Inovar é preciso. A humanidade precisa inventar um jeito novo de produzir, consumir e conviver para preservar o planeta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inovar é preciso. A humanidade precisa inventar um jeito novo de produzir, consumir e conviver para preservar o planeta"

Transcrição

1 Maio/Juho 2008atitude Maio/Juho2008 Revista de Sustetabilidade da Philips América Latia A humaidade precisa ivetar um jeito ovo de produzir, cosumir e coviver para preservar o plaeta Iovar é preciso

2 2 atitude Maio/Juho2008 Sumário 6 REPORTAGEM DE CAPA Sustetável mudo ovo 11 ENCARTE Seu bolso Saiba como fazer uso cosciete do diheiro e do crédito Iovação é a chave para a costrução de um plaeta melhor para a humaidade. Mas isso só vai fucioar se a sustetabilidade estiver profudamete itegrada ao osso dia-a-dia e se a sociedade apreder a lidar com a limitação de espaço e de recursos aturais. 15 ÉTICA Guardiões dos PGN Coheça quem são e como trabalham os Compliace Officers da Philips 17 PANORAMA The Simplicity Evet Cerca de 500 estudates participaram da oficia de desig sustetável motada durate o megaeveto em São Paulo 19 BOM EXEMPLO Excelêcia compartilhada 18 Paorama Na esteira da bem-sucedida experiêcia a Ilha de Páscoa, em 2006, a Philips decidiu levar sua tecologia de pota e o coceito de eficiêcia eergética a Sa Pedro de Atacama (foto à esq.), a capital arqueológica do Chile. A medicia de primeira do Hospital Albert Eistei chega à população de baixa reda de São Paulo SEÇÕES 4 Mais Simples 10 Artigo 16 Voto Cosciete 22 Fucioário Cidadão 23 Pequeas Atitudes Atitude é uma publicação da área de Sustetabilidade da Philips América Latia. É permitida a reprodução de todo o material desta edição, agradecedo-se a citação da fote - JORNALISTA RESPONSÁVEL Ferada de Carvalho (Mtb ) COORDENAÇÃO DE SUSTENTABILIDADE Reata Macedo COORDENAÇÃO EDITORIAL Ricardo Vicalvi e Elaie Martis COLABORAÇÃO Brasil: Marcus Nakagawa e represetates do Comitê de Sustetabilidade Argetia: Maria Soledad Beraza e Maria Alejadra Grigai Chile: Christiae Rocha e Joaa Lederer México: Germá Villalobos ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA Rua Verbo Divio, 1 400, 1º adar, CEP: , Chácara Sato Atôio, São Paulo, SP - ENDEREÇO NA INTERNET REDAÇÃO Totum Excelêcia Editorial ARTE E PRODUÇÃO LPCVisual

3 Editorial atitude Maio/Juho Iovação sustetável Etidades, associações parceiras e recohecimetos: Istituto ETHOS de Empresas e Resposabilidade Social Um dos potos altos da recete passagem do presidete mudial da Philips, Gerard Kleisterlee, pela América Latia, foi, sem dúvida, um Tow Meetig realizado em São Paulo para os fucioários do escritório admiistrativo. Na ocasião, Kleisterlee dedicou uma parte importate da sua iterveção, destiada pricipalmete a cometar os resultados obtidos pela compahia a região, ao tema da sustetabilidade. Segudo ele, a sustetabilidade, loge de ser um modismo ou uma atraete ferrameta de marketig, é um valor permaete para a Philips, itegrada ao osso dia-a-dia e aos egócios e geradora de um mudo de oportuidades. O camiho para se captar pleamete esse potecial passa ecessariamete pela iovação. O casameto da sustetabilidade com a iovação sigifica mater a todo o mometo a preocupação em utilizar métodos ovos a hora de se criar e fabricar produtos ou prestar serviços, sempre tedo como referêcia o seu impacto o meio ambiete, a promoção do bem-estar e da qualidade de vida das pessoas. É também procurar fazer mais com meos, como mostra a aplicação do coceito de eficiêcia eergética os diferetes setores da Philips dos sistemas de ilumiação aos produtos de estilo de vida. A boa otícia para todos os que trabalham a Philips é que a prática da sustetabilidade iovadora se espraiou pela compahia, trasformado dezeas de milhares de fucioários em agetes ativos desse processo. E, como mostra a reportagem de capa desta edição, ela está se cocretizado das mais diferetes formas. A sustetabilidade iovadora toma forma, por exemplo, quado a Philips Desig cocebe o Saral Stove, uma foralha especialmete desevolvida para ateder a população rural de uma remota região da Ídia. Ou quado a compahia laça um projeto como o Sustaiable Habitat, dedicado a viabilizar a obteção de água, luz e o processameto do lixo as cidades chiesas em Como disse o presidete mudial o Tow Meetig, a sustetabilidade é um processo evolutivo. E é ossa obrigação tirar o melhor proveito dessa visão. Hoje, amahã, sempre. Boa leitura! Flávia Moraes Gerete-geral de Sustetabilidade da Philips para a América Latia

4 atitude Maio/Juho2008 Mais Simples 4 Parceria que deu certo Marcos Magalhães arra experiêcia de gestão educacioal em livro Magalhães e sua obra: registro de um trabalho icasável pela educação É possível, sim, por itermédio da parceria públicoprivada, melhorar a qualidade do esio o Brasil. Essa é a tese pricipal do livro A Juvetude Brasileira Gaha uma Nova Escola de Esio Médio Perambuco Cria, Experimeta e Aprova, de autoria de Marcos Magalhães, ex- CEO e atual presidete do Coselho Cosultivo da Philips a América Latia. Laçado em Recife e em São Paulo, o iício da seguda quizea de maio, o livro relata o trabalho icasável de Magalhães para implatar um modelo de gestão bem-sucedido as escolas públicas de Perambuco, seu estado atal, com a participação do setor empresarial a admiistração. A jorada pela educação do ex-presidete da Philips começou em 1999, com a reforma e a recuperação do Giásio Perambucao, atiga escola-modelo regioal ode Magalhães estudou e se preparou para sua trajetória profissioal. O êxito da experiêcia deu origem à criação e istalação de 33 Cetros de Esio Experimetal (CEEs), com capacidade para o atedimeto de 20 mil aluos, com recursos dos setores público e privado. Em 2007, a experiêcia foi trasformada em programa oficial pelo govero perambucao, que prevê a costrução de 75 ovas escolas de tempo itegral os próximos seis aos. A superioridade do sistema implatado pode ser costatada a olho u, como mostram algus idicadores publicados o livro: a taxa de freqüêcia dos aluos é de 97%; a taxa de aprovação é de 98%; a taxa de aprovação os vestibulares chega a 70%. Mais iformações em Wal-Mart laça cobertor feito de garrafas PET Wal-Mart está com uma ótima ovidade as suas lojas O brasileiras: os cobertores Select e Simply, produzidos com poliéster extraído de garrafas PET recicladas. Além de preservar o meio ambiete, a produção de cobertores represeta uma fote de reda para diversas cooperativas de catadores, já que cada uidade requer 200 garrafas. Além de comprar o cobertor para sua casa, o cliete evita que toeladas de garrafas PET virem lixo, diz o diretor de marcas próprias do Wal-Mart Brasil, Fábio Cyrillo. Saiba mais em Sustetável: cada cobertor requer 200 garrafas

5 1º Baco Real 2º Grupo Orsa 3º Natura 4º HP 5º Wal-Mart 6º Philips 7º Coca-Cola 8º Isabela Capeto (moda) 9º Microsoft 10º Petrobras Curtas Mais Simples atitude Maio/Juho A Philips está etre as dez mais sustetáveis A Philips foi eleita pela revista Impresa a sexta empresa mais sustetável do Brasil, de acordo com a mídia. A pesquisa aalisou reportages e editoriais publicados as revistas Época Negócios, IstoÉ Diheiro, Exame e América Ecoomia durate todo o ao de 2007 e localizou quais compahias e marcas têm a imagem mais positiva o que se refere à sus- É bom trabalhar aqui A Philips foi escolhida uma das melhores empresas para trabalhar o México pela revista Expasió, uma das pricipais publicações de egócios do país. Participaram da pesquisa, batizada de Super Empresas 2008, um total de 407 compahias. Classificada em 16º lugar a lista geral, a subsidiária mexicaa é a primeira etre as empresas do setor de eletrôica de cosumo. A Philips do Brasil, por sua vez, obteve o Prêmio RH Cidadão, da revista Gestão e RH, por ter ficado etre as 10 melhores etre as 100 fialistas do rakig das 100 Melhores Empresas em Cidadaia Corporativa Além da Philips, receberam o prêmio compahias como Avo, tetabilidade empresarial. O sexto lugar alcaçado pela compahia mostra como as ações de sustetabilidade que desevolvemos, e das quais muitos fucioários fazem parte como volutários, têm um grade impacto a impresa. Esse impacto se reflete a impressão que o cosumidor tem da Philips, levado-o a optar pela ossa marca. RH Cidadão: Nakagawa recebe prêmio Baco Real e Pão de Açúcar. O assessor de sustetabilidade Marcus Nakagawa represetou a Philips a cerimôia de premiação. OPEN HOUSE O Dia das Criaças, comemorado em 30 de abril o México, foi celebrado com a abertura dos escritórios aos filhos dos fucioários (foto acima). Além de assistir a um divertido filme e de saborear pizzas, as criaças recepcioadas participaram de jogos os quais aprederam a icorporar a ciêcia o dia-a-dia. Terra celebrada O Dia da Terra foi celebrado a Philips mexicaa o dia 22 de abril, com uma série de palestras sobre o tema. O presidete da Philips local, Paulo Simas, disse que o plao verde da compahia o país está sustetado em dois pilares: eficiêcia eergética e embelezameto de cidades essa área, o projeto pricipal será a ilumiação de Guaajuato, uma das mais importates cidades coloiais mexicaas. Suplemetados A Gerêcia Geral de Sustetabilidade fez uma apresetação sobre o assuto aos suplemetados da Philips associados à ASPHI, com êfase o Programa de Volutariado, o fial de abril. A idéia do ecotro foi abordar o tema como uma possibilidade de melhoria a qualidade de vida de todos, além de atualizá-los sobre os trabalhos realizados e agariar volutários.

6 atitude Maio/Juho2008 Capa 6 A humaidade precisa ivetar um jeito ovo de produzir, cosumir e coviver para preservar o plaeta. O segredo está em itegrar a sustetabilidade ao osso dia-a-dia

7 Capa atitude Maio/Juho Olivro Admirável Mudo Novo, escrito pelo iglês Aldous Huxley, em 1932, traça um ceário desolador do futuro, apesar do título aparetemete otimista. Domiada pela tecologia e icapaz de criar laços emocioais, a humaidade imagiada pelo autor vaga sem rumo por um plaeta devastado e sem vida. A obra é de ficção, mas diz muito sobre os temores que a revolução tecológica (que apeas se esboçava à época) provocava. Quase 80 aos depois da previsão de Huxley, a tecologia de fato tomou cota de ossas vidas e, embora os seres humaos teham preservado sua capacidade de se emocioar, o medo em relação ao futuro permaece etre ós. E, ifelizmete, a ameaça de colapso dos recursos aturais e suas coseqüêcias parece cada vez mais próxima. A boa otícia é que aida é possível evitar o pior e preservar o plaeta para as próximas gerações. O que as pessoas, os goveros, as empresas e as istituições de todo o mudo precisam, para virar esse jogo, é justamete achar um jeito iovador de produzir, cosumir e coviver provocado os meores estragos possíveis ao meio ambiete. O mudo, em breve, terá 8 bilhões de pessoas, o que ão é algo simples, disse o presidete mudial da Philips, Gerard Kleisterlee, em sua recete passagem por São Paulo, a qual realizou um Tow Meetig para os fucioários do prédio admiistrativo. Precisamos criar uma sociedade que cosiga lidar com a limitação de recursos e de espaços. Por isso, a sustetabilidade está e precisará estar sempre profudamete itegrada ao osso dia-a-dia e ao osso egócio. Ates de tudo, é preciso eteder que adotar práticas sustetáveis vai além de evitar ou miimizar daos ao meio ambiete. A sustetabilidade é um mudo de oportuidades, diz Flávia Moraes, geretegeral de Sustetabilidade da Philips para a América Latia. E essas oportuidades virão por meio da iovação. Sustetabilidade e iovação são, de fato, dois coceitos afis. Adotar práticas sustetáveis ou seja, observar todos os impactos da atividade, e ão apeas seus fis, colocado a preservação e a valorização dos recursos aturais como prioritárias sigifica criar métodos iovadores, testar diferetes possibilidades de se chegar a um mesmo fim. Em uma palavra: iovar. E iovar ão quer dizer, ecessariamete, acrescetar tecologia de pota ao processo. Muitas vezes, aliás, ser iovador requer dar um passo atrás como fez a idústria de refrigerates, que aos poucos está promovedo o retoro do vidro o lugar das embalages plásticas, pela facilidade de reúso e meor impacto ambietal das embalages. Diferetes fuções profissioais também ão represetam barreira para a iovação. Você trabalha com vedas?, pergutou Kleisterlee à platéia de mais de 500 fucioários da Philips do Brasil presetes ao Tow Meetig. Pois bem, você precisa saber exatamete o que está vededo, se o produto poderá ser reciclado, de que maeira ele será descartado, e tudo o mais que diga respeito ao meio ambiete. Trata-se, esse caso, de uma postura iovadora. Você é da área fiaceira? Parabés, pois você deve ter participado, os últimos aos, da adequação do balaço da compahia à lei americaa Sarbaes-Oxley. Criada para torar os processos cotábeis e de cotrole mais seguros após fraudes corporativas verificadas os Estados Uidos, a lei é profudamete iovadora. As ovas práticas propostas pela lei são geradoras de sustetabilidade, pois evitam ou dificultam o colapso de compahias em razão de atos irresposáveis de poucos executivos, através de atributos éticos, diz Flávia. Além de perceber que o mudo está mudado de maeira iexorável a direção das ovas práticas, é preciso estar proto para ser um agete desse processo. Mudaça é siôimo de medo, de agoia, diz Rosa Alegria, vice-presidete do Núcleo de Estudos do Futuro (NEF) da Potifícia Uiversidade Católica de São Paulo. Mas temos de ecará-la como algo promissor e pesar que estamos passado por uma evolução. Rosa sugere a adoção do que chama de pesameto prospectivo para mometos de grades trasformações. O ideal é sermos protagoistas do osso próprio futuro. Existem as mudaças que

8 atitude Maio/Juho2008 Capa 8 Chia 2020: projeto da Philips busca soluções sustetáveis para as megalópoles do país acotecem e as que ós fazemos acotecer. É dispesável dizer que a seguda opção costuma ser a mais estimulate e recompesadora, embora mais difícil. Estudioso dos temas iovação e sustetabilidade, o professor Carlos Arruda, da Fudação Dom Cabral, de Mias Gerais, prevê que esses dois coceitos estarão cada vez mais itegrados o ambiete empresarial os próximos aos. A divisão do cohecimeto a estrutura das compahias em departametos ou úcleos limita o desevolvimeto de uma visão mais itegrada e sistêmica, afirma. Iovação e sustetabilidade devem romper essa fragmetação para, jutas, gaharem relevâcia o mudo empresarial. Jutar esses potos é a tarefa cotidiaa da arquiteta italiaa Simoa Rocchi, diretora sêior da área de Desig Sustetável da Philips Desig, já há algus aos. Desig sustetável quer dizer um processo criativo holístico que pretede traduzir preocupações socioambietais mudiais e regioais em produtos e serviços, defie Simoa (veja etrevista a págia seguite). Um exemplo perfeito do trabalho de Simoa e sua equipe é o Saral Stove, uma foralha desevolvida especialmete para os hábitos das doas-de-casa da área rural de Pua, a Ídia. Como elas estão habituadas a queimar leha detro de casa para cozihar, são comus os casos de itoxicação por fumaça a região. A falta de vetilação adequada das habitações vitima iclusive criaças. O foro Saral (e seu modelo-irmão Sampoora) É fudametal buscar soluções para as mais diversas ecessidades começou a ascer um workshop comadado por Simoa em Eidhove, a Holada, em setembro de O eveto, que reuiu cerca de 300 profissioais da Philips de todo o mudo, pôs em discussão 18 coceitos de desig sustetável. Um dos projetos mais bem-sucedidos foi o da foralha, realizado em parceria com a ONG Appropriate Rural Techology Istitute (Arti). Feito de cocreto e recoberto por argila, o Saral resolve de maeira simples e egehosa a questão crítica da dissipação da fumaça e reduz a temperatura ambiete. Além disso, foi pesado de forma a ter um preço compatível com o poder aquisitivo das cosumidoras 500 rupias e 1 mil rupias (R$ 20 e R$ 40). Todos sabemos o que está ocorredo o mudo e qual é a ossa visão de futuro, disse Kleisterlee em São Paulo. A sustetabilidade é um processo evolutivo. Por isso, temos de discutir como tirar o melhor proveito dessa visão. O posicioameto de ossa marca, 'sese ad simplicity', coloca muito foco a questão da simplicidade, mas saber exatamete qual é o osso papel a sociedade tem muito a ver com sese (setido, razão). O Saral, em sua simplicidade, é tão iovador quato, digamos, o avaçadíssimo televisor Aurea. Seguido o mesmo raciocíio, fica claro descobrir por que é tão importate para a Philips buscar soluções para melhorar a qualidade de vida dos mais diferetes públicos, cada um com suas ecessidades próprias. Ecotrar uma fote de eergia barata e eficiete para ilumiar lares de populações de baixa reda é um imeso desafio, e poderá resultar em um egócio tão promissor, afial, quato criar as mais belas e sofisticadas lumiárias. Uma visita rápida aos escritórios da Philips Desig, a Hola-

9 Capa atitude Maio/Juho da, revela uma ifiidade de soluções experimetais para os mais distitos problemas da humaidade. O projeto Sustaiable Habitat, por exemplo, procura imagiar como será possível obter água, luz e processar o lixo as megalópoles chiesas em Detre as idéias mais iteressates estão o prédio revestido por uma substâcia que capta eergia para cosumo dos habitates e regula automaticamete a passagem da luz atural para o iterior. Já o projeto Ski cria tecidos e acessórios como tatuages e jóias que reagem às variações emocioais do cosumidor, adotado diferetes cores e formatos. É algo aparetemete supérfluo, sem grades aplicações além da estética. Mas trata-se de uma tecologia que, assim que estiver amadurecida, poderá gerar uma série de produtos e subprodutos com impacto direto o bem-estar das pessoas. A Electroic Sesig Jewelry, projetada pela Philips, faz exatamete isso, edossado osso posicioameto como empresa voltada à saúde e ao bem-estar das pessoas. É a prova de que esse mudo ovo pode ser mesmo admirável e sustetável, claro. Para saber mais: Núcleo de Estudos do Futuro (www.ef.org.br); Fudação Dom Cabral (www.fdc.org.br) Simoa: em ome do meio ambiete e da qualidade de vida A arte de uir potas arquiteta italiaa Simoa Rocchi é a resposável A pela área de Desig Sustetável da Philips Desig. Baseada em Amsterdã, Simoa cocedeu a seguite etrevista a Atitude: Qual é a defiição de desig sustetável? Desig sustetável sigifica um processo criativo holístico que pretede traduzir preocupações socioambietais mudiais e regioais em produtos e serviços. Isso requer uma visão sistêmica do desig, para que mudaças tecológicas e iovações sociais sejam alcaçadas Saral Stove: iovação e simplicidade salvam vidas a Ídia em ome da qualidade de vida das pessoas e da preservação dos recursos aturais. Como a Philips aplica os pricípios de sustetabilidade a prática? Nossa forma de trabalhar é baseada a criação da relação harmoiosa etre pessoas, objetos e o meio ambiete o que iclui a atureza e a humaidade. Para chegar lá, desevolvemos um processo exclusivo, chamado High Desig, que é cetrado em pessoas, baseado em pesquisas e que utiliza como poto de partida cohecimetos de disciplias como psicologia, sociologia, atropologia e pesquisa de tedêcias. Além disso, utilizamos ferrametas mais covecioais de desig, obviamete. Qual é o papel da iovação esse processo? A Philips Desig matém sempre um olho a realidade comercial e os modelos de egócios de ossas criações. Para ós, a iovação ocorre quado coseguimos uir as potas etre os desejos das pessoas, o que a tecologia e o egócio podem oferecer e a sustetabilidade.

10 atitude Maio/Juho2008 Artigo 10 Trocado o todo pela parte A arte de alcaçar o mercado homossexual Por Jorge Tarquii* P ik moey. Já ouviu falar? Sim, é a parcela da ecoomia movimetada pelos gays, celebrados por ão terem filhos e, ao meos a teoria, poderem gastar mais com cultura, viages e outros bes de cosumo e serviços. Atire a primeira pedra o empresário que ão quer uma fatia desse bolo desde que fique bem claro que eles estão de um lado, de preferêcia escodidos detro de um armário, e o resto da humaidade do outro. Não, ão vou aqui desfiar ehum rosário do politicamete correto em discutir precoceito. A idéia é parar pelo tempo de ler algumas poucas lihas para mudar um pouco o foco da discussão. A ciêcia provou que etre o homem e o chimpazé há apeas 0,6% de gees diferetes. Não sei se há algo semelhate etre os gays e os heterossexuais ou se algum dia, em existido, essa difereça possa ser medida. Mas o fato é que, cosiderado o úmero que já temos, fica uma perguta meio óbvia: em vez de lutar pelo 0,6% de difereça, ão seria mais egócio isistir os 99,4% coicidetes, trocado a parte pelo todo e ão vice-versa? Vista dessa maeira, a questão perderia muito do raço que leva às distorções vividas hoje, do poto de vista mercadológico. Afial, existe roupa, carro, geladeira ou baco gay? Claro que ão. E ão há grifes, cocessioárias, lojas de varejo ou bacos que pergutem ao cliete sua orietação sexual a exemplo daquelas casas de chá japoesas que, explicitamete, avisam a etrada: ão servimos estrageiros. Se a hora de fechar egócio ão há essa preocupação, por que ela existe a hora de comuicar? No mudo cada vez mais segmetado e customizado, particularmete acho ser um tiro o pé esperar que parcelas específicas de cosumidores sejam apahadas por grades redes de pesca, de modo geérico. O uiverso da mídia é especialista em ecotrar oportuidades detro de segmetos como o femiio. Que o digam os icotáveis títulos voltados para elas as bacas e todo tipo de produtos pesados para parcelas cada vez mais específicas e particulares do uiverso delas. A cotradição está exatamete em ão ver (ou ão querer ver) que o segmeto tão celebrado e desejado do pik moey ão é composto de um exército de cloes, com homossexuais exatamete iguais em forma e coteúdo. E lá se vão oportuidades pelo ralo... No mercado editorial já acotece um olhar mais cuidadoso, e a revista que dirijo, a DOM De Outro Modo, é uma das que se propõem a mostrar a multiplicidade desse uiverso tão repleto de difereças. E que veham muitas outras! Há espaço. Agora, é a vez de o mercado acordar. Recetemete, fui aos Estados Uidos cobrir para a revista um festival de ciema gay a bordo daquela certeza (que agora sei ser tacaha) de que ós, brasileiros, somos liberais e os americaos, coservadores. Pois bem, a lista dos patrociadores do eveto, o maior deles era a HBO, a rede de caais de etreteimeto família. Mas ela ão estava só: omes como Morga Staley, JetBlue, Tyleol e Macy s também estavam lá. Se eles são ou ão mais coservadores, ão posso afirmar. Mas já sabem que o pik moey é importate. Ou melhor: que diheiro ão tem cor em sexo. * Jorge Tarquii é joralista e escritor, dirigiu publicações como Quatro Rodas e Terra e atualmete é o diretor de redação da revista DOM De Outro Modo, publicação de iformação geral, comportameto e estilo de vida voltada para o público homossexual masculio.

11 Destaque atitude Maio/Juho Cosumo cosciete do diheiro e do crédito O Brasil vive um bom mometo ecoômico. Quado as coisas vão bem, as pessoas costumam ficar mais cofiates em relação ao futuro. Elas passam a cosumir e a fazer mais dívidas. Em pricípio, ão há ada de ruim quato a isso, pois quato mais se compra, mais será preciso produzir e mais empregos serão criados o País. É aquilo que os especialistas costumam chamar de círculo virtuoso. O problema é quado o excesso de cofiaça ou a falta de iforma- ção levam o cosumidor a dar um passo maior do que a pera. Ou a pessoa faz compras acima de sua capacidade de pagameto ou descobre, a hora de começar a pagar as dívidas, que os juros ou as taxas são maiores do que o combiado. É preciso também sempre levar em cota que coisas iesperadas podem acotecer um gasto excepcioal ou a perda de parte da reda familiar pode, por exemplo, levar à impossibilidade de quitar os compromissos. Para ão cair essas armadilhas, é preciso seguir uma série de regri- has a hora das compras. Quado for comprar um bem de maior valor, como uma geladeira, móveis ou um carro, pese muitas vezes ates de tomar a decisão. Faça algumas pergutas para si próprio e para sua família: preciso mesmo desse objeto? É o mometo certo para comprá-lo? O preço está justo? Vou pagar à vista ou a prazo? Se for parcelar, quato exatamete pagarei em juros? Essa última questão é especialmete complicada e exige um certo esforço do cosumidor, pois muitas vezes as lojas, os bacos e as fiaceiras dificultam o acesso às iformações. Geralmete, eles mostram com destaque o valor da parcela mesal e deixam em segudo plao o valor total que será pago em juros. Como as taxas de juro o Brasil são altas, é muito comum o cosumidor desembolsar até o dobro do valor do produto o crediário as compras com prazos maiores. Esse excedete é o custo do diheiro. Saber o quato se paga por ele é fudametal para mater a sua saúde fiaceira e a de sua família. Nas próximas págias, leia com ateção uma série de dicas para você mater o cotrole a hora de cosumir. 5 Para colecioar

12 As regras básicas para ter um atitude Maio/Juho2008 Destaque 12 Tete ão gastar além do que gaha Parece algo óbvio, mas é uma regra que a maioria das pessoas que acumulam problemas com dívidas ão segue. E ão basta apeas equadrar o orçameto doméstico a reda familiar. É preciso também deixar uma folga para evetuais imprevistos. Quem cosegue preservar ao meos uma pequea parte do salário todos os meses sofre meos essas horas de aperto iesperado. Quem está sempre o limite (ou acima dele), certamete vai ter de recorrer a empréstimos para coseguir livrar a barra esses mometos. E aí é que a situação, que já era feia, fica pior aida. Fique ateto aos seus movimetos Outra dica bastate básica, mas que a maioria das pessoas deixa para lá: saber exatamete para ode seu diheiro está ido. Ter oção exata de cada gasto, mesmo os aparetemete mais isigificates, ajuda muito a mater o cotrole. Faça um teste: use uma plailha, como a da próxima págia, para aotar todos os seus gastos o decorrer do mês. Certamete você vai se surpreeder com o quato gasta com determiados hábitos que cosiderava iofesivos à sua saúde fiaceira. Com esse levatameto em mãos, fica mais fácil seguir a próxima dica plaejar. Plaeje seu futuro Você sabe o que pretede cosumir o futuro? Um carro? Uma casa? Ou prefere guardar diheiro para pagar a educação dos filhos? Ou etão abrir um egócio próprio quado chegar a aposetadoria? Se você aida ão tem respostas para essas pergutas, é bom começar a pesar elas. Saber quato custam seus sohos tora mais fácil a tarefa de alcaçá-los. E ão se assuste com os valores. Com paciêcia e disciplia, é possível chegar lá. Se tiver dificuldades para plaejar, peça ajuda. Fale com o gerete do seu baco ou com um amigo que já teha alcaçado um objetivo semelhate. Ele poderá lhe mostrar algus atalhos essa estrada.

13 Destaque atitude Maio/Juho a vida fiaceira saudável Poupe o máximo que coseguir Quado sobra algum diheiro, a tetação de cosumir só aumeta. Ates de sair fazedo compras, porém, faça um exame detalhado de suas ecessidades. O objeto desejado é mesmo tão ecessário? Em que sua vida vai melhorar com a posse dele? Será que ão é melhor deixar esse diheiro o baco para efretar alguma situação iesperada? Coverse com seus familiares, eles certamete vão te ajudar a tomar a melhor decisão. Quado possível, faça reservas. Mesmo que seja uma pequea quatia, ela pode fazer difereça em outro mometo da sua vida ou para ajudar a realizar algum soho ou para ajudar a tapar algum buraco. Mateha-se sempre bem iformado Você comprou uma geladeira ova o crediário. À vista, ela sairia por R$ 600, mas você vai pagar em 12 prestações de R$ 60. Você sabe quato, afial, vai pagar por esse aparelho? A cota é simples, mas muita gete presta ateção só o valor da mesalidade e deixa de fazê-la. No osso exemplo, o total seria de R$ 720. Será que ão vale a pea esperar um pouco, jutar o diheiro e só etão realizar a compra, ecoomizado os R$ 120 da difereça? Claro que sim. O mesmo vale para o cartão de crédito, o cheque especial ou qualquer outro tipo de fiaciameto. Ates de assumir qualquer dívida, faça essa cota. E, além disso, procure saber as codições exatas do cotrato. Muitas vezes, determiadas taxas e multas são embutidas a parcela sem que o cosumidor se dê cota. Não teha vergoha de pergutar cada detalhe. Você uca vai se arrepeder de estar bem iformado. E ão custa ada. Está edividado? Reegocie Se você está uma situação fiaceira complicada, ão deve se evergohar disso. É um problema que a maioria das pessoas já efretou ou está efretado. Em vez de se escoder dos credores e tetar soluções mágicas, o melhor a fazer é efretar o problema de peito aberto e cabeça erguida. Tome a iiciativa de procurar os credores e tete reegociar o débito. Por exemplo, combie um ovo prazo que lhe dê tempo para reuir o capital ecessário para começar a quitar a dívida. Se tiver vários credores, o melhor a fazer é pegar um ovo empréstimo e quitar as dívidas. Assim fica mais fácil de admiistrar a situação. Mesmo que seu ome já esteja a lista do SPC, sempre há uma solução possível. Nuca deixe de tetar.

14 atitude Maio/Juho2008 Destaque 14 Faça seu cotrole Tire cópias desta págia ou, se você for um fucioário Philips, acesse a tabela a itraet e faça o acompahameto dos seus gastos durate, pelo meos, três meses. Ao fial desse período, você terá uma boa base para plaejar sua vida. A plailha foi extraída do Guia de Orietação Fiaceira do Baco Real ABN Amro, produzido com apoio do Istituto Akatu pelo Cosumo Cosciete. A B Gahos Salário R$ Beefícios (vale-refeição, vale-alimetação) R$ Outros gahos (pesão e outros redimetos) R$ Total de Gahos R$ Total de Gastos: R$ (Alimetação + Despesas Gerais + Saúde + Educação + Trasportes + Pagametos + Roupas + Acessórios + Lazer) Valor (R$) Gahos - Gastos = R$ (quato sobra ou falta) 1 Alimetação Valor (R$) 5 Supermercado R$ Feiras R$ R$ Total R$ Despesas Gerais Valor (R$) Aluguel R$ Codomíio R$ IPTU R$ Água R$ Telefoe Fixo R$ Celular R$ Faxieira R$ Gás R$ Outras Despesas R$ Luz R$ R$ Total R$ Saúde Valor (R$) Covêio Médico R$ Detista R$ Farmácia R$ Cosultas R$ R$ Total R$ Educação Valor (R$) Escola R$ Outros R$ R$ Total R$ Trasportes Valor (R$) Combustível R$ Estacioameto R$ Mauteção do Carro R$ IPVA / Liceciameto R$ Trasporte Coletivo R$ R$ Total R$ Pagametos Valor (R$) Prestações R$ Parcelas Empréstimos R$ Parcelas Fiaciametos R$ R$ Total R$ Roupas e Acessórios Valor (R$) Roupas R$ Calçados R$ Outros R$ R$ Total R$ Lazer Valor (R$) Clube / Academia R$ Ciema / Teatro R$ Restaurates R$ Lachoetes R$ Outros R$ R$ Total R$ Visite o site para mais iformações.

15 Ética atitude Maio/Juho Ética os egócios Saiba quem são e como trabalham os Compliace Officers da Philips Como ossos pricípios fudametais de itegridade e ética empresarial, os Pricípios Gerais de Negócios (PGN) visam assegurar ossa coformidade com todas as legislações e regulametações, assim como com as ormas e valores da própria Philips. Os PGN são o parâmetro que devemos ter diariamete para todas as ossas decisões e ações. Todos a Philips somos pessoalmete resposáveis e comprometidos com a coformidade aos Pricípios Gerais de Negócios. Essa coformidade é moitorada por meio de uma rede mudial de Compliace Officers. Existe um Compliace Officer para a orgaização de cada país e para os pricipais sites. O Compliace Officer é seu primeiro poto de cotato para acoselhameto a respeito de questões relacioadas aos PGN. Além disso, ele também é resposável por: l Apresetar relatórios regulares para o Comitê Corporativo de Revisão dos PGN (o Review Committee). Por sua vez, este Comitê acoselha o Board of Maagemet a respeito da implemetação dos Pricípios Gerais de Negócios e questões éticas em geral. l Acoselhar a direção e staff sobre questões éticas. l Registrar violações aos PGN, coordear e acompahar as respectivas ivestigações. l Divulgar treiametos e programas de coscietização ética. l Moitorar e dar suporte às uidades de egócios por ocasião do preechimeto aual do questioário dos PGN, que itegra o SBC (Statemet o Busiess Cotrol). Mas ão se trata somete de sua coformidade pessoal: você também tem um papel essecial para colocar em prática o auxílio às pessoas com as quais você trabalha a cumprir os padrões da Philips. Ao mesmo tempo em que visamos mater sempre um ambiete o qual os assutos possam ser discutidos abertamete, podem existir situações em que seja impossível agir desta forma. Para essas situações, você pode registrar suas reclamações pela Oe Philips Ethics Lie. Lembre-se: aôimo ou ão, seu relato será sempre tratado cofidecialmete. Igualmete, o reclamate deve tratar a reclamação de forma cofidecial. Cotatos a América Latia País Compliace Officer Telefoe América Latia Javier Lozada Argetia, Paraguai e Uruguai Alejadra Osti Argetia(Terra do Fogo) Jorge Parera Brasil (GO&S) Javier Lozada (iterio) Chile Oscar Alvarado López Colômbia Alejadro Serpa El Salvador Dailo Lopez México Mari Carme Palma Peru Miguel A. M. Huapaya Veezuela e Paamá Carme Davis Setor Cosumer Lifestyle (regioal) a defiir Healthcare (regioal) Ricardo Turra Lightig (regioal) Regialdo Schwery PBC (regioal) José Carlos Grecco Site Capuava (Lightig) Dora Jaimes Maaus (CL) Célio Jardim Recife (Lightig) Gervásio Yokoyama Vargiha (CL/Lightig) Mário Ararike VMI (Healthcare) Alejadro Paolii (r. 213)

16 atitude Maio/Juho2008 Voto Cosciete 16 Você está preparado? Veja como está o seu cohecimeto sobre o sistema político-eleitoral A Apoea, cosultoria a área de sustetabilidade, de São Paulo, é uma parceira da Philips Brasil em projetos como o Voto Cosciete, desevolvido para as eleições presideciais de Comadada por Adrea Goldschmidt, a cosultoria ampliou seus serviços para outras grades empresas brasileiras. O objetivo é aumetar a coscietização dos fucioários sobre a importâcia do voto como fator de desevolvimeto da cidadaia, diz Adrea. Além de cartazes, mesages eletrôicas e cartilhas, as palestras i compay fazem parte do meu utilizado pela Apoea em seu trabalho com os clietes. Um dos potos altos das palestras é a distribuição de um iteressate Q&A, o qual são testados os cohecimetos dos presetes sobre o sistema político brasileiro. Os resultados são variados, às vezes hilários, como o de um participate que errou quase todas as questões. Ele me disse que deveria ser proibido de votar, tamaho o seu descohecimeto, diz Adrea, que cedeu o questioário para ser submetido aos leitores da Atitude. Faça o teste e veja a quatas ada o seu ível de iformação sobre o processo político-eleitoral brasileiro. As respostas estão o pé da págia (saiba mais sobre o tema o site 1. Qual o sistema de govero do Brasil? a) Democracia b) Presidecialismo c) Parlametarismo 2. Quais dessas pessoas ão estão dispesadas de votar as eleições? a) Os joves etre 16 e 18 aos b) Os deficietes físicos c) Os aalfabetos 4. O que sigifica votar a legeda? a) Votar em um partido político, mas sem idetificar um cadidato específico b) Votar em cadidatos do mesmo partido para todos os cargos c) Votar em cadidatos de partidos diferetes para cada um dos cargos 5. Em quatos poderes está orgaizado o estado brasileiro? a) Dois Poderes: Executivo e Legislativo b) Três Poderes: Executivo, Parlametar e Judiciário c) Três Poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário 6. Qual desses cargos ão pertece à estrutura do Poder Executivo? a) Prefeito b) Vereador c) Goverador 7. Atualmete, qual o tempo do madato dos presidetes e goveradores? a) 8 aos b) 5 aos c) 4 aos 8. O que é Cogresso Nacioal? a) O mesmo que Seado Federal b) O mesmo que Câmara dos Deputados c) O Seado Federal e a Câmara dos Deputados jutos. 9. Qual a difereça etre seador e deputado federal? a) O seador represeta o estado e o deputado federal represeta o povo b) O seador fiscaliza as atividades do deputado federal c) Nehuma difereça 3. Quatas vezes é permitido justificar o voto? a) Quatas vezes forem ecessárias b) Quatas vezes forem ecessárias, cotato que ão seja pelo mesmo motivo c) Apeas duas vezes 10. Qual o papel de uma CPI? a) Julgar os políticos que teham agido de forma irregular b) Puir desvios de coduta dos políticos c) Ivestigar casos em que possa existir alguma irregularidade evolvedo políticos Respostas: 1) b; 2) b; 3) a; 4) a; 5) c; 6) b. 7) c; 8) c; 9) a; 10) c

17 Paorama atitude Maio/Juho Simplicidade jovem Edição latio-americaa do The Simplicity Evet iclui, pela primeira vez o mudo, área dedicada à sustetabilidade O The Simplicity Evet realizado em São Paulo, em abril, foi especial ão apeas pelo ceário escolhido para sua realização a belíssima Pote Octavio Frias de Oliveira, ovo marco arquitetôico da cidade. O que deu um diferecial à edição latio-americaa do eveto que já havia passado por Lodres, Amsterdã, Paris, Nova York e Hog Kog foi a iclusão de um espaço dedicado à sustetabilidade, com a motagem da Oficia Philips Joves Desigers. Foi a primeira vez que o eveto abriu espaço para esse tipo oficia, diz Reata Macedo, coordeadora de Sustetabilidade da Philips do Brasil. Um local a High Street área em que foram exibidos os produtos da Philips que já estão ou chegarão em breve ao mercado fucioou, durate os cico dias do The Simplicity Evet, como uma oficia de desig sustetável. Cerca de 500 joves de escolas públicas, privadas e ligados a ONGs participaram das atividades. Criada pela desiger Âgela Carvalho, a oficia icluía uma palestra prévia sobre o tema as escolas e ONGs, uma visita às istalações do eveto e a prática da costrução de lumiárias com materiais reciclados e com a lâmpada ecoômica Ambiece, da Philips. Esperamos que a experiêcia teha forecido aos joves um ovo olhar sobre o mudo que os rodeia e a motivação para se torarem agetes trasformadores da realidade cotidiaa, afirma Reata. Ao fial da visita, os joves puderam levar suas criações para casa. A escolha do desig como tema da área de sustetabilidade ão foi por acaso. Além do The Simplicity Evet exibir os mais avaçados coceitos de produtos já desevolvidos pela Philips, o desig lida diretamete com a criatividade dos joves. Assim, todos tiveram a possibilidade de refletir, de maeira lúdica e educativa, sobre o impacto que o cosumo tem sobre o mudo e a ecessidade de mudaça de hábitos. A recepção dos joves foi feita pelos palhaços da ONG Doutores da Alegria, que também aproveitaram o mometo para passar mesages sobre o meio ambiete e eficiêcia eergética. Após o eveto, os joves receberam um folheto com iformações sobre a oficia, um certificado de participação e uma foto persoalizada com a lumiária criada por cada um. Desig sustetável: estudates puseram a mão a massa

18 atitude Maio/Juho2008 Paorama 18 História ilumiada Philips chilea leva eficiêcia eergética a Sa Pedro de Atacama Igreja de Sa Pedro: prestes a receber ilumiação especial Na esteira da experiêcia bem-sucedida do Projeto de Sustetabilidade desevolvido a Ilha de Páscoa, em 2006, a Philips Chile iveste mais uma vez a melhoria da qualidade de vida das pessoas. Desta vez, o lugar escolhido para a ação da compahia foi Sa Pedro de Atacama, um oásis em pleo deserto de Atacama, o mais árido do mudo, o extremo orte do país. Localizada a quilômetros da capital Satiago, a cidade abriga uma população de 2,5 mil habitates e é cosiderada a capital arqueológica chilea os primeiros povos da região se estabeleceram ali há cerca de 11 mil aos. A exemplo do que ocorreu em outro importate cetro histórico e turístico do país, a Ilha de Páscoa, esse projeto está sedo desevolvido em parceria com a Fudação Casa de La Paz, com a participação da prefeitura de Sa Pedro de Atacama. O trabalho, criado e liderado pela Philips chilea, terá como eixo a educação em eficiêcia eergética, cotemplado a ilumiação de dois importates marcos arquitetôicos regioais: a Igreja de Sa Pedro de Atacama e a Torre de Tocoao. O projeto evolverá três ações pricipais, em Sa Pedro e seu etoro: Educação ambietal O objetivo é sesibilizar os Projeto iclui troca de lâmpadas e educação ambietal moradores sobre a importâcia da ecoomia e do uso eficiete da eergia para a melhoria da qualidade de vida. Será realizado um cocurso etre os aluos do giásio de Sa Pedro para a escolha do deseho que melhor sitetize o coceito de eficiêcia eergética. O projeto utilizará o deseho vecedor como a imagem oficial da campaha a comuidade. Troca de lâmpadas O plao de ecoomia eergética iclui ão apeas a itrodução de lâmpadas que cosumam meos. Será dada êfase à coscietização e à sesibilização das pessoas para que ocorra uma mudaça de hábitos a comuidade. Participarão dessa tarefa volutários da Philips, da Casa de La Paz e da prefeitura de Sa Pedro. Ilumiação de marcos A Igreja de Sa Pedro foi costruída o iício do século XVII pelos coloizadores espahóis. Embora teha sofrido diversas reformas, aida coserva a origialidade em seus muros, que datam de A Torre de Tocoao, erguida em 1750, é o pricipal símbolo turístico do povoado de mesmo ome, situado a 38 quilômetros de Sa Pedro. Os dois moumetos serão ilumiados com tecologia Philips de ecoomia de eergia, para aumetar sua beleza as oites geladas do deserto.

19 Bom Exemplo atitude Maio/Juho Boa medicia para todos Hospital Albert Eistei leva seu padrão de qualidade para a rede pública A medicia de Primeiro Mudo está chegado à região do M Boi Mirim, a zoa sul de São Paulo, uma das mais caretes da maior cidade brasileira. Costruído pela prefeitura paulistaa, com ivestimeto total de R$ 100 milhões, acaba de ser iaugurado o Hospital Dr. Moysés Deutsch, que será admiistrado pelo Hospital Albert Eistei, um dos melhores hospitais privados brasileiros. Apoiado pela Orgaização de Saúde Cetro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim, o Eistei colocará à disposição de uma população de mais de meio milhão de pessoas os padrões de excelêcia o atedimeto hospitalar que o trasformaram uma referêcia médica da América Latia. Nosso objetivo é ajudar o sistema público a icorporação de políticas de qualidade a saúde já desevolvidas com sucesso o Eistei, afirma Cláudio Lotteberg, presidete da Sociedade Beeficete Israelita Brasileira Albert Eistei, mateedora do hospital. Com uma área total de 27 mil metros quadrados, distribuídos em três adares, o Hospital do M Boi Mirim dispõe de 240 leitos e tem capacidade para 25 mil atedimetos mesais. Quado estiver a pleo vapor, a partir de julho, o hospital empregará 1,4 mil fucioários (30% deles moradores da região), etre médicos, efermeiras, profissioais de saúde e de apoio, que receberam treiameto itesivo do Eistei. O hospital, que é dotado de vários equipametos de última geração produzidos pela Philips, como máquias de raios-x, tomógrafos e 26 desfibriladores, cota com o primeiro helipoto da rede pública de saúde. A uidade terá três UTIs e oferecerá seis especialidades de atedimeto: clíica médica, cirurgia geral, urgêcia e emergêcia, ortopedia, pediatria, giecologia e obstetrícia. Seu custo de fucioameto chegará à casa dos R$ 60 milhões auais, com recursos forecidos pela prefeitura de São Paulo. As diversas áreas do Eistei atuarão como cosultorias da equipe cotratada para comadar o Hospital muicipal, apoiado-a a tomada de decisões e o suporte ecessário para o seu bom desempeho. Todo o trabalho será supervisioado por um Comitê Técico Gestor composto de cico itegrates dois represetates do Eistei, dois do Cejam e um da comuidade local. Trata-se da seguda uidade hospitalar do muicípio a ser admiistrada de acordo com esse modelo. A primeira, em Cidade Tiradetes, a zoa leste da cidade, é gerida pelo Hospital Sata Marcelia. A participação do Eistei comprova a qualidade dos parceiros da prefeitura o atedimeto à população, afirmou o secretário de Saúde, Jauário Motoe. Hospital em M Boi Mirim: atedimeto de até 25 mil pacietes por mês a periferia de São Paulo

20 atitude Maio/Juho2008 Em Ação 20 Vida ova em Purmamarca Cocurso promovido pela Philips Argetia vai ilumiar cidade histórica A Philips Argetia auciou o projeto vecedor do cocurso Philips Vida 2007, realizado em parceria com a Ashoka Empreededores Sociais, uma orgaização iteracioal sem fis lucrativos. O tema dessa edição foi a busca de propostas alterativas e ações para o uso racioal de eergia elétrica, por meio da substituição dos sistemas tradicioais de ilumiação por outros de baixo cosumo. Foi a quarta vez que a premiação foi realizada. A utilização de sistemas de baixo cosumo da Philips cotribui para dimiuir os efeitos ambietais e ecoômicos egativos, a partir da ecoomia eergética, afirma Maria Alejadra Grigai, gerete de Comuicação Corporativa e de Sustetabilidade da filial argetia. Segudo ela, foram avaliados 17 projetos proveietes de todo o país. O vecedor da edição 2007 do Philips Vida foi o projeto Luz ova para miha cidade, desevolvido pela comuidade de Purmamarca, povoado de mil habitates da provícia de Jujuy, o oroeste da Argetia. A proposta, apresetada pela Associação Purmamarca e pela Biblioteca Popular Vitilpolco, cotou com o apoio da muicipalidade e da Secretaria de Cultura e Turismo de Purmamarca, bem como das associações de hotéis e de moradores locais. O projeto vecedor prevê a utilização da tecologia de ilumiação Philips a biblioteca local e em edifícios e potos históricos, como o Cabildo (Câmara de Vereadores), a Igreja de Sata Rosa de Lima e o Algarrobo, uma espécie de figueira ceteária que teria servido de abrigo para as tropas do geeral Mauel Belgrao, herói da Guerra da Idepedêcia da Argetia. Figueira em Purmamarca: sombra para o geeral Belgrao A ilumiação eficiete em moumetos e ícoes históricos das cidades e povoados argetios seguirá sedo o mote pricipal a edição de 2008 do Philips Vida que, a exemplo da aterior, premiará com US$ 15 mil o projeto vecedor. Cada projeto deverá ser apresetado por pelo meos duas associações da comuidade local. Vida Saudável: prática de esportes icetivada Estilo saudável o Chile APhilips Chile promove o programa Vida Saudável, uma série de ações que buscam icetivar seus fucioários a adotar um estilo de vida voltado ao bemestar. O programa, que atigirá todos fucioários da subsidiária chilea, cotará com sessões de massages, a criação do louge da alimetação, o qual especialistas farão uma aálise da composição corporal (relação etre as massas muscular e de gordura) dos fucioários e lhes idicarão a melhor dieta utricioal, além da realização de campeoatos e toreios, visado estimular a prática de esportes etre eles.

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade Código de Coduta Empresarial Fazedo a difereça com Itegridade Uma Mesagem do Presidete da Hospira Prezados Colegas da Hospira, Gostaria de lhes apresetar o Código de Coduta Empresarial da Hospira. Na Hospira,

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais Aais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Biodigestores em Propriedades Rurais Eliaa Walker Depto de Física, Estatística e Matemática, DEFEM,

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

do futuro A força de trabalho

do futuro A força de trabalho A força de trabalho do futuro Cotado com sua equipe para etregar a estratégia O plaejameto estratégico da força de trabalho ajuda as empresas a compreeder o taleto ecessário para etregar sua estratégia

Leia mais

Greg Horine Rio de Janeiro 2009

Greg Horine Rio de Janeiro 2009 Greg Horie Rio de Jaeiro 2009 Sumário Resumido Itrodução...1 Parte I Dado partida ao gereciameto de projeto...5 1 Paorama de Gereciameto de Projeto...7 2 O Gerete de Projeto...19 3 Elemetos esseciais para

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Confidencial. informativo exclusivo para os cooperados da unimed-rio MArço de 2009

Confidencial. informativo exclusivo para os cooperados da unimed-rio MArço de 2009 Mesmo em ao difícil, cooperativa tem resultados positivos págia 3 Portabilidade dos plaos de saúde é aprovada pela ANS e passa a valer a partir de abril págia 4 37 Cofidecial iformativo exclusivo para

Leia mais

Profissionalização: engajamento de todos para o crescimento de todos. PÁG. 04. Tubos para ampliação de mina da CSN

Profissionalização: engajamento de todos para o crescimento de todos. PÁG. 04. Tubos para ampliação de mina da CSN EmCea PUBLICAÇÃO INTERNA PARA COLABORADORES E PARCEIROS DA MERCOTUBOS 03 Novembro Dezembro / 2007 ao 01 Profissioalização: egajameto de todos para o crescimeto de todos. PÁG. 04 Págia 2 Editorial ovidade

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E AS DROGAS. Dra. Neuza Jordão MÉDICA COORDENADORIA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO AS DROGAS COMUDA FUNDADORA DO INSTITUTO IDEAIS

ADOLESCÊNCIA E AS DROGAS. Dra. Neuza Jordão MÉDICA COORDENADORIA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO AS DROGAS COMUDA FUNDADORA DO INSTITUTO IDEAIS ADOLESCÊNCIA E AS DROGAS Dra. Neuza Jordão MÉDICA COORDENADORIA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO AS DROGAS COMUDA FUNDADORA DO INSTITUTO IDEAIS Coceitos Segudo a OMS, a adolescêcia é um período da vida, que começa

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Direito Humano. à Educação. Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa

Direito Humano. à Educação. Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Direito Humao à Educação Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Orgaização: Plataforma Dhesca Brasil e Ação Educativa Coordeação Editorial: Deise Carreira, Laura Bregeski Schühli e Salomão Ximees Autores:

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milena de Souza

A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milena de Souza A MÍDIA E SUA INFLUÊNCIA NAS BRINCADEIRAS DAS CRIANÇAS. Erika Milea de Souza INTRODUÇÃO Um dos problemas causados pelo aumeto do processo de urbaização é a falta de seguraça, o qual limitou os espaços

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa

A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shine - Colégio Etapa A TORRE DE HANÓI Carlos Yuzo Shie - Colégio Etapa Artigo baseado em aula miistrada a IV Semaa Olímpica, Salvador - BA Nível Iiciate. A Torre de Haói é um dos quebra-cabeças matemáticos mais populares.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo por ZÉLIA PINHEIRO Do poto de vista técico, o balaço é positivo A rede urbaa de frio e calor do Parque das Nações já tem oze aos e João Castaheira, director-geral da Climaespaço, faz o balaço. Garate que

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

A ESEC para o Novo Aluno...

A ESEC para o Novo Aluno... Praça Heróis do Ultramar Solum, 3030-329 Coimbra, Portugal Tel: (+ 35) 239 79 3 45/ 22 Fax: (+ 35) 239 40 46 www.esec.pt A ESEC para o Novo Aluo... CONTEÚDO A ESEC Serviços Directores de Curso Iformações

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES Bem-vido ao Almeat, um espaço ode tudo foi projetado especialmete para realizar desde pequeas reuiões e evetos até grades coveções, com coforto, praticidade e eficiêcia,

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 braca 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 Curitiba, outubro 214 Bachma & Associados e 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 2012. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO.

SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 2012. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO 3 o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MAIO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 0 Muitas vezes

Leia mais

Pós Graduação em Educação Matemática UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA. Parte 2: Matemática Comercial e Financeira. Prof. Ilydio Pereira de Sá

Pós Graduação em Educação Matemática UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA. Parte 2: Matemática Comercial e Financeira. Prof. Ilydio Pereira de Sá Pós Graduação em Educação Matemática UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Parte 2: Matemática Comercial e Fiaceira Prof. Ilydio Pereira de Sá Matemática Comercial e Fiaceira para Educadores Matemáticos Prof. Ilydio

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

Lista de Exercícios #4. in Noções de Probabilidade e Estatística (Marcos N. Magalhães et al, 4ª. edição), Capítulo 4, seção 4.4, páginas 117-123.

Lista de Exercícios #4. in Noções de Probabilidade e Estatística (Marcos N. Magalhães et al, 4ª. edição), Capítulo 4, seção 4.4, páginas 117-123. Uiversidade de São Paulo IME (Istituto de Matemática e Estatística MAE Profº. Wager Borges São Paulo, 9 de Maio de 00 Ferado Herique Ferraz Pereira da Rosa Bach. Estatística Lista de Exercícios #4 i Noções

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

MPC R E L A T Ó R I O E X E C U T I V O

MPC R E L A T Ó R I O E X E C U T I V O MPC 2014 R E L A T Ó R I O E X E C U T I V O Caro empreededor Ao logo dos últimos aos, quado da redação desta itrodução do Relatório Executivo do Movimeto Paraá Competitivo (MPC), temos dado êfase ao

Leia mais

Mauá Prev Regime de tributação do Pao de Aposetadoria Mauá Prev será escohido peos próprios participates A Lei º 11.053, de 29/12/2004, dá aos participates de paos de previdêcia compemetar do tipo cotribuição

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Kit de ferramentas de Advocacy

Kit de ferramentas de Advocacy ROOTS 1+2 ROOTS Kit de ferrametas de Advocacy SEGUNDA EDIÇÃO ROOTS: Recursos para Orgaizações com Oportuidades de Trasformação e Socialização ROOTS 1 E 2 Kit de ferrametas de Advocacy Seguda edição De

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

DPS 1016 Engenharia Econômica

DPS 1016 Engenharia Econômica DPS Egeharia Ecoômica Material de Aula Departameto de Egeharia de Produção e Sistemas Cetro de Tecologia - Uiversidade Federal de Sata Maria - RS Egeharia Ecoômica Prof. Dr. Eg. Dipl. Wirt. Ig. Adreas

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS

DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS Pré-Sal E MARCO REGULATÓRIO DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS sumário CAPÍTULO 1 aspectos GEOPOLÍTICos e ecoômicos do Pré-Sal... 2 CAPÍTULO 2 NOVOS DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O BRASIL E A PETROBRAS....

Leia mais

Construindo o. plano de

Construindo o. plano de Costruido o plao de egócios para a remueração do CEO O bechmarkig (aálise comparativa) etre mercados selecioados é um critério importate a remueração de um executivo, embora seja apeas uma parte do processo

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais