Sistema de suporte para tomada de decisão: despacho económico em ambiente de mercado de carbono

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de suporte para tomada de decisão: despacho económico em ambiente de mercado de carbono"

Transcrição

1 Sstema de suorte ara tomada de decsão: desacho económco em ambente de mercado de carbono V.M.F. Mendes(1), J.P.S. Catalão(2), S.J.P.S. Marano(3) e L.A.F.M. Ferrera(4) ISEL (1) -UBI (2, 3) -IST (4) ISEL, Insttuto Sueror de Engenhara de Lsboa R. Conselhero Emído Navarro, 1, Lsboa Telone: , Fa: UBI, Unversdade da Bera Interor R. Fonte do Lamero, Covlhã IST, Insttuto Sueror Técnco Av. Rovsco Pas, Lsboa Resumo Nesta comuncação é aresentada uma contrbução ara a cração de uma alcação ara um sstema de nformação de tomada de decsão de desacho económco na oeração de gruos térmcos em sstemas de energa eléctrca, consderando a emssão oluente em ambente de mercado de carbono; é formulado o desacho económco com consderação da emssão oluente como um roblema de rogramação matemátca multobjectvo (bobjectvo), sendo as funções objectvo conveas e contnuamente dferencáves; é estudada a dentfcação do ótmo de Pareto recorrendo às condções de Karush-Kuhn-Tucker; é aresentado e dscutdo um caso de estudo. Palavras Chave: Sstema de nformação, mercado do carbono, desacho económco, otmzação multobjectvo. Introdução Tradconalmente, em sstemas de energa eléctrca, a emssão oluente não fo objecto de tratamento nas fases de longo, médo e curto razo ara o laneamento da oeração do sstema, vsto que, o seu custo fo eternalzado. Assm, as alcações comutaconas ara o laneamento de curto razo [1] gnoram a emssão oluente na afectação dos gruos térmcos, que vão entrar em desacho económco, sendo o desacho económco tradconal descrto como um roblema de rogramação matemátca que consste em mnmzar só o custo do combustível sujeto à satsfação da rocura de energa eléctrca e aos lmtes técncos de oeração dos gruos. Consequentemente, o desacho económco tradconal é caracterzado or uma únca função objectvo e consste só em fazer a atrbução económca mas raconal de otênca eléctrca ara a oeração dos gruos. Com o Protocolo de Quoto, que entrou em vgor em 16 de Feverero de 2005, a nternalzação do custo rovenente da emssão oluente no laneamento da oeração do sstema tem que ser realzada [2-3]. É geralmente verfcável que o custo dos combustíves fósses aumenta com a dmnução da emssão oluente, vsto que, os combustíves fósses mas oluentes têm tcamente reços nferores. Consequentemente, a função que determna o custo de combustível e a função que determna o nível de emssão oluente ara um arque de gruos térmcos tendem or sso a ser funções confltuosas. O roblema de desacho económco tradconal tem que ser alterado ara um roblema de rogramação matemátca multobjectvo, sendo as funções objectvo ara o roblema o custo de combustível e o nível de emssão oluente total do arque de gruos.

2 Nesta comuncação é aresentada uma contrbução usando uma formulação de rogramação matemátca multobjectvo ara a cração de uma alcação nformátca ara um sstema de nformação de tomada de decsão de desacho económco na oeração de gruos térmcos em sstemas de energa eléctrca, consderando a emssão oluente em ambente de mercado de carbono; é formulado e estudado o roblema de desacho económco com consderação da emssão oluente, recorrendo às condções de Karush-Kuhn-Tucker ara a dentfcação do ótmo; é aresentado e dscutdo um caso de estudo, determnando a curva de comromsso entre os objectvos confltuosos, custo de combustível e nível de emssão oluente. Esta curva no esaço dos objectvos dta de curva de Pareto ermte obter soluções não domnadas, corresondendo a soluções centes no esaço das varáves de decsão, suortando com raconaldade a consderação do mercado do carbono. Formalzação O desacho económco ara a oeração de gruos térmcos, consderando o custo do combustível e a emssão oluente, é descrto or um roblema de rogramação matemátca multobjectvo que consste em mnmzar as funções objectvo, função que determna o custo de combustível e a função que determna o nível de emssão oluente, sujeto à satsfação da rocura de energa eléctrca e aos lmtes técncos de oeração dos gruos. Consdere um arque de gruos térmcos com I gruos. Sejam C() a função que determna o custo total de combustível usado e E() a função que determna o nível total de emssão oluente no arque de gruos quando os gruos entregam as otêncas ndcadas elas coordenadas do vector. Sucntamente, o roblema é escrto como mn {C(), s.a E()} F = (,,....,,...., ) (1) sendo: o vector cujas coordenadas são as decsões de nível de otênca ara os gruos e F o conjunto dos vectores admssíves, conjunto das decsões de otêncas admssíves. Consdere a segunte convenção de escrta no que se segue: X é substtuído or C, E e G resectvamente ara o custo oeratvo, ara o nível de emssão oluente e ara a função objectvo do roblema onderado, ndcado mas à frente. O custo oeratvo, o nível de emssão oluente e a função objectvo do roblema onderado são a soma das contrbuções dos gruos, elo que X () = X ( ). (2) Para as funções que determnam os custos oeratvos e os níves de emssão oluente dos gruos será admtdo que são bem aromados or um desenvolvmento em sére de Taylor até à segunda ordem 2 γ X ( ) = α + β + = 1, 2,..., I (3) I sendo + α, β R e γ R {0}.

3 Portanto, as funções que determnam os custos oeratvos e os níves de emssão oluente dos gruos são funções conveas contnuamente dferencáves. O custo ncremental e a emssão ncremental do gruo são determnados or IX ( ) = β + γ = 1, 2,..., I (4) sendo o nível de otênca eléctrca ara a melhor cênca do gruo, corresondente ao menor custo e o corresondente à menor emssão or undade de otênca eléctrca, determnado or Se 2α / = roj 2α γ = 1, 2,..., I. (5) [, ] / = γ, o menor custo ou a menor emssão or undade de otênca é determnado or λ = 1, 2,..., I. (6) = β + 2α γ O conjunto F dos vectores admssíves em (1) será dndo ela restrção global, satsfação da otênca eléctrca D determnada ela rocura de energa eléctrca, escrta como D = 0,. e., tem-se = D (7) e or restrções locas, lmtes técncos de oeração dos gruos, que são desgualdades do to 0 e 0,. e., tem-se = 1, 2,..., I. (8) As varáves de decsão do roblema em (1) são varáves não dscretas, vsto que, no desacho económco não são fetas decsões sobre a entrada de gruos em funconamento ou a sua saída de funconamento. Normalmente, os gruos em oeração aresentam um ntervalo contnuo de valores de otênca admssível entre um mínmo não necessaramente nulo e um valor mámo; caso, ara um gruo o ntervalo seja sngular, então a otênca eléctrca está decdda nesse gruo, sendo o desacho feto com os restantes, satsfazendo a otênca eléctrca D menos a otênca eléctrca desse gruo. Problema onderado As funções objectvo do roblema (1) são funções conveas e o conjunto dos vectores das otêncas admssíves é um conjunto conveo. Consequentemente, o roblema (1) é um roblema conveo. Nesta comuncação, ara gerar as soluções ótmas de Pareto de (1), fo usada a metodologa da soma onderada das funções objectvo. O roblema (1) é modfcado ara o segunte roblema onderado mn (1 )C() + λ E() s.a F com 0 1 (9) λ > 0 é um arâmetro que ode, or eemlo, corresonder a um factor conversão de undades. Seja G(;, λ ) = (1 ) C() + λ E() a função objectvo de (9). A metodologa da soma onderada das funções objectvo ermte obter os ontos etremos centes [4] ara o roblema (1), ontos não

4 domnados no esaço dos crtéros dndos elas duas funções objectvo, quando toma os valores no ntervalo 0 1. Os ontos etremos centes determnam a curva de Pareto, que ermte um suorte à tomada de decsão de desacho económco em ambente de mercado de carbono. A função objectvo do roblema (9) ode ser nterretada como reresentando a menos de uma constante multlcatva o custo total oeratvo nternalzando o custo do nível de emssão oluente: seja π 0 o custo or undade de emssão oluente, então o custo total oeratvo será C t (; π ) = C() + πλ E() (10) seja = π π + 1,. e., π = então tem-se 1 C t (; 1 π) = G( ;, λ ) com 0 < < 1 (11) 1 logo o roblema (9), a menos de uma constante multlcatva da função objectvo, é um roblema de mnmzação do custo total oeratvo, nternalzando o custo da emssão oluente a reço π. Faclmente, concluu-se que caso as eressões (10) e (11) sejam escrtas ara que haja dentfcação dos roblemas tem que verfcar-se π, λ,, então ara λ G(;, λ ) = G(;, λ) sendo (1 ) λ + λ λ = (12) (1 ) λ + λ Pelo que na função objectvo do roblema (9) λ ode ter um valor ostvo qualquer, desde que se escolha or (12) o valor corresondente de, não havendo alteração no onto solução de (9). Assm, sendo será consderado que λ = 1 e será or smlfcação escrto G(; ) G 2 G G γ () = G(;, 1) = α () + β () + (13) 2 G G G C C C E E E sendo (α (), β (), γ ()) = (1 )(α, β, γ ) (α, β, γ ). + Portanto, (9) é um roblema conveo, com função objectvo contnuamente dferencável. Consequentemente, o teorema de Karush-Kuhn-Tucker é uma condção necessára e sufcente ara a dentfcação do ótmo de (9), as condções de Karush-Kuhn-Tucker são escrtas como K_K_T.1 = D e ara = 1, 2,..., I K_K_T.2 λ, λ 0 tas que λ ( ) = 0 e λ ( ) = 0 ara = 1, 2,..., I K_K_T.3 λ R tal que IG ( ; λ + λ = λ = 1, 2,..., I. (14) ) O formalsmo deste desacho é dêntco ao do desacho tradconal, mas sendo a função objectvo a combnação convea (13), que ode or (10) e (11) ser assocada ao custo total oeratvo nternalzando o custo do nível de emssão oluente.

5 Caso de estudo Consdere onze gruos térmcos, satsfazendo uma carga com a otênca eléctrca de 2000 MW. Os arâmetros que caracterzam as funções objectvo (3), os lmtes técncos (8) e o mérto dos gruos (6) ara o roblema de desacho económco são os ndcados na Tabela 1. Custo Emssão Efcênca Gruo α β γ (MW) (MW) a b c total C Tabela 1. Parâmetros que caracterzam os gruos. Na Tabela 1, os gruos estão ordenados or ordem crescente da menor emssão C λ E E λ E λ or undade de otênca. Na Fgura 1, as otêncas dos gruos são ndcadas ara o desacho económco, = 0, e ara o desacho de emssão mínma, = otênca [MW] = = = 0 = 1 Fgura 1. Potêncas dos gruos em desacho: tradconal, = 0, e de emssão mínma, = 1. O onto deal é (66362, 1331), este onto é determnado elos mínmos ndvduas de cada uma das funções objectvo,.e., a rmera coordenada é o menor custo, desacho económco tradconal, e a segunda a menor emssão ossível ara satsfazer a carga com a otênca eléctrca de 2000 MW.

6 Para o desacho económco tradconal as otêncas dos gruos 7-11, mas económcos, estão no seu lmte técnco mámo, enquanto as dos gruos anterores são nferores ao mámo ou estão no mínmo. Entre os dos desachos a dferença de custo é de 26.5% e a de emssão de -38.0% emssão custo Fgura 2. Curva frente de Pareto ara o de desacho económco multobjectvo. Na Fgura 2, a frente de Pareto ermte suortar uma decsão raconal, tendo em consderação o custo e a emssão: a emssão or undade de otênca vara entre de 1.08 ara 0.67, cabendo ao decsor face ao mercado de emssão e dretos de emssão, escolher a acumulação de emssão mas convenente. Conclusões Nesta comuncação uma alcação ara um sstema de nformação de tomada de decsão de desacho económco na oeração de gruos térmcos em sstemas de energa eléctrca, consderando a emssão oluente em ambente de mercado de carbono, é aresentada. O desacho económco com consderação da emssão oluente é descrto or um roblema de rogramação matemátca multobjectvo, sendo as funções objectvo conveas e contnuamente dferencáves. A dentfcação das soluções ótmas de Pareto é estudada, recorrendo às condções de Karush-Kuhn-Tucker. Um caso de estudo é aresentado e dscutdo, mostrando a utldade da alcação. Rerêncas [1] Mendes, V.M.F., Ferrera, L.A.F.M., Roldão, P. and Pestana R., Otmal Short-Term Schedulng n Large Hydrothermal Poer Systems, Proceedngs of the 11th Poer Systems Comutaton Conference, 2 (1993), [2] Mendes, V.M.F., Marano, S.J.P.S., Catalão, J.P.S. and Ferrera, L.A.F.M., Emsson Constrants on Short-Term Schedule of Thermal Unts, Proceedngs of the 39th Internatonal Unverstes Poer Engneerng Conference, 3 (2004), [3] João Catalão, Sílvo Marano, Vctor Mendes, Luís Ferrera, Unt Commtment th Envronmental Consderatons: A Practcal Aroach, Proceedngs of the 15th Poer Systems Comutaton Conference (PSCC05), Lège, Belgum, Aug , 2005, Sesson 18, Paer 3. [4] Mettnen, K.M., Nonlnear Multobjectve Otmzaton, volume 12 of Internatonal Seres n Oeratons Research and Management Scence. Kluer Academc Publshers, Dordrecht, 1999.

Aula 3 - Classificação de sinais

Aula 3 - Classificação de sinais Processamento Dgtal de Snas Aula 3 Professor Marco Esencraft feverero 0 Aula 3 - Classfcação de snas Bblografa OPPENHEIM, AV; WILLSKY, A S Snas e Sstemas, a edção, Pearson, 00 ISBN 9788576055044 Págnas

Leia mais

Planeamento Hídrico de Curto Prazo: Programação Não Linear Inteira Mista

Planeamento Hídrico de Curto Prazo: Programação Não Linear Inteira Mista Planeamento Hídrco de Curto Prazo: Programação Não Lnear Intera Msta J.P.S. Catalão, H.M.I. Pousnho e V.M.F. Mendes 2 Deartamento de Engenhara Electromecânca Unversdade da Bera Interor R. Fonte do Lamero,

Leia mais

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 9. Colchetes de Poisson Simetrias Espaço de Fases Transformações Canônicas (Hamiltoniano)

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 9. Colchetes de Poisson Simetrias Espaço de Fases Transformações Canônicas (Hamiltoniano) 1 MECÂNICA CLÁSSICA AULA N o 9 Colchetes de Posson Smetras Esaço de Fases Transformações Canôncas (amltonano) O Esaço de Fases tem uma estrutura assocada a s. Esaços ossuem estruturas, que se referem aos

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.4

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.4 Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 5.4 Provsão de Bens Públcos de forma descentralzada: a solução de Lndahl Isabel Mendes 2007-2008 13-05-2008 Isabel Mendes/MICRO

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO Alne de Paula Sanches 1 ; Adrana Betâna de Paula Molgora 1 Estudante do Curso de Cênca da Computação da UEMS, Undade Unverstára de Dourados;

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Lnear com Restrções Aula 9: Programação Não-Lnear - Funções de Váras Varáves com Restrções Ponto Regular; Introdução aos Multplcadores de Lagrange; Multplcadores de Lagrange e Condções

Leia mais

Notas Processos estocásticos. Nestor Caticha 23 de abril de 2012

Notas Processos estocásticos. Nestor Caticha 23 de abril de 2012 Notas Processos estocástcos Nestor Catcha 23 de abrl de 2012 notas processos estocástcos 2 O Teorema de Perron Frobenus para matrzes de Markov Consdere um processo estocástco representado por um conunto

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.3. Afectação de Bens Públicos: a Condição de Samuelson

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.3. Afectação de Bens Públicos: a Condição de Samuelson Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 5.3 Afectação de Bens Públcos: a Condção de Isabel Mendes 2007-2008 5/3/2008 Isabel Mendes/MICRO II 5.3 Afectação de Bens

Leia mais

2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS

2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS 22 2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Como vsto no capítulo 1, a energa frme de uma usna hdrelétrca corresponde à máxma demanda que pode ser suprda contnuamente

Leia mais

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

Leia mais

5 Métodos de cálculo do limite de retenção em função da ruína e do capital inicial

5 Métodos de cálculo do limite de retenção em função da ruína e do capital inicial 5 Métodos de cálculo do lmte de retenção em função da ruína e do captal ncal Nesta dssertação serão utlzados dos métodos comparatvos de cálculo de lmte de retenção, onde ambos consderam a necessdade de

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M22 Números Complexos. 1 Resolva as equações no campo dos números complexos.

Matemática. Resolução das atividades complementares. M22 Números Complexos. 1 Resolva as equações no campo dos números complexos. Resolução das atvdades comlementares Matemátca M Números Comleos. Resolva as equações no camo dos números comleos. a 0 {, } b 8 0 a 0 D?? D 8 D Cálculo das raíes? S {, } b 8 0 D?? 8 Cálculo das raíes D

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO

NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO I Congresso Baano de Engenhara Santára e Ambental - I COBESA NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO Marcos Vnícus Almeda Narcso (1)

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

NOTAS DE AULA DA DISCIPLINA CE076

NOTAS DE AULA DA DISCIPLINA CE076 5. COMPONENTES PRINCIPAIS 5. Introdução A análse de Comonentes Prncas está relaconada com a exlcação da estrutura de covarânca or meo de oucas combnações lneares das varáves orgnas em estudo, ou sea, rocura

Leia mais

Capítulo 2 Método de Cross

Capítulo 2 Método de Cross UNIERSIDDE NDRNTE DE SÃO PUO - Escola de Engenhara vl Notas de aula do curso Teora das Estruturas Prof. Dr. Rcardo de. lvm.. Introdução aítulo étodo de ross O étodo de ross é um método que ermte calcular

Leia mais

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA CAPÍTULO DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA. A MÉDIA ARITMÉTICA OU PROMÉDIO Defnção: é gual a soma dos valores do grupo de dados dvdda pelo número de valores. X x Soma dos valores de x número de

Leia mais

Notas de Aula de Probabilidade A

Notas de Aula de Probabilidade A VII- VARIÁVEIS ALEATÓRIAS UNIDIMENSIONAIS. 7. CONCEITO DE VARIÁVEIS ALEATÓRIAS: Informalmente, uma varável aleatóra é um característco numérco do resultado de um epermento aleatóro. Defnção: Uma varável

Leia mais

2 Agregação Dinâmica de Modelos de Turbinas e Reguladores de Velocidade: Teoria

2 Agregação Dinâmica de Modelos de Turbinas e Reguladores de Velocidade: Teoria Agregação Dnâmca de Modelos de urbnas e Reguladores de elocdade: eora. Introdução O objetvo da agregação dnâmca de turbnas e reguladores de velocdade é a obtenção dos parâmetros do modelo equvalente, dados

Leia mais

3 O Problema de Fluxo de Potência Ótimo

3 O Problema de Fluxo de Potência Ótimo 3 O Problema de Fluxo de Potênca Ótmo 3.. Introdução Como fo vsto no capítulo anteror, para realzar uma repartção de custos ou benefícos, é necessáro determnar a função de custo do servço que será utlzado

Leia mais

Amplificadores de Potência ou Amplificadores de Grandes Sinais

Amplificadores de Potência ou Amplificadores de Grandes Sinais UFBA Unversdade Federal da Baha Escola oltécnca Departamento de Engenhara Elétrca Amplfcadores de otênca ou Amplfcadores de Grandes Snas Amaur Olvera Feverero de 2011 1 Característcas: Estágo fnal de amplfcação;

Leia mais

Filtros são dispositivos seletivos em freqüência usados para limitar o espectro de um sinal a um determinado intervalo de freqüências.

Filtros são dispositivos seletivos em freqüência usados para limitar o espectro de um sinal a um determinado intervalo de freqüências. 1 Fltros são dspostvos seletvos em freqüênca usados para lmtar o espectro de um snal a um determnado ntervalo de freqüêncas. A resposta em freqüênca de um fltro é caracterzada por uma faxa de passagem

Leia mais

MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS

MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS PROF: Claudo Saldan CONTATO: saldan.mat@gmal.com PARTE 0 -(MACK SP/00/Janero) Se y = x, sendo x= e =, o valor de (xy) é a) 9 9 9 9 e) 9 0 -(FGV/00/Janero)

Leia mais

Critério de Equilíbrio

Critério de Equilíbrio Crtéro de Equlíbro ara um sstema echado onde exstem ases em equlíbro, o crtéro geral de equlíbro de ases mpõe que o potencal químco de cada espéce presente seja gual em todas as ases. α β π µ = µ = K=

Leia mais

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Ficha de exercícios nº2: Distribuições Bidimensionais

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática. Ficha de exercícios nº2: Distribuições Bidimensionais Ano lectvo: 2006/2007 Unversdade da Bera Interor Departamento de Matemátca ESTATÍSTICA Fcha de exercícos nº2: Dstrbuções Bdmensonas Curso: Cêncas do Desporto 1. Consdere a segunte tabela de contngênca:

Leia mais

Física I LEC+LET Guias de Laboratório 2ª Parte

Física I LEC+LET Guias de Laboratório 2ª Parte Físca I LEC+LET Guas de Laboratóro 2ª Parte 2002/2003 Experênca 3 Expansão lnear de sóldos. Determnação de coefcentes de expansão térmca de dferentes substâncas Resumo Grupo: Turno: ª Fera h Curso: Nome

Leia mais

Palavras-Chave: Métodos Interativos da Potência e Inverso, Sistemas Lineares, Autovetores e Autovalores.

Palavras-Chave: Métodos Interativos da Potência e Inverso, Sistemas Lineares, Autovetores e Autovalores. MSc leandre Estáco Féo ssocação Educaconal Dom Bosco - Faculdade de Engenhara de Resende Caa Postal 8.698/87 - CEP 75-97 - Resende - RJ Brasl Professor e Doutorando de Engenhara aefeo@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA ECONÔMICA 2a. Prova 11/7/2006 Profa. Ana Maria Farias Turma A hs

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA ECONÔMICA 2a. Prova 11/7/2006 Profa. Ana Maria Farias Turma A hs INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA ECONÔMICA 2a. rova /7/2006 rofa. Ana Mara Faras Turma A 4-6 hs. Consdere os dados da tabela abaxo, onde temos preços e uantdades utlzadas de materal de escrtóro. Item Undade reço

Leia mais

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear Estatístca II Antono Roque Aula 18 Regressão Lnear Quando se consderam duas varáves aleatóras ao mesmo tempo, X e Y, as técncas estatístcas aplcadas são as de regressão e correlação. As duas técncas estão

Leia mais

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS

TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS TABELAS E GRÁFICOS PARA VARIÁVEIS ALEATÓRIAS QUANTITATIVAS CONTÍNUAS Varável Qualquer característca assocada a uma população Classfcação de varáves Qualtatva { Nomnal sexo, cor dos olhos Ordnal Classe

Leia mais

3 O PROBLEMA DA REPARTIÇÃO DOS BENEFÍCIOS

3 O PROBLEMA DA REPARTIÇÃO DOS BENEFÍCIOS O PROBLEMA DA REPARTIÇÃO DOS BENEFÍCIOS 39 3 O PROBLEMA DA REPARTIÇÃO DOS BENEFÍCIOS Como fo vsto na seção 1.3, a produção frme total do sstema resultante de uma operação ntegrada das usnas, onde todas

Leia mais

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH Curso Bem Estar Socal Marcelo Ner - www.fgv.br/cps Metas Socas Entre as mutas questões decorrentes da déa de se mplementar uma proposta de metas socas temos: Qual a justfcatva econômca para a exstênca

Leia mais

AULA Espaços Vectoriais Estruturas Algébricas.

AULA Espaços Vectoriais Estruturas Algébricas. Note bem: a letura destes apontamentos não dspensa de modo algum a letura atenta da bblografa prncpal da cadera Chama-se a atenção para a mportânca do trabalho pessoal a realzar pelo aluno resolvendo os

Leia mais

4 Análise termoeconômica

4 Análise termoeconômica 4 Análse termoeconômca Os capítulos precedentes abordaram questões emnentemente térmcas da aplcação de nanofludos em sstemas ndretos de refrgeração. Ao tratar das magntudes relatvas e da natureza das componentes

Leia mais

BC0406 Introdução à Probabilidade e à Estatística Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2011

BC0406 Introdução à Probabilidade e à Estatística Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2011 BC0406 Introdução à Probabldade e à Estatístca Lsta de Eercícos Suplementares novembro 0 BC0406 Introdução à Probabldade e à Estatístca Lsta de Eercícos Suplementares quadrmestre 0 Além destes eercícos,

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE EVOLUÇÃO DIFERENCIAL APLICADAS A PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO RESTRITOS

ESTRATÉGIAS DE EVOLUÇÃO DIFERENCIAL APLICADAS A PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO RESTRITOS 5º POSMEC - Smpóso do Programa de Pós-Graduação em Engenhara Mecânca Unversdade ederal de Uberlânda aculdade de Engenhara Mecânca ESTRATÉGIAS DE EOLUÇÃO DIERENCIAL APLICADAS A PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO RESTRITOS

Leia mais

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico Q1 Um clndro feto de materal com alta condutvdade térmca e de capacdade térmca desprezível possu um êmbolo móvel de massa desprezível ncalmente fxo por um pno. O rao nterno do clndro é r = 10 cm, a altura

Leia mais

Aquisição de Equipamentos Informáticos e de Comunicação

Aquisição de Equipamentos Informáticos e de Comunicação Aqusção de Equpamentos Informátcos e de Comuncação Concurso úblco Nº 02/CCV/2016 ANÚNCIO DO CONCURSO UBLICO Nº 02/CCV/2016 Aqusção de Equpamentos Informátcos e de Comuncação 1. Entdade Adjudcante Correos

Leia mais

ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS. Palavras-chave: Tensões térmicas, Propriedades variáveis, Condução de calor, GITT

ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS. Palavras-chave: Tensões térmicas, Propriedades variáveis, Condução de calor, GITT ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS Dnz, L.S. Santos, C.A.C. Lma, J.A. Unversdade Federal da Paraíba Laboratóro de Energa Solar LES/DTM/CT/UFPB 5859-9 - João Pessoa - PB, Brasl e-mal: cabral@les.ufpb.br

Leia mais

CÁLCULO DE RAÍZES DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES

CÁLCULO DE RAÍZES DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES CÁLCULO DE RAÍZES DE EQUAÇÕES NÃO LINEARES Itrodução Em dversos camos da Egehara é comum a ecessdade da determação de raízes de equações ão leares. Em algus casos artculares, como o caso de olômo, que

Leia mais

M mn (R) : conjunto das matrizes reais m n AnB = fx; x 2 A e x =2 Bg det A : determinante da matriz A

M mn (R) : conjunto das matrizes reais m n AnB = fx; x 2 A e x =2 Bg det A : determinante da matriz A NOTAÇÕES N = f1; ; ; g C conjunto dos números comlexos R conjunto dos números reas undade magnára = 1 [a; b] = fx R; a x bg jzj módulo do número z C [a; b[ = fx R; a x < bg z conjugado do número z C ]a;

Leia mais

Sumário, aula 6. Curva da procura. Curva da procura. Curva da procura. Curva da procura

Sumário, aula 6. Curva da procura. Curva da procura. Curva da procura. Curva da procura Sumáro, aula 6 ) Mercado Curva da Procura Agregação das curvas ndvduas Equlíbro de mercado (concorrênca erfeta) Já sabemos que os agentes económcos são esecalzados Produzem muta quantdade de oucos BS Consomem

Leia mais

Física I p/ IO FEP111 ( )

Física I p/ IO FEP111 ( ) ísca I p/ IO EP (4300) º Semestre de 00 Insttuto de ísca Unversdade de São Paulo Proessor: Antono Domngues dos Santos E-mal: adsantos@.usp.br one: 309.6886 4 e 6 de setembro Trabalho e Energa Cnétca º

Leia mais

Resolução das Questões Objetivas

Resolução das Questões Objetivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO PISM III - TRIÊNIO 2008-2010 Prova de Matemátca Resolução das Questões Objetvas São apresentadas abaxo possíves soluções

Leia mais

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV)

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV) Prncpo do Trabalho rtual (PT)..Contnuo com mcroestrutura Na teora que leva em consderação a mcroestrutura do materal, cada partícula anda é representada por um ponto P, conforme Fgura. Porém suas propredades

Leia mais

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EPERIMENTOS Professor: Rodrgo A. Scarpel rodrgo@ta.br www.mec.ta.br/~rodrgo Prncípos de cração de modelos empírcos: Modelos (matemátcos, lógcos, ) são comumente utlzados na

Leia mais

4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES

4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES 4. MODELAMENTOS EM POLUIÇÃO DO AR: PREDITIVOS E RECEPTORES Para o Curso de Físca da Polução do Ar FAP346, º Semestre/006 Prof. Amérco Sansgolo Kerr Montora: Mara Emíla Rehder aver 4. INTRODUÇÃO No modelamento

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

2 Incerteza de medição

2 Incerteza de medição 2 Incerteza de medção Toda medção envolve ensaos, ajustes, condconamentos e a observação de ndcações em um nstrumento. Este conhecmento é utlzado para obter o valor de uma grandeza (mensurando) a partr

Leia mais

Curvas Horizontais e Verticais

Curvas Horizontais e Verticais Insttução: Faculdade de Tecnologa e Cêncas Professor: Dego Queroz de Sousa Dscplna: Topografa Curvas Horzontas e ertcas 1. Introdução Exstem dversas ocasões na engenhara em que os projetos são desenvolvs

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Prof. Lorí Val, Dr. UFRG Insttuto de Matemátca

Leia mais

EXPANSÃO TÉRMICA DOS LÍQUIDOS

EXPANSÃO TÉRMICA DOS LÍQUIDOS Físca II Protocolos das Aulas Prátcas 01 DF - Unversdade do Algarve EXPANSÃO ÉRMICA DOS ÍQUIDOS 1 Resumo Estuda-se a expansão térmca da água destlada e do glcerol utlzando um pcnómetro. Ao aquecer-se,

Leia mais

3 Cálculo Básico de Enlace Via Satélite

3 Cálculo Básico de Enlace Via Satélite 35 3 Cálculo Básco de Enlace Va Satélte Neste capítulo é tratado o cálculo básco de um enlace va-satélte, subentenddo em condções normas de propagação (espaço lvre) nos percursos de subda e descda e consderados

Leia mais

Análise Dinâmica de uma Viga de Euler-Bernoulli Submetida a Impacto no Centro após Queda Livre Através do Método de Diferenças Finitas

Análise Dinâmica de uma Viga de Euler-Bernoulli Submetida a Impacto no Centro após Queda Livre Através do Método de Diferenças Finitas Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Appled and Computatonal Mathematcs, Vol. 4, N., 06. Trabalho apresentado no DINCON, Natal - RN, 05. Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Computatonal and Appled

Leia mais

ANÁLISE DA SEGURANÇA NO PROJETO DE ESTRUTURAS: MÉTODO DOS ESTADOS LIMITES

ANÁLISE DA SEGURANÇA NO PROJETO DE ESTRUTURAS: MÉTODO DOS ESTADOS LIMITES ANÁLISE DA SEGURANÇA NO PROJETO DE ESTRUTURAS: MÉTODO DOS ESTADOS LIMITES Lela A. de Castro Motta 1 & Maxmlano Malte Resumo Este trabalho aborda a ntrodução da segurança baseada em métodos probablístcos,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ROBÓTICA. Modelo Cinemático de Robôs Manipuladores

FUNDAMENTOS DE ROBÓTICA. Modelo Cinemático de Robôs Manipuladores FUNDMENTOS DE ROBÓTIC Modelo Cnemátco de Robôs Manpuladores Modelo Cnemátco de Robôs Manpuladores Introdução Modelo Cnemátco Dreto Modelo Cnemátco de um Robô de GDL Representação de Denavt-Hartenberg Exemplos

Leia mais

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha)

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha) Estatístca p/ Admnstração II - Profª Ana Cláuda Melo Undade : Probabldade Aula: 3 Varável Aleatóra. Varáves Aleatóras Ao descrever um espaço amostral de um expermento, não especfcamos que um resultado

Leia mais

EDITAL Nº 034/09 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS

EDITAL Nº 034/09 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS EDITAL Nº 04/09 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS A Pró-retora de Graduação e o Pró-retor de

Leia mais

Eletromagnetismo. Distribuição de grandezas físicas: conceitos gerais

Eletromagnetismo. Distribuição de grandezas físicas: conceitos gerais Eletromagnetsmo Dstrbução de grandezas físcas: concetos geras Eletromagnetsmo» Dstrbução de grandezas físcas: concetos geras 1 Introdução Pode-se caracterzar um problema típco do eletromagnetsmo como o

Leia mais

Capítulo 16: Equilíbrio Geral e Eficiência Econômica

Capítulo 16: Equilíbrio Geral e Eficiência Econômica Capítulo 6: Equlíbro Geral e Efcênca Econômca Pndck & Rubnfeld, Capítulo 6, Equlíbro Geral::EXERCÍCIOS. Em uma análse de trocas entre duas pessoas, suponha que ambas possuam dêntcas preferêncas. A curva

Leia mais

ALOCAÇÃO DO SOBRECUSTO OPERATIVO VIA TEORIA DOS JOGOS COOPERATIVOS

ALOCAÇÃO DO SOBRECUSTO OPERATIVO VIA TEORIA DOS JOGOS COOPERATIVOS GPL/ 1 a 6 de Outubro de 1 Campnas - São Paulo - Brasl GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS ALOCAÇÃO DO SOBRECUSTO OPERATIVO VIA TEORIA DOS JOGOS COOPERATIVOS Marcos Keller Ambon

Leia mais

PROBLEMA DE DIMENSIONAMENTO DE LOTES MONOESTÁGIO COM RESTRIÇÃO DE CAPACIDADE: MODELAGEM, MÉTODO DE RESOLUÇÃO E RESULTADOS COMPUTACIONAIS

PROBLEMA DE DIMENSIONAMENTO DE LOTES MONOESTÁGIO COM RESTRIÇÃO DE CAPACIDADE: MODELAGEM, MÉTODO DE RESOLUÇÃO E RESULTADOS COMPUTACIONAIS Vol. 20, No. 2, p. 287-306, dezembro de 2000 Pesqusa Operaconal 287 PROBLEMA DE DIMENSIONAMENTO DE LOTES MONOESTÁGIO COM RESTRIÇÃO DE CAPACIDADE: MODELAGEM, MÉTODO DE RESOLUÇÃO E RESULTADOS COMPUTACIONAIS

Leia mais

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas 3.6. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais

Elementos de Estatística e Probabilidades II

Elementos de Estatística e Probabilidades II Elementos de Estatístca e Probabldades II Varáves e Vetores Aleatóros dscretos Inês Das 203 O prncpal objetvo da deste documento é fornecer conhecmentos báscos de varáves aleatóras dscretas e pares aleatóros

Leia mais

Capítulo 24: Potencial Elétrico

Capítulo 24: Potencial Elétrico Capítulo 24: Potencal Energa Potencal Elétrca Potencal Superfíces Equpotencas Cálculo do Potencal a Partr do Campo Potencal Produzdo por uma Carga Pontual Potencal Produzdo por um Grupo de Cargas Pontuas

Leia mais

Matemática. Veículo A. Veículo B. Os gráficos das funções interceptam-se quando 50t = 80t

Matemática. Veículo A. Veículo B. Os gráficos das funções interceptam-se quando 50t = 80t Matemátca 0 Dos veículos, A e B, partem de um ponto de uma estrada, em sentdos opostos e com velocdades constantes de 50km/h e 70km/h, respectvamente Após uma hora, o veículo B retorna e, medatamente,

Leia mais

Uso de Transformações em Modelos de Regressão Logístca Este eemlar corresonde à redação fnal da dssertação devdamente corrgda e defendda or Noem Ichha

Uso de Transformações em Modelos de Regressão Logístca Este eemlar corresonde à redação fnal da dssertação devdamente corrgda e defendda or Noem Ichha Uso de transformações em modelos de regressão logístca Noem Ichhara Ishkawa DISSERTAÇÃO APRESENTADA AO INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE

Leia mais

MODELO I TEGRAL-FUZZY PARA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO USUÁRIO DOS SERVIÇOS DE TRA SPORTE REGULAR DE PASSAGEIROS DE EMPRESAS DE LI HAS AÉREAS

MODELO I TEGRAL-FUZZY PARA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO USUÁRIO DOS SERVIÇOS DE TRA SPORTE REGULAR DE PASSAGEIROS DE EMPRESAS DE LI HAS AÉREAS MODELO I TEGRAL-FUZZY PARA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO USUÁRIO DOS SERVIÇOS DE TRA SPORTE REGULAR DE PASSAGEIROS DE EMPRESAS DE LI HAS AÉREAS Vladmr Lma da Slva Insttuto Mltar de Engenhara - IME vladmr01rj@yahoo.com.br

Leia mais

Fotodetectores - Características desejáveis -

Fotodetectores - Características desejáveis - Fotodetectores - Característcas desejáves - Elevada sensbldade ara os comrmentos de onda de nteresse,.e os utlzados elo laser; Largura de banda e temos de resosta adequados aos rtmos bnáros usados; Introdução

Leia mais

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e Teora da Decsão Logístca e Gestão de Stocks Estratégas de Localzação Lcencatura em Engenhara Cvl Lcencatura em Engenhara do Terrtóro 1 Estratéga de Localzação Agenda 1. Classfcação dos problemas

Leia mais

4 Análise de confiabilidade de estruturas

4 Análise de confiabilidade de estruturas 4 Análse de confabldade de estruturas Nos prmórdos da engenhara cvl, o desconhecmento técnco-centífco conduza a proetos excessvamente seguros, mas em contrapartda de custo muto elevado. Hoe em da, o progresso

Leia mais

Medidas e resultados em um experimento.

Medidas e resultados em um experimento. Meddas e resultados em um expermento. I- Introdução O estudo de um fenômeno natural do ponto de vsta expermental envolve algumas etapas que, mutas vezes, necesstam de uma elaboração préva de uma seqüênca

Leia mais

3 Subtração de Fundo Segmentação por Subtração de Fundo

3 Subtração de Fundo Segmentação por Subtração de Fundo 3 Subtração de Fundo Este capítulo apresenta um estudo sobre algortmos para a detecção de objetos em movmento em uma cena com fundo estátco. Normalmente, estas cenas estão sob a nfluênca de mudanças na

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO GENERALIZADA DE VALORES EXTREMOS NO ESTUDO DA VELOCIDADE MÁXIMA DO VENTO EM PIRACICABA, SP EZEQUIEL ABRAHAM LÓPEZ BAUTISTA

A DISTRIBUIÇÃO GENERALIZADA DE VALORES EXTREMOS NO ESTUDO DA VELOCIDADE MÁXIMA DO VENTO EM PIRACICABA, SP EZEQUIEL ABRAHAM LÓPEZ BAUTISTA A DISTRIBUIÇÃO GENERALIZADA DE VALORES EXTREMOS NO ESTUDO DA VELOCIDADE MÁXIMA DO VENTO EM PIRACICABA SP EZEQUIEL ABRAHAM LÓPEZ BAUTISTA Dssertação aresentada à Escola Sueror de Agrcultura "Luz de Queroz"

Leia mais

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 1

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 1 Análse Complexa Resolução de alguns exercícos do capítulo 1 1. Tem-se:. = (0, 1) = (0, 1) =. 3. Sejam a, b R. Então Exercíco nº1 = (0, 1).(0, 1) = (0.0 1.1, 0.1 + 1.0) = ( 1, 0) = 1. a + b = a b = a +

Leia mais

Mecanismos de Escalonamento

Mecanismos de Escalonamento Mecansmos de Escalonamento 1.1 Mecansmos de escalonamento O algortmo de escalonamento decde qual o próxmo pacote que será servdo na fla de espera. Este algortmo é um dos mecansmos responsáves por dstrbur

Leia mais

Lei das Malhas (KVL) Lei dos Nós (KCL)

Lei das Malhas (KVL) Lei dos Nós (KCL) Le das Malhas (KL) Le dos Nós (KCL) Electrónca Arnaldo Batsta 5/6 Electrónca_omed_ef KCL (Krchhoff Current Law) Nó é o ponto de lgação de dos ou mas elementos de crcuto amo é uma porção do crcuto contendo

Leia mais

Problemas Propostos. Frações mássicas, volúmicas ou molares. Estequiometria.

Problemas Propostos. Frações mássicas, volúmicas ou molares. Estequiometria. Elementos de Engenhara Químca I II. Frações e Estequometra (problemas resolvdos) Problemas Propostos. Frações másscas, volúmcas ou molares. Estequometra.. Em 5 moles de Benzeno (C 6 H 6 ) quanto é que

Leia mais

DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO

DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO 1 Um modelo lnear generalzado é defndo pelos seguntes três componentes: Componente aleatóro; Componente sstemátco; Função de lgação; Componente aleatóro: Um conjunto

Leia mais

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência.

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência. MODELO DE REGRESSÃO DE COX Os modelos de regressão paramétrcos vstos anterormente exgem que se suponha uma dstrbução estatístca para o tempo de sobrevvênca. Contudo esta suposção, caso não sea adequada,

Leia mais

MODELOS HIDROLÓGICOS DISTRIBUÍDOS UTILIZANDO MODELOS DIGITAIS DO RELEVO DO TIPO RASTER E DO TIPO TIN

MODELOS HIDROLÓGICOS DISTRIBUÍDOS UTILIZANDO MODELOS DIGITAIS DO RELEVO DO TIPO RASTER E DO TIPO TIN MODELOS HIDROLÓGICOS DISTRIBUÍDOS UTILIZANDO MODELOS DIGITAIS DO RELEVO DO TIPO RASTER E DO TIPO TIN JOÃO REIS HIPÓLITO Professor Assocado do Insttuto Superor Técnco Avenda Rovsco Pas. 096 LISBOA CODEX

Leia mais

Dependência Espacial de espécies nativas em fragmentos. florestais

Dependência Espacial de espécies nativas em fragmentos. florestais Dependênca Espacal de espéces natvas em fragmentos 1 Introdução florestas 1 Mestranda em Engenhara Florestal LEMAF/DCF UFLA. e-mal: cunhadase@yahoo.com.br 2 Mestrando em Engenhara Florestal LEMAF/DCF UFLA.

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE A DINÂMICA E A EFICIÊNCIA DE MERCADOS

REFLEXÃO SOBRE A DINÂMICA E A EFICIÊNCIA DE MERCADOS REFLEXÃO SOBRE A DINÂMICA E A EFICIÊNCIA DE MERCADOS João Santana 5 de Janero de 00 NOTA INTRODUTÓRIA A Economa semre me atrau. No entanto, a mnha formação académca e a mnha vda rofssonal fo, e tem sdo,

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br 1 soluções eletrolítcas Qual a dferença entre uma solução 1,0 mol L -1 de glcose e outra de NaCl de mesma concentração?

Leia mais

Uma comparação entre algoritmos de projeção para restauração de imagens do satélite CBERS-1

Uma comparação entre algoritmos de projeção para restauração de imagens do satélite CBERS-1 Uma comparação entre algortmos de projeção para restauração de magens do satélte CBERS- João P. Papa Nelson D. A. Mascarenhas Lela M.G. Fonseca 2 Unversdade Federal de São Carlos - UFSCAR Caxa Postal 676-3565-905

Leia mais

8. Estudo da não-idealidade da fase líquida

8. Estudo da não-idealidade da fase líquida PQI 58 Fundamentos de Processos em Engenhara Químca II 009 8. Estudo da não-dealdade da fase líquda Assuntos. A le de Raoult. Defnção de atvdade 3. Convenções assmétrcas e a le de Henry 4. Exercícos 8..

Leia mais

Introdução ao Método dos Elementos Finitos: Estruturas Articuladas

Introdução ao Método dos Elementos Finitos: Estruturas Articuladas Análse de Estruturas II: Estruturas Artculadas Introdução ao Método dos Elementos Fntos: Estruturas Artculadas. Introdução O modelo de estrutura artculada, o mas smples dos modelos estruturas, é utlzado

Leia mais

Cálculo de Índices de Preços do Setor Sucroalcooleiro

Cálculo de Índices de Preços do Setor Sucroalcooleiro Cálculo de Índces de reços do Setor Sucroalcoolero Introdução O projeto tem como objetvo desenvolver uma metodologa que mensure a nflação mensal dos processos de produção de cana-deaçúcar, açúcar e etanol.

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso Superor de tecnólogo em Gestão Ambental Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos

Leia mais

Sumarização dos dados

Sumarização dos dados Inferênca e Decsão I Soluções da Colectânea de Exercícos 22/3 LMAC Capítulo 2 Sumarzação dos dados Nota: neste capítulo é apresentada a resolução apenas de alguns exercícos e a título ndcatvo. Exercíco

Leia mais

Estudo e Previsão da Demanda de Energia Elétrica. Parte II

Estudo e Previsão da Demanda de Energia Elétrica. Parte II Unversdade Federal de Paraná Setor de Tecnologa Departamento de Engenhara Elétrca Estudo e Prevsão da Demanda de Energa Elétrca Parte II Prof: Clodomro Unshuay-Vla Etapas de um Modelo de Prevsão Objetvo

Leia mais

Programação Dinâmica. Fernando Nogueira Programação Dinâmica 1

Programação Dinâmica. Fernando Nogueira Programação Dinâmica 1 Programação Dnâmca Fernando Noguera Programação Dnâmca A Programação Dnâmca procura resolver o problema de otmzação através da análse de uma seqüênca de problemas mas smples do que o problema orgnal. A

Leia mais

Resolução de Conflitos

Resolução de Conflitos Mestrado em Engenhara Informátca Tecnologas do Conhecmento e Decsão Sstemas Baseados em Agentes Resolução de Confltos Abrl de 2008 Realzado por: 1020541 Ivo Perera Índce Índce... 1 1. Introdução... 2 2.

Leia mais

58 Textos de Apoio de Análise Matemática IV 2003/2004. Tem-se assim uma decomposição da região rectangular R em mk rectângulos

58 Textos de Apoio de Análise Matemática IV 2003/2004. Tem-se assim uma decomposição da região rectangular R em mk rectângulos 58 Textos de Apoo de Análse Matemátca IV 3/4.3 Integral duplo.3.1 efnção Seja um rectângulo fechado de, sto é, [a, b] [c, d] {(x, y) : a x b e c y d}, com a < b e c < d. Consdere-se uma partção do ntervalo

Leia mais

Estudo de Curto-Circuito

Estudo de Curto-Circuito Estudo de Curto-Crcuto Rotero. Objetvo / aplcações. Natureza da corrente de defeto 3. Resposta em regme (4 tpos de defeto) 4. Resposta transtóra 5. Conclusões Objetvo Determnação de correntes e tensões

Leia mais

2 - Análise de circuitos em corrente contínua

2 - Análise de circuitos em corrente contínua - Análse de crcutos em corrente contínua.-corrente eléctrca.-le de Ohm.3-Sentdos da corrente: real e convenconal.4-fontes ndependentes e fontes dependentes.5-assocação de resstêncas; Dvsores de tensão;

Leia mais

ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS, ANÁLISE FATORIAL: Exemplos em STATA. Prof. Dr. Evandro Marcos Saidel Ribeiro RESUMO

ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS, ANÁLISE FATORIAL: Exemplos em STATA. Prof. Dr. Evandro Marcos Saidel Ribeiro RESUMO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS, ANÁLISE FATORIAL: Eemplos em STATA. Prof. Dr. Evandro Marcos

Leia mais

Análise Descritiva com Dados Agrupados

Análise Descritiva com Dados Agrupados Análse Descrtva com Dados Agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas descrtvas

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS E SEQÜÊNCIA DE CORTE PARA A MÁXIMA PRODUÇÃO EM TORNOS CNC. Palavras-chave: Máxima produção, Seqüência de corte, Torno CNC.

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS E SEQÜÊNCIA DE CORTE PARA A MÁXIMA PRODUÇÃO EM TORNOS CNC. Palavras-chave: Máxima produção, Seqüência de corte, Torno CNC. DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS E SEQÜÊNCIA DE CORTE PARA A MÁXIMA PRODUÇÃO EM TORNOS CNC. Patrck Lelou Noema Gomes de Mattos de Mesquta Hugo Marcelo Bezerra de Carvalho Sérgo Murlo Veríssmo de Andrade Unversdade

Leia mais