70 Quantos litros de água cabem em um cubo de aresta 8 dm? 71 Determine o volume de um cubo cuja diagonal é D m.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "70 Quantos litros de água cabem em um cubo de aresta 8 dm? 71 Determine o volume de um cubo cuja diagonal é D 5 2 3 m."

Transcrição

1 p. 70 Quntos litros de águ cbem em um cubo de rest 8 dm? 8 dm,, 7 etermine o volume de um cubo cuj digonl é m. m m 8 m 8 m 7 Um piscin tem s seguintes dimensões: m de lrgur, 7 m de comprimento e m de profundidde. Qul é cpcidde máxim de águ dess piscin em litros? 70000,? b? c? 7? 70 m dm , 7 Num prlelepípedo retângulo, cd um ds bses é um retângulo em que um ldo é o triplo do outro. ltur do prism é 0 cm e su áre totl é 9 cm. etermine o volume. 70 cm 0 t? (?? 0? 0) 9? ( 0) ou ( não convém) cm; 9 cm? 9? 0 70 cm

2 7 (Unesp-P) Quntos cubos precis-se empilr pr formr o prlelepípedo? ) 60 c) 9 e) 8 b) 7 d) 9 Pr formr o prlelepípedo, são necessários?? 60 cubos. 7 (Fp-P) Um piscin retngulr de 0,0 m,0 m e de fundo orizontl está com águ té ltur de, m. Um produto químico em pó deve ser misturdo à águ, à rzão de um pcote pr cd 00,. O número de pcotes serem usdos é: ) c) e) 7 b) 0 d) 60? b? c 0??, m 000 dm 000, n pcotes 76 (Unesp-P) águ de um reservtório n form de um prlelepípedo retângulo de comprimento 0 m e lrgur 0 m tingi ltur de 0 m. om flt de cuvs e o clor, 800 m d águ do reservtório evporrm. águ restnte no reservtório tingiu ltur de: ) m c) 7 m e) 9 m b) m d) 8 m 0? 0? m águ restnte m 00 0? 0? 7 m águ restnte tingiu ltur de 7 m. 77 (UFPR) o se colocrem 9, de águ em um reservtório cujo interior tem form de um cubo com um ds fces n orizontl, o nível d águ sobe 0 cm. Qul é cpcidde desse reservtório? ) 60 c) 76 e) b) 768 d) 8 0 cm dm 9, 9 dm volume de águ em dm 9?? 6 8 dm 8 dm, cpcidde do reservtório é,.

3 78 (Unesp-P) onsidere um pedço de crtolin retngulr de ldo menor 0 cm e ldo mior 0 cm. Retirndo-se qudrdos iguis de ldos x cm (um qudrdo de cd cnto) e dobrndo-se n lin pontild conforme mostr figur, obtém-se um pequen cix retngulr sem tmp. O polinômio, n vriável x, que represent o volume, em cm, dess cix é: 0 cm x cm 0 cm ) x 60x 00x c) x 60x 00 e) x x 0x b) x 60x 00 d) x 0x 00x Montndo cix, temos: x 0 x 0 x x? (0 x)? (0 x) x 60x 00x p. 79 (Unesp-P) onsidere o sólido resultnte de um prlelepípedo retângulo de rests medindo x, x e x, do qul um prism de bse qudrd de ldo e ltur x foi retirdo. O sólido está representdo pel prte escur d figur. x x x O volume desse sólido, em função de x, é ddo pel expressão: ) x x c) x x e) x x b) x x d) x x x? x? x?? x x x

4 80 (esgrnrio-rj) e um bloco cúbico de isopor de rest recort-se o sólido, em form de, mostrdo n figur. O volume do sólido é: ) 7 c) 8 e) 9 b) d) ()??? 7 6 p. 8 Um brr de cocolte tem o formto de um prism tringulr regulr de rest lterl cm e rest d bse cm. Qul o volume de cocolte contido n brr? (onsidere,7. ) 7,7 cm? b b? 9? 9 7,7 cm 8 (Fuvest-P) ois blocos de lumínio em form de cubo, com rests medindo 0 cm e 6 cm, são levdos juntos à fusão e em seguid o lumínio líquido é molddo como um prlelepípedo reto de rests 8 cm, 8 cm e x cm. O vlor de x é: ) 6 c) 8 e) 0 b) 7 d) cm 6 6 cm t cm t 6 8? 8? x x 9 cm 6

5 8 (UFRJ) Um brr de sbão FG, com form de um prlelepípedo retângulo, foi cortd pelo plno que contém os pontos,, F e G, como mostrdo n figur. O sólido FG obtido foi cortdo, mis um vez, pelo plno que contém os pontos M, N, P e Q, que são, respectivmente, os pontos médios ds rests,, G e F, como ilustrdo n figur. F G G F Q M P P Q N N M figur figur figur lcule rzão entre o volume do sólido MNPQ resultnte desse segundo corte (ilustrdo n figur ) e o volume d brr de sbão originl. 8 ejm, b e F c. inicil? b? c M ; MQ c c bc??? b 8 inicil bc 8 bc rzão é (UF) N figur seguir, o segmento de ret é prlelo o segmento F, e o segmento de ret G é prlelo o segmento ; o trpézio tem os ldos medindo cm, 0 cm, cm, e cm, ssim como o trpézio FG; esses trpézios estão situdos em plnos prlelos que distm cm um do outro. F lcule o volume (em cm ) do sólido limitdo pels fces F, G, G, F e pelos dois trpézios. 7 cm G F G 0 onsideremos figur cim um prism qudrngulr de ltur cm, cujs bses são trpézios de 0 e b. 9 ( b) (0 ) bse b? 8? 7 cm 8 7

6 8 áre lterl de um prism exgonl regulr é 8 cm, e ltur do prism é o dobro d rest d bse. etermine seu volume. cm ltur do prism é o ldo do retângulo d fce lterl, então:, 6?? 8? 8? 8 cm? cm b 6??? 6 cm? b 6? cm 86 Num prism exgonl regulr, ltur mede m e o pótem d bse mede m. etermine seu volume. 7 m y bse é um exágono regulr de pótem m e m.,, m? b b? 6? m? 7 m 87 (UFP) Um depósito n form de um prlelepípedo retângulo está preencido com certo volume de líquido. o colocrmos no interior do prlelepípedo um cubo sólido de rest cm, com densidde mior que do líquido, ltur do líquido fic igul à rest do cubo. O prlelepípedo tem bse com comprimento cm e lrgur 6 cm. etermine rest x de outro cubo sólido, com densidde mior que do líquido, que, qundo colocdo no interior do prlelepípedo, deix ltur do líquido igul à medid d rest. Indique (x ). 8 O volume do líquido é: 0x x 0? x 0x 0? 0 Ftorndo expressão, temos: (x )? (x x 6) 0? (x ) 0 (x )? (x x ) 0 x ou x ntão: (x ) 8 x 8 ( ) 8

7 88 (Unicmp-P) Um cix-d águ cúbic, de volume máximo, deve ser colocd entre o teldo e lje de um cs, conforme mostr figur. dos: 6 m,, m e m. ) Qul deve ser o comprimento de um rest d cix?, m b) upondo que ltur máxim d águ n cix é de 8% d ltur d cix, quntos litros de águ podem ser rmzendos n cix? 68,8, ) ej x ltur d cix-d águ., x F, x x 6 Os triângulos F e são semelntes, então:, x, 9 6x,x x, m x 6 O comprimento de um rest deve ser, m. b) 8% de 8? 0,0 dm 00?? 0,0 68,8 dm 68,8, 89 etermine o volume de um prism tringulr regulr cuj rest d bse é cm sbendo que áre de cd fce lterl é o dobro d áre de um ds bses. 7 8 cm b cm,? b cm,? cm 7 8 cm b?? 9

8 90 lcule o volume de um prism qudrngulr regulr cuj áre totl tem 6 m e áre lterl é igul o dobro d áre d bse. 6 m t 6? (??? ) 6? ( ) 8, ubstituindo n primeir equção, temos:? 8 8 m 8 m b?? 6? 6 m 9 (UF-MG) figur bixo exibe seção trnsversl de um piscin de 0 m de comprimento por 0 m de lrgur, com profundidde vrindo uniformemente de m m. 0 m m m ) etermine o volume de águ necessário pr encer piscin té bord. (ugestão: lcule áre d seção trnsversl d piscin ilustrd pel figur.) 00 m b) Qul distânci mínim que um pesso de,70 m deve cminr, sindo do ponto mis rso d piscin, pr que fique totlmente submers? (ugestão: Use semelnç de triângulos.) 7 m ) m 0 m m 0 m onsiderndo piscin um prism de ltur 0 m, cujs bses são os trpézios, temos:? b ( ) 0? 0 00 m b) x 0,70 0 x O triângulo é semelnte o triângulo, então: x 0, m x distânci mínim é 7 m. 0

9 p. 8 9 etermine nturez de um pirâmide que possui: ) 8 fces eptgonl b) rests exgonl ) pirâmide possui 8 fces; então, um ds fces é bse, portnto é um pirâmide eptgonl. b) pirâmide possui rests; Portnto, pirâmide é exgonl. 6 número d rest d bse 9 etermine o número de digonis d bse de um pirâmide sbendo que som dos ângulos de tods s fces é igul ej i som dos ângulos internos d bse. i (n )? 80 s fces lteris são triângulos, então: 800 (n )? n 60 n 60 n 6 bse é um exágono. n? (n ) 6? 9 9 Qul áre lterl de um pirâmide qudrngulr regulr de ltur m e áre d bse igul 00 m? 00 m g O M 00 0 m plicndo o teorem de Pitágors no triângulo OM, temos: g g m? g 0?,?? 00 m

10 9 Qul ltur de um tetredro regulr de 6 m de rest? 6 m g M m 96 etermine áre lterl e áre totl de um pirâmide qudrngulr regulr cujs rests d bse medem 6 cm e ltur, cm., 60 cm e t 96 cm g plicndo o teorem de Pitágors no triângulo OM, temos: g g cm? 6? 60 cm, b 6 6 cm O 6 M 6 T, b T cm 97 etermine s áres lterl e totl de um pirâmide tringulr regulr, sendo 7 m medid do seu pótem e m o perímetro d bse. 8 m e, t ( ) m p , T b T? 7? 8, b 8 m ? ( ) m

11 98 lcule áre d bse de um pirâmide qudrngulr regulr, cujs fces lteris são triângulos eqüiláteros, sendo 9 cm som ds áres desses triângulos. 9 cm?, cm g b 7 9 cm 99 onsidere pirâmide com um triedro trirretngulr cujs rests lteris medem 0 cm. etermine su áre totl. 0 cm t ( ) cm T, b 0? 0,? 0 cm 00 b 0 cm 0 0 0? T ( ) cm 00 ltur de um tetredro regulr é 6 m. etermine o pótem do tetredro e áre d bse. g 6 m e 6 m b g 6 6 m g g 6 m b 6 m M

12 0 etermine áre lterl e áre totl de um pirâmide exgonl regulr sbendo que rest d bse mede 6 cm e su ltur, cm. 70, cm e t cm 6 g é o pótem d bse d pirâmide. 6? 9 g é o pótem d pirâmide. g 9 g 8 g g cm? g, 6? T b T, b ( ) 6? 6? 6 6? 6 cm 70 6 cm 70 cm p. 0 0 ltur de um pirâmide qudrngulr regulr é 0 m, e su bse tem ldo 8 m. etermine seu volume. 60 m P 0 8 b? 8? 8? 0 60 m 0 etermine o volume de um pirâmide de ltur 7 cm, cujo polígono d bse é um triângulo isósceles de ldos cm, cm e 0 cm. 0 cm b? 69 cm?? b 0 60 cm 60? 7 0 cm

13 0 O pótem d bse de um tetredro regulr mede cm. etermine seu volume. 6 cm b b 9 cm b g g O M 8 6 cm 6? b 7 cm 6 6? cm b?? 7? 6 6 cm 0 (IT-P) rzão entre áre d bse de um pirâmide regulr de bse qudrd e áre de um ds fces é. bendo que o volume d pirâmide é de m, temos que ltur d pirâmide mede (em metros): ) c) e) b) d) g O M? g g g plicndo o teorem de Pitágors no triângulo OM, temos: g ( ) omo g, temos: ubstituindo, temos:?? 7

14 06 (UF) m um pirâmide de ltur metros, áre d su bse é 60 m. Um plno, prlelo à bse um distânci de metros do vértice d pirâmide, determin um secção trnsversl de áre: ) 80 m c) 0 m e) 80 m b) 80 m d) 00 m ( ) 60 0 m 07 (Unicmp-P) onsidere um cubo cuj rest mede 0 cm. O sólido cujos vértices são os centros ds fces do cubo é um octedro regulr, cujs fces são triângulos eqüiláteros congruentes. ) lcule o comprimento d rest desse octedro regulr. cm b) lcule o volume do mesmo octedro. 00 cm ) e cordo com o enuncido, temos figur: 0 0 F M No triângulo M, temos: () 0 cm b) O octedro é composto por dus pirâmides, então:????? cm 00 6

15 p. 08 N figur, os qudrdos e 9999, cujos ldos medem 0 u.c., são s bses de um prism reto de ltur igul u.c., e o ponto O O é, o mesmo tempo, o centro do qudrdo e o vértice d pirâmide com bse prtir desss informções, pode-se firmr: (0) Qulquer plno que conten um fce lterl d pirâmide fz um ângulo de 60º com o plno d bse (0) Qulquer rest lterl d pirâmide fz um ângulo de 60º com o plno d bse (0) xistem um rest d pirâmide que é coplnr o segmento 9 e um rest d pirâmide que está contid num ret revers à ret que contém 9. (08) áre do triângulo O99 é igul 0 u.. (6) O volume do sólido compreendido entre o prism e pirâmide é igul 00 u.v. e cordo com o enuncido, temos: 0 0 O g 0 0 ( ) g (0) (erddeir); g 00 0 sen 60 0 (0) (Fls); sej rest lterl. No triângulo O9, O (O9) (9) 0 7 O ângulo b formdo pel rest e pelo plno 9999: sen b b 60 (0) (erddeir); 9O e 9O são reverss com 99. (08) (erddeir); g 0 e rest d bse 0, portnto: 0? 0 0 u.. (6) (Fls); prism pirâmide prism 0? 0? 00?? 0 00 pirâmide som 8 7

16 09 lcule o volume de um pirâmide tringulr regulr sbendo que o pótem d bse mede 8 cm e o pótem d pirâmide, 0 cm. 8 cm 0 8 M O pótem d bse é 8, então: cm cm b? 6 b 9 cm? 9? 6 8 cm 0 (UFRJ) Observe s figurs seguir. F F F m 6 m figur 6 m figur mostr form do toldo de um brrc, e figur, su respectiv plnificção, compost de dois trpézios isósceles congruentes e dois triângulos. lcule: ) distânci d rest o plno F 0,8 m b) o volume do sólido de vértices,,,, e F, mostrdo n figur, em função de 8 m m m, m 6 m figur ) e cordo com figur, temos:,7,7,,89, 0,6 0,8 m, M b) O volume do sólido é o volume do prism mis? volume d pirâmide. M prism b?? 6? b? pirâmide??? N M 6 8 8

17 (IT-P) onsidere um pirâmide regulr de ltur igul cm e cuj bse é formd por um qudrdo de áre igul 8 cm. distânci de cd fce dess pirâmide o centro de su bse, em centímetro, é igul : ) b) b,, P c) d) cm 7 M e) ltur de cd fce o centro de su bse é ltur d pirâmide cuj bse é um ds fces lteris, e o vértice é esse centro ( v ). v??? 0 ( ) cm (M) ( ) 7 M cm? 0 6 v?? cm 9 (Fuvest-P) bse d pirâmide é um retângulo de ldos e. s áres dos triângulos e são, respectivmente, 0 e 7. lcule o volume d pirâmide. P F G álculo de P: FG?? F 0 F 0?? G 7 G 7 Nos triângulos FP e PG, temos: (F) (P) (PF) (G) (P) (PG) PG FP ntão, isolndo P ds dus equções, temos: 0 (PF) 7 ( PF) 0 PF 7 9 6PF PF 6PF PF (G) (P) (PG) 7??? 6 ( ) (P) ( FP) 7 (P) P 6 9

18 (IT-P) Um pirâmide regulr tem por bse um exágono cuj digonl menor mede cm. s fces lteris dess pirâmide formm diedros de 60º com o plno d bse. áre totl d pirâmide, em centímetro qudrdo, é: ) 8 8 c) e) 7 b) 8 d) 7 Pelo enuncido, temos figur: 0 O 60 M F Pr determinrmos áre totl, necessitmos do, e do pótem M. O ângulo ^ é 0 pelo teorem dos cossenos, temos: d,,?,?,? cos 0 ( ),? ( ),,, cm pótem d bse OM, cm No triângulo OM, cos 60 OM M M cm T b, 7 b 6? cm?, 6? cm 7 8 T cm 0

19 (Fuvest-P) No cubo de rest, X e Y são pontos médios ds rests e G, respectivmente. onsidere pirâmide de vértice F e cuj bse é o qudrilátero XY. lcule, em função de : ) o comprimento do segmento XY α b) áre d bse d pirâmide α 6 c) o volume d pirâmide X Y F G ) Y G F XY XY X b) Y G F é digonl do cubo, logo:. XY é um losngo, portnto: d. ; d XY? 6 X c) Y G F X O plno XY divide o prism em dois sólidos congruentes. prism volume d pirâmide???? 6

20 (UFP) s rests do sólido convexo ilustrdo seguir são obtids unindo os pontos médios de cd um ds rests de um tetredro regulr os pontos médios ds qutro rests que são concorrentes els. e rest do tetredro mede 6, qul o volume do sólido? O sólido obtido é um octedro regulr de rest. Portnto, o. O volume do octedro é determindo o se obter o volume d pirâmide de ltur??? ( )? 6 6 p. 6 O volume de um pirâmide é 6 cm. Um secção trnsversl feit cm d bse determin outr pirâmide de volume 7 cm. Qul ltur d pirâmide? 6 cm cm 6 7 lcule áre totl do tronco exgonl regulr cuj bse menor tem rest cm bse mior tem rest cm, e o pótem do tronco mede cm. ( 0 ) cm cm cm T 6??? cm 6 0 ( ) cm cm T b,, ( )? 6? cm 6??? 6 cm b

21 8 Um tronco de pirâmide tem como bse dois qudrdos de ldos cm e 9 cm, e ltur do tronco é 6 cm. etermine seu volume. 66 cm k 6; 8; b 6 k? [? b b] 6? 8 8? 6 6 ( )? 66 cm 9 Um bnco de cimento tem form de um tronco de pirâmide, com 0 cm de ltur. Quntos metros cúbicos de concreto form necessários pr confeccionr esse bnco?,0 m k 0, m; 0,0?, m; b 0,0?,6 m k?? b b [ ] 0,? (,,?,6,6) 0,? 6,,0 m 0 cm m m 0 cm 0 (UFRJ) m um tnque no formto de um cubo de rest cm, contendo líquido, foi post um pirâmide P, de ltur igul 6 cm, com bse poid no fundo do tnque. 8 9 om isso, o nível de líquido pssou de 8 cm pr 9 cm. ) lcule o volume, em centímetro cúbico, d pirâmide P. 6 cm b) pirâmide P foi retird do tnque e o nível de líquido voltou o inicil. Um pirâmide P, de 0 cm de ltur, foi então post no tnque, com bse poid no fundo, o que elevou em cm o nível do líquido. 0 etermine o volume d pirâmide P ) O volume de águ deslocdo é o volume d pirâmide.?? 6 cm cm b) O volume do tronco é o volume de águ deslocdo: tronco?? 0 cm tronco v 0 v v , então: 6 87 cm

22 p. 6 (UFPR) Um pirâmide de bse qudrd, feit de mdeir mciç, tem 67 g e cm de ltur. Pretende-se fzer um corte, prlelo à bse, pr obter um pirâmide menor. Quntos grms terá ess pirâmide se o corte for feito cm d bse? ) 00 g c) 0 g e) 0 g b) g d) 00 g Pelo enuncido, temos o esquem: I 8 cm cm F G cm ejm pirâmide mior e v pirâmide menor. v 8 v 8 ( ) 7 8 m m 00 g 7 67 (Unesp-P) om o fenômeno do efeito estuf e 0 dm conseqüente umento d tempertur médi d Terr, á o desprendimento de icebergs (enormes blocos de gelo) dm ds clots polres terrestres. Pr clculrmos o volume 0 dm proximdo de um iceberg podemos comprá-lo com sólidos geométricos conecidos. upon que o sólido d figur, formdo por dois troncos de pirâmides regulres de bse qudrd simétricos e justpostos pel bse mior, represente proximdmente um iceberg. s rests ds bses mior e menor de cd tronco medem, respectivmente, 0 dm e 0 dm e ltur mede dm. bendo que o volume d prte submers do iceberg corresponde proximdmente 7 8 do volume totl, determine. 900 dm s 7 8? k? [? b b] k dm; 0 dm ; b 0 dm?? ( 0 0? 0 0 ) 8? ( ) dm 7 s? dm 8

23 (Unb-F) Min cs é engrçd eseno espetculr prede é inclind o cão retngulr ão e teto semelntes stão em proporção Oito vezes áre do teto É metde d áre do cão Qutro predes tem cs Um à outr, tão igul Qutro predes muito grndes 00 m de áre lterl om um pergunt quero terminr Min ltur você pode clculr? O teto d cs nunc vou lcnçr Pois min ltur teri de dobrr Um pist ind devo nuncir m form de qudrin singulr ttin qundo nsce e esprrm pelo cão Ocupndo totlmente Os 6 m de extensão om bse ns informções do texto, fç o que se pede. ) lcule áre, em metro qudrdo, do teto d cs. m b) lcule ltur, em metro, de um dos qutro qudriláteros que formm s predes d cs. m c) lcule ltur, em decímetro, do dono d cs. 0 dm ) 8s ; 6 m 6s 6 s m s b), 00 cd fce possui 00 m k ; b 8 b ( b) ( 8) m c) k k 9 k m e é ltur do dono d cs, então: m 0 dm. p. 9 lcule o volume de um cilindro circulr de ltur 0 cm e rio d bse cm.? p? 0 0p cm 0p cm

24 áre lterl de um cilindro circulr reto é igul à metde d áre totl. lcule ltur desse cilindro sbendo que o rio d bse mede 7 cm. 7 cm, pr? ; pr T pr pr? e cordo com o enuncido, temos: pr? pr pr? cm 6 etermine áre totl de um cilindro sbendo que áre lterl é 0p cm e su secção meridin é um qudrdo. 60p cm e secção meridin do cilindro é um qudrdo, então: r., pr? 0p r? 0 r 0 r T pr pr? 0p 0p 60p cm 0 cm 7 gertriz de um cilindro oblíquo mede cm e form com bse, que é um círculo de cm de rio, um ângulo de 8. etermine seu volume. 0p cm sen pr? p? cm 0p cm 8 etermine áre totl de um semicilindro cujo rio d bse mede 8 cm e ltur mede cm. (60p 9) cm 8, T retângulo b, pr? 8p? 96p cm retângulo 6? 9 cm b 8 p 6p T 96p 9 6p T (9 60p) cm 6

25 9 e o volume de um cubo é 8 m, determine o volume do cilindro nele inscrito. p m r r O cilindro inscrito no cubo é um cilindro eqüilátero. cubo 8 8 m r r r m m cilindro b? pr? p?? p m 0 (UL-PR) O diretor de um clube desej construir um poço, com formto cilíndrico, de 0,0 m de profundidde e diâmetro interior igul,0 m. e prede desse poço for construíd com lvenri n espessur de 0, m, o volume dess lvenri será igul : ),p m c) 6,p m e) 8,0p m b),6p m d) 7,0p m 0, 0, lvenri 0 cilindro mior,; R 0,7 m cilindro menor d ; r 0, m lvenri c (0,7) p? 0 p? (0,)? 0 0p(0,9 0,),p m p. 0 (FG-P) onsidere um lt de óleo de cozin de formto cilíndrico que, originlmente, comportv o volume de litro de óleo e, tulmente, pssou comportr 0,9 litro. ssumindo-se log 0,9 0,9 0, e dmitindo-se que ltur d lt permneceu mesm, redução percentul do rio de su bse foi igul : ) 6% c) % e) % b) % d) % ejm R o rio d lt inicil de litro e R o rio d lt finl de 0,9 litro. p? (R )?, p? (R )? 0,9, ividindo um equção pel outr, temos: R R R R 7 0 R,0 R 0,9R 0,9 9 R Portnto, ouve um redução de % no rio d bse.

26 (unesp-p) e qudruplicrmos o rio d bse de um cilindro, mntendo su ltur, o volume do cilindro ficrá multiplicdo por: ) 6 c) 8 e) p b) d) pr? e qudruplicrmos o rio d bse, obteremos: 9 p(r)? 6pr? o volume ficrá 6 vezes mior. (Unesp-P) onsidere um lt cilíndric de rio R e ltur completmente cei de um determindo líquido. sse líquido deve ser distribuído totlmente em copos tmbém cilíndricos cuj ltur é um qurto de ltur d lt e cujo rio é dois terços do rio d lt. etermine: ) os volumes d lt e do copo, em função de R e R e 9 R lt p copo p b) o número de copos necessários, considerndo que os copos serão totlmente ceios com líquido 9 ) lt pr? R pr? copo p( )? 9 b) lt pr? copo pr? lt copo (Unicmp-P) Um pluviômetro é um prelo utilizdo pr medir quntidde de cuv precipitd em determind região. figur de um pluviômetro pdrão é exibid. Nesse pluviômetro, o diâmetro d bertur circulr existente no topo é 0 cm. águ que ci sobre prte superior do prelo é recolid em um tubo cilíndrico interno. sse tubo cilíndrico tem 60 cm de ltur e su bse tem d áre d bertur superior do pluviômetro. (Obs.: figur não 0 está em escl.) ) lcule o volume do tubo cilíndrico interno. 600p cm b) upondo que, durnte um cuv, o nível d águ no cilindro interno subiu cm, clcule o volume de águ precipitd por ess cuv sobre um terreno retngulr com 00 m de comprimento por 00 m de lrgur. 00 m ej áre d bertur superior. R 0 cm 0 p 00p cm 0p pr r 0 cm 0 ) pr? 0p? p cm b) Pr um áre de cptção de 00p cm, recole-se 0p? 0p cm de águ. Pr um áre de 00 m 00 m, temos seguinte regr de três: áre volume 00p cm 0p cm cm 8? 0? 0p? 0 00p 8 cm 00? 0 6 cm 00 m 8

27 (FG-P) Inclinndo-se em º um copo cilíndrico reto de ltur cm e rio de bse,6 cm, derrm-se prte do líquido que completv totlmente o copo, conforme indic figur. dmitindo-se que o copo ten sido inclindo com movimento suve em relção à situção inicil, menor quntidde de líquido derrmdo corresponde um percentul do líquido contido inicilmente no copo de: ) 8% d) % b) 6% e) 8% c) 8% 7, cm 7, cm omo o ângulo é, menor quntidde de líquido derrmdo é metde do volume de um cilindro de mesm ltur do diâmetro d bse. inicil p(,6)? derrmdo p(,6)? 7, p(,6)? 7, derrmdo 0, p(,6)? inicil Ou sej, o líquido derrmdo corresponde % do líquido inicil. p. 6 do um cone circulr reto de rio d bse 8 cm e ltur 6 cm, determine: ) áre lterl 80p cm b) áre totl p cm c) o volume O 8p cm 6 g ), pr? g 8p? 0 80p cm b) T, b 80p p8 p cm c)? b?? 6p? 6 8p cm 8 g 8 6 g 0 9

28 7 Um mpulet é formd por dois cones, conforme mostr figur bixo. etermine o volume de rei necessário pr encer completmente um dos cones. 0 p cm 0 cm O cone possui rio cm e ltur cm.? b? 0p p? cm cm 8 (UF) gertriz de um cone eqüilátero mede cm. lcule áre d secção meridin do cone, em centímetro qudrdo, e multiplique o resultdo por. 9 secção meridin de um cone eqüilátero é um triângulo eqüilátero. r O g r r áre de um triângulo eqüilátero é dd por, g r r e,? cm? 9. 9 (UFM) onsidere um cone circulr reto de volume, com áre d bse igul 6p cm. lcule, em centímetro cúbico, o vlor de 6p, sbendo-se que áre de um secção feit no cone, prlel e distnte cm d bse, é igul 9p cm. 6 6π 9π 0 ( ) 6p 9p 6 6? 6p? 6?? 6p? 6 6 6p 6p

29 0 (IT-P) s medids, em metro, do rio d bse, d ltur e d gertriz de um cone circulr reto formm, ness ordem, um progressão ritmétic de rzão m. lcule áre totl desse cone em metro qudrdo. 96p m O g r g g r ( ) ( ) 8 0? ( 8) 0 0 (não convém) ou 8 ntão: r 8 r r 6 m g g 8 g 0 m T b, T p6 p? 6? 0 96p m r O que ocorrerá com o volume de um cone de revolução, se duplicrmos su ltur?? b? 9? b? ()?? b? o volume dobrrá. O volume dobrrá. (Unesp-P) Um recipiente tmpdo, n form de um cone circulr reto de ltur 8 cm e rio 6 cm, contém um líquido té ltur de cm (figur ). seguir, posição do recipiente é invertid (figur ). 8 cm rio 6 cm figur ) rio R cm ( ) ( ) figur rio r s s s pr p R cm endo R e r os rios mostrdos ns figurs: ) determine R e o volume do líquido no cone em centímetro cúbico (figur ), como múltiplo de p. R cm e p cm b) ddo que r 9, determine ltur d prte sem líquido do cone n figur. Use proximção 9 9 (. ) 7 cm p s 6 s p cm p? p cm 9 b) r r 9 ( 8 ) p 6p cm

30 (Unesp-P) Um recipiente, n form de um cilindro circulr reto de rio R e ltur cm, está té metde com águ (figur ). Outro recipiente, n form de um cone circulr reto, contém um substânci químic que form um cone de ltur 7 cm e rio r (figur ). cm rio R águ rio r 7 cm mistur figur figur figur (substânci químic) ) ejm o volume do cilindro inicil, o volume do cone e o volume do cilindro com mistur. pr?,6; R r 9 p r? 6 08r cm p r? 7 7r cm ( ) ) bendo que R r, determine o volume d águ no cilindro e o volume d substânci químic no cone, em função de r. (Pr fcilitr os cálculos, use proximção p.) 08r cm e 7r cm b) substânci químic do cone é despejd no cilindro, formndo um mistur omogêne (figur ). etermine concentrção (porcentgem) d substânci químic n mistur e ltur tingid pel mistur no cilindro. (Unifesp-P) figur represent um lápis novo e su prte pontd, sendo que, o diâmetro do lápis, mede 0 mm; d, o diâmetro d grfite, mede mm; e, ltur do cilindro reto que represent prte pontd, mede mm. ltur do cone reto, representndo prte d grfite que foi pontd, mede mm. 0,p cm ) lcule o volume do mteril (mdeir e grfite) retirdo do lápis.? 0 p cm 0% e 0 cm b) 08r 7r r cm 7r 0% r pr? r p ( r r 0 cm )?, cm b) lcule o volume d grfite retird. grfite lápis d lápis, cm d O lápis lápis grfite O mm 0, cm 6 mm 0, cm ) 0 mm R mm 0, cm volume do mteril retirdo: cilindro cone p(0,)?, p? (0,)?, p? (0,)?, 0,p cm b) grfite cilindro cone ltur d grfite: O O 0, 9 9 0, cm, 0, grfite p(0,)? 0, p? (0,)? 0, p? (0,)? 0,? 0 p cm

31 p. 6 (Fuvest-P) Um torneiro mecânico dispõe de um peç de metl mciç n form de um cone circulr reto de cm de ltur e cuj bse tem rio 8 cm (figur ). le deverá furr o cone, prtir de su bse, usndo um broc, cujo eixo centrl coincide com o eixo do cone. broc perfurrá peç té trvessá-l completmente, brindo um cvidde cilíndric, de modo que se obten o sólido d figur. e áre d bse desse novo sólido é d áre de, determine seu volume. 60 p cm figur (ntes) figur (depois) 9 ejm áre d bse do sólido inicil de rio R e r o rio do cilindro retirdo. e cordo com o enuncido, temos: p8 pr p? r r cm r R 8 8 cm r volume do cone inicil: R 8, p? 8? 8 8 volume do cilindro de rio r e ltur ( ) p? volume do cone elimindo 8 p?? volume procurdo: 0p 0p 0 p? 0 p p cm ( ) 6 (UFr-P) m um lnconete, um csl de nmordos resolve dividir um tç de milk ske com s dimensões mostrds no deseno. ) bendo que tç estv totlmente cei e que eles beberm todo o milk ske, clcule qul foi o volume, em milímetro, ingerido pelo csl. (dote p.) 00 cm b) e um deles beber sozino té metde d ltur do copo, qunto do volume totl, em porcentgem, terá bebido? 87,% )? b? r cm 0 mm; 0 cm 00 mm p? 0? mm 00 cm b) ej o volume do cone de ltur 0 cm. 0 cm 0 cm ceio 0 0 s ceio ceio ( ) p 0 0 p? ( r9) ( ) r9 00 p?? ,% 70

32 7 (Mckenzie-P) No sólido d figur, é um qudrdo de ldo e 0. O volume desse sólido é: ) p c) p e) p b) p d) p cilindro ( ) cone p?? p?? p p lcule áre lterl, áre totl e o volume do tronco de cone descrito bixo: r, 0p cm ; t 0p cm e 76 p cm g cm r cm R 6 cm R, pg? (R r) g (R r) g g, p?? (6 ) 0p cm T, b T 0p p6 p 0p cm T p? (R R? r r ) T p? (6 6) 76 p cm

33 9 Um tronco de cone tem ltur igul 8 m e os rios ds bses, m e 9 m, respectivmente. etermine áre totl e o volume. t 0p m e p m r g 8 m r m R 9 m R, pg? (R r) g (R r) g g 0 m, p? 0? (9 ) 0p m T, b T 0p p9 p? 0p m T p? (R R? r r ) T 8p? (8 7 9) p m 0 m um tronco de cone de revolução os rios ds bses e ltur medem, respectivmente, m, 6 m e m. etermine su áre totl. p 7p 7 m, pg? (R r) g (R r) ( ) g g 7 m p 7? (6 ) 7p 7 m, T, b T 7p 7 6p 9p p 7p 7 m ( ) etermine o rio d bse menor de um tronco de cone, sendo o rio mior o dobro do menor, ltur o dobro do rio mior e o volume igul 79 p cm. cm r r p? T (R R? r r ) 79p pr? (r r r ) 8r p r 6 r cm r

34 Um secção trnsversl de um cone circulr de 0 cm de ltur dist cm d bse e tem áre igul p cm. etermine o volume do tronco limitdo por esse plno. 70 p cm 9 cm π cm T p? (R R? r r ) 0 p 6 6 ( ) 9 p p R 6 8 p p R cm b p pr r cm p 70p T? 6 cm ( 6 ) 9 Os rios ds bses de um tronco de cone são 0 cm e cm. Qul o rio do cone de mesm ltur e de mesmo volume do tronco de cone? 9 cm 0 R T p? (R R? r r ) c pr? T c p? (R R? r r ) pr? 0 0 R R 9 cm (Fuvest-P) s bses de um tronco de cone circulr reto são círculos de rios cm e 6 cm. bendo que áre lterl do tronco é igul à som ds áres ds bses, clcule: ) ltur do tronco de cone cm b) o volume do tronco de cone 8p cm r R g r cm R 6 cm, b pg? (R r) pr pr g? ( 6) 6 g cm ) g (R r) 9 6 cm b) T p? (R R? r r ) T p? (6 6? ) 8p cm 6

35 (Mckenzie-P) Um xícr de cá tem form de um tronco de cone reto, conforme figur. 8 cm 6 cm upondo p, o volume máximo de líquido que el pode conter é: ) 68 cm c) 66 cm e) 6 cm b) 7 cm d) 76 cm R cm; r cm; 6 cm T p? (R R? r r ) 6 T p? (? ) 68 cm cm 6 (Unicmp-P) Um bjur de tecido tem form de um tronco de cone reto, com bses prlels. s berturs do bjur têm cm e 0 cm de diâmetro, e gertriz do tronco de cone mede 0 cm. O tecido do bjur se rsgou e desej-se substituí-lo. ) etermine os rios dos rcos que devem ser demrcdos sobre um novo tecido pr que se poss cortr um revestimento igul àquele que foi dnificdo. 0 cm e 60 cm b) lcule áre d região ser demrcd sobre o tecido que revestirá o bjur. p cm g O r G 0 R ) Os rios que devem ser demrcdos sobre o tecido são o do cone mior, G, e o do cone menor, g. Os triângulos O e são semelntes, logo: g g r g 0 cm G 60 cm G R g 0 b) T pg9? (R r) 0p? ( ) p cm 7

36 7 (FG-P) Um tronco de cone circulr reto foi dividido em qutro prtes iguis idêntics por plnos perpendiculres entre si e perpendiculres o plno d su bse, como indic figur. vist superior de do tronco cm 6 cm e ltur do tronco é 0 cm, medid de su gertriz, em centímetro, é igul : ) 0 c) 0 e) 0 b) 0 d) 6 6 R 0 g r álculo dos rios do tronco: r r r cm R R 6 R cm g 0 (R r) ( ) g 0 00 g 0 cm p. 6 8 Qul o volume de um bol de futebol cujo diâmetro é 0 cm? pr R 0 cm 000p p0 cm 000p cm 9 etermine o volume de um esfer circunscrit um cubo de rest cm. p cm O rio d esfer é metde d digonl do cubo. R R p p? p??? 8 p cm 8

37 60 áre de um superfície esféric é 00p cm. etermine seu volume. pr 00p R cm pr p 00p cm 00 p cm 6 Um bol mciç de mdeir tem rio cm, e um outr bol tmbém mciç tem diâmetro vezes mior que o diâmetro d primeir. Qul rzão entre os volumes ds bols? v v r p p pr p? (? ) p v v p? 6 (UFRG) No deseno bixo, em cd um dos vértices do cubo está centrd um esfer cuj medid do diâmetro é igul à medid d rest do cubo. rzão entre o volume d porção do cubo ocupdo pels esfers e o volume do cubo é: ) p p p c) e) 6 b) p p d) d esfer ocup 8 de seu volume no cubo. omo o cubo possui 8 vértices, temos: R e p. rest do cubo é R, portnto: c (R). R p e p 8R 6 c 9

38 6 (UFPel-R) O jogo de bocs foi trzido pr o Rio Grnde do ul provvelmente pelos itlinos e não é muito ntigo em nosso estdo, porém de profund ceitção em tods s regiões. No ul, s cncs mis comuns possuem pisos de terr btid ou mdeir, presentndo dimensões de m de comprimento e m de lrgur. d bol desse jogo possui diâmetro de 0 cm. prtir do texto e de seus conecimentos, e considerndo p,, determine: ) áre d superfície esféric correspondente um bol de boc; cm b) o volume d esfer que corresponde um bol de boc;, cm c) o mior número de bols de boc que se pode gurdr em um cix de mdeir em form de prlelepípedo retângulo de dimensões interns cm, 0 cm e 0 cm. bols R cm ) pr p 00p cm b) p R pr, cm c) endo o diâmetro de cd bol 0 cm, podemos colocr bols em cm, bols em 0 cm e bols em 0 cm. Portnto:?? bols n cix. 6 (Unifesp-P) Um inseto vi se deslocr sobre um superfície esféric de rio 0 cm, desde um ponto té um ponto, dimetrlmente opostos, conforme figur. O menor trjeto possível que o inseto pode percorrer tem comprimento igul : ) p m c) p m e) p m O b) p m d) p m O menor trjeto é metde d circunferênci do círculo máximo d esfer.? pr 0p 0p cm 0,0p m 6 (Mckenzie-P) Um recipiente cilíndrico reto, com rio d bse igul cm, contém águ té metde de su ltur. Um esfer mciç, colocd no seu interior, fic totlmente submers, elevndo ltur d águ em cm. O rio d esfer é: ) c) e) b) d) O volume d esfer é igul o volume de águ deslocdo. c pr? 6p? p R R R e p p 60

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

M1 - Geometria Métrica Plana

M1 - Geometria Métrica Plana M - Geometri Métric Pln (UL-P) Tome um folh de ppel em form de qudrdo de ldo igul cm e nomeie os seus vértices,,,, conforme figur. seguir, dobre-, de mneir que o vértice fique sobre o ldo (figur ). ej

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

1 Áreas de figuras planas

1 Áreas de figuras planas Nome: n o : Ensino: Médio érie: ª. Turm: Dt: Professor: Mário esumo 1 Áres de figurs plns 1.1 etângulo h. h 1. Qudrdo 1. Prlelogrmo h. h 1.4 Trpézio h B h B 1.5 Losngo d Dd. D 1.6 Triângulos 1.6.1 Triângulo

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVET VETIBULAR 00 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. Q-7 Um utomóvel, modelo flex, consome litros de gsolin pr percorrer 7km. Qundo se opt pelo uso do álcool, o utomóvel consome 7 litros

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M.

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 Eercícios Introdutórios Eercício 10. Três ilhs

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Luiz Daniel (31) 2106-1750

Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Luiz Daniel (31) 2106-1750 Lista de exercícios de Geometria Espacial PRISMAS 1) Calcular a medida da diagonal de um paralelepípedo retângulo de dimensões 10 cm, 8 cm e 6 cm 10 2 cm 2) Determine a capacidade em dm 3 de um paralelepípedo

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB.

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB. MÚLTIPL ESCOLH NOTÇÕES C : conjunto dos números compleos. Q : conjunto dos números rcionis. R : conjunto dos números reis. Z : conjunto dos números inteiros. N {0,,,,...}. N* {,,,...}. : conjunto vzio.

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito ns melhores fculddes IBMEC 03/junho/007 ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA DISCUSIVA 01. O dministrdor de um boliche pretende umentr os gnhos com sus pists. Atulmente, cobr $ 6,00 por um hor

Leia mais

Matemática. Prova: 05/08/12. Questão 1. Questão 2. Considere os seguintes conjuntos numéricos,,,, = e considere também os seguintes conjuntos:

Matemática. Prova: 05/08/12. Questão 1. Questão 2. Considere os seguintes conjuntos numéricos,,,, = e considere também os seguintes conjuntos: Prov: 05/08/ Mtemátic Questão Considere os seguintes conjuntos numéricos,,,, = e considere tmbém os seguintes conjuntos: A= ( ) ( ) B= ( ) D= ( ) ( ) Ds lterntivs bixo, que present elementos que pertencem

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA DEZESSETE: GEOMETRIA BÁSICA

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA DEZESSETE: GEOMETRIA BÁSICA 1 Olá, migos! UL DEZESSETE: GEOMETRI ÁSI Novmente pedimos desculps por não ter sido possível presentrmos est ul 17 n semn pssd. Dremos hoje início um novo ssunto: GEOMETRI! omo de prxe, presentremos muits

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada MATEMÁTICA b Sbe-se que o qudrdo de um número nturl k é mior do que o seu triplo e que o quíntuplo desse número k é mior do que o seu qudrdo. Dess form, k k vle: ) 0 b) c) 6 d) 0 e) 8 k k k < 0 ou k >

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I Aprimorndo os Conhecimentos de Mecânic List 7 Grndezs Cinemátics I 1. (PUCCAMP-98) Num birro, onde todos os qurteirões são qudrdos e s rus prlels distm 100m um d outr, um trnseunte fz o percurso de P Q

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

PRISMAS Prisma é um poliedro com duas bases paralelas formadas por polígonos iguais e faces laterais que são paralelogramos.

PRISMAS Prisma é um poliedro com duas bases paralelas formadas por polígonos iguais e faces laterais que são paralelogramos. GEOMETRIA ESPACIAL Geometria Espacial é o estudo da geometria no espaço tridimensional (as 3 dimensões são: largura, comprimento e profundidade). Essas figuras recebem o nome de sólidos geométricos ou

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO

PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO PROVA DE MATEMÁTICA - TURMAS DO o ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - MARÇO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES ADRIANO CARIBÉ E WALTER PORTO. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC SC)

Leia mais

Matemática Fascículo 02 Manoel Benedito Rodrigues

Matemática Fascículo 02 Manoel Benedito Rodrigues Mtemáti Fsíulo 0 Mnoel Benedito odrigues Índie Geometri Pln esumo Teório...1 Eeríios... Dis...5 esoluções...6 Geometri Pln esumo Teório Prinipis Fórmuls Lei dos Senos sen sen sen Lei dos Cossenos = + os

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA

PRESSÕES LATERAIS DE TERRA Estdo de equilíbrio plástico de Rnkine Pressões lteris de terr (empuxos de terr) f(deslocmentos e deformções d mss de solo) f(pressões plicds) problem indetermindo. É necessário estudr o solo no estdo

Leia mais

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais.

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais. EXPOENTE 2 3 = 8 RESULTADO BASE Podeos entender potencição coo u ultiplicção de ftores iguis. A Bse será o ftor que se repetirá O expoente indic qunts vezes bse vi ser ultiplicd por el es. 2 5 = 2. 2.

Leia mais

Jarra e copo com água. Os dois recipientes contêm quantidades iguais do líquido.

Jarra e copo com água. Os dois recipientes contêm quantidades iguais do líquido. Dott/ID/BR Jrr e copo com águ. Os dois recipientes contêm quntiddes iguis do líquido. XI P_VJ_M9_LA_GOV_C09_190A213.indd 190 3/24/12 5:40 PM 9 Cpítulo Áres e volumes O que você vi prender # Áre de figurs

Leia mais

TRIGONOMETRIA/GEOMETRIA 1 Arcos e ângulos

TRIGONOMETRIA/GEOMETRIA 1 Arcos e ângulos Nome: n o : Ensino: Médio érie: ª. Turm: Dt: rofessor: Márcio esumo TIGNMETI/GEMETI rcos e ângulos. Elementos: C: centro d circunferênci CB = C = : rio d circunferênci CB ˆ : ângulo centrl B : rco. Medid

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

SÓLIDOS GEOMÉTRICOS. da - 2. Sólidos de. geométricos. Rodrigo. Roberto. Tetraedro (4) Hexaedro (6) Octaedro (8) Dudecaedro (12) Icosaedro (20)

SÓLIDOS GEOMÉTRICOS. da - 2. Sólidos de. geométricos. Rodrigo. Roberto. Tetraedro (4) Hexaedro (6) Octaedro (8) Dudecaedro (12) Icosaedro (20) Sólidos Geométricos Poliedros Sólidos de Revolução SÓLIOS GEOMÉTRICOS Regulares Irregulares Cone Cilindro Tetraedro (4) Hexaedro (6) Octaedro (8) udecaedro (12) Icosaedro (20) Prisma Pirâmide Reto Oblíquo

Leia mais

Unidade 2 Geometria: ângulos

Unidade 2 Geometria: ângulos Sugestões de tividdes Unidde 2 Geometri: ângulos 7 MTEMÁTIC 1 Mtemátic 1. Respond às questões: 5. Considere os ângulos indicdos ns rets ) Qul é medid do ângulo correspondente à metde de um ân- concorrentes.

Leia mais

CAP/UERJ 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO PROF. ILYDIO SÁ

CAP/UERJ 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO PROF. ILYDIO SÁ CP/URJ ª SÉRI DO NSINO MÉDIO PROF. ILYDIO SÁ 1 LUNO () : Nº GOMTRI SPCIL PRISMS XRCÍCIOS 01) Qual o volume de um cubo de área 54 cm? 0) diagonal de uma face de um cubo tem medida 5 cm. Qual a área do cubo?

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2 LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestiulres ) UFBA 9 Considere s mtries A e B Sendo-se que X é um mtri simétri e que AX B, determine -, sendo Y ( ij) X - R) ) UFBA 9 Dds s mtries A d Pode-se firmr: () se

Leia mais

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2.

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2. Reforço Orientdo Mtemátic Ensino Médio Aul - Potencição Nome: série: Turm: Exercícios de sl ) Clcule s potêncis, em cd qudro: r) b) (-) Qudro A s) t) (0,) Qudro B - b) (-) - e) (-,) g) (-) h) e) (0,) -

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

Algumas Demonstrações Geométricas

Algumas Demonstrações Geométricas Algums Demonstrções Geométrics Mtemátic A 10º Ano Tem I Nos novos progrms, d Mtemátic A refere- se que: No ensino secundário, o estudnte deverá ser solicitdo frequentemente justificr processos de resolução,

Leia mais

... ... a. Anexo I - Tabela de Tolerâncias Dimensionais e de Montagem de Elementos Pré-Fabricados. Identificação: A1.N2 Revisão: 03 Folha: 3 / 5

... ... a. Anexo I - Tabela de Tolerâncias Dimensionais e de Montagem de Elementos Pré-Fabricados. Identificação: A1.N2 Revisão: 03 Folha: 3 / 5 Identificção: A1.N2 Revisão: 03 Folh: 1 / 5 Função do Elemento Pinéis Arquitetônicos (item b1 do requisito Pilres, Vis, Pórticos, Terçs e Escds (itens b2, b3 e b4 do requisito Ljes Armds ou Protendids

Leia mais

Preparação para a Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Olá, Matemática! 6.º Ano

Preparação para a Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Olá, Matemática! 6.º Ano Geometria Sólidos geométricos e volumes Prisma, pirâmide, cilindro, cone e esfera Planificação e construção de modelos de sólidos geométricos Volume do cubo, do paralelepípedo e do cilindro Unidades de

Leia mais

Geometria Espacial - Troncos

Geometria Espacial - Troncos Geometria Espacial - Troncos ) (SpeedSoft) ) (Fuvest) A altura de um cone circular reto é H. Seja α um plano que é paralelo à base e que divide o cone em dois sólidos de mesmo volume. Calcule a distância

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO Simplificado

RACIOCÍNIO LÓGICO Simplificado Sérgio Crvlho Weer Cmpos RACIOCÍNIO LÓGICO Simplificdo Volume ª edição Revist, tulizd e mplid Mteril Complementr PRINCIPAIS CONCEITOS E FÓRMULAS DO LIVRO RACIOCÍNIO SIMPLIFICADO - Vol. www.editorjuspodivm.com.r

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

(c) 600 dólares. (e) 60 mil dólares.

(c) 600 dólares. (e) 60 mil dólares. Vestibulr Insper 2014 1 B Análise Quntittiv e Lógic 1. De cordo com estimtiv do Fundo Monetário Interncionl, o Produto Interno Bruto (PIB) d Chin em 2012 foi de 8 trilhões e 227 bilhões de dólres. Considerndo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 16/06/12 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 16/06/12 PROFESSOR: MALTEZ RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 6/06/ PROFESSOR: MALTEZ Uma pirâmide quadrangular regular possui área da base igual a 6 e altura igual a. A área total da pirâmide é igual

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples Uiversidde Federl do Prá UFPR Setor de Ciêcis Exts / Deprtmeto de Iformátic DIf Discipli: Algoritmos e Estrutur de Ddos I CI055 Professor: Dvid Meotti (meottid@gmil.com) List de Exercícios 0 Algoritmos

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

Esfera e Sólidos Redondos Área da Esfera. Volume da Esfera

Esfera e Sólidos Redondos Área da Esfera. Volume da Esfera Aula n ọ 04 Esfera e Sólidos Redondos Área da Esfera A área de uma esfera é a medida de sua superfície. Podemos dizer que sua área é igual a quatro vezes a área de um círculo máximo, ou seja: eixo R O

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

m 2 m 1 V o d) 7 m/s 2 e) 8 m/s 2 m 1

m 2 m 1 V o d) 7 m/s 2 e) 8 m/s 2 m 1 Prof Questão 1 Um homem em um lnch deve sir do ponto A o ponto B, que se encontr n mrgem opost do rio. A distânci BC é igul = 30 m. A lrgur do rio AC é igul b = 40 m. Com que velocidde mínim u, reltiv

Leia mais

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa Físic 1 - Cpítulo 3 Movimento Uniformemente Vrido (m.u.v.) Acelerção Esclr Médi v 1 v 2 Movimento Vrido: é o que tem vrições no vlor d velocidde. Uniddes de celerção: m/s 2 ; cm/s 2 ; km/h 2 1 2 Acelerção

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIDADE ESCOLAR HUMAITÁ II. Notas de aula de Matemática. 3º ano/ensino Médio. Prof.

COLÉGIO PEDRO II DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIDADE ESCOLAR HUMAITÁ II. Notas de aula de Matemática. 3º ano/ensino Médio. Prof. COLÉGIO PEDRO II DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIDADE ESCOLAR HUMAITÁ II Notas de aula de Matemática 3º ano/ensino Médio Prof. Andrezinho NOÇÕES DE GEOMETRIA ESPACIAL Notas de aula de Matemática Prof. André

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

CPV conquista 70% das vagas do ibmec (junho/2007)

CPV conquista 70% das vagas do ibmec (junho/2007) conquist 70% ds vgs do ibmec (junho/007) IBME 08/Junho /008 NÁLISE QUNTITTIV E LÓGI DISURSIV 0. Num lv-rápido de crros trblhm três funcionários. tbel bio mostr qunto tempo cd um deles lev sozinho pr lvr

Leia mais

MATEMÁTICA PARA CONCURSOS II

MATEMÁTICA PARA CONCURSOS II 1 MATEMÁTICA PARA CONCURSOS II Fonte: http://www.migmeg.com.br/ MÓDULO II Estudaremos neste módulo geometria espacial e volume dos principais sólidos geométricos. Mas antes de começar a aula, segue uma

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES / MATEMÁTICA TECNOLOGIAS

CADERNO DE ATIVIDADES / MATEMÁTICA TECNOLOGIAS VSTIULR VILS 0. alcule x na figura: x + 0º x + 0º RNO TIVIS / MTMÁTI TNOLOGIS 0. Na figura, é o lado de um quadrado inscrito e é o lado do decágono regular. Qual a medida de x? x 0. Na figura a seguir,

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Disciplina: Matemática Aplicada

Centro Federal de Educação Tecnológica Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Disciplina: Matemática Aplicada Centro Federal de Educação Tecnológica Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Disciplina: Matemática Aplicada MATEMÁTICA APLICADA 1. SISTEMA ANGULAR INTERNACIONAL...2 2.

Leia mais

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica

Capítulo 5 Vigas sobre base elástica Cpítuo 5 Vigs sobre bse eástic Este cpítuo vi presentr s bses pr o estudo estático e eástico d fexão simpes de vigs suportds diretmente peo terreno (ue constitui, então, num poio eástico contínuo pr ests

Leia mais

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge.

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge. Matemática 2 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um paralelepípedo retângulo acoplado a um prisma triangular. 1,6m 1m 1,4m Calcule o volume da estrutura, em dm 3, e indique

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA [Digite teto] CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA BELO HORIZONTE MG [Digite teto] CONJUNTOS NÚMERICOS. Conjunto dos números nturis Ν é o conjunto de todos os números contáveis. N { 0,,,,,, K}. Conjunto dos números

Leia mais

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura)

N Questões - Flexão QUESTÕES DE PROVAS E TESTES (Flexão Pura) QUESTÕES DE ROVS E TESTES (Flexão ur) (1) Estudo Dirigido 04-02 r cd um ds vigs esquemtizds bixo, com s respectivs seções trnsversis mostrds o ldo, pede-se: ) Trçr o digrm de forçs cortntes, ssinlndo os

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Geometria Métrica Plana

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Geometria Métrica Plana Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Métrica Plana p. 0 Na figura a seguir tem-se r // s // t e y. diferença y é igual a: a) c) 6 e) b) d) 0 8 ( I) y 6 y (II) plicando a propriedade

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%) Distribuição das.08 Questões do I T A 9 (8,97%) 0 (9,9%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais (, 0 (9,6%) Geo. Analítica Conjuntos (,96%) Geo. Espacial Funções Binômio de Newton

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras:

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras: Resolução ds tiiddes copleentres Físic F4 Vetores: conceitos e definições p. 8 1 Obsere os etores ds figurs: 45 c 45 b d Se 5 10 c, b 5 9 c, c 5 1 c e d 5 8 c, clcule o ódulo do etor R e cd cso: ) R 5

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia Universidde Federl d Bhi Instituto de Mtemátic DISCIPLINA: MATA0 - CÁLCULO B UNIDADE II - LISTA DE EXERCÍCIOS Atulizd 008. Coordends Polres [1] Ddos os pontos P 1 (, 5π ), P (, 0 ), P ( 1, π ), P 4(, 15

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M2 Trigonometria nos Triângulos

Matemática. Resolução das atividades complementares. M2 Trigonometria nos Triângulos Resolução das atividades complementares Matemática M Trigonometria nos Triângulos p. 1 Em cada caso, calcule o seno, o cosseno e a tangente do ângulo agudo assinalado. a) b) sen γ = cos γ = tg γ 1 sen

Leia mais

Geometria Espacial Elementos de Geometria Espacial Prof. Fabiano

Geometria Espacial Elementos de Geometria Espacial Prof. Fabiano Geometria Espacial Elementos de Geometria Espacial Prof. Fabiano A Geometria espacial (euclidiana) funciona como uma ampliação da Geometria plana (euclidiana) e trata dos métodos apropriados para o estudo

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

ÁREAS. 01 (UFMG) Um terreno tem a forma da figura abaixo. Se AB AD, BC CD, AB = 10 m, BC = 70 m, CD = 40 m e AD = 80 m, então a área do terreno é

ÁREAS. 01 (UFMG) Um terreno tem a forma da figura abaixo. Se AB AD, BC CD, AB = 10 m, BC = 70 m, CD = 40 m e AD = 80 m, então a área do terreno é ÁRES 01 (UFMG) Um terreno tem a forma da figura abaixo. Se,, = 10 m, = 70 m, = 40 m e = 80 m, então a área do terreno é a) 1 500 m b) 1 600 m c) 1 700 m d) 1 800 m 0 (FMMG) - Observe a figura. Nessa figura,

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

Geometria Métrica Espacial. Geometria Métrica Espacial

Geometria Métrica Espacial. Geometria Métrica Espacial UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA 1. Prismas Geometria Métrica

Leia mais

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos 21 e BIOLOGIA A btt-ingles (bttinh) é muito ric em mido. O órgão vegetl que rmzen ess substânci corresponde, e o mido é encontrdo nos, loclizdos no ds céluls. Os espços devem ser preenchidos, corret e

Leia mais