Utilizar a integral definida para calcular área, comprimento de arcos, volume de sólidos de revolução e trabalho mecânico.

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilizar a integral definida para calcular área, comprimento de arcos, volume de sólidos de revolução e trabalho mecânico."

Transcrição

1 Aul 3 Aplicções d integrl Objetivos Utilizr integrl definid pr clculr áre, comprimento de rcos, volume de sólidos de revolução e trblho mecânico. Inicimos ul 9, dedicd à integrção, motivndo o conceito de integrl definid, chmd integrl de Riemnn, por intermédio do cálculo de áres. Mis precismente, se tivéssemos que clculr áre d região R esboçd n figur 3., seguir, limitd lterlmente pels rets verticis x = e x = b, inferiormente pelo segmento [, b], contido no eixo ox e superiormente pelo gráfico d função y = f(x), ftiávmos tl região em finíssimos retângulos e, à medid que sus bses se tornssem cd vez menores áre totl desses retângulos ficrim cd vez mis próxim d áre de R. Vej figur

2 7 Cálculo - ul 3 UFPA Fig. 3. Esse procedimento, extremmente útil, se plic não somente em problems geométricos ms tmbém em problems físicos. Est ul e seguinte serão dedicds esss plicções. Comecemos relembrndo o estudo ds áres. Cálculo de áres Nest seção estudremo o cálculo de áre de regiões do plno que são ssocids gráficos de funções. Anlisremos dus situções: áres bixo de gráficos de funções e áres entre gráficos de funções. Áre bixo de gráfico Suponhmos que se queir clculr áre d região R descrit nteriormente, muits vezes chmd de áre bixo do gráfico d função, e que função y = f(x) sej positiv, pr todo x [, b]. Subdividindo o intervlo [, b] em subintervlos d form = x < x < x < < x n = b (lembremos ds prtições introduzids n ul 9) e escolhendo pontos rbitrários ξ i pertencentes os intervlos [x i, x i ], temos que áre de cd retângulo R i, como n figur 3.3,

3 UFPA Cálculo - ul 3 7 f( i ) x i- i x i Fig. 3.3 é dd por f(ξ i ) x i, em que x i = x i x i, de modo que som totl ds áres de todos os retângulos R i é N f(ξ i ) x i. i= Ess é um proximção d áre R que se quer clculr. Designemos por P = { = x < x < x <... < x n = b} e Observemos que P = mx i n x i. lim P N f(ξ i ) x i i= fornece áre de R que é extmente integrl definid de y = f(x) no intervlo [, b]. Assim, designndo áre de R por A(R), teremos A(R) = f(x)dx. (3.) De posse d expressão em (3.) estudremos vários csos. Exemplo 6. Clculemos áre d região R compreendid entre s rets x =, x =, o eixo ox e o gráfico d função y = x. Ess região é mostrd n figur 3.4.

4 7 Cálculo - ul 3 UFPA 4 y = x Fig. 3.4 A áre d região procurd é A(R) = [ x x 3 dx = 3 ] = 7 4. Exemplo 7. Clculemos áre d região compreendid entre o eixo ox e o gráfico d função f : [, π] R definid por f(x) = sen x. Queremos clculr áre d região mostrd n figur 3.5. y = sen x Fig. 3.5 A áre dess região é dd por π sen x dx = [cos x] π = cos π + cos =. Áre entre gráficos Suponhmos que se queir clculr áre d região R limitd pelos gráficos ds funções y = f(x) e y = g(x), pr x b, em que f(x) g(x), pr todo x [, b], conforme figur 3.6.

5 UFPA Cálculo - ul 3 73 f g Fig. 3.6 Assim, áre A(R) de R é clculd por A(R) = ou sej, A(R) = f(x)dx g(x)dx, [f(x) g(x)]dx. (3.) No presente exemplo, supusemos que mbs s funções ssumim pens vlores positivos. No entnto, expressão em (3.) continu válid mesmo no cso em que s funções tinjm vlores negtivos. Consideremos situção como esboçd n figur 3.7. f R g R Fig. 3.7 Neste cso, região R = R R e A(R) = A(R ) + A(R ). A áre A(R ) é clculd por enqunto A(R ) = A(R ) = f(x)dx g(x)dx em que presenç do sinl n expressão cim se deve o fto de que g(x) é negtiv em [, b]. Portnto ( ) A(R) = f(x)dx + g(x)dx = [f(x) g(x)]dx.

6 74 Cálculo - ul 3 UFPA Mesmo que tenhmos ocorrênci de gráficos como os representdos n figur 3.8, expressão em (3.) continu válid. R R R3 f g Fig. 3.8 Nesse cso temos R = R R R 3. Assim, A(R) = A(R )+A(R )+A(R 3 ). Logo A(R) = c [f(x) g(x)]dx + d c [g(x) f(x)]dx + [f(x) g(x)]dx. Exemplo 8. Clculemos áre d região R sob ret y = x+, cim d prábol y = x e entre o eixo oy e ret x =, conforme figur 3.9. x = Fig. 3.9 Nesse cso, A(R) = [ x (x + x )dx = ] x3 + x = 3 3. Exemplo 9. Encontremos áre d região limitd pel rets y = x 4 e pel prábol y = 4x. Vejmos figur 3..

7 UFPA Cálculo - ul y = x y = 4x Fig. 3. e observemos que n relção y = 4x y não é função de x, ms x é função de y. Assim, podemos escrever x = y 4 e x = y + de modo que os vlores de y correspondentes os pontos de interseção d ret e d prábol são determindos pels rízes d equção y y 8 =, o que nos fornece s soluções y = e y = 4. Dess mneir, A(R) = 4 [ ] [ ] y + y y 4 y3 dy = + y = Integris imprópris Pr termos um idéi inicil do que iremos desenvolver, comecemos com um exemplo. Exemplo. Consideremos função f(x) = x cujo gráfico está esboçdo n figur 3., seguir.

8 76 Cálculo - ul 3 UFPA y = x Fig. 3. Sbe-se que, cso queirmos determinr áre d região bixo do gráfico de tl função, entre os vlores < < b < +, conforme mostrdo n figur 3.(), bst clculrmos integrl f(x)dx. Fig. 3.() Fig. 3.(b) Sejmos um pouco mis mbiciosos e suponhmos que queirmos clculr áre de tod região bixo d curv, cim do eixo ox e pr x < +, conforme mostr figur 3.(b). Observemos que região não é limitd pr vlores de x >. Pr relizrmos tl objetivo, clculremos integrl f(x)dx e depois fremos b tender pr +. O resultdo obtido nesse limite é chmdo integrl imprópri de primeir espécie e será designd por + f(x)dx = lim b + + dx = lim x b + f(x)dx. Assim, [ ] b [ = lim x b + b ] =. Isso mostr que podemos trblhr com regiões não-limitds, ms que possuem áres finits. Qundo isto contece dizemos que integrl imprópri + f(x)dx converge. Vejmos um outro exemplo.

9 UFPA Cálculo - ul 3 77 Exemplo. Consideremos função f(x) = x, pr vlores positivos de x, cujo gráfico está esboçdo n figur 3.3. y = x Fig. 3.3 A áre d região bixo do seu gráfico, cim do eixo ox, entre os pontos b < < b < + é dd por dx. x y = x b Fig. 3.4 No entnto, cso desejemos clculr áre d região limitd pelos gráficos de f(x) = x e pels rets y =, x = e x = b, devemos nos vler, muttis mutndis, ds mesms idéis desenvolvids no exemplo nterior. No cso em tel, procedmos d seguinte mneir: clculremos integrl b dx e depois fremos + e ssim teremos integrl imprópri x de segund espécie x dx.

10 78 Cálculo - ul 3 UFPA y = x b Fig. 3.5 Portnto, b [ ] b [ dx = lim dx = lim x = lim ] x + x + b = b + e, como no exemplo precedente, diz-se que integrl imprópri é convergente. x dx Mis formlmente, sej y = f(x) um função contínu em cd intervlo d form [, M], em que R é um número fixdo e M >. Em virtude d continuidde de f em cd intervlo [, M] tem-se que M f(x)dx existe. Suponhmos que M lim f(x)dx M + exist. Define-se então tl limite como sendo integrl imprópri de primeir espécie d função f em [, + ) e escreve-se + f(x)dx = M lim f(x)dx. M + Se esse for o cso, diz-se que integrl imprópri é convergente. Cso contrário, diz-se que integrl imprópri é divergente. No exemplo integrl imprópri converge. Pode-se tmbém definir integris imprópris d form f(x)dx = lim f(x)dx M M

11 UFPA Cálculo - ul 3 79 n qul função f é contínu em cd intervlo d form [M, b] em que b é um número rel fixdo e M < b. Temos integris d form + f(x)dx = lim M + N M N f(x)dx em que M e N são números reis stisfzendo N < M e função f é integrável em cd intervlo [N, M]. A expressão lim M + N M N f(x)dx deve ser entendid como segue lim M + N M N f(x)dx = ( lim N lim M + Exemplo. Clculemos integrl imprópi x dx M Est integrl é igul à áre mostrd n figur 3.6. N ) f(x)dx. y 4 = 4 + x Fig. 3.6 Pelo que já foi dito temos x dx = lim M + N = lim M + N = lim N = π. ( M 4 N + x dx ( ( ) ( )) rctn N + rctn M lim M + ( ( ) ( ))) rctn N + rctn M

12 8 Cálculo - ul 3 UFPA Consideremos um outr situção. Sej f um função contínu em cd intervlo d form [ + ɛ, b] em que < b são números reis fixdos e ɛ > é qulquer número rel tl que + ɛ < b. Assim, integrl +ɛ f(x)dx existe. Cso o limite lim f(x)dx ɛ + +ɛ exist, diremos que el é um integrl imprópri de segund espécie e escreve-se f(x)dx = lim f(x)dx. ɛ + +ɛ É clro que se f for contínu em [, b] integrl imprópri coincide com integrl de Riemnn usul. Evidentemente outrs situções poderão ocorrer. Suponhmos, por exemplo, que um cert função y = f(x) sej contínu em qulquer intervlo d form [, b ɛ] em que < b são números reis fixdos e ɛ > é qulquer rel tl que < b ɛ. A integrl ɛ f(x)dx sempre existe, qulquer que sej o vlor de ɛ como cim. Se lim ɛ + ɛ f(x)dx existir, ele será tmbém chmdo de integrl imprópri de segund espécie e designd por f(x)dx pr qul são válids tods s observções feits nteriormente pr outr integrl imprópri. Deve-se observr que hipótese de que f sej contínu foi impost fim de grntirmos integrbilidde de f nos intervlos fechdos e limitdos. No entnto, tl hipótese pode ser substituíd por integrbilidde. 3 Comprimento de rco Inicilmente observemos que s plicções d integrl consistem em proximr entiddes, digmos, curvilínes, por outrs que sejm lineres. Trtemos, no presente cso, do comprimento de curvs. Suponhmos que tenhmos o problem de clculr o comprimento d curv representd pelo gráfico d função derivável y = f(x), no intervlo [, b], como descrit n figur 3.7, seguir.

13 UFPA Cálculo - ul 3 8 Fig. 3.7 O comprimento do rco do ponto P o ponto P n é proximdo pelo comprimento d poligonl P P... P n cujo comprimento será designdo por L n. Assim, L n = P P + P P + P n P n. As componentes do ponto P k são dds por P k = (x k, f(x k )) e os de P k = (x k, f(x k )), de modo que P k P k = (x k x k ) + (f(x k ) f(x k )). Usndo o teorem do vlor médio, vide ul 6, à função f, no intervlo [x k, x k ], encontr-se ξ k (x k, x k ) tl que f(x k ) f(x k ) = f (ξ k )(x k x k ) e designndo por x k = x k x k, teremos de modo que P k P k = ( x k ) + [f (ξ k )] ( x k ) = + [f (ξ k )] x k, L n = Fzendo norm d prtição tender zero, obtém-se L = n + [f (ξ k )] x k. k= P = {x = < x < x <... x n < x n = b} lim P e, portnto, temos n + [f (ξ k )] x k = + [f (x)] dx. k= L = + [f (x)] dx. Ess é fórmul pr o cálculo do comprimento do rco descrito por um curv representd pelo gráfico d função y = f(x) entre x = e x = b.

14 8 Cálculo - ul 3 UFPA Exemplo 3. Encontremos o comprimento d curv dd pel equção f(x) = 3 x 3 pr x entre e. Observemos que f é derivável e f (x) = x. Assim, o comprimento L requerido é L = [ + x dx = ( + x) dx = 3 ( + x) 3 ] = 3 4 Volume de sólidos de revolução [ 3 ]. Sej y = f(x) um função contínu e positiv definid em um intervlo fechdo [, b], conforme figur 3.8. R Fçmos um revolução complet d região R definid por R = {(x, y) ; x b e y f(x)}. Vej figur 3.9. Esse sólido é chmdo de sólido de revolução. Fig. 3-9

15 UFPA Cálculo - ul 3 83 Nosso objetivo é determinr o volume desse sólido, por meio de um integrção. Intuitivmente, o processo consiste em ftir o referido sólido em ftis finíssims de tl mneir que els se proximem de um cilindro. Pr isto considerremos um prtição P = { = x < x < x < < x n = b} em que fti determind por [x k, x k ], conforme figur 3-, x x k- k k Fig. 3- possui volume proximdmente igul π [f(ξ k )] x k, em que ξ k é um ponto do intervlo [x k, x k ]. Desse modo, o volume totl proximdo é n π [f(ξ k )] x k. k= Fzendo, como nos csos nteriores, o mior comprimento x k tender zero, obtém-se o volume V do sólido de revolução como sendo V = π [f(x)] dx. Exemplo 4. Clculemos o volume do sólido obtido pel rotção, em torno do eixo x, de todos os pres (x, y) tis que x 4 e y x. O sólido em questão está mostrdo n figur 3..

16 84 Cálculo - ul 3 UFPA O volume desse sólido é ddo por V = π 4 5 Trblho mecânico ( [ x x) dx = π ] 4 = 8π Desde os cursos elementres de Físic que conhecemos o conceito de trblho mecânico relizdo por um forç constnte. Mis precismente, suponhmos que se tenh um forç constnte F deslocndo um certo corpo o longo de um trjetóri retilíne, desde o ponto A té o ponto B, conforme mostr figur 3., e sej d distânci entre tis pontos. Fig. 3. Define-se o trblho mecânico d forç F, designdo por WA B (F ), pr deslocr o corpo do ponto A o ponto B como sendo WA B (F ) = F d. No entnto, nem sempre contece de s forçs envolvids nos fenômenos físicos serem constntes. É o que ocorre com s forçs grvitcionis, elétrics, mgnétics, etc. Em virtude disso, fz-se necessário definir precismente o trblho mecânico qundo s forçs envolvids forem vriáveis.

17 UFPA Cálculo - ul 3 85 Restringiremos noss nálise o cso em que trjetóri é retilíne pois, cso contrário, teremos de lidr com integris de linh, o que foge o escopo dests uls. Suponhmos que estejmos deslocr um corpo o longo de um eixo, por meio de um forç F (x), em que x design posição do corpo com relção à origem O do eixo que estmos considerr, que desloc o corpo desde o ponto té o ponto b, de cordo com o mostrdo n figur 3.3. Fig. 3.3 Como forç F (x) depende d posição x em que o corpo se encontr, não podemos usr definição suprcitd pr clculr o trblho relizdo por F (x) no percurso de té b. No entnto, podemos nos vler de um proximção que nos levrá o conceito de integrl. Com efeito, subdividmos o percurso totl [, b] em pequenos percursos [x i, x i ] ddos por = x < x < x < x 3 < < x n < x n = b e í o leitor já deve ter percebido que construímos um prtição do intervlo [, b]. Evidentemente, mesmo que cd subintervlo [x i, x i ] tenh comprimento bem pequeno, forç F (x) terá um vrição nesse percurso. Contudo, se escolhermos um ponto qulquer ξ i [x i, x i ] e fizermos W x i x i (F (ξ i )) = F (ξ i )(x i x i ) = F (ξ i ) x i teremos um proximção pr o trblho relizdo pel forç F no intervlo [x i, x i ]. Or, cso queirmos um proximção pr o trblho totl no percurso [, b], devemos somr tods s prcels como s cim, pr obter n i= W x i x i (F (ξ i )) = n F (ξ i ) x i. Ess expressão é extmente um som de Riemnn d função F com respeito à prtição P = { = x < x < x < x 3 < < x n < x n = b}. Designndo por P norm dest prtição, pr obter o vlor exto do trblho no intervlo [, b], devemos tomr o limite d som de Riemnn qundo norm d prtição tender zero. Ms isto é precismente integrl de Riemnn d função F no intervlo [, b]. Então o trblho relizdo pel forç F no percurso ddo, designdo por W(F b ), é ddo por Vejmos um exemplo. W b (F ) = i= F (x)dx.

18 86 Cálculo - ul 3 UFPA Exemplo 5. (Trblho relizdo pr deformr um mol) Pel Lei de Hooke forç necessári pr deformr um mol é d form F (x) = kx, em que k é constnte d mol e x deformção. Portnto, cso queirmos deformr mol de um posição té um posição b, o trblho ser relizdo é [ ] x W(F b b [ ] b ) = F (x)dx = kxdx = k = k. 6 Exercícios resolvidos. Clcule o comprimento d circunferênci x + y = R. Solução. Em virtude d simetri d circunferênci, é suficiente clculr o comprimento d prte d circunferênci contid no primeiro qudrnte, e multiplicá-lo por 4. Fig. 3.4 A referid prte d circunferênci é dd pel função f(x) = R x, com x R. Portnto, o comprimento L d circunferênci é L = 4 R + [f (x)] dx. Desde que f (x) = x(r x ) teremos R L = 4R R x dx. Fzendo mudnç de vriável x = R cos θ obtemos L = 4R π R( sen θ) dθ = 4R R R cos [θ]π/ = πr. θ

19 UFPA Cálculo - ul Clcule o comprimento d curv y = 8x 3, de x = à x = 3. Solução. Observemos que y = x 3 e y = 3 x / e ssim o comprimento L d curv é L = (y ) dx = + 8x dx. Usndo mudnç de vriável u = + 8x, obtém-se L = 3 [ 3 + 8xdx = ( + 8x) 3] = [ ] Clcule o volume do sólido obtido pel rotção, em torno do eixo x, de todos os pres (x, y) tis que x 4 e y. Solução. O sólido desse exercício pode ser visulizdo n figur seguir. O seu volume é obtido como segue V = π 4 ( x) dx π 4 dx = 5π. 4. Um prtícul se desloc o longo do eixo ox sob ção de um forç prlel o deslocmento e de módulo igul x. Clcule o trblho relizdo pel forç pr deslocr prtícul de x = té x = 4. Solução. O trblho relizdo pel forç é ddo por 4 x dx = [ x ] 4 = J.

20 88 Cálculo - ul 3 UFPA 7 Exercícios propostos. Nos exercícios seguir, clculr áre d região R entre os gráficos ds funções f e g pr vlores de x no intervlo [, b]. Fç um esboço d região R. () f(x) = x, g(x) =, =, b =. (b) f(x) = x 3 + x, g(x) = x 3 +, =, b =. (c) f(x) = x, g(x) = x +, =, b =. (d) f(x) = x, g(x) = x 4x +, =, b =.. Ns observções feits sobre cálculos de áres considervm-se funções d form y = f(x) e clculvm-se áres de regiões limitds pelo gráfico de f e o eixo x. Este er o problem, e lgums de sus vrições, que considermos té gor. Contudo, existem situções ns quis se tem x como função de y e, nestes csos, clculm-se áres de regiões limitds pelos gráficos ds funções e o eixo oy. Vej figur 3.6. Fig. 3.6 Ness situção, áre d região R é dd por A(R ) = d c g(y)dy. De posse desss observções. Determine áre d região limitd entre s curvs esboçndo os seus gráficos. () x = y 3 y x =. (b) x = y e x = y (c) x = y 3 4y + 3y e x = y. (d) x = y + e x = 4 y.

21 UFPA Cálculo - ul Ache áre d região entre s curvs y = x e y = 9x integrndo () com relção x; (b) com relção y. 4. Mostre que integrl é divergente. x dx 5. Investigue convergênci d integrl + x p dx, > com respeito os possíveis vlores de p. 6. Investigue convergênci d integrl x p dx, b > com respeito os possíveis vlores de p. 7. Investigue convergênci d integrl imprópri + xe x dx. 8. Investigue convergênci d integrl imprópri + xe x dx. 9. Clcule integrl imprópri x ln x dx.. Mostre que integrl é convergente. x.. Clcule integrl imprópri x dx.

22 9 Cálculo - ul 3 UFPA 8 Resposts dos exercícios propostos. () 3 f( x) = - x - g( x) = Fig. 3.7 (b) 3 g( x) = x + 3 f( x) = x + x - Fig. 3.8 (c) 9

23 UFPA Cálculo - ul 3 9 f( x) = x 4 g( x) = x + - Fig. 3.9 (d) 5 3 g( x) = x - 4 x + f( x) = x - Fig.3.3. () x = 3 x = y - y - (b) ln Fig. 3.3

24 9 Cálculo - ul 3 UFPA 4 x = y x = - y Fig.3.3 (c) x = y - 4y +3y x = -y Fig (d) 4 3

25 UFPA Cálculo - ul x = 4 - y x = - y + 3. () (b) 9 8 Fig ( ) 9 x x dx = 43 ( y y ) dy = Diverge pr p e converge pr p >. 6. Converge pr p e diverge pr p >. 7. Converge pr e. 8. Converge pr e Nest ul você prendeu : utilizr integrl definid pr clculr áre, comprimento de rcos, volume de sólidos de revolução e trblho mecânico.

26 94 Cálculo - ul 3 UFPA 9 Apêndice Métodos numéricos pr cálculo de integris Clculr integris definids torn-se mtéri simples desde que conheçmos um primitiv d função ser integrd dd por funções elementres. Além disso, sbe-se que tod função contínu definid em um certo intervlo possui primitiv. Mis precismente, dd um função contínu f : I R, em que I é um intervlo de R, função F (x) = x f(t)dt, em que é um ponto qulquer de I e x I é um primitiv de f em I. No entnto, nem sempre temos primitivs dds como um combinção de funções elementres. O exemplo típico é o d função f(x) = e x. Como, então, clculr e x dx? Pr tingir este objetivo, existem métodos numéricos que, mesmo não exibindo o vlor exto d integrl, nos fornecem proximções tão curds qunto se queir. Exibmos lguns métodos. Método do retângulo (usndo extremiddes de intervlos) Sej f : [, b] R um função integrável. Consideremos um prtição P = {x = < x < x < < x n < x n }. Sbemos que ess prtição P induz um proximção d integrl de Riemnn f(x)dx por intermédio d chmd som de Riemnn n f(ξ i )(x i x i ) i= em que ξ i (x i, x i ). Suponhmos que cd subintervlo [x i, x i ] possu comprimento igul b de modo que x n =, x = + b, x n = + b,..., x n n = + (n ) b, x n n = + n b = b. Escolhmos ξ n = = x, ξ = + b = x n,..., ξ n = + (n ) b = x n n. Conseqüentemente, f(x)dx = b n [f(x ) + f(x ) + + f(x n )]. Cso tivéssemos tomdo s extremiddes esquerds dos subintervlos, terímos proximção f(x)dx = b n [f(x ) + f(x ) + + f(x n )].

27 UFPA Cálculo - ul 3 95 Como já foi observdo, qunto mior for o vlor de n N melhor serão s proximções dds ns expressões cim. As interpretções geométrics desses ftos já form fornecids n ul 9. Método do ponto médio Considerremos um prtição como no cso nterior e escolheremos como ξ i o ponto médio do intervlo [x i, x i ] em que estmos tmbém considerndo todos os intervlos com comprimentos iguis b. Assim, n ξ i = x i +x i pr i =,..., n, de modo que teremos seguinte proxim- ção Vej figur f(x)dx = b n [ f ( x + x ) + f ( x + x ) + + f ( xn + x n )]. x x 3 x3 x n- n b Fig Método do Trpézio Nesse cso considerremos prtição como nos dois csos nteriores e proximmos integrl por meio de trpézios como os mostrdos n figur x x x x 3 n- b Fig. 3.36

28 96 Cálculo - ul 3 UFPA Observemos que áre de cd trpézio é dd por [ ] f(xi ) + f(x i ) b n e ssim temos proximção f(x)dx = b n [ f(x ) + f(x ) + + f(x n ) + f(x ] n). Temos tmbém o método de Simpson, que não será borddo qui. Vejmos um exemplo simples pr ilustrr os métodos numéricos descritos. Consideremos função f : [, ] R, f(x) = x, cuj integrl é clculd, pelo teorem fundmentl do cálculo e é dd por x dx = 3 =, Fçmos subdivisão do intervlo [, ] de modo que tenhmos prtição P = { x = < x = 3 < x = } 3 < x 3 = cujos subintervlos possuem comprimentos iguis 3. Usndo o método do retângulo e tomndo s extremiddes esquerds, conforme figur 3.37, teremos proximção x dx = 3 [ + ( ) + 3 ( ) ] = =, 85. y = x 3 3 Fig. 3.37

29 UFPA Cálculo - ul 3 97 Usndo ind o método do retângulo, ms gor tomndo s extremiddes direits tl como n figur 3.38, teremos [ ( x dx = ) ( ) + + ] = =, 585 y = x 3 3 Fig que é um proximção (por excesso). Usndo regr do trpézio, como é mostrdo n figur seguinte, teremos proximção x dx = 3 [ f() + ( ) + 3 que é um proximção (por excesso). ( 3 ) ] + f() = 9 54 =, 359. y = x 3 3 Fig. 3.39

30 98 Cálculo - ul 3 UFPA Agor, usndo o método do ponto médio, conforme figur 3.4, temos [ ( x dx = ) ( ) ( ) ] = =, 34. que é, neste cso, melhor ds proximções. y = x 3 3 Fig. 3.4 Experimente prtições mis refinds: divid o intervlo em qutro prtes iguis, cinco prtes iguis, etc. Use um clculdor ou progrms mtemáticos como o Mple.

Aula 29 Aplicações de integrais Áreas e comprimentos

Aula 29 Aplicações de integrais Áreas e comprimentos Aplicções de integris Áres e comprimentos MÓDULO - AULA 9 Aul 9 Aplicções de integris Áres e comprimentos Objetivo Conhecer s plicções de integris no cálculo d áre de um superfície de revolução e do comprimento

Leia mais

Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Módulo I: Cálculo Diferencial e Integral

Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Módulo I: Cálculo Diferencial e Integral Escol Superior de Agricultur Luiz de Queiroz Universidde de São Pulo Módulo I: Cálculo Diferencil e Integrl Teori d Integrção e Aplicções Professor Rent Alcrde Sermrini Nots de ul do professor Idemuro

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Área entre Curvas. Objetivos da Aula. Aula n o 24: Área entre Curvas, Comprimento de Arco e Trabalho. Calcular área entre curvas;

CÁLCULO I. 1 Área entre Curvas. Objetivos da Aula. Aula n o 24: Área entre Curvas, Comprimento de Arco e Trabalho. Calcular área entre curvas; CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Aul n o : Áre entre Curvs, Comprimento de Arco e Trblho Objetivos d Aul Clculr áre entre curvs; Clculr o comprimento de rco; Denir Trblho. 1 Áre entre

Leia mais

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli Introdução à Integrl Definid Aul 04 Mtemátic II Agronomi Prof. Dnilene Donin Berticelli Áre Desde os tempos mis ntigos os mtemáticos se preocupm com o prolem de determinr áre de um figur pln. O procedimento

Leia mais

Área entre curvas e a Integral definida

Área entre curvas e a Integral definida Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Áre entre curvs e Integrl definid Sej S região do plno delimitd pels curvs y = f(x) e y = g(x) e s rets verticis x = e x = b, onde f e g são funções

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que:

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que: Cpítulo 8 Integris Imprópris 8. Introdução A eistênci d integrl definid f() d, onde f é contínu no intervlo fechdo [, b], é grntid pelo teorem fundmentl do cálculo. Entretnto, determinds plicções do Cálculo

Leia mais

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Comprimento de rco Considerefunçãof(x) = (2/3) x 3 definidnointervlo[,],cujográficoestáilustrdo bixo. Neste texto vmos desenvolver um técnic pr clculr

Leia mais

Objetivo A = 2. A razão desse sucesso consiste em usar somas de Riemann, que determinam

Objetivo A = 2. A razão desse sucesso consiste em usar somas de Riemann, que determinam Aplicções de integris Volumes Aul 28 Aplicções de integris Volumes Objetivo Conhecer s plicções de integris no cálculo de diversos tipos de volumes de sólidos, especificmente os chmdos método ds seções

Leia mais

(x, y) dy. (x, y) dy =

(x, y) dy. (x, y) dy = Seção 7 Função Gm A expressão n! = 1 3... n (1 está definid pens pr vlores inteiros positivos de n. Um primeir extensão é feit dizendo que! = 1. Ms queremos estender noção de ftoril inclusive pr vlores

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? Cálculo II Prof. Adrin Cherri 1 INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região

Leia mais

Elementos de Análise - Lista 6 - Solução

Elementos de Análise - Lista 6 - Solução Elementos de Análise - List 6 - Solução 1. Pr cd f bixo considere F (x) = x f(t) dt. Pr quis vlores de x temos F (x) = f(x)? () f(x) = se x 1, f(x) = 1 se x > 1; F (x) = se x 1, F (x) = x 1 se x > 1. Portnto

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Volume. Objetivos da Aula. Aula n o 25: Volume por Casca Cilíndrica e Volume por Discos

CÁLCULO I. 1 Volume. Objetivos da Aula. Aula n o 25: Volume por Casca Cilíndrica e Volume por Discos CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Aul n o 25: Volume por Csc Cilíndric e Volume por Discos Objetivos d Aul Clculr o volume de sólidos de revolução utilizndo técnic do volume por csc

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral www.engenhrifcil.weely.com Resumo com exercícios resolvidos do ssunto: Aplicções d Integrl (I) (II) (III) Áre Volume de sólidos de Revolução Comprimento de Arco (I) Áre Dd um função positiv f(x), áre A

Leia mais

f(x) dx. Note que A é a área sob o gráfico

f(x) dx. Note que A é a área sob o gráfico FFCLRP-USP AULA-INTEGRAL - CÁLCULO II- ECONOMIA Professor: Jir Silvério dos Sntos PROPRIEDADES DA INTEGRAL Sejm f,g : [,b] R funções integráveis. Então (i) [f(x) + g(x)]dx = (ii) Se λ é um número rel,

Leia mais

Definição 1. (Volume do Cilindro) O volume V de um um cilindro reto é dado pelo produto: V = area da base altura.

Definição 1. (Volume do Cilindro) O volume V de um um cilindro reto é dado pelo produto: V = area da base altura. Cálculo I Aul 2 - Cálculo de Volumes Dt: 29/6/25 Objetivos d Aul: Clculr volumes de sólidos por seções trnsversis Plvrs-chves: Seções Trnsversis - Volumes Volume de um Cilindro Nosso objetivo nest unidde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, utilizaremos o Teorema Fundamental do Cálculo (TFC) para o cálculo da área entre duas curvas.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, utilizaremos o Teorema Fundamental do Cálculo (TFC) para o cálculo da área entre duas curvas. CÁLCULO L1 NOTAS DA DÉCIMA SÉTIMA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nest ul, utilizremos o Teorem Fundmentl do Cálculo (TFC) pr o cálculo d áre entre dus curvs. 1. A áre entre dus curvs A

Leia mais

Integrais impróprias - continuação Aula 36

Integrais impróprias - continuação Aula 36 Integris imprópris - continução Aul 36 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 06 de Junho de 204 Primeiro Semestre de 204 Turm 20406 - Engenhri Mecânic Alexndre Nolsco de

Leia mais

MAT Complementos de Matemática para Contabilidade - FEAUSP 1 o semestre de 2011 Professor Oswaldo Rio Branco de Oliveira INTEGRAL

MAT Complementos de Matemática para Contabilidade - FEAUSP 1 o semestre de 2011 Professor Oswaldo Rio Branco de Oliveira INTEGRAL MAT 103 - Complementos de Mtemátic pr Contbilidde - FEAUSP 1 o semestre de 011 Professor Oswldo Rio Brnco de Oliveir INTEGRAL Suponhmos um torneir bert em um recipiente e com velocidde de escomento d águ

Leia mais

CÁLCULO I. Aula n o 29: Volume. A(x i ) x = i=1. Para calcularmos o volume, procedemos da seguinte maneira:

CÁLCULO I. Aula n o 29: Volume. A(x i ) x = i=1. Para calcularmos o volume, procedemos da seguinte maneira: CÁLCULO I Prof. Mrcos Diniz Prof. André Almeid Prof. Edilson Neri Júnior Prof. Emerson Veig Prof. Tigo Coelho Aul n o 29: Volume. Objetivos d Aul Clculr o volume de sólidos de revolução utilizndo o método

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral II Prof. Ânderson Vieira

Cálculo Diferencial e Integral II Prof. Ânderson Vieira CÁLCULO DE ÁREAS Cálculo de áres Cálculo Diferencil e Integrl II Prof. Ânderson Vieir Considere região S que está entre dus curvs y = f(x) e y = g(x) e entre s curvs verticis x = e x = b, onde f e g são

Leia mais

CÁLCULO I. Denir e calcular o centroide de uma lâmina.

CÁLCULO I. Denir e calcular o centroide de uma lâmina. CÁLCULO I Prof. Mrcos Diniz Prof. André Almeid Prof. Edilson Neri Júnior Aul n o : Aplicções d Integrl: Momentos. Centro de Mss Objetivos d Aul Denir momento em relção um ponto xo e um ret. Denir e clculr

Leia mais

Objetivo. Integrais de funções vetoriais. Conhecer a integral de funções vetoriais; Aprender a calcular comprimentos de curvas parametrizadas;

Objetivo. Integrais de funções vetoriais. Conhecer a integral de funções vetoriais; Aprender a calcular comprimentos de curvas parametrizadas; Funções vetoriis Integris MÓDULO 3 - AULA 35 Aul 35 Funções vetoriis Integris Objetivo Conhecer integrl de funções vetoriis; Aprender clculr comprimentos de curvs prmetrizds; Aprender clculr áres de regiões

Leia mais

Integrais Imprópias Aula 35

Integrais Imprópias Aula 35 Frções Prciis - Continução e Integris Imprópis Aul 35 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 05 de Junho de 203 Primeiro Semestre de 203 Turm 20304 - Engenhri de Computção

Leia mais

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido MTDI I - 7/8 - Integrl de nido 55 Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I [; b] e tl que f (x) ; 8x [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos iguis, mplitude

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Funções denidas por uma integral

CÁLCULO I. 1 Funções denidas por uma integral CÁLCULO I Prof. Mrcos Diniz Prof. André Almeid Prof. Edilson Neri Júnior Prof. Emerson Veig Prof. Tigo Coelho Aul n o 26: Teorem do Vlor Médio pr Integris. Teorem Fundmentl do Cálculo II. Funções dds por

Leia mais

MATEMÁTICA II. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari

MATEMÁTICA II. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari MATEMÁTICA II Prof. Dr. Amnd Liz Pcífico Mnfrim Perticrrri mnd.perticrrri@unesp.r DEFINIÇÃO. Se f é um função contínu definid em x, dividimos o intervlo, em n suintervlos de comprimentos iguis: x = n Sejm

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 1

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 1 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte Neste texto vmos provr um importnte resultdo que nos permite clculr integris definids. Ele pode ser enuncido como

Leia mais

Aula 27 Integrais impróprias segunda parte Critérios de convergência

Aula 27 Integrais impróprias segunda parte Critérios de convergência Integris imprópris segund prte Critérios de convergênci MÓDULO - AULA 7 Aul 7 Integris imprópris segund prte Critérios de convergênci Objetivo Conhecer dois critérios de convergênci de integris imprópris:

Leia mais

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana Integrl Definid Interpretção Geométric Áre de um figur pln Interpretção Geométric Áre de um figur pln Sej f(x) contínu e não negtiv em um intervlo [,]. Vmos clculr áre d região S. Interpretção Geométric

Leia mais

A integral de Riemann e Aplicações Aula 28

A integral de Riemann e Aplicações Aula 28 A integrl de Riemnn - Continução Aplicções d Integrl A integrl de Riemnn e Aplicções Aul 28 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 16 de Mio de 2014 Primeiro Semestre de

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

Prof. Doherty Andrade- DMA/UEM DMA-UEM-2004

Prof. Doherty Andrade- DMA/UEM DMA-UEM-2004 Integrção Numéric Prof. Doherty Andrde- DMA/UEM DMA-UEM-4 Preliminres Nests nots o nosso interesse é clculr numericmente integris f(x)dx. A idéi d integrção numéric reside n proximção d função integrnd

Leia mais

Integral. (1) Queremos calcular o valor médio da temperatura ao longo do dia. O valor. a i

Integral. (1) Queremos calcular o valor médio da temperatura ao longo do dia. O valor. a i Integrl Noção de Integrl. Integrl é o nálogo pr unções d noção de som. Ddos n números 1, 2,..., n, podemos tomr su som 1 + 2 +... + n = i. O integrl de = té = b dum unção contínu é um mneir de somr todos

Leia mais

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I. Integris imprópris

Leia mais

2.4 Integração de funções complexas e espaço

2.4 Integração de funções complexas e espaço 2.4 Integrção de funções complexs e espço L 1 (µ) Sej µ um medid no espço mensurável (, F). A teori de integrção pr funções complexs é um generlizção imedit d teori de integrção de funções não negtivs.

Leia mais

1 x 5 (d) f = 1 + x 2 2 (f) f = tg 2 x x p 1 + x 2 (g) f = p x + sec 2 x (h) f = x 3p x. (c) f = 2 sen x. sen x p 1 + cos x. p x.

1 x 5 (d) f = 1 + x 2 2 (f) f = tg 2 x x p 1 + x 2 (g) f = p x + sec 2 x (h) f = x 3p x. (c) f = 2 sen x. sen x p 1 + cos x. p x. 6. Primitivs cd. 6. Em cd cso determine primitiv F (x) d função f (x), stisfzendo condição especi- () f (x) = 4p x; F () = f (x) = x + =x ; F () = (c) f (x) = (x + ) ; F () = 6. Determine função f que

Leia mais

Alexandre Miranda Alves Anderson Tiago da Silva Edson José Teixeira. MAT146 - Cálculo I - Teoremas Fundamentais do Cálculo

Alexandre Miranda Alves Anderson Tiago da Silva Edson José Teixeira. MAT146 - Cálculo I - Teoremas Fundamentais do Cálculo MAT46 - Cálculo I - Teorems Fundmentis do Cálculo Alexndre Mirnd Alves Anderson Tigo d Silv Edson José Teixeir Os Teorems Fundmentis do Cálculo Os próximos teorems fzem conexão entre os conceitos de ntiderivd

Leia mais

Integrais Duplas em Regiões Limitadas

Integrais Duplas em Regiões Limitadas Cálculo III Deprtmento de Mtemátic - ICEx - UFMG Mrcelo Terr Cunh Integris Dupls em egiões Limitds Ou por curiosidde, ou inspirdo ns possíveis plicções, é nturl querer usr integris dupls em regiões não

Leia mais

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral.

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral. CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Auls n o 8: Técnics de Integrção I - Método d Substituição Objetivos d Aul Apresentr técnic de integrção por substituição; Utilizr técnics presentds

Leia mais

Quadratura por interpolação Fórmulas de Newton-Cotes Quadratura Gaussiana. Integração Numérica. Leonardo F. Guidi DMPA IM UFRGS.

Quadratura por interpolação Fórmulas de Newton-Cotes Quadratura Gaussiana. Integração Numérica. Leonardo F. Guidi DMPA IM UFRGS. Qudrtur por interpolção DMPA IM UFRGS Cálculo Numérico Índice Qudrtur por interpolção 1 Qudrtur por interpolção 2 Qudrturs simples Qudrturs composts 3 Qudrtur por interpolção Qudrtur por interpolção O

Leia mais

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR 3 CÁLCULO INTEGRAL EM IR A importâni do álulo integrl em IR reside ns sus inúmers plições em vários domínios d engenhri, ms tmém em ísi, em teori ds proiliddes, em eonomi, em gestão 3 Prtição de um intervlo

Leia mais

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A.

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A. MÓDULO - AULA Aul Técnics de Integrção Substituição Trigonométric Objetivo Conhecer técnic de integrção chmd substituição trigonométric. Introdução Você prendeu, no Cálculo I, que integrl de um função

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Integral imprópria em R n (n = 1, 2, 3)

Integral imprópria em R n (n = 1, 2, 3) Universidde Federl do Rio de Jneiro Instituto de Mtemátic Deprtmento de Métodos Mtemáticos Integrl Imprópri Integrl imprópri em R n (n =,, 3) Autores: Angel Cássi Bizutti e Ivo Fernndez Lopez Introdução

Leia mais

Cálculo integral. 4.1 Preliminares

Cálculo integral. 4.1 Preliminares Cpítulo 4 Cálculo integrl 4. Preinres Considere um decomposição do intervlo [, ] R em su-intervlos d orm [x, x ], [x, x ],..., [x n, x n ], onde = x < x < < x n < x n = e n N. Por um questão de simplicidde,

Leia mais

1 Definição de integral (definida) de Riemann

1 Definição de integral (definida) de Riemann 1 Definição de integrl (definid) de Riemnn Sej seguir sempre f : [, b] R limitd (com [, b] limitdo); logo existem m, M tis que m f(x) M. Definição: chmmos Prtição de [, b] um conjunto finito de pontos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ. Tópicos Especiais de Matemática Aplicada

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ. Tópicos Especiais de Matemática Aplicada UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ Tópicos Especiis de Mtemátic Aplicd Márleson Rôndiner dos Sntos Ferreir mrleson p@yhoo.com.br Unifp-AP 23/junho/2010 Universidde Federl do Ampá 1 INTEGRAIS DE LINHA E SUPERFÍIE

Leia mais

1 Limite - Revisão. 1.1 Continuidade

1 Limite - Revisão. 1.1 Continuidade 1 Limite - Revisão O conceito de limite de um função contribui pr nálise do comportmento d função n vizinhnç de um determindo ponto. Intuitivmente, dd um função f(x) e um ponto b que pertence o domínio

Leia mais

Comprimento de Curvas. Exemplo. Exemplos, cont. Exemplo 2 Para a cúspide. Continuação do Exemplo 2

Comprimento de Curvas. Exemplo. Exemplos, cont. Exemplo 2 Para a cúspide. Continuação do Exemplo 2 Definição 1 Sej : omprimento de urvs x x(t) y y(t) z z(t) um curv lis definid em [, b]. O comprimento d curv é definido pel integrl L() b b [x (t)] 2 + [y (t)] 2 + [z (t)] 2 dt (t) dt v (t) dt Exemplo

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

Apresentar o processo de quadratura de certas figuras planas como motivação para o cálculo de área por meio de integrais.

Apresentar o processo de quadratura de certas figuras planas como motivação para o cálculo de área por meio de integrais. Aul 9 A integrl de Riemnn: noções iniciis Objetivos Apresentr o processo de qudrtur de certs figurs plns como motivção pr o cálculo de áre por meio de integris. Estudr s noções de integrl definid e de

Leia mais

Atividade Prática como Componente Curricular

Atividade Prática como Componente Curricular Universidde Tecnológic Federl do Prná Gerênci de Ensino e Pesquis Deprtmento Acdêmico de Mtemátic Atividde Prátic como Componente Curriculr - Propost - Nome: Mtrícul: Turm: Justique su respost, explicitndo

Leia mais

ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX. Introdução. Partição de um Intervalo. Alana Cavalcante Felippe 1, Júlio César do Espírito Santo 1.

ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX. Introdução. Partição de um Intervalo. Alana Cavalcante Felippe 1, Júlio César do Espírito Santo 1. Revist d Mtemátic UFOP, Vol I, 2011 - X Semn d Mtemátic e II Semn d Esttístic, 2010 ISSN 2237-8103 ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX Aln Cvlcnte Felippe 1, Júlio Césr do Espírito Snto 1 Resumo: Este trblho

Leia mais

Volumes de Sólidos de Revolução. Volumes de Sólidos de Revolução. 1.O método do disco 2.O método da arruela 3.Aplicação

Volumes de Sólidos de Revolução. Volumes de Sólidos de Revolução. 1.O método do disco 2.O método da arruela 3.Aplicação UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Volumes de Sólidos

Leia mais

8.1 Áreas Planas. 8.2 Comprimento de Curvas

8.1 Áreas Planas. 8.2 Comprimento de Curvas 8.1 Áres Plns Suponh que um cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região

Leia mais

AULA 1 Introdução 3. AULA 2 Propriedades e teorema fundamental do cálculo 5. AULA 3 Integrais indefinidas 7. AULA 4 Integração por substituição 9

AULA 1 Introdução 3. AULA 2 Propriedades e teorema fundamental do cálculo 5. AULA 3 Integrais indefinidas 7. AULA 4 Integração por substituição 9 www.mtemticemexercicios.com Integris (volume ) Índice AULA Introdução AULA Proprieddes e teorem fundmentl do cálculo 5 AULA Integris indefinids 7 AULA 4 Integrção por sustituição 9 AULA 5 Integrção por

Leia mais

. Estas equações são equações paramétricas da curva C.

. Estas equações são equações paramétricas da curva C. Universidde Federl d Bhi -- UFBA Deprtmento de Mtemátic, Cálculo IIA, Prof. Adrino Ctti Cálculo de áres de figurs plns (curvs sob equções prmétrics) (por Prof. Elin Prtes) Exemplo : Sej o círculo C de

Leia mais

Aula de solução de problemas: cinemática em 1 e 2 dimensões

Aula de solução de problemas: cinemática em 1 e 2 dimensões Aul de solução de problems: cinemátic em 1 e dimensões Crlos Mciel O. Bstos, Edurdo R. Azevedo FCM 01 - Físic Gerl pr Químicos 1. Velocidde instntâne 1 A posição de um corpo oscil pendurdo por um mol é

Leia mais

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II DERIVADA DIRECIONAL E PLANO TANGENTE8. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II DERIVADA DIRECIONAL E PLANO TANGENTE8. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques DERIVADA DIRECIONAL E PLANO TANGENTE8 TÓPICO Gil d Cost Mrques Fundmentos d Mtemátic II 8.1 Diferencil totl de um função esclr 8.2 Derivd num Direção e Máxim Derivd Direcionl 8.3 Perpendiculr um superfície

Leia mais

Integração Numérica. Leonardo F. Guidi. Cálculo Numérico DMPA IME UFRGS

Integração Numérica. Leonardo F. Guidi. Cálculo Numérico DMPA IME UFRGS Qudrtur por interpolção DMPA IME UFRGS Cálculo Numérico Índice Qudrtur por interpolção 1 Qudrtur por interpolção 2 Qudrturs simples Qudrturs composts 3 4 Qudrtur por interpolção Qudrtur por interpolção

Leia mais

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em:

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em: Universidde Slvdor UNIFAS ursos de Engenhri álculo IV Prof: Il Reouçs Freire álculo Vetoril Texto 4: Integris de Linh Até gor considermos três tipos de integris em coordends retngulres: s integris simples,

Leia mais

dx f(x) dx p(x). dx p(x) + dx f (n) n! i=1 f(x i) l i (x) ), a aproximação seria então dada por f(x i ) l i (x) = i=1 i=1 C i f(x i ), i=1 C i =

dx f(x) dx p(x). dx p(x) + dx f (n) n! i=1 f(x i) l i (x) ), a aproximação seria então dada por f(x i ) l i (x) = i=1 i=1 C i f(x i ), i=1 C i = Cpítulo 7 Integrção numéric 71 Qudrtur por interpolção O método de qudrtur por interpolção consiste em utilizr um polinômio interpolnte p(x) pr proximr o integrndo f(x) no domínio de integrção [, b] Dess

Leia mais

equação paramêtrica/vetorial da curva: a lei γ(t) =... Dizemos que a curva é fechada se I = [a, b] e γ(a) = γ(b).

equação paramêtrica/vetorial da curva: a lei γ(t) =... Dizemos que a curva é fechada se I = [a, b] e γ(a) = γ(b). 1 Lembrete: curvs Definição Chmmos Curv em R n : um função contínu : I R n onde I R é intervlo. (link desenho curvs) Definimos: Trço d curv: imgem equção prmêtric/vetoril d curv: lei (t) =... Dizemos que

Leia mais

RESUMO DE INTEGRAIS. d dx. NOTA MENTAL: Não esquecer a constante para integrais indefinidas. Fórmulas de Integração

RESUMO DE INTEGRAIS. d dx. NOTA MENTAL: Não esquecer a constante para integrais indefinidas. Fórmulas de Integração RESUMO DE INTEGRAIS INTEGRAL INDEFINIDA A rte de encontrr ntiderivds é chmd de integrção. Desse modo, o plicr integrl dos dois ldos d equção, encontrmos tl d ntiderivd: f (x) = d dx [F (x)] f (x)dx = F

Leia mais

A integral definida. f (x)dx P(x) P(b) P(a)

A integral definida. f (x)dx P(x) P(b) P(a) A integrl definid Prof. Méricles Thdeu Moretti MTM/CFM/UFSC. - INTEGRAL DEFINIDA - CÁLCULO DE ÁREA Já vimos como clculr áre de um tipo em específico de região pr lgums funções no intervlo [, t]. O Segundo

Leia mais

Introdução ao Cálculo Numérico S(M, B) = (y i Mx i B) 2

Introdução ao Cálculo Numérico S(M, B) = (y i Mx i B) 2 Introdução o Cálculo Numérico 25 List de Exercícios 2 Observção importnte: Resolv o proplem pr o di d prov com função f(x) = cos(πx/2) e não com f(x) = sin(πx)! Problem 1. Sejm {x i, y i } n i= números

Leia mais

SÉRIES DE FOURIER. 1. Uma série trigonométrica e sua sequência das somas parciais (S N ) N são dadas por

SÉRIES DE FOURIER. 1. Uma série trigonométrica e sua sequência das somas parciais (S N ) N são dadas por SÉRIES DE FOURIER 1. Um série trigonométric e su sequênci ds soms prciis (S N ) N são dds por (1) c n e inx, n Z, c n C, x R ; S N = n= c n e inx. Tl série converge em x R se (S N (x)) N converge e, o

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

x = x 2 x 1 O acréscimo x é também chamado de diferencial de x e denotado por dx, isto é, dx = x.

x = x 2 x 1 O acréscimo x é também chamado de diferencial de x e denotado por dx, isto é, dx = x. Universidde Federl Fluminense Mtemátic II Professor Mri Emili Neves Crdoso Cpítulo Integrl. Diferenciis dy Anteriormente, foi considerdo um símolo pr derivd de y em relção à, ms em lguns prolems é útil

Leia mais

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido Mtemátic - 8/9 - Integrl de nido 68 Introdução Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I = [; b] e tl que f () ; 8 [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos

Leia mais

META: Introduzir o conceito de integração de funções de variáveis complexas.

META: Introduzir o conceito de integração de funções de variáveis complexas. Integrção omplex AULA 7 META: Introduzir o conceito de integrção de funções de vriáveis complexs. OBJETIVOS: Ao fim d ul os lunos deverão ser cpzes de: Definir integrl de um função complex. lculr integrl

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I 2 o Teste - LEAN, MEAer, MEAmb, MEBiol, MEMec

Cálculo Diferencial e Integral I 2 o Teste - LEAN, MEAer, MEAmb, MEBiol, MEMec Cálculo Diferencil e Integrl I o Teste - LEAN, MEAer, MEAmb, MEBiol, MEMec de Junho de, h Durção: hm Apresente todos os cálculos e justificções relevntes..5 vl.) Clcule, se eistirem em R, os limites i)

Leia mais

CÁLCULO I. Exibir o cálculo de algumas integrais utilizando a denição.

CÁLCULO I. Exibir o cálculo de algumas integrais utilizando a denição. CÁLCULO I Prof Mrcos Diiz Prof Adré Almeid Prof Edilso Neri Prof Emerso Veig Prof Tigo Coelho Aul o : A Itegrl de Riem Objetivos d Aul Deir itegrl de Riem; Exibir o cálculo de lgums itegris utilizdo deição

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais MTDI I - 2007/08 - Introdução o estudo de equções diferenciis 63 Introdução o estudo de equções diferenciis Existe um grnde vriedde de situções ns quis se desej determinr um quntidde vriável prtir de um

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Integrção Numéric Métodos Numéricos e Esttísticos Prte I-Métodos Numéricos Integrção numéric Luís Morgdo Lic. Eng. Biomédic e Bioengenhri-009/010 Luís Morgdo Integrção numéric Integrção Numéric Recorrendo

Leia mais

IFRN Campus Natal/Central. Prof. Tibério Alves, D. Sc. FIC Métodos matemáticos para físicos e engenheiros - Aula 02.

IFRN Campus Natal/Central. Prof. Tibério Alves, D. Sc. FIC Métodos matemáticos para físicos e engenheiros - Aula 02. IFRN Cmpus Ntl/Centrl Prof. Tibério Alves, D. Sc. FIC Métodos mtemáticos pr físicos e engenheiros - Aul 0 Séries de Fourier 3 de gosto de 08 Resumo Neste ul, vmos estudr o conceito de conjunto completo

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte 2 No teto nterior vimos que, se F é um primitiv de f em [,b], então f()d = F(b) F(). Isto reduz o problem de resolver

Leia mais

Lista 5: Geometria Analítica

Lista 5: Geometria Analítica List 5: Geometri Anlític A. Rmos 8 de junho de 017 Resumo List em constnte tulizção. 1. Equção d elipse;. Equção d hiperból. 3. Estudo unificdo ds cônics não degenerds. Elipse Ddo dois pontos F 1 e F no

Leia mais

1 A Integral de Riemann

1 A Integral de Riemann Medid e Integrção. Deprtmento de Físic e Mtemátic. USP-RP. Prof. Rfel A. Rosles 22 de mio de 27. As seguintes nots presentm lgums limitções d integrl de Riemnn com o propósito de justificr construção d

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase Prov Escrit de MATEMÁTICA A - o Ano 0 - Fse Propost de resolução GRUPO I. Como comissão deve ter etmente mulheres, num totl de pessos, será constituíd por um único homem. Logo, como eistem 6 homens no

Leia mais

Fundamentos de Matemática I EFETUANDO INTEGRAIS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

Fundamentos de Matemática I EFETUANDO INTEGRAIS. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques EFETUANDO INTEGRAIS 7 Gil d Cost Mrques Fundmentos de Mtemátic I 7. Introdução 7. Algums Proprieddes d Integrl Definid Propriedde Propriedde Propriedde Propriedde 4 7. Um primeir técnic de Integrção 7..

Leia mais

ALGEBRA LINEAR AUTOVALORES E AUTOVETORES. Prof. Ademilson

ALGEBRA LINEAR AUTOVALORES E AUTOVETORES. Prof. Ademilson LGEBR LINER UTOVLORES E UTOVETORES Prof. demilson utovlores e utovetores utovlores e utovetores são conceitos importntes de mtemátic, com plicções prátics em áres diversificds como mecânic quântic, processmento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 13 de Fevereiro de 2015 Prte I Álgebr Liner 1 Questão: Sejm

Leia mais

(B) (A) e o valor desta integral é 9. gabarito: Propriedades da integral Represente geometricamente as integrais para acompanhar o cálculo.

(B) (A) e o valor desta integral é 9. gabarito: Propriedades da integral Represente geometricamente as integrais para acompanhar o cálculo. Cálculo Univrido List numero integrl trcisio@sorlmtemtic.org T. Prcino-Pereir Sorl Mtemátic lun@: 7 de setemro de 7 Cálculo Produzido com L A TEX sis. op. Dein/GNU/Linux www.clculo.sorlmtemtic.org/ Os

Leia mais

Homero Ghioti da Silva. 9 de Junho de 2016 FACIP/UFU. Homero Ghioti da Silva (FACIP/UFU) 9 de Junho de / 16

Homero Ghioti da Silva. 9 de Junho de 2016 FACIP/UFU. Homero Ghioti da Silva (FACIP/UFU) 9 de Junho de / 16 Homero Ghioti d Silv FACIP/UFU 9 de Junho de 216 Homero Ghioti d Silv (FACIP/UFU) 9 de Junho de 216 1 / 16 Integrção Numéric Motivção Estudr métodos numéricos pr se resolver integris denids do tipo I =

Leia mais

Matemática para Economia Les 201. Aulas 28_29 Integrais Luiz Fernando Satolo

Matemática para Economia Les 201. Aulas 28_29 Integrais Luiz Fernando Satolo Mtemátic pr Economi Les 0 Auls 8_9 Integris Luiz Fernndo Stolo Integris As operções inverss n mtemátic: dição e sutrção multiplicção e divisão potencição e rdicição A operção invers d diferencição é integrção

Leia mais

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c.

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c. EQUAÇÃO DO GRAU Você já estudou em série nterior s equções do 1 gru, o gru de um equção é ddo pelo mior expoente d vriável, vej lguns exemplos: x + = 3 equção do 1 gru já que o expoente do x é 1 5x 8 =

Leia mais

Definição Definimos o dominio da função vetorial dada em (1.1) como: dom(f i ) i=1

Definição Definimos o dominio da função vetorial dada em (1.1) como: dom(f i ) i=1 Cpítulo 1 Funções Vetoriis Neste cpítulo estudremos s funções f : R R n, funções que descrevem curvs ou movimentos de objetos no espço. 1.1 Definições e proprieddes Definição 1.1.1 Um função vetoril, é

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 2. Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp x 3 2

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 2. Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp x 3 2 8. APLICAÇÕES DA INTEGRAL CÁLCULO 2-2018.1 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ;

Leia mais

Marcelo José Dias Nascimento. Marcelo Nascimento / UFSCar

Marcelo José Dias Nascimento. Marcelo Nascimento / UFSCar Cálculo Mrcelo José Dis Nscimento Mrcelo Nscimento / UFSCr Mrcelo Nscimento / UFSCr Sumário Integris 5. Primitivs................................... 5. Integrl de Riemnn............................. 7.3

Leia mais

< 9 0 < f(2) 1 < 18 1 < f(2) < 19

< 9 0 < f(2) 1 < 18 1 < f(2) < 19 Resolução do Eme Mtemátic A código 6 ª fse 08.. (B) 0 P = C 6 ( )6 ( ).. (B) Como f é contínu em [0; ] e diferenciável em ]0; [, pelo teorem de Lgrnge, eiste c ]0; [tl que f() f(0) = f (c). 0 Como 0

Leia mais

Universidade de Mogi das Cruzes UMC. Cálculo Diferencial e Integral II Parte III

Universidade de Mogi das Cruzes UMC. Cálculo Diferencial e Integral II Parte III Cálculo Diferencil e Integrl II Págin Universidde de Mogi ds Cruzes UMC Cmpos Vill Lobos Cálculo Diferencil e Integrl II Prte III Engenhri Civil Engenhri Mecânic mrili@umc.br º semestre de 05 Cálculo Diferencil

Leia mais

FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT

FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT 5 SEVERINO TOSCANO DO REGO MELO. Polinômios de Tylor A ret tngente o gráfico de um função f derivável em um ponto define função de primeiro gru que melhor proxim função em pontos

Leia mais