Introdução à Estatística

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução à Estatística"

Transcrição

1 Itrodução à Estatístca Júlo Cesar de C. Balero Estatístca É a cêca que se preocupa com: () Orgazação; () Descrção; () Aálses; (v) Iterpretações. Estatístca Descrtva Estatístca Idutva ou Estatístca Ierecal Itrodução à Estatístca

2 Algus Cocetos População É o cojuto de elemetos com pelo meos uma característca em comum. Esta característca comum deve delmtar claramete quas os elemetos que pertecem à população e quas os elemetos que ão pertecem. Amostra É um subcojuto de uma população, ode todos os seus elemetos serão examados para eeto da realzação do estudo estatístco desejado. Algus Cocetos OBJETIVO DA ESTATÍSTICA: trar coclusões sobre populações com base os resultados observados em amostras extraídas dessas populações. Varável É a característca dos elemetos da amostra que os teressa averguar estatstcamete. Ex.: varável Idade - se houver elemetos scamete cosderados o estudo, esses elemetos orecerão valores da varável dade, os quas serão tratados coveetemete pela Estatístca Descrtva e/ou pela Estatístca Ierecal. Itrodução à Estatístca

3 Tpos de Varáves As varáves de teresse podem ser classcadas em: () Qualtatvas > quado resultar de uma classcação por tpos ou atrbutos. () Quattatvas > quado seus valores orem expressos em úmeros. Podem ser subdvddas: (a) Dscretas; (b) Cotíuas. 5 Tpos de Varáves (a) Varáves Quattatvas Dscretas Assumem apeas valores pertecetes a um cojuto eumerável. São obtdos medate alguma orma de cotagem. Exemplos de Dscretas: População: Ovos da raça Sata Iês da ASCCO; Varável: úmero de corderos ao parto (, ou ). População: Bovos Nelore da Agro-pecuára CFM Ltda. Varável: Escores de Musculosdade (,,, ou 5). População: Bovos Nelore da Agro-pecuára CFM Ltda. Varável: Prehez aos meses de dade (0 ou ). 6 Itrodução à Estatístca

4 Tpos de Varáves (b) Varáves Quattatvas Cotíuas São aquelas, teorcamete, que podem assumr qualquer valor em um certo tervalo de varação. Resultam, em geral, de uma medção, sedo reqüetemete expressos em alguma udade. Exemplos de Cotíuas: População: Bovos Nelore da Agro-pecuára CFM Ltda. Varável: PN (8,0; 8,5; 0,;,58) População: Bovos Nelore da Agro-pecuára CFM Ltda. Varável: Peso aos 8 meses, em g (50,0 até 5,0 g) 7 Característcas Numércas de uma Dstrbução de Dados Júlo Cesar de C. Balero 8 Itrodução à Estatístca

5 Itrodução As vezes é ecessáro resumr certas característcas das dstrbuções de dados (ou mesmo de reqüêcas dados) por meo de certas quatdades. Tas quatdades são usualmete deomadas de MEDIDAS, por quatcarem algus aspectos de osso teresse. Nosso objetvo é apresetar algumas das chamadas MEDIDAS DE POSIÇÃO, bem como, algumas MEDIDAS DE DISPERSÃO, cosderadas mas mportates o campo da aplcabldade prátca do osso da a da. Tas meddas servem para: (a) Localzar uma dstrbução; (b) Caracterzar sua varabldade. 9 Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) Servem para localzar a dstrbução dos dados brutos (ou das reqüêcas) sobre o exo de varação da varável em questão. Veremos os três tpos prcpas de meddas de posção: (a) Méda Artmétca; (b) Medaa; (c) Moda. 0 Itrodução à Estatístca 5

6 Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) > Méda (Artmétca) A otação teracoal recomeda símbolos especícos para a Méda: (a) AMOSTRA: Cojuto de Dados > x ˆ mˆ µ Tabelas de Freqüêca > x ˆ µ mˆ p ' Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) Méda (Artmétca) (b) POPULAÇÃO: Cojuto de Dados > µ m Tabela de Freqüêca > µ m p ' Itrodução à Estatístca 6

7 Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) Exemplo : 50 determações do tempo (em segudos) gasto por um ucoáro x ˆ µ mˆ 5,5 50 Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) Propredades da Méda (a) Multplcado todos os valores de uma varável por uma costate, a méda do cojuto ca multplcada por essa costate. (b) Somado-se ou subtrado-se uma costate a todos os valores da varável, a méda do cojuto ca acrescda ou subtraída dessa costate. Itrodução à Estatístca 7

8 Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) Medaa > A medaa é uma quatdade que, como a méda, também caracterza o cetro de uma dstrbução pertecete a um cojuto de dados. (a) AMOSTRA: (b) POPULAÇÃO: mˆ d md 5 Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) Cojuto de Dados: Para obteção da estmatva de medaa de um cojuto de dados são ecessáros os segutes passos: º Passo: Ordear de orma crescete os valores da varável em questão; º Passo: () Sedo ímpar, a medaa será gual ao valor de ordem ( +) ; () Sedo par, a medaa será o valor médo etre os valores de ordem e. + 6 Itrodução à Estatístca 8

9 Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) Medaa Tabelas de Freqüêca > ( /) Fa md ˆ L + h md md L lmte eror da classe que cotém a medaa; úmeros de elemetos do cojuto da dados; F a soma das reqüêcas das classes aterores que cotém a medaa; md reqüêca da classe que cotém a medaa; h md ampltude da classe que cotém a medaa. 7 Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) Medaa Exemplo : 50 determações do tempo (em segudos) gasto por um ucoáro 68 ( / ) F md ˆ L + md a h md L 9,5; 50; F a ; md 6; h md 5. 8 Itrodução à Estatístca 9

10 Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) Medaa Exemplo : 50 determações do tempo (em segudos) gasto por um ucoáro L 9,5; 50; F a ; md 6; h md 5. md ˆ L + ( / ) F md a h md (50 / ) md ˆ 9, , Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) Moda > A moda (ou modas) de um cojuto de valores é deda como o valor (ou valores) de máxma reqüêca. > É uma quatdade que, como a méda, também caracterza o cetro de uma dstrbução, dcado a regão das máxmas reqüêcas. (a) AMOSTRA: mˆ (b) POPULAÇÃO: O mo 0 Itrodução à Estatístca 0

11 Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) Moda Tabelas de Freqüêca > mˆ o L d + d + d h L lmte eror da classe modal; d dereça etre a classe modal e a da classe medatamete ateror; d dereça etre a classe modal e a da classe medatamete segute; h ampltude das classes. Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) Moda Exemplo : 50 determações do tempo (em segudos) gasto por um ucoáro 68 mˆ o d L + d + d h L 9,5; d 6 8 8; d 6 ; h 5. Itrodução à Estatístca

12 Meddas de Posção (ou de Tedêca Cetral) Moda Exemplo : 50 determações do tempo (em segudos) gasto por um ucoáro L 9,5; d 6 8 8; d 6 ; h 5. mˆ o L d + d + d h 8 ˆ 9, ,8 8 + m o Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) A ormação orecda pelas Meddas de Posção em geral ecesstam de ser complemetas pelas Meddas de Dspersão. As Meddas de Dspersão servem para dcar o quato os dados se apresetam dspersos em toro da regão cetral. Portato caracterzam o grau de varação exstete em um cojuto de valores. As Meddas de Dspersão que mas os teressam são: (a) Ampltude; (b) Varâca; (c) Desvo Padrão; (d) Coecete de Varação. Itrodução à Estatístca

13 Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) > Ampltude A ampltude, já mecoada, é deda como a dereça etre o maor e o meor valores do cojuto de dados. (a) AMOSTRA: Rˆ MA MIN (b) POPULAÇÃO: R MA MIN > > Vatagem e Desvatagem. Salvo aplcações de Cotrole de Qualdade, a ampltude ão é muto utlzada como Medda de Dspersão. 5 Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) Varâca > A varâca é deda como a méda dos quadrados das dereças etre os valores em relação a sua própra méda. (a) AMOSTRA: (b) POPULAÇÃO: > Em se tratado de Amostra: Cojuto de Dados > Tabela de Freqüêca > S S S ( ) σ σ ( ) σ σ σ ( ) σ S ( ) S ( ) ˆ ( S S ˆ ) N ( ) N ˆ 6 Itrodução à Estatístca

14 Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) Varâca > OBS: Em se tratado de População: ( ) Cojuto de Dados > σ σ ( ) σ N ( ) Tabela de Freqüêca > σ σ ( ) σ N () A varâca calculada para dados agrupados deverá ser superestmada em relação à varâca exata dos N dados orgas. 7 Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) Varâca Exemplo: Executar o cálculo da varâca de um cojuto pequeo de dados, ormado pelos valores segute: {5,, 0, 7, 6} É ácl ver que: x ˆ µ mˆ N ( ) Logo: S ( ) S N Poderemos motar a segute Tabela Auxlar os cálculos: 8 Itrodução à Estatístca

15 Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) Varâca Exemplo: Cálculo da varâca de um cojuto pequeo de dados: {5,, 0, 7, 6} S ( ) S ( ) N S ( ) S 8,5 Nota-se que as expressões apresetadas ão são as mas apropradas para o cálculo da varâca, pos a méda é quase sempre um valor racoáro, o que vra a dcultar o cálculo dos desvos ( ). 9 Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) Varâca Note que o umerador pode ser trabalhado: S ( ) ( ) ( + ) + N + N N N ( ) ( ) + N N ( ) ( ) N S ( ) 0 Itrodução à Estatístca 5

16 Itrodução à Estatístca 6 Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) Varâca Assm, para um cojuto com N dados: ) ( ) ( N N N S S Da mesma orma, para dados agrupados em Tabela de reqüêca, teremos: ) ( ) ( N N N S S Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) Varâca ( ) 6, ) ( N N S S Exemplo: 50 determações do tempo (em segudos) gasto por um ucoáro 68

17 Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) Propredades da Varâca (a) Multplcado-se todos os valores de uma varável por uma costate, a varâca do cojuto ca multplcada pelo quadrado dessa costate. (b) Somado-se ou subtrado-se uma costate a todos os valores de uma varável, a varâca ão se altera. OBS: () A varâca é uma medda de dspersão mportate a teora estatístca; () Do poto de vsta prátco, ela tem o coveete de se expressar em udade quadrátca em relação a varável em questão. Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) > Desvo Padrão Demos desvo padrão como a raz quadrada postva da varâca. > O cálculo do desvo padrão é eto por meo da varâca. (a) AMOSTRA: S S S ( ) ˆ σ ˆ σ ( ) ˆ σ (b) POPULAÇÃO: σ σ ( ) σ > Em se tratado de Amostra: S + ( ) S S Itrodução à Estatístca 7

18 Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) OBS: Desvo Padrão () O desvo padrão se expressa a mesma udade da varável, sedo por sso, de maor teresse que a varâca as aplcações prátcas; () É mas realístco para eeto de comparação de dspersões. Exemplo: 50 determações do tempo (em segudos) gasto por um ucoáro S ( ) S N N S( ) S 6,7 6, (.75) 50 6,7 5 Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) > Coecete de Varação O coecete de varação é dedo como o quocete etre o desvo padrão e a méda, sedo requetemete expresso em porcetagem. (a) AMOSTRA: CV ^ ( ) CV ^ (b) POPULAÇÃO: CV ( ) CV > Em se tratado de Amostra: CV ^ ( ) CV ^ S 6 Itrodução à Estatístca 8

19 Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) Coecete de Varação Exemplo: 50 determações do tempo (em segudos) gasto por um ucoáro CV ^ ( ) CV ^ S ^ ^ S 6,79 CV ( ) CV 0,5,6% 5,5 7 Meddas de Dspersão (ou de Varabldade) OBS: Coecete de Varação () A vatagem é caracterzar a dspersão dos dados em termos relatvos ao seu valor médo; () Pequea dspersão absoluta pode ser, a verdade cosderável, quado comparada com a ordem de gradeza dos valores da varável. Quado cosderamos o CV, egaos de terpretações desse tpo ão ocorrem; () Além dsso, por ser admesoal, o CV orece uma maera de se compararem as dspersões de varáves cujas meddas são rredutíves. 8 Itrodução à Estatístca 9

20 Mometos de uma Dstrbução de Dados Júlo Cesar de C. Balero 9 Mometos de uma Dstrbução Algus cocetos Demos o mometo de ordem t de um cojuto de dados como: M t t Demos o mometo de ordem t cetrado em relação a uma costate a como: M a t ( a) t 0 Itrodução à Estatístca 0

21 Mometos de uma Dstrbução de Freqüêcas Algus cocetos Já vmos que temos teresse o caso de mometo cetrado em relação a méda, o qual desgaremos smplesmete por mometo cetrado, dado por: m t ( ) t Também sabemos que, os casos da méda e da varâca, as expressões podem ser reescrtas levado-se em cosderação Tabelas de reqüêcas dos deretes valores exstetes. Mometos de uma Dstrbução de Freqüêcas Algus cocetos Assm, para dados agrupados em Tabela de Freqüêca, teremos: M M m t a t ( t ) t t > Para mometo de ordem t t > Para mometo de ordem ( a) t cetrado em relação a uma costate a > Para mometo de ordem t cetrado em relação a uma costate méda Itrodução à Estatístca

22 Itrodução à Estatístca Mometos de uma Dstrbução de Freqüêcas Nos teressa partcularmete saber calcular os mometos cetrados de tercera e quarta ordem. Algus cocetos m t t ) ( m ) ( m ) ( Mometos de uma Dstrbução de Freqüêcas Havedo Tabelas de Freqüêcas com classes a cosderar, as expressões equvaletes são: Algus cocetos m t t ) ( m + 6 m +

23 Meddas de Assmetra Essas meddas procuram caracterzar como e quato a dstrbução dos Dados(ou reqüêcas) se aasta da codção de smetra. Dstrbuções alogadas a dreta são dtas Postvamete Assmétrcas. Dstrbuções alogadas a esquerda são dtas Negatvamete Assmétrcas. 5 Meddas de Assmetra O mometo cetrado de tercera ordem pode ser usado como medda de assmetra. Etretato é mas coveete a utlzação de uma medda admesoal, deda como Coecete de Assmetra, dado por: a m ( S ) 68 Assm basta cramos uma ova colua com. E utlzarmos mometo cetrado de ª ordem: m + 6 Itrodução à Estatístca

24 Meddas de Assmetra Desta orma, poderemos classcar o Coecete de Assmetra (a ) da segute orma: () Se a 0 a dstrbução é Smétrca; () Se a > 0 a dstrbução é Assmétrca à dreta (Assmetra Postva); () Se a < 0 a dstrbução é Assmétrca à Esquerda (Assmetra Negatva). Fote: Ferrera, D. F. Estatístca Básca. Ed. UFLA, p. 7 Meddas de Assmetra Outra medda de assmetra mas smples pode ser obtdo pelo Ídce de Assmetra de Pearso: mˆ 0 A S O Ídce de Assmetra de Pearso também pode ser aclmete classcado: A < 0,5 > Dstrbução pratcamete Smétrca; 0,5 < A <,0 > Dstrbução moderadamete Assmétrca; A >,0 > Dstrbução ortemete Assmétrca. 8 Itrodução à Estatístca

25 Meddas de Assmetra Exemplo: 50 determações do tempo (em segudos) gasto por um ucoáro.75 x ˆ µ mˆ 5,5 50 d mˆ o L + h d + d S 8 ˆ 9, ,8 8 + m o S N N 6,7 6,79 6,7 m ˆ 5,5 5,8 A 0 0,6 6,79 S 68 9 Meddas de Assmetra Exemplo: 50 determações do tempo (em segudos) gasto por um ucoáro m ˆ 5,5 5,8 A 0 0,6 6,79 S Pelo Ídce de Assmetra de Pearso essa dstrbução sera classcada como Moderadamete Assmétrca, pos 0,5 < A <,0. De ato sso ocorre, pos quado utlzados uma Técca de Descrção Gráca para Varáves Quattatvas Cotíuas, detectamos a Assmetra Moderada. 50 Itrodução à Estatístca 5

26 Meddas de Achatameto ou Essas meddas procuram caracterzar a orma da dstrbução quato ao seu achatameto. O termo médo de comparação é dado pela Dstrbução Normal, que é um modelo teórco de dstrbução a ser estudado o capítulo relacoado à Probabldades. Quato ao achatameto, podemos ter as segutes stuações: Platcúrtcas, Mesocúrtcas e Leptocúrtcas. 5 Meddas de Achatameto ou A caracterzação do achatameto de uma dstrbução só tem setdo, em termos prátcos, se a dstrbução or aproxmadamete Smétrca. Etre as possíves meddas de achatameto, destacamos o Coecete de. O Coecete de é obtdo pelo quocete do mometo cetrado de ª ordem pelo quadrado da varâca, ou seja: m a m ( S ) S 5 Itrodução à Estatístca 6

27 Meddas de Achatameto ou Trata-se de coecete admesoal, permtdo a sua classcação: a < a a >,0,0,0 > Dstrbução Platcúrtca; > Dstrbução Mesocúrtca; > Dstrbução Leptocúrtca. 5 Meddas de Achatameto ou Exemplo: 50 determações do tempo (em segudos) gasto por um ucoáro Assm, basta cramos duas ovas coluas com: e. 68 E utlzarmos mometo cetrado de ª ordem: m Itrodução à Estatístca 7

28 Meddas de Achatameto ou Exemplo: 50 determações do tempo (em segudos) gasto por um ucoáro a m ( S ) m S, > Dstrbução lgeramete Platcúrtca. 55 Meddas de Achatameto ou Outra medda de achatameto mas smples pode ser obtdo pelo Grau de, dado pelo coecete: Q é o º Quartl; Q é o º Quartl; P P em que, K é o 90º Percetl; é o 0º Percetl. Q Q ( P90 P0 ) 56 Itrodução à Estatístca 8

29 Meddas de Achatameto ou Quarts > dvdem um cojuto de dados em quatro partes guas. 0% 5% 50% 75% 00% em que, Q Q Q Q o º Quartl dexa 5% dos elemetos; Q Q o º Quartl dexa 50% dos elemetos e cocde com a Medaa; o º Quartl dexa 75% dos elemetos. 57 Meddas de Achatameto ou Fórmulas para cálculo de Q e Q para o caso de varáves quattatvas cotíuas (a) Determação de Q : () Calcula-se: N ; () Idetca-se a classe de Q pela F (req. acumulada); () Aplca-se a órmula: Q L Q ( / ) F + Q a h 58 Itrodução à Estatístca 9

30 Meddas de Achatameto ou Fórmulas para cálculo de Q e Q para o caso de varáves quattatvas cotíuas (cotuação) (b) Determação de Q : () Calcula-se: N () Idetca-se a classe de Q pela F (req. acumulada); () Aplca-se a órmula: Q L Q ( / ) F + Q a h 59 Meddas de Achatameto ou Exemplo: Dada a dstrbução, determar os Quarts (Q e Q ) e a medaa. Classes F Classe Q mˆ d Q Classe Classe ( / ) Fa ( / ) F ( / ) F a a Q LQ + h md ˆ L Q L h Q + + hmd Q md Q 60 Itrodução à Estatístca 0

31 Meddas de Achatameto ou Exemplo: Dada a dstrbução, determar os Quarts (Q e Q ) e a medaa. Classes F ; 56 Q.56 Q o o elemeto elemeto mˆ d 8o e 9o elemetos 6 Meddas de Achatameto ou Exemplo: Dada a dstrbução, determar os Quarts (Q e Q ) e a medaa. Classes F Q L Q Q L Q ( / ) F + Q ( / ) F md ˆ L + md a h ( / ) Fa + h Q a h md Para Q temos: L Q 7; 56 ; F a 6; h 0 Q 5 ; Paramˆ d temos: L 7 ; 56 ; F a ; h 0 ; md ˆ 0 Para Q temos: L Q 7; 56 ; F a ; h 0 0 ; Q 6 Itrodução à Estatístca

32 Meddas de Achatameto ou Exemplo: Dada a dstrbução, determar os Quarts (Q e Q ) e a medaa ( / ) Fa Q L + h 7 + Q.0, 5 Q 56 ( / ) Fa md ˆ L hmd.0 0,50 5 md.56 ( / ) Fa Q L + h 7+ Q.0 0 Q 8,00 6 Meddas de Achatameto ou Exemplo: Dada a dstrbução, determar os Quarts (Q e Q ) e a medaa. Q Q Q 5% 5% 5% 5% 7,00, 0,50 8, 00 57, 00 6 Itrodução à Estatístca

33 Meddas de Achatameto ou Decs > são os valores que dvdem um cojuto de dados em 0 partes guas. 0% 0% 0% 0% 0% 50% 60% 70% 80% 90% 00% D D D D D5 D6 D D 7 8 D9 D D em que, o º Decl dexa 0% dos elemetos; o º Decl dexa 0% dos elemetos; D 9 o 9º Decl dexa 90% dos elemetos. 65 Meddas de Achatameto ou Determação de um Decl D :.N () Calcula-se: em que,,..., 9; 0 () Idetca-se a classe de D pela F (req. acumulada); () Aplca-se a órmula: em que, (. N /0) Fa D L + h D L lmte eror da classe D ; tamaho da amostra; F a soma das reqüêcas das classes aterores a que D ; D reqüêca da classe D ; h ampltude da classe D. 66 Itrodução à Estatístca

34 Meddas de Achatameto ou Percets > são os valores que dvdem um cojuto de dados em 00 partes guas. 0% % % %... 50%... 97% 98% 99% 00% P P P... em que, P P P P99 P o º Percetl dexa % dos elemetos; P o º Percetl dexa % dos elemetos; P 99 o 99º Percetl dexa 99% dos elemetos. 67 Meddas de Achatameto ou Determação de um Percetl P :.N () Calcula-se: em que,,..., 98, 99; 00 () Idetca-se a classe de P pela F (req. acumulada); () Aplca-se a órmula: em que, (. N /00) F P L + P a h L lmte eror da classe P ; tamaho da amostra; F a soma das reqüêcas das classes aterores a que P ; P reqüêca da classe P ; h ampltude da classe D. 68 Itrodução à Estatístca

35 Meddas de Achatameto ou Exemplo: Dada a dstrbução, determar o Grau de (K). Q Q K Classes F ( P90 P0) Já tíhamos obtdos: Q, e Q 8, (. N /00) Fa P L + h Para P 0 temos: L 7 P 0 ; 56 ; F a 0; h 0 ; P0 6 Para P 90 temos: L 7 P 90 ; 56 ; F a ; h 0 ; P90 0 P 6, P 6, P 69 Meddas de Achatameto ou Exemplo: Dada a dstrbução, determar o Grau de (K). Classes F Q Q K ( P90 P0) Agora temos tudo: Q, e Q 8, 00 P0 6, e P 90 6, 0 K Q Q 8,00, ( P90 P0) (6,0 6,) 0, Itrodução à Estatístca 5

36 Meddas de Achatameto ou Assm o Grau de, de ser classcado da segute orma: Q Q K ( P90 P0 ) K 0,6 > Dstrbução de reqüêca Mesocúrtca; K > 0,6 > Dstrbução de reqüêca Platcúrtca; K < 0,6 > Dstrbução de reqüêca Leptocúrtca. 7 Itrodução à Estatístca 6

MÓDULO 8 REVISÃO REVISÃO MÓDULO 1

MÓDULO 8 REVISÃO REVISÃO MÓDULO 1 MÓDULO 8 REVISÃO REVISÃO MÓDULO A Estatístca é uma técca que egloba os métodos cetícos para a coleta, orgazação, apresetação, tratameto e aálse de dados. O objetvo da Estatístca é azer com que dados dspersos

Leia mais

Estatística - exestatmeddisper.doc 25/02/09

Estatística - exestatmeddisper.doc 25/02/09 Estatístca - exestatmeddsper.doc 5/0/09 Meddas de Dspersão Itrodução ão meddas estatístcas utlzadas para avalar o grau de varabldade, ou dspersão, dos valores em toro da méda. ervem para medr a represetatvdade

Leia mais

Estatística Descritiva. Medidas estatísticas: Localização, Dispersão

Estatística Descritiva. Medidas estatísticas: Localização, Dispersão Estatístca Descrtva Meddas estatístcas: Localzação, Dspersão Meddas estatístcas Localzação Dspersão Meddas estatístcas - localzação Méda artmétca Dados ão agrupados x x Dados dscretos agrupados x f r x

Leia mais

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados

CAPÍTULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE PPGEP Medidas de Tendência Central Média Aritmética para Dados Agrupados 3.1. Meddas de Tedêca Cetral CAPÍTULO 3 MEDIDA DE TENDÊNCIA CENTRAL E VARIABILIDADE UFRG 1 Há váras meddas de tedêca cetral. Etre elas ctamos a méda artmétca, a medaa, a méda harmôca, etc. Cada uma dessas

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12 MEDIDAS DE POSIÇÃO: São meddas que possbltam represetar resumdamete um cojuto de dados relatvos à observação de um determado feômeo, pos oretam quato à posção da dstrbução o exo dos, permtdo a comparação

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Faculdade de Tecologa de Cataduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL 5. Meddas de Posção cetral ou Meddas de Tedêca Cetral Meddas de posção cetral preocupam-se com a caracterzação e a

Leia mais

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística

Média. Mediana. Ponto Médio. Moda. Itabira MEDIDAS DE CENTRO. Prof. Msc. Emerson José de Paiva 1 BAC011 - ESTATÍSTICA. BAC Estatística BAC 0 - Estatístca Uversdade Federal de Itajubá - Campus Itabra BAC0 - ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA MEDIDAS DE CENTRO Méda Medda de cetro ecotrada pela somatóra de todos os valores de um cojuto,

Leia mais

Revisão de Estatística X = X n

Revisão de Estatística X = X n Revsão de Estatístca MÉDIA É medda de tedêca cetral mas comumete usada ara descrever resumdamete uma dstrbução de freqüêca. MÉDIA ARIMÉTICA SIMPLES São utlzados os valores do cojuto com esos guas. + +...

Leia mais

REGESD Prolic Matemática e Realidade- Profª Suzi Samá Pinto e Profº Alessandro da Silva Saadi

REGESD Prolic Matemática e Realidade- Profª Suzi Samá Pinto e Profº Alessandro da Silva Saadi REGESD Prolc Matemátca e Realdade- Profª Suz Samá Pto e Profº Alessadro da Slva Saad Meddas de Posção ou Tedêca Cetral As meddas de posção ou meddas de tedêca cetral dcam um valor que melhor represeta

Leia mais

Qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

Qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq Qwertyuopasdghjklzcvbmqwerty uopasdghjklzcvbmqwertyuopasd ghjklzcvbmqwertyuopasdghjklz cvbmqwertyuopasdghjklzcvbmq wertyuopasdghjklzcv bmqwertyuopasdghjklzcvbmqw ertyuopasdghjklzcvbmqwertyuo pasdghjklzcvbmqwertyuopasdgh

Leia mais

9 Medidas Descritivas

9 Medidas Descritivas 1 9 Meddas Descrtvas Vmos aterormete que um cojuto de dados pode ser resumdo através de uma dstrbução de freqüêcas, e que esta pode ser represetada através de uma tabela ou de um gráfco. Se o cojuto refere-se

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO / ESTATÍSTICA LISTA 2 RESUMO TEÓRICO

RACIOCÍNIO LÓGICO / ESTATÍSTICA LISTA 2 RESUMO TEÓRICO RACIOCÍIO LÓGICO - Zé Carlos RACIOCÍIO LÓGICO / ESTATÍSTICA LISTA RESUMO TEÓRICO I. Cocetos Icas. O desvo médo (DM), é a méda artmétca dos desvos de cada dado da amostra em toro do valor médo, sto é x

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO:

MEDIDAS DE DISPERSÃO: MEDID DE DIPERÃO: fução dessas meddas é avalar o quato estão dspersos os valores observados uma dstrbução de freqüêca ou de probabldades, ou seja, o grau de afastameto ou de cocetração etre os valores.

Leia mais

Estatística: uma definição

Estatística: uma definição Coleção de úmeros estatístcas Estatístca: uma defção O úmero de carros veddos o país aumetou em 30%. A taa de desemprego atge, este mês, 7,5%. As ações da Telebrás subram R$,5, hoje. Resultados do Caraval

Leia mais

ESTATÍSTICA MÓDULO 2 OS RAMOS DA ESTATÍSTICA

ESTATÍSTICA MÓDULO 2 OS RAMOS DA ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA MÓDULO OS RAMOS DA ESTATÍSTICA Ídce. Os Ramos da Estatístca...3.. Dados Estatístcos...3.. Formas Icas de Tratameto dos Dados....3. Notação por Ídces...5.. Notação Sgma ()...5 Estatístca Módulo

Leia mais

Centro de Ciências Agrárias e Ambientais da UFBA Departamento de Engenharia Agrícola

Centro de Ciências Agrárias e Ambientais da UFBA Departamento de Engenharia Agrícola Cetro de Cêcas Agráras e Ambetas da UFBA Departameto de Egehara Agrícola Dscpla: AGR116 Boestatístca Proessor: Celso Luz Borges de Olvera Assuto: Estatístca Descrtva Tema: Meddas de Posção e Meddas de

Leia mais

AULA 4. Segundo Quartil ( Q observações são menores que ele e 50% são maiores.

AULA 4. Segundo Quartil ( Q observações são menores que ele e 50% são maiores. Estatístca Aplcada à Engenhara AULA 4 UNAMA - Unversdade da Amazôna.8 MEDIDA EPARATRIZE ão valores que separam o rol (os dados ordenados) em quatro (quarts), dez (decs) ou em cem (percents) partes guas.

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva Estatístca Descrtva Capítulo "O estatístco, está casado em méda com 1,75 esposas, que procuram fazê-lo sar de casa,5 otes com 0,5 de sucesso apeas. Possu frote com 0,0 de clação (deotado poder metal),

Leia mais

Estatística: uma definição

Estatística: uma definição Prof. Lorí Val, Dr. val@ufrgs.br http://www.ufrgs.br/~val/ Estatístca: uma defção Coleção de úmeros estatístcas O úmero de carros veddos o país aumetou em 30%. A taa de desemprego atge, este mês, 7,5%.

Leia mais

Nas próximas secções iremos abordar a análise estatística de uma amostra em que os dados numéricos estão agrupados em classes, ou seja, em intervalos.

Nas próximas secções iremos abordar a análise estatística de uma amostra em que os dados numéricos estão agrupados em classes, ou seja, em intervalos. Estatístca Descrtva ESTATÍSTICA DESCRITIVA Amostras com dados agrupados em classes as prómas secções remos abordar a aálse estatístca de uma amostra em que os dados umércos estão agrupados em classes,

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA - Profº Marcos Nascimento

ESTATÍSTICA BÁSICA - Profº Marcos Nascimento ESTATÍSTICA BÁSICA - Proº Marcos Nascmeto CÁPITULO I- Itrodução Atualmete a utlzação da Estatístca é cada vez maor em qualquer atvdade prossoal. Nos mas dverscados ramos, as pessoas estão requetemete epostas

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO A expressão dados, será ctada dversas vezes esta dscpla, em lguagem ormal, dados são ormações (úmeros ou ão) sobre um dvíduo (pessoa,

Leia mais

Redução dos Dados. Júlio Osório. Medidas Características da Distribuição. Tendência Central (Localização) Variação (Dispersão) Forma

Redução dos Dados. Júlio Osório. Medidas Características da Distribuição. Tendência Central (Localização) Variação (Dispersão) Forma Redução dos Dados Júlo Osóro Meddas Característcas da Dstrbução Tendênca Central (Localzação) Varação (Dspersão) Forma 1 Meddas Característcas da Dstrbução Meddas Estatístcas Tendênca Central Dspersão

Leia mais

? Isso é, d i= ( x i. . Percebeu que

? Isso é, d i= ( x i. . Percebeu que Estatístca - Desvo Padrão e Varâca Preparado pelo Prof. Atoo Sales,00 Supoha que tehamos acompahado as otas de quatro aluos, com méda 6,0. Aluo A: 4,0; 6,0; 8,0; méda 6,0 Aluo B:,0; 8,0; 8,0; méda 6,0

Leia mais

Distribuições Amostrais. Estatística. 8 - Distribuições Amostrais UNESP FEG DPD

Distribuições Amostrais. Estatística. 8 - Distribuições Amostrais UNESP FEG DPD Dstrbuções Amostras Estatístca 8 - Dstrbuções Amostras 08- Dstrbuções Amostras Dstrbução Amostral de Objetvo: Estudar a dstrbução da população costtuída de todos os valores que se pode obter para, em fução

Leia mais

Estatística Básica - Continuação

Estatística Básica - Continuação Professora Adraa Borsso http://www.cp.utfpr.edu.br/borsso adraaborsso@utfpr.edu.br COEME - Grupo de Matemátca Meddas de Varabldade ou Dspersão Estatístca Básca - Cotuação As meddas de tedêca cetral, descrtas

Leia mais

Grande Conjuntos de Dados. Organização; Resumo; Apresentação. Amostra ou População. Defeitos em uma linha de produção

Grande Conjuntos de Dados. Organização; Resumo; Apresentação. Amostra ou População. Defeitos em uma linha de produção Prof. Lorí Val, Dr. val@pucr.br http://www.pucr.br/~val/ Grade Cojuto de Dado Orgazação; Reumo; Apreetação. Amotra ou População Defeto em uma lha de produção Lacado Deeho Torto Deeho Torto Lacado Torto

Leia mais

Etapas para a construção de uma distribuição de frequências por ponto

Etapas para a construção de uma distribuição de frequências por ponto Dtrbuçõe de Frequêca Uma dtrbução de requêca é uma tabela que reúe o cojuto de dado, coorme a requêca ou a repetçõe de eu valore o capítulo ateror, vmo como ão eta ea tabela quado a varável é qualtatva

Leia mais

TRABALHO DE COMPENSAÇÃO DE FALTAS - DP

TRABALHO DE COMPENSAÇÃO DE FALTAS - DP Cotrole do Proº Compesou as Faltas Não Compesou as Faltas TRABALHO DE COMPENSAÇÃO DE FALTAS - DP (De acordo coma s ormas da Isttução) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA 2º ANO

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO 9. MEDIDAS DE DISPERSÃO

MEDIDAS DE DISPERSÃO 9. MEDIDAS DE DISPERSÃO Núcleo das Cêcas Bológcas e da Saúde Cursos de Bomedca, Ed. Físca, Efermagem, Farmáca, Fsoterapa, Fooaudologa, Medca Veterára, Muscoterapa, Odotologa, Pscologa MEDIDAS DE DISPERSÃO 9 9. MEDIDAS DE DISPERSÃO

Leia mais

ESTATÍSTICA MÓDULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL

ESTATÍSTICA MÓDULO 3 MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL ESTATÍSTICA MÓDULO 3 MEDIDAS DE TEDÊCIA CETRAL Ídce. Meddas de Tedêca Cetral...3 2. A Méda Artmétca Smles ( μ, )...3 3. A Méda Artmétca Poderada...6 Estatístca Módulo 3: Meddas de Tedêca Cetral 2 . MEDIDAS

Leia mais

1. Conceitos básicos de estatística descritiva 1.3. Noção de extracção aleatória e de probabilidade

1. Conceitos básicos de estatística descritiva 1.3. Noção de extracção aleatória e de probabilidade Sumáro (3ª aula). Cocetos báscos de estatístca descrtva.3. Noção de etracção aleatóra e de probabldade.4 Meddas de tedêca cetral.4. Méda artmétca smples.4. Méda artmétca poderada.4.3 Méda artmétca calculada

Leia mais

CURSO SOBRE MEDIDAS DESCRITIVA Adriano Mendonça Souza Departamento de Estatística - UFSM -

CURSO SOBRE MEDIDAS DESCRITIVA Adriano Mendonça Souza Departamento de Estatística - UFSM - CURSO SOBRE MEDIDAS DESCRITIVA Adrao Medoça Souza Departameto de Estatístca - UFSM - O telecto faz pouco a estrada que leva à descoberta. Acotece um salto a coscêca, chame-o você de tução ou do que quser;

Leia mais

Medidas de Dispersão e Assimetria Desvio Médio Variância Desvio Padrão Medidas de Assimetria Coeficiente de Assimetria Exemplos.

Medidas de Dispersão e Assimetria Desvio Médio Variância Desvio Padrão Medidas de Assimetria Coeficiente de Assimetria Exemplos. Meddas de Dspersão e Assmetra Desvo Médo Varânca Desvo Padrão Meddas de Assmetra Coefcente de Assmetra Exemplos lde 1 de 16 Meddas de Dspersão - Méda ervem para verfcação e representatvdade das meddas

Leia mais

Análise da Informação Económica e Empresarial

Análise da Informação Económica e Empresarial Aálse da Iformação Ecoómca e Empresaral Aula 8: Redução de Dados: Meddas de Dspersão e Cocetração Aálse da Iformação Ecoómca e Empresaral Guão Aula 8: Redução de Dados: Meddas de Dspersão e Cocetração

Leia mais

Do que trata a Estatística. Estatística Básica (Anova, TH, Regressão) Séries Temporais Data Mining Six Sigma Redes Neurais Controle de Qualidade

Do que trata a Estatística. Estatística Básica (Anova, TH, Regressão) Séries Temporais Data Mining Six Sigma Redes Neurais Controle de Qualidade Do que trata a Estatístca A essêca da cêca é a observação. Estatístca: A cêca que se preocupa com a orgazação, descrção, aálse e terpretação dos dados epermetas. Ramo da Matemátca Aplcada. A palavra estatístca

Leia mais

Em muitas situações duas ou mais variáveis estão relacionadas e surge então a necessidade de determinar a natureza deste relacionamento.

Em muitas situações duas ou mais variáveis estão relacionadas e surge então a necessidade de determinar a natureza deste relacionamento. Prof. Lorí Val, Dr. val@pucrs.r http://www.pucrs.r/famat/val/ Em mutas stuações duas ou mas varáves estão relacoadas e surge etão a ecessdade de determar a atureza deste relacoameto. A aálse de regressão

Leia mais

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental.

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ É o grau de assocação etre duas ou mas varáves. Pode ser: correlacoal ou expermetal. Numa relação expermetal os valores de uma das varáves

Leia mais

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA CAPÍTULO DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA. A MÉDIA ARITMÉTICA OU PROMÉDIO Defnção: é gual a soma dos valores do grupo de dados dvdda pelo número de valores. X x Soma dos valores de x número de

Leia mais

Medidas Numéricas Descritivas:

Medidas Numéricas Descritivas: Meddas Numércas Descrtvas: Meddas de dspersão Meddas de Varação Varação Ampltude Ampltude Iterquartl Varâca Desvo absoluto Coefcete de Varação Desvo Padrão Ampltude Medda de varação mas smples Dfereça

Leia mais

CAPITULO 1 CONCEITOS BÁSICOS

CAPITULO 1 CONCEITOS BÁSICOS DISCIPLIA: ESTATÍSTICA PROFESSOR: JOSELIAS SATOS DA SILVA - joselas@uol.com.br ÍDICE CAPITULO 1 COCEITOS BÁSICOS... 3 1.1 ESTATÍSTICA... 3 1. ESTATÍSTICA DESCRITIVA... 3 1.3 ESTATÍSTICA IFERECIAL... 3

Leia mais

Inferência Estatística e Aplicações I. Edson Zangiacomi Martinez Departamento de Medicina Social FMRP/USP

Inferência Estatística e Aplicações I. Edson Zangiacomi Martinez Departamento de Medicina Social FMRP/USP Iferêca Estatístca e Aplcações I Edso Zagacom Martez Departameto de Medca Socal FMRP/USP edso@fmrp.usp.br Rotero Parte I Escola frequetsta Defções: parâmetros, estmatvas Dstrbuções de probabldade Estmação

Leia mais

Estatística Área 4 BACEN Aula 01 Estatística Descritiva Prof. Alexandre Lima. Aula 01. Sumário

Estatística Área 4 BACEN Aula 01 Estatística Descritiva Prof. Alexandre Lima. Aula 01. Sumário Estatístca Área 4 BACEN Aula 0 Estatístca Descrtva Prof. Aleadre Lma Aula 0 Sumáro Itrodução à Estatístca... 3 Tpos de Varáves... 4 3 Rol... 5 4 Séres Estatístcas... 6 5 Téccas de Descrção Gráfca... 8

Leia mais

Unidade II ESTATÍSTICA

Unidade II ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA Udade II 3 MEDIDAS OU PARÂMETROS ESTATÍSTICOS 1 O estudo que fzemos aterormete dz respeto ao agrupameto de dados coletados e à represetação gráfca de algus deles. Cumpre agora estudarmos as

Leia mais

ESTATÍSTICA Aula 7. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

ESTATÍSTICA Aula 7. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano ESTATÍSTICA Aula 7 Prof. Dr. Marco Atoo Leoel Caetao Dstrbuções de Probabldade DISCRETAS CONTÍNUAS (Números teros) Bomal Posso Geométrca Hper-Geométrca Pascal (Números reas) Normal t-studet F-Sedecor Gama

Leia mais

Econometria: 3 - Regressão Múltipla

Econometria: 3 - Regressão Múltipla Ecoometra: 3 - Regressão Múltpla Prof. Marcelo C. Mederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. Marco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo de regressão

Leia mais

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de

Leia mais

A ciência de coletar, organizar, apresentar, analisar e interpretar dados numéricos com o objetivo de tomar melhores decisões.

A ciência de coletar, organizar, apresentar, analisar e interpretar dados numéricos com o objetivo de tomar melhores decisões. .pucrs.br/faat/val/.at.ufrgs.br/~val/ Prof. Lorí Val, Dr. val@at.ufrgs.br val@pucrs.br Coleção de úeros estatístcas O úe ro de carros ve ddos o país auetou e 30%. A taa de deseprego atge, este ês, 7,%.

Leia mais

Estatística: uma definição

Estatística: uma definição Prof. Lorí Val, Dr. val@pucrs.br http://.pucrs.br/faat/val/ Estatístca: ua defção Coleção de úeros estatístcas O úero de carros veddos auetou e 30%. o país A taa de deseprego atge, este ês, 7,%. As ações

Leia mais

7 Análise de covariância (ANCOVA)

7 Análise de covariância (ANCOVA) Plejameto de Expermetos II - Adlso dos Ajos 74 7 Aálse de covarâca (ANCOVA) 7.1 Itrodução Em algus expermetos, pode ser muto dfícl e até mpossível obter udades expermetas semelhtes. Por exemplo, pode-se

Leia mais

ESTATÍSTICA 2º. SEMESTRE DE 2016

ESTATÍSTICA 2º. SEMESTRE DE 2016 ESTATÍSTICA O presete materal fo elaborado com o objetvo de facltar as atvdades em sala de aula, segudo a bblografa apresetada o fal do texto. Esclarece-se que o materal, ão substtu a bblografa apresetada,

Leia mais

Sumário. Mecânica. Sistemas de partículas

Sumário. Mecânica. Sistemas de partículas umáro Udade I MECÂNICA 2- Cetro de massa e mometo lear de um sstema de partículas - stemas de partículas e corpo rígdo. - Cetro de massa. - Como determar o cetro de massa dum sstema de partículas. - Vetor

Leia mais

Regressão e Correlação

Regressão e Correlação Regressão e Correlação Júlo Osóro Regressão & Correlação: geeraldades Em mutas stuações de pesqusa cetífca, dspomos de uma amostra aleatóra de pares de dados (x, ), resultates da medda cocomtate de duas

Leia mais

Análise Descritiva com Dados Agrupados

Análise Descritiva com Dados Agrupados Análse Descrtva com Dados Agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas descrtvas

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva Estatístca Descrtva Pedro Paulo Balestrass www.pedro.ufe.edu.br ppbalestrass@gmal.com 35-3691161 / 88776958 (cel) Estatístca Descrtva Pedro Paulo Balestrass www.pedro.ufe.edu.br 1 População e amostra:

Leia mais

Ivan G. Peyré Tartaruga. 1 Metodologia espacial

Ivan G. Peyré Tartaruga. 1 Metodologia espacial RELATÓRIO DE PESQUISA 5 Procedmetos o software ArcGIS 9. para elaborar os mapas da Regão Metropoltaa de Porto Alegre RMPA com as elpses de dstrbução drecoal etre 99 e 000 Iva G. Peré Tartaruga Metodologa

Leia mais

Matemática Ficha de Trabalho

Matemática Ficha de Trabalho Matemátca Fcha de Trabalho Meddas de tedêca cetral - 0º ao MEDIDAS DE LOCALIZAÇÃO Num estudo estatístco, depos de recolhdos e orgazados os dados, há a ase de trar coclusões através de meddas que possam,

Leia mais

A ciência de coletar, organizar, apresentar, analisar e interpretar dados numéricos com o objetivo de tomar melhores decisões.

A ciência de coletar, organizar, apresentar, analisar e interpretar dados numéricos com o objetivo de tomar melhores decisões. Prof. Lorí Val, Dr. val@at.ufrgs.br http://.at.ufrgs.br/~val/ Coleção de úeros estatístcas stcas O úero de carros veddos o país auetou e 30%. A taa de deseprego atge, este ês, 7,%. As ações a da Telebrás

Leia mais

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas 3.6. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais

( ) ( IV ) n ( ) Escolha a alternativa correta: A. III, II, I, IV. B. II, III, I, IV. C. IV, III, I, II. D. IV, II, I, III. E. Nenhuma das anteriores.

( ) ( IV ) n ( ) Escolha a alternativa correta: A. III, II, I, IV. B. II, III, I, IV. C. IV, III, I, II. D. IV, II, I, III. E. Nenhuma das anteriores. Prova de Estatístca Epermetal Istruções geras. Esta prova é composta de 0 questões de múltpla escolha a respeto dos cocetos báscos de estatístca epermetal, baseada os lvros BANZATTO, A.D. e KRONKA, S.N.

Leia mais

É o quociente da divisão da soma dos valores das variáveis pelos números deles:

É o quociente da divisão da soma dos valores das variáveis pelos números deles: Meddas de Posção. Itrodução Proª Ms. Mara Cytha O estudo das dstrbuções de requêcas, os permte localzar a maor cocetração de valores de uma dstrbução. Porém, para ressaltar as tedêcas característcas de

Leia mais

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples.

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples. Estudo das relações etre peso e altura de estudates de estatístca através da aálse de regressão smples. Waessa Luaa de Brto COSTA 1, Adraa de Souza COSTA 1. Tago Almeda de OLIVEIRA 1 1 Departameto de Estatístca,

Leia mais

x Ex: A tabela abaixo refere-se às notas finais de três turmas de estudantes. Calcular a média de cada turma:

x Ex: A tabela abaixo refere-se às notas finais de três turmas de estudantes. Calcular a média de cada turma: Professora Janete Perera Amador 1 8 Meddas Descrtvas Vmos anterormente que um conjunto de dados pode ser resumdo através de uma dstrbução de freqüêncas, e que esta pode ser representada através de uma

Leia mais

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos

Apostila de Introdução Aos Métodos Numéricos Apostla de Itrodução Aos Métodos Numércos PARTE III o Semestre - Pro a. Salete Souza de Olvera Buo Ídce INTERPOAÇÃO POINOMIA...3 INTRODUÇÃO...3 FORMA DE AGRANGE... 4 Iterpolação para potos (+) - ajuste

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso de Admnstração em Gestão Públca Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos uns dos

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso Superor de tecnólogo em Gestão Ambental Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos

Leia mais

LCE2112 Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais 2010/02. Exemplos de revisão

LCE2112 Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais 2010/02. Exemplos de revisão LCE Etatítca Aplcada à Cêca Soca e Ambeta 00/0 Eemplo de revão Varável Aleatóra Cotíua Eemplo: Para e etudar o comportameto de uma plata típca de dua, a Hydrocotlle p., quato ao eu deevolvmeto, medu-e

Leia mais

CBA DE MARKETING Estatística Aplicada

CBA DE MARKETING Estatística Aplicada CBA DE MARKETING Estatístca Aplcada Motora: Aulas a 4 Motora: Ferada Garca Cordero e-mal: eradagcordero@gmal.com DISTRIBUIÇOES DE FREQUENCIA Para costrurmos uma tabela de dstrbução de reqüêcas devemos:.

Leia mais

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA Proessor Maurco Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA. Coceto Exstem mutas deções propostas por autores, objetvado estabelecer com clareza o que é estatístca, como por exemplo: Þ A Estatístca é um cojuto de métodos

Leia mais

( k) Tema 02 Risco e Retorno 1. Conceitos Básicos

( k) Tema 02 Risco e Retorno 1. Conceitos Básicos FEA -USP Graduação Cêcas Cotábes EAC05 04_0 Profa. Joaíla Ca. Rsco e Retoro. Cocetos Báscos Rotero BE-cap.6 Tema 0 Rsco e Retoro. Cocetos Báscos I. O que é Retoro? II. Qual é o Rsco de um Atvo Idvdual

Leia mais

Medidas de Localização

Medidas de Localização 07/08/013 Udade : Estatístca Descrtva Meddas de Localzação João Garbald Almeda Vaa Cojuto de dados utlzação de alguma medda de represetação resumo dos dados. E: Um cojuto com 400 observações como aalsar

Leia mais

Revisão/Resumo de Análise Estatística I e Introdução à Tecnologia da Amostragem I

Revisão/Resumo de Análise Estatística I e Introdução à Tecnologia da Amostragem I Dscpla: Tecologa da Amostragem I Professor: Marcelo Rubes Revsão/Resumo de Aálse Estatístca I e Itrodução à Tecologa da Amostragem I 1 - Modelos Estatístcos/Probablístcos São modelos que se aplcam quado

Leia mais

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS Varável Qualquer característca assocada a uma população Classfcação de varáves Qualtatva { Nomnal sexo, cor dos olhos Ordnal Classe

Leia mais

Notas de aula da disciplina Probabilidade e Estatística

Notas de aula da disciplina Probabilidade e Estatística otas de aula da dscpla Probabldade e Estatístca Proessor M Sc Adré Luz DAMAT - UTFPR Esta apostla apreseta os tópcos prcpas abordados em sala de aula, cotedo deções, teoremas, eemplos Sua letura ão é obrgatóra,

Leia mais

Teoria Elementar da Probabilidade. a) Cada experiência poderá ser repetida indefinidamente sob condições essencialmente inalteradas.

Teoria Elementar da Probabilidade. a) Cada experiência poderá ser repetida indefinidamente sob condições essencialmente inalteradas. Estatístca 47 Estatístca 48 Teora Elemetar da Probabldade SPECTOS PERTINENTES À CRCTERIZÇÃO DE UM EXPERIÊNCI LETÓRI MODELOS MTEMÁTICOS DETERMINÍSTICOS PROBBILÍSTICOS PROCESSO (FENÓMENO) LETÓRIO - Quado

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva Estatístca Descrtva Cocetos Báscos Poulação ou Uverso Estatístco: coj. de elemetos sobre o qual cde o estudo estatístco; Característca Estatístca ou Atrbuto: a característca que se observa os elemetos

Leia mais

2 Procedimentos para Ajuste e Tratamento Estatístico de Dados Experimentais

2 Procedimentos para Ajuste e Tratamento Estatístico de Dados Experimentais 48 Procedmetos para Ajuste e Tratameto Estatístco de Dados Expermetas. Itrodução Modelos matemátcos desevolvdos para descrever eômeos íscos a partr de observações expermetas devem ser baseados em dados

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Val, Dr. http://www.pucrs.br/famat/val/ val@pucrs.br Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Obetvos A Aálse de

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva Estatístca Descrtva Cocetos Báscos Poulação ou Uverso Estatístco: coj. de elemetos sobre o qual cde o estudo estatístco; Característca Estatístca ou Atrbuto: a característca que se observa os elemetos

Leia mais

Conceitos básicos de metrologia. Prof. Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade UnB Gama

Conceitos básicos de metrologia. Prof. Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade UnB Gama Prof. Dr. Evadro Leoardo Slva Teera Faculdade UB Gama Metrologa: Cêca que abrage os aspectos teórcos e prátcos relatvos a medção; Descreve os procedmetos e métodos para determar as certezas de medções;

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 16 Prof. Luz Alexandre Peternell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Exercícos Propostos 1) Consderando os dados amostras abaxo, calcular: méda artmétca, varânca, desvo padrão, erro padrão da méda e coefcente

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística Resolução das atvdades complemetares Matemátca M8 Noções de Estatístca p. 3 (UFRJ) Dos estados do país, um certo ao, produzem os mesmos tpos de grãos. Os grácos de setores lustram a relação etre a produção

Leia mais

Centro de massa, momento linear de sistemas de partículas e colisões

Centro de massa, momento linear de sistemas de partículas e colisões Cetro de massa, mometo lear de sstemas de partículas e colsões Prof. Luís C. Pera stemas de partículas No estudo que temos vdo a fazer tratámos os objectos, como, por exemplo, blocos de madera, automóves,

Leia mais

Escola Secundária de Jácome Ratton

Escola Secundária de Jácome Ratton Ecola Secudára de Jácome Ratto Ao Lectvo / Matemátca Aplcada à Cêca Soca Na Ecola Secudára do Suceo aualmete é premado o aluo que tver melhor méda a ua clafcaçõe a dferete dcpla. No ao lectvo 9/, o do

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA 003 Iformações: relembra-se os aluos teressados que a realzação de acções presecas só é possível medate solctação vossa, por escrto, à assstete da cadera. A realzação

Leia mais

Apostila de Estatística. Volume 1 Edição Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística. Volume 1 Edição Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Volume 1 Edção 007 Curso: Pscologa Amostragem, Séres Estatístcas, Dstrbução de Freqüêca, Méda, Medaa, Quartl, Percetl e Desvo Padrão Prof. Dr. Celso Eduardo Tua 1 Capítulo 1 - Itrodução

Leia mais

Interpolação. Exemplo de Interpolação Linear. Exemplo de Interpolação Polinomial de grau superior a 1.

Interpolação. Exemplo de Interpolação Linear. Exemplo de Interpolação Polinomial de grau superior a 1. Iterpolação Iterpolação é um método que permte costrur um ovo cojuto de dados a partr de um cojuto dscreto de dados potuas cohecdos. Em egehara e cêcas, dspõese habtualmete de dados potuas, obtdos a partr

Leia mais

ESTATÍSTICA DESCRITIVA NOCÕES FUNDAMENTAIS

ESTATÍSTICA DESCRITIVA NOCÕES FUNDAMENTAIS ESTATÍSTICA DESCRITIVA NOCÕES FUNDAMENTAIS Coceto Básco: Def. Város autores têm procurado defr a Estatístca. Através de mutos lvros escrtos sobre Estatístca, todos cotedo defções, desde as mas smples até

Leia mais

Matemática C Semiextensivo V. 2

Matemática C Semiextensivo V. 2 Matemátca C Semetesvo V. Eercícos 0) Através da observação dreta do gráfco, podemos coclur que: a) País. b) País. c) 00 habtates. d) 00 habtates. e) 00 0 0 habtates. 0) C Através do gráfco, podemos costrur

Leia mais

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø.

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø. Professor Maurco Lutz 1 EGESSÃO LINEA SIMPLES A correlação lear é uma correlação etre duas varáves, cujo gráfco aproma-se de uma lha. O gráfco cartesao que represeta essa lha é deomado dagrama de dspersão.

Leia mais

O delineamento amostral determina os processos de seleção e de inferência do valor da amostra para o valor populacional.

O delineamento amostral determina os processos de seleção e de inferência do valor da amostra para o valor populacional. Curso Aperfeçoameto em Avalação de Programas Socas ª Turma Dscpla: Téccas quattatvas de levatameto de dados: prcpas téccas de amostragem Docete: Claudete Ruas Brasíla, ovembro/005 Pesqusa por amostragem

Leia mais

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental.

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental. É o grau de assocação etre duas ou mas varáves. Pode ser: Prof. Lorí Val, Dr. val@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/val www.pucrs.br/famat/val/ correlacoal ou expermetal. Numa relação expermetal os valores

Leia mais

Condutos livres Escoamento uniforme em canais

Condutos livres Escoamento uniforme em canais J. Gabrel F. Smões Pro. Egehero Codutos lres Escoameto uorme em caas O escoameto uorme em caas obedece as segutes codções: prouddade da água, a área da seção trasersal, a dstrbução das elocdades em todas

Leia mais

Caracterização de Partículas. Prof. Gerônimo

Caracterização de Partículas. Prof. Gerônimo Caracterzação de Partículas Prof. Gerômo Aálse Graulométrca de partículas Tabela: Sére Padrão Tyler Mesh Abertura Lvre (cm) âmetro do fo () 2 ½ 0,7925 0,088 0,6680 0,070 ½ 0,56 0,065 4 0,4699 0,065

Leia mais

CÁLCULO DE RAÍZES DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES

CÁLCULO DE RAÍZES DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES CÁLCULO DE RAÍZES DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES Itrodução Em dversos camos da Egehara é comum a ecessdade da determação de raízes de equações ão leares. Em algus casos artculares, como o caso de olômo, que

Leia mais

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc.

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas ESTATÍSTICA Notas de Aulas Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas SUMÁRIO CONCEITOS BÁSICOS 5. Estatístca. Estatístca

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de métodos

Leia mais

4.1. Medidas de Posição da amostra: média, mediana e moda

4.1. Medidas de Posição da amostra: média, mediana e moda 4. Meddas descrtva para dados quanttatvos 4.1. Meddas de Posção da amostra: méda, medana e moda Consdere uma amostra com n observações: x 1, x,..., x n. a) Méda: (ou méda artmétca) é representada por x

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

ANÁLISE DE REGRESSÃO E CORRELAÇÃO

ANÁLISE DE REGRESSÃO E CORRELAÇÃO ANÁLISE DE REGRESSÃO E CORRELAÇÃO Quado se cosderam oservações de ou mas varáves surge um poto ovo: O estudo das relações porvetura estetes etre as varáves. A aálse de regressão e correlação compreedem

Leia mais