ESTIMANDO AS PERDAS DE RENDIMENTO DEVIDO À DOENÇA RENAL CRÔNICA NO BRASIL 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTIMANDO AS PERDAS DE RENDIMENTO DEVIDO À DOENÇA RENAL CRÔNICA NO BRASIL 1"

Transcrição

1 ESTIMANDO AS PERDAS DE RENDIMENTO DEVIDO À DOENÇA RENAL CRÔNICA NO BRASIL 1 Márca Regna Godoy*, Gácomo Balbnotto Neto**; Eduardo Pontual Rbero**. *Aluna do Curso de Doutorado em Economa Aplcada do PPGE/UFRGS. ** Professor do Curso de Doutorado em Economa Aplcada do PPGE/UFRGS. RESUMO Este artgo tem como objetvo estmar as perdas de rendmentos ndvduas devdo à doença renal crônca, a partr de dados da Pesqusa Naconal por Amostra de Domcílos (PNAD, 1998). São estmadas as perdas de rendmento através dos métodos dos mínmos quadrados ordnáros e de regressão quantílca. Os resultados da regressão pelo método dos mínmos quadrados ordnáros ndcaram a redução de 11% na renda. Os resultados que ndcaram os mas pobres têm maor redução de rendmento. PALAVRA CHAVE: DOENÇA RENAL CRÔNICA, REGRESSÃO QUANTILICA, EQUAÇÃO DE SALÁRIOS ABSTRACT Ths artcle has as objectve of estmate the losses of ndvdual ncomes due to the chronc renal dsease, startng from data of Pesqusa Naconal por Amostra de Domcílos (PNAD, 1998). They are dear the ncome losses through the methods OLS and quantle regresson. The results of the regresson for the method of the ordnary square mnma ndcated the reducton of 11% n the ncome. The results that ndcated the poorest have larger ncome reducton. KEY WORD: CHRONIC RENAL DISEASE, QUANTILE REGRETION, WAGE EQUATION. 1 Os autores agradecem os comentáros dos partcpantes do Organ Donaton Congresses 8th Internatonal Socety of Organ Donaton and Procurament e do 5th Internatonal Transplant Coordnators Socety, realzando em Gramado, em 2005, do Semnáro do PPGE/UFRGS e da II Jornada de Economa da Saúde da Assocação Braslera de Economa da Saúde realzada em Belo Horzonte 1

2 INTRODUÇÃO O objetvo deste artgo é estmar as perdas de rendmento devdo à doença renal crônca (DRC), no Brasl, com base na Pesqusa Naconal por Amostra de Domcílos (PNAD) de Segundo Junor (2004, p.1), a doença renal crônca consste em uma lesão renal, com perda progressva e rreversível da função dos rns (glomerular, tubular e endócrna). Na sua fase mas avançada, denomnada fase termnal de nsufcênca renal crônca (IRC), os rns não conseguem manter a normaldade do meo nterno do pacente, e entre as prncpas causas da nsufcênca renal crônca estão a hpertensão arteral e o dabetes melltus 3. Os rns exercem uma função vtal, na medda em que são responsáves pela elmnação de toxnas e pela regulação do volume de líqudos e fltragem do sangue. Eles fltram cerca de 20% do volume de sangue bombeado pelo coração por mnuto. Isso equvale, para um ndvíduo adulto, a 180 ltros por da. Além dsso, os rns são responsáves por funções hormonas e metabólcas essencas ao organsmo humano. No momento em que, por uma razão qualquer, a função renal ca abaxo de 10%, o ndvíduo é ndcado para o tratamento de dálse, que busca substtur a função renal normal exercda pelos rns 4. A nsufcênca renal crônca consste em uma dmnução lenta e progressva da função renal devdo ao acúmulo de produtos da degradação metabólca no sangue. Esse tpo de lesão nos rns pode ser causado, por sua vez, por mutas outras doenças, que causam danos rreversíves ao órgão. Na nsufcênca renal crônca, os sntomas manfestam-se lentamente. Contudo, no estágo ncal, os efetos sobre o estado geral de saúde são assntomátcos. Com o progresso da doença, ou seja, à medda que a nsufcênca renal avança e ocorre acúmulo de substâncas no sangue, o ndvíduo apresenta sntomas de fadga, cansaço fácl, espasmos musculares e câmbras, anema, retenção de líqudos no corpo, redução do volume de urna, falta de ar, nchaço, hpertensão, falta de apette, náusea, vômtos, coma e confusão mental. Quando a doença atnge um estado avançado surgem úlceras e sangramento ntestnal e o pacente apresenta uma coloração amarelo-acastanhada. A IRC é uma doença fatal, a menos que o pacente seja submetdo a tratamento de terapa renal substtutva (TRS) ou a transplante de rm. O tratamento dalítco 5 vsa substtur, parcal ou totalmente, a função renal e, ao mesmo tempo, corrgr o metabolsmo do ndvíduo, que se encontra alterado devdo ao mau funconamento desse órgão. O tratamento através da dálse tem duas fnaldades prncpas: () dar sobrevda ao pacente e () possbltar uma melhora na qualdade de vda do mesmo, 2 Para uma análse e detalhes da PNAD 1998, conferr Andrade (2002). 3 Conferr Atkns (2005). 4 Para uma exposção mas aprofundada dos aspectos médcos relaconados aos rns, sugere-se o trabalho de Barros et. al (1999). 5 Segundo Melo, Ros e Guterrez (2000, p.111), a dálse pode ser defnda como um processo de fltragem do sangue, baseado no transporte de solutos, íons e substâncas, através de uma membrana sempermeável, para um líqudo cuja composção é cudadosamente controlada. 2

3 enquanto espera um transplante renal. No que se refere às técncas de dálse, elas podem ser agrupadas em dos grandes grupos: a hemodálse e a dálse pertoneal. As mplcações econômcas da doença renal crônca (DRC) também são mportantes, pos ela rá nfluencar, de modo marcante e decsvo, o comportamento dos agentes econômcos no mercado de trabalho, estando assocada à redução nas horas trabalhadas, a menores taxas de saláro, à aposentadora precoce, à saída antecpada do mercado de trabalho e a programas de transferênca de renda. Além dsso, o efeto da DRC afeta não somente o ndvíduo, mas também à sua famíla. Segundo Bommer (2002, p.8), o número de pacentes com doença renal grave em estágo fnal está crescendo a uma taxa alarmante em todo o mundo. Por exemplo, nos Estados Undos, cerca de pacentes estão em tratamento de hemodálse, e outros estão vvendo com um rm transplantado. Entretanto os pacentes com doença renal grave representam apenas 0,12% da população total norte-amercana, mas consomem cerca de 6% do orçamento total anual do Medcare. Segundo Nahas e Bello (2005, p.331), nos Estados Undos, os gastos anuas com o tratamento da DRC em seu estágo fnal estão os aumentos de mas de US$ 28 blhões até Na Europa, somente o tratamento com a dálse consome 2% do orçamento destnado aos cudados médcos, sendo, contudo, que menos de 0,1% da população necessta do tratamento (para o Reno Undo, os gastos com dálse consomem 0,7% do orçamento e atentem a 0,022% da população; na Suíça eles representam 1% do orçamento e atentem a 0,03% da população; para a Alemanha os números são 1,3% e 0,05%; respectvamente, para a França, 1,5% e 0,035%; para a Itála 1,5% e 0,06% e, fnalmente, para a Bélgca, são de 1,8% e 0,037% respectvamente 6 ). O número de pacentes com nsufcênca renal crônca também tem crescdo no Brasl, tornando-se um grave problema de saúde públca 7. Segundo Junor (2004), em 1994 hava cerca de pacentes mantdos em programa dalítco, alcançando em A ncdênca da DRC tem crescdo a uma taxa de 8% a.a. No que se refere aos gastos com o programa de dálse e transplante renal no Brasl, ele stua-se em torno de 1,4 blhão de reas ao ano. Nér e Soares (2002), usando dados da PNAD/1998, verfcaram que cerca de 5% dos entrevstados declararam ter DRC. Segundo Vera e Lucon (2004), exstram cerca de pacentes em dálse no Brasl, sendo que 90% deles em dálse desde A taxa de ngresso de novos pacentes em hemodálse no Brasl, desde 1999, é de 11,6% ao ano. Segundo Zatz, Romão e Noronha (2003, p. s-132), o perfl da doença renal no país reflete, em grande medda, a sua realdade socoeconômca. Um estudo epdemológco (prevalênca) realzado com pacentes portadores de doença renal crônca, em São Paulo, constou que, em 27,5% dos casos, a prncpal causa era a glomerulonefrte crônca, seguda da nefloesclerose hpertensva - 16,6% e de dabetes 8%. Esse padrão é smlar ao que é encontrado, também na Amérca Latna. Contudo tas dados contrastam com o padrão norte-amercano onde a prncpal causa é a dabetes. Desde o fnal da década de 1980, város economstas começaram a estudar aspectos lgados ao tratamento da DRC, prncpalmente propondo mecansmos para 6 De Vecch et. al (1999, p. 40). 7 Conferr Lessa ( 2004), Junor (2004, p.1) e Scheppat e Remuz (2005). 3

4 dmnur as longas flas para transplante renal 8. No Brasl, Marnho (2004) tratou deste tema. O nteresse crescente dos economstas tem ocorrdo devdo aos elevados gastos públcos e prvados com o tratamento dos pacentes renas crôncos. Pesqusas prévas sobre a partcpação de pacentes no mercado de trabalho de tveram orgem na lteratura médca, onde buscaram verfcar a probabldade de emprego face à escolha dos métodos de dálse empregado 9. A maor parte destes estudos constatou que os pacentes submetdos à dálse pertoneal têm maor probabldade de estarem empregados do que os pacentes submetdos à hemodálse. No que se refere aos efetos da DRC sobre o mercado de trabalho Manen et al. (2001) apresentam um resumo da lteratura recente, ndcando quas os efetos da doença renal crônca e do tratamento através da dálse sobre a empregabldade dos ndvíduos. A combnação da dálse com o emprego parece ser uma questão de dfícl equaconamento. Os dados reportados no estudo ndcam que, por exemplo, nos Estados Undos, a percentagem de ndvíduos empregados que têm a DRC e que estão em dade atva se stua entre 11% e 31 % 10. Já na Suéca, esse número stua-se em torno de 20% 11. Um estudo realzado e coordenado pelo Dalyss Outcomes and Practce Patterns Study, que envolveu pacentes em tratamento de hemodálse, em dade atva, constatou que a percentagem de pacentes empregados era de 21% nos Estados Undos, 30% na Europa e 55% no Japão 12. Dados obtdos por van Manen et al (2001) para a Holanda ndcaram que apenas 35% dos pacentes com DRC estão empregados quando ncam o tratamento de dálse (em comparação com uma taxa de partcpação de 61% dos que não tem a doença). Um ano após o tratamento, esta taxa de partcpação ca para 25%. Curtn et al. (1996) ndcaram, por exemplo, que 73 % dos pacentes trabalhavam antes de ncar o tratamento da dálse, mas somente 24% contnuaram trabalhando depos dsso. Esses trabalhos mostram as dfculdades que possuem os ndvíduos com esse tpo de doença para partcpar do mercado de trabalho. Hrth et al. (2003) analsaram a questão de como a decsão da escolha do tratamento da DRC afeta a decsão de partcpar, ou não, da força de trabalho, atendo-se especfcamente aos pacentes em estágo fnal da doença renal [End State Renal Dsease (ESRD)]. Segundo eles, a doença renal crônca, em seu estágo fnal, fornece um sgnfcatvo exemplo de uma população na qual as decsões de emprego na presença de uma doença grave, são mportantes. A percentagem de ndvíduos que abandonam o mercado de trabalho depos de constatada a doença renal é sgnfcatvo. O tratamento dos pacentes renas crôncos tem mportantes mplcações econômcas, devdo aos elevados gastos em transplantes e em tratamento de terapa renal substtutva. A assstênca médca aos pacentes renas crôncos é bastante dspendosa para o Sstema Únco de Saúde (SUS). Segundo dados do DATASUS, em 2004, 16% dos recursos destnados à cobertura hosptalar pelo SUS foram gastos em 8 Conferr Barney & Reynolds (1989), Kaserman & Barnett (1991), Hrth et al (2003), Becker & Elas (2004), Roth et al. (2005a, b, c) e Su & Zenos (2005). 9 Conferr Wollcott e Nssenson (1988); Julus et al. (1989); Kutner, Borgan e Feldng (1991); Holley e Nespor (1994) e Curtn, Oberley e Sackteder (1996). 10 Conferr Curtn et al (1994), Holley et al (1994), Ifudu et al (1994) e Kutner et al. (1991). 11 Conferr Theorell (1991). 12 Conferr Dcknson et al (2000). 4

5 transplantes 13 e 13,17% 14 dos recursos destnados à cobertura ambulatoral foram gastos em dálse. Nos Estados Undos, segundo Hrth et al. (2003, p.169), quando um pacente é dagnostcado com a DRC, automatcamente, ndependente da dade, ele passa a receber os benefícos do Medcare. Os pagamentos por pacente, em 2000, stuaram-se em torno de US$ , totalzando US$ 12,4 blhões Isso sgnfcou um aumento dos gastos do Medcare dreconados aos pacentes com doença renal grave de 4,5 % em 1991 para 5,8% em Além dos gastos públcos, com o tratamento dos pacentes renas crôncos, a doença anda pode ter outras mplcações econômcas, pos segundo a Socedade Braslera de Nefrologa, 50% dos pacentes em lstas de espera para transplantes renas estão na faxa etára de 15 a 49 anos, os quas, em conseqüênca da nsufcênca renal crônca, reduzem suas atvdades econômcas durante o tempo de tratamento. Embora a solução mas efcaz para IRC, desde que não haja contra-ndcação médca, seja o transplante de rm, este pode demorar cerca de três anos para acontecer. Durante o tempo em que aguarda o transplante, o pacente é submetdo à dálse 15, porém suas atvdades fcam mas restrtas, devdo às longas horas que o procedmento requer. Em geral, a hemodálse para a fltragem do sangue é feta em três sessões semanas, que duram cerca de quatro horas cada. Desse modo, ocorre uma redução do tempo dsponível para o trabalho e para outras atvdades, o que, mutas vezes, nvablza o exercíco de atvdades profssonas e pode nfluencar sobre as decsões de partcpação no mercado de trabalho e/ou de alocação de tempo para trabalho. Corroborando com esse racocíno, verfca-se, nos regstros da Central de Transplantes do Estado do Ro Grande do Sul, que 62% 16 dos pacentes, nscrtos na lsta de espera para transplante renal não exercem atvdade profssonal e que 52% destes estão na faxa etára de 18 a 50 anos. Coelho (2002, p. 22) e Ner e Soares (2002) mostram que, no Brasl, a DRC se encontra mas presente nos níves socoeconômcos mas baxos e, em mutos casos, está assocada à falta de condções de hgene, entretanto os autores não aprofundaram a dscussão sobre o tema. Como destacaram Spelten et al. (2002, p. 124), o fato de o pacente estar capactado para retornar ao trabalho ou contnuar trabalhando é do nteresse tanto da socedade com do ndvíduo. Do ponto de vsta socal, é mportante que se reduzam a ncapacdade de trabalhar e as perdas econômcas envolvdas numa cessação desnecessára e nvoluntára do trabalho. Do ponto de vsta do ndvíduo, não voltar a trabalhar quando da doença resulta, de um modo geral, em perdas fnanceras, solamento socal e redução da auto-estma. A partcpação no mercado de trabalho pode levar também a uma melhora na qualdade de vda como um todo. Contudo, neste trabalho serão estmadas apenas as perdas fnanceras decorrentes de sua atuação no mercado de trabalho. 13 No ano de 2004, foram pagos pelo SUS, transplantes de órgãos e tecdos, sendo que foram transplantes renas, os quas representaram um gasto de R$ , Valor gual a R$ , Dentre as técncas de dálse, a hemodálse é a mas utlzada. No Brasl, 89,77% dos pacentes recebem este tratamento (SBN, 2005). 16 Cálculos fetos pelos autores a partr do banco de dados da Central Estadual de Transplantes do Estado do Ro Grande do Sul. 5

6 Assm, este artgo busca, através de uma abordagem teórca e empírca, verfcar o mpacto da DCR sobre os rendmentos dos portadores de doença renal crônca no Brasl, no ano de Para tanto, utlza-se o modelo de regressão quantílca para captal humano, vsando obter nformações sobre o mpacto das varáves de captal humano e saúde, em alguns pontos da dstrbução de saláro no Brasl. Este estudo segue a lnha de trabalhos recentes, como os de Kassouf (1999) e Rvera e Curras (2005), mas concentra-se exclusvamente no caso da doença renal crônca. O artgo é organzado da forma que segue. Além desta ntrodução, na seção segunte, são dscutdos alguns aspectos teórcos dos efetos da DRC sobre a oferta de mão-de-obra, captal saúde e captal humano. Na tercera seção, é feta uma análse descrtva da doença renal crônca dentro das algumas faxas salaras e educaconas com base nos dados da PNAD (1998); a segur, são apresentados os resultados econométrcos. Na quarta seção são tecdas as consderações fnas com base no que fo vsto nas seções anterores. 2 REVISÃO DA LITERATURA TEÓRICA E EMPÍRICA Nesta seção, apresentam-se os prncpas modelos teórcos e evdêncas empírcas que buscam relaconar a doença renal crônca ao mercado de trabalho. O objetvo é não é o de fazer um survey, mas de destacar as prncpas referêncas teórcas e empírcas sobre o tema O modelo renda-lazer O modelo básco de renda-lazer 17 tem sdo utlzado na lteratura para mostrar, de modo smples e dreto, quas os efetos e as mplcações de doenças sobre a oferta de mão-de-obra, no que se refere tanto à taxa de partcpação dos ndvíduos com doenças crôncas como às horas trabalhadas 18. Dentre os trabalhos empírcos poneros, destacam-se os trabalhos de Morgan et al. (1962), Parnes e Meyer (1971) e Bowen e Fnegan (1969), Bartel e Taubman (1979), Gutman, Stead e Robnson (1981), Mtchell (1990), Kutner, Brogan e Feldng (1991). Aqu se apresenta o modelo smples de O (1996, p ). Assume-se que há um ndvíduo maxmzador de utldade e sua função utldade tem como argumentos a renda e as horas de lazer. O total de horas é assumdo ser T, sendo que elas são alocadas entre lazer (L) e trabalho (H = T L). O objetvo do ndvíduo é maxmzar sua utldade escolhendo o número ótmo de horas para trabalhar. Isso ocorre quando a taxa margnal de substtução entre renda e lazer é gual à taxa de saláro. Na Fgura 1 assume-se que N seja a renda não saláro do ndvíduo. Essa renda pode ser devda a 17 Para uma abordagem smples e ddátca deste modelo conferr Borjas (1996) e Cahuc e Zylberberg (2004). Para um modelo que envolva também a escolha da atvdade econômca, conferr Cropper (1977). 18 Conferr Bowen e Fnegan (1969, p ). 6

7 outras rendas que o ndvíduo recebe que não dervadas do mercado de trabalho ou a uma transferênca do governo. Aqu está-se nteressado no efeto que uma doença como a DRC podera ter sobre a oferta de horas de trabalho e a sua partcpação no mercado de trabalho. Segundo O (1996, p. 109), os efetos que teram uma doença sobre a oferta de trabalho seram bascamente três. Prmero uma pora no estado de saúde de um ndvíduo com a DRC provavelmente afetara sua preferênca entre renda e lazer, aumentando o valor margnal das horas de lazer. Isso sgnfca que a taxa margnal de substtução de rendalazer se torna maor. Em termos gráfcos a curva de ndferença tornar-se-a mas nclnada, e anda em termos gráfcos, a DRC levara o ndvíduo a reavalar seu mapa de preferênca. Isso mplca que uma pora nas condções de saúde envolvera ajustamentos que levaram a uma maor demanda por lazer (mas tempo para cudar da doença) e a uma redução das horas de trabalho. No caso lmte, o ndvíduo podera até sar do mercado de trabalho, stuando-se no ponto n, na Fgura 1, onde sua oferta de mão-de-obra sera zero. Segundo sera, um agravamento da DRC, que podera levar a uma redução na produtvdade do ndvíduo, mplcando uma redução na taxa de saláro horáro (w). Contudo, aqu, os efetos sobre o mercado de trabalho seram ambíguos tendo em vsta a força dos efetos renda e substtução. Por últmo a doença rouba tempo (steals tme). À medda que ela se agrava, é requerdo mas tempo para os cudados médcos. Isso pode levar a que o ndvíduo escolha empregos de tempo parcal, ou, até mesmo ele abandone o mercado de trabalho (nesse caso, ele se stuara no ponto n). Y U1 U3 Y1 U2 N n 0 L1 L2 T L Fgura 1 Modelo de renda-lazer aplcado à doença renal crônca 7

8 Esse modelo, embora smples, nos mostra os város efetos que pode trazer a DRC sobre os ndvíduos no mercado de trabalho: redução das horas trabalhadas, redução nos rendmentos e saída do mercado de trabalho Teora do captal humano Os modelos de captal humano consderam que a saúde é a base para a produtvdade do trabalho, para os desenvolvmentos ntelectual, físco e emoconal. Saúde e educação são os dos plares da teora do captal humano. Concetualmente, as pessoas podem ter três tpos de captal: captal saúde, na forma da saúde do própro corpo; captal humano, na forma de educação e captal físco; e fnancero na forma de bens ou atvos 19. Entretanto, o captal saúde pode nfluencar a obtenção e a manutenção das formas de captal, sto porque, na busca da manutenção das condções de saúde, os ndvíduos podem usar o captal físco e fnancero para adqurr cudados de saúde. Destaque-se que, com a presença de doenças graves, os ndvíduos tendem a fazer um menor nvestmento em educação. A redução do nível educaconal pode, então, afetar os rendmentos do ndvíduo. A teora do captal humano ganhou força a partr da década de 1960, em vrtude da preocupação cada vez maor com os problemas de crescmento econômco e melhor dstrbução de renda. Ela começou a ser desenvolvda com os estudos de Gary Becker (1965). Embora os trabalhos de Becker (1965) e Mushkn (1962) tenham ndcado que a saúde faz parte do estoque de captal humano, os autores deram maor ênfase à educação. Grossman, (1972) construu um modelo de demanda para o captal saúde, evdencando que o estado de saúde afeta a produtvdade e nfluenca sobre os saláros dos ndvíduos. Segundo Bartel e Taubman (1979, p.1), o estado de saúde pode afetar o nível ótmo de aqusção de captal humano, pos, quando debltado tal como o provocado pela doença renal crônca -, pode levar um ndvíduo a ter baxos retornos de um dado nvestmento devdo às reduções forçadas no tempo alocado ao mercado de trabalho bem como devdo a restrções com relação às atvdades que podem ser exercdas no mercado de trabalho. Além dsso, o estado de saúde pode afetar os nvestmentos em captal humano pelo aumento nos custos de fnancamento, vsto que, de um modo geral, pode ser requerdo um maor tempo para que sejam completados os anos de educação necessáros à obtenção de uma qualfcação, de um trenamento ou dploma. As dferentes formas de nvestmento em captal humano educação e saúde - afetam a produtvdade do ndvíduo de modo dverso. A escolardade aumenta do estoque de conhecmentos e habldades. Já o estoque de saúde determna a quantdade total de tempo que ela pode ter em atvdades produtvas 20 ou como será feta a dvsão de tempo entre as atvdades de mercado e as não-mercado 21. Mutos estudos têm 19 Conferr Case e Deaton (2003). 20 Conferr Grossman (1972, p.224). 21 Confere Boln, Jacobson e Lndgren (2002). 8

9 ndcado uma estreta relação entre renda e saúde, uma vez que um estado de saúde debltado remete a baxos rendmentos, e que a baxa renda leva a uma pora no estado de saúde, ou seja, as varáves são determnadas smultaneamente 22. Nesse sentdo, a saúde afeta os saláros através de seus efetos sobre a produtvdade do trabalhador. Adconalmente, há uma suposção de que os ndvíduos mas saudáves possuem maor estoque de captal humano, mplcando que estes tenderam a ser mas produtvos do que aqueles com saúde precára. Além dsso, devem-se consderar também os custo de oportundade do tempo e os de deslocamento até os médcos ou undade de hemodálse para realzar o tratamento. Assm, no caso de pacentes com a DRC, tas custos tendem a mpactar de modo adverso e perverso sobre seus rendmentos, prncpalmente pela redução no número de horas trabalhadas, na escolha do tpo de trabalho, ou mesmo quando é tomada a decsão de sar do mercado de trabalho. A teora que permea essa dscussão basea-se no modelo de Grossman (1972), o qual busca explcar as varações na saúde e nos cudados médcos, entendendo a saúde como um estoque de captal durável, que produz um tempo de vda saudável, utlzado nas atvdades de lazer e trabalho. Os ndvíduos herdam um estoque ncal de saúde, o qual se depreca com a dade e pode ser aumentado por nvestmentos. Dessa forma, o modelo nclu uma taxa de deprecação do estoque de saúde, que aumenta conforme a dade do ndvíduo, e consdera que as despesas com cudados médcos elevam-se com a dade. Um aspecto relevante é que a educação aumenta a efcênca com que os nvestmentos em saúde são produzdos. Portanto, os ndvíduos com maor nível educaconal são os que também demandam mas saúde. Grossman (1972) fo quem prmero tratou a saúde como um estoque de captal. Ele construu um modelo que explca varações na saúde e cudados médcos em termos de varações de curvas de oferta e demanda por saúde. Nesse modelo, a saúde pode ser vsta como um bem de consumo que entra dretamente na função utldade dos ndvíduos e também como um bem de captal que permte das saudáves 23. Ele buscou expandr as aplcações da teora do captal humano e fez o modelo de demanda por saúde, onde as escolhas de consumo ao longo da vda são vstas como um problema de nvestmento, de tal forma que o consumdor pode escolher entre nvestr na sua própra saúde ou nvestr no mercado fnancero, de modo que a formação do captal saúde 24 determna a quantdade de tempo que os ndvíduos podem gastar para trabalhar e obter renda e para outras atvdades. Assm, um aumento no estoque de saúde reduz a quantdade de tempo perddo por estar enfermo, permtndo um maor nível de rendmento. 22 Conferr Judge e Patterson (2001) e Kennedy (2003). 23 Confere Acevedo (2000). 24 Segundo Ksknen (2002, p. 9), captal saúde: é a acumulação de fontes de saúde, tanto físca como psco-socal, que podem ser herdados ou adqurdos durante os estágos da vda e que vão determnar a saúde atual e a saúde potencal no futuro. 9

10 Grossman (1972) utlza uma função de utldade ntertemporal com os seguntes argumentos: ( φ H,...,φ H, Z Z ) U = U,..., (1) o o n Onde: H o = estoque de saúde herdado H = estoque de saúde no tempo φ = fluxo de servço por undade de estoque h = φ H consumo total de servços de saúde Z = total de consumo de outros bens no período. n o n Por (1) tem-se que a função utldade do consumdor depende tanto do estoque de saúde herdado como também desse estoque em cada momento do tempo, além do consumo de outros bens. O tempo de vda depende da quantdade de H que maxmza a utldade sujeta a produção e à restrção de recursos. Além dsto, (1) está sujeta a algumas restrções como se verá a segur. a) Deprecação O Modelo de Grossman (1972) assume que, em cada período, o consumdor faz nvestmentos em saúde e que o nvestmento líqudo no estoque de saúde é gual ao nvestmento bruto, menos a deprecação: onde: H +1 H = I - δh (2) I é o nvestmento bruto e δ é a taxa de deprecação durante o período. A taxa de deprecação é assumda ser exógena, mas ela pode varar de acordo com a dade. b) Funções de produção Os consumdores fazem nvestmento bruto em saúde e em outros bens, que estão presentes na sua função de utldade e varam de acordo com um conjunto de função de produção: I = I M, TH, E ) (3 ) ( ( X, T, E ) Z = Z (3 ) 10

11 onde: M é o cudado médco (servços médcos, medcamentos, etc). X são os nsumos na produção de Z, TH e T são nsumos tempo (tempo usado na produção de saúde e outras atvdades) Z consumo de bens em cada período, E é o estoque de captal humano, E corresponde à educação e busca transmtr a déa de que a produtvdade na produção de nvestmento em saúde (3 ) depende do nível de educação, sto é, pessoas mas educadas produzem nvestmento em saúde de forma mas efcente. Grossman (1972) assumu que uma mudança no captal humano afeta a efcênca do processo de produção nas atvdades não-mercado, bem como a mudança de tecnologa muda efcênca do processo de produção no setor mercado. Ele defnu também que todas as funções de produção de seu modelo são homogêneas de grau 1, sto mplca que não há lusão monetára no modelo. Conseqüentemente, a função de nvestmento bruto em saúde pode ser escrto como: I = M g t ; E ) (4) ( onde: t = TH M. Segue que os produtos margnas do tempo e dos cudados médcos na função de produto do nvestmento bruto em saúde são dados por: I TH I M g = = g t = g t g (5 ) (5 ) c) Restrção orçamentára A equação (6) representa o valor presente dos rendmentos, que é gual ao valor presente dos bens da cesta orçamentára, durante o cclo de vda, mas a renda descontada: PM + VX WTW = + A 0 (6) (1 + r) (1 + r) onde: P e V são os preços de M (cudados médcos) e X (outros bens), W é a taxa salaral, TW são as horas de trabalho, A o é a renda descontada, r é a taxa de juros. 11

12 d) Restrção de tempo A restrção de tempo requer que Ω, o tempo total dsponível em qualquer período, seja exaurdo através de todos os possíves usos. TW TL + TH + T = Ω (7) + I onde: Ω representa o tempo total dsponível em cada período, que é dado por: TW (tempo dedcado ao trabalho) + TL (tempo perddo devdo à doença) + TH (tempo usado para produzr nvestmento em saúde) + T (tempo para produzr outros bens (Z)) 25. Por (7) pode-se notar que os ndvíduos têm um conjunto de decsões: dvdr o tempo entre trabalho e lazer; dvdr o tempo restante de lazer na produção de saúde e outros bens; dvdr o rendmento gerado entre bens ntermedáros para a produção de saúde e de bens de consumo; nvestr em saúde para o período segunte. O tempo perddo com doenças é dado pelo tempo total dsponível menos os das saudáves em um dado ano. TL = Ω h. (8) Se Ω (7) for mensurado em das e se φ for defndo como o fluxo de das saudáves por undade de H, h será gual ao número total de das saudáves em um determnado ano. Consderando que, se a taxa de deprecação do estoque de saúde fosse constante, um aumento em TH aumentara I e H + 1, e reduzra TL + 1. Então, TH e TL + 1 seram negatvamente correlaconadas. De manera smplfcada, pode-se dzer que os prncpas pontos desse modelo são: () a dade é negatvamente correlaconada com o captal saúde, mas postvamente correlaconada com os gastos em cudados com saúde; () a taxa salaral dos ndvíduos é postvamente correlaconada tanto com a demanda por saúde quanto com a demanda por cudados de saúde; () a educação é postvamente correlaconada com o captal saúde, mas negatvamente correlaconada com os gastos com cudados de saúde; (v) os que possuem maor nível educaconal demandam um maor estoque ótmo de saúde, (v) que o bem saúde é uma commodty que é produzda ndvdualmente. 26 Váras extensões teórcas já foram fetas a partr do modelo de Grossman (1972) 27, como, por exemplo: o trabalho de Boln, Jacobsson e Lndberg (2002) que analsa a dstrbução dos nvestmentos em saúde entre os membros da famíla. Os 25 O modelo assume que TL é nversamente relaconado ao estoque de saúde, sto é, TL H < Neste trabalho não serão descrtas todas as equações utlzadas por Grossman (1972). 27 Grossman (1999) apresenta e dscute váras dessas extensões. 12

13 autores assumem a hpótese da exstênca de ncerteza nos nvestmentos em saúde. São modeladas tanto as decsões de nvestmentos em saúde seja para famíla com apenas dos membros (mardo e esposa), como também para aquelas com flhos. Segundo os autores, os ndvíduos nas famílas não produzem somente saúde para s, mas também para os outros membros. Lljas (1997) ntroduz a ncerteza, já que os ndvíduos não sabem precsamente a dade em que morrerão. A análse dos mpactos de doenças sobre os rendmentos tem crescdo na academa. Um dos prmeros trabalhos a nclur a varável saúde (health status) na equação de rendmentos fo o de Morgan et al. (1962). Os resultados ndcaram que o estado de saúde tem uma mportânca sgnfcatva em todos os aspectos da oferta de mão-de-obra nvestgado (taxa de partcpação na força de trabalho, horas trabalhadas e saláro horáro). O maor mpacto estmado ocorreu com relação à taxa de partcpação. Kahn (1998, p.895), utlzando o modelo Tobt, verfcou que os dabétcos têm rendmento nferor aos dos não-dabétcos. Young et al. (1994, p. 911) verfcaram que a ncdênca do dabetes mlltus e da doença renal crônca é nversamente correlaconadas com o status socoeconômco. Marcotte e Wlcox (2003), através de regressão quantílca, estmam as perdas de rendmento devdo à doença mental e verfcaram que essas perdas são maores para as mulheres. No Brasl, pesqusas envolvendo as questões de desgualdade de renda, escolardade e saúde têm sdo dscutdas desde os anos Autores como Nér (1999), Nér e Soares (2002), Alves e Andrade (2002), Thomas e Strauss (1997) e Noronha e Andrade (2005) debateram a desgualdade de renda e saúde no Brasl. Noronha e Andrade (2005) estmaram o mpacto da saúde sobre a dstrbução de renda através do seu efeto sobre os rendmentos ndvduas, bem como o mpacto da dstrbução de renda sobre o estado de saúde. Os resultados mostraram que a desgualdade de renda afetara negatvamente o estado de saúde. As estmatvas obtdas ndcaram que, um aumento de uma undade no coefcente de Gn reduz em 77,46% a chance de um ndvíduo ser saudável. Thomas e Strauss (1997), utlzando os dados do Estudo Naconal de Despesa Famlar (ENDEF), analsaram a relação entre saúde e produtvdade no trabalho. Os resultados obtdos pelos autores corroboram a déa de que a saúde é uma forma de captal humano que nfluenca os rendmentos. Kassouf (1999) utlzou dados da Pesqusa Naconal sobre Saúde e Nutrção (PNSN), de 1989, para avalar o mpacto de condções nadequadas de saúde sobre os rendmentos de homens (com dade de 18 a 65 anos) no Brasl. A autora mostrou que um estado de saúde precáro provoca perdas tanto através da redução na probabldade de o ndvíduo partcpar da força de trabalho quanto pela menor taxa de saláros. A varável utlzada como proxy para o estado de saúde fo o Índce de Massa Corporal (IMC). Os resultados ndcaram que as condções de saúde têm efetos sgnfcatvos sobre os rendmentos dos ndvíduos e que aqueles com IMC< 20 têm menores taxas de saláro. As perdas de rendmento devdo às más condções de saúde atngram a cfra de US$1,66 blhões ( homens doentes vezes perda de rendmento por homem adulto devdo a problemas de saúde fo de US$ 258 por ano). 13

14 Alves e Andrade (2002), utlzando dados da Pesqusa Naconal por Amostra de Domcílos (PNAD, 1998), verfcaram a relação entre saúde e rendmentos no Brasl. Os autores encontraram evdêncas de que o estado de saúde afeta os rendmentos. Nér e Soares (2002) analsaram a dstrbução de atvos entre pobres e nãopobres, enfocando a dscussão na questão da saúde e em planos de saúde. Os autores verfcaram que 74% dos 10% mas rcos possuem planos de saúde, enquanto que, apenas 2,9% dos 10% mas pobres o possuem. Além dsso, verfcaram que exste uma relação nversa entre estado de saúde e planos de saúde, sto é, aqueles com mas necessdade de atendmento de saúde são os que menos possuem menos plano de saúde. Isso, segundo os autores, contrara o prncípo de eqüdade vertcal, que dz que os servços de saúde devem ser dstrbuídos segundo a necessdade de cudados com a saúde, ndependente das característcas socoeconômcas ndvduas. Contudo o modelo de demanda por saúde de Grossman (1972) mostra que aqueles com renda mas elevada tendem a fazer mas nvestmentos em saúde, ou seja, os resultados encontrados por Nér e Soares são os teorcamente esperados. Daz (2003) analsou as desgualdades socoeconômcas na área da saúde, no Brasl, por meo da mensuração de índce de concentração para a varável autoavalação do estado de saúde, com dados orgnados ma Pesqusa Domclar sobre Padrões de Vda (PPV, 1996). Os resultados revelaram a presença de desgualdades que favorecem os ndvíduos das camadas mas elevada da escala socoeconômca. Hrth et al. (2002) destacam que os pacentes com DRC em seu estado avançado encontram uma varedade de mpedmentos com relação ao emprego, que ncluem uma condção físca e emoconal debltada, a convvênca com a doença, a preocupação com a perda de benefícos relatvos aos rendmentos potencas e também os rgores referentes ao tratamento da dálse. Contudo a escolha do modo de tratamento dálse pertoneal ou hemodálse - pode afetar, de modo sgnfcatvo a capacdade e o desejo de trabalhar do ndvíduo. As estmatvas obtdas com um modelo smples de escolha ndcaram que exstram, cerca de 51,3% de chances de um ndvíduo estar empregado, se fzesse o tratamento de dálse pertoneal. Já para os que escolhem o tratamento de hemodálse, essa probabldade se reduz para 32,2%. Eles examnaram também as decsões conjuntas que são tomadas pelos ndvíduos com relação à partcpação na força de trabalho e no tratamento da doença renal crônca em seu estágo fnal, utlzando um modelo probt de equações smultâneas. Os dados ndcaram que a escolha do tratamento da doença se consttu num sgnfcatvo predtor da stuação do ndvíduo no emprego. Sesso et al. (2003) nvestgando uma amostra de 118 pacentes do Hosptal de Clíncas de São Paulo, verfcaram que exste correlação entre o status socoeconômco e a doença renal crônca. Além dsso, os autores constataram que, após um ano de hemodálse os pacentes com maor status socoeconômco têm um aumento maor da qualdade de vda do que os com status socoeconômco mas baxo. Rvera e Curras (2005), utlzando dados da Pesqusa Domclar sobre Padrões de Vda (PPV, 1996), examnaram a relação entre saláro e saúde. Os autores também utlzaram varáves nstrumentas para estmar uma equação de saúde que fo utlzada como nstrumento na equação de rendmento. Eles verfcaram que escolardade e renda têm mpactos postvos sobre a saúde e que a má qualdade da morada tem mpacto 14

15 negatvo. Constataram, anda, que um melhor status de saúde aumenta o nível de rendmento para homens e mulheres e que os mpactos da saúde varam ao longo da dstrbução, sendo que o prmero quantl (0,10) apresenta maor coefcente. Seus resultados sugerem que a varável saúde têm um sgnfcatvo mpacto sobre a produtvdade da mão-de-obra, quando a produtvdade é medda como sendo uma função da taxa de saláro. Os dados ndcaram que os efetos sobre o estado de saúde tendem a ser maores para os trabalhadores com menor nível de produtvdade ndependentemente do gênero. Uma mplcação dsso, segundo os autores é que a saúde devera ser tratada como sendo um dos prncpas componentes do captal humano, vsto que ela afeta os níves de saláro ndvdual de modo sgnfcatvo. Assm, pode-se conclur, do ponto de vsta teórco, que a DRC afeta o comportamento do ndvíduo no mercado de trabalho de modo marcante, pos ela rá determnar e afetar a sua taxa de saláro, as horas trabalhadas, o montante de nvestmento em captal humano, o tempo que rá permanecer no mercado de trabalho e seu tpo de trabalho. Na próxma seção, procura-se estmar um desses efetos: as perdas salaral, no Brasl em METODOLOGIA 3.1 Descrção dos dados A análse é baseada na Pesqusa Naconal por Amostra de Domcílos (PNAD) de 1998, suplemento saúde. Essa pesqusa é realzada anualmente pelo Insttuto Braslero de Geografa e Estatístca, contudo as questões de saúde não são abordadas todos os anos. Vale ressaltar que, nfelzmente, no Brasl, não exste pesqusa que faça acompanhamento temporal de um mesmo ndvíduo, mpedndo dessa forma a aplcação de estudo por dados em panel. A PNAD cobre todo o terrtóro braslero, exceto a área rural da Regão Norte. Na PNAD de 1998 foram entrevstadas pessoas, dstrbuídas pelas seguntes faxas etáras apresentadas na Tabela 1. TABELA 1 AUTOAVALIAÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE EM INDIVÍDUOS COM DOENÇCA RENAL CRÔNICA, NO BRASIL Faxa Etára Freqüênca Percentual Percentual Total Acumulado 0 a 17 anos ,88 36,88 18 a 24 anos ,12 50,00 25 a 29 anos ,89 57,89 30 a 34 anos ,77 65,66 35 a 39 anos ,17 72,83 40 a 44 anos ,32 79,15 45 anos a 49 anos ,11 84,26 Acma de 50 anos ,74 100,00 Total , 00 - Fonte: Pesqusa Naconal por Amostra de Domclo

16 Em relação à auto-avalação de saúde, a Tabela 2 mostra que poucos ndvíduos com doença renal crônca relataram ter um estado de saúde muto bom e bom. Segundo Noronha e Andrade (2005, p.7) a medda categórca referente ao estado de saúde auto-reportado, apesar de ser subjetva, é muto utlzada na lteratura de economa da saúde, vsto ser uma medda ampla e abrangente do estado de saúde dos ndvíduos. Além dsso, como destacam os autores, estudos tem demonstrado que exste uma forte correlação entre essa varável e mortaldade, bom como com outras meddas de morbdade 28. Luft (1975, p.44) e Bartel e Taubman (1979, p. 7) e Andrade (2002, p.7) chamaram atenção, também, de que, embora esse tpo de varável apresente problemas com relação a um vés de seleção e smultanedades, ele se consttu na melhor medda dsponível em pesqusas de larga escala com a PNAD Isto ocorre porque, as pessoas que têm as melhores condções de se auto-dagnostcar este tpo de doença podem possur também um nível sóco-econômco mas elevado. Embora este vés não desqualfque totalmente a mportânca dos dados obtdos através da PNAD, é necessáro prudênca e cautela na análse dos dados. TABELA 2 - DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS CASOS DE DRC POR ANOS DE ESTUDO, NO BRASIL Auto-avalação Sem DRC Com DRC Nº de Pessoas Percentual Nº de Pessoas Percentual Muto bom ,46 99,54 Bom ,31 98,69 Regular , ,71 Rum ,47 Muto Rum ,56 Ignorado 74 (100.00) 100,00 Fonte: : Pesqusa Naconal por Amostra de Domclo , ,44 0 (0.00) 0,00 Como pode ser verfcada na Tabela 3, a DRC não está dstrbuída unformemente em função dos anos de estudo. Nota-se que, à medda que dmnuem os anos de estudo, aumenta a taxa de ncdênca da doença. Percebe-se que a taxa de ncdênca dos ndvíduos com um ano de estudo é quase cnco vezes superor aos com 14 anos de estudo. 28 Conferr Wagstaff e Dooslaer (1994). 16

17 TABELA 3 - DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS CASOS DE DRC POR ANOS DE ESTUDO, BRASIL Anos de Estudo % Não tem DCR % tem DCR Total 1 94,66 5,34 100, ,10 4,90 100, ,24 4,76 100, ,39 4,61 100, ,08 3,92 100, , 00 3,00 100, ,17 2,83 100, ,31 2,69 100, ,36 2,64 100, ,10 1,90 100, ,3 1,70 100, ,11 1,89 100, ,27 1,73 100, ,89 1,11 100, ,53 1,47 100, ,39 1,61 100,00 Total 96,85 3,15 100,00 Fonte: Pesqusa Naconal por Amostra de Domclo Consderando os dados acma, a técnca de regressão quantílca permte verfcar como ocorrem as perdas de rendmentos, em função da doença renal crônca, ao longo da dstrbução de rendmento. 3.2 Modelo econométrco: regressão quantílca Para verfcar o efeto da presença da DRC sobre os rendmentos, é utlzada a metodologa de regressão quantílca 29. A regressão quantílca permte analsar o mpacto das varáves explcatvas ao longo da dstrbução condconal da varável dependente (lnw = taxa de saláro), enquanto a regressão de mínmos quadrados estma apenas o efeto médo do mpacto de uma varável. Os modelos de regressão quantílca têm sdo bastante utlzados para estudar o retorno das varáves do captal humano, desgualdade e renda no Brasl 30. O modelo de regressão quantílca para o problema em questão pode ser escrto como: 29 Conferr Kroenker & Basset (1978). 30 Confra por exemplo os trabalhos de Rbero (2001), Slvera Neto e Campelo (2003), Arabsheban, Carnero e Henley (2003), Araújo Júnor e Slvera Neto (2004), Justo (2004) e Rvera e Curras (2005) entre outros que exploram esta abordagem. 17

18 = ln w x θ µ, Quant ( ) θ θ ln w x = x β θ, (9) β + onde: x é um vetor de varáves exógenas e β θ é um vetor de parâmetros. Quant θ ln w denota o quantl condconal de lnw dado x, onde θ (0,1). ( ) x Segundo Vera (1999, p.100), o objetvo é estmar o vetor de parâmetros desconhecdos β θ para dferentes valores de θ (0,1). A regressão quantílca pode ser vsta como uma extensão natural dos quants amostras para o caso de um modelo lnear y t = X t β + ε t, o qual assume a segunte forma: mn n b R 1 t θ y x β + t t { t:y x β} t { t:y < x β} t t t (1 θ) y t t x β = mn t n 1 n = 1 ρ θ (y t x β) t (10) em que ρ é a função check defnda por θ u, u 0 ρ θ (u) = (10.1) ( θ 1)u, u < 0 onde a função ρ θ multplca os resíduos por θ, se eles forem não negatvos e por (θ 1), caso contráro, para que, dessa forma sejam tratados assmetrcamente. Com a varação de θ, dferentes quants podem ser obtdos. Os quants mas freqüentemente estmados são: 0,1; 0,25; 0,50; 0,75 e 0,90. Desse modo, a regressão quantílca permte descrever como ocorre o mpacto das varáves explcatvas sob a dependente, ao longo da dstrbução. De acordo com Slva e Porto Junor (2004) e Rvera e Curras (2005), as prncpas vantagens da regressão quantlca são: () a técnca de regressão quantílca permte caracterzar toda dstrbução condconal de uma varável resposta a partr de um conjunto de regressores; () a regressão quantílca pode ser usada quando a dstrbução não é gaussana; () as estmações dos coefcentes angulares de cada quantl são obtdas consderando a totaldade dos dados, ou seja, não há sub-amostras do conjunto de dados; (v) a regressão quantílca é robusta a outlers; (v) por utlzar a dstrbução condconal da varável resposta, podem-se estmar os ntervalos de confança dos parâmetros e do regressando dretamente dos quants condconas desejados; (v) como os erros não possuem uma dstrbução normal, os estmadores provenentes da regressão quantílca podem ser mas efcentes que os estmadores por meo de MQO; (v) a regressão quantílca pode ser representada como um modelo de programação lnear, o que faclta a estmação dos parâmetros. Uma das justfcatvas para o uso de tal metodologa neste ensao se se dá em função da doença não estar dstrbuída unformemente entre os decs de rendmento conforme Quadro 1, havendo redução da ncdênca com o aumento da renda 31 ou seja, nos decs de renda mas baxos, a presença de doença renal crônca é maor e dmnu ao longo da dstrbução. 31 Conferr Young et al. (1994) e Nér e Soares (2002). 18

19 QUADRO 1: PRESENÇA DE DRC, SEGUNDO DECIS DE RENDIMENTO, NO BRASIL Doença Decl de Rendmento Total Tem doença renal crônca 6,3 5,6 5,4 6,6 5,9 5,2 4,3 3,9 3,8 2,8 5,0 Tem artrte ou reumatsmo 18,9 23,3 17,9 17,5 13,7 15,3 12,4 11,6 9,7 8,3 14,9 Tem câncer 0,1 0,2 0,3 0,4 0,3 0,4 0,4 0,5 0,6 0,6 0,4 Tem dabetes 1,4 2,5 3,3 3,2 3,5 4,2 3,7 4,5 4,8 5,1 3,6 Tem bronqute ou asma 2,4 3,6 3,6 4,6 4,2 5,2 4,0 3,7 3,2 3,2 3,8 Tem hpertensão 13,9 20,3 21,9 20,7 19,4 21,0 21,0 21,6 20,6 19,7 20,0 Tem doença do coração 3,6 6,3 7,4 8,5 7,2 8,3 7,8 6,9 7,1 6,9 7,0 Tem doença de coluna ou costas 40,8 44,0 37,4 35,0 33,2 32,1 28,9 27,4 26,2 22,5 32,7 Tem depressão 6,0 6,8 8,1 8,1 6,6 7,3 7,3 6,7 6,5 6,1 6,9 Tem tuberculose 0,3 0,2 0,2 0,3 0,1 0,2 0,1 0,1 0,1 0,1 0,2 Tem tendnte ou tenossnovte 2,3 2,7 2,7 2,9 2,5 2,9 2,7 2,6 3,1 3,9 2,8 Tem crrose 0,2 0,3 0,5 0,4 0,4 0,2 0,3 0,3 0,2 0,2 0,3 Fonte: Nér & Soares (2002) A equação de rendmento estmada depende de característcas ndvduas como sexo, cor, dade e de característcas de captal humano, como escolardade e presença de doença renal, e é expressa por: log = α B + ε (11) 2 Wθ 0 + α θ 1θ E + α 2θ S + α 3I + α 4θ I + α 5θ D + α 6θ onde: W é renda; E são os anos de estudo (v0610); I é a dade (v8005); S é sexo (v0302); D é a varável dummy que é gual a 1 se o ndvíduo reporta a presença de doença renal crônca e 0 em caso contráro; B é branco (v0404): a varável dummy que é gual a 1 se o ndvíduo é branco e 0 em caso contráro, θ denota o quantl estmado. A varável dependente (ln w) é o logartmo do saláro-hora, e fo obtda através da varável rendmento total (v ), dvdda pelo número de horas trabalhadas (v4707) e multplcada por 4. A utlzação do saláro-hora faz com que seja melhor dentfcado o mpacto da presença da doença renal crônca (v1316), controlando deste modo, o problema da utlzação da varável rendmento total (v4719) que pode ser afetada pela redução do número de horas trabalhadas pelos ndvíduos com essa doença, já que, teorcamente, uma pessoa doente tende a trabalhar menos tempo, em decorrênca da própra doença 33. Nas tabelas 4 e 5 verfca-se que a renda méda dos ndvíduos com doença renal crônca é menor do que a dos demas. As mulheres com DRC recebem cerca de 45,52% menos do que as se a doença. No caso dos homens, essa dferença é muto menor θ 32 Os números das varáves entre parênteses referem-se ao códgo da varável atrbuído pelo IBGE na PNAD, Conferr Thomas e Strauss (1997). 19

20 (17,77%). Percebe-se também que o número de anos de estudo é menor entre os ndvíduos com DRC. TABELA 4 ESTATÍSTICA DAS MULHRES COM E SEM DRC NA FAIXA ETÁRIA DE 18 A 55 ANOS, SEGUNDO A RENDA, AS HORAS SEMANAIS TRABALHADAS, NO BRASIL Com DRC Sem DRC Varáves Méda Desvo Mn Max Méda Desvo Mn Max Padrão Padrão Idade 37,.47 9,36 18,00 55,00 33, ,00 55,00 Renda em R$ 293,44 449,81 8, , , Anos de Estudo 7,04 4,21 1,00 16,00 7, ,00 16 Horas semanas 3,04 1,24 1,00 48, ,00 48,00 de Trabalho Fonte : Pesqusa Naconal por Amostra de Domclo TABELA 5 ESTATÍSTICA DOS HOMENS COM E SEM DRC NA FAIXA ETÁRIA DE 18 A 55 ANOS, SEGUNDO A RENDA, AS HORAS SEMANAIS TRABALHADAS, NO BRASIL Com DRC Sem DRC Varáves Méda Desvo Mn Max Méda Desvo Mn Max Padrão Padrão Idade 39,01 9,21 18,00 55,00 34,18 10,0 18,00 55,00 Renda 533,45 873,79 4, , ,78 5,00 20,000 Anos de Estudo 5,94 4,09 1,00 16,00 7,55 4,31 1,00 16,00 Horas semanas de 3,94 1,06 1,00 48,00 3,75 1,04 1,00 48,00 Trabalho Fonte : Pesqusa Naconal por Amostra de Domclo Em relação ao número de horas de trabalho por semana, as Tabelas 4 e 5 mostram que, em méda, os homens com doença renal crônca ofertam um maor número de horas de trabalho do que os que não tem a doença, no caso das mulheres ocorre o nverso, ou seja, as mulheres que não tem DRC trabalham mas horas do que aquelas que têm doença renal crônca. Este padrão é smlar ao encontrado por Alves (2003), que verfcou que os homens doentes ofertam mas horas de trabalho do que os não doentes. 20

21 3.3 Resultados Econométrcos Nesta subseção são apresentados os resultados econométrcos obtdos através das metodologas de mínmos quadrados ordnáro e de regressão quantílca, os quas foram obtdos utlzando-se o software Stata, versão 8.2. As estmações foram fetas com dados da PNAD A amostra utlzada contém observações de homens e mulheres com dade entre 18 e 55 anos e renda maor que R$1,00. A justfcatva para utlzar tal ntervalo de dade é que, segundo a Socedade Braslera de Nefrologa, a maor parte dos pacentes renas crôncos se stuam nessa faxa etára. Incalmente, utlzou-se o método de mínmos quadrados ordnáros para verfcar o mpacto da presença da doença renal crônca sobre os rendmentos em dversas faxas de renda. Os resultados de Sesso et al (2003) e os encontrados neste trabalho revelam que os ndvíduos dos estratos socas mas baxos sofrem maor mpacto com a doença renal crônca. A segur, a equação (11) fo estmada va regressão quantílca smultânea (SQREG). De modo a obter resultados mas consstentes as estmatvas foram obtdas com bootstrappng de 100 replcações. As estmações foram fetas, tanto conjuntamente, quanto separada, por gênero, para os quants 0,10; 0,25; 0,50; 0,75 e 0,90. Tal procedmento As permte fazer uma análse mas adequada dos mpactos da doença renal crônca. No Quadro 2, encontram-se os resultados das estmações para a amostra total. Logo adante, nos Quadros 3 e 4, são apresentados as estmações por gênero. Ambos mostraram que todos os snas das varáves são os esperados teorcamente e sgnfcatvos do ponto de vsta estatístco. A varável cor apresenta snal postvo, ndcando que os ndvíduos brancos têm maor rendmento. O coefcente da varável sexo mostra que as mulheres têm um rendmento menor do que dos homens, pos o coefcente da varável tem snal negatvo, ndcando, dessa forma, a exstênca de dscrmnação no mercado de trabalho para mulheres. O mpacto da presença da DRC é mas mportante no quantl 0,25 e dmnu ao longo dos demas. Os resultados ndcam que esse mpacto vara entre 10,3% e 13,2%. O valor do coefcente no quantl 0.90 sugere que os rendmentos dos ndvíduos abrangdos nele são menos sensíves. A varável anos de estudo teve snal postvo sgnfcatvo e revela que a taxa de retorno de anos adconas de estudo é maor para os ndvíduos do quantl 0,90. 21

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO Revsta Economa e Desenvolvmento, n. 21, 2009 DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO Elane Pnhero de Sousa 1 João Eustáquo de Lma 2 RESUMO As mudanças

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL 1 UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL Área 4 - Desenvolvmento, Pobreza e Eqüdade Patríca Ullmann Palermo (Doutoranda PPGE/UFRGS) Marcelo Savno Portugal (Professor do PPGE/UFRGS)

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

Análise da Situação Ocupacional de Crianças e Adolescentes nas Regiões Sudeste e Nordeste do Brasil Utilizando Informações da PNAD 1999 *

Análise da Situação Ocupacional de Crianças e Adolescentes nas Regiões Sudeste e Nordeste do Brasil Utilizando Informações da PNAD 1999 * Análse da Stuação Ocupaconal de Cranças e Adolescentes nas Regões Sudeste e Nordeste do Brasl Utlzando Informações da PNAD 1999 * Phllppe George Perera Gumarães Lete PUC Ro/Depto. De Economa IBGE/ENCE

Leia mais

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste.

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste. Determnantes da Desgualdade de Renda em Áreas Ruras do Nordeste. Autores FLÁVIO ATALIBA BARRETO DÉBORA GASPAR JAIR ANDRADE ARAÚJO Ensao Sobre Pobreza Nº 18 Março de 2009 CAEN - UFC Determnantes da Desgualdade

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro *

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro * Stuação Ocupaconal dos Jovens das Comundades de Baxa Renda da Cdade do Ro de Janero * Alessandra da Rocha Santos Cínta C. M. Damasceno Dense Brtz do Nascmento Slva ' Mara Beatrz A. M. da Cunha Palavras-chave:

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 Danlo Coelho Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada João Alberto De Negr (IPEA) Insttuto

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

A mobilidade ocupacional das trabalhadoras domésticas no Brasil

A mobilidade ocupacional das trabalhadoras domésticas no Brasil A mobldade ocupaconal das trabalhadoras doméstcas no Brasl Resumo Kata Sato Escola de Economa de São Paulo Fundação Getúlo Vargas EESP-FGV André Portela Souza Escola de Economa de São Paulo Fundação Getúlo

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria Unversdade do Estado do Ro de Janero Insttuto de Matemátca e Estatístca Econometra Revsão de modelos de regressão lnear Prof. José Francsco Morera Pessanha professorjfmp@hotmal.com Regressão Objetvo: Estabelecer

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL.

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. André Matos Magalhães Vctor Carvalho Castelo Branco 2 Tago Vasconcelos Cavalcant 3 Resumo Este trabalho consste

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1 DETERMINANTES DA ADOÇÃO DA TECNOLOGIA DE DESPOLPAMENTO NA CAFEICULTURA: ESTUDO DE UMA REGIÃO PRODUTORA DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS govanblas@yahoo.com.br Apresentação Oral-Cênca, Pesqusa e Transferênca

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insttuto de Cêncas Humanas Departamento de Economa ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS André Gustavo Lacerda Skendzel Orentador:

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos INFORMAÇÕES ASSIMÉTRICAS NO MERCADO DE CRÉDITO: UMA ABORDAGEM SOBRE O COMPORTAMENTO DOS BANCOS BRUNO FERREIRA FRASCAROLI Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Economa Unversdade Federal da Paraíba

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr Fara dos Santos, Wlson da Cruz Vera & Bríco dos ISSN Santos Res 1679-1614 EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL Danlo Augusto Hereda VIEIRA 1 Celso Correa de SOUZA 2 José Francsco dos REIS NETO 3 Resumo. As

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Novas Forças de Atração nas Grandes Cidades *

Novas Forças de Atração nas Grandes Cidades * Novas Forças de Atração nas Grandes Cdades * Cro Bderman ** Resumo Este artgo procura explcar a atual desconcentração dos servços nas grandes áreas urbanas e o movmento paralelo de concentração para os

Leia mais

IBMEC São Paulo Faculdade de Economia e Administração

IBMEC São Paulo Faculdade de Economia e Administração IBMEC São Paulo Faculdade de Economa e Admnstração O Sstema de Transplantes de Rns do Estado de São Paulo: uma Análse Sob a Ótca da Teora dos Jogos Proponente: Marcel Zmmermann Aranha Orentador: Prof.

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO.

TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO. ELMO TAMBOSI FILHO TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CURVA DE KUZNETS: MENSURAÇÃO DO IMPACTO DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE A DESIGUALDADE DE RENDA PARA OS ESTADOS BRASILEIROS (1995-2005)

CURVA DE KUZNETS: MENSURAÇÃO DO IMPACTO DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE A DESIGUALDADE DE RENDA PARA OS ESTADOS BRASILEIROS (1995-2005) CURVA DE KUZNETS: MENSURAÇÃO DO IMPACTO DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE A DESIGUALDADE DE RENDA PARA OS ESTADOS BRASILEIROS (995-005) Fernando Henrque Taques Mestrando em Economa pelo PEPGEP/PUC-SP Cao

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities A Importânca da Educação para a Recente Queda da Desgualdade de Renda Salaral no Brasl: Uma análse de decomposção para as regões Nordeste e Sudeste Valdemar Rodrgues de Pnho Neto Técnco de pesqusa do Insttuto

Leia mais

MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL

MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL RESUMO Francel Tonet Macel 1 Ana Mara Hermeto Camlo de Olvera 2 O objetvo deste trabalho fo verfcar possíves fatores determnantes da decsão

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 4.3 Decsão Intertemporal do Consumdor O Mercado de Captal Isabel Mendes 2007-2008 4/17/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 3. EQUILÍBRIO

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

1º LUGAR - DEFESA DA CONCORRÊNCIA AUTOR: SÉRGIO GOLDBAUM SÃO PAULO - SP

1º LUGAR - DEFESA DA CONCORRÊNCIA AUTOR: SÉRGIO GOLDBAUM SÃO PAULO - SP 1º LUGAR - DEFESA DA CONCORRÊNCIA AUTOR: SÉRGIO GOLDBAUM SÃO PAULO - SP BARREIRAS À ENTRADA EM MERCADOS MONOPOLIZADOS: A DISTRIBUIÇÃO DE AUTOMÓVEIS. 1 Resumo O objetvo deste trabalho é analsar os efetos

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 13 n.4 Out/Dez 2008, 83-98 Mercado de Água e o Estado: Lções da Teora dos Jogos Francsco de Asss de Souza Flho Unversdade Federal do Ceará - UFC assssouzaflho@gmal.com

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS PREVISÃO DE PRTIDS DE FUTEBOL USNDO MODELOS DINÂMICOS Oswaldo Gomes de Souza Junor Insttuto de Matemátca Unversdade Federal do Ro de Janero junor@dme.ufrj.br Dan Gamerman Insttuto de Matemátca Unversdade

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro.

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. Estmatva dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. O. L. L. Moraes 1, H. R. da Rocha 2, M. A. Faus da Slva Das 2, O Cabral 3 1 Departamento

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS)

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) Lenlma Vera Nunes Machado CPF: 425.454.202-04 Economsta do Banco da

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais