PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br"

Transcrição

1 V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O M É T O D O S Q U A N T I T A T I V O S E I N F O R M Á T I C A PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO Leila Lage Hume Metranda FEA/USP e Aeora da Comião Central de Informática USP Comião Central de Informática da USP Av. Prof. Luciano Gualberto, n.71 travea 3 CEP São Paulo Capital Telefone: / RESUMO O penamento itêmico introduz uma metodologia baeada na modelagem de itema atravé de diagrama de caua e efeito e levam a peoa a uma maneira mai efetiva de penar, de interpretar o mundo, entender a natureza do itema em que trabalham e vivem e dea forma, eliminar ambigüidade e viõe ditorcida preente em modelo mentai. O uo da Internet tem poibilitado nova forma de aprendizado, viabilizando a criação de equipe de colaboração virtuai, geograficamente dipera e de grande valia para a difuão de conhecimento. Da mema forma que ete meio de comunicação facilitam o trabalho colaborativo, a ua utilização exceiva, pode provocar o efeito opoto, ou eja, fazer com que a peoa deitam de utilizá-lo para a reolução de problema e compartilhamento de conhecimento. Será apreentado um etudo que analiará a utilização do meio de uporte diponívei na Internet para a reolução de problema técnico concernente a Software Livre e a ua utilização por profiionai de informática da USP, tendo como referencial teórico o penamento itêmico. Foi poível comprovar que ferramenta criada para apoio acabam endo abandonada pelo profiionai mai experiente devido ua má utilização. 1

2 PALAVRAS-CHAVE: Penamento Sitêmico, Software Livre, Lita de Dicuão PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO 1 - INTRODUÇÃO Por mai de um éculo, aumiu-e que a forma de penar devia er baeada em divião e análie. Ee enfoque, dividir e conquitar parecia adequado para equacionar todo o problema. Com ee tipo de penamento, foi poível otimizar a produção de ben e erviço e etabelecer uma nova ordem econômica e ocial, a qual foi capaz de produzir riqueza e um alto padrão de vida no mundo indutrializado (Maani et al. 2001). Atualmente, ea maneira de penar etá deatualizada. O inai de divião e ruptura etão aumentando diariamente, exigindo novo enfoque para problema crônico e complexo. No campo de gerência, ea maneira de penar reultou em fragmentação de funçõe e adicionou complexidade e múltiplo propóito dentro de organizaçõe. A interligação e interdependência de organizaçõe, emprea, indútria e naçõe é evidente e inevitável. Ete eno de globalização reultou em um grande número de fuõe, aliança e parceria nee último ano. No mundo do negócio e comércio, a rápida emergência de modelo interfronteira e integrado de gerencia como o TQM ( Qualidade Total ), BPR ( Buine Proce Reengeneering ), ERP ( Enterprie Reource Planning ) e comércio eletrônico ão manifetaçõe dea interdependência crecente (Maani et al. 2001). O penamento itêmico oferece uma nova maneira de penar baeada na primazia do todo e de relacionamento. Ele lida com complexidade oculta, ambigüidade e modelo mentai. Provê ferramenta e técnica para egmentar complexidade e criar intervençõe duradoura para problema crônico. 2 PROBLEMA DE PESQUISA E OBJETIVO Será apreentado um etudo realizado para avaliar a importância e a utilização de meio de uporte diponívei na Internet para a reolução de problema concernente a Software Livre e levantar problema encontrado pelo participante para a utilização dete recuro. O problema de pequia erá avaliado levando-e em conta o referencial teórico ditado pelo penamento itêmico. 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2

3 3.1 O Penamento Sitêmico Conceituação Penamento itêmico é uma linguagem que permite decrever o interrelacionamento entre o elemento de um itema. Cada elemento fornece influência e informação a outro, cauando o crecimento, declínio ou etabilidade do itema total. À medida que a abordagem itêmica e torna natural para a peoa, ela começará a penar de uma forma não convencional e coneqüentemente compreendendo e agindo de modo inovador, eficaz e criativo. Cao e conidere uma emprea como um itema, o penamento itêmico permitirá vê-la como um conjunto de força inter-relacionada e erão enxergada quai açõe devem er tomada e aonde. Para a contrução do penamento itêmico, a peoa devem e munir de toda a informaçõe diponívei para coneguir conceber uma decrição completa do itema, ua fraqueza, vulnerabilidade e ponto de falha. Define-e itema como endo contituído por um conjunto de parte que interagem uma com a outra para funcionarem como um todo. Entretanto, um itema é mai que a oma de ua parte, ele é o produto de ua interaçõe (Ackoff, 1993). Um itema incorpora ua parte e pode ele memo er parte integrante de um itema maior. Como exemplo, temo o itema biológico, itema olar, etc. O Penamento Sitêmico é uma diciplina emergente para entender a complexidade e mudança do itema. Ele engloba trê fundamento (Richmond, 1997) : i) Penamento Dinâmico reconhecer que o mundo não é etático ii) Penamento Operacional entender a parte fíica da operaçõe e como ela realmente funcionam iii) Penamento Caua-Alimentação ( cloed-loop ) reconhecer que caua e efeito não ão lineare e que freqüentemente o fim (efeito) pode influenciar o meio (caua). Além dee fundamento, o penamento itêmico deve ter uma linguagem para entender a complexidade e a dinâmica de tomada de decião, com a eguinte caracterítica (Maani et al. 2001): Ser viual e diagramática Ter um conjunto de regra precia Traduzir percepçõe em figura explícita Enfatizar interdependência O penamento itêmico deve utilizar uma metodologia contituída de um conjunto de técnica de modelagem para entender a etrutura de um itema, a interconexão entre eu componente e como mudança em qualquer área afetarão todo o itema e a parte que o contituem ao longo do tempo. Ete modelo podem er uado para previõe de comportamento e aprendizado Princípio Báico O Princípio que norteiam o Penamento Sitêmico ão: 3

4 Independentemente da ituação ou do problema analiado, o itema pode etar relacionado a um itema maior; Soluçõe de curto prazo podem impedir oluçõe de longo prazo. Não e podem ignorar medida de curto prazo em emergência. Entretanto, e a atitude de gerenciamento de crie e intervençõe peritem e e incorporam à rotina de operação, eu efeito colaterai podem por em rico a vida da organização em longo prazo. Exite um problema maior do que aquele que enxergamo. Sempre ocorre um conjunto de fatore que influenciam o comportamento e o deempenho de organizaçõe. Entre ele inclui-e moral, degate, comprometimento, lealdade, confiança, cuidado com cliente e capacidade de aprendizado, que podem er vito como medida de aúde interna e vitalidade de uma organização. Ete fatore podem determinar o pulo da organização bem ante que indicadore de performance o façam. Nó contribuímo para noo próprio problema, não omente por caua da coneqüência não intencionai de noa deciõe e açõe, ma também por caua de noo modelo mentai. Entretanto, muita organizaçõe e indivíduo vêem a i memo como vítima ao invé de caua para eu próprio problema (Forreter, 1994). A caua e efeito freqüentemente não etão próxima em termo de tempo e epaço. Adiamento e açõe de efeito em cadeia freqüentemente macaram a conexão entre caua e efeito. Por extenão, muito problema atuai ão relacionado entre i e ão coneqüência de oluçõe paada (Forreter, 1994). Um problema não pode er reolvido em um entendimento do itema que o gerou. Exite freqüentemente mai de uma caua para um dado problema ou ituação e não uma imple caua como normalmente é aumido pela gerência Modelo Sitêmico O deenvolvimento de um modelo baeado no penamento itêmico envolve cinco fae principai: Etruturação do problema Modelagem do loop caual Modelagem dinâmica Planejamento do cenário e modelagem Implementação e aprendizado organizacional a) Etruturação do problema Conite em identificar a área aonde ocorre o problema ou que tem trazido preocupaçõe à gerência. Ee pao requer que e etabeleçam claramente o objetivo, 4

5 levando em conta toda a peoa envolvida e perpectiva, coleta preliminar e informaçõe e dado, incluindo regitro etatítico e hitórico, informaçõe divulgada na mídia, etudo prévio e política adotada. b) Definição de loop caual Um loop caual é uma ferramenta conceitual que revela um proceo dinâmico no qual efeito em cadeia e caua inter-relacionada ão conectada por um diagrama de eta. O início de um loop é um elemento do itema, ou eja, uma ituação ou uma variável. A partir dee elemento, deenham-e eta (link) que repreentam influência obre outro elemento. Como cada elemento influencia e é influenciado por outro, o link acabam formando um ciclo de caualidade realimentado, em que um elemento é imultaneamente caua e efeito. Em geral, exitem doi tipo de loop caual. O loop de Reforço (R) ou de realimentação poitivo, e o loop de Balanceamento (B) ou de realimentação negativa (também conhecido por loop auto-reguladore). Podemo citar como exemplo de proceo de realimentação, itema biológico como: repiração, preão anguínea, temperatura corporal, etc. Loop de reforço ão itema de realimentação poitiva. Ele podem repreentar açõe crecente ou decrecente. Cita-e como exemplo: conta de invetimento que rendem juro, e ee, por ua vez, aumentam o aldo da conta. Uma conta de invetimento mai alta irá por ua vez, atrair uma maior taxa de juro, que dará origem a um maior retorno, e coneqüentemente um maior aldo na conta, e aim uceivamente. Um loop de balanceamento buca etabilidade ou retorno ao controle, ou via atender a um alvo epecífico. Um termotato fornece um exemplo de um proceo que via atingir uma meta. Loop de balanceamento ão também conhecido como loop de realimentação negativa. Apreenta-e a eguir um exemplo de loop de reforço. S Aniedade no trabalho R Erro cometido S Figura 1 Loop de reforço c) Modelagem do loop caual Durante ea fae, modelo conceituai do itema, conhecido como diagrama de loop caual erão criado. Ete é o componente principal e é o mai comumente utilizado como parte do penamento itêmico. O pao para contruir o diagrama de loop caual ão: a) Identificar a principai variávei 5

6 b) Fazer o gráfico de comportamento ao longo do tempo (BOT) para a principai variávei c) Deenvolver diagrama de loop caual (diagrama de influência) para ilutrar o relacionamento entre a variávei d) Dicutir o comportamento ao longo do tempo (BOT) da dinâmica contida no diagrama de loop caual e) Identificar o padrõe de arquétipo de itema que e encontram no modelo f) Identificar ponto chave de alavancagem g) Deenvolver etratégia de intervenção A fae poterior à modelagem caual é a modelagem dinâmica onde e etabelecem política e etratégia que erão potulada e tetada. Um do benefício mai duradouro do penamento itêmico e modelagem é o aprendizado propiciado à equipe e à organização, obre a dinâmica de funcionamento da emprea como um todo. O diagrama de loop caual é uma ferramenta, formada por link e loop, que tem como objetivo motrar o relacionamento cauai entre um conjunto de variávei (ou fatore) agindo em um itema. O elemento báico de um diagrama de loop caual ão a variávei (fatore) e eta (link). Uma variável pode er qualitativa ou quantitativa. A habilidade de incorporar variávei qualitativa na vião do penamento itêmico é uma da força do penamento itêmico. A eta indicam uma aociação caual entre dua variávei, ou uma mudança no etado dea variávei. A variávei podem ter ua alteração na mema direção, ou eja, o aumento em uma dela caua o aumento da outra, ou podem e mover em direçõe opota. O relacionamento entre dua variávei é indicado pela eta e o entido de variação dela é indicado com a letra ( ame ) ou o ( oppoite ) no fim da eta Modelo Cláico de Modelagem de Sitema Exitem algun padrõe genérico cláico para a modelagem de itema. Ee padrõe ão conhecido como arquétipo e foram inicialmente definido pelo grupo de Dinâmica de Sitema do MIT ( Maachuet Intitute of Technology ). O principai arquétipo ão o citado: Conerto que Falha ( fixe that fail ) - repreenta ituaçõe na quai coneqüência não intencionai e prejudiciai eguem-e a açõe bem intencionada. Freqüentemente, ee efeito colaterai olapam o impacto da intervenção e o itema retorna à ua condiçõe originai depoi de algum tempo. Adiando a Caua de Preocupação( hifting the burden ) - repreenta a mentalidade prevalecente e padrão comum de comportamento que a peoa adotam em funçõe que exercem como: pai, trabalhadore, gerente, político, etc. Ela repreenta uma tendência humana de lidar com o fácil, o óbvio e urgente ante de er forçado a lidar com o difícil, ambíguo e o importante, provavelmente com a eperança de que o problema difícei deapareçam. O intoma do problema e manifeta e requer atenção. Uma tendência comum é dar uma olução rápida para e livrar do problema. A olução rápida funciona no curto prazo e é por io que 6

7 ela é tão prejudicial em longo prazo: o uceo aparente da olução rápida encoraja e reforça ee comportamento de curto prazo, que então e torna um comportamento aditivo. Limite do Suceo - ee arquétipo conite de um loop de reforço e balanceamento. O loop de reforço imboliza o efeito deejado de motivação e trabalho árduo o que, por ua vez, motiva a peoa para que atinja um mai alto deempenho, e aim por diante. O loop de balanceamento, por outro lado, reconhece o fato de que há outra força limitante como fadiga e exautão que, e não levada em conta, podem retardar e memo reverter o propecto de uceo. Tragédia do Fator Comum - é uado para decrever um padrão de comportamento em que um recuro comum é muito explorado. A princípio a utilização do recuro é compenatória, ma depoi de algum tempo o benefício pela utilização do recuro diminui e por veze faz com que o recuro anteriormente utilizado, eja abandonado, poi o benefício decorrente é menor que o ônu impoto pela ua utilização. Uma atividade deejável ou ituação que é objeto de uma demanda cada vez maior pode levar a uma ituação indeejável ou deatroa para todo o envolvido. A atividade ou ituação pode er um recuro natural, uma cidade atrativa, um bom invetimento, uma profião popular, etc. O meio ambiente pode fornecer vário exemplo como: o uo exceivo de um recuro natural por uma geração pode levar à ecaez do bem para a geração eguinte. Poluição do ar e da água, aquecimento global, detruição da camada de ozônio e detruição de floreta ão exemplo que podem er citado. Ete tipo de problema pode er evitado e exitirem mecanimo de controle na utilização do recuro, ou orientação e alguma forma de autocontrole entre o uuário do recuro. Carro (por família) R Conveniência o Infra-etrutura limitada Carro na cidade B B Problema de tráfego Carro por família R o Conveniência Como exemplo, pode-e citar a utilização do carro que é uma conveniência para uma peoa ou uma família. Naturalmente, uma vez que todo querem maximizar a conveniência, mai carro ão adquirido. Com io, tem-e um aumento no número de carro na rua, na 7

8 vizinhança e na cidade. Como a infra-etrutura é limitada e não e expande rapidamente, à medida que aumenta o número de carro, a coneqüência do grande aumento no número de carro, rapidamente e tornarão um inconveniente para todo. 3.2 O Software Livre Entende-e por Software Livre o conjunto de programa cuja ditribuição não e limita ao código executável, ma inclui também o código fonte. Eta caracterítica permite que ele eja atualizado livremente e eja adaptado por programadore experiente. O movimento para a deenvolvimento e difuão de oftware livre, também conhecido como open ource e detaca por e beneficiar da criatividade de eforço de colaboração de um grande número de deenvolvedore. O conhecimento é produzido por vária peoa, em regiõe geográfica ditinta e exitem mecanimo de governança que controlam a ditribuição de verõe denominada etávei de um novo itema operacional ou aplicativo. Exite total liberdade de criação e ditribuição de programa e itema em verõe denominada não etávei, ma o conhecimento é conolidado em verõe etávei. A peoa reponávei pelo etabelecimento deta governança pouem grande experiência no gerenciamento de itema open ource e cabe a ela a priorização e a decião final obre o grau de confiabilidade a er atingido para o lançamento de uma nova verão etável. A Internet e o movimento open ource ão de alguma forma interconectado. Sob o ponto de vita ociológico e ideológico, o doi movimento compartilham ideai como a decentralização, a liberdade de expreão e o direito da peoa e auto-organizarem (Pederen, 2002). O deenvolvimento do Software Livre é poível graça à poibilidade de colaboração virtual oferecida pela Internet. Tanto o deenvolvimento quanto a difuão de Software Livre etruturam-e utilizando a Internet. A lita e fórun de dicuão, o ítio epecializado em epelhar ditribuiçõe e armazenar documento referente a intalaçõe, ão eenciai para o aprendizado e difuão do SL. 4. METODOLOGIA DA PESQUISA Será apreentado um etudo realizado para avaliar a importância e a utilização de meio de uporte diponívei na Internet para a reolução de problema concernente a Software Livre e levantar problema encontrado pelo participante para a utilização dete recuro. A avaliação foi feita por meio de quetionário que admitiam repota múltipla e foram repondido por aluno de curo de egurança de rede e curo de PHP + MySQL minitrado pela Comião Central de Informática da USP no egundo emetre de O aluno matriculado no curo de PHP já trabalham com Software Livre e a ua experiência com eta tecnologia é de até doi ano. O aluno do curo de egurança de rede ão o mai experiente em Software Livre e trabalham com a tecnologia há mai de doi ano. Portanto, o que e procurou avaliar, é a real utilização do meio de uporte por profiionai com nível de conhecimento intermediário e avançado de Software Livre. Juntamente com o urvey realizado, o aluno reponderam a quetõe emi-etruturada, que tinham como objetivo levantar principai problema percebido em lita e fórun de dicuão 8

9 epecializado em Software Livre. O número de aluno pequiado foi 123 e o quetionário validado para eta pequia foi de ANÁLISE DOS RESULTADOS Inicialmente, olicitou-e ao repondente, que identificaem o grau de implantação de Software Livre em ua repectiva unidade coniderando-e como: Inicial Software Livre em fae inicial de implantação Intermediário Software Livre utilizado em algun aplicativo endo que ua utilização ainda não pode er coniderada conolidada na Unidade Avançado Uo de Software Livre conolidado na Unidade O grau de implantação de Software Livre na Unidade, de acordo com o repondente, é expoto na tabela de freqüência abaixo: Grau de Implantação Porcentagem (%) Inicial 20 Intermediário 52 Avançado 28 Tabela 1 - Grau de Implantação de SL na Unidade Como e verifica, apena 20% do aluno pertencem a unidade em que o Software Livre etá em etágio inicial de implantação, ou eja, 80% do aluno trabalham em um ambiente onde o Software Livre é batante conhecido e utilizado. O recuro de uporte utilizado pelo aluno, de acordo com o eu conhecimento em Software Livre é expoto abaixo: Grau de conhecimento em SL Recuro Utilizado Intermediário (%) Avançado (%) Tutoriai Apoio de uma comunidade de prática 6 13 Menagen para lita de dicuão Conulta lita de dicuão ou fórun Conulta a colega de trabalho Buca na Internet Leitura de FAQ Outro 4 8 Tabela 2 Meio utilizado para a reolução de problema técnico em SL Pela análie da Tabela 2, é poível contatar-e que para o profiionai com alguma experiência em Software Livre, a buca na Internet é o principal meio de conulta. A eguir, 9

10 detacam-e a conulta a colega de trabalho, tutoriai e conulta a lita de dicuão ou fórun epecializado. Para o repondente que pouem grande conhecimento de Software Livre, o meio mai utilizado para a reolução de problema ão: tutoriai, buca na Internet, conulta a colega de trabalho, leitura de FAQ e conulta a lita de dicuão ou fórun epecializado. Contatou-e pela tabela acima que a lita de dicuão ocupam um lugar de pouco detaque para o aprendizado e eclarecimento de dúvida do repondente. Uma da quetõe da pequia era levantar o recuro utilizado para o aprendizado e reolução de dúvida concernente a Software Livre, e quai o problema enfrentado para a utilização do recuro diponívei na Internet. A tabela a eguir, reflete o principai problema apontado pelo repondente para a pouca utilização de lita de dicuão. Principai problema enfrentado em lita de dicuão obre Software Livre Deorganização Colocação de quetõe não relacionada à lita Falta de critério para potagem de menagen Uuário que ó ubmetem pergunta e nunca colaboram com a repota Nívei de conhecimento muito diferente entre o membro Falta de peoa experiente que e diponham a colaborar Grande número de pergunta em repota Tempo ecao para contribuir Falta de padronização para elaboração de documento técnico Exceo de menagen de peoa com pouco conhecimento Repetição de pergunta ubmetida anteriormente Falta de eriedade Falta de foco Pouca divulgação de oluçõe reai e confiávei Tabela 3 Problema encontrado em Lita de Dicuão obre SL Pela repota obtida, pode-e inferir que o profiionai pouco utilizam a lita de dicuão devido à grande quantidade de menagen provinda de uuário com pouco conhecimento, menagen repetida e exceo de menagen potada na lita. Ete fato afatam o uuário mai experiente, que acabam e deligando da lita, uma vez que o conhecimento obtido pela participação é muito pequeno. Infere-e portanto, que um recuro que foi criado para o eclarecimento de dúvida, com utilização batante implificada e cujo intuito era auxiliar uuário na adoção de uma tecnologia, motra-e inadequado para eta finalidade pela ua má utilização. Ete fato pode er enquadrado no arquétipo Tragédia do Fator Comum decrito pelo penamento itêmico. A peoa geralmente querem maximizar eu benefício. Porém, a conveniência de uma peoa, pode cauar trantorno a toda a outra, como é o cao, poi todo etão 10

11 utilizando um recuro finito, no cao, o tempo de uuário experiente dipoto a reponder menagen. Ete fato prejudica a todo, poi peoa mai experiente deixarão de compartilhar eu conhecimento com o outro, a pergunta banai continuam aumentando o volume de menagen potada e como coneqüência, a lita perdem o foco, deixam de divulgar oluçõe importante e acabam perdendo a ua utilidade. O arquétipo pode er decrito por: 1) quanto maior o número de menagen que um indivíduo pota, maior é a ua conveniência 2) A menagen individuai fazem com que aumente o número de menagen na lita 3) Depoi de certo tempo, o exceo de menagen diminui a conveniência da ua utilização poi er ainante dela, conome muito tempo pelo exceo de menagen recebida 4) Uuário experiente deligam-e da lita 5) Cada ocorrência dete tipo faz com que e limite ainda mai a infra-etrutura diponível para o atendimento de uuário meno experiente, portanto configura-e a Tragédia do Fator Comum. O diagrama do arquétipo é repreentado a eguir: Menagen individuai R Conveniência o Infra-etrutura limitada Num total de menagen B B Exceo de menagen Menagen individuai R o Conveniência 6 - CONSIDERAÇÕES FINAIS Ete etudo baeou-e em uma pequia obre recuro utilizado para uporte a problema concernente a Software Livre e utilizou o penamento itêmico como metodologia de análie. A metodologia adotada repreenta de forma diagramática e imple, 11

12 o problema em quetão. A repreentação de todo o fatore interveniente, em um único diagrama, facilita a viualização do problema. A olução ao problema apreentado conite de uma correta orientação ao uuário e da participação de moderadore que filtrem menagen cujo conteúdo eteja fora do ecopo da lita ou que já tenham ido repondida anteriormente. 7 BIBLIOGRAFIA Forreter, Jay, W. Learning through Sytem Dynamic a Preparation for the 21t Century. Sytem Thinking and Dynamic Modeling Conference for K-12 Education HARDIN,Garret. The Tragedy of the Common. Science. 162: MAANI, Kambiz, E.; CAVANA, Robert Y. Sytem Thinking and Modeling Undertanding Change and Complexity PETERSEN, Sren Thing. Open Source and the Network Society diponível em: aceado em 28/01/2004 RICHMOND, b. The Thinking in Sytem Thinking. How can we make it eaier to mater? The Sytem Thinker, 8(2). March SENGE, P., M. The Fifth Dicipline: The Art and Practice of the Learning Organization. Doubleday/ Currency, New York

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento.

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento. Liderança para criar e gerir conhecimento Lider ança para criar e gerir conhecimento }A liderança é um fator eencial para e alcançar o uceo também na getão do conhecimento.~ 48 R e v i t a d a ES P M janeiro

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS Laureate Network Product & Service Copyright 2013 Laureate Education, Inc. ÍNDICE C A T Á L O G O L N P S ÍCONE Nome do Curo Língua Duração Deenvolvimento do Corpo Acadêmico

Leia mais

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s Incluão Social do Joven no Aentamento Rurai de Areia com ênfae no trabalho da Tutoria e recuro da nova TIC MIRANDA 1, Márcia C.V.; SILVA 2, Fátima do S.; FÉLIX 3, Jânio 1 Profeora orientadora e coordenadora

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações Mercado de Capitai Avaliação de Açõe Luiz Brandão O título negociado no mercado podem de renda fixa ou de renda variável. Título de Renda Fixa: Conhece-e de antemão qual a remuneração a er recebida. odem

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais

Artigos. Comunicação organizacional e relações públicas: caminhos que se cruzam, entrecruzam ou sobrepõem?

Artigos. Comunicação organizacional e relações públicas: caminhos que se cruzam, entrecruzam ou sobrepõem? E t u d o17 Artigo Comunicação organizacional e relaçõe pública: caminho que e cruzam, entrecruzam ou obrepõem? IVONE DE LOUDES OLIVEIRA Metre em Ciência da Comunicação pela ECA-USP e doutora em Comunicação

Leia mais

Digifort Standard Solução intermediária para instalação de até 32 câmeras

Digifort Standard Solução intermediária para instalação de até 32 câmeras Digifort Standard Solução intermediária para intalação de até 32 câmera A verão Standard fornece o recuro ideai para o monitoramento local e remoto de até 32 câmera por ervidor e por er a verão intermediária

Leia mais

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO Curo de Análie Matricial de Etrutura 1 I - INTRODUÇÃO I.1 - Introdução O proceo de um projeto etrutural envolve a determinação de força interna e de ligaçõe e de delocamento de uma etrutura. Eta fae do

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública PROBLEMA DE CORTE UNIDIMENSIONAL COM SOBRAS APROVEITÁVEIS: RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTICO Adriana Cherri Departamento de Matemática, Faculdade de Ciência, UNESP, Bauru adriana@fc.unep.br Karen Rocha

Leia mais

Competências/ Objetivos Especifica(o)s

Competências/ Objetivos Especifica(o)s Tema B- Terra em Tranformação Nº previta Materiai Contituição do mundo material Relacionar apecto do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme a variedade de materiai que no rodeiam. Identificar

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Reumo Luca Franco de Ai¹ Marcelo Semenato² ¹Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia/Campu Jataí/Engenharia Elétrica/PIBIT-CNPQ lucafranco_jty@hotmail.com

Leia mais

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 27 A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 1 RESUMO: A tecnologia da informação e comunicação - TIC ampliam o epaço para comunicação e interação na

Leia mais

Digifort Enterprise A mais completa solução Digifort para monitoramento de câmeras e alarmes.

Digifort Enterprise A mais completa solução Digifort para monitoramento de câmeras e alarmes. Digifort Enterprie A mai completa olução Digifort para monitoramento de câmera e alarme. A verão Enterprie é o pacote que compreende todo o recuro diponívei para o Sitema Digifort, oferecendo total gerenciamento

Leia mais

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO COP Comunication on Progre São Paulo, 28 de fevereiro de 2011 A Ferol Indútria e Comércio SA declara eu apoio contínuo ao Pacto Global. A Ferol acredita na diveridade e na pluralidade como ferramenta de

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1 Artigo 65 Afetação de recuro, produtividade e crecimento em Portugal 1 Daniel A. Dia 2 Carlo Robalo Marque 3 Chritine Richmond 4 Reumo No período 1996 a 2011 ocorreu uma acentuada deterioração na afetação

Leia mais

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate ! I Deafio Petzl Para Bombeiro Regulamento Campeonato Internacional de Técnica Verticai e Regate A Spelaion, ditribuidor excluivo Petzl no Brail e o Corpo de Bombeiro de Goiá, etá organizando o Primeiro

Leia mais

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica;

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica; Rede de Computadore Rede Locai Shielded Twited Pair (STP); Unhielded Twited Pair (UTP); Patch Panel; Cabo Coaxial; Fibra Óptica; 2 2010 Airton Junior. All right reerved. Rede de Computadore É um conjunto

Leia mais

Introdução ao Windows Server 2003

Introdução ao Windows Server 2003 Profeor.: Airton Junior (airtonjjunior@gmail.com) Diciplina: Rede II Conteúdo.: Window 2003 Server, Intalação e configuração, IIS, FTP, DNS, DHCP, Active Diretory, TCP/IP. Avaliaçõe.: 2 dua Prova com peo

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos gerais para gerir a Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM).

Estabelecer critérios e procedimentos gerais para gerir a Secretaria do Conselho da Magistratura (SECCM). Propoto por: Equipe da Secretaria do Conelho da Magitratura (SECCM) Analiado por: Repreentante da Adminitração Superior (RAS/SECCM) Aprovado por: Secretária da Secretaria do Conelho da Magitratura (SECCM)

Leia mais

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA 329 A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA BRAZILIAN EDUCATION IN LAST DECADES: BARRIERS AND GOALS INSIDE AND OUTSIDE SCHOOL 1 t r a v e i a e d. 1 0 i n

Leia mais

PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS

PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS COM ÊNFASE NA GARANTIA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 EDITAL CONVITE Nº 009/2011-CPL/GPDP Proceo Adminitrativo nº 0221/2011 -CPL/GDPG A, atravé da Comião Permanente de Licitação, intituída pela Portaria nº 383/2011-GDPG, datada de 08/07/2011, da Exma. Sra.

Leia mais

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

Digifort Professional A solução ideal para empresas que necessitam o gerenciamento de até 64 câmeras

Digifort Professional A solução ideal para empresas que necessitam o gerenciamento de até 64 câmeras Digifort Profeional A olução ideal para emprea que neceitam o gerenciamento de até 64 câmera A verão Profeional fornece o melhore recuro para o monitoramento local e remoto de até 64 câmera por ervidor,

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1.

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1. 3 Fuga de cérebro e invetimento em capital humano na economia de origem uma invetigação empírica do brain effect 3.1. Introdução Uma da vertente da literatura econômica que etuda imigração eteve empre

Leia mais

O CORPO HUMANO E A FÍSICA

O CORPO HUMANO E A FÍSICA 1 a fae Prova para aluno do 9º e 1º ano LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Eta prova detina-e excluivamente a aluno do 9 o ano do enino fundamental e 1º ano do enino médio. Ela contém trinta quetõe.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA Etudo comparativo entre o procedimento de amotragem... 67 ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA EM INVENTÁRIOS DE ARBORIZAÇÃO URBANA Comparative

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Rede MPLS, com Dua Clae de Serviço Rita Girão Silva a,c (Tee de Doutoramento realizada ob upervião de Profeor Doutor Joé Craveirinha a,c e Profeor

Leia mais

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES P A N Ó P T I C A O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES Daniel Pitzer Zippinotti Univeridade Federal do Epírito Santo - UFES 1. INTRODUÇÃO O preente trabalho procura apreentar

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS DE CONTROLADORIA EM ORGÃOS PÚBLICOS: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS MATOGROSSENSES DA REGIÃO SUDOESTE Autoria: Marco Antonio de Souza, Aldo Céar da Silva Ortiz, Lauro Brito

Leia mais

Intruçõe Breve Verão 1 0 junho 2005 INSTRUÇÕES APENAS PARA PESSOAL QUALIFICADO APERTO DO CONJUNTO DE SUPORTES AVISO: O funcionamento da ua coluna como componente de um itema upeno pode potencialmente expor

Leia mais

ÍNDICE. 03 Desenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate. 10 Laureate Languages. 14 Produtos da Marca Laureate. 18 Melhores Práticas Laureate

ÍNDICE. 03 Desenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate. 10 Laureate Languages. 14 Produtos da Marca Laureate. 18 Melhores Práticas Laureate ÍNDICE 03 Deenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate 10 Laureate Language 14 Produto da Marca Laureate 18 Melhore Prática Laureate MY.LAUREATE.NET 3 Promovendo a Excelência de Enino Como Melhorar o Enino

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

Implementando modelos DEA no R

Implementando modelos DEA no R Implementando modelo DEA no R Joé Francico Moreira Peanha profeorfmp@hotmail.com UERJ Alexandre Marinho alexandre.marinho@ipea.gov.br UERJ Luiz da Cota Laurencel llaurenc.ntg@terra.com.br UERJ Marcelo

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

Projeto Visita Virtual e Videoconferência Judicial

Projeto Visita Virtual e Videoconferência Judicial Projeto Viita Virtual e Videoconferência Judicial Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) Minitério da Jutiça Ete projeto naceu de uma parceria entre o Departamento Penitenciário Nacional e a Defenoria

Leia mais

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque Motore de indução Arranque São motore robuto e barato (fabricado em maa), embora tendo o inconveniente de não erem regulávei. Conequentemente, uma vez definido um binário e uma corrente, ete apena dependem

Leia mais

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1 Uo do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expreão de Subjetividade e de Identificação 1 Élida Fabiani Morai de CRISTO; Haroldo França REBOUÇAS Neto; Jacklene de Souza CARRÉRA; Keila Marina

Leia mais

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro Rentabilidade da Intituiçõe Financeira no Brail: Mito ou Realidade? Autore JOSÉ ALVES DANTAS Centro Univeritário Unieuro PAULO ROBERTO BARBOSA LUSTOSA PMIRPGCC - UNB/UFPB/UFPE/UFRN Reumo A dicuão obre

Leia mais

2 Introdução à Fluorescência

2 Introdução à Fluorescência 2 Introdução à luorecência 2. O fenômeno da fluorecência Luminecência é a emião de luz por alguma ubtância, ocorrendo a partir de etado eletrônico excitado. Para ecrever ee capítulo conultamo principalmente

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS BIÓTICOS E ABIÓTICOS DA RESTAURAÇÃO DA MATA CILIAR DE NASCENTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO

ANÁLISE DOS RESULTADOS BIÓTICOS E ABIÓTICOS DA RESTAURAÇÃO DA MATA CILIAR DE NASCENTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 164 ANÁLISE DOS RESULTADOS BIÓTICOS E ABIÓTICOS DA RESTAURAÇÃO DA MATA CILIAR DE NASCENTE UTILIZANDO TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO Carla Tiemi Fukumoto; Renata Ribeiro de Araújo. Engenharia Ambiental. Departamento

Leia mais

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s).

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s). 2 CONTROLADORES PID Introdução Etrutura geral de um itema com realimentação unitária negativa, com um compenador (G c () em érie com a planta G p (). 2 Controladore PID 2. Acção proporcional (P) G c ()

Leia mais

Observação: CURSOS MICROSOFT

Observação: CURSOS MICROSOFT Obervação: O material utilizado nete curo é de propriedade e ditribuição da emprea Microoft, podendo er utilizado por qualquer peoa no formato de ditribuição WEB e leitura em PDF conforme decrito na lei

Leia mais

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M.

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROMECÂNICA CONTROLO DE SISTEMAS APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox Pedro Dini Gapar António Epírito Santo J. A. M. Felippe de Souza

Leia mais

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80 ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE PROJETO : CUIDANDO EDUCANDO E CONSTRUINDO CIDADÃOS DO FUTURO. LINHA PROGRAMÁTICA DO PROJETO Creche, Educação Infantil, Socialização,Garantia de

Leia mais

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE Aociação de Profeore de Matemática Contacto: Rua Dr. João Couto, n.º 7-A 1500-36 Liboa Tel.: +351 1 716 36 90 / 1 711 03 77 Fax: +351 1 716 64 4 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

ESTUDO DE GEOMARKETING

ESTUDO DE GEOMARKETING ESTUDO DE GEOMARKETING Aplicabilidade no egmento de Franquia O etudo de Geomarketing permite avaliar o ponto de venda exitente da rede em etudo e poibilita apontar nova oportunidade de negócio em comprometer

Leia mais

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo Sitema Electrónico de Condicionamento e Proceamento, em Tempo Real, da Tenõe e Corrente do Motor de Indução Trifáico Alimentado por Converore de Frequência Vicente Leite (1), Henrique Teieira (1), Rui

Leia mais

Projeto Crescer I e II

Projeto Crescer I e II Projeto Crecer I e II Motra Local de: Araponga Categoria do projeto: I Projeto em Andamento (projeto em execução atualmente) Nome da Intituição/Emprea: Paulo Hermínio Pennacchi, preidente da Caa do Bom

Leia mais

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória.

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória. Reolução do Problema de Carregamento e Decarregamento 3D de Contêinere em Terminai Portuário para Múltiplo Cenário via Repreentação por Regra e Algoritmo Genético Aníbal Tavare de Azevedo (UNICAMP) anibal.azevedo@fca.unicamp.br

Leia mais

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Voto e Contribuição Reponável pelo PM: Acompanhamento do Mercado CONTROLE DE ALTERAÇÕES Verão Data Decrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM AM.04 - Cálculo

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DO AMBIENTE FÍSICA E QUÍMICA DA ATMOSFERA

CURSO DE ENGENHARIA DO AMBIENTE FÍSICA E QUÍMICA DA ATMOSFERA CURSO DE ENGENHARIA DO AMBIENE FÍSICA E QUÍMICA DA AMOSFERA Ano Lectivo 2004/2005 Época Epecial: 17/10/2005 I (4.8 valore) Atribua a cada uma da afirmaçõe eguinte, em jutificar, uma da claificaçõe: Verdadeiro

Leia mais

Estratégias MIMO-OFDM para Sistemas de

Estratégias MIMO-OFDM para Sistemas de XXII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUICAÇÕES - SBrT 05, 04-08 DE SETEMBRO DE 005, CAMPIAS, SP Etratégia -OFDM para Sitema de Comunicaçõe Móvei Walter C. Freita Jr., Charle C. Cavalcante e F. Rodrigo. P.

Leia mais

Mudança de paradigma. d a. M. Dueñas. maio / junho de

Mudança de paradigma. d a. M. Dueñas. maio / junho de Mudança de paradigma M. Dueña u M dança de 50 R e v i t a d a ES P M maio / junho de 2009 João Boaventura Branco de Mato ParadigMa, crie e oportunidade em trê onda e}o trê ciclo apreentado imbolizam período

Leia mais

a medicina de família e comunidade, a atenção primária à saúde e o ensino de graduação Recomendações & Potencialidades

a medicina de família e comunidade, a atenção primária à saúde e o ensino de graduação Recomendações & Potencialidades a medicina de família e comunidade, a atenção primária à aúde e o enino de graduação Recomendaçõe & Potencialidade organizadore e autore Maria Inez Padula Anderon 1, Marcelo Demarzo 2, Ricardo Donato Rodrigue

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Reolução n 12/ 2013 Aprova a reformulação do Projeto Pedagógico do Curo de Graduação em Pedagogia

Leia mais

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO Thale Cainã do Santo Barbalho 1 ; Álvaro Daniel Tele Pinheiro 2 ; Izabelly Laria Luna

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC Programa de Formação Técnica Continuada Categoria de Emprego para Motore CA / CC Índice.Introdução.... Chave manuai etrela triângulo.... O motore.... Motore de indução tipo gaiola.... Motore de indução

Leia mais

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace Reolução de Equaçõe Diferenciai Ordinária por Série de Potência e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto rtocano@id.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014:

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014: Pecando direito Boletim Jurídico do CPP/ Abril de 2015. 1ª edição. Medida Proviória nº 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre a MP' 664 e 665 de 2014: Em 30 dezembro de 2014 foram promulgada a Medida

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA Anai do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pó-Graduação do ITA XII ENCITA / 26 Intituto Tecnológico de Aeronáutica São Joé do Campo SP Brail Outubro 16 a 19 26 IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS

Leia mais

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace Equaçõe Diferenciai GMA Reolução de Equaçõe Diferenciai por Série e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto tocano@im.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot AULA 0 POTÊNCIA MECÂNICA 1- POTÊNCIA Uma força pode realizar um memo trabalho em intervalo de tempo diferente. Quando colocamo um corpo de maa m obre uma mea de altura H num local onde a aceleração da

Leia mais

P R O J E T O. Arte. Pneus

P R O J E T O. Arte. Pneus P R O J E T O Arte em C NSCIÊNCIA Promovendo a concientização ecológica utilizando como ferramenta a arte e o ecodeign, criando produto e artefato a partir de reíduo ólido de póconumo (pneu uado) como

Leia mais

GERAÇÃO DE SINAIS DE REFERÊNCIA PARA TRANSMISSORES DE TELEVISÃO RODRIGO OTÁVIO ROCHA CARDOSO

GERAÇÃO DE SINAIS DE REFERÊNCIA PARA TRANSMISSORES DE TELEVISÃO RODRIGO OTÁVIO ROCHA CARDOSO GERAÇÃO DE SINAIS DE REFERÊNCIA PARA TRANSMISSORES DE TELEVISÃO RODRIGO OTÁVIO ROCHA CARDOSO Diertação apreentada ao Intituto Nacional de Telecomunicaçõe, como parte do requiito para obtenção do Título

Leia mais

Marés, fases principais da Lua e bebês

Marés, fases principais da Lua e bebês Maré, fae principai da ua e bebê CADERNO BRASIEIRO DE ENSINO DE FÍSICA, FORIANÓPOIS, V.0, N. 1: P.10-9, ABR. 003 Fernando ang da Silveira Univeridade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Intituto de Fíica

Leia mais

Os projetos realizados pelos Núcleos se encaixam em todas as áreas de enfoque do Rotary, sendo

Os projetos realizados pelos Núcleos se encaixam em todas as áreas de enfoque do Rotary, sendo Núcleo Rotary de Deenvolvimento Comunitário (NRDC) Reultado da pequia de 2013 e 2014 I. NRDC e eu projeto: 2014 2013 87% do NRDC e reuniram pelo meno uma vez por mê. 34% do NRDC dieram ter membro na faixa

Leia mais

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ELETRICIDADE Análie de Senibilidade de Anemômetro a Temperatura Contante Baeado em Senore Termo-reitivo

Leia mais

QUATRO ARTISTAS E SEUS POSICIONAMENTOS FRENTE À REALIDADE DAS MÁQUINAS FOUR ARTISTS AND THEIR VIEWS ABOUT MACHINES

QUATRO ARTISTAS E SEUS POSICIONAMENTOS FRENTE À REALIDADE DAS MÁQUINAS FOUR ARTISTS AND THEIR VIEWS ABOUT MACHINES 105 QUATRO ARTISTAS E SEUS POSICIONAMENTOS FRENTE À REALIDADE DAS MÁQUINAS FOUR ARTISTS AND THEIR VIEWS ABOUT MACHINES 1 RESUMO: Ete artigo traz uma reflexão obre o poicionamento de quatro artita frente

Leia mais

Qualidade da gestão de medicamentos em hospitais públicos*

Qualidade da gestão de medicamentos em hospitais públicos* Qualidade da getão de medicamento em hopitai público* André Gutavo Gadelha Mavignier de Noronha** Djalma Freire Borge*** S UMÁRIO: 1. Introdução; 2. Metodologia; 3. Reultado; 4. Concluão. S UMMARY: 1.

Leia mais

Gestão de Recursos em Redes com Suporte de Qualidade de Serviço

Gestão de Recursos em Redes com Suporte de Qualidade de Serviço Univeridade de Aveiro Departamento de Electrónica e Telecomunicaçõe, 2003 Suana Iabel Barreto de Miranda Sargento Getão de Recuro em Rede com Suporte de Qualidade de Serviço Tee apreentada à Univeri dade

Leia mais

Projeto Sinergia Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento Nacional

Projeto Sinergia Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento Nacional Projeto Sinergia Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento Nacional Av. Ayrton Senna, 5.555 Barra da Tijuca CEP 22775-004 Rio de Janeiro RJ Brail Tel.: (21) 2136-5672 Fax: (21) 2136-5532/5689

Leia mais

CREATING TOMORROW S SOLUTIONS

CREATING TOMORROW S SOLUTIONS CREATING TOMORROW S SOLUTIONS Contrução civil I Ligante Polimérico I América do Sul Vião Geral do Polímero em Pó VINNAPAS Como você quer otimizar ua argamaa? A argamaa percorreram um longo caminho dede

Leia mais

Fabricio Jose Missio CÂMBIO E CRESCIMENTO NA ABORDAGEM KEYNESIANA ESTRUTURALISTA

Fabricio Jose Missio CÂMBIO E CRESCIMENTO NA ABORDAGEM KEYNESIANA ESTRUTURALISTA Fabricio Joe Miio CÂMBIO E CRESCIMENTO NA ABORDAGEM KEYNESIANA ESTRUTURALISTA Belo Horizonte, MG UFMG/Cedeplar ii Fabricio Joe Miio CÂMBIO E CRESCIMENTO NA ABORDAGEM KEYNESIANA-ESTRUTURALISTA Tee apreentada

Leia mais

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL Copright 004, Intituto Braileiro de Petróleo e Gá - IBP Ete Trabalho Técnico Científico foi preparado para apreentação no 3 Congreo Braileiro de P&D em Petróleo e Gá, a er realizado no período de a 5 de

Leia mais

Apostila de SINAIS E SISTEMAS

Apostila de SINAIS E SISTEMAS Apotila de SINAIS E SISTEMAS Álvaro Luiz Stelle (PhD) DAELN CPGEI CEFET PR Março de 5 I PREFÁCIO Eta apotila tem como objetivo dar ao leitor um embaamento teórico da Tranformada de Laplace, de Fourier

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL Leandro Michel * Robinon F. de Camargo * michel@ieee.org robinonfc@bol.com.br Fernando Botterón *

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

GABARITO NÍVEL III. Questão 1) As Leis de Kepler.

GABARITO NÍVEL III. Questão 1) As Leis de Kepler. SOCIEDADE ASTONÔMICA BASILEIA SAB IV Olimpíada Braileira de Atronomia IV OBA - 001 Gabarito da Prova de nível III (para aluno do enino médio) GABAITO NÍVEL III Quetão 1) A Lei de Kepler. Johanne Kepler,

Leia mais

Reconhecimento de padrões de texturas em imagens digitais usando uma rede neural artificial híbrida

Reconhecimento de padrões de texturas em imagens digitais usando uma rede neural artificial híbrida Artigo Reconhecimento de padrõe de textura em imagen digitai uando uma rede neural artificial híbrida Wonder Alexandre Luz Alve, Sidnei Alve de Araújo, André Felipe Henrique Librantz Departamento de Ciência

Leia mais

Padronizar os procedimentos relativos ao suporte de áudio e vídeo na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ.

Padronizar os procedimentos relativos ao suporte de áudio e vídeo na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ. Propoto por: Diretor do Departamento de Tecnologia de Informação e Comunicação (DETEC) Analiado por: Aeora da Aeoria de Getão Etratégica (ASGET) Aprovado por: Secretária-Geral de Enino (SECGE) 1 OBJETIVO

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

As PMEs que Mais Crescem no Brasil Um estudo sobre os desafios do ambiente de negócios no caminho das empresas emergentes

As PMEs que Mais Crescem no Brasil Um estudo sobre os desafios do ambiente de negócios no caminho das empresas emergentes A PME que Mai Crecem no Brail Um etudo obre o deafio do ambiente de negócio no caminho da emprea emergente 2012 A c r e c P M E e m q u e n o B m a i a r l i O Cuto Brail da emergente Uma hitória de obtáculo

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - UNICAMP EE-832 - LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA INDUSTRIAL EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS 7. Introdução A máquina de corrente

Leia mais

Fotografando o Eclipse Total da Lua

Fotografando o Eclipse Total da Lua Fotografando o Eclipe Total da Lua (trabalho apreentado para o Mueu de Atronomia e Ciência Afin) http://atrourf.com/diniz/artigo.html Autor: Joé Carlo Diniz (REA-BRASIL) "Você pode e deve fotografar o

Leia mais