SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE"

Transcrição

1 SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE Autoria: Marco Antonio de Souza, Aldo Céar da Silva Ortiz, Lauro Brito de Almeida RESUMO Ete etudo relata percepção do getore municipai da Região Sudoete do Etado de Mato Groo obre utilidade de relatório da controladoria em geral e a adoção de um itema de cuto em particular. A amotra pequiada é compota por 22 município da Região Sudoete do Etado do Mato Groo. O dado foram coletado por meio de um quetionário fechado, com aertiva elaborada com ecala do tipo Likert de cinco ponto. O dado foram coletado no egundo emetre de 20. Para análie do dado foram calculado (i) ranking médio ponderado da ecala, (ii) frequência, (iii) devio padrão,(iv) coeficiente de variação e (v) o coeficiente de correlação (r). O principai achado da pequia evidenciam doi apecto: o reconhecimento da utilidade de um itema de informação gerencial de controladoria ao proceo deciório da getão pública e a precariedade etrutural da área de cuto. Palavra-chave: Controladoria. Getão Pública. Sitema de Cuto. Relatório Gerenciai.

2 Introdução A tranição da adminitração pública burocrática para a gerencial continua produzindo dicuro com o propóito de contruir um conjunto de elemento conceituai e prático para jutificar mudança no ecopo da getão pública braileira. Breer-Pereira e Spink (998, p. 28) argumentam que [...] a adminitração pública gerencial, orientada para o cidadão e obtenção de reultado, emergiu na egunda metade dete éculo como repota à crie do Etado. Para o autore, a etratégia dea mudança tem como pilare a decentralização da getão, o incentivo à criatividade e à inovação. A adminitração pública braileira, a partir da década de 990 enfrenta um ambiente turbulento, requerendo uma orientação itêmica, multifocal e multidiciplinar, com ênfae no cliente, no reultado, na cultura organizacional e no modelo. Para tanto, o proponente da mudança advogavam a reinvenção ou reengenharia do Etado e getão da qualidade total. De certa maneira, reforma da adminitração pública braileira, em parte reumia-e ao fundamento de getão. No entanto, e tornou conenual a urgência de reviar o modelo de adminitração pública e identificado trê grande deafio: (i) o deenvolvimento autoutentável e oberano da nação; (ii) a garantia da governabilidade e (iii) a efetividade do órgão público [Pereira e Foneca,99]. Nee ambiente de mudança no modelo de getão pública, do ponto de vita gerencial, a Lei de Reponabilidade Fical - LRF etabeleceu norma de finança voltada para a reponabilidade e o controle da getão fical. A LRF determina a atuação do ente público planejada, tranparente e valorizando a informação contábil de natureza gerencial na getão pública. A reformulação da getão pública no Brail ocorre na eteira da experiência internacionai, conduzida ob o paradigma da New Public Management [NPM]. Entre outro apecto que caracterizam a NPM na buca da eficácia da getão pública é empre preente a recomendação de adoção de procedimento e técnica tradicionalmente utilizada no etor privado (PETER et al., 2003; HOOD e PETERS, 200; SECCHI, 2009). Reconhecida como a área mai diretamente reponável pela getão do itema de informaçõe gerenciai, a controladoria, no paradigma da NPM, aume papel relevante como área integrada no proceo de ubidiar o reponávei por getão eficaz. Slomki (200) aborda a caracterítica da controladoria com foco epecífico da ua atuação na getão pública. Por ua vez, para Lima et al. (20) a controladoria diponibiliza intrumento que poibilitam a condução da organização para o alcance do melhore reultado. No epaço de atuação da controladoria, o aperfeiçoamento do itema público de cuto é merecedor de atenção epecial. A menuração de cuto no etor público etá previta dede a Lei.320/6 e também na Contituição Federal de 988. No entanto, omente com a edição da Portaria 06/20 da Secretaria do Teouro Nacional (STN) paa a er tratada com maior ênfae. A portaria, além de padronizar a contabilidade pública com a aprovação do Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, fixa o prazo - inicio de para a adoção do itema de cuto pelo município braileiro. A STN contou na elaboração a portaria com a participação do Conelho Federal de Contabilidade CFC, que anteriormente editou a Reolução.29/2008 relativo a NBC T SP 6.2 referente ao Patrimônio e Sitema Contábei do Ente Público. A normativa editada pelo CFC, entre outro, abordava a criação de um ubitema de cuto detinado pela menuração do cuto do programa, do projeto, da atividade deenvolvida pela divera efera da getão pública e repectiva geração de relatório. Coniderando a neceidade de mudança na getão pública, eta invetigação é orientada pela quetão de pequia: qual a percepção do getore municipai da Região 2

3 Sudoete do Etado de Mato Groo obre a utilidade de relatório da controladoria em geral e a adoção de um itema de cuto em particular? Empreender ete tipo de etudo é relevante, em epecial no atual contexto de tranição da contabilidade pública braileira, com a adoção de manuai, alinhamento a norma e prática internacionai e, principalmente com a adoção de itema de cuto. A ociedade braileira tem ido ativa no proceo de intituição de mecanimo de tranparência da getão pública. No entanto, omente ito não bata. Por io, a potencial contribuição dee etudo etá em, por meio do entendimento da percepção do getore quanto a utilidade de relatório de controladoria e adoção de itema de cuto, contribuir com ubídio para elaborar um diagnótico que dê novo elemento de ação a ociedade braileira. Ete texto etá etruturado em cinco eçõe. Inicialmente, na eção a Introdução, eguida do Marco Teórico-Empírico na eção 2. Na terceira eção, a Metodologia. Reultado e dicuão etão na eção e por fim, na eção Conideraçõe Finai. Em Referência etão litado o texto utilizado neta invetigação para uporte teórico e empírico 2 Marco Teórico-Empirico 2. Apecto Gerai da Controladoria O crecimento da organizaçõe permeado de complexidade ambientai e crecente exigência de uma getão eficaz induziram ao longo do tempo o deenvolvimento de divera etrutura, modelo, intrumento e procedimento. Organizaçõe com ea caracterítica demandam geração de informaçõe alinhada com a neceidade do getore de uma área com determinada caracterítica. Tendo como pano de fundo ea mudança no mundo corporativo, a origem da controladoria, de acordo com Kanitz (96), é fruto dee movimento de adaptaçõe, configurando-e como parte de um campo mai amplo, denominado de itema de controle gerencial. A evolução da controladoria para Beuren, Bogoni e Fernande (2008) ocorre a medida que o modelo emprearial e deenvolve, com o propóito de elaborar e informar o getore em ambiente de negócio complexo. A controladoria, para Almeida, Parii e Pereira (999), para melhor compreenão do eu ignificado, deve er vita como (i) ramo do conhecimento reponável pelo etabelecimento de toda bae conceitual e (ii) órgão adminitrativo repondendo pela dieminação de conhecimento, modelagem e implantação de itema de informação. Nee contexto, a controladoria, na organizaçõe é uma unidade adminitrativa reponável, entre outra, pela geração de informaçõe que ubidiem o getore no proceo de getão. Nakagawa (993, p. 3), ob a controladoria e o papel da unidade, repreentado pela açõe de eu getor, na emprea, argumenta que: O moderno conceito de Controladoria indicam que o controller deempenha ua função de controle de maneira muito epecial, ito é, ao organizar e reportar dado relevante exerce uma força ou influência que induz o gerente a tomarem deciõe lógica e conitente com a mião e objetivo da emprea. O controle é inerente a noa vida, a noa atividade. Para Emil (2009) o deenvolvimento do controle tem ua origem e evolução no dia a dia da emprea, paando a er uma função de getão. Imoniana e Nohara (200, p. 38) explicam que [...] controlar é um ato de orientar quanto ao caminho a er trilhado para o cumprimento de tarefa definida. Para o autore, além da relação entre a atividade de controle pelo getore e a controladoria er batante etreita, o controle ão intrumento deenvolvido pela controladoria com o propóito de proteger a entidade e orientando quanto à açõe adequada para a correta execução da atividade. 2.2 Controladoria no Setor Público O etore público e privado, por ua ingularidade, eguem ditinto modelo de getão. Apear dio, Oório (200) argumenta que uma aproximação entre o doi etore 3

4 ocorre por adoção recíproca de prática epecífica de cada um dele. Na vião do autor, tanto o etor privado tende a incorporar prática tradicionai na efera etatal p.e. a norma ética - como o etor público tende a incorporar a originalmente deenvolvida pela iniciativa privada, por exemplo, a produtividade. A partir de meado da década de 90 a adminitraçõe pública em todo o mundo regitram tranformaçõe na política de getão pública. A reforma adminitrativa concretizam a adoção de novo dicuro e aprendizado originado no etor privado e utilizado como benchmark para organizaçõe pública em toda a efera de governo [Secchi, 2009]. Oliveira (200, p. 0) defende a adoção da controladoria pelo ente público com o propóito de ubidiar o getore na getão por entender que [...] independentemente do tipo de organização, ao conumir recuro com o objetivo de gerar algum produto ou erviço para a ociedade, ela erá uma organização econômica. A controladoria na adminitração pública paa, ao longo do tempo, por um proceo evolutivo quanto ao eu papel. Para Thompon e Jone (986), a controladoria na getão pública atua, principalmente, no acompanhamento da efetivação orçamentária. Dupui (2006) argumenta que a controladoria moderna deve e preocupar, além do cumprimento do orçamento, com todo o apecto da getão pública. Portanto, a controladoria na getão pública tem amplo campo de influência, incluive ubidiando o getore com informaçõe para a tomada de decião na alocação eficiente de recuro e avaliação de deempenho, entre outra neceária a getão eficaz e eficiente. Alinhado a ee entendimento, Slomki (200) entende que a controladoria pública é a área reponável em gerenciar todo o itema de informação.na mema linha Peter et al.(2003) afirmam que o papel da controladoria pública é avaliar como o reultado ão atingido no proceo de getão. Quanto à funçõe de controle interno na getão pública, Ribeiro Filho et al (2008) detacam er precio ter o eguinte elemento: (i) proteção do patrimônio, (ii) confiabilidade e tempetividade de informaçõe contábei e (iii) eficácia operacional. Para o autore um ambiente de controle interno efetivo no cumprimento de ua mião deve etar atento a eguinte área de evento provávei na entidade: a) Planejamento: etabelecimento prévio do caminho que a entidade irá percorrer; b) Execução orçamentária: definição de itema de informaçõe que auxilie procedimento de recolhimento de receita; procedimento licitatório; empenho e liquidação da depea e pagamento; c) Getão de Peoal: adoção de procedimento para admião de peoal, capacitação e educação continuada; folha de pagamento e itema previdenciário; d) Sitema de informaçõe contábei gerenciai: deenvolvimento e implantação de itema que garantam confiabilidade e evidenciação da informaçõe produzida, adoção de tecnologia de informação adequada à realidade organizacional. 2.3 Sitema de Cuto na Getão pública Martin (200) relata que a principal função inicial da contabilidade de cuto, era controlar o etoque de mercadoria e produto em empreendimento indutriai. No entanto, a complexidade na operaçõe realizada pela emprea pretadora de erviço, ampliou o uo da prática de contabilidade. A incluão do ente público como objeto de interee da contabilidade de cuto e algo natural, pela natureza da ua atividade que ão materializada pelo amplo leque de pretação de erviço ao contribuinte. Para Rei, Ribeiro e Slomki (200) a ociedade demanda cada vez mai informaçõe, tranparência e eficiência do gato público e, portanto, entendem que não há o porquê da adminitração pública deixar de apurar o cuto da atividade e erviço pretado. Aim, para o autore, da mema forma que o cliente dicute qualidade e preço com a emprea

5 fornecedora, a ociedade também deve aber identificar quando um erviço público não foi bem executado ou etá endo executado a um cuto exceivo. E para tanto, a geração e tranparência da informaçõe relacionada a cuto é eencial. O controle ocial, para er efetivo, além de um robuto marco intitucional, entre outro requiito requer tranparência da getõe pública e, conequentemente informaçõe, incluive a de natureza econômica e financeira. Alono (999) alerta que uma decorrência da inexitência de um itema de cuto vigente na adminitração pública é o governo e a ociedade não aberem o cuto do erviço público. O autor conclui argumentando que o advento de uma itemática de cuteio na adminitração pública propiciará o aperfeiçoamento da rotina de trabalho, ubidiando análie para eliminar a que não agregam valor ao erviço e/ou repreentam deperdício do recuro público. Dea forma, a conequência da inexitência de um itema de cuto na atividade pública é o não fornecimento de informaçõe crítica e importante no proceo de controle ocial do ato de getão [Wiemer e Ribeiro, 200]. Neta mema linha, para Picitelli e Timbó (200) a falta de um itema de cuto no órgão público impede a menuração e fixação de medida de deempenho, cauando falha no proceo orçamentário e na getão do recuro público. A neceidade de efetivamente implantar itema de cuto na getão pública aumiu nova core apó o legiladore verificarem a deficiência exitente no proceo de geração e informação de cuto. Para reforçar o dipoto na Lei.320/96, no Decreto Lei 200/96 o legiladore previram no parágrafo 3 do art. 0 da Lei Complementar 0/2000 (LRF), que a adminitração pública manterá itema de cuto poibilitando avaliar e acompanhar apecto relacionado à getão do Ente Público: 3 A Adminitração Pública manterá itema de cuto que permita a avaliação e o acompanhamento da getão orçamentária, financeira e patrimonial. A edição pelo CFC da Reolução CFC 29/2008 e da Portaria 06/20 pela Secretaria do Teouro Nacional (STN) etabelecendo o início de 203 como prazo para a adoção do itema de cuto pelo município braileiro, mai que um reforço, é um pao para concretizar a implantação. 3 Metodologia A população deta invetigação é formada pelo 22 município integrante da Região Sudoete de Mato Groo. A amotra, intencional e não probabilítica (Martin e Theóphilo, 200) é compota pelo 22 município. Para coleta do dado foi elaborado um quetionário fechado. A vantagem do quetionário fechado é não exigir treinamento de peoal e garantir ao eu repondente o anonimato (GIL, 200). O quetionário é etruturado em dua parte: (i) Parte I para coleta do dado demográfico repondente, cargo, cidade, idade, formação etc e (ii) Parte II compota por grupo de aertiva para capturar a percepção do repondente obre a utilidade de relatório da controladoria em geral e a adoção de um itema de cuto pelo município. O grupo de aertiva que compõem o Bloco II ão: (i) Grupo I com ete aertiva obre o itema público de cuto, (ii) Grupo II com ei aertiva obre à importância do relatório gerenciai e (iii) Grupo III com cinco aertiva obre a etrutura fíica da área de cuto na adminitração pública. A aertiva ão do tipo Likert com ecala de cinco ponto com a eguinte etrutura: () Dicordo totalmente, (2) Dicordo parcialmente, (3) Indiferente, () Concordo parcialmente e () Concordo totalmente. Com relação a ecala, o ponto repreenta o menor nível de concordância, contrariamente ao ponto, de concordância aboluta. A poição neutra é repreentada pelo ponto trê na ecala. Antecedendo a edição final do quetionário aplicado a amotra pequiada, foi realizado um pré-tete, com a participação de controller de município que não compõem a região pequiada. O propóito do pré-tete foi examinar a objetividade e propriedade da quetõe, facilidade de preenchimento por parte do repondente e adequação do layout do

6 material O quetionário foram enviado o endereço eletrônico do potenciai repondente, precedido de contato telefônico para eclarecimento do objetivo da pequia e obtenção da concordância de participação. Finda ea etapa, o quetionário foram endereçado ao potenciai repondente do município invetigado, no cao, o contadore, o controladore, o ecretário municipai e prefeito do município durante o egundo emetre de 20. A etapa referente ao tratamento e análie do dado coletado contempla o cálculo o Ranking Médio RM e da etatítica decritiva - devio padrão e o coeficiente de variação - quanto ao nível de aceitação da aertiva e do grupo a que correpondem. Por outro lado, de acordo com Oliveira (200), o ranking médio erve para ituar em que porção do univero de repota etá àquela epecífica aertiva. O RM é calculado multiplicando a quantidade de repota de cada aertiva pelo valor da nota, cujo produto é dividido pela quantidade total de repota. Por fim, para poibilitar uma leitura global e conolidada do reultado, foi elaborado um quadro reumo do RM de cada categoria examinada e em relação ao conjunto. Reultado e dicuão. Perfil do repondente A adeão na participação do contatado a pequia foi total. Dea forma, coniderando o 22 município que compõem a Região Sudoete do Mato Groo, a totalidade de eu repectivo potenciai repondente [n=2] retornou o quetionário preenchido. Por cargo, o repondente formam o eguinte grupo: (i) 3 [n=] foram repondido por ecretário municipai, (ii) 9 [n=22] prefeito, (iii) 9 [n=22] controladore e (iv) 9 [n=22] contadore. Todo ão ocupante de cargo em comião, ervidore concurado e repondem pela getão do recuro público enquanto permanecerem no cargo. Entre o repondente predomina o gênero maculino (68) [n=6] e parte ignificativa com curo uperior completo (6) [n=]. Quanto ao tempo no erviço público municipal, (6) [n=83] do repondente ão oriundo de contrataçõe recente. Ea caracterítica pode er decorrência da forma de ingreo como contratado, o que pode gerar maior rotatividade do quadro. O ervidore ocupante do cargo controlador da prefeitura da região ão concurado há meno de cinco ano. Por outro lado, no cargo de contador 82 [n=98] ervidore ão concurado. Portanto, no cargo de controlador e contador prevalece a preença de ervidore permanente e ingreante na forma de concurado. Maior detalhamento dee dado contam do Tabela. Tabela : Perfil Geral do repondente Variável Decrição Frequência Aboluta Frequência Relativa Maculino 6 68 Gênero Feminino 6 32 Superior Completo 3 6 Ecolaridade Enino Médio Tempo que Exerce função pública Cargo Ocupado Enino Fundamental 2 0 De até ano 8 6 De 6 até 0 ano 9 Mai de 0 ano 2 Prefeito 22 9 Secretário Municipai 3 Controladore 22 9 Contadore 22 9 Tipo de ingreo no erviço Concurado 2 público Contratado 8 6 Fonte: Dado da Pequia.2 Sitema Público de Cuto 6

7 A Tabela 2 detalha, quanto a intenidade de concordância, a percepção do repondente obre a principai caracterítica do itema público de cuto. Ao repondente, foi eclarecido que deveriam indicar na ecala o ponto que melhor repreentae a ua percepção coniderando a perpectiva de futura implantação do itema, tendo em vita a recente normativa do STN. Com relação ao grupo de aertiva obre o itema público de cuto, o Ranking Médio Total [RMT], por repondente tem eu menor valor de,3 [Secretário] e maior valor de, [Controladore]. Em uma poição intermediária, o RMT do Prefeito é de, e Contadore,38.Tabela 2: Caracterítica do itema público de cuto Decrição - Aumentará a tranparência da getão pública 2 - Fornecerá ubídio para melhorar a deciõe do getore 3 - A informaçõe ervirão de embaamento para etudo de viabilidade econômica de invetimento - Diponibilizará informaçõe que ubidiem a elaboração do PPA, LDO e LOA. - Apreentará o cuto do ben e erviço ofertado à ociedade. Repondente Dicordo totalmente () Dicordo parcialment e (2) Indiferente (3) Concordo parcialment e () Concordo totalmente () Média Devio padrão Coeficiente de Variação Prefeito ,23 0,6,8 Secretário 0 0 2,3 0,,2 Controladore ,9 0,9 0,6 Contadore 0 6 2, 0,69 6,6 8 Prefeito ,36 0, 6,2 Secretário 0 0 2,36 0,69,8 3 Controladore ,68 0, 0,0 Contadore 0 0 0, 0,0,2 2 Prefeito 0 0,32 0,0 6,2 Secretário ,2 0,62, 2 Controladore ,6 0,8 0,3 Contadore , 0,9, Prefeito , 0,8 2, 6 Secretário 0 8 0,26 0,6,3 3 Controladore ,82 0,9 0, Contadore 0 9,2 0,8 8,9 6 Prefeito ,0 0,6 6,0 Secretário , 0,60 3, Controladore ,23 0,8 20, 8 Contadore 0 0 0, 0,60 3, 6 - Poibilitará ao getor medir Prefeito ,9 0,29,9

8 o impacto da deciõe ante de erem tomada. Secretário ,66 0,6 2,0 2 Controladore 0 0 9,86 0,6 9,6 Contadore , 0,89 9, 8 Prefeito 0 0 0, 0,0,2 2 - Poibilitará melhor Secretário , 0,6 6, avaliação do deempenho da getão pública, hoje muito Controladore ,8 0,6, limitada pelo itema atual. Contadore 0 0,36 0,,6 Prefeito, 0,2,3 Secretário,3 0, 3, RANKING MÉDIO TOTAL Controladore 0,0,0, Contadore,38 0,3 2,8 Fonte: Dado da pequia Coniderando uma ecala com um ponto máximo de, há um alto grau de concordância do repondente quanto à importância do itema público de conta para a getão pública. No entanto, chama a atenção, que o RMT do contadore é o egundo menor. Em princípio, eria natural que o contadore apreentação uma percepção elevada da importância do itema de cuto na getão pública. Optamo pelo uo do coeficiente de variação [CV] para analiar a variabilidade do dado. Entendemo que em vez de utilizar o devio padrão, que exprea o devio na mema unidade de dado, o CV por er uma medida relativa de diperão e exprea em percentual, é a mai adequada. O CV conite na comparação em termo relativo do grau de concentração em torno da média para a aertiva em análie ficou entre 3, e,0. Ee reultado, de um modo geral, podem er interpretado como baixa diperão na aertiva com relação à caracterítica do itema público de cuto. Atualmente, qualquer obervador atento percebe que na adminitração pública o papel da contabilidade de cuto parece tanto equecido como irrelevante. Ee etado de inanição em relação a contabilidade de cuto pode er, talvez, imputado a grande preocupação do getore em etimar receita e fixar a depea e a prevalência do cumprimento de norma cada vez mai preente na prática de contabilidade pública..3 Etrutura Fíica da Área de Cuto na Adminitração Pública Independente do tipo de organização pública ou privada a etruturação da área de cuto demanda um volume mínimo de recuro monetário, fíico e humano para aegurar funcionamento adequado e atender o getore. Tabela 3: Etrutura fíica da área de cuto na adminitração pública Decrição - A contabilidade conta com epaço e intalaçõe fíica adequada. Repondent e Dicordo totalmente Dicordo () parcialment e(2) Indiferente (3) Concordo parcialment Concordo e() totalmente () Prefeito 0 32 Secretário Controlado 8 9 re Média Devio padrão Coeficiente de Variação 9 3,,03 30,2 26 3,8,06 2, ,0,3 39, 8

9 2 - Há recuro de informática uficiente para implantação do itema de cuto. 3 - O proceo de adaptação da etrutura demanda um período de longo prazo. - O oftware integrado de informaçõe utilizado tem condiçõe de gerar dado para a utilização de um novo itema de cuto - São uficiente o eu conhecimento e o da ua equipe de trabalho quanto ao recuro de informática aplicado à contabilidade da ua prefeitura RANKING MÉDIO TOTAL Contadore ,,, 6 Prefeito 0 2 3,00, 39,0 0 Secretário ,98, 39,3 0 Controlado re ,3,2 33, Contadore ,,2 36, 6 Prefeito 32 3,,23 3,6 9 Secretário ,06 0,0,2 3 Controlado ,0, 2, re Contadore ,36 0,8,0 0 Prefeito ,,23 36,0 8 Secretário ,8,20 3, Controlado 9 36,0,2 30,9 re 0 Contadore ,82,8 30,9 0 Prefeito ,9 0,8 2,2 Secretário ,93 0,8 2,6 Controlado 9 2 3,9,06 2, re 2 Contadore 0 0 9,0 0,9 2, Prefeito 3,6 0,3 8,8 Secretário 3,60 0, 2, 0 Controlado 3,8 0,2,2 re Contadore 3,8 0,33 8,6 Fonte: Dado da pequia Conforme detalhado na Tabela 3, com relação a aertiva que compõem o contructo etrutura fíica da área de cuto na adminitração pública, o RM Total do repondente Prefeito foi o menor [3,6] e o maiore Controladore e Contadore r [3,8], ficando o Secretário [3,60] em poição intermediária. O valore RMT indicando concordância parcial do repondente. A aertiva apreentam uma baixa diperão com relação ao grupo. O CV apreentado com bae no RM total da aertiva indicam baixa diperão, poi ficaram na ordem de,2 a 2,0. De um modo geral, há concordância parcial entre repondente que o etor da contabilidade de eu município conta com epaço e intalaçõe fíica [aertiva 0] adequada para o deenvolvimento de ua atividade. No entanto, apena o grupo de ecretário é dicrepante em ua repota [CV = 2,6]. O demai repondente, apear de na média concordarem parcialmente, o alto CV [Prefeito = 30,2; Controladore = 39, e Contadore =,6] ugerem que entre o grupo há dicordância. O motivo dea 9

10 dicordância entre grupo pode er devido a ituação de cada um do repondente, ou eja, dependendo do município a intalaçõe podem er adequada e em outra não. Para o repondente o proceo de adaptação da etrutura para a implantação de um itema de cuto [aertiva 3] requer um período de longo prazo para ua conolidação. O menor RM foi de 3, e maior RM de,36. Maher (200) argumenta que o proceo de implantação de um itema de cuto requer adaptação, organização, treinamento, tete e, principalmente, da diminuição da reitência cultural. Por io deve er planejado e deenvolvido ob uma perpectiva de longo prazo. Na getão pública, onde é comum a decontinuidade de projeto quando o partido político e alternam no poder, o órgão normativo [p.e. STN], idealmente, devem prever alvaguarda que evitem ea prática. Entre o repondente da aertiva trê, 32 [n=] do prefeito concordam totalmente e [n= 2] parcialmente que o proceo de adaptação da etrutura fíica da área de cuto na adminitração pública demanda um período de longo prazo. Com relação ao recuro de informática [aertiva 2], há razoável nível de dicordância de que há recuro de informática uficiente para implantação do itema de cuto no etor contábil. A percepção do ecretário municipai reultou no menor RM [2,98] entre todo o repondente. No mundo de hoje, interligado com recuro tecnológico, a informática, ou mai abrangente, a Tecnologia da Informação (TI) oferece poibilidade de racionalização do proceo de trabalho que requerem uma nova potura de atuação do ervidor público. A demai aertiva com RM próximo a 3,00 - indicam indiferença - carecem de maior atenção quanto à etrutura da área de cuto. O oftware integrado deempenham papel quae que etratégico na organizaçõe. A percepção com relação a aertiva [o oftware integrado de informaçõe utilizado tem condiçõe de gerar dado para a utilização de um novo itema de cuto na adminitração pública] tem reultado dicrepante entre o grupo repondente. O menor RM [3,8] é reultante da percepção do ecretário municipai, próximo ao ponto de indiferença na ecala. O CV indica um alto percentual de diperão na repota: CV no intervalo de 30,90 a 3,. A aertiva aborda e o conhecimento da equipe de trabalho quanto ao recuro de informática aplicado à contabilidade da prefeitura etudada ão uficiente. A percepção do repondente é de concordância, reultando em RM entre 3,93 e,0. Ainda, com relação a aertiva, 23 [n=] ão indiferente, ugerindo deconhecimento do fatore que impactam melhoria junto à adminitração pública. O CV da aertiva indica percentual de diperão médio da repota.. Importância do Relatório Gerenciai na Adminitração Pública Tal como ocorre na iniciativa privada, o papel da controladoria a getão pública inclui deenvolver itema de informaçõe e prover o getore com informaçõe que ubidiem a ua deciõe com vita a eficácia e eficiência. Tabela : Importância do relatório gerenciai Decrição Repondente Dicordo totalmente () Dicordo parcialmente (2) Indiferente (3) Concordo parcialmente () Concordo totalmente () Média Devio padrão Coeficiente de Variação - O relatório gerenciai emitido pela controladoria do município atendem plenamente à neceidade da getão. Prefeito Secretário Controladore ,9,02 2, 9 3,,0 28,,23 0,6,8 0

11 Contadore ,23 0,9 22, Prefeito ,9 0,0 0,8 9 Secretário 3 3,23 0, 6, 2 - Relatório detalhado 9 aumentarão a tranparência da Controladore ,3 0, 9,2 getão pública. Contadore , 0,9, Prefeito ,68 0, 2, Secretário ,9 0,68,8 3 - Diponibilizará informaçõe que 2 ubidiem a elaboração do Controladore ,6 0, 2,2 PPA, LDO e LOA. 9 Contadore 0 0 9,6 0,,3 Prefeito 0 0 8,68 0,0,9 - Relatório que demontrem o cuto do ben e erviço Secretário , 0,82 8, ofertado à ociedade ão Controladore ,6 0,90 9, intrumento de tranparência. Contadore ,9 0,9 2,8 Prefeito ,09 0,8 2,2 Secretário ,90 0,82 2,0 - A informaçõe apreentada no relatório gerenciai ão Controladore ,9 0,98 2, uficiente. 8 Contadore ,,06 2,6 3 Prefeito 0,66,8, Secretário 0,9,0 3,93 RANKING MÉDIO TOTAL Controladore 0,66,8, Contadore,26 0,3 8,8 Fonte: Dado da pequia A Tabela referente ao contructo importância do relatório gerenciai na adminitração pública, detalha a percepção do repondente referente a aertiva enunciada. Sobre a importância do relatório gerenciai na adminitração pública, de forma geral, houve entendimento por parte do repondente quanto à concordância da afirmativa apreentada [ RM Total entre 3,93 e,26]. Portanto, a percepção do repondente ugere que o relatório gerenciai ão importante para ubidiar o getore no proceo de getão e deciório com vita a uma adminitração pública eficiente. Para o grupo da aertiva o menor CV é de 8,8 e o maior de,8, ignificando uma diperão média. O reultado etão alinhado com o achado de O Brien (200), para quem ão incontetávei o benefício oferecido pelo itema de informação, principalmente quando utilizado como para a olução de problema e ferramenta de diferenciai.

12 O objetivo da aertiva foi capturar a percepção do repondente e o relatório gerenciai emitido pela controladoria do município atendem plenamente à neceidade da getão. Para ea aertiva, o menor RM foi de 3, e o maior de,23. Entre o repondente, o RM de 3,, o menor, exprea a percepção do grupo de ecretário. Ete achado ugere que para o grupo repondente o relatório gerenciai emitido pela controladoria do município, não ão uficiente para uprir a neceidade de informaçõe requerida pela getão. O objetivo da aertiva 3 e, repectivamente, ão para capturar a percepção do repondente obre e (i) relatório gerencia diponibilizará informaçõe que ubidiem a elaboração do PPA, LDO e LOA e (ii) relatório que demontrem o cuto do ben e erviço ofertado à ociedade ão intrumento de tranparência. A concordância entre o repondente foi alta, com RM de,9 e,69, repectivamente menor e maior para a aertiva 3 e igualmente RM de, e,68 para aertiva. Para ea aertiva, o CV não é uperior em ua maioria a,0, etando no limite para a claificação em baixa diperão. Por fim, um proceo efetivo de tranparência na getão pública é caracterizado por uma política de divulgação periódica de relatório, na realização de audiência pública regulare e na pretação de conta do chefe do podere contituído. É, ao memo tempo, em requiito fundamental para a boa governança, e um forte elo entre o Etado e a ociedade civil. Dea forma, um do maiore benéfico é o aumento do nível de aceo do cidadão à informaçõe obre a getão pública (CULAU; FORTIS, 2006). Concluão O propóito deta pequia foi invetigar a percepção do getore municipai da Região Sudoete do Etado de Mato Groo obre a utilidade de relatório da controladoria em geral e a adoção de um itema de cuto em particular. Implícito nete etudo, a identificação da caracterítica contributiva da controladoria na organizaçõe pública, particularmente quanto à utilidade da informaçõe gerenciai em geral e do itema público de cuto em particular. O ambiente para implantação do itema de cuto na prefeitura municipai e outro ente público, com prazo fixado por norma pela STN é impoitiva, diferentemente do etor privado em que há uma cultura. Em geral, a percepção do repondente, o itema público de cuto a er implantado em obediência à determinaçõe legai trará contribuiçõe ignificativa à melhoria na getão pública. A implicaçõe para o praticante, com bae no achado da pequia, indicam a neceidade e oportunidade de etudo epecífico e a preparação de todo o envolvido para a implantação de um itema de cuto público, que não eja omente para atender a normativa da STN. Há a neceidade para o envolvido na implantação, inicialmente, a neceidade de uperar alguma retriçõe que minam a implantação do itema de cuto. Para o getore da amotra pequiada, é imperativo conceber e implementar etratégia para obtenção do apoio do getore municipai, para o epaço e etrutura fíica adequado para intalação da área de cuto, recuro de informática e, principalmente na contratação de peoal com perfil adequado a nova funçõe. Por fim, mapeamento detalhado e deenvolvimento de programa de treinamento para capacitar o getore no uo da informaçõe gerenciai de cuto.também, exigirá um repoicionamento do atual papel da controladoria e do controller tendo em vita a janela de oportunidade para uo de informaçõe gerenciai de cuto. Para a academia e demai pequiadore, o campo de pequia na área publica continua em aberto. Etudo obre aceitação, qualificação e compreenão do conceito e artefato de cuto, neta fae de implantação erão útei para contruir um quadro que favoreça a identificação de ponto crítico. 2

13 A interpretação e uo do achado dea pequia devem levar em conta a amotra utilizada. Não e pode de maneira alguma, generalizar, ainda que para município com porte e caracterítica emelhante. Há que e levar em conta a ingularidade e particularidade de cada região. Entendemo ete etudo como um ponto de partida para encaminhamento de invetigaçõe futura. Portanto, ante de replicar para outra regiõe do etado braileiro, é adequado a revião do intrumento e incluir algun apecto inerente ao ciclo político. Infelizmente abemo que por ocaião da alternância de partido político no poder, projeto ainda que obrigatório, como a implantação do itema de cuto ão abandonado. Referência ALMEIDA, Lauro Brito; PARISI, Claudio; PEREIRA, Carlo Alberto. Controladoria. In: CATELLI, Armando (Coord.). Controladoria: uma abordagem da getão econômica GECON. São Paulo: Editora Atla, 999, p ALONSO, Marco. Cuto no erviço público. Revita do Serviço Público, v. 0, n., p. 3-, Jan-Mar 999. ANDRADE, Maria Margarida. Como preparar trabalho para curo de pó-graduação: noçõe prática.. ed. São Paulo: Atla, BEUREN, Ile Maria; BOGONI, Nadia Mar; FERNANDES, Luciano. Análie da abordagem da controladoria em diertaçõe do Programa de Pó-Graduação em Ciência Contábei. Revita Braileira de Getão e Negócio, v. 0, n. 28, p , Julho e Setembro BRASIL. Contituição da República Federativo do Brail de 988. Diponível em: < Aceo em 2 ago. 20. BRASIL. Lei Complementar 0 de 0 de maio de Etabelece norma de finança pública voltada para a reponabilidade na getão fical e dá outra providência. Braília. Diponível em: Aceo em 29 ago. 20. BRASIL. Lei 320 de de março de 96. Etatui Norma Gerai de Direito Financeiro para elaboração e controle do orçamento e balanço da União, do Etado, do Município e do Ditrito Federa. Braília. Diponível em: Aceo em: 9 jul. 20. BRESSER PEREIRA, Luiz Carlo e SPINK, Peter. Reforma do Etado e Adminitração Pública Gerencial (Coletânea). Rio de Janeiro: Fundação GetúlioVarga, 998. CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE - CFC. Reolução CFC nº.29, de 2 de novembro de Aprova a NBC T SP 6.2 Patrimônio e itema contábei. Diponível em: Aceo em: 2 jun. 20. CULAU, Arioto Antune; FORTIS, Martin Francico de Almeida. Tranparência e controle ocial na adminitração pública braileira: avaliação da principai inovaçõe introduzida pela Lei de Reponabilidade Fical. In: CONGRESO INTERNACIONAL DEL CLAD SOBRE LA REFORMA DEL ESTADO Y DE LA ADMINISTRACIÓN PÚBLICA,, 2006, Ciudad de Guatemala. Anai... Ciudad de Guatemala: CLAD, DUPUIS, Jean. Modern controllerhip and the management accountability framework. Canadá, Diponível em: < prb0623-e.html>. Aceo em: 2 fev

14 EMIL, Chirila. Increae of performance through integration of the controlling in the management ytem of the enterprie. The Journal of The Faculty of Economic, v. 3, n., p. 22-2, GIL, Antônio C. Metodologia e técnica de pequia ocial. São Paulo: Atla, 999. HOOD, Chritopher; PETERS, Guy. The middle aging of new public management: into the age of paradox? Journal of Public Adminitration Reearch and Theory, v., n.3, p , 200. IMONIANA, Johua Onome, NOHARA, Jouliana Jordan. Cognição da etrutura de controle interno: uma pequia exploratória. Revita Bae, v. 2, n., p. 3 6, 200. KANITZ, Stephen Charle. Controladoria: teoria e etudo de cao. São Paulo, Pioneira, 96. LIMA, Diana Vaz de; CASTRO, Róbion Gonçalve de. Contabilidade pública: integrando união, etado e município (SIAFI e SIAFEM). 3. ed. São Paulo: Atla, 20. MARTINS, Elieu. Contabilidade de cuto. 0. Ed. São Paulo: Atla, 200. MARTINS, Gilberto; THEÓPHILO, Carlo Renato. Metodologia de invetigação científica para ciência ociai aplicada. São Paulo: Atla, 200 NAKAGAWA, Maayuki. Introdução à controladoria. São Paulo: Atla, 993. O BRIEN, J. A. Sitema de informação e a deciõe gerenciai na era da internet. São Paulo: Saraiva, 200. OLIVEIRA, Antônio Benedito Silva. Controladoria governamental: governança e controle econômico na implantação da política pública. São Paulo: Atla, 200. OSÓRIO, Fábio M. Novo rumo da getão pública braileira: dificuldade teórica ou operacionai? Revita Eletrônica obre a Reforma do Etado. n., março/abril/maio de 200. Diponível em: FABIO20MEDINA20OSORIO.pdf. Aceo em ago. 20. PELEIAS, Ivan Ricardo. Controladoria getão eficaz utilizando padrõe. São Paulo: Saraiva, PETER, M. G. A.; CAVALCANTE, M. C. N.; PESSOA, M. N. M.; SANTOS, S. M.; PETER, F. A. A controladoria e a getão pública: experiência do governo do etado do Ceará. In: Congreo del Intituto Internacional de Coto, Anai Punta de Lete, PEREIRA, M. J. L. B.; FONSECA, J. G. M. Face da decião: a mudança de paradigma e o poder da decião. São Paulo: Makron Book, 99. PISCITELLI, Roberto Bocaccio; TIMBÓ, Maria Zulene Faria. Contabilidade Pública: uma abordagem da Adminitração financeira pública.. ed. São Paulo: Atla, 200. REIS, Luciano Gome; RIBEIRO, Pricila Andreoni; SLOMSKI, Valmor. Cuto no etor público: uma propota de implementação de itema de cuto. In: IX Congreo Internacional de Cuto, 200. Anai a 30 de novembro. Florianópoli, SC. RIBEIRO FILHO, Joé F.; LOPES, Jorge E. G.; PEDERNEIRAS, Marcleide M. M.; FERREIRA, Joaquim O. L. Controle interno, controle externo e controle ocial: análie comparativa da percepção do profiionai de controle interno de entidade da trê efera da adminitração pública. Revita Univero Contábil, v., n. 3, p. 8-63, 2008.

15 SECCHI, Leonardo. Modelo organizacionai e reforma da adminitração pública. Revita de Adminitração Pública, v. 3, n. 2, p , SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL - STN. Portaria 06/20, de 20/06/20. Aprova a ª Edição do Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público (MCASP). Diponível em: Aceo em: 3 et. 20. SILVA, Edna Lucia; MENEZES, Etera Muzkat. Metodologia de pequia e elaboração de diertação. 2. Ed. Florianópoli: UFSC/PPGEP/LED, 200. SLOMSKI, Valmor. Controladoria e governança na getão pública. São Paulo: Atla 200. SUTTHIWAN, Angela, CLINTON, Dougla. The conflicting role of controllerhip and compliance. Strategic Finance, v., n., p. 3 9, THOMPSON, Fred; JONES, L. R. Controllerhip in the public ector. Journal of Policy Analyi and Management, v., n. 3, p. -, 986. WIEMER, Ana Paula Moreira; RIBEIRO, Daniel Cerqueira. Cuto no erviço público. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE,. São Paulo. Anai... São Paulo: FEA/USP, 200 CD-ROM.

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento.

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento. Liderança para criar e gerir conhecimento Lider ança para criar e gerir conhecimento }A liderança é um fator eencial para e alcançar o uceo também na getão do conhecimento.~ 48 R e v i t a d a ES P M janeiro

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos gerais para gerir a Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM).

Estabelecer critérios e procedimentos gerais para gerir a Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM). Propoto por: Equipe da Secretaria do Conelho da Magitratura (SECCM) Analiado por: Repreentante da Adminitração Superior (RAS/SECCM) Aprovado por: Secretária da Secretaria do Conelho da Magitratura (SECCM)

Leia mais

Artigos. Comunicação organizacional e relações públicas: caminhos que se cruzam, entrecruzam ou sobrepõem?

Artigos. Comunicação organizacional e relações públicas: caminhos que se cruzam, entrecruzam ou sobrepõem? E t u d o17 Artigo Comunicação organizacional e relaçõe pública: caminho que e cruzam, entrecruzam ou obrepõem? IVONE DE LOUDES OLIVEIRA Metre em Ciência da Comunicação pela ECA-USP e doutora em Comunicação

Leia mais

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s Incluão Social do Joven no Aentamento Rurai de Areia com ênfae no trabalho da Tutoria e recuro da nova TIC MIRANDA 1, Márcia C.V.; SILVA 2, Fátima do S.; FÉLIX 3, Jânio 1 Profeora orientadora e coordenadora

Leia mais

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA 329 A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA BRAZILIAN EDUCATION IN LAST DECADES: BARRIERS AND GOALS INSIDE AND OUTSIDE SCHOOL 1 t r a v e i a e d. 1 0 i n

Leia mais

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 27 A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 1 RESUMO: A tecnologia da informação e comunicação - TIC ampliam o epaço para comunicação e interação na

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS Laureate Network Product & Service Copyright 2013 Laureate Education, Inc. ÍNDICE C A T Á L O G O L N P S ÍCONE Nome do Curo Língua Duração Deenvolvimento do Corpo Acadêmico

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Reolução n 12/ 2013 Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curo de Graduação em Pedagogia

Leia mais

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro Rentabilidade da Intituiçõe Financeira no Brail: Mito ou Realidade? Autore JOSÉ ALVES DANTAS Centro Univeritário Unieuro PAULO ROBERTO BARBOSA LUSTOSA PMIRPGCC - UNB/UFPB/UFPE/UFRN Reumo A dicuão obre

Leia mais

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO COP Comunication on Progre São Paulo, 28 de fevereiro de 2011 A Ferol Indútria e Comércio SA declara eu apoio contínuo ao Pacto Global. A Ferol acredita na diveridade e na pluralidade como ferramenta de

Leia mais

ÍNDICE. 03 Desenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate. 10 Laureate Languages. 14 Produtos da Marca Laureate. 18 Melhores Práticas Laureate

ÍNDICE. 03 Desenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate. 10 Laureate Languages. 14 Produtos da Marca Laureate. 18 Melhores Práticas Laureate ÍNDICE 03 Deenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate 10 Laureate Language 14 Produto da Marca Laureate 18 Melhore Prática Laureate MY.LAUREATE.NET 3 Promovendo a Excelência de Enino Como Melhorar o Enino

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

Qualidade da gestão de medicamentos em hospitais públicos*

Qualidade da gestão de medicamentos em hospitais públicos* Qualidade da getão de medicamento em hopitai público* André Gutavo Gadelha Mavignier de Noronha** Djalma Freire Borge*** S UMÁRIO: 1. Introdução; 2. Metodologia; 3. Reultado; 4. Concluão. S UMMARY: 1.

Leia mais

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80 ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE PROJETO : CUIDANDO EDUCANDO E CONSTRUINDO CIDADÃOS DO FUTURO. LINHA PROGRAMÁTICA DO PROJETO Creche, Educação Infantil, Socialização,Garantia de

Leia mais

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O M É T O D O S Q U A N T I T A T I V O S E I N F O R M Á T I C A PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO Leila Lage Hume lhume@up.br

Leia mais

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014:

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014: Pecando direito Boletim Jurídico do CPP/ Abril de 2015. 1ª edição. Medida Proviória nº 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre a MP' 664 e 665 de 2014: Em 30 dezembro de 2014 foram promulgada a Medida

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 EDITAL CONVITE Nº 009/2011-CPL/GPDP Proceo Adminitrativo nº 0221/2011 -CPL/GDPG A, atravé da Comião Permanente de Licitação, intituída pela Portaria nº 383/2011-GDPG, datada de 08/07/2011, da Exma. Sra.

Leia mais

Projeto Visita Virtual e Videoconferência Judicial

Projeto Visita Virtual e Videoconferência Judicial Projeto Viita Virtual e Videoconferência Judicial Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) Minitério da Jutiça Ete projeto naceu de uma parceria entre o Departamento Penitenciário Nacional e a Defenoria

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1 Artigo 65 Afetação de recuro, produtividade e crecimento em Portugal 1 Daniel A. Dia 2 Carlo Robalo Marque 3 Chritine Richmond 4 Reumo No período 1996 a 2011 ocorreu uma acentuada deterioração na afetação

Leia mais

ESTUDO DE GEOMARKETING

ESTUDO DE GEOMARKETING ESTUDO DE GEOMARKETING Aplicabilidade no egmento de Franquia O etudo de Geomarketing permite avaliar o ponto de venda exitente da rede em etudo e poibilita apontar nova oportunidade de negócio em comprometer

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL N.º 001/2007

CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL N.º 001/2007 CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL N.º 001/2007 A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE INHAMBUPE, Etado da Bahia, no uo de ua atribuiçõe legai, mediante a condiçõe etipulada nete Edital, repaldada no art. 37, II da

Leia mais

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES P A N Ó P T I C A O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES Daniel Pitzer Zippinotti Univeridade Federal do Epírito Santo - UFES 1. INTRODUÇÃO O preente trabalho procura apreentar

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública PROBLEMA DE CORTE UNIDIMENSIONAL COM SOBRAS APROVEITÁVEIS: RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTICO Adriana Cherri Departamento de Matemática, Faculdade de Ciência, UNESP, Bauru adriana@fc.unep.br Karen Rocha

Leia mais

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações Mercado de Capitai Avaliação de Açõe Luiz Brandão O título negociado no mercado podem de renda fixa ou de renda variável. Título de Renda Fixa: Conhece-e de antemão qual a remuneração a er recebida. odem

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA LIMA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA LIMA EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL: n 070/204 PROCESSO ADMINISTRATIVO: n 278/204 IMPORTANTE: AO RETIRAR ESTE EDITAL, FAVOR PREENCHER O RECIBO DE RETIRADA DE EDITAL E ENVIÁ-LO PARA O E-MAIL INFORMADO NO PROPRIO

Leia mais

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO Curo de Análie Matricial de Etrutura 1 I - INTRODUÇÃO I.1 - Introdução O proceo de um projeto etrutural envolve a determinação de força interna e de ligaçõe e de delocamento de uma etrutura. Eta fae do

Leia mais

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ETUDANTE ERAMU OUT Dede já, agradecemo a ua participação neta nova etapa do Projecto de Tutoria a Etudante ERAMU verão OUT. Com ete inquérito, pretendemo dar a conhecer

Leia mais

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória.

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória. Reolução do Problema de Carregamento e Decarregamento 3D de Contêinere em Terminai Portuário para Múltiplo Cenário via Repreentação por Regra e Algoritmo Genético Aníbal Tavare de Azevedo (UNICAMP) anibal.azevedo@fca.unicamp.br

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA Etudo comparativo entre o procedimento de amotragem... 67 ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA EM INVENTÁRIOS DE ARBORIZAÇÃO URBANA Comparative

Leia mais

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Voto e Contribuição Reponável pelo PM: Acompanhamento do Mercado CONTROLE DE ALTERAÇÕES Verão Data Decrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM AM.04 - Cálculo

Leia mais

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1.

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1. 3 Fuga de cérebro e invetimento em capital humano na economia de origem uma invetigação empírica do brain effect 3.1. Introdução Uma da vertente da literatura econômica que etuda imigração eteve empre

Leia mais

UNIVERSIDADE VALE DO ACARAÚ ESCOLA DE MAGISTRATURA DO ESTADO DO CEARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO JUDICIÁRIA

UNIVERSIDADE VALE DO ACARAÚ ESCOLA DE MAGISTRATURA DO ESTADO DO CEARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO JUDICIÁRIA UNIVERSIDADE VALE DO ACARAÚ ESCOLA DE MAGISTRATURA DO ESTADO DO CEARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO JUDICIÁRIA 1. DISCIPLINA NIVELAMENTO EM CONTABILIDADE 2. EMENTA DA DISCIPLINA Conceitos básicos

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Padronizar os procedimentos relativos ao suporte de áudio e vídeo na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ.

Padronizar os procedimentos relativos ao suporte de áudio e vídeo na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ. Propoto por: Diretor do Departamento de Tecnologia de Informação e Comunicação (DETEC) Analiado por: Aeora da Aeoria de Getão Etratégica (ASGET) Aprovado por: Secretária-Geral de Enino (SECGE) 1 OBJETIVO

Leia mais

a medicina de família e comunidade, a atenção primária à saúde e o ensino de graduação Recomendações & Potencialidades

a medicina de família e comunidade, a atenção primária à saúde e o ensino de graduação Recomendações & Potencialidades a medicina de família e comunidade, a atenção primária à aúde e o enino de graduação Recomendaçõe & Potencialidade organizadore e autore Maria Inez Padula Anderon 1, Marcelo Demarzo 2, Ricardo Donato Rodrigue

Leia mais

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate ! I Deafio Petzl Para Bombeiro Regulamento Campeonato Internacional de Técnica Verticai e Regate A Spelaion, ditribuidor excluivo Petzl no Brail e o Corpo de Bombeiro de Goiá, etá organizando o Primeiro

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

Projeto Crescer I e II

Projeto Crescer I e II Projeto Crecer I e II Motra Local de: Araponga Categoria do projeto: I Projeto em Andamento (projeto em execução atualmente) Nome da Intituição/Emprea: Paulo Hermínio Pennacchi, preidente da Caa do Bom

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Dispõe sobre a Gestão Documental no âmbito da 18ª Região da Justiça do Trabalho.

Dispõe sobre a Gestão Documental no âmbito da 18ª Região da Justiça do Trabalho. FL PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 32/2014 Dipõe obre a Getão Documental no âmbito da 18ª Região da Jutiça

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

O CORPO HUMANO E A FÍSICA

O CORPO HUMANO E A FÍSICA 1 a fae Prova para aluno do 9º e 1º ano LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Eta prova detina-e excluivamente a aluno do 9 o ano do enino fundamental e 1º ano do enino médio. Ela contém trinta quetõe.

Leia mais

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Reumo Luca Franco de Ai¹ Marcelo Semenato² ¹Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia/Campu Jataí/Engenharia Elétrica/PIBIT-CNPQ lucafranco_jty@hotmail.com

Leia mais

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL Copright 004, Intituto Braileiro de Petróleo e Gá - IBP Ete Trabalho Técnico Científico foi preparado para apreentação no 3 Congreo Braileiro de P&D em Petróleo e Gá, a er realizado no período de a 5 de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA PREGOEIRO E EQUIPE DE APOIO EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE PREGÃO PRESENCIAL Nº 006/2015

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA PREGOEIRO E EQUIPE DE APOIO EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE PREGÃO PRESENCIAL Nº 006/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO: 360.413-6 PODER JUDICIÁRIO EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE PREGÃO PRESENCIAL Nº 006/2015 (Regitro de Preço para contratação de emprea epecializada, objetivando contrataçõe, eventuai

Leia mais

Universidade Paulista Júlio de Mesquita Filho - Campus de Araraquara.

Universidade Paulista Júlio de Mesquita Filho - Campus de Araraquara. Univeridade Paulita Júlio de Mequita Filho - Campu de Araraquara. P Credenciamento do curo de po-graduação em Odontologia, com área de concentração em Dentítica Retauradora, a nível de metrado. Virgínio

Leia mais

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos Torres RS 9 de julho de 2015. Mário Kemphel da Rosa Mário Kemphel

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física

Imposto de Renda Pessoa Física Impoto de Renda Peoa Fíica 2006 Manual de Preenchimento Declaração de Ajute Anual Modelo Completo - Ano-calendário de 2005 Receita Federal Minitério da Fazenda GOVERNO FEDERAL Índice PÁG. ENTREGA DA DECLARAÇÃO

Leia mais

P R O J E T O. Arte. Pneus

P R O J E T O. Arte. Pneus P R O J E T O Arte em C NSCIÊNCIA Promovendo a concientização ecológica utilizando como ferramenta a arte e o ecodeign, criando produto e artefato a partir de reíduo ólido de póconumo (pneu uado) como

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA KLEYNA MOORE ALMEIDA

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA KLEYNA MOORE ALMEIDA MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA (Real Academia de Artilharia, Fortificação e Deenho 1792) Kleyna Moore Almeida GARANTIA DA QUALIDADE

Leia mais

Projeto Sinergia Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento Nacional

Projeto Sinergia Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento Nacional Projeto Sinergia Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento Nacional Av. Ayrton Senna, 5.555 Barra da Tijuca CEP 22775-004 Rio de Janeiro RJ Brail Tel.: (21) 2136-5672 Fax: (21) 2136-5532/5689

Leia mais

Projeto Pedagógico. Engenharia de Produção. Bacharelado

Projeto Pedagógico. Engenharia de Produção. Bacharelado Projeto Pedagógico Engenharia de Produção Bacharelado Americana 2015 LICEU CORAÇÃO DE JESUS Intituição Mantenedora Prof. M. P. Joé Adão Rodrigue da Silva Preidente CENTRO UNIVERSITÁRIO SALESIANO DE SÃO

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1 Uo do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expreão de Subjetividade e de Identificação 1 Élida Fabiani Morai de CRISTO; Haroldo França REBOUÇAS Neto; Jacklene de Souza CARRÉRA; Keila Marina

Leia mais

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque Motore de indução Arranque São motore robuto e barato (fabricado em maa), embora tendo o inconveniente de não erem regulávei. Conequentemente, uma vez definido um binário e uma corrente, ete apena dependem

Leia mais

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO Thale Cainã do Santo Barbalho 1 ; Álvaro Daniel Tele Pinheiro 2 ; Izabelly Laria Luna

Leia mais

Competências/ Objetivos Especifica(o)s

Competências/ Objetivos Especifica(o)s Tema B- Terra em Tranformação Nº previta Materiai Contituição do mundo material Relacionar apecto do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme a variedade de materiai que no rodeiam. Identificar

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

Taxa de Juros e Default em Mercados de Empréstimos Colateralizados

Taxa de Juros e Default em Mercados de Empréstimos Colateralizados Etudo Econômico 41(4) outubro/dezembro de 2011 Taxa de Juro e Default em Mercado de Emprétimo Colateralizado Sergio Ricardo Fautino Batita - Joé Angelo Divino - Jaime Orrillo Submetido: 26 de março de

Leia mais

Digifort Standard Solução intermediária para instalação de até 32 câmeras

Digifort Standard Solução intermediária para instalação de até 32 câmeras Digifort Standard Solução intermediária para intalação de até 32 câmera A verão Standard fornece o recuro ideai para o monitoramento local e remoto de até 32 câmera por ervidor e por er a verão intermediária

Leia mais

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul)

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul) Nota de Aula - Mecânica do Solo 23 UNIDADE 3 GRANULOMETRIA DOS SOLOS 3.1 Introdução Todo o olo, em ua fae ólida, contêm partícula de diferente tamanho em proporçõe a mai variada. A determinação do tamanho

Leia mais

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace Equaçõe Diferenciai GMA Reolução de Equaçõe Diferenciai por Série e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto tocano@im.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

Mudança de paradigma. d a. M. Dueñas. maio / junho de

Mudança de paradigma. d a. M. Dueñas. maio / junho de Mudança de paradigma M. Dueña u M dança de 50 R e v i t a d a ES P M maio / junho de 2009 João Boaventura Branco de Mato ParadigMa, crie e oportunidade em trê onda e}o trê ciclo apreentado imbolizam período

Leia mais

Reducao da. Maioridade Penal: o que voce precisa. essa ideia nao e boa. saber para entender que

Reducao da. Maioridade Penal: o que voce precisa. essa ideia nao e boa. saber para entender que Reducao da Maioridade Penal: o que voce precia aber para entender que ea ideia nao e boa. Expediente Eta cartilha foi originalmente produzida e publicada pela equipe do Centro de Defea da Criança e do

Leia mais

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE Aociação de Profeore de Matemática Contacto: Rua Dr. João Couto, n.º 7-A 1500-36 Liboa Tel.: +351 1 716 36 90 / 1 711 03 77 Fax: +351 1 716 64 4 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Rede MPLS, com Dua Clae de Serviço Rita Girão Silva a,c (Tee de Doutoramento realizada ob upervião de Profeor Doutor Joé Craveirinha a,c e Profeor

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS BIÓTICOS E ABIÓTICOS DA RESTAURAÇÃO DA MATA CILIAR DE NASCENTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO

ANÁLISE DOS RESULTADOS BIÓTICOS E ABIÓTICOS DA RESTAURAÇÃO DA MATA CILIAR DE NASCENTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 164 ANÁLISE DOS RESULTADOS BIÓTICOS E ABIÓTICOS DA RESTAURAÇÃO DA MATA CILIAR DE NASCENTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO Carla Tiemi Fukumoto; Renata Ribeiro de Araújo. Engenharia Ambiental. Departamento

Leia mais

PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS

PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS COM ÊNFASE NA GARANTIA

Leia mais

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace Reolução de Equaçõe Diferenciai Ordinária por Série de Potência e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto rtocano@id.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS Anai do 47º Congreo Braileiro do Concreto - CBC005 Setembro / 005 ISBN 85-98576-07-7 Volume XII - Projeto de Etrutura de Concreto Trabalho 47CBC06 - p. XII7-85 005 IBRACON. ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

Observação: CURSOS MICROSOFT

Observação: CURSOS MICROSOFT Obervação: O material utilizado nete curo é de propriedade e ditribuição da emprea Microoft, podendo er utilizado por qualquer peoa no formato de ditribuição WEB e leitura em PDF conforme decrito na lei

Leia mais

Implementando modelos DEA no R

Implementando modelos DEA no R Implementando modelo DEA no R Joé Francico Moreira Peanha profeorfmp@hotmail.com UERJ Alexandre Marinho alexandre.marinho@ipea.gov.br UERJ Luiz da Cota Laurencel llaurenc.ntg@terra.com.br UERJ Marcelo

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Análise da viabilidade econômica de um sistema silvipastoril com eucalipto para a Zona da Mata de Minas Gerais 1

Análise da viabilidade econômica de um sistema silvipastoril com eucalipto para a Zona da Mata de Minas Gerais 1 Análie da viabilidade econômica de um itema ilvipatoril... 107 Análie da viabilidade econômica de um itema ilvipatoril com eucalipto para a Zona da Mata de Mina Gerai 1 Economic viability analyi of a ilvopatoral

Leia mais

CREATING TOMORROW S SOLUTIONS

CREATING TOMORROW S SOLUTIONS CREATING TOMORROW S SOLUTIONS Contrução civil I Ligante Polimérico I América do Sul Vião Geral do Polímero em Pó VINNAPAS Como você quer otimizar ua argamaa? A argamaa percorreram um longo caminho dede

Leia mais

Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública

Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública Informações sobre as novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Mudanças e Desafios para a contabilidade pública Marcus Vinicius P. de Oliveira Contador, Administrador, Especialista

Leia mais

ATA PARA REUNIÃO DE INSTALAÇÃO DA COMISSÃO CENSITÁRIA MUNICIPAL

ATA PARA REUNIÃO DE INSTALAÇÃO DA COMISSÃO CENSITÁRIA MUNICIPAL ATA PARA REUNIÃO DE INTALAÇÃO DA COMIÃO CENITÁRIA MUNICIPAL Aos 17 dias do mês de agosto de (ano) 2006, às 15:45 horas, no(a) ALA DA PREFEITURA MUNICIPAL do Município NOVO AIRÃO, estado AM foi realizada

Leia mais

Margarida Borges e Elsa Bronze da Rocha

Margarida Borges e Elsa Bronze da Rocha Alteraçõe à avaliação da unidade curricular de Genética Molecular do Metrado Integrado de Ciência Farmacêutica (MICF) com impacto ignificativo na aprovaçõe e claificaçõe Margarida Borge e Laboratório de

Leia mais

As PMEs que Mais Crescem no Brasil Um estudo sobre os desafios do ambiente de negócios no caminho das empresas emergentes

As PMEs que Mais Crescem no Brasil Um estudo sobre os desafios do ambiente de negócios no caminho das empresas emergentes A PME que Mai Crecem no Brail Um etudo obre o deafio do ambiente de negócio no caminho da emprea emergente 2012 A c r e c P M E e m q u e n o B m a i a r l i O Cuto Brail da emergente Uma hitória de obtáculo

Leia mais

EDITAL N o 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO MESTRADO ACADÊMICO EM ENGENHARIA DE PESCA TURMA 2015

EDITAL N o 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO MESTRADO ACADÊMICO EM ENGENHARIA DE PESCA TURMA 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CERÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PESCA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PESCA EDITAL N o 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO MESTRADO ACADÊMICO

Leia mais

ATA PARA REUNIÃO DE INSTALAÇÃO DA COMISSÃO CENSITÁRIA MUNICIPAL

ATA PARA REUNIÃO DE INSTALAÇÃO DA COMISSÃO CENSITÁRIA MUNICIPAL ATA PARA REUNIÃO DE INTALAÇÃO DA COMIÃO CENITÁRIA MUNICIPAL Aos 29 dias do mês de agosto de (ano) 2006, às 10:25 horas, no(a) do Município ARAUCÁRIA, estado PR foi realizada a Reunião de Instalação da

Leia mais

O boi é quem manda. Acostume seus ouvidos o termo. Pastagens

O boi é quem manda. Acostume seus ouvidos o termo. Pastagens O boi é quem manda Patejo rotatínuo não abre mão da rotação de piquete, ma repeita comportamento natural do animai, que conomem apena porção mai nobre do pato. Maritela Franco maritela@revitadbo.com.br

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo Sitema Electrónico de Condicionamento e Proceamento, em Tempo Real, da Tenõe e Corrente do Motor de Indução Trifáico Alimentado por Converore de Frequência Vicente Leite (1), Henrique Teieira (1), Rui

Leia mais

Digifort Enterprise A mais completa solução Digifort para monitoramento de câmeras e alarmes.

Digifort Enterprise A mais completa solução Digifort para monitoramento de câmeras e alarmes. Digifort Enterprie A mai completa olução Digifort para monitoramento de câmera e alarme. A verão Enterprie é o pacote que compreende todo o recuro diponívei para o Sitema Digifort, oferecendo total gerenciamento

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

Marés, fases principais da Lua e bebês

Marés, fases principais da Lua e bebês Maré, fae principai da ua e bebê CADERNO BRASIEIRO DE ENSINO DE FÍSICA, FORIANÓPOIS, V.0, N. 1: P.10-9, ABR. 003 Fernando ang da Silveira Univeridade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Intituto de Fíica

Leia mais

A Nova Contabilidade do Setor Público. Conselho Federal de Contabilidade

A Nova Contabilidade do Setor Público. Conselho Federal de Contabilidade A Nova Contabilidade do Setor Público Conselho Federal de Contabilidade 1 Conteúdo: Antecedentes Novo foco da contabilidade Convergência às IPSAS Principais entidades normativas O conjunto das NBC T SP

Leia mais

Ementas e Bibliografias das Disciplinas

Ementas e Bibliografias das Disciplinas Ementas e Bibliografias das Disciplinas 2.3.1 Metodologia do Ensino Superior Carga Horária: 30h/a Ementa: Metodologia do ensino e as principais técnicas didático pedagógicas. Reflexões sobre o papel do

Leia mais

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ELETRICIDADE Análie de Senibilidade de Anemômetro a Temperatura Contante Baeado em Senore Termo-reitivo

Leia mais