ALGORÍTMO FLEXÍVEL PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE CONVECÇÃO TÉRMICA VIA TRANSFORMAÇÃO INTEGRAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALGORÍTMO FLEXÍVEL PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE CONVECÇÃO TÉRMICA VIA TRANSFORMAÇÃO INTEGRAL"

Transcrição

1 ALGORÍMO FLEXÍVEL PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE CONVECÇÃO ÉRMICA VIA RANSFORMAÇÃO INEGRAL Humberto Araujo Machado Unversdade Federal de Uberlânda, Departamento de Engenhara Mecânca Av. João Naves de Ávla, 6, Campus Santa Mônca, bloco M Uberlânda, MG, Brasl Resumo. Neste trabalho, o Método de ransformação Integral Generalzada (GI) é empregado na solução de problemas de convecção térmca com varação das propredades termofíscas do fludo. Isso mplca no aparecmento de dversos termos não-lneares cuja transformação analítca não é obtenível. É apresentado um algorítmo smples que permte obter esses coefcentes numercamente, e que possblta anda uma grande flexbldade na alteração das condções de contorno ou nos termos fonte das equações orgnas. São mostrados resultados para as equações de camada lmte em escoamento compressível num canal de placas planas paralelas e para o clássco problema da cavdade quadrada, consderando todas a propredades termofíscas como funções da temperatura, exceto a densdade. Palavras-chave: ransformação ntegral, Métodos híbrdos, Convecção não-boussnesq, Escoamento compressível, Propredades varáves. INRODUÇÃO A écnca de ransformação Integral Generalzada é um método de solução de equações dferencas parcas de evolução relatvamente recente (Cotta, 99), e tem se mostrado uma alternatva aos métodos puramente dscretos. Seu caráter híbrdo numérco-analítco permte o controle automátco de erro durante a solução das equações, o que evta a necessdade de dversas execuções do códgo computaconal para avalação da convergênca, dspensa a geração de malha e possblta uma fácl extensão à um maor número de dmensões envolvdas no problema. Na GI se alva a necessdade de se encontrar uma transformação ntegral exata do problema. Para sso, escolhe-se um problema de autovalor auxlar o mas representatvo possível do problema orgnal. Os potencas orgnas são representados por um somatóro nfnto de produtos entre as autofunções obtdas a partr do problema auxlar e os potencas transformados. Ao aplcar-se a transformação, obtém-se um sstema dferencal ordnáro acoplado nfnto, que é truncado até uma ordem sufcente para a obtenção da solução dentro da precsão desejada. A solução do sstema é feta através de algorítmos bem estabelecdos,

2 com controle automátco de erro, dsponíves em bblotecas de rotnas centífcas, tas como a DIVPAG (IMSL, 989). A aplcação tradconal do método mplca em um certo esforço analítco, para se obter os coefcentes transformados relatvos aos termos-fonte não lneares. Em geral, nos problemas envolvdos na geração de Benchmars (Cotta,998) esses termos são totalmente transformáves, e sua representação é feta na forma matrcal, envolvendo tantas dmensões quantas vezes aparecerem os potencas orgnas à serem transformados e suas dervadas. Recentemente o método tem sdo empregado com mas freqüênca em problemas relaconados a stuações de engenhara, onde a modelagem envolve o aparecmento de termos complexos que não são transformáves analtcamente. Dessa forma, a transformação ntegral deve ser feta numercamente, a cada passo da solução. O número de coefcentes está dretamente relaconado ao número de autovalores usados para representar o potencal orgnal, sendo que cada coefcente mplca numa ntegração numérca, o que acarreta um custo computaconal probtvo, ndependente do método de ntegração empregado. Além dsso, qualquer mudança nas condções de contorno ou a nclusão de outros termos-fonte nas equações do problema mplca na repetção de todo o esforço analítco despenddo na solução anteror, assm como severas modfcações na arqutetura do programa. Neste trabalho, é apresentado um algorítmo smples de ntegração numérca que contorna esta dfculdade, possbltando modfcar rapdamente as condções de contorno, termos-fonte e outras característcas da formulação do problema e permtndo estender a aplcação da GI a dos problemas não lneares com termos-fonte não transformáves analtcamente. Incalmente, são resolvdas as equações de camada lmte e energa, num escoamento compressível permanente entre duas placas planas vertcas aquecdas. O códgo é valdado comparando-se os resultados àqueles obtdos va GI por Fguera da Slva et al (998), para escoamento ncompressível e para dversas faxas de temperatura. A segur, são resolvdas as equações de Naver-Stoes e energa b-dmensonas em regme transente aplcadas ao clássco problema da cavdade quadrada consderando todas as propredades do fludo como funções da temperatura, exceto a densdade. O códgo é valdado comparando-se os resultados àqueles obtdos por Leal et al (996) va GI, consderando propredades do fludo constantes, para pequenas dferenças de temperatura, e a segur estendendo-se a solução à maores dferenças de temperatura e comparando-se os resultados àqueles obtdos para propredades constantes.. MÉODO DE SOLUÇÃO - ALGORÍMO DE INEGRAÇÃO NUMÉRICA Seja um problema genérco de convecção-dfusão de caráter parabólco: F r F u r = D. F S( x,t r ) t () Para smplfcar, consdere-se o vetor posção uma coordenada espacal undmensonal y cujo domíno seja defndo de a, em que o problema apresente caráter elíptco. Incalmente assoca-se um problema auxlar que reproduza as condções de contorno na dreção y. A solução do problema auxlar fornece as autofunções normalzadas Y (y) analtcamente, o que permte defnr o par transformada-nversa: F ( t ) = Y y )F( t, y )dy ; F ( t, y ) = Y ( y )F t ) (.a-b) =

3 Aplcando-se o operador ntegral Y ( y ) _ dy na equação, e levando em conta a propredade de ortogonaldade das autofunções (Mhalov et al, 984), resulta em um sstema de equações dferencas de ª ordem: t ) = t F F Y y ) u D. F S( x,t ) dy () A ntegração dos termos convectvo e dfusvo (respectvamente o º e º dentro dos colchetes) rá resultar em coefcentes analítcos (desde que o perfl de velocdades seja ntegrável), obtdos a partr da substtução da Eq. (.b) em (). No caso do termo fonte S, se a ntegração analítca não for possível, será necessáro ntegrar numercamente N coefcentes a cada passo da solução (onde N é a ordem de truncamento do sstema). Em cada coefcente, será necessáro avalar a função F e suas dervadas, realzando o somatóro de N termos a cada avalação, acarretando um custo computaconal probtvo. O custo computaconal pode ser grandemente reduzdo através da aplcação do sstema de ntegração aproprado. Consdere-se a função: F = x ) Y y )F( t, y ) dy (4) Segundo a regra da quadratura de Gauss, temos, para uma função genérca: f ( x ) = NF = ( x ) f ( x ) (5) onde é a função peso seleconada, NF é o número de pontos de ntegração e x os pontos de Gauss correspondentes ao NF. Quando aplcados na Eq. (4), temos: Y (6) NF ( y )F( t, y )dy = ( y )Y y )F( t, y ) = onde y = (y )/, dy = dy/ transforma o domíno de (-,) para (,). Através desse procedmento, a função F é avalada nos mesmos pontos de Gauss somente uma vez, ao passo que as autofunções são conhecdas analtcamente. Isso mplca numa redução de custo computaconal de N para N avalações de F, vablzando a solução do problema.. CASO : SOLUÇÃO DAS EQUAÇÕES DE CAMADA LIMIE EM ESCOAMENO COMPRESSÍVEL Seja o escoamento lamnar bdmensonal em regme permanente de um gás perfeto ao longo de um canal de placas planas paralelas vertcas aquecdas à temperatura constante, com perfs de velocdade e temperatura unformes na entrada do canal, à um baxo número de Mach. Consderando a pressão constante ao longo da coordenada y (normal às paredes), a equação dos gases perfetos (na forma admensonal) é empregada para expressar a densdade em termos da densdade na parede e da temperatura (onde é a temperatura admensonal): ρ r ( x ) R R ρ ( x, y ) = ; r = ; = - o ; r = r ( x, y ) u u o o ; r = (7.a-e) r

4 As equações admensonas em formulação de função corrente são: ψ ψ ψ ψ dρ ρ Gr r ρ Re r ρ dρ ψ ψ ψ ψ ψ ψ ψ = 4 ψ ψ ψ ψ 4 Re (8) ψ ψ = (9) Pe y= : ψ = ; ψ = ; yy y = y= : ψ = ; ψ y = ; = r / r x= : ψ = y ; = r / r (.a,f) onde a função corrente é defnda em termos dos componentes da velocdade e do volume específco V como v = V ψ / e u = V ψ /. As admensonalzações usadas são baseadas nas grandezas avaladas na seção de entrada do canal e no meo espaço entre as placas, y. Gr = gy /ν é o número de Grashoff modfcado para escoamento compressível. O sstema é completado obtendo-se uma equação para ρ, aplcando-se a Eq. (8) em y = : dρ Gr = Re ρ r r ψ ψ Re r ρ r y= () Para a seleção do problema auxlar aproprado, é empregado um fltro para homogenezar as condções de contorno da função corrente, ψ ( x, y ) = ψ F ( y ) ψ ( x, y ), que corresponde ao perfl de velocdade do escoamento totalmente desenvolvdo. Os problemas auxlares seleconados para a função corrente e temperatura são o problema b-harmônco de 4ª ordem e o problema de Sturm-Louvlle de ª ordem respectvamente, com as condções de contorno apropradas. Uma vez obtdos os autovalores e autofunções, os potencas orgnas são expressos em termos dos potencas transformados: Ψ x ) = Y y ) ψ ( x, y )dy ; ψ ( x, y ) = Y y ) Ψ x ) (.a,b) = x ) = Γ y ) ( x, y )dy ; ( x, y ) = = Γ ( y ) ( x ) (.a,b) O sstema de equações dferencas parcas defndo pelas Eqs. (8,9,) é transformado pela aplcação dos operadores ntegras Y ( y) _ dy na Eq. (8) e y )_ dy Γ ( na Eq. (9), resultando no segunte sstema de equações dferencas ordnáras:

5 NC = dψ A ( x ) N = B d ( x ) = D ( x ) =,,.NC (4.a) NC = dψ A ( x ) N = B d ( x ) = D ( x ) =,,.N (4.b) ψ " ψ ψ ψ A ( x ) Y Y Y Y Y dy y y y y y y = B ψ ψ ψ ( x ) = Y Γ Γ dy y y (4.c) (4.d) D ( x ) = Y ρ Re ψ ψ ψ dρ Y dy y ψ Gr r Y ρ Re r 4 ψ ψ ψ dy 4 Re dy (4.e) Os coefcentes A ( x ), B ( x ) e D ( x ) podem ser obtdos analtcamente a partr das Eqs. (,). As condções ncas são obtdas aplcando-se os operadores ntegras nas respectvas varáves. Os somatóros são truncados num sstema matrcal representado como A ( Y ).dy / = D( Y,x ), onde o vetor Y tem as prmeras NC posções ocupadas por Ψ (=,,..,NC), e as seguntes N posções por (=,,...,N), e a últma por ρ. Asolução é otmzada empregando-se o procedmento adaptatvo para a redução gradatva da ordem de truncamento (Cotta, 99,998). O códgo é valdado comparando-se os resultados obtdos por Fguera da Slva et al (998) para o caso ncompressível com aqueles obtdos para =,5 K para o ar, que segundo Gray e Gorgn (976) encontram-se anda dentro do lmte de valdade da hpótese de Boussnesq. A abela mostra a convergênca dos resultados para o fluxo mássco no centro do canal e temperatura méda da mstura em função das ordens de truncamento das expansões em comparação com os resultados Benchmar obtdos va hpótese de Boussnesq, para Ra = 5, Gr = 76 e Re=86,4, os quas apresentam boa concordânca. abela. emperatura méda da mstura e ψ y em y = ao longo do canal para =,5 K; Comparação entre modelos compressível e hpótese de Boussnesq x \ NC/N 5/5 / 5/5 / Boussnesq emperatura méda da mstura,8,955,9564,956,9566,957,6,864,865,864,864,8648,6,664,666,66,66,664,,697,69,6,64,65,4,5574,5585,5588,559,559,4,564,574,577,579,578,7,48,44,44,44,48,,54,55,55,54,5,6,5,5,5,5,5,,,,,,

6 X \ NC/N 5/5 / 5/5 / Boussnesq ψ y em y=,8 9,945,4,5,5,64,6,8,4,4,44,5,6,5994,647,655,66,686,,56,57,576,58,596,4,965,988,988,989,984,4,767,785,784,785,77,7,86,859,855,858,88,,56,56,55,56,54,6,486,486,486,486,486,,499,499,499,499,499 A Fg. mostra os resultados para dversas dferenças de temperaturas mpostas entre o fludo na entrada do canal e as paredes, onde = K é consderado o lmte teórco prevsto da aproxmação de Boussnesq (Gray et al,976). É possível notar que as quantdades relaconadas ao escoamento mostram uma dscrepânca maor do que os perfs de temperatura. x =. x =. x =.7 x =.7 x =.7 Fluxo mássco x =.4 x =.6 Componente longtudnal da velocdade - u x =.4 x =.6 emperatura x =.4 x =.6. x =.8. x =.8. x = y..5. y..5. y Boussnesq - o =,5 K - o = K - o = K Fgura. Dstrbução dos perfs de fluxo mássco (ψ y ), velocdade e temperatura ao longo do canal para dversas dferenças de temperatura em comparação com a hpótese de Boussnesq 4. CASO : SOLUÇÃO DAS EQUAÇÕES DE NAVIER-SOKES E ENERGIA EM UM FLUIDO COM PROPRIEDADES VARIÁVEIS A segur está representada a forma b-dmensonal transente das equações de Naver- Stoes e energa em formulação de função corrente aplcada ao problema da cavdade

7 quadrada com as paredes horzontas soladas, as lateras sob uma dferença de temperatura constante e propredades do fludo varáves, exceto a densdade no termo da força de corpo: ψ ( ψ ) ψ ( ψ ) ( ψ ) = Pr t µ ψ µ ψ µ µ ψ ψ 4 Ra [ 4 µ ψ µ ψ Pr (5) t Cp ψ ψ = ρ (6) x = : = ; ψ = ψ = y, x = : = ; ψ = ψ = y y = : = ; ψ = ψ, y = : = ; ψ = ψ (7.a-h) y y = y y = A função corrente é defnda por v = -ψ x e u = ψ y eas condções ncas são (x,y,) = e ψ (x,y,) =. As admensonalzações empregadas foram baseadas em grandezas estmadas à temperatura ncal e na dmensão da cavdade. As condções de contorno da temperatura são homogenezadas através do fltro (x,y,t) = (x,y,t) F (x), onde F (x) = x. Os problemas auxlares seleconados são dêntcos aos aplcados às equações de camada lmte, adaptados às novas condções de contorno e aplcados às dreções x e y, que resultam nos pares transformada-nversa: Ψ = ( t ) Y ( y ) X x ) ψ( x, y,t ) dy ; l l ψ ( x,y,t ) = Y ( y ) X x ) Ψ l l l= = pr( t ) = Γr( y ) φp( x ) ( x,y,t ) dy ; ( x,y,t ) = r( y ) φ p( x ) pr r= p= Γ ( t ) (8) Uma vez aplcados os operadores ntegras, obtém-se o sstema dferencal transformado: (t ) j= m= E jlm dψ jm dt ( t ) = F ( t ) l d pr( t ) ; = G pr( t ) dt (9.a,b) ( ) ( ) X ~ x )Y ~ ψ ψ ψ ψ 4 µ ψ F ( t ) = ( y ) Pr µ ψ l l (9.c) µ ψ µ ψ µ µ ψ ψ 4 Ra Pr dy G pr ( t ) = ~ ~ ψ φ p( x ) r( y ) ψ ρ Cp dy (9.d) onde o coefcente E jlm é obtdo analtcamente. O problema bdmensonal é otmzado através do procedmento adaptatvo assocado à redução de índces e seleção de autovalores utlzada por Leal et al (999).

8 As propredades como funções da temperatura foram as sugerdas por Zhong et al (985): 7,5 µ ( ) = 4,58x /,4 ; ( ) Cp( ) = 9898,4,6,5x,5 =,648x / 45,4 x ( / ) ; (.a-c) O algorítmo de ntegração fo testado comparando-se os resultados com aqueles obtdos através da rotna DWODQ (IMSL, 989), também baseada na Quadratura de Gauss, que permte o controle automátco de erro. O caso teste fo Ra = 4, com << (dentro do lmte de Boussnesq). O sstema fo resolvdo para baxa precsão ( - na DIVPAG e -4 na DWODQ), com termos em cada expansão para t =,. A abela mostra os resultados em função do número de pontos de Gauss usados no algorítmo flexível. Fo observada uma redução no tempo de CPU da ordem de vezes. abela Convergênca das expansões em função do número de pontos de Gauss usados, para Ra = 4, erro relatvo de -, t=,, NV=N=. x y NF=5 NF= NF=5 NF= NF=5 NF= DWODQ Função corrente,, -,9544 -,8 -,6 -,69 -,69 -,69 -,69,,5 -,9 -,96 -,968 -,9675 -,9675 -,9675 -,9675,,9 -, ,4 -,58 -,56 -,56 -,56 -,56,5,,685 -,77 -,467 -,4684 -,4684 -,4684 -,4684,5,5,5 -,854 -,768 -, , , ,76885,5,9,955 -,94 -,568 -,574 -,574 -,574 -,574,9,,44 -,7 -,79 -,87 -,87 -,87 -,87,9,5, ,5889 -,57 -,594 -,599 -,599 -,599,9,9,594 -,74 -,59 -,6 -,6 -,6 -,6 emperatura,,,66,46,48,48,48,48,48,,5,8556,4769,4767,4766,4766,4766,4766,,9,865,56,597,596,596,596,596,5, -,4,864,76,68,68,68,68,5,5,555,4,7,7,7,7,7,5,9,84,56 -,8 -,7 -,7 -,7 -,7,9,,9 -,9,8,9,9,9,9,9,5,9 -,57 -,6 -,8 -,8 -,8 -,8,9,9,47 -,8,4,,,, CPU (s) 46,79 49,7 68,6 48,7 77, 75,7 9778, O lmte de aplcabldade da aproxmação de Boussnesq, sugerdo pelo mesmo autor é dado por =,44 Ra,4, onde = ( h c )/ c. O fludo usado fo ar, com Pr =,7, e três números de Raylegh foram testados: Ra =, 4 e 5. Os valores de usados para cada Ra são,7,,88,,4 (respectvamente), que correspondem aos lmtes teórcos prevstos pela fórmula anteror,, (baxo )para todos os casos e,5 (Ra = e 4 ) e,8 (Ra = 4 ) nos casos fora do lmte teórco ctado. Os casos foram rodados para uma tolerânca de -4, termos em cada expansão e NF = 4. Na Fg. observam-se os resultados dos perfs de temperatura em y =,5 e Nu local na parede quente para cada Ra. Em =,, os resultados pratcamente correspondem àqueles predtos pela hpótese de Boussnesq, obtdos por Leal et al (999) va GI. À medda que aumenta, é observado um deslocamento nas curvas da temperatura. No caso do número de Nusselt, observa-se uma varação de maor ordem e uma mudança aprecável na forma dos perfs. odos os casos foram executados num computador PC Pentum 66 MHz, em lnguagem FORRAN.

9 t =. =. =.7 =.5 t =. Y =. =.7 =.5... t =.. t =. t =... t = x. (a) Nu hot..9.8 =. = t =. t =. t =..7 = Y t =. t =. t = =. =.88 = x..9 =..8 =.4.7 =.8 (b) Nu hot t =.5 t = Y.5.4. t =.. t =.5. t = x (c) t =. =. =.4 = Nu hot Fgura Comparação do perfl de temperatura em y =,5 e número de Nusselt local ao longo da parede quente da cavdade em dferentes tempos para propredades constantes e varáves. (a) Ra =, (b) Ra = 4 e (c) Ra = 5.

10 5. CONCLUSÃO Neste trabalho, fo proposto um algorítmo smples de ntegração numérca de coefcentes aplcado à GI, que permte a solução de problemas de convecção-dfusão em cuja formulação se encontram termos não transformáves analtcamente, assm como uma enorme flexbldade na alteração de parâmetros da formulação do problema. Foram testadas as soluções das equações de camada lmte no escoamento compressível a baxo número de Mach num canal vertcal com paredes aquecdas e do clássco problema da cavdade quadrada com uma dferença de temperaturas constante mposta entre as paredes vertcas, consderando todas as propredades do fludo varáves. Em ambos os casos, o programa fo valdado va comparação com resultados prevstos pela hpótese de Boussnesq em stuações menos crítcas. O algorítmo vablzou as soluções, e foram obtdos tempos de processamento até vezes menores, em comparação com o processo convenconal de aplcação da GI. REFERÊNCIAS Cotta, R. M., 99, Integral ransforms n Computatonal Heat and Flud Flo, CRC Press, Boca Raton, Florda. Cotta, R. M., 998, the Integral ransform method n thermal and Fluds Scence and Engneerng, Begell House, Ne Yor. Fguera da slva, E., Cotta, R. M., 998, Mxed Convecton Wthn Vertcal Parallel-Plates: - Hybrd Soluton by Integral ransforms, Numercal Heat ransfer, part B-Fundamentals, em mpressão. Gray, D. D., Gorgn, A., 976, he Valdty of he Boussnesq Approxmaton for Lquds and Gases, Int. J. Heat Mass ransfer, vol. 9, pp IMSL Lbrary, 989, MAH/LIB., Houston, exas. Leal, M. A., Pérez Guerrero, J. S. e Cotta, R. M., 999, Natural Convecton Insde o- Dmensonal Cavtes: - he Integral ransform Method, Comm. Num. Meth. Eng., vol. 5. Mhalov, M. D., Özs, M. N., 984, Unfed Analyss and Solutons of Heat and Mass Dffuson, Jhon Wley, Ne Yor. Zhong, Z. Y., Yang, K.. e Lloyd, J. R., 985, Varable Property Effects n Lmnar Natural convecton n a Square Enclosure, J. Heat ransfer, vol. 7, pp. -8. A FLEXIBLE ALGORIHM FOR HERMAL CONVECION PROBLEMS VIA INEGRAL RANSFORMS Abstract. he Generalzed Integral ransform echnque (GI) s employed to solve convecton-dffuson problems n fluds th varable physcal propertes. In ths case, some strong non-lnear terms are observed n the formulaton, here the analytcal transform s not possble. A smple algorthm s presented, hch allos to obtan the coeffcents numercally and permts a great flexblty n changng boundary condtons and source terms of the orgnal equatons. Results for the compressble boundary layer equatons n a parallel plate channel flo and for the classcal ld-drven flo n a square cavty th all the propertes as functons of the temperature (except the densty) are shon. Key-ords: Integral transforms, Hybrd methods, Non-Boussnesq convecton, Compressble flo, Varable propertes

ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS. Palavras-chave: Tensões térmicas, Propriedades variáveis, Condução de calor, GITT

ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS. Palavras-chave: Tensões térmicas, Propriedades variáveis, Condução de calor, GITT ANÁLISE DAS TENSÕES TÉRMICAS EM MATERIAIS CERÂMICOS Dnz, L.S. Santos, C.A.C. Lma, J.A. Unversdade Federal da Paraíba Laboratóro de Energa Solar LES/DTM/CT/UFPB 5859-9 - João Pessoa - PB, Brasl e-mal: cabral@les.ufpb.br

Leia mais

SOLUÇÃO APROXIMADA PARA A CONVECÇÃO FORÇADA TRANSIENTE COM DIFUSÃO AXIAL

SOLUÇÃO APROXIMADA PARA A CONVECÇÃO FORÇADA TRANSIENTE COM DIFUSÃO AXIAL SOLUÇÃO APROXIMADA PARA A CONVECÇÃO FORÇADA TRANSIENTE COM DIFUSÃO AXIAL Romberg R. Gondm Unversdade Federal da Paraíba, Campus I, Laboratóro de Energa Solar Cx. P. 55 5805-970 João Pessoa, PB, Brasl Fábo

Leia mais

SOLUÇÃO ANALÍTICA PARA O PROBLEMA DA CAVIDADE COM TAMPA DESLIZANTE PARA NÚMERO DE REYNOLDS TENDENDO A ZERO

SOLUÇÃO ANALÍTICA PARA O PROBLEMA DA CAVIDADE COM TAMPA DESLIZANTE PARA NÚMERO DE REYNOLDS TENDENDO A ZERO SOLUÇÃO ANALÍTICA PARA O PROBLEMA DA CAVIDADE COM TAMPA DESLIZANTE PARA NÚMERO DE REYNOLDS TENDENDO A ZERO Jesús S. Pérez Guerrero Comssão Naconal de Energa Nuclear - CNEN/COREJ Rua General Severano 9

Leia mais

SOLUÇÕES DA EQUAÇÃO DA CONDUÇÃO DO CALOR BIDIMENSIONAL COM CONDUTIVIDADE TÉRMICA DEPENDENTE DA TEMPERATURA E GERAÇÃO DE CALOR

SOLUÇÕES DA EQUAÇÃO DA CONDUÇÃO DO CALOR BIDIMENSIONAL COM CONDUTIVIDADE TÉRMICA DEPENDENTE DA TEMPERATURA E GERAÇÃO DE CALOR SOLUÇÕES DA EQUAÇÃO DA CONDUÇÃO DO CALOR BIDIMENSIONAL COM CONDUTIVIDADE TÉRMICA DEENDENTE DA TEMERATURA E GERAÇÃO DE CALOR E. T. CABRAL,. A. ONTES, H. K. MIYAGAWA, E. N. MACÊDO 3 e J. N. N. QUARESMA 3

Leia mais

Procedimento Recursivo do Método dos Elementos de Contorno Aplicado em Problemas de Poisson

Procedimento Recursivo do Método dos Elementos de Contorno Aplicado em Problemas de Poisson Trabalho apresentado no III CMAC - SE, Vtóra-ES, 015. Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Computatonal and Appled Mathematcs Procedmento Recursvo do Método dos Elementos de Contorno Aplcado em Problemas

Leia mais

PROBLEMAS DIFUSIVOS TRANSIENTES COM PROPRIEDADES TERMOFÍSICAS VARIÁVEIS EM CÉLULAS DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR RETANGULARES

PROBLEMAS DIFUSIVOS TRANSIENTES COM PROPRIEDADES TERMOFÍSICAS VARIÁVEIS EM CÉLULAS DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR RETANGULARES PROBLEMAS DIFUSIVOS TRANSIENTES COM PROPRIEDADES TERMOFÍSICAS VARIÁVEIS EM CÉLULAS DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR RETANGULARES MARCELO FERREIRA PELEGRINI 1, THIAGO ANTONINI ALVES RICARDO ALAN VERDÚ RAMOS 3, CASSIO

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

Paper CIT Introdução

Paper CIT Introdução Paper CIT-673 SOLUÇÃO DE ESCOAMETOS ICOMPRESSÍVEIS COM TRASFERÊCIA DE CALOR UTILIZADO O MÉTODO DOS VOLUMES FIITOS BASEADO EM ELEMETOS FIITOS COM MALHAS ÃO-ESTRUTURADAS André Luíz de Souza Araúo Unversdade

Leia mais

Avaliação de Propriedades Convectivas e Térmicas de Elemento Emissor de Infravermelho Usado em Alvo Aéreo

Avaliação de Propriedades Convectivas e Térmicas de Elemento Emissor de Infravermelho Usado em Alvo Aéreo Avalação de Propredades Convectvas e Térmcas de Elemento Emssor de Infravermelho Usado em Alvo Aéreo João Paulo Das *, Francsco Srcll ** e Francsco D. Rocamora Jr **. *Insttuto de Aeronáutca e Espaço (IAE),

Leia mais

R X. X(s) Y Y(s) Variáveis aleatórias discretas bidimensionais

R X. X(s) Y Y(s) Variáveis aleatórias discretas bidimensionais 30 Varáves aleatóras bdmensonas Sea ε uma experênca aleatóra e S um espaço amostral assocado a essa experênca. Seam X X(s) e Y Y(s) duas funções cada uma assocando um número real a cada resultado s S.

Leia mais

Leis de conservação em forma integral

Leis de conservação em forma integral Les de conservação em forma ntegral J. L. Balño Departamento de Engenhara Mecânca Escola Poltécnca - Unversdade de São Paulo Apostla de aula Rev. 10/08/2017 Les de conservação em forma ntegral 1 / 26 Sumáro

Leia mais

2 Incerteza de medição

2 Incerteza de medição 2 Incerteza de medção Toda medção envolve ensaos, ajustes, condconamentos e a observação de ndcações em um nstrumento. Este conhecmento é utlzado para obter o valor de uma grandeza (mensurando) a partr

Leia mais

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA II.1. HIPOTESES BASICAS A modelagem aqu empregada está baseado nas seguntes hpóteses smplfcadoras : - Regme permanente; - Ausênca de forças de campo; - Ausênca de trabalho

Leia mais

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV)

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV) Prncpo do Trabalho rtual (PT)..Contnuo com mcroestrutura Na teora que leva em consderação a mcroestrutura do materal, cada partícula anda é representada por um ponto P, conforme Fgura. Porém suas propredades

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

ANÁLISE TEÓRICA DA CONVECÇÃO FORÇADA LAMINAR TRANSIENTE EM DESENVOLVIMENTO SIMULTÂNEO EM DUTOS CIRCULARES

ANÁLISE TEÓRICA DA CONVECÇÃO FORÇADA LAMINAR TRANSIENTE EM DESENVOLVIMENTO SIMULTÂNEO EM DUTOS CIRCULARES AÁLSE TEÓCA DA COVECÇÃO FOÇADA LAMA TASETE EM DESEVOLVMETO SMULTÂEO EM DUTOS CCULAES Marnaldo J. Mederos Escola Técnca Federal de Sergpe -UED- Lagarto, SE, Brasl Carlos A. C. dos Santos Unversdade Federal

Leia mais

Análise de influência

Análise de influência Análse de nfluênca Dzemos que uma observação é nfluente caso ela altere, de forma substancal, alguma propredade do modelo ajustado (como as estmatvas dos parâmetros, seus erros padrões, valores ajustados...).

Leia mais

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 7. Teorema de Liouville Fluxo no Espaço de Fases Sistemas Caóticos Lagrangeano com Potencial Vetor

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 7. Teorema de Liouville Fluxo no Espaço de Fases Sistemas Caóticos Lagrangeano com Potencial Vetor 1 MECÂNICA CLÁSSICA AULA N o 7 Teorema de Louvlle Fluo no Espaço de Fases Sstemas Caótcos Lagrangeano com Potencal Vetor Voltando mas uma ve ao assunto das les admssíves na Físca, acrescentamos que, nos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA

DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA Pedro Luz Rocha Evandro Parente Junor pedroluzrr04@gmal.com evandroparentejr@gmal.com Laboratóro de Mecânca Computaconal e Vsualzação, Unversdade

Leia mais

ESCOAMENTO TRIFÁSICO NÃO-ISOTÉRMICO EM DUTO VERTICAL COM VAZAMENTO VIA CFX: ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE DA PAREDE DO DUTO

ESCOAMENTO TRIFÁSICO NÃO-ISOTÉRMICO EM DUTO VERTICAL COM VAZAMENTO VIA CFX: ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE DA PAREDE DO DUTO ESCOAMENTO TRIFÁSICO NÃO-ISOTÉRMICO EM DUTO VERTICAL COM VAZAMENTO VIA CFX: ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA RUGOSIDADE DA PAREDE DO DUTO W. R. G. SANTOS 1, H. G. ALVES 2, S. R. FARIAS NETO 3 e A. G. B. LIMA 4

Leia mais

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas 3.6. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais

Análise Dinâmica de uma Viga de Euler-Bernoulli Submetida a Impacto no Centro após Queda Livre Através do Método de Diferenças Finitas

Análise Dinâmica de uma Viga de Euler-Bernoulli Submetida a Impacto no Centro após Queda Livre Através do Método de Diferenças Finitas Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Appled and Computatonal Mathematcs, Vol. 4, N., 06. Trabalho apresentado no DINCON, Natal - RN, 05. Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Computatonal and Appled

Leia mais

2 Agregação Dinâmica de Modelos de Turbinas e Reguladores de Velocidade: Teoria

2 Agregação Dinâmica de Modelos de Turbinas e Reguladores de Velocidade: Teoria Agregação Dnâmca de Modelos de urbnas e Reguladores de elocdade: eora. Introdução O objetvo da agregação dnâmca de turbnas e reguladores de velocdade é a obtenção dos parâmetros do modelo equvalente, dados

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA APLICAÇÃO TÉCNICA DA TRANSFORMADA INTEGRAL PARA A SOLUÇÃO

Leia mais

COMBUSTÍVEIS E COMBUSTÃO

COMBUSTÍVEIS E COMBUSTÃO COMBUSTÍVEIS E COMBUSTÃO PROF. RAMÓN SILVA Engenhara de Energa Dourados MS - 2013 CHAMAS DIFUSIVAS 2 INTRODUÇÃO Chamas de dfusão turbulentas tpo jato de gás são bastante comuns em aplcações ndustras. Há

Leia mais

5 Métodos de cálculo do limite de retenção em função da ruína e do capital inicial

5 Métodos de cálculo do limite de retenção em função da ruína e do capital inicial 5 Métodos de cálculo do lmte de retenção em função da ruína e do captal ncal Nesta dssertação serão utlzados dos métodos comparatvos de cálculo de lmte de retenção, onde ambos consderam a necessdade de

Leia mais

Associação entre duas variáveis quantitativas

Associação entre duas variáveis quantitativas Exemplo O departamento de RH de uma empresa deseja avalar a efcáca dos testes aplcados para a seleção de funconáros. Para tanto, fo sorteada uma amostra aleatóra de 50 funconáros que fazem parte da empresa

Leia mais

TURBULÊNCIA COQ-744 Aula 1. Profa. Tânia Suaiden Klein

TURBULÊNCIA COQ-744 Aula 1. Profa. Tânia Suaiden Klein TURBULÊNCIA COQ-744 Aula 1 Profa. Tâna Suaden Klen tana@eq.ufrj.br Introdução Expermento de Reynolds Introdução Lamnar Turbulento Lamnar Turbulento Introdução Conclusões do Expermento de Reynolds: Defnu-se

Leia mais

SOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ACOPLADAS PELA TÉCNICA DE TRANSFORMADA INTEGRAL E COMPUTAÇÃO SIMBÓLICA. Francisco Edmundo de Andrade

SOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ACOPLADAS PELA TÉCNICA DE TRANSFORMADA INTEGRAL E COMPUTAÇÃO SIMBÓLICA. Francisco Edmundo de Andrade SOLUÇÃO DE EQUAÇÕES DIFERECIAIS ACOPLADAS PELA TÉCICA DE TRASFORMADA ITEGRAL E COMPUTAÇÃO SIMBÓLICA Francsco Edmundo de Andrade DISSERTAÇÃO SUBMETIDA À COORDEAÇÃO DO CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM CIÊCIA DA

Leia mais

METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DE VAZÃO DE UMA SEÇÃO TRANSVERSAL A UM CANAL FLUVIAL. Iran Carlos Stalliviere Corrêa RESUMO

METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DE VAZÃO DE UMA SEÇÃO TRANSVERSAL A UM CANAL FLUVIAL. Iran Carlos Stalliviere Corrêa RESUMO Semnáro Anual de Pesqusas Geodéscas na UFRGS, 2. 2007. UFRGS METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DE VAZÃO DE UMA SEÇÃO TRANSVERSAL A UM CANAL FLUVIAL Iran Carlos Stallvere Corrêa Insttuto de Geocêncas UFRGS Departamento

Leia mais

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de

Leia mais

DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO

DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO DEFINIÇÃO - MODELO LINEAR GENERALIZADO 1 Um modelo lnear generalzado é defndo pelos seguntes três componentes: Componente aleatóro; Componente sstemátco; Função de lgação; Componente aleatóro: Um conjunto

Leia mais

Problemas Propostos. Frações mássicas, volúmicas ou molares. Estequiometria.

Problemas Propostos. Frações mássicas, volúmicas ou molares. Estequiometria. Elementos de Engenhara Químca I II. Frações e Estequometra (problemas resolvdos) Problemas Propostos. Frações másscas, volúmcas ou molares. Estequometra.. Em 5 moles de Benzeno (C 6 H 6 ) quanto é que

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br 1 soluções eletrolítcas Qual a dferença entre uma solução 1,0 mol L -1 de glcose e outra de NaCl de mesma concentração?

Leia mais

UMA FORMULAÇÃO DE LEI DE PAREDE PARA ESCOAMENTOS TURBULENTOS COM SEPARAÇÃO E TROCA DE CALOR

UMA FORMULAÇÃO DE LEI DE PAREDE PARA ESCOAMENTOS TURBULENTOS COM SEPARAÇÃO E TROCA DE CALOR UMA FORMULAÇÃO DE LEI DE PAREDE PARA ESCOAMENOS URBULENOS COM SEPARAÇÃO E ROCA DE CALOR Danel O. A. Cruz Fábo N. Batsta Danelle R. S. Guerra Unversdade Federal do Pará, Departamento de Engenhara Mecânca

Leia mais

Modelo de Alocação de Vagas Docentes

Modelo de Alocação de Vagas Docentes Reunão Comssão de Estudos de Alocação de Vagas Docentes da UFV Portara 0400/2016 de 04/05/2016 20 de mao de 2016 Comssão de Estudos das Planlhas de Alocação de Vagas e Recursos Ato nº 009/2006/PPO 19/05/2006

Leia mais

O problema da superdispersão na análise de dados de contagens

O problema da superdispersão na análise de dados de contagens O problema da superdspersão na análse de dados de contagens 1 Uma das restrções mpostas pelas dstrbuções bnomal e Posson, aplcadas usualmente na análse de dados dscretos, é que o parâmetro de dspersão

Leia mais

ANÁLISE DINÂMICA DE SISTEMAS CONTÍNUOS

ANÁLISE DINÂMICA DE SISTEMAS CONTÍNUOS ANÁISE DINÂMICA DE SISTEMAS CONTÍNUOS INTRODUÇÃO Sstemas dscretos e sstemas contínuos representam modelos matemátcos dstntos de sstemas fsícos semelhantes, com característcas dnâmcas semelhantes Os sstemas

Leia mais

Palavras-Chave: Métodos Interativos da Potência e Inverso, Sistemas Lineares, Autovetores e Autovalores.

Palavras-Chave: Métodos Interativos da Potência e Inverso, Sistemas Lineares, Autovetores e Autovalores. MSc leandre Estáco Féo ssocação Educaconal Dom Bosco - Faculdade de Engenhara de Resende Caa Postal 8.698/87 - CEP 75-97 - Resende - RJ Brasl Professor e Doutorando de Engenhara aefeo@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

Algoritmos Genéticos com Parâmetros Contínuos

Algoritmos Genéticos com Parâmetros Contínuos com Parâmetros Contínuos Estéfane G. M. de Lacerda DCA/UFRN Mao/2008 Exemplo FUNÇÃO OBJETIVO : 1,0 f ( x, y) 0, 5 sen x y 0, 5 1, 0 0, 001 x 2 2 2 y 2 2 2 0,8 0,6 0,4 0,2 0,0-100 -75-50 -25 0 25 50 75

Leia mais

CAPÍTULO IV DIFERENCIAÇÃO NUMÉRICA

CAPÍTULO IV DIFERENCIAÇÃO NUMÉRICA PMR - Mecânca Computaconal para Mecatrônca CAPÍTULO IV DIFERENCIAÇÃO NUMÉRICA O problema de derencação numérca aparentemente é semelante ao de ntegração numérca ou seja obtendo-se um polnômo nterpolador

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso de Admnstração em Gestão Públca Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos uns dos

Leia mais

Simulação numérica de moviment

Simulação numérica de moviment 25 Revsta Braslera de Engenhara Agrícola e Ambental, v.7, n.2, p.25-257, 2003 Campna Grande, PB, DEAg/UFCG - http://www.agramb.com.br Smulação numérca de movment vmento de água em solo não-saturado Prof.

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Prof. Lorí Val, Dr. UFRG Insttuto de Matemátca

Leia mais

Reconhecimento Estatístico de Padrões

Reconhecimento Estatístico de Padrões Reconhecmento Estatístco de Padrões X 3 O paradgma pode ser sumarzado da segunte forma: Cada padrão é representado por um vector de característcas x = x1 x2 x N (,,, ) x x1 x... x d 2 = X 1 X 2 Espaço

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Um modelo para simulação de ensaios oedométricos pelo método dos elementos finitos

Um modelo para simulação de ensaios oedométricos pelo método dos elementos finitos Um modelo para smulação de ensaos oedométrcos pelo método dos elementos fntos Macon S. Morera¹, Waldr T. Pnto¹ e Cláudo R. R. Das¹ ¹Programa de Pós-Graduação em Engenhara Oceânca FURG, Ro Grande RS, Brasl

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 SIMULAÇÃO DE GRANDES ESCALAS DE ESCOAMENOS URBULENOS, INCOMPRESSÍVEIS E RIDIMENSIONAIS EM CAVIDADES NÃO-ISOÉRMICAS E

Leia mais

2 - Análise de circuitos em corrente contínua

2 - Análise de circuitos em corrente contínua - Análse de crcutos em corrente contínua.-corrente eléctrca.-le de Ohm.3-Sentdos da corrente: real e convenconal.4-fontes ndependentes e fontes dependentes.5-assocação de resstêncas; Dvsores de tensão;

Leia mais

Eletromagnetismo Aplicado

Eletromagnetismo Aplicado letromagnetsmo Aplcado Undade 5 Propagação de Ondas letromagnétcas em Meos Ilmtados e Polaração Prof. Marcos V. T. Heckler Propagação de Ondas letromagnétcas e Polaração 1 Conteúdo Defnções e parâmetros

Leia mais

1. CORRELAÇÃO E REGRESSÃO LINEAR

1. CORRELAÇÃO E REGRESSÃO LINEAR 1 CORRELAÇÃO E REGREÃO LINEAR Quando deseja-se estudar se exste relação entre duas varáves quanttatvas, pode-se utlzar a ferramenta estatístca da Correlação Lnear mples de Pearson Quando essa correlação

Leia mais

4 Sistemas de partículas

4 Sistemas de partículas 4 Sstemas de partículas Nota: será feta a segunte convenção: uma letra em bold representa um vector,.e. b b Nesta secção estudaremos a generalzação das les de Newton a um sstema de váras partículas e as

Leia mais

Modelagem de Problema de Acústica para Estruturas Aeronáuticas pela Técnica dos Elementos de Contorno, com Aplicação para Detecção de Danos

Modelagem de Problema de Acústica para Estruturas Aeronáuticas pela Técnica dos Elementos de Contorno, com Aplicação para Detecção de Danos UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Modelagem de Problema de Acústca para Estruturas Aeronáutcas pela

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Modelagem Analítica. Disciplina: Variável Aleatória

Departamento de Informática. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Modelagem Analítica. Disciplina: Variável Aleatória Departamento de Informátca Dscplna: do Desempenho de Sstemas de Computação Varável leatóra Prof. Sérgo Colcher colcher@nf.puc-ro.br Varável leatóra eal O espaço de amostras Ω fo defndo como o conjunto

Leia mais

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano CÁLCULO NUMÉRICO Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aula 7 e 8 06/204 Ajuste de Curvas AJUSTE DE CURVAS Cálculo Nuérco 3/64 INTRODUÇÃO E geral, experentos gera ua gaa de dados que

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso Superor de tecnólogo em Gestão Ambental Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos

Leia mais

Apontamentos de Transferência de Massa. João Luís Toste de Azevedo Prof. Auxiliar do DEM/IST

Apontamentos de Transferência de Massa. João Luís Toste de Azevedo Prof. Auxiliar do DEM/IST Apontamentos de Transferênca de Massa João Luís Toste de Azevedo Prof. Auxlar do DEM/IST Feverero 000 Indce Transferênca de Massa...1 M1 Equações fundamentas para transferênca de massa...1 Le de Fck...1

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Problema Real (avião, carro,...) Validação

Problema Real (avião, carro,...) Validação Modelo Físco/ (EFD)? Problema Real? (avão, carro,...) Modelo Matemátco (CFD) Túnel de Vento Modelo Condções de Frontera Escala Approx. nas eqs., (ν t ) Equações (modelo de turbulênca) Instrumentos de Medda

Leia mais

8. Estudo da não-idealidade da fase líquida

8. Estudo da não-idealidade da fase líquida PQI 58 Fundamentos de Processos em Engenhara Químca II 009 8. Estudo da não-dealdade da fase líquda Assuntos. A le de Raoult. Defnção de atvdade 3. Convenções assmétrcas e a le de Henry 4. Exercícos 8..

Leia mais

Modelo linear normal com erros heterocedásticos. O método de mínimos quadrados ponderados

Modelo linear normal com erros heterocedásticos. O método de mínimos quadrados ponderados Modelo lnear normal com erros heterocedástcos O método de mínmos quadrados ponderados Varâncas homogêneas Varâncas heterogêneas y y x x Fgura 1 Ilustração da dstrbução de uma varável aleatóra y (condconal

Leia mais

Teoria da Regressão Espacial Aplicada a. Sérgio Alberto Pires da Silva

Teoria da Regressão Espacial Aplicada a. Sérgio Alberto Pires da Silva Teora da Regressão Espacal Aplcada a Modelos Genércos Sérgo Alberto Pres da Slva ITENS DE RELACIONAMENTOS Tópcos Báscos da Regressão Espacal; Banco de Dados Geo-Referencados; Modelos Genércos Robustos;

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO Alne de Paula Sanches 1 ; Adrana Betâna de Paula Molgora 1 Estudante do Curso de Cênca da Computação da UEMS, Undade Unverstára de Dourados;

Leia mais

Critério de Equilíbrio

Critério de Equilíbrio Crtéro de Equlíbro ara um sstema echado onde exstem ases em equlíbro, o crtéro geral de equlíbro de ases mpõe que o potencal químco de cada espéce presente seja gual em todas as ases. α β π µ = µ = K=

Leia mais

ESPALHAMENTO ELETROMAGNÉTICO POR CORPOS DIELÉTRICOS USANDO FUNÇÕES DE BASE SOLENOIDAIS TRIDIMENSIONAIS. Sérgio A. Carvalho e Leonardo S.

ESPALHAMENTO ELETROMAGNÉTICO POR CORPOS DIELÉTRICOS USANDO FUNÇÕES DE BASE SOLENOIDAIS TRIDIMENSIONAIS. Sérgio A. Carvalho e Leonardo S. Journal of Mcrowaves and Optoelectroncs, Vol. 1, No. 1, May 1997. 3 SPLHMNTO LTROMGNÉTICO POR CORPOS DILÉTRICOS USNDO FUNÇÕS D BS SOLNOIDIS TRIDIMNSIONIS Sérgo. Carvalho e Leonardo S. Mendes DCOM/F/UNICMP

Leia mais

Avaliação do tamanho da amostra de segmentos regulares para estimar a área plantada com café na região sul de Minas Gerais

Avaliação do tamanho da amostra de segmentos regulares para estimar a área plantada com café na região sul de Minas Gerais Avalação do tamanho da amostra de segmentos regulares para estmar a área plantada com café na regão sul de Mnas Geras Marcos Adam Maurco Alves Morera Bernardo Fredrch Theodor Rudorff Insttuto Naconal de

Leia mais

Curvas Horizontais e Verticais

Curvas Horizontais e Verticais Insttução: Faculdade de Tecnologa e Cêncas Professor: Dego Queroz de Sousa Dscplna: Topografa Curvas Horzontas e ertcas 1. Introdução Exstem dversas ocasões na engenhara em que os projetos são desenvolvs

Leia mais

CÁLCULO DE VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS COM A EDE CUBIC- PLUS-ASSOCIATION INCORPORADA AO MODELO EYRING

CÁLCULO DE VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS COM A EDE CUBIC- PLUS-ASSOCIATION INCORPORADA AO MODELO EYRING CÁLCULO DE VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS COM A EDE CUBIC- PLUS-ASSOCIATION INCORPORADA AO MODELO EYRING I. Q. MATOS 1, J. P. L. SANTOS 1 e G. F. SILVA 1 1 Unversdade Federal de Sergpe, Departamento de Engenhara

Leia mais

2 Lógica Fuzzy Introdução

2 Lógica Fuzzy Introdução 2 Lógca Fuzzy 2.. Introdução A lógca fuzzy é uma extensão da lógca booleana, ntroduzda pelo Dr. Loft Zadeh da Unversdade da Calfórna / Berkeley no ano 965. Fo desenvolvda para expressar o conceto de verdade

Leia mais

MODELO ANALÍTICO E NUMÉRICO PARA ANÁLISE DAS VIBRAÇÕES LIVRES DE TANQUES CILÍNDRICOS

MODELO ANALÍTICO E NUMÉRICO PARA ANÁLISE DAS VIBRAÇÕES LIVRES DE TANQUES CILÍNDRICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL MODELO ANALÍTICO E NUMÉRICO PARA ANÁLISE DAS VIBRAÇÕES LIVRES DE TANQUES CILÍNDRICOS ROGER OTÁVIO PIRES MONTES

Leia mais

Elementos de Estatística e Probabilidades II

Elementos de Estatística e Probabilidades II Elementos de Estatístca e Probabldades II Varáves e Vetores Aleatóros dscretos Inês Das 203 O prncpal objetvo da deste documento é fornecer conhecmentos báscos de varáves aleatóras dscretas e pares aleatóros

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência.

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência. MODELO DE REGRESSÃO DE COX Os modelos de regressão paramétrcos vstos anterormente exgem que se suponha uma dstrbução estatístca para o tempo de sobrevvênca. Contudo esta suposção, caso não sea adequada,

Leia mais

DENSIDADE DE BIODIESEL EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA: EXPERIMENTAL X PREDIÇÃO

DENSIDADE DE BIODIESEL EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA: EXPERIMENTAL X PREDIÇÃO DENSIDADE DE BIODIESEL EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA: EXPERIMENTAL X PREDIÇÃO A. M. M. BESSA 1 ; F. M. R. MESQUITA 1 ; F. R. DO CARMO 1 ; H.B.DE SANT ANA 1 E R.S.DE SANTIAGO-AGUIAR 1 1 Unversdade Federal do

Leia mais

INTRODUÇÃO À ASTROFÍSICA

INTRODUÇÃO À ASTROFÍSICA Introdução à Astrofísca INTRODUÇÃO À ASTROFÍSICA LIÇÃO 7: A MECÂNICA CELESTE Lção 6 A Mecânca Celeste O que vmos até agora fo um panorama da hstóra da astronoma. Porém, esse curso não pretende ser de dvulgação

Leia mais

MÉTODO DA SUBTRAÇÃO DE SINGULARIDADE APLICADO ÀS EQUAÇÕES INTEGRAIS DOS PROBLEMAS ELASTOESTÁTICOS ANISOTRÓPICOS

MÉTODO DA SUBTRAÇÃO DE SINGULARIDADE APLICADO ÀS EQUAÇÕES INTEGRAIS DOS PROBLEMAS ELASTOESTÁTICOS ANISOTRÓPICOS Esse é um artgo de acesso lvre sob a lcença CC BY-NC-ND 3. Brasl (http://creatvecommons.org/lcenses/by-nc-nd/3./br/ Anas do SIMMEC 6 XII Smpóso de Mecânca Computaconal 3 a 5 de mao, Damantna, MG, Brasl

Leia mais

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

Leia mais

Notas Processos estocásticos. Nestor Caticha 23 de abril de 2012

Notas Processos estocásticos. Nestor Caticha 23 de abril de 2012 Notas Processos estocástcos Nestor Catcha 23 de abrl de 2012 notas processos estocástcos 2 O Teorema de Perron Frobenus para matrzes de Markov Consdere um processo estocástco representado por um conunto

Leia mais

Análise acústica e dinâmica do escoamento em tubos ressonantes

Análise acústica e dinâmica do escoamento em tubos ressonantes Buenos Ares, 5, 6 y 7 de novembre de 2008 Análse acústca e dnâmca do escoamento em tubos ressonantes Thago Cardoso de Souza 1 (a), Arcano Lenz 2 (b), Cesar J. Deschamps 3 (b). (a) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ROBÓTICA. Modelo Cinemático de Robôs Manipuladores

FUNDAMENTOS DE ROBÓTICA. Modelo Cinemático de Robôs Manipuladores FUNDMENTOS DE ROBÓTIC Modelo Cnemátco de Robôs Manpuladores Modelo Cnemátco de Robôs Manpuladores Introdução Modelo Cnemátco Dreto Modelo Cnemátco de um Robô de GDL Representação de Denavt-Hartenberg Exemplos

Leia mais

Aula 6: Corrente e resistência

Aula 6: Corrente e resistência Aula 6: Corrente e resstênca Físca Geral III F-328 1º Semestre 2014 F328 1S2014 1 Corrente elétrca Uma corrente elétrca é um movmento ordenado de cargas elétrcas. Um crcuto condutor solado, como na Fg.

Leia mais

CORRELAÇÃO E REGRESSÃO

CORRELAÇÃO E REGRESSÃO CORRELAÇÃO E REGRESSÃO Constata-se, freqüentemente, a estênca de uma relação entre duas (ou mas) varáves. Se tal relação é de natureza quanttatva, a correlação é o nstrumento adequado para descobrr e medr

Leia mais

3 Cálculo Básico de Enlace Via Satélite

3 Cálculo Básico de Enlace Via Satélite 35 3 Cálculo Básco de Enlace Va Satélte Neste capítulo é tratado o cálculo básco de um enlace va-satélte, subentenddo em condções normas de propagação (espaço lvre) nos percursos de subda e descda e consderados

Leia mais

Dinâmica do Movimento de Rotação

Dinâmica do Movimento de Rotação Dnâmca do Movmento de Rotação - ntrodução Neste Capítulo vamos defnr uma nova grandeza físca, o torque, que descreve a ação gratóra ou o efeto de rotação de uma força. Verfcaremos que o torque efetvo que

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ 1 É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Numa relação expermental os valores de uma das

Leia mais

MOQ-14 PROJETO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS LISTA DE EXERCÍCIOS 1 REGRESSÃO LINEAR SIMPLES

MOQ-14 PROJETO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS LISTA DE EXERCÍCIOS 1 REGRESSÃO LINEAR SIMPLES MOQ-14 PROJETO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS LISTA DE EXERCÍCIOS 1 REGRESSÃO LINEAR SIMPLES 1. Obtenha os estmadores dos coefcentes lnear e angular de um modelo de regressão lnear smples utlzando o método

Leia mais

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha)

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha) Estatístca p/ Admnstração II - Profª Ana Cláuda Melo Undade : Probabldade Aula: 3 Varável Aleatóra. Varáves Aleatóras Ao descrever um espaço amostral de um expermento, não especfcamos que um resultado

Leia mais

AMPLIAÇÃO DE ESCALA. Adimensionais: dq dq dqs. dt dt dt. Reynolds. Número de Potência. Número de Froude

AMPLIAÇÃO DE ESCALA. Adimensionais: dq dq dqs. dt dt dt. Reynolds. Número de Potência. Número de Froude AMPLIAÇÃO E ESCALA Admensonas: Reynolds Re ρ N /μ Número de Potênca dq dq dqs o dqv Número de Froude Fr N / g AMPLIAÇÃO E ESCALA COMO CORRELACIONAR k L a com potênca de agtação? Os japoneses propões aquecer

Leia mais

3. TURBULÊNCIA E DISPERSÃO DE CONTAMINANTES NA CAMADA LIMITE PLANETÁRIA

3. TURBULÊNCIA E DISPERSÃO DE CONTAMINANTES NA CAMADA LIMITE PLANETÁRIA . TURBUÊNCIA E DISPERSÃO DE CONTAMINANTES NA CAMADA IMITE PANETÁRIA IV Escola de Prmavera de Transção e Turbulênca Unversdade Federal do Ro Grande do Sul Pontfíca Unversdade Católca do Ro Grande do Sul

Leia mais

MODELAGEM DE CURVAS DE MAGNETIZAÇÃO PARA SOLUÇÃO ITERATIVA DE CIRCUITOS MAGNÉTICOS NÃO LINEARES

MODELAGEM DE CURVAS DE MAGNETIZAÇÃO PARA SOLUÇÃO ITERATIVA DE CIRCUITOS MAGNÉTICOS NÃO LINEARES MODELAGEM DE CURVAS DE MAGNETIZAÇÃO PARA SOLUÇÃO ITERATIVA DE CIRCUITOS MAGNÉTICOS NÃO LINEARES MEZA, Rafael Argüello, estudante de graduação, CEFET-PR, 2005 Centro Federal de Educação Tecnológca do Paraná

Leia mais

EFEITO DA IDADE E MATERIAL GENÉTICO NA FORMA DE ÁRVORES DE Eucalyptus

EFEITO DA IDADE E MATERIAL GENÉTICO NA FORMA DE ÁRVORES DE Eucalyptus EFEITO DA IDADE E MATERIAL GENÉTICO NA FORMA DE ÁRVORES DE Eucalyptus Dana Marques de Olvera ; Ellezer Almeda Mello ; Carolne Stephany Inocênco ; Adrano Rbero Mendonça Bolssta PBIC/UEG, graduandos do Curso

Leia mais

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos Laboratóro de Mecânca Aplcada I Estátca: Roldanas e Equlíbro de Momentos 1 Introdução O conhecmento das condções de equlíbro de um corpo é mprescndível em númeras stuações. Por exemplo, o estudo do equlíbro

Leia mais

Aprendizagem de Máquina

Aprendizagem de Máquina Plano de Aula Aprendzagem de Máquna Aprendzagem Baseada em Instâncas Alessandro L. Koerch Introdução Espaço Eucldano Aprendzagem Baseada em Instâncas (ou Modelos Baseados em Dstânca) Regra knn (k vznhos

Leia mais

18 e 20/Abr/2016 Aulas 12 e 13. Introdução à Física Estatística Postulados Equilíbrio térmico Função de Partição; propriedades termodinâmicas

18 e 20/Abr/2016 Aulas 12 e 13. Introdução à Física Estatística Postulados Equilíbrio térmico Função de Partição; propriedades termodinâmicas 01/Abr/2016 Aula 11 Potencas termodnâmcos Energa nterna total Entalpa Energas lvres de Helmholtz e de Gbbs Relações de Maxwell 18 e 20/Abr/2016 Aulas 12 e 13 Introdução à Físca Estatístca Postulados Equlíbro

Leia mais

4 Análise de confiabilidade de estruturas

4 Análise de confiabilidade de estruturas 4 Análse de confabldade de estruturas Nos prmórdos da engenhara cvl, o desconhecmento técnco-centífco conduza a proetos excessvamente seguros, mas em contrapartda de custo muto elevado. Hoe em da, o progresso

Leia mais

Estudo e Previsão da Demanda de Energia Elétrica. Parte II

Estudo e Previsão da Demanda de Energia Elétrica. Parte II Unversdade Federal de Paraná Setor de Tecnologa Departamento de Engenhara Elétrca Estudo e Prevsão da Demanda de Energa Elétrca Parte II Prof: Clodomro Unshuay-Vla Etapas de um Modelo de Prevsão Objetvo

Leia mais

Programação Dinâmica. Fernando Nogueira Programação Dinâmica 1

Programação Dinâmica. Fernando Nogueira Programação Dinâmica 1 Programação Dnâmca Fernando Noguera Programação Dnâmca A Programação Dnâmca procura resolver o problema de otmzação através da análse de uma seqüênca de problemas mas smples do que o problema orgnal. A

Leia mais

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear Estatístca II Antono Roque Aula 18 Regressão Lnear Quando se consderam duas varáves aleatóras ao mesmo tempo, X e Y, as técncas estatístcas aplcadas são as de regressão e correlação. As duas técncas estão

Leia mais

Variável discreta: X = número de divórcios por indivíduo

Variável discreta: X = número de divórcios por indivíduo 5. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais