CIRCUITO RC SÉRIE. max

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIRCUITO RC SÉRIE. max"

Transcrição

1 ELETRICIDADE 1 CAPÍTULO 8 CIRCUITO RC SÉRIE Ese capíulo em por finalidade inroduzir o esudo de circuios que apresenem correnes eléricas variáveis no empo. Para ano, esudaremos o caso de circuios os quais apresenem correnes eléricas variáveis no empo devido a aplicação de uma fem conínua (c.c.), e não alernada (c.a.). Para isso, raaremos do caso específico de um circuio que consise na associação em série de uma resisência e uma capaciância. Esamos falando do denominado circuio RC série. Nese, abordaremos o processo de carga (carregameno) e descarga (descarregameno) de um capacior. Tal qual depende de cera axa de carga/descarga do capacior a denominada consane de empo capaciiva. Veremos que a correne do circuio, a quanidade de carga no capacior e a ensão sobre os elemenos conidos nessa malha são funções exponenciais do empo. Processo de Carga de um Capacior Consideremos o circuio RC série da Figura 8.1, o qual consise de uma fone (ideal) de fem ε, um resisor R e um capacior C. Figura 8.1 Circuio de carga para um capacior. Com a chave inerrupora S na posição de repouso, o circuio esá desligado. Quando a chave for conecada ao pono a, o circuio é enão ligado. Enão, a quanidade de carga no capacior cresce exponencialmene com o empo. Supomos que o capacior eseja inicialmene descarregado (iso é, com quanidade de carga líquida nula) e que a chave inerrupora S eseja na posição de repouso. Ao conecarmos a chave S na posição a, fechamos o circuio. Nese insane (inicial), no qual = 0, a correne no circuio será máxima, sendo esa dada por ε I max =, (8.1) R e a carga do capacior será nula. Passado o momeno inicial, onde > 0, a correne elérica que percorre o circuio passa a decrescer exponencialmene com o empo, sendo esa dada por I ( /τ ) = I e, (8.2) max onde e é o número exponencial ou, ainda, o número de Euler 1. Como a ensão no resisor é proporcional a correne, enão a mesma ambém decresce exponencialmene com o empo, sendo esa dada por 1 Na maemáica, o número de Euler (pronuncia-se óilar), assim chamado em homenagem ao maemáico suíço Leonhard Euler, é a base dos logarimos naurais (ln). O número e é ambém conhecido como: número de Napier, número neperiano e número exponencial, ec. O número e é um número irracional e ranscendenal (como o π). O número de Euler e com as cinco primeiras casas decimais é 2,

2 ( / τ ) = ε. (8.3) V R e Porém, a quanidade de carga elérica no capacior passa a crescer exponencialmene com o empo, sendo esa Q ( /τ ) = Q [ e ], (8.4) max 1 na qual Q max é a carga máxima com a qual o capacior poderá ser carregado (ambém conhecida como a carga de equilíbrio), a qual é dada por Q max = C ε. (8.5) Como a carga é proporcional a ensão, enão a ensão no capacior ambém cresce exponencialmene com o empo, sendo esa dada pela relação ( / τ ) = ε [ 1 ]. (8.6) V C e Das relações apresenadas acima, vimos que a correne I, a carga Q e as ensões do resisor V R e do capacior V C são funções exponenciais do empo. A lera (grega) τ, que aparece nos expoenes dessas equações, represena a denominada consane de empo capaciiva ou empo de relaxação do circuio, sendo esa maemaicamene deerminada por τ = R C. (8.7) A consane de empo capaciiva, normalmene/simplesmene denominada como consane de empo 2, represena o empo necessário para que o capacior seja carregado com aproximadamene 63% da sua carga máxima ou, enão, para que a correne no circuio decresça aé a aproximadamene 37% do seu valor máximo. A parir dessa definição, vemos que a consane de empo, dada pelo produo resisência vezes capaciância, em (8.7), em dimensões de empo. Em unidades SI, eremos enão, por (8.7), que o empo de um segundo corresponderá ao produo de um ohm por um farad, ou seja, 1s = (1Ω) (1F). Iso ambém pode ser enendido/viso pelo fao do ermo /τ, nos expoenes das equações exponenciais acima, ser adimensional (iso é, sem unidade de medida), pois empo () dividido por empo (τ) resula em um valor numérico (sendo ese o expoene para o qual o número de Euler é a base), iso é, sem unidade de medida (devido ao cancelameno das mesmas). Há ambém a denominada meia vida do circuio, denoada por m. Esa corresponde ao empo necessário para a correne no circuio decrescer aé a meade (50%) do seu valor máximo ou, enão, para o capacior adquirir meade da sua carga oal (máxima). Após um empo suficienemene longo (idealmene infinio), no qual =, a correne do circuio cai (idealmene) a zero. Ao mesmo empo, a quanidade de carga no capacior ainge seu valor máximo. Resumindo: Q() I() 0 0 I max Q max 0 Tabela 8.1 Valores exremos em um processo de carga para um capacior em um circuio RC série. Como um exemplo da naureza dese ipo de circuio, analisemos um circuio RC série, al como o da Figura 8.1, formado por uma baeria (ideal) com fem de 10V, um resisor de 33kΩ e um capacior de 1000µF. 2 Deve ser levado em cona que ambém exise a consane de empo de naureza induiva. 2

3 Os gráficos da Figura 8.2 ilusram a ensão no resisor e no capacior, bem como a correne do circuio e, ambém, a carga no capacior durane o processo de carregameno do mesmo. Perceba que em qualquer insane de empo, a soma das ensões do resisor e do capacior saisfaz a lei da malhas. Noe, ambém, que para um empo suficienemene longo, após er sido ligado o circuio (empo ese que corresponde, por exemplo, a quaro ou cinco consanes de empo, no mínimo), a correne e, conseqüenemene, a ensão no resisor caem idealmene a zero. Por ouro lado, vemos que no ranscorrer desse empo, a ensão no capacior e a carga no mesmo aingem seus máximos valores previsos. Figura 8.2 Processo de carga para um capacior em um circuio RC série, sendo ese formado por uma baeria (ideal) com fem de 10V, um resisor de 33kΩ e um capacior de 1000µF. (a) Gráfico da correne elérica do circuio em função do empo. (b) Gráfico da quanidade de carga elérica no capacior em função do empo. (c) Gráfico da ensão no resisor em função do empo. (d) Gráfico da ensão no capacior em função do empo. Em cada um dos gráficos, o empo considerado para a medida das grandezas ploadas (correne, carga e ensão) é de pouco mais que quaro consanes de empo. Pode-se perceber, após odas essas análises, que, no momeno em que o circuio é ligado, em = 0, o capacior aua idealmene como uma chave inerrupora fechada, sendo a correne do circuio enão máxima e dada pela relação (8.1). Nese insane, o circuio (aparenemene) consise simplesmene de um resisor conecado a fone de fem. Após um empo suficienemene longo, no qual =, o capacior aua idealmene como uma chave inerrupora abera, sendo a correne do circuio enão nula. Nese caso, a ensão sobre o capacior se igualará a fem aplicada ao circuio. No inervalo de empo 0 < <, podemos considerar que o capacior aua como uma resisência variável, al como um poenciômero, por exemplo. Idealmene, pode-se enender o capacior como uma resisência variável, a qual varia de zero ohm a aé infinios ohms. Desse pono de visa, pode-se dizer que, no momeno em que o circuio é ligado, em = 0, a resisência variável do capacior 3

4 é nula. Logo depois de ligado o circuio, para > 0, a resisência do capacior passa a aumenar de valor. Assim, quando o empo for suficienemene longo ( = ), a resisência do variável do capacior apresenará um valor exremamene alo, idealmene infinio ( ). Nese caso, o capacior compora-se idealmene como uma chave inerrupora abera, sendo impossível que circule correne elérica pelo circuio. Processo de Descarga de um Capacior Consideremos novamene o circuio RC série da Figura 8.1, o qual consise de uma fone (ideal) de fem ε, um resisor R e um capacior C. Supomos que o capacior eseja inicialmene carregado com uma deerminada quanidade de carga elérica líquida Q o, correspondendo esa a Q = C, (8.8) o V o onde V o é a ensão com a qual o capacior esá, inicialmene, carregado. Dependendo do caso, a quanidade inicial de carga Q o pode, inclusive, ser a quanidade máxima de carga Q max previsa para o capacior no referido circuio. Também, supomos que a chave inerrupora S eseja na posição de repouso e que o capacior eseja com uma deerminada carga inicial (Q o ). Ao ser conecada na posição b, fechamos o circuio. Nese insane (inicial), no qual = 0, a correne inicial no circuio será dada por V I = o o R. (8.9) A parir dese momeno, onde > 0, a correne elérica que percorre o circuio passa a decrescer exponencialmene com o empo, segundo a relação I ( /τ ) = I o e. (8.10) Como a ensão no resisor é proporcional a correne, enão a ensão no mesmo ambém passa a decrescer exponencialmene com o empo, sendo esa dada por V R ( /τ ) = V e. (8.11) o Também, a quanidade de carga elérica no capacior decresce exponencialmene com o empo, de acordo com Q ( /τ ) = Q o e. (8.12) Como a carga é proporcional a ensão, enão esa (no capacior) ambém decresce exponencialmene com o empo, sendo a mesma dada por V C ( /τ ) = V e. (8.13) o Nas relações apresenadas de (8.8) a (8.13), a consane de empo capaciiva coninua a ser deerminada pela relação (8.7). No presene caso, da descarga do capacior, a consane de empo represena o empo necessário para que a carga no capacior e a correne no circuio decresçam aé a aproximadamene 37% dos seus valores iniciais. A meia vida do circuio, denoada por m, coninua sendo o empo necessário para a correne decrescer aé a meade do seu valor inicial ou, enão, para o capacior perder meade da sua carga oal (inicial). Após um empo suficienemene longo, no qual =, a correne do circuio cai a zero, bem como a quanidade de carga no capacior. Resumindo: 4

5 Q() I() 0 Q o I o 0 0 Tabela 8.2 Valores exremos em um processo de descarga para um capacior em um circuio RC série. Como um exemplo da naureza dese ipo de circuio, analisemos um circuio RC série, al como o da Figura 8.1, formado por uma baeria (ideal) com fem de 10V, um resisor de 33kΩ e um capacior de 1000µF; o mesmo analisado aneriormene para o processo de carga no capacior. Os gráficos da Figura 8.3 ilusram a ensão no resisor e no capacior, bem como a correne do circuio e, ambém, a carga no capacior durane um processo de descarga do capacior nese circuio. Para ano, supomos que o capacior esivesse inicialmene carregado com a sua carga máxima previsa (Q max ). Perceba que, em qualquer insane de empo, a soma das ensões do resisor e do capacior saisfaz a lei da malhas. Noe que para um empo já suficienemene longo, após er sido ligado o circuio empo ese que corresponde, por exemplo, a quaro ou cinco consanes de empo, no mínimo a correne e, conseqüenemene, a ensão no resisor e no capacior, junamene com a carga nesse úlimo, caem idealmene a zero. Figura 8.3 Processo de descarga para um capacior em um circuio RC série, sendo ese formado por uma baeria (ideal) com fem de 10V, um resisor de 33kΩ e um capacior de 1000µF. (a) Gráfico da correne elérica do circuio em função do empo. (b) Gráfico da quanidade de carga elérica no capacior em função do empo. (c) Gráfico da ensão no resisor em função do empo. (d) Gráfico da ensão no capacior em função do empo. Em cada um dos gráficos, o empo considerado 5

6 para a medida das referidas grandezas (correne, carga e ensão) é pouco maior que aproximadamene quaro consanes de empo. Pode-se perceber, após odas essas análises, que no momeno em que o circuio é ligado, em = 0, o capacior aua idealmene como uma chave inerrupora fechada, sendo a correne inicial do circuio enão máxima e dada pela relação (8.9). Após um empo suficienemene longo, no qual =, o capacior aua idealmene como uma chave inerrupora abera, sendo a correne do circuio enão nula. EXEMPLOS 1. Aneriormene, analisamos o circuio RC série, de diagrama igual ao da Figura 8.1, composo por uma baeria (ideal) com fem de 10V, um resisor de 33kΩ e um capacior de 1000µF, o qual considerou-se inicialmene descarregado. Os gráficos referenes aos processos de carga e descarga do capacior foram ilusrados nas Figuras 8.2 e 8.3. Sendo assim, com relação ao processo de carga do capacior nese circuio (ligação do inerrupor: a-s), deermine: a) A consane de empo do circuio, em segundos (s). A consane de empo do circuio, para o capacior em processo de carga, é, de acordo com (8.7), 6 τ = R C = (33kΩ) (1000µ F) = (33000Ω) ( F) = 33s. b) A carga máxima acumulada no capacior, em milicoulombs (mc). A quanidade de carga máxima do circuio, para o capacior em processo de carga, é, de acordo com (8.5), 6 2 Q = C ε = (1000µ F) (10V ) = ( F) (10V ) = 1 10 C 10mC. max = c) O insane de empo, em segundos (s), para que a carga armazenada no capacior seja igual à meade do seu valor máximo. O empo requerido nese cálculo consise no denominado empo de meia vida do circuio ( m ). A meia vida do circuio, denoada por m, corresponde ao empo necessário para a correne no circuio decrescer aé a meade (50%) do seu valor máximo ou, enão, para o capacior adquirir meade da sua carga oal (máxima). Assim, nese insane de empo, a quanidade de carga no capacior deve ser Qmax 10mC Q = = = 5mC. 2 2 Logo, por (8.4), max 1 ( /τ ) [ e ] Q = Q, eremos que [ 1 e ] 5 = (10), 6

7 5 ( / 33) = 1 e, 10 0,5 = 1 e, 0,5 1 = e, 0,5 = e, 0,5 = e, Aplicando o logarimo naural (ln) de ambos os lados da úlima equação acima, eremos que ln 0,5 = ln e, onde, nessa úlima equação, usaremos a regra 0,6932 =, 33 0,6932 =, 33 = ( 0,6932) (33) = 22, 87s. ln e a = a. Assim, d) O insane de empo, em segundos (s), para que a ensão no capacior seja igual à meade da fem da fone. O empo será o mesmo do exercício anerior (meia vida), pois como a carga é proporcional a ensão, essa mesma (no capacior) ambém cresce exponencialmene com o empo. Assim, ambas as grandezas (carga e ensão), no capacior, apresenam expressões maemáicas semelhanes, al como se verifica nas equações (8.4) e (8.6). e) O insane de empo, em segundos (s), para que a ensão no capacior seja igual à 88% da fem da fone. A ensão no capacior como sendo de 88% da fem da fone é dada por V C = 88 % ε = (0,88) (10V ) = 8, 8V Logo, por (8.6), ( / τ ) [ 1 ] V C = ε e, eremos que [ 1 e ] 8,8 = (10), 7

8 8,8 10 ( / 33) = 1 e, 0,88 = 1 e, 0,88 1 = e, 0,12 = e, 0,12 = e, Aplicando o logarimo naural (ln) de ambos os lados da úlima equação acima, eremos que ln 0,12 = ln e, onde, nessa úlima equação, usaremos a regra 2,1212 =, 33 2,1212 =, 33 = ( 2,1212) (33) = 70s. f) A correne máxima do circuio. ln e a = a. Assim, A correne máxima do circuio, para o capacior em processo de carga, é, de acordo com (8.1), ε 10V I max = = 0,303mA = 303µ A. R 33kΩ g) O insane de empo, em segundos (s), para que a correne elérica na resisência decaia à meade do seu valor máximo. O empo será o mesmo dos iens (c) e (d) aneriores pois, como se viu, a meia vida do circuio corresponde ao empo necessário para a correne no circuio decrescer aé a meade (50%) do seu valor máximo (ou, enão, para o capacior adquirir meade da sua carga máxima). 2. Considere que, depois de ligado o circuio RC série do exemplo anerior, após um empo muio grande (onde consideramos = ), o capacior seja colocado em um processo de descarga (ligação do inerrupor: b-s). Sendo assim, deermine: a) A consane de empo do circuio, em segundos (s). Como o circuio usado para a descarga do capacior consise no mesmo resisor de 33kΩ (sem a inserção de demais resisores) e no mesmo capacior (sem a inserção de demais capaciores), a 8

9 consane de empo do processo de descarga do capacior é a mesma do processo de carga dese, deerminada no exemplo anerior. Iso porque o capacior foi carregado com sua máxima carga previsa, sendo esa a sua carga inicial, além da ensão dese ser igual a sua fem. b) A carga inicial acumulada no capacior, em milicoulombs (mc). A carga inicial do capacior consise na carga máxima deerminada para o mesmo, no exemplo anerior. c) O insane de empo, em segundos (s), para que a carga inicial armazenada no capacior decaia à meade do seu valor inicial. Ese empo corresponde a meia vida do circuio, deerminada no exemplo anerior. d) O insane de empo, em segundos (s), para que a ensão no capacior seja igual à meade da sua ensão inicial. Ese empo corresponde a meia vida do circuio, deerminada no exemplo anerior. e) O insane de empo, em segundos (s), para que a ensão no capacior seja igual à 88% da sua ensão inicial. A ensão inicial no capacior corresponde, idealmene, à própria força eleromoriz da fone de fem que foi desligada do circuio (quando a ensão sobre o capacior, em seu processo de carregameno, se igualou à fem da fone, idealmene), iso é, V o = ε = 10V A ensão no capacior como sendo de 88% da fem da fone é dada por V C = 88 % ε = (0,88) (10V ) = 8, 8V Logo, por (8.13), V C o ( /τ ) = V e, eremos que 8,8 = (10) e, 8 e,8 10 ( / 33) =, 0,88 = e, Aplicando o logarimo naural (ln) de ambos os lados da úlima equação acima, eremos que ln 0,88 = ln e, 9

10 onde, nessa úlima equação, usaremos a regra 0,1278 =, 33 0,1278 =, 33 = ( 0,1278) (33) = 4, 22s. ln e a = a. Assim, Noe: em aproximadamene 4s, o capacior já perdeu 88% da sua carga armazenada inicialmene. f) A correne inicial do circuio. Esa correne corresponde a correne máxima deerminada no exemplo anerior, viso que a ensão inicial no capacior corresponde a fem da baeria que o carregou aé sua máxima carga. g) O insane de empo para que a correne elérica no resisor decaia à meade do seu valor inicial. Ese empo corresponde a meia vida do circuio, deerminada no exemplo anerior. Consanes de Tempo Disinas para Carga e Descarga de um Capacior Nem sempre a consane de empo de carga do capacior deverá ser a mesma para a descarga do referido capacior, no circuio considerado. Para ano, por exemplo, analisemos um caso, em paricular, para o circuio da Figura 8.4. Nese circuio, a consane de empo de carregameno τ C do capacior é dada em ermos do resisor R 1 e pelo capacior C, iso é, τ C = R 1 C. Já a consane de empo de descarregameno τ D do capacior é dada em ermos da resisência equivalene resulane da associação em série dos resisores R 1 e R 2, e pelo capacior C, iso é, τ D = (R 1 + R 2 ) C. Figura 8.4 Processo de descarga para um capacior em um circuio RC série formado por uma baeria (ideal) com fem ε, dois resisores R 1 e R 2, e um capacior C. Com a chave inerrupora S na posição de repouso, o circuio esá desligado. Quando a chave for conecada ao pono a, o circuio é enão ligado, sendo o mesmo consiuído de uma malha (fechada) formada pelo resisor R 1 e pelo capacior C. A parir dese insane, a quanidade de carga no capacior cresce exponencialmene com o empo. A consane de empo de carga é enão dada pela relação τ C = R 1 C. Quando a chave for conecada ao pono b, o circuio é enão desligado da fone de fem, sendo o mesmo consiuído de uma malha (fechada) formada pelos resisores R 1 e R 2, e pelo capacior C. A parir dese insane, a quanidade de carga no capacior decresce exponencialmene com o empo com uma consane de empo, de descarga, enão dada pela relação τ D = (R 1 + R 2 ) C. EXEMPLOS 10

11 3. Um circuio RC série, de diagrama igual ao da Figura 8.4, consise de uma fone (ideal) de fem de 18V, um resisor R 1 de 1,8MΩ, um resisor R 2 de 560kΩ e um capacior de 22µF, inicialmene descarregado. Sendo assim, em um processo de carga do capacior (ligação do inerrupor: a-s), deermine: a) A consane de empo do circuio de carga do capacior, em segundos (s). A consane de empo para o capacior em processo de carga, é, de acordo com (8.7), 6 6 τ C = R1 C = (1,8 MΩ) (22µ F) = (1,8 10 Ω) (22 10 F) = 39, 6s. b) O insane de empo, em segundos (s), para que a ensão no capacior, durane seu processo de carregameno, seja igual a 22% da sua ensão máxima possível. A ensão no capacior como sendo de 22% da fem da fone é dada por V C = 22 % ε = (0,22) (18V ) = 3, 96V Logo, por (8.6), eremos que ( / τ C ) [ 1 ] V C = ε e, ( / 39,6) [ 1 e ] 3,96 = (18), 3,96 18 ( / 39,6) = 1 e, ( / 39,6) 0,22 = 1 e, ( / 39,6) 0,22 1 = e, ( / 39,6) 0,78 = e, ( / 39,6) 0,78 = e, Aplicando o logarimo naural (ln) de ambos os lados da úlima equação acima, eremos que ln 0,78 ( / 39,6) = ln e, onde, nessa úlima equação, usaremos a regra 0,2485 =, 39,6 0,2485 =, 39,6 ln e a = a. Assim, 11

12 = ( 0,2485) (39,6) = 9, 84s. c) A correne máxima do circuio, em microampères (µa), no processo de carregameno do capacior. A correne máxima do circuio, para o capacior em processo de carga, é, de (8.1), ε 18V I max = = 10µ A. R 1,8 MΩ 1 d) A quanidade de carga elérica máxima à ser acumulada no capacior, em microcoulombs (µc), no seu processo de carregameno. A quanidade de carga máxima do circuio, para o capacior em processo de carga, é, de acordo com (8.5), Q = C ε = (22µ F) (18V ) 396µ C. max = 4. Considere que, após um empo muio grande depois de ligado o circuio RC série do exemplo anerior (onde consideramos = ), o capacior seja colocado em um processo de descarga (ligação do inerrupor: b-s). Sendo assim, deermine: a) A consane de empo do circuio de descarga do capacior, em segundos (s). A consane de empo para o capacior em processo de descarregameno, é, de acordo com (8.7), τ R C, D onde = 12 R = R + R = 1,8 MΩ + 0,56MΩ = 2, 36MΩ , lembrando que R2 = 560kΩ = (560kΩ) /1000 = 0, 56MΩ. Assim: 6 6 τ D = R C = (2,36MΩ) (22µ F) = (2,36 10 Ω) (22 10 F) 51, 92s. 12 = b) O insane de empo, em segundos (s), para que a ensão no capacior, durane seu processo de descarregameno, se reduza a 22% da sua ensão inicial. A ensão inicial no capacior corresponde, idealmene, à própria força eleromoriz da fone de fem que foi desligada do circuio (quando a ensão sobre o capacior, em seu processo de carregameno, se igualou à fem da fone, idealmene), iso é, V o = ε = 18V Nese caso, a ensão no capacior, como sendo de 22% da fem da fone, é dada por V C = 22 % ε = (0,22) (18V ) = 3, 96V, 12

13 al como no exemplo anerior. Logo, por (8.13), eremos que V C ( /τ ) D = V e, o ( / 51,92 ) 3,96 = (18) e, 3 e,96 18 ( / 51,92 ) =, ( / 51,92 ) 0,22 = e, Aplicando o logarimo naural (ln) de ambos os lados da úlima equação acima, eremos que ln 0,22 ( / 51,92 ) = ln e, onde, nessa úlima equação, usaremos a regra 1,5141 =, 51,92 1,5141 =, 51,92 = ( 1,5141) (51,92) = 78, 61s. ln e a = a. Assim, c) A correne inicial do circuio, em microampères (µa), no processo de descarregameno do capacior. A correne inicial do circuio, para o capacior em processo de descarregameno, é, de (8.9), I Vo 18V = = = 7,63 A. R 2,36MΩ o µ 12 d) A quanidade de carga elérica no capacior, em microcoulombs (µc), cinco segundos após o mesmo ser colocado em processo de descarregameno. A quanidade de carga elérica inicial no capacior Q o corresponde, idealmene, à própria quanidade de carga máxima do circuio, para o capacior em processo de carga (quando a ensão sobre o capacior, em seu processo de carregameno, se igualou à fem da fone, idealmene), iso é, Q o = Qmax = 396µ C. Assim, a quanidade de carga elérica no capacior, cinco segundos após o mesmo ser colocado em processo de descarregameno, é, de acordo com (8.12), 13

14 Q ( /τ ) D = Q o e, ( 5 / 51,92 ) Q = (396µ C) e, 0, Q = (396µ C) e, Q = ( 396µ C) (0,9082) = 359, 64µ C. Noe: em aproximadamene 5s, o capacior perdeu apenas 9,18% da sua carga armazenada inicialmene. EXERCÍCIOS PROPOSTOS 1. Um circuio RC série, de diagrama igual ao da Figura 8.1, consise de uma fone (ideal) de fem de 12V, um resisor de 1,4MΩ e um capacior de 1,8µF, o qual esá inicialmene descarregado. Sendo assim, em um processo de carga do capacior (ligação do inerrupor: a-s), deermine: a) A consane de empo do circuio, em segundos (s). b) A carga máxima acumulada no capacior, em microcoulombs (µc). c) O insane de empo, em segundos (s), para que a carga armazenada no capacior seja igual à meade do seu valor máximo. d) O insane de empo, em segundos (s), para que a ensão no capacior seja igual à meade da fem da fone. e) A correne máxima do circuio, em microampères (µa). f) O insane de empo, em segundos (s), para que a correne elérica no resisor decaia à meade do seu valor máximo. g) O insane de empo, em segundos (s), para que a quanidade de carga elérica no capacior cresça aé 55% do seu valor máximo. 2. Considere que, após um empo muio grande depois de ligado o circuio RC série do exercício anerior (onde consideramos = ), o capacior seja colocado em um processo de descarga (ligação do inerrupor: b-s). Sendo assim, deermine: a) A consane de empo do circuio, em segundos (s). b) A carga inicial acumulada no capacior, em microcoulombs (µc). c) O insane de empo, em segundos (s), para que a carga inicial armazenada no capacior decaia à meade do seu valor inicial. d) O insane de empo, em segundos (s), para que a ensão no capacior seja igual à meade da sua ensão inicial. e) A correne inicial do circuio, em microampères (µa). f) O insane de empo, em segundos (s), para que a correne elérica no resisor decaia à meade do seu valor inicial. g) O insane de empo, em segundos (s), para que a quanidade de carga elérica no capacior decresça aé 55% do seu valor inicial. 3. Um circuio RC série, de diagrama igual ao da Figura 8.4, consise de uma fone (ideal) de fem de 12V, um resisor R 1 de 1,2kΩ, um resisor R 2 de 2,2kΩ e um capacior de 1µF, inicialmene descarregado. Sendo assim, em um processo de carga do capacior (ligação do inerrupor: a-s), deermine: a) A consane de empo do circuio, em mili-segundos (ms). 14

15 b) A carga máxima acumulada no capacior, em microcoulombs (µc). c) O insane de empo, em mili-segundos (ms), para que a carga armazenada no capacior seja igual à meade do seu valor máximo. d) O insane de empo, em mili-segundos (ms), para que a ensão no capacior seja igual à meade da fem da fone. e) A correne máxima do circuio, em miliampères (ma). f) O insane de empo, em mili-segundos (ms), para que a correne elérica no resisor decaia à meade do seu valor máximo. 4. Considere que, após um empo muio grande depois de ligado o circuio RC série do exercício anerior (onde consideramos = ), o capacior seja colocado em um processo de descarga (ligação do inerrupor: b-s). Sendo assim, deermine: a) A consane de empo do circuio, em mili-segundos. b) A carga inicial acumulada no capacior, em microcoulombs (µc). c) O insane de empo, em mili-segundos (ms), para que a carga inicial armazenada no capacior decaia à meade do seu valor inicial. d) O insane de empo, em mili-segundos (ms), para que a ensão no capacior seja igual à meade da sua ensão inicial. e) A correne inicial do circuio, em miliampères (ma). f) O insane de empo, em mili-segundos (ms), para que a correne elérica no resisor decaia à meade do seu valor inicial. 5. Um circuio RC série, de diagrama igual ao da Figura 8.4, consise de uma fone (ideal) de fem de 12V, um resisor R 1 de 1,5MΩ, um resisor R 2 de 220kΩ e um capacior de 47µF, inicialmene descarregado. Sendo assim, em um processo de carga do capacior (ligação do inerrupor: a-s), deermine: a) A consane de empo do circuio, em segundos (s). b) A carga máxima acumulada no capacior, em microcoulombs (µc). c) O insane de empo, em segundos (s), para que a carga armazenada no capacior seja igual à meade do seu valor máximo. d) O insane de empo, em segundos (s), para que a ensão no capacior seja igual à meade da fem da fone. e) A correne máxima do circuio, em microampères (µa). f) O insane de empo, em segundos (s), para que a correne elérica no resisor decaia à meade do seu valor máximo. 6. Considere que, após um empo muio grande depois de ligado o circuio RC série do exemplo anerior (onde consideramos = ), o capacior seja colocado em um processo de descarga (ligação do inerrupor: b-s). Sendo assim, deermine: a) A consane de empo do circuio, em segundos (s). b) A carga inicial acumulada no capacior, em microcoulombs (µc). c) O insane de empo, em segundos (s), para que a carga inicial armazenada no capacior decaia à meade do seu valor inicial. d) O insane de empo, em segundos (s), para que a ensão no capacior seja igual à meade da sua ensão inicial. e) A correne inicial do circuio, em microampères (µa). f) O insane de empo, em segundos (s), para que a correne elérica no resisor decaia à meade do seu valor inicial. 7. Um circuio RC série, de diagrama igual ao da Figura 8.1, consise de uma fone (ideal) de fem de 12V, um capacior de 1pF, inicialmene descarregado, e um resisor de valor desconhecido. Sabe-se que a 15

16 ensão aravés do capacior, em um processo de carga do mesmo (ligação do inerrupor: a-s), sobe para 5V em 1,8µs. Sendo assim, deermine: a) A consane de empo de carga (e descarga) do circuio, em micro-segundos (µs). b) O valor desse resisor, em megaohms (MΩ). 8. Um circuio RC série, de diagrama igual ao da Figura 8.1, consise de uma fone (ideal) de fem de 15V, um resisor de 8,2kΩ, e um capacior de valor desconhecido, o qual esá inicialmene descarregado. Sabe-se que a ensão aravés do capacior, em um processo de carga do mesmo (ligação do inerrupor: a-s), sobe para 3,9V em 0,2s. Sendo assim, deermine: a) A consane de empo de carga (e descarga) do circuio, em mili-segundos (ms). b) O valor do capacior, em microfarads (µf). 9. Um circuio RC série, de diagrama igual ao da Figura 8.1, consise de uma fone (ideal) de fem de 12V, um resisor de 15kΩ e um capacior de valor desconhecido, o qual esá inicialmene descarregado. Sabese que a ensão aravés do capacior, em um processo de carga do mesmo (ligação do inerrupor: a-s), sobe para 5V em 1,3µs. Sendo assim, deermine: a) A consane de empo de carga (e descarga) do circuio, em micro-segundos (µs). b) O valor do capacior, em picofarads (pf). 10. Um circuio RC série, de diagrama igual ao da Figura 8.1, consise de uma fone (ideal) de fem de 15V, um capacior de 1.800µF, inicialmene descarregado, e um resisor de 10kΩ. Sendo assim, deermine: a) A consane de empo de carga (e descarga) do circuio, em segundos (s). b) O insane de empo, em segundos (s), para que a quanidade de carga no capacior, durane seu processo de carregameno (ligação do inerrupor: a-s), seja igual a 30% da sua quanidade de carga máxima possível. 11. No exercício proposo de número 18, do Capíulo 7 (Capaciância), consideramos a eficácia de um capacior para armazenar energia poencial elérica, a qual é a base do desfibrilador, aparelho usado por uma equipe médica de emergência para coner a fibrilação de um coração viimado por um aaque cardíaco. Na ocasião, supomos um desfibrilador consruído com um capacior de 70µF, o qual é carregado a uma ddp de 5kV. Considerou-se que cerca de 200J da energia oal armazenada no desfibrilador (capacior) foram enviados aravés da víima durane um pulso de 2ms. Iso consiui um circuio RC série em processo de descarga do capacior (desfibrilador). Nese caso, a resisência do circuio é consiuída pelo caminho, ao longo do peio da víima, pelo qual aravessa a correne elérica variável, enre um erminal e ouro do aparelho. Assim sendo, e endo em mene os dados obidos durane a resolução do referido exercício de número 18 (do Capíulo 7), deermine: a) A consane de empo de descarga do circuio, em mili-segundos (ms). b) O valor aproximado da resisência, em ohms (Ω), consiuída pelo caminho ao longo do peio da víima, pelo qual aravessa a correne elérica variável, enre um erminal e ouro do aparelho. 12. Considere um circuio RC série de diagrama igual ao da Figura 8.4. Sabe-se que a ensão sobre o capacior (inicialmene descarregado) de 1000µF, durane um processo de carga no mesmo (ligação do inerrupor: a-s para carregameno; ligação b-s para descarregameno), ainge 63,21% da fem ideal de 30V em aproximadamene 4,31s. Para o processo de carga do mesmo, sabe-se que sua consane de empo (de carga) equivale a um erço do valor da consane de empo do processo de descarga no capacior. Assim sendo, deermine: 16

17 a) A consane de empo do circuio de carga do capacior, em segundos (s). b) A consane de empo do circuio de descarga do capacior, em segundos (s). c) O valor do resisor R 1. d) O valor do resisor R 2. e) O insane de empo, em segundos (s), para que a ensão no capacior, durane seu processo de carregameno, seja igual a 42% da sua ensão máxima possível. f) O insane de empo, em segundos (s), para que a ensão no capacior, durane seu processo de descarregameno, se reduza a 42% da sua ensão inicial. g) A correne máxima do circuio, em miliampères (ma), no processo de carregameno do capacior. h) A correne inicial do circuio, em miliampères (ma), no processo de descarregameno do capacior. i) O insane de empo, em segundos (s), para que a correne elérica do circuio decaia à meade do seu valor inicial, no processo de carregameno do capacior. j) O insane de empo, em segundos (s), para que a correne elérica do circuio decaia à meade do seu valor inicial, no processo de descarregameno do capacior. k) A quanidade de carga elérica máxima à ser acumulada no capacior, em milicoulombs (mc), no seu processo de carregameno. l) O insane de empo, em segundos (s), para que a quanidade de carga elérica no capacior cresça aé um quaro do seu valor máximo, no processo de carregameno do mesmo. m) O insane de empo, em segundos (s), para que a quanidade de carga elérica no capacior decresça aé um quaro do seu valor inicial, no processo de descarregameno do mesmo. RESPOSTAS DOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS 1. a) 2,52s; b) 21,6µC; c) 1,75s; d) 1,75s; e) 8,57µA; f) 1,75s; g) 2,01s; 2. a) 2,52s; b) 21,6µC; c) 1,75s; d) 1,75s; e) 8,57µA; f) 1,75s; g) 1,51s; 3. a) 1,2ms; b) 12µC; c) 0,83ms; d) 0,83ms; e) 10mA; f) 0,83ms; 4. a) 3,4ms; b) 12µC; c) 2,36ms; d) 2,36ms; e) 3,53mA; f) 2,36ms; 5. a) 70,5s; b) 564µC; c) 48,87s; d) 48,87s; e) 8,57µA; f) 48,87s; 6. a) 80,84s; b) 564µC; c) 56,03s; d) 56,03s; e) 6,98µA; f) 56,03s; 7. a) 3,34µs; b) 3,34MΩ; 8. a) 664,22ms; b) 81µF; 9. a) 2,41µs; b) 160,79pF; 10. a) 18s; b) 6,42s; 11. a) 15,41ms; b) 220,19Ω; 12. a) 4,7s b) 14,1s; c) 4,7kΩ; d) 9,4kΩ; e) 2,56s; f) 7,68s; g) 6,38mA; h) 2,13mA; i) 3,26s; j) 9,77s; k) 30mC; l) 1,35s; m) 19,55s; 17

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031 Universidade Federal do io Grande do Sul Escola de Engenharia de Poro Alegre Deparameno de Engenharia Elérica ANÁLISE DE CICUITOS II - ENG43 Aula 5 - Condições Iniciais e Finais de Carga e Descarga em

Leia mais

INF Técnicas Digitais para Computação. Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos. Aula 3

INF Técnicas Digitais para Computação. Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos. Aula 3 INF01 118 Técnicas Digiais para Compuação Conceios Básicos de Circuios Eléricos Aula 3 1. Fones de Tensão e Correne Fones são elemenos aivos, capazes de fornecer energia ao circuio, na forma de ensão e

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuios Eléricos I EEL420 Coneúdo 1 - Circuios de primeira ordem...1 1.1 - Equação diferencial ordinária de primeira ordem...1 1.1.1 - Caso linear, homogênea, com

Leia mais

5.1 Objectivos. Caracterizar os métodos de detecção de valor eficaz.

5.1 Objectivos. Caracterizar os métodos de detecção de valor eficaz. 5. PRINCÍPIOS DE MEDIÇÃO DE CORRENE, ENSÃO, POÊNCIA E ENERGIA 5. Objecivos Caracerizar os méodos de deecção de valor eficaz. Caracerizar os méodos de medição de poência e energia em correne conínua, correne

Leia mais

Circuitos Elétricos- módulo F4

Circuitos Elétricos- módulo F4 Circuios léricos- módulo F4 M 014 Correne elécrica A correne elécrica consise num movimeno orienado de poradores de cara elécrica por acção de forças elécricas. Os poradores de cara podem ser elecrões

Leia mais

F B d E) F A. Considere:

F B d E) F A. Considere: 5. Dois corpos, e B, de massas m e m, respecivamene, enconram-se num deerminado insane separados por uma disância d em uma região do espaço em que a ineração ocorre apenas enre eles. onsidere F o módulo

Leia mais

UNIDADE 2. t=0. Fig. 2.1-Circuito Com Indutor Pré-Carregado

UNIDADE 2. t=0. Fig. 2.1-Circuito Com Indutor Pré-Carregado UNIDAD 2 CIRCUITOS BÁSICOS COM INTRRUPTORS 2.1 CIRCUITOS D PRIMIRA ORDM 2.1.1 Circuio com Induor PréCarregado em Série com Diodo Seja o circuio represenado na Fig. 2.1. D i =0 Fig. 2.1Circuio Com Induor

Leia mais

Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem

Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem Definição. Uma EDO de 1 a ordem é dia linear se for da forma y + fx y = gx. 1 A EDO linear de 1 a ordem é uma equação do 1 o grau em y e em y. Qualquer dependência

Leia mais

18 GABARITO 1 2 O DIA PROCESSO SELETIVO/2005 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

18 GABARITO 1 2 O DIA PROCESSO SELETIVO/2005 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 18 GABARITO 1 2 O DIA PROCESSO SELETIO/2005 ÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. O gálio é um meal cuja emperaura de fusão é aproximadamene o C. Um pequeno pedaço desse meal, a 0 o C, é colocado em um recipiene

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL Movimeno unidimensional 5 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL. Inrodução Denre os vários movimenos que iremos esudar, o movimeno unidimensional é o mais simples, já que odas as grandezas veoriais que descrevem o

Leia mais

4 Modelagem e metodologia de pesquisa

4 Modelagem e metodologia de pesquisa 4 Modelagem e meodologia de pesquisa Nese capíulo será apresenada a meodologia adoada nese rabalho para a aplicação e desenvolvimeno de um modelo de programação maemáica linear misa, onde a função-objeivo,

Leia mais

Instituto de Física USP. Física V - Aula 26. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física V - Aula 26. Professora: Mazé Bechara Insiuo de Física USP Física V - Aula 6 Professora: Mazé Bechara Aula 6 Bases da Mecânica quânica e equações de Schroedinger. Aplicação e inerpreações. 1. Ouros posulados da inerpreação de Max-Born para

Leia mais

Lista de Exercícios n o.1. 1) O diodo do circuito da Fig. 1(a) se comporta segundo a característica linearizada por partes da Fig 1(b). I D (ma) Fig.

Lista de Exercícios n o.1. 1) O diodo do circuito da Fig. 1(a) se comporta segundo a característica linearizada por partes da Fig 1(b). I D (ma) Fig. Universidade Federal da Bahia EE isposiivos Semiconduores ENG C41 Lisa de Exercícios n o.1 1) O diodo do circuio da Fig. 1 se compora segundo a caracerísica linearizada por pares da Fig 1. R R (ma) 2R

Leia mais

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo Teoria dos ircuios e Fundamenos de Elecrónica Análise de ircuios Dinâmicos no Domínio do Tempo Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@is.ul.p DEE Área ienífica de Elecrónica T.M.Almeida IST-DEE- AElecrónica

Leia mais

Conversores CC-CC: Conversor Buck- Boost

Conversores CC-CC: Conversor Buck- Boost 14 Conversores CCCC: Conversor Buck Boos Mea dese capíulo Capíulo Esudar o princípio de funcionameno do conversor BuckBoos objeivos Enender o funcionameno dos conversores cccc do ipo BuckBoos Analisar

Leia mais

1 Movimento de uma Carga Pontual dentro de um Campo Elétrico

1 Movimento de uma Carga Pontual dentro de um Campo Elétrico Correne Elérica Movimeno de uma Carga Ponual denro de um Campo Elérico Uma carga elérica denro de um campo elérico esá sujeia a uma força igual a qe. Se nenhuma oura força aua sobre essa carga (considerar

Leia mais

TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 18 LIVRO DO NILSON)

TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 18 LIVRO DO NILSON) TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 8 LIVRO DO NILSON). CONSIDERAÇÕES INICIAIS SÉRIES DE FOURIER: descrevem funções periódicas no domínio da freqüência (ampliude e fase). TRANSFORMADA DE FOURIER:

Leia mais

Conceitos Básicos Circuitos Resistivos

Conceitos Básicos Circuitos Resistivos Conceios Básicos Circuios esisivos Elecrónica 005006 Arnaldo Baisa Elecrónica_biomed_ef Circuio Elécrico com uma Baeria e uma esisência I V V V I Lei de Ohm I0 V 0 i0 Movimeno Das Pás P >P P >P Líquido

Leia mais

Amplificadores de potência de RF

Amplificadores de potência de RF Amplificadores de poência de RF Objeivo: Amplificar sinais de RF em níveis suficienes para a sua ransmissão (geralmene aravés de uma anena) com bom rendimeno energéico. R g P e RF P CC Amplificador de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 11º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 11º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A Tarefa de revisão nº 17 1. Uma empresa lançou um produo no mercado. Esudos efecuados permiiram concluir que a evolução do preço se aproxima do seguine modelo maemáico: 7 se 0 1 p() =, p em euros e em anos.

Leia mais

4. SINAL E CONDICIONAMENTO DE SINAL

4. SINAL E CONDICIONAMENTO DE SINAL 4. SINAL E CONDICIONAMENO DE SINAL Sumário 4. SINAL E CONDICIONAMENO DE SINAL 4. CARACERÍSICAS DOS SINAIS 4.. Período e frequência 4..2 alor médio, valor eficaz e valor máximo 4.2 FILRAGEM 4.2. Circuio

Leia mais

Tópicos Especiais em Energia Elétrica (Projeto de Inversores e Conversores CC-CC)

Tópicos Especiais em Energia Elétrica (Projeto de Inversores e Conversores CC-CC) Deparameno de Engenharia Elérica Tópicos Especiais em Energia Elérica () ula 2.2 Projeo do Induor Prof. João mérico Vilela Projeo de Induores Definição do úcleo a Fig.1 pode ser observado o modelo de um

Leia mais

O gráfico que é uma reta

O gráfico que é uma reta O gráfico que é uma rea A UUL AL A Agora que já conhecemos melhor o plano caresiano e o gráfico de algumas relações enre e, volemos ao eemplo da aula 8, onde = + e cujo gráfico é uma rea. Queremos saber

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I CONDUTORES E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO (CDP_EA)

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I CONDUTORES E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO (CDP_EA) PEA 40 - LAORAÓRO DE NSALAÇÕES ELÉRCAS CONDUORES E DSPOSVOS DE PROEÇÃO (CDP_EA) RELAÓRO - NOA... Grupo:...... Professor:...Daa:... Objeivo:..... MPORANE: Em odas as medições, o amperímero de alicae deverá

Leia mais

CINÉTICA RADIOATIVA. Introdução. Tempo de meia-vida (t 1/2 ou P) Atividade Radioativa

CINÉTICA RADIOATIVA. Introdução. Tempo de meia-vida (t 1/2 ou P) Atividade Radioativa CIÉTIC RDIOTIV Inrodução Ese arigo em como objeivo analisar a velocidade dos diferenes processos radioaivos, no que chamamos de cinéica radioaiva. ão deixe de anes esudar o arigo anerior sobre radioaividade

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA Inrodução Ese arigo raa de um dos assunos mais recorrenes nas provas do IME e do ITA nos úlimos anos, que é a Cinéica Química. Aqui raamos principalmene dos

Leia mais

Função Exponencial 2013

Função Exponencial 2013 Função Exponencial 1 1. (Uerj 1) Um imóvel perde 6% do valor de venda a cada dois anos. O valor V() desse imóvel em anos pode ser obido por meio da fórmula a seguir, na qual V corresponde ao seu valor

Leia mais

Noções de Espectro de Freqüência

Noções de Espectro de Freqüência MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Campus São José Curso de Telecomunicações Noções de Especro de Freqüência Marcos Moecke São José - SC, 6 SUMÁRIO 3. ESPECTROS DE FREQÜÊNCIAS 3. ANÁLISE DE SINAIS NO DOMÍNIO DA

Leia mais

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS LTROMAGNTISMO II 3 ONDAS LTROMAGNÉTICAS A propagação de ondas eleromagnéicas ocorre quando um campo elérico variane no empo produ um campo magnéico ambém variane no empo, que por sua ve produ um campo

Leia mais

O gráfico que é uma reta

O gráfico que é uma reta O gráfico que é uma rea A UUL AL A Agora que já conhecemos melhor o plano caresiano e o gráfico de algumas relações enre e, volemos ao eemplo da aula 8, onde = + e cujo gráfico é uma rea. Queremos saber

Leia mais

O potencial eléctrico de um condutor aumenta à medida que lhe fornecemos carga eléctrica. Estas duas grandezas são

O potencial eléctrico de um condutor aumenta à medida que lhe fornecemos carga eléctrica. Estas duas grandezas são O ondensador O poencial elécrico de um conduor aumena à medida que lhe fornecemos carga elécrica. Esas duas grandezas são direcamene proporcionais. No enano, para a mesma quanidade de carga, dois conduores

Leia mais

Lista de Exercícios nº 3 - Parte IV

Lista de Exercícios nº 3 - Parte IV DISCIPLINA: SE503 TEORIA MACROECONOMIA 01/09/011 Prof. João Basilio Pereima Neo E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lisa de Exercícios nº 3 - Pare IV 1ª Quesão (...) ª Quesão Considere um modelo algébrico

Leia mais

Física. Física Módulo 1

Física. Física Módulo 1 Física Módulo 1 Nesa aula... Movimeno em uma dimensão Aceleração e ouras coisinhas O cálculo de x() a parir de v() v( ) = dx( ) d e x( ) x v( ) d = A velocidade é obida derivando-se a posição em relação

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Dinâmicos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Dinâmicos Análise de Projecos ESAPL / IPVC Criérios de Valorização e Selecção de Invesimenos. Méodos Dinâmicos Criério do Valor Líquido Acualizado (VLA) O VLA de um invesimeno é a diferença enre os valores dos benefícios

Leia mais

Características dos Processos ARMA

Características dos Processos ARMA Caracerísicas dos Processos ARMA Aula 0 Bueno, 0, Capíulos e 3 Enders, 009, Capíulo. a.6 Morein e Toloi, 006, Capíulo 5. Inrodução A expressão geral de uma série emporal, para o caso univariado, é dada

Leia mais

UM MÉTODO RÁPIDO PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DO ENROLAMENTO DO ESTATOR DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DO TIPO GAIOLA

UM MÉTODO RÁPIDO PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DO ENROLAMENTO DO ESTATOR DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DO TIPO GAIOLA ART643-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1 UM MÉTD RÁPID PARA ANÁLISE D CMPRTAMENT TÉRMIC D ENRLAMENT D ESTATR DE MTRES DE INDUÇÃ TRIFÁSICS D TIP GAILA 1 - RESUM Jocélio de Sá; João Robero Cogo; Hécor Arango. objeivo

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

Confiabilidade e Taxa de Falhas

Confiabilidade e Taxa de Falhas Prof. Lorí Viali, Dr. hp://www.pucrs.br/fama/viali/ viali@pucrs.br Definição A confiabilidade é a probabilidade de que de um sisema, equipameno ou componene desempenhe a função para o qual foi projeado

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

FÍSICA II. Estudo de circuitos RC em corrente contínua

FÍSICA II. Estudo de circuitos RC em corrente contínua FÍSICA II GUIA DO 2º TRABALHO LABORATORIAL Esudo de circuios RC em correne conínua OBJECTIVOS Preende-se com ese rabalho que os alunos conacem com um circuio elécrico conendo resisências, condensadores

Leia mais

CIRCUITOS COM CAPACITORES

CIRCUITOS COM CAPACITORES CIRCUITOS COM CAPACITORES 1. (Ufpr 13) Considerando que todos os capacitores da associação mostrada na figura abaixo têm uma capacitância igual a C, determine a capacitância do capacitor equivalente entre

Leia mais

Professor: Danilo Dacar

Professor: Danilo Dacar Progressão Ariméica e Progressão Geomérica. (Pucrj 0) Os números a x, a x e a x esão em PA. A soma dos números é igual a: a) 8 b) c) 7 d) e) 0. (Fuves 0) Dadas as sequências an n n, n n cn an an b, e b

Leia mais

Circuitos simples em corrente alternada Resistor, Capacitor e Indutor

Circuitos simples em corrente alternada Resistor, Capacitor e Indutor 1 - Conceios relacionados Resisência, correne, ensão, reaância, fase, ferença de fase 2 Objeivos Avaliar a dependência da reaância de sposiivos simples como resisor, capacior e induor em regime esacionário

Leia mais

Professor: Danilo Dacar

Professor: Danilo Dacar . (Pucrj 0) Os números a x, a x e a3 x 3 esão em PA. A soma dos 3 números é igual a: é igual a e o raio de cada semicírculo é igual à meade do semicírculo anerior, o comprimeno da espiral é igual a a)

Leia mais

AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM

AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM 163 22. PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM 22.1. Inrodução Na Seção 9.2 foi falado sobre os Parâmeros de Core e

Leia mais

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-07 UNICAMP IFGW F128 2o Semestre de 2012

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-07 UNICAMP IFGW F128 2o Semestre de 2012 F-18 Física Geral I Aula eploraória-07 UNICAMP IFGW username@ii.unicamp.br F18 o Semesre de 01 1 Energia Energia é um conceio que ai além da mecânica de Newon e permanece úil ambém na mecânica quânica,

Leia mais

AULA PRÁTICA-TEÓRICA 01 ANÁLISE DE CIRCUITOS COM DIODOS

AULA PRÁTICA-TEÓRICA 01 ANÁLISE DE CIRCUITOS COM DIODOS PráicaTeórica 01 Análise de circuios com diodos INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Elerônica I AULA PRÁTICATEÓRICA

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Paricia Maria Borolon, D. Sc. Séries Temporais Fone: GUJARATI; D. N. Economeria Básica: 4ª Edição. Rio de Janeiro. Elsevier- Campus, 2006 Processos Esocásicos É um conjuno de variáveis

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

RÁPIDA INTRODUÇÃO À FÍSICA DAS RADIAÇÕES Simone Coutinho Cardoso & Marta Feijó Barroso UNIDADE 3. Decaimento Radioativo

RÁPIDA INTRODUÇÃO À FÍSICA DAS RADIAÇÕES Simone Coutinho Cardoso & Marta Feijó Barroso UNIDADE 3. Decaimento Radioativo Decaimeno Radioaivo RÁPIDA ITRODUÇÃO À FÍSICA DAS RADIAÇÕES Simone Couinho Cardoso & Mara Feijó Barroso Objeivos: discuir o que é decaimeno radioaivo e escrever uma equação que a descreva UIDADE 3 Sumário

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

2.6 - Conceitos de Correlação para Sinais Periódicos

2.6 - Conceitos de Correlação para Sinais Periódicos .6 - Conceios de Correlação para Sinais Periódicos O objeivo é o de comparar dois sinais x () e x () na variável empo! Exemplo : Considere os dados mosrados abaixo y 0 x Deseja-se ober a relação enre x

Leia mais

Capítulo Cálculo com funções vetoriais

Capítulo Cálculo com funções vetoriais Cálculo - Capíulo 6 - Cálculo com funções veoriais - versão 0/009 Capíulo 6 - Cálculo com funções veoriais 6 - Limies 63 - Significado geomérico da derivada 6 - Derivadas 64 - Regras de derivação Uiliaremos

Leia mais

dr = ( t ) k. Portanto,

dr = ( t ) k. Portanto, Aplicações das Equações Diferenciais de ordem (Evaporação de uma goa) Suponha que uma goa de chuva esférica evapore numa aa proporcional à sua área de superfície Se o raio original era de mm e depois de

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Cinemática Vetorial Movimento Retilíneo. Movimento. Mecânica : relaciona força, matéria e movimento

Cinemática Vetorial Movimento Retilíneo. Movimento. Mecânica : relaciona força, matéria e movimento Fisica I - IO Cinemáica Veorial Moimeno Reilíneo Prof. Crisiano Olieira Ed. Basilio Jafe sala crislpo@if.usp.br Moimeno Mecânica : relaciona força, maéria e moimeno Cinemáica : Pare da mecânica que descree

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

Versão preliminar serão feitas correções em sala de aula 1

Versão preliminar serão feitas correções em sala de aula 1 Versão preinar serão feias correções em sala de aula 7.. Inrodução Dependendo das condições de soliciação, o maerial pode se enconrar sob diferenes esados mecânicos. Quando as cargas (exernas) são pequenas

Leia mais

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear 2. ÍOOS E JUNÇÃO Fernando Gonçalves nsiuo Superior Técnico Teoria dos Circuios e Fundamenos de Elecrónica - 2004/2005 íodo de Junção isposiivo de dois erminais, passivo e não-linear Foografia ânodo Símbolo

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

4 O modelo econométrico

4 O modelo econométrico 4 O modelo economérico O objeivo desse capíulo é o de apresenar um modelo economérico para as variáveis financeiras que servem de enrada para o modelo esocásico de fluxo de caixa que será apresenado no

Leia mais

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise 4 O Papel das Reservas no Cuso da Crise Nese capíulo buscamos analisar empiricamene o papel das reservas em miigar o cuso da crise uma vez que esa ocorre. Acrediamos que o produo seja a variável ideal

Leia mais

Duas opções de trajetos para André e Bianca. Percurso 1( Sangiovanni tendo sorteado cara e os dois se encontrando no ponto C): P(A) =

Duas opções de trajetos para André e Bianca. Percurso 1( Sangiovanni tendo sorteado cara e os dois se encontrando no ponto C): P(A) = RESOLUÇÃO 1 A AVALIAÇÃO UNIDADE II -016 COLÉGIO ANCHIETA-BA PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA ELABORAÇÃO e PESQUISA: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. QUESTÃO 01. Três saélies compleam suas respecivas

Leia mais

ENG04030 - ANÁLISE DE CIRCUITOS I ENG04030

ENG04030 - ANÁLISE DE CIRCUITOS I ENG04030 EG04030 AÁISE DE IRUITOS I Aulas 9 ircuios e ª orem: análise no omínio o empo aracerísicas e capaciores e inuores; energia armazenaa nos componenes; associação e capaciores/inuores Sérgio Haffner ircuios

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II E.N.I.D.H. Deparameno de Radioecnia APONTAMENTOS DE ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II (Capíulo 2) José Manuel Dores Cosa 2000 42 ÍNDICE Inrodução... 44 CAPÍTULO 2... 45 CONVERSORES COMUTADOS DE CORRENTE CONTÍNUA...

Leia mais

RASCUNHO. a) 120º10 b) 95º10 c) 120º d) 95º e) 110º50

RASCUNHO. a) 120º10 b) 95º10 c) 120º d) 95º e) 110º50 ª QUESTÃO Uma deerminada cidade organizou uma olimpíada de maemáica e física, para os alunos do º ano do ensino médio local. Inscreveramse 6 alunos. No dia da aplicação das provas, consaouse que alunos

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados e marque o resultado na Folha de Respostas.

INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados e marque o resultado na Folha de Respostas. SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - JULHO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÕES de 0 a

Leia mais

6ROXomR: A aceleração das esferas é a mesma, g (aceleração da gravidade), como demonstrou

6ROXomR: A aceleração das esferas é a mesma, g (aceleração da gravidade), como demonstrou 6ROXomR&RPHQWDGD3URYDGH)VLFD. O sisema inernacional de unidades e medidas uiliza vários prefixos associados à unidade-base. Esses prefixos indicam os múliplos decimais que são maiores ou menores do que

Leia mais

A entropia de uma tabela de vida em previdência social *

A entropia de uma tabela de vida em previdência social * A enropia de uma abela de vida em previdência social Renao Marins Assunção Leícia Gonijo Diniz Vicorino Palavras-chave: Enropia; Curva de sobrevivência; Anuidades; Previdência Resumo A enropia de uma abela

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACUDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III icenciaura de Economia (ºAno/1ºS) Ano ecivo 007/008 Caderno de Exercícios Nº 1

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO. Matemática A B C D E A B C D E. Avaliação da Aprendizagem em Processo Prova do Aluno 3 a série do Ensino Médio

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO. Matemática A B C D E A B C D E. Avaliação da Aprendizagem em Processo Prova do Aluno 3 a série do Ensino Médio AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO Maemáica a série do Ensino Médio Turma EM GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO o Bimesre de 6 Daa / / Escola Aluno A B C D E 6 7 9 A B C D E Avaliação

Leia mais

4 Metodologia Proposta para o Cálculo do Valor de Opções Reais por Simulação Monte Carlo com Aproximação por Números Fuzzy e Algoritmos Genéticos.

4 Metodologia Proposta para o Cálculo do Valor de Opções Reais por Simulação Monte Carlo com Aproximação por Números Fuzzy e Algoritmos Genéticos. 4 Meodologia Proposa para o Cálculo do Valor de Opções Reais por Simulação Mone Carlo com Aproximação por Números Fuzzy e Algorimos Genéicos. 4.1. Inrodução Nese capíulo descreve-se em duas pares a meodologia

Leia mais

A diferença entre as intensidades das correntes que passam nos pontos x e y é: a) 0,5 A. b) 1,5 A. c) 2,0 A. d) 4,0 A.

A diferença entre as intensidades das correntes que passam nos pontos x e y é: a) 0,5 A. b) 1,5 A. c) 2,0 A. d) 4,0 A. 1. Seja o circuito elétrico apresentado, onde R = ohms. A diferença entre as intensidades das correntes que passam nos pontos x e y é: a) 0,5 A. b) 1,5 A. c),0 A. d) 4,0 A.. Um circuito de malha dupla

Leia mais

Mecânica da partícula

Mecânica da partícula -- Mecânica da parícula Moimenos sob a acção de uma força resulane consane Prof. Luís C. Perna LEI DA INÉRCIA OU ª LEI DE NEWTON LEI DA INÉRCIA Para que um corpo alere o seu esado de moimeno é necessário

Leia mais

Função de risco, h(t) 3. Função de risco ou taxa de falha. Como obter a função de risco. Condições para uma função ser função de risco

Função de risco, h(t) 3. Função de risco ou taxa de falha. Como obter a função de risco. Condições para uma função ser função de risco Função de risco, h() 3. Função de risco ou axa de falha Manuenção e Confiabilidade Prof. Flavio Fogliao Mais imporane das medidas de confiabilidade Traa-se da quanidade de risco associada a uma unidade

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA II

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA II EETRÔNIA DE POTÊNIA II AUA 2 ONEROR BUK (sep-down) Prof. Marcio Kimpara UFM - Universidade Federal de Mao Grosso do ul FAENG Faculdade de Engenharias, Arquieura e Urbanismo e Geografia Aula Anerior...

Leia mais

3ª Ficha. Corrente, resistência e circuitos de corrente contínua

3ª Ficha. Corrente, resistência e circuitos de corrente contínua 3ª Ficha Corrente, resistência e circuitos de corrente contínua 1- Um condutor eléctrico projectado para transportar corrente elevadas possui um comprimento de 14.0 m e uma secção recta circular com diâmetro

Leia mais

GABARITO COMENTADO 9 VESTIBULAR FEPECS 2009 PROVA 2 2 DIA (11/01/2009 DOMINGO)

GABARITO COMENTADO 9 VESTIBULAR FEPECS 2009 PROVA 2 2 DIA (11/01/2009 DOMINGO) GABARITO COMENTADO 9 VESTIBULAR FEPECS 9 PROVA DIA (//9 DOMINGO) Equipe de elaboradores: Eduardo Ulisses, George Menezes, Márcia Verburg, Édio Gleiser, Daniel Barros, Domigos Dias, Thiago Rezende, Hara

Leia mais

Econometria Semestre

Econometria Semestre Economeria Semesre 00.0 6 6 CAPÍTULO ECONOMETRIA DE SÉRIES TEMPORAIS CONCEITOS BÁSICOS.. ALGUMAS SÉRIES TEMPORAIS BRASILEIRAS Nesa seção apresenamos algumas séries econômicas, semelhanes às exibidas por

Leia mais

QUESTÃO 60 DA CODESP

QUESTÃO 60 DA CODESP UEÃO 60 D CODE - 0 êmpera é um ipo de raameno érmico uilizado para aumenar a dureza de peças de aço respeio da êmpera, é correo afirmar: ) a êmpera modifica de maneira uniforme a dureza da peça, independenemene

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

Análise de séries de tempo: modelos de decomposição

Análise de séries de tempo: modelos de decomposição Análise de séries de empo: modelos de decomposição Profa. Dra. Liane Werner Séries de emporais - Inrodução Uma série emporal é qualquer conjuno de observações ordenadas no empo. Dados adminisraivos, econômicos,

Leia mais

CORREIOS. Prof. Sérgio Altenfelder

CORREIOS. Prof. Sérgio Altenfelder 15. Uma pessoa preende medir a alura de um edifício baseado no amanho de sua sombra projeada ao solo. Sabendo-se que a pessoa em 1,70m de alura e as sombras do edifício e da pessoa medem 20m e 20cm respecivamene,

Leia mais

Exercícios Sobre Oscilações, Bifurcações e Caos

Exercícios Sobre Oscilações, Bifurcações e Caos Exercícios Sobre Oscilações, Bifurcações e Caos Os ponos de equilíbrio de um modelo esão localizados onde o gráfico de + versus cora a rea definida pela equação +, cuja inclinação é (pois forma um ângulo

Leia mais

Contrato Futuro de Taxa Média das Operações Compromissadas de Um Dia (OC1) com Lastro em Títulos Públicos Federais

Contrato Futuro de Taxa Média das Operações Compromissadas de Um Dia (OC1) com Lastro em Títulos Públicos Federais Conrao Fuuro de Taxa Média das Operações Compromissadas de Um Dia (OC1) com Lasro em Tíulos Públicos Federais Especificações 1. Definições Conrao Fuuro de OC1: Taxa Média das Operações Compromissadas de

Leia mais

Exemplos de fontes emissoras de ondas eletromagnéticas

Exemplos de fontes emissoras de ondas eletromagnéticas emplos de fones emissoras de ondas eleromagnéicas Luz visível emiida por um filameno de lâmpada incandescene missoras de rádio e TV Osciladores de micro-ondas Aparelhos de raios X Diferem enre si, apenas

Leia mais

Tabela 1 Relações tensão-corrente, tensão-carga e impedância para capacitoers, resistores e indutores.

Tabela 1 Relações tensão-corrente, tensão-carga e impedância para capacitoers, resistores e indutores. Modelagem Maemáica MODELOS MATEMÁTICOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS O circuio equivalene à rede elérica com a quai rabalhamo coniem baicamene em rê componene lineare paivo: reiore, capaciore e induore. A Tabela

Leia mais

3. Representaç ão de Fourier dos Sinais

3. Representaç ão de Fourier dos Sinais Sinais e Sisemas - 3. Represenaç ão de Fourier dos Sinais Nese capíulo consideramos a represenação dos sinais como uma soma pesada de exponenciais complexas. Dese modo faz-se uma passagem do domínio do

Leia mais

Prof. Josemar dos Santos

Prof. Josemar dos Santos Engenharia Mecânica - FAENG Sumário SISTEMAS DE CONTROLE Definições Básicas; Exemplos. Definição; ; Exemplo. Prof. Josemar dos Sanos Sisemas de Conrole Sisemas de Conrole Objeivo: Inroduzir ferramenal

Leia mais

Overdose. Série Matemática na Escola. Objetivos

Overdose. Série Matemática na Escola. Objetivos Overdose Série Maemáica na Escola Objeivos 1. Analisar um problema sobre drogas, modelado maemaicamene por funções exponenciais; 2. Inroduzir o ermo meia-vida e com ele ober a função exponencial que modela

Leia mais

Modelagem e Previsão do Índice de Saponificação do Óleo de Soja da Giovelli & Cia Indústria de Óleos Vegetais

Modelagem e Previsão do Índice de Saponificação do Óleo de Soja da Giovelli & Cia Indústria de Óleos Vegetais XI SIMPEP - Bauru, SP, Brasil, 8 a 1 de novembro de 24 Modelagem e Previsão do Índice de Saponificação do Óleo de Soja da Giovelli & Cia Indúsria de Óleos Vegeais Regiane Klidzio (URI) gep@urisan.che.br

Leia mais

3 Retorno, Marcação a Mercado e Estimadores de Volatilidade

3 Retorno, Marcação a Mercado e Estimadores de Volatilidade eorno, Marcação a Mercado e Esimadores de Volailidade 3 3 eorno, Marcação a Mercado e Esimadores de Volailidade 3.. eorno de um Aivo Grande pare dos esudos envolve reorno ao invés de preços. Denre as principais

Leia mais

dipolar eléctrico de um cristal ferromagnético)

dipolar eléctrico de um cristal ferromagnético) Insrumenação Opoelecrónica 55 Tipos de foodeecores Deecores érmicos: Foodeecores Absorvem radiação luminosa e converem a energia elecromagnéica em energia érmica. O resulado desa conversão é um aumeno

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriee Righi LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 Aenção: Aualize seu adobe, ou subsiua os quadrados por negaivo!!! 1) Deermine

Leia mais

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 *

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * Mecânica e Sisemas e Parículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * 1. A velociae e escape e um planea ou esrela é e nia como seno a menor velociae requeria na superfície o objeo para que uma parícula escape

Leia mais