Exp RESSONÂNCIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exp. 10 - RESSONÂNCIA"

Transcrição

1 apítulo Exp. 0 - RESSONÂNIA EÉTRIA. OBJETIVOS Estudo das oscilações eléticas foçadas em cicuitos essonantes em séie e em paalelo..2 PARTE TEÓRIA Muitos sistemas físicos estáticos e estáveis, quando momentaneamente petubados po um agente exteno, etonam à posição de equilíbio oscilando com uma fequência natual de oscilação também chamada de fequência de oscilação live. Se não houvesse fomas de dissipação de enegia (atito, po exemplo) o sistema oscilaia indefinidamente com uma fequência natual f o e amplitude constante. A pesença de elementos dissipativos nomalmente eduz a fequência de oscilação natual oiginal paa um novo valo f e faz com que a amplitude da oscilação diminua com o passa do tempo. Quando a petubação é pesistente e peiódica com uma fequência pópia f, a expeiência mosta que, após ceto intevalo de tempo com uma oscilação iegula, o sistema acaba po acompanha o itmo imposto pelo agente exteno e enta em oscilação egula com a mesma fequência f. Isto caacteiza o que chamamos de oscilação foçada em egime pemanente. O sistema físico que petendemos estuda é um cicuito elético constituído po um esisto, um induto e um capacito que podem se aanjados em séie ou em paalelo. Esse aanjo seá excitado po uma fonte ou geado e estamos inteessados em estuda o compotamento dos sinais eléticos de tensão e de coente elética como uma esposta à excitação..2. As fontes de sinais eléticos As fontes que excitaão o cicuito elético podem se do tipo fonte de tensão ou então fonte de coente. Uma fonte de tensão ideal é aquela que impõe um deteminado valo de tensão ou d.d.p. ao elemento de cicuito que a ela esteja conectado. Essa tensão pode se constante ou vaiável no tempo e seu valo é conhecido. A coente elética que atavessaá 9

2 20 N. B. de Oliveia DFES-I. FÍSIA-UFBA-Rev o elemento apaeceá como consequência e seu valo dependeá do valo da tensão da fonte e das popiedades eléticas do elemento. As fontes de enegia eletoquímicas como as pilhas e bateias bem como as fontes eletomecânicas como os altenadoes e geadoes de enegia convencionais se compotam, com boa apoximação, como fontes de tensão dento de uma deteminada faixa de valoes de coente. Uma bateia de automóvel de 2 V, nova, é uma excelente fonte de tensão paa coentes ente 0 e 50 A po exemplo. Já uma pilha de,5 V, tamanho D, de cavão e utilizada em lantenas pode se consideada uma fonte de tensão até que a coente atinja 0, A apoximadamente. Uma fonte de coente ideal é aquela que impõe o valo da coente qualque que seja o elemento de cicuito a ela conectado. A tensão ou a d.d.p. é uma consequência e depende do valo da coente e das popiedades do elemento de cicuito. A escolha ente uma excitação na foma de fonte de tensão ou fonte de coente é uma questão de mea conveniência paa facilita a análise e o entendimento do funcionamento de um cicuito. Uma fonte de coente pode se implementada a pati de uma fonte de tensão e um esisto com valo de esistência elevado quando compaado ao valo da esistência equivalente do elemento de cicuito sob estudo. onsidee, po exemplo, que a esistência do elemento de cicuito sob estudo possa vaia de 5 a 0 Ω e que esse elemento esteja em séie com um esisto cuja esistência vale 000 Ω e uma fonte de tensão igual a 2 V, veja a figua (Fig..). R = 000 V R = 5-0 Figua.: icuito composto po uma fonte de tensão altenada e um outo elemento de cicuito. A coente i no cicuito vale ε i = R + R o valo mínimo seá 2 i min = =, 88 ma e o valo máximo seá 2 i min = =, 94 ma Ou seja, apesa da esistência R duplica o valo, a coente pemanece apoximadamente constante em i =, 9 ma. Assim, a fonte de tensão em séie com o esisto (R = 000Ω) funciona como uma fonte de coente paa essa vaiação de R..2.2 icuito R em séie onsideemos a associação em séie de um induto, um capacito, um esisto e uma fonte de tensão como na figua (Fig..2).

3 .2. PARTE TEÓRIA 2 i( t) v t F( ) v t ( ) v t ( ) v t R( ) R Figua.2: icuito R em séie. Suponhamos que a fonte seja ligada em t = 0 de modo que v F (t) = 0, paa t < 0 v F (t) = v 0 cos(ωt), paa t 0 e pocuemos detemina o compotamento da coente i(t) ao longo do tempo com a condição inicial i = 0 paa t = 0. A lei das malhas aplicada ao cicuito esulta em v (t) + v R (t) + v (t) = v F (t) (.) ou di(t) + Ri(t) + i(t)dt = v 0 cos(ωt), paa t 0. (.2) dt Deivando com elação ao tempo e eaumando fica d 2 i(t) dt 2 + R di(t) + dt i(t) = ωv 0 sen(ωt) (.3) A solução geal dessa equação possui dois temos ou pacelas, um temo tansitóio e um temo pemanente. O temo tansitóio decai exponencialmente no tempo e desapaece apidamente tonando-se despezível, tipicamente, após alguns µs ou ms. O temo pemanente é um temo oscilatóio cuja amplitude é constante no tempo e pode se escito como i(t) = v 0 cos(ωt + φ(ω)) (.4) Z(ω) onde ( Z(ω) = R 2 + ω ) 2 (.5) ω e ( ) ω φ(ω) = tan ω. (.6) R Z(ω) é a impedância e φ(ω) é a difeença de fase ente a coente e a tensão. Essas gandezas estão elacionadas pelo tiângulo mostado na figua (Fig..3). Obseve que tanto a impedância quanto a difeença de fase são funções da fequência angula ω. O temo ω é chamado de eatância indutiva, X e o temo /(ω) é chamado de eatância capacitiva, X. Obseve que se consideamos vaiável, o compotamento de X é o inveso do compotamento de X. Quando X cesce, X decesce e vice-vesa.

4 22 N. B. de Oliveia DFES-I. FÍSIA-UFBA-Rev R Z -/( ) Figua.3: icuito R em séie..2.3 Estudo da vaiação da impedância O cicuito em estudo está sendo excitado po uma fonte de tensão (causa), potanto a coente seá uma consequência. onsideemos que a fequência da fonte possa se vaiada a vontade mantendo a amplitude da tensão num valo fixo. Paa ω vaiando ente zeo e infinito, a impedância vaia de infinito até um valo mínimo quando Z = R e volta paa o infinito como mosta a figua (Fig..4) paa R = ohm, = heny e = faad. Z ( ) ad/s) Figua.4: Vaiação da impedância séie com a fequência angula ω. O mínimo ocoe quando ω = ω ou ω = (.7) que é igual à fequência angula do oscilado live sem esistência. Nessa situação, a difeença de fase é nula, ou seja, a tensão está em fase com a coente e o cicuito compotase como um cicuito puamente esistivo. A amplitude da coente é invesamente popocional à impedância, i 0 = v 0 Z(ω) (.8) e lembe-se que a amplitude da tensão v 0 é mantida constante, logo, a amplitude da coente passa po um máximo quando Z é mínimo. Veja a figua (Fig..5) paa R = ohm, = heny, = faad e v 0 = 5 volts.

5 .2. PARTE TEÓRIA 23 i o (A) v o / R (ad/s) Figua.5: Vaiação da amplitude da coente i 0 com a fequência angula ω. Dizemos então que o cicuito enta em essonância nessa situação de máximo paa a amplitude da coente. Em outas palavas, o geado ou fonte ajuda o sistema a oscila quando sua fequência é igual à fequência natual do oscilado live sem esistência. A apaência ou foma da cuva de essonância depende do valo da esistência R. Resistências altas tonam a cuva baixa, laga e assimética enquanto que esistências baixas tonam a cuva alta, esteita e quase simética. A qualidade de um oscilado pode se medida pela foma da cuva de essonância atavés de um coeficiente chamado de coeficiente de qualidade Q. Esse coeficiente é definido pela elação ente o valo de qualque das eatâncias na essonância e a esistência. ω 0 Q = ω 0 R = R (.9) Valoes pequenos de esistência (R << ω o ) poduzem altos coeficientes de qualidade (Q >> ). Valoes típicos situam-se ente 5 e 50 paa bobinas e capacitoes comuns sendo R associado às pedas ôhmicas desses elementos. O coeficiente de qualidade pode se deteminado dietamente da cuva de essonância pela medida da fequência de essonância f o e da lagua da cuva, f, quando a cuva cai ao valo máximo dividido po 2, como mostado na figua (Fig..6). Vejamos: o valo máximo da amplitude da coente é v 0 /R; paa cai a v 0 /(R 2) deveemos te, de acodo com a equação (.8), que v 0 R 2 = v 0 R2 + (X X ) 2 2R 2 = R 2 + R 2 + (X X ) 2 (X X ) 2 = R 2 ou X X = R. Existem duas fequências em que isso ocoe, na pimeia ω ω = R

6 24 N. B. de Oliveia DFES-I. FÍSIA-UFBA-Rev i o v0/ R 0,707 v0 / R f f 0 f 2 f Figua.6: agua da cuva de essonância. ω 2 + = ω R (.0) na segunda, ω 2 ω 2 = R ω 2 2 = ω 2R. (.) Somando (.0) e (.) fica (ω 2 2 ω 2 ) = (ω 2 + ω )R (ω 2 ω )(ω 2 + ω ) = (ω 2 + ω )R dividindo po ω 0 fica ou multiplicando po 2π ω 2 ω = R ω 2 ω ω 0 = R ω 0 Q = f 0 f. (.2) Em esumo, paa detemina o coeficiente de qualidade basta medi a fequência de essonância e dividi pelo intevalo de fequências em que a amplitude cai do fato / 2 (ou 0,707). Outa obsevação impotante é que paa essas duas fequências a tensão e a coente encontam-se em quadatua (φ = ±π/4 ad). Isso pode se facilmente veificado pela substituição das equações (.0) e (.) na equação (.0) que esulta em φ = ± tan () ou φ = ± π ad. (.3) 4

7 .2. PARTE TEÓRIA 25 i( t) ir( t) i( t) i( t) Fonte de coente Figua.7: icuito R em paalelo..2.4 icuito R em paalelo Tomemos agoa um induto, um capacito e um esisto conectados em paalelo e excitados po uma fonte de coente como na figua (Fig..7). onsideemos que i(t) = 0 paa t < 0 A lei dos nós aplicada ao cicuito esulta em com e Ou seja, i(t) = i 0 cos(ωt) paa t 0 i(t) = i (t) + i (t) + i (t) (.4) i (t) = v (t) R, i (t) = dv (t), i (t) = v (t)dt dt v (t) = v (t) = v (t) = v(t). i 0 cos(ωt) = v(t) R + dv(t) dt + Deivando com elação ao tempo e eaumando fica v(t)dt. (.5) d 2 v ( t) dt 2 + dv(t) + dt v(t) = ωi 0 sen(ωt) (.6) Novamente, a solução geal dessa equação possui um temo tansitóio e um temo pemanente. oncentemos-nos na solução pemanente v(t) = Z (ω)i 0 sen(ωt + θ) (.7) onde é a impedância paalela e Z (ω) = ( ) 2 ( ) (.8) + ω 2 ω ω θ = tan ( ω ). (.9)

8 26 N. B. de Oliveia DFES-I. FÍSIA-UFBA-Rev A amplitude da tensão, v 0 = Z i 0, é, nesse caso, uma consequência pois o cicuito é excitado po uma fonte de coente cuja amplitude i 0 é constante e conhecida. Obseve que nas expessões de Z e θ, equações (.8) e (.9), apaecem os invesos da esistência e das eatâncias. Estudo da vaiação da impedância Se consideamos a fequência angula da fonte de coente vaiando de zeo a infinito mantendo a amplitude da coente constante, veificaemos facilmente que a impedância paalela vaia de zeo a um valo máximo, Z max =, quando ω = /(ω) e volta a zeo como mostado na figua (Fig..8) paa = 8 ohms, = heny e = faad. Z ( ) (ad/s) Figua.8: Vaiação da impedância paalela com a fequência angula ω. Veja que o compotamento da impedância paalela é o inveso da impedância séie com o máximo ocoendo na mesma fequência do mínimo da impedância séie, ou seja, em ω 0 = onsequentemente, a amplitude da tensão também passa pelo valo máximo, v 0 = i 0, desde que a amplitude da coente pemaneça constante. Veja a figua (Fig..9) com i 0 = 2 ampées e os mesmos valoes paa os demais componentes. Se o cicuito tivesse sido excitado po uma fonte de tensão ao invés de uma fonte de coente, obteíamos o mesmo esultado paa a impedância paalela e teíamos um mínimo na amplitude da coente. A foma da cuva de essonância paa o cicuito paalelo também depende do valo da esistência, contudo, o compotamento é o inveso do que ocoe no cicuito séie. Um aumento na esistência faz com que a cuva de essonância tone-se alta, esteita e quase simética enquanto que uma diminuição nessa esistência faz com que a cuva tone-se baixa, laga e assimética.

9 .2. PARTE TEÓRIA 27 v 0 (V) 6 i (ad/s) Figua.9: Vaiação da amplitude da tensão com a fequência angula ω no cicuito R paalelo. Quando a esistência é alta, o coeficiente de qualidade do cicuito paalelo pode se definido de modo inveso ao do cicuito séie Q = (.20) ω 0 e pode se deteminado gaficamente pelo mesmo pocesso, pela elação ente a fequência de essonância e a lagua da cuva quando a amplitude da tensão cai com o fato 0,707 como na figua (Fig..0) Q = f 0 f. (.2).2.5 Repesentação das pedas do induto e do capacito Nos cicuitos em séie e em paalelo que apesentamos os elementos de cicuito foam consideados ideais. Na ealidade, os indutoes e os capacitoes apesentam pedas, dissipando um pouco de enegia. As pedas podem se epesentadas, de modo apoximado, po esistoes em séie ou em paalelo com os elementos de cicuito (induto e capacito) o que fo mais conveniente. No cicuito do expeimento, o induto eal pode se epesentado po um induto ideal em séie com um esisto como na figua (Fig..). A tansfomação da epesentação das pedas em séie paa a epesentação em paalelo pode se feita impondo-se que os coeficientes de qualidade sejam os mesmos nas vizinhanças da essonância. ω 0 = ω 0 R, ω 0 = = R. (.22)

10 28 N. B. de Oliveia DFES-I. FÍSIA-UFBA-Rev v o i R 0 0,707 i R 0 f f 0 f 2 f Figua.0: Vaiação da amplitude da tensão com a fequência angula ω no cicuito R paalelo. Induto eal = R Figua.: Repesentação de um induto eal. Os cicuitos mostados na figua (Fig..2) são equivalentes se a equação (.22) fo obedecida e despezamos as pedas no capacito. R Figua.2: Equivalência ente cicuitos R. O compotamento tansitóio em um cicuito R em paalelo pode se melho compeendido se a excitação do cicuito fo feita na foma de um degau de coente, ou seja, uma fonte de coente constante no tempo é ligada em t = 0 impondo um valo de coente I ao cicuito paalelo. Figua (Fig..3). i(t) = 0 paa t < 0 i(t) = I paa t 0. A equação do cicuito é semelhante à equação (.5) com a função de excitação substituída po um valo constante I. Deivando com elação ao tempo fica d 2 v(t) dt 2 + dv(t) + v(t) = 0. (.23) dt

11 .2. PARTE TEÓRIA 29 i( t) I i( t) o t Figua.3: Equivalência ente cicuitos R. Essa equação tem uma solução oscilatóia amotecida se a esistência não fo muito pequena v(t) = I ( ) 2 ω e 2 t sen(ω t), ω =. (.24) 2 Veja a epesentação gáfica dessa tensão na figua (Fig..4). Onde a amplitude a(t) v( t) a(t) t vaiável no tempo é dada po Paa valoes de elevados tais que Figua.4: Tensão oscilatóia amotecida. a(t) = I ω e 2 t. ( ) 2 << 2, >> 2 (.25) a fequência é apoximadamente igual à fequência natual que é a pópia fequência de essonância. Desse modo, a esistência paalela pode se tansfomada em esistência séie enquanto houve oscilação.

12 30 N. B. de Oliveia DFES-I. FÍSIA-UFBA-Rev O fato de qualidade Q apaece no decaimento exponencial pois, = ω 0 = ω 0. e 2 t = e ω 0 2Q t Potanto, esse fato pode se dietamente deteminado pela medida da amplitude dos picos da oscilação amotecida: sendo T o o intevalo de tempo ente picos sucessivos, A a amplitude do pimeio pico e A n a amplitude do n-ésimo pico, teemos de acodo com a figua (Fig..5) que v( t) A n = A e ω 0 2Q (n )T0, ω 0 = 2π T 0 (n )π Q =. (.26) ln A A n A (n-) T 0 A n t Figua.5: Tensão oscilatóia amotecida. Obseve que a tensão oscila amotecendo ao edo de v = 0 nesse cicuito ideal. Em um induto eal, existe sempe um valo de esistência associado à esistência do fio, R F, ainda que pequena e essa esistência contibui paa o valo final da tensão. Em outas palavas, a tensão oscila ao edo de um pequeno valo difeente de zeo,.2.6 Teoia da medida v final = + R F R F I. Realizaemos um estudo expeimental em um cicuito essonante em séie e em paalelo.

13 .2. PARTE TEÓRIA 3 No cicuito R em séie opeando no egime pemanente, estamos inteessados em obseva o compotamento da impedância em função da fequência. omo não podemos medi a impedância de modo dieto utilizando um osciloscópio, pois esse instumento só mede tensão, utilizaemos o atifício de passa uma coente senoidal com amplitude constante atavés do induto e do capacito eais (com a esistência R epesentando as pedas). omo a amplitude da tensão na associação em séie desses elementos é dietamente popocional ao poduto da impedância pela amplitude da coente, a obsevação da vaiação dessa amplitude de tensão efletiá a vaiação da impedância. Sendo assim, o cicuito seá excitado po uma fonte de coente. Não dispomos dessa fonte na foma de um instumento ponto paa uso, mas podemos implementá-la a pati da fonte de tensão associando em séie um esisto com valo de esistência R elevado quando compaado com os valoes das outas esistências do cicuito. Utilizaemos R = 0 kω. Veja a figua (Fig..6). Nesse cicuito, manteemos apoximadamente constante a amplitude da coente mantendo constante a amplitude da tensão do geado e vaiaemos a fequência em uma ampla faixa de valoes passando pela fequência de essonância. R i( t) R F Paa o osciloscópio Figua.6: icuito R séie paa o estudo da impedância. A esistência R F que epesenta as pedas ôhmicas do fio do induto na epesentação em séie é bastante pequena, da odem Ω, de modo que, com a intodução em séie um esisto de valo elevado (R = 0 kω) essa esistência R F seá despezível. Além disso, a esistência intena da fonte também seá muito pequena quando compaada com R e esta seá a esistência que limitaá o valo da coente na situação de essonância. Isso é muito impotante paa o bom funcionamento do geado, pois se a coente fosse de valo elevado, podeia have distoção na foma do sinal (senoidal) e o geado não se compotaia como fonte de tensão. A tensão desenvolvida nos extemos da associação R F seá levada à entada vetical do osciloscópio. Amplitude da tensão de saída do geado seá mantida constante enquanto a fequência seá vaiada em uma ampla faixa de valoes, de 00 Hz a 3000 Hz apoximadamente. No cicuito R em paalelo opeando no egime pemanente estamos inteessados em obseva o compotamento da impedância em função da fequência quando o cicuito é excitado com uma fonte de coente. Paa obseva o compotamento da impedância, obsevaemos o compotamento da tensão e implementaemos a fonte de coente como no caso anteio. Veja a figua (Fig..7). Nesse cicuito, manteemos apoximadamente constante a amplitude da coente mantendo constante a amplitude da tensão do geado e vaiaemos a fequência em uma ampla faixa de valoes passando pela fequência de essonância.

14 32 N. B. de Oliveia DFES-I. FÍSIA-UFBA-Rev R i( t) Paa o osciloscópio Figua.7: icuito R paalelo paa o estudo da impedância. No estudo do cicuito R em paalelo opeando no egime tansitóio estudaemos o compotamento da tensão como esposta a um degau de coente. Isso ocoe num intevalo de tempo muito cuto, alguns milésimos de segundo. Paa podemos obseva o sinal com um osciloscópio analógico é necessáio epeti essa excitação peiodicamente com uma fequência mais alta que 20 Hz paa obtemos uma pesistência visual. Paa isso, utilizaemos uma excitação na foma de um sinal quadado como mostado na figua (Fig..8). R i( t) Paa o osciloscópio Figua.8: icuito R paalelo paa o estudo do egime tansitóio. Da mesma foma que no cicuito anteio, a fonte de tensão e o esisto com esistência R fomam a fonte de coente..3 PARTE EXPERIMENTA.3. ista de mateial Identifique os mateiais e equipamentos sobe a mesa: Uma bobina de fio e núcleo de feo laminado ou feite, geado de sinais, osciloscópio de dois canais, capacito de valo conhecido,

15 .3. PARTE EXPERIMENTA 33 esistoes de valoes conhecidos (,2 kω, 0 kω), placa de ligações e fios..3.2 icuito R em séie Antes de ealiza qualque medida é necessáio faze o ajuste da simetia do sinal do geado de sinais. Paa isso conecte os teminais de saída do geado dietamente com os teminais de entada do canal do osciloscópio. igue o geado de sinais, selecione a função quadada, ajuste a fequência em tono de 00 Hz e a amplitude num valo médio. igue o osciloscópio e aguade um minuto paa o aquecimento. Ajuste o osciloscópio paa visualiza o sinal quadado. Em caso de dúvida veja o oteio do expeimento OSIOSÓPIO DE RAIOS ATÓDIOS-I. Estando o sinal quadado imobilizado no cento da tela e com um peíodo visível, ajuste o geado (botão DADJ) paa que a duação do semi-ciclo positivo seja exatamente igual à duação do semi-ciclo negativo, ou seja, o taço supeio do sinal tem que te o mesmo compimento do taço infeio. Esse ajuste tem que se feito com muito citéio. Selecione a função senoidal no geado e obseve se a senoide está pefeitamente simética. Vaa a fequência do sinal senoidal de 00 Hz a 500 Hz e veifique se a amplitude do sinal pemanece constante. Se não pemanece constante seá necessáio ajustá-la duante o decoe do expeimento. Não desligue o geado duante todo o expeimento, apenas desconecte os fios tomando o cuidado paa não colocá-los em cuto-cicuito. Monte o cicuito da figua (Fig..9), mas não conecte ainda o geado de sinais. hame o pofesso ou o monito paa confei as ligações. R = 0 k Fio vemelho do H Osciloscópio Fio peto do H Figua.9: icuito R séie conectado ao osciloscópio. Se tudo estive coeto, conecte o geado e ajuste-o paa 200 Hz. Ajuste o osciloscópio paa visualiza alguns peíodos da senoide na tela de modo que a senoide não ultapasse os limites veticais da tela. Vaie a fequência do geado paa enconta a situação de essonância caacteizada pelo mínimo de amplitude do sinal. Detemine a fequência de essonância lendo o valo mostado no geado e confime esse valo fazendo a medida na tela do osciloscópio (aumente bastante a sensibilidade vetical paa essa medida).

16 34 N. B. de Oliveia DFES-I. FÍSIA-UFBA-Rev Agoa, você vai levanta pontos paa taça a cuva de essonância. Ajuste a fequência do geado na metade da fequência de essonância. Ajuste a amplitude do geado em conjunto com a sensibilidade vetical do osciloscópio paa que a senoide ocupe toda e extensão vetical da tela do osciloscópio. Se houve distoção na senoide, diminua a amplitude do geado e aumente a sensibilidade. Vaie a fequência do geado da metade até o dobo da fequência de essonância medindo o valo pico a pico do sinal senoidal coespondente a cada fequência. Escolha os pontos de modo inteligente, pois a vaiação não é linea. Tome pelo menos doze pontos de medida e constua uma tabela onde conste a fequência e a tensão pico a pico. É sempe conveniente desloca veticalmente o sinal na tela paa que o pico infeio da senoide toque a linha mais infeio da gatícula paa ealiza a medida da tensão. Duante as medidas a amplitude do sinal do geado deve pemanece constante, se fo necessáio altee apenas a sensibilidade do osciloscópio, o tempo de vaedua e o posicionamento vetical. Intoduza o núcleo de feo no induto e meça apenas a nova fequência de essonância. Não levantaemos pontos paa uma nova cuva de essonância. Após a medida etie o núcleo de feo. Anote os valoes exatos da capacitância e da esistência em uso..3.3 icuito R em paalelo Monte o cicuito da figua (Fig..20) e chame o pofesso ou o monito antes de conecta o geado paa veifica as ligações. R Fio vemelho do H Osciloscópio R R = 0 k R =,2 k Fio peto do H Figua.20: icuito R paalelo conectado ao osciloscópio. Obseve que as pedas no induto foam aumentadas atificialmente pela intodução de um esisto com esistência R =, 2 kω paa tona mais fácil a execução da expeiência. Novamente, vaiando a fequência do geado de sinais detemine e anote a fequência de essonância coespondente ao máximo da amplitude da tensão. onfime o valo da fequência medindo com o osciloscópio além do valo indicado no geado. Ajuste a sensibilidade vetical do osciloscópio juntamente com a amplitude do geado paa que a amplitude da senoide ocupe toda a extensão vetical da gatícula da tela na situação de essonância. Vaie a fequência do geado da metade até o dobo da fequência de essonância medindo o valo pico a pico do sinal senoidal coespondente

17 .3. PARTE EXPERIMENTA 35 a cada fequência. Detemine pelo menos doze pontos de medida escolhendo-os de modo inteligente. Intoduza o núcleo de feo e epita apenas a medida da fequência de essonância. Ao temina a medida etie o núcleo de feo, mas não desmonte o cicuito..3.4 Tansitóio no cicuito R paalelo Paa estuda o egime tansitóio utilizaemos o mesmo cicuito anteio e o excitaemos com um sinal quadado de baixa fequência ente 30 Hz e 40 Hz. Nessa fequência o oscilado R teá tempo suficiente paa oscila e elaxa completamente duante cada semi-ciclo do sinal quadado. Além disso, a fequência é suficientemente alta paa obtemos uma boa pesistência visual. Paa visualiza o sinal quadado poduzido pelo geado e sinconiza o osciloscópio utilizaemos também o canal 2 do osciloscópio. Os teminais desse canal deveão se conectados dietamente aos teminais de saída do geado tomando o cuidado paa que o fio peto desse canal esteja eleticamente conectado ao mesmo ponto do fio peto do canal. Veja a figua (Fig..2). R Fio vemelho do H2 Fio vemelho do H Osciloscópio R H H2 Geado de sinal quadado R = 0 k R =,2 k Fios petos de H e H2 Figua.2: icuito R paalelo com excitação quadada e conectado ao osciloscópio. Inicialmente, selecione sinal quadado no geado, ajuste a fequência num valo ente 30 Hz e 40 Hz com amplitude média. Selecione apenas o canal 2 (H2) no osciloscópio tomando o cuidado de coloca a chave de entada desse canal na posição D, isto etia o capacito de entada inteno que podeia defoma o sinal quadado de baixa fequência. Sinconize o osciloscópio apenas pelo pópio canal 2. Ajuste a vaedua, a sensibilidade do canal 2 e os posicionamentos paa visualiza o sinal quadado no cento da tela, um ou dois peíodos, começando no lado esquedo. Se fo necessáio ajuste o botão de nível de sinconismo (EVE). Agoa, selecione também o canal (H) colocando a chave de entada desse canal também na posição D. Você deveá esta vendo os dois canais simultaneamente. Aumente bastante a sensibilidade vetical desse canal e posicione o sinal no meio da tela. Você deveá pecebe um sinal tansitóio na boda esqueda de um pequeno sinal quadado. Aumente a sensibilidade paa visualizá-lo melho. Se você pesta bem atenção pecebeá que, se o pimeio tansitóio começa oscilando paa cima, o segundo tansitóio, na outa boda do sinal quadado, começa oscilando paa

18 36 N. B. de Oliveia DFES-I. FÍSIA-UFBA-Rev baixo e vice-vesa. Isso é devido à tansição de nível do sinal quadado. Pense a espeito disso. Você pode seleciona apenas o canal paa visualização se o canal 2 estive atapalhando, pessione apenas a tecla H em VERTIA MODE na pate supeio do painel. Mantenha a fonte de sinconismo no canal 2. Ajuste a fequência do geado paa que cada tansitóio tenha tempo bastante paa se extingui, mas não exagee, pois, se a fequência fica muito baixa a figua piscaá na tela. Agoa, concente-se em apenas um dos tansitóios, pode se o pimeio no lado esquedo, e ajuste a vaedua e o posicionamento paa que apenas ele fique visível na tela. A oscilação amotecida deve temina em cima do taço hoizontal do cento da tela. Ajuste a sensibilidade vetical e a amplitude do geado, simultaneamente, paa obte a máxima excusão do pimeio pico até a linha limite vetical da tela. a) Retie o esisto R =, 2 kω que está em paalelo com o induto e obseve o que acontece anotando o esultado. Se fo necessáio altee a sensibilidade vetical, a vaedua e até mesmo a fequência do geado paa visualiza melho o efeito da etiada do esisto. Se estive disponível, intoduza um esisto de 270 Ω no luga de R, obseve e anote o esultado. Retie o esisto. A segui, todas as medidas seão executadas sem a pesença desse esisto. b) Meça a fequência natual das oscilações lives amotecidas com o osciloscópio. Use a maio pecisão possível da tela do osciloscópio expandindo ao máximo um ciclo da oscilação. etifique-se que o sinal está bem centalizado na tela. c) Obseve o que acontece quando intoduzimos inteiamente o núcleo de feo no induto. Meça novamente a fequência natual. d) Retie o núcleo, eajuste o osciloscópio e eposicione o sinal oscilatóio amotecido paa que o témino da oscilação ocoa na linha infeio da tela do osciloscópio. Você só visualizaá a pate supeio do sinal. Ajuste a sensibilidade vetical e a amplitude do geado paa que o pimeio pico do sinal alcance a linha supeio da tela. Tenha ceteza que a oscilação continua teminando na linha infeio, eajuste se necessáio. onte alguns picos até cai abaixo de uma divisão e meça a amplitude desse n-ésimo pico. Veja a figua (Fig..2) como efeência. e) Volte os ajustes do osciloscópio paa uma posição nomal que pemita ve a vaedua, desligue e desmonte o cicuito..4 TRABAHOS OMPEMENTARES. Das medidas executadas no cicuito R em séie, item.3.2, detemine o valo da indutância sem núcleo e com núcleo. Explique a ação do núcleo. Tace a cuva de essonância, amplitude da tensão vesus logaitmo na base dez da fequência. Você pode utiliza papel lin-log, papel lin-lin e calcula o logaitmo ou utiliza qualque pogama paa taçado de gáfico. Em qualque caso apesente o gáfico em tamanho A4 ou póximo disso. 2. ompae a fequência de essonância em séie, item.3.2 com a fequência de essonância em paalelo, item.3.3. Qual é a conclusão? Tace a cuva de essonância

19 .5. BIBIOGRAFIA 37 paa o cicuito em paalelo, amplitude da tensão vesus logaitmo na base dez da fequência. ompae com a cuva do item anteio e discuta. 3. A pati da cuva pecedente estime o coeficiente de qualidade total do cicuito completo. embamos que o cicuito R em paalelo pode se consideado, peto da essonância, como equivalente ao da figua (Fig..22) onde epesenta as pedas no induto e e são elementos ideais. No nosso caso, intoduzimos popositadamente em paalelo o esisto R =, 2 kω que é muito meno que de modo que a ação de pode se despezada. R R R = 0 k R =,2 k Figua.22: icuito R paalelo conectado ao osciloscópio. 4. ompae as fequências natuais medidas no egime tansitóio, item.3.4b e.3.4c com as fequências de essonância coespondentes. 5. Usando o diagama da figua (Fig..22) justifique o esultado obsevado no item.3.4a. 6. Atavés das medidas das amplitudes dos picos no egime tansitóio ealizadas no item.3.4 detemine o coeficiente de qualidade desse cicuito. Po que ele difee do coeficiente calculado no item.4-3? Agoa um desafio: você é capaz de coigi teoicamente esse valo e compaa o esultado com o valo calculado no item.4-3?.5 BIBIOGRAFIA [4], [20], [8], [22], [7] íticas e sugestões, contate Pof. Newton B. Oliveia -

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA UM/AET Eng. Elética sem 0 - ab. icuitos Eléticos I Pof. Athemio A.P.Feaa/Wilson Yamaguti(edição) EPEIÊNIA 5 - ESPOSTA EM FEQUENIA EM UM IUITO - ESSONÂNIA INTODUÇÃO. icuito séie onsideando o cicuito da

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Pofa Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Dinâmica estudo dos movimentos juntamente com as causas que os oiginam. As teoias da dinâmica são desenvolvidas com base no conceito

Leia mais

DISCIPLINA ELETRICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈRE

DISCIPLINA ELETRICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈRE DISCIPLINA ELETICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈE A LEI DE AMPÈE Agoa, vamos estuda o campo magnético poduzido po uma coente elética que pecoe um fio. Pimeio vamos utiliza uma técnica, análoga a Lei de

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Eléticos de Potência. Elementos de Sistemas Eléticos de Potência..4 apacitância e Susceptância apacitiva de Linhas de Tansmissão Pofesso:. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:aphaelbenedito@utfp.edu.b

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais

Gregos(+2000 anos): Observaram que pedras da região Magnézia (magnetita) atraiam pedaços de ferro;

Gregos(+2000 anos): Observaram que pedras da região Magnézia (magnetita) atraiam pedaços de ferro; O Campo Magnético 1.Intodução: Gegos(+2000 anos): Obsevaam que pedas da egião Magnézia (magnetita) ataiam pedaços de feo; Piee Maicout(1269): Obsevou a agulha sobe imã e macou dieções de sua posição de

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

LISTA COMPLETA PROVA 03

LISTA COMPLETA PROVA 03 LISTA COMPLETA PROVA 3 CAPÍTULO 3 E. Quato patículas seguem as tajetóias mostadas na Fig. 3-8 quando elas passam atavés de um campo magnético. O que se pode conclui sobe a caga de cada patícula? Fig. 3-8

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1 Instituto Escola Supeio Politécnico de Tecnologia ÁREA INTERDEPARTAMENTAL Ano lectivo 010-011 011 Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Eecícios de Electomagnetismo Ficha 1 Conhecimentos e capacidades

Leia mais

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler).

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler). 3 - DESCRIÇÃO DO EEVADOR Abaixo apesentamos o diagama esquemático de um elevado (obtido no site da Atlas Schindle). Figua 1: Diagama esquemático de um elevado e suas pates. No elevado alvo do pojeto, a

Leia mais

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência Lista de Execícios Capítulo Citéios de Resistência 0.7 A tensão de escoamento de um mateial plástico é y 0 MPa. Se esse mateial é submetido a um estado plano de tensões ocoe uma falha elástica quando uma

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC CDERNO DE QUESTÕES 2008 1 a QUESTÃO Valo: 1,0 Uma bóia náutica é constituída de um copo cilíndico vazado, com seção tansvesal de áea e massa m, e de um tonco

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

e A Formação do Circuito Equivalente

e A Formação do Circuito Equivalente Cadeno de Estudos de MÁQUINAS ELÉCTRICAS nº 4 A Coe nte Eléctica de Magnetização e A Fomação do Cicuito Equivalente Manuel Vaz Guedes (Pof. Associado com Agegação) Núcleo de Estudos de Máquinas Elécticas

Leia mais

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng.

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng. UNIVERSIDDE FEDERL DO PRÁ MESTRDO EM ENGENHRI MECÂNIC GRUPO DE VIRÇÕES E CÚSTIC nálise Modal Expeimental Pofesso: Newton Sue Soeio, D. Eng. elém Paá Outubo/00 Gupo de Vibações e cústica UFP nálise Modal

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA LIMA, Nélio Neves; CUNHA, Ygho Peteson Socoo Alves MARRA, Enes Gonçalves. Escola de Engenhaia Elética

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Aula de UNIDADE - MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO 1) (UFJF-MG) Um astonauta está na supefície da Lua quando solta, simultaneamente, duas bolas maciças, uma de chumbo e outa de madeia, de uma altua de,0 m em

Leia mais

Condensador esférico Um condensador esférico é constituído por uma esfera interior de raio R e carga

Condensador esférico Um condensador esférico é constituído por uma esfera interior de raio R e carga onensao esféico Um conensao esféico é constituío po uma esfea inteio e aio e caga + e uma supefície esféica exteio e aio e caga. a) Detemine o campo eléctico e a ensiae e enegia em too o espaço. b) alcule

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO Macelo Esposito, Calos A. Claumann, Ricado A. F. Machado, Claudia Saye, Pedo H. H. Aaújo* Univesidade Fedeal

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

Variable Speed Wind Turbine Modeling Using ATPDraw

Variable Speed Wind Turbine Modeling Using ATPDraw Antonio S. Neto, Fancisco A. S. Neves, Pedo A. C. Rosas Univesidade Fedeal de Penambuco UFPE Recife - PE Email: asneto01@yahoo.com.b, fneves@ufpe.b, posas@ufpe.b Eduado L. R. Pinheio, Selênio R. Silva

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E Questão 1 Dois pilotos iniciaam simultaneamente a disputa de uma pova de automobilismo numa pista cuja extensão total é de, km. Enquanto Máio leva 1,1 minuto paa da uma volta completa na pista, Júlio demoa

Leia mais

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Aula 0 EORIA DA GRAVIAÇÃO UNIVERSAL MEA Mosta aos alunos a teoia da gavitação de Newton, peda de toque da Mecânica newtoniana, elemento fundamental da pimeia gande síntese da Física. OBJEIVOS Abi a pespectiva,

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA ESTRATÉGA DE CONTROLE PARA ACONAMENTO A VELOCDADE VARÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSCOS COM OPERAÇÃO OTMZADA Ronilson Rocha * Pedo F Donoso Gacia * Selênio Rocha Silva * Mácio Fonte Boa Cotez x UFMG -CPDEE *

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

19 - Potencial Elétrico

19 - Potencial Elétrico PROBLEMAS RESOLVIDOS DE FÍSICA Pof. Andeson Cose Gaudio Depatamento de Física Cento de Ciências Exatas Univesidade Fedeal do Espíito Santo http://www.cce.ufes.b/andeson andeson@npd.ufes.b Última atualização:

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

Capítulo VII Campo Magnético e suas fontes

Capítulo VII Campo Magnético e suas fontes ELECTROMAGNETISMO Cuso de Electotecnia e de Computadoes 1º Ano º Semeste 1-11 Capítulo VII Campo Magnético e suas fontes 7.1 Efeitos magnéticos na natueza 7.1.1 Beve intodução históica As obsevações e

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Módulo 5: Conteúdo pogamático Eq da continuidade em egime Pemanente Bibliogafia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Pentice Hall, 7. Eoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Popiedades Intensivas:

Leia mais

2. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS. 2.1 Aplicação da Análise Experimental de Estruturas

2. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS. 2.1 Aplicação da Análise Experimental de Estruturas 3. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS.1 Aplicação da Análise Expeimental de Estutuas A qualidade de um sistema estutual é caacteizada po um deteminado conjunto de seus atibutos chamados de vaiáveis

Leia mais

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira ensidade de Fluxo Elético Pof aniel ilveia Intodução Objetivo Intoduzi o conceito de fluxo Relaciona estes conceitos com o de campo elético Intoduzi os conceitos de fluxo elético e densidade de fluxo elético

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenhaia Tansmissão de calo 3º Ano Aula 4 Aula Pática- Equação Difeencial de Tansmissão de Calo e as Condições de Contono Poblema -4. Calcula a tempeatua no

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ ESOLUÇÃO DA AALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 0/08/ POFESSO: MALTEZ QUESTÃO 0 A secção tansvesal de um cilindo cicula eto é um quadado com áea de m. O volume desse cilindo, em m, é: A

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

1ª Aula do Cap. 6 Forças e Movimento II

1ª Aula do Cap. 6 Forças e Movimento II ATRITO 1ª Aula do Cap. 6 Foças e Movimento II Foça de Atito e Foça Nomal. Atito e históia. Coeficientes de atito. Atito Dinâmico e Estático. Exemplos e Execícios. O efeito do atito ente duas supefícies

Leia mais

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução Capítulo Técnicas de Caacteização Estutual: RS.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD.6. Intodução De modo a complementa a análise estutual das váias amostas poduzidas paa este tabalho, foi utilizada a técnica

Leia mais

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES 1. Resumo A coente que passa po um conduto poduz um campo magnético à sua volta. No pesente tabalho estuda-se a vaiação do campo magnético em função da

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Aula 6 META Intoduzi aos alunos conceitos básicos das ondas eletomagnéticas: como elas são poduzidas, quais são suas caacteísticas físicas, e como desceve matematicamente sua popagação.

Leia mais

ELETRICIDADE CAPÍTULO 3 LEIS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

ELETRICIDADE CAPÍTULO 3 LEIS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS ELETICIDADE CAPÍTULO 3 LEIS DE CICUITOS ELÉTICOS - CONSIDEE A SEGUINTE ELAÇÃO: 3. LEI DE OHM - QUALQUE POCESSO DE CONVESÃO DE ENEGIA PODE SE ELACIONADO A ESTA EQUAÇÃO. - EM CICUITOS ELÉTICOS : - POTANTO,

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA FORÇA CENTRÍFUGA 1. Resumo Um copo desceve um movimento cicula unifome. Faz-se vaia a sua velocidade de otação e a distância ao eixo de otação, medindo-se a foça centífuga em função destes dois paâmetos..

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016 IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

PR I. Teoria das Linhas de Transmissão. Carlos Alberto Barreiro Mendes Henrique José da Silva

PR I. Teoria das Linhas de Transmissão. Carlos Alberto Barreiro Mendes Henrique José da Silva PR I II Teoia das Linhas de Tansmissão Calos Albeto Baeio Mendes Henique José da Silva 5 Linhas de Tansmissão 1 LINHAS DE TRANSMISSÃO 1.1 Paâmetos distibuídos Um cabo coaxial ou uma linha bifila (mostados

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

INSTITUTO DE FISICA- UFBa Março, 2003 DEPARTAMENTO DE FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO ESTRUTURA DA MATERIA I (FIS 101) EFEITO HALL

INSTITUTO DE FISICA- UFBa Março, 2003 DEPARTAMENTO DE FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO ESTRUTURA DA MATERIA I (FIS 101) EFEITO HALL INSTITUTO DE FISICA- UFBa Maço, 2003 DEPARTAMENTO DE FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO ESTRUTURA DA MATERIA I (FIS 101) Roteio elaboado po Newton Oliveia EFEITO ALL OBJETIO DO EXPERIMENTO: A finalidade do expeimento

Leia mais

Interações Eletromagnéticas 1

Interações Eletromagnéticas 1 Inteações Eletomagnéticas 1 I.H.Hutchinson 1 I.H.Hutchinson 1999 Capítulo 1 Equações de Maxwell e Campos Eletomagnéticos 1.1 Intodução 1.1.1 Equações de Maxwell (1865) As equações que govenam o eletomagnetismo

Leia mais

2. Levantamentos Magnéticos

2. Levantamentos Magnéticos 2. Levantamentos Magnéticos O objectivo dos levantamentos magnéticos é o de investiga a geologia subsupeficial com base nas anomalias do campo magnético da Tea, esultantes das popiedades magnéticas dos

Leia mais

MODELAGEM NUMÉRICA DE CABOS DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

MODELAGEM NUMÉRICA DE CABOS DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 8 a de agosto de 00 Campina Gande Paaíba - Basil August 8, 00 Campina Gande Paaíba Bazil MODELAGEM NUMÉRICA DE

Leia mais

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas Aplicação da ei Gauss: Algumas distibuições siméticas de cagas Como utiliza a lei de Gauss paa detemina D s, se a distibuição de cagas fo conhecida? s Ds. d A solução é fácil se conseguimos obte uma supefície

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA APOSTILA CUSO TÉCNICO EM ELETÔNICA PATE IV - Circuito etificador - Fonte de Tensão - Diodo ener - Dobrador de Tensão - Circuitos Limitadores ou Ceifadores - Cargas em corrente alternada - Impedância -

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez Fenômenos de Tanspote I Aula Pof. D. Gilbeto Gacia Cotez 8. Escoamento inteno iscoso e incompessíel 8. Intodução Os escoamentos completamente limitados po supefícies sólidas são denominados intenos. Ex:

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Polícia odoviáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica 3.4. OÇAS EM TAJETÓIAS CUILÍNEAS Se lançamos um copo hoizontalmente, póximo a supefície da Tea, com uma velocidade inicial de gande intensidade, da odem de

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

Os Fundamentos da Física

Os Fundamentos da Física TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 1 s Fundamentos da Física (8 a edição) AMALH, NCLAU E TLED Tema especial DNÂMCA DAS TAÇÕES 1. Momento angula de um ponto mateial, 1 2. Momento angula de um sistema de pontos

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

Cap 1 O CAMPO MAGNÉTICO DA TERRA

Cap 1 O CAMPO MAGNÉTICO DA TERRA Intodução ao Geomagnetismo J M A de Mianda Cento de Geofísica da Univesidade de Lisboa Cap 1 O CAMPO MAGNÉTICO DA TERRA 1.1 Intodução A existência do campo magnético da Tea (CMT) é conhecida desde Gilbet,

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Escola de Educação Profissional SENAI Plínio Gilberto Kröeff MECÂNICA TÉCNICA

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Escola de Educação Profissional SENAI Plínio Gilberto Kröeff MECÂNICA TÉCNICA SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Escola de Educação Pofissional SENAI Plínio Gilbeto Köeff MECÂNICA TÉCNICA Pofesso: Dilma Codenonsi Matins Cuso: Mecânica de Pecisão São Leopoldo 2009 1 SUMÁRIO

Leia mais

Prova Teórica. Terça-feira, 5 de Julho de 2005

Prova Teórica. Terça-feira, 5 de Julho de 2005 36 a Olimpíada Intenacional de Física. Salamanca (Espanha) 5 Pova Teóica Teça-feia, 5 de Julho de 5 Po favo, le estas instuções antes de inicia a pova:. O tempo disponível paa a pova teóica é de 5 hoas..

Leia mais

= (1) ρ (2) f v densidade volumétrica de forças (N/m 3 ) ρ densidade volumétrica de carga (C/m 3 )

= (1) ρ (2) f v densidade volumétrica de forças (N/m 3 ) ρ densidade volumétrica de carga (C/m 3 ) Analise de Esfoços Eletomecânicos em Tansfomadoes Amofos ataés de Modelagem Computacional compaando à Noma IEC 60076-5 W.S. onseca, GSEI, UPA, Belém, PA, Basil; M.Sc A.C. Lopes, UNIAP, Macapá, AP, Basil;

Leia mais

Cap014 - Campo magnético gerado por corrente elétrica

Cap014 - Campo magnético gerado por corrente elétrica ap014 - ampo magnético geado po coente elética 14.1 NTRODUÇÃO S.J.Toise Até agoa os fenômenos eléticos e magnéticos foam apesentados como fatos isolados. Veemos a pati de agoa que os mesmos fazem pate

Leia mais

Campo magnético criado por uma corrente eléctrica e Lei de Faraday

Campo magnético criado por uma corrente eléctrica e Lei de Faraday Campo magnéico ciado po uma coene elécica e Lei de Faaday 1.Objecivos (Rev. -007/008) 1) Esudo do campo magnéico de um conjuno de espias (bobine) pecoidas po uma coene elécica. ) Esudo da lei de indução

Leia mais

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013 Aula-9 ampos Magnétcos Poduzdos po oentes uso de Físca Geal F-38 o semeste, 13 Le de Bot - Savat Assm como o campo elétco de poduzdo po cagas é: 1 dq 1 dq db de ˆ, 3 ε ε de manea análoga, o campo magnétco

Leia mais

João Eduardo de Souza Grossi

João Eduardo de Souza Grossi UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA MESTRADO PROFISSIONALIZANTE, MODELAGEM MATEMÁTICA EM FINANÇAS MODELO DISCRETO DE APREÇAMENTO

Leia mais

a) A energia potencial em função da posição pode ser representada graficamente como

a) A energia potencial em função da posição pode ser representada graficamente como Solução da questão de Mecânica uântica Mestado a) A enegia potencial em função da posição pode se epesentada gaficamente como V(x) I II III L x paa x < (egião I) V (x) = paa < x < L (egião II) paa x >

Leia mais

Eletromagnetismo e Ótica (MEAer/LEAN) Circuitos Corrente Variável, Equações de Maxwell

Eletromagnetismo e Ótica (MEAer/LEAN) Circuitos Corrente Variável, Equações de Maxwell Eletomagnetismo e Ótica (MEAe/EAN) icuitos oente Vaiável, Equações de Maxwell 11ª Semana Pobl. 1) (evisão) Moste que a pessão (foça po unidade de áea) na supefície ente dois meios de pemeabilidades difeentes

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Vesão pelimina de setembo de Notas de Aula de ísica 8. CONSRVAÇÃO DA NRGIA... ORÇAS CONSRVATIVAS NÃO-CONSRVATIVAS... TRABALHO NRGIA POTNCIAL... 4 ORÇAS CONSRVATIVAS - NRGIA MCÂNICA... 4 negia potencial

Leia mais

a ± g Polícia Rodoviária Federal Física Aula 2 de 5 Prof. Dirceu Pereira 2.5.4. MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO

a ± g Polícia Rodoviária Federal Física Aula 2 de 5 Prof. Dirceu Pereira 2.5.4. MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO Polícia odoiáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica ula de 5.5.4. MOVIMENTO VETIL NO VÁUO O moimento etical de um copo póimo ao solo é chamado de queda lie quando o copo é abandonado no ácuo ou se considea despezíel

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

Grandezas vetoriais: Além do módulo, necessitam da direção e do sentido para serem compreendidas.

Grandezas vetoriais: Além do módulo, necessitam da direção e do sentido para serem compreendidas. NOME: Nº Ensino Médio TURMA: Data: / DISCIPLINA: Física PROF. : Glênon Duta ASSUNTO: Gandezas Vetoiais e Gandezas Escalaes Em nossas aulas anteioes vimos que gandeza é tudo aquilo que pode se medido. As

Leia mais

Laboratório de Física UVV

Laboratório de Física UVV 1/9 arga e Descarga de apacitores Objetivos: Levantar as curvas características de carga e descarga de capacitores; Determinar a capacitância através das curvas ln( i) tempo na carga e descarga. Equipamentos:

Leia mais