PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP"

Transcrição

1 PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP Partindo de um conhecimento de comandos elétricos e lógica de diagramas, faremos abaixo uma revisão para introdução à CLP. Como saber se devemos usar contatos abertos ou fechados na programação em Ladder? A princípio os contatos abertos (NA) e fechados (NF) funcionam como os contatos no diagrama elétrico. A diferença é que o símbolo no diagrama elétrico representa exatamente o contato como ele é fisicamente, facilitando o entendimento do exercício prático. Já na programação em Ladder, o contato que usamos (NA ou NF) não representa necessariamente o estado da entrada física, ou seja, podemos ligar na entrada do CLP um botão NA e representar no Ladder contatos NA e NF dessa entrada, quantas vezes forem necessárias. O uso de contato NA ou NF em Ladder, depende do sinal de entrada e do que queremos que faça quando a entrada for acionada. Mas não é difícil, basta você analisar da seguinte forma: 1 Se NÃO tem sinal na entrada do CLP, todos os contatos que desenhar funcionarão em seus estados normais, ou seja, contato NA (NO LADDER) não dará condição pois ficará aberto, e contatos NF dará condição por ficar fechado. Contato NA não atuado, portanto sem sinal na entrada do CLP Contato NF atuado, portanto sem sinal na entrada do CLP Prof. Lázaro Anzolini 1

2 Na figura 1, nos dois casos, não temos sinal na entrada do CLP, portanto o que for representado no Ladder deverá ser entendido e analisado em seu estado normal. 2 Se TEM sinal na entrada, todos os contatos que desenhar (NO LADDER) funcionarão invertidos (atuados). NA dará condição e NF não dará condição. Contato NA atuado, portanto com sinal na entrada do CLP Contato NF não atuado, portanto com sinal na entrada do CLP Na figura 2, nos dois casos, temos sinal na entrada do CLP, portanto o que for representado no Ladder deverá ser entendido e analisado em seu estado anormal (invertido). Se montarmos um diagrama elétrico de comando simples com um botão NA, como funciona? - Se pressionarmos o botão B1 da figura 3, ligamos o contator K1 e se soltarmos ele desliga, certo? Prof. Lázaro Anzolini 2

3 Agora vamos ligar o botão B1 na entrada do CLP e contator na saída. - Se pressionarmos o botão B1 na figura 4, vai depender do programa desenhado (digitado) no CLP para acionar ou não a saída ligando K1. Existem vários modos de funcionamento, diferentes do que simplesmente pressionar B1, liga K1 e solta B1, desliga K1. Para que o circuito funcione exatamente como no diagrama elétrico da figura 3, o programa Ladder deverá ser da seguinte forma: - Se ninguém pressionar o botão B1 na figura 4 (diagrama elétrica do CLP), não teremos sinal na entrada, portanto o contato aberto acima (figura 5) ficará em sua situação normal, ou seja, não dará condição para ligar a saída K1. Prof. Lázaro Anzolini 3

4 Ao pressionarmos o botão B1 na figura 4, colocaremos sinal na entrada e todos os contatos representados no Ladder ficarão invertidos com relação à sua situação normal, ou seja, o contato NA representado no Ladder acima dará condição ( FECHARÁ ), ligando a saída K1. OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: - O contato aberto NA atuado, NÃO vira um NF, ele simplesmente dá a mesma condição de um NF não atuado. Como foi dito anteriormente, mesmo tendo um botão NA ligado na entrada do CLP, podemos representar um contato NF dessa entrada na programação Ladder. Vejamos então como ficaria um contato NF no Ladder do exemplo anterior: Como temos na entrada um botão NA (ver figura 4) e se ninguém pressionar, não teremos sinal na entrada e o contato no Ladder acima (figura 6) ficará na situação normal fechado, dando condição e ligando a saída. Se pressionarmos o botão o sinal na entrada inverte a situação e tirará a condição do contato, desligado a saída K1. Prof. Lázaro Anzolini 4

5 Apresentamos agora um diagrama elétrico já conhecido de todos. Existem dois botões (B1 e B2) e um contator (K1), onde o objetivo do diagrama é ligar K1 com um botão e quando soltarmos esse botão o K1 deverá permanecer ligado, e quando pressionarmos o outro, desligamos K1 e se soltarmos o botão K1 permanecerá desligado. Trata-se de uma lógica muito comum e utilizada em todo diagrama elétrico ou Ladder. Vejamos como funciona: No diagrama acima (figura 7) nosso objetivo é ligar ou desligar alguma coisa, no nosso caso K1. Observe que nas linhas principais (horizontais), temos a alimentação do circuito que pode ter uma tensão (ddp), de 220V, 110V, 24V, etc. Entre essas linhas devemos ter sempre algum(s) dispositivo(s), de tensão adequada, a ser ligado. No diagrama acima esse dispositivo é o K1 (imagine uma lâmpada que precisa das duas fases para acender) onde uma das linhas horizontais (fase), já está ligada à ele, faltando a linha superior (outra fase), que depende das situações dos contatos acima. Prof. Lázaro Anzolini 5

6 Reparem no diagrama da figura 8. Não temos um dispositivo para ligar e os contados quando entrarem em condução darão um curto-circuito. Toda lógica de contatos deve ter um dispositivo a ser ligado e esse com um de seus terminais ligado diretamente em uma das fases, fazendo essa a comum de todo o diagrama. Assim tudo o que acontecer acima desse dispositivo (outro terminal), estará seguro contra curto-circuito. Vamos ao funcionamento (leia e acompanhe pelo diagrama elétrico da figura 7): O botão B1 tem um contato NA (Normalmente Aberto) e se ninguém pressioná-lo, a fase superior não passará por ele. Abaixo dele temos um botão B2 com contato NF (Normalmente Fechado), que se ninguém pressioná-lo, o sinal que estiver em cima ele passa pra baixo, que já é o outro terminal do dispositivo (contator) K1. Observamos então que, para K1 ligar, dependemos somente do botão B1, que ao pressionarmos ele mandará a fase superior para abaixo dele que encontrará um contato fechado de B2 que levará essa fase ao terminal superior de K1, ligando-o. O contator K1 possui vários contatos NA e ou NF internos que atuam na sua energização. Como temos em paralelo com B1 um contato NA de K1, que ao acionar leva a mesma fase no mesmo lugar que B1, podemos tirar o dedo do botão B1 que o contator K1 não desligará por ser alimentado pelo seu próprio contato, conhecido como contato de selo O contato de selo memoriza o acionamento de B1, ou seja, como K1 permanece ligado mesmo tirando o dedo de B1, dizemos que K1 acusa que B1 foi acionado (memoriza). Prof. Lázaro Anzolini 6

7 Se após esse acionamento pressionarmos o botão B2 (NF), o contato abre tiramos a fase superior que vai para o K1, que desliga. Quando ele desliga, o contato de K1 que substituiu B1, abre e assim podemos soltar o botão B2 que não ligaremos K1 novamente. Nesse momento dizemos que K1 perdeu o selo, dependendo agora de um novo acionamento de B1 para ligar novamente. Obs.: O diagrama elétrico só poderá ser montado se o contator K1 disponibilizar um contato NA para o selo. Convertendo o diagrama elétrico anterior em Ladder Iremos seguir alguns passos para programarmos o Ladder: 1- Vamos utilizar nas entradas do CLP os mesmos botões (B1-NA e B2-NF) e na primeira saída do CLP ligaremos o contator K1. Observe o diagrama elétrico com CLP na figura 9 acima. 2- Se ninguém pressionar nenhum botão, qual deles já manda sinal na entrada do CLP? O botão B2, pois ele é NF e já manda sinal sem pressionarmos. O botão B1 só vai mandar sinal se pressionarmos, correto? 3- Muito bem, como queremos que o circuito funcione? Queremos que funcione exatamente como no diagrama analisado anteriormente, ou seja, se pressionarmos B1 liga K1 que fica ligado mesmo soltando o botão B1 e se pressionarmos B2 desliga K1 e permanece desligado se soltarmos B2. Prof. Lázaro Anzolini 7

8 4- Precisamos definir as condições que ligam e as que desligam o nosso K1 e no item anterior ficou claro, B1 liga e B2 desliga. 5- A lógica em Ladder é feita de forma horizontal da esquerda para a direita e para facilitar o entendimento, coloquemos as condições que ligam à esquerda e as que desligam à direita, e no final a representação da saída. 6- Começamos então com o contato de B1. O contato deverá ser representado aberto ou fechado? 7- Precisamos de um contato que não dê condição pra ligar K1 se não for pressionado. Como não tem sinal na entrada do CLP por esse botão, o que nós representarmos no Ladder estará em sua situação normal, portanto devemos representar com um contato NA, ou seja, assim que tivermos sinal na entrada esse contato dará condição e ligará a saída K1 (ver figura 10). 8- O contato B2 tem que dar condição para ligar K1 sem ser pressionado e tira a condição para desligar K1 após seu acionamento, como no diagrama anterior (figura 7). 9- Da mesma forma, o contato deverá ser aberto ou fechado? Se ele precisa dar condição para ligar K1 sem pressionarmos, devemos verificar se temos ou não sinal na entrada. Como já foi verificado, já temos sinal na entrada, pois o botão é NF (ver item 2). 10- Tendo sinal na entrada, nesse caso, tudo que representarmos no Ladder devemos analisar como situação invertida, ou seja, os contatos NA de B2 estarão dando condição e os contatos NF não. 11- Como queremos um contato que já dê condição para ligar K1, devemos representar B2 como NA em série com o B1. Ver figura Representemos agora no final da linha à direita, a saída K1. Ver figura Resumindo, ligamos o K1 com dois contatos abertos, B1 e B2, com a diferença que no botão B2 já temos sinal na entrada, dependendo somente do acionamento de B1. Prof. Lázaro Anzolini 8

9 14- Bom, agora se pressionarmos o botão B1 (lá no diagrama elétrico da figura 9), ligamos a saída K1, mas se soltarmos, tiramos a condição e K1 desliga novamente. Ver figura Como o botão B1 abre o contato quando tiramos o dedo e não queremos que desligue o K1, precisamos que alguém substitua o contato de B1 e mantenha o K1 ligado. Para isso devemos usar no Ladder um contato de selo em paralelo com o contato de B1, fazendo a função do mesmo. 12- Muito bem, programa concluído, como mostra a figura 13. Prof. Lázaro Anzolini 9

10 Para um diagrama elétrico sem o CLP o funcionamento só será possível se tivermos NA em B1 e NF em B2 como o apresentado na figura 7. Mas se tratando de CLP, não importa se nas entradas temos contatos NA ou NF o modo de funcionamento poderá ser mantido. Para programação de qualquer lógica de contato em Ladder, usamos o mesmo raciocínio que em comandos elétricos, e sempre devemos analisar o que acontece externamente ao CLP, acompanhando os acionamentos de botões, chaves, sensores, etc. Exercícios 1- Vamos exercitar esse raciocínio alterando os contatos de entrada mas que funcione exatamente igual, ou seja, se pressionarmos B1 ligamos K1, soltando B1 o K1 permanece ligado e se pressionarmos B2, desligamos K1 e soltando mantemos K1 desligado. 1) Prof. Lázaro Anzolini 10

11 2) 3) Prof. Lázaro Anzolini 11

12 2- Partindo de uma máquina com uma esteira acionada por K1 ou K2, 3 sensores NA e 2 botões NA, desenvolva a lógica em Ladder para as seguintes situações: Esteira: Botões: Sensores: K1 avança B1 liga (NA) S1 início (NA) K2 recua B2 desliga (NA) S2 meio (NA) S3 fim (NA) 1) Ao pressionarmos o botão B1 e soltar, com a peça no início da esteira (atuando S1 ), ligamos o avanço da esteira ( K1 ) que se mantem ligada, e quando a peça atingir o fim da esteira ( S3 ), K1 desliga. Dicas: - Leia atentamente o enunciado do exercício; - Não são utilizadas todas as entradas e saídas disponíveis; - Faça somente o que pede o exercício; - Defina que saída devemos acionar; - Defina as condições que ligam e desligam a saída; - Procure colocar as condições que ligam à esquerda e as que desligam à direita; - Lembre-se que os contatos que ligam, não tendo sinal na entrada do CLP, não devem ligar a esteira em sua representação normal, ou seja, não tendo sinal na entrada do CLP deve-se usar contatos NA (isso para o exercício em questão); Prof. Lázaro Anzolini 12

13 - Contatos que desligam, não tendo sinal na entrada do CLP, devem permitir o acionamento da saída em sua representação normal, ou seja, não tendo sinal na entrada do CLP deve-se usar contatos NF (isso para o exercício em questão); - Com o acionamento de K1 (avanço), a esteira liga e leva a peça que está na frente de S1 ; - Analise se as condições que ligam se mantem, pois a esteira precisa ficar ligada até a peça atingir a posição S3 ; - Se alguma condição que ligou a esteira for desacionada e a mesma deve-se manter ligada, use contato de selo. 2) No exercício anterior fizemos a peça sair de S1 e parar em S3 com o acionamento de B1. Agora, devemos acrescentar mais uma condição para desligar o movimento em caso de necessidade, antes de atingir o sensor S3, ou seja, durante o avanço da esteira, se acionarmos o botão B2, a esteira pára. 3) Nesse exercício, ao acionarmos o botão B1, ligamos o avanço da esteira ( K1 ) se a peça estiver em S1. Ao atingir o sensor S3 o avanço pára e liga o retorno ( K2 ), e ao atingir a posição S1 novamente a esteira pára. Se acionarmos o botão B2 durante o movimento da esteira, ela pára. 4) Repita o item anterior e quando a peça retornar à posição S1, a esteira avança novamente e pára em S2 (meio). Resumindo: Aperta B1, a peça sai de S1, vai até S3, volta até S1 e avança novamente até S2. Prof. Lázaro Anzolini 13

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3)

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Mapeamento de memória Na CPU (Unidade Central de Processamento) de um CLP, todas a informações do processo são armazenadas na memória. Essas informações

Leia mais

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS 1 PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS INTRODUÇÃO O processamento interno do CLP é digital e pode-se, assim, aplicar os conceitos de lógica digital para compreen8 der as técnicas e as linguagens

Leia mais

6 Circuitos pneumáticos e hidráulicos

6 Circuitos pneumáticos e hidráulicos A U A UL LA Circuitos pneumáticos e hidráulicos Um problema A injetora de plásticos de uma fábrica quebrou. Desesperado, o supervisor de produção procura pelo novo mecânico de manutenção de plantão: você.

Leia mais

Parte V Linguagem de Programação

Parte V Linguagem de Programação www.spei.br Sociedade Paranaense de Ensino e Informática Parte V Linguagem de Programação 2 1 Linguagens de Programação de CLPs As linguagens de programação permitem aos usuários se comunicar com o CLP

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO SC 203

GUIA DE INSTALAÇÃO SC 203 GUIA DE INSTALAÇÃO SC 203 1. Instalação do equipamento 1. Fixação placa de montagem Retire uma Estação de Controle de Acesso, desmontar o parafuso entre o corpo da máquina e placa de montagem até que ele

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

Central de alarme ANM 2004 MF / ANM 2008 MF

Central de alarme ANM 2004 MF / ANM 2008 MF Central de alarme ANM 2004 MF / ANM 2008 MF Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A central de alarme ANM 2004/2008 MF é compacta e de fácil programação, possui

Leia mais

(E) (A) A bobina do rele de tempo dt1 está queimada. (B) A1. (B) A bobina do contator 1K3 está queimada. (C) A2

(E) (A) A bobina do rele de tempo dt1 está queimada. (B) A1. (B) A bobina do contator 1K3 está queimada. (C) A2 Técnico de Lab.: Automação Industrial 31. De acordo com a norma NBR 8403/1984: Aplicação de linhas em desenhos Tipos de linhas - Larguras das linhas e a norma NBR 198/1995: Representação de área de corte

Leia mais

APOSTILA ZELIO SOFT 2

APOSTILA ZELIO SOFT 2 APOSTILA ZELIO SOFT 2 Prof. Maycon Max Kopelvski Fev/2010 rev.01 Página 1 de 20 1) Clique no ícone para abrir o programa Zelio Soft 2 2) Abrirá a tela inicial do Programa: Clique em Criar um novo programa.

Leia mais

hardwarecar.com.br 1 Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações.

hardwarecar.com.br 1 Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações. Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações. A saída do chicote esta localizada na parte traseira ou inferior do. hardwarecar.com.br

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

www.modelix.com.br Página 01

www.modelix.com.br Página 01 OBJETIVO Este guia tem como objetivo a capacitação ao uso dos componentes mais específicos e o entendimento de seus modos de funcionamento. A Modelix está disponibilizando este guia junto a uma vasta gama

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Central de Alarme Particionada

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Central de Alarme Particionada MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO AP6 Central de Alarme Particionada www.compatec.com.br 2 www.compatec.com.br 3 4. Dimensões do produto... 5. Conhecendo o seu produto... 7 5.1 Conhecendo as funções da central...

Leia mais

Controle de Acesso Stand Alone Biofinger 22K

Controle de Acesso Stand Alone Biofinger 22K Imagem meramente ilustrativa Controle de Acesso Stand Alone Biofinger 22K 1 Sumário Apresentação... 3 1. Fixação do Equipamento... 3 2. Estrutura e Funções... 4 3. Conexões... 4 4. Conexão com outros acessórios...

Leia mais

Aprendendo linguagem Ladder com o Clic Edit - WEG

Aprendendo linguagem Ladder com o Clic Edit - WEG Aprendendo linguagem Ladder com o Clic Edit - WEG SUMÁRIO de Exercícios Exercício 01 - Três interruptores em série e uma saída... 04 Exercício 02 - Dois interruptores em paralelo e uma saída... 05 Exercício

Leia mais

Princípio de Funcionamento

Princípio de Funcionamento ROTEIRO Introdução O Controlador Lógico Programável CLP nasceu dentro da General Motors, em 1968, devido a grande dificuldade de mudar a lógica de controle dos painéis de comando a cada mudança na linha

Leia mais

Guia NeocDimmer. versão 1.3

Guia NeocDimmer. versão 1.3 Guia NeocDimmer versão 1.3 Referência completa para o integrador do sistema NeocDimmer. Aborda as características e instalações físicas e sua integração. Configurações do sistema, criação de cenas, comandos

Leia mais

MATERIAL DE APRESENTAÇÃO DO SCRATCH

MATERIAL DE APRESENTAÇÃO DO SCRATCH MATERIAL DE APRESENTAÇÃO DO SCRATCH 1 Scratch é uma nova linguagem de programação que permite a criação de histórias, animações, jogos e outras produções. Tudo pode ser feito a partir de comandos prontos

Leia mais

Programa Ladder para Esteiras Transportadoras Automação Semestre 01/2015

Programa Ladder para Esteiras Transportadoras Automação Semestre 01/2015 Programa Ladder para Esteiras Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Programa Ladder Esteiras Descrição de funcionamento: O sistema é ligado e desligado pelo botão de comando de

Leia mais

Exercícios de Eletrônica Digital Instrutor Gabriel Vinicios Tecnologia Eletrônica II - Tarde

Exercícios de Eletrônica Digital Instrutor Gabriel Vinicios Tecnologia Eletrônica II - Tarde Exercícios de Eletrônica Digital Instrutor Gabriel Vinicios Tecnologia Eletrônica II - Tarde 1.0 - Projeto de ircuitos ombinacionais 1.1 Três botões controlam três motores de potências diferentes. O botão

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 1 2 a AULA Controlador Lógico Programável: Características de software.

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Prontuário Nome Assinatura QUESTÕES TEÓRICAS

LISTA DE EXERCÍCIOS. Prontuário Nome Assinatura QUESTÕES TEÓRICAS Data: / / Prontuário Nome Assinatura QUESTÕES TEÓRICAS 1) Faça um diagrama do contador CTD contemplando todos os pinos de forma que fique demonstrado o comportamento do pino Q. 2) Das características mais

Leia mais

1) Entendendo a eletricidade

1) Entendendo a eletricidade 1) Entendendo a eletricidade 1 2) Circuitos Modelix 2 3) Utilizando o Sistema Esquemático Modelix-G (Modelix-Grafix) 6 4) Fazendo montagens com os Circuitos Modelix 7 5) Exercícios para treinar 8 Objetivo:

Leia mais

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes Pág 4 Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes 1 APRESENTAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR A unidade curricular de Lógica para a programação tem como objetivo promover o estudo dos principais

Leia mais

MANUAL SIMPLIFICADO COMANDO WT-P04

MANUAL SIMPLIFICADO COMANDO WT-P04 MANUAL SIMPLIFICADO COMANDO WT-P04 2 ÍNDICE 1. DESCRIÇÃO BÁSICA 3 1.1 COMPOSIÇÃO BÁSICA DO QUADRO DE COMANDO 3 1.2 PRECAUÇÕES TÉCNICAS 4 2. MENUS PARA MONITORAR O ELEVADOR 4 2.1 MENUS PARA AJUSTE DO ELEVADOR

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

PS 9100. Contadora e Classificadora de Moedas

PS 9100. Contadora e Classificadora de Moedas Contadora e Classificadora de Moedas ÍNDICE 1 Identificação : 2 Instalação: 2.1 Conteúdo: 2.2 Desembalagem : 2.3 Instruções de Instalação : 3 Documentos : 3.1 Especificações das Moedas : 3.2 Condições

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 10ª Série Automação Industrial Engenharia Elétrica A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

Manual de Montagem REVISÃO 312.20. www.robouno.com.br

Manual de Montagem REVISÃO 312.20. www.robouno.com.br Manual de Montagem REVISÃO 312.20 Manual de Montagem 01 Suporte Roda Caster 01 Roda Caster Parafusos 3x8mm Porcas 11 03 2 Observe a posição dos furos 01 Chassi Lateral 01 Motor Parafusos 3x8mm Porcas 12

Leia mais

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO PARA RESFRIAMENTO EVAPORATIVO TEMPER UMIDADE 1. DESCRIÇÃO Controlador microprocessado de alta performance, o Humitech aplica-se em conjunto a sistemas de resfriamento evaporativo para conforto térmico

Leia mais

Desmistificando o Programa de Computador

Desmistificando o Programa de Computador Desmistificando o Programa de Computador Hoje vou explicar, da maneira mais simples possível, como funciona um programa de computador. Na sua essência um programa de computador nada mais é que uma coletânea

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO DISCADORA DM-908

GUIA DE INSTALAÇÃO DISCADORA DM-908 GUIA DE INSTALAÇÃO DISCADORA DM-908 R ÍNDICE Característica do Aparelho... 3 Funcionamento Geral... 3 Painel Frontal... 3 Programação dos Telefones... 4 Apagando uma Posição de Memória... 4 Programação

Leia mais

Mouse & Teclado. Mouse & Teclado

Mouse & Teclado. Mouse & Teclado Mouse & Teclado -1- ÍNDICE CAPÍTULO 1 Apresentação do Mouse...07 Como o mouse funciona...13 Os botões do mouse...16 CAPÍTULO 2 Utilizando o mouse com segurança...26 Dicas de utilização...28 Tipos de mouses...31

Leia mais

DXT3000 - PHONE CONTROL

DXT3000 - PHONE CONTROL Hamtronix DXT3000 - PHONE CONTROL Manual de Instalação e Operação Software V 1.0 Hardware Revisão A INTRODUÇÃO Índice... 01 Suporte On-line... 01 Termo de Garantia... 01 Em Caso de Problemas (RESET)...

Leia mais

Tutorial Classmate: Resolvendo bug do X na tela. Nathalia Sautchuk Patrício

Tutorial Classmate: Resolvendo bug do X na tela. Nathalia Sautchuk Patrício Tutorial Classmate: Resolvendo bug do X na tela Nathalia Sautchuk Patrício Apareceu um X na tela? Quando você liga seu Classmate normalmente e aparece o X na tela ao invés de aparecer o seu Desktop, o

Leia mais

O objetivo deste material é demonstrar com exemplos como a máquina de estado reproduz fielmente todas as etapas idealizadas pelo projetista.

O objetivo deste material é demonstrar com exemplos como a máquina de estado reproduz fielmente todas as etapas idealizadas pelo projetista. Parte 06 - Técnicas de programação (máquina de estados) MÁQUINA DE ESTADOS FINITO Pode-se definir máquina de estado como sendo um modelo de comportamento de um determinado processo, em nosso caso industrial.

Leia mais

Domine seu. iphone. Dicas de produtividade para você deixar seu iphone na palma da mão. novatec Marcelo Castro Ivan Fernandes

Domine seu. iphone. Dicas de produtividade para você deixar seu iphone na palma da mão. novatec Marcelo Castro Ivan Fernandes iphone Domine seu Dicas de produtividade para você deixar seu iphone na palma da mão novatec Marcelo Castro Ivan Fernandes Parte 1 20 Básico 1 Mude o idioma Se você não se sente confortável em usar seu

Leia mais

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL Controlador Lógico Programável ( Hardware ) Para aprendermos como funciona um CLP, é necessário uma análise de seus componentes básicos, utilizados por todos os CLPs disponíveis

Leia mais

Laboratório de Física Engª Telecomunicações e Informática ISCTE 2010/2011. Movimento Linear

Laboratório de Física Engª Telecomunicações e Informática ISCTE 2010/2011. Movimento Linear Laboratório de Física Engª Telecomunicações e Informática ISCTE 2010/2011 Movimento Linear Nome: Nome: Nome: Nome: Nº: Nº: Nº: Nº: Leia com atenção a totalidade deste enunciado antes de começar, e responda

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Disciplina : Teoria da Computação Professora : Sandra Aparecida de Amo Lista de Exercícios n o 2 Exercícios sobre Modelos de Máquinas de Turing

Leia mais

MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO

MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO 2015 MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO Passo 1: O primeiro passo é determinar qual versão do Sensor de Ângulo foi incluído no seu kit. Existe uma versão Direita

Leia mais

CONTROLADOR PARA BANCO CAPACITOR JKL-5

CONTROLADOR PARA BANCO CAPACITOR JKL-5 Catalogo - 2010/2011 CONTROLADOR PARA BANCO CAPACITOR JKL-5 CKW Direitos Reservados Controlador de Fator de Potência JKL Introdução O Controlador Digital de Fator de Potência da série JKL, foi desenvolvido

Leia mais

Controle de elevador

Controle de elevador Controle de elevador Aluno...: Leonardo Rafael Coordenador: Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto vargasp@uol.com.br Escola Técnica Rubens de Faria e Souza 1 Dedicatória e Agradecimentos Dedico aos meus

Leia mais

TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA GRAVAR SUA ENTREVISTA

TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA GRAVAR SUA ENTREVISTA CRIANDO UM BOM AMBIENTE PARA GRAVAR A ENTREVISTA... É importante ter tudo preparado antes de começar. Evite distrações para que o foco esteja em você. Abaixo algumas dicas para criar um bom ambiente para

Leia mais

Guia Rápido de Instalação

Guia Rápido de Instalação Biofinger 115K Guia Rápido de Instalação Apresentação O BIOFINGER 115K da CS é um controle de acesso biométrico e proximidade RFID que possui um elevado desempenho. Seu avançado algoritmo proporciona velocidade

Leia mais

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa P OW ERPOI NT 1 INTRODUÇÃO... 3 1. Iniciando o PowerPoint... 3 2. Assistente de AutoConteúdo... 4 3. Modelo... 5 4. Iniciar uma apresentação em branco... 6 5. Modo de Exibição... 6 6. Slide Mestre... 7

Leia mais

Sistema de Detecção de Vazamento de Gás

Sistema de Detecção de Vazamento de Gás Manual do Sistema Blockgas SB330 CB530 SB330 SB80 atende normas: NBR16186 de 06/2013 NBR16069 de 04/2010 NR 36 Apresentação do sistema: Composto por 3 módulos de equipamentos eletrônicos e 1 software de

Leia mais

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Atuadores

Leia mais

Balança Especial tipo Silo para ensaque de Big- Bag Suspenso 0007-EV-00-M

Balança Especial tipo Silo para ensaque de Big- Bag Suspenso 0007-EV-00-M Balança Especial tipo Silo para ensaque de Big- Bag Suspenso 0007-EV-00-M MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Revisão 1.0 Alfa Instrumentos Eletrônicos Ltda R. Cel. Mário de Azevedo, 138 São Paulo - SP 02710-020

Leia mais

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA

FOGÃO ELÉTRICO. Manual de Instruções SIEMSEN. (0xx) 47 255 2000 LINHA DIRETA Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Fone: +55 (0 )47 255 2000 - Fax: +55 (0 )47 255 2020 Rua: Anita Garibaldi, nº 262 - Bairro: São Luiz - CP: 52 CEP: 88351-410 - Brusque - Santa Catarina -

Leia mais

SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT

SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT Esse tutorial traz passo a passo instruções para criação de um desenho no ambiente Draft. Na criação dos desenhos você aprenderá as técnicas

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação RADAR DUO 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento... 4 3.1

Leia mais

AULA 06 LINGUAGEM DE BLOCOS DE FUNÇÃO (FB) ENG1016 - Informática Industrial I Profa. Letícia Chaves Fonseca

AULA 06 LINGUAGEM DE BLOCOS DE FUNÇÃO (FB) ENG1016 - Informática Industrial I Profa. Letícia Chaves Fonseca AULA 06 LINGUAGEM DE BLOCOS DE FUNÇÃO (FB) ENG1016 - Informática Industrial I Profa. Letícia Chaves Fonseca 2 1. Linguagem de Blocos de Função (FB) 1. Linguagem de Blocos de Função (FB) 3 Historicamente

Leia mais

Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3

Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3 Computadores XII: Aprendendo a Somar A4 Texto 3 http://www.bpiropo.com.br/fpc20051017.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 17/10/2005 Autor: B.Piropo Na coluna anterior, < http://www.forumpcs.com.br/viewtopic.php?t=131250

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2 N de Homologação: 1702-09-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação TETROS MOTO V2 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento...

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Sistemas Digitais 2010/2011 Instituto Superior Técnico - Universidade Técnica de Lisboa

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Sistemas Digitais 2010/2011 Instituto Superior Técnico - Universidade Técnica de Lisboa SISTEMAS DIGITAIS Ambiente de Trabalho e Portas Lógicas (Hardware) Objectivo: Este trabalho destina-se a pôr os alunos em contacto com o equipamento do laboratório, com os componentes a utilizar e com

Leia mais

TREINAMENTO DE CERTIFICAÇÃO QTEK Bomber

TREINAMENTO DE CERTIFICAÇÃO QTEK Bomber TREINAMENTO DE CERTIFICAÇÃO QTEK Bomber O QTEK Bomber é um dispositivo de separação de camada independente, projetado para remover ou adicionar camadas de produtos sobre um palete. O Bomber também pode

Leia mais

SKYMSEN LINHA DIRETA. Ramais 2011 2012 2013. E-mail: at@siemsen.com.br

SKYMSEN LINHA DIRETA. Ramais 2011 2012 2013. E-mail: at@siemsen.com.br PRODUTOS METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairro: S o Luiz CEP: 88351-410 Brusque Santa Catarina Brasil Fone: +55 47 255 2000 Fax: +55 47 255 2020 www.siemsen.com.br - comercial@siemsen.com.br

Leia mais

Robô UNO 1.1 REVISÃO 714.15. www.unorobotica.com.br

Robô UNO 1.1 REVISÃO 714.15. www.unorobotica.com.br ROBÓTICA Robô UNO 1.1 REVISÃO 7.15 Manual de Montagem ITEM QTDE 17 Chassi traseiro 22 Roda caster 11 04 Parafusos 8mm 04 Porcas 2 ITEM 16 04 11 QTDE 02 02 Chassi lateral Motor Parafusos 30mm Porcas 3 ITEM

Leia mais

..:Sgi-Plus:.. Manual completo do sistema de vendas Sgi-plus. Site..: http:// www.giovaneinformatica.com.br

..:Sgi-Plus:.. Manual completo do sistema de vendas Sgi-plus. Site..: http:// www.giovaneinformatica.com.br ..:Sgi-Plus:.. Manual completo do sistema de vendas Sgi-plus Site..: http:// www.giovaneinformatica.com.br E-mail..: suporte@giovaneinformatica.com.br 1-) CADASTRANDO DE PRODUTOS -Detalhes da tela -Salvando

Leia mais

Sistema de Alimentação para lâmpadas UV.

Sistema de Alimentação para lâmpadas UV. Página 1 de 8 Sistema de Alimentação para lâmpadas UV. Linha: UV-TRON - Alimentação bifásica - Alto fator de potência Revisão: 2 Página 2 de 8 Características Gerais: O sistema Rasatronic UV-TRON é um

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV001 Maquete com Instalação Elétrica Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Maquete com Instalação Elétrica Você gostaria de aprender

Leia mais

DICAS TÉCNICAS S100/105/120/125

DICAS TÉCNICAS S100/105/120/125 Chamada de serviço: Nível de plataforma inoperante Subida/descida da lança inoperantes P22 - P22R código de rolagem na tela Ferramentas necessárias: Multímetro Chave de 7/16 2º técnico de serviço Modelo:

Leia mais

Em seguida vem a tela principal de onde você pode iniciar todas as operações:

Em seguida vem a tela principal de onde você pode iniciar todas as operações: Essa é a primeira tela do programa, nela você deve entrar com o nome de usuário e senhas, o programa vem pré-cadastrada como usuário= 1 senha =1 clique em acessar Em seguida vem a tela principal de onde

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL FÊNIX-20L MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO CARACTERÍSTICAS GERAIS... 3 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 3 PAINEL... 4 FUNÇÕES DO PAINEL... 4 FUNÇÕES INTERNAS PLACA DE CONTROLE... 6 FUNÇÕES INTERNAS

Leia mais

SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA DE PROCESSAMENTO DE AÇÚCAR UTILIZANDO A BANCADA WEG

SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA DE PROCESSAMENTO DE AÇÚCAR UTILIZANDO A BANCADA WEG Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Automação e Sistemas Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Automação e Sistemas Projeto REUNI 2010 SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA

Leia mais

Diagrama funcional GRAFCET

Diagrama funcional GRAFCET Exemplo 1 Diagrama funcional GRAFCET Diagrama funcional GRAFCET: Configuração Mestre/Escravo Caso estudado de modelação e implementação de um sistema de comando baseado num modelo mestre/escravo Pretende-se

Leia mais

Tamanho da arte. Margens. O que é Sangra? Caixa de informações

Tamanho da arte. Margens. O que é Sangra? Caixa de informações Tamanho da arte O site disponibiliza para download os Arquivos padrão, que são arquivos modelo para auxiliar a confecção do seu material. Eles possuem margens predefinidas e tamanho adequado ao tipo de

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Convencional + Módulo Endereçável Código: AFDFE. (Ideal Para Utilizar em Conjunto com a Central de Alarme de Incêndio AFSLIM). O detector de fumaça código AFDFE é um

Leia mais

CONHECIMENTO ESPECÍFICO

CONHECIMENTO ESPECÍFICO CONHECIMENTO ESPECÍFICO 6. O PID (Proporcional Integral Derivativo) é comumente usado na automação industrial para se encontrar um erro entre a entrada e a saída de um processo qualquer. Nesse processo,

Leia mais

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL 1 CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL Sumário 1.1. Sistemas de Numeração... 3 1.1.1. Conversão Decimal Binária... 3 1.1.2. Conversão Binária Decimal... 3 1.1.3. Conversão Binária Hexadecimal...

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE INSTRUÇÕES

MANUAL BÁSICO DE INSTRUÇÕES MANUAL BÁSICO DE INSTRUÇÕES ANTES DE LIGAR O DISPOSITIVO, AJUSTE A CHAVE SELETORA DE TENSÃO, LOCALIZADA NA PARTE INTERNA DO APARELHO, CONFORME ILUSTRAÇÃO 13. 1 O display informa hora/minuto intercalado

Leia mais

..:Restaurantes:.. Manual completo do sistema de vendas Restaurantes. Site..: http:// www.giovaneinformatica.com.br

..:Restaurantes:.. Manual completo do sistema de vendas Restaurantes. Site..: http:// www.giovaneinformatica.com.br ..:Restaurantes:.. Manual completo do sistema de vendas Restaurantes Site..: http:// www.giovaneinformatica.com.br E-mail..: suporte@giovaneinformatica.com.br :.. Índice ndice..: 1-) CADASTRANDO DE PRODUTOS

Leia mais

Material. 2 Cristiane Débora

Material. 2 Cristiane Débora Feltro : - Cor de pele - Verde claro - verde escuro - Branco - Cáqui - Marrom - Laranja - Bege Papelão Paraná Palito de churrasco Manta siliconada 2 mini botões/ 2 meio pérolas pretas Linhas das cores

Leia mais

Painel de Mensagens TXT 010556 TXT 010764 TXT 020764. Manual do Usuário

Painel de Mensagens TXT 010556 TXT 010764 TXT 020764. Manual do Usuário Painel de Mensagens TXT 010556 TXT 010764 TXT 020764 Manual do Usuário A GPTRONICS está capacitada a fabricar produtos de excelente qualidade e oferecer todo o suporte técnico necessário, tendo como objetivo

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CHAVE DE PARTIDA ESTÁTICA - SOFTSTARTER - MANUAL DO ALUNO

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CHAVE DE PARTIDA ESTÁTICA - SOFTSTARTER - MANUAL DO ALUNO WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICO S S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CHAVE DE PARTIDA ESTÁTICA - SOFTSTARTER - MANUAL DO ALUNO CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CHAVE DE PARTIDA ESTÁTICA

Leia mais

Programadores e Problemas: Instruções. Introdução. Seu Objetivo. Configuração. Instruções do jogo equipe evolução 5/5/2006 v2.0

Programadores e Problemas: Instruções. Introdução. Seu Objetivo. Configuração. Instruções do jogo equipe evolução 5/5/2006 v2.0 Programadores e Problemas: Instruções Introdução Problemas e Programadores é um jogo educacional na área de engenharia de software. Ele é dirigido a estudantes que já têm conhecimento entre o básico e

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 07 Linguagem Ladder Profª Danielle Casillo A LINGUAGEM LADDER Foi a primeira que surgiu para programação

Leia mais

Modificação do LED POWER Logic@sat L4000

Modificação do LED POWER Logic@sat L4000 Modificação do LED POWER Logic@sat L4000 Caro amigo, proprietário de um receptor Logic@sat L4000, alguma vez você já se questionou sobre o funcionamento do LED POWER do receptor? Além de ser vermelho,

Leia mais

UTILIZANDO O MuLTISIM. laboratório de tecnologia. Newton C. Braga. Instituto

UTILIZANDO O MuLTISIM. laboratório de tecnologia. Newton C. Braga. Instituto laboratório de tecnologia Instituto ensino médio ensino fundamental disciplina tecnologia UTILIZANDO O MuLTISIM Introdução ao Multisim Software de Simulação de Circuitos da National Instruments ESCOLA:

Leia mais

Manual do Usuário Nokia Mobile Holder CR-123 & Easy Mount HH-22

Manual do Usuário Nokia Mobile Holder CR-123 & Easy Mount HH-22 Manual do Usuário Nokia Mobile Holder CR-123 & Easy Mount HH-22 Edição 1.1 2 Sobre o porta-celular veicular Com o Porta-celular CR-123 e o Suporte de Fácil Fixação HH-22 da Nokia, você pode ter acesso

Leia mais

Adaptação de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006

Adaptação de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Adaptação de Servo-motores Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 13/01/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Desenhando no Flash. Comece um novo arquivo novo, de tamanho 500 X 300 pixels.

Desenhando no Flash. Comece um novo arquivo novo, de tamanho 500 X 300 pixels. Desenhando no Flash Os arquivos criados no Flash guardam e apresentam as informações gráficas vetorialmente. Isto significa que as imagens são entendidas como formas e preenchimentos e o que é armazenado

Leia mais

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS

UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS UNIDADE III Sistemas Operacionais WINDOWS Objetivo da unidade Objetivo Geral Apontar as noções básicas do Windows Praticar o aprendizado sobre o Sistema Operacional Objetivos Específicos Entender como

Leia mais

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR www.mastertec.ind.br 1 ÍNDICE 1. Recursos:... 3 2. Condições de funcionamento:... 3 3. Características técnicas:... 3 4. Características construtivas:... 3 5. Diagrama

Leia mais

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD

Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Manual para acesso às disciplinas na modalidade EAD Para acessar sua senha: 1. Entrar no portal Metodista online Acesse o site www.bennett.br. No lado superior direito aparecerá a janela da área de login,

Leia mais

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B Hamtronix CRD200 - Manual de Instalação e Operação Software V 2.0 Hardware Revisão B INTRODUÇÃO Índice...01 Suporte On-line...01 Termo de Garantia...01 Em Caso de Problemas (RESET)...01 Descrição do Produto...02

Leia mais

Manual de Operação e Instalação. Microterminal TCP/IP MT740. versão 1.0

Manual de Operação e Instalação. Microterminal TCP/IP MT740. versão 1.0 Manual de Instalação e Operação MT740 1/16 Manual de Operação e Instalação Microterminal TCP/IP MT740 versão 1.0 Manual de Instalação e Operação MT740 2/16 Índice Descrição 3 Reconhecendo o Terminal 5

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Página 1 de 9 Informativo nº 9 VENTILADOR DE MESA 30cm VENTNK1200 ASSUNTO: Lançamento. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Alimentação: Cor: Potência do aparelho: Consumo de energia: Característica diferencial: Período

Leia mais

Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2

Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2 Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2 1- CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Prato em aço inoxidável 340 x 310 mm. Saída serial para impressora matricial Urano USE-PII. Temperatura de operação: 0 a 50 ºC.

Leia mais

NÃO ESQUEÇA! Antes de colar as peças, sempre dê a forma que elas necessitam!! Lateral. Destaque as peças B8 e B9,

NÃO ESQUEÇA! Antes de colar as peças, sempre dê a forma que elas necessitam!! Lateral. Destaque as peças B8 e B9, Instruções para montagem Peugeot 307 Sedan - Stock Car V8 IMPORTANTE: Para montar seu modelo, o principal é ter paciência. Se você não tem prática ou nunca montou algo parecido, seja paciente. Comece destacando

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

Laboratório de robótica

Laboratório de robótica Alarme de Presença Em vários projetos desenvolvidos, o uso de sensores é muito interessante. Através de sensores, podemos fazer a leitura de determinadas características do ambiente, tais como a presença

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia da dor cervical. Eles foram compilados para

Leia mais

Bom trabalho. Módulo Contabilidade Caixa e Contas Bancárias

Bom trabalho. Módulo Contabilidade Caixa e Contas Bancárias Sistema Pastoral Tecnologia a Serviço das Comunidades Help on line - acione a tecla F1 quando tiver dúvida. Este roteiro foi elaborado para servir de auxílio às pessoas que estão iniciando a utilização

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS. Fluxogramas. Prof. Carlos Sêrro Alterado para lógica positiva por Guilherme Arroz. Dezembro de 2005 Sistemas Digitais 1

SISTEMAS DIGITAIS. Fluxogramas. Prof. Carlos Sêrro Alterado para lógica positiva por Guilherme Arroz. Dezembro de 2005 Sistemas Digitais 1 SISTEMAS DIGITAIS Fluxogramas Prof. Carlos Sêrro Alterado para lógica positiva por Guilherme Arroz Dezembro de 2005 Sistemas Digitais 1 Fluxogramas Em vez de diagramas de estado ou de tabelas de estados/saídas,

Leia mais

Mas, como utilizar essa ferramenta tão útil e que está à sua disposição?

Mas, como utilizar essa ferramenta tão útil e que está à sua disposição? Caríssimo aluno da Rede CEJA, Seja muito bem vindo à sua escola! Estamos muito felizes que você tenha optado por dar continuidade aos seus estudos conosco, confiando e acreditando em tudo o que poderemos

Leia mais