Projeto Visita Virtual e Videoconferência Judicial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Visita Virtual e Videoconferência Judicial"

Transcrição

1 Projeto Viita Virtual e Videoconferência Judicial Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) Minitério da Jutiça Ete projeto naceu de uma parceria entre o Departamento Penitenciário Nacional e a Defenoria Pública da União (DPU). Apreenta dua importante vertente no âmbito da execução penal. A primeira relaciona-e ao direito de manutenção do vínculo afetivo do preidiário, poibilitando o contato dele com eu familiare e amigo; e a egunda refere-e à realização de audiência judiciai por videoconferência. Dede a implantação do Projeto Viita Virtual e Videoconferência Judicial, em maio de 2010, 509 preo participaram da viita virtual e puderam converar e viualizar eu familiare e amigo por meio dee recuro, conferindo, aim, um reultado extremamente atifatório, vito que há pelo meno um ano não recebiam viita. De março de 2011 até julho dete ano, foram realizada 160 videoconferência.

2 Caracterização da ituação anterior e identificação do problema A concepção, criação e organização de um Sitema Penitenciário Federal foram realizada em um momento crítico do itema penitenciário braileiro. Durante toda a década de 1990, até meado do ano 2000, o itema priional braileiro caracterizou-e pelo agravamento da condiçõe indigna e deumana de confinamento, por rebeliõe, tortura e corrupção, entre outro grave problema. Operando em condiçõe alarmante, como o iolamento de preo em epaço inuficiente e inadequado, ea ituação e agravava pelo depreparo do agente penitenciário e do profiionai de aitência que trabalhavam no preídio. Baixa remuneração, falta de formação epecializada, inexitência de plano de cargo e alário, péima condiçõe de trabalho e expoição permanente a ituaçõe de rico completavam o quadro. Beneficiado pela ineficiência do Etado na garantia do direito mínimo do recluo dentro da unidade priionai, nee período creceram e e fortaleceram divero grupo com atuação e articulação dentro e fora da priõe. Entre o ano de 2001 e 2003, divera ocorrência em itema penitenciário etaduai deixaram claro, para o dirigente governamentai, que era precio tomar medida imediata para iolar o lídere de facçõe criminoa do demai preo, de modo a garantir, ainda de maneira emergencial, a paz no itema priional braileiro e devolver a enação de egurança à ociedade livre. O Sitema Penitenciário Federal foi criado em 2006 para apoiar o demantelamento do crime organizado no Paí, cutodiando preo diferenciado, de alta periculoidade, tai como: aquele proviório e condenado que exercem liderança em organizaçõe criminoa, chefe de quadrilha que promovem rebeliõe no itema carcerário etaduai, preo ameaçado de morte, delatore premiado, réu colaboradore etc. Tal itema é contituído por etabelecimento penai localizado em Catanduva-PR (PFCAT), Campo Grande-MS (PFCG), Mooró-RN (PFMOS) e Porto Velho-RO (PFPV), ubordinado ao Departamento Penitenciário Nacional (Depen) do Minitério da Jutiça, e tem a capacidade de albergar 832 preidiário, dividido em conjunto iguai de 208 por unidade. Cada uma dela tem quatro vivência compota por 16 ala, contendo 13 cela individuai, onde ão alocado o interno. A ua epecificidade de cutódia, agregando preo oriundo do divero itema etaduai, na maioria do cao impede o cumprimento da pena perto do familiare, o que levou à contatação de que exitia um quantitativo de aproximadamente 50% dee que não recebiam viita ocial de familiare ou amigo, devido à ditância que o eparava, fato que, indubitavelmente, impedia a garantia de direito no cumprimento da pena, bem como dificultava a manutenção do laço familiare, que ão eenciai para a peoa privada da liberdade de ir e vir. Ainda que poua uma itemática de execução penal mai rigoroa, ao pao que iola ea peoa em cela individuai altamente vigiada, ee itema penitenciário aocia o conceito de egurança máxima com o repeito integral ao direito humano do internado. Aim, por meio da Coordenação-Geral de Tratamento Penitenciário (CGTP), o Depen tem

3 empreendido eforço no entido de garantir, gradualmente, a plenitude da aitência ao preo, bucando, aim, contribuir para a minimização do efeito deletério do encarceramento. A CGTP foi criada com o objetivo de planejar, coordenar e executar política pública voltada à garantia do preo do Sitema Penitenciário Federal. O eu papel etratégico é fomentar a individualização da pena e er um órgão de articulação e elaboração de programa e projeto na área da aitência aúde, material, jurídica, educacional, laboral, ocial, picológica e religioa a ee interno. No âmbito do direito do preo, etabelecido no art. 41, da Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984 Lei de Execução Penal, e reforçado no art. 36 do Decreto nº 6.049, de 27 de fevereiro de 2007, que aprova o Regulamento Penitenciário Federal, conta a garantia da viita do cônjuge, da companheira, de parente e amigo em dia determinado para entrada na unidade penitenciária. Coniderando que, em média, o círculo familiar e afetivo dee preidiário é compoto de peoa de baixa renda e que obrevivem ob forte proceo de excluão ocial, a ua capacidade de movimentação nea longa ditância do Brail ão muito pequena. Dee modo, etão privado também dee convívio cidadão de bem, trabalhadore que, em algum momento da ua vida, tiveram eu filho, pai, irmão etc. envolvido em crime. Outra problemática que e apreentou, com a citada peculiaridade do itema, foi a da incidência de gato ignificativo com o tranporte do preidiário para a audiência judiciai no eu etado de origem, com alto rico de fuga e de egurança. Ea peoa têm de er acompanhada de, em média, quatro agente penitenciário federai armado, em voo comerciai. Io requer o pagamento de paagen aérea para todo e de diária para o agente, além de cauar uma tenão para aquele cidadão que compartilham ee trânito, em contar que, para aquele preo de notória periculoidade, é neceário pagar o combutível de aeronave do Departamento de Polícia Federal (DPF) e da Força Aérea Braileira (FAB), que ai ainda mai caro. Além do mai, a ituação atual do quadro de agente que trabalham nea funçõe, com exceção da penitenciária de Mooró, evidencia uma carência do eu efetivo, poi a maioria dele tem regime de plantão de 24 hora, decanando 72 hora. Ou eja, muita veze o número idealizado para alocação no controle da viita preenciai não pode er atingido, endo prejudicado também pelo número de ecolta realizada na audiência. Nee contexto, como fazer para garantir um mínimo de ociabilidade para a metade do internado no itema? Repeitando um padrão de egurança que, para funcionar a contento, precia mantê-lo picologicamente equilibrado, poi, enão, excede-e o limite razoável para a ua convivência diária, bem como para ee contante delocamento onde e mituram com a população livre. Aim, para a conecução de uma política de tratamento penitenciário preocupada com a garantia de direito, redução de vulnerabilidade picoociai e implementação de açõe que propiciem uma maior potencialidade de reocialização, foi planejado o referido Projeto de

4 Viita Virtuai e Videoconferência Judiciai que, também, paou a ter um efeito de relativa magnitude na redução do gato público. Aproveitando a diponibilidade de ferramenta tecnológica moderna, baeada na tranmião de dado e imagen pela Internet, bem como da edição da Lei nº , de 08 de janeiro de 2009, que previu a poibilidade de realização de interrogatório e outro ato proceuai por meio de itema de videoconferência, dede que a medida eja neceária para atender a uma da finalidade etabelecida, não cerceando ao preo o direito de defea, obteve-e força legal para a ua implementação a partir de maio de Ea inovação não e caracteriza pela invenção de um intrumento ou de prática gerencial modernizadora, ela, implemente, aproveitou a poibilidade oferecida por um equipamento de comunicação para itematizar procedimento que viam a anar doi grave problema enfrentado por um órgão de Etado que tem a competência de manter com egurança e dignidade o cutodiado no Sitema Penitenciário Federal. Em termo de getão, ela racionaliza o tempo dependido pelo agente penitenciário federai no delocamento e vigilância da movimentaçõe do priioneiro e eu familiare na viita preenciai e na audiência judiciai, otimiza o número de agente envolvido no proceo realizado por videoconferência, facilita a programação da viita, diminui o potencial de açõe prejudiciai à egurança pública e, finalmente, reduz o cuto da operaçõe. Coniderando que, dede a criação do itema em 2006, há um déficit de no número de agente penitenciário federai na ativa (perante o total de cargo previto em lei), e de 33% no de epecialita da área de tratamento penitenciário no quatro preídio federai, em perpectiva de lançamento de edital de eleção a curto prazo, a viita virtuai e a videoconferência judiciai contribuem para o arrefecimento da demanda do erviço dee ervidore. Decrição da iniciativa e da inovação Ete projeto naceu de uma negociação entre o Departamento Penitenciário Nacional e a Defenoria Pública da União (DPU), a partir da ugetão de um juiz federal corregedor que atuava em Catanduva. Apreenta dua importante vertente no âmbito da execução penal. A primeira relaciona- e ao direito de manutenção do vínculo afetivo do preidiário, poibilitando o contato dele com eu familiare e amigo; e a egunda refere-e à realização de audiência judiciai por videoconferência, reduzindo a movimentação de agente penitenciário federai, o cuto do proceo tradicional e o rico à egurança da ociedade. Por meio do uo de recuro tecnológico (áudio, vídeo e rede banda larga), o Depen/CGTP, em parceria com a unidade da Defenoria Pública da União (DPU) no etado da Federação, poibilitou a intalação de equipamento Codec (aparelho que codificam om e imagem para atingir certa medida de compreão capaz de permitir o fluxo multilateral dee) em toda a ua unidade, na capitai etaduai e na quatro penitenciária federai.

5 Ea relação hoje etá amparada em um acordo de cooperação técnica que foi celebrado em maio de Ete ratifica a reponabilidade do Depen pela compra, intalação e manutenção do aparelho e a do DPU pela ua guarda, poe e uo. A CGTP e relaciona intitucionalmente com a unidade priionai por intermédio da Diviõe de Reabilitação (Direb), que coordenam localmente toda aquela aitência previta em lei, ou eja, ão o eu agente operacionai que exercem um papel fundamental para o uceo do projeto. Para participar da viita virtual, o potenciai viitante enviam à penitenciária federal na qual o preo e encontra cutodiado ou, ainda, para qualquer unidade da Defenoria Pública da União no etado, requerimento olicitando a viita e demontrando a relação exitente entre ele, acompanhado de cópia autenticada do RG ou documento equivalente; cópia autenticada do CPF; cópia do comprovante de reidência e dua foto 3x4 iguai e recente. A divião de reabilitação da penitenciária avalia a informaçõe e, cao tudo eteja de acordo, olicita a anuência do interno para que eja marcada a data e o horário da viita. A viita virtuai ão aberta para até cinco familiare por vez, em contar a criança, podendo er realizada emanalmente, à exta-feira, e a videoconferência em qualquer outro dia útil; amba ão feita por meio de uma rede egura, para garantir a proteção na tranmião do dado. O viitante chegam à unidade da Defenoria Pública da União com antecedência mínima de 30 minuto, com carteira de identidade ou documento imilar com foto; logo apó, paam a dialogar com eu familiar pelo prazo de 30 minuto. A audiência judiciai ão olicitada pelo juíze da vara de execução penal ao diretor-geral do Depen, que encaminha à Diretoria do Sitema Penitenciário Federal (Dipf) para análie técnica da ituação, decidindo pela mobilização do preo ou negociando com o repectivo juizado a realização de videoconferência. A partir daí, acertada a data, na vépera um(a) funcionário(a) viaja para o local levando o equipamento a er intalado. O procedimento que norteiam a execução do projeto encontram-e decrito na Portaria Conjunta Depen-DPU nº 500, de 30 de etembro de Ainda em relação à videoconferência judicial, o juiz do proceo olicita à Diretoria do Sitema Penitenciário Federal a providência neceária, no entido de fornecer o equipamento e o uporte para a realização da audiência por meio de videoconferência. Ou, ainda, com bae no perfil do preo a er ouvido, a própria Diretoria do SPF cotuma ugerir a realização da audiência por videoconferência. Dede a implantação do Projeto Viita Virtual e Videoconferência Judicial, em maio de 2010, 509 preo participaram da viita virtual e puderam converar e viualizar eu familiare e amigo por meio dee recuro, conferindo, aim, um reultado extremamente atifatório, vito que há pelo meno um ano não recebiam viita. Ee projeto poibilitou a realização de viita, envolvendo a participação de peoa do eu antigo convívio. De março de 2011 até julho dete ano, foram realizada 160 videoconferência. O projeto tem um ecopo de inovação e pioneirimo no âmbito da execução penal do Sitema Penitenciário Federal que, por er muito recente, neceita, cada vez mai, de fortalecimento interetorial e envolvimento de todo o atore da execução penal. Cabe detacar que, dede agoto de 2010, vem endo realizado, anualmente, oworkhop do Sitema Penitenciário

6 Federal, organizado pelo Conelho da Jutiça Federal e o Depen, reunindo juíze federai, repreentante dee órgão e membro do Minitério Público Federal e da DPU, para dicutir o eu entrave e propor oluçõe, por meio de Enunciado, Recomendaçõe e Deliberaçõe. Como reultante dee proceo interativo, pode-e alientar que, memo com pouco ano de exitência e com alto grau de ineditimo, muita melhoria foram obtida a partir dee colegiado, incluindo a definiçõe operacionai do Projeto Viita Virtual e Videoconferência Judicial. Nee contexto, torna- e importante bucar empre a obtenção de aperfeiçoamento no recuro materiai (etrutura fíica), humano (profiionai envolvido no projeto) e metodológico, para que o Sitema Penitenciário Federal, além de er excelência em egurança, o eja também em tratamento penitenciário, poi um do eu objetivo complementare é o de ervir como efeito- demontração para a reorganização do preídio etaduai. Concepção da inovação e trabalho em equipe O juiz federal corregedor de Catanduva ugeriu que foe feita viita por videoconferência ao preo, tendo em vita que metade do preo daquela unidade não recebia viita ociai. Apear da penitenciária garantir o direito de viita do cônjuge, companheiro, família ou amigo, na prática, eta não ocorria com um número ignificativo dele. Inicialmente, a Divião de Reabilitação da penitenciária paou a elaborar um roteiro de como eria executada ea ideia, e, em contato com a CGTP/ Depen, área reponável pela execução da aitência ao preo no âmbito do Sitema Penitenciário Federal, a propota foi acolhida. Apó vária reuniõe foi elaborado um eboço do projeto com a participação de divera área do Depen, tratando do eu ecopo e pao neceário a erem executado. Inicialmente, foi dada ciência ao diretor-geral do Depen e ao diretor do Sitema Penitenciário Federal e, poteriormente, apreentado à chefia de Reabilitação e Saúde da Penitenciária Federai em Catanduva/PR e Campo Grande/MS, para definição e deenvolvimento etratégico do projeto. Ea mema minuta foi enviada para análie e aprovação do defenor público- geral federal e para o diretore da penitenciária federai. Apó muita dicuõe foi obtido um coneno e o Depen/CGTP preparou um termo de referência para a compra do equipamento Codec. Objetivo da iniciativa Manutenção do laço familiare; redução de ecolta e mobilizaçõe do agente penitenciário; economia de recuro público; garantia do princípio da celeridade proceual; prevenção do rico à egurança pública; viabilização da participação do réu no ato proceual, quando haja dificuldade para eu comparecimento em juízo, por enfermidade ou outra circuntância peoal; impedimento de influência do réu no ânimo da tetemunha ou da vítima; garantia do princípio da eficiência e acompanhamento efetivo e permanente do proceo de execução.

7 Público-alvo da iniciativa Preo cutodiado no Sitema Penitenciário Federal e eu familiare e amigo. Juíze de execução penal, tribunai de jutiça, agente penitenciário federai e ociedade em geral. Açõe e etapa de implementação Primeiramente, foi intituído um grupo de trabalho entre o Depen e a DPU em 2008, para melhorar a efetividade do trabalho deenvolvido no campo do direito e garantia do preo do Sitema Penitenciário Federal. Em meado de novembro de 2008, foi realizado o tete-piloto do Projeto Viita Virtual, envolvendo a Penitenciária Federal em Campo Grande-MS e a DPU-Manau-AM, endo que 11 preo foram elecionado, ma apena cinco participaram da viita; porém, algun familiare tiveram conhecimento da matéria veiculada na imprena e procuraram a Defenoria; aim, foram realizada mai trê viita, totalizando oito preo que puderam converar e viualizar eu familiare por meio do itema de videoconferência, conferindo um reultado extremamente atifatório, coniderando que o memo, há pelo meno um ano, não haviam recebido viita. Apó a realização do tete-piloto, em 2009 foi ainado o Termo de Cooperação Técnica entre o Depen e a DPU, elaborado o termo de referência para aquiição do equipamento e um plano de trabalho que etabeleceu a diretrize do projeto. Também foi encaminhado à quatro penitenciária um doiê com o documento, dando ênfae à metodologia para a ua implantação. Apó vária reuniõe, aquiição do equipamento, com a intalação em toda a unidade da DPU na capitai e na penitenciária federai, em 14 de maio de 2010 o projeto foi lançado de forma pioneira no Paí. A equipe técnica da CGTP acompanhou in loco, no dia 28 de maio de 2010, a primeira viita virtuai na penitenciária federai em Campo Grande-MS e Catanduva/ PR, e na unidade da DPU em Goiânia-GO e Maceió-AL, com o intuito de ver, na prática, o procedimento utilizado. Em 30 de etembro do memo ano, foi publicada a Portaria Conjunta Depen/ DPU nº 500, que regulamenta o Projeto Viita Virtual. A Videoconferência Judiciai ão diciplinada pela Lei , de 08 de janeiro de Viando ao fortalecimento dee projeto no âmbito do Sitema Penitenciário Federal, realizou-e o 1º Ciclo de Capacitaçõe na quatro penitenciária federai, envolvendo o atore de toda a área da penitenciária federai. Tendo em vita, ainda, o pouco conhecimento da família obre o eu benefício, produziu-e uma cartilha informativa que etá em fae final de edição Decrição do recuro financeiro, humano, materiai e tecnológico Equipamento/Sitema

8 O equipamento foram adquirido pelo Depen, ao cuto total de R$ , com a eguinte ditribuiçõe: 58 equipamento de videoconferência, quatro câmera de documento, doi gravadore de treaming, uma unidade de controle multiponto (MCU), uma unidade de gerenciamento de videoconferência e gatekeeper. Equipe Planejamento executivo pelo grupo de trabalho compoto por repreentante do Depen e defenore público federai. Execução operacional, por agente penitenciário federai e epecialita do Depen e ervidore da DPU. Orçamento Recuro da União alocado no plano orçamentário do Depen e da DPU. Na implementação, o invetimento na compra do equipamento e a depea corrente para a capacitação do envolvido. Atualmente, na operacionalização, diária e paagen para o agente que levam o equipamento para o juízo onde erão realizada a audiência. Por que conidera que houve utilização eficiente do recuro na iniciativa? O Projeto Viita Virtual e Videoconferência Judicial teve um cuto para o Governo Federal de R$ em invetimento. O recuro foram utilizado de forma eficiente porque, além do eu objetivo etarem endo alcançado progreivamente, reduziu o gato público da União com a videoconferência judiciai. Para dar uma ideia reumida do eu potencial de redução de cuto, egue abaixo apena o demontrativo de dua audiência preenciai com o preo Antonio Francico Bonfim Lope, vulgo Nem, realizada no dia 10 e 11 de maio de 2012, e o repectivo valore, e foem por avião comercial ou videoconferência. *Cuto da aeronave da Polícia Federal = R$ ,00; cuto da diária do agente = R$ 1.483; Total= R$ *Dua audiência preenciai na mema época: cuto da paagen aérea do agente e do preo = R$ 1.300; cuto da diária do agente= R$ 1.483; Total= R$ *Dua audiência por VIDEOCONFERÊNCIAS na mema época: cuto da paagen aérea do ervidor = R$ 260; cuto da diária do ervidor= R$ 650; Total= R$ 910. Ou eja, o cuto de uma audiência preencial normal (via avião de carreira) cerca de 315% maior do que e ela foe realizada por videoconferência, e, no cao anormai, de interno de fama e notória periculoidade, ele é 4.823% uperior. Comparando de outra forma, a videoconferência, no cao, teria um cuto de 2% da audiência realizada por meio epeciai. Monitoramento e avaliação da iniciativa Inicialmente, a Diviõe de Reabilitação e o Setore de Saúde da Penitenciária Federai encaminhavam, menalmente, para a CGTP, via Internet, doi relatório de acompanhamento

9 da ituação da aúde e da outra aitência previta em lei. Dede o primeiro emetre do ano paado, ele foram compactado em um Relatório de Tratamento Penitenciário, compoto de uma planilha de Excel, preenchida todo dia 5 do mê ubequente. Além do outro dado da área, ele contém: nome do preo, data, DPU, quantidade de viita virtuai, número de familiare viitante etc., que dizem repeito a ee projeto. Também foi implantado, em 2011, um grande banco de dado chamado Sitema de Informaçõe e Adminitração Penitenciária (Siapen), que ainda etá em fae de deenvolvimento e incorporará toda a informaçõe contida no Relatório de Tratamento Penitenciário. Nea condiçõe, a CGTP ainda não conolidou o indicadore que pretende utilizar no proceo corrente de avaliação do Projeto, ma vem tetando variávei que medem o percentuai de evolução da participação do preo e do eu familiare, do número de viita realizada, etudando um meio de comparar ee deempenho com a diminuição do número de interno que não recebiam qualquer viita (50%). Quanto à videoconferência judiciai, já é poível comparar a grande diferença de cuto entre ela e a audiência preenciai, o crecimento ignificativo do número dela e a decompreão na diponibilidade de agente para executar tarefa eenciai na penitenciária. Com ea imulaçõe e a maturação do Siapen, erá poível imular indicadore mai efetivo. Reultado quantitativo e qualitativo concretamente menurado O quadro a eguir motra que, em apena doi ano de execução 1, o Projeto teve, na área da viita virtuai, uma evolução coniderável. A participação de 509 preo no período, para um total de viita, envolvendo familiare e amigo, é batante ignificativa. Memo coniderando que, em ó foram contabilizado ete mee de atuação, o número de preo participante creceu 163% em 2011 e, cao projetado um deempenho linear em cima da média obtida até junho, para 2012, o aumento ainda é muito bom (36%). Quadro 1: Viita Virtual Ano PFCAT PFCG PFMOS PFPV preo Nº de viita familiar e preo Nº de viita familiar e preo Nº de viita familiar e preo Nº de viita familiar e Subtotal Total de 509 preo Total de viita Total de familiar e

10 A média menal do número de preo participante evoluiu de 3,4 em 2010 para 5,1 em 2011 e 8,3 em 2012, ignificando, repectivamente, aumento de e 60%. Há de e coniderar que, apear de teoricamente erem iguai (edificaçõe e equipamento imilare, capacitaçõe homogênea para o ervidore que atuam no proceo, caracterítica gerai do interno), a penitenciária findam por apreentar reultado bem diferente, eja pelo deempenho do epecialita e agente, eja pelo valor dado ao tema, ou até pela diveridade do lugare. Na PFCAT, ea média menal ubiu de 1,6 em 2010 para 4,2 nete ano. Na PFCG, de 1,4 para 8,2; na PFMOS, de 2,6 para 7,4 e na PFPV, de 8,1 para 13,2, o que comprova a aertiva acima. Coniderando que houve uma ocupação média anual de 116 preo no itema priional no período e o projeto envolveu uma média de 127 interno participando da viita virtuai (contando com vário que aíram ou entraram no itema), eguramente, é poível afirmar que boa parte daquele montante de 50%, que não tinha aceo à viita preenciai, hoje etá endo atendida. Em termo do número de viita virtuai, a dinâmica foi emelhante. Na PFCAT a média menal evoluiu de 5,5 em 2010 para 14,6 em 2011, caindo para 12,4 ete ano. Na PFCG já foi diferente, ubiu muito e contantemente, paando de 4,5 para 20,6 em 2011 e 22,8 agora em Na PFMOS também houve um crecimento ignificativo, de 3,4 em 2010 foi para 17,4 no ano eguinte e 18,8 atualmente. Em Porto Velho, apear do ubtancial envolvimento do preo, a viita pularam de 12,3 em 2010 para 20,6 em ma caíram ete ano para 16,6. Quanto à videoconferência judiciai, devido à dificuldade de itematização de dado do ano anteriore, pelo recente proceo de implantação do Siapen, erão demontrada informaçõe relativa ao primeiro emetre dete ano, ma que comprovam a diferença de cuto dela frente à audiência preenciai e de envolvimento de ervidore. Quadro 2: Videoconferência judicial 2012 (de 01 de janeiro a 30 de junho) Centro de Preo Servidore cuto Total geral Quantidade Quantidade Paagen (R$) Diária (R$) Depen , , ,20 PFCAT ,30 614, ,95 PFCG , , ,24 PFMOS 1 0 0,00 0,00 0,00 PFPV ,52 496, ,57 Total , , ,96 Em um total de 80 videoconferência, foram alocado 25 ervidore a um cuto de R$ ,96. Em 85 audiência, número próximo do anterior, trabalharam 273 agente penitenciário em ecolta de alto rico, a um cuto de R$ ,75. Ou eja, além de ocupar quae 11 veze mai ervidore do itema, também teve um cuto quae 11 veze maior.

11 Quadro 3: Audiência judicial 2012 (de 01 de janeiro a 30 de junho) Centro de Preo Servidore cuto Quantidade Paagen Quantidade Paagen Diária (R$) Total geral (R$) (R$) Depen , , , ,63 PFCAT , , , ,93 PFCG , , , ,09 PFMOS , , ,68 PFPV , , , ,42 Total , , , ,75 Por tudo aquilo relatado em tópico anterior, evidencia-e o fato de uma videoconferência judicial repreentar uma economia de R$ ,79 ao cofre da União, em um emetre. Ou ainda, cutar 9,2% do valore dependido na audiência judiciai. Com o fortalecimento dee projeto e o maior conhecimento dele pelo juíze de execução penal no etado, é poível reduzir ainda mai o número dea audiência. Obtáculo encontrado e oluçõe adotada A grande dificuldade encontrada foi a deconfiança do preo que, a princípio, viram com receio o projeto. Ea barreira ao pouco vem endo quebrada, por e tratar de uma prática recente, ma o aitente ociai que atuam na penitenciária federai o orientam. Sem contar que, apear de a cartilha ainda não etar publicada, ela etá diponível no ite do Minitério da Jutiça. Houve, também, uma grande reitência do agente penitenciário federai. Para minimizar ea ituação, foi realizada uma capacitação na quatro penitenciária federai, onde participaram ervidore de toda a área, que puderam eclarecer toda a ua dúvida em relação ao projeto e entender o eu funcionamento. Finalmente, uma dificuldade de caráter operacional que urgiu foi a falta de capacidade de link de alguma unidade da DPU, que dificulta um pouco a tranmião de dado on-line. Nee entido, a Defenoria já etá providenciando a contratação de uma banda maior de tranmião de dado. Fatore crítico de uceo A propoição de um juiz federal comprometido com o itema e antenado com a poibilidade de comunicação com equipamento moderno. A exitência de um colegiado, envolvendo todo o atore do Sitema Penitenciário Federal. A firme decião política da direção do Depen e da DPU e a dedicação do ervidore participante. Por que a iniciativa pode er coniderada uma inovação em getão?

12 A experiência corriqueira no etor público federal, muita veze, e concentra na criação de órgão, entidade e itema, invetindo na etrutura fíica neceária, depreocupando-e com a etratégia de manutenção dea intituiçõe. Dee modo, definem a atribuiçõe legai para o exercício da ua competência e equecem da realidade em que paam a atuar, não propiciando o elemento adequado para o eu melhor deempenho, detacandoe, normalmente, a lotação apropriada de peoal e a ferramenta báica para a execução de toda a funçõe a ele acometida. Ee não foi o cao do Sitema Penitenciário Federal, ma, na prática, urgiram dificuldade operacionai que preciavam er enfrentada para manter a ua integridade e o cumprimento do objetivo traçado. A uperação do referido obtáculo, inicialmente não previto, requereu uma boa doe de imaginação e uma firme determinação política para que o direito do preo foem garantido e a organização interna pudee funcionar a contento com o recuro diponívei. O projeto Viita virtuai e videoconferência judiciai teve ea capacidade, poi, por intermédio da utilização de um tipo de equipamento de comunicação há muito tempo diponível no mercado, coneguiu propiciar ao preo totalmente olitário a manutenção de uma relação imprecindível à ua obrevivência. E, com io, introduziu no itema um intrumento organizacional que, também, otimizou a diponibilização do agente penitenciário e epecialita para o exercício da ua funçõe interna, reduzindo o cuto exagerado da ecolta para a audiência pública. Além dio, o equipamento têm ido utilizado, cotidianamente, para melhorar a rede de comunicação do itema, principalmente como meio de dicuão coletiva de tema atinente ao eu aprimoramento operacional e de intrumento para a realização de capacitaçõe. Com o tempo, ainda erá poível aproveitar ea experiência para a introdução de novo projeto que aegurem a integralidade da oferta de aitência ao preidiário. Ea prática facilitou a execução de muito procedimento legalmente obrigatório, trazendo ganho coniderávei para o interno e eu familiare, para a organização do itema e para o Teouro Nacional. Reponável Marcu Viniciu da Cota Villarim Coordenador-Geral de Tratamento Penitenciário Endereço Eplanada do Minitério, Bloco T, Anexo II, ala 603 Braília DF CEP: Data do início da implementação da iniciativa Maio de 2010

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento.

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento. Liderança para criar e gerir conhecimento Lider ança para criar e gerir conhecimento }A liderança é um fator eencial para e alcançar o uceo também na getão do conhecimento.~ 48 R e v i t a d a ES P M janeiro

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos gerais para gerir a Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM).

Estabelecer critérios e procedimentos gerais para gerir a Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM). Propoto por: Equipe da Secretaria do Conelho da Magitratura (SECCM) Analiado por: Repreentante da Adminitração Superior (RAS/SECCM) Aprovado por: Secretária da Secretaria do Conelho da Magitratura (SECCM)

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações Mercado de Capitai Avaliação de Açõe Luiz Brandão O título negociado no mercado podem de renda fixa ou de renda variável. Título de Renda Fixa: Conhece-e de antemão qual a remuneração a er recebida. odem

Leia mais

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80 ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE PROJETO : CUIDANDO EDUCANDO E CONSTRUINDO CIDADÃOS DO FUTURO. LINHA PROGRAMÁTICA DO PROJETO Creche, Educação Infantil, Socialização,Garantia de

Leia mais

Padronizar os procedimentos relativos ao suporte de áudio e vídeo na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ.

Padronizar os procedimentos relativos ao suporte de áudio e vídeo na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ. Propoto por: Diretor do Departamento de Tecnologia de Informação e Comunicação (DETEC) Analiado por: Aeora da Aeoria de Getão Etratégica (ASGET) Aprovado por: Secretária-Geral de Enino (SECGE) 1 OBJETIVO

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Voto e Contribuição Reponável pelo PM: Acompanhamento do Mercado CONTROLE DE ALTERAÇÕES Verão Data Decrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM AM.04 - Cálculo

Leia mais

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s Incluão Social do Joven no Aentamento Rurai de Areia com ênfae no trabalho da Tutoria e recuro da nova TIC MIRANDA 1, Márcia C.V.; SILVA 2, Fátima do S.; FÉLIX 3, Jânio 1 Profeora orientadora e coordenadora

Leia mais

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES P A N Ó P T I C A O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES Daniel Pitzer Zippinotti Univeridade Federal do Epírito Santo - UFES 1. INTRODUÇÃO O preente trabalho procura apreentar

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS Laureate Network Product & Service Copyright 2013 Laureate Education, Inc. ÍNDICE C A T Á L O G O L N P S ÍCONE Nome do Curo Língua Duração Deenvolvimento do Corpo Acadêmico

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física

Imposto de Renda Pessoa Física Impoto de Renda Peoa Fíica 2006 Manual de Preenchimento Declaração de Ajute Anual Modelo Completo - Ano-calendário de 2005 Receita Federal Minitério da Fazenda GOVERNO FEDERAL Índice PÁG. ENTREGA DA DECLARAÇÃO

Leia mais

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro Rentabilidade da Intituiçõe Financeira no Brail: Mito ou Realidade? Autore JOSÉ ALVES DANTAS Centro Univeritário Unieuro PAULO ROBERTO BARBOSA LUSTOSA PMIRPGCC - UNB/UFPB/UFPE/UFRN Reumo A dicuão obre

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO COP Comunication on Progre São Paulo, 28 de fevereiro de 2011 A Ferol Indútria e Comércio SA declara eu apoio contínuo ao Pacto Global. A Ferol acredita na diveridade e na pluralidade como ferramenta de

Leia mais

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014:

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014: Pecando direito Boletim Jurídico do CPP/ Abril de 2015. 1ª edição. Medida Proviória nº 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre a MP' 664 e 665 de 2014: Em 30 dezembro de 2014 foram promulgada a Medida

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA 329 A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA BRAZILIAN EDUCATION IN LAST DECADES: BARRIERS AND GOALS INSIDE AND OUTSIDE SCHOOL 1 t r a v e i a e d. 1 0 i n

Leia mais

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 EDITAL CONVITE Nº 009/2011-CPL/GPDP Proceo Adminitrativo nº 0221/2011 -CPL/GDPG A, atravé da Comião Permanente de Licitação, intituída pela Portaria nº 383/2011-GDPG, datada de 08/07/2011, da Exma. Sra.

Leia mais

Projeto Crescer I e II

Projeto Crescer I e II Projeto Crecer I e II Motra Local de: Araponga Categoria do projeto: I Projeto em Andamento (projeto em execução atualmente) Nome da Intituição/Emprea: Paulo Hermínio Pennacchi, preidente da Caa do Bom

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O M É T O D O S Q U A N T I T A T I V O S E I N F O R M Á T I C A PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO Leila Lage Hume lhume@up.br

Leia mais

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate ! I Deafio Petzl Para Bombeiro Regulamento Campeonato Internacional de Técnica Verticai e Regate A Spelaion, ditribuidor excluivo Petzl no Brail e o Corpo de Bombeiro de Goiá, etá organizando o Primeiro

Leia mais

ESTUDO DE GEOMARKETING

ESTUDO DE GEOMARKETING ESTUDO DE GEOMARKETING Aplicabilidade no egmento de Franquia O etudo de Geomarketing permite avaliar o ponto de venda exitente da rede em etudo e poibilita apontar nova oportunidade de negócio em comprometer

Leia mais

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

Digifort Standard Solução intermediária para instalação de até 32 câmeras

Digifort Standard Solução intermediária para instalação de até 32 câmeras Digifort Standard Solução intermediária para intalação de até 32 câmera A verão Standard fornece o recuro ideai para o monitoramento local e remoto de até 32 câmera por ervidor e por er a verão intermediária

Leia mais

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória.

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória. Reolução do Problema de Carregamento e Decarregamento 3D de Contêinere em Terminai Portuário para Múltiplo Cenário via Repreentação por Regra e Algoritmo Genético Aníbal Tavare de Azevedo (UNICAMP) anibal.azevedo@fca.unicamp.br

Leia mais

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO Curo de Análie Matricial de Etrutura 1 I - INTRODUÇÃO I.1 - Introdução O proceo de um projeto etrutural envolve a determinação de força interna e de ligaçõe e de delocamento de uma etrutura. Eta fae do

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1.

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1. 3 Fuga de cérebro e invetimento em capital humano na economia de origem uma invetigação empírica do brain effect 3.1. Introdução Uma da vertente da literatura econômica que etuda imigração eteve empre

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA LIMA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA LIMA EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL: n 070/204 PROCESSO ADMINISTRATIVO: n 278/204 IMPORTANTE: AO RETIRAR ESTE EDITAL, FAVOR PREENCHER O RECIBO DE RETIRADA DE EDITAL E ENVIÁ-LO PARA O E-MAIL INFORMADO NO PROPRIO

Leia mais

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 27 A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 1 RESUMO: A tecnologia da informação e comunicação - TIC ampliam o epaço para comunicação e interação na

Leia mais

Artigos. Comunicação organizacional e relações públicas: caminhos que se cruzam, entrecruzam ou sobrepõem?

Artigos. Comunicação organizacional e relações públicas: caminhos que se cruzam, entrecruzam ou sobrepõem? E t u d o17 Artigo Comunicação organizacional e relaçõe pública: caminho que e cruzam, entrecruzam ou obrepõem? IVONE DE LOUDES OLIVEIRA Metre em Ciência da Comunicação pela ECA-USP e doutora em Comunicação

Leia mais

Projeto Sinergia Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento Nacional

Projeto Sinergia Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento Nacional Projeto Sinergia Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento Nacional Av. Ayrton Senna, 5.555 Barra da Tijuca CEP 22775-004 Rio de Janeiro RJ Brail Tel.: (21) 2136-5672 Fax: (21) 2136-5532/5689

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública PROBLEMA DE CORTE UNIDIMENSIONAL COM SOBRAS APROVEITÁVEIS: RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTICO Adriana Cherri Departamento de Matemática, Faculdade de Ciência, UNESP, Bauru adriana@fc.unep.br Karen Rocha

Leia mais

Qualidade da gestão de medicamentos em hospitais públicos*

Qualidade da gestão de medicamentos em hospitais públicos* Qualidade da getão de medicamento em hopitai público* André Gutavo Gadelha Mavignier de Noronha** Djalma Freire Borge*** S UMÁRIO: 1. Introdução; 2. Metodologia; 3. Reultado; 4. Concluão. S UMMARY: 1.

Leia mais

a medicina de família e comunidade, a atenção primária à saúde e o ensino de graduação Recomendações & Potencialidades

a medicina de família e comunidade, a atenção primária à saúde e o ensino de graduação Recomendações & Potencialidades a medicina de família e comunidade, a atenção primária à aúde e o enino de graduação Recomendaçõe & Potencialidade organizadore e autore Maria Inez Padula Anderon 1, Marcelo Demarzo 2, Ricardo Donato Rodrigue

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Reolução n 12/ 2013 Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curo de Graduação em Pedagogia

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE Autoria: Marco Antonio de Souza, Aldo Céar da Silva Ortiz, Lauro Brito

Leia mais

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque Motore de indução Arranque São motore robuto e barato (fabricado em maa), embora tendo o inconveniente de não erem regulávei. Conequentemente, uma vez definido um binário e uma corrente, ete apena dependem

Leia mais

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Reumo Luca Franco de Ai¹ Marcelo Semenato² ¹Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia/Campu Jataí/Engenharia Elétrica/PIBIT-CNPQ lucafranco_jty@hotmail.com

Leia mais

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1 Uo do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expreão de Subjetividade e de Identificação 1 Élida Fabiani Morai de CRISTO; Haroldo França REBOUÇAS Neto; Jacklene de Souza CARRÉRA; Keila Marina

Leia mais

operação. Determine qual o percentual de vezes que o servidor adicional será acionado.

operação. Determine qual o percentual de vezes que o servidor adicional será acionado. P r i m e i r o e m e t r e d e 2 4 Revião da Poion e da Exponencial. Suponha ue o aceo a um ervidor de web iga uma Poion com taxa de uatro aceo por minuto. (i) Encontre a probabilidade de ue ocorram aceo

Leia mais

ÍNDICE. 03 Desenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate. 10 Laureate Languages. 14 Produtos da Marca Laureate. 18 Melhores Práticas Laureate

ÍNDICE. 03 Desenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate. 10 Laureate Languages. 14 Produtos da Marca Laureate. 18 Melhores Práticas Laureate ÍNDICE 03 Deenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate 10 Laureate Language 14 Produto da Marca Laureate 18 Melhore Prática Laureate MY.LAUREATE.NET 3 Promovendo a Excelência de Enino Como Melhorar o Enino

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL N.º 001/2007

CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL N.º 001/2007 CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL N.º 001/2007 A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE INHAMBUPE, Etado da Bahia, no uo de ua atribuiçõe legai, mediante a condiçõe etipulada nete Edital, repaldada no art. 37, II da

Leia mais

Digifort Professional A solução ideal para empresas que necessitam o gerenciamento de até 64 câmeras

Digifort Professional A solução ideal para empresas que necessitam o gerenciamento de até 64 câmeras Digifort Profeional A olução ideal para emprea que neceitam o gerenciamento de até 64 câmera A verão Profeional fornece o melhore recuro para o monitoramento local e remoto de até 64 câmera por ervidor,

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC Programa de Formação Técnica Continuada Categoria de Emprego para Motore CA / CC Índice.Introdução.... Chave manuai etrela triângulo.... O motore.... Motore de indução tipo gaiola.... Motore de indução

Leia mais

O CORPO HUMANO E A FÍSICA

O CORPO HUMANO E A FÍSICA 1 a fae Prova para aluno do 9º e 1º ano LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Eta prova detina-e excluivamente a aluno do 9 o ano do enino fundamental e 1º ano do enino médio. Ela contém trinta quetõe.

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais

Intruçõe Breve Verão 1 0 junho 2005 INSTRUÇÕES APENAS PARA PESSOAL QUALIFICADO APERTO DO CONJUNTO DE SUPORTES AVISO: O funcionamento da ua coluna como componente de um itema upeno pode potencialmente expor

Leia mais

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica;

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica; Rede de Computadore Rede Locai Shielded Twited Pair (STP); Unhielded Twited Pair (UTP); Patch Panel; Cabo Coaxial; Fibra Óptica; 2 2010 Airton Junior. All right reerved. Rede de Computadore É um conjunto

Leia mais

Reducao da. Maioridade Penal: o que voce precisa. essa ideia nao e boa. saber para entender que

Reducao da. Maioridade Penal: o que voce precisa. essa ideia nao e boa. saber para entender que Reducao da Maioridade Penal: o que voce precia aber para entender que ea ideia nao e boa. Expediente Eta cartilha foi originalmente produzida e publicada pela equipe do Centro de Defea da Criança e do

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA Etudo comparativo entre o procedimento de amotragem... 67 ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA EM INVENTÁRIOS DE ARBORIZAÇÃO URBANA Comparative

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

Plano de Atividades Residência Autónoma Plano de Atividades Residência Autónoma

Plano de Atividades Residência Autónoma Plano de Atividades Residência Autónoma Pl de Atividade Pl de Atividade Mod46/V01.Org (09.02.2015) Página 1 de 12 Mod46/V01.Org (09.02.2015) Página 1 de 12 2015 Elaborado: Nuno Moura Data: 10-02-2015 Aprovado: Direção Data:23-04-2015 Pl de Atividade

Leia mais

Taxa de Juros e Default em Mercados de Empréstimos Colateralizados

Taxa de Juros e Default em Mercados de Empréstimos Colateralizados Etudo Econômico 41(4) outubro/dezembro de 2011 Taxa de Juro e Default em Mercado de Emprétimo Colateralizado Sergio Ricardo Fautino Batita - Joé Angelo Divino - Jaime Orrillo Submetido: 26 de março de

Leia mais

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1 Artigo 65 Afetação de recuro, produtividade e crecimento em Portugal 1 Daniel A. Dia 2 Carlo Robalo Marque 3 Chritine Richmond 4 Reumo No período 1996 a 2011 ocorreu uma acentuada deterioração na afetação

Leia mais

Competências/ Objetivos Especifica(o)s

Competências/ Objetivos Especifica(o)s Tema B- Terra em Tranformação Nº previta Materiai Contituição do mundo material Relacionar apecto do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme a variedade de materiai que no rodeiam. Identificar

Leia mais

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Rede MPLS, com Dua Clae de Serviço Rita Girão Silva a,c (Tee de Doutoramento realizada ob upervião de Profeor Doutor Joé Craveirinha a,c e Profeor

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA PREGOEIRO E EQUIPE DE APOIO EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE PREGÃO PRESENCIAL Nº 006/2015

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA PREGOEIRO E EQUIPE DE APOIO EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE PREGÃO PRESENCIAL Nº 006/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO: 360.413-6 PODER JUDICIÁRIO EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE PREGÃO PRESENCIAL Nº 006/2015 (Regitro de Preço para contratação de emprea epecializada, objetivando contrataçõe, eventuai

Leia mais

Dispõe sobre a Gestão Documental no âmbito da 18ª Região da Justiça do Trabalho.

Dispõe sobre a Gestão Documental no âmbito da 18ª Região da Justiça do Trabalho. FL PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 32/2014 Dipõe obre a Getão Documental no âmbito da 18ª Região da Jutiça

Leia mais

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL Copright 004, Intituto Braileiro de Petróleo e Gá - IBP Ete Trabalho Técnico Científico foi preparado para apreentação no 3 Congreo Braileiro de P&D em Petróleo e Gá, a er realizado no período de a 5 de

Leia mais

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ETUDANTE ERAMU OUT Dede já, agradecemo a ua participação neta nova etapa do Projecto de Tutoria a Etudante ERAMU verão OUT. Com ete inquérito, pretendemo dar a conhecer

Leia mais

Digifort Enterprise A mais completa solução Digifort para monitoramento de câmeras e alarmes.

Digifort Enterprise A mais completa solução Digifort para monitoramento de câmeras e alarmes. Digifort Enterprie A mai completa olução Digifort para monitoramento de câmera e alarme. A verão Enterprie é o pacote que compreende todo o recuro diponívei para o Sitema Digifort, oferecendo total gerenciamento

Leia mais

Observação: CURSOS MICROSOFT

Observação: CURSOS MICROSOFT Obervação: O material utilizado nete curo é de propriedade e ditribuição da emprea Microoft, podendo er utilizado por qualquer peoa no formato de ditribuição WEB e leitura em PDF conforme decrito na lei

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA Anai do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pó-Graduação do ITA XII ENCITA / 26 Intituto Tecnológico de Aeronáutica São Joé do Campo SP Brail Outubro 16 a 19 26 IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS

Leia mais

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot AULA 0 POTÊNCIA MECÂNICA 1- POTÊNCIA Uma força pode realizar um memo trabalho em intervalo de tempo diferente. Quando colocamo um corpo de maa m obre uma mea de altura H num local onde a aceleração da

Leia mais

O boi é quem manda. Acostume seus ouvidos o termo. Pastagens

O boi é quem manda. Acostume seus ouvidos o termo. Pastagens O boi é quem manda Patejo rotatínuo não abre mão da rotação de piquete, ma repeita comportamento natural do animai, que conomem apena porção mai nobre do pato. Maritela Franco maritela@revitadbo.com.br

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS BIÓTICOS E ABIÓTICOS DA RESTAURAÇÃO DA MATA CILIAR DE NASCENTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO

ANÁLISE DOS RESULTADOS BIÓTICOS E ABIÓTICOS DA RESTAURAÇÃO DA MATA CILIAR DE NASCENTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 164 ANÁLISE DOS RESULTADOS BIÓTICOS E ABIÓTICOS DA RESTAURAÇÃO DA MATA CILIAR DE NASCENTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO Carla Tiemi Fukumoto; Renata Ribeiro de Araújo. Engenharia Ambiental. Departamento

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

www.inglesdojerry.com.br

www.inglesdojerry.com.br www.ingledojerry.com.br AGRADECIMENTOS Meu mai incero agradecimento, A Deu, que em ua incomenurável e infinita abedoria tem me dado aúde e força para atravé dete trabalho levar o enino do idioma a peoa

Leia mais

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo Sitema Electrónico de Condicionamento e Proceamento, em Tempo Real, da Tenõe e Corrente do Motor de Indução Trifáico Alimentado por Converore de Frequência Vicente Leite (1), Henrique Teieira (1), Rui

Leia mais

As PMEs que Mais Crescem no Brasil Um estudo sobre os desafios do ambiente de negócios no caminho das empresas emergentes

As PMEs que Mais Crescem no Brasil Um estudo sobre os desafios do ambiente de negócios no caminho das empresas emergentes A PME que Mai Crecem no Brail Um etudo obre o deafio do ambiente de negócio no caminho da emprea emergente 2012 A c r e c P M E e m q u e n o B m a i a r l i O Cuto Brail da emergente Uma hitória de obtáculo

Leia mais

EDITAL N o 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO MESTRADO ACADÊMICO EM ENGENHARIA DE PESCA TURMA 2015

EDITAL N o 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO MESTRADO ACADÊMICO EM ENGENHARIA DE PESCA TURMA 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CERÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PESCA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PESCA EDITAL N o 01/2014 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO MESTRADO ACADÊMICO

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA

TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA TRATAMENTO DE SEMENTES COM CLORETO DE MEPIQUAT PARA REDUÇÃO DO CRESCIMENTO DA MAMONEIRA Diego de M. Rodrigue 1,2, Maria Iaura P. de Oliveira 1,2, Maria Aline de O. Freire 1,3, Lígia R. Sampaio 1,2, Walker

Leia mais

PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS

PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS COM ÊNFASE NA GARANTIA

Leia mais

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO Thale Cainã do Santo Barbalho 1 ; Álvaro Daniel Tele Pinheiro 2 ; Izabelly Laria Luna

Leia mais

Gestão de Recursos em Redes com Suporte de Qualidade de Serviço

Gestão de Recursos em Redes com Suporte de Qualidade de Serviço Univeridade de Aveiro Departamento de Electrónica e Telecomunicaçõe, 2003 Suana Iabel Barreto de Miranda Sargento Getão de Recuro em Rede com Suporte de Qualidade de Serviço Tee apreentada à Univeri dade

Leia mais

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FORÇA CORTANTE

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FORÇA CORTANTE P U C R S PONTIFÍCI UNIERSIDDE CTÓLIC DO RIO GRNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHRI CURSO DE ENGENHRI CIIL CONCRETO RMDO II FORÇ CORTNTE Pro. lmir Schäer PORTO LEGRE MRÇO DE 006 1 FORÇ CORTNTE 1- Notaçõe principai

Leia mais

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul)

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul) Nota de Aula - Mecânica do Solo 23 UNIDADE 3 GRANULOMETRIA DOS SOLOS 3.1 Introdução Todo o olo, em ua fae ólida, contêm partícula de diferente tamanho em proporçõe a mai variada. A determinação do tamanho

Leia mais

Introdução ao Windows Server 2003

Introdução ao Windows Server 2003 Profeor.: Airton Junior (airtonjjunior@gmail.com) Diciplina: Rede II Conteúdo.: Window 2003 Server, Intalação e configuração, IIS, FTP, DNS, DHCP, Active Diretory, TCP/IP. Avaliaçõe.: 2 dua Prova com peo

Leia mais

BA.02: Vírus e Reino Monera BIOLOGIA

BA.02: Vírus e Reino Monera BIOLOGIA BA.02: Víru e Reino Monera ATIVIDADES 1. (CEFET) O víru podem er incluído na categoria do ere vivo por: a) erem contituído por proteína. b) reproduzirem-e por ciiparidade. c) crecerem por jutapoição de

Leia mais

P R O J E T O. Arte. Pneus

P R O J E T O. Arte. Pneus P R O J E T O Arte em C NSCIÊNCIA Promovendo a concientização ecológica utilizando como ferramenta a arte e o ecodeign, criando produto e artefato a partir de reíduo ólido de póconumo (pneu uado) como

Leia mais

Implementando modelos DEA no R

Implementando modelos DEA no R Implementando modelo DEA no R Joé Francico Moreira Peanha profeorfmp@hotmail.com UERJ Alexandre Marinho alexandre.marinho@ipea.gov.br UERJ Luiz da Cota Laurencel llaurenc.ntg@terra.com.br UERJ Marcelo

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL Leandro Michel * Robinon F. de Camargo * michel@ieee.org robinonfc@bol.com.br Fernando Botterón *

Leia mais

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.14, p.71-81, Outubro, 2009 Método implificado para cálculo de laje maciça apoiada em viga fleívei: validação por meio da análie não linear Simplified method for

Leia mais

A CAPACIDADE DE SUBITIZING EM CRIANÇAS DE 4 ANOS

A CAPACIDADE DE SUBITIZING EM CRIANÇAS DE 4 ANOS A CAPACIDADE DE SUBIIZING EM CRIANÇAS DE 4 ANOS Maria João Ramalho Cordeiro Diertação apreentada à ecola Superior de Educação de Liboa para obtenção de grau de metre em Educação Matemática na Educação

Leia mais

Análise da viabilidade econômica de um sistema silvipastoril com eucalipto para a Zona da Mata de Minas Gerais 1

Análise da viabilidade econômica de um sistema silvipastoril com eucalipto para a Zona da Mata de Minas Gerais 1 Análie da viabilidade econômica de um itema ilvipatoril... 107 Análie da viabilidade econômica de um itema ilvipatoril com eucalipto para a Zona da Mata de Mina Gerai 1 Economic viability analyi of a ilvopatoral

Leia mais

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA KLEYNA MOORE ALMEIDA

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA KLEYNA MOORE ALMEIDA MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA (Real Academia de Artilharia, Fortificação e Deenho 1792) Kleyna Moore Almeida GARANTIA DA QUALIDADE

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

GABARITO NÍVEL III. Questão 1) As Leis de Kepler.

GABARITO NÍVEL III. Questão 1) As Leis de Kepler. SOCIEDADE ASTONÔMICA BASILEIA SAB IV Olimpíada Braileira de Atronomia IV OBA - 001 Gabarito da Prova de nível III (para aluno do enino médio) GABAITO NÍVEL III Quetão 1) A Lei de Kepler. Johanne Kepler,

Leia mais

CREATING TOMORROW S SOLUTIONS

CREATING TOMORROW S SOLUTIONS CREATING TOMORROW S SOLUTIONS Contrução civil I Ligante Polimérico I América do Sul Vião Geral do Polímero em Pó VINNAPAS Como você quer otimizar ua argamaa? A argamaa percorreram um longo caminho dede

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

Mudança de paradigma. d a. M. Dueñas. maio / junho de

Mudança de paradigma. d a. M. Dueñas. maio / junho de Mudança de paradigma M. Dueña u M dança de 50 R e v i t a d a ES P M maio / junho de 2009 João Boaventura Branco de Mato ParadigMa, crie e oportunidade em trê onda e}o trê ciclo apreentado imbolizam período

Leia mais

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M.

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROMECÂNICA CONTROLO DE SISTEMAS APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox Pedro Dini Gapar António Epírito Santo J. A. M. Felippe de Souza

Leia mais