UM SISTEMA INTELIGENTE USANDO REDES NEURAIS ARTMAP-FUZZY PARA PREDIÇÃO DO GRUPO DE RISCO DE EVASÃO DISCENTE EM CURSOS SUPERIORES PRESENCIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM SISTEMA INTELIGENTE USANDO REDES NEURAIS ARTMAP-FUZZY PARA PREDIÇÃO DO GRUPO DE RISCO DE EVASÃO DISCENTE EM CURSOS SUPERIORES PRESENCIAIS"

Transcrição

1 UM SISTEMA INTELIGENTE USANDO REDES NEURAIS ARTMAP-FUZZY PARA PREDIÇÃO DO GRUPO DE RISCO DE EVASÃO DISCENTE EM CURSOS SUPERIORES PRESENCIAIS VALQUÍRIA R. DE C. MARTINHO 1, CLODOALDO NUNES 2, CARLOS R. MINUSSI Departamento de Eletro-Eletrôna, Insttuto Federal de Mato Grosso - IFMT - Campus Cuá Rua Zulmra Canavarros, 93 - Centro - Cuá / MT, Brasl - CEP: Departamento de Informáta, Insttuto Federal de Mato Grosso - IFMT - Campus Cuá Rua Zulmra Canavarros, 93 - Centro - Cuá / MT, Brasl - CEP: Loratóro de Sstemas Intelgentes, Fauldade de Engenhara Elétra de Ilha soltera - UNESP Av. Prof. osé Carlos Ross, Ilha Soltera / SP, Brasl - CEP: Abstrat Shool dropout permeates the varous levels and teahng modaltes and has generated soal, eonom, poltal, aadem and fnanal damage to all nvolved n the eduatonal proess. Data out shool dropout n hgher eduaton ourses show the worryng state of fatgue and weakness of Brazlan hgher eduaton. Therefore, t s fundamental to develop effent methods for predton, assessment and montorng of the students at rsk of droppng out, makng the plannng and adopton of proatve atons possble to mnmze the stuaton. In ths ontext, ths work ams to present the potentaltes of an ntellgent system developed for the predton of the group of students at rsk of droppng out n hgher eduaton lassroom ourses. The system was developed usng a Fuzzy-ARTMAP Neural Network, one of the artfal ntellgene tehnques, whh makes the ontnued learnng of the system possble. It was mplemented n the tehnology ourses of the Federal Insttute of Mato Grosso, based on the aadem and sooeonom reords of the students. The results, showng a suess rate of the dropout group around 95% and overall auray over 76%, hghlghts the rellty and auray of the system. Furthermore, t s noteworthy that the strength and boldness of ths researh les n the possblty of dentfyng early the emnent shool dropout usng only the enrollment data. KeywordsDropout predton, Intellgent System, Fuzzy-ARTMAP Neural Network, Proatvty. Resumo A evasão esolar permea os város níves e modaldades de ensno e tem gerado preuízos soas, eonômos, polítos, aadêmos e fnaneros a todos os envolvdos no proesso eduaonal. Os dados sobre evasão nos ursos superores demonstram o preoupante estado de fadga e fragldade que se enontra a eduação superor braslera. Portanto, torna-se mpresndível o desenvolvmento de métodos efentes para predção, avalação e aompanhamento de estudantes em rso de evasão, possbltando o planeamento e adoção de meddas proatvas para mnmzar a stuação. Nesse ontexto, este tralho obetva apresentar as potenaldades de um sstema ntelgente desenvolvdo para predzer o grupo de estudantes em rso de evasão, em ursos superores presenas. O sstema fo desenvolvdo utlzando uma Rede Neural ARTMAP-Fuzzy, uma das ténas da ntelgêna artfal, om possbldade de aprendzado ontnuado. Implementou-se este sstema nos ursos superores de tenologa do Insttuto Federal de Mato Grosso, baseado nos regstros aadêmos e sooeonômos dos estudantes. Dante dos resultados, aerto do grupo evasvo em torno de 95% e aerto global superor a 76%, evdena-se a fdedgndade e auráa do sstema. Ressalta-se, anda, que a puança e a audáa desta pesqusa enontra-se na possbldade dentfar preoemente a mnente evasão usando somente os dados da nsrção. Palavras-have Predção da Evasão Esolar, Sstema Intelgente, Rede Neural ARTMAP-Fuzzy, Proatvdade. 1 Introdução Ao longo da hstóra da Eduação, o fenômeno da evasão esolar permea os város níves e modaldades de ensno e tem gerado preuízos soas, eonômos, polítos, aadêmos e fnaneros a todos os envolvdos no proesso eduaonal. É um problema omplexo e rual (Martnho, 2012), advndo da superposção de fatores endógenos e exógenos da nsttução de ensno, além de varáves demográfas e atrbutos ndvduas que nfluenam na desão do estudante unverstáro de permaneer ou andonar o urso. O preoupante estado de fadga e fragldade que se enontra a eduação superor braslera é ratfado pelos índes da evasão no ensno superor, em torno de 20,5% entre as nsttuções de ensno superor públas e prvadas, de aordo om o relatóro do Censo da Eduação Superor Não obstante, por meo de um estudo estatísto no Curso Superor de Tenologa (CST) em Automação Industral, do Insttuto Federal de Mato Grosso (IFMT), lous de desenvolvmento desta pesqusa, no período de , onstatou-se que dos 389 estudantes matrulados no urso, 233 estão evaddos, representando um índe de 62,46% de evasão (Barbosa, 2010). O IFMT assumu uma meta desafadora de reduzr para 10% o índe de evasão na nsttução até Nesse ontexto, dante da omplexdade do fenômeno e a neessdade de enontrar soluções, é mpresndível realzar estudos sstemátos, observar os snas de evasão mnente, desenvolver estratégas para dentfar prevamente os estudantes propensos à evasão. Isso, om o ntuto de possbltar a artulação de um onunto de meddas e ações proatvas destnadas a manter o estudante na nsttução. Os métodos predtores da evasão são fatíves de serem empregados de manera oletva. Porém, a

2 ação em prol da permanêna do estudante deve ser ndvdualzada, atendendo suas neessdades espeífas. Esta onvção va ao enontro do que enfatza a UNESCO, de que a evasão pode onsttur-se em fenômeno oletvo, mas é sempre num proesso ndvdual. As varáves envolvdas no proesso da evasão guardam em s uma gama de espefdades nerentes aos dferentes níves de ensno, ursos e nsttuções que se possa analsar, são omplexas, subetvas, não-lneares e nter-relaonadas. Uma possbldade fatível para representar stuações de omplexdade, não-lneardade e subetvdade, omo o aso da evasão esolar, é a utlzação de Redes Neuras Artfas (RNAs) (Haykn, 2009), um dos paradgmas da Intelgêna Artfal (IA) (Nlsson, 1998). As Redes Neuras são sstemas omputaonas que emulam o érebro humano na nterpretação e proessamento das nformações e, também, aprendem através de experênas, tornando-as apazes de fazer generalzações mas onfáves. Essa apadade permte o desenvolvmento de sstemas om hldade para proessar problemas ntratáves, ldar om varáves não-lneares, mperfetas e faltantes, nteragr om dados rudosos e, mesmo assm, apresentar rapdez e presão nos resultados. Na lteratura, foram enontradas pouas referênas pertnentes a análse e predção da evasão esolar dsente, em ursos presenas do ensno superor, utlzando redes neuras artfas. Os tralhos mas próxmos foram o de Lykourentzou et al. (2009) que nvestga o grupo de rso de estudantes om propensão à evasão em ursos e-learnng. Utlza-se a ombnação de três ténas de aprendzagem de máquna, entre elas a rede neural ART- MAP-Fuzzy e, o de Mustafa (2012) que utlza árvore de regressão e lassfação para dentfar a evasão dsente, partndo dos dados da nsrção do estudante em um urso presenal. Ele onlu que os dados esolhdos onferem um baxo nível de presão nos resultados. Desse modo, este artgo tem o propósto de apresentar um sstema ntelgente apaz de realzar a predção de grupos de rso de evasão dsente em ursos superores presenas, nferdo de manera fdedgna sobre as ondções dos estudantes quanto à evasão (Martnho, 2012). O sstema fo desenvolvdo utlzando uma das ténas da ntelgêna artfal, a Rede Neural ARTMAP-Fuzzy (Carpenter et al., 1992a; Carpenter et al., 1992b; Carpenter and Grossberg, 1992), que apresenta a possbldade de trenamento ontnuado (Marhor et al., 2011). Ressalta-se que, para além das sngulardades á desrtas deste sstema, frente aos tralhos entífos sobre evasão, a puança e a audáa desta pesqusa enontram-se na possbldade de usar somente os dados da nsrção dos estudantes, para dentfar preoemente a mnente evasão. Após a ntrodução, na Seção 2 apresenta-se a delmtação da pesqusa e a onstrução da base de dados. As redes neuras ART e ARTMAP-Fuzzy são ordadas na Seção 3. Na Seção 4 desreve-se o desenvolvmento do sstema neural ARTMAP-Fuzzy proposto para a predção da evasão dsente. A mplementação do sstema, os resultados e as análses das smulações são apresentados na Seção 5. As onsderações mas relevantes deste estudo estão na Seção 6. 2 Delmtação da Pesqusa e Construção da Base de Dados Esta pesqusa fo desenvolvda om estudantes do Insttuto Federal de Eduação, Cêna e Tenologa de Mato Grosso - IFMT, matrulados nos Cursos Superores de Tenologa (CST) em Automação Industral e Controle, Controle de Obras e Sstemas para Internet. Os ursos ordados são de aráter presenal. Haa vsta que o foo da nvestgação é o fenômeno da evasão esolar nos ursos presenas do ensno superor. Parte dos dados utlzados nesta pesqusa são as respostas dos questonáros sooeonômos, preenhdos pelos estudantes no ato da nsrção para o exame de seleção. Esses dados estão armazenados no Q-Seleção, um gerenador de dados dos proessos seletvos da nsttução. O questonáro sooeonômo é omposto por 23 questões, das quas 13 delas são seleonadas omo araterístas predtoras para a análse da evasão. Além dos dados do questonáro, são onsderadas araterístas omo a dstâna entre a resdêna e a esola e o turno de estudo. Essas nformações são oletadas no Q-Aadêmo, o gerenador dos dados aadêmos. Os dados oletados para análse ompreende um período de sete anos, de 2004/2 a 2011/2. O vetor de entrada da rede neural é omposto por 16 parâmetros e a saída da rede onsttuída por duas lasses, evasão e não-evasão. Os pares de vetores entrada-saída deseada são representados na odfação bnára. O vetor de entrada é omposto por 41bts e, as saídas deseadas representadas por 1 bt. Os nomes dos estudantes foram suprmdos para preservar sua dentdade. Na planlha fnal são dentfados om números (Martnho, 2012). 3 Redes Neuras ART-Fuzzy e ARTMAP-Fuzzy No modelo ARTMAP-Fuzzy dos módulos ART estão nterlgados, através de um módulo nter-art, denomnado Mapa de Campo. Este módulo dspõe de um meansmo autorregulador denomnado math trakng, que busa asamentos entre as ategoras dos módulos ART a e ART b, om obetvo de

3 elevar o grau de generalzação e dmnur o erro da rede. A rede neural ART-Fuzzy utlza a teora dos onuntos nebulosos (Carpenter et al., 1991), possbltando o tratamento de padrões de entradas bnáros e analógos, em um ntervalo [0, 1], e aumentando a hldade de generalzação da rede. 3.1 Algortmo de uma Rede Neural ART-Fuzzy Consste, fundamentalmente, na sequêna axo, desrta a partr de Carpenter et al. (1991) e utlzada em Martnho et al. (2013). I) Normalzação dos dados de entrada Os dados de entrada são representados pelo vetor a = [a 1 a 2 a 3... a M ]. A normalzação desse vetor deve ser onforme (1): a M a, sendo : a a a sendo: a : vetor de entrada normalzado; a : norma do vetor de entrada a; II) Codfação do vetor de entrada É realzada, de aordo om (2), para preservar a ampltude da nformação. sendo: a a 1 a : elemento omplementar do elemento do vetor de entrada normalzado; a : vetor omplementar da entrada normalzada. Assm, o vetor de entrada da rede será o vetor I, apresentado em (3). a a III) Vetor de atvdade I Indado por y = [ y 1 y 2 y 3... y N ], sendo N o número de ategoras radas em F 2. Assm, tem-se: y 1, se o nó de F2 é atvo, se 0, aso ontráro, se IV) Parâmetros da rede neural ART-Fuzzy Parâmetro de esolha (α > 0 ) : atua na seleção de ategoras da rede neural; Parâmetro de trenamento (β [ 0, 1 ] ) : ontrola a taxa de trenamento e adaptação da rede; Parâmetro de vglâna (ρ [ 0, 1 ] ) : ontrola a ressonâna da rede. V) Inalzação dos pesos Inalmente, todos os pesos possuem valores guas a 1, omo em (4): w 0 ) w ( 0 )... w (0) 1 1 ( 2 NM VI) Esolha de uma ategora A esolha da ategora em F 2 atende à função de esolha T defnda em (5): T I w ( I ) w sendo: : operador AND Fuzzy, defndo por (6): I w mn ( I, w ) O sstema esolhe a ategora orrespondente ao nó atvo, onforme (7): VII) Ressonâna ou Reset 1,..., N arg max T A ressonâna oorre se o rtéro de vglâna, (8), for satsfeto. I w I Se o rtéro de vglâna, (8), não for satsfeto, oorre o reset. VIII) Aprendzado (Atualzação dos pesos) Após o estado de ressonâna, oorre o proesso de trenamento e aprendzado e, onsequentemente, a modfação do vetor dos pesos, dada por (9). w novo β ( I w velho ) (1 β ) w velho sendo: : ategora atva; novo w : vetor peso atualzado, velho w : vetor peso referente à atualzação anteror. Se β = 1, tem-se o trenamento rápdo. 3.2 Algortmo de uma Rede Neural ARTMAP-Fuzzy O proessamento de uma rede neural ARTMAP- Fuzzy segundo Carpenter et al. (1992b) e aplado em Martnho et al. (2013), é mostrado axo: I) Dados de entrada Os vetores de entrada da rede ARTMAP-Fuzzy são representados por: a a1 a2... a P : entrada ART a, amostra dos dados; b b1 b2... b P : entrada ART b, saída deseada; sendo: P : o número de subvetores dos vetores a e b. II) Matrzes de pesos Todas as matrzes de pesos da rede são nadas om valores guas a 1, mostrando que não exste nenhuma ategora atva. III) Parâmetros da rede Os parâmetros usados no proessamento da rede ARTMAP-Fuzzy são os mesmos usados na rede ART-Fuzzy. Porém ada módulo ART a e ART b ree-

4 be um padrão espeífo. A dferença é o parâmetro de vglâna do módulo Inter-ART (ρ [ 0, 1 ]). IV) Math trakng (busa de asamento) Na rede neural ARTMAP-Fuzzy os módulos ART a e ART b, são proessados e, após a ressonâna ser onfrmada em ada um deles, tem-se que: ategora atva para o módulo ART a : ategora atva para o módulo ART b : K Após a onfrmação da ressonâna em ada módulo é realzado o teste do math trakng, dado por (10): x y w y Pelo rtéro de vglâna, tem-se que: Se, ser onfrmado; Se, x - o par de trenamento deve x - deve-se busar outro índe, até que o rtéro de vglâna sea satsfeto. Se o rtéro de vglâna não for satsfeto, fazse um pequeno nremento no parâmetro de vglâna do módulo ART a, que se repetrá até que o rtéro de vglâna sea satsfeto. V) Aprendzado (atualzação dos pesos) O aprendzado é realzado após oorrer o estado de ressonâna, proedendo-se a modfação do vetor peso, dada por (11) e (12), respetvamente, módulos ARTa e ARTb e, por (13) e (14) módulo Inter-ART. w w a (novo) a (velho) β I w ) ( 1 β ) b (novo) K (novo) w K (novo) w K ( w b (velho) K a (velho) β ( I w ) (1 β ) w 0, para k 1,2,..., N, 1, para k 1,2,..., N, b (velho) K k K k K 4 Sstema Neural ARTMAP-Fuzzy Proposto para Predção da Evasão Nesta pesqusa, o modelo de sstema ntelgente proposto fo desenvolvdo utlzando uma rede neural ARTMAP-Fuzzy assoada a um módulo da Lóga Fuzzy (Zadeh, 1965) e, em uma segunda smulação, um módulo que emprega a Teora de Evdêna de Dempster-Shafer - TDS (Barnett, 1981). Essa omposção possbltou dentfar de manera preoe, aurada e fdedgna o grupo de rso de evasão esolar dsente, em ursos presenas do ensno superor do IFMT, om uma base de dados extraída das nformações no ato da nsrção do estudante para o exame de seleção. A estrutura do sstema de predção proposto e a sequêna de desenvolvmento deste tralho estão representadas no fluxograma da Fgura 1. Fgura 1. Fluxograma do proesso de desenvolvmento do sstema neural proposto. Na fase prelmnar delmta-se a pesqusa, defne-se o método e a base de dados. Em seguda, na fase de pré-proessamento, realza-se a lmpeza e a fltragem dos dados brutos seleonados, a ategorzação das araterístas dos estudantes e o tratamento das nformações, semelhante ao proposto por (Slvera, 2011). As bases de dados analógos são onvertdas em bases de dados bnáros (para o trenamento e para o dagnósto). A onepção de um sstema neural essenalmente bnáro apresenta um omportamento mas efente, om maor rapdez e melhor presão nas respostas, e permte a extração do onhemento de forma ontínua (Marhor et al., 2011), busando uma melhor adaptação às ondções da nsttução e o aperfeçoamento om o passar do tempo. Após a bnarzação as nformações são dspostas em lnhas. Em ada lnha estão ontdas as araterístas dos estudantes, que ompõem o vetor de entrada (41 bts) da rede neural e representam uma amostra. A saída deseada da rede, também bnára (1 bt), é formada pelo status do estudante (não evadu (0) ou evadu (1)) fornedo pela base de dados. Os vetores de entrada e saída deseada são apresentados às entradas dos módulos ARTa e ARTb, respetvamente, para o proessamento das nformações. Conluído o proessamento dos dados, hega-se à fase de nterpretação, análse e avalação dos resultados. Nessa fase, se na saída da rede neural a resposta em relação à evasão for negatva (lasse 0 ), nenhuma ação é adotada, apenas é realzado o regstro da referda nformação. Se a resposta de evasão for postva (lasse 1 ), essa nformação passa pelo módulo Fuzzy, para uma melhor dsrmnação sobre a qualdade da nformação (análse fna). O fnal do proesso é a fase da Ação. Dante dos

5 resultados, propõe-se ações ndvdualzadas (ação proatva), para atender as neessdades de ada estudante, proporonando ondções para sua permanêna na nsttução. Ressalta-se que a proatvdade depende fortemente da atuação da nsttução. 5 Aplação e Análse dos Resultados Nesse estudo, em espeífo, a entrada da rede AR- TMAP-Fuzzy proposta é representa pelo vetor a (entrada ARTa) e sua respetva saída deseada, na fase de trenamento, representada pelo vetor b (entrada ARTb), sendo estes desrtos da segunte manera: a = [a 1 a 2... a 16 ] e b = [ b ], sendo: b= 0 ou 1 Os subvetores a 1, a 2,... a 16 do vetor a (Tela 1) são vetores lnhas que ontêm a representação bnára das araterístas dos estudantes. Cada bt orresponde a um omponente do vetor assoado. A saída da rede é representada pelo vetor atvdade da amada F2 (y) e fornee respostas na odfação bnára om 1 bt (Tela 1), assm defndo: y = [ y ] (saída da rede ARTMAP-Fuzzy) Varáves do Vetor de Entrada (a) da Rede Vetor Saída (y) Tela 1. Composção dos Vetores de Entrada e Saída. Caraterístas dos Subvetores de a e y Posção Nome Abrev. Tam. a 1 Sexo Sx 1 bt a 2 Faxa etára FxEt 3 bts a 3 Etna Etn 3 bts a 4 Estado Cvl EstCv 3 bts a 5 Nº pessoas/asa PesCs 3 bts a 6 Renda Famlar Rfam 3 bts a 7 Tem Computador Comp 1 bt a 8 Esolardade pas EsPas 3 bts a 9 Esola de Orgem EsOrg 3 bts a 10 Auto avalação AAval 3 bts a 11 Proedêna Prod 1 bt a 12 Dst. Es.- Resd. DstER 3 bts a 13 Meo Transporte Transp 3 bts a 14 Stuação Tralho Tr 3 bts a 15 Turno de Estudo Turno 2 bts a 16 Alunos/ Sala Al/Sl 3 bts y Não-Evasão Evasão NEv Ev 1 bt Na fase de valdação e dagnósto do sstema neural ARTMAP-Fuzzy foram utlzadas, para este estudo, uma amostra do CST em Automação om 389 lnhas e 41 olunas, era de 30% do total das amostras do trenamento. Os dados das olunas de 1 a 41 representam os atrbutos orrespondentes ao vetor a, entrtrada do módulo ARTa. Na oluna 42 estão representas as saídas deseadas, vetor b (entrada ARTb) da rede neural ARTMAP-Fuzzy. Os parâmetros utlzados no proessamento dos dados estão espefados na Tela 2. Os parâmetros apresentados foram os que proporonaram o melhor desempenho do sstema, defndos através do resultado das smulações. Tela 2 - Espefação dos parâmetros da rede neural ARTMAP-Fuzzy. Parâmetros e Valores de Referêna Parâmetros Valores Parâmetro de esolha (α > 0) 0,001 Taxa de trenamento (β ϵ [0,1]) 1,0 Parâmetro de vglâna módulo ART a ( a ϵ [0,1]) 0,2 Inremento do parâmetro de vglâna a () 0,05 Parâmetro de vglâna módulo ART b ( b ϵ [0,1]) 0,999 Parâm. vglâna módulo nter-art ( ϵ [0,1]) 0,7 Parâm. vglâna no math trakng ( amat ϵ [0,1]) 0,75 Após o trenamento da rede foram realzadas no smulações, om a base de dados para o dagnósto, para a valdação do modelo proposto. Os resultados das smulações foram omparados e analsados, utlzando-se o rtéro de votação [Carpenter et al., 1992b], fo verfada a saída 0 ou 1 de maor ndêna para ada uma das entradas. O resultado de maor ndêna onsttuu-se na saída da rede neural. Conluída a etapa do proessamento através do sstema neural ARTMAP-Fuzzy e das análses pertnentes à ompreensão do omportamento da rede quanto à evasão dsente, os resultados foram omplados e, suntamente, demonstrados na Tela 3. Tela 3 - Resultado do dagnósto da evasão dsente: evasão total no período de CST em Automação. Dagnósto Evasão Total Saída Rede - Valores Quanttatvos e Perentuas Evasão Não-Evasão Total Amostras 2004/2010 Qtd. % Qtd. % Qtd. % Amostras Aertos , , ,1 Erros 12 4,9 11 7,5 23 5,9 A nterpretação e análse dos resultados demonstra que o sstema dentfou 231 possbldades de evasão e gnorou 12, de um total de 243 estudantes evaddos, obtendo um índe de aerto de 95,1%. Dentre as 146 amostras de estudantes não evaddos, 135 foram reonhedas, aertando 92,5% dos asos. Nesta smulação, o sstema neural ARTMAP-Fuzzy alançou um perentual de aerto global de 94,1%. Os resultados quanttatvos e em perentuas do dagnósto de evasão podem ser perebdos, om maor lareza, nos gráfos da Fgura 2. Em outra smulação, em que se onsderou apenas os estudantes evaddos no 1º semestre do urso, no período de 2004 a Obteve-se um índe de aerto de 97,8% om relação aos estudantes evaddos e um perentual de aerto global de 76,7% (Martnho et al., 2013), orroborando os índes de auráa do sstema proposto. Consderando os testes realzados e a onsstêna dos resultados obtdos, pode-se nferr que o sstema ntelgente proposto, utlzando rede neural ARTMAP-Fuzzy, é um modelo om sgnfatvo grau de onfldade e exprme fdedgnamente a

6 stuação que se enontra os estudantes analsados. Fgura 2 - Resultado quanttatvo e perentual da predção da evasão total em CST a Consderações Fnas Este tralho está alerçado em uma pesqusa que tem omo obetvo propor um método novador para dentfar, de manera proatva, ontnuada e aurada os estudantes onsderados do grupo de rso de evasão dsente, em ursos superores presenas, om uma base de dados omposta pelas nformações da nsrção. Para esse propósto fo mplementado um sstema neural ARTMAP-Fuzzy assoado om um módulo Fuzzy e um módulo da Teora de Evdêna de Dempster-Shafer. Com a análse dos resultados obtdos é possível nferr que o sstema proposto é robusto, efaz e om sgnfatvo grau de onfldade, alançou um índe de aerto global entre 76% e 94% na dentfação antepada do grupo de rso evasvo. O onfronto dos resultados obtdos neste estudo om aqueles desrtos por (Mustafa et al., 2012), om a aplação de árvores de desão (entre 28% e 38% de aertos), para dentfar a evasão om base nos dados da nsrção dos estudantes, demonstra a qualdade e relevâna do sstema neural ARTMAPFuzzy proposto. Portanto, evdena-se que o do sstema neural ARTMAP-Fuzzy é uma poderosa, arroada e novadora ferramenta para a predção de grupos de rso de evasão dsente, em ursos superores presenas, nserndo-se na launa exstente nas produções da omundade entífa mundal, no que tange o tema em questão, ontrbundo desta forma om algo que sea útl para a soedade. Pos, om uma ação proatva, onsegur om que um estudante, om potenal de evadr, tenha suesso é uma mssão nobre. Agradementos Ao Insttuto Federal de Mato Grosso pela dsponblzação das bases de dados para essa pesqusa, bem omo, a CAPES pelo apoo fnanero. Referênas Bblográfas Barbosa,. O. (2010). Identfação e Análse dos Fatores Preponderantes e Determnantes da Evasão Esolar no CST em Automação Industral no IFMT Relatóro Interno, 40 p. Barnett,. A. (1981). Computatonal Methods for a Mathematal Theory of Evdene. Proeedngs of the 7th Internatonal ont Conferene on Artfal Intellgene. Vanouver. Carpenter, G. A. and Grossberg, S. (1992). A SelfOrganzng Neural Network for Supervsed Learnng, Reognton, and Predton. Communatons Magazne, vol. 30, pp Carpenter, G. A.; Grossberg, S. and Izuka, K. (1992a). Comparatve Performane Measures of Fuzzy ARTMAP, Learned Vetor Quantzaton, and Bak Propagaton for Handwrtten Charater Reognton. Internatonal ont Conferene on Neural Networks - ICNN. vol.1, pp Carpenter, G. A.; Grossberg, S. and Rosen, D. B. (1991). Fuzzy ART: Fast Stle Learnng and Categorzaton of Analog Patterns by an Adaptve Resonane System. Neural Network, vol. 4, pp Carpenter, G. A.; Grossberg, S.; Markuzon, N.; Reynolds,. H. and Rosen, D. B. (1992b). Fuzzy ARTMAP: A Neural Network Arhteture for Inremental Supervsed Learnng of Analog Multdmensonal Maps. Neural Networks, IEEE Transatons on, vol. 3, pp Haykn, S. S. (2009). Neural Networks and Learnng Mahnes. Prente Hall. 906p. Lykourentzou, I.; gannoukos, I.; nkolopoulos, V. et al. (2009). Dropout Predton n E-Learnng Courses through the Combnaton of Mahne Learnng Tehnques. ournal Computers & Eduaton, vol. 53, nº. 3, pp Marhor, S. C.; Slvera; M. C. G. da; Mnuss, C. R. et al. (2011). Neural Network Based on Adaptve Resonane Theory wth Contnuous Tranng for Mult-Confguraton Transent Stlty Analyss of Eletr Power Systems. Appled Soft Computng, vol. 11, pp Martnho, V. R. C. (2012). Sstema Intelgente para Predção do Grupo de Rso de Evasão Dsente. UNESP, Fauldade de Engenhara. 58p. Martnho, V. R. C.; Nunes, C. and Mnuss, C. R. (2013). A New Method for Predton of Shool Dropout Rsk Group Usng Neural Network Fuzzy. 15th ICAI Las Vegas, USA: Proeedngs of the ICAI 13. (no prelo) Mustafa, M. N.; Chowdhury, L. and Kamal, S. (2012). Students Dropout Predton for Intellgent System from Tertary Level n Developng Country. Internatonal Conferene on Informats, Eletrons & Vson. Dhaka, Bangladesh: IEEE. Nlsson, N.. (1998). Artfal Intellgene: A New Synthess, Morgan Kaufman Publ Inorporated. Slvera, M. C. G. (2011). Sstema de Gerenamento de Base de Dados para Aplação em Ambentes de Sstemas Elétros de Potêna. UNESP, Departamento de Engenhara Elétra. Zadeh, L. A. (1965). Fuzzy Sets. Informaton and Control, vol. 8, nº. 3, pp

OTIMIZAÇÃO DE PROVISIONAMENTO DE LARGURA DE BANDA USANDO REDES DE PETRI NA MODELAGEM DE COMPORTAMENTO DE CLIENTES E PROVEDORES

OTIMIZAÇÃO DE PROVISIONAMENTO DE LARGURA DE BANDA USANDO REDES DE PETRI NA MODELAGEM DE COMPORTAMENTO DE CLIENTES E PROVEDORES OTIMIZAÇÃO DE PROVISIONAMENTO DE LARGURA DE BANDA USANDO REDES DE PETRI NA MODELAGEM DE COMPORTAMENTO DE CLIENTES E PROVEDORES FLÁVIO HENRIQUE BATISTA DE SOUZA CARLOS ANDREY MAIA RODNEY R SALDANHA 1 Programa

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E DESIGUALDADE ESPACIAIS DO CONSUMO RESIDENCIAL DE ELETRICIDADE: UMA ANÁLISE DO PERÍODO 1989-2005 COM MEDIDAS DE INFORMAÇÃO

DISTRIBUIÇÃO E DESIGUALDADE ESPACIAIS DO CONSUMO RESIDENCIAL DE ELETRICIDADE: UMA ANÁLISE DO PERÍODO 1989-2005 COM MEDIDAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA APLICADA DISTRIBUIÇÃO E DESIGUALDADE ESPACIAIS DO CONSUMO RESIDENCIAL DE ELETRICIDADE: UMA ANÁLISE DO PERÍODO 1989-2005 COM MEDIDAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

Capítulo 3-1. A 2ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 3-1. A 2ª Lei da Termodinâmica Capítulo 3-1. A 2ª Le da ermodnâma Baseado no lvro: Atkns Pysal Cemstry Egt Edton Peter Atkns Julo de Paula 29-04-2007 Mara da Coneção Pava 1 A segunda le da termodnâma é baseada na experêna umana. odos

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Teoria dos Números e suas aplicações

Teoria dos Números e suas aplicações Teora dos Números e suas aplações Lus Armando dos Santos Júnor e Antôno arlos Noguera Unversdade Federal de Uberlânda Abrl- 009 :Orentando Programa de Eduação tutoral do urso de Matemáta. E-mal: anarexmg@ahoo.om.br

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Um classificador baseado na Discriminação Logística: vantagens e desvantagens

Um classificador baseado na Discriminação Logística: vantagens e desvantagens Um lassfador baseado na Dsrmnação Loísta: vantaens e desvantaens HÉLIO RADKE BITTENCOURT ROBIN THOMAS CLARKE 2 Centro Estadual de esqusas em Sensoramento Remoto e Meteoroloa CESRM UFRGS Caa ostal 5044

Leia mais

O Método de Redes Neurais com Função de Ativação de Base Radial para Classificação em Data Mining

O Método de Redes Neurais com Função de Ativação de Base Radial para Classificação em Data Mining O Método de Redes Neuras com Função de Atvação de Base Radal para Classfcação em Data Mnng Ana Paula Scott 1, Mersandra Côrtes de Matos 2, Prscyla Walesa T. A. Smões 2 1 Acadêmco do Curso de Cênca da Computação

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção O Uso do Software Matlab Aplcado à Prevsão de Índces da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenhara de Produção VICENTE, S. A. S. Unversdade Presbterana Mackenze Rua da Consolação, 930 prédo

Leia mais

ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA COLHEITA DE FRUTAS

ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA COLHEITA DE FRUTAS XLIII Congresso Braslero de Engenhara Agrícola - CONBEA 2014 Centro de Convenções Arquteto Rubens Gl de Camllo - Campo Grande -MS 27 a 31 de julho de 2014 ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA

Leia mais

SOM Hierárquico Aplicado à Compressão de Imagens

SOM Hierárquico Aplicado à Compressão de Imagens Proceedngs of the V Brazlan Conference on Neural Networks - V Congresso Braslero de Redes Neuras pp. 511 516, Aprl 2 5, 2001 - Ro de Janero - RJ - Brazl SOM Herárquco Aplcado à Compressão de Imagens José

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Geração de poses de faces utilizando Active Appearance Model Tupã Negreiros 1, Marcos R. P. Barretto 2, Jun Okamoto 3

Geração de poses de faces utilizando Active Appearance Model Tupã Negreiros 1, Marcos R. P. Barretto 2, Jun Okamoto 3 Geração de poses de faces utlzando Actve Appearance Model Tupã Negreros 1, Marcos R. P. Barretto 2, Jun Okamoto 3 1, 2, 3 Escola Poltécnca da Unversdade de São Paulo (POLI/USP) Caxa Postal 61548 CEP 05508-900

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS UTILIZANDO A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA

IMPLEMENTAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS UTILIZANDO A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA IMPLEMENTAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS UTILIZANDO A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA José R. Campos 1, Anna D. P. Lotufo 1, Carlos R. Mnuss 1, Mara L. M. Lopes 1 1 UNESP, Ilha Soltera, Brasl, jrcampos8@gmal.com,

Leia mais

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE RESUMO Felppe Perera da Costa, PPGEM/UFOP, Mestrando. felppe@mneral.em.ufop.br Marcone Jamlson Fretas

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.01 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO -V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

UMA REDE NEURAL ARTIFICIAL HÍBRIDA: MULTI-LAYER PERCEPTRON (MLP) E INTERAC- TIVE ACTIVATION AND COMPETITION (IAC)

UMA REDE NEURAL ARTIFICIAL HÍBRIDA: MULTI-LAYER PERCEPTRON (MLP) E INTERAC- TIVE ACTIVATION AND COMPETITION (IAC) UMA REDE NEURAL ARTIFICIAL HÍBRIDA: MULTI-LAYER PERCEPTRON (MLP) E INTERAC- TIVE ACTIVATION AND COMPETITION (IAC) ANDRÉA T. R. BARBOSA, GLORIA M. CURILEM SALDÍAS, FERNANDO M. DE AZEVEDO Hosptal São Vcente

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLIENTES COM BASE NA FICHA DE ANAMNESE ODONTOLÓGICA: UMA APLICAÇÃO DA ART2.

AGRUPAMENTO DE CLIENTES COM BASE NA FICHA DE ANAMNESE ODONTOLÓGICA: UMA APLICAÇÃO DA ART2. AGRUPAMENTO DE CLIENTES COM BASE NA FICHA DE ANAMNESE ODONTOLÓGICA: UMA APLICAÇÃO DA ART2. andrey soares Unversdade Federal de Santa Catarna UFSC Campus Unverstáro Trndade Floranópols, SC 88040-900 andrey@nf.ufsc.br

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SISTEMA

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

1-BREVE HISTÓRIA SOBRE A PROGRAMAÇÃO LINEAR... 1 2- INTRODUÇÃO MATEMÁTICA...

1-BREVE HISTÓRIA SOBRE A PROGRAMAÇÃO LINEAR... 1 2- INTRODUÇÃO MATEMÁTICA... Índe -BREVE HISTÓRIA SOBRE A PROGRAMAÇÃO LIEAR - ITRODUÇÃO MATEMÁTICA 5 - otações e onvenções 5 - Programação lnear em redes 7 - Eemplos de modelos em programação lnear 5 - Produção - dstrbução da polímeros

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

SISTEMA HÍBRIDO NEURO-FUZZY PARA ANÁLISE DE SEGURANÇA EM TEMPO REAL DE SISTEMAS DE POTÊNCIA

SISTEMA HÍBRIDO NEURO-FUZZY PARA ANÁLISE DE SEGURANÇA EM TEMPO REAL DE SISTEMAS DE POTÊNCIA SISTEMA HÍBRIDO NEURO-FUZZY PARA ANÁLISE DE SEGURANÇA EM TEMPO REAL DE SISTEMAS DE POTÊNCIA EDUARDO DE A. SODRÉ, DEPT Dvsão de Estudos do Sstema de Transmssão, CHESF Rua Delmro Gouvea, 333 Bon, Cep: 50761

Leia mais

2 Técnicas convencionais usadas na modelagem de sistemas não lineares

2 Técnicas convencionais usadas na modelagem de sistemas não lineares Ténas onvenonas usadas na modelagem de sstemas não lneares Ténas onvenonas usadas na modelagem de sstemas não lneares.1. Revsão Bblográfa Os modelos lneares desemenharam um mortante ael no desenvolvmento

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

2. MATERIAIS E MÉTODOS

2. MATERIAIS E MÉTODOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS MODELOS DO IPCC-AR4 NO NORDESTE SETENTRIONAL DO BRASIL QUANTO À VARIABILIDADE PLURIANUAL DA PRECIPITAÇÃO NO SÉCULO XX RESUMO--- Os modelos globas do Intergovernmental Panel

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

UMA ABORDAGEM NEURO-IMUNE PARA A SOLUÇÃO DO PROBLEMA DE MÚLTIPLOS CAIXEIROS VIAJANTES

UMA ABORDAGEM NEURO-IMUNE PARA A SOLUÇÃO DO PROBLEMA DE MÚLTIPLOS CAIXEIROS VIAJANTES UMA ABORDAGEM NEURO-IMUNE PARA A SOLUÇÃO DO PROBLEMA DE MÚLTIPLOS CAIXEIROS VIAANTES THIAGO A. S. MASUTTI, LEANDRO N. DE CASTRO Laboratóro de Sstemas Intelgentes, Programa de Mestrado em Informátca Unversdade

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2 LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE Rcardo Slva Tavares 1 ; Roberto Scalco 1 Aluno de Incação Centífca da Escola de Engenhara Mauá (EEM/CEUN-IMT); Professor da Escola de Engenhara

Leia mais

PARALLEL ITERATED LOCAL SEARCH APLICADO AO PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA

PARALLEL ITERATED LOCAL SEARCH APLICADO AO PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA PARALLEL ITERATED LOCAL SEARCH APLICADO AO PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA Sabr Rbas, Igor Machado Coelho Marcone Jamlson Fretas Souza, Davd Menott Unversdade Federal de Ouro Preto Departamento de Cênca

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

RAE-eletrônica ISSN: 1676-5648 rae@fgv.br. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Brasil

RAE-eletrônica ISSN: 1676-5648 rae@fgv.br. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Brasil RAE-eletrônca ISSN: 676-5648 rae@fgv.br Escola de Admnstração de Empresas de São Paulo Brasl Gumarães, Ináco Andrusk; Chaves Neto, Anselmo RECONHECIMENTO DE PADRÕES: METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS EM CRÉDITO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Francisco das Chagas de Souza

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Francisco das Chagas de Souza UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Francsco das Chagas de Souza ALGORITMOS ADAPTATIVOS LMS NORMALIZADOS PROPORCIONAIS: PROPOSTA DE UM NOVO ALGORITMO

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS CCE DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Curso de Especalzação Lato Sensu em Estatístca ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS Professor: Dr. Waldr Medr medr@uel.br Londrna/Pr Março de 011 ÍNDICE

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) IPECE ota Técnca GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) ISTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECOÔMICA DO CEARÁ (IPECE) OTA TÉCICA º 33 METODOLOGIA DE CÁLCULO DA OVA LEI DO ICMS

Leia mais

GENETIC FUZZY SISTEM PARA SELEÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO PARA FRATURAMENTO HIDRÁULICO

GENETIC FUZZY SISTEM PARA SELEÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO PARA FRATURAMENTO HIDRÁULICO A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN GENETIC FUZZY SISTEM PARA SELEÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO PARA FRATURAMENTO HIDRÁULICO Antôno Orestes de Salvo Castro Petrobras

Leia mais

ANÁLISE MULTICRITÉRIO COM PREFERÊNCIAS DESCONHECIDAS: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO SMAA-2

ANÁLISE MULTICRITÉRIO COM PREFERÊNCIAS DESCONHECIDAS: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO SMAA-2 ANÁLISE MULTICRITÉRIO COM PREFERÊNCIAS DESCONHECIDAS: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO SMAA-2 Luz Flavo Autran Montero Gomes Ibme/RJ Av. Presdente Wlson 118, Sala 1110, 20030-020 Ro de Janero, RJ Hautran@bmerj.brH

Leia mais

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 XIV ELAVIO El Fuerte Snaloa Méxco 9-14 de agosto de 2009 TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 Mayron César de O. Morera Lana Mara R. Santos Alysson M.

Leia mais

Filtro de Conteúdo para Sistemas SMS Baseado em Classificador Bayesiano e Agrupamento por Palavras

Filtro de Conteúdo para Sistemas SMS Baseado em Classificador Bayesiano e Agrupamento por Palavras XV Workshop de Gerênca e Operação de Redes e Servços 131 Fltro de Conteúdo para Sstemas SMS Baseado em Classfcador Bayesano e Agrupamento por Drceu Belém 1, Fátma Duarte-Fgueredo 1 1 Pontfíca Unversdade

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS PREVISÃO DE PRTIDS DE FUTEBOL USNDO MODELOS DINÂMICOS Oswaldo Gomes de Souza Junor Insttuto de Matemátca Unversdade Federal do Ro de Janero junor@dme.ufrj.br Dan Gamerman Insttuto de Matemátca Unversdade

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

Redes Neurais Artificiais Aplicadas no Monitoramento da Condição de Ferramentas de Corte Utilizando Algoritmo de Extração das Características SFS

Redes Neurais Artificiais Aplicadas no Monitoramento da Condição de Ferramentas de Corte Utilizando Algoritmo de Extração das Características SFS Proceedngs of the IV Brazlan Conference on Neural Networs - IV Congresso Braslero de Redes Neuras pp. 292-297, July 20-22, 999 - ITA, São José dos Campos - SP - Brazl Redes Neuras Artfcas Aplcadas no Montoramento

Leia mais

OTIMIZAÇÃO EM ESTADO ESTACIONÁRIO DE UM PROCESSO NÃO-LINEAR: O CASO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO

OTIMIZAÇÃO EM ESTADO ESTACIONÁRIO DE UM PROCESSO NÃO-LINEAR: O CASO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO SBA: Controle & Automação, VoI. 2, N2 2, pp. 134-138, (TT) OTIMIZAÇÃO EM ESTADO ESTACIONÁRIO DE UM PROCESSO NÃO-LINEAR: O CASO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO Fr~nso osé Gomes Akebo Yamakam CETEC C.P. 2306

Leia mais

Visualização Científica no Contexto de Métodos Meshfree: Aprimoramento de Algoritmos Clássicos

Visualização Científica no Contexto de Métodos Meshfree: Aprimoramento de Algoritmos Clássicos Vsualzação Centífca no Contexto de Métodos Meshfree: Aprmoramento de Algortmos Clásscos Gleber N. Marques 1, André F. Perera 1,, Dárley D. de Almeda 1, e Gsele F. Franco 1 1 Laboratóro de Modelagem, Smulação

Leia mais

Modelo Analítico para Avaliar Plataformas Cliente/Servidor e Agentes Móveis Aplicado à Gerência de Redes

Modelo Analítico para Avaliar Plataformas Cliente/Servidor e Agentes Móveis Aplicado à Gerência de Redes Modelo Analítco para Avalar Plataformas Clente/Servdor e Agentes Móves Aplcado à Gerênca de Redes Julana Amaral Arantes, Carlos Becker Westphall, Rcardo Felpe Custódo {julana, westphal}@lrg.ufsc.br, custodo@nf.ufsc.br

Leia mais

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol Modelos estatístcos para prevsão de partdas de futebol Dan Gamerman Insttuto de Matemátca, UFRJ dan@m.ufrj.br X Semana da Matemátca e II Semana da Estatístca da UFOP Ouro Preto, MG 03/11/2010 Algumas perguntas

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

PREDIÇÃO DO FENÔMENO DE VAPORIZAÇÃO RETRÓGRADA DUPLA EM MISTURAS DE HIDROCARBONETOS

PREDIÇÃO DO FENÔMENO DE VAPORIZAÇÃO RETRÓGRADA DUPLA EM MISTURAS DE HIDROCARBONETOS Copyrght 004, Insttuto Braslero de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnco Centífco fo preparado para apresentação no 3 Congresso Braslero de P&D em Petróleo e Gás, a ser realzado no período de a 5 de

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA A PREVISÃO DO TEMPO DE DURAÇÃO DE AUDIÊNCIAS TRABALHISTAS

UTILIZAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA A PREVISÃO DO TEMPO DE DURAÇÃO DE AUDIÊNCIAS TRABALHISTAS UTILIZAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTILA ARA A REVISÃO DO TEMO DE DURAÇÃO DE AUDIÊNCIAS TRABALHISTAS Alessandra Memar avanell Unversdade Federal do araná UFR rograma de ós-graduação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

PREVISÃO DO ÍNDICE MERVAL: UMA APLICAÇÃO DE REDES NEURIAS POLINOMIAIS GMDH

PREVISÃO DO ÍNDICE MERVAL: UMA APLICAÇÃO DE REDES NEURIAS POLINOMIAIS GMDH PREVISÃO DO ÍNDICE MERVAL: UMA APLICAÇÃO DE REDES NEURIAS POLINOMIAIS GMDH CAPORAL, Bbana 1 ; CAVALHEIRO, Everton ; CORRÊA, José Carlos 3 ; CUNHA, Carlos 4 Palavras-chave: Econometra; Séres temporas; Co-ntegração;

Leia mais

Determinantes da posse de telefonia móvel no Brasil: o acesso à internet importa?

Determinantes da posse de telefonia móvel no Brasil: o acesso à internet importa? VIII Smpóso Braslero de Sstemas de Informação (SBSI 2012) Trlhas Técncas Determnantes da posse de telefona móvel no Brasl: o acesso à nternet mporta? Marsle Nshjma 1, Jorge Fagundes 2, Marcos A. M. Lma

Leia mais

Atribuição Automática de Propagandas a Páginas da Web

Atribuição Automática de Propagandas a Páginas da Web Atrbução Automátca de Propagandas a Págnas da Web Aníso Mendes Lacerda Lara Crstna Rodrgues Coelho Resumo O problema da propaganda dreconada baseada em conteúdo (PDC) consttu-se em atrbur propagandas a

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1 DETERMINANTES DA ADOÇÃO DA TECNOLOGIA DE DESPOLPAMENTO NA CAFEICULTURA: ESTUDO DE UMA REGIÃO PRODUTORA DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS govanblas@yahoo.com.br Apresentação Oral-Cênca, Pesqusa e Transferênca

Leia mais

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities A Importânca da Educação para a Recente Queda da Desgualdade de Renda Salaral no Brasl: Uma análse de decomposção para as regões Nordeste e Sudeste Valdemar Rodrgues de Pnho Neto Técnco de pesqusa do Insttuto

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO Felpe Mendonca Gurgel Bandera (UFERSA) felpembandera@hotmal.com Breno Barros Telles

Leia mais

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição CIDEL Argentna 2014 Internatonal Congress on Electrcty Dstrbuton Ttle Revsão dos Métodos para o Aumento da Confabldade em Sstemas Elétrcos de Dstrbução Regstraton Nº: (Abstract) Authors of the paper Name

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO J. W. B. Lopes 1 ; E. A. R. Pnhero 2 ; J. R. de Araújo Neto 3 ; J. C. N. dos Santos 4 RESUMO: Esse estudo fo conduzdo

Leia mais

MÉTODO DE RESSECÇÃO APLICADO NA DETERMINAÇÃO DE COORDENADAS NO MONITORAMENTO DE PONTOS

MÉTODO DE RESSECÇÃO APLICADO NA DETERMINAÇÃO DE COORDENADAS NO MONITORAMENTO DE PONTOS III Smóso raslero de êncas Geodéscas e Tecnologas da Geonformação Recfe - E, 7-30 de Julho de 010. 001-005 MÉTODO DE RESSEÇÃO LIDO N DETERMINÇÃO DE OORDENDS NO MONITORMENTO DE ONTOS FINI D.. MIRND LUÍS.

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais