OTIMIZAÇÃO DE PROVISIONAMENTO DE LARGURA DE BANDA USANDO REDES DE PETRI NA MODELAGEM DE COMPORTAMENTO DE CLIENTES E PROVEDORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OTIMIZAÇÃO DE PROVISIONAMENTO DE LARGURA DE BANDA USANDO REDES DE PETRI NA MODELAGEM DE COMPORTAMENTO DE CLIENTES E PROVEDORES"

Transcrição

1 OTIMIZAÇÃO DE PROVISIONAMENTO DE LARGURA DE BANDA USANDO REDES DE PETRI NA MODELAGEM DE COMPORTAMENTO DE CLIENTES E PROVEDORES FLÁVIO HENRIQUE BATISTA DE SOUZA CARLOS ANDREY MAIA RODNEY R SALDANHA 1 Programa de Pós-Graduação em Engenhara Elétra - Unversdade Federal de Mnas Geras - Av Antôno Carlos Belo Horzonte MG Brasl E-mals: Abstrat Ths paper shows the use of Petr nets as a way to obtan and onsoldate the behavor of a nternet serves lent They are able to analyze the behavor of an exstng demand or operatng n onjunton wth a smulaton algorthm of behavor guded by ustomer profle In addton to the smulaton ths set s ntegrated to a genet algorthm to propose the optmzaton of the struture of the networ s operatonal or n plannng Keywords Petr Nets Optmzaton Bandwdth Provsonng Resumo Este trabalho mostra a utlzação das redes de Petr omo uma forma de obter e onsoldar o omportamento de um lente de servços de nternet Elas são apazes de analsar o omportamento de uma demanda exstente ou operar em onjunto om um algortmo de smulação de omportamento orentado pelo perfl do lente Além da smulação este onjunto é ntegrado a um algortmo genéto para propor a otmzação da estrutura da rede que esteja operaonal ou em planejamento Palavras-have Redes de Petr Otmzação Provsonamento de Largura de Banda de Redes 1 Introdução As redes de Petr podem ser utlzadas omo um proesso dsreto de avalação de uma demanda ou utlzação de determnado reurso (Cassandras 2008) As rp s podem nteragr om o Algortmo Genéto (AG) (Pour 2010) Como desrto por Huang (2004) e Pour (2010) tal nteração oorre de forma que o AG pode prover a ombnação ótma de dsparos de uma rp Esta pesqusa explora esta forma de operação om outro foo onde a rp orenta um AG em um proesso de otmzação de provsão de reursos A rp fa responsável pela realzação de uma oleta dsreta de uma demanda afm de gerar índes de utlzação de reursos que possam orentar o proesso de otmzação do AG Fo abordado o problema de provsonamento de largura de banda de nternet (Hayajneh 2008; Wu 2005) de forma que a ferramenta desenvolvda fosse apaz de: 1 Identfar a demanda de uma rede operaonal de um ISP (Internet Serves Provder) 2 ular a possível demanda de reursos para um projeto em desenvolvmento O proesso de smulação é auxlado por um algortmo hamado Profle que é orentado pelo perfl do lente alvo do projeto Conforme o problema abordado o AG que ompõe a ferramenta avala qual a melhor estrutura de provsão de largura de banda que o ISP pode obter para atender seus lentes 2 Redes de Petr A representação gráfa de uma rede de Petr (rp) onsste num grafo omposto por nós lgados por segmentos orentados denomnados aros (A) Este grafo onta om dos tpos de nós denomnados lugares (P) e transções (T) Os lugares (P) são representados por írulos e as transções (T) são representadas por barras ou retângulos Cada aro é drgdo e termnado por uma seta Os aros nterlgam um lugar a uma transção ou uma transção a um lugar Uma rp é um grafo bpartdo e dreonado O número de lugares e transções é fnto e não nulo Tal estrutura onsdera a maração x gerando uma quíntupla (PTAwx) (Cassandras 2008) Fo desenvolvda uma estrutura foada em dentfar ndependente do meo de omunação a demanda de servços de um lente de um ISP Assm rp s espeífas foram desenvolvdas para apturar essas nformações no enáro mostrado pela Fgura 1 Fgura 1Cenáro de análses das rp s As rps tem o objetvo de onsoldar as demandas do lente Cada lente é analsado durante um período de 24 horas Cada mnuto deste período é

2 onsderado um nstante de análse ( = 1 mnuto o que mplam em 1440 nstantes analsados em 24 horas) omo mostra a Fgura 2 BW (%) BW (%) 08:00 16:00 00: Fgura 2 Instantes de Análse A rp que dentfa a nformação do lente retrata um grupo de perentual de navegação que está sendo usado onde ={ } em % (ex se o lente estver navegando entre 01 e 15 % de sua largura de banda total ={15}) e os protoolos que utlzados durante a navegação onde ={HTTP FTP SMTP POP3 TELNET} Esta é a rp-clente desrta na Fgura 3 Fgura 4 rp-isp Fgura 3 rp-clente A outra rp é a rp-isp (responsável pela análse no ambente do provedor de servços) que onsolda as nformações enamnhadas por ada rp-clente e é mostrada na Fgura 4 Cada rp tem um grupo A de analse omo mostra a Tabela 1 rp - Clente rp-isp Analse Tabela 1 Analse rp-clente e rp- ISP Desrção A1 O MODEM está atvo? A2 Está om qual Perentual da banda ontratada? A3 Qual Protoolo está utlzando? Enamnhe o Estado atual da rede e aguarde A4 x undades de tempo para nar nova análse A5 Rene a análse A1 Analsar Clente A2 Qual o Tpo do Clente? A3 Qual o Plano Contratado? O Modem Informa que o lente está navegando A4 om qual apadade e protoolo no nstante? A5 Modem Idle no nstante? A6 Transmssão de Status A7 Clo (Número de nstantes ) Controle: Garanta que apenas 1 lente seja analsado nos dferentes nstantes de (ada lente tem A8 apenas 1 tpo e 1 plano assnado) Em ada lo de análse a ambas rp s operam no nstante de tempo onde = 1 mnuto (a medda de tempo pode ser alterada pelo projetsta) A estrutura proposta funona da segunte forma: 1 Em ada nstante rp-clente realza um lo ompleto de análse e enamnha o status para o ISP; 2 O ISP reebe os dados envados pelo lente e onsolda os dados através da rp-isp e demonstra

3 grafamente sob quas runstanas os lente estão usando o servço dsponblzado O uso de rp s provê agldade e um erto nível de smpldade no proesso de obtenção de nformações sobre o estado do modem e enamnhar a stuação do lente ao provedor de servços em uma strng de 38 bts enamnhada pela rp-clente onde om apenas um bt possu o valor 1 é transmtda toda a stuação do lente no nstante são neessáras alterações nas estruturas das rp s quanto a varação número de lentes Entretanto deverão sofrer mudanças aso vare o número de protoolos ou de perentuas analsados A maração fnal é o resultado de uma dnâma de ontadores que é detalhada no trabalho de Souza (2012) O trabalho de análse omportamental das rps fo demonstrado por exaustva expermentação no apítulo 3 do trabalho de Souza(2012) As rp s olordas poderam ser utlzadas mas mplara em usto omputaonal mas elevado na mplementação e uso da metodologa para o problema analsado A nformação que é gerada pela estrutura de rp s que é apresentada medante a nterpretação da rp-isp pode ser utlzada omo base de estudos da stuação da rede do Provedor de Servços (e no aso ser a base de um proesso de otmzação de dsponbldade de reursos de um provedor) 3 ulação As redes de Petr desrtas têm a habldade de dentfar as ondções em que estão sendo utlzados os servços dsponblzados por um provedor no aso em questão de um lente de um ISP Entretanto as rp s desenvolvdas na estrutura proposta são napazes de smular uma demanda A smulação pode ser obtda usando um algortmo hamado Profle O Profle fo desenvolvdo om uma estrutura que possa permtr a exploração das probabldades de demandas partulares de ada tpo de lente que possam ter sdo dentfadas pelo projetsta Essa abordagem respeta as questões de largura da banda (BW) e protoolos usados no nstante em um período de 24 horas ( Mn = 0 e Max = 1439) A estrutura do smulador resultante é desrta na Fgura 5 Profle Profle Estímulo Estímulo rp Clente rp Clente Transmssão Transmssão Fgura 5 Instantes de Análse rp ISP Demonstração Gráfa Consoldado Com a estrutura desrta é possível smular as prováves demandas e stuações que um lente real podera requerer mantendo a velodade e a smpldade do uso das rp s O Profle é omposto de Estratos (quanto mas Estratos tver um Profle mas detalhada a análse do Profle se torna) e ada estrato S possu um grupo S S Mn e Max respetando o período proposto para o Profle O Profle é a soma dos Estratos omo mostra a Fgura 6 O algortmo é mostrado om detalhes por Souza (2012) Fgura 6 Composção de um Profle O algortmo realza uma smulação que onsdera questões omo o nível mínmo de navegação tol em que ada plano de ada lente é analsado e há o ompartlhamento de reursos de largura de banda aso haja demanda na rede O fluxograma de um Estrato S é desrto na Fgura 7 Para expermentos e provas de onsstêna de ada teora Profles foram desenvolvdos baseados em 18 amostras eddas por um ISP atuante no merado onde foram mantdas em sglo todas as nformações onfdenas dos lentes apenas índes foram eddos a fm de embasar o estudo proposto É o exemplo é mostrado na Tabela 2 Tabela 2 Profle Clente tpo Eduaonal Parâmetros m = 30; // BW Total (Mbps) = 10; Comuns a todos S Estratos Plan (bps) = 1024 x 30; // tol (bps) = 256; Probabldades de ada Estrato S Download P P onlne http P ftp P smtp P Pte ln et pop Dvsão de ada Estrato UpLoad Download UpLoad BW(%) S1 S 2 S2 Mn S2 S3 S4 S5 S2 Max 1440 S H S start M S start H S stop M S stop Profle

4 Dados de Entrada Durante o Período estpulado faça: Modem Onlne no nstante? Modem Idle Há BW para navegar 100 %? Está abaxo da tolerâna? Defna Protoolo Calule a Probabldade dos outros lentes estarem onlne Calule a Possível BW dsponível Penalze lentes e atrbua BW ao lente analsado Retornar Resultado do Estrato Atrbua o Protoolo no nstante Atrbua BW no nstante gual a 100 Atrbua BW no nstante gual a lmar mas próxmo Fgura 7 Fluxograma de um Estrato 4 Otmzação Período analsado? Nos estudos de Pour (2010) e Huang (2004) um AG provê a seqüêna ótma de dsparos de uma rp Agora os resultados obtdos por uma estrutura de rp servrá de base para o proesso de otmzação A demanda que é smulada pelo Profle e onsoldada pela estrutura de rp s será analsada pelo AG desrto por Penheva (2009) que rá gerar soluções de otmzação onsderando ustos que podem estar envolvdos na prestação de servços (no aso um ISP om foo na análse do provsonamento sua largura de banda) O AG fo onsderado adequado para a otmzação uma vez que algumas das varáves de otmzação esolhdas são dsretas (problema msto) Através da estrutura desenvolvda das nformações que são onsoldadas pela estrutura de rp são utlzados os dados sobre quas protoolos são usados pelos lentes durante o aesso ao reurso de rede om sso ada um deles rá orentar um índe de onentração I onde = {HTTP SMTP FTP TELNET POP3} Além dos dados de protoolos são usados os dados om relação ao perentual de largura de banda que é alançado pelo lente De posse dessas nformações o AG rá gerar um enáro de possíves proessos de otmzação da estrutura do provedor de servços Esses índes ompõem a nterfae entre o smulador orentado por rp s e o AG A nterfae segue a segunte lóga: após a smulação por parte do Profle e a onsoldação pelas rp s são analsadas as taxas de ndêna de oorrêna das referênas desrtas em e que são dados por CN e ω respetvamente Essas taxas apenas representam uma méda da ontagem de quantas vezes ada opção e ada protoolo oorreram durante os nstantes O resultado é dvddo pelo número de m lentes analsados há normalzação dos resultados para que o AG assmle esses índes Um exemplo é mostrado na Tabela 3 om índes obtdos em um Profle desenvolvdo para smular um tpo de lente Eduaonal onde a rede fo testada om os dados da Tabela 2 e a BW Total varada entre 5 e 10 Mbps Tabela 3 Taxas de ndêna obtdas pelo smulador Profle: EDUCACIONAL Taxa de Indêna de BW Total (Mbps) Down load Up Load CN 15 CN 25 CN 50 CN 75 CN Profle: EDUCACIONAL Taxa de Indêna de Protoolos BW Total (Mbps) Down load ω HTTP ω SMTP FTP ω ωpop3 ω Te ln et Up Load A modelagem matemáta proposta nlu o usto de ada Mbps BW o usto E que a mplementação de ada solução proposta para o tratamento de ada protoolo e os ustos venda em relação à resposta do merado às mudanças no sstema Uma observação é que o usto venda terá o valor de usto 1 BW e E são uma fração de venda Com sso torna-se efetva a análse de retorno de nvestmento ROI provenentes das vendas do produto ou prestação de servço Para análse da sensbldade da ferramenta desenvolvda a tabela 4 mostra uma relação aproxmada de ustos que já levam em onsderação o uso para atendmento de um projeto para lentes do tpo Eduaonal assm omo o Profle demonstrado Esses valores podem mudar de aordo om o projeto que será trabalhado abe ao projetsta realzar tal análse Custos BW EHTTP EFTP Tabela 4 Custos E SMTP E POP 3 ETELNET Os índes de onentração I de ada protoolo são obtdos através do levantamento da taxa de ndêna ω de ada protoolo analsado levando em onsderação o número N de aplações que deveram ser mplementadas aso o protoolo venda

5 usado oupasse 100% do servço de provsonamento de largura de banda Através de I o número de soluções a serem reomendadas são ponderadas pela ndêna ω Os índes I devem ser nteros reas e postvos e determnados pela expressão (1): I round( ω N ) (1) = O índe de onentração de navegação CN onde = { } representa o onjunto de margens perentuas de utlzação de reursos de largura de banda Ele torna possível mensurar a taxa de ndêna da velodade de navegação e rar um parâmetro de avalação de neessdade de nremento ou redução de dsponbldade do reurso de largura de banda dsponblzada (em Mbps) total HTTP Outro parâmetro onsderado é λ que é vnulado ao valor perentual de reurso poupado para o provedor quando mplementada uma solução para trabalhar o protoolo (ex: a ada x equpamentos mplementados para assmlar o protoolo = {HTTP} o provedor de servços poupará 5% do uso da BW ou seja λ = 0 05 ) A tabela 5 demonstra um exemplo desse parâmetro om estmatvas de valores assoados a um projeto para atender um projeto para lentes do tpo Eduaonal que também são usados para os testes de sensbldade da ferramenta desenvolvda λ HTTP Tabela 5 Índes de Eonoma O parâmetro θ é o valor em Mbps do plano que será venddo para os x lentes que o proesso de 7 otmzação rá propor para oupar o sstema otmzado As varáves de otmzação são: x 1 : Valor em % de Mbps para nremento ou retrada de reursos de largura de banda São valores reas postvos ou negatvos x 2 x 3 x 4 x 5 x 6 : Quantdade de equpamentos ou soluções propostas para serem mplementadas na rede para assmlar respetvamente HTTP FTP SMTP POP3 e TELNET Valores nteros e postvos x : Número de lentes propostos para ompor a rede proposta Valores nteros e postvos 7 λ FTP λsmtp λpop3 λ TELNET 6 Maxmze x 7venda x + 1BW x (2) E = 2 Sujeto à: 6 {75100} x x λ BW (3) Total 6 {50} 1 0 α x λ α {005} (4) 6 {25} 1 0 {010} α x λ α (5) 6 {15} 1 0 {015} α x λ α (6) 05( x7θ ) BWTotal ( x1 + 1) 0 (7) Lmn x L max (8) Onde: = arg max( CN ) (9) L L max 2 = mn( I Http Lmax 2) max 3 = mn( I Ftp Lmax 3) mn( I Smtp L max 4 L max4 = ) L max 5 Pop3 max 5 max 6 mn( I Te ln et max6 = mn( I L ) L = L ) ; (10) A expressão (2) é a função objetvo A restrção (3) denota a neessdade de dmnur a BW total (o projetsta assume que a onentração entre 75 e 100% sgnfa que a largura de banda pode ser poupada) As restrções (4) (5) e (6) são desgnadas para os asos de neessdade de nremento em BW Estas restrções são orentadas pela expressão (9) A restrção (7) é o ontrole de BW total para que se respete o foo de que não seja aeta uma BW total que não possa assegurar 50% de BW total para ada lente ontratante onsderando o número de lentes e seus planos assnados A restrção (8) mensura a dsponbldade de soluções e é orentada pelas expressões (10) Como menonado foram fetos testes de sensbldade para avalação da nterfae entre a estrutura de smulação e o AG Fo utlzado o Profle Eduaonal da Tabela II na parte de Download omo referêna Esta nterfae é delmtada pelo proesso em que o smulador entrega ao AG os índes CN e ω que foram obtdos om as devdas onsderações e proessamentos em relação a λ e I Durante os testes foram usados os ustos da Tabela 4 os índes de eonoma da Tabela 5 e os lmtes para testes da tabela 6 Tabela 6 Lmtes de varáves teste de sensbldade x x 1 x 2 x 3 x 4 x 5 x 6 x 7 L Mn L Max Através desses índes hpotétos testes foram realzados para examnar a nteração entre o AG e a estrutura de smulação O número de lentes m usado fo 15 e o grupo N = {43341} O AG operou om uma população de 50 ndvíduos e 100 gerações Os resultados podem ser vstos na Tabela 7

6 BW Total Tabela 7 Lmtes de varáves teste de sensbldade x 1 x 2 x 3 x 4 x 5 x 6 x Os resultados mostram que a nterfae entre a estrutura do smulador e o AG foram assmladas As smulações foram realzadas e servram omo uma referêna para o proesso de otmzação ou seja o proesso em que uma estrutura de redes de Petr orenta um AG provou ser possível e oerente Nota-se que à medda que o reurso BW Total dsponível dmnu eram reomendadas as mudanças onsderadas apropradas para a estrutura de provsonamento do ISP Um exemplo om base na Tabela VII é que quando BW Total era 5Mbps o AG reomendou que fossem nserdas 5 soluções de FTP 5 soluções de SMTP 5 soluções de POP3 5 soluções de TELNET que poderam ser poupados 20% da BW Total dsponível e que m podera aumentar de 15 para 20 aso tal proposta de estrutura fosse aatada Deve ser onsderado que os resultados apresentados sofrem nterferêna dos índes λ e I que podem varar de aordo om as soluções empregadas para o trabalho de ada protoolo pos é respetada a lóga que de quanto mas robusta a solução empregada maor será a apadade de trabalho sobre determnado protoolo o que rá ertamente nterferr em λ Além dsso quanto maor a apadade de uma solução untára menos undades neessáras no projeto 5 Conlusão N são Com os resultados obtdos podemos notar que é possível uma estrutura onde as redes de Petr onseguem orentar um proesso de otmzação que é o proesso oposto dos estudos que já foram realzados por Pour (2010) e Huang (2004) Através da estrutura desenvolvda é possível uma avalação dsreta das demandas e do omportamento dos lentes de um prestador de servços que pode ser onsoldada e servr de referêna para um proesso de otmzação da estrutura usada para dsponblzar o servço A ferramenta possu a apadade de retratar o omportamento ou de smular a demanda de lentes quando auxlada pelo algortmo de Profle que é estruturado de aordo om o as araterístas do publo alvo do projeto Além da possbldade das rp s nteragrem om outros algortmos de otmzação respetando-se a nterfae entre a rp e o algortmo de otmzação que será orentado pelos índes de referêna CN ω λ e I Também é possível afrmar que devdo ao fato de que a teora da ferramenta desenvolvda é: a analse do omportamento de um lente de um determnado tpo de servço de forma que esse omportamento seja retratado (ou smulado) transmtdo e onsoldado além de servr de referêna para um proesso de otmzação então toda a estrutura pode ser adaptada para outras stuações de prestação de servços que não seja a de um ISP Agradementos Agradeemos ao CNPq pelo apoo à pesqusa Referênas Bblográfas CASSANDRAS CG Lafortune S Introduton to Dsrete Event Systems 2 ed Edtora Sprnger 2008 HAYAJNEH M; ALI NA; HASSANEIN H Adaptve Bandwdth Provsonng n IEEE Broadband Wreless Networs Global Teleommunatons Conferene 2008 IEEE GLOBECOM 2008 New Orleans LO2008 HUANG Zhonghua; WU Zhmng Deadlo-Free Shedulng Method for Automated Manufaturng Systems Usng Genet Algorthm and Petr Nets Proeedngs of the 2004 IEEE Internatonal Conferene on Robots & Automaton New Orleans LA Abrl 2004 LIN Tng-Yu; HSIEH Ka-Chuan; HUANG Hsn- Chun Applyng Genet Algorthms for Multrado Wreless Mesh Networ Plannng IEEE TRANSACTIONS ON VEHICULAR TECH- NOLOGY VOL 61 NO 5 p Junho 2012 PENCHEVATana; ATANASSOV K SHANNON A Modellng of a Roulette Wheel Seleton Operator n Genet Algorthms Usng Generalzed Nets Internatonal Journal Boautomaton Vol 13 (4) pp POUR Touraj Mohammad; YADOLLAHI Mehd; HAGHIGHAT Abolfazl Torogh HGA-PN: a new algorthm for shedulng FMS usng ombnatonal genet algorthm and Tmed Petr Net Seond Internatonal Conferene on Computer Modelng and ulaton2010 SOUZA Flávo Henrque Batsta de Otmzação de Provsonamento de Banda para Internet utlzando redes de Petr na modelagem de omportamento de lentes e Provedores Unversdade Federal de Mnas Geras Programa de Pós- Graduação em Engenhara Elétra Belo Horzonte 2012Dsponível em: WU J; Yue W; Wang S Optmal Capaty Provsonng n Communaton Networs wth Random Demand In: Worshop on HPSR - HIGH Performane Swthng and Routng 2005 Kobe p Anas Eletrônos Kobe Mao2005

Capítulo 3-1. A 2ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 3-1. A 2ª Lei da Termodinâmica Capítulo 3-1. A 2ª Le da ermodnâma Baseado no lvro: Atkns Pysal Cemstry Egt Edton Peter Atkns Julo de Paula 29-04-2007 Mara da Coneção Pava 1 A segunda le da termodnâma é baseada na experêna umana. odos

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E DESIGUALDADE ESPACIAIS DO CONSUMO RESIDENCIAL DE ELETRICIDADE: UMA ANÁLISE DO PERÍODO 1989-2005 COM MEDIDAS DE INFORMAÇÃO

DISTRIBUIÇÃO E DESIGUALDADE ESPACIAIS DO CONSUMO RESIDENCIAL DE ELETRICIDADE: UMA ANÁLISE DO PERÍODO 1989-2005 COM MEDIDAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA APLICADA DISTRIBUIÇÃO E DESIGUALDADE ESPACIAIS DO CONSUMO RESIDENCIAL DE ELETRICIDADE: UMA ANÁLISE DO PERÍODO 1989-2005 COM MEDIDAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

UM SISTEMA INTELIGENTE USANDO REDES NEURAIS ARTMAP-FUZZY PARA PREDIÇÃO DO GRUPO DE RISCO DE EVASÃO DISCENTE EM CURSOS SUPERIORES PRESENCIAIS

UM SISTEMA INTELIGENTE USANDO REDES NEURAIS ARTMAP-FUZZY PARA PREDIÇÃO DO GRUPO DE RISCO DE EVASÃO DISCENTE EM CURSOS SUPERIORES PRESENCIAIS UM SISTEMA INTELIGENTE USANDO REDES NEURAIS ARTMAP-FUZZY PARA PREDIÇÃO DO GRUPO DE RISCO DE EVASÃO DISCENTE EM CURSOS SUPERIORES PRESENCIAIS VALQUÍRIA R. DE C. MARTINHO 1, CLODOALDO NUNES 2, CARLOS R.

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE RESUMO Felppe Perera da Costa, PPGEM/UFOP, Mestrando. felppe@mneral.em.ufop.br Marcone Jamlson Fretas

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.01 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO -V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Projeto Multicritério de Sistemas de Distribuição de Energia Elétrica sob Contextos Incertos Utilizando Algoritmos de Busca Local

Projeto Multicritério de Sistemas de Distribuição de Energia Elétrica sob Contextos Incertos Utilizando Algoritmos de Busca Local 1 Unversdade Federal de Mnas Geras Programa de Pós-Graduação em Engenhara Elétrca Centro de Pesqusa e Desenvolvmento em Engenhara Elétrca Projeto Multcrtéro de Sstemas de Dstrbução de Energa Elétrca sob

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL.

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. Leonardo Slva de Souza (1) Mestrando em Engenhara Químca(UFBA). Pesqusador da Rede Teclm. Bárbara Vrgína Damasceno Braga (1)

Leia mais

SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO

SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2 LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE Rcardo Slva Tavares 1 ; Roberto Scalco 1 Aluno de Incação Centífca da Escola de Engenhara Mauá (EEM/CEUN-IMT); Professor da Escola de Engenhara

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

Um classificador baseado na Discriminação Logística: vantagens e desvantagens

Um classificador baseado na Discriminação Logística: vantagens e desvantagens Um lassfador baseado na Dsrmnação Loísta: vantaens e desvantaens HÉLIO RADKE BITTENCOURT ROBIN THOMAS CLARKE 2 Centro Estadual de esqusas em Sensoramento Remoto e Meteoroloa CESRM UFRGS Caa ostal 5044

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

PARALLEL ITERATED LOCAL SEARCH APLICADO AO PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA

PARALLEL ITERATED LOCAL SEARCH APLICADO AO PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA PARALLEL ITERATED LOCAL SEARCH APLICADO AO PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA Sabr Rbas, Igor Machado Coelho Marcone Jamlson Fretas Souza, Davd Menott Unversdade Federal de Ouro Preto Departamento de Cênca

Leia mais

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro.

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. Estmatva dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. O. L. L. Moraes 1, H. R. da Rocha 2, M. A. Faus da Slva Das 2, O Cabral 3 1 Departamento

Leia mais

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS PREVISÃO DE PRTIDS DE FUTEBOL USNDO MODELOS DINÂMICOS Oswaldo Gomes de Souza Junor Insttuto de Matemátca Unversdade Federal do Ro de Janero junor@dme.ufrj.br Dan Gamerman Insttuto de Matemátca Unversdade

Leia mais

O setor de telecomunicações está em constante desenvolvimento, permitindo que novas tecnologias possam surgir no mercado, proporcionando assim, uma

O setor de telecomunicações está em constante desenvolvimento, permitindo que novas tecnologias possam surgir no mercado, proporcionando assim, uma Contratação de Servços de Telecomuncações: Competção entre Provedores, Confgurações de Rede e Custos Modelagem com Dados Imprecsos de Demanda e Tarfa Bruno Qurno De Olvera Departamento de Engenhara ENG,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

Otimização da localização das bases de ambulâncias e do dimensionamento das suas regiões de cobertura em rodovias.

Otimização da localização das bases de ambulâncias e do dimensionamento das suas regiões de cobertura em rodovias. Otmzação da localzação das bases de ambulâncas e do dmensonamento das suas regões de cobertura em rodovas. Ana Paula Iannon Renaldo Morabto Departamento de Engenhara de Produção Unversdade Federal de São

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Um protótipo de mercado de ações usando Algoritmos Genéticos

Um protótipo de mercado de ações usando Algoritmos Genéticos > REVISA DE INELIGÊNCIA COMPUACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Um protótpo de mercado de ações usando Algortmos Genétcos W. Fretas Departamento de Físca, PUC-Ro Resumo O modelo

Leia mais

UMA ABORDAGEM IMUNOLÓGICA APLICADA AO PROBLEMA DE ALOCAÇÃO ÓTIMA DE BANCO DE CAPACITORES EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO RADIAL

UMA ABORDAGEM IMUNOLÓGICA APLICADA AO PROBLEMA DE ALOCAÇÃO ÓTIMA DE BANCO DE CAPACITORES EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO RADIAL UMA ABORDAGEM IMUNOLÓGICA APLICADA AO PROBLEMA DE ALOCAÇÃO ÓTIMA DE BANCO DE CAPACITORES EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO RADIAL Rosana Sate Taehara DEX/CEUL/UFMS Av. Ranulpho Marques Leal, 3484 CP 21 Três

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

OTIMIZAÇÃO EM ESTADO ESTACIONÁRIO DE UM PROCESSO NÃO-LINEAR: O CASO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO

OTIMIZAÇÃO EM ESTADO ESTACIONÁRIO DE UM PROCESSO NÃO-LINEAR: O CASO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO SBA: Controle & Automação, VoI. 2, N2 2, pp. 134-138, (TT) OTIMIZAÇÃO EM ESTADO ESTACIONÁRIO DE UM PROCESSO NÃO-LINEAR: O CASO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO Fr~nso osé Gomes Akebo Yamakam CETEC C.P. 2306

Leia mais

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS Smone P. Saramago e Valder Steffen Jr UFU, Unversdade Federal de Uberlânda, Curso de Engenhara Mecânca Av. João Naves de Ávla, 2160, Santa Mônca,

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO Felpe Mendonca Gurgel Bandera (UFERSA) felpembandera@hotmal.com Breno Barros Telles

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA OFERTAS EM LEILÕES DE ENERGIA ELÉTRICA DE LONGO-PRAZO ATRAVÉS DE ALGO- SERGIO A. TROVÃO 1, OSVALDO R. SAAVEDRA 1

ESTRATÉGIAS PARA OFERTAS EM LEILÕES DE ENERGIA ELÉTRICA DE LONGO-PRAZO ATRAVÉS DE ALGO- SERGIO A. TROVÃO 1, OSVALDO R. SAAVEDRA 1 ESTRATÉGIAS PARA OFERTAS EM LEILÕES DE ENERGIA ELÉTRICA DE LONGO-PRAZO ATRAVÉS DE ALGO- RITMOS GENÉTICOS SERGIO A. TROVÃO 1, OSVALDO R. SAAVEDRA 1 1. Laboratóro de Sstemas de Potênca, Depto Eng a. Elétrca,

Leia mais

UMA REVISÃO DE LITERATURA SOBRE PROBLEMAS DE REABASTECIMENTO DE VEÍCULOS TRANSPORTADORES DE CARGAS

UMA REVISÃO DE LITERATURA SOBRE PROBLEMAS DE REABASTECIMENTO DE VEÍCULOS TRANSPORTADORES DE CARGAS UMA REVISÃO DE LITERATURA SOBRE PROBLEMAS DE REABASTECIMENTO DE VEÍCULOS TRANSPORTADORES DE CARGAS Henrque Lugon Ferrera Slva Marta Montero da Costa Cruz UMA REVISÃO DE LITERATURA SOBRE PROBLEMAS DE REABASTECIMENTO

Leia mais

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA Estmatva da fração da vegetação a partr de dados AVHRR/NOAA Fabane Regna Cunha Dantas 1, Céla Campos Braga, Soetâna Santos de Olvera 1, Tacana Lma Araújo 1 1 Doutoranda em Meteorologa pela Unversdade Federal

Leia mais

Análise do sistema logístico de descarga de cana inteira e picada de uma usina de cana de açúcar

Análise do sistema logístico de descarga de cana inteira e picada de uma usina de cana de açúcar Análse do sstema logístco de descarga de cana ntera e pcada de uma usna de cana de açúcar Abstract Ana Paula Iannon Renaldo Morabto Neto Unversdade Federal de São Carlos e-mal: pap@rs.ufscar.br Logstcs

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA COLHEITA DE FRUTAS

ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA COLHEITA DE FRUTAS XLIII Congresso Braslero de Engenhara Agrícola - CONBEA 2014 Centro de Convenções Arquteto Rubens Gl de Camllo - Campo Grande -MS 27 a 31 de julho de 2014 ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 00-7438 / versão onlne ISSN 678-542 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO No mundo globalzado e etremamente compettvo em que as empresas dsputam espaço, clentes, reconhecmento e acma de tudo, condções de permanecer compettvas e lucratvas no mercado, é fundamental

Leia mais

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO J. W. B. Lopes 1 ; E. A. R. Pnhero 2 ; J. R. de Araújo Neto 3 ; J. C. N. dos Santos 4 RESUMO: Esse estudo fo conduzdo

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Problemas Associados a Cones de Segunda Ordem

Problemas Associados a Cones de Segunda Ordem Problemas Assocados a Cones de Segunda Ordem Dense S. Trevsol, Mara A. D. Ehrhardt, Insttuto de Matemátca, Estatístca e Computação Centífca, IMECC, UNICAMP, 1383-859, Campnas, SP E-mal: ra8477@me.uncamp.br,

Leia mais

TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO

TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO Janaína Poffo Possama janapoffo@gmal.com Unversdade Regonal de Blumenau Rua Antôno da Vega, 0 8902-900 - Blumenau

Leia mais

UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE

UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE Unversdade Estadual de Campnas Insttuto de Matemátca, Estatístca e Computação Centífca Departamento de Matemátca Aplcada DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS

Leia mais

Filtro de Conteúdo para Sistemas SMS Baseado em Classificador Bayesiano e Agrupamento por Palavras

Filtro de Conteúdo para Sistemas SMS Baseado em Classificador Bayesiano e Agrupamento por Palavras XV Workshop de Gerênca e Operação de Redes e Servços 131 Fltro de Conteúdo para Sstemas SMS Baseado em Classfcador Bayesano e Agrupamento por Drceu Belém 1, Fátma Duarte-Fgueredo 1 1 Pontfíca Unversdade

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol Modelos estatístcos para prevsão de partdas de futebol Dan Gamerman Insttuto de Matemátca, UFRJ dan@m.ufrj.br X Semana da Matemátca e II Semana da Estatístca da UFOP Ouro Preto, MG 03/11/2010 Algumas perguntas

Leia mais

UMA REDE NEURAL ARTIFICIAL HÍBRIDA: MULTI-LAYER PERCEPTRON (MLP) E INTERAC- TIVE ACTIVATION AND COMPETITION (IAC)

UMA REDE NEURAL ARTIFICIAL HÍBRIDA: MULTI-LAYER PERCEPTRON (MLP) E INTERAC- TIVE ACTIVATION AND COMPETITION (IAC) UMA REDE NEURAL ARTIFICIAL HÍBRIDA: MULTI-LAYER PERCEPTRON (MLP) E INTERAC- TIVE ACTIVATION AND COMPETITION (IAC) ANDRÉA T. R. BARBOSA, GLORIA M. CURILEM SALDÍAS, FERNANDO M. DE AZEVEDO Hosptal São Vcente

Leia mais

Palavras-chave: Corte de cana-de-açúcar; pesquisa operacional; rendimento econômico.

Palavras-chave: Corte de cana-de-açúcar; pesquisa operacional; rendimento econômico. Uso de algortmos genétcos como ferramenta auxlar no processo decsóro em atvdades de gestão agrondustral 1 Use of genetc algorthms as auxlary tool for operatonal and economc decson makng process of agro-ndustry

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 03 DA UNICAMP-FASE. PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 37 A fgura abaxo exbe, em porcentagem, a prevsão da oferta de energa no Brasl em 030, segundo o Plano Naconal

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL Danlo Augusto Hereda VIEIRA 1 Celso Correa de SOUZA 2 José Francsco dos REIS NETO 3 Resumo. As

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

O Método de Redes Neurais com Função de Ativação de Base Radial para Classificação em Data Mining

O Método de Redes Neurais com Função de Ativação de Base Radial para Classificação em Data Mining O Método de Redes Neuras com Função de Atvação de Base Radal para Classfcação em Data Mnng Ana Paula Scott 1, Mersandra Côrtes de Matos 2, Prscyla Walesa T. A. Smões 2 1 Acadêmco do Curso de Cênca da Computação

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO ENZIMÁTICO ATRAVÉS DO MONITORAMENTO DE PARÂMETROS CINÉTICOS

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO ENZIMÁTICO ATRAVÉS DO MONITORAMENTO DE PARÂMETROS CINÉTICOS OTIMIZAÇÃO DE PROCEO ENZIMÁTICO ATRAVÉ DO MONITORAMENTO DE PARÂMETRO CINÉTICO Fabana Jung Noel Mestre em Engenhara, ULBRA, R; Pesqusadora do Pólo de Inovação Tecnológca do Paranhana FACCAT/CT, R Márco

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK Welsson de Araújo SILVA PRODERNA/ITEC/UFPA waslva89@hotmal.com Fernando

Leia mais

ESTUDO DOS PARÂMETROS DO MODELO DE VAZAMENTOS DE UM SETOR DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE PIRACICABA-SP

ESTUDO DOS PARÂMETROS DO MODELO DE VAZAMENTOS DE UM SETOR DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE PIRACICABA-SP João Pessoa (Brasl), 8 a de novembro de 4 ESTUDO DOS PARÂMETROS DO MODELO DE VAZAMENTOS DE UM SETOR DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE PIRACICABA-SP Alexandre Kepler Soares 1 ; Lusa Fernanda Rbero Res

Leia mais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais Estudo para Implementação de um Sstema de Roterzação e um Novo Centro de Dstrbução para uma Empresa de Água Mneral do Sul de Mnas Geras Ilton Curty Leal Junor ltoncurty@gmal.com UFF Dego de Olvera Pexoto

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA FROTA DE CAMINHÕES PARA TRANSPORTE DE CARVÃO VEGETAL POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR

DIMENSIONAMENTO DE UMA FROTA DE CAMINHÕES PARA TRANSPORTE DE CARVÃO VEGETAL POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR IPEF n.21, p.85-95, dez.1980 DIMENSIONAMENTO DE UMA FROTA DE CAMINHÕES PARA TRANSPORTE DE CARVÃO VEGETAL POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR O.D.C.377.45:867.5 SUMMARY Geraldo Galdno de Paula Junor * Aloíso

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima SNPEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E RANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉRICA GGH - 33 6 a 2 Outubro de 2005 Curtba - Paraná GRUPO I GRUPO DE ESUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH OIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANE

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica Mestrado em Engenharia Elétrica. Flávia Rodrigues do Nascimento

Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica Mestrado em Engenharia Elétrica. Flávia Rodrigues do Nascimento Unversdade Federal de Juz de Fora Programa de Pós Graduação em Engenhara Elétrca Mestrado em Engenhara Elétrca Fláva Rodrgues do Nascmento PROGRAMAÇÃO DIÁRIA DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS TERMOELÉTRICOS DE GERAÇÃO

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 0101-7438 / versão onlne ISSN 1678-5142 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

Algoritmo de Otimização para o Problema de Roteamento de Veículos no Transporte Conjunto de Cargas e de Passageiros

Algoritmo de Otimização para o Problema de Roteamento de Veículos no Transporte Conjunto de Cargas e de Passageiros Programa de Pós-Graduação em Engenhara Elétrca Centro de Pesqusa e Desenolmento em Engenhara Elétrca Escola de Engenhara da Unersdade Federal de Mnas Geras Algortmo de Otmzação para o Problema de Roteamento

Leia mais

Teoria dos Números e suas aplicações

Teoria dos Números e suas aplicações Teora dos Números e suas aplações Lus Armando dos Santos Júnor e Antôno arlos Noguera Unversdade Federal de Uberlânda Abrl- 009 :Orentando Programa de Eduação tutoral do urso de Matemáta. E-mal: anarexmg@ahoo.om.br

Leia mais

Sistema de Gestão em Tempo Real para Avaliação da Performance e Otimização da Produção de Energia na Usina Hidrelétrica de Itá

Sistema de Gestão em Tempo Real para Avaliação da Performance e Otimização da Produção de Energia na Usina Hidrelétrica de Itá Sstema de Gestão em Tempo Real para Avalação da Performance e Otmzação da Produção de Energa na Usna Hdrelétrca de Itá Marcelo M. Cordova Erlon C. Fnard Fernando A. C. Rbas Chrstano D. Pase Vtor L. Matos

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos 8 Indcadores de desempenho na cadea de suprmentos 8.1 O desafo da mensuração O estabelecmento de ndcadores de desempenho do supply chan management está sueto à estrutura da cadea, seus elos e partcpantes

Leia mais

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro *

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro * Stuação Ocupaconal dos Jovens das Comundades de Baxa Renda da Cdade do Ro de Janero * Alessandra da Rocha Santos Cínta C. M. Damasceno Dense Brtz do Nascmento Slva ' Mara Beatrz A. M. da Cunha Palavras-chave:

Leia mais

ALGORITMOS HÍBRIDOS DE ESCALONAMENTO TRABALHO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE TEMPO REAL

ALGORITMOS HÍBRIDOS DE ESCALONAMENTO TRABALHO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE TEMPO REAL Unversdade Federal de Pernambuco Centro de Informátca ALGORITMOS HÍBRIDOS DE ESCALONAMENTO TRABALHO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE TEMPO REAL Curso de Engenhara da Computação Aluno: Gustavo André Fernandes

Leia mais

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção O Uso do Software Matlab Aplcado à Prevsão de Índces da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenhara de Produção VICENTE, S. A. S. Unversdade Presbterana Mackenze Rua da Consolação, 930 prédo

Leia mais

GENETIC FUZZY SISTEM PARA SELEÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO PARA FRATURAMENTO HIDRÁULICO

GENETIC FUZZY SISTEM PARA SELEÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO PARA FRATURAMENTO HIDRÁULICO A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN GENETIC FUZZY SISTEM PARA SELEÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO PARA FRATURAMENTO HIDRÁULICO Antôno Orestes de Salvo Castro Petrobras

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SISTEMA

Leia mais