Novas Forças de Atração nas Grandes Cidades *

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Novas Forças de Atração nas Grandes Cidades *"

Transcrição

1 Novas Forças de Atração nas Grandes Cdades * Cro Bderman ** Resumo Este artgo procura explcar a atual desconcentração dos servços nas grandes áreas urbanas e o movmento paralelo de concentração para os servços produtvos. Os resultados ndcam que a proxmdade dos clentes como motvo de localzação dos servços nas grandes cdades vem perdendo a sua mportânca. No entanto, outros elementos de atração, como a maor densdade de trabalhadores especalzados, permanecem relevantes para a atração de frmas às grandes aglomerações urbanas. Verfca-se também que os ganhos decorrentes da concentração de outros trabalhadores no mesmo setor de atvdade (servços produtvos) são maores do que os decorrentes da presença de trabalhadores de outros setores. Fnalmente, verfca-se que os ganhos de escala da ndústra de transformação dmnuíram na década de 80. Palavras-chave: Retornos de escala, servços produtvos, ndústra de transformação, concentração populaconal, decsão de localzação. Ths artcle attempts to explan the current decentralzaton of manufacturng n bg urban areas and the paralell movement of concentraton n busness servces. The results ndcate that clents proxmty s not a good explanatory varable to the decson of busness servces frms. Nevertheless other elements of atracton such as the densty of hgh skll workers s stll relevant to frms attracton to bg urban areas. On the other hand, the return to scale from the presence of workers n the same ndustry (busness servces) are bgger than the ones from the presence of worker n other ndustres. Fnaly we observe that returns to scale n the manufacturng had dmshed durng the 80 s. Keywords: Returns to scale, busness servces, manufacturng, populaconal concentraton, locaton decson. Área de classfcação da ANPEC: Área 05 - Economa Regonal e Economa Agrícola Códgo da classfcação do JEL: R00 * Gostara de agradecer os comentáros de Afonso Arnos, Ed Glaeser, Jed Kolko, Rcardo Paes de Barros e Bll Wheaton. Valem as nsenções de praxe. ** Pesqusador assocado do MIT, Cebrap e CEM. Professor da EASP-FGV e Ibmec.

2 Será que os avanços da tecnologa da nformação tendem a tornar as cdades obsoletas? Esta questão que pode parecer um pouco extremsta é defendda por alguns autores, notadamente Peter Drucker. A argumentação é que com os avanços da tecnologa da nformação, os contactos pessoas, cara-a-cara, não serão mas necessáros. Sendo assm, as pessoas não terão mas motvos para se aglomerar em grandes centros urbanos. De fato, a teora econômca prevê que, num mundo em que o custo de transporte é zero, não havera motvo para as pessoas se concentrarem num mesmo lugar. Um fato que podera evdencar a perda de dnamsmo das grandes cdades é a mgração das manufaturas para as cdades médas. Na verdade, a dmnução relatva da população economcamente atva na ndústra de transformação vem ocorrendo para o Brasl como um todo. No entanto, o processo é mas ntenso nas regões metropoltanas, notadamente na Grande São Paulo. A Regão Metropoltana de São Paulo (RMSP) está alterando a sua característca de grande metrópole ndustral, frmada na década de 50 para se tornar mas e mas uma metrópole de servços. Em 1977, a RMSP concentrava 46% da sua população economcamente atva no setor secundáro 1 contra 23% para o Brasl como um todo ou 27% para as demas regões urbanas 2. Nenhuma regão metropoltana apresentava tamanha concentração 3. Em 1999, a concentração da força de trabalho na Grande São Paulo em atvdades secundáras dmnuu para 26%, lgeramente acma da concentração das demas áreas urbanas do país (22%) e semelhante às regões metropoltanas mas ndustralzadas (Curtba 26% e Porto Alegre 27%) 4. Por outro lado, enquanto a força de trabalho na ndústra saía das grandes cdades para as cdades médas, os servços produtvos 5 aumentavam a sobre-representação nas metrópoles. Em 1977, as metrópoles concentravam 8% da força de trabalho neste ramo dos servços, enquanto as demas áreas urbanas do país concentravam 5%. Em 1999, a concentração dos servços produtvos nas metrópoles avança para 10% da população economcamente atva, enquanto o percentual nas demas regões metropoltanas permanece nalterado 6. Na RMSP esta concentração aumentou de 9% para 12%. Portanto, o movmento observado para os servços produtvos é o oposto do que se verfca para o setor secundáro. Assm, a "sobrevvênca" das regões metropoltanas está ntmamente lgada a sua capacdade de atrar as empresas de servço, sobretudo o ramo nobre desta atvdade, os servços produtvos 7. Para entender porque as empresas se localzam em uma regão e não em outra deve-se antes de tudo compreender porque exstem aglomerações. Como é conhecdo, as aglomerações populaconas só ocorrem devdo a alguma forma de economas de escala. Na verdade, os motvos econômcos para a exstênca de aglomerações já havam sdo elencados há mas de 100 anos por Alfred Marshal (1896). Em um centro ndustral, as 1 O setor secundáro nclu, além da ndústra de transformação, a construção cvl e os servços ndustras de utldade públca. 2 Tabulação própra a partr dos mcro-dados da PNAD de A regão metropoltana mas ndustralzada da época, Curtba, concentrava 35% da sua força de trabalho no setor secundáro. 4 Tabulação própra a partr dos mcro-dados da PNAD de Defndos como os servços técnco-profssonas e os servços de apoo á produção. 6 Tabulação própra a partr dos mcro-dados das PNADs de 1977 e Para uma lstagem das atvdades ncluídas nesta classe vde apêndce.

3 frmas economzam em transporte pos estão mas próxmas dos fornecedores de nsumos ntermedáros (especalmente os não-comercáves ) e dos seus clentes. Por outro lado, trabalhadores especalzados dmnuem o rsco de desemprego num grande centro se os choques de oferta entre as frmas não forem correlaconados. Fnalmente, como por suposto a nformação flu mas faclmente localmente do que através de grandes dstâncas, um centro ndustral gera o que se chama technologcal spllover, ou seja, a crculação da tecnologa. Este artgo procura justamente aplcar estas déas que explcam a concentração da ndústra nos grandes centros, verfcada no passado, para explcar a sua atual desconcentração e o movmento paralelo de contração para os servços produtvos. Em prncípo, dever-se-a testar os ganhos de escala dos servços produtvos decorrentes de. proxmdade dos clentes,. proxmdade dos fornecedores,. acesso a mão-de-obra especalzada e v. acesso aos avanços tecnológcos. Em prncípo, pelo menos um destes ganhos deve ter aumentado nos últmos vnte anos para que faça sentdo econômco o aumento da concentração destes setores. Em paralelo, deve-se observar uma dmnução destes ganhos para as atvdades ndustras. Para entender porque as cdades conseguem (ou não) atrar as empresas de servços produtvos é mportante, antes de mas nada, compreender porque este setor está sobrerepresentado nas grandes cdades. Neste artgo, examnam-se duas hpóteses alternatvas para explcar este fenômeno. A prmera é que os servços se localzam nas grandes cdades devdo ao custo de transporte. A maora dos servços requer uma nteração cara-a-cara com seus clentes. Portanto, o custo de entrega efetva dos servços é nfluencado pelo custo de deslocamento. Além do mas, como os servços produtvos apresentam um grau de nteração elevado, a tendênca à co-aglomeração também é alta. Uma segunda explcação sera que as grandes cdades concentram a mão-de-obra especalzada que os servços produtvos necesstam. Se os trabalhadores são aversos ao rsco, eles preferem se concentrar nas grandes cdades para dmnur a probabldade de desemprego. Este artgo está dvddo em 3 seções além desta. Na próxma seção apresenta-se uma descrção da dstrbução das atvdades em função do tamanho da regão. A seção segunte nca a análse empírca utlzando os dados do censo e da matrz nsumoproduto de Na últma seção, a varação das forças de aglomeração entre 1980 e 1991 é analsada. Os resultados ndcam que a proxmdade dos clentes como motvo de localzação dos servços nas grandes cdades vem perdendo a sua mportânca. No entanto, outros elementos de atração, como a maor densdade de trabalhadores especalzados, permanecem relevantes para a atração de frmas às grandes aglomerações urbanas.verfca-se também que os ganhos decorrentes da concentração de outros trabalhadores no mesmo setor de atvdade (servços produtvos) são maores do que os decorrentes da presença de trabalhadores de outros setores. Além do que, verfca-se que os ganhos de escala da ndústra de transformação dmnuíram na década de 80.

4 O Setor de Servços e a Dstrbução das Atvdades e Ocupações da População nas Mcro-regões Brasleras A força de trabalho não se dvde unformemente nas mcro-regões. Por exemplo, as regões metropoltanas e as mcro-regões com mas de 200 ml habtantes concentram mas população na ndústra de transformação do que as mcro-regões menores. Os servços produtvos apresentam uma dstrbução anda mas concentrada (relatvamente): 9% da PEA não agrícola 8 se concentra neste tpo de servço nas regões metropoltanas, contra 6% concentrados na mcro-regões com mas de 500 ml habtantes. Como se pode notar na Tabela 1, a partcpação de servços produtvos é dretamente proporconal à população da mcro-regão. Se não consderarmos as mcro-regões com menos de 50 ml habtantes, a partcpação dos servços pessoas (entre 17% e 19%) e de outros servços (entre 40% e 42%) é bem parecda em todas as mcro-regões. Tabela 1: Dstrbução da PEA em Atvdades Urbana por Classes Seleconadas (1991) Regão Indústra de Transforma ção Servços Produtvos Servços Pessoas Servços Dstrbutvos, Socas e Governo Outros* Regões Metropoltanas 20% 9% 18% 40% 14% mas de 500 ml habtantes 19% 6% 17% 42% 16% 200 a 500 ml habtantes 19% 5% 18% 41% 17% 100 a 200 ml habtantes 15% 5% 19% 42% 19% 50 a 100 ml habtantes 15% 4% 19% 42% 20% menos de 50 ml habtantes 13% 4% 16% 45% 23% Méda Brasl 19% 7% 18% 41% 16% * Extratva Mneral, Construção, Utldades Públca Fonte: Tabulação própra a partr dos dados do Censo Demográfco de 1991 (Ibge). Na realdade, a concentração de servços produtvos nas grandes cdades, em especal nas regões metropoltanas, não é um fenômeno novo. Note-se na Tabela 2 que a concentração desta classe de atvdades pratcamente não se alterou entre 1980 e As mudanças sgnfcatvas na década de 80 ocorreram nos setores agrícolas, ndústra de transformação e em servços socas, dstrbutvos e admnstração públca. Enquanto os dos prmeros perderam partcpação, respectvamente, de 30% para 23% e de 16% para 15%, o últmo aumentou sua partcpação na força de trabalho de 26% para 31%. Tabela 2: Dstrbução da PEA em Atvdades Urbana por Classes Seleconadas (1980) Regão* Indústra de Servços Transformação Produtvos Servços Pessoas Servços Dstrbutvos, Socas e Governo Outros** 8 As tabulações são apresentadas consderando-se a PEA em atvdades agrícolas ou extratvas vegetas (Tabelas 1 e 3) e retrando-se esta população (Tabelas 2 e 4). Como a população agrícola no Brasl é elvada para padrões nternaconas, a nclusão ou não desta população afeta consderavelmente. Prncpalmente se consderarmos que as mcro-regões com menos de 100 ml habtantes têm cerca de 50% da sua PEA total em atvdades agrícolas contra 12% das mcro-regões com mas de 500 ml habtantes e 3% das regões metropoltanas. Para defnção das classes de atvdade vde apêndce.

5 Regões Metropoltanas 25% 9% 16% 35% 15% mas de 500 ml habtantes 22% 6% 16% 38% 18% 200 a 500 ml habtantes 22% 5% 16% 37% 19% 100 a 200 ml habtantes 17% 5% 18% 39% 21% 50 a 100 ml habtantes 19% 5% 18% 38% 21% menos de 50 ml habtantes 16% 3% 16% 42% 22% Méda Brasl 23% 7% 17% 36% 17% *Não nclu Mato Grosso; **Extratva Mneral, Construção, Utldades Públca Fonte: Tabulação própra a partr dos dados do Censo Demográfco de 1980 (Ibge). A força de trabalho nas regões metropoltanas tem crescdo a uma taxa parecda com a méda naconal, assm como as mcro-regões médas (de 100 ml a 500 ml habtantes) têm crescdo a uma taxa parecda com a méda naconal. O mesmo não se pode dzer das mcro-regões mas populosas não localzadas em regões metropoltanas. As mcroregões com mas de 500 ml habtantes têm crescdo a uma taxa muto superor à méda naconal (3,6% contra 2,4%). O oposto ocorre com as mcro-regões pequenas que vem perdendo população em termos relatvos. Tabela 3: Taxa Geométrca de Crescmento Anual da PEA ( ) para classes de atvdade seleconadas Regão* Indústra de Transfor mação Servços Produtvos Servços Pessoas Servços Outros** Total da Dstrbutvos, PEA Socas e Governo Regões Metropoltanas 0.4% 2.5% 3.0% 3.4% 1.5% 2.3% mas de 500 ml habtantes 2.9% 4.9% 4.9% 5.3% 3.1% 3.6% 200 a 500 ml habtantes 2.6% 4.0% 4.9% 5.0% 3.1% 2.3% 100 a 200 ml habtantes 3.5% 3.6% 4.9% 5.0% 3.4% 2.2% 50 a 100 ml habtantes 2.2% 3.3% 5.0% 5.5% 4.0% 1.9% menos de 50 ml habtantes 2.6% 4.7% 5.1% 6.6% 4.2% 1.5% Méda Brasl 1.6% 3.2% 4.0% 4.4% 2.5% 2.4% *Não nclu Mato Grosso; **Extratva Mneral, Construção, Utldades Públca Fonte: Tabulação própra a partr dos dados do Censo Demográfco de 1980 e 1991 (Ibge). Um outro fato notável na Tabela 3 é que os setores de servços produtvos cresceram a uma taxa abaxo da méda nas regões metropoltanas, anda que tenha crescdo a uma taxa acma da méda nas grandes regões 9. Além do que, cresceram a uma taxa nferor a dos servços pessoas tanto para o país como um todo como para os grupos de regão. A exceção ocorre nas mcro-regões com mas de 500 ml habtantes onde se verfcou o maor crescmento do emprego nos servços produtvos, a uma taxa vrtualmente gual a dos servços pessoas. Outro fato notável é que a ndústra de transformação tem se dreconado para as mcro-regões médas, entre 100 e 200 ml habtantes. Para este grupo, a PEA na ndústra de transformação cresceu 3,5% ao ano no período, acma de qualquer outro grupo e mas do que o dobro da taxa verfcada para o Brasl. Este movmento pode ajudar a explcar o alto crescmento das cdades médas mplícto nos dados prelmnares do Censo de Não se consderou Mato Grosso nas tabelas de 1980 ou nas tabelas em que se compara 1991 com 1980 devdo à grande dfculdades em compatblzar a dvsão geográfca de 1980 com a de 1991 neste estado. Esta tarefa não fo trval para os outros estados, mas se demonstrou nvável para o estado do Mato Grosso.

6 Estes dados são razoavelmente coerentes com os observados para a economa norteamercana, com uma dferença crucal: o aumento da força de trabalho nos servços produtvos fo maor do que a verfcada para os servços pessoas 10. No entanto, os demas dados são bem parecdos, anda que aparentemente a mudança seja mas radcal nos Estados Undos. Por exemplo, a força de trabalho na ndústra amercana vem cando, e não crescendo a taxas nferores do que a méda. Por outro lado, o crescmento dos setores de servços produtvos fo mas ntenso nas regões metropoltanas com menos de 2,5 mlhões de habtantes 11. O fato que a ndústra vem dmnundo a sua partcpação no emprego e mgrando para regões menores é verfcado pratcamente em todos os países. Como a partcpação da ndústra na produção não tem se alterado, provavelmente está se verfcando aumentos de produtvdade na ndústra contra uma produtvdade relatvamente constante dos servços. A questão que se coloca é para onde está mgrando esta força de trabalho que não tem mas postos na ndústra. Enquanto nos EUA ela tem mgrado para os servços produtvos, no Brasl outros servços é que têm absorvdo esta população (enquanto na Europa notou-se um aumento do desemprego). Esta dferença não é rrelevante, na medda em que os servços produtvos, va de regra, apresentam maor qualfcação e, portanto, maores saláros. Independente do problema dscutdo no parágrafo anteror, o fato é que os servços produtvos estão relatvamente mas concentrados nas regões metropoltanas e nas maores mcro-regões do país. Anda que a alteração verfcada na década de 80 para as regões metropoltanas esteja abaxo da méda, o maor crescmento deste grupo deu-se justamente nas maores mcro-regões. Além do mas, os dados das PNADs ndcam que a maor concentração da força de trabalho em servços produtvos nas regões metropoltanas vs a vs às demas regões urbanas aumentou anda mas nos anos 90. É mportante destacar que não se trata de um problema de medda devdo à maor dvsão do trabalho nas grandes cdades (o que podera nduzr a uma substtução na provsão de servços domestcamente por frmas ndependentes). Na Tabela 4 apresenta-se a dstrbução da força de trabalho ao longo das ocupações. Quanto menor a regão, maor a porcentagem de trabalhadores em ocupações genércas em detrmento a trabalhadores em ocupações específcas. Um detalhe mportante da concentração setoral é a dferença entre o que se denomna ganhos de aglomeração e ganhos de urbanzação. Enquanto o prmero refere-se a ganhos de escala devdo à presença de outras frmas guas, o segundo refere-se ao ganho de escala decorrente da presença de frmas do setor em geral. Ellson e Glaeser (1997) mostram que os ganhos de urbanzação para os servços são maores do que para a 10 A ndústra de transformação (manufacturng) dmnuu sua força de trabalho em 0,4% entre 1977 e Os servços produtvos (busness servces) aumentaram a sua força de trabalho em 4,9% contra 4,4% para os servços pessoas (consumer servces). Com sto, a partcpação dos servços produtvos na força de trabalho amercana aumentou de 13,6% para 21,5%. Vde Kolko (2000). 11 É um pouco dfícl comparar as dvsões regonas com os dados brasleros pos nos EUA exste um número muto grande de regões metropoltanas (MSA). Em prncípo as maores MSAs (com mas de 2,5 mlhões de habtantes) equvalem às nossa regões metropoltanas (RM). Para este grupo a força de trabalho em servços produtvos aumentou 4,5% contra 5,3% nas MSAs com população entre 1 e 2,5 mlhões de habtantes.

7 ndústra de transformação. No entanto, os ganhos de aglomeração são maores para as manufaturas. Se sto vale para o Brasl é uma questão que foge ao escopo desta tese 12. Tabela 4: Dstrbução da Força de Trabalho por Grandes Grupos Ocupaconas (1991) Regão Empregadores Mando Subalternos Manuas Outros* Regões Metropoltanas 3.5% 9.6% 27.0% 47.9% 12.1% mas de 500 ml habtantes 3.2% 7.3% 23.4% 46.1% 20.1% 200 a 500 ml habtantes 2.5% 3.9% 15.0% 36.0% 42.6% 100 a 200 ml habtantes 2.2% 3.1% 13.1% 32.3% 49.3% 50 a 100 ml habtantes 1.9% 2.4% 11.0% 29.0% 55.8% menos de 50 ml habtantes 1.7% 2.5% 11.4% 26.9% 57.5% Méda Brasl 2.9% 6.2% 19.8% 40.5% 30.6% * Inclu trabalhadores ruras Fonte: Tabulação própra a partr dos dados do Censo Demográfco de 1991 (Ibge). A teora urbana convenconal prevê que setores com alto custo de transporte devem se localzar próxmo dos seus consumdores. O problema é que, em geral, defne-se servços justamente como os setores que não têm produtos físcos. Acontece que a maora dos servços exge um contacto pessoal e, portanto, o custo de transporte é o do própro ofertante (ou do clente para o local de prestação do servço) e não do produto 13. Assm, o relevante para os servços em geral é estar próxmo aos seus consumdores mas do que estar próxmos a empresas dêntcas 14. Na verdade, as razões teórcas para explcar porque os servços produtvos estão sobrerepresentados nas regões metropoltanas é semelhante às razões geralmente ctadas para a ndústra no níco do processo de urbanzação. A razão mas fundamental é que as empresas do setor de servços, além de servr outros setores, também servem o própro setor. Este racocíno crcular formalzado por Krugman (1991 e 1995) para explcar a concentração ndustral no nordeste dos Estados Undos após a revolução ndustral, generalzado em Fujta, Krugman e Mor (1999), também se aplca para o setor de servços produtvos. Em termos empírcos, este argumento sugere que a tendênca do setor de servços de se localzar em grandes cdades devera estar correlaconada com a parcela dos seus produtos ndo para outros servços (os backward lnkages de Hrshman) assm como a parcela de seus nsumos provenente de outros servços ( forward lnkages ). Exstem, no entanto, outros motvos mas específcos que poderam justfcar a concentração de servços produtvos nas grandes cdades. Um deles é que uma grande parte da demanda por servços produtvos provém das sedes das empresas e as sedes das empresas concentram-se nas grandes cdades. Um outro motvo específco do setor refere-se ao fato dos servços serem mas trabalho-ntensvo do que as ndústras. Além do que, a mão-de-obra trabalhando em servços produtvos apresenta em méda mas anos 12 A grande dfculdade é o cálculo do índce de dstrbução de plantas de Herfndahl. 13 O custo do transporte nclu o custo pecunáro e o tempo de vagem. Isto porque em geral o servço mplca no transporte físco do própro ofertante. Se o produto do servço pode ser entregue va correo, telefone ou nternet, faz parte do custo a perda de qualdade decorrente. 14 É este o argumento de Km (1995) para justfcar grandes economas de urbanzação para os servços em detrmento de economas de aglomeração.

8 de estudo do que a mão-de-obra da ndústra. Portanto, exstem duas fontes relevantes de economa para os servços produtvos se localzarem em grandes cdades. Em prmero lugar, se os choques de demanda sobre as empresas não são perfetamente correlaconados, um trabalhador averso ao rsco acetara um saláro menor em uma grande cdade já que a probabldade de fcar desempregado sera menor. Além do que, devdo à maor concentração nas grandes cdades de unversdades e empresas de alta tecnologa, as empresas de servços produtvos, localzando-se em grandes cdades, estaram próxmas da mão-de-obra que elas demandam. Fnalmente, um motvo para a maor presença de trabalhadores especalzados em grandes cdades estara relaconada às amendades ofertadas por estas cdades como cnemas, museus, etc 15. Assm, a concentração de servços produtvos nas grandes cdades justfca-se em dversos termos. No entanto, resta saber se esta tendênca deve se manter ou não. Os arautos da era da nformação, como Peter Drucker 16, sustentam que os avanços na tecnologa da nformação podem afetar a decsão de localzação das empresas tanto va dmnução no custo de transporte como através da nfluênca sobre algumas das vantagens de custo das cdades dscutdas acma. Que os avanços tecnológcos recentes dmnuíram o custo de transmssão de nformação é ndscutível. No entanto, até que ponto estes avanços de fato são relevantes é uma questão bem dferente. De qualquer manera, é fato que alguns servços não requerem mas o contato pessoal. Os servços bancáros, por exemplo, em geral não necesstam de uma pessoa do outro lado do balcão. Quase todos os servços são atualmente ofertados nos bancos 24 horas ou na nternet; conselhos médcos podem ser obtdos dretamente em stes especalzados; uma campanha publctára pode ser envada rapdamente para locas a mlhares de qulômetros de dstânca. Na teora, esta redução de custos devera dmnur a tendênca dos servços em se conglomerar nas grandes cdades. Um outro argumento para redução da vantagem locaconal decorrente dos avanços na tecnologa da nformação é que a necessdade de nteração pessoal dentro de uma empresa podera dmnur. Assm, o trabalhador não precsara vver na mesma cdade que a empresa. O servço podera ser prestado de qualquer parte do globo. O rsco de desemprego sera o mesmo em qualquer cdade já que o mercado de trabalho sera global. Não sera mas necessáro ter, por exemplo, uma boa gama de cnemas já que qualquer flme podera ser vsto a qualquer hora na tela do seu computador. Ou seja, nesta socedade utópca em que não há mas necessdade de nterações pessoas, as vantagens econômcas das cdades desapareceram por completo. Exste, no entanto, uma lnha de argumentação oposta. Dgamos que a comuncação por va remota (fax, telefone, nternet, etc.) seja complementar e não substtuta da nteração cara-a-cara. Neste caso, uma dmnução no custo de transmssão da nformação por va 15 Na verdade estas amendades podem ser anuladas pelos custos de aglomeração (congestonamentos, polução etc.) dscutdos mas adante nesta tese. Kahn (1995) mostra que os saláros tendem a ser maores nas cdades consderadas de baxa qualdade de vda. 16 Anda que este seja o tema de pratcamente todos os textos do autor, um bom apanhado das suas déas com aplcação para as cdades pode ser encontrada no seu artgo do Wall Street Journal de 4 de abrl de 1989 nttulado Informaton and the Future of Cty onde o autor argumenta que as cdades tendem a desaparecer.

9 remota podera aumentar e não dmnur a necessdade de nteração pessoal. É exatamente este o argumento de Gaspar e Glaeser (1998). Por exemplo, pessoas procurando parceros na nternet cram uma necessdade de encontro pessoal que não exstra se não houvesse este servço. Anda que o exemplo seja bzarro, ele lustra uma complementardade entre comuncação vrtual e real que de fato pode ocorrer. No entanto, é dfícl encontrar evdêncas deste efeto. Uma possível evdênca sera o fato de que as vagens nternaconas e nterestaduas têm aumentado a taxas crescentes. Wheaton (1996) apresenta evdêncas da mportânca das nterações pessoas na venda de móves, enquanto Saxenan (1994) mostra a mportânca da proxmdade para empresas de alta tecnologa. No entanto, evdêncas mas geras são extremamente dfíces de se obter. De qualquer manera, em termos teórcos, o resultado do avanço tecnológco sobre as vantagens das (grandes) cdades é ambíguo. Um últmo ponto controverso é com relação à ndependênca do setor de servços. Alguns autores defendem que os servços são meras atvdades auxlares das atvdades ndustras. Esta concepção tem séras conseqüêncas sobre decsões de polítca ndustral. Se o setor de servço é apenas auxlar do setor de manufaturas, não faz muto sentdo para o governo nvestr em setores de servço para ncentvar o crescmento de uma regão. Ao contráro da questão dscutda anterormente, de cunho altamente teórco, esta questão é essencalmente empírca. Análse Empírca Nesta seção procura-se testar o poder de atração dos servços produtvos em relação à ndústra de transformação. Em outras palavras, o objetvo é estmar o peso do custo dos transportes e das vantagens de custo/produtvdade que contrbuem para a urbanzação dos servços. Além dsto, estma-se a varação deste peso. Se as teses que acredtam que os ganhos de urbanzação tendem a se esvar estverem corretas, este peso deve estar dmnundo com o tempo. Idealmente gostaríamos de ter estmatvas do custo de transporte para cada setor. Na prátca, estes dados não exstem para o Brasl para nenhum setor e, que seja do meu conhecmento, nenhum país possu esta estmatva para o setor de servços 17. Assm, a mportânca do custo de transporte para um determnado setor de atvdade pode ser estmada examnando-se a localzação de uma determnada ndústra vs a vs seus clentes e fornecedores. Para se testar o papel do custo de transporte na decsão de localzação das frmas, necessta-se de índces que permtam nferr tas custos. A estratéga adotada fo especfcar o emprego relatvo da ndústra na regão em função de (1) presença local de fornecedores desta ndústra; (2) presença local de clentes desta ndústra; (3) presença local de trabalhadores de uma dada ocupação e (4) a densdade populaconal da mcroregão 18. A especfcação, portanto, é dada por: 17 Nos EUA o Censo dos Transporte reporta o custo de transporte para as manufaturas relatvo ao valor do produto. Além de não nclur dados sobre o custo de transporte nos servços, esta nformação é endógena à decsão de localzação da frma. 18 Esta especfcação é semelhante a adotada por Dumas, Ellson e Glaeser (1997) para analsar a localzação da ndústra.

10 emp =, (1) x, α + δzx + β1 fx, + β2cx, + β3ox + ε x Onde emp x, é um ndíce relatvo de emprego, z x é o logartmo natural da densdade da mcro-regão x, f x, e c x, são, respectvamente, índces de presença de fornecedores e consumdores para a ndústra na regão x e o x é um índce de presença de trabalhadores em ocupações smlares na regão. Mas formalmente, as varáves foram defndas como: c f x, x, e e x, empx, (2) e0, ex,0 m j j j, e e m, j * p p 0, z x, j j j e e x, j 0, j x,0 e e x,0 e e x,0 (3) (4) ox, z o ox (5) o e Onde as varáves (e suas fontes) são 19 : e x, : população economcamente atva na mcro-regão x na atvdade estmada a partr dos mcro-dados da amostra do censo; e 0, : população economcamente atva no setor em todas as regões; e x,0 : população economcamente atva na regão x em todos os setores; e: população economcamente atva no Brasl; m j : undades de nsumos produzdos pelo setor usados para produzr uma undade do produto j (coefcente técnco ntersetoral) ponderado pela estrutura das atvdades que o produzem estmados a partr da matrz de nsumo-produto (MIP); p : produção do setor estmado a partr da MIP. o x,z : população total na ocupação z na regão x o: população com ocupação declarada no Brasl Como se pode observar, todas as varáves defndas acma são normalzadas em função da méda do país. Esta normalzação mplca que a méda destas varáves, ponderada pelo emprego na regão, para cada ndústra é 1, o que é equvalente a nclur efetos fxos para a ndústra quando os setores são emplhados. No entanto, quando se emplham os setores desta manera, a varável de densdade e a varável de ocupação devem ser repetdas para cada ndústra, logo os erros devem ser correlaconados entre as mcroregões. Para corrgr este efeto, a estmação dos desvos nclu a análse de cluster por mcro-regão. 19 As atvdade foram agregadas para que se garantsse a compatbldade entre os dados do censo e da MIP.

11 Note-se também que a defnção das varáves é relatva. A varável emprego, por exemplo, ndca a proporção do emprego numa dada atvdade na regão em questão em relação à proporção naconal. Assm, se o emprego no setor fnancero em São Paulo for 10% da PEA da regão, mas este setor representa 4% da PEA naconalmente, o índce para São Paulo será 2,5. A especfcação (1) descreve como as empresas decdem sua localzação em equlíbro geral. As varáves para os fornecedores, consumdores e trabalhadores são endógenas no sentdo que os fornecedores, consumdores e trabalhadores da ndústra podem escolher a sua localzação em função da localzação da ndústra. Portanto o modelo descreve um equlíbro geral ao nvés de um equlíbro parcal que respondera à questão de como mudara o emprego na ndústra dada uma mudança exógena na presença de fornecedores, consumdores ou trabalhadores. Uma outra característca mportante da especfcação adotada é que, mplctamente, os custos de transporte aparecem duas vezes. A presença de consumdores afeta a decsão de localzação da empresa pos nflu trvalmente no custo de transporte: se o produto fabrcado pela empresa apresenta custo de transporte maor que zero, um aumento de dstânca do mercado consumdor aumenta o custo fnal do produto. Ou seja, o coefcente sobre o índce de presença de consumdores reflete o custo de transporte dos produtos da própra empresa. A nfluênca da presença de fornecedores no custo de transporte é menos óbva. Isto porque o coefcente reflete uma méda (ponderada) do custo de transporte de todas as empresas. Assm, se o custo de transporte de uma dada frma car para zero, a presença de consumdores não deve mas nfluencar a decsão de localzação da frma. No entanto, apenas se o custo de transporte de todas as frmas car para zero, a presença de fornecedores dexa de ter mportânca. As Tabelas 5 e 6 apresentam os resultados para os 3 servços produtvos emplhados. Na prmera coluna apresenta-se uma regressão smples do emprego nas 3 ndústras em função do logartmo da densdade. A nterpretação ntutva do coefcente sobre a densdade populaconal é que, dobrando a densdade populaconal, a partcpação méda dos servços produtvos devera aumentar em 0,695 vezes a méda de partcpação destes setores na economa naconal. Como os servços produtvos como grupo representa cerca de 5% do emprego do país, dobrando a densdade de uma mcro-regão levara a um aumento de cerca de 3,5% na partcpação dos servços produtvos na economa local. Uma parcela desta relação pode ser explcada pelo custo de transporte. Quando se adcona a presença de fornecedores e consumdores o coefcente ca cerca de 10%. O coefcente estmado para a presença de consumdores é nexplcavelmente negatvo. Isto pode sgnfcar que o custo de transporte para o clente não é sgnfcatvo para o setor de servços produtvos. Como dscutdo na prmera seção, exstem algumas razões para que o custo de transporte se relacone com a urbanzação dos servços produtvos. Um dos argumentos mportantes é o de co-aglomeração : como os setores de servços produtvos servem uns aos outros, eles se localzam próxmos uns aos outros. Para testar esta hpótese, a varável de consumdores e de fornecedores é decomposta em duas novas varáves: fornecedores e clentes de outras ndústras e fornecedores e clentes do setor de servços produtvos. Como contrafactual para o setor de servços foram seleconadas as atvdades extratvas, a

12 ndústra de transformação e a admnstração públca. Em prncípo, estes setores podem ter sua localzação defnda exogenamente devdo a recursos naturas, razões hstórcas, etc. Quando se nclum os setores não servço (coluna 3 da Tabela 5) o efeto sobre o coefcente da densdade é muto pequeno. Os coefcentes das varáves também não são muto sgnfcatvos. Tabela 5: Efeto do Custo de Transporte sobre a Concentração de Servços Produtvos (1991) Varável dependente:partcpação relatva do emprego em Servços Produtvos log(densdade populaconal) (1) (2) (3) (4) (5) (.056) (.066) (.057) (.071) (.068) Presença de consumdores Presença de fornecedores (.123) (.891) Presença de consumdores em setores não-servço (.247) (.307) Presença de fornecedores em setores não-servço (.742) (.846) Presença de consumdores em setores de servços produtvos Presença de fornecedores em setores de servços produtvos Constante (.956) ( 1.358) ( 2.720) ( 2.372) (.103) (.076) (.096) (.071) (.083) R N Regressão para os 3 servços especalzados emplhados. Dados ponderados por emprego na mcroregão; desvo padrão em parênteses corrgdo para presença de clusters (mcro-regões). Fonte: Calculado a partr dos mcro-dados do Censo Demográfco de 1991 e Matrz Insumo Produto de 1991 (Ibge). Na coluna 4 da Tabela 5 nclu-se a presença de consumdores e fornecedores apenas do setor de servços produtvos. Nesta especfcação os coefcentes de custo de transporte são postvos e sgnfcatvos. Além do que, o coefcente da densdade ca mas anda do que quando se utlza a presença de todos os consumdores e fornecedores. Quando se nclum tanto os consumdores e fornecedores dos setores não-servço como os consumdores e fornecedores do setor servços produtvos, o coefcente do segundo grupo de varáves permanece sgnfcatvamente postvo, enquanto o coefcente dos setores não servço torna-se sgnfcatvamente negatvo. Portanto, o resultado é coerente

13 com o argumento de co-aglomeração: os setores de servço localzam-se preferencalmente próxmos uns aos outros. Na Tabela 6 apresenta-se o resultado da nfluênca da presença de trabalhadores smlares sobre a concentração do setor de servços. Nas colunas (1) a (4) adcona-se uma ocupação por vez 20. Analsadas ndvdualmente, todos os coefcentes são postvos e sgnfcatvos. Além do mas, a adção de qualquer um dos termos dmnu consderavelmente o coefcente da densdade populaconal. O maor efeto se verfca justamente na ocupação que tem a maor partcpação relatva nos servços produtvos: as funções de mando. Quando se adcona esta varável, o coefcente da densdade populaconal ca para um décmo do valor orgnal tornando-se nsgnfcante a 95%. Quando se adconam todas as varáves de ocupação ao mesmo tempo, a varável de presença de trabalhadores em funções manuas (que têm baxa partcpação relatva nos servços produtvos) torna-se negatva. Quando se retra esta varável, a presença de empregados em ocupações subalternas torna-se nsgnfcante. Portanto, os resultados são coerentes com a teora da presença de trabalhadores como motvo de aglomeração. Além do que, este motvo parece ter mas poder explcatvo do que o motvo custo de transporte. 20 As ocupações foram classfcadas utlzando-se ncalmente a classfcação de Valle (1992). A segur, as 18 classes de Nelson do Vale foram agregadas em 5 classes. O apêndce detalha um pouco mas a classfcação.

14 Tabela 6: Efeto da Presença de Trabalhadores em Ocupações Smlares sobre a Concentração de Servços Produtvos (1991) Varável dependente: partcpação relatva do emprego em Servços Produtvos log(densdade populaconal) (1) (2) (3) (4) (5) (6) (.055) (.045) (.094) (.099) (.041) (.041) Presença de consumdores Presença de fornecedores (.101) (.116) (.135) (.137) (.100) (.535) (.518) (.703) (.730) (.445) Presença de consumdores em setores de servços produtvos Presença de fornecedores em setores de servços produtvos (.383) ( 1.266) Presença relatva de empregadores (.057) (.062) (.056) Presença relatva de empregados em função de mando Presença relatva de empregados em funções subalternas Presença relatva de empregados em funções manuas Constante (.053) (.155) (.165) (.095) (.217) (.227) (.149) (.114) (.104) (.076) (.093) (.237) (.147) (.162) R N Regressão para os 3 servços especalzados emplhados. Dados ponderados por emprego na mcroregão; desvo padrão em parênteses corrgdo para presença de clusters (mcro-regões). Fonte: Censo Demográfco de 1991 e Matrz Insumo Produto de 1991 (Ibge). Varação ao Longo do Tempo Nesta seção fnal, a varação da urbanzação dos servços é analsada. Também se comparam os resultados para os setores de servços produtvos com os resultados para os setores da ndústra de transformação. A Tabela 7 apresenta os resultados da regressão (1) para os servços produtvos e para a ndústra de transformação em 1980 e Os resultados da coluna (1) e (2) dferem dos resultados das colunas (1) e (2) da Tabela 5,

15 pos o estado do Mato Grosso fo elmnado e algumas mcro-regões tveram de ser agregadas 21 para manter a compatbldade entre 80 e 91. Se compararmos as colunas (2) e (4) na Tabela 7, podemos notar que a mportânca da presença de consumdores para a urbanzação dos servços cau consderavelmente entre 1980 e Em 1980 a presença de consumdores potencas na regão explcava boa parte da localzação de servços produtvos no local, enquanto a presença de fornecedores não tnha nenhum poder explcatvo 22. Em 1991 esta stuação se nverte. Isto sgnfca que a presença de consumdores, que era um dos grandes motvos para as empresas dos servços produtvos se nstalarem numa regão em 1980, já não explca esta decsão de localzação. Este resultado é coerente com as teoras de que os avanços na tecnologa de nformação vêm dmnundo os custos de transporte para os servços. Lembre-se que a dmnução da mportânca da presença de consumdores mplca numa dmnução no custo de transporte da empresa sendo analsada, enquanto para que a presença de fornecedores dexe de ter mportânca sera necessáro uma dmnução no custo de transporte de todas as empresas. As colunas (5) a (8) repetem o exercíco para os 18 setores de atvdade da ndústra de transformação. Para este setor, ambos os coefcentes (consumdores e fornecedores) são sgnfcatvamente postvos e aumentaram razoavelmente com o tempo. Isto sgnfca que nem o custo de transporte das empresas do setor nem o custo das empresas em geral dmnuíram na década. Por outro lado, o R 2 é extremamente baxo, ndcando que o modelo não tem muto poder explcatvo. Baseando-se apenas no R 2, seríamos tentados a afrmar que o custo de transporte nfluenca mas na decsão da localzação da empresas de servços produtvos do que nas empresas da ndústra de transformação. Esta afrmação, no entanto, é um pouco prematura baseada apenas nos dados apresentados. Uma outra evdênca parcal desta assertva é que a magntude do coefcente relevante para o custo de transporte (consumdores em 1980 e fornecedores em 1991) é sempre bem maor do que o coefcente observado para a ndústra. 21 Procurou-se, sempre que possível, manter a dvsão de mcro-regões de 1991 para Devdo ao grande número de dvsões muncpas ao longo da década, nfelzmente não fo possível manter este expedente. Assm, as 558 mcro-regões de 1991 foram reduzdas para 528 quando se comparou com os dados de O coefcente negatvo observado para esta varável deve-se ao efeto muto elevado da outra varável. Numa regressão (para os dados de 1980) em que apenas se nclu a presença de consumdores o coefcente é postvo porém não sgnfcatvo com 95% de confança.

16 Tabela 7: Efetos da Varação no Custo de Transporte sobre a Concentração nos Servços Produtvos e na Indústra de Transformação (1980 e 1991) Varável dependente: partcpação Servços Produtvos Indústra de Transformação relatva do emprego (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) log(densdade populaconal) (0.030)(0.034)(0.023)(0.032)(0.035)(0.029)(0.046)(0.043) presença de consumdores (0.055) (0.429) (0.093) (0.099) presença de fornecedores (0.389) (0.040) (0.112) (0.113) Constante (0.117) (0.108) (0.081)(0.083) (0.132) (0.124)(0.169) (0.160) R N Regressão para os 3 setores de atvdade em servços especalzados ou para os 18 setores de atvdade da Indústra de Transformação emplhados. Dados ponderados por emprego na mcro-regão; desvo padrão em parênteses corrgdo para presença de clusters (mcro-regões). Fonte: Calculado a partr dos dados do Censo Demográfco de 1980 e 1991 e Matrz Insumo Produto de 1991 (Ibge). Para nvestgar melhor a varação da mportânca do custo de transportes na decsão de localzação das empresas de servços produtvos, defne-se uma nova especfcação para o modelo. Tomando-se a defnção ncal em (1) para 1991 e subtrando-se a mesma equação para 1980 temos que: emp emp = α α + δ z δ z + β x, x, x x 1 x, 1 x, 2 x, 2 x, x, x, Onde os subscrtos ndcam o ano ao qual a varável se refere. Adconando-se e subtrando-se β f β c δ z temos que: 1 x,, x, x,, x, 91 x, = α + δ zx, + δ ) 80 x f x, β f + β c x, β emp ( z + β f + β f + β c + β c + ε (6) x, 2 c 80 2 x, Ou seja, se regredrmos a varação do índce de emprego relatva como função da varação em cada uma das varáves e o nível ncal, teremos uma estmatva da varação do coefcente no tempo. Quer dzer, o coefcente no nível ncal (1980) ndca a varação do coefcente no tempo. Como se pode observar, o coefcente em nível da presença de consumdores é negatvo enquanto o coefcente da presença de fornecedores é postvo, o que é coerente com os resultados anterores. No entanto, nenhum destes coefcentes é sgnfcatvo, ndcando que a varação no custo de transportes não teve mpacto consderável na decsão de localzação dos setores de servços produtvos. Estamos partcularmente nteressados em verfcar o efeto sobre as regões metropoltanas. A Tabela 9 apresenta os resultados da regressão (1) para as 42 mcro- + ε ε x,

17 regões localzadas nas 9 regões metropoltanas brasleras 23 mas a mcro-regão do Dstrto Federal em 1980 e Como se pode observar, o resultado é semelhante ao observado para o país como um todo, anda que os coefcentes em 1980 não sejam sgnfcatvos 24. A dmnução no coefcente da densdade é também menor do que o observado para o país como um todo. Tabela 8: Varação na Localzação dos Servços Produtvos (1980 e 1991) Varável dependente:varação da Coefcente da Varação na Coefcente do nível da varável partcpação relatva do varável ndependente emprego ndependente em 1980 log(densdade populaconal) (0.080) (0.015) presença de consumdores (0.156) (0.669) presença de fornecedores (0.730) (0.752) Constante (0.063) R N 1584 Regressão para os 3 setores de atvdade em servços produtvos emplhados. Dados ponderados por emprego na mcro-regão; desvo padrão em parênteses corrgdo para presença de clusters (mcroregões). Fonte: Calculado a partr dos dados do Censo Demográfco de 1980 e 1991 e Matrz Insumo Produto de 1991 (Ibge). Estes resultados, em certa medda, contrastam com os resultados obtdos por Kolko (2000) para os Estados Undos. O que se nota na Amérca do Norte é uma dmnução generalzada no custo de transporte para o setor de servços produtvos. Os nossos resultados não são conclusvos neste sentdo já que se nota uma dmnução no custo de transporte para a entrega dos servços para o clente, porém um aumento na mportânca do custo de transporte no que se refere aos fornecedores. Além do que, nos Estados Undos, a relevânca do custo de transporte para os produtos ndustras é nequvocamente nferor à mportânca para os servços, o que não se pode afrmar para o Brasl com segurança. 23 Belém, Fortaleza, Recfe Salvador, Belo Horzonte, Ro de Janero, São Paulo, Curtba e Porto Alegre. 24 Um problema é que a amostra é muto pequena. Sendo assm, o desvo padrão elevado pode ser apenas um efeto da amostra e não um resultado efetvo.

18 Tabela 9: Efetos da Varação no Custo de Transporte sobre a Concentração nos Servços Produtvos nas 10 Regões Metropoltanas (1980 e 1991) Varável dependente:varação da partcpação relatva do emprego em servços produtvos (1) (2) (3) (4) log(densdade populaconal) (0.066) (0.069) (0.038) (0.040) presença de consumdores (0.130) (0.440) presença de fornecedores (0.645) (0.079) Constante (0.471) (0.457) (0.305) (0.312) R N Regressão para os 3 setores de atvdade em servços produtvos emplhados. Dados ponderados por emprego na mcro-regão; desvo padrão em parênteses corrgdo para presença de clusters (mcroregões). Fonte: Calculado a partr dos dados do Censo Demográfco de 1980 e 1991 e Matrz Insumo Produto de 1991 (Ibge). As dferenças nos resultados podem ter dversas orgens. Em prmero lugar, o horzonte temporal das duas análses é dstnto. A análse de Kolko se dá no período de 1977 a Sendo assm, já se captam efetos da prmera metade da década de 90. Como os avanços na tecnologa da nformação são bastante recentes, esta dferença de 4 anos pode ser relevante. Além do que o número de observações para os EUA é muto maor do que para o Brasl. Dexando de lado os problemas técncos, as dferenças observadas entre os dos países podem refletr dferenças culturas efetvas. Como o avanço da tecnologa de nformação ocorreu bem antes em terras amercanas do que no Brasl, pode ser que os efetos demorem mas para aparecer nos nossos dados. Notas Conclusvas Anda que a concentração de consumdores potencas esteja perdendo mportânca para o setor de servços e, portanto, dmnundo a vantagem locaconal para este setor nas regões metropoltanas, o mesmo não se pode dzer com relação à presença de fornecedores. Por outro lado, a presença de trabalhadores especalzados, notadamente trabalhadores em funções de mando, explca boa parte da concentração de servços nas grandes cdades. Podera se conjecturar que os avanços na tecnologa de nformação aumentam a necessdade de trabalhadores especalzados e, portanto, as grandes cdades não obrgatoramente devem perder seu potencal de atração de servços produtvos devdo à redução no custo de transporte. Em outras palavras, os resultados ndcam que a proxmdade dos clentes como motvo de localzação dos servços nas grandes cdades vem perdendo a sua mportânca. No entanto, outros elementos de atração como a maor densdade de trabalhadores

19 especalzados permanece relevante para a atração de frmas para as grandes aglomerações urbanas. Além do mas, verfca-se que os ganhos decorrentes da concentração de outros trabalhadores no mesmo setor de atvdade (servços produtvos) são maores do que os decorrentes da presença de trabalhadores de outros setores. Além do que, verfca-se que os ganhos de escala da ndústra de transformação dmnuíram na década de 80. Com relação à segunda hpótese explcatva, pode-se ver que a concentração de trabalhadores em atvdades típcas dos servços produtvos explca uma boa parte da concentração deste setor nas regões metropoltanas. A proxmdade dos clentes, por outro lado, não parece ser relevante em 1991, ao contráro do que se verfcava em Por outro lado, o custo de transporte com relação aos fornecedores anda explca uma parte desta concentração (anda que a nfluênca da presença de trabalhadores em funções smlares seja maor). As Tabelas 10 e 11 abaxo sumarzam os prncpas resultados, consderando as duas hpóteses em paralelo. Tabela 10: Efetos da Varação no Custo de Transporte sobre a Concentração nos Servços Produtvos nas 10 Regões Metropoltanas (1980 e 1991) Varável dependente: Varação Emprego Relatvo (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) Coefcente 80 log(densdade populaconal) (0.030) (0.034) (0.017) (0.045) (0.023) (0.032) (0.032) (0.032) (0.026) presença de consumdores (0.055) (0.116) (0.429) (0.142) (0.603) presença de fornecedores (0.389) (0.518) (0.040) (0.021) (0.750) funconáros especalzados (0.048) (0.053) (0.071) (0.076) (0.082) Constante (0.117) (0.108) (0.067) (0.076) (0.081) (0.083) (0.085) (0.083) (0.077) R N Regressão para os 3 setores de atvdade em servços produtvos emplhados. Dados ponderados por emprego na mcro-regão; desvo padrão em parênteses corrgdo para presença de clusters (mcroregões). Fonte: Calculado a partr dos dados do Censo Demográfco de 1980 e 1991 e Matrz Insumo Produto de 1991 (Ibge).

20 Tabela 11: Efetos do Custo de Transporte sobre a Concentração do Emprego na Indústra de Transformação (1980 e 1991) Varável dependente: Varação Emprego Relatvo (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) Coefcente 80 log(densdade populaconal) (0.035) (0.029) (0.051) (0.041) (0.046) (0.043) (0.066) (0.058) (0.037) presença de consumdores (0.093) (0.124) (0.099) (0.098) (0.047) presença de fornecedores (0.112) (0.106) (0.113) (0.123) (0.033) funconáros especalzados (0.171) (0.196) (0.161) (0.158) (0.368) Constante (0.132) (0.124) (0.135) (0.169) (0.160) (0.188) (0.179) (0.143) R N Regressão para os 18 setores de atvdade da Indústra de Transformação emplhados. Dados ponderados por emprego na mcro-regão; desvo padrão em parênteses corrgdo para presença de clusters (mcro-regões). Fonte: Calculado a partr dos dados do Censo Demográfco de 1980 e 1991 e Matrz Insumo Produto de 1991 (Ibge). Referêncas Dumas, G. C. Ellson e E. Glaeser (1997) Geographc Concentraton as a Dynamc Process. NBER Workng Paper #6270. Ellson, G. e E. Glaeser (1997) Geographc Concentraton n the U.S. Manufacturng Industres: A Dartboard Approach. Journal of Poltcal Economy 105(5). Fujta, Krugman e Mor (1999) On the evoluton of herarchcal urban systems. European Economc Revew, 43. Gaspar, J. e E. Glaeser (1998) Informaton Technology and the Future of Ctes. Journal of Urban Economcs, 43. Kahn, M. (1995) A Revealed Preference Approach to Rankng Cty Qualty of Lfe Journal of Economcs 38(2). Km, S. (1995) Expanson of Markets and the Geographc Dstrbuton of Economc Actvtes: the Trends n U.S. Regonal Manufacturng Structure, Quaterly Journal of Economcs 110(4). Kolko, J. (2000) Can I Get Some Servce Here?. Phd Dssertaton, Harvard Unversty. Krugman, P (1991) Geography and Trade. Cambrdge, MA: MIT Press.

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro *

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro * Stuação Ocupaconal dos Jovens das Comundades de Baxa Renda da Cdade do Ro de Janero * Alessandra da Rocha Santos Cínta C. M. Damasceno Dense Brtz do Nascmento Slva ' Mara Beatrz A. M. da Cunha Palavras-chave:

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste.

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste. Determnantes da Desgualdade de Renda em Áreas Ruras do Nordeste. Autores FLÁVIO ATALIBA BARRETO DÉBORA GASPAR JAIR ANDRADE ARAÚJO Ensao Sobre Pobreza Nº 18 Março de 2009 CAEN - UFC Determnantes da Desgualdade

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO Revsta Economa e Desenvolvmento, n. 21, 2009 DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO Elane Pnhero de Sousa 1 João Eustáquo de Lma 2 RESUMO As mudanças

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria Unversdade do Estado do Ro de Janero Insttuto de Matemátca e Estatístca Econometra Revsão de modelos de regressão lnear Prof. José Francsco Morera Pessanha professorjfmp@hotmal.com Regressão Objetvo: Estabelecer

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

1º LUGAR - DEFESA DA CONCORRÊNCIA AUTOR: SÉRGIO GOLDBAUM SÃO PAULO - SP

1º LUGAR - DEFESA DA CONCORRÊNCIA AUTOR: SÉRGIO GOLDBAUM SÃO PAULO - SP 1º LUGAR - DEFESA DA CONCORRÊNCIA AUTOR: SÉRGIO GOLDBAUM SÃO PAULO - SP BARREIRAS À ENTRADA EM MERCADOS MONOPOLIZADOS: A DISTRIBUIÇÃO DE AUTOMÓVEIS. 1 Resumo O objetvo deste trabalho é analsar os efetos

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS)

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) Lenlma Vera Nunes Machado CPF: 425.454.202-04 Economsta do Banco da

Leia mais

Decisões de localização das instalações. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Decisões de localização das instalações. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Decsões de localzação das nstalações Professor: Leandro Zvrtes UDESC/CCT Introdução Localzar nstalações fxas ao longo da rede da cadea de suprmentos é um mportante problema de decsão que dá forma, estrutura

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Análise da Situação Ocupacional de Crianças e Adolescentes nas Regiões Sudeste e Nordeste do Brasil Utilizando Informações da PNAD 1999 *

Análise da Situação Ocupacional de Crianças e Adolescentes nas Regiões Sudeste e Nordeste do Brasil Utilizando Informações da PNAD 1999 * Análse da Stuação Ocupaconal de Cranças e Adolescentes nas Regões Sudeste e Nordeste do Brasl Utlzando Informações da PNAD 1999 * Phllppe George Perera Gumarães Lete PUC Ro/Depto. De Economa IBGE/ENCE

Leia mais

www.halten.com.br 21-3095-6006

www.halten.com.br 21-3095-6006 NÍVEL: BÁSCO www.halten.com.br 21-3095-6006 ASSUNTO:CUROSDADES SOBRE RAOS E PROTEÇÃO O QUE É O RAO? O RAO É UM FENÔMENO DA NATUREZA, ALEATÓRO E MPREVSÍVEL. É COMO SE FOSSE UM CURTO CRCUÍTO ENTRE A NUVEM

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL.

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. André Matos Magalhães Vctor Carvalho Castelo Branco 2 Tago Vasconcelos Cavalcant 3 Resumo Este trabalho consste

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insttuto de Cêncas Humanas Departamento de Economa ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS André Gustavo Lacerda Skendzel Orentador:

Leia mais

Análise Fatorial F 1 F 2

Análise Fatorial F 1 F 2 Análse Fatoral Análse Fatoral: A Análse Fatoral tem como prncpal objetvo descrever um conjunto de varáves orgnas através da cração de um número menor de varáves (fatores). Os fatores são varáves hpotétcas

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

ESTIMANDO AS PERDAS DE RENDIMENTO DEVIDO À DOENÇA RENAL CRÔNICA NO BRASIL 1

ESTIMANDO AS PERDAS DE RENDIMENTO DEVIDO À DOENÇA RENAL CRÔNICA NO BRASIL 1 ESTIMANDO AS PERDAS DE RENDIMENTO DEVIDO À DOENÇA RENAL CRÔNICA NO BRASIL 1 Márca Regna Godoy*, Gácomo Balbnotto Neto**; Eduardo Pontual Rbero**. *Aluna do Curso de Doutorado em Economa Aplcada do PPGE/UFRGS.

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO.

TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO. ELMO TAMBOSI FILHO TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr Fara dos Santos, Wlson da Cruz Vera & Bríco dos ISSN Santos Res 1679-1614 EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr

Leia mais

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item MAE5778 - Teora da Resposta ao Item Fernando Henrque Ferraz Perera da Rosa Robson Lunard 1 de feverero de 2005 Lsta 2 1. Na Tabela 1 estão apresentados os parâmetros de 6 tens, na escala (0,1). a b c 1

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Desemprego de Jovens no Brasil *

Desemprego de Jovens no Brasil * Desemprego de Jovens no Brasl * Prsclla Matas Flor Palavras-chave: desemprego; jovens; prmero emprego; Brasl. Resumo Este trabalho tem como objetvo analsar a estrutura do desemprego dos jovens no Brasl,

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1 DETERMINANTES DA ADOÇÃO DA TECNOLOGIA DE DESPOLPAMENTO NA CAFEICULTURA: ESTUDO DE UMA REGIÃO PRODUTORA DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS govanblas@yahoo.com.br Apresentação Oral-Cênca, Pesqusa e Transferênca

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1 Como aposentadoras e pensões afetam a educação e o trabalo de jovens do domcílo 1 Rodolfo Hoffmann 2 Resumo A questão central é saber como o valor da parcela do rendmento domclar formada por aposentadoras

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL 1 UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL Área 4 - Desenvolvmento, Pobreza e Eqüdade Patríca Ullmann Palermo (Doutoranda PPGE/UFRGS) Marcelo Savno Portugal (Professor do PPGE/UFRGS)

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

A mobilidade ocupacional das trabalhadoras domésticas no Brasil

A mobilidade ocupacional das trabalhadoras domésticas no Brasil A mobldade ocupaconal das trabalhadoras doméstcas no Brasl Resumo Kata Sato Escola de Economa de São Paulo Fundação Getúlo Vargas EESP-FGV André Portela Souza Escola de Economa de São Paulo Fundação Getúlo

Leia mais

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL Poema Iss Andrade de Souza * Joaqum José Martns Gulhoto ** Raul da Mota Slvera Neto *** RESUMO

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

Uma Análise da Convergência Espacial do PIB per capita para os Municípios da Região Sul do Brasil (1999-2008)

Uma Análise da Convergência Espacial do PIB per capita para os Municípios da Região Sul do Brasil (1999-2008) Uma Análse da Convergênca Espacal do PIB per capta para os Muncípos da Regão Sul do Brasl (1999-2008) Letíca Xander Russo 1 Wesley Olvera Santos 2 José Luz Parré 3 Resumo Este artgo nvestga a hpótese de

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

CURVA DE KUZNETS: MENSURAÇÃO DO IMPACTO DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE A DESIGUALDADE DE RENDA PARA OS ESTADOS BRASILEIROS (1995-2005)

CURVA DE KUZNETS: MENSURAÇÃO DO IMPACTO DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE A DESIGUALDADE DE RENDA PARA OS ESTADOS BRASILEIROS (1995-2005) CURVA DE KUZNETS: MENSURAÇÃO DO IMPACTO DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE A DESIGUALDADE DE RENDA PARA OS ESTADOS BRASILEIROS (995-005) Fernando Henrque Taques Mestrando em Economa pelo PEPGEP/PUC-SP Cao

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada OS EFEITOS DO E-COMMERCE NA PRODUTIVIDADE DAS FIRMAS COMERCIAIS NO BRASIL Luís Cláudo Kubota; Danele Noguera Mlan Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada; Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada RESUMO O presente

Leia mais

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE Vctor Hugo de Olvera José Ramundo Carvalho Resumo O objetvo do presente estudo é o de analsar

Leia mais

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos INFORMAÇÕES ASSIMÉTRICAS NO MERCADO DE CRÉDITO: UMA ABORDAGEM SOBRE O COMPORTAMENTO DOS BANCOS BRUNO FERREIRA FRASCAROLI Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Economa Unversdade Federal da Paraíba

Leia mais

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Área Temátca: Economa e Relações Internaconas O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Paulo Rcardo Festel¹ Slva Zanoso Mssagga² Resumo:O objetvo deste

Leia mais

Linha Técnica Sessão III Duplas Diferenças (DD) e Dados em Painel

Linha Técnica Sessão III Duplas Diferenças (DD) e Dados em Painel Lnha Técnca Sessão III Duplas Dferenças (DD) e Dados em Panel Human Development Network Spansh Impact Evaluaton Fund www.worldbank.org/sef Estrutura da sessão Quando usamos Duplas Dferenças? (DD) Estratéga

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO Atenuação atmosférca da Radação Infravermelha: Influênca de elevados níves hgrométrcos no desempenho operaconal de mísses ar-ar. André Gustavo de Souza Curtyba, Rcardo A. Tavares Santos, Fabo Durante P.

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

DETERMINANTES DA CRIMINALIDADE NO ESTADO DO PARANÁ fcccassuce@yahoo.com.br

DETERMINANTES DA CRIMINALIDADE NO ESTADO DO PARANÁ fcccassuce@yahoo.com.br DETERMINANTES DA CRIMINALIDADE NO ESTADO DO PARANÁ fcccassuce@yahoo.com.br Apresentação Oral-Desenvolvmento Rural, Terrtoral e regonal JONAS MAURÍCIO GONÇALVES; FRANCISCO CARLOS DA CUNHA CASSUCE; VALDIR

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais