A PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA"

Transcrição

1 CAPÍTULO 4

2 8 CAPÍTULO 4 A PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Processos de controlo de volue SUMÁRIO No capítulo 3 dscutos as nteracções da energa entre u sstea e os seus arredores e o prncípo da conservação da energa para ssteas fechados (se fluxo de energa) Neste capítulo, vaos estender a análse a ssteas que envolve fluxo de assa através das fronteras, e, "volue de controlo" A equação da conservação de energa para u sstea de volue de controlo será abordado No entanto, tratareos a análse da energa nos ssteas de volue de controlo e dos estágos Prero, consderaos os processos de fluxo e rege estaconáro "steady flow", que é o odelo utlzado para a aor parte dos equpaentos e engenhara, tas coo: turbnas, copressores e perutadores de calor Segudaente, dscutreos, de u odo genérco, processos e rege não estaconáro, dando partcular ênfase a processos de "fluxo unfore", que é o odelo utlzado para os processos de carga e descarga

3 83 41 Análse terodnâca de processos de "olue de controlo" U grande núero de probleas de engenhara envolve fluxos de assa (entradas e saídas do sstea), no entanto pode ser odeladas coo processos de volue de controlo(fg 41) Fgura 41 - Os fluxos de assa pode entrar e sar de u volue de controlo O aquecento da água, o radador de u carro, ua turbna e u copressor envolve fluxos de assa e deve ser analsados coo processos de volue de controlo (ssteas abertos) e vez de processos de controlo de assa (ssteas fechados) Não há regras concretas no estabelecento para a selecção do volue de controlo, as a escolha as adequada splfca a análse dos ssteas As fronteras do volue de controlo são desgnadas por "superfíce de controlo" e pode ser reas ou agnáras No caso de ua "tubera", a superfíce nterna da tubera é a superfíce real da frontera, e as áreas de entrada e de saída fora a superfíce agnára, ua vez que não há superfíces físcas (Fg 4) Fgura 4 - Fronteras reas e agnáras de u volue de controlo U volue de controlo pode ser fxado pelo seu taanho ou fora, coo no

4 84 caso da tubera, ou pode envolver ua frontera óvel, coo se ostra na Fg 43 Fgura 43 - Alguns volues de controlo envolve fronteras óves A aor parte dos volues de controlo, te contudo fronteras fxas, e portanto não envolverá nenhu trabalho do ovento da frontera O volue de controlo pode envolver nteracções de calor e trabalho tal coo no sstea fechado, adconada à nteracção de assa Ua grande varedade de probleas e terodnâca pode ser resolvdas pela análse dos ssteas de volue de controlo Os teros "estaconáro" e "unfore" são usados extensvaente neste capítulo e é portante ter u entendento claro sobre estas desgnações O tero "estaconáro" plca não vara co o tepo; o oposto a estaconáro, é não estaconáro O tero unfore plca não haver varações co o local nua regão específca Prncpo da conservação de assa A conservação de assa é u dos prncípos fundaentas na natureza Nós estaos todos falarzados co este prncípo, as é dfícl de o copreender Meso as equações quícas são acertadas na base do prncípo da conservação de assa (Fg 44)

5 85 Fgura 44 - A assa é conservada durante as reacções quícas Quando 16 kg de O reage co kg de hdrogéno (H ), 18kg de H O são forados No processo de electrólse a água será separada e kg de H e 16kg de O A assa, coo a energa, é ua propredade que se conserva Contudo, assa e energa E pode ser convertdas de acordo co a fórula de Ensten: E c = (Eq 41) onde c é a velocdade da luz Esta equação sugere que a assa de u sstea varará quando a energa varar Contudo, para todas as nteracções de energas que ocorre na prátca, co excepção das reacções nucleares, a varação de assa é extreaente pequena e não pode ser detectada eso co equpaentos extreaente sensíves Por ex: quando 1kg de H O é forada a partr do O e H, a quantdade de energa lbertada é 15,879 kj, que corresponde a ua assa de 1,76x10-10 kg, é ua varação tão pequena, que no caso dos cálculos de engenhara pode ser desprezados Para ssteas fechados, o prncípo da conservação de assa, plca que a assa do sstea se anté constante durante u processo Para processos de volue de controlo, contudo, a assa pode atravessar a frontera, portanto teos que ter e conta a quantdade de assa que entra e sa do sstea (volue de controlo) (Fg 45) Fgura 45 - Prncípo da conservação da assa para u volue de controlo O prncípo da conservação de assa para os ssteas de volue de controlo

6 86 (C) pode ser expresso por: (assa total que entra no C) - (assa total que sa do C) = (varação líquda na assa do C) e = (eq 4) C onde os índces, e, C sgnfca entrada, saída, e volue de controlo Esta expressão pode ser escrta por undade de tepo, sendo desgnada tabé por "equação da contnudade" na ecânca de fludos Taxas de volue e de assa A quantdade de assa que flu através de ua deternada secção por undade de tepo é desgnada taxa de fluxo de assa e é desgnada por A taxa de fluxo de assa é proporconal à secção transversal A da tubage ou conduta atravessado por u fludo A taxa de fluxo de assa d = ρ n da (eq43) através da área A pode ser expressa por onde n é a coponente noral da velocdade à área da O fluxo de assa através de toda secção é dado por: = ρ da n A (kg/s) (eq44) Na aor parte dos casos, o fluxo de u fluído através de u tubage pode ser consderado, aproxadaente, u fluxo co ua drecção As propredades só vára nua drecção (a drecção do fluxo) Coo resultado, todas as propredades são unfores e qualquer secção noral à drecção do fluxo; no entanto as propredades pode varar co o tepo As propredades assa, densdade, teperatura e pressão não vara consderando apenas ua drecção (propredades unfores) Mas este não é caso da velocdade, que vara desde 0 até ao seu áxo, no centro, por causa do efeto da vscosdade (frcção entre as caadas do fluído) Então, a ntegração da equação 44 (toando valores édos) (Fg 46) para ua só drecção, orgna:

7 87 Fgura 46 - Perfs de velocdade actual e éda par u fluxo nu tubage onde: = ρ av A (kg/s) (eq 45) ρ(=1/v) - densdade (kg/ 3 ) av - velocdade éda (average) do fluído co a velocdade noral a A (/s) A - secção transversal noral à drecção do fluxo ( ) O volue do fluído que atravessa a secção transversal por undade de tepo é desgnado por taxa de fluxo de volue (Fg 45) Fgura 47 - A taxa de fluxo de volue é o volue de fludo que atravessa a secção transversal por undade de tepo = da = A ( 3 /s) (eq 46) A n av Os fluxos de assa e volue estão relaconados da segunte anera: = ρ = (eq47) v O prncípo da conservação da energa

8 88 Já dscutos o prncípo da conservação da energa, ou a 1ª le da terodnâca, e relação a ssteas fechados Coo se referu no Capítulo 3, a energa de u sstea fechado pode ser odfcado por nteracções de calor ou de trabalho, e a varação da energa de u sstea fechado durante o processo é gual à transferênca de calor líqudo e de trabalho líqudo que atravessa a frontera do sstea Esta expressão pode ser escrta: Q - W = E Para ssteas de volue de controlo, u ecanso adconal pode fazer varar a energa do sstea: fluxo de assa de entrada e saída do sstea de volue de controlo (Fg 48) Fgura 48 - O conteúdo de energa de u volue de controlo pode ser udado por u fluxo de assa, be coo através de nteracções de calor e trabalho Quando a assa entra no sstea de volue de controlo, a energa do sstea de volue de controlo auenta porque a entrada da assa leva energa lgada a este fluxo de assa Do eso odo, quando a assa dexa o sstea do volue de controlo, a energa contda no sstea dnu, porque o eleento de assa quando dexa o sstea leva energa consgo Ex: quando, algua "água quente" sa de u "Aquecedor de água" e é substtuído pela esa quantdade de água fra, a energa contda no recpente de "água quente" (Teroacuulador) (volue de controlo) dnu coo resultado da nteracção de assa Então, a equação da conservação de energa para u processo de volue de controlo pode ser expressa coo:

9 89 (Energa total que atravessa a frontera coo calor ou trabalho) + (Energa total da assa que entra no sstea de volue de controloc) - (Energa total da assa que dexa o volue de controlo C) ou En Eout = Q W + E (eq 48) C = (aração líquda da energa do sstea de volue de controlo C) Obvaente se não houver entrada ou saída de assa do sstea de volue de controlo, a equação será reduzda à deduzda para ssteas fechados A equação 48 pode ser expressa na fora de taxas, exprndo as quantdades por undade de tepo Calor transferdo para u sstea de volue de controlo na fora de calor não pode ser confunddo co a energa transportada co a assa que entra e sa do sstea de volue de controlo (Fg 48) Convé relebrar que o calor é a fora de energa transferda coo resultado de ua dferença de teperatura entre o sstea de volue de controlo e os arredores U sstea de volue de controlo, tal coo u sstea fechado, pode envolver ua ou as foras de trabalho ao eso tepo (Fg 49) Fgura 49 - U volue de controlo pode envolver ua ou as foras de trabalho Se a frontera do sstea de volue de controlo for estaconára, coo é utas vezes o caso, o trabalho ecânco realzado pela frontera é zero Então o tero do trabalho envolve, soente, o trabalho ecânco das pás (shaft) e trabalho

10 90 eléctrco para ssteas sples de copressão Tal coo anterorente, se o sstea de volue de controlo for solado, o calor transferdo é zero A energa necessára para puxar u fluído para dentro ou para fora de u sstea de volue de controlo é desgnado "fluxo de trabalho" ou "fluxo de energa" Fluxo de trabalho Contraraente aos ssteas fechados, ssteas de volue de controlo envolve fluxo de assa através da frontera, e é necessáro trabalho para puxar a assa para dentro e fora do sstea do volue de controlo Este trabalho é desgnado por "fluxo de trabalho" ou "fluxo de energa", e é necessáro para anter u fluxo contínuo através de u volue de controlo Para obter ua relação entre o "fluxo de trabalho", consdereos u eleento de fluído de volue coo se ostra na Fg 410 Fgura Representação esqueátca de u fluxo de trabalho O fluxo de fluído força o eleento de fluído a entrar no sstea de volue de controlo; então pode ser encarado coo u "pstão agnáro" O eleento de fluído pode ser consderado sufcenteente pequeno que antenha as suas propredades unfores Se a pressão do fluído for P e a secção transversal do eleento do fluído for da (Fg 411), Fgura Na ausênca de aceleração, a força aplcada a u fludo por u pstão é gual à força aplcada ao pstão pelo fludo

11 91 a força aplcada no eleento do fluído pelo "pstão agnáro" é: F = PA (eq 49) Para consegur que o eleento de fluído entre na totaldade no sstea de volue de controlo, esta força deve actuar durante ua dstânca L Então, o trabalho realzado para puxar o eleento do fluído através da frontera (sto é, o fluxo de trabalho) é: W fluxo = FL = PAL = P (kj) (eq 410) O "fluxo de trabalho" por undade de assa será: w fluxo = Pv (kj/kg) (eq 411) A relação de "fluxo de trabalho" é a esa, quer o eleento do fludo entre ou saa do sstea de volue de controlo (Fg 41) Fgura 41 - Fluxo de trabalho é a energa necessára para fazer entrar ou sar u fludo nu volue de controlo e é gual a Pv O "fluxo de trabalho" é expresso e teros das propredades; de facto, é o produto de duas propredades de fluído Por esta razão alguas pessoas vêe coo ua "propredade cobnada" (coo a entalpa) e refere-se coo "fluxo de energa" (energa de transporte, e vez de fluído de trabalho) Outros autores arguenta que o produto Pv representa energa para os fluídos e não representa qualquer fora de energa para os processos "se fluxo" (ssteas fechados) No entanto deve ser tratado co "fluxo de trabalho"

12 9 Energa total de "fluxo de fluído" Coo dscutos no Capítulo 1, a energa total de u sstea sples copressível, consste de três partes: energa nterna, cnétca e energa potencal (Fgura 413) Fgura A energa total de u sstea sples copressível consste e três partes e = u + ke + pe = µ + + gz (kj/kg) (eq 41) onde é a velocdade e z é a elevação do sstea relatvaente ao ponto de referênca (nível de referênca) O fluído entrando ou sando de u sstea de volue de controlo possu ua fora de energa adconal, a "energa de fluxo" (Pv) Então, a energa total do fluxo de fluído na base da undade de assa (desgnado por θ) te a segunte expressão: θ = ( u + ke pe) Pv + e = Pv + + Mas a cobnação de u co Pv é defndo coo a entalpa h Então a relação aca descrta pode ter a segunte fora: θ = h + ke + pe = h + + gz (kj/kg) (eq413) O professor J Kestn propôs, e 1966, que o tero θ fosse desgnado por etaentalpa (que sgnfca para alé da entalpa) Utlzando a entalpa, e vez da energa nterna, para representar a energa de fluxo de fluído, não teos que estar concentrados no "fluxo de trabalho" A energa assocada a entradas e saídas do fluxo de fluído no sstea de volue de controlo é edataente relaconado co a entalpa

13 93 A partr de agora, a energa do fluxo entrando e sando do sstea C é representado pela eq 413, e não é referencado o "fluxo de trabalho" ("trabalho do fluxo") (Fluxo de energa) Então o tero trabalho W nas equações de energa dos ssteas de volue de controlo, representa todas as foras de trabalho (trabalho da frontera, ecânco, eléctrco, etc), excepto o "Fluxo de trabalho" (Trabalho do fluxo) 4 Processos de fluxo estaconáro U grande núero de equpaentos e engenhara, tas coo turbnas, copressores e tuberas opera durante longos períodos de tepo nas esas condções, e são classfcados coo "equpaentos de fluxo estaconáro" Processos envolvendo rege de fluxo estaconáro pode ser razoavelente representados por processos deas, desgnados por processos de fluxo estaconáro U processo de fluxo estaconáro pode ser defndo coo u processo durante o qual o fludo flu através do sstea de volue de controlo de u odo estaconáro Isto quer dzer que as propredades do fludo pode varar de ponto para ponto dentro do volue de controlo, as para qualquer ponto fxo peranece constantes durante o processo total (Fg 414) (Recordar que estaconáro sgnfca não vara co o tepo)

14 94 Fgura Durante u processo de fluxo estaconáro as propredades do fludo no volue de controlo pode varar de ponto para ponto, as peranece constantes ao longo do tepo U processo de fluxo estaconáro é caracterzado pelo segunte: 1 Nenhua propredade (ntensva ou extensva) dentro do sstea de volue de controlo vara co o tepo Então o volue, a assa, e a energa total E do volue de controlo antê-se constantes durante u processo de fluxo estaconáro (Fg 415) Fgura E condções de fluxo estaconáro, o conteúdo de assa e de energa do volue de controlo peranece constantes Coo resultado, o trabalho da frontera é zero para ssteas de fluxo estaconáro (ua vez que C = constante), e a assa total, ou energa, que entra no volue de controlo, deve ser gual à assa total, ou energa, que sa do sstea (ua vez que C = constante e E C = constante) Estas observações faclta extraordnaraente a análse dos ssteas Nenhua propredade vara na frontera dos ssteas de volue de controlo Então, as propredades dos fludos à entrada e saída peranece constantes durante todo o processo As propredades pode contudo ser dferentes e dferentes aberturas (entradas e saídas) Elas pode eso varar através da secção transversal de ua entrada ou saída Mas todas as propredades, nclundo a velocdade e altura, peranece constantes co o tepo para ua deternada posção prevaente fxada Coo consequênca, o fluxo de assa do fludo nua abertura deve-se anter-se constante durante u processo de fluxo estaconáro (Fg 416)

15 95 Fgura E condções de fluxo estaconáro, as propredades do fludo à entrada e saída peranece constantes Ua splfcação adconal, é que as propredades do fludo nua abertura são consderadas noralente unfores (consderando o valor édo), através da secção transversal Então as propredades do fludo à entrada e saída pode ser consderadas por valores úncos que são dados pelos valores édos 3 As nteracções de calor e trabalho entre u sstea de fluxo estaconáro e os seus arredores não vara co o tepo Então a potênca produzda pelo sstea e a taxa de calor ou trabalho transferdo para o sstea a partr do sstea peranece constante nu processo de fluxo estaconáro Alguns equpaentos cíclcos, tas coo otores recíprocos ou copressores, não satsfaze as condções anterorente referdas, ua vez que o fluxo à entrada e saída não é estaconáro, as s por pulsos Contudo, as propredades vara co o tepo de u odo peródco, e os fluxos através desses equpaentos pode ser analsados coo processos de fluxo estaconáro, usando valores de tepo édos para as propredades e para a taxa de calor através da frontera Condções de fluxo estaconáro pode ser consderadas boas aproxações para equpaentos tas coo turbnas, bobas, calderas, condensadores, e perutadores de calor ou estações de vapor Conservação de assa Durante u processo de fluxo estaconáro, a assa total contda nu processo de volue de controlo não vara co o tepo ( C = constante) Então, o

16 96 prncípo da conservação de assa requer que a quantdade total de assa que entra nu sstea de volue de controlo seja gual à quantdade total de assa que dexa o sstea (Fg 417) Fgura Durante u processo de fluxo estaconáro, a quantdade de assa que entra no volue de controlo é gual à quantdade que sa Quando ldaos co processos de fluxo estaconáro, não estaos nteressados na quantdade de assa que entra e sa do sstea durante o ntervalo de tepo; e vez dsso, estaos nteressados na quantdade de assa flundo na undade de tepo sto é, no fluxo de assa O prncpo de conservação de assa para u sstea de fluxo estaconáro co últplas entradas e saídas (Fg 418), pode ser expresso na fora de taxa, da segunte anera: (assa total que entra no sstea de volue de controlo C por undade de tepo) = (assa total que sa do sstea de volue de controlo C por undade de tepo = (kg/s) (eq 414) e onde o índce ndca a entrada e o índce e ndca a saída

17 97 Fgura Prncípo da conservação de assa para u sstea estaconáro de duas entradas e ua saída A aor parte dos equpaentos coo tuberas, dfusores, turbnas, copressores e bobas envolve u fluxo únco (só ua entrada e ua saída) Neste caso desgnaos a entrada por 1 e saída por A equação 414 reduz-se para o caso de u só únco fluxo, para ssteas de fluxo estaconáro coo: 1 = (kg/s) (eq 415) ρ = (eq 416) 11 A1 ρ A onde: 1 v A1 = A (eq 417) v ρ - densdade (kg/ 3 ) v (=1/ρ) - volue específco ( 3 /kg) - velocdade éda do fluxo na drecção do fluxo (/s) A - secção transversal noral à drecção do fluxo ( ) Convé lebrar que não há prncípo de conservação do volue Portanto, a taxa de fluxo de volue ( = A, 3 /s) à entrada e saída do fluxo estaconáro nu deternado equpaento pode ser dferente A taxa de fluxo de volue a saída nu copressor de ar pode ser uto enor que à entrada, eso que a taxa de fluxo de assa à entrada e saída peraneça constante (Fg 419)

18 98 Fgura Durante u processo estaconáro as taxas de fluxo de volue não são necessaraente conservadas Isto é devdo à elevada densdade do ar à saída do copressor Para fluxos líqudos, contudo, as taxas de fluxo de volue, be coo as taxas de fluxo de assa, peranece constantes, ua vez que os líqudos são essencalente ncopressíves (densdade = constante) Conservação da energa Durante u processo de fluxo estaconáro, a quantdade de energa contda nu sstea de volue de controlo é constante (E C = const) Por sso, a varação da energa total de u sstea de volue de controlo durante u processo é zero ( E C = const) Então, a quantdade de energa que entra nu sstea de volue de controlo e todas as foras (calor, trabalho, transferênca de assa) deve ser gual à quantdade de energa que dexa o sstea de fluxo estaconáro Consderaos u aquecedor de água e condções de fluxo estaconáro (Fg 40) Fgura 40 - Aquecedor de água e condções de fluxo estaconáro U fluxo de H O fra, co u fluxo de assa, está contnuaente a entrar nu aquecedor de água e ua taxa de fluxo de assa está a sar do aquecedor de água O aquecedor de água (volue de controlo) está a perder calor para os

19 99 arredores a ua taxa de Q, e o eleento de aquecento está realzando trabalho eléctrco (aquecento) na água à taxa de W Na base do prncípo da conservação de energa, podeos dzer que o fluxo de água experentou u auento da sua energa nterna total quando flu através do aquecedor da água, que é gual à energa eléctrca fornecda à água enos as perdas de calor A 1ª le da terodnâca, ou o prncípo da conservação da energa para u sstea e processo de fluxo estaconáro co últplas entradas e saídas, pode ser expresso por: (Energa total que atravessa a frontera coo calor ou trabalho por undade de tepo) = (Energa total transportada pela assa transferda para fora do sstea de C undade de tepo) - (Energa total transportada pela assa transferda para o sstea C por undade de tepo ou Q W = e θ θ (eq 418) e onde θ é a energa total do fluxo de fluído, nclundo o fluxo de trabalho por undade de tepo por undade de assa (Fg 41) Fgura 41 - O produto θ é a energa transportada pela assa para o volue de controlo por undade de tepo Pode ser expresso coo: Q W = e e h e gze h gz (kw) (eq 419)

20 100 ua vez que θ = h + ke + pe = h + + gz (eq 413) A equação 419 é a fora genérca da 1ª le da terodnâca para processos de fluxo estaconáro Para u fluxo únco (ua entrada e ua saída) pode ser expresso coo estado 1 e A taxa de fluxo de assa através do sstea de controlo de volue peranece constante ( 1 = ) e é desgnado por Então a equação de conservação da energa para u sstea co u únco fluxo estaconáro será: Q W = h + 1 h1 + g 1 ou de assa: Q W = ( h + ke + pe Dvdndo estas equações por ) ( z z ) (kw ) (eq 40) (kw) (eq 41) 1 q w = h h1 + + g( z z1 ), obté-se a 1ª relação na base da undade (kj/kg) (eq 4) ou q w = ( h + ke + pe) (kj/kg) (eq 43) onde: Q q = calor transferdo por undade de assa (kj/kg) (eq 44) W w = trabalho realzado por undade de assa (kj/kg) (eq 45) Se o fludo experentar ua varação uto pequena na sua energa cnétca e potencal, ua vez que o fluxo atravessa o sstea de volue de controlo (sto é, ke 0 e pe 0), então a equação de energa pode ser splfcada: q - w = h (kj/kg) (eq 46) Esta é a fora as sples de 1ª le da terodnâca para os ssteas de volue de controlo Esta fora é seelhante à expressão da 1ª le para ssteas fechados excepto que u é substtuído por h Os teros que aparece nesta expressão (eq 46), sgnfca,

21 101 respectvaente: Q - taxa de calor transferdo entre o volue de controlo e os arredores Quando o volue de controlo está a perder calor (coo no caso de u equpaento para aquecento de água), Q é negatvo Se o sstea de volue de controlo for sufcenteente solado (sto é, adabátco), então Q = 0 W - potênca Para equpaentos de fluxo estaconáro, o volue de controlo é constante, então não há trabalho da frontera O trabalho necessáro para fazer entrar assa no sstea e para fazer sar assa do sstea é, tabé, toado e consderação, usando o tero das entalpas para os fluxos de energa e vez de energas nternas Então, W representa as restantes foras de trabalho realzado por undade de tepo (Fg 4) Fgura 4 - E condções de fluxo estaconáro, o trabalho das pás e o trabalho eléctrco são as úncas foras de trabalho que u sstea copressível sples pode envolver A aor parte dos equpaentos funcona e rege de fluxo estaconáro, tas coo turbnas, copressores, bobas, transtndo potênca através de u sstea de pá ecânca (shaft), sendo W o trabalho das pás para estes equpaentos Se a secção da superfíce de controlo for atravessada por fos eléctrcos (coo no caso do aquecento da H O), W representará o trabalho eléctrco realzado por undade de tepo Se não tver nenhu trabalho presente, então W =0 e h = hsaída - h entrada

22 10 A varação da entalpa do fludo pode splesente ser deternada pela letura, nas tabelas, dos valores da saída e de entrada no sstea Para gases deas, pode aproxadaente toar-se: h = C p, av ( ) T T 1 Nota: (kg/s)(kj/kg)=kw ke = J/kg (Fg 43) ( ) 1 A undade de energa cnétca é /s, que é equvalente a Fgura 43 - As undades /s e J/kg são equvalentes A entalpa te as undades de kj/kg Para adconar estas duas quantdades, a energa cnétca deve ser expressa e kj/kg Isto é faclente convertdo se dvdros por 1000 À velocdade de 45 /s corresponde ua energa cnétca de, soente, 1KJ/kg que é uto pequena coparada co os valores da entalpa encontrados na prátca Então, o tero energa cnétca para velocdades baxas pode ser desprezado Quando u fluxo entra e sa do sstea co a esa velocdade ( 1 ) a varação da energa cnétca é próxa de zero, ndependenteente do valor da velocdade Contudo, a altas velocdades deve-se ter cudado, ua vez que varações pequenas na velocdade causa pequenas varações na energa cnétca (Fg 44)

23 103 Fgura 44 - A velocdades elevadas, pequenas varações na velocdade pode causar varações sgnfcatvas na energa cnétca do fludo pe = g (z -z 1 ) U arguento seelhante pode ser dado para o tero da energa potencal Ua energa potencal de 1 KJ/kg corresponde a ua elevação de 10 A dferença de altura entre a entrada e a saída, na aor parte dos equpaentos ndustras, tas coo turbnas e copressores, é bastante abaxo deste valor, e o tero energa potencal pode ser desprezado nestes equpaentos O tero energa potencal te algu sgnfcado quando se envolve ua boba que eleva u fluído a ua altura elevada Isto é partcularente verdadero para ssteas envolvendo transferêncas de calor desprezíves 43 Alguns equpaentos e engenhara que opera e fluxo estaconáro Mutos equpaentos e engenhara opera essencalente nas esas condções durante longos períodos de tepo As coponentes de ua central de vapor (turbnas, copressores, perutadores de calor, e bobas) opera se parar durante eses, antes dos ssteas sere fechados para anutenção (Fg 45 Então, este equpaento pode ser convenenteente analsado coo ssteas de fluxo estaconáro

24 104 Tubera Turbna Câara de stura Dfusor Copressor álvula de estrangulaento Perutador de calor Fgura 45 - Equpaentos que opera e fluxo estaconáro Neste capítulo, alguns desses equpaentos são descrtos, e os aspectos terodnâcos do fluxo através dos equpaentos são analsados Os prncípos de conservação de assa e energa para este equpaento são lustrados co exeplos 1 Tuberas e Dfusores Tuberas e dfusores são noralente utlzados e otores a jacto, rocketes, naves espacas, e eso nos jardns Ua tubera (nozzle, e nglês) é u equpaento que auenta a velocdade do fludo através da dnução da pressão U dfusor (dffuser, e nglês) é u equpaento que auenta a pressão do fludo através da dnução da velocdade do fludo Isto é, tuberas e dfusores te funções opostas A área da secção transversal de ua tubera dnu no sentdo da drecção do fluxo para fluxos subsóncos (velocdade abaxo da velocdade do so) e auenta para fluxos supersóncos (velocdade aca da velocdade do so) O oposto é verdadero para dfusores A Fg 46 lustra, esqueatcaente, ua tubera e dfusor

25 105 Fgura 46 - Esquea de ua tubera e de u dfusor A portânca relatva dos teros que fgura na equação da energa para tuberas e dfusores é a segunte: Q =0 - A taxa de fluxo de calor que é transferdo entre o fluxo de fludo, atravessando ua tubera ou u dfusor, e os arredores é uto pequeno, eso que estes equpaentos não seja solados Isto é devdo aos fludos tere velocdades elevadas e não gastare tepo sufcente no equpaento para haver transferênca de calor sgnfcatva Portanto, na ausênca de transferênca de calor, o fluxo que atravessa ua tubera ou u dfusor pode ser consderado adabátco W =0 - O tero referente a trabalho para as tuberas e os dfusores é zero, ua vez que não envolve trabalho ecânco ou eléctrco ke 0 - Tuberas e dfusores envolve altas velocdades e, coo referdo, coo o fluído passa através de ua tubera ou dfusor, sofre grandes varações de velocdade (Fg 47) Então, a varação da energa cnétca deve ser consderada quando da análse do fluxo que atravessa estes equpaentos

26 106 Fgura 47 - As tuberas e dfusores são desenhados de odo a causare grandes varações na velocdade do fludo e, consequenteente, na sua energa cnétca pe 0 O fluído não sofre nenhua ou uto pequena varação na energa potencal, e portanto este tero pode ser desprezado Turbnas e copressores As turbnas de vapor e gás são couns e plantas hdroeléctrcas; os equpaentos dos geradores eléctrcos são turbnas Coo o fludo passa através da turbna, o trabalho é realzado contra as pás que estão lgadas a u veo Coo resultado, as pás roda, e a turbna produz trabalho O trabalho realzado na turbna é postvo ua vez que é feto pelo fludo Os copressores, tas coo bobas e ventonhas, são equpaentos usados para auentar a pressão do fludo Trabalho é fornecdo a estes equpaentos de ua fonte externa através de u rotor (exo e rotação) Então, o tero trabalho para o copressor é negatvo ua vez que o trabalho é realzado no fludo Meso ass, estes três equpaentos funcona de odo seelhante, só dfere no que se refere ao funconaento, dependendo da sua aplcação Ua ventonha auenta lgeraente a pressão de u gás e é utlzada para fazer co que o ar crcule U copressor é capaz de coprr o gás até pressões uto elevadas As bobas trabalha de u odo seelhante ao de u copressor; a únca dferença é que utlza líqudos e vez de gases Para as turbnas e copressores, a portânca dos város parâetros que

27 107 aparece na equação da energa são as seguntes: Q 0 - O calor transferdo para estes equpaentos é geralente pequeno, quando coparado co o trabalho realzado pelo otor, só tendo expressão se houver arrefecento (coo é o caso do copressor) A partr de valores experentas, pode-se desprezar estes valores de transferênca de calor, só tendo relevânca quando houver arrefecento W 0 - Todos estes equpaentos envolve trabalho de otores e, portanto, o tero trabalho é portante Para as turbnas W representa a potênca de saída; para as bobas e copressores, representa a potênca de entrada pe 0 - A varação da energa potencal que u fluído sofre ao flur através das turbnas, copressores e bobas é noralente uto pequena, e portanto pode ser desprezada ke 0 - As velocdades envolvdas e todos estes equpaentos, co excepção das turbnas são, noralente, uto pequenas para causar qualquer varação sgnfcatva na energa cnétca Contudo, esta varação é uto pequena relatvaente à varação da entalpa e, este tero, é noralente desprezado 3 álvulas de estrangulaento álvulas de estrangulaento são qualquer espéce de equpaento que provoque estrangulaento no fluxo, do que resulta ua dnução de pressão do fluído Alguns exeplos falares são: válvulas ajustáves, tubagenss caplares e toadas de fluído (Fg 48) Fgura 48 - álvulas de estrangulaento são equpaentos que causa grandes perdas de pressão no fludo Contraraente às turbnas, produze ua dnução de pressão se

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento CAP RATES, YIELDS E AALIAÇÃO DE IMÓEIS pelo étodo do rendento Publcado no Confdencal Iobláro, Março de 2007 AMARO NAES LAIA Drector da Pós-Graduação de Gestão e Avalação Ioblára do ISEG. Docente das caderas

Leia mais

MEDIÇÃO DA ACELERAÇÃO DA GRAVIDADE COM UM PÊNDULO SIMPLES

MEDIÇÃO DA ACELERAÇÃO DA GRAVIDADE COM UM PÊNDULO SIMPLES Medção da Aceleração da Gravdade co u Pêndulo Sples MEDIÇÃO DA ACEERAÇÃO DA GRAVIDADE COM UM PÊNDUO SIMPES O Relatóro deste trabalho consste no preenchento dos espaços neste texto Fundaento Teórco O pêndulo

Leia mais

4 Dinâmica de corpos articulados

4 Dinâmica de corpos articulados 4 Dnâca de corpos artculados Contnuaos a descrção ncada no capítulo anteror dos corpos artculados co as les que rege seus oventos. 4.1 Equações de Newton-Euler se restrções Asulaçãodosoventosdecorposrígdosébaseadanosssteasde

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Disciplina: Medida de Probabilidade

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Disciplina: Medida de Probabilidade Departaento de Inforátca Dscplna: do Desepenho de Ssteas de Coputação Medda de Probabldade Prof. Sérgo Colcher colcher@nf.puc-ro.br Teora da Probabldade Modelo ateátco que perte estudar, de fora abstrata,

Leia mais

ANÁLISE DE ERROS. Todas as medidas das grandezas físicas deverão estar sempre acompanhadas da sua dimensão (unidades)! ERROS

ANÁLISE DE ERROS. Todas as medidas das grandezas físicas deverão estar sempre acompanhadas da sua dimensão (unidades)! ERROS Físca Arqutectura Pasagístca Análse de erros ANÁLISE DE ERROS A ervação de u fenóeno físco não é copleta se não puderos quantfcá-lo Para é sso é necessáro edr ua propredade físca O processo de edda consste

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Sistema de Partículas e Conservação da Quantidade de Movimento Linear

Sistema de Partículas e Conservação da Quantidade de Movimento Linear Sst. Part e Cons. Quant. o. Lnear Sstea de Partículas e Conseração da Quantdade de oento Lnear ota Alguns sldes, fguras e eercícos pertence às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESICK, R., WALKER, J.

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

PROJETO DE MALHAS DE ATERRAMENTO: CONTRIBUIÇÃO AO CÔMPUTO DA ESTRATIFICAÇÃO DO SOLO

PROJETO DE MALHAS DE ATERRAMENTO: CONTRIBUIÇÃO AO CÔMPUTO DA ESTRATIFICAÇÃO DO SOLO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PROJETO DE MALHAS DE ATERRAMENTO: CONTRIBUIÇÃO AO CÔMPUTO DA ESTRATIFICAÇÃO DO SOLO Líva Mara de Reende Ragg Líva Mara de Reende Ragg PROJETO DE MALHAS DE ATERRAMENTO: CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

TERMODINÂMICA QUÍMICA

TERMODINÂMICA QUÍMICA TERMODIÂMICA QUÍMICA Fabano A.. Fernandes Sandro M. zzo Deovaldo Moraes Jr. a Edção 006 SUMÁRIO. ITRODUÇÃO À TERMODIÂMICA.. Introdução.. Defnção e Importânca.3. aráves Termodnâmcas.3.. Temperatura.3..

Leia mais

Sistema para pesquisa de imagens com Retroacção de Relevância *

Sistema para pesquisa de imagens com Retroacção de Relevância * Sstea para pesqusa de agens co Retroacção de Relevânca * Ru M. Jesus, Arnaldo J. Abrantes, Jorge S. Marques MA - Insttuto Superor de Engenhara de Lsboa Rua Conselhero Eído Navarro, nº, 94-4 Lsboa, Portugal

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos Capítulo 10 da físca 3 xercícos propostos Undade Capítulo 10 eceptores elétrcos eceptores elétrcos esoluções dos exercícos propostos 1 P.50 a) U r 100 5 90 V b) Pot d r Pot d 5 Pot d 50 W c) Impedndo-se

Leia mais

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração. CAPÍTULO 5 77 5.1 Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE VENTILAÇÃO E RESFRIAMENTO EVAPORATIVO EM INSTALAÇÕES AVÍCOLAS CLIMATIZADAS

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE VENTILAÇÃO E RESFRIAMENTO EVAPORATIVO EM INSTALAÇÕES AVÍCOLAS CLIMATIZADAS DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE VENTILAÇÃO E RESFRIAMENTO EVAPORATIVO EM INSTALAÇÕES AVÍCOLAS CLIMATIZADAS Danel Gustavo de Paul 1 ; Jadr Noguera da Slva 2 ; Rcardo

Leia mais

MODELOS DE OTIMIZAÇÃO PARA PROBLEMAS DE CARREGAMENTO DE CONTÊINERES COM CONSIDERAÇÕES DE ESTABILIDADE E DE EMPILHAMENTO

MODELOS DE OTIMIZAÇÃO PARA PROBLEMAS DE CARREGAMENTO DE CONTÊINERES COM CONSIDERAÇÕES DE ESTABILIDADE E DE EMPILHAMENTO MODELOS DE OTIMIZAÇÃO PARA PROBLEMAS DE CARREGAMENTO DE CONTÊINERES COM CONSIDERAÇÕES DE ESTABILIDADE E DE EMPILHAMENTO Leonardo Junquera Renaldo Morabto Dense Sato Yaashta Departaento de Engenhara de

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliinar 7 de setebro de 00 Notas de Aula de ísica 05. LEIS DE NEWON... ONDE ESÃO AS ORÇAS?... PRIMEIRA LEI DE NEWON... SEGUNDA LEI DE NEWON... ERCEIRA LEI DE NEWON... 4 APLICAÇÕES DAS LEIS DE

Leia mais

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados 1 opologas Báscas de Conversores CC-CC não-solados 1.1 Prncípos báscos As análses que se seguem consderam que os conversores não apresentam perdas de potênca (rendmento 100%). Os nterruptores (transstores

Leia mais

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM

CORRENTE ELÉTRICA, RESISTÊNCIA, DDP, 1ª E 2ª LEIS DE OHM FÍSICA COENTE ELÉTICA, ESISTÊNCIA, DDP, ª E ª LEIS DE OHM. CAGA ELÉTICA (Q) Observa-se, expermentalmente, na natureza da matéra, a exstênca de uma força com propredades semelhantes à força gravtaconal,

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração Nov/03 Prograa de Pós-Graduação e Eng. Mecânica Disciplina: Siulação de Sisteas Téricos Introdução aos ciclos de refrigeração Organização: Ciclo de Carnot Ciclo padrão de u estágio de copressão Refrigerantes

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída INTRODUÇÃO O que é sstema? O que é um sstema de controle? SISTEMAS O aspecto mportante de um sstema é a relação entre as entradas e a saída Entrada Usna (a) Saída combustível eletrcdade Sstemas: a) uma

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA FREDERICO RIBEIRO DO CARMO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA FREDERICO RIBEIRO DO CARMO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA FREDERICO RIBEIRO DO CARMO DESENVOLVIMENTO DE AMBIENTE COMPUTACIONAL PARA CÁLCULOS TERMODINÂMICOS DE SUBSTÂNCIAS PURAS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DA TRANSFORMADA INTEGRAL GENERALIZADA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE CÉLULAS DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR EM GEOMETRIAS RETANGULARES

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DA TRANSFORMADA INTEGRAL GENERALIZADA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE CÉLULAS DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR EM GEOMETRIAS RETANGULARES APLICAÇÃO DA TÉCNICA DA TRANSFORMADA INTEGRAL GENERALIZADA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE CÉLULAS DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR EM GEOMETRIAS RETANGULARES Mateus Calegar Paulque Thago Antonn Alves Casso Roberto

Leia mais

AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO

AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO Celestno Rodrgues Ruvo Área Departamental de Engenhara Mecânca, Escola Superor de Tecnologa da Unversdade do Algarve, 8000 Faro, Portugal

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

2 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS

2 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS 20 2 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS 2.1. Defnção de gás Um gás é defndo como um fludo cujas condções de temperatura e pressão são superores às do ponto crítco, não podendo haver duas fases presentes em um processo,

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I PDRÃO DE RESPOST - FÍSC - Grupos H e a UESTÃO: (, pontos) valiador Revisor Íãs são frequenteente utilizados para prender pequenos objetos e superfícies etálicas planas e verticais, coo quadros de avisos

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

O uso de integradores numéricos no estudo de encontros próximos

O uso de integradores numéricos no estudo de encontros próximos Revsta TECCE volue núeo - setebo de 009 ISS 1984-0993 O uso de ntegadoes nuécos no estudo de encontos póxos Éca Cstna oguea 1 1 Obsevatóo aconal MCT - eca.noguea@on.b Resuo. O estudo da dnâca do Sstea

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE SÍNTESE IONOTÉRMICA NAS PROPRIEDADES DO MAPO-5 PARA APLICAÇÃO NA REMOÇÃO DE METAIS PESADOS

A INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE SÍNTESE IONOTÉRMICA NAS PROPRIEDADES DO MAPO-5 PARA APLICAÇÃO NA REMOÇÃO DE METAIS PESADOS A INFLUÊNCIA DO PARÂMETRO DE ÍNTEE IONOTÉRMICA NA PROPRIEDADE DO MAPO-5 PARA APLICAÇÃO NA REMOÇÃO DE METAI PEADO A. A. antos 1 ; W.. Cruz 1 ; L. A. M. Ruotolo 2 ; R. Fernández-Felsbno 1 1- Insttuto de

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC)

PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC) PROBLEMS SOBRE PONTOS Dav Máxmo (UFC) e Samuel Fetosa (UFC) Nível vançado Dstrbur pontos num plano ou num espaço é uma tarefa que pode ser realzada de forma muto arbtrára Por sso, problemas sobre pontos

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Resumo do capítulo. Mecânica, Termologia, Óptica, Acústica, Eletricidade, Física Nuclear.

Resumo do capítulo. Mecânica, Termologia, Óptica, Acústica, Eletricidade, Física Nuclear. Os fundaentos da ísca Volue Menu Eercícos propostos Testes propostos apítulo Introdução à ísca palara físca te orge grega (physké) e sgnfca Natureza. RMOS D ÍSI Mecânca, Terologa, Óptca, cústca, Eletrcdade,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano

Material de apoio para as aulas de Física do terceiro ano COLÉGIO LUTERANO CONCÓRDIA Concórda, desenvolvendo conhecmento com sabedora Mantenedora: Comundade Evangélca Luterana Crsto- Nteró Materal de apoo para as aulas de Físca do tercero ano Professor Rafael

Leia mais

= C. (1) dt. A Equação da Membrana

= C. (1) dt. A Equação da Membrana A Equação da Mebrana Vaos considerar aqui ua aproxiação e que a célula nervosa é isopotencial, ou seja, e que o seu potencial de ebrana não varia ao longo da ebrana. Neste caso, podeos desprezar a estrutura

Leia mais

ELEMENTOS DE CIRCUITOS

ELEMENTOS DE CIRCUITOS MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI DE EDUCÇÃO PROFISSIONL E TECNOLÓGIC INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI DE SNT CTRIN CMPUS DE SÃO JOSÉ - ÁRE DE TELECOMUNICÇÕES CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

CAPITULO 02 LEIS EXPERIMENTAIS E CIRCUITOS SIMPLES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 02 LEIS EXPERIMENTAIS E CIRCUITOS SIMPLES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 0 LEIS EXPEIMENTAIS E CICUITOS SIMPLES Prof SILVIO LOBO ODIGUES INTODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DO IO GANDE DO SUL Destnase o segundo capítulo ao estudo das les de Krchnoff e suas aplcações

Leia mais

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos.

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos. 1 Unversdade Salvador UNIFACS Crsos de Engenhara Cálclo IV Profa: Ila Reboças Frere Cálclo Vetoral Teto 03: Campos Escalares e Vetoras. Gradente. Rotaconal. Dvergênca. Campos Conservatvos. Campos Escalares

Leia mais

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão).

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão). Mestrado Integrado em Engenhara Aeroespacal Mecânca e Ondas 1º Ano -º Semestre 1º Teste 31/03/014 18:00h Duração do teste: 1:30h Lea o enuncado com atenção. Justfque todas as respostas. Identfque e numere

Leia mais

Conteúdo 4 - Impulsos elétricos e fenômenos biológicos

Conteúdo 4 - Impulsos elétricos e fenômenos biológicos Conteúdo 4 - Impulsos elétrcos e fenômenos bológcos 4.1 Introdução Os seres vvos, em sua grande maora, são compostos majortaramente por água. A água é uma materal que na presença de certos sas se comporta

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

TRABAJO 1/7. Autores del Trabajo Nombre País e-mail Gelson Antônio Andrêa Brigatto Brasil gelson@labplan.ufsc.br

TRABAJO 1/7. Autores del Trabajo Nombre País e-mail Gelson Antônio Andrêa Brigatto Brasil gelson@labplan.ufsc.br TRABAJO 1/7 Título Ua contrbução ao Estudo do Fluxo de Potênca e Redes de Dstrbução co nserção de Undades de eração Dstrbuída pelo Método da Soa das Potêncas Modfcado Nº de Regstro (Resuen) 75 Epresa o

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS ESTUDO DO ACOPLAMENTO POÇO-RESERVATÓRIO NA SIMULAÇÃO DO CONTROLE DE POÇOS EM ÁGUAS PROFUNDAS E ULTRAPROFUNDAS UMA REVISÃO Jansen Dantas de Olvera 1, Paulo

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 2

Balanço de Massa e Energia Aula 2 alaço de assa e Eerga ula Udades e Desão Desão: Quatdade que pode ser edda, são as gradezas báscas coo copreto, assa, tepo, teperatura etre outras, ou quatdades calculadas pela dvsão ou ultplcação de outras

Leia mais

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações:

50 Calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B das seguintes associações: p. 4 50 alcule a resstênca equvalente entre os pontos e das seguntes assocações: a) c) 3 5 5 5 0 b) d) 6 3 3 9 0 6 7 a) 5 5 5,5 6,5 0 b) 6 5 9 3 3 0 0 3 6 5 c) 5 3 5 3 3 d) 3 3 6 6 3 7 7 3 6 7 0 5 (FG-SP)

Leia mais

Ciências Física e química

Ciências Física e química Dretos Exclusvos para o autor: rof. Gl Renato Rbero Gonçalves CMB- Colégo Mltar de Brasíla Reservados todos os dretos. É probda a duplcação ou reprodução desta aula, com ou sem modfcações (plágo) no todo

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000)

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000) Internet: http://rolvera.pt.to ou http://sm.page.vu Escola Secundára Dr. Ângelo Augusto da Slva Matemátca.º ano Números Complexos - Exercícos saídos em (Exames Naconas 000). Seja C o conjunto dos números

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções.

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções. Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano Docuento de apoio Módulo Q 2 Soluções. 1. Dispersões 1.1. Disperso e dispersante Dispersão Ua dispersão é ua istura de duas ou ais substâncias,

Leia mais

Introdução aos estudos de instalações hidráulicas. Inicia-se considerando a instalação hidráulica denominada de instalação de

Introdução aos estudos de instalações hidráulicas. Inicia-se considerando a instalação hidráulica denominada de instalação de Introdução aos estudos de nstalações hdráulcas. Inca-se consderando a nstalação hdráulca denonada de nstalação de recalque reresentada ela oto a seur. Foto 1 1 Dene-se nstalação de recalque toda a nstalação

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Eletromagnetismo Indutores e Indutância

Eletromagnetismo Indutores e Indutância Eletromagnetsmo Indutores e Indutânca Eletromagnetsmo» Indutores e Indutânca Introdução Indutores são elementos muto útes, pos com eles podemos armazenar energa de natureza magnétca em um crcuto elétrco.

Leia mais

TEORIA ELETROMAGNÉTICA E DA ESTRUTURA DOS MOTORES DE PASSO. Mecanismo da produção do torque estático em um motor de passo de relutância variável

TEORIA ELETROMAGNÉTICA E DA ESTRUTURA DOS MOTORES DE PASSO. Mecanismo da produção do torque estático em um motor de passo de relutância variável TEOR ELETROMGNÉTC E D ESTRUTUR DOS MOTORES DE PSSO Em aulas anterores fo empregada uma abordagem qualtatva para explcar o mecansmo da produção do torque em um motor de passo; a explanação fo baseada em

Leia mais

Redução do consumo de energia de um equipamento de frio

Redução do consumo de energia de um equipamento de frio Faculdade de Engenhara da Unversdade do Porto Redução do consumo de energa de um equpamento de fro Nuno Mguel Rocha Mesquta VERSÃO PROVISÓRIA Dssertação/Relatóro de Projecto realzada(o) no âmbto do Mestrado

Leia mais

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G.

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Rotação Nota Alguns sldes, fguras e exercícos pertencem às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos da Físca. V 1. 4a.Edção. Ed. Lvro Técnco Centífco S.A. 00; TIPLER, P. A.;

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento.

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento. Trabalho e Energa Podemos denr trabalho como a capacdade de produzr energa. Se uma orça eecutou um trabalho sobre um corpo ele aumentou a energa desse corpo de. 1 OBS: Quando estudamos vetores vmos que

Leia mais