J. A. M. Felippe de Souza 3 Sinais Singulares. 3 Sinais Singulares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "J. A. M. Felippe de Souza 3 Sinais Singulares. 3 Sinais Singulares"

Transcrição

1 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares 3 Sinais Singlares 3. Intrdçã as sinais singlares 3 3. Sinais singlares discrets 4 O sinal impls nitári discret ( nit-implse ) 4 Prpriedades d impls nitári discret 5 O sinal degra nitári discret ( nit-step ) 5 Relaçã entre [n] e [n] 6 O sinal rampa nitária discreta ( nit-ramp ) 6 Relaçã entre [n] e [n] 8 A família de sinais singlares discrets 8 Exempl 3. 8 Exempl 3. 9 Exempl Exempl Exempl 3.5 Exempl Sinais singlares cntíns 3 O sinal impls nitári ( nit-implse ) 3 Prpriedades d impls nitári cntín 4 O sinal degra nitári ( nit-step ) 5 Relaçã entre (t) e (t) 6 O sinal rampa nitária ( nit-ramp ) 6 Relaçã entre s 3 sinais (t), (t) e (t) 7 A família de sinais singlares cntíns 7 Exempl 3.7 9

2 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares Exempl Exempl Exempl 3.0 Exempl 3. Exempl 3. Exempl 3.3 3

3 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares Sinais Singlares 3. Intrdçã as Sinais Singlares Os sinais singlares, também chamads sinais de excitaçã frmam ma família [n], [n], [n],..., n cas discret;, (t), (t), (t),..., n cas cntín; Eles sã sinais recrrentes, ist é, cada sinal desta família é definid em fnçã d anterir. Matematicamente é mesm pssível definir esta seqência de sinais infinitamente para s dis lads, intrdzind também s sinais - [n], - [n],..., - (t), - (t),..., mas ist, entretant, é sem grande interesse prátic. Apenas k [n] e k (t) para k 0 terã aplicações práticas em engenharia. Prtant, embra sejam m númer infinit de sinais nesta família, na prática apenas algns de mais interesse sã realmente tilizads, em especial dis deles: impls nitári (t) e degra nitári (t), nrmalmente sads cm sinais de excitaçã (i.e., de inpt de entrada) de sistemas qe estã send analisads. 3

4 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares 3. Sinais singlares discrets O sinal impls nitári discret ( nit implse ): A ntaçã d impls nitári discret é: [n] δ[n] [ n] 0, =, n 0 n = 0 Fig. O sinal impls nitári discret [n]. Se mltiplicarms impls nitári [n] pr ma cnstante C 0 btems m impls também, mas neste cas m impls nã nitári, m impls de área C, nde C pde ser até mesm negativ. A figra ilstra estes cass. Obs.: A cnstante C é chamada de área d impls, inspirads n cas cntín qe será vist mais adiante, embra aqi n cas discret nã tenha significad qe terá n cas cntín. Fig. O sinal impls nitári discret mltiplicad pr ma cnstante: C [n]. À esqerda para C > 0, impls de área psitiva e à direita para C < 0, impls de área negativa. 4

5 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares Prpriedades d impls nitári discret: É fácil de se verificar qe impls nitári (cas discret), cnfrme definid acima, satisfaz as segintes prpriedades: [n k] = 0, para n k eq. (3.) m k= l m k= l [n k] =, l < k < m x[n] [n k] = x[k], l < k < m eq. (3.) eq. (3.3) A eq. (3.3) é chamada de sma de cnvlçã e define a cnvlçã entre s sinais x[n] e [n]. O sinal degra nitári discret ( nit step ): A ntaçã d degra nitári discret é: [n] [n] [ n] = 0,, n =,, L n = 0,,, L Fig. 3 O sinal degra nitári discret [n]. Se mltiplicarms degra nitári [n] pr ma cnstante C 0 btems m degra também, mas neste cas m degra nã nitári, m degra de amplitde C, nde C pde ser até mesm negativ. A figra 4 ilstra estes cass. 5

6 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares Fig. 4 O sinal degra nitári discret mltiplicad pr ma cnstante: C [n]. Para C > 0, degra de amplitde psitiva e C < 0, amplitde negativa. Relaçã entre [n] e [n]: Algmas eqações fáceis de serem verificadas e qe relacinam impls nitári discret [n] cm degra nitári discret [n] sã dadas abaix: [n] = [n] [n ], n eq. (3.4) n = m= [ n] [ m ], n eq. (3.5) 6

7 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares O sinal rampa nitária discreta ( nit ramp ): A ntaçã da rampa nitária discreta é: [n] [ n] 0, = n, n =,, L n = 0,,, L Fig. 5 O sinal rampa nitária discreta [n]. Se mltiplicarms a rampa nitária [n] pr ma cnstante C 0 btems ma rampa também, mas neste cas nã nitária, e de declive ( inclinaçã) C, nde C pde ser até mesm negativ. A figra 6 ilstra estes cass. Prtant, m impls discret fica bem determinad pela sa área, degra pela sa amplitde e a rampa pel se declive ( inclinaçã). Estes terms farã mais sentid qand verms impls, degra e a rampa cntíns, seja, s sinais singlares cntíns. Fig. 6 O sinal rampa nitária discreta mltiplicad pr ma cnstante: C [n]. Para C > 0, rampa de declive psitiv e C < 0, rampa de declive negativ. 7

8 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares Relaçã entre [n] e [n]: Algmas eqações fáceis de serem verificadas e qe relacinam degra nitári discret [n] cm a rampa nitária discret [n] sã dadas abaix. Nte qe: [n] = n [n], n eq. (3.6) também, na frma da eq. (3.5): n [ n ] = [ m ], n + m = eq. (3.7) Pr tr lad, na frma da eq. (3.4), [n] = [n+] [n], n eq. (3.8) A família de sinais singlares discrets: Observand-se bem a relaçã entre [n] e [n] dada pelas eq. (3.4) e eq. (3.5) e a relaçã entre [n] e [n] dada acima pelas eq. (3.6), eq. (3.7) e eq. (3.8), vems qe estes sinais sã recrrentes, seja, pderíams cntinar definind 3 [n], 4 [n], etc. cm ma família de sinais singlares discrets, nde: k [n] = k+ [n] k+ [n ], n, k = 0,, eq. (3.9) n [ n] [ m ], n, k 0,, L = k k = m= eq. (3.0) Exempl 3.: Algns sinais qe pdem ser escrits analiticamente em terms ds sinais d tip degra, impls e rampa. Os sinais x[n] e y[n] qe aparecem na figra 7 sã implss transladads e prtant pdem ser representads pr: 8

9 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares x[n] = 3 [n ] e y[n] = [n+] Fig. 7 Sinais discrets implss transladads x[n] = 3 [n ] e y[n] = [n+]. Exempl 3.: O sinal x[n] da figra 8 pde ser express cm m degra revertid n temp e transladad: x[n] = [ n+] Fig. 8 Sinal discret degra revertid n temp e transladad x[n] = [ n+]. Exempl 3.3: Cnsidere sinal x[n] da figra 9. Este sinal tem valres nã nls à esqerda da rigem (ist é, x[n] 0 para valres de n < 0). A mltiplicarms x[n] pr [n] btems m sinal qe tem tds s ses valres nls à esqerda da rigem, ist é, x[n] [n] = 0, n =,,, a pass qe é idêntic à x[n] na rigem e à direita da rigem, seja, 9

10 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares x[n] [n] = x[n], n = 0,,, (a) Fig. 9 (a) O sinal x[n] cm valres de x[n] 0 à esqerda da rigem e (b) sinal x[n] [n], qe tem tds s ses valres nls à esqerda da rigem mas é idêntic à x[n] na rigem e à sa direita. (b) Exempl 3.4: O sinal x[n] da figra 9 pde ser express cm: x 3 [ n] [n] k [ n k] = k= nde tem-se m degra nitári, e depis retira-se valres pntalmente cm implss em t =, t = e t = 3, para se ter s valres crrects de x[], x[] e x[3]. Fig. 9 Sinal discret x[n] = [n] [n] + [n 4] + [n 4]. 0

11 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares Entretant, x[n] também pde ser representad, de frma eqivalente pela expressã: [ n] = [n] [ n] + [n 4] + [ n 4] x Exempl 3.5: Em mits cass s sinais têm mesm várias expressões diferentes. Os sinal x[n] qe aparece na figra 0 pde ser representad pr: x [ n] = [n] [n] [n ] nde tem-se m degra de amplitde, e depis tira-se valres pntalmente cm implss em t = 0, t = e t =, para se ter s valres crrects de x[], x[] e x[3]. Fig. 0 Sinal discret x[n] = [n] [n] [n-]. mas bserve qe x[n] também pde ser representad, de frma eqivalente pela expressã: x n = [n ] [n também pr: ainda, pela sbtracçã de das rampas: x [ ] ] [ n] = [n ] + [n ] [ n] = [n] + [n ] x

12 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares Exempl 3.6: O sinal discret x[n] da figra é ma seqência de plss de largra 3. Este sinal pde ser escrit em terms de degras da seginte frma: x [ n] = [n] [n 3] + [n 6] [n 9] + L = [n] + k=,,3, L ( ) 3 k [n 3k] Fig. Sinal discret x[n], seqência de plss de largra 3. Alternativamente este sinal x[n] pde ser escrit em terms de implss da seginte frma: x [ n] = [n] + [n ] + [n ] + [n 6] + [n 7] + [n 8] + L = = k= 0,,,3, L k= 0,,,3, L l= 0,3, L [n 6k] + [n (6k + )] + [n (6k + l)] [n (6k + )]

13 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares 3.3 Sinais singlares cntíns O sinal impls nitári ( nit implse ): O sinal impls nitári cntín também é chamad de fnçã delta delta de Dirac, em alsã a físic e matemátic britânic Pal Adrien Marice Dirac (90-98). O impls nitári tem a seginte ntaçã: (t) δ(t) (t) = 0, t 0 β α (t)dt =, α < 0 < β Fig. O sinal impls nitári cntín (t) O impls nitári (t) pde ser interpretad cm limite de ma seqência de plss de área. { x (t)} (t) n Fig. 3 Seqência de plss de área igal a qe cnvergem para sinal impls nitári cntín (t). 3

14 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares Nte qe s sinais x n (t) (plss) acima sã cada vez mais magrs e mais alts, a medida qe n cresce, mas entretant, eles têm tds área sb a crva igal a. Desta frma é fácil de cmpreender qe impls nitári (t), send limite desta seqência de plss{ x n (t)}, vai a infinit em t = 0 e a área (i.e., a integral sb a crva) n interval [ α, β ] (para α < 0 < β) é igal a. Se mltiplicarms impls nitári (t) pr ma cnstante C 0 btems m impls também, mas neste cas nã nitári, de área C, nde C pde ser até mesm negativ. A figra 4 ilstra estes cass. Fig. 4 O sinal impls nitári cntín mltiplicad pr ma cnstante: C (t). À esqerda para C > 0, impls de área psitiva e à direita para C < 0, impls de área negativa. Prpriedades d impls nitári cntín: É fácil de se verificar qe impls nitári (cas cntín), cnfrme definid acima, satisfaz as segintes prpriedades: (t a) = 0, para t a eq. (3.) β α (t a) dt =, α < a < β eq. (3.) β α x(t) (t a) dt = x(a), α < a < β eq. (3.3) As expressões das eqações eq. (3.), eq. (3.) e eq. (3.3) crrespndem, n cas discret, às eqações: eq. (3.), eq. (3.) e eq. (3.3). 4

15 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares A eq. (3.3) é chamada de integral de cnvlçã e define a cnvlçã entre s sinais x(t) e impls nitári (t). O sinal degra nitári ( nit step ): A ntaçã d degra nitári cntín é: (t) (t) 0, (t) =, t < 0 t 0 Fig. 5 O sinal degra nitári cntín (t) Se mltiplicarms degra nitári (t) pr ma cnstante C 0 btems m degra também, mas neste cas m degra nã nitári, m degra de amplitde C, nde C pde ser até mesm negativ. A figra 6 ilstra iss. Fig. 6 O sinal degra nitári cntín mltiplicad pr ma cnstante: C (t). À esqerda, para C > 0, degra de amplitde psitiva, e à direita. C < 0, degra de amplitde negativa. 5

16 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares Relaçã entre (t) e (t): O degra nitári (t) é a integral d impls nitári (t), enqant qe, pr sa vez, impls nitári (t) é a derivada d degra nitári (t), seja: t (t) = (t)dt eq. (3.4) d (t) (t) = eq. (3.5) dt O sinal rampa nitária ( nit ramp ): A ntaçã da rampa nitária cntína é: (t) (t) = 0, t, t < 0 t 0 Fig. 7 O sinal rampa nitária cntína (t) Se mltiplicarms a rampa nitária (t) pr ma cnstante C 0 btems ma rampa, mas neste cas nã nitária, ma rampa de declive ( inclinaçã) C, nde C pde ser até mesm negativ. A figra 8 ilstra iss. Prtant, m impls, fnçã delta de Dirac, fica bem determinad pela sa área, degra pela sa amplitde e a rampa pel se declive ( inclinaçã). 6

17 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares Fig. 8 O sinal rampa nitária cntína mltiplicad pr ma cnstante: C (t). À esqerda, para C > 0, rampa de declive psitiv, e à direita, para C < 0, rampa de declive negativ. Relaçã entre s 3 sinais (t), (t) e (t): A rampa nitária (t) é a integral d degra nitári (t), e a integral dpla d impls nitári (t). Pr tr lad, degra nitári (t) é a derivada da rampa nitária (t), e impls nitári é a derivada segnda da rampa nitária (t). O seja: d (t) (t) = eq. (3.6) dt d (t) (t) = eq. (3.7) t dt (t) = (t)dt eq. (3.8) (t) (t) dt eq. (3.9) = t t A família ds sinais singlares cntíns: Os sinais singlares na verdade sã ma família bem mais ampla d qe apenas (t), (t) e (t). Eles saem recrrentes ns ds trs pelas fórmlas: 7

18 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares d k+ (t) k (t) =, k = 0,,,L dt eq. (3.0) t = k (t) k (t)dt, k =,,L eq. (3.) Desta frma pderíams cntinar definind 3 (t), 4 (t),, etc. Pr exempl, 3 (t) tem a expressã: t 3 (t) =, t > 0 seja, sinal 3 (t) é fnçã semi-parabólica. 0, (t) = t, 3 t < 0 t 0 Fig. 9 O sinal 3 (t), fnçã semi-parabólica. e facilmente se bserva qe a derivada de 3 (t) é (t). Pr tr lad, a expressã de 4 (t) é dada pr: 3 3 t t 4 (t) = =, t > 0 3 3! e nvamente se bserva qe a derivada de 4 (t) é 3 (t). Pr sa vez, a expressã de 5 (t) é dada pr: 4 4 t t 5 (t) = =, t > ! 8

19 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares lg, a derivada de 5 (t) é 4 (t), e assim pr diante. Desta frma tems a expressã geral: n t n (t) =, t > 0 n! + n= 0,,, 3, eq. (3.) As expressões acima, definidas apenas para t > 0, assme-se qe n + (t) = 0, t < 0 para td n = 0,,, 3, pis as sinais singlares sã sempre nls à esqerda da rigem. Exempl 3.7: O sinal x(t) da figra 0 é a sma de dis sinais implss, de áreas π e - π, transladads. Facilmente verifica-se qe pde ser escrit na frma: x(t) = π [ (t t ) (t t )] + Fig. 0 Sinal x(t), sma de implss transladads. Exempl 3.8: O sinal x(t) da figra é a sma de infinits sinais implss transladads e facilmente verifica-se qe pde ser escrit na frma: seja, x(t) = (t) (t ) + (t ) (t 3) +L 9

20 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares x(t) = k = 0 ( ) k (t k) Fig. Sinal x(t), sma de implss transladads. Exempl 3.9: Os sinais x(t), y(t) e v(t) qe aparecem na figra sã degras transladads qe pdem ser escrits em terms de sinais singlares d tip degra qe fram transladads. Fig. Os sinais x(t), y(t) e v(t), degras transladads. 0

21 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares Facilmente bserva-se qe as expressões de x(t), y(t) e v(t) sã: x(t) = C (t + ) y(t) = C ( t) v(t) = (t a) 3 Exempl 3.0: Aqi vems dis sinais qe pdem ser escrits analiticamente em terms ds sinais singlares d tip degra e rampa. Em algns cass s sinais têm várias expressões diferentes. Facilmente bserva-se qe as expressões de x(t) e y(t) da figra 3 sã: x (t) = (t) (t ) + (t ) y (t) = (t) (t ) (t 3) Fig. 3 Os sinais x(t) e y(t) pdem ser expresss pr degras e rampas. Exempl 3.: Os sinais das figras 4 e 4 sã cnstitíds de plss também chamads, ndas qadradas e facilmente verifica-se qe eles pdem ser expresss exclsivamente em terms de degras. Pde-se expressar x(t) cm: x (t) = (t) (t ) + (t ) (t 3)

22 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares e y(t) cm: y(t) = = Fig. 4 O sinal x(t) cnstitíd de plss. (t) (t) + k= (t ) + ( ) k (t ) (t k) (t 3) + L = Fig. 5 O sinal y(t) cnstitíd de infinits plss, nda qadrada. Exempl 3.: Os dis sinais qe aparecem nas figras 6 e 7 pdem ser escrits exclsivamente em terms de rampas. Facilmente verifica-se qe as expressões de x(t) da figra 5 é dada pr: (t) = (t ) (t ) + (t 3) x Fig. 6 O sinal x(t) pde ser express apenas pr rampas.

23 J. A. M. Felippe de Sza 3 Sinais Singlares enqant qe a expressã de y(t) da figra 6 é dada pr y(t) = = = (t ) (t ) + (t ) + k=,4, L k=,, L (t ) + ( ) ( ) (k / ) (k) (t 4) (t k) (t k) (t 6) + (t 8) L Fig. 7 O sinal y(t) pde ser express pr ma seqência infinita de rampas. Exempl 3.3: Cnsidere sinal x(t) da figra 6 (Exempl 3.), qe repetims abaix na figra 8 e impls transladad de a, (t a), ilstrad na figra 9. Fig. 8 O sinal x(t) d Exempl 3.. Fig. 9 O sinal impls transladad. Usand a eq. (3.3) tems abaix algns exempls d s da integral de cnvlçã para a =,5, a = e a =,5: 3 3 x(t) (t,5)dt = x(,5) = 0,5 x(t) (t,5)dt = x(,5) = 0,5 3 x(t) (t )dt = x() = x(t) (t,5)dt = 0 3

COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA

COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA COMPARAÇÃO DE CURVAS DE SOBREVIVÊNCIA O prblema de cmparaçã de distribuições de sbrevivências surge cm freqüência em estuds de sbrevivência. Pr exempl, pde ser de interesse cmparar dis trataments para

Leia mais

Aula 7. Séries de Fourier

Aula 7. Séries de Fourier Aula 7 Séries de Furier Análise de Furier (também hamada de Análise Harmónia), que diz respeit à representaçã de sinais m uma sma (u melhr dizend, uma mbinaçã linear) de sinais básis m sens e sens, u expneniais

Leia mais

LÓGICA FORMAL parte 2 QUANTIFICADORES, PREDICADOS E VALIDADE

LÓGICA FORMAL parte 2 QUANTIFICADORES, PREDICADOS E VALIDADE LÓGICA FORMAL parte 2 QUANTIFICADORES, PREDICADOS E VALIDADE Algumas sentenças nã pdem ser expressas apenas cm us de símbls prpsicinais, parênteses e cnectivs lógics exempl: a sentenç a Para td x, x >0

Leia mais

Tema: Estudo do Comportamento de Funções usando Cálculo Diferencial. Seja definida em um intervalo e sejam e pontos deste intervalo.

Tema: Estudo do Comportamento de Funções usando Cálculo Diferencial. Seja definida em um intervalo e sejam e pontos deste intervalo. Tema: Estud d Cmprtament de Funções usand Cálcul Diferencial Funções Crescentes, Decrescentes e Cnstantes Seja definida em um interval e sejam e pnts deste interval Entã: é crescente n interval se para

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 4. Questão 2. alternativa B. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 4. Questão 2. alternativa B. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questã TIPO DE PROVA: A Ds n aluns de uma escla, 0% têm 0% de descnt na mensalidade e 0% têm 0% de descnt na mesma mensalidade. Cas equivalente a esses descnts fsse distribuíd igualmente para cada um ds

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. alternativa E. alternativa A. ver comentário. alternativa E

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. alternativa E. alternativa A. ver comentário. alternativa E Questã TIPO DE PROVA: A N primeir semestre deste an, a prduçã de uma fábrica de aparelhs celulares aumentu, mês a mês, de uma quantidade fixa. Em janeir, fram prduzidas 8 000 unidades e em junh, 78 000.

Leia mais

Sinais Elementares e Operações Básicas

Sinais Elementares e Operações Básicas Exper. 2 Sinais Elementares e Operações Básicas Objetivo Esta prática descreve como utilizar o Matlab para representar e manipular alguns sinais elementares: Estudar os sinais elementares de tempo contínuo

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Questão 3. alternativa A. alternativa B. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 2. Questão 4. Questão 3. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã TIPO DE PROVA: A de dias decrrids para que a temperatura vlte a ser igual àquela d iníci das bservações é: A ser dividid pr 5, númer 4758 + 8a 5847 deixa rest. Um pssível valr d algarism a, das

Leia mais

SUPERFÍCIE E CURVA. F(x, y, z) = 0

SUPERFÍCIE E CURVA. F(x, y, z) = 0 SUPERFÍIE E URVA SUPERFÍIE E URVA As superfícies sã estudadas numa área chamada de Gemetria Diferencial, desta frma nã se dispõe até nível da Gemetria Analítica de base matemática para estabelecer cnceit

Leia mais

Exame: Matemática Nº Questões: 58 Duração: 120 minutos Alternativas por questão: 4 Ano: 2009

Exame: Matemática Nº Questões: 58 Duração: 120 minutos Alternativas por questão: 4 Ano: 2009 Eame: Matemática Nº Questões: 8 Duraçã: 0 minuts Alternativas pr questã: An: 009 INSTRUÇÕES. Preencha as suas respstas na FOLHA DE RESPOSTAS que lhe fi frnecida n iníci desta prva. Nã será aceite qualquer

Leia mais

Como Z constitui-se claramente a hipotenusa de um triângulo retângulo, tem-se

Como Z constitui-se claramente a hipotenusa de um triângulo retângulo, tem-se UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CENTRO DE TENOLOGIA DEPARTAMENTO DE TECNLOGIA MECÂNICA PROF. ANTONIO SERGIO NUMEROS COMPLEXOS Os númers cmplexs representam uma imprtante ferramenta em matemática. Um númer

Leia mais

As propriedades do gás estelar

As propriedades do gás estelar As prpriedades d gás estelar Estrelas sã massas gassas mantidas gravitacinalmente cm uma frma quase esférica e que apresentam prduçã própria de energia. A definiçã acima, além de nã ser a mais precisa

Leia mais

grau) é de nida por:

grau) é de nida por: CÁLCULO I Prf. Edilsn Neri Júnir Prf. André Almeida : Funções Elementares e Transfrmações n Grác de uma Funçã. Objetivs da Aula Denir perações cm funções; Apresentar algumas funções essenciais; Recnhecer,

Leia mais

III Olimpíada de Matemática do Grande ABC Primeira Fase Nível 2 (7ª ou 8ª Séries)

III Olimpíada de Matemática do Grande ABC Primeira Fase Nível 2 (7ª ou 8ª Séries) III Olimpíada de Matemática d Grande ABC Primeira Fase Nível (7ª u 8ª Séries). A perguntar a idade d prfessr, um alun recebeu d mesm a seguinte charada : Junts tems sete vezes a idade que vcê tinha quand

Leia mais

matemática 2 Questão 7

matemática 2 Questão 7 Questã TIPO DE PROVA: A Na figura, a diferença entre as áreas ds quadrads ABCD e EFGC é 56. Se BE =,a área d triângul CDE vale: a) 8,5 b) 0,5 c),5 d),5 e) 6,5 pr semana. Eventuais aulas de refrç sã pagas

Leia mais

O resultado dessa derivada é então f (2) = lim = lim

O resultado dessa derivada é então f (2) = lim = lim Tets de Cálcul Prf. Adelm R. de Jesus I. A NOÇÃO DE DERIVADA DE UMA FUNÇÃO EM UM PONTO Dada uma funçã yf() e um pnt pdems definir duas variações: a variaçã de, chamada, e a variaçã de y, chamada y. Tems

Leia mais

I, determine a matriz inversa de A. Como A 3 3 A = 2 I; fatorando o membro esquerdo dessa igualdade por A, temos a expressão

I, determine a matriz inversa de A. Como A 3 3 A = 2 I; fatorando o membro esquerdo dessa igualdade por A, temos a expressão VTB 008 ª ETAPA Sluçã Cmentada da Prva de Matemática 0 Em uma turma de aluns que estudam Gemetria, há 00 aluns Dentre estes, 0% fram aprvads pr média e s demais ficaram em recuperaçã Dentre s que ficaram

Leia mais

Caixas Ativas e Passivas. SKY 3000, SKY 2200, SKY 700, SKY 600 e NASH Áreas de Cobertura e Quantidade de Público

Caixas Ativas e Passivas. SKY 3000, SKY 2200, SKY 700, SKY 600 e NASH Áreas de Cobertura e Quantidade de Público Caixas Ativas e Passivas SKY 3000, SKY 00, SKY 700, SKY 600 e NASH 144 Áreas de Cbertura e Quantidade de Públic www.studir.cm.br Hmer Sette 18-07 - 01 A área cberta pelas caixas acima, em funçã d psicinament

Leia mais

Exercícios de Matemática Fatoração

Exercícios de Matemática Fatoração Eercícis de Matemática Fatraçã ) (Vunesp-00) Pr hipótese, cnsidere a = b Multiplique ambs s membrs pr a a = ab Subtraia de ambs s membrs b a - b = ab - b Fatre s terms de ambs s membrs (a+(a- = b(a- Simplifique

Leia mais

CIRCUITO SÉRIE/PARALELO Prof. Antonio Sergio-D.E.E-CEAR-UFPB.

CIRCUITO SÉRIE/PARALELO Prof. Antonio Sergio-D.E.E-CEAR-UFPB. CIRCUITO SÉRIE/PARALELO Prf. Antni Sergi-D.E.E-CEAR-UFPB. Os circuit reativs sã classificads, assim cm s resistivs, em a) Circuits série. b) Circuits paralel c) Circuit série-paralel. Em qualquer cas acima,

Leia mais

Diagramas líquido-vapor

Diagramas líquido-vapor Diagramas líquid-vapr ara uma sluçã líquida cntend 2 cmpnentes vláteis que bedecem (pel mens em primeira aprximaçã) a lei de Rault, e prtant cnsiderada cm uma sluçã ideal, a pressã de vapr () em equilíbri

Leia mais

XXXIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

XXXIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO XXXIII OLIMPÍD RSILEIR DE MTEMÁTI PRIMEIR FSE NÍVEL (Ensin Médi) GRITO GRITO NÍVEL ) 6) ) D 6) D ) ) 7) D ) 7) D ) D ) 8) ) 8) D ) ) 9) ) 9) ) D ) E 0) D ) D 0) E ) E ada questã da Primeira Fase vale pnt.

Leia mais

C 01. Introdução. Cada cateto recebe o complemento de oposto ou adjacente dependendo do ângulo de referência da seguinte forma: Apostila ITA.

C 01. Introdução. Cada cateto recebe o complemento de oposto ou adjacente dependendo do ângulo de referência da seguinte forma: Apostila ITA. IME ITA Apstila ITA Intrduçã C 0 A trignmetria é um assunt que vei se desenvlvend a lng da história, nã tend uma rigem precisa. A palavra trignmetria fi criada em 595 pel matemátic alemã arthlmaus Pitiscus

Leia mais

4.2 - DESCRIÇÃO DA COMUTAÇÃO. Seja o Retificador trifásico de ponto médio (Fig. 4.1)

4.2 - DESCRIÇÃO DA COMUTAÇÃO. Seja o Retificador trifásico de ponto médio (Fig. 4.1) Cap. 4 Estd da Ctaçã 80 CAPÍTULO 4 ESTUDO DA COMUTAÇÃO 4.1 NTRODUÇÃO Capítls anterires as fntes de tensã fra cnsideradas ideais, Fntes Reais psse ipedância interna (nflência na peraçã estrtras). Origens:

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA RESOLUÇÃO

MATEMÁTICA APLICADA RESOLUÇÃO GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E 3/0/06 As grandezas P, T e V sã tais que P é diretamente prprcinal a T e inversamente prprcinal a V Se T aumentar 0% e V diminuir 0%, determine a variaçã

Leia mais

Aula 03 Modelização de Sistemas

Aula 03 Modelização de Sistemas Aula 03 Mdelizaçã de Sistemas Mdelizaçã de Sistemas entrada (input) saída (utput) carr / massa / mla Mdelizaçã de Sistemas carr / massa / mla Mdelizaçã de Sistemas carr / massa / mla frça aplicada deslcament

Leia mais

Comunicado Cetip n 091/ de setembro de 2013

Comunicado Cetip n 091/ de setembro de 2013 Cmunicad Cetip n 091/2013 26 de setembr de 2013 Assunt: Aprimrament da Metdlgia da Taxa DI. O diretr-presidente da CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS infrma que, em cntinuidade às alterações infrmadas n Cmunicad

Leia mais

CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA 3 IUITOS DE OENTE TEND 3. INTODUÇÃO O estud de circuits de crrente alternada (..) é sbremd imprtante dad que a grande mairia das instalações elétricas utiliza este tip de circuits. Inicia-se desenvlviment

Leia mais

Osciladores lineares contínuos

Osciladores lineares contínuos Osciladores lineares contínos Apontamentos da Disciplina de Dinâmica e Engenharia Sísmica Mestrado em Engenharia de Estrtras Institto Sperior Técnico ís Gerreiro Março de 1999 Osciladores ineares Contínos

Leia mais

Circuitos de Corrente Alternada I

Circuitos de Corrente Alternada I Institut de Física de Sã Carls Labratóri de Eletricidade e Magnetism: Circuits de Crrente Alternada I Circuits de Crrente Alternada I Nesta prática, estudarems circuits de crrente alternada e intrduzirems

Leia mais

Mais problemas resolvidos! Atrito e força centrípeta:

Mais problemas resolvidos! Atrito e força centrípeta: Mais prblemas reslvids! Atrit e frça centrípeta: Prblema 04. a figura a lad, um prc brincalhã escrrega em uma ο rampa cm uma inclinaçã de 35 e leva dbr d temp que levaria se nã huvesse atrit. Qual é ceficiente

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Questão 3. alternativa C. alternativa D

Questão 2. Questão 1. Questão 3. alternativa C. alternativa D NOTAÇÕES C: cnjunt ds númers cmplexs. Q: cnjunt ds númers racinais. R: cnjunt ds númers reais. Z: cnjunt ds númers inteirs. N {0,,,,...}. N {,,,...}. i: unidade imaginária; i. z x + iy, x, y R. z: cnjugad

Leia mais

CAPÍTULO VIII. Análise de Circuitos RL e RC

CAPÍTULO VIII. Análise de Circuitos RL e RC CAPÍTUO VIII Análise de Circuits e 8.1 Intrduçã Neste capítul serã estudads alguns circuits simples que utilizam elements armazenadres. Primeiramente, serã analisads s circuits (que pssuem apenas um resistr

Leia mais

Gestão de Mão-de-Obra

Gestão de Mão-de-Obra Gestã de Mã-de-Obra Prdut : Micrsiga Prtheus Manutençã de Ativs Versã 10 Chamad : SCUNZM Data da criaçã : 18/08/10 Data da revisã : 08/09/10 País(es) : Brasil Banc de Dads : Tds FNC : 000000191782010 Aplicabilidade

Leia mais

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1 OBMEP Nível 3 ª Fase Sluções QUESTÃO. Quincas Brba uniu quatr blcs retangulares de madeira, cada um cm 4 cm de cmpriment, cm de largura e cm de altura, frmand bjet mstrad na figura. A) Qual é vlume deste

Leia mais

Esta aula nos dará conhecimento para análise e determinação do calor produzido ou absorvido em uma reação química.

Esta aula nos dará conhecimento para análise e determinação do calor produzido ou absorvido em uma reação química. Aula: 07 emática: ermquímica Esta aula ns dará cnheciment para análise e determinaçã d calr prduzid u absrvid em uma reaçã química. A termquímica é a investigaçã d calr prduzid u cnsumid nas reações químicas.

Leia mais

L = R AULA 8 - TRIGONOMETRIA TRIGONOMETRIA NA CIRCUNFERÊNCIA TRIÂNGULO RETÂNGULO. sen. cos a b. sen. cos a tg b tg. sen cos 90 sen cos 1 tg tg.

L = R AULA 8 - TRIGONOMETRIA TRIGONOMETRIA NA CIRCUNFERÊNCIA TRIÂNGULO RETÂNGULO. sen. cos a b. sen. cos a tg b tg. sen cos 90 sen cos 1 tg tg. AULA 8 - TRIGONOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO TRIGONOMETRIA NA CIRCUNFERÊNCIA COMO MEDIR UM ARCO CATETO OPOSTO sen HIPOTENUSA. cs tg CATETO ADJACENTE HIPOTENUSA CATETO OPOSTO CATETO ADJACENTE Medir um arc

Leia mais

Aula 02 Álgebra Complexa

Aula 02 Álgebra Complexa Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician Aula 02 Álgebra Cmplexa 1. Númers Cmplexs Intrduçã Circuits CC smas algébricas de tensões e

Leia mais

Lista de exercícios Conceitos Fundamentais

Lista de exercícios Conceitos Fundamentais Curs: Engenharia Industrial Elétrica Disciplina: Análise Dinâmica Prfessr: Lissandr Lista de exercícis Cnceits Fundamentais 1) Em um circuit trifásic balancead a tensã V ab é 173 0 V. Determine tdas as

Leia mais

Halliday & Resnick Fundamentos de Física

Halliday & Resnick Fundamentos de Física Halliday & Resnick Fundaments de Física Mecânica Vlume 1 www.grupgen.cm.br http://gen-i.grupgen.cm.br O GEN Grup Editrial Nacinal reúne as editras Guanabara Kgan, Sants, Rca, AC Farmacêutica, LTC, Frense,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

Rescisão Complementar

Rescisão Complementar Rescisã Cmplementar Cm gerar rescisã cmplementar n sistema? N menu Móduls\ Rescisã\ Rescisã Cmplementar estã dispníveis as rtinas que permitem cálcul da rescisã cmplementar. É pssível calcular cmplementar

Leia mais

Em geometria, são usados símbolos e termos que devemos nos familiarizar:

Em geometria, são usados símbolos e termos que devemos nos familiarizar: IFS - ampus Sã Jsé Área de Refrigeraçã e ndicinament de r Prf. Gilsn ELEENTS E GEETRI Gemetria significa (em greg) medida de terra; ge = terra e metria = medida. nss redr estams cercads de frmas gemétricas,

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. APOSTILA DE Álgebra Linear. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. APOSTILA DE Álgebra Linear. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE Álgebra Linear Realizaçã: Frtaleza, Fevereir/21 Sumári 1. Matrizes... 3 1.1. Operações cm matrizes... 4 1.2.

Leia mais

UFSC. Matemática (Amarela) 21) Resposta: 14. Comentário e resolução. 01. Incorreta. Como 1 rd 57 o, então 10 rd 570 o. f(x) = sen x.

UFSC. Matemática (Amarela) 21) Resposta: 14. Comentário e resolução. 01. Incorreta. Como 1 rd 57 o, então 10 rd 570 o. f(x) = sen x. UFSC Matemática (Amarela) ) Respsta: 4 Cmentári e resluçã 0. Incrreta. Cm rd 7, entã 0 rd 70. f(x) = sen x f(0) = sen (0) f(0) = sen (70 ) f(0) = sen (0 ) f(0) < 0 0. Crreta. Gráfics de f(x) = x e g(x)

Leia mais

Halliday & Resnick Fundamentos de Física

Halliday & Resnick Fundamentos de Física Halliday & Resnick Fundaments de Física Mecânica Vlume 1 www.grupgen.cm.br http://gen-i.grupgen.cm.br O GEN Grup Editrial Nacinal reúne as editras Guanabara Kgan, Sants, Rca, AC Farmacêutica, LTC, Frense,

Leia mais

Análise de Circuitos em Regime Forçado Sinusoidal

Análise de Circuitos em Regime Forçado Sinusoidal Teria ds Circuits e Fundaments de Electrónica Análise de Circuits em egime Frçad Sinusidal Teresa endes de Almeida TeresaAlmeida@ist.utl.pt DEEC Área Científica de Electrónica T..Almeida ST-DEEC- ACElectrónica

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B Questã 1 Uma pesquisa de mercad sbre determinad eletrdméstic mstru que 7% ds entrevistads preferem a marca X, 40% preferem a marca Y, 0% preferem a marca Z, 5% preferem X e Y, 8% preferem Y e Z, % preferem

Leia mais

1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura. 1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura

1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura. 1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA A área de um triângul é dada

Leia mais

MATEMÁTICA 10º A T 2

MATEMÁTICA 10º A T 2 Escola Secndária lfredo Reis Silveira no lectivo 008/009 MTEMÁTIC 0º T Ficha de Trabalho Eqação Vectorial e redzida de ma recta Eqação Vectorial da Recta Dado m ponto e m vector não nlo, podemos definir

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos II (parte 13)

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos II (parte 13) Ntas de aula prática de Mecânica ds Sls II (parte ) Héli Marcs Fernandes Viana Cnteúd da aula prática xercíci relacinad a cálcul d empux ativ pel métd de Rankine, qual é causad pr um sl granular (u arens)

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO À REALIZAÇÃO DE INVESTIGAÇÕES NA AULA DE MATEMÁTICA: APROXIMAÇÃO DO TRABALHO DOS ALUNOS AO TRABALHO DOS MATEMÁTICOS

BREVE INTRODUÇÃO À REALIZAÇÃO DE INVESTIGAÇÕES NA AULA DE MATEMÁTICA: APROXIMAÇÃO DO TRABALHO DOS ALUNOS AO TRABALHO DOS MATEMÁTICOS BREVE INTRODUÇÃO À REALIZAÇÃO DE INVESTIGAÇÕES NA AULA DE MATEMÁTICA: APROXIMAÇÃO DO TRABALHO DOS ALUNOS AO TRABALHO DOS MATEMÁTICOS MARIA HELENA CUNHA Área Científica de Matemática - Escla Superir de

Leia mais

Matemática A. Versão 1. Na sua folha de respostas, indique de forma legível a versão do teste. Teste Intermédio de Matemática A.

Matemática A. Versão 1. Na sua folha de respostas, indique de forma legível a versão do teste. Teste Intermédio de Matemática A. Teste Intermédio de Matemática A Versão Teste Intermédio Matemática A Versão Dração do Teste: 90 mintos 9.0.0.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Na sa folha de respostas, indiqe

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA nesp UIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Institt de Biciências, Letras e Ciências Exatas DEPARTAMETO DE CIÊCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Ra Cristóvã Clmb, 65 5054-000 Sã Jsé d Ri Pret SP Brasil Telefne: (07)

Leia mais

As várias interpretações dos Números Racionais

As várias interpretações dos Números Racionais As várias interpretações ds Númers Racinais (Algumas das tarefas apresentadas a seguir fram retiradas u adaptadas da Tese de Dutrament de Maria Jsé Ferreira da Silva, cuj text se encntra n seguinte endereç:

Leia mais

XXVIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 2 (7 a. e 8 a. Ensino Fundamental) GABARITO

XXVIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 2 (7 a. e 8 a. Ensino Fundamental) GABARITO GABARITO NÍVEL XXVIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL (7 a. e 8 a. Ensin Fundamental) GABARITO ) D 6) A ) D 6) C ) C ) C 7) C ) C 7) B ) E ) C 8) A ) E 8) C ) D 4) A 9) B 4) C 9)

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R.

ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GRAFICOS DE x E R. ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS GAFICOS DE E. Vims cm cnstruir e utilizar s gráfics de cntrle. Agra vams estudar sua capacidade de detectar perturbações n prcess. GÁFICO de Em um julgament, veredict final será

Leia mais

Introdução às Redes e Serviços de Telecomunicações

Introdução às Redes e Serviços de Telecomunicações Capítul 1 Intrduçã às Redes e Serviçs de Telecmunicações 1.1 Intrduçã Neste capítul apresenta-se a resluçã de alguns prblemas e prpõem-se alguns exercícis adicinais referentes à matéria d capítul 1 de

Leia mais

BRDE AOCP 2012. 01. Complete o elemento faltante, considerando a sequência a seguir: 1 2 4 8? 32 64 (A) 26 (B) 12 (C) 20 (D) 16 (E) 34.

BRDE AOCP 2012. 01. Complete o elemento faltante, considerando a sequência a seguir: 1 2 4 8? 32 64 (A) 26 (B) 12 (C) 20 (D) 16 (E) 34. BRDE AOCP 01 01. Cmplete element faltante, cnsiderand a sequência a seguir: (A) 6 (B) 1 (C) 0 (D) 16 (E) 4 Resluçã: 1 4 8? 64 Observe que, td númer subsequente é dbr d númer anterir: 1 4 8 16 4 8 16 64...

Leia mais

QUESTÕES DE ÁREAS DE CÍRCULOS E SUAS PARTES

QUESTÕES DE ÁREAS DE CÍRCULOS E SUAS PARTES QUESTÕES DE ÁREAS DE CÍRCULOS E SUAS PARTES 1. (Unicamp 015) A figura abaix exibe um círcul de rai r que tangencia internamente um setr circular de rai R e ângul central θ. a) Para θ 60, determine a razã

Leia mais

Cálculo Aplicado à Engenharia Elétrica 2 o Semestre de 2013 Prof. Maurício Fabbri. 1 a Série de Exercícios Números complexos

Cálculo Aplicado à Engenharia Elétrica 2 o Semestre de 2013 Prof. Maurício Fabbri. 1 a Série de Exercícios Números complexos Cálcul Aplicad à Engenharia Elétrica Semestre de 013 Prf. Mauríci Fabbri 1 a Série de Exercícis Númers cmplexs 00-13 NÚMEROS COMPLEXOS - DEFINIÇÃO O PLANO COMPLEXO FORMAS RETANGULAR E POLAR 1. Esbce s

Leia mais

Por bloco, entenda-se a unidade, e por peça, um bloco ou conjunto de blocos.

Por bloco, entenda-se a unidade, e por peça, um bloco ou conjunto de blocos. Resum das Regras: Nta: Este resum nã dispensa a cnsulta d restante Manual, nde se encntram figuras e descrições detalhadas. Preparaçã: dividind tabuleir em quatr quadrantes simétrics, preencha cada quadrante

Leia mais

A INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL NA EMPRESA. Documento n.8. Capítulo II

A INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL NA EMPRESA. Documento n.8. Capítulo II N O R M A, S.A.R.L. Sciedade de Estuds para Desenvlviment de Empresas A NVESTGAÇÃO OPERACONAL NA EMPRESA Dcument n.8 1 N D C E Capítul ESTUDO ELEMENTAR DE ALGUNS MODELOS E TÉCNCAS UTLZADAS UA NVESTGAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO ONDLANE Deartament de Engenharia Ciil EORIA DAS ESRUURAS Exercícis Reslids (étd das rças). Para a estrtra reresentada na figra, calcle as reacções de ai e trace s diagramas de esfrçs.

Leia mais

UFSC. Matemática (Amarela)

UFSC. Matemática (Amarela) Respsta da UFSC: 0 + 0 + 08 = Respsta d Energia: 0 + 08 = 09 Resluçã 0. Crreta. 0. Crreta. C x x + y = 80 y = 80 x y y = x + 3 30 x + 3 30 = 80 x x = 80 3 30 x = 90 6 5 x = 73 45 8 N x z 6 MN // BC segue

Leia mais

Aula 03 Circuitos CA

Aula 03 Circuitos CA Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician 1. Elements de Circuits n dmíni de Fasres Intrduçã Para cmpreender a respsta de dispsitivs básics

Leia mais

o contraste é significativo ao nível

o contraste é significativo ao nível Rteir de Aula 8 Experimentaçã Ztécnica 25/04/2017 Teste de Tukey O prcediment para aplicaçã d teste é seguinte: Pass 1. Calcula-se valr de Pass 2. Calculam-se tdas as estimativas de cntrastes entre duas

Leia mais

III Olimpíada de Matemática do Grande ABC Primeira Fase Nível 1 (5ª ou 6ª Séries)

III Olimpíada de Matemática do Grande ABC Primeira Fase Nível 1 (5ª ou 6ª Séries) III Olimpíada de Matemática d Grande ABC Primeira Fase Nível 1 (5ª u ª Séries) 1. Jã ganha uma mesada, que crrespnde a dis terçs da mesada d seu irmã. Cm a mesada de seu irmã é pssível cmprar 5 srvetes

Leia mais

Gestão Administrativa 3 COMUNICAÇÃO DE INVENTÁRIOS

Gestão Administrativa 3 COMUNICAÇÃO DE INVENTÁRIOS Gestã Administrativa 3 COMUNICAÇÃO DE INVENTÁRIOS 1. Intrduçã Aprvad a 25 de nvembr de 2014, nv rçament de estad para 2015 vem cmplementar cm uma nva regra a Decret-Lei nº 198/2012 (cmunicaçã de guias/faturas),

Leia mais

Modulação Angular por Sinais Digitais

Modulação Angular por Sinais Digitais Mdulaçã Angular pr Sinais Digitais Cm n cas da mdulaçã em amplitude, também para a mdulaçã angular se desenvlveu uma nmenclatura especial quand se trata de sinais digitais na entrada. N cas da mdulaçã

Leia mais

Estudo do efeito de sistemas de forças concorrentes.

Estudo do efeito de sistemas de forças concorrentes. Universidade Federal de Alagas Faculdade de Arquitetura e Urbanism Curs de Arquitetura e Urbanism Disciplina: Fundaments para a Análise Estrutural Códig: AURB006 Turma: A Períd Letiv: 2007 2007-2 Prfessr:

Leia mais

Estrutura de Repetição

Estrutura de Repetição Estrutura de Repetiçã 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue pedind até que usuári infrme um valr válid. 2. Faça um prgrama que leia um

Leia mais

Aula 06 Análise no domínio do tempo Parte I Sistemas de 1ª ordem

Aula 06 Análise no domínio do tempo Parte I Sistemas de 1ª ordem Aula 06 Análise n dmíni d temp Parte I Sistemas de 1ª rdem input S utput Sistemas de primeira rdem Sistema de primeira rdem d tip a G(s) bs + c input a bs + c utput Sistemas de primeira rdem u seja: Y(s)

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

I-6 Sistemas e Resposta em Frequência. Comunicações (6 de Dezembro de 2012)

I-6 Sistemas e Resposta em Frequência. Comunicações (6 de Dezembro de 2012) I-6 Sistemas e Resposta em Frequência (6 de Dezembro de 2012) Sumário 1. A função especial delta-dirac 2. Sistemas 3. Resposta impulsional e resposta em frequência 4. Tipos de filtragem 5. Associação de

Leia mais

Matemática 1ª série Ensino Médio v. 3

Matemática 1ª série Ensino Médio v. 3 Matemática ª série Ensin Médi v. Eercícis 0) a),76 0 tg 7 tg 0,57 9,7 0 0) 6, cm e 9, cm tg 0 0,89,7670 6 5 cm b) 9,06 8 cm 6 sen 6 8 tg 6 a 5 0,889 8 9,060 cm c) 6,88 5 6,050 a 5 a 0,55 cm tg a 0,69 0,

Leia mais

Aula 2: Vetores tratamento algébrico

Aula 2: Vetores tratamento algébrico Ala : Vetores tratamento algébrico Vetores no R e no R Decomposição de etores no plano ( R ) Dados dois etores e não colineares então qalqer etor pode ser decomposto nas direções de e. O problema é determinar

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Aula 05 Transformadas de Laplace

Aula 05 Transformadas de Laplace Aula 05 Transformadas de Laplace Pierre Simon Laplace (1749-1827) As Transformadas de Laplace apresentam uma representação de sinais no domínio da frequência em função de uma variável s que é um número

Leia mais

10. Escreva um programa que leia um texto e duas palavras e substitua todas as ocorrências da primeira palavra com a segunda palavra.

10. Escreva um programa que leia um texto e duas palavras e substitua todas as ocorrências da primeira palavra com a segunda palavra. Lista de Exercícis: Vetres, Matrizes, Strings, Pnteirs e Alcaçã Obs: Tdas as questões devem ser implementadas usand funções, pnteirs e alcaçã 1. Faça um prgrama que leia um valr n e crie dinamicamente

Leia mais

Composição de movimentos. P(x,y) y(t) x(t) descoberta de Galileu

Composição de movimentos. P(x,y) y(t) x(t) descoberta de Galileu Composição de movimentos P(,) (t) O (t) X descoberta de Galile Uma grande parte da discssão qe sege visa o caso particlar em qe temos m movimento nma direção X e otro na direção Y, e no qal o qe acontece

Leia mais

Cartografia e Geoprocessamento Parte 2. Projeção Cartográfica

Cartografia e Geoprocessamento Parte 2. Projeção Cartográfica Cartgrafia e Geprcessament Parte 2 Prjeçã Cartgráfica Recapituland... Geide; Datum: Planimétrics e Altimétrics; Tpcêntrics e Gecêntrics. Data ficiais ds países; N Brasil: Córreg Alegre, SAD69 e SIRGAS

Leia mais

UML. Diagrama de Classes de Projeto e Diagrama de Objetos Análise e Projeto de Software. Profª. Cibele da Rosa Christ

UML. Diagrama de Classes de Projeto e Diagrama de Objetos Análise e Projeto de Software. Profª. Cibele da Rosa Christ UML Diagrama de Classes de Prjet e Diagrama de Objets Análise e Prjet de Sftware Prfª. Cibele da Rsa Christ cibele@senacrs.cm.br SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos?

Os antigos gregos acreditavam que quanto maior fosse a massa de um corpo, menos tempo ele gastaria na queda. Será que os gregos estavam certos? Lançament vertical e queda livre Se sltarms a mesm temp e da mesma altura duas esferas de chumb, uma pesand 1 kg e utra kg, qual delas chegará primeir a chã? Os antigs gregs acreditavam que quant mair

Leia mais

j^qbjžqf`^=^mif`^a^=

j^qbjžqf`^=^mif`^a^= j^qbjžqf`^^mif`^a^ N Walter tinha dinheir na pupança e distribuiu uma parte as três filhs A mais velh deu / d que tinha na pupança D que sbru, deu /4 a filh d mei A mais nv deu / d que restu ^ Que prcentagem

Leia mais

Parte I O teste tem uma parte de resposta múltipla (Parte I) e uma parte de resolução livre (Parte II)

Parte I O teste tem uma parte de resposta múltipla (Parte I) e uma parte de resolução livre (Parte II) Instituto Superior Técnico Sinais e Sistemas o teste 4 de Novembro de 0 Nome: Número: Duração da prova: horas Parte I O teste tem uma parte de resposta múltipla (Parte I) e uma parte de resolução livre

Leia mais

MATEMÁTICA 1 o Ano Duds

MATEMÁTICA 1 o Ano Duds MATEMÁTICA 1 An Duds 1. (Ufsm 011) A figura a seguir apresenta delta d ri Jacuí, situad na regiã metrplitana de Prt Alegre. Nele se encntra parque estadual Delta d Jacuí, imprtante parque de preservaçã

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor ( MATEMÁTICA - Gabarit Grups I e J a QUESTÃO: (,0 pnts) Avaliadr Revisr A figura abaix exibe gráfic de uma funçã y = f (x) definida n interval [-6,+6]. O gráfic de f passa pels pnts seguintes: (-6,-),(-4,0),

Leia mais

PROVA DE FÍSICA MÓDULO III DO PISM (triênio )

PROVA DE FÍSICA MÓDULO III DO PISM (triênio ) QUESTÕES OBJETIVAS PROVA DE FÍSICA MÓDULO III DO PISM (triêni 2004-2006) Use, se necessári: cnstante de Planck, h = 6,63x10-34 J.s; carga d elétrn, q = 1,60x10-19 C; cnstante eletrstática, k = 9x10 9 N.M

Leia mais

Análise de Sinais. (Notas em Sinais e Sistemas) J. A. M. Felippe de Souza

Análise de Sinais. (Notas em Sinais e Sistemas) J. A. M. Felippe de Souza Análise de Sinais (Ntas em Sinais e Sistemas) J. A. M. Felippe de Suza Análise de Sinais (Ntas em Sinais e Sistemas) J. A. M. Felippe de Suza - Sinais cntínus e discrets 3 - Energia e Ptência de Sinais

Leia mais

4.1 Representação em PU

4.1 Representação em PU UIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Análise de Sistemas Elétrics de Ptência 1 4.1 Representaçã em PU P r f. F l á v i V a n d e r s n G m e s E - m a i l : f l a v i. g m e s @ u f j f. e d u. b r E E

Leia mais

Aula 8 Vetores e Ponteiros

Aula 8 Vetores e Ponteiros Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 8 Vetres e Pnteirs 1. Intrduçã Cm já vims, variáveis sã abstrações

Leia mais

I-6 Sistemas e Resposta em Frequência

I-6 Sistemas e Resposta em Frequência I-6 Sistemas e Resposta em Frequência Comunicações 1 Sumário 1. A função especial delta-dirac 2. Sistemas 3. Resposta impulsional e resposta em frequência 4. Tipos de filtragem 5. Associação de sistemas

Leia mais

Equações paramétricas das cônicas

Equações paramétricas das cônicas Aula 1 Equações paramétricas das cônicas Ao estudarmos as retas no plano, vimos que a reta r que passa por dois pontos distintos P 1 = x 1, y 1 ) e P = x, y ) é dada pelas seguintes equações paramétricas:

Leia mais

VOLUMES: - Folha Informativa -

VOLUMES: - Folha Informativa - VOLUMES: - Flha Infrmativa - Para medir vlume de qualquer figura tridimensinal é necessári medir espaç que ela cupa. Assim, ter-se-á que esclher uma unidade de vlume que, pr cnveniência, pderá ser um cub

Leia mais

INTRODUÇÃO E A PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

INTRODUÇÃO E A PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 INTRODUÇÃO E A PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS INTRODUÇÃO Os livrs de cálcul cstumam cnter um capítul u um apêndice dedicad a eplicações de fats básics da matemática e que, em geral, sã abrdads n Ensin

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

Catálogo de Aplicações. Catálogo de Aplicaciones

Catálogo de Aplicações. Catálogo de Aplicaciones Índice AUDI CHERY CITROËN FIAT EFFA FORD GENERAL MOTORS GURGEL HONDA HYUNDAI JAC KIA MAZDA MITSUBISHI NISSAN PEUGEOT RENAULT SEAT SUZUKI TOYOTA TROLLER VOLKSWAGEN RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 01 01 01 01 01

Leia mais