Amplificadores de potência de RF

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Amplificadores de potência de RF"

Transcrição

1 Amplificadores de poência de RF Objeivo: Amplificar sinais de RF em níveis suficienes para a sua ransmissão (geralmene aravés de uma anena) com bom rendimeno energéico. R g P e RF P CC Amplificador de poência de RF P perd η = P RF /P CC P RF UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

2 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro Conceio de Classe de um amplificador ransisorizado 0 R g π 2π Classe A: condução durane 2π Amplificador de poência de RF 0 π 2π Classe B: condução durane π 0 π 2π Classe C: condução < π

3 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro Conceio de Classe de um amplificador ransisorizado R g Classe D: rabalha em comuação Classe E: rabalha em comuação em ensão zero Amplificador de poência de RF Conrole

4 Tipos de amplificadores de poência de RF R g Amplificador de poência de RF v g Amplificadores lineares: a forma de onda da ensão de saída v s é proporcional à enrada v g. Amplificadores não lineares: a forma de onda da ensão de saída v s não é proporcional à de enrada v g. Caso paricular: ensão de saída v s proporcional a. v s UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

5 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro R g Amplificador Classe A com carga no circuio de polarização Polarização Circuio básico

6 P RF = i c12 /2 I B 1 P CC = i c1 η = P RF /P CC = i c1 /(2 ) Amplificador Classe A com carga no circuio de polarização / Escolhemos um pono de operação 1 Logo η aumena com 1. Mas o aumeno de 1 é limiado UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

7 η max = i c1 /(2 ) con 1 = /2 Logo: η max = 1/4 = 25% Amplificador Classe A com carga no circuio de polarização 1 = /2 / Valor máximo de 1 25% é um rendimeno máximo muio baixo! 1 = /2 I B UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

8 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro R g Amplificador Classe A com polarização por fone de correne Polarização Circuio básico I C

9 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro Amplificador Classe A com polarização por fone de correne I C i L Implemenação da fone de correne I C i L A ensão na fone de correne deve ser conforme a figura

10 I C i L Amplificador Classe A com polarização por fone de correne Escolha do pono de operação para um valor de I C / Rea de carga CC Rea de carga CA com inclinação 1/ I B Esa é a rea de carga CA com os maiores níveis de ensão e correne e compaível com ensão posiiva na fone de correne UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

11 I C i L Amplificador Classe A com polarização por fone de correne 1 I C / Rea de carga CC Rea de carga CA 1 P RF = I c2 /2 P CC = I c η = I c /(2 ) Logo, η cresce com I C, que esá limiado a I C = /2 I B UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

12 I C i L i L 1 Amplificador Classe A com polarização por fone de correne I C / Rea de carga CA 1 P RF = I c2 /2 P CC = I c η = I c /(2 ) Com I C = /2, η max = 1/4 = 25%. O rendimeno ambém é baixo! I B Rea de carga CC UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

13 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro R g Amplificador Classe A com polarização por resisência de coleor Polarização Circuio básico i L R C VCC

14 R C i L Amplificador Classe A com polarização por resisência de coleor VCC / Rea de carga CC 1 1 I B Pono de operação Rea de carga CA com inclinação (R C )/( R C ) Como escolher R C para ober o rendimeno máximo? Qual será o rendimeno máximo? Não demonsrado aqui: Condição de rendimeno máximo é: R C = 2 e η max = 1/(6 4 2) = 8,57%... Ainda mais baixo! UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

15 Resumo dos amplificadores Classe A já visos η max = 25% Toda a componene CA de circula na carga. A carga dissipa a componene coninua. I C i L i L η max = 25% Toda a componene CA de circula na carga. A fone de correne dissipa a componene coninua. É possível conseguir que os elemenos e circuios de polarização não dissipem energia CC ou CA? R C i L η max = 8,57% VCC A componene CA de circula na carga e na resisência de polarização. Na resisência de polarização se dissipa as componenes CC e CA. UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

16 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro R g Amplificador Classe A com polarização por bobina de choque no coleor Polarização Circuio básico L CH i RL A bobina L CH deve apresenar uma impedância muio maior que na freqüência de rabalho

17 Amplificador Classe A com polarização por bobina de choque no coleor L CH i RL Em ambos casos: Circuio equivalene Toda a componene CA de circula na carga. L CH i RL Na bobina (induor perfeio), não há dissipação de poência. UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

18 Oura possibilidade de implemenação, com um grau de liberdade maior Amplificador Classe A com polarização por bobina de choque no coleor 1:n i RL É como no caso anerior: L m i RL = /n 2 i RL = i RL n Toda a componene CA de circula na carga (modificada pela relação de ransformação do ransformador). No ransformador (ideal), não há dissipação de poência. UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

19 Amplificador Classe A com polarização por bobina de choque no coleor Circuio em esudo L CH i RL Rea de carga CA com inclinação 1/ Pono de rabalho Rea de carga CC Como se deve escolher o pono de operação para ober o máximo rendimeno possível? IB UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

20 Amplificador Classe A com polarização por bobina de choque no coleor L CH i RL P RF = (i c1 ) 2 /(2 ) P CC = i c1 η = P RF /P CC = i c1 /(2 ) Rea de carga CA com inclinação 1/ A componene CA no ransisor é a mesma que na carga 1 Rea de carga CC IB 1 O máximo valor de i c1 é i c1 = e porano η max = 1/2 = 50%. O rendimeno melhorou mas ainda é baixo! UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

21 Amplificador Classe A com polarização por bobina de choque no coleor L CH Siuação com máximo sinal que se pode operar i RL η max = 50%. 1 = / Qual é o rendimeno quando o sinal não é o máximo possível? 21 Rea de carga CC I B UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro 2

22 Amplificador Classe A com polarização por bobina de choque no coleor L CH i RL P RF = ( ) 2 /(2 ) P CC = 2 / Siuação com excursão do sinal abaixo do máximo η = P RF /P CC = 0,5 ( / ) 2 2 / Rea de carga CC I B Inclin. 1/ UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro 2

23 Amplificador Classe A com polarização por bobina de choque no coleor Com ransisores reais (não idealizados) P RF = ( sa ) 2 /(2 ) P CC = ( sa )/ η = 0,5 ( sa )/ 2 / ( sa )/ sa Rea de carga CC Inclin. 1/ sa IB 2 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

24 v p Amplificador Classe A com polarização por bobina de choque no coleor v ce (ω m, ω p ) Sinal modulado em ampliude v m v ce (ω m, ω p ) = (ω m ) sen(ω p ) (ω m ) = v p [1 m sen(ω m )] m = v m /v p η(ω m ) = 0,5 [ (ω m )/ ] 2 2 / η(ω m ) = 0,5 (v p / ) 2 [1 m sen(ω m )] 2 η med = 0,5 (v p / ) 2 [1 m 2 /2] η med max v p = /2, m = 1 η med max = 0,125 [1 1/2] = 18,75% Rea de carga CC Também é muio baixo! I B Inclin. 1/ UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro 2

25 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro Amplificador Classe B com um ransisor R g Polarização Circuio básico Circuio ressonane na freqüência de sinal de RF L i RL C 180º v RL

26 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro C C L L Equivalene i RL 180º v RL i RL 180º Amplificador Classe B com um ransisor 180º v RL L C i RL v RL

27 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro 180º Amplificador Classe B com um ransisor 180º ca i (11/π) Cpico I C pico /π Circuios equivalenes ca I C L C pico L Não gera ensão na carga v RL C v RL

28 180º Amplificador Classe B com um ransisor ca icpico (11/π) Os harmônicos se curocircuiam pelo condensador ca1 (ω) = (pico /2) sen(ω) v RL (ω) = i RL (ω) = ca1 (ω) Circuios equivalenes = ca1 icpico /2 ca (ω) ca1 Harm. v RL (ω) = (pico /2) sen(ω) ca1 icpico /2 Harmônicos L ca1 i RL (ω) C i RL v RL UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro v RL

29 L Reas de carga, pono de operação (esáico) e excursão do pono de rabalho i RL Amplificador Classe B com um ransisor C 180º v v RL CE RL Chamamos v ce a componene alernada de. Enão: v ce (ω) = v RL (ω) = (pico /2) sen(ω) v ce (ω) = ( /2) pico sen(ω) = ( /2) Enão: = pico /2 2 / pico 180º Inclinação 2/ Rea de carga CC Inclinação 0 I B Pono de Operação UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

30 L i RL C v RL Cálculo do rendimeno máximo possível RL 2 / pico P RF = ( ) 2 /(2 ) = (pico ) 2 /(8 ) P CC = pico /π Amplificador Classe B com um ransisor η = P RF /P CC = pico π/(8 ) 180º Inclinação 2/ Rea de carga CC Inclinação 0 O valor máximo de pico é pico max = 2 / e porano: η max = π/4 = 78,5% pico /π Melhorou basane! I B Pono de operação = pico /2 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

31 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro L i RL Amplificador Classe B com um ransisor C v RL η max = π/4 = 78,5% Siuação com o máximo sinal que pode operar 2 / 180º I B Rea de carga CC 2

32 Cálculo da poência máxima dissipada no ransisor, P Tr P RF = (pico ) 2 /(8 ) P CC = pico /π P Tr = P CC P RF P Tr = pico /π (pico ) 2 /(8 ) P Tr possui um máximo em: pico PTmax = 4 /(π ) Devese noar que: pico PTmax < pico max = 2 / P Trmax = 2 2 /(π 2 ) A poência máxima de RF é: P RF max = (pico max ) 2 /(8 ) P RF max = 2 /(2 ) Enão: Amplificador Classe B com um ransisor P Trmax = 4 P RF max /π 2 = 0,405 P RF max 2 / pico pico /π 180º i Rea de carga CC C I B UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

33 Amplificador Classe B com um ransisor P RF = ( sa ) 2 /(2 ) P CC = 2 ( sa )/(π ) η = π ( sa )/(4 ) η = 0,785 ( sa )/ Com ransisores reais (não idealizados) 2 ( sa )/ 2 / Inclinação 180º 2/ sa sa Rea de carga CC IB 2 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

34 v p (ω m ) = v p [1 m sen(ω m )] m = v m /v p P RF = [ (ω m )] 2 /(2 ) P CC = pico (ω m )/π (ω m ) = pico (ω m ) /2 P CC = 2 (ω m )/(π ) η = P RF /P CC = π (ω m )/( )/(4 ) η = 0,785 v p [1 m sen(ω m )]/ η med = 0,785 v p / Amplificador Classe B com um ransisor v m 2 / pico (ω m ) η med max v p = /2 η med max = 39,26% Sinal modulado em ampliude Inclinação 2/ Rea de carga CC Inclinação 0 I B Pono de operação (ω m ) UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

35 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro R g Amplificador Classe B com dois ransisores Circuio básico: Monagem em conrafase ou Push Pull Polarização 1 = /n 2 1 i RL 2 2 1:1:n v RL Q 2

36 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro 180º i B1 i B1 i B2 Q i RL 1 i RL 1:1:n v RL i B2 180º Amplificador Classe B com dois ransisores Circuio básico: Monagem em conrafase ou PushPull 180º 2 180º

37 180º 2 = /n º 1 2 Amplificador Classe B com dois ransisores Circuio básico: Monagem em conrafase ou Push Pull 1:1:n i RL i RL v RL pico / 2 I B1 1 Inclinação 1/ Rea de carga CC 2 I B1 Pono de Operação 1 pico / UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

38 Amplificador Classe B com dois ransisores Cálculo do rendimeno máximo P RF = pico2 /2 P CC = 2 pico /π η = pico π/(4 ) η = 0,785 pico / Como: pico max = /, enão: η max = π/4 = 78,5% Como no caso de um ransisor UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

39 η max = 78,5% Q 2 Amplificador Classe B com dois ransisores :1:n Máximo sinal que se pode operar i RL / v RL Rea de carga CC 1 I B1 Pono de Operação 1 2 I B1 2 / UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

40 Ganho dos amplificadores Classe A com bobina, Classe B com um ransisor e Classe B com dois ransisores Classe A 2 / Classe B, 1 Trans. 2 / 1/RL v RL / i B = β v RL / i B = β/2 I B 2 I B 2 Para faciliar, calculase a Transresisência v RL / i B Em odos os casos: v RL =, i B = /β / 2 Classe B, 2 Trans. I B1 1 v RL / i B = n β 2 I B1 1 / UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

41 Comparação enre amplificadores Classe A, Classe B com um ransisor e Classe B com dos ransisores Amplificador Classe A Classe B, 1 ransisor Classe B, 2 ransisores Rendimeno máximo 50% 78,5% 78,5% Ganho de ensão β/r BE β/(2 r BE ) n β/r BE Impedância de enrada Linear Não linear Linear max 2 / 2 / / r BE = resisência dinâmica da junção baseemissor = /n 2 Banda Larga Esreia Larga UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

42 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro Circuios de polarização em classes A e B Polarização i B 0 À base do ransisor V BE Classe B D Classe A R P C L CH À base do ransisor Sobra no caso do PushPull

43 Amplificadores Classe C O rendimeno máximo eórico pode ser maior que 78,5%? R g Polarização O que deverá ser sacrificado? < 180º Circuio básico L i RL C Circuio ressonane v RL O circuio LC ressona livremene e repõem a energia que ransfere à carga nos períodos de condução do ransisor. UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

44 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro i B Amplificadores Classe C Como conseguir um ângulo de condução menor que 180º? R g v g V B v BE v γbe r BE φ C v g Como conseguir proporcionalidade enre i B e v g? i B V B v γbe

45 Relações enre as variáveis: v g = V g pico sen(ω) Se (πφ C )/2 < ω < (πφ C )/2, Se ω < (πφ C )/2 o ω > (πφ C )/2, Amplificadores Classe C i B = φ C = 2 arcos[(v B v γbe )/V g pico ] Para conseguir proporcionalidade enre i B e v g devem ser aendidos: V B v γbe devem variar proporcionalmene com V g pico. φ C deve ser consane. V g pico sen(ω) (V B v γbe ) i B = 0 R g r BE v g i B φ C V B v γbe UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

46 R g v g V B i B R B C B v BE V B = (V g pico v γbe ) R B /(R B R g r BE ) Amplificadores Classe C V B v γbe = V g pico R B /(R B R g r BE ) v γbe (R g r BE )/(R B R g r BE ) Se V g pico R B >> v γbe (R g r BE ), enão: V B v γbe V g pico R B /(R B R g r BE ) quer dizer, proporcionalidade Como: v g = V B v γbe (R g r BE ) i B Realização práica v γbe r BE v BE = v γbe i B r BE v g >> v BE Ganho pequeno UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

47 L β i RL C v RL RL I Cpico φ c Amplificadores Classe C Como: V g pico sen(ω) (V B v i B = ) γbe R g r BE φ C = 2 arcos[(v B v )/V γbe g pico ] Enão: i B = [sen(ω) cos(φ C /2)] V g pico /(R g r BE ) Porano: = [sen(ω) cos(φ C /2)] β V g pico /(R g r BE ) O valor de pico vale: pico = [1 cos(φ C /2)] β V g pico /(R g r BE ) De ouro modo: sen(ω) cos(φ = /2) Cpico 1 cos(φ C /2) UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

48 Componene CC: Amplificadores Classe C = pico Comp. Fundamenal: Componenes harmônicas O reso dos harmônicos se curocircuian pelo condensador sen(ω) cos(φ C /2) 1 cos(φ C /2) pico sen(φ C /2) (φ C /2) cos(φ C /2) I C = π 1 cos(φ C /2) pico φ C senφ C ca1 (ω) = sen(ω) 2π 1 cos(φ C /2) I C i i L C Cca1 Harm. C v RL UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

49 Porano: v RL (ω) = ca1 (ω) v ce (ω) = v RL (ω) = ca1 (ω) pico φ v ce = R C senφ C L sen(ω) 2π 1 cos(φc /2) Enão: pico φ C senφ C ca1 (ω) = sen(ω) 2π 1 cos(φ C /2) φ v ce = C senφ C i 2π Cpico sen(ω) 1 cos(φ C /2) Amplificadores Classe C Circuio equivalene CA ca1 (ω) L β i RL C v RL ca1 (ω) RL UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro v RL

50 Reas de carga, pono de operação (esáico) e excursão do pono de operação pico φ C Rea de carga CA Inclin. 1/ Amplificadores Classe C Rea de carga CC Como: φ v ce = C senφ C i 2π Cpico sen(ω) 1 cos(φ C /2) Enão: I B φ C senφ C = i 2π Cpico 1 cos(φ C /2) Logo: sendo: = pico φ C senφ C = 2π 1 cos(φc /2) 0 Cálculo de 0 : πφ C 2 0 = cos(φ C /2) Valor da inclinação da rea de carga : 1/[ (1 cos(φ C /2)] UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

51 P RF = ( ) 2 /(2 ) = (pico ) 2 /(2 ) φ C senφ C = 2π 1 cos(φc /2) P CC = I C I C = sen(φ C /2) (φ C /2) cos(φ C /2) icpico π [1 cos(φ C /2)] η = P RF /P CC η = P RF /P CC = Cálculo do rendimeno máximo pico max = 0 min /[ (1 cos(φ C /2)] = [ (1 cos(φ C /2))]/[ (1 cos(φ C /2)] pico max = / Amplificadores Classe C pico [φ C senφ C ] I C pico 4 [sen(φ C /2) (φ C /2) cos(φ C /2)] Logo η aumena com pico. Calculamos o valor máximo: φ C Inclinação 1/[ (1 cos(φ C /2)] 0 πφ C 2 I B UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

52 Subsiuindo pico por pico max : η max = η max [%] [φ C senφ C ] 4 [sen(φ C /2) (φ C /2) cos(φ C /2)] φ C [º] Amplificadores Classe C Cálculo do rendimeno máximo Classe C (exemplif.) Classe B Classe A Rendimeno máximo real: I C pico max ( sa ) [φ C senφ C ] η max real = 4 [sen(φ C /2) (φ C /2) cos(φ C /2)] φ C Siuação com o máximo sinal que se pode operar Inclinação 1/[ (1 cos(φ C /2)] 0 Incl. 1/ πφ C 2 I B 2 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

53 Amplificadores Classe C Resumo de caracerísicas: Linearidade: Difícil, sacrificando o ganho. Rendimeno máximo: Alo, 8090 %. Ganho: Baixo. Impedância de enrada: Muio não linear. Correne de coleor: Picos elevados e esreios. Largura de banda: Pequena. UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

54 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro Amplificadores Classe C L Modulador de ampliude Amplificador de poência de BF C v r v RL = v r v r v CC v CC v RL

55 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro Amplificadores Classe D 2 Q 2 Circuio básico 1 i D1 D 1 i L i D2 D 2 /2 i L v RL A v A L C v V A CC /2 /2 v RL

56 Q D 1 Amplificadores Classe D v A /2 i D1 i L i D2 D 2 /2 A v A Análise L C v RL v RL /2 = Harmônicos v RL = ( /2) 4/π = 2 /π Logo, a ensão de saída é proporcional a alimenação Pode usarse como modulador de ampliude. v RL Menor freqüência de operação devido aos ransisores rabalharem em comuação. UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

57 Amplificadores Classe D e amplificadores Classe E Q 2 i L 1 2 i D1 D 1 i V L CC /2 i D2 D 2 v A Comuação forçada dos diodos: deixam de conduzir quando os ransisores começam a conduzir. A v A L C 1 Classe D i L 2 v RL v A Classe E v A i L 1 i D1 2 i D2 Comuação naural dos diodos: deixam de conduzir quando se invere a correne de ressonância. UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro

58 UERJ Circuios de Comunicação Prof. Gil Pinheiro Exemplo práico de amplificador de poência (obido do ARRL Handbook 2001) PushPull Amplificador linear Classe B em PushPull Polarização Filro passabaixos

5.1 Objectivos. Caracterizar os métodos de detecção de valor eficaz.

5.1 Objectivos. Caracterizar os métodos de detecção de valor eficaz. 5. PRINCÍPIOS DE MEDIÇÃO DE CORRENE, ENSÃO, POÊNCIA E ENERGIA 5. Objecivos Caracerizar os méodos de deecção de valor eficaz. Caracerizar os méodos de medição de poência e energia em correne conínua, correne

Leia mais

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks Sisemas de Energia Ininerrupa: No-Breaks Prof. Dr.. Pedro Francisco Donoso Garcia Prof. Dr. Porfírio Cabaleiro Corizo www.cpdee.ufmg.br/~el GEP-DELT-EEUFMG Porque a necessidade de equipamenos de energia

Leia mais

Lista de Exercícios n o.1. 1) O diodo do circuito da Fig. 1(a) se comporta segundo a característica linearizada por partes da Fig 1(b). I D (ma) Fig.

Lista de Exercícios n o.1. 1) O diodo do circuito da Fig. 1(a) se comporta segundo a característica linearizada por partes da Fig 1(b). I D (ma) Fig. Universidade Federal da Bahia EE isposiivos Semiconduores ENG C41 Lisa de Exercícios n o.1 1) O diodo do circuio da Fig. 1 se compora segundo a caracerísica linearizada por pares da Fig 1. R R (ma) 2R

Leia mais

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear 2. ÍOOS E JUNÇÃO Fernando Gonçalves nsiuo Superior Técnico Teoria dos Circuios e Fundamenos de Elecrónica - 2004/2005 íodo de Junção isposiivo de dois erminais, passivo e não-linear Foografia ânodo Símbolo

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA CONVERSORES CC-CC COM ISOLAMENTO GALVÂNICO

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA CONVERSORES CC-CC COM ISOLAMENTO GALVÂNICO ONERSORES ONERSORES OM ISOLAMENTO GALÂNIO FONTES DE DE ALIMENTAÇÃO OMUTADAS caracerísicas:.. saída saída regulada (regulação de de linha linha e regulação de de carga) carga).. isolameno galvânico 3. 3.

Leia mais

CONVERSORES CC-CC COM ISOLAMENTO GALVÂNICO

CONVERSORES CC-CC COM ISOLAMENTO GALVÂNICO ONERSORES ELETRÓNIOS DE POTÊNIA A ALTA FREQUÊNIA ONERSORES com isolameno galvânico ONERSORES OM ISOLAMENTO GALÂNIO FONTES DE DE ALIMENTAÇÃO OMUTADAS caracerísicas:.. saída saída regulada (regulação de

Leia mais

AULA PRÁTICA-TEÓRICA 01 ANÁLISE DE CIRCUITOS COM DIODOS

AULA PRÁTICA-TEÓRICA 01 ANÁLISE DE CIRCUITOS COM DIODOS PráicaTeórica 01 Análise de circuios com diodos INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Elerônica I AULA PRÁTICATEÓRICA

Leia mais

MODULAÇÃO. Modulação. AM Amplitude Modulation Modulação por amplitude 24/02/2015

MODULAÇÃO. Modulação. AM Amplitude Modulation Modulação por amplitude 24/02/2015 ODUAÇÃO... PW DIGITA odulação odulação éamodificaçãoinencional e conrolada de um sinal original oalmene conhecido por meio de um ouro sinal, que se deseja ransporar. Esa modificação permie o ranspore do

Leia mais

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS LTROMAGNTISMO II 3 ONDAS LTROMAGNÉTICAS A propagação de ondas eleromagnéicas ocorre quando um campo elérico variane no empo produ um campo magnéico ambém variane no empo, que por sua ve produ um campo

Leia mais

Amplificadores de Potência Classe A

Amplificadores de Potência Classe A Universidade do Estado de Santa Catarina CCT Centro de Ciências Tecnológicas Amplificadores de Potência Classe A Professor: Disciplina: Celso José Faria de Araújo Eletrônica Analógica I Joinville SC Introdução

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II E.N.I.D.H. Deparameno de Radioecnia APONTAMENTOS DE ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II (Capíulo 2) José Manuel Dores Cosa 2000 42 ÍNDICE Inrodução... 44 CAPÍTULO 2... 45 CONVERSORES COMUTADOS DE CORRENTE CONTÍNUA...

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

UM MÉTODO RÁPIDO PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DO ENROLAMENTO DO ESTATOR DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DO TIPO GAIOLA

UM MÉTODO RÁPIDO PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DO ENROLAMENTO DO ESTATOR DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DO TIPO GAIOLA ART643-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1 UM MÉTD RÁPID PARA ANÁLISE D CMPRTAMENT TÉRMIC D ENRLAMENT D ESTATR DE MTRES DE INDUÇÃ TRIFÁSICS D TIP GAILA 1 - RESUM Jocélio de Sá; João Robero Cogo; Hécor Arango. objeivo

Leia mais

Curso de Dinâmica das Estruturas 1

Curso de Dinâmica das Estruturas 1 Curso de Dinâica das Esruuras 1 I INTRODUÇÃO 1 O principal objeivo dese curso é apresenar eodologias para analisar ensões e deslocaenos desenvolvidos por u dado sisea esruural quando o eso esá sujeio à

Leia mais

Electrónica II Amplificadores de Potência

Electrónica II Amplificadores de Potência Introdução Os amplificadores são normalmente compostos por vários andares em cascata: entrada e intermédios operam com pequenos sinais. ao andar de saída é solicitada uma potência suficientemente elevada

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão Transisor de Efeio de Campo de Pora Isolada MOSFET - Revisão 1 NMOS: esruura física NMOS subsrao ipo P isposiivo simérico isposiivo de 4 erminais Pora, reno, Fone e Subsrao (gae, drain, source e Bulk)

Leia mais

1. TRANSISTOR DE JUNÇÃO BIPOLAR

1. TRANSISTOR DE JUNÇÃO BIPOLAR 1. TRANSSTOR DE JUNÇÃO POLAR Criado em 1947 (ell Telephone). Mais leve, menor, sem perdas por aquecimento, mais robusto e eficiente que a válvula. 6.1 Construção - Dispositivo semicondutor formado por

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I CONDUTORES E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO (CDP_EA)

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I CONDUTORES E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO (CDP_EA) PEA 40 - LAORAÓRO DE NSALAÇÕES ELÉRCAS CONDUORES E DSPOSVOS DE PROEÇÃO (CDP_EA) RELAÓRO - NOA... Grupo:...... Professor:...Daa:... Objeivo:..... MPORANE: Em odas as medições, o amperímero de alicae deverá

Leia mais

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores 1 Tópico : evisão dos modelos Diodos e Transisores Diodos Símbolo O mais simples dos disposiivos semiconduores. Função (ideal) Conduzir correne elérica somene em um senido. Circuio abero Polarização 2

Leia mais

CIRCUITO RC SÉRIE. max

CIRCUITO RC SÉRIE. max ELETRICIDADE 1 CAPÍTULO 8 CIRCUITO RC SÉRIE Ese capíulo em por finalidade inroduzir o esudo de circuios que apresenem correnes eléricas variáveis no empo. Para ano, esudaremos o caso de circuios os quais

Leia mais

Retificadores Monofásicos Não-Controlados (Onda Completa com Carga Resistiva)

Retificadores Monofásicos Não-Controlados (Onda Completa com Carga Resistiva) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica de Potência Retificadores Monofásicos Não-Controlados (Onda Completa com Carga Resistiva)

Leia mais

projecto de postos de transformação

projecto de postos de transformação ARTGO TÉCNCO 17 Henrique Ribeiro da Silva Dep. de Engenharia Elecroécnica (DEE) do nsiuo Superior de Engenharia do Poro (SEP) projeco de posos de ransformação {.ª Pare - Cálculo dos Conduores} Apesar de

Leia mais

18 GABARITO 1 2 O DIA PROCESSO SELETIVO/2005 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

18 GABARITO 1 2 O DIA PROCESSO SELETIVO/2005 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 18 GABARITO 1 2 O DIA PROCESSO SELETIO/2005 ÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. O gálio é um meal cuja emperaura de fusão é aproximadamene o C. Um pequeno pedaço desse meal, a 0 o C, é colocado em um recipiene

Leia mais

AMPLIFICADOR PUSH-PULL CLASSE B

AMPLIFICADOR PUSH-PULL CLASSE B AMPLIFICADOR PUSH-PULL CLASSE B OBJETIVOS: a) analisar o funcionamento básico de um amplificador push-pull; b) entender e explicar o significado de push-pull; c) entender o significado de distorção por

Leia mais

O Amplificador Operacional 741. p. 2/2

O Amplificador Operacional 741. p. 2/2 p. 1/2 Resumo O Amplificador Operacional 741 Circuito de Polarização e circuito de protecção contra curto-circuito O andar de Entrada O Segundo andar e andar de Saída Polarização do 741 Análise de pequeno

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse:

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br ELETRÔNICA, princípios e aplicações 2 Capítulo 8 Amplificador de Sinais Sumário do capítulo: 8.1

Leia mais

O potencial eléctrico de um condutor aumenta à medida que lhe fornecemos carga eléctrica. Estas duas grandezas são

O potencial eléctrico de um condutor aumenta à medida que lhe fornecemos carga eléctrica. Estas duas grandezas são O ondensador O poencial elécrico de um conduor aumena à medida que lhe fornecemos carga elécrica. Esas duas grandezas são direcamene proporcionais. No enano, para a mesma quanidade de carga, dois conduores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE a) Determine Io. b) Calcule

Leia mais

Monitoring / Monitoração

Monitoring / Monitoração Monioring / Monioração Mediação de correne e ensão Com alimenação flexível Transduor de correne de aé 12 C Os ransduores de correne aivos converem correnes alernadas senoidais de aé 12. fone de alimenação

Leia mais

Folha 5 Transístores bipolares.

Folha 5 Transístores bipolares. Folha 5 Transístores bipolares. 1. Considere um transístor npn que possui uma queda de potencial base emissor de 0.76 V quando a corrente de colector é de 10 ma. Que corrente conduzirá com v BE = 0.70

Leia mais

Analisador de Espectro

Analisador de Espectro Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Analisador de Espectro Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Analisador de Espectro 1 Analisador de Espectro É basicamente um voltímetro com seletor de

Leia mais

TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS

TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS 1 TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Applying Mosfe To Reduce The Inducance And Capaciance Parasies in Elecronic

Leia mais

Econometria Semestre

Econometria Semestre Economeria Semesre 00.0 6 6 CAPÍTULO ECONOMETRIA DE SÉRIES TEMPORAIS CONCEITOS BÁSICOS.. ALGUMAS SÉRIES TEMPORAIS BRASILEIRAS Nesa seção apresenamos algumas séries econômicas, semelhanes às exibidas por

Leia mais

Tabela 1 Relações tensão-corrente, tensão-carga e impedância para capacitoers, resistores e indutores.

Tabela 1 Relações tensão-corrente, tensão-carga e impedância para capacitoers, resistores e indutores. Modelagem Maemáica MODELOS MATEMÁTICOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS O circuio equivalene à rede elérica com a quai rabalhamo coniem baicamene em rê componene lineare paivo: reiore, capaciore e induore. A Tabela

Leia mais

Detecção e Correcção de Erros Instituto Superior de Engenharia do Porto. 2003/2004 Redes de Computadores I Filipe Costa

Detecção e Correcção de Erros Instituto Superior de Engenharia do Porto. 2003/2004 Redes de Computadores I Filipe Costa Deecção e Correcção de Erros Insiuo Superior de Engenharia do Poro 2003/2004 Redes de Compuadores I Filipe Cosa - 1020525 Deecção de Erros Nas linhas de comunicação menos consisenes, a probabilidade de

Leia mais

6ROXomR: A aceleração das esferas é a mesma, g (aceleração da gravidade), como demonstrou

6ROXomR: A aceleração das esferas é a mesma, g (aceleração da gravidade), como demonstrou 6ROXomR&RPHQWDGD3URYDGH)VLFD. O sisema inernacional de unidades e medidas uiliza vários prefixos associados à unidade-base. Esses prefixos indicam os múliplos decimais que são maiores ou menores do que

Leia mais

COMO CONHECER A DISTRIBUIÇÃO DE TEMPERATURA

COMO CONHECER A DISTRIBUIÇÃO DE TEMPERATURA ESUDO DA CONDUÇÃO DE CALOR OBJEIVOS - Deerminar a disribuição de emperaura em um meio - Calcular o fluo de calor usando a Lei de Fourier Aplicações: - Conhecer a ineridade esruural de um meio em aluns

Leia mais

Mecânica da partícula

Mecânica da partícula -- Mecânica da parícula Moimenos sob a acção de uma força resulane consane Prof. Luís C. Perna LEI DA INÉRCIA OU ª LEI DE NEWTON LEI DA INÉRCIA Para que um corpo alere o seu esado de moimeno é necessário

Leia mais

TIRISTORES. SCR - Retificador Controlado de Silício

TIRISTORES. SCR - Retificador Controlado de Silício TIRISTORES Chamamos de irisores a uma família de disposiivos semiconduores que possuem, basicamene, quaro camadas (PNPN) e que êm caracerísicas biesáveis de funcionameno, ou seja, permanecem indefinidamene

Leia mais

AMPLIFICADORES DE POTÊNCIA

AMPLIFICADORES DE POTÊNCIA INSTITUTO FDRAL D DUCAÇÃO, CIÊNCIA TCNOLOGIA D SANTA CATARINA - CAMPUS FLORIANÓPOLIS DPARTAMNTO ACADÊMICO D LTRÔNICA AMPLIFICADORS D POTÊNCIA 1. Introdução Uma das principais aplicações dos amplificadores

Leia mais

CONVERSOR BUCK UTILIZANDO CÉLULA DE COMUTAÇÃO DE TRÊS ESTADOS

CONVERSOR BUCK UTILIZANDO CÉLULA DE COMUTAÇÃO DE TRÊS ESTADOS UNIVERSIDADE ESADUA PAUISA FACUDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE IHA SOEIRA PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA EÉRICA CONVERSOR BUCK UIIZANDO CÉUA DE COMUAÇÃO DE RÊS ESADOS JUAN PAUO ROBES BAESERO Orienador: Prof.

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Sinais e Sistemas. Sinal em Tempo Contínuo. Sinal Acústico

Resumo. Sinais e Sistemas Sinais e Sistemas. Sinal em Tempo Contínuo. Sinal Acústico Resumo Sinais e Sisemas Sinais e Sisemas lco@is.ul.p Sinais de empo conínuo e discreo Transformações da variável independene Sinais básicos: impulso, escalão e exponencial. Sisemas conínuos e discreos

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro.

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 CÉREBRO ELETRÔNICO O cérebro elerônico faz udo Faz quase udo Faz quase udo Mas ele é mudo. O cérebro elerônico comanda Manda e desmanda Ele é quem manda Mas ele

Leia mais

Perdas Técnicas e Comerciais de Energia Elétrica em Sistemas de Distribuição

Perdas Técnicas e Comerciais de Energia Elétrica em Sistemas de Distribuição Perdas Técnicas e Comerciais de Energia Elérica em Sisemas de Disribuição D. P. Bernardon 1,, IEEE, L. Comasseo 1,, IEEE, L. N. Canha, A. R. Abaide 1. AES Sul - Disribuidora Gaúcha de Energia S/A,. UFSM

Leia mais

Estágio Inversor Para Nobreaks

Estágio Inversor Para Nobreaks Estágio Inversor Para Nobreaks Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 saccol@cp.com.br,

Leia mais

Circuitos simples em corrente alternada Resistor, Capacitor e Indutor

Circuitos simples em corrente alternada Resistor, Capacitor e Indutor 1 - Conceios relacionados Resisência, correne, ensão, reaância, fase, ferença de fase 2 Objeivos Avaliar a dependência da reaância de sposiivos simples como resisor, capacior e induor em regime esacionário

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Duas opções de trajetos para André e Bianca. Percurso 1( Sangiovanni tendo sorteado cara e os dois se encontrando no ponto C): P(A) =

Duas opções de trajetos para André e Bianca. Percurso 1( Sangiovanni tendo sorteado cara e os dois se encontrando no ponto C): P(A) = RESOLUÇÃO 1 A AVALIAÇÃO UNIDADE II -016 COLÉGIO ANCHIETA-BA PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA ELABORAÇÃO e PESQUISA: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. QUESTÃO 01. Três saélies compleam suas respecivas

Leia mais

3. Representaç ão de Fourier dos Sinais

3. Representaç ão de Fourier dos Sinais Sinais e Sisemas - 3. Represenaç ão de Fourier dos Sinais Nese capíulo consideramos a represenação dos sinais como uma soma pesada de exponenciais complexas. Dese modo faz-se uma passagem do domínio do

Leia mais

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Unidade de São José Telefonia Digial: Modulação por código de Pulso Curso écnico em Telecomunicações Marcos Moecke São José - SC, 2004 SUMÁRIO. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO....

Leia mais

Aquino, Josué Alexandre.

Aquino, Josué Alexandre. Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica para engenharia de produção : análise de circuitos : corrente e tensão alternada / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 53 slides; il. Sistema requerido:

Leia mais

Prof. Josemar dos Santos

Prof. Josemar dos Santos Engenharia Mecânica - FAENG Sumário SISTEMAS DE CONTROLE Definições Básicas; Exemplos. Definição; ; Exemplo. Prof. Josemar dos Sanos Sisemas de Conrole Sisemas de Conrole Objeivo: Inroduzir ferramenal

Leia mais

13. Electrónica transístores bipolares

13. Electrónica transístores bipolares 13. Electrónica transístores 13.1. bipolares omponente activo saída com maior potência do que entrada O excesso de potência vem da fonte de alimentação ipolar = com duas polaridades 13.1 É constituído

Leia mais

AMPLIFICADOR EMISSOR COMUM

AMPLIFICADOR EMISSOR COMUM AMPLIFICADOR EMISSOR COMUM OBJETIVOS: a) analisar o funcionamento de um amplificador na configuração emissor comum; b) analisar a relação de fase entre a entrada e a saída de um sinal. INTRODUÇÃO TEÓRICA

Leia mais

CAPÍTULO 5 TRANSISTORES BIPOLARES

CAPÍTULO 5 TRANSISTORES BIPOLARES CAPÍTULO 5 TRANSSTORES BPOLARES O transistor é um dispositivo semicondutor de três terminais, formado por três camadas consistindo de duas camadas de material tipo "n", de negativo, e uma de tipo "p",

Leia mais

Capítulo. Meta deste capítulo Relembrar os principais circuitos de polarização de transistores bipolares.

Capítulo. Meta deste capítulo Relembrar os principais circuitos de polarização de transistores bipolares. 2 Polarização Capítulo de Transistores Meta deste capítulo Relembrar os principais circuitos de polarização de transistores bipolares objetivos Apresentar a importância dos circuitos de polarização; Analisar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERA DE AMPINA GRANDE ENTRO DE ENGENHARIA EÉTRIA E INFORMÁTIA UNIDADE AADÊMIA DE ENGENHARIA EÉTRIA PROGRAMA DE EDUAÇÃO TUTORIA PET Modelagem e Simulação de ircuios Eléricos Aluna: Bolsisa

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Universidade Esadual do Sudoese da Bahia Dearameno de Ciências Exaas e Naurais.1- Roações, Cenro de Massa e Momeno Física I Prof. Robero Claudino Ferreira Índice 1. Movimeno Circular Uniformemene Variado;.

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Dinâmicos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Dinâmicos Análise de Projecos ESAPL / IPVC Criérios de Valorização e Selecção de Invesimenos. Méodos Dinâmicos Criério do Valor Líquido Acualizado (VLA) O VLA de um invesimeno é a diferença enre os valores dos benefícios

Leia mais

Detector de proximidade de obstáculos

Detector de proximidade de obstáculos Deecor de proximidade de obsáculos Pedro Encarnação 1, João Pedro Perala 2, Fernando Vendas 1, Luís Azevedo 3, Agosinho Rosa 1 1 Insiuo de Sisemas e Robóica / Insiuo Superior Técnico 2 Deloie Touche Tohmasu

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 4: Inversor meia-ponte

Eletrônica de Potência II Capítulo 4: Inversor meia-ponte Eletrônica de Potência II Capítulo 4: Inversor meia-ponte Prof. Alessandro Batschauer Prof. Cassiano Rech 1 Introdução E 1 (v 1, f 1 ) Retificador Conversor CC-CC Conversor indireto de tensão Conversor

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Sociedade de Engenharia de Áudio Artigo de Convenção Apresentado na VIII Convenção Nacional 7-9 de Junho de 2004, São Paulo, SP

Sociedade de Engenharia de Áudio Artigo de Convenção Apresentado na VIII Convenção Nacional 7-9 de Junho de 2004, São Paulo, SP Sociedade de ngenharia de Áudio Arigo de Convenção Apresenado na VIII Convenção Nacional 7-9 de Junho de 4, São Paulo, SP se arigo foi reproduzido do original enregue pelo auor, sem edições, correções

Leia mais

Circuitos com diodos e Diodos Zener

Circuitos com diodos e Diodos Zener Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Circuitos com diodos e Diodos Zener Clóvis Antônio Petry, professor. Florianópolis,

Leia mais

4 Modelagem e metodologia de pesquisa

4 Modelagem e metodologia de pesquisa 4 Modelagem e meodologia de pesquisa Nese capíulo será apresenada a meodologia adoada nese rabalho para a aplicação e desenvolvimeno de um modelo de programação maemáica linear misa, onde a função-objeivo,

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/16

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/16 CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/16 - Introdução - Método de avaliação - Data das provas: P1: 04/10/16 P2: 08/11/16 P3: 22/11/16 (somente para faltosos) - Suspensão de aulas: 09/08/16, 16/08/16, 15/11/16

Leia mais

MODULAÇÃO EM ÂNGULO. = dt

MODULAÇÃO EM ÂNGULO. = dt MODULAÇÃO ANGULAR MODULAÇÃO EM ÂNGULO O ângulo da onda poradora é variado de aordo om o sinal onendo a inormação. A ampliude da poradora é manida onsane. Melhor imunidade ao ruído do que a modulação em

Leia mais

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro.

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro. SUPERINTENDÊNI DE TRENS URNOS DO REIFE STU/RE METRORE argo: uxiliar Operacional / Especialidade: Elericisa Tipo 3 or: marela ONHEIMENTOS DE LÍNGU PORTUGUES TEXTO 1 ÉRERO ELETRÔNIO O cérebro elerônico faz

Leia mais

A) cérebro. B) inevitável. C) comanda. D) socorro. E) cachorro.

A) cérebro. B) inevitável. C) comanda. D) socorro. E) cachorro. SUPERINTENDÊNI DE TRENS URNOS DO REIFE STU/RE METRORE argo: uxiliar Operacional / Especialidade: Elericisa ONHEIMENTOS DE LÍNGU PORTUGUES TEXTO 1 ÉRERO ELETRÔNIO O cérebro elerônico faz udo Faz quase udo

Leia mais

Medição de Potência. Jorge Guilherme 2008 #20 2 R. Elementos reactivos ou armazenadores de energia Elementos resistivos ou dissipadores de energia

Medição de Potência. Jorge Guilherme 2008 #20 2 R. Elementos reactivos ou armazenadores de energia Elementos resistivos ou dissipadores de energia Elecrónica de nsrumenação edição de oência Jorge Guilherme 008 #0 oência em.. U ce., ce. Elecrónica de nsrumenação U. [] oência em.a. p( u(. i( [] oência insanânea Num circuio resisivo puro i( u( / u (

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/15

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/15 CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/15 Aula 1 04/08/15 - Introdução - Método de avaliação - Data das provas: P1: 29/09/15 P2: 03/11/15 P3: 10/11/15 (somente para faltosos) - Suspensão de aulas: Não há

Leia mais

b) o valor da corrente na antena quando a onda portadora for modulada a 10%.

b) o valor da corrente na antena quando a onda portadora for modulada a 10%. Exercícios de Telecomunicações Modulações 1 Modulações analógicas em amplitude (AM) 1 Uma onda portadora representada por v(t) p 7 = 10Cos(2π 10 t),volt, é modulada em amplitude por um sinal modulador

Leia mais

V L V L V θ V L = V E + I L + θ +... V E I L θ

V L V L V θ V L = V E + I L + θ +... V E I L θ DISCIPLINA CIRCUITOS ELETRÔNICOS Circuitos Eletrônicos Módulo um: Estudo dos reguladores de tensões. Objetivo: Este módulo de ensino o aluno de aprender o conceito de regulador. É mostrado que para ter

Leia mais

velocidade inicial: v 0 ; ângulo de tiro com a horizontal: 0.

velocidade inicial: v 0 ; ângulo de tiro com a horizontal: 0. www.fisicaee.com.br Um projéil é disparado com elocidade inicial iual a e formando um ânulo com a horizonal, sabendo-se que os ponos de disparo e o alo esão sobre o mesmo plano horizonal e desprezando-se

Leia mais

Prof. Anderson Coser Gaudio Departamento de Física Centro de Ciências Exatas Universidade Federal do Espírito Santo

Prof. Anderson Coser Gaudio Departamento de Física Centro de Ciências Exatas Universidade Federal do Espírito Santo PROBLEMAS RESOLVIDOS DE FÍSIA Prof. Anderson oser Gaudio Deparameno de Física enro de iências Eaas Universidade Federal do Espírio Sano hp://www.cce.ufes.br/anderson anderson@npd.ufes.br Úlima aualização:

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 07 - Retificadores monofásicos onda completa a diodo

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 07 - Retificadores monofásicos onda completa a diodo EPO Aula 07 etificadores monofásicos onda completa a diodo a diodo UNESDADE DO ESTADO DE SANTA CATANA CENTO DE CÊNCAS TECNOLÓGCAS DEPATAMENTO DE ENGENHAA ELÉTCA CUSO DE ENGENHAA ELÉTCA ELETÔNCA DE POTÊNCA

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA Os circuitos magnéticos dos transformadores e das máquinas CA são excitados por fontes CA. Com excitação CA, a indutância influi no comportamento do regime permanente. Joaquim Eloir Rocha 1 Com excitação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE COM CARGA ATERRADA (A) Encontre

Leia mais

HARMÔNICAS. Sr. Jean Baptiste Joseph FOURIER. WEG - Transformando Energia em Soluções. Menu

HARMÔNICAS. Sr. Jean Baptiste Joseph FOURIER. WEG - Transformando Energia em Soluções. Menu HARMÔNICAS Formas de onda com freqüências múltiplas da fundamental; Ferramenta matemática desenvolvida para representar qualquer tipo de forma de onda (série de FOURIER); f(t) = a0 + (ah.cos(hω ot) + bh.sen(hω0t))

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

Modulação Angular. Telecomunicações. Modulação em Frequência (FM) - 1

Modulação Angular. Telecomunicações. Modulação em Frequência (FM) - 1 Teleouniações Modulação e Frequênia (FM) - 1 Modulação Angular o Nos siseas de odulação e apliude a saída do odulador onsise nua poradora o ariações de apliude. o Na odulação e frequênia o sinal à saída

Leia mais

Realimentação. gerados tanto por os componentes do circuito como interferências externas. (continua) p. 2/2

Realimentação. gerados tanto por os componentes do circuito como interferências externas. (continua) p. 2/2 p. 1/2 Resumo Realimentação Dessensibilização do Ganho Extensão de Largura de Banda Redução de Ruído Redução de Distorção não Linear As quatro tipologias básicas Amplificadores de Tensão Amplificadores

Leia mais

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo Teoria dos ircuios e Fundamenos de Elecrónica Análise de ircuios Dinâmicos no Domínio do Tempo Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@is.ul.p DEE Área ienífica de Elecrónica T.M.Almeida IST-DEE- AElecrónica

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA SEMICONDUTORES DE POTÊNCIA: 1. diodo A K 2. irisor - (SCR) silicon conrolled recifier. A K 3. irisor de core comandado (TO) - gae urn off hyrisor. A K E C 4. ransisor bipolar - (TJB). B B C E 5. ransisor

Leia mais

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 9 ASSUNTOS: Análise de Invesimenos Valor Acual Líquido (VAL) Taxa Inerna de Renabilidade (TIR) Rácio Benefício - Cuso (RBC) Tempo de Recuperação (TR) PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Perane a previsão de prejuízos

Leia mais

Diodo P-I-N Aplicação em Sistema de Chaveamento

Diodo P-I-N Aplicação em Sistema de Chaveamento Diodo P-I-N Aplicação em Sistema de Chaveamento Utilizando dois diodos PIN é possível conseguir chaves de RF com duas posições. Quando D1 for polarizado reversamente e D2 polarizado diretamente, há transferência

Leia mais

UNESP Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá

UNESP Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá UNESP Faculdade de Engenharia do Campus de Guaraingueá Guaraingueá 2010 FERNANDO RIBEIRO FILADELFO DESENVOLVIMENTO DE UM CONVERSOR ESTÁTICO CONTROLADO POR PWM PARA LUMINÁRIA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA COM LEDs

Leia mais

Métodos de Modelagem Numérica

Métodos de Modelagem Numérica Disciplina: Méodos de Modelagem Numérica Enilson Palmeira Cavalcani enilson@dca.ucg.edu.br Universidade Federal de Campina Grande Cenro de Tecnologia e Recursos Naurais Unidade Acadêmica de Ciências Amoséricas

Leia mais

Demodulação de Sinal de Giroscópio a Fibra Óptica: Resultados Experimentais Utilizando Técnica de Cruzamentos de Zero

Demodulação de Sinal de Giroscópio a Fibra Óptica: Resultados Experimentais Utilizando Técnica de Cruzamentos de Zero Demodulação de Sinal de Giroscópio a Fibra Ópica: Resulados Experimenais Uilizando Técnica de Cruzamenos de Zero Alves, F.D.P.; De Carvalho, R.T.; Oliveira, J.E.B. Deparameno de Elerônica Aplicada / ITA

Leia mais

ELETRONICA ANALÓGICA By W. L. Miranda. Fontes de alimentação CA/CC.

ELETRONICA ANALÓGICA By W. L. Miranda. Fontes de alimentação CA/CC. ELETRONICA ANALÓGICA By W. L. Miranda Fontes de alimentação CA/CC. 1 - Considerações de projeto: a) 1º Caso: Isolamento entre rede domiciliar CA e a carga. Neste caso, a fase, o neutro ou o aterramento

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em elerônica digial, as informações lógicas são implemenadas, em geral, por componenes inegrados que conêm ransisores, diodos e resisores. A respeio desse assuno, julgue os iens seguines. 51 Disposiivos

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Exercícios Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-2015/ Exercício 01 01)

Leia mais

Aula-11 Corrente alternada

Aula-11 Corrente alternada Aula-11 orrente alternada urso de Física Geral F-38 1º semestre, 014 F38 1014 1 Oscilações forçadas ( com fem) As oscilações de um circuito não serão totalmente amortecidas se um dispositivo de fem externo

Leia mais

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS Neste capítulo, o objetivo é o estudo das aplicações com os Amplificadores Operacionais realizando funções matemáticas. Como integração, diferenciação,

Leia mais

Professor: Danilo Dacar

Professor: Danilo Dacar Progressão Ariméica e Progressão Geomérica. (Pucrj 0) Os números a x, a x e a x esão em PA. A soma dos números é igual a: a) 8 b) c) 7 d) e) 0. (Fuves 0) Dadas as sequências an n n, n n cn an an b, e b

Leia mais

CNC Elétrica para máxima precisão em Moldação por Injeção. Roboshot

CNC Elétrica para máxima precisão em Moldação por Injeção. Roboshot CNC Elérica para máxima precisão em Moldação por Injeção Robosho Qualidade do Japão Melhor pela experiência Cerca de 60 anos de experiência CNC FANUC e quase 30 anos de avanços conínuos esão inroduzidos

Leia mais