Caracterização do escoamento turbulento em canais com vegetação emersa rígida

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização do escoamento turbulento em canais com vegetação emersa rígida"

Transcrição

1 Recursos Hídrcos /// Assocação Portuguesa dos Recursos Hídrcos /// Volume 34# 0 Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda Characterzaton o turbulent low wthn boundares covered by rgd and emergent vegetaton Ana M. Rcardo Assocado APRH /// Doutoranda /// CEHIDRO, Insttuto Superor Técnco, Unversdade de Lsboa, Portugal & Laboratory o Hydraulc Constructons, EPFLausanne, Swtzerland Máro J. Franca Assocado APRH /// PhD, Research and Teachng Assocate /// Laboratory o Hydraulc Constructons, EPFLausanne, Swtzerland Ru M.L. Ferrera Dr, Proessor Aular /// CEHIDRO, Insttuto Superor Técnco, Unversdade de Lsboa, Portugal Resumo: Os escoamentos no nteror de zonas povoadas de hastes rígdas e emersas apresentam grande heterogenedade, pelo que a sua caracterzação requer uma ormulação que ncorpore eplctamente essa varabldade espacal. Este trabalho pretende caracterzar e quantcar o escoamento no nteror de zonas com vegetação rígda e emersa, bem como quantcar as orças, por undade de área, que o escoamento eerce nas hastes e no undo do canal. Para tal, realzaram-se dos ensaos laboratoras com derentes densdades de hastes, nos quas se medram campos de velocdades nstantâneas com o sstema de medção Partcle Image Velocmetry (PIV). No tratamento dos dados o aplcada a metodologa de méda dupla espáco-temporal. Desenvolveu-se, anda, um modelo teórco para o cálculo da orça aplcada nas hastes e respectvo coecente de resstênca. Os resultados obtdos mostram que as tensões dspersvas não são, em geral, desprezáves ace às tensões de Reynolds. Concluu-se, também, que o aumento das tensões dspersvas normas longtudnas permte eplcar, parcalmente, o aumento do coecente de arrastamento das hastes com o aumento da densdade de hastes. Palavras-chave: Vegetação emersa rígda, resstênca ao escoamento, PIV, metodologa de méda dupla espácotemporal ABSTRACT: The man characterstc o the low through rgd stems s the great spatal varablty that ests n the nter-stem space, requrng a ormulaton o the momentum and mass conservaton equatons that take nto account such varablty. Ths work s amed at characterzatng and quantcatng the low wthn vegetated areas susceptble to be smulated by dense arrays o vertcal emergent stems as well as at quantcatng the orces, per unt bed area, actng on the stems and on the bed boundary. To meet the obectves, two epermental tests were carred out, wth derent denstes o stems, to acqure velocty elds wth a Partcle Image Velocmetry system (PIV). The treatment o the data was done wth the Double Averagng methodology (DAM). A theoretcal model or the calculaton o the drag orce eerted on the stems and respectve coecent was developed. The results reveal that the contrbuton o orm-nduced stresses s o the order o magntude o the contrbuton o Reynolds stresses. The analyss o orm-nduced stresses helps to eplan the ncrease o the drag coecent when the stem densty ncreases. Keywords: Rgd and emergent vegetaton, low resstance, PIV, Double-Averagng Methodology. 55

2 1. Introdução A vegetação emersa que recobre as margens e o undo de mutos ros aluvonares, bem como etensas áreas nas planíces de nundação, desempenha um papel muto mportante no equlíbro dos ecossstemas luvas. A vegetação nluenca os processos geomorológcos e hdrológcos aetando a resstênca ao escoamento, o transporte e a deposção de sedmentos e contamnantes e a ntensdade e a dusão turbulentas (Nep, 1999). Por outro lado, a presença da vegetação contrbu postvamente para a bodversdade, para a qualdade da água e para a ntegração pasagístca (Nep & Vvon, 1999; Tanno & Nep, 008). Devdo a este papel mportante desempenhado pela vegetação, o recurso a materal vvo nas soluções de boengenhara está atualmente a aumentar. No entanto, a estênca de vegetação emersa nos cursos de água está assocada a uma maor resstênca do escoamento e, assm, a maores rscos de nundação (Kadlec, 1990; Lopez & Garca, 1998). Desta orma, é mportante consegur estmar o aumento da resstênca ao escoamento para um dado aumento na densdade da vegetação e é relevante compreender como vara a ordem de grandeza das orças atuantes no leto e nas hastes das plantas quando ocorrem varações na densdade de hastes. Uma revsão bblográca destes temas pode ser consultada em Raupach (199). A prncpal característca do escoamento por entre campos de hastes emersas e rígdas é a grande heterogenedade que apresenta à escala do espaçamento médo entre as hastes (Whte & Nep, 003). À escala macroscópca da zona vegetada os ortes gradentes na zona entre hastes não são suscetíves de serem percebdos e o escoamento é caracterzado como dspersvo (Nep, 1999). À escala da haste, o escoamento é entenddo como escoamento em torno de um clndro de eo vertcal na estera de outros clndros. A resstênca hdráulca depende das orças de pressão e vscosas que atuam no perímetro molhado. Devdo à grande varabldade espacal, essas orças devem ser determnadas com base num modelo teórco desenvolvdo à escala do espaço entre hastes e calbrado com dados obtdos à mesma escala. A maor parte dos trabalhos empírcos e teórcos que estem na lteratura basearam-se em dados obtdos com nstrumentação nadequada (James et al., 004) ou assumem hpótese que não ncorporaram os termos dspersvos nduzdos pela presença das hastes (Tanno & Nep, 008). É assm necessáro desenvolver um modelo teórco para determnar o coecente de arrastamento em zonas povoadas com vegetação rígda e emersa. Reconhecendo estas alhas na nvestgação de escoamentos em zonas vegetadas, este trabalho pretende ) caracterzar detalhadamente e quantcar o escoamento no nteror de zonas povoadas com vegetação emersa rígda e ) quantcar, de orma ndependente, as orças, por undade de área, que o escoamento eerce nas hastes e no undo do canal e os respetvos coecentes de resstênca. Ambos os obetvos conduzem a um melhor conhecmento da resstênca hdráulca neste tpo de escoamentos. Dada a grande varabldade espacal deste tpo de escoamentos, para compreender os enómenos assocados à resstênca do escoamento em letos com vegetação é necessáro recorrer a um ormulação das equações de conservação da massa e da quantdade de movmento que ncorporem eplctamente a heterogenedade espacal. A metodologa de méda dupla espáco-temporal (DAM) provdenca a base conceptual para um modelo teórco de estmação da orça de arrastamento eercda nas hastes. Modelo este que é dervado das equações de conservação do escoamento. Fo desenvolvdo trabalho laboratoral para caracterzar o escoamento à escala do espaçamento médo entre hastes e para quantcar as varáves do escoamento ntervenentes nas equações de conservação. Neste trabalho o dada especal atenção ao cálculo e dscussão da 1) magntude relatva das tensões de Reynolds e das tensões dspersvas; ) dstrbução de pressão e da magntude das tensões normas na dreção vertcal; 3) ordem de grandeza relatva dos termos da equação da conservação da quantdade de movmento na dreção longtudnal e 4) o mpacto das tensões dspersvas normas longtudnas na orça de arrastamento.. nstalações laboratoras e nstrumentação Os resultados apresentados neste documento oram produzdos com base num trabalho epermental conduzdo no canal de recrculação e nclnação varável (CRIV) do Laboratóro de Hdráulca e Recursos Hídrcos do Insttuto Superor Técnco. O CRIV, representado na Fgura 1, tem 10 m de comprmento eetvo, 40.8 cm de largura e paredes lateras de vdro transparente que O teto deste artgo o submetdo para revsão e possível publcação em outubro de 013, tendo sdo acete pela Comssão de Edtores Centícos Assocados em outubro de 013. Este artgo é parte ntegrante da Revsta Recursos Hídrcos, Vol. 34, Nº, 55-67, novembro de 013. APRH, ISSN DOI /rh34n-5 56 Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda

3 Recursos Hídrcos /// Assocação Portuguesa dos Recursos Hídrcos /// Volume 34# 0 permte a ácl observação do escoamento e medções baseadas em regstos vídeo. O undo do canal o coberto com uma camada de area com dâmetro médo d 50 = 0.8 mm, densdade s =.65 e coecente de gradação σ D = Sobre a camada de area, horzontal e lsa, colocou-se, num troço de 3.1 m ao longo do canal, estacas com dâmetro d = 1.1 cm que smularam caules rígdos de elementos de vegetação (Fgura ). As estacas oram colocadas no leto de area de orma aleatóra, e de acordo com uma dstrbução unorme em toda a área povoada pelas estacas. A montante do leto de area o colocada uma camada de seos (elementos rugosos) para acelerar o desenvolvmento da camada lmte. A usante do troço povoado com hastes o construída uma solera epressa com seos para controlar o escoamento. Neste teto serão apresentados resultados reerentes a dos testes laboratoras, A1 e A, ambos realzados com caudal gual a.33 l/s. O teste A1 é caracterzado por ração sólda da área de controlo φ = 0.038, que corresponde a uma densdade de m = 399 hastes/m. Neste teste, a secção de medção o caracterzada por velocdade longtudnal méda _ de U = 0.11 m/s, altura méda do escoamento h = 5.5 cm, gradente longtudnal da altura do escoamento dh/d = e número de Reynolds assocado às hastes Re p = 116. O teste A apresentou uma menor densdade de Fgura 1 Vsta geral do CRIV. Fgura - a) Representação esquemátca do perl longtudnal da zona povoada com hastes clíndrcas; b) Aspeto nal do troço com hastes. Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda 57

4 hastes, sendo caracterzado _ por φ = 0.0, m = 31 hastes/m, U = 0.1 m/s, h = 5.0 cm, dh/d = e Re p = 139. No teste A1 regstaram-se osclações peródcas da superíce lvre, no entanto, no teste A estas osclações eram pouco sgncatvas. Sem hastes e com o mesmo caudal, os parâmetros de Shelds ϒ= u* ( g( s 1) d50 ) e Χ= u d / ν * 50 seram e 19.5, respetvamente, ndcando um leto na emnênca de movmento ncpente e hdraulcamente de transção (Yaln, 197). Note-se que o escoamento neste teste era gradualmente varado, com velocdade crescente no sentdo de usante. Os valores apresentados reerem-se à méda na zona onde se eectuaram as medções, na qual a varação da velocdade de atrto unto ao undo era desprezável. No decorrer dos ensaos epermentas oram-se desenvolvendo pequenas cavdades e deposções na base das estacas. A prounddade máma destas cavdades era da ordem de 1 cm, ao passo que as deposções de area, a usante das estacas, regstavam em méda 0.75 cm de altura. No entanto, não esta uma sgncatva nteração dnâmca entre as cavdades e as deposções, no sentdo em que o transporte de sedmentos era neglgível vsto que as cavdades de erosão dearam de evolur rapdamente. O mpacto no escoamento destas perturbações no leto lso consstu no desenvolvmento de uma regão nteror nluencada pelas osclações de orma do leto. Nos testes laboratoras oram meddos mapas de velocdade nstantânea no plano vertcal com recurso à técnca não ntrusva D Partcle Image Velocmetry (PIV) em 5 posções lateras alnhadas paralelamente ao escoamento, como se representa na Fgura 3. Para ambos os testes, a secção transversal no centro da zona de medções localzou-se a = 7.67 m, em relação à entrada do canal. Quanto às posções lateras, estas oram meddas em y = 0.155; 0.180; 0.05; 0.30 e 0.55 m, representadas na Fgura 3 por P1, P, P3, P4 e P5, respectvamente. Foram também etas medções de velocdade no plano horzontal. O PIV utlzado apresenta uma energa de 30 mj em cada pulso, transorma radação nravermelha em radação vsível com comprmento de onda de 53 nm e o operado com uma requênca de aqusção de 15 Hz. Para adequadas medções e vsualzação do escoamento, oram ntroduzdas partículas artcas mcroporosas desgnadas comercalmente por Polyamde Seedng Partcles (PSP), com massa volúmca gual a 1.03 g/cm 3 e dâmetros entre 30 e 70 μm, sendo 50 μm o dâmetro médo (detalhes sobre estas partículas podem ser consultados em Rcardo, 008). Para a aplcação da metodologa DAM oram seleconados um total de 60 pers (1 pers/ lateral) obtdos a partr de nstâncas de aqusção ndependentes, correspondendo 490 mapas nstantâneos a cada nstânca. A Fgura 4a) eemplca a seleção dos pers numa das posções lateras. Para quantcar o erro cometdo na estmação das médas temporas das váras quantdades turbulentas, procedeu-se a uma análse de sensbldade, com a qual se concluu que os erros cometdos são nerores a 1%, em ambos os testes. Depos de dentcadas as coordenadas de todos os pontos onde se consderou um perl de velocdades médas, calcularam-se as áreas de nluênca de cada perl pelo método dos polígonos de Voronoï (Fgura 4b)), consderando que cada haste se pode representar por uma haste ctíca. Fgura 3 Posções lateras do ee de laser: esq: teste A1; dr: teste A. 58 Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda

5 Recursos Hídrcos /// Assocação Portuguesa dos Recursos Hídrcos /// Volume 34# 0 Fgura 4 a) Eemplo da escolha da localzação dos pers numa das lateras do teste A1, sobre um mapa de velocdade méda temporal (mapa de cores em m/s); b) Áreas de nluênca dos pers no teste A1. 3. Caracterzação do escoamento Os mapas das lutuações espacal da velocdade e de vortcdade num plano horzontal e médas no tempo, apresentados na Fgura 5 comprovam a grande heterogenedade de um escoamento por entre hastes rígdas e emergentes. A lutuação espacal da velocdade é dada por u = u u, onde u e u são, respetvamente, a velocdade longtudnal méda temporal e a velocdade longtudnal méda temporal e espacal (a ormulação da méda dupla é apresentada na secção segunte). Como sera de esperar, o escoamento apresenta velocdades relatvamente baas na estera das hastes e velocdades mas elevadas no espaço entre hastes. Estas regões são aclmente dentcáves na Fgura 5, na zona entre y = 4cm e y = 6cm (y é a coordenada lateral). Decorrente da elevada derença de velocdades, é epectável que, nesta zona, se gerem nstabldades de Kelvn-Helmoltz (HK), cua assnatura no escoamento médo consste em valores elevados de vortcdade e elevadas tensões turbulentas de corte. Observando os mapas de velocdade nstantânea e as suas lnhas de corrente (Fgura 6), conclu-se que o escoamento é marcado por requentes movmentos ascendentes e descendentes do ludo. As lnhas de corrente untam-se e desaparecem em pontos de sumdouro e aparecem em pontos de onte, pelo que é provável que estes movmentos coerentes correspondam a eeções e varrmentos. Nos mapas de vortcdade méda (Fgura 5b) é possível dentcar uma estera de vórtces de von Kármán a usante da haste localzada no canto superor esquerdo do reerdo mapa. Nesta regão dentca-se a repetção de um padrão com vortcdades elevadas de snal postvo e negatvo (zonas vermelho e azul vvos, entre y = 1.5cm e y = 3.5cm e = -3.5cm a = -4.5cm), que tem orgem na separação nstável do escoamento em torno da haste. 4. Equações DANS e o sstema ísco Para aplcar a metodologa DAM (ver detalhes em Raupach et al.,1986; Gménez-Curto & Cornero Lera, 1996; Fnngan, 000; Nkora et al., 001) a área de medção mínma corresponde a um quadrado cuo lado é gual ao espaçamento médo entre hastes, ou sea, 5.0 cm no teste A1 e 6.6 cm no teste A. No entanto a área de medção adotada neste trabalho o um retângulo de cm (longtudnal transversal). Os gradentes longtudnas oram calculados a partr de varáves méda no tempo e no espaço (varáves DA) obtdas ndependentemente em áreas de controlo adacentes de 5 15 cm. O volume de ludo no volume de controlo é dendo como T = A0 h ( 1φ ), sendo φ é a ração sólda do volume de controlo. No que dz respeto ao sstema ísco, a coluna de água é dvdda em duas camadas: a regão unto ao undo (zona b na Fgura 7) onde o escoamento é nluencado pelas osclações no leto geradas pelas erosões e deposções unto às hastes e a restante coluna de água (zona s na Fgura 7) onde o escoamento, que pratcamente não é aetado pelo undo, depende essencalmente da densdade e da dstrbução espacal das hastes. Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda 59

6 Fgura 5 a) Mapa de lutuações espacas da velocdade longtudnal (m/s); b) Mapa de vortcdade (s-1). Ambos os mapas dzem respeto à cota z = 0.95 cm no ensao A1. Fgura 6 Eemplo de dos mapas de velocdade nstantânea sobreposta às lnhas de corrente do escoamento no teste A1 à cota z = 0.95 cm. Fgura 7 Esquematzação do sstema ísco, que é consttuído por camadas: a camada unto ao leto nluencada pelas osclações na topograa do undo (b) e a restante coluna de água nluencada pelas hastes (s). 60 Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda

7 Recursos Hídrcos /// Assocação Portuguesa dos Recursos Hídrcos /// Volume 34# 0 De acordo com esta conguração do sstema ísco, as equações de conservação de quantdade movmento em termos de médas temporas e espacas (DANS, Double-Averaged Naver-Stokes equaton na lteratura nglesa) são: onde, =, y, z representam as dreções do reerencal Cartesano; u e p são as médas temporas da velocdade e da pressão, respetvamente; u e p são as médas temporas e espacas da velocdade e da pressão, respetvamente; u ' é a lutuação temporal da velocdade em relação à velocdade méda u ; u = u u representa a lutuação espacal da ( k ) ( k ) velocdade; e S nt são, respetvamente, o volume de ludo e a área de nterace entre o ludo e o sóldo no volume de controlo k; ψ = 1 -φ (s) -φ (b) representa a unção de vazos; φ (k) é a ração sólda no volume de controlo k. k = s dentca o volume de controlo lmtado pelas elevações do undo e a superíce lvre, ao passo que k = b dentca o volume de controlo entre o plano horzontal que contém as crstas das deposções de area e o leto orgnal (Fgura 7). ρ e ν representam a massa volúmca e a vscosdade cnemátca da água e g é a aceleração gravítca. Em relação ao sgncado de cada termo na Eq. (1): ρψ u' u' é o tensor das tensões de Reynolds; ρψ uu é o tensor das tensões dspersvas; ψ ν u é o tensor das tensões 1 vscosas; ρ pn s ds é a resstênca de orma nas ( ) ( s ) hastes; hastes; 1 s ( ) ( s ) Snt 1 ρ pn ( ) ds ν s ( s) ( s) ( s) S nt Snt pn ( ) ds ν b ( b) ( b) ( b) S nt Snt Snt u ν nds é a resstênca vscosa nas ( b) ( b ) Snt pn ds e 1 b ( ) ( b ) Snt u ν nds são, (1) respetvamente, a resstênca de orma e vscosa atuantes no leto. Os termos correspondentes à resstênca de orma e vscosa são orças por undade de massa de ludo. A denção de méda temporal e espacal (DA) de uma dada varável do escoamento é dada por: u 1 ψ p u =g NN0 ( z) ψρ θk( z) Ak( z) k = 1 1 ψ u' u' 1 ψ uu θ ( z) () NN 0 ( z) Ak ( z) ψ ψ 1 u + ψ ν ψ 1 1 u + nds ρ 1 1 u + nds ρ onde θ = u ou θ = p, A k (k) é a área do subdomíno conveo Ω k, denda como a área de nluênca de, y 0, L 0, L e tal que N( z) k = 1 ( k k) ] [ y Ω =Ω, N corresponde ao número total de k k = 1 subdomínos e N 0 (z) o número de subdomínos, à cota z, para o qual a varável do escoamento não está denda em ( k, y k ). Deve notar-se que NN0 ( z ) k = 1 A ( z) < A( z) para N ( z ) > 0 e L L 0 é a área do domíno Ω (detalhes y em Franca et al., 008, Ferrera et al., 009 e Ferrera et al., 010). Para proceder à aplcação das equações DA é necessáro consderar algumas hpóteses que se apresentam em seguda. A velocdade vertcal méda temporal e espacal é apromadamente nula em toda a coluna de água. As hastes eram vertcas e emergentes, φ (s) é uma constante no volume de controlo e a resstênca de orma na dreção vertcal é nula. Consderou-se desprezável o eeto de φ (b), pelo que φ φ (s) e o parâmetro ψ na Eq. (1) é constante. Como a vscosdade cnemátca da água apresenta um valor relatvamente pequeno, assume-se que as tensões vscosas são pelo menos uma ordem de grandeza nerores aos restantes termos da Eq. (1). As medções dos campos de velocdade lateral ustcam a v Resultados 5.1. Tensões de corte Na Fgura 8 apresenta-se os pers médos das tensões tangencas de Reynolds e dspersvas, detalhes da orma de cálculo destas tensões podem ser consultadas em Rcardo (008). Note-se que para smplcar as legendas do eos das Fguras 8 a 11, se consderou H = h. Comprovando a subsstênca da sub-camada vscosa, ambos os pers, tensões de Reynolds ρ u' v' e tensões dspersvas ρ uv, são apromadamente nulos unto ao undo. Ao nível médo da superíce lvre as tensões tangencas de Reynolds e dspersvas k Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda 61

8 Fgura 8 - Tensão tangencal de Reynolds (*) e tensão tangencal dspersva ( ). As tensões são normalzadas por a) teste A1; b) teste A.. ρ U. tendem para zero apesar das osclações regstadas. Verca-se que a vegetação consegue nduzr maor sotropa na turbulênca unto ao undo e maor ansotropa da turbulênca nas promdades da superíce lvre. O escoamento nas cotas z > 0.60H é predomnantemente nluencado pelo comportamento da superíce lvre, onde a ansotropa nduzda pelas osclações da superíce lvre é a causa dos valores postvos das tensões tangencas de Reynolds no teste A1. No caso do teste A, onde as osclações da superíce lvre quase não estem, esta tendênca não se observa. A comparação do perl das tensões dspersvas no ensao A1 e A revela que esta varável do escoamento parece depender apenas da densdade das hastes e aumentar com φ. Comparando os pers da Fgura 8 conclu-se que os luos dspersvos da quantdade de movmento não podem ser consderados desprezáves ace aos luos turbulentos. As tensões tangencas dspersvas são da mesma ordem de grandeza ou, eventualmente, maores que as tensões tangencas de Reynolds nos escoamentos no nteror de uma zona densamente povoada com hastes rígdas. A mportânca relatva das tensões dspersvas acentua-se com o aumento da densdade da vegetação, para o âmbto de densdades estudadas. Este resultado contradz a convcção geralmente acete (p.e. Tanno & Nep, 008), undada em medções pouco detalhadas, que as tensões dspersvas seram desprezáves ace às tensões de Reynolds. 5.. Dstrbução de pressões A dstrbução de pressões é obtda através da ntegração da Eq. (1) segundo a dreção vertcal entre z e a prounddade méda do escoamento h. Incorporando as hpótese anterormente ndcadas, a equação resultante é dada por: ρg( h z)ρ w' w' h Os termos da Eq. (3) serão dscutdos com base nos resultados do teste A1. A Fgura 8a) revela que ( u' w' + uw )= O( 10 4 ), ou sea, bastante menor que o termo gravítco, pelo que o termo ntegral da Eq. (3) é desprezável. Como se pode vercar na Fgura 9a), as tensões normas de Reynolds na dreção vertcal não são necessaramente nulas à cota z = h, o que pode dever-se às osclações da superíce lvre, uma vez que w' 0quando z h z no teste A. Independentemente da densdade de hastes, as tensões dspersvas normas na dreção vertcal são zero à cota méda da superíce lvre (Fgura 9b). + p ρ w w z h z h ρ ( u' w' + u w ) dz = 0 z z (3) 6 Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda

9 Recursos Hídrcos /// Assocação Portuguesa dos Recursos Hídrcos /// Volume 34# 0 Fgura 9 - a) Tensão de Reynolds normal vertcal; b) tensão dspersva normal vertcal. Os círculos ( ) dentcam o teste A1 e os asterscos (*) o teste A. As tensões são normalzadas por ρu. Os valores de nerores aos valores de ρ w são uma ordem de grandeza ρ w', no testes A1 e A. O mámo valor de ρ w' ocorre à cota 0.9 h no teste A1. Tem-se ρ g( h 09. h ) 54 e ρ w' w' 0.4, pelo que o erro h 0.9 h cometdo com a hpótese de pressão hdrostátca é menor que 1% Quantdade de movmento méda na dreção longtudnal Consderando as váras hpóteses smplcatvas anterormente apresentadas e ntroduzndo a equação da contnudade, a equação da conservação da quantdade de movmento na dreção longtudnal escreve-se da segunte orma: u u w h u ' u + =g z u' w' uw 1 u ν n z ds z z z ( b) ( b) Snt 1 u ν ( s) n z ds + ( s) pn ds + ( b) pn ds ( s) z ρ ( s) ( b) Snt Snt Snt (4) Aplcando a méda na coluna de água na Eq. (4) e ntroduzndo as condção de rontera cnemátca (detalhes em Rcardo, 008), resulta ( s) U h h + U = =g h ρg h u ' h h + u' u' h u h u u h h onde os parêntess [ ] representam o operador méda na coluna de água, representa a orça de ( s ) arrastamento total eercda nas hastes por undade de área e é a resstênca eercda no leto por ( b) ( s) ( b) undade de área. A Eq. (5) pode ser normalzada por ρ ρ h (5) Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda 63

10 g h e rescrever-se da segunte orma: ( s) h 1 U U = ρg h g h g h A B ' 1 u 1 u + + g h g h D u' u' + u u h h g h F Os termos A e B na Eq. (6) têm orgem na aceleração convectva e os termos D, E e F representam a contrbução do gradente longtudnal das tensões normas dspersvas e de Reynolds. No teste A1 tem-se g h = ao passo que os termos A e B E ( b) ρg h (6) valem, respetvamente, e 0.0. Uma vez que o escoamento é acelerado, pode não ser recomendável desprezar os termos convectvos no cálculo da orça de arrastamento. As tensões normas de Reynolds são claramente superores às tensões normas dspersvas na dreção longtudnal ao longo da coluna de água, com eceção da regão unto ao leto (Fgura 10). Junto à superíce lvre, as tensões dspersvas tendem para zero ao passo que as tensões de Reynolds não são necessaramente nulas. O total das tensões normas longtudnas é, no caso do teste A1, da mesma ordem de grandeza da velocdade méda na coluna de água. Assm, temos: + < u' u' u u U g h h h Numa tentatva de quantcar o termo F da Eq. (6) obteve-se F Os termos D e E representam a prncpal contrbução do gradente longtudnal das tensões normas de Reynolds e dspersvas na dreção longtudnal, respetvamente. Os pers destas varáves do escoamento no volume de controlo de montante e de usante estão apresentados na Fgura 11. (7) Fgura 10 - a) Tensão de Reynolds normal longtudnal; b) tensão dspersva normal longtudnal. Os círculos ( ) dentcam o teste A1 e os asterscos (*) o teste A. As tensões são normalzadas por ρ U. 64 Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda

11 Recursos Hídrcos /// Assocação Portuguesa dos Recursos Hídrcos /// Volume 34# 0 Fgura 11 - a) Tensão de Reynolds normal longtudnal e b) tensão dspersva normal longtudnal, no teste A1. Os círculos ( ) e a lnha contínua correspondem às tensões no volume de controlo de montante, ao passo que os asterscos (*) e a lnha traceada correspondem ao volume de controlo de usante. A quantcação desses termos comprova que a contrbução das tensões dspersvas é da mesma ordem de grandeza das tensões de Reynolds, uma vez que vem D = 0.06 e E = É verdade que ambos os termos apresentam valores uma ordem de grandeza nerores ao termo A, no entanto relembra-se que é espectável que os termos D e E aumentem com φ. Deve reerr-se, anda, que a dstânca entre os centros das áreas de medção de montante e de usante é apenas 6 cm, o que pode aetar a precsão do cálculo dos gradentes. A resstênca vscosa pode ser estmada a partr da dstrbução de velocdades nas promdades do leto. Assumndo que a subcamada vscosa não + + é completamente nterrompda tem-se u = z, u = ν u z e a orça de arrastamento no leto * 0 ( ) b é dada por = ρ u *. No caso do teste A1 vem ( ) u z 0 = s -1 b e ρg h = , pelo que o termo de resstênca no undo do canal, para os valores de φ estudados, apresenta pouca mportânca. Desta orma a resstênca ao escoamento devdo às ( s) hastes resulta ρg h = Assm, conclu-se que, no cálculo da orça de arrastamento a partr da equação da conservação da quantdade de movmento, é mportante conservar os termos convectvos. Vercou-se também que as tensões normas longtudnas dspersvas e de Reynolds podem ser mportantes para elevados valores de φ, especalmente nos casos em que a superíce lvre sea osclante e estam rregulardades no leto. Mostrou-se anda que a resstênca assocado ao undo apresenta valores com mas de uma ordem de grandeza nerores à resstênca assocada à presença das hastes Coecente de arrastamento médo A orça de arrastamento por undade de comprmento de haste submersa é dada por C D D = m h O coecente de arrastamento médo, C D, pode ser calculado a partr da segunte epressão (Tanno & Nep, 008) (8) D = (9) ρu d / Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda 65

12 Com esta denção os coecentes de arrastamento resultam 1.08 e 0.87 para o teste A1 e A, respetvamente. Note-se que não o consderada nenhuma correção do eeto de parede, no entanto substtuu-se g h por ( ) gr, onde R= b h b+ h é o rao hdráulco e b é a largura do canal. Estes valores do coecente de arrastamento estão em acordo com os valores apresentados por Tanno & Nep (008), que sugerem que este coecente pode ser estmado a partr da epressão C D α 0 = α1 + Re p (10) O aumento do parâmetro α 1 com o aumento de φ devese provavelmente ao aumento de u. Esta tendênca pode ser encontrada através da Eq. (6) a qual pode ser reescrta da segunte orma Re p (11) A observação cudada da Eq. (11) mostra que eeto dreto do aumento de φ sera a dmnução do parâmetro α 1 devdo ao aumento da densdade de hastes, m. Assm a responsabldade pelo aumento de α 1 deve estar assocada aos termos da equação da quantdade de movmento. O termo A é necessaramente negatvo uma vez que o gradente do quadrado da velocdade méda tem snal oposto ao gradente da superíce lvre. Dado que os termos A e E têm snas opostos, o gradente das tensões dspersvas normas longtudnas contrbuem para o cancelamento do termo A. Assm, para Re p constante, é epectável que o aumento de φ, corresponda a um aumento das tensões dspersvas e também ao aumento da sua varabldade longtudnal (termo E). Contudo esta epectatva deve ser conrmada com medções precsas de u. Conclu-se, desta orma, que o aumento de u representa um aumento no conunto 1 A + E, o ( ) ( b) α g h α = + ( A + E+ BF) U dm ρg h que permte eplcar o aumento do parâmetro α 1 com o aumento de φ. 6. Conclusão As prncpas conclusões deste trabalho são: as tensões dspersvas não são desprezáves ace às tensões de Reynolds. Este acto acentua-se com o aumento da densdade de hastes. As tensões de corte, em partcular, têm ordens de grandeza semelhantes; a dstrbução de pressões é essencalmente hdrostátca. No entanto, para valores elevados da densdade de hastes, é epectável que se regstem desvos mensuráves à dstrbução hdrostátca; na epressão de cálculo da orça de arrastamento eercda sobre as hastes, estem termos, menores que o termo domnante, mas que não se podem consderar desprezáves. Estes termos podem ser responsáves pelas derenças regstadas entre os valores do coecente de arrastamento calculados neste trabalho e os valores apresentados na lteratura; a estênca de tensões dspersvas não desprezáves pode audar a eplcar o aumento do valor do coecente de arrastamento com o aumento da densdade de hastes. Vercase que o gradente longtudnal das tensões normas longtudnas dspersvas pode tornarse da ordem de grandeza do termo domnante na equação de cálculo do reerdo coecente e contrbur para o seu aumento. Agradecmentos Este estudo o parcalmente nancado pela Fundação Portuguesa para a Cênca e Tecnologa (FCT) pelo proeto PTDC/ECM/117660/010 e pela bolsa SFRH/ BD 33668/009. Bblograa Fnngan, J. (000) Turbulence n plant canopes. An. Re. Flud Mechancs, 3, Ferrera, R.M.L., Ferrera, L.M., Rcardo, A.M.& Franca, M.J. (010) - Impacts o sand transport on low varables and dssolved oygen n gravel-bed streams sutable salmond spawnng, Rver Research and Applcatons, 6 (10), Ferrera, R. M. L., Rcardo, A. M. & Franca, M. J. (009) - Dscusson o Laboratory nvestgaton o mean drag n a random array o rgd, emergent cylnders by Heyd M. Nep and Yuke Tanno, Journal o Hydraulc 66 Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda

13 Recursos Hídrcos /// Assocação Portuguesa dos Recursos Hídrcos /// Volume 34# 0 Engneerng, vol. 134, n. 1, 008. Journal o Hydraulc Engneerng,135 (8). Franca M.J., Ferrera R.M.L. & Lemmn U. (008) - Parameterzaton o the logarthmc layer o doubleaveraged streamwse velocty proles n gravel-bed rver lows. Advances n Water Resources, 31 (6), Gménez-Curto, L.& Cornero Lera M (1996) Oscllatng turbulent low over very rough suraces. J. Geophys. Res., 101, James, C. S., Brkhead, A. L., Jordanova, A. A. &; O sullvan, J. J. (004) Flow resstance o emergent vegetaton. Journal o Hydraulc Research, 4 (4), Kadlec, R. H. (1990) - Overland low n wetlands: Vegetaton resstance. Journal o Hydraulc Engneerng, 116 (5), Lopez, F. & García, M. (1998) - Open-channel low through smulated vegetaton: Suspended sedment transport modellng. Water Resources Research, 34 (9), Nep, H. (1999) Drag, turbulence, and duson n low through emergent vegetaton. Water Resources Research, 35 (), Nep, H. M. & Vvon, E. R. (1999) Turbulence structure n depth-lmted, vegetated low: transton between emergent and submerged regmes, n Conerence Proceedngs o the 8th Internatonal IARH Conerence. Graz, Austra. Nkora, V., Gorng, D., Mcewan, I. & Grths, G. (001) - Spatally averaged open-channel low over a rough bed. Journal o Hydraulc Engneerng, 17 (), Raupach, M. R. (199) - Drag and drag partton on rough suraces. Boundary-Layer Meteorology, 60, Raupach, M. R., Coppn, P. A. & Legg, B. J. (1986) - Eperments on scalar dsperson wthn a model plant canopy part I: turbulence structure. Boundary Layer Meteorology, 35, 1-5. Rcardo, A. M. (008) Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda. Aplcação ao estudo da resstênca hdráulca. Tese de Mestrado, Insttuto Superor Técnco - Unversdade Técnca de Lsboa, Portugal. Tanno, Y. & Nep, H. M. (008) Laboratory nvestgaton o mean drag n a random array o rgd, emergent cylnders. Journal o Hydraulc Engneerng 134 (1), Whte, B. L. & Nep, H. M. (003) - Scalar transport n random cylnder arrays at moderate Reynolds number. Journal o Flud Mechancs, 487, Yaln, MS (197) Mechancs o sedment transport. 90p. Pergamon Press, Oord. ISBN: Caracterzação do escoamento turbulento em canas com vegetação emersa rígda 67

14 68

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento.

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento. Trabalho e Energa Podemos denr trabalho como a capacdade de produzr energa. Se uma orça eecutou um trabalho sobre um corpo ele aumentou a energa desse corpo de. 1 OBS: Quando estudamos vetores vmos que

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração. CAPÍTULO 5 77 5.1 Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

MEDIÇÃO DA ACELERAÇÃO DA GRAVIDADE COM UM PÊNDULO SIMPLES

MEDIÇÃO DA ACELERAÇÃO DA GRAVIDADE COM UM PÊNDULO SIMPLES Medção da Aceleração da Gravdade co u Pêndulo Sples MEDIÇÃO DA ACEERAÇÃO DA GRAVIDADE COM UM PÊNDUO SIMPES O Relatóro deste trabalho consste no preenchento dos espaços neste texto Fundaento Teórco O pêndulo

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA Estmatva da fração da vegetação a partr de dados AVHRR/NOAA Fabane Regna Cunha Dantas 1, Céla Campos Braga, Soetâna Santos de Olvera 1, Tacana Lma Araújo 1 1 Doutoranda em Meteorologa pela Unversdade Federal

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações JUN 1988

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 6123. Forças devidas ao vento em edificações JUN 1988 ABNT-Assocação Braslera de Normas Técncas Sede: Ro de Janero Av. Treze de Mao, 13-28º andar CEP 20003 - Caxa Postal 1680 Ro de Janero - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR Endereço

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA André Luz Souza Slva IFRJ Andrelsslva@globo.com Vlmar Gomes da Fonseca IFRJ vlmar.onseca@rj.edu.br Wallace Vallory Nunes IFRJ wallace.nunes@rj.edu.br

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK Welsson de Araújo SILVA PRODERNA/ITEC/UFPA waslva89@hotmal.com Fernando

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Faculdade de Tecnologa de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL 7. GRÁFICOS DE INFORMAÇÕES São grácos tpcamente epostvos destnados, prncpalmente, ao públco em geral, objetvando

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Estudo de Escoamentos Turbulentos em torno de um Corpo Rombudo de Superfície Hidraulicamente Lisa ou Rugosa Utilizando o Método de Vórtices Discretos

Estudo de Escoamentos Turbulentos em torno de um Corpo Rombudo de Superfície Hidraulicamente Lisa ou Rugosa Utilizando o Método de Vórtices Discretos UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TESE DE DOUTORADO Estudo de Escoamentos Turbulentos em torno de um Corpo Rombudo de Superfíce

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão prelmnar 7 de setembro de Notas de Aula de Físca 7. TRABAO E ENERGIA CINÉTICA... MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO COM FORÇA CONSTANTE... TRABAO EXECUTADO POR UMA FORÇA VARIÁVE... Análse undmensonal...

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro.

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. Estmatva dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. O. L. L. Moraes 1, H. R. da Rocha 2, M. A. Faus da Slva Das 2, O Cabral 3 1 Departamento

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos.

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos. 1 Unversdade Salvador UNIFACS Crsos de Engenhara Cálclo IV Profa: Ila Reboças Frere Cálclo Vetoral Teto 03: Campos Escalares e Vetoras. Gradente. Rotaconal. Dvergênca. Campos Conservatvos. Campos Escalares

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

Estudo Experimental do Escoamento Laminar em Dutos de Óleos Pesados com Viscosidade Dependente da Temperatura

Estudo Experimental do Escoamento Laminar em Dutos de Óleos Pesados com Viscosidade Dependente da Temperatura Gulherme Morera Bessa Estudo Expermental do Escoamento Lamnar em Dutos de Óleos Pesados com Vscosdade Dependente da Temperatura Dssertação de Mestrado Dssertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G.

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Rotação Nota Alguns sldes, fguras e exercícos pertencem às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos da Físca. V 1. 4a.Edção. Ed. Lvro Técnco Centífco S.A. 00; TIPLER, P. A.;

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE DADOS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE DADOS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO À AÁLISE DE DADOS AS MEDIDAS DE GRADEZAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...4

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENTE DA EDIFICAÇÃO

TRANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENTE DA EDIFICAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA CENRO ECNOLÓGICO DEPARAMENO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENE DA EDIFICAÇÃO ELABORADO POR: Martn

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA TUPY CURITIBA

FACULDADE DE TECNOLOGIA TUPY CURITIBA FACULDADE DE TECNOLOGIA TUPY CURITIBA MÉTODOS QUANTITATIVOS ESTATÍSTICA APLICADA VAGNER J. NECKEL 2010 Rev. 00 SUMÁRIO 1. CONCEITOS GERAIS...3 1.1 PANORAMA HISTÓRICO...3 1.2 DEFINIÇÃO...3 1.3 A ESTATÍSTICA

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Conteúdo 4 - Impulsos elétricos e fenômenos biológicos

Conteúdo 4 - Impulsos elétricos e fenômenos biológicos Conteúdo 4 - Impulsos elétrcos e fenômenos bológcos 4.1 Introdução Os seres vvos, em sua grande maora, são compostos majortaramente por água. A água é uma materal que na presença de certos sas se comporta

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MODAL DE PLATAFORMA OFFSHORE ATRAVÉS DE PROVA DE CARGA DINÂMICA

CARACTERIZAÇÃO MODAL DE PLATAFORMA OFFSHORE ATRAVÉS DE PROVA DE CARGA DINÂMICA CARACTERIZAÇÃO MODAL DE PLATAFORMA OFFSHORE ATRAVÉS DE PROVA DE CARGA DINÂMICA Cláudo José Martns a, Tago A. Soares b e Alberto Ortgão b a Federal Centre for Technologcal Educaton of Mnas Geras, Department

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

2. BACIA HIDROGRÁFICA

2. BACIA HIDROGRÁFICA . BACIA HIDROGRÁFICA.1. GENERALIDADES Embora a quantdade de água exstente no planeta seja constante e o cclo em nível global possa ser consderado fechado, os balanços hídrcos quase sempre se aplcam a undades

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados 1 opologas Báscas de Conversores CC-CC não-solados 1.1 Prncípos báscos As análses que se seguem consderam que os conversores não apresentam perdas de potênca (rendmento 100%). Os nterruptores (transstores

Leia mais

FUNÇÃO NO R PARA OBTENÇÃO DO DESENHO D-ÓTIMO EM MODELOS DE MISTURAS COM RESTRIÇÕES

FUNÇÃO NO R PARA OBTENÇÃO DO DESENHO D-ÓTIMO EM MODELOS DE MISTURAS COM RESTRIÇÕES FUNÇÃO NO R PARA OBTENÇÃO DO DESENHO D-ÓTIMO EM MODELOS DE MISTURAS COM RESTRIÇÕES Edmlson Rodrgues Pnto Leandro Alves Perera Faculdade de Matemátca Faculdade de Matemátca Unversdade Federal de Uberlânda

Leia mais

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE RESUMO Felppe Perera da Costa, PPGEM/UFOP, Mestrando. felppe@mneral.em.ufop.br Marcone Jamlson Fretas

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

Figura 1: Nomenclatura e configuração geométrica do problema em estudo.

Figura 1: Nomenclatura e configuração geométrica do problema em estudo. XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Unversdade Federal de Uberlânda Faculdade de Engenhara Mecânca SIMULAÇÃO NUMÉRICA EM UM CANAL BIDIMENSIONAL COM PROTUBERÂNCIAS PARIETAIS Débora

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída INTRODUÇÃO O que é sstema? O que é um sstema de controle? SISTEMAS O aspecto mportante de um sstema é a relação entre as entradas e a saída Entrada Usna (a) Saída combustível eletrcdade Sstemas: a) uma

Leia mais

Análise de circuitos elétricos Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto 2008

Análise de circuitos elétricos Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto 2008 Análse de crcutos elétrcos Pro. Eng uz Antono argas Pnto 008 Geração de orrente alternada... 3 Fluxo magnétco... 3 Freqüênca de um snal senodal... 5 e de Ohm para crcutos de corrente alternada... 7 rcuto

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes UERJ CTC IE Departameto de Iormátca e Cêca da Computação Udade I - Erros as apromações umércas. I. - Cosderações geras. Há váras stuações em dversos campos da cêca em que operações umércas são utlzadas

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO J. W. B. Lopes 1 ; E. A. R. Pnhero 2 ; J. R. de Araújo Neto 3 ; J. C. N. dos Santos 4 RESUMO: Esse estudo fo conduzdo

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

CAPÍTULO 2 BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 2 BACIA HIDROGRÁFICA CPÍTUO 2 BCI HIDROGRÁFIC 2.1 - Introdução baca hdrográfca pode ser entendda como uma área onde a precptação é coletada e conduzda para seu sstema de drenagem natural sto é, uma área composta de um sstema

Leia mais

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira.

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira. Informação Esta publcação é uma tradução do Gua de Calbração EURAMET Gua para a Estmatva da Incerteza em Medções de Dureza (EURAMET/cg-16/v.01, July 007). Os dretos autoras do documento orgnal pertencem

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

Portaria Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008

Portaria Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008 INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - Portara Inmetro nº 248 de 17 de julho de 2008 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL,

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE ENSINO DE TÓPICOS DE ELETROMAGNETISMO VIA INSTRUÇÃO PELOS COLEGAS E ENSINO SOB MEDIDA PARA O ENSINO MÉDIO UMA PROPOTA DE EIO DE TÓPICO DE ELETROMAGETIMO VIA ITRUÇÃO PELO COLEGA E EIO OB MEDIDA PARA O EIO MÉDIO TETE COCEITUAI Autores: Vagner Olvera Elane Angela Vet Ives olano Araujo TETE COCEITUAI (CAPÍTULO

Leia mais

Aula 03 Erros experimentais Incerteza. Aula 03 Prof. Valner Brusamarello

Aula 03 Erros experimentais Incerteza. Aula 03 Prof. Valner Brusamarello Aula 03 Erros epermentas Incerteza Aula 03 Prof. Valner Brusamarello Incerteza Combnada Efeto da Incerteza sobre = f ± u, ± u, L, ± u, L ( ) 1 1 Epansão em Sére de Talor: k k L f = f 1,, 3, + ± uk + L,,,

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Instituto de Física Departamento de Física da Terra e do Meio Ambiente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S

Universidade Federal da Bahia Instituto de Física Departamento de Física da Terra e do Meio Ambiente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S Unversdade Federal da Baha Insttuto de Físca Departamento de Físca da Terra e do Meo Ambente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S Físca I SALVADOR, BAHIA 013 1 Prefáco Esta apostla é destnada

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA APLICAÇÃO TÉCNICA DA TRANSFORMADA INTEGRAL PARA A SOLUÇÃO

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Modelagem Empírica da Transferência Goticular Projetada em Processos de Soldagem GMAW

Modelagem Empírica da Transferência Goticular Projetada em Processos de Soldagem GMAW Modelagem Empírca da Transferênca Gotcular Projetada em Processos de Soldagem GMAW (Emprcal Modelng of Projected Spray Transfer n GMAW Processes) Jesús Emlo Pnto Lopera, Sadek C. Abs Alfaro, José Maurco

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2 LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE Rcardo Slva Tavares 1 ; Roberto Scalco 1 Aluno de Incação Centífca da Escola de Engenhara Mauá (EEM/CEUN-IMT); Professor da Escola de Engenhara

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA Concórda, desenvolvendo conhecmento com sabedora Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael

Leia mais

XXII CONGRESO LATINOAMERICANO DE HIDRÁULICA Ciudad de Guavana, 2006

XXII CONGRESO LATINOAMERICANO DE HIDRÁULICA Ciudad de Guavana, 2006 XXII CONGRESO LATINOAMERICANO DE HIDRÁULICA Cudad de Guavana, 2006 MÉTODO MULTICRITERIAL UTILIZADO COMO INDICADOR DA QUALIDADE DE ÁGUA Antono Carlos Zuo, Abel Maa Genovez zuo@ec.uncamp.br genovez@ec.uncamp.br

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA

ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA OGC00 05-0-06 ÍDICE. Introdução. Âmbto e defnções 3. Avalação da ncerteza de medção de estmatvas das grandezas de entrada 4. Cálculo da ncerteza-padrão da estmatva da grandeza 5 de saída 5. Incerteza de

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Mecânica Geral II Notas de AULA 3 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori

Mecânica Geral II Notas de AULA 3 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori ecânca Geral II otas de UL 3 - Teora Prof. Dr. Cláudo S. Sartor QUILÍBRIO D PRTÍCUL. QUILÍBRIO D CORPOS RÍGIDOS. DIGR D CORPO LIVR. QUILÍBRIO D CORPOS RÍGIDOS 3 DISÕS. QUILÍBRIO D CORPOS RÍGIDOS SUBTIDOS

Leia mais