Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados"

Transcrição

1 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas, os funcionários do governo e usuários ao redor do mundo. Ele também tem a responsabilidade de garantir que a informação seja facilmente encontrada, acessada e transmitida entre os setores públicos e privados enquanto atende as obrigações de privacidade e segurança. Portanto, possuir um padrão de metadado bem estruturado e consistentemente aplicado tem se tornado altamente importante para o governo; tal padrão pode auxiliar as pessoas a navegar através das páginas da web que contém informações e localizar de forma sigilosa o que eles estão procurando. 2. O que são Metadados? A definição mais comum de metadados é dado a respeito de dado. O termo é comumente utilizado para referir-se a uma informação sobre recursos online (rede mundial de computadores) e é um resumo da forma e do conteúdo do recurso. Em um sentido mais amplo, os metadados podem ser utilizados para descrever as estruturas da informação, tais como padrões técnicos e políticas de interconexão que são o domínio dos frameworks de interoperabilidade do governo eletrônico. O interesse mundial nos padrões e práticas dos metadados ocorre devido ao aumento da publicação eletrônica, da proliferação de sites de redes individuais e organizacionais e da vasta quantidade de dados digitais indiferenciados disponíveis online. Os metadados fazem buscas e recuperam informações online de modo menos frustrante. Os metadados têm o intuito de apoiar a descoberta de recursos e de gerenciar registros, questão que é de particular preocupação para os governos quando estes distribuem programas e serviços através de meios eletrônicos. A busca feita através dos metadados ao invés da utilização de refinamento de recursos precisos das informações é mais efetiva porque o metadado fornece aos requerentes a informação incorporada no recurso. Entretanto, os metadados são separáveis do próprio recurso de informação. Este é um fator importante dos metadados. Os metadados podem ser disponibilizados quando o atual recurso não pode. 3. O Valor dos Metadados Os metadados apresentam seus recursos em pacotes pequenos e simples de informação que são fáceis de serem encontrados e que estão disponíveis para um grande número de pessoas. Os metadados melhoram consideravelmente o refinamento da busca dentro de um volume de dados disponíveis. Isto possibilita aos mecanismos de rede trabalharem mais eficientemente e efetivamente para auxiliar as pessoas a encontrarem os recursos de que precisam. Os metadados também maximizam a capacidade das pessoas de localizarem recursos online e podem aumentar significativamente o retorno de investimento inicial de publicação na rede. Governo Eletrônico O que um líder governamental deve saber Página 1 de 5

2 Os metadados são uma ferramenta valiosa para o gerenciamento dos registros de recurso. A mudança para um registro eletrônico fornece a oportunidade de simplificar os sistemas de gerenciamento de recursos enquanto os torna mais flexíveis, eficientes e unidos. Os metadados podem ser utilizados para identificar, autenticar, descrever e gerenciar registros oficiais. Os metadados são um mecanismo único que fornecem serviços de alta qualidade para a descoberta e o gerenciamento destes registros. Além disso, os metadados são de grande valor quando se pretende disponibilizar eletronicamente os itens que não são textos. Por exemplo, os mecanismos de busca não conseguem rastrear uma foto ou coleções de músicas a partir de palavras-chave, já que estas não contêm palavras. Os metadados podem levar os usuários rapidamente para as imagens ou para os fornecedores corretos de serviços em situações nas quais raramente o nome dos arquivos e as categorias permitem. 4. Padrões dos Metadados Os metadados tornam mais fácil gerenciar ou localizar informações quer estejam na forma de páginas de rede, documentos eletrônicos, arquivos de papel, base de dados ou qualquer outro tipo similar. Para que os metadados sejam efetivos, eles precisam ser estruturados e consistentes entre todas as organizações. Um trabalho considerável tem sido realizado para padronizar todos os metadados aplicados aos sistemas de informação governamental. O Dublin Core é adotado como um padrão de metadados do governo eletrônico. Ele é um simples conjunto de elementos para descrever uma ampla faixa de recursos de rede. O Dublin Core abrange 15 elementos básicos que são: título, autor ou criador, assunto e palavras-chave, descrição, publicador, outro colaborador, data, tipo de recurso, formato, identificador do recurso, fonte, idioma, relação, abrangência e gestão de direitos autorais. Ele foi estabelecido através de um consenso que envolvia um grupo internacional e interdisciplinar de profissionais das seguintes disciplinas: biblioteconomia, arquivamento, ciência da computação, codificação de textos, comunidade de museus e outras áreas de bolsistas relacionadas. Os objetivos característicos do Dublin Core são: Simplicidade de criação e de manutenção. Semânticas de entendimento comum. Âmbitos internacionais. Possibilidade de extensão. O Dublin Core é um padrão altamente desenvolvido, flexível e internacionalmente reconhecido. Ele foi desenvolvido para atender às exigências de descoberta de recursos. Entretanto, ele não fornece outras funções, tais como gerenciamento de registros. Pode ser necessário adicionar mais elementos para tornar o padrão relevante para o governo eletrônico e para assegurar que outras exigências diferentes dos metadados ou mais específicas, sejam atendidas. Sem dúvida, os planos futuros para o desenvolvimento de elementos adicionais que melhorem o padrão de metadados do governo eletrônico estão sendo considerados. Estes elementos adicionais capacitarão os metadados a: Atender todas as necessidades de gerenciamento e de recuperação de informação governamental. Desenvolver o perfil de aplicação padrão de metadados do governo eletrônico para incluir elementos de refinamento e esquemas de codificação. Governo Eletrônico O que um líder governamental deve saber Página 2 de 5

3 Desenvolver dicionários pan-governamentais Quando estiver totalmente desenvolvida, a estrutura padrão de metadados do governo eletrônico será composta de elementos básicos, um perfil de aplicação, esquemas de refinamento e de codificação. Para qualquer metadado, os elementos formam os alicerces, os quais são complementados por meio de um perfil de aplicação que é composto por refinamento de elementos. Os refinamentos de elementos quebrarão os elementos dos alicerces em pequenas divisões e os esquemas de codificação especificarão o formato no qual o valor para cada elemento será registrado. A falta de um vocabulário comum é uma das maiores barreiras para efetivar a recuperação da informação entre diversas organizações. Os dicionários podem atuar como um guia para a terminologia, uma linguagem comum entre a organização e a comunidade, ajudando a reduzir o número de falsos sucessos, e a garantir que todos os itens corretos sejam encontrados. Portanto, o desenvolvimento e a manutenção de dicionários pan-governamentais facilitará a comunicação entre o governo, os cidadãos e as empresas. Existem dois tipos de dicionário, denominados de assunto e função. Os dicionários de assuntos capturam o conteúdo intelectual de um recurso, ou seja, sobre o que o recurso fala. Os dicionários de funções capturam o papel do recurso, ou seja, a atividade comercial que está relacionada com o recurso. Este dicionário será útil tanto para a classificação dos registros retidos quanto para a descrição dos recursos via online. 5. Questões Técnicas dos Metadados Existem diversas opções tecnológicas para a criação, armazenamento e acesso dos metadados. Estas opções irão evoluir ao longo do tempo à medida que novos produtos e serviços se tornem disponíveis e à medida que novos fatores sejam adicionados. Entretanto, esta área está mudando rapidamente através da articulação das necessidades dos metadados para o mercado. Uma ferramenta com o propósito de construção pode ser utilizada para criar metadados de modo que os catálogos necessários sejam uma preocupação para a sintaxe dos metadados. Estas ferramentas podem fazer parte do recurso do sistema de criação, como por exemplo, um processador de palavras; uma parte do sistema de gerenciamento de recursos, tal como um sistema de gerenciamento de conteúdo de rede ou elas podem ser ferramentas isoladas. Os metadados podem ser armazenados de duas formas, tanto como uma base de dados separada do recurso quanto unida ao recurso que está sendo descrito. Entretanto, as escolhas serão determinadas através das necessidades comerciais específicas e dos tipos de recursos. Um conjunto de registro de metadados ajustado ao nível de coleta liga-se às páginas de entrada de alto nível de um website. Ele descreve todos os recursos da coleta, não apenas aqueles da página de entrada de alto nível. É importante providenciar uma descrição completa do conjunto de recursos de uma coleta a fim de auxiliar os pesquisadores a encontrar itens dentro do que pode ser relevante para suas pesquisas. Isto é extremamente necessário quando se descreve coleções de recursos eletrônicos que não são descritos individualmente pelos seus próprios metadados. A descrição de um serviço no recurso exige uma abordagem diferente, já que o serviço é um recurso mais ativo e dinâmico do que os documentos que contêm informações. A sintaxe é o mecanismo para entrega dos registros de metadados. Portanto, deve-se levar em conta o suporte de uma sintaxe comum para a comunicação e para a distribuição dos metadados, Governo Eletrônico O que um líder governamental deve saber Página 3 de 5

4 independentemente de como eles são armazenados e acessados. Atualmente o HTML é a forma mais comumente utilizada de padronização de sintaxe na rede mundial de computadores. Os atributos dos elementos <META> permitem registrar os aspectos dos registros dos metadados. O XML é outra sintaxe para expressar os registros dos metadados que apresentam uma linguagem mercadológica mais sofisticada do que o HTML. Ele pode ser utilizado para expressar estruturas de metadados um pouco mais complexas. Os metadados devem ter uma padronização acessível de modo que os mecanismos de busca possam encontrar com facilidade as descrições e possam fornecer a informação solicitada pelo pesquisador. Os três principais mecanismos para o acesso dos metadados são: 1. Metadado incorporado. Os registros dos metadados estão inclusos dentro dos arquivos HTML utilizando um marcador <META>. Deste modo, o metadado se torna uma parte integral do recurso que está sendo descrito e é escrito para se adequar à sintaxe da versão HTML que está sendo utilizada. Entretanto, um inconveniente deste mecanismo é que todos os recursos precisam ter descrições HTML se eles forem descritos através da utilização dos metadados. Adicionalmente, se as partes dos metadados são modificadas, alguns dos metadados incorporados em cada arquivo HTML precisam ser mudados e atualizados. 2. Repositórios de metadados. As bases de dados são utilizadas para armazenar e gerir descrições dos metadados. As bases de dados dos metadados com interfaces de perguntas padronizadas são geralmente denominados de repositórios de metadados. Este mecanismo fornece mais flexibilidade, uma vez que os metadados podem ser disponibilizados em diversos arranjos ou sintaxes que podem ser facilmente modificadas ao longo do tempo. Mudanças globais e emendas podem ser feitas após a criação inicial. Entretanto, o ajuste dos repositórios de metadados é mais difícil do que simplesmente incorporar os metadados em uma página HTML, e existem implicações para a recuperação dos metadados através dos mecanismos de busca. 3. Sistemas de gestão de recursos. Estes sistemas fornecem quantidades significativas de metadados descrevendo recursos e serviços. A gestão dos metadados através do recurso dos sistemas de gerenciamento geralmente é sofisticada e pode dar suporte para atividades de manutenção de registros, gestão de recursos e arquivamento de recursos, assim como descoberta de recursos. Entretanto, tais metadados geralmente podem ser traduzidos em padrões exigidos por um sistema de descobrimento de recursos. Este mecanismo não exige um novo investimento significativo e ajuda a consolidar a gestão dos metadados. Entretanto, deve-se ter cuidado em manter um acesso restrito ao exportar registros ou ao fornecer um acesso direto ao público para um sistema de gestão de recursos. 6. Princípios de Desenvolvimento de Padrões de Metadados do Governo Eletrônico O desenvolvimento e a implementação dos padrões de metadados do governo eletrônico são tarefas substanciais e de rotina, que exigem um suporte e mecanismos para o desenvolvimento. O endosso e a inclusão de um simples Dublin Core se tornou o pilar dos padrões de metadados do governo eletrônico. Os princípios adotados no desenvolvimento e manutenção adicional do padrão de metadados de um governo eletrônico devem garantir que este padrão seja: Governo Eletrônico O que um líder governamental deve saber Página 4 de 5

5 Independente: o padrão deve ser flexível o suficiente para atender à recuperação de informações e às necessidades de gestão de registros de qualquer informação em qualquer formato. Isto não se baseará em nenhum software, aplicativo ou projeto. Simples: ele precisa ser prontamente aplicado por aqueles que possuam uma ampla variação de experiência na preparação de descrições de recursos. Complacente: ele não deve estar em conflito com outros padrões e políticas do governo local ou com padrões internacionais. Ampliável: ele precisa ter uma facilidade para adicionar elementos refinados onde se demonstre que estes são essenciais e onde o conjunto existente não estabeleça regras para esta exigência. Consequentemente é necessário haver um equilíbrio entre a necessidade de ampliação e a necessidade de estabilidade. Econômico: ele não deve ser um consumidor de tempo e de esforços. Inclusivo: ele deve considerar os diversos esquemas de metadados existentes, com o propósito de minimizar a necessidade de retrabalho dos produtos existentes. Portanto, é necessário que haja um equilíbrio juntamente com a necessidade para a máxima interoperabilidade, o que exige consistência entre todas as descrições de recursos de informação. Além disso, o padrão atenderá as necessidades de recuperação e gestão da informação dos cidadãos e dos governos. 7. Atualização e Manutenção dos Metadados O padrão de metadados do governo eletrônico deve ser aplicado para todos os amplos sistemas governamentais e para as interações entre as agências governamentais (incluindo os governos estrangeiros), os negócios mundiais e os amplos setores públicos. A troca de informação entre as organizações se tornará cada vez mais difícil se elas não cumprirem com o padrão de metadados do governo eletrônico. A obrigatoriedade da utilização de um padrão pode ser feita em quatro etapas. Os governos podem exigir: 1. O uso imediato do padrão de metadados do governo eletrônico em todos os sistemas específicos. 2. O uso de um padrão de reforço dos metadados do governo eletrônico, incluindo elementos adicionais e um perfil de aplicação a partir dos dados de suas realizações. 3. O uso imediato de uma lista de categorias na rede de conhecimentos e o uso de outros sistemas a partir da data de sua finalização. 4. A utilização de dicionários pan-governamentais desde a data de sua finalização. O padrão de metadados do governo eletrônico precisa ser mantido atualizado e o futuro desenvolvimento deve considerar os resultados de uma ampla consulta e de testes de campo. As recomendações para as modificações do padrão devem ser feitas em resposta à entrada a partir da comunidade e aos resultados dos estudos de utilização dos metadados. Entretanto, estas mudanças precisam estar em conformidade com a tecnologia, com o Dublin Core e com outros padrões internacionais que estejam sendo utilizados. Isto irá garantir que o padrão de metadados do governo eletrônico esteja à frente do desenvolvimento. Governo Eletrônico O que um líder governamental deve saber Página 5 de 5

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Termos de Uso. 1. Escopo

Termos de Uso. 1. Escopo Termos de Uso 1. Escopo 1.1 A utilização da página de Internet disponibilizada pela Siemens Aktiengesellschaft e / ou suas subsidiárias ("Siemens"), " Web Site da Siemens ", está sujeita a estas Condições

Leia mais

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A.

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. 1. Quem somos Biva Serviços Financeiros S.A. ( BIVA ) é uma plataforma online de prestação

Leia mais

Sumário. 4 Introdução. 4 Definições. 4 Utilização. 4 Padrões. 4 Conclusão. 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core

Sumário. 4 Introdução. 4 Definições. 4 Utilização. 4 Padrões. 4 Conclusão. 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core Sumário 4 Introdução 4 Definições 4 Utilização 4 Padrões 4 Os padrões permitem 4 Padrões USMARC 4 Padrões Dublin Core 4 Conclusão Introdução 4 A constante evolução da área de informática, permite com que

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Veja como protegemos suas informações. 1. DA ABRANGÊNCIA DESTA POLÍTICA DE PRIVACIDADE a. Como a Advisenet usa informações pessoais? Este documento explicita a forma pela qual a

Leia mais

Gestão de Documento. 1. Introdução

Gestão de Documento. 1. Introdução Gestão de Documento 1. Introdução Os documentos possuem um incrível poder em ambientes de negócios do governo e estão passando pela maior evolução que agitará os negócios governamentais e que os reformará

Leia mais

Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1. Guilhermina de Melo Terra 2. Universidade Federal do Amazonas

Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1. Guilhermina de Melo Terra 2. Universidade Federal do Amazonas Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1 Guilhermina de Melo Terra 2 Universidade Federal do Amazonas Resumo Discute o processo de produção, armazenamento e disseminação da informação que se encontra

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO TERMO DE USO PORTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO TERMO DE USO (PORTAL) Bem vindo à Capesesp. Ao utilizar nosso serviço, o usuário concorda com este Termo de Uso, que poderá ser modificado periodicamente.

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

Backsite Serviços On-line

Backsite Serviços On-line Apresentação Quem Somos O Backsite Com mais de 15 anos de mercado, o Backsite Serviços On-line vem desenvolvendo soluções inteligentes que acompanham o avanço das tecnologias e do mundo. Com o passar do

Leia mais

RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP

RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP RELATÓRIO 3 CONJUNTO DE METADADOS DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA ENAP Projeto básico sobre Repositório Digital: Definição da Arquitetura Informacional / Definição do Conjunto de Metadados / Definição

Leia mais

Resumo de alterações da versão 2.0 para a 3.0 do PA-DSS

Resumo de alterações da versão 2.0 para a 3.0 do PA-DSS Indústria de cartões de pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados de formulário de pagamento Resumo de alterações da versão 2.0 para a 3.0 do PA-DSS Novembro de 2013 Introdução Este documento fornece

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRIVACIDADE HANDSOFT TECNOLOGIA

DECLARAÇÃO DE PRIVACIDADE HANDSOFT TECNOLOGIA DECLARAÇÃO DE PRIVACIDADE HANDSOFT TECNOLOGIA Consentimento Coleta de dados Uso e finalidade dos dados colhidos Endereços IP Ferramentas automáticas Links incorporados Cookies Endereços de e-mail Compras

Leia mais

GOOGLE.COM.BR - PRIVACY POLICY

GOOGLE.COM.BR - PRIVACY POLICY Última modificação: 27 de julho de 2012 ( visualizar versões arquivadas) Existem muitas maneiras diferentes pelas quais você pode usar nossos serviços pesquisar e compartilhar informações, comunicar-se

Leia mais

Rastreabilidade de requisitos através da web

Rastreabilidade de requisitos através da web Rastreabilidade de requisitos através da web Fernando dos Santos (FURB) fds@inf.furb.br Karly Schubert Vargas (FURB) karly@inf.furb.br Christian Rogério Câmara de Abreu (FURB) crca@inf.furb.br Resumo.

Leia mais

Termos de Utilização - 11-06-2012 by jenniferkarg - Entendendo a Radiação Médica - http://medicalradiation.preview.spiritlink.de?

Termos de Utilização - 11-06-2012 by jenniferkarg - Entendendo a Radiação Médica - http://medicalradiation.preview.spiritlink.de? Termos de Utilização by jenniferkarg - Tuesday, November 06, 2012 http://medicalradiation.preview.spiritlink.de/servico/termos-de-utilizacao/?lang=pt-br 1. Escopo 1.1 O uso destas páginas de internet fornecidas

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados. Resumo de Alterações da Versão 2.0 para a 3.0 do PCI-DSS

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados. Resumo de Alterações da Versão 2.0 para a 3.0 do PCI-DSS Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Resumo de Alterações da Versão 2.0 para a 3.0 do PCI-DSS Novembro de 2013 Introdução Este documento fornece um resumo de alterações

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1

CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1 CentralSul de Notícias: A Rotina Produtiva de uma Agência Experimental Online 1 COSTA 2 Daiane dos Santos; FONSECA 3 Aurea Evelise dos Santos; ZUCOLO 4 Rosana Cabral 1 Trabalho submetido ao SEPE 2011 Simpósio

Leia mais

Especialistas em impostos indiretos

Especialistas em impostos indiretos Impostos indiretos IMPOSTOS INDIRETOS Especialistas em impostos indiretos POR MEIO DE UM CONJUNTO ABRANGENTE DE SERVIÇOS DE SUPORTE CONTÍNUOS QUE OFERECEM RESPOSTAS IMEDIATAS ÀS DÚVIDAS SOBRE IMPOSTOS,

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Agenda Banco de dados Gerenciamento de banco de dados Sistemas de gerenciamento de banco de dados Como usar banco

Leia mais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais PARTE 3 Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais Os países em desenvolvimento precisam fortalecer as capacidades institucional e técnica. É necessário melhorar a formação profissional

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Trabalho Bimestral PRODUÇÃO GRÁFICA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INFORMÁTICA BÁSICA

Trabalho Bimestral PRODUÇÃO GRÁFICA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INFORMÁTICA BÁSICA PRODUÇÃO GRÁFICA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INFORMÁTICA BÁSICA Professor Rodolfo Nakamura Trabalho Bimestral PARTE 1 APRESENTAÇÃO GERAL O trabalho bimestral visa concentrar e avaliar a fixação das atividades

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Utilitário ConfigXpress no CA IdentityMinder a minha solução de gerenciamento de identidades pode se adaptar rapidamente aos requisitos e processos de negócio em constante mudança? agility

Leia mais

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos; - Desenvolver o Plano de Gerenciamento; - Construir um sistema

Leia mais

Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas

Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas Uma solução de gerenciamento de nuvens abrangente, segura e flexível Documento técnico de negócios Página 2 Frente às tendências significativas

Leia mais

O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital

O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital Tipos de GED: Document imaging Document management Document Imaging / Document Management O Gerenciamento de Documentos Analógico/Digital Mundo analógico Criação Revisão Processamento Arquivo Mundo digital

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Aviso de Privacidade da Johnson Controls

Aviso de Privacidade da Johnson Controls Aviso de Privacidade da Johnson Controls A Johnson Controls, Inc. e as empresas afiliadas (doravante designadas coletivamente como Johnson Controls, nós e nosso) preocupam-se com a sua privacidade e estão

Leia mais

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica

Manual de Rotinas para Usuários. Advogados da União. Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS. Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Manual de Rotinas para Usuários Advogados da União Procuradoria da União no Estado do Ceará PU/CE SAPIENS Sistema da AGU de Inteligência Jurídica Versão 1.0 2015 1 INTRODUÇÃO 3 1.1 O QUE É O SAPIENS? 3

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0

COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO. Versão 1.0 COORDENAÇÃO DE EAD MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2015 SUMÁRIO 1. O MOODLE 3 2. Acesso à Plataforma 3 2.1. Cadastrar-se em uma disciplina 4 2.2. Página Inicial do Curso 5 3.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. Versão: Maio 2013 Página 1 Introdução Alinhado com o disposto na Instrução CVM nº 497/11 ( ICVM 497/11 ), o Banco

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação

Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação Projeto Básico (pdf) A Gerência de Sistemas GESIS, da Gerência Geral de Gestão do Conhecimento e Documentação- GGCON, tem como objetivo Implantar

Leia mais

Gerenciador de Multi-Projetos. Manual do Usuário. 2000 GMP Corporation

Gerenciador de Multi-Projetos. Manual do Usuário. 2000 GMP Corporation GMP Corporation Gerenciador de Multi-Projetos Manual do Usuário 2000 GMP Corporation Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 24/08/2004 1.0 Versão inicial do documento Bárbara Siqueira Equipe

Leia mais

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Programação Servidor para Sistemas Web 1 Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar a teoria por trás dos padrões na construção de aplicações Web. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

ADENDO DE TREINAMENTO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE ao CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK

ADENDO DE TREINAMENTO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE ao CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK ADENDO DE TREINAMENTO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE ao CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK Este Adendo de Treinamento de Cloud Services da Oracle (o "adendo") é firmado entre você e a entidade da Oracle com

Leia mais

IBM System Storage. Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM

IBM System Storage. Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM IBM System Storage Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM As organizações sempre se esforçaram para gerenciar o crescimento exponencial de informações

Leia mais

AMARO Gestão Empresarial Ltda.

AMARO Gestão Empresarial Ltda. Anexo SL Por se tratar de uma tradução livre e de uso somente informativo para os clientes da consultoria, selecionamos somente os trechos importantes do Anexo SL e colocamos abaixo o Apêndice 2 que estrutura

Leia mais

Elaborado por: 21/08/2006 Revisado por: 21/08/2006 Aprovado por: 21/08/2006

Elaborado por: 21/08/2006 Revisado por: 21/08/2006 Aprovado por: 21/08/2006 IT-GQ111 01/07 Elaborado por: 21/08/2006 isado por: 21/08/2006 provado por: 21/08/2006 Silas Sampaio Moraes Junior SQ/MTZ Silas Sampaio Moraes Junior SQ/MTZ Silas Sampaio Moraes Junior SQ/MTZ Objetivos:

Leia mais

Manual do Aluno Moodle

Manual do Aluno Moodle Manual do Aluno Moodle Site: Moodle PUCRS Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Curso: Moodle PUCRS Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Livro: Manual do Aluno Moodle Impresso

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM J HELLO FARM SERVIÇOS DE TECNOLOGIA LTDA., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 23.694.884/0001-27, doravante denominada simplesmente como Hello Farm, adota

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

ERGONOMIA. Prof. Ruy Alexandre Generoso

ERGONOMIA. Prof. Ruy Alexandre Generoso ERGONOMIA Prof. Ruy Alexandre Generoso Ergonomia de Software - Definição É a ciência que estuda o conforto, a utilização, a organização e a documentação do software. Tem como objetivo facilitar e otimizar

Leia mais

TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO. 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet

TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO. 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet 1.1 O Portal Vets4Vet, encontrado na internet sob o domínio www.vets4vet.com.br, tem por objetivo aproximar

Leia mais

Resumo Objetivo e Definição do problema

Resumo Objetivo e Definição do problema 1 Resumo Objetivo e Definição do problema O presente trabalho estuda o uso potencial de instrumentos que utilizam uma interação próxima entre os setores público, privado e o terceiro setor, visando aumentar

Leia mais

Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu

Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu Gerenciamento do ciclo de vida de um documento Simone de Abreu É o gerenciamento do ciclo de vida de todos os registros, em todos os tipos de mídia, desde a criação até a destruição ou arquivo permanente.

Leia mais

A Inteligência Empresarial

A Inteligência Empresarial A Inteligência Empresarial A produtividade do Conhecimento deve ser, portanto, a preocupação central dos administradores do século XXI. Conhecimento, inovação e empreendedorismo formam, assim, um tripé

Leia mais

CURSO: Orientações. MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links. Curso 3/3 2009. Contato com o suporte: Nome.: Empresa.: Data.: / / E-mail.

CURSO: Orientações. MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links. Curso 3/3 2009. Contato com o suporte: Nome.: Empresa.: Data.: / / E-mail. CURSO: Orientações MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links Curso 3/3 2009 Contato com o suporte: Tel.:11-3857-9007 ramal 4 Fax.: 11-3857-9007 ramal 211 Cellular: 11-9333-21 E-mail.: suporte@webcontabil.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Curso de Informática Básica

Curso de Informática Básica Curso de Informática Básica A Web Descomplique 1 Curso de Informática Básica Índice Introdução...3 Organizando os favoritos...3 Localizando Informações na página...5 Histórico de Navegação...7 Capturando

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

Manual do Usuário Janeiro de 2016

Manual do Usuário Janeiro de 2016 Manual do Usuário Janeiro de 2016 SOBRE CMX CMX é uma interface que dá acesso aos estudantes a milhares de atividades, exercícios e recursos todos posicionados com os padrões e conceitos curriculares.

Leia mais

Anexo 67 Orientações para a Elaboração de Termo de Referência

Anexo 67 Orientações para a Elaboração de Termo de Referência Anexo 67 Orientações para a Elaboração de Termo de Referência O Termo de Referência é um documento que tem como propósito fornecer parâmetros para a contratação de consultor individual (pessoa física)

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS Aluno: Luiza Cavalcanti Marques Orientador: Silvio Hamacher Introdução A modelagem e a utilização de bancos de dados em atividades gerenciais têm sofrido um aumento significativo

Leia mais

1. O Contexto do SBTVD

1. O Contexto do SBTVD CT 020/06 Rio de Janeiro, 27 de janeiro de 2006 Excelentíssimo Senhor Ministro Hélio Costa MD Ministro de Estado das Comunicações Referência: Considerações sobre o Sistema Brasileiro de Televisão Digital

Leia mais

O impacto da Lei de Acesso à Informação (LAI) no ambiente SISP

O impacto da Lei de Acesso à Informação (LAI) no ambiente SISP 6ª Governança Aplicada ISACA Capítulo Brasília O impacto da Lei de Acesso à Informação (LAI) no ambiente SISP João Batista Ferri de Oliveira Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento

Leia mais

O bem estar do seu pet é a principal preocupação da PURINA PORTUGAL. Este objetivo

O bem estar do seu pet é a principal preocupação da PURINA PORTUGAL. Este objetivo O serviço PETSHARING O bem estar do seu pet é a principal preocupação da PURINA PORTUGAL. Este objetivo é partilhado por toda uma comunidade de PETLOVERS. Neste sentido foi criada a Plataforma de PETSHARING,

Leia mais

IBM Unica Histórico da Interação Attribution Modeler Versão 1 Release 0 15 de maio de 2012. Tabelas de Sistema do

IBM Unica Histórico da Interação Attribution Modeler Versão 1 Release 0 15 de maio de 2012. Tabelas de Sistema do IBM Unica Histórico da Interação Attribution Modeler Versão 1 Release 0 15 de maio de 2012 Tabelas de Sistema do Observação Antes de usar estas informações e o produto por elas suportado, leia as informações

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Política de Conflitos de Interesses

Política de Conflitos de Interesses Política de Conflitos de Interesses Índice Índice 2 Política de Conflitos de Interesses 3 1. Introdução... 3 2. A nossa política de conflitos de interesses... 3 3. Conflitos de interesses estudos de investimento...

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

OLÁ! Eldes saullo. Neste GUIA VISUAL você vai descobrir a maneira mais fácil de formatar seu livro e publicá-lo na Amazon e no Kindle.

OLÁ! Eldes saullo. Neste GUIA VISUAL você vai descobrir a maneira mais fácil de formatar seu livro e publicá-lo na Amazon e no Kindle. OLÁ! Neste GUIA VISUAL você vai descobrir a maneira mais fácil de formatar seu livro e publicá-lo na Amazon e no Kindle. O Guia está divido em duas partes: FORMATAÇÃO: como preparar seu arquivo antes de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO Concurso Público para o Cargo de Professor Adjunto EDITAL 027/2012 Código do Candidato: PROVA ESCRITA - 17.12.2012

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências a

Leia mais

BLOG ESCOLAS. Após acessar o seu respectivo blog, você será direcionado a tela a seguir. Vamos conhecê-la um pouco melhor.

BLOG ESCOLAS. Após acessar o seu respectivo blog, você será direcionado a tela a seguir. Vamos conhecê-la um pouco melhor. 1 CONHECENDO A PÁGINA PRINCIPAL Após acessar o seu respectivo blog, você será direcionado a tela a seguir. Vamos conhecê-la um pouco melhor. PAGINAS- Mostras as paginas do blog LOCALIZADOR área de busca

Leia mais

Afiliados. Uma visão geral da sua oportunidade de ser um Afiliado Uglii. Every Business Every Country

Afiliados. Uma visão geral da sua oportunidade de ser um Afiliado Uglii. Every Business Every Country Afiliados Uma visão geral da sua oportunidade de ser um Afiliado Uglii Every Business Every Country Copyright SISS 2011 Oportunidade para Afiliados 18 de janeiro de 2011 Página 1 de 11 Índice Sumário...

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Manual de Publicação Wordpress

Manual de Publicação Wordpress Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual de Publicação Wordpress Núcleo de Tecnologia da Informação - UFMS Maurílio Mussi Montanha 2014 Sumário 1 Introdução... 3 2 ACESSO À INTERFACE

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Simplificamos e aceleramos sua transformação digital.

Simplificamos e aceleramos sua transformação digital. Simplificamos e aceleramos sua transformação digital. Sobre a Plataforma Texidium, da Kivuto Todos os alunos. Todos os recursos. Durante todo o tempo. A visão da Kivuto com a Texidium é facilitar a transição

Leia mais

Projeto de Software Social. ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica

Projeto de Software Social. ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica 1 Projeto de Software Social ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica Autores: Carlos Alberto Meier Basso Késsia Rita da Costa Marchi Marcelo Rafael Borth Orientador: Prof. Dr. Sérgio

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Metodologia de Desenvolvimento de Software Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Objetivos Discutir aspectos de Engenharia de Software Aplicar um método de desenvolvimento para especificação e projeto de software

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS Atualizado em 21/12/2015 GESTÃO DE PROCESSOS Um processo é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Por meio de processos, a

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta Ética das Empresas Concremat contempla os princípios que devem estar presentes nas relações da empresa com seus colaboradores, clientes,

Leia mais

Guia do Fornecedor. WBC Public Pregão eletrônico

Guia do Fornecedor. WBC Public Pregão eletrônico Guia do Fornecedor WBC Public Pregão eletrônico As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas a mudança sem aviso prévio.

Leia mais

Sistemas gestores de conteúdo e suas aplicações em museus e centros de ciência

Sistemas gestores de conteúdo e suas aplicações em museus e centros de ciência Sistemas gestores de conteúdo e suas aplicações em museus e centros de ciência Fabio Castro Gouveia Museu da Vida COC Fiocruz Brasil Introdução Podemos considerar que os Museus são tradicionalmente provedores

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES CAPÍTULO ATIVIDADES, PAG. 138 A 150

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES CAPÍTULO ATIVIDADES, PAG. 138 A 150 LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES WILSON PADUA PAULA FILHO CAPÍTULO ATIVIDADES, PAG. 138 A 150 1 ANÁLISE ESTRUTURAL IDENTIFICAR AS CLASSES ORGANIZAR AS CLASSES IDENTIFICAR RELACIONAMENTOS

Leia mais

Termos de serviço do Movimento Certo Ginástica Laboral Online

Termos de serviço do Movimento Certo Ginástica Laboral Online Termos de serviço do Movimento Certo Ginástica Laboral Online Última atualização: 17 de março de 2015 Obrigado por usar o Movimento Certo! Estes termos de serviço (os "Termos") governam seu acesso aos

Leia mais

Fonte: Laudon & Laudon 5ª edição Administração de Sistemas de Informação

Fonte: Laudon & Laudon 5ª edição Administração de Sistemas de Informação ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Fonte: Laudon & Laudon 5ª edição 1 OBJETIVOS Qual é o papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios competitivos existentes hoje? O que é, exatamente, um sistema

Leia mais

Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007.

Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007. Relatório do GPES Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007. Objetivo O objetivo desse relatório é expor alguns padrões de interface para Web que foram definidos pela Coleção

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

Busca de Informação Tecnológica em Bases de Patentes. Aspectos Gerais

Busca de Informação Tecnológica em Bases de Patentes. Aspectos Gerais CURSO DE CAPACITAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA Busca de Informação Tecnológica em Bases de Patentes Aspectos Gerais Araraquara, agosto/2009 Importância da Informação Tecnológica

Leia mais

INTRODUÇÃO. O conteúdo programático foi pensado em concursos, assim simularemos algumas questões mais usadas em vestibular e provas de concursos.

INTRODUÇÃO. O conteúdo programático foi pensado em concursos, assim simularemos algumas questões mais usadas em vestibular e provas de concursos. INTRODUÇÃO Essa apostila foi idealizada como suporte as aulas de Informática Educativa do professor Haroldo do Carmo. O conteúdo tem como objetivo a inclusão digital as ferramentas de pesquisas on-line

Leia mais

Portal do Projeto Tempo de Ser

Portal do Projeto Tempo de Ser Sumário Portal do Projeto Tempo de Ser O que é um Wiki?...2 Documentos...2 Localizando documentos...3 Links...3 Criando um Documento...4 Criando um link...4 Editando um Documento...5 Sintaxe Básica...5

Leia mais