CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES"

Transcrição

1 CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES 1. Resumo A coente que passa po um conduto poduz um campo magnético à sua volta. No pesente tabalho estuda-se a vaiação do campo magnético em função da coente que passa pelo conduto e da sua distância ao ponto de obsevação. São utilizados condutoes lineaes. 2. Tópicos teóicos 2.1 Campo poduzido po um conduto linea De uma foma geal, o campo magnético geado po um elemento de coente é dado po: µ 0 Idl db = 2 4 π (1) Sendo Idl o elemento de coente, a distância do ponto de obevação ao conduto e o veso de. 1 Esta lei é conhecida pela lei de Biot-Savat, sendo µ 0 =4π X 10-7 ma -1 uma constante física univesal denominada pemeabilidade magnética do vácuo 2. Em módulo, µ 0 Idlsinθ db = 4π 2 sendo θ o ângulo ente Idl e. Assim, paa o caso paticula, estudado neste tabalho, de uma coente I que atavessa um conduto ectilíneo, o campo magnético num ponto a uma distância, pependicula ao conduto (θ = 90º), é, paa cada elemento de coente, µ 0 Idl db = 4π 2 Integando paa obte o campo geado po toda a coente I esulta que: µ = 0 I B db = 2π (2) 1 O veso de uma dada diecção é um vecto de módulo 1 que está oientado segundo essa dieçcão. 2 T (Tesla) é a unidade S.I. de campo magnético. 1

2 ou seja, a intensidade do campo magnético ciado po uma coente I, que atavessa um conduto ectilíneo, num ponto das suas poximidades (supondo a distância,, despezável em compaação com o compimento do fio) é diectamente popocional à sua intensidade I e invesamente popocional à distância do ponto ao conduto. Quanto à diecção e sentido de B, tal como o poduto exteno da eq. 1 evidencia, o campo magnético é pependicula a e à diecção do elemento de coente (figua 1 a,c,d). Paa quem não domina a análise vectoial, a ega da mão dieita, ilustada na figua 1b, é uma boa ajuda: estica-se o polega paa cima, na diecção da coente, aponta-se o indicado paa a fente, na diecção de e estica-se o dedo médio pependiculamente aos dedos polega e indicado, diecção que epesenta a diecção do campo magnético! Ao oda-se a mão em tono do dedo polega, ou seja, se desceve uma cicunfeência em tono do conduto, obseva-se que o vecto B é sempe tangente a essa cicunfeência, isto é, em qualque ponto do espaço B é pependicula ao plano que passa po esse ponto e pelo conduto ectilíneo. É a expessão (2) que se que compova nas medições que se ião efectua. Como esta expessão só é válida paa um conduto infinito, ou paa um conduto finito se fo muito meno que o compimento do fio conduto, L, não se pode, expeimentalmente, afasta muito o ponto de obsevação do fio conduto. Uma outa apoximação seá a de considea que as aestas hoizontais e a outa aesta vetical (a que está junto ao tansfomado) não influenciam significativamente o campo obsevado junto à(s) aesta(s) que usamos paa o nosso estudo (a(s) vetical(ais) afastada(s) do tansfomado). Mais uma vez isto é vedade se se mantive pequeno. 2.2 Campo magnético esultante da sobeposição dos campos magnéticos de dois condutoes lineaes paalelos Usando a ega da mão dieita é fácil veifica que, se dois condutoes paalelos são pecoidos po coente no mesmo sentido, então os seus campos magnéticos têm sentidos opostos em qualque ponto da supefície que fica ente eles (usa a mão dieita paa um dos condutoes e depois oda a mão 180 gaus em tono da ponta do dedo indicado, sem altea as posições elativas de polega, indicado e médio. A ponta do dedo indicado fica fixa poque estamos a considea o mesmo ponto do espaço). Se os condutoes foem pecoidos po coentes de sentidos opostos, então os seus campos magnéticos têm o mesmo sentido em qualque ponto da supefície que fica ente eles (de novo oda a mão em tono do dedo indicado e depois via o polega paa baixo). Potanto, no pimeio caso os campos subtaem-se e no segundo somam-se (figuas 3 a) e b), espectivamente ). 2

3 (c) (d) Figua 1: O campo magnético geado po uma coente que atavessa um conduto ectilíneo infinito. a) b) Figua 2. Campo magnético esultante da sobeposição de dois condutoes lineaes pecoidos po a) coentes no mesmo sentido; b)coentes em sentidos opostos. 3

4 3. Poblemas popostos Petende-se: 3.1. mosta que o campo magnético poduzido po um conduto linea é popocional à coente que o atavessa; 3.2. mosta que o campo magnético poduzido po um conduto linea é invesamente popocional à distância de obsevação; 3.3. detemina o valo de µ 0 (pemeabilidade magnética do vácuo) atavés dos esultados dos dois pontos anteioes; 3.4. epesenta gaficamente o campo magnético esultante da sobeposição dos campos magnéticos de dois condutoes lineaes paalelos e pecoidos po coentes no mesmo sentido; 3.5. epesenta gaficamente o campo magnético esultante da sobeposição dos campos magnéticos de dois condutoes lineaes paalelos e pecoidos po coentes em sentidos opostos. 4. Mateial Fios de ligação; 1 núcleo de feo cuto, laminado; núcleo de feo em foma de U, laminado; 1 fonte de tensão; 1 multímeto digital; 1 sonda de Hall 1 pinça ampeimética 1 bobina de 140 espias; 1 bobina de 6 espias; 1 baa de supote; 1 supote de bancada; 1 base de apoio; 1 cuzeta; 1 égua. 4

5 5. Pocedimento expeimental Figua 3: Esquema da montagem expeimental. As expeiências que se vão faze são de um destes dois tipos: i) vaia a coente (I) e medi o campo, mantendo a distância do ponto de obsevação () ao conduto constante; ou ii) vaia a distância do ponto de obsevação ao conduto, mantendo a coente constante. Paa vaia I faz-se vaia a tensão fonecida pela fonte (poque I=V/R e R é constante) e paa vaia desloca-se o senso elativamente ao fio conduto. A saída utilizada da fonte de tensão é a de 0-15 V AC. Algumas notas impotantes paa a obtenção de bons esultados: Em todos os ensaios a extemidade da sonda de Hall (senso de campo magnético) deve esta no plano definido pelo fio conduto (explicando melho: todos os fios condutoes utilizados estão dobados em foma de quadiláteo. Potanto a ponta da sonda deve esta assente no plano desses quadiláteos), e desloca-se sempe nesse plano. O multímeto pode da um valo do campo difeente de zeo mesmo quando não passa coente pelo fio (e potanto quando o campo magnético é efectivamente nulo). Este é um valo esidual que pode esta elacionado com o campo magnético da tea (0,1 mt) e (ou) com eos de calibação. deve se medido ente o cento do fio conduto e o cento da sonda de Hall Deteminação do campo magnético de um conduto linea em função da coente que o atavessa Monte o cicuito confome a figua 3. Anote o valo do campo esidual Utilize o fio conduto em foma de quadado Faça as medições a meia altua do quadado, na aesta vetical mais distante do tansfomado. 5

6 Coloque o senso a apoximadamente 1 cm (e do lado de foa do quadado, paa eduzi ao mínimo a influência paasita das outas 3 aestas) Vaie a coente ente 10 e 100 A, com acéscimos de 10 A Faça tês séies de medidas Deteminação do campo magnético de um conduto linea em função da distância de obsevação Utilize o fio conduto em foma de quadado Faça as medições a meia altua do quadado, na aesta vetical mais distante do tansfomado Anote o valo de campo esidual Fixe o valo da coente paa, apoximadamente, 90 A Vaie a distância do ponto de obsevação (cento da sonda de Hall) ao fio conduto ente 0.5 a 4 cm, com acéscimos de 0.5 cm (e do lado de foa do quadado) Faça tês séies de medidas Deteminação do campo magnético esultante da sobeposição dos campos magnéticos de dois condutoes lineaes paalelos e pecoidos pela coente no mesmo sentido Use o fio conduto em foma de quadado com um tavessão a ceca de um teço do seu compimento Faça as medições a meia altua do conduto vetical Anote o valo de campo esidual Fixe a coente em apoximadamente 90 A Repae que os fios condutoes que vão da oigem a uma sobeposição dos campos são os dois segmentos veticais que estão mais póximos ente si Faça vaia ente 4 cm à esqueda do segmento da esqueda e 4 cm à dieita do segmento da dieita, em intevalos de 5 mm e passando pelo espaço ente os dois segmentos Faça tês séies de medidas Deteminação do campo magnético esultante da sobeposição dos campos magnéticos de dois condutoes lineaes paalelos e pecoidos po coentes em sentidos opostos Use o fio conduto em foma de ectângulo Repae que, neste caso, são os dois segmentos veticais que vão da oigem aos campos que se vão sobepo Poceda de modo idêntico ao explicado no ponto

7 6. Análise dos esultados obtidos 6.1. Deteminação do campo magnético de um conduto linea em função da coente que o atavessa Calcule os valoes médios e estime os eos estatísticos associados às medidas de campo magnético coespondentes a cada valo de intensidade de coente (utilize o maio desvio em elação à média) Constua em papel milimético ou utilizando o computado, um gáfico de B em função de I. Repesente no gáfico, se possível, as baas de eo associadas a cada ponto. Veifique a foma do gáfico obtido Ajuste uma ecta ao gáfico anteio, manualmente ou utilizando o método dos mínimos quadados. Calcule, a pati da egessão, o valo expeimental de µ 0 (pemeabilidade magnética), compaando a equação da ecta (B=a 0 +a 1 I) com a Eq. 2. Detemine o eo no declive da ecta, pelo método gáfico ou analiticamente e, a pati dele, o eo expeimental associado a µ Deteminação do campo magnético de um conduto linea em função da distância de obsevação Calcule os valoes médios e estime os eos estatísticos associados às medidas de campo magnético coespondentes a cada distância (utilize o maio desvio em elação à média) Constua em papel milimético ou utilizando o computado, um gáfico de B em função de 1/. Repesente no gáfico, se possível, as baas de eo associadas a cada ponto. Veifique a foma do gáfico obtido Ajuste uma ecta ao gáfico anteio, manualmente ou utilizando o método dos mínimos quadados. Calcule, a pati da egessão, o valo expeimental de µ 0 (pemeabilidade magnética), compaando a equação da ecta (B=b 0 +b 1 (1/)) com a Eq. 2. Detemine o eo no declive da ecta, pelo método gáfico ou analiticamente e, a pati dele, o eo expeimental associado a µ Deteminação do campo magnético esultante da sobeposição dos campos magnéticos de dois condutoes lineaes paalelos e pecoidos pela coente no mesmo sentido A pati dos esultados obtidos calcule os valoes médios e estime os eos estatísticos associados às medidas de campo magnético coespondentes a cada distância (utilize o maio desvio em elação à média) Constua em papel milimético ou utilizando o computado, um gáfico de B em função de. Repesente no gáfico, se possível, as baas de eo associadas a cada ponto. Veifique a foma do gáfico obtido e comente. 7

8 6.4. Deteminação do campo magnético esultante da sobeposição dos campos magnéticos de dois condutoes lineaes paalelos e pecoidos po coentes em sentidos opostos Tate os dados de modo idêntico ao explicado no ponto anteio. Apêndice Comentáios sobe a montagem expeimental A figua 3 mosta um esquema da montagem expeimental. A fonte de alimentação está ligada ao pimáio de um tansfomado (a sua entada), e o secundáio (a saída do tansfomado) está ligada ao fio conduto que, ao se atavessado pela coente, vai gea o campo magnético a se medido. Esta é a pimeia pate do cicuito, que se destina a poduzi o campo magnético. A segunda pate do cicuito destina-se à medição desse campo. Uma pegunta evidente é: po que se usa um tansfomado? Não seia mais simples liga o fio conduto diectamente à fonte de tensão? A esposta é: dessa foma não seia possível ealiza a expeiência. Em pimeio luga poque, tendo o fio uma esistência muito pequena, faze uma ligação apenas ao fio é equivalente a cuto-cicuita a fonte; po outo lado, o campo magnético só começa a se significativo e detectável paa coentes muito gandes, e a fonte de tensão não pode fonece essas coentes. O tansfomado esolve estes dois poblemas. Em pimeio luga poque intoduz uma esistência no cicuito, fazendo com que a coente I=V/R baixe paa um valo compotável pela fonte (assim já não há cuto-cicuito); em segundo luga poque o tansfomado tem uma coente muito maio no secundáio do que no pimáio e potanto esta coente, que é a que vai passa pelo fio conduto, já é suficiente paa obte um campo magnético mensuável (emboa a tensão aos extemos do secundáio seja muito meno do que a tensão aos extemos do pimáio 3. Esta é a azão pela qual não há peigo de choque, mesmo com gandes coentes a atavessa o fio conduto). Finalmente, a pate de medição do campo magnético. Ainda elativamente à figua 3, o senso que pemite medi o campo magnético enconta-se na extemidade do tubo hoizontal. É uma sonda de efeito de Hall. O sinal poveniente deste senso é depois pocessado num amplificado que convete o valo da tensão ecebida no valo do campo magnético obsevado, que neste caso é medido no multímeto (em modo de voltímeto). Este instumento (i.e., o conjunto sonda de Hall, amplificado e voltímeto) paa a medição do campo magnético pode se denominado teslâmeto. Bibliogafia Paul Tiple, Physics fo scientists and enginees, Woth Publishes PHYWE seies of publications. Univesity Laboatoy Expeiments, Physics 3 Paa um tansfomado ideal tem-se V p I p =V s I s e potanto V p /V s =I s /I p, sendo ainda esta azão igual a n p /n s, em que p e s são os índices paa pimáio e secundáio espectivamente e n é o númeo de espias. 8

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

Prova Teórica. Terça-feira, 5 de Julho de 2005

Prova Teórica. Terça-feira, 5 de Julho de 2005 36 a Olimpíada Intenacional de Física. Salamanca (Espanha) 5 Pova Teóica Teça-feia, 5 de Julho de 5 Po favo, le estas instuções antes de inicia a pova:. O tempo disponível paa a pova teóica é de 5 hoas..

Leia mais

Os Fundamentos da Física

Os Fundamentos da Física TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 1 s Fundamentos da Física (8 a edição) AMALH, NCLAU E TLED Tema especial DNÂMCA DAS TAÇÕES 1. Momento angula de um ponto mateial, 1 2. Momento angula de um sistema de pontos

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC CDERNO DE QUESTÕES 2008 1 a QUESTÃO Valo: 1,0 Uma bóia náutica é constituída de um copo cilíndico vazado, com seção tansvesal de áea e massa m, e de um tonco

Leia mais

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas Aplicação da ei Gauss: Algumas distibuições siméticas de cagas Como utiliza a lei de Gauss paa detemina D s, se a distibuição de cagas fo conhecida? s Ds. d A solução é fácil se conseguimos obte uma supefície

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Polícia odoviáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica 3.4. OÇAS EM TAJETÓIAS CUILÍNEAS Se lançamos um copo hoizontalmente, póximo a supefície da Tea, com uma velocidade inicial de gande intensidade, da odem de

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira ensidade de Fluxo Elético Pof aniel ilveia Intodução Objetivo Intoduzi o conceito de fluxo Relaciona estes conceitos com o de campo elético Intoduzi os conceitos de fluxo elético e densidade de fluxo elético

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução Capítulo Técnicas de Caacteização Estutual: RS.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD.6. Intodução De modo a complementa a análise estutual das váias amostas poduzidas paa este tabalho, foi utilizada a técnica

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

ELECTROMAGNETISMO E ÓPTICA

ELECTROMAGNETISMO E ÓPTICA ELECTOMAGNETISMO E ÓPTICA (vesão de 5//4) NOTA: Estes poblemas, e espectivas soluções, foam cedidos pelo Pof. Filipe Mendes, do Dep. Física do IST.. Dois potões estão sepaados de uma distância d, como

Leia mais

Movimentos: Variações e Conservações

Movimentos: Variações e Conservações Movimentos: Vaiações e Consevações Volume único Calos Magno S. da Conceição Licinio Potugal Lizado H. C. M. Nunes Raphael N. Púbio Maia Apoio: Fundação Ceciej / Extensão Rua Visconde de Niteói, 1364 Mangueia

Leia mais

Motores Elétricos. IX.1 Motores de Indução Trifásicos (MIT)

Motores Elétricos. IX.1 Motores de Indução Trifásicos (MIT) Eletotécnica Geal IX. Motoes Eléticos IX Motoes Eléticos Um moto elético é uma máquina capaz de tansfoma enegia elética em enegia mecânica, utilizando nomalmente o pincípio da eação ente dois campos magnéticos.

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

PR I. Teoria das Linhas de Transmissão. Carlos Alberto Barreiro Mendes Henrique José da Silva

PR I. Teoria das Linhas de Transmissão. Carlos Alberto Barreiro Mendes Henrique José da Silva PR I II Teoia das Linhas de Tansmissão Calos Albeto Baeio Mendes Henique José da Silva 5 Linhas de Tansmissão 1 LINHAS DE TRANSMISSÃO 1.1 Paâmetos distibuídos Um cabo coaxial ou uma linha bifila (mostados

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

Apontamentos de Máquinas Eléctrica

Apontamentos de Máquinas Eléctrica ENIDH Apontamentos de Máquinas Eléctica 00 Nota aos leitoes Estes apontamentos destinam-se a apoia o estudo das disciplinas de Máquinas Elécticas e Accionamentos dos cusos de Engenhaia de Sistemas Electónicos

Leia mais

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng.

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng. UNIVERSIDDE FEDERL DO PRÁ MESTRDO EM ENGENHRI MECÂNIC GRUPO DE VIRÇÕES E CÚSTIC nálise Modal Expeimental Pofesso: Newton Sue Soeio, D. Eng. elém Paá Outubo/00 Gupo de Vibações e cústica UFP nálise Modal

Leia mais

Capítulo 4 A FORMA DA TERRA

Capítulo 4 A FORMA DA TERRA J M Mianda, J F Luis, P Costa, F M Santos Capítulo 4 A FORMA DA ERRA 4.1 Potenciais Gavitacional, Centífugo e Gavítico Isaac Newton (164-177) explicou nos seus Pincípios Matemáticos da Filosofia Natual,

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina 1 Tansfomado de Coente com Núcleo Tooidal de Liga Nanocistalina Benedito A. Luciano, Membe, EEE, Raimundo C. S. Feie, José Gutembegue A. Lia, Glauco Fontgalland, Membe, EEE, e Walman B. de Casto. Abstact-

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Vesão pelimina de setembo de Notas de Aula de ísica 8. CONSRVAÇÃO DA NRGIA... ORÇAS CONSRVATIVAS NÃO-CONSRVATIVAS... TRABALHO NRGIA POTNCIAL... 4 ORÇAS CONSRVATIVAS - NRGIA MCÂNICA... 4 negia potencial

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

Capítulo III Lei de Gauss

Capítulo III Lei de Gauss ELECTROMAGNETISMO Cuso de Electotecnia e de Computadoes 1º Ano º Semeste 1-11 3.1 Fluxo eléctico e lei de Gauss Capítulo III Lei de Gauss A lei de Gauss aplicada ao campo eléctico, pemite-nos esolve de

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos intemidia.usp.b Avaliação: po que? intemidia.usp.b Técnicas de Avaliação Avalia adequação de designs Testa a usabilidade e a funcionalidade do sistema Requisitos dos usuáios estão efetivamente sendo atendidos?

Leia mais

FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO

FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO MECÂNICO APOSTILA FREIOS e EMBRAGENS POR ATRITO Auto: Pof.D. Auteliano Antunes dos Santos Junio Esta apostila

Leia mais

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA ESCOL DE ESPECILISTS DE ERONÁUTIC CONCURSO DE DMISSÃO O CS /00 PROV DE MTEMÁTIC ÍSIC QUÍMIC CÓDIGO D PROV 9 MRQUE NO CRTÃO DE RESPOSTS O CÓDIGO D PROV. s questões de 0 a 0 efeem se a Matemática 0 Se a

Leia mais

Simulador de Transmissões Digitais

Simulador de Transmissões Digitais Simulado de Tansmissões Digitais Fancisco A. Taveia Banco. Monteio, Fancisco A. B. Cecas IST - Depatamento de Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Instituto de Telecomunicações, IST - Toe ote -9, Av.

Leia mais

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I FOÇA NT CAGAS LÉTICAS O CAMPO LTOSTÁTICO Os pimeios fenômenos de oigem eletostática foam obsevados pelos gegos, 5 séculos antes de Cisto. les obsevaam que pedaços de âmba (elekta), quando

Leia mais

Introdução. Base de Dados: Linha de Calibração Observatório Nacional Agulhas Negras

Introdução. Base de Dados: Linha de Calibração Observatório Nacional Agulhas Negras A impotância da eestutuação da Linha de Calibação Obsevatóio Nacional Agulhas Negas paa atende as caacteísticas dos gavímetos Scintex CG5. Fancisma Rimoli Bequó, IFF, Itapeuna, Basil*. Iis Peeia Escoba,

Leia mais

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared MPRA Munich Pesonal RePEc Achive Stuctual changes in employment in the economy: 1996 and 22 compaed Ichihaa, Silvio Massau; Guilhoto, Joaquim J.M. and Amoim, Mácio Guea 27 Online at http://mpa.ub.uni-muenchen.de/31514/

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SECÇÃO DE ESTRUTURAS MECÂNICA DOS SÓLIDOS.

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SECÇÃO DE ESTRUTURAS MECÂNICA DOS SÓLIDOS. FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SECÇÃO DE ESTRUTURAS MECÂNICA DOS SÓLIDOS Álvao Azevedo 996 PREFÁCIO A matéia leccionada na disciplina de Mecânica dos

Leia mais

Índice de Sharpe e outros Indicadores de Performance Aplicados a Fundos de Ações Brasileiros

Índice de Sharpe e outros Indicadores de Performance Aplicados a Fundos de Ações Brasileiros Índice de Shape e outos Indicadoes de Pefomance Aplicados a Fundos de Ações Basileios Gyogy Vaga RESUMO Implementamos e aplicamos divesas medidas estatísticas de avaliação de pefomance aos dez maioes fundos

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da ea 1. Condiçõe de medição eodéica O intumento com que ão efectuada a mediçõe eodéica, obe a upefície da ea, etão ujeito à foça da avidade. Paa pode intepeta coectamente o eultado da mediçõe,

Leia mais

ANÁLISE DOS MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA FALTAS À TERRA NOS SISTEMAS DA DISTRIBUIÇÃO ATERRADOS, NÃO ATERRADOS E COMPENSADOS

ANÁLISE DOS MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA FALTAS À TERRA NOS SISTEMAS DA DISTRIBUIÇÃO ATERRADOS, NÃO ATERRADOS E COMPENSADOS ANÁLISE DOS MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA FALTAS À TERRA NOS SISTEMAS DA DISTRIBUIÇÃO ATERRADOS, NÃO ATERRADOS E COMPENSADOS Jeff Robets, D. Hecto J. Altuve e D. Daqing Hou Schweitze Engineeing Laboatoies,

Leia mais

As grandezas vetoriais

As grandezas vetoriais As gandezas vetoiais No capítulo I, vimos o poquê da utilização de vetoes na caacteização de algumas gandezas físicas, difeenciando as gandezas escalaes das vetoiais. As gandezas escalaes são aquelas pefeitamente

Leia mais

Matemática e suas Tecnologias Matemática Alexmay Soares, Cleiton Albuquerque, Fabrício Maia, João Mendes e Thiago Pacífico

Matemática e suas Tecnologias Matemática Alexmay Soares, Cleiton Albuquerque, Fabrício Maia, João Mendes e Thiago Pacífico Univesidade Abeta do Nodeste e Ensino a Distância são macas egistadas da Fundação Demócito Rocha É poibida a duplicação ou epodução deste fascículo Cópia não autoizada é Cime Matemática e suas Tecnologias

Leia mais

11. ÁGUA SUBTERRÂNEA / HIDRÁULICA DE POÇOS

11. ÁGUA SUBTERRÂNEA / HIDRÁULICA DE POÇOS . ÁGUA SUBTEÂNEA / HIDÁULICA DE POÇOS.. Intodução. Caacteísticas dos meios poosos Neste capítulo, são estudados os escoamentos da água atavés de meios poosos, dando-se paticula ênfase à hidáulica de poços.

Leia mais

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez Fenômenos de Tanspote I Aula Pof. D. Gilbeto Gacia Cotez 8. Escoamento inteno iscoso e incompessíel 8. Intodução Os escoamentos completamente limitados po supefícies sólidas são denominados intenos. Ex:

Leia mais

FLEXÃO DE ELEMENTOS CURVOS EM COMPÓSITOS OBTIDOS POR AUTOCLAVE

FLEXÃO DE ELEMENTOS CURVOS EM COMPÓSITOS OBTIDOS POR AUTOCLAVE MÉTODOS COMPUTACIONAIS M NGNHARIA Lisboa, 31 de Maio de Junho, 004 APMTAC, Potugal 004 FLXÃO D LMNTOS CURVOS M COMPÓSITOS OBTIDOS POR AUTOCLAV J. Tavassos e A. Leite Instituto Supeio de ngenhaia de Lisboa

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Concurso Vestibular 2003 07/01/03

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Concurso Vestibular 2003 07/01/03 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Concuso Vestibula 00 07/0/0 INSTRUÇÕES. Confia, abaixo, seu nome e númeo de inscição. Assine no local indicado.. Aguade autoização paa abi o cadeno de povas.. A intepetação

Leia mais

Células solares de TiO 2 sensibilizado por corante

Células solares de TiO 2 sensibilizado por corante Revista Basileia de Ensino de Física, v. 28, n. 1, p. 77-84, (2006) www.sbfisica.og.b Células solaes de TiO 2 sensibilizado po coante (TiO 2 dye sensitized sola cells) J.S. Agnaldo 1, J.B.V. Bastos 1,2,

Leia mais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais Mecânica Clássica (icenciatuas em Física Ed., Química Ed.) Folha de oblemas 4 Movimentos de coos sob acção de foças centais 1 - Uma atícula de massa m move-se ao longo do eixo dos xx, sujeita à acção de

Leia mais

Rolamentos rígidos de esferas

Rolamentos rígidos de esferas Rolamentos ígidos de esfeas Os olamentos ígidos de esfeas estão disponíveis em váios tamanhos e são os mais populaes ente todos os olamentos. Esse tipo de olamento supota cagas adiais e um deteminado gau

Leia mais

The Production Structure of Brazilian Economy and Agribusiness: 1980 to 1995

The Production Structure of Brazilian Economy and Agribusiness: 1980 to 1995 MPRA Munich Pesonal RePEc Achive The Poduction Stuctue of Bazilian Economy and Agibusiness: 1980 to 1995 Maia Cistina Otiz Futuoso and Joaquim José Matins Guilhoto Univesity of São Paulo, Univesity of

Leia mais

Transformações geométricas

Transformações geométricas Instituto Politécnico de Bagança Escola upeio de Educação Tansfomações geométicas 1 Tanslações endo dado um vecto u, a tanslação associada a u é a aplicação que faz coesponde ao ponto M o ponto M tal que

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Un/SP INMTRO Nas questões de 31 a 7, maque, paa cada uma, a única opção coeta, de acodo com o espectivo comando Paa as devidas macações, use a folha de espostas, único documento válido paa a coeção das

Leia mais

MODELAGEM E ANÁLISE DE GERADORES SÍNCRONOS UTILIZANDO O MÉTODO DE RECONSTRUÇÃO DO CAMPO MARCIO LUIZ MAGRI KIMPARA

MODELAGEM E ANÁLISE DE GERADORES SÍNCRONOS UTILIZANDO O MÉTODO DE RECONSTRUÇÃO DO CAMPO MARCIO LUIZ MAGRI KIMPARA MODEAGEM E ANÁISE DE GERADORES SÍNCRONOS UTIIZANDO O MÉTODO DE RECONSTRUÇÃO DO CAMPO MARCIO UIZ MAGRI KIMPARA CAMPO GRANDE 212 UNIVERSIDADE FEDERA DE MATO GROSSO DO SU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

Structural analysis of employment in the Brazilian economy: 1996 and 2002 compared

Structural analysis of employment in the Brazilian economy: 1996 and 2002 compared MPRA Munich Pesonal RePEc Achive Stuctual analysis of employment in the Bazilian economy: 1996 and 2002 compaed Joaquim José Matins Guilhoto and Silvio Massau Ichihaa and Mácio Guea Amoim Univesidade de

Leia mais

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES

CAPÍTULO 4 4.1 GENERALIDADES CAPÍTULO 4 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Nota de aula pepaada a pati do livo FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 4. GENERALIDADES Enegia é um conceito fundamental

Leia mais

Danos à Camada Isolante de Cabos em Redes não Blindadas devido a Distorções do Campo Elétrico na Proximidade de Objetos Aterrados

Danos à Camada Isolante de Cabos em Redes não Blindadas devido a Distorções do Campo Elétrico na Proximidade de Objetos Aterrados Danos à Camada Isolante de Cabos em Redes não Blindadas devido a Distoções do Campo Elético na Poximidade de Objetos Ateados José icente P. Duate Resumo As edes de distibuição de enegia elética, do tipo

Leia mais

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho A Disposição a Paga pelo Uso da Água na Bacia Hidogáfica do Rio Padinho Auto: Augusto Mussi Alvim (CPF: 564402430-04). Douto em Economia, Pofesso Adunto do Depatamento de Ciências Econômicas, PUCRS. Av.

Leia mais

2012 Geometria Caderno 01 52 www.ednaldoernesto.com.br 1

2012 Geometria Caderno 01 52 www.ednaldoernesto.com.br 1 2012 52 1 MENSAGEM FINAL LEGENDA: Resolução em multimídia, disponível no site ) 2 51 ÍNDICE Página 01 - Conceitos pimitivos da geometia 9 02 - Poposições geométicas 11 03 - Postulados euclidianos fundamentais

Leia mais

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo

Rotor bobinado: estrutura semelhante ao enrolamento de estator. Rotor em gaiola de esquilo Coente altenada é fonecida ao etato dietamente; Coente altenada cicula no cicuito de oto po indução, ou ação tanfomado; A coente de etato (que poui uma etutua n-fáica) poduzem um campo giante no entefeo;!"

Leia mais

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTIO EPESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS José obeto Secuato ESUMO O atigo tata da possibilidade de obtemos um título sintético que seja uma mímica em temos de isco e etono de

Leia mais

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio Fenômenos de Tanspote Equações Básicas na Foma Integal - I Pof. M. Sc. Lúcio P. Patocínio Objetivos Entende a utilidade do teoema de Tanspote de Reynolds. Aplica a equação de consevação da massa paa balancea

Leia mais

Breve Revisão de Cálculo Vetorial

Breve Revisão de Cálculo Vetorial Beve Revsão de Cálculo Vetoal 1 1. Opeações com vetoes Dados os vetoes A = A + A j + A k e B = B + B j + B k, dene-se: Poduto escala ente os vetoes A e B A B A B Daí, cos A AB cos A B B A A B B AB A B

Leia mais

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Montese Educação pofissional Ltda. Nome Fantasia: SOS Educação Pofissional Data de fundação: 10/03/2010

Leia mais

Conversor CC-CC Bidirecional Buck-Boost Atuando como Controlador de Carga de Baterias em um Sistema Fotovoltaico

Conversor CC-CC Bidirecional Buck-Boost Atuando como Controlador de Carga de Baterias em um Sistema Fotovoltaico UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Seto de Tecnologia Faculdade de Engenhaia Pogama de Pós-Gaduação em Engenhaia Elética onveso - Bidiecional Buck-Boost Atuando como ontolado de aga de Bateias em um

Leia mais

, (eq.1) Gravitação Universal Com Gabarito. 1. Lei da Gravitação Universal de Newton (1642-1727): Turma ITA IME Professor Herbert Aquino

, (eq.1) Gravitação Universal Com Gabarito. 1. Lei da Gravitação Universal de Newton (1642-1727): Turma ITA IME Professor Herbert Aquino Gavitação Univesal Co Gabaito 1. Lei da Gavitação Univesal de Newton (1642-1727): Apoiado nos estudos de Copénico, Galileu e Keple, Isaac Newton apesentou sua lei da Gavitação Univesal. Ente dois copos

Leia mais

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I PART I ndade B 9 Capítulo Geadoes elétcos Seções: 91 Geado Foça eletomotz 92 Ccuto smples Le de Poullet 93 Assocação de geadoes 94 studo gáfco da potênca elétca lançada po um geado em um ccuto Antes de

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E ESPECIFICAÇÃO DE FILTRO SINTONIZADO PARA INSTALAÇÃO NA REDE SECUNDÁRIA

DIMENSIONAMENTO E ESPECIFICAÇÃO DE FILTRO SINTONIZADO PARA INSTALAÇÃO NA REDE SECUNDÁRIA DIMENSIONAMENTO E ESPEIFIAÇÃO DE FITRO SINTONIZADO PARA INSTAAÇÃO NA REDE SEUNDÁRIA ANTÔNIO. B. AVES 1, EUER B. DOS SANTOS 1, FÁVIO R. GARIA, RAFAE NIESON 3 1 - Escola de Engenhaia Elética e de omputação,

Leia mais

Ensaio não destrutivo. Cargas dinâmicas. Procedimento.

Ensaio não destrutivo. Cargas dinâmicas. Procedimento. 2006 ABNT Associação Basileia de Nomas Técnicas Ensaios não destutivos Povas de cagas dinâmicas em gandes estutuas - Pocedimento Sede: Rio de Janeio Av. Teze de Maio, 13 28º anda CEP 20003-900 Caixa Postal

Leia mais

Romero Tavares. Vestibulares da UFPB. Provas de Física Resolvidas de 1994 até 1998

Romero Tavares. Vestibulares da UFPB. Provas de Física Resolvidas de 1994 até 1998 Romeo Taaes Vestibulaes da UFPB Poas de Física Resolidas de 994 até 998 João Pessoa, outubo de 998 Pof. Romeo Taaes - (8)5-869 Apesentação Romeo Taaes é Bachael em Física pela Uniesidade Fedeal de Penambuco,

Leia mais

Introdução ao Estudo da Interferência Eletromagnética (EMI) no Projeto de Placas de Circuito Impresso (PCBs) de Fontes Chaveadas.

Introdução ao Estudo da Interferência Eletromagnética (EMI) no Projeto de Placas de Circuito Impresso (PCBs) de Fontes Chaveadas. 1 Intodução ao Estudo da Intefeência Eletomagnética (EMI) no Pojeto de Placas de Cicuito Impesso (PCBs) de Fontes Chaveadas. Andé Baos de Mello Oliveia Resumo Este tabalho apesenta, inicialmente, o conceito

Leia mais

11 Vamos dar uma voltinha?

11 Vamos dar uma voltinha? A U A UL LA Vamos da uma votinha? A patinadoa desiza sobe o geo, baços estendidos, movimentos eves, música suave. De epente encohe os baços junto ao copo, gia veozmente como um pião, vota a estende os

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Soidents Fanchising Ltda Nome Fantasia: Soidents Clínicas Odontológicas Data de fundação: 20

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO Calos de O. Galvão 11, Fancisco V. Basileio 1, Cledson Souto Santana 1, Éica Machado 1, Esthe V. Basileio 1, Buno

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS DO MÉTODO MCSEM COM VARIAÇÃO NA RESISTIVIDADE DA ÁGUA DO MAR

MODELAGEM DE DADOS DO MÉTODO MCSEM COM VARIAÇÃO NA RESISTIVIDADE DA ÁGUA DO MAR 4 o PDPETRO, Campinas, SP 1.2.253 1 MODELAGEM DE DADOS DO MÉTODO MCSEM COM VARIAÇÃO NA RESISTIVIDADE DA ÁGUA DO MAR Edelson da Cuz Luz 1 (UFPA), Cíceo Robeto Texeia Regis 2 (UFPA) 1 Rua Santa Teeza, 81.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Dissertação de Mestrado. Estudo Teórico das Propriedades Eletrônicas e Ópticas do Espodumênio Natural (LiAlSi 2 O 6 )

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Dissertação de Mestrado. Estudo Teórico das Propriedades Eletrônicas e Ópticas do Espodumênio Natural (LiAlSi 2 O 6 ) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUÇÃO EM FÍSICA Dissetação de Mestado Estudo Teóico das Popiedades Eletônicas e Ópticas do Espodumênio Natual (LiAlSi 2 O 6 ) po Adilmo Fancisco de Lima

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENERGIA FOTOVOLTAICA

INTRODUÇÃO À ENERGIA FOTOVOLTAICA UNERSDADE ÉCNCA DE LSBOA NSUO SUPEROR ÉCNCO DEEC / Secção de Enegia Enegias Renováveis e Podução Descentalizada NRODUÇÃO À ENERGA FOOOLACA Rui M.G. Casto Novembo de 2002 (edição 0) OUROS OLUMES DSPONÍES

Leia mais

Relações Setoriais e Sinérgicas no Sistema Inter-Regional Sul-Restante do Brasil

Relações Setoriais e Sinérgicas no Sistema Inter-Regional Sul-Restante do Brasil Relações Setoiais e Sinégicas no Sistema Inte-Regional Sul-Restante do Basil Antonio Calos Moetto * Rossana Lott Rodigues ** Umbeto Antonio Sesso Filho *** Katy Maia **** Resumo: A pati do sistema inte-egional

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO ESCOAMENTO DE AR DENTRO DE UM SECADOR SOLAR

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO ESCOAMENTO DE AR DENTRO DE UM SECADOR SOLAR VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Gande Paaíba - Basil August 18 21, 2010 Campina Gande Paaíba Bazil SIMULAÇÃO

Leia mais

Equações e programa computacional para cálculo do transporte de solutos do solo

Equações e programa computacional para cálculo do transporte de solutos do solo Revista Basileia de Engenhaia gícola e mbiental v., n.3, p.64 6, 6 ampina Gande, PB, DEg/UFG http://www.agiambi.com.b Potocolo 35.4 /9/4 povado em 7//5 Equações e pogama computacional paa cálculo do tanspote

Leia mais

Linhas de Transmissão de Energia Elétrica

Linhas de Transmissão de Energia Elétrica Capítulo 3 Linhas de Tansmissão de Enegia Elética 3.1 Intodução 3. Rede de Tansmissão no Basil 3..1 Sistema de Tansmissão no Ceaá Rede Básica 3.3 Componentes de uma LT 3.3.1 Condutoes 3.3. Isoladoes 3.3.3

Leia mais

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL

NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL NOTAS DE AULA ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA RETAS E PLANOS ERON E ISABEL SALVADOR BA 7 EQUAÇÃO VETORIAL DA RETA EQUAÇÕES DA RETA DEF: Qualque eto não nulo paalelo a uma eta chama-e eto dieto dea

Leia mais

Curso de Física Básica - H. Moysés Nussenzveig Resolução do Volume III Capítulo 2 A Lei de Coulomb

Curso de Física Básica - H. Moysés Nussenzveig Resolução do Volume III Capítulo 2 A Lei de Coulomb uso e Física Básica - H Mosés Nussenzveig Resolução o Volue III apítulo A Lei e oulob - Moste que a azão a atação eletostática paa a atação gavitacional ente u eléton e u póton é inepenente a istância

Leia mais

CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO. 1. Leis Físicas Fundamentais. 3 leis escoamentos independentes da natureza do fluido

CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO. 1. Leis Físicas Fundamentais. 3 leis escoamentos independentes da natureza do fluido CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO 1. Leis Físicas Fundamentais 3 leis escoamentos independentes da natueza do fluido Leis Básicas Equações Fundamentais Lei da Consevação de Massa Equação

Leia mais

QUESTÃO GAB QUESTÃO GAB QUESTÃO GAB QUESTÃO GAB QUESTÃO GAB QUESTÃO GAB 1 C 16 B 31 C 46 E 61 A 76 D

QUESTÃO GAB QUESTÃO GAB QUESTÃO GAB QUESTÃO GAB QUESTÃO GAB QUESTÃO GAB 1 C 16 B 31 C 46 E 61 A 76 D LINGUAGENS, CÓDIGOSE SUAS TECNOLOGIAS Simulado ENEM 01 Etapa I 01 ª Séie do Ensino Médio - º DIA 5/11 LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS MATEMÁTICAE SUAS TECNOLOGIAS QUESTÃO

Leia mais

Óptica Moderna Fundamentos e aplicações. Sérgio C. Zilio

Óptica Moderna Fundamentos e aplicações. Sérgio C. Zilio Óptica Modena Fundamentos e aplicações Ségio C. Zilio Pefácio Este é um texto destinado à intodução dos conceitos básicos da óptica modena, elaboado paa estudantes de física ou engenhaia elética. Seu enfoque

Leia mais

Bragantia ISSN: 0006-8705 editor@iac.sp.gov.br Instituto Agronômico de Campinas Brasil

Bragantia ISSN: 0006-8705 editor@iac.sp.gov.br Instituto Agronômico de Campinas Brasil Baantia ISSN: 0006-8705 edito@iac.sp.ov. Instituto Aonômico de Campinas Basil SILVA, HEYDER DINIZ; FERREIRA, DANIEL FURTADO; PATTO PACHECO, CLESO ANTÔNIO Avaliação de quato altenativas de análise de expeimentos

Leia mais

ALEXANDRE POSTÓL SOBRINHO CRITÉRIOS DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA ROTAÇÃO

ALEXANDRE POSTÓL SOBRINHO CRITÉRIOS DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA ROTAÇÃO ALEXANDRE POSTÓL SOBRINHO CRITÉRIOS DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA ROTAÇÃO FLORIANÓPOLIS 008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS ORBITAIS ENVOLVENDO ÓRBITAS DO TIPO HALO

TRANSFERÊNCIAS ORBITAIS ENVOLVENDO ÓRBITAS DO TIPO HALO INPE-59-TDI/ TRANSFERÊNCIAS ORBITAIS ENOLENDO ÓRBITAS DO TIPO HALO Gislaine de Felipe Tese de Doutoado do Cuso de Pós-Gaduação em Engenhaia e Tecnologia Espaciais/Mecânica Espacial e Contole, oientada

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015 SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA

Leia mais

Emparelhamento de Cromossomas

Emparelhamento de Cromossomas Empaelhamento de Comossomas Paa Popósitos de Caiotipágem Atem Khmelinskii Dissetação paa obtenção do Gau de Meste em Engenhaia Biomédica Júi Pesidente: Oientadoes: Vogais: Pofª. Teesa Peña Pof. João Miguel

Leia mais

Instituto de Sistemas e Robótica * Pólo de Coimbra *

Instituto de Sistemas e Robótica * Pólo de Coimbra * Instituto de Sistemas e Robótica * Pólo de Coimba * Utilização de Filto de Kalman em Pocessos de Segmentação de Dados D de um LRF e na PediçãoEstimação da Posição de Objectos em Movimento Technical Repot

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto Data de fundação: 07 de feveeio de 1999 Númeo

Leia mais