O NÚMERO DE OURO E SUAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O NÚMERO DE OURO E SUAS"

Transcrição

1 N. 0, Setembro 010 Ano 01 Edson de OLIVEIRA Thigo Emnuel FERREIRA n. 0 O NÚMERO DE OURO E SUAS MANIFESTAÇÕES NA NATUREZA E NA ARTE p Instituto de Engenhri Arquitetur e Design INSEAD Centro Universitário Noss Senhor do Ptrocínio CEUNSP Slto-SP Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P. 1 1

2 N. 0, Setembro 010 O NÚMERO DE OURO E SUAS MANIFESTAÇÕES NA NATUREZA E NA ARTE Edson de OLIVEIRA Professor Doutor do Curso de Licencitur em Mtemátic do Centro Universitário Centrl Pulist - UNICEP, São Crlos, São Pulo, Brsil; Emil: Thigo Emnuel FERREIRA Bchrel em Mtemátic Aplicd e Computcionl pelo Centro Universitário Centrl Pulist UNICEP, São Crlos, São Pulo, Brsil; Emil: RESUMO: NESTE TRABALHO, APRESENTA-SE O NÚMERO DE OURO, DIVISÃO DE UM SEGMENTO EM MÉDIA E EXTREMA RAZÃO, CHAMADA RAZÃO ÁUREA, E SUAS MANIFESTAÇÕES NA NATUREZA E NA ARTE. ESTUDADO DESDE OS ANTIGOS GREGOS ATÉ OS DIAS DE HOJE, ENCONTRA-SE PRESENTE EM APLICAÇÕES NOS MAIS VARIADOS CAMPOS DA CIÊNCIA E DA ARTE. SUAS NOTÁVEIS PROPRIEDADES ALGÉBRICAS E GEOMÉTRICAS FORAM UTILIZADAS NAS ESTRUTURAS DOS TEMPLOS ANTIGOS, O MESMO OCORRENDO COM MUITOS ARQUITETOS RENASCENTISTAS. EM TEMPOS MODERNOS, LE CORBUSIER BASEOU SEU MODULOR NA RAZÃO ÁUREA. A UTILIZAÇÃO DO NÚMERO DE OURO EM OBRAS ARQUITETÔNICAS AINDA É FREQÜENTE NOS DIAS ATUAIS. PALAVRAS-CHAVE: NÚMERO DE OURO; RAZÃO ÁUREA; NATUREZA; ARTE. INTRODUÇÃO A questão d busc do belo crcteriz-se como um dos tems de interesse humno mis vlorizdos desde os primórdios. Um dos spectos constntes dess belez permnente seri proporção. A lingugem mtemátic d proporção surgiu com Pitágors prtir do conceito de que tudo é número e su bordgem de que determinds relções numérics mnifestm estrutur hrmônic do universo. Como citdo em Proporção (007, p.): Pitágors, ind, nutri cert dmirção místic e sgrd pelo pentágono regulr e pelo pentgrm, o polígono regulr estreldo de cinco ponts inscrito neste pentágono regulr. Sobre ests bses buscou explicr tmbém, proporção geométric idel dos spectos físicos ds coiss nturis, principlmente quel de um corpo humno idel, e de plicá-l n rquitetur e n rte. Definiu, então, um relção prticulr que se encontr no pentágono regulr e no pentgrm, d divisão de um segmento em médi e extrem rzão. Euclides iri definir est relção d seguinte mneir: um segmento se divide em médi e extrem rzão qundo todo o segmento está pr prte mior como est últim está pr menor. A rzão entre o segmento menor e o segmento mior chm-se rzão áure. Esse nome foi usdo uns dois mil nos depois... mis ou menos pel époc em que Kepler escrevi liricmente: geometri tem dois tesouros: um é o o teorem de Pitágors; o outro, divisão de um segmento em médi e extrem rzão. O primeiro pode ser comprdo um medid de ouro; o segundo podemos chmr de jói precios. (LUCHETTA). Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

3 N. 0, Setembro 010 No início do século XX, o mtemático mericno Mrk Brr deu à rzão o nome de Fi (φ ), primeir letr greg do nome de Fídis, o grnde escultor grego que viveu entre 490 e 430.C. Segundo Livio (008, p.16), Brr decidiu homenger o escultor pois lguns historidores d rte sustentvm que Fídis fzi uso freqüente e meticuloso d Rzão Áure ns sus esculturs. Dentre els, citm-se o Pternon de Atens e o Zeus no templo de Olímpi. D definição de Euclides, deriv o que veio se conhecer como retângulo de ouro: um retângulo cuj rzão entre os ldos mior e menor é igul o número de ouro φ, cujo vlor numérico é 1, Presente em quse tudo quilo que encontrmos de mis hrmonioso n Terr, o número de ouro instigou curiosidde de muitos de nossos pensdores. Ele serviu de inspirção pr mtemáticos relevntes desde Pitágors e Euclides n Gréci ntig, pssndo pelo mtemático itlino Leonrdo de Pis que, no seu livro De Divin Proportione, presentdo em Venez em 1509 e ilustrdo por Leonrdo D Vinci, denominou-o de Proporção Divin. Conforme Livio (008, p.16): A fscinção pel Rzão Áure não se restringe os mtemáticos. Biólogos, rtists, músicos, historidores, rquitetos, psicólogos e té místicos têm exmindo e debtido bses de su ubiqüidde e seu pelo. De fto, provvelmente, é correto dizer que Rzão Áure tem inspirdo pensdores de tods s disciplins mis do qulquer outro número n históri d mtemátic. Leonrdo D Vinci disse que rte deveri mnifestr por el própri um movimento contínuo, hrmonioso e belez e, ssim, utilizou o retângulo de ouro em sus obrs. No qudro Mon Lis, utilizou o número Fi n relção entre o tronco e cbeç e entre os elementos que compõem o seu rosto, própri moldur já um retângulo de ouro. Ao crir o Homem Vitruvino, ele ilustrou, de mneir clr e didátic, grnde prte ds ocorrêncis do número de ouro no corpo humno. Esse desenho é considerdo um símbolo d simetri básic do corpo humno, extensivo pr o universo como um todo. Em rquitetur proporção é um conceito fundmentl e importntes utores vêm há muito fzendo uso deste termo té qundo buscm definições pr própri rquitetur. A rquitetur não é senão ordem, disposição, bel prênci, proporção ds prtes fce o todo, proporção e distribuição. Michelngelo Buonroti A rquitetur serve-se do número, d form, d grndez e dos mteriis, por vi d especulção, e serve-se ind ds proporções e ds correspondêncis nos mesmos modos por que o fz mtemático. Vincenzo Scmozzi N rquitetur o belo consiste essencilmente ns proporções: somente com proporção e sem qulquer ornmentos um edifício pode ser belo. G. Winckelmnn A rquitetur é um ciênci intelectul e prátic que vis estbelecer, com rciocínio, o bom uso e s proporções do que constrói. Crlo Lodoli A rquitetur, que de tods s rtes é mis submetid às condições mteriis, econômics e sociis, é tmbém quel que grçs às proporções e s form geométrics exprime s especulções mis bstrts do pensmento humno. Louis Hutecoeur (PROPORÇÃO, 007) Le Corbusier, fmoso rquiteto do século pssdo, usou o número de ouro n construção de seu módulo, um sistem de proporções bseds no corpo humno e plicds o projeto de rquitetur. Conforme Ching (005, p.30), ele desenvolveu esse sistem... pr orgnizr s dimensões dquilo que contém e dquilo que é contido. Ele vi s ferrments de medição dos gregos, egípcios e outrs grndes civilizções como Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

4 N. 0, Setembro 010 sendo infinitmente rics e sutis, pois formvm prte d mtemátic do corpo humno, grcioso, elegnte e firme, fonte dquel hrmoni que nos move, belez. Bseou, portnto, su ferrment de medição, o Modulor, tnto n mtemátic (s dimensões estétics d Secção Áure e Série de Fiboncci) como ns proporções do corpo humno (dimensões funcionis). Mis recentemente, Mondrin usou o número Fi em seus trblhos, bem como, váris construções tem rquitetur concebids sob mesm bse. Aind mis, rzão em que ument o diâmetro ds espiris ds sementes de um girssol é φ. No reino niml, conhece-se belez ds estruturs espiris ds conchs de muitos moluscos, como o Náutilo (Nutilus Pompilus). Esss conchs têm inspirdo muits construções rquitetônics, como no museu de Guggenheim de Nov York, que possui em seu interior rmps espiris. O crescimento ds conchs espiris obedece um pdrão que é orientdo pel Rzão Áure. Os egípcios já usrm o número Fi n construção ds pirâmides. Apresent-se, tmbém, como riz positiv d equção qudrátic x x 1 = 0 ; é o único número cujo qudrdo é igul ele mesmo diciondo de um unidde. Neste trblho, presentm-se lgums situções n nturez, dentre s muits existentes, em que o número de ouro se mnifest. Els serão presentds por meio de ilustrções e construções geométrics. Definição do número de ouro Diz-se, que num segmento AB, existe um divisão áure qundo o segmento é dividido por um ponto P em dus prtes de tl form que mior prte sej médi proporcionl entre o menor e o segmento todo. Figur 1: Divisão áure do segmento AB Designndo-se por o comprimento do segmento AB e x o comprimento do segmento AP tem-se: isto é: x x x = x = ( x) ou x + x = 0 As rízes dest equção do segundo gru são: ( 5 1) 1 = ( 5 + 1) x > 0 e x = < 0 Dest mneir: x = 5 1 = 5 1 = = 1, Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

5 N. 0, Setembro 010 Esse vlor, representdo pel letr greg φ (fi), chm-se número de ouro. Assim: φ = , Obtenção do número de ouro geometricmente Apresentm-se, seguir, os pssos pr se obter geometricmente o ponto P, que estbelece divisão áure de um segmento AB. Considere o ponto médio M do segmento AB. Figur Ponto médio do segmento AB Pelo ponto B trç-se o segmento BC d perpendiculr AB, de comprimento BC = AM e consider-se o triângulo retângulo ABC. Figur 3 Construção do triângulo ABC, retângulo em B Com centro em C, trce o rco de circunferênci de rio BC té encontrr hipotenus AC no ponto D. Figur 4 O ponto D é tl que BC = DC Com centro em A, trce o rco de circunferênci de rio AD pr obter o ponto P sobre AB. Figur 5 O ponto P é tl que AP = AD Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

6 N. 0, Setembro 010 menor. O ponto P obtido é o que divide o segmento AB em dus prtes, em que o mior é φ vezes o Justifictiv mtemátic do procedimento geométrico Suponh AB =. Então, BC = e, pelo Teorem de Pitágors: AC = 5 + = ou AC = rzão: Desde que CD = BC = AD = AC CD =, então: ou AD = 5 1 Obteve-se o ponto P, de tl modo que AP = AD =. Tem-se, portnto, AB = AP 5 1 = O número de ouro n rquitetur, n nturez e ns obrs de rte O homem sempre tentou lcnçr perfeição, sej ns pinturs, nos projetos rquitetônicos ou té ns músics. A prtir dí, os gregos crirm o retângulo dourdo. Então, eles construírm o Prtenon e vários outros edifícios. D mesm form, os egípcios edificrm s pirâmides. Cd bloco d pirâmide er 1,618 vezes mior que o bloco do nível cim. O Homem Vitruvino, de Leonrdo D Vinci, ilustr clrmente ocorrênci do número de ouro no corpo humno; ssim, o umbigo divide ltur do corpo em médi e extrem rzão. Atulmente, rzão áure ind é muito utilizd. Ao pdronizr interncionlmente lgums medids, os projetists procurm respeitr proporção divin. Por exemplo, o quociente entre o comprimento e lrgur de um crtão de crédito é o número de ouro. No que segue, lém ds citds cim, presentm-se diverss outrs situções de ocorrêncis do número de ouro. A pirâmide de Quéops em Gisé No Egito, pirâmide de Quéops, em Gisé, ilustrd n foto d Figur 6, foi construíd tendo em cont rzão áure: rzão entre ltur de um fce e metde do ldo d bse d grnde pirâmide é igul o número de ouro. Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

7 N. 0, Setembro 010 Figur 6 - A pirâmide de Quéops, em Gisé Fonte: (NEWHOUSE, 199) De fto, pr pirâmide de Quéops, tem-se: Altur d Pirâmide Dimensões d bse 146,59 m 30,33 30,33 m Figur 7 Pirâmide de bse qudrngulr Visto que bse d pirâmide é um qudrdo de ldo = 30,33 m e, sendo ltur d pirâmide h = 146,59 m, então: ou sej, H H Dí: = h + 4 = 146,59 = 34751,605 H H H = = 1, 618 φ o que verific firmção inicil. 30, = 186,417 A Espirl de Fiboncci Um retângulo cuj rzão entre medid do comprimento e medid d lrgur é de proximdmente φ chm-se retângulo de ouro ou retângulo áureo. Um crcterístic desse retângulo é que ele pode ser sempre dividido num qudrdo e em outro retângulo de ouro. Esse processo pode ser repetido indefinidmente mntendo-se rzão constnte. Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

8 N. 0, Setembro 010 Figur 8 Um qudrdo construído sobre o ldo menor de um retângulo áureo origin um novo retângulo áureo Unindo-se os qurtos de circunferênci de todos os qudrdos obtém-se um espirl que se chm Espirl de Fiboncci. Figur 9 - Espirl de Fiboncci N nturez, existem muits espiris como ess, como, por exemplo, nos moluscos náuticos, conforme ilustr Figur 10. O Homem Vitruvino Figur 10 - Moluscos náuticos vistos em seção Fonte: (BERGAMINI, 1964) O Homem Vitruvino é um conceito presentdo n obr Os Dez Livros d Arquitetur, de utori do rquiteto e engenheiro romno Mrcus Vitruvius Pollio, mis conhecido como Vitrúvio, que viveu no século I.C.. Consiste de um trtdo teórico e técnico detlhdo que sobrevive à mis ntig e mis influente de tods s obrs sobre rquitetur. É um cânone ds proporções do corpo humno, segundo um rciocínio mtemático que se bsei, em prte, n divin proporção. O homem descrito por Vitrúvio, no terceiro livro de su obr, present-se como um modelo idel pr o ser humno, cujs proporções existentes entre o ntebrço, o pé, plm, o dedo e outrs prtes menores são perfeits segundo o idel clássico de belez. Compr esss prtes às prtes de um edifício, continundo ntig trdição do edifício sgrdo, visto em termos do corpo de um homem e, ssim, em termos do microcosmo. (PENNICK, 1980, p. 69). Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

9 N. 0, Setembro 010 Desenhr o homem perfeito, segundo Vitrúvio, tornou-se um grnde desfio. A mior dificuldde não erm s proporções do homem, ms dptá-lo forms geométrics colocndo o corpo humno estendido, inscrito em dus forms geométrics, tmbém considerds perfeits: o círculo e o qudrdo. Houve váris tenttivs, ms tods incorrerm no mesmo erro de colocr o círculo e o qudrdo centrlizdos no mesmo ponto, o que produzi resultdos imperfeitos. Em 149, Leonrdo d Vinci resolveu encrr o problem e o resultdo foi brilhnte. Ele poiou s dus forms sobre mesm bse. Depois, desenhou um homem segundo s proporções estbelecids, de tl modo que: A ltur do corpo, que, segundo Vitrúvio, é igul à lrgur dos brços, encix-se perfeitmente em um qudrdo; Os brços levntdos à ltur d cbeç tocm o círculo; o mesmo contece com s perns berts. O desenho que D Vinci criou pr esboçr idéi de Vitrúvio é conhecido como o Homem Vitruvino. Figur 11 - O Homem Vitruvino de D Vinci Fonte: (DOCUMENTOS) Esse trblho é considerdo o desenho ntomicmente mis correto de su époc e tornouse um ícone d cultur modern, precendo em crtzes, mousepds e cmisets em todo o mundo. Segundo o modelo perfeito, impresso n obr de d Vinci, s dimensões obedecem à divin proporção. Por exemplo, segundo construção geométric presentd nteriormente, vê-se n Figur 1 que ltur u do chão té o umbigo é seção áure d ltur h do homem, ou sej: h = φ. u D mesm form, constt-se pel Figur 13 que o cotovelo divide o brço em dois segmentos que obedecem, à rzão áure. Assim, se b é medid do brço e c distânci do cotovelo té pont dos dedos, então: b = φ. c Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

10 N. 0, Setembro 010 Figur 1 - O umbigo divide ltur do homem n rzão áure Fonte: (RENASCIMENTO) Ilustrção: Thigo E. Ferreir Figur 13 - O cotovelo divide o comprimento do brço n rzão áure Fonte: (RENASCIMENTO) Ilustrção: Thigo E. Ferreir D mesm mneir, são constntes e iguis φ os seguintes quocientes: Do comprimento d pern pelo tmnho do joelho té o chão; D cintur té cbeç pelo comprimento do tórx; D ltur do crânio pelo tmnho d mndíbul té o lto d cbeç. Aind mis, prticulrmente, olhndo pr s mãos, rzão do comprimento de cd dedo x pelo tmnho d segund dobr y é φ, ou sej, x = φ. y Tmbém, o quociente entre o tmnho d segund dobr y e o tmnho d primeir dobr z é φ, isto é: Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P. 7 7

11 N. 0, Setembro 010 y z = φ. Figur 14 - A rzão do comprimento de cd dedo pelo tmnho d segund dobr é φ Fonte: (FERREIRA, 007) Figur 15 - quociente entre o tmnho d segund dobr e o tmnho d primeir dobr é φ Fonte: (FERREIRA, 007) O Modulor de Le Corbusier Ao procurr definir rquitetur, o rquiteto frnco-suíço e mis importnte trtdist deste século, Le Corbusier ( ), rgumentou: O rquiteto não é um escrvo de um sistems de proporções fixo. Ele pode modificálo chndo plicções vrids ds leis d geometri. Com efeito, s proporções são filhs d geometri. Em rquitetur els se estbelecerm primeirmente sobre s leis d estbilidde e ests derivm d geometri (PROPORÇÃO). A primeir bordgem rquitetônic mis independente d trdição forml d ntiguidde foi chmd de Art Noveu, que começou fzer uso de forms purs d geometri. A prtir desse movimento, diversos rquitetos pssrm propor forms prticulres de interpretr questão d proporção. Um dos primeiros foi Le Corbusier, que propôs em 1950 um sistem de medição proporciond que ele denominou de Modulor. Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

12 N. 0, Setembro 010 Bseou su ferrment de medição tnto n Mtemátic (s dimensões estétics d seção áure e série de Fiboncci), como ns proporções do corpo humno (dimensões funcionis). (CHING, 005, p.30) Pr ele : Este er um instrumento universl, fácil de empregr, e que podi ser usdo no mundo inteiro pr obter belez e rcionlidde ns proporções de tudo o que é produzido pelo homem (PROPORÇÃO). Le Corbusier dotou, inicilmente, como esttur médi do homem, o vlor de 175 cm. Porém, sob legção de considerr médi de ltur dos policiis ingleses e, em vist d crescente evolução d esttur do ser humno, o menos n Europ, decidiu dotr como 183 cm o ponto de prtid do seu Modulor. O modulor com ltur do homem de 175 cm De cordo com o exposto nteriormente, segue que, se AB é um segmento de comprimento e AP é o mior dos segmentos no qul P divide AB n rzão áure, então: ( 5 1) AP = = φ A prtir d distânci do chão às ponts dos dedos com o brço levntdo, 16cm, e d metde dess distânci, 108 cm, que corresponde à ltur do chão té o umbigo, Le Corbusier criou dus séries de vlores em relção à divisão áure desses comprimentos, que constituem um gm de medids humns. N série que ele chmou de vermelh, estbelecid prtir d ltur do chão té o umbigo, o termo que lhe sucede imeditmente coincide com ltur do homem de 175 cm. Nest série, os termos principis são 108, 67 e 41. Os vlores obtidos pel divisão áure form rredonddos, obtendo-se, ssim,os chmdos vlores de plicção. O termo principl d série que Le Corbusier chmou de zul é ltur do homem com o brço levntdo. El é igul à som dos três termos principis d série vermelh. 16 = A figur 16, dptd pr o homem com ltur de 175cm, present o Modulor com s dus séries, vermelh e zul, simultnemente. Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

13 N. 0, Setembro 010 Figur 16 - No esquem do modulor, o homem tem ltur 175 cm E, com o brço levntdo, 16 cm. Adptção pr ltur de 175 cm: Thigo E. Ferreir Retângulos áureos ns obrs de Le Corbusier Os retângulos de ouro presentm-se com muit freqüênci ns obrs de Le Corbusier. Observe o desenho bixo. Nele, o retângulo de ouro prece no Desenho Gerl. Figur 17: Desenho Gerl ilustrndo o uso dos retângulos de ouro Fonte: (BERGAMINI, 1964) Vej, gor, foto d cs representd n Figur 18. Est residênci, edificd nos subúrbios de Pris, ilustr o uso consciente (ou intencionl) do retângulo áureo. Figur 18: Obr de Le Corbusier nos subúrbios de Pris Fonte: (BERGAMINI, 1964) Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

14 N. 0, Setembro 010 Prtenon O Prtenon, em Atens, Gréci, é um templo construído pelo gregos por volt de C. pr mordi dos deuses olímpicos e templo de culto. Os gregos vim em seus deuses representção mis perfeit e dmirável d belez humn. Assim, s únics mords digns desss divinddes erm s que, por sus proporções, formvm um conjunto hrmonioso completo. O Prtenon pode ser considerdo um dos exemplos mis emblemáticos de utilizção n rte d proporção áure. Ele se encix perfeitmente no retângulo áureo. Figur 19 - A fchd do Prtenon se encix num retângulo áureo Fonte: (ATALAY, 007); Ilustrção: Thigo E. Ferreir Phides, escultor e rquiteto grego, foi o encrregdo d construção desse templo. Embor sej dotdo de váris proporções geometricmente equilibrds, provvelmente seus construtores não tinhm senão conhecimento intuitivo d proporção áure. Seção áure no Prtenon Considerndo o ponto F que divide BC n extrem rzão e G o ponto que divide AB n mesm rzão, tem-se, conforme Figur 30, que ABCD, ABFE e AGHE são retângulos áureos. Observe tmbém que P divide AG n rzão áure. Figur 0 - Retângulo áureo n fchd de Prtenon. Fonte: (ATALAY, 007); Ilustrção: Thigo E. Ferreir Desenhndo-se os correspondentes retângulos do ldo esquerdo, o efeito ns dimensões e distribuição d seção áure n fchd do Prtenon é ilustrd n Figur 1, em que φ representm retângulos áureos e Q são qudrdos. Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

15 N. 0, Setembro 010 Figur 1 - Ilustrção gráfic do uso d seção áure n fechd de Prtenon. Fonte: (ATALAY, 007); Ilustrção: Thigo E. Ferreir Um outr visão dos retângulos áureos no Prtenon Considerndo-se o ponto I, que divide GB n rzão áure, e J, o ponto que divide CF n mesm rzão, Figur exibe um outr ilustrção d presenç de retângulos áureos n fchd do templo. Pode-se demonstrr, conforme Ferreir (007, p.14), que, se um ponto P divide um segmento AB num rzão áure, o mesmo contecendo com Q em relção AP, então AQ = PB. Dess form, n Figur 1, tem-se AG = IB e pel letr φ, são todos congruentes. CJ = FB e, portnto, os retângulos de ouro, representdos Figur - Outr form de visulizr retângulos de ouro n fchd do templo. Fonte: (ATALAY, 007); Ilustrção: Thigo E. Ferreir A Mon Lis Um dos qudros mis célebres do renscentist Leonrdo d Vinci é fmos Mon Lis, um pintur encomendd por Frncesco Del Giocondo, um rico comercinte de Florenç. A obr não foi concluíd ntes de 1507 e Leonrdo nunc entregou Frncesco del Giocondo. Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

16 N. 0, Setembro 010 Figur 3 Mon Lis de Leonrdo d Vinci. Fonte: (NOTAS AO CAFÉ) Durnte os vários séculos de su históri, pintur pssou por diverss provções. Em um dels, s coluns que enqudrvm retrtd form cortds, o que fez com que rzão entre lrgur e o comprimento fosse lterd pr 1:1,45. Não se pode provr que, ntes disso, tel estivesse enqudrd n rzão de 1:1,618, ms existem outros trçdos geométricos muito interessntes nest fmos obr de rte de Leonrdo d Vinci. i) Desenhndo-se um retângulo em volt d fce, o retângulo resultnte é um retângulo de ouro, ou sej, = φ. b ii) Subdividindo-se esse retângulo n linh dos olhos, o novo retângulo ind é de ouro, b = φ. c iii) Trçndo um retângulo áureo que delimite áre desde o lto d cbeç té o lto do corpo do vestido e delinendo um qudrdo n prte superior deste retângulo, o queixo d retrtd pous no ldo inferior dess nov figur, com o olho esquerdo ocupndo o centro do qudrdo. Os dois retângulos são áureos. Figur 4 Trçdo geométrico em torno d fce Fonte: (NOTAS AO CAFÉ); Ilustrção: Thigo E. Ferreir Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

17 N. 0, Setembro 010 Figur 35 Retângulo áureo que delimit o lto d cbeç té o lto do corpo do vestido Fonte: (NOTAS AO CAFÉ); Ilustrção: Thigo E. Ferreir Presenç d rzão áure em outrs situções Além ds situções presentds cim, o número de ouro prece em inúmers outrs; especilmente n crcterizção de diverss proprieddes d nturez. Assim, por exemplo, o número de ouro φ represent: 1. A rzão de belhs fêmes em comprção com belhs mcho em um colméi;. A rzão em que ument o diâmetro ds espiris ds sementes de um girssol é φ ; Figur 6 O girssol e sus espiris de Fiboncci Fonte: (NÚMEROS E NATUREZA) 3. A rzão em que se diminui s folhs de um árvore à medid que se sobe de ltur. Tmbém: 4. Ns gláxis, s estrels distribuem-se em torno de um stro principl num espirl que obedece rzão φ ; 5. Cd osso do corpo humno é regido pel rzão áure; 6. Ao pdronizr interncionlmente lgums medids usds no di--di, os projetists procurrm respeitr proporção divin. Por exemplo, rzão entre o comprimento e lrgur de um crtão de crédito é um número próximo de 1,618; Aind mis, o número de ouro φ prece: 7. Ns fmoss sinfonis, como 9ª. de Beethoven e em váris outrs; 8. No estudo do comportmento d luz e dos átomos; 9. N scensão e qued d Bols de Vlores; 10. Em problems reltivos onds do oceno, furcões e outros. Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

18 N. 0, Setembro 010 Considerções Finis O Prtenon, n Gréci, é um dos exemplos emblemáticos de utilizção do número de ouro ou número áureo. Pr os gregos, o número de ouro representv hrmoni, equilíbrio e belez. Por isso, muits construções gregs tinhm como bse esse número. No Renscimento, revlorizção dos conceitos estéticos gregos levou grndes pintores, como Leonrdo D Vinci, utilizá-lo em sus pinturs. Mnifest-se em todos os segmentos que trblhm com hrmoni ds forms. Segundo Coelho, Se hrmoni não se mede, o mesmo não contece com proporção, que é mensurável. A prtir dest, pode definir-se um pdrão, um módulo que, desde Antiguidde, serve de medi os escultores, os desenhdores, os rquitetos. Esse pdrão tem vntgem de ser universl e de se encontrr, no próprio corpo humno, que possui cert simetri, ocup espço, tem peso e seus membros movem-se de cordo com certs regrs. Ao propor o Modulor, sistem de medição proporciond do corpo humno, Le Corbusier creditv que seu sistem de medids stisfri tnto s exigêncis d belez porque ser derivdo d seção áure qunto às funcionis porque dequdo às dimensões humns. Pr ele, este er um instrumento universl, fácil de empregr, que podi ser usdo no mundo inteiro pr obter belez e rcionlidde ns proporções de tudo o que é produzido pelo homem. (PROPORÇÃO, 007). Esss situções, bem como quels citds neste trblho, são pens lguns exemplos dentre os inúmeros em que se present o número áureo. Ele surge em seu mis lto gru de perfeição ns forms nturis, revelndo um belez que, muits vezes, pss despercebid. Somente lguns homens dotdos de um poder de observção mis lto que os demis são cpzes de perceber tod ess grndiosidde proporciond pel nturez. Poucos entre esses, não contentes pens com observções, tentm representá-l trvés d rte, colocndo em prátic todo o seu senso de observção. Esse rtist inconscientemente deix vestígios do número de ouro em su obr. No entnto, nem sempre s proporções encontrds nesss inúmers obrs são extmente representds pel rzão áure, ms se proximm dest de tl form que conseguem expressr todo o senso de proporção do rtist, que cpt d nturez tod su perfeição. O número áureo é um número irrcionl misterioso e trente. Como diz Lívio (008, p.18), trtividde do número de ouro origin-se, ntes de mis nd, do fto de que ele tem um jeito quse sobrenturl de surgir onde menos se esper. ABSTRACT: In this work it is presented the golden number which is the division of segment in middle nd extreme reson, so clled golden reson, nd its demonstrtions in nture nd rt. Studied from the Greek ncients up to tody, it is found in science nd rt most vried fields. Its notble lgebric nd geometricl properties were used in the structures of the ncient temples, the sme thing tking plce with mny renscentists rchitects. In modern times, Le Corbusier bsed his modulor on the golden reson. Currently, the use of the golden number in rchitecturl works is still frequent. KEYWORDS: Golden number, golden reson, nture, rt. Referêncis Bibliográfics BERGAMINI, Dvid; Redtores d LIFE. As Mtemátics. Rio de Jneiro: José Olympio, ATALAY, Bulent. A Mtemátic e Mon Lis. São Pulo: Mercuryo, CHING, Frncis D. K. Arquitetur: form, espço e ordem. São Pulo: Mrtins Fontes, 005. Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

19 N. 0, Setembro 010 DOCUMENTOS: O Homem Vitruvino, Leonrdo D Vinci, Disponível em <http://quemousvence.blogspot.com/007/10/documentos-o-homem-vitruvino-leonrdo.html>. Acesso em 14 out FERREIRA, Thigo. A seqüênci de Fiboncci, o número de ouro e sus mnifestções n nturez e n rte. São Crlos: EDUNICEP, 007. Trblho de Conclusão de Curso. LÍVIO, Mrio. Rzão Áure: históri de Fi, um número surpreendente. Rio de Jneiro: Record, 008. LUCHETTA, Vleri O. J. Secção Áure. Disponível em <http://www.ime..br >. Acesso em: 3 out NOTAS AO CAFÉ: Mon Lis Disponível em Acesso em: 3 out PENNICK, Nigel. Geometri Sgrd: simbolismo e intenção ns estruturs religioss. São Pulo: Editor Pensmento, PROPORÇÃO: Seção áure e trçdo reguldor. 1p. Disponível em <http://.fu.ufrj.br/postils/form/cap5.pdf>. Acesso em: 07 jul RENASCIMENTO: Europ retom vlores clássicos. Disponível em. Disponível em <http://educco.uol.com.br/rtes/ult1684u16.jhtm. Acesso em: 18 jun Agrdecimento À professor Dr. Débor Ferri que muito contribuiu com correções e sugestões pr melhori d versão originl do mnuscrito. Ano. 1, N., P , Setembro de 010. Disponível Em: P

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

NÚMERO DE OURO. Palavras chave: Número de Ouro, Desenho Geométrico, Matemática, História, Aprendizagem, Geometria.

NÚMERO DE OURO. Palavras chave: Número de Ouro, Desenho Geométrico, Matemática, História, Aprendizagem, Geometria. NÚMERO DE OURO Giuliano Miyaishi Belussi Giu_mb@yahoo.com.br Daniel Aparecido Geraldini Danielgeraldini@gmail.com Enéias de Almeida Prado Neneias13@yahoo.com.br Profª. Ms. Maria Bernadete Barison barison@uel.br

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

Fibonacci e a Seção Áurea

Fibonacci e a Seção Áurea Na matemática, os Números de Fibonacci são uma seqüência (sucessão, em Portugal) definida como recursiva pela fórmula abaixo: Na prática: você começa com 0 e 1, e então produz o próximo número de Fibonacci

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVET VETIBULAR 00 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. Q-7 Um utomóvel, modelo flex, consome litros de gsolin pr percorrer 7km. Qundo se opt pelo uso do álcool, o utomóvel consome 7 litros

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella Cœlum Austrle Jornl essol de Astronomi, Físic e Mtemátic - roduzido por Irineu Gomes Vrell Crido em 995 Retomdo em Junho de 0 Ano III Nº 04 - Setembro de 0 ÓRBITAS LANETÁRIAS E LEIS DE KELER rof. Irineu

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Fundamentação Metodológica

Fundamentação Metodológica E M.Montessori Fundmentção Metodológic Mnuis Didáticos Progrms em Níveis Listgens de Ambientes Preprdos Progrms Anuis - Bimestris As crinçs, em contto com um mbiente dequdo desenvolvem s potenciliddes

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Função de onda e Equação de Schrödinger

Função de onda e Equação de Schrödinger Função de ond e Equção de Schrödinger A U L A 4 Met d ul Introduzir função de ond e Equção de Schrödinger. objetivos interpretr fisicmente função de ond; obter informção sobre um sistem microscópico, prtir

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida

Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida Disciplina de Matemática Professora: Dora Almeida Escola Secundária de D. Luísa de Gusmão Trabalho elaborado por: -Andreia Domingos nº 4 -Cátia Santos nº 7 10ºB 1 O que é o Número de Ouro...pág 3, 4 e

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M.

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 Eercícios Introdutórios Eercício 10. Três ilhs

Leia mais

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB.

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB. MÚLTIPL ESCOLH NOTÇÕES C : conjunto dos números compleos. Q : conjunto dos números rcionis. R : conjunto dos números reis. Z : conjunto dos números inteiros. N {0,,,,...}. N* {,,,...}. : conjunto vzio.

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

Escola Secundária/3 da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo 2003/04 Da duplicação do quadrado à redução de Hipócrates 10.

Escola Secundária/3 da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo 2003/04 Da duplicação do quadrado à redução de Hipócrates 10. Escol Secundári/3 d Sé-Lmego Fich de Trblho de Mtemátic Ano Lectivo 2003/04 D duplicção do qudrdo à redução de Hipócrtes 10.º Ano Nome: N.º: Turm: Introdução o Trblho Dos três fmosos problems clássicos

Leia mais

Diferentes padrões para uma mesma medida.

Diferentes padrões para uma mesma medida. Diferentes padrões para uma mesma medida. Antes de iniciarmos o assunto desta atividade, veremos como se deu a evolução das medidas utilizadas pelo homem e depois trataremos das proporções do Homem Vitruviano.

Leia mais

O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS. GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades

O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS. GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades Marília Lidiane Chaves da Costa marilialidiane@gmail.com Izamara

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.!

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.! Este progrm foi desenvolvido pelo Deprtmento dos ministérios d Crinç prtir ds proposts de textos ds plestrs pr os dultos. Nots importntes pr o Monitor: Sempre que ler um texto bíblico, fç-o com Bíbli bert.

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9

Técnica das Construções Edmundo Rodrigues 9 Técnic ds Construções Edmundo Rodrigues 9 2.4. Elborção dos projetos construtivos Os projetos que devem ser elbordos de modo definir todos os procedimentos construtivos clssificm-se como: projeto de rquitetur;

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA [Digite teto] CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA BELO HORIZONTE MG [Digite teto] CONJUNTOS NÚMERICOS. Conjunto dos números nturis Ν é o conjunto de todos os números contáveis. N { 0,,,,,, K}. Conjunto dos números

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

O Misterioso Número de Ouro Rosa Ribeiro e Céu Silva Departamento de Matemática Pura

O Misterioso Número de Ouro Rosa Ribeiro e Céu Silva Departamento de Matemática Pura Uma Manhã nos Departamentos de Matemática O Misterioso Número de Ouro Rosa Ribeiro e Céu Silva Departamento de Matemática Pura A razão diagonal/lado num pentágono regular é um número que tem fascinado

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito ns melhores fculddes IBMEC 03/junho/007 ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA DISCUSIVA 01. O dministrdor de um boliche pretende umentr os gnhos com sus pists. Atulmente, cobr $ 6,00 por um hor

Leia mais

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais.

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais. EXPOENTE 2 3 = 8 RESULTADO BASE Podeos entender potencição coo u ultiplicção de ftores iguis. A Bse será o ftor que se repetirá O expoente indic qunts vezes bse vi ser ultiplicd por el es. 2 5 = 2. 2.

Leia mais

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1;

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1; Curso Teste - Eponencil e Logritmos Apostil de Mtemátic - TOP ADP Curso Teste (ii) cso qundo 0 < < 1 EXPONENCIAL E LOGARITMO f() é decrescente e Im = R + 1. FUNÇÃO EXPONENCIAL A função f: R R + definid

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Desvendando os Números Reais Cristina Cerri IME-USP Novembro de 2006

Desvendando os Números Reais Cristina Cerri IME-USP Novembro de 2006 Desvendndo os Números Reis Cristin Cerri IME-USP Novembro de 006 Pr que servem os números? Certmente muitos responderão rpidmente que os números servem pr contr. Contudo, se o homem vivesse isoldo, necessidde

Leia mais

UFU Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Apostila de Lógica Proposicional (Fundamentos Básicos)

UFU Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Apostila de Lógica Proposicional (Fundamentos Básicos) UFU Universidde Federl de Uberlândi Fculdde de Computção Apostil de Lógic Proposicionl (Fundmentos Básicos) Prof. Luiz Gustvo Almeid Mrtins UFU - Fculdde de Computção Lógic Proposicionl Fundmentos Básicos

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa

CRUZAMENTO Indivíduo 12 Indivíduo 18 aa X Aa BIO 3E ul 07 07.01. Pr determinr se um crcterístic genétic é dominnte ou recessiv trvés d interpretção de um genelogi, deve-se procurr um cruzmento entre indivíduos normis que tenh, pelo menos, um descendente

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO. Hugo de Oliveira Motta Serrano 1, Eugenia Brunilda Opazo Uribe

UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO. Hugo de Oliveira Motta Serrano 1, Eugenia Brunilda Opazo Uribe Encontro de Ensino, Pesquis e Extensão, Presidente Prudente, 5 de outuro, 01 64 UMA (RE)VISÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS E SEU ENSINO Hugo de Oliveir Mott Serrno 1, Eugeni Brunild Opzo Urie Universidde Federl

Leia mais

O Teorema de Pitágoras

O Teorema de Pitágoras A UUL AL A O Teorem de Pitágors Com jud de um pr de esqudros, desene dois triânguos retânguos de mesmo tmno. Represente num dees tur retiv à ipotenus, omo mostr figur d direit: Pr pensr I II III Reortndo

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

Algumas Demonstrações Geométricas

Algumas Demonstrações Geométricas Algums Demonstrções Geométrics Mtemátic A 10º Ano Tem I Nos novos progrms, d Mtemátic A refere- se que: No ensino secundário, o estudnte deverá ser solicitdo frequentemente justificr processos de resolução,

Leia mais

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada MATEMÁTICA b Sbe-se que o qudrdo de um número nturl k é mior do que o seu triplo e que o quíntuplo desse número k é mior do que o seu qudrdo. Dess form, k k vle: ) 0 b) c) 6 d) 0 e) 8 k k k < 0 ou k >

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

Matemática. Prova: 05/08/12. Questão 1. Questão 2. Considere os seguintes conjuntos numéricos,,,, = e considere também os seguintes conjuntos:

Matemática. Prova: 05/08/12. Questão 1. Questão 2. Considere os seguintes conjuntos numéricos,,,, = e considere também os seguintes conjuntos: Prov: 05/08/ Mtemátic Questão Considere os seguintes conjuntos numéricos,,,, = e considere tmbém os seguintes conjuntos: A= ( ) ( ) B= ( ) D= ( ) ( ) Ds lterntivs bixo, que present elementos que pertencem

Leia mais

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Busc Digitl (Trie e Árvore Ptríci) Estrutur de Ddos II Jiro Frncisco de Souz Introdução No prolem de usc, é suposto que existe um conjunto de chves S={s 1,, s n } e um vlor x correspondente um chve que

Leia mais

dados de rotina com filtro, 2011

dados de rotina com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011, vist d instlção / foto ricrdo bsbum performnce d curdori curdori dniel mttos (rj) pço ds rtes (SP) detlhe: crimbos imgem do folder / fotos

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434 ABNT-Associção Brsileir de Norms Técnics Sede: Rio de Jneiro Av. Treze de Mio, 13-28º ndr CEP 20003-900 - Cix Postl 1680 Rio de Jneiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fx: (021) 220-1762/220-6436 Endereço

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

3º Ciclo do Ensino Básico

3º Ciclo do Ensino Básico ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE AMORA - ANO LETIVO 2014/2015 DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES GRUPO 600 Plnificção Anul Educção Visul 8º Ano 3º Ciclo do Ensino Básico Domínio Objetivos Geris

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS NA GEOMETRIA MARCIO COHEN COLÉGIO PONTO DE ENSINO marciocohen@superig.com.br

NÚMEROS COMPLEXOS NA GEOMETRIA MARCIO COHEN COLÉGIO PONTO DE ENSINO marciocohen@superig.com.br NÚMEROS COMPLEXOS NA GEOMETRIA MARCIO COHEN COLÉGIO PONTO DE ENSINO mrciocohen@superigcomr + = EQUAÇÃO DA RETA: k cte (onde k e cte têm seus significdos geométricos evidencidos n demonstrção ixo) Sej um

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais