ao inumo na verão do multiplicadore, para cada DMU é reolvido um modelo com a mema etrutura do PPL (4). A olução do PPL no R pode er obtida por meio da função lp do pacote lpsolve (http://cran.rproect.org/web/package/lpsolve/lpsolve.pdf), cuo argumento de entrada ão o coeficiente da função obetivo, a orientação do problema (maximização ou minimização), o coeficiente tecnológico da retriçõe e o repectivo valore do RHS e o tipo de cada retrição (<=, =, >=). O PPL (4) pode er expreo da eguinte maneira: Max. t. c input b T T z z z output z (6)

7 Em (6) o input e output ão o obeto do R definido pelo código imediatamente acima do parágrafo anterior, z T =[v u 1 u 2 u 3 ] é o vetor com a variávei de decião, b T é o vetor com o input da DMU avaliada (DMU0) e c T é o vetor com o coeficiente da função obetivo. A eficiência de cada DMU pode er avaliada pelo código R indicado a eguir, onde i é o índice da DMU avaliada (DMU0) e o vetore b e c ão modificado automaticamente para cada DMU: f.rh <- c(rep(0,1,),1) # RHS f.dir <- c(rep("<=",1,),"=") # direção da retriçõe aux <- cbind(-1*input,output) # matriz com o coeficiente tecnológico em (6) for (i in 1:) { f.ob <- c(0*rep(1,),a.numeric(output[i,])) # coeficiente da função obetivo f.con <- rbind(aux,c(a.numeric(input[i,]), + rep(0,1,m))) # adiciona a retrição b T z=1 reult <- lp("max",a.numeric(f.ob),f.con,f.dir,f.rh,cale=1,compute.en=true) # reolve PPL multiplier <- reult$olution # multiplicadore efficiency <- reult$obval # indice de eficiência dual <- reult$dual # if (i==1) { } ele { } } weight <- multiplier effcr <- efficiency lambda <- dual [eq(1,)] weight <- rbind(weight,multiplier) effcr <- rbind(effcr, efficiency) lambda <- rbind(lambda,dual[eq(1,)]) ote que na função lp ão informado todo o elemento de um PPL: a orientação do problema (max ou min), o coeficiente da função obetivo (f.ob), o coeficiente tecnológico da retriçõe (f.con), a direçõe da retriçõe <=, = ou >= (f.dir) e o RHS (f.rh) da retriçõe. O reultado gerado pela função lp ão armazenado no obeto reult, por exemplo, o multiplicadore (reult$olution), a variávei duai (reult$dual) e a eficiência (reult$obval). Por meio do código R apreentado abaixo, o índice de eficiência e o multiplicadore (U e V) podem er exportado para a planilha MS Excel ilutrada na Figura 3. planilha <- cbind(effcr,weight) rowname(planilha) <- data[,1] # nomea da linha (emprea) colname(planilha) <- c('efficiency', name(input),name(output)) # nome da coluna write.xl(planilha,"reultcr.xl",colame=true,heet = 1,from = 1) # grava arquivo

8 Figura 3: Reultado do modelo DEA CRS/M/I Da mema forma, o eguinte código R exporta a variávei duai () para a planilha MS Excel apreentada na Figura 4. planilha <-lambda rowname(planilha) <- data[,1] # ecreve nome da emprea na linha colname(planilha) <- data[,1] # ecreve nome da emprea na coluna write.xl(planilha,"dualcr.xl",colame = TRUE,heet = 1,from = 1) # grava arquivo Figura 4: Variávei duai Conforme ilutrado na Tabela 2, a diferença entre o modelo CRS e VRS reide na variável irretrita u 0 preente apena nete último modelo. A variável irretrita em inal é modelada pela diferença de dua variávei não negativa (u 0 = u + - u -, u + 0 e u - 0), conforme ilutrado no programa abaixo para um modelo VRS orientado ao inumo na verão do multiplicadore (5): f.rh <- c(rep(0,1,),1) # RHS f.dir<-c(rep("<=",1,), "=") # direção da retriçõe aux <- cbind(-1*input,output,1,-1) # matriz de coeficiente tecnológico for (i in 1:) { f.ob<-c(rep(0,1,),a.numeric(output[i,]),1,-1) # 1 e -1 repreentam u + - u - f.con<- rbind(aux,c(a.numeric(input[i,]), rep(0,1,m),0,0)) reult<-lp("max",a.numeric(f.ob),f.con,f.dir,f.rh,cale=1,compute.en=true) # reolve o PPL

9 multiplier <- reult$olution efficiency <- reult$obval dual<-reult$dual u0<-multiplier[+m+1]-multiplier[+m+2] if (i==1) { weight <- c(multiplier[eq(1,+m)],u0) effvr <- efficiency lambda <- dual [eq(1,)] } ele { } } weight<-rbind(weight,c(multiplier[eq(1,+m)],u0)) effvr <- rbind(effvr, efficiency) lambda <- rbind(lambda,dual[eq(1,)]) Getão e Tecnologia para a Competitividade O índice de eficiência oriundo do modelo CRS e VRS e a eficiência de ecala (COOPER et al, 2002) ão ilutrado na Figura 5 gerada pelo eguinte código R. par(mar=c(10,5,1, 8), xpd=true) cale <- effcr/effvr preadheet <- cbind(effcr,effvr,cale) rowname(preadheet) <- data[,1] colname(preadheet) <- c ("CRS","VRS","SE") barplot(t(preadheet),col=palette()[c(1,4,7)], ylab="efficiency",beide=true,la=3) legend("topright",inet=c(-0.2,0),colname(preadheet),fill=palette()[c(1,4,7)],bty="n") A decompoição apreentada na Figura 5 permite identificar e a fonte de ineficiência reide na operação, na ecala ou em amba (COOPER et al, 2002).

10 Figura 5: Índice de eficiência CRS, VRS e de ecala (SE Scale Efficiency) 4. COCLUSÕES O R é um programa livre e open ource, altamente extenível e largamente difundido na comunidade acadêmica oferece um ambiente computacional intereante para atividade de pequia e deenvolvimento de aplicaçõe de método quantitativo. Embora a Análie Envoltória de Dado (DEA) conte com uma ampla diponibilidade de oftware comerciai e não comerciai que oferecem ao analita uma variedade de modelo DEA e ofiticado recuro gráfico, a opçõe oferecida pelo oftware ão retrita. A poibilidade de implementar o modelo DEA no ambiente R torna o analita livre da limitaçõe do oftware dedicado e, principalmente, facilita a integração da Análie Envoltória de Dado com outra técnica quantitativa, um apecto importante quando e conidera uma vião mai ampla do proceo de tomada de decião. O programa apreentado no preente artigo contituem apena um exemplo de como implementar modelo DEA no ambiente R. Contudo, detaca-e que o código decrito no artigo podem er facilmente adaptado para verõe mai ofiticada do modelo DEA, por exemplo, modelo com equema de retriçõe ao peo, avaliação cruzada, DEA em doi etágio, modelo para alocação de recuro e até memo modelo Fuzzy-DEA. Adicionalmente o R conta com funçõe que permitem elaborar interface gráfica amigávei (pacote RGtk2 além de poder er facilmente integrado ao Excel (pacote RExcel 5. REFERÊCIAS AGULO-MEZA, L., BIODI ETO, L., SOARES DE MELLO, J.C.C.B., GOMES, E.G. ISYDS Integrated Sytem for Deciion Support (SIAD Sitema Integrado de Apoio à Decião): A oftware package for Data Envelopment Analyi Model, Pequia Operacional, v.25, n.3, pp , Setembro a Dezembro, BAKER, R.D., CHARES A., COOPER, W.W. Some model for etimating technical and cale inefficiencie in data envelopment analyi, Management Science (30): , 1984.

11 Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Getão e Tecnologia para a Competitividade BOGETOFT, P., OTTO, L. Benchmarking with DEA, SFA and R, Springer Science, CHARES, A., COOPER, W.W., RHODES, E. Meauring the Efficiency of Deciion Making Unit, European Journal of Operational Reearch: , COOK, W.D., SEIFORD, L.M. Data Envelopment Analyi (DEA) Thirty year on, European Journal of Operational Reearch, 192: 1-17, COOPER, W.W., SEIFORD, L.M., TOE, K. Data Envelopment Analyi: A comprehenive text with model, application, reference and DEA-Solver Software, Kluwer Academic Publiher, R DEVELOPMET CORE TEAM R. A language and environment for tatitical computing. R Foundation for Statitical Computing, Vienna, Autria. URL VERZAI, J. Uing R for introductory tatitic, Chapman & Hall/ CRC Pre, 2005.

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Mestrado Profissional em Produção. MB-746 Otimização. DEA Data Envelopment Analysis

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Mestrado Profissional em Produção. MB-746 Otimização. DEA Data Envelopment Analysis MB-746 Otimização DEA Data Envelopment Analysis Data Envelopment Analysis (DEA) is a nonparametric method for the empirical measurement of productive efficiency of decision making units (DMUs) 1957 - Farrell:

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública PROBLEMA DE CORTE UNIDIMENSIONAL COM SOBRAS APROVEITÁVEIS: RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTICO Adriana Cherri Departamento de Matemática, Faculdade de Ciência, UNESP, Bauru adriana@fc.unep.br Karen Rocha

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

FUSÕES E AQUISIÇÕES: UMA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA

FUSÕES E AQUISIÇÕES: UMA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA FUSÕES E AQUISIÇÕES: UMA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA Paulo Rotela Junior (UNIFEI ) paulo.rotela@gail.co Edon de Oliveira Paplona (UNIFEI ) paplona@unifei.edu.br Aneiron Francico da Silva (UNESP ) aneiron@yahoo.co.br

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

ALOCAÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ÀS UNIDADES DA EMBRAPA COM MODELOS DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS COM GANHOS DE SOMA ZERO

ALOCAÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ÀS UNIDADES DA EMBRAPA COM MODELOS DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS COM GANHOS DE SOMA ZERO ALOCAÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ÀS UNIDADES DA EMBRAPA COM MODELOS DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS COM GANHOS DE SOMA ZERO Eliane Gonçalves Gomes 1 Geraldo da Silva e Souza 1 Suzana Maria Valle

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Voto e Contribuição Reponável pelo PM: Acompanhamento do Mercado CONTROLE DE ALTERAÇÕES Verão Data Decrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM AM.04 - Cálculo

Leia mais

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória.

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória. Reolução do Problema de Carregamento e Decarregamento 3D de Contêinere em Terminai Portuário para Múltiplo Cenário via Repreentação por Regra e Algoritmo Genético Aníbal Tavare de Azevedo (UNICAMP) anibal.azevedo@fca.unicamp.br

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA Anai do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pó-Graduação do ITA XII ENCITA / 26 Intituto Tecnológico de Aeronáutica São Joé do Campo SP Brail Outubro 16 a 19 26 IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O M É T O D O S Q U A N T I T A T I V O S E I N F O R M Á T I C A PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO Leila Lage Hume lhume@up.br

Leia mais

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Rede MPLS, com Dua Clae de Serviço Rita Girão Silva a,c (Tee de Doutoramento realizada ob upervião de Profeor Doutor Joé Craveirinha a,c e Profeor

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 27 A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 1 RESUMO: A tecnologia da informação e comunicação - TIC ampliam o epaço para comunicação e interação na

Leia mais

Palavras-chave: Tubo Evaporador; Modelo de Drift Flux; Escoamento Bifásico, Simulação Numérica. 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Tubo Evaporador; Modelo de Drift Flux; Escoamento Bifásico, Simulação Numérica. 1. INTRODUÇÃO IN 1984-818 Reolução da Equaçõe de Conervação da Maa, Eneria e Momento em Termo de Preão, Título Máico e Fração de Vazio para um Tubo Evaporador Utilizando o Modelo de Drit Flux Luí Henrique Gazeta de

Leia mais

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace Reolução de Equaçõe Diferenciai Ordinária por Série de Potência e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto rtocano@id.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1 Artigo 65 Afetação de recuro, produtividade e crecimento em Portugal 1 Daniel A. Dia 2 Carlo Robalo Marque 3 Chritine Richmond 4 Reumo No período 1996 a 2011 ocorreu uma acentuada deterioração na afetação

Leia mais

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace Equaçõe Diferenciai GMA Reolução de Equaçõe Diferenciai por Série e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto tocano@im.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA Etudo comparativo entre o procedimento de amotragem... 67 ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA EM INVENTÁRIOS DE ARBORIZAÇÃO URBANA Comparative

Leia mais

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins Marta Monteiro da Costa Cruz FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins

Leia mais

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema

Leia mais

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

O Hiato da Produção Agrícola em Angola, Brasil, Moçambique e Portugal no Período de 1961 a 2000 Antonio José Medina dos Santos Baptista 1

O Hiato da Produção Agrícola em Angola, Brasil, Moçambique e Portugal no Período de 1961 a 2000 Antonio José Medina dos Santos Baptista 1 O Hiato da Produção Agrícola em Angola, Brasil, Moçambique e Portugal no Período de 1961 a 2000 Antonio José Medina dos Santos Baptista 1 Resumo Neste estudo pretendeu-se estimar um indicador do hiato

Leia mais

Introdução ao Windows Server 2003

Introdução ao Windows Server 2003 Profeor.: Airton Junior (airtonjjunior@gmail.com) Diciplina: Rede II Conteúdo.: Window 2003 Server, Intalação e configuração, IIS, FTP, DNS, DHCP, Active Diretory, TCP/IP. Avaliaçõe.: 2 dua Prova com peo

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot AULA 0 POTÊNCIA MECÂNICA 1- POTÊNCIA Uma força pode realizar um memo trabalho em intervalo de tempo diferente. Quando colocamo um corpo de maa m obre uma mea de altura H num local onde a aceleração da

Leia mais

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ELETRICIDADE Análie de Senibilidade de Anemômetro a Temperatura Contante Baeado em Senore Termo-reitivo

Leia mais

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento.

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento. Liderança para criar e gerir conhecimento Lider ança para criar e gerir conhecimento }A liderança é um fator eencial para e alcançar o uceo também na getão do conhecimento.~ 48 R e v i t a d a ES P M janeiro

Leia mais

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1.

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1. 3 Fuga de cérebro e invetimento em capital humano na economia de origem uma invetigação empírica do brain effect 3.1. Introdução Uma da vertente da literatura econômica que etuda imigração eteve empre

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo Sitema Electrónico de Condicionamento e Proceamento, em Tempo Real, da Tenõe e Corrente do Motor de Indução Trifáico Alimentado por Converore de Frequência Vicente Leite (1), Henrique Teieira (1), Rui

Leia mais

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL Copright 004, Intituto Braileiro de Petróleo e Gá - IBP Ete Trabalho Técnico Científico foi preparado para apreentação no 3 Congreo Braileiro de P&D em Petróleo e Gá, a er realizado no período de a 5 de

Leia mais

IX SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA

IX SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA IX SEPOPE 3 a 7 de maio de 4 May, 3 th to 7 rd 4 Rio de Janeiro (RJ) Brail IX SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA IX SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL

Leia mais

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS Anai do 47º Congreo Braileiro do Concreto - CBC005 Setembro / 005 ISBN 85-98576-07-7 Volume XII - Projeto de Etrutura de Concreto Trabalho 47CBC06 - p. XII7-85 005 IBRACON. ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO

Leia mais

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Reumo Luca Franco de Ai¹ Marcelo Semenato² ¹Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia/Campu Jataí/Engenharia Elétrica/PIBIT-CNPQ lucafranco_jty@hotmail.com

Leia mais

Observação: CURSOS MICROSOFT

Observação: CURSOS MICROSOFT Obervação: O material utilizado nete curo é de propriedade e ditribuição da emprea Microoft, podendo er utilizado por qualquer peoa no formato de ditribuição WEB e leitura em PDF conforme decrito na lei

Leia mais

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M.

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROMECÂNICA CONTROLO DE SISTEMAS APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox Pedro Dini Gapar António Epírito Santo J. A. M. Felippe de Souza

Leia mais

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s Incluão Social do Joven no Aentamento Rurai de Areia com ênfae no trabalho da Tutoria e recuro da nova TIC MIRANDA 1, Márcia C.V.; SILVA 2, Fátima do S.; FÉLIX 3, Jânio 1 Profeora orientadora e coordenadora

Leia mais

Exercícios Resolvidos de Biofísica

Exercícios Resolvidos de Biofísica Exercício Reolvido de Biofíica Faculdade de Medicina da Univeridade de oimbra Exercício Reolvido de Biofíica Metrado ntegrado em Medicina MEMBRNS HOMOGÉNES Exercício 1. Numa experiência com uma membrana

Leia mais

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro Rentabilidade da Intituiçõe Financeira no Brail: Mito ou Realidade? Autore JOSÉ ALVES DANTAS Centro Univeritário Unieuro PAULO ROBERTO BARBOSA LUSTOSA PMIRPGCC - UNB/UFPB/UFPE/UFRN Reumo A dicuão obre

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE AÉREA: UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE AÉREA: UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE AÉREA: UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS Priscilla Navarro de Andrade Kauffmann Presta (UFF) priscilla_presta@hotmail.com

Leia mais

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ETUDANTE ERAMU OUT Dede já, agradecemo a ua participação neta nova etapa do Projecto de Tutoria a Etudante ERAMU verão OUT. Com ete inquérito, pretendemo dar a conhecer

Leia mais

PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS

PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS COM ÊNFASE NA GARANTIA

Leia mais

clientes. Para isso é necessário a utilização de ferramenta que mensure a eficiência de forma confiável e precisa. O modelo DEA é uma técnica de

clientes. Para isso é necessário a utilização de ferramenta que mensure a eficiência de forma confiável e precisa. O modelo DEA é uma técnica de Análise do desempenho dos planos de saúde da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (CASSI) por meio do Modelo de Análise Envoltória de Dados (DEA) Idalberto José das Neves Júnior Universidade

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS Laureate Network Product & Service Copyright 2013 Laureate Education, Inc. ÍNDICE C A T Á L O G O L N P S ÍCONE Nome do Curo Língua Duração Deenvolvimento do Corpo Acadêmico

Leia mais

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO Thale Cainã do Santo Barbalho 1 ; Álvaro Daniel Tele Pinheiro 2 ; Izabelly Laria Luna

Leia mais

Estratégias MIMO-OFDM para Sistemas de

Estratégias MIMO-OFDM para Sistemas de XXII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUICAÇÕES - SBrT 05, 04-08 DE SETEMBRO DE 005, CAMPIAS, SP Etratégia -OFDM para Sitema de Comunicaçõe Móvei Walter C. Freita Jr., Charle C. Cavalcante e F. Rodrigo. P.

Leia mais

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações Mercado de Capitai Avaliação de Açõe Luiz Brandão O título negociado no mercado podem de renda fixa ou de renda variável. Título de Renda Fixa: Conhece-e de antemão qual a remuneração a er recebida. odem

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE Autoria: Marco Antonio de Souza, Aldo Céar da Silva Ortiz, Lauro Brito

Leia mais

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos gerais para gerir a Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM).

Estabelecer critérios e procedimentos gerais para gerir a Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM). Propoto por: Equipe da Secretaria do Conelho da Magitratura (SECCM) Analiado por: Repreentante da Adminitração Superior (RAS/SECCM) Aprovado por: Secretária da Secretaria do Conelho da Magitratura (SECCM)

Leia mais

Competências/ Objetivos Especifica(o)s

Competências/ Objetivos Especifica(o)s Tema B- Terra em Tranformação Nº previta Materiai Contituição do mundo material Relacionar apecto do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme a variedade de materiai que no rodeiam. Identificar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 EDITAL CONVITE Nº 009/2011-CPL/GPDP Proceo Adminitrativo nº 0221/2011 -CPL/GDPG A, atravé da Comião Permanente de Licitação, intituída pela Portaria nº 383/2011-GDPG, datada de 08/07/2011, da Exma. Sra.

Leia mais

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO Curo de Análie Matricial de Etrutura 1 I - INTRODUÇÃO I.1 - Introdução O proceo de um projeto etrutural envolve a determinação de força interna e de ligaçõe e de delocamento de uma etrutura. Eta fae do

Leia mais

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1 Uo do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expreão de Subjetividade e de Identificação 1 Élida Fabiani Morai de CRISTO; Haroldo França REBOUÇAS Neto; Jacklene de Souza CARRÉRA; Keila Marina

Leia mais

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s).

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s). 2 CONTROLADORES PID Introdução Etrutura geral de um itema com realimentação unitária negativa, com um compenador (G c () em érie com a planta G p (). 2 Controladore PID 2. Acção proporcional (P) G c ()

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL Leandro Michel * Robinon F. de Camargo * michel@ieee.org robinonfc@bol.com.br Fernando Botterón *

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DADOS CLIMATOLÓGICOS DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA

RECUPERAÇÃO DE DADOS CLIMATOLÓGICOS DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA UPERAÇÃO DE DADOS CLIMATOLÓGICOS DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA Flavio Varone Gonçalve (1) Ilia S. Kim (1) Curo Pó-Graduação em Meteorologia, Faculdade de Meteorologia, UFPel. ABSTRACT Climatological

Leia mais

Análise da viabilidade econômica de um sistema silvipastoril com eucalipto para a Zona da Mata de Minas Gerais 1

Análise da viabilidade econômica de um sistema silvipastoril com eucalipto para a Zona da Mata de Minas Gerais 1 Análie da viabilidade econômica de um itema ilvipatoril... 107 Análie da viabilidade econômica de um itema ilvipatoril com eucalipto para a Zona da Mata de Mina Gerai 1 Economic viability analyi of a ilvopatoral

Leia mais

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES P A N Ó P T I C A O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES Daniel Pitzer Zippinotti Univeridade Federal do Epírito Santo - UFES 1. INTRODUÇÃO O preente trabalho procura apreentar

Leia mais

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate ! I Deafio Petzl Para Bombeiro Regulamento Campeonato Internacional de Técnica Verticai e Regate A Spelaion, ditribuidor excluivo Petzl no Brail e o Corpo de Bombeiro de Goiá, etá organizando o Primeiro

Leia mais

A notação utilizada na teoria das filas é variada mas, em geral, as seguintes são comuns:

A notação utilizada na teoria das filas é variada mas, em geral, as seguintes são comuns: A notação utilizada na teoria da fila é variada ma, em geral, a eguinte ão comun: λ número médio de cliente que entram no itema or unidade de temo; µ número médio de cliente atendido (que aem do itema)

Leia mais

APLICAÇÃO DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS NOS PROCESSOS LICITATÓRIOS DE CONTRATAÇÃO DE EMBARCAÇÕES OFFSHORE DA PETROBRAS

APLICAÇÃO DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS NOS PROCESSOS LICITATÓRIOS DE CONTRATAÇÃO DE EMBARCAÇÕES OFFSHORE DA PETROBRAS APLICAÇÃO DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS NOS PROCESSOS LICITATÓRIOS DE CONTRATAÇÃO DE EMBARCAÇÕES OFFSHORE DA PETROBRAS Gustavo da Silva Maciel PETROBRAS Petróleo Brasileiro S/A Av. Elias Agustinho, 328,

Leia mais

Reconhecimento de padrões de texturas em imagens digitais usando uma rede neural artificial híbrida

Reconhecimento de padrões de texturas em imagens digitais usando uma rede neural artificial híbrida Artigo Reconhecimento de padrõe de textura em imagen digitai uando uma rede neural artificial híbrida Wonder Alexandre Luz Alve, Sidnei Alve de Araújo, André Felipe Henrique Librantz Departamento de Ciência

Leia mais

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.14, p.71-81, Outubro, 2009 Método implificado para cálculo de laje maciça apoiada em viga fleívei: validação por meio da análie não linear Simplified method for

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA

TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA Diego de M. Rodrigue 1,2, Maria Iaura P. de Oliveira 1,2, Maria Aline de O. Freire 1,3, Lígia R. Sampaio 1,2, Walker

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

Aplicação do método DEA na análise do desempenho do mercado imobiliário: Um estudo de caso dos aluguéis médios da Barra da Tijuca e Adjacências

Aplicação do método DEA na análise do desempenho do mercado imobiliário: Um estudo de caso dos aluguéis médios da Barra da Tijuca e Adjacências Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Aplicação do método DEA na análise do desempenho do mercado imobiliário: Um estudo de caso dos aluguéis médios da Barra da Tijuca e Adjacências Débora Vides dos Santos

Leia mais

ESTIMAÇÃO DO PRÊMIO DE OPÇÕES ASIÁTICAS POR MONTE CARLO E QUASI-MONTE CARLO

ESTIMAÇÃO DO PRÊMIO DE OPÇÕES ASIÁTICAS POR MONTE CARLO E QUASI-MONTE CARLO FAÇAS ESTMAÇÃO DO PRÊMO DE OPÇÕES ASÁTCAS POR MOTE CARLO E QUAS-MOTE CARLO ESTMATO OF ASA OPTOS PREMUM BY MOTE CARLO AD QUAS-MOTE CARLO FAÇAS Rafael greja da Silva Pontifícia Univeridade Católica do Rio

Leia mais

MODELAGEM DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS DE DISTRIBUIÇÃO PARA ESTUDOS DE FLUXO DE POTÊNCIA

MODELAGEM DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS DE DISTRIBUIÇÃO PARA ESTUDOS DE FLUXO DE POTÊNCIA MODELAGEM DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS DE DISTRIBUIÇÃO PARA ESTUDOS DE FLUXO DE POTÊNCIA FABRÍCIO LUIZ SILA DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA

Leia mais

Padronizar os procedimentos relativos ao suporte de áudio e vídeo na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ.

Padronizar os procedimentos relativos ao suporte de áudio e vídeo na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ. Propoto por: Diretor do Departamento de Tecnologia de Informação e Comunicação (DETEC) Analiado por: Aeora da Aeoria de Getão Etratégica (ASGET) Aprovado por: Secretária-Geral de Enino (SECGE) 1 OBJETIVO

Leia mais

Margarida Borges e Elsa Bronze da Rocha

Margarida Borges e Elsa Bronze da Rocha Alteraçõe à avaliação da unidade curricular de Genética Molecular do Metrado Integrado de Ciência Farmacêutica (MICF) com impacto ignificativo na aprovaçõe e claificaçõe Margarida Borge e Laboratório de

Leia mais

FERRAMENTA PARA CALCULAR A EFICIÊNCIA: UM PROCEDIMENTO PARA ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO

FERRAMENTA PARA CALCULAR A EFICIÊNCIA: UM PROCEDIMENTO PARA ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 FERRAMENTA PARA CALCULAR A EFICIÊNCIA: UM PROCEDIMENTO PARA ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO Mariana R.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE TEMPOS DE RESIDÊNCIA EM SISTEMAS ALIMENTADOS COM VAZÃO VARIÁVEL. Renata Akemi Sassaki

DISTRIBUIÇÃO DE TEMPOS DE RESIDÊNCIA EM SISTEMAS ALIMENTADOS COM VAZÃO VARIÁVEL. Renata Akemi Sassaki DISTRIBUIÇÃO DE TEMPOS DE RESIDÊNIA EM SISTEMAS ALIMENTADOS OM VAZÃO VARIÁVEL Renata Akemi Saaki TESE SUBMETIDA AO ORPO DOENTE DA OORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

SISTEMA PRÓ-INOVA MOVELEIRO

SISTEMA PRÓ-INOVA MOVELEIRO SISTEMA PRÓ-INOVA MOVELEIRO MANUAL DO USUÁRIO Bento Gonçalves, abril 2012. 1. PESQUISA PRODUTIVIDADE E EFICIÊNCIA TÉCNICA COMPARATIVA RIO GRANDE DO SUL E BRASIL Caro Sr(a)., O Centro Gestor de Inovação

Leia mais

Qualidade da gestão de medicamentos em hospitais públicos*

Qualidade da gestão de medicamentos em hospitais públicos* Qualidade da getão de medicamento em hopitai público* André Gutavo Gadelha Mavignier de Noronha** Djalma Freire Borge*** S UMÁRIO: 1. Introdução; 2. Metodologia; 3. Reultado; 4. Concluão. S UMMARY: 1.

Leia mais

A CAPACIDADE DE SUBITIZING EM CRIANÇAS DE 4 ANOS

A CAPACIDADE DE SUBITIZING EM CRIANÇAS DE 4 ANOS A CAPACIDADE DE SUBIIZING EM CRIANÇAS DE 4 ANOS Maria João Ramalho Cordeiro Diertação apreentada à ecola Superior de Educação de Liboa para obtenção de grau de metre em Educação Matemática na Educação

Leia mais

Filtros Analógicos Ativos

Filtros Analógicos Ativos Filtro Analógico Ativo Topologia Sallen-Key FPB Prof. láudio A. Fleury onteúdo. Introdução. Filtro Paa-Baixa de a. Ordem 3. Mudança de Ecala 4. Filtro Paa-Alta de a. Ordem 5. Filtro Paa-Faixa e ejeita-faixa

Leia mais

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS 3 a 6 de outubro de 0 Univeridade Federal Rural do Rio de Janeiro Univeridade Severino Sombra aoura RJ ESTUDOS EXPERIMENTIS SOBRE LIÇÃO DS PROPRIEDDES DE FLUIDOS DE PERFURÇÃO EM MEIOS POROSOS NISOTRÓPICOS.

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1 Âmbito... 1 1.2 Motivação... 2 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. 2. O Motor de Indução Trifásico...

1. Introdução... 1. 1.1 Âmbito... 1 1.2 Motivação... 2 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. 2. O Motor de Indução Trifásico... Indice Índice Pág. 1. Introdução... 1 1.1 Âmbito... 1 1. Motivação... 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. O Motor de Indução Trifáico... 5.1 Parâmetro que Caracterizam o eu Funcionamento... 5. Modelo

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

EDITAL N o 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO MESTRADO ACADÊMICO EM ENGENHARIA DE PESCA TURMA 2015

EDITAL N o 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO MESTRADO ACADÊMICO EM ENGENHARIA DE PESCA TURMA 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CERÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PESCA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PESCA EDITAL N o 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO MESTRADO ACADÊMICO

Leia mais

JinSol, uma interface em Java para solvers lineares.

JinSol, uma interface em Java para solvers lineares. JinSol, uma interface em Java para solvers lineares. Italo C. N. Lima, João Paulo K. Zanardi, Faculdade de Engenharia, PPGEM, UERJ, 20550-900, Rio de Janeiro, RJ E-mail: italonievinski@gmail.com, jpzanardi@gmail.com

Leia mais

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO AMBIENTAL NAS MPES DA CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO E GÁS DO RN VIA DATA ENVELOPMENT ANALYSIS (DEA)

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO AMBIENTAL NAS MPES DA CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO E GÁS DO RN VIA DATA ENVELOPMENT ANALYSIS (DEA) PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO AMBIENTAL NAS MPES DA CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO E GÁS DO RN VIA DATA ENVELOPMENT ANALYSIS (DEA) Paulo Ricardo Cosme Bezerra 1 1 Universidade Federal do Rio

Leia mais

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO COP Comunication on Progre São Paulo, 28 de fevereiro de 2011 A Ferol Indútria e Comércio SA declara eu apoio contínuo ao Pacto Global. A Ferol acredita na diveridade e na pluralidade como ferramenta de

Leia mais

Taxa de Juros e Default em Mercados de Empréstimos Colateralizados

Taxa de Juros e Default em Mercados de Empréstimos Colateralizados Etudo Econômico 41(4) outubro/dezembro de 2011 Taxa de Juro e Default em Mercado de Emprétimo Colateralizado Sergio Ricardo Fautino Batita - Joé Angelo Divino - Jaime Orrillo Submetido: 26 de março de

Leia mais

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE Aociação de Profeore de Matemática Contacto: Rua Dr. João Couto, n.º 7-A 1500-36 Liboa Tel.: +351 1 716 36 90 / 1 711 03 77 Fax: +351 1 716 64 4 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

Digifort Standard Solução intermediária para instalação de até 32 câmeras

Digifort Standard Solução intermediária para instalação de até 32 câmeras Digifort Standard Solução intermediária para intalação de até 32 câmera A verão Standard fornece o recuro ideai para o monitoramento local e remoto de até 32 câmera por ervidor e por er a verão intermediária

Leia mais

Intruçõe Breve Verão 1 0 junho 2005 INSTRUÇÕES APENAS PARA PESSOAL QUALIFICADO APERTO DO CONJUNTO DE SUPORTES AVISO: O funcionamento da ua coluna como componente de um itema upeno pode potencialmente expor

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física etibular 203 2 a fae Gabarito Fíica Quetão 0 (alor: 5 ponto) Cálculo da variação da quantidade de movimento A velocidade inicial no momento do impacto erá a velocidade final da queda Aplicando conervação

Leia mais

2 Introdução à Fluorescência

2 Introdução à Fluorescência 2 Introdução à luorecência 2. O fenômeno da fluorecência Luminecência é a emião de luz por alguma ubtância, ocorrendo a partir de etado eletrônico excitado. Para ecrever ee capítulo conultamo principalmente

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira 1 Centro de Ciências Agrárias-Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca Validação do método de dimeioameto do úmero médio ideal de emete por aca Quitiliao Siqueira Schrode Nomelii 1, Dayae Alve Cota 1, Luca Floretio Silva 1, Alie Sato Ferreira 1, Jaer Moura Pereira 2, Nádia

Leia mais