Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio"

Transcrição

1 Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e o osciloscópio. 2. MATERIAL UTILIZADO osciloscópio; gerador de funções. 3. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores utilizamos instrumentos de medida (amperímetro e voltímetro) e fontes de energia (fonte de voltagem DC) para estudar o comportamento de correntes elétricas e voltagens estacionárias, ou seja, que não variam com o passar do tempo. No entanto, como veremos a partir da próxima aula, a resposta elétrica de alguns elementos de circuito que utilizaremos está relacionada com correntes e voltagens variáveis no tempo. Assim, para estudá-los devemos ser capazes de gerar e observar correntes e voltagens com essas características. Em nosso curso utilizaremos um gerador de sinais ou gerador de funções para gerar voltagens variáveis com o tempo e um osciloscópio para observá-las e medi-las. 3.1 Gerador de sinais O gerador de sinais, ou gerador de funções, é um aparelho que gera voltagens V g variáveis como funções do tempo t. As voltagens geradas são periódicas, de período T (dado em segundos), freqüência f (dada em Hz) e amplitude V 0, assemelhando-se a uma onda. É por esse motivo que cada função de voltagem gerada é denominada de forma de onda. São três as principais formas de onda geradas: quadrada, senoidal e triangular. A voltagem gerada pode ter valores positivos ou negativos em relação a uma referência que é denominada de GND ou terra. A amplitude V 0 da forma de onda corresponde ao valor máximo, em módulo, da voltagem gerada em relação à referência (terra). Na Figura 1 mostramos um gráfico de duas dessas formas de onda, quadrada e senoidal, que foram geradas com uma freqüência f =1kHz (1kHz = 10 3 Hz), período T =1ms (1ms = 10-3 s ) e amplitude V 0 =1V. 21

2 Figura 1: Formas de onda quadrada e senoidal com período T =1ms e amplitude V 0 =1V. A Figura 2 abaixo mostra uma representação esquemática do painel frontal do gerador de sinais que utilizaremos no curso. Figura 2: Painel frontal de um gerador de sinais típico. A seguir apresentamos uma breve descrição do significado de cada chave e botão apresentados com numeração na Figura 2. Observe que nem todos os botões estão numerados. Os botões não numerados correspondem a funções que não serão utilizadas no curso. (1) Botão liga-desliga: esse botão corresponde a uma chave do tipo Push Bottom que quando pressionada liga o aparelho. (2) Chave de controle da amplitude de sinal: esta chave controla a amplitude em volts do sinal de voltagem gerado. (3) Chave de controle de sinal contínuo: esta chave permite adicionar um certo valor de voltagem que não varia com o tempo. Esta voltagem constante é denominada de voltagem DC (do inglês 22

3 direct current ), termo que é utilizado quando o sinal de voltagem é equivalente ao utilizado em um experimento de corrente contínua, como já discutimos em aulas anteriores. Esta chave funciona como uma fonte de voltagem ajustável associada em série com o sinal variável no tempo que é produzido pelo gerador. (4) Sinal de saída: sinal gerado pelo gerador. O sinal gerado tem freqüência variando de fração de Hz até MHz (10 6 Hz) e amplitude variando de 0 a 10V. Junto dessa chave há informação sobre o valor máximo de amplitude que pode ser gerado. V PP corresponde à voltagem pico-a-pico. Um sinal de 20V PP tem amplitude V 0 =10V. (5) Sinal de sincronismo: sinal complementar gerado com amplitude fixa, usualmente menor que 5V, e a mesma freqüência do sinal de saída. Em situações normais ele não é utilizado. Em alguns casos, quando a amplitude do sinal de saída é muito pequena, e não conseguimos observar o sinal no osciloscópio, temos a opção de usar o sinal de sincronismo como sinal externo para sincronizar o osciloscópio e o gerador, como será discutido na próxima seção. (6) Botões seletores de função: quando um determinado botão ( Push Bottom ) é pressionado, a forma de onda respectiva é selecionada. Nos geradores comerciais há usualmente três opções de sinais, onda quadrada, onda senoidal e onda triangular. Neste curso nós trabalharemos apenas com as formas de onda quadrada e senoidal. (7) Seletor de faixa de freqüência: estas sete chaves Push Bottom permitem selecionar a faixa de freqüência do sinal gerado que seja adequada ao experimento a ser realizado. O valor da freqüência é aproximadamente o valor indicado pela chave (8) multiplicado pela faixa de freqüência selecionada. (8) Chave de ajuste da freqüência: esta chave permite variar continuamente a freqüência de 0,2 a 2,0 vezes o valor da faixa de freqüência selecionada pelos botões do item (7). É importante observar que o valor da freqüência selecionada pelas chaves em (7) e (8) é aproximado. Para obtermos o valor preciso da freqüência devemos utilizar o osciloscópio para visualizar o sinal e através da medida do período do mesmo, determinar qual é sua freqüência com a respectiva incerteza. (9) Botão de inversão: esta chave Push Bottom quando pressionada multiplica o sinal gerado por menos um. (10) Seletor de faixa de amplitude: esta chave Push Bottom quando pressionada limita a amplitude do sinal de saída gerado a 1V. Num circuito, representamos o gerador de funções pelo símbolo indicado na Figura 3. O símbolo dentro do círculo representa a forma de onda gerada. No exemplo da Figura 3 a forma de onda gerada é quadrada. GND na Figura 3 significa o mesmo que referência ou terra. Figura 3: Representação esquemática de um gerador de funções num circuito elétrico. Neste caso o sinal gerado é uma onda quadrada. 23

4 3.2 Osciloscópio O osciloscópio é um instrumento empregado para visualizar voltagens que variam com o tempo. Ele é utilizado para determinação de amplitudes e freqüências de sinais de voltagem, bem como para comparação de sinais diferentes. Muitas são suas funções e é fundamental para o bom andamento deste curso que o estudante se torne familiarizado com as mesmas. Para tanto, uma breve descrição de seu princípio de funcionamento e principais funções serão a seguir apresentados. Gostaríamos de ressaltar no entanto, que apenas a prática com o instrumento permitirá ao estudante usufruir de todas as possibilidades que o mesmo oferece. Esperamos que isso aconteça no decorrer do curso, quando observaremos fenômenos físicos para os quais o uso do osciloscópio é de fundamental importância. Na Figura 4 mostramos o esquema de um painel frontal de um osciloscópio analógico, muito semelhante ao que utilizamos no curso. Figura 4: Painel frontal do osciloscópio com a numeração das chaves e botões que serão relacionadas com as instruções de uso do mesmo para medidas de voltagens variáveis no tempo. Na Figura 4 o botão (1) corresponde a uma chave Push Bottom que é utilizada para ligar e desligar o osciloscópio. As demais chaves e botões serão apresentadas de acordo com a divisão do funcionamento do osciloscópio em blocos estruturais. O osciloscópio pode ser estruturalmente divido em quatro sub-sistemas básicos: mostrador, deflexão vertical, deflexão horizontal e gatilho Mostrador O mostrador do osciloscópio está representado na Figura 4 pelo retângulo quadriculado à esquerda. Esse retângulo corresponde à parte posterior de um tubo de raios catódicos que é usado para visualização do sinal. Uma representação simplificada do tubo de raios catódicos é mostrada na Figura 5. 24

5 Figura 5: Representação de um tubo de raios catódicos. Elétrons livres são gerados por efeito termiônico no filamento quando o mesmo é aquecido e são direcionados por sistemas complementares, criando um feixe de elétrons que caminha em direção às placas defletoras X 1, X 2, Y 1 e Y 2. Às placas são aplicadas voltagens que criam campos elétricos em seus interiores que deslocam o feixe na tela alvo (veja Figuras 4 e 5) de acordo com as voltagens aplicadas. Um sistema de controle de brilho (chave 2 na Figura 4) e de ajuste de foco (chave 3 na Figura 4) são usados para ajustar a intensidade e o foco do feixe de elétrons. A tela alvo é feita de material fosforescente que converte a energia do feixe de elétrons em luz visível, tornando possível sua visualização Deflexão vertical O sistema de deflexão vertical de um osciloscópio é usado para controlar a visualização dos sinais medidos através de ajustes nos sub-sistemas de mostrador e de gatilho. Ele consiste de dois canais CH1 e CH2, ou seja, duas entradas para voltagens independentes e uma série de chaves e botões para o ajuste do sinal na tela do osciloscópio. Um canal consiste de um atenuador e um amplificador que são utilizados para ajustar a escala de voltagem que será utilizada na visualização do sinal. Um sinal de voltagem proporcional ao sinal do canal é então aplicado às placas Y 1 e Y 2 fazendo o feixe de elétrons ser defletido na vertical de acordo com a escala escolhida, de modo que o reticulado do mostrador possa ser usado para medir a voltagem de entrada no canal. O coeficiente de deflexão (atenuador ou amplificador) é usualmente dado em VOLTS/DIV. DIV, neste caso, corresponde a uma divisão, à parte vertical do quadrado de cerca de 1cm de lado, no mostrador. Para o CH1, a chave (8) e para o CH2 a chave (18) na Figura 4, são usadas como seletores da escala de medida. Valores típicos são 10mV; 20mV; 0,1V; 0,2V; 0,5V; 1V; etc. Quando a chave seletora está posicionada em 1V, por exemplo, isso significa que cada retículo (DIV) no mostrador tem altura equivalente a 1V. Os sinais a serem observados são levados ao osciloscópio por meio de cabos coaxiais até as entradas dos CH1 e CH2. A entrada do CH1 está representada por (7) na Figura 4 e a do CH2 por (14). Um cabo coaxial corresponde a dois fios coaxiais de cobre separados por um material dielétrico num arranjo cilíndrico. Veja em sala de aula mais detalhes com seu professor. É possível ajustar continuamente o coeficiente de deflexão do feixe de elétrons no 25

6 mostrador. Isso é feito destravando a chave (9) para o CH1 ou a chave (17) para o CH2 (ver Figura 4). Neste caso, valores absolutos de voltagem não podem ser determinados usando o osciloscópio. Esta função não será utilizada neste curso. Certifique-se sempre, antes de começar suas medidas, que as chaves (9) e (17) estejam travadas. Para cada canal há uma chave para controlar a posição vertical do feixe de elétrons no mostrador, chave (11) para o CH1 e chave (15) para o CH2 (veja Figura 4). Essas chaves são usadas para mudar posições de referência dos sinais, o que em algumas situações é conveniente ser feito para se obter uma melhor resolução na imagem do sinal medido que é apresentada no mostrador do osciloscópio. Cada canal pode também ser chaveado para uma das três posições: GND, DC e AC, utilizando os botões (6) para CH1 e (13) para o CH2 (ver Figura 4). Na posição GND, o sinal de voltagem de referência, que chamamos de terra, é aplicado ao feixe de elétrons. Nesse caso, uma voltagem de zero volts está sendo lida no osciloscópio. Quando a posição DC é escolhida, o sinal é mostrado sem nenhum processamento, como ele se apresenta no circuito de prova. Quando a posição AC é escolhida, o sinal é submetido a um filtro, que corta as freqüências inferiores a 10Hz. Nesse caso, valores constantes do sinal são filtrados e não são mostrados no mostrador do osciloscópio. Em osciloscópios típicos podemos observar até dois sinais independentemente. Na visualização dos mesmos, podemos escolher apresentar apenas o sinal do CH1, apenas o sinal do CH2, ou ambos. A escolha de qual, ou quais sinais apresentar, é feita pelos botões indicados em (12) na Figura Deflexão horizontal Vimos que a deflexão vertical é proporcional à voltagem aplicada no CH1 ou no CH2 do osciloscópio, o que desloca o feixe de elétrons na direção vertical do mostrador. O que dizer sobre a deflexão horizontal? Qual deve ser a voltagem aplicada nas placas X 1 e X 2, que desloca o feixe de elétrons na direção horizontal do mostrador do osciloscópio, de modo que tenhamos a reprodução do eixo do tempo nessa direção? Para tanto um sinal de voltagem como o mostrado na Figura 6 é aplicado às placas X 1 e X 2. Figura 6: Sinal de voltagem usado para gerar a deflexão horizontal. 26

7 Nos intervalos onde a voltagem V X aplicada às placas X 1 e X 2 está representada com linha contínua temos um aumento da voltagem linearmente proporcional ao tempo t. Isto significa, que um sinal de voltagem em um dos canais do osciloscópio, percorrerá a tela movendo-se da esquerda para a direita. Na parte superior da Figura 6, indicamos a posição do feixe de elétrons, como vista no mostrador do osciloscópio, para o início e para o final do intervalo de traço t traço. No intervalo de retraço, t retraço, o feixe de elétrons não é mostrado na tela do osciloscópio (linhas pontilhadas representando a voltagem V X ). Esse processo se repete quando o feixe se encontra novamente na posição de início do ciclo. Assim, com essa construção, temos uma representação da voltagem aplicada no CH1 ou CH2 em função do tempo. Para ajustar o valor do intervalo de tempo t traço em que o sinal é visualizado no mostrador do osciloscópio, selecionamos usando a chave (24) da Figura 4, a escala de tempo adequada. A escala de tempo é dada em unidades de TEMPO/DIV. DIV neste caso corresponde a uma divisão, à parte horizontal do quadrado de cerca de 1cm de lado, no mostrador. Valores típicos são 10µs; 20µs; 50µs; 0,1ms; 0,5ms; 1ms; etc. Quando a chave seletora está posicionada em 1ms, por exemplo, isso significa que cada retículo (DIV) no mostrador tem largura equivalente a 1ms. Em grande parte das observações feitas usando o osciloscópio, os tempos característicos observados, como por exemplo períodos de sinais que se repetem, são muito pequenos, quando comparados ao tempo de resposta da percepção de nossos olhos. Por esse motivo, o feixe de elétrons se desloca tão rapidamente que aparece na tela do osciloscópio uma linha contínua representando o sinal medido. Como no caso da posição vertical do sinal no mostrador do osciloscópio, há também para a horizontal uma chave que controla a posição horizontal do feixe de elétrons no mostrador, chave (19) (veja Figura 4). Essa chave é utilizada para deslocar toda a imagem do sinal no mostrador do osciloscópio para a esquerda ou para a direita, operação que também será muito utilizada no curso. Quando dois sinais estão sendo observados, um no CH1 e outro no CH2, há também a possibilidade de desativar o sistema de deflexão horizontal e apresentar na tela do osciloscópio o sinal do CH2 em função do sinal do CH1. Esta função é obtida selecionando a opção X-Y na chave (24) mostrada na Figura 4. Ela é utilizada para criar figuras denominadas figuras de Lissajous que serão utilizadas no Experimento 10 do curso Gatilho O sistema de gatilho estabelece o momento em que o osciloscópio começa a desenhar o sinal. Muitos dos problemas enfrentados pelos estudantes quando não conseguem uma visualização adequada de determinado sinal estão relacionados com os ajustes desse sistema. Para você ter uma idéia, observaremos sinais com freqüências de ordem de grandeza superior a khz. Para observarmos uma imagem na tela do osciloscópio, que represente o sinal, precisamos sincronizar o osciloscópio com o sinal desejado. A situação é similar ao que acontece quando, por exemplo, desejamos fotografar as pás de um ventilador quando o mesmo está em movimento. Como o tempo de exposição do objeto para a determinação de sua imagem na câmera é maior que o período de rotação das pás do ventilador, vemos apenas um borrão na imagem. No entanto, se utilizarmos uma iluminação estroboscópica, na qual o objeto é iluminado com freqüência igual à freqüência de deslocamento das pás, podemos observar uma imagem das pás paradas, mesmo com o ventilador em movimento. É algo similar a isso que o sistema de gatilho do osciloscópio faz para colocar uma imagem do sinal parada na tela do osciloscópio. O sistema de gatilho sincroniza a deflexão horizontal com o sinal medido de modo que sua imagem fique estável. Um sinal periódico no tempo tem sempre duas regiões, uma que assume valores positivos e outra que assume valores negativos em relação a seu valor médio. Podemos escolher com qual 27

8 dessas duas regiões queremos sincronizar o osciloscópio através da chave SLOPE (20) na Figura 4. Quando a voltagem do lado selecionado passa por determinado valor, especificado pela chave LEVEL (21) na Figura 4, um pulso é gerado e conectado ao sistema de deflexão horizontal indicando o momento de iniciar a varredura e apresentação do sinal na tela do osciloscópio. Há três diferentes métodos de se fazer o sincronismo do osciloscópio com o sinal medido: automático (AUTO), normal (NORM), varredura única. a) SINCRONISMO AUTOMÁTICO nessa situação um novo pulso de sincronismo é gerado automaticamente após um intervalo de tempo pré-determinado se um novo sinal de sincronismo não puder ser gerado nesse intervalo de tempo. Nesse caso haverá sempre algum tipo de sinal sendo mostrado na tela do osciloscópio independentemente da presença de sinais no CH1 ou CH2. b) SINCRONISMO NORMAL nessa situação o sincronismo só acontece quando o sinal de entrada passa de um determinado valor, estabelecido pela chave (21) (veja Figura 4). Só aparecerá sinal na tela quando um sinal de entrada estiver presente no canal selecionado. c) VARREDURA ÚNICA- nessa situação um sinal de sincronismo é disparado uma única vez. Esta função é utilizada para visualização de respostas não periódicas no tempo. Ainda com relação ao sincronismo é preciso informar ao osciloscópio qual sinal desejamos ter sincronizado. A escolha é feita por meio dos botões descritos em (28) na Figura 4. Nos experimentos que realizaremos neste curso, escolheremos sempre o CH1 como fonte de sincronismo (botão 29 na Figura 4 pressionado), e trabalharemos com sincronismos normal e automático fixos (ambos os botões 22 na Figura 4 pressionados). Há várias outras funções do osciloscópio que não foram discutidas porque para as aplicações que teremos no curso elas não serão utilizadas. Num circuito, representamos o osciloscópio pelo símbolo indicado na Figura 7. Figura 8: Representação esquemática de um osciloscópio num circuito elétrico. As setas indicam onde devem ser conectados os sinais dos canais CH1 e CH2. Como exemplo de uso do osciloscópio para medidas de amplitudes e períodos de sinais periódicos no tempo, considere que o mostrador do osciloscópio seja aquele apresentado na Figura 9, e que tenham sido utilizadas para a deflexão vertical 1DIV = 5V e para a deflexão horizontal 1DIV=1ms. Vemos que a forma de onda é aproximadamente senoidal. Para determinarmos o período e a amplitude dessa forma de onda, utilizamos o reticulado da tela do osciloscópio como régua. Observe que cada retículo, ou seja, cada DIV está subdivido em 5 divisões menores. Assim temos para este caso que a amplitude V 0 =1,7 ± 0,1DIV, ou seja, V 0 = 8,5 ± 0,5V. Também temos 28

9 que o período T = 5,1± 0,1DIV, ou seja, T = 5,1± 0,1ms. Figura 9: Exemplo de sinal na tela do osciloscópio que é discutido no texto. 4. PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS Procedimento I: Sincronismo e OFF SET 1) Monte o circuito da Figura 10 abaixo. Observe que esse circuito corresponde a escolher a forma de onda quadrada e a ligar diretamente o canal CH1 na saída descrita como MAIN do gerador. Figura 10: Circuito a ser montado para os procedimentos experimentais a serem realizados no Procedimento I. 2) Escolha visualizar apenas o CH1 utilizando os botões (12) da Figura 4. Certifique-se de que a chave 3 da Figura 2 esteja travada, evitando que a função DC OFFSET do gerador esteja ativa. 29

10 3) Ajuste os controles da deflexão vertical para mostrar a referência GND. Para isso use o botão (6) da Figura 4. Coloque o feixe de elétrons no centro do mostrador do osciloscópio. 4) Ajuste os botões de sincronismo para fonte no CH1 (chave 29 da Figura 4) e controles AUTO e NORM (chaves 22 na Figura 4) pressionando os botões respectivos. 5) Retire a opção GND destravando o botão (6) da Figura 4, e escolha a opção DC. Ajuste a freqüência do gerador para 1kHz, utilizando as chaves (7) e (8) indicadas na Figura 2, e a amplitude do CH1 para V 0 = 5V utilizando a chave (8) da Figura 4 e o controle de amplitude do gerador (chave 2 da Figura 2). Você deve obter uma imagem do sinal parada na tela do osciloscópio. 6) Destrave a chave de controle de sincronismo NORM, mude aleatoriamente o nível de sincronismo ajustando a função LEVEL (chave 21 na Figura 4) e descreva o que você observou. 7) Pressione novamente a chave de controle de sincronismo NORM e destrave a chave 3 do gerador de sinais (veja Figura 2) para ativar a função DC OFFSET. Ajuste aleatoriamente o valor do nível de OFFSET e descreva o que você observou. Qual foi o valor máximo de voltagem contínua (DC) acrescentado ao sinal utilizando a função DC OFFSET? 8) Mude agora para a opção AC e descreva o que aconteceu com a imagem do sinal. Qual é a função da chave AC? 9) Retire a função DC OFFSET do gerador travando a chave 3 da Figura 2 e acione novamente a função DC. Certifique-se de que as chaves (12) da Figura 4 estejam ambas pressionadas. Isso indica que o osciloscópio está preparado para fazer a leitura dos dois canais, CH1 e CH2, simultaneamente. Mude a fonte de sincronismo para o CH2 utilizando as chaves (28) da Figura 4. Descreva e explique o que você observou Procedimento II: Medidas de períodos e amplitudes 1) Monte o circuito da Figura 11 abaixo. Observe que esse circuito corresponde a escolher a forma de onda quadrada e a ligar diretamente os canais CH1 na saída descrita como MAIN do gerador e o canal CH2 na saída SYNC. Figura 11: Circuito a ser montado para os procedimentos experimentais a serem realizados no Procedimento II. 2) Ajuste os botões de sincronismo para fonte no CH1 (chave 29 na Figura 4) e controles AUTO e NORM (chaves 22 na Figura 4) pressionando os botões respectivos. 3) Ajuste a freqüência do gerador para 1kHz, utilizando as chaves (7) e (8) indicadas na Figura 2, 30

11 e a amplitude do CH1 para V MAIN 0 = 5V. Meça o período T MAIN do sinal no CH1. 4) Meça o valor máximo do sinal SYNC, V SYNC MAX e o período T SYNC do CH2. 5) Mude a amplitude do canal CH1 para V MAIN 0 =10V e mantenha a freqüência em 1kHz. Descreva o que aconteceu com o valor máximo do CH2, V SYNC MAX, neste caso. 6) Ajuste novamente o valor da amplitude do CH1 para V MAIN 0 = 5V. Mude agora a freqüência do gerador para 10kHz. Meça novamente T MAIN, T SYNC e V SYNC MAX. 7) Preencha a Tabela 1 com o resultados obtidos. f(khz) V MAIN 0 (V) T MAIN ± " TMAIN V SYNC MAX ± " T SYNC SYNC ± " TSYNC f SYNC ± " fsync VMAX Tabela 1: Resultados obtidos no Procedimento II. 8) O que podemos dizer sobre o sinal SYNC em comparação com o sinal MAIN do gerador? Como variam a amplitude e o período do sinal SYNC quando são variados a amplitude e o período do sinal MAIN. Faça um esboço da variação do sinal SYNC como função do tempo. 31

Gerador de funções e osciloscópio

Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 2.1 Material Osciloscópio digital; Gerador de funções. 2.2 Introdução Na aula anterior utilizamos instrumentos de medida (amperímetro e voltímetro) e fontes

Leia mais

Análise de Circuitos

Análise de Circuitos INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Secção de Sistemas e Controlo Introdução ao Osciloscópio Março de 2002 Elaborado por: António Serralheiro INTRODUÇÃO

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS M224 ELECTRÓNICA I TRABALHO LABORATORIAL Nº 1

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS M224 ELECTRÓNICA I TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS M224 ELECTRÓNICA I TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 REVISÃO SOBRE CIRCUITOS ELÉCTRICOS Por: Prof. Luís Filipe Baptista Eng. Carlos Santos

Leia mais

Instrumentos de Medidas II Osciloscópios

Instrumentos de Medidas II Osciloscópios Instrumentos de Medidas II Nesta prática iremos nos familiarizar com o uso de osciloscópios, mostrando algumas das funcionalidades desses instrumentos. Através de exemplos específicos mostraremos como

Leia mais

EXPERIMENTO 6: OSCILOSCÓPIO DIGITAL MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 6: OSCILOSCÓPIO DIGITAL MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 6: OSCILOSCÓPIO DIGITAL MEDIDAS ELÉTRICAS Nesse experimento você aprenderá os princípios básicos de funcionamento e manuseio de um osciloscópio digital e realizará medidas simples de sinais

Leia mais

Física Experimental III

Física Experimental III Instituto de Física Universidade Federal do Rio de Janeiro Física Experimental III Guia de Experiências Aulas 01_1 Aos alunos Este guia de experimentos de Física Experimental III corresponde à consolidação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DA SILVA CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA AUTOMAÇÃO E COMANDO DISCIPLINA: ELECTRICIDADE E ELECTRÓNICA

ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DA SILVA CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA AUTOMAÇÃO E COMANDO DISCIPLINA: ELECTRICIDADE E ELECTRÓNICA --------------------- O OSCILOSCÓPIO Definição: É um aparelho que nos permite: Visualizar as formas de onda das tensões aplicadas Medir frequências e períodos dessas ondas Medir desfasagens entre duas

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO 1 Introdução O osciloscópio é basicamente um dispositivo de visualização gráfico que mostra sinais elétricos no tempo. O osciloscópio pode ser

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO OS-102

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO OS-102 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO OS-102 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do osciloscópio ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. REGRAS DE SEGURANÇA...3 3. GERAL...5

Leia mais

Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC)

Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC) Introdução teórica aula 5: Osciloscópio e Gerador de Sinais Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC) Ao final do século XIX o sistema de distribuição de energia Edison (Edison General Electric)

Leia mais

Tópicos importantes sobre osciloscópios convencionais (analógicos com tubo de raios catódicos)

Tópicos importantes sobre osciloscópios convencionais (analógicos com tubo de raios catódicos) Apêndice 5.1 Tópicos importantes sobre osciloscópios convencionais (analógicos com tubo de raios catódicos) 1. Introdução Este apêndice deve ser usado em conjunto com o roteiro da aula 05. São fornecidas

Leia mais

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz.

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz. Ciências Experimentais P5: Osciloscópio. Sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho. 1. Objectivos Iniciação ao osciloscópio. Estimativas de sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho.

Leia mais

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1 Escola Secundária Vitorino Nemésio Física e Química A Componente de física 11º ano Actividade Laboratorial 2.1 Osciloscópio Nome: Turma: Nº: Classificação: docente: 1. Questão problema: Perante o aumento

Leia mais

AC CIRCUIT (RL/RC/RLC)

AC CIRCUIT (RL/RC/RLC) AC CIRCUIT (RL/RC/RLC) Circuitos AC (RL/RC/RLC) M-1103A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA Uma das grandes dificuldades que os técnicos enfrentam na reparação de circuitos eletrônicos é esta: os fenômenos que ocorrem nos componentes eletrônicos são abstratos; ou

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO MODELO OS-11

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO MODELO OS-11 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO MODELO OS-11 ICEL - Instr. e Comp. Eletro. Ltda www.icel-manaus.com.br icel@icel-manaus.com.br Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar

Leia mais

VR-B1802V VR-B1807U VR-D1809

VR-B1802V VR-B1807U VR-D1809 Manual em Português Rádio Móvel Voyager Modelos VR-B1802V VR-B1807U VR-D1809 Precauções Observe as precauções abaixo para evitar incêndio, lesão pessoal ou danos ao aparelho. Não tente configurar a unidade

Leia mais

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a Electrónica P1 - Osciloscópio. Objectivo Iniciação ao osciloscópio Material necessário 1 osciloscópio, 1gerador de sinais, 1 fonte de tensão. Procedimento experimental Siga o procedimento para cada uma

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Roteiro para experiências de laboratório

Leia mais

Notas sobre os instrumentos

Notas sobre os instrumentos 8 ircuitos de corrente alternada Notas sobre os instrumentos A. Precisão de alguns instrumentos: Antes de desperdiçar tempo querendo medir com mais precisão do que os instrumentos permitem, tenha presente

Leia mais

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA OBJECTIVO Familiarização com os instrumentos a usar nos trabalhos práticos posteriores (osciloscópio, painel didáctico, gerador de sinais, fonte de alimentação

Leia mais

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V...

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V... 1 Considere o sinal periódico indicado na fig. 1: +30-10 -30 0 1 2 3 4 5 6 7 Fig. 1. a) Esboce a imagem que observaria num osciloscópio com ecrã de 10 10 divisões, utilizando uma ponta de prova atenuadora

Leia mais

1 Exercícios Pré-Laboratório

1 Exercícios Pré-Laboratório 1 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY 6.071: Introdução ao Laboratório de Eletrônica Laboratório 1: Equipamentos de Laboratório e Redes de Resistores 1 Exercícios Pré-Laboratório 2º Trimestre de 2002

Leia mais

FREQUENCÍMETRO DE ALTA RESOLUÇÃO 2.4GHz VELLEMAN DVM13MFC2

FREQUENCÍMETRO DE ALTA RESOLUÇÃO 2.4GHz VELLEMAN DVM13MFC2 FREQUENCÍMETRO DE ALTA RESOLUÇÃO 2.4GHz VELLEMAN DVM13MFC2 MANUAL DO UTILIZADOR 1. Introdução & Características Para todos os residentes da União Europeia Importante informação ambiental sobre este produto.

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Introdução 5 Introdução ao osciloscópio 6 O painel do osciloscópio e a função dos seus controles 7 Controles de ajuste do traço ou ponto na tela 8 Brilho ou luminosidade (brightness ou intensity)

Leia mais

Aparelhos de Laboratório de Electrónica

Aparelhos de Laboratório de Electrónica Aparelhos de Laboratório de Electrónica Este texto pretende fazer uma introdução sucinta às características fundamentais dos aparelhos utilizados no laboratório. As funcionalidades descritas são as existentes

Leia mais

Mecânica e Ondas. Introdução ao Osciloscópio e ao Gerador de sinais

Mecânica e Ondas. Introdução ao Osciloscópio e ao Gerador de sinais Mecânica e Ondas Introdução ao Osciloscópio e ao Gerador de sinais 1. Osciloscópio O osciloscópio é um aparelho destinado à visualização e caracterização de sinais eléctricos, em particular tensões eléctricas

Leia mais

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO Capa Industria e Comércio Ltda MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 01 2. DESCRIÇÃO DOS PAINÉIS... 01 3. DESCRIÇÃO ELÉTRICA... 02 4. ESPECIFICAÇÕES.... 02 5. INSTALAÇÃO...

Leia mais

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em "espera" ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc.

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em espera ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc. 1 Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores de sinais de TV via satélite. Estamos certos de que o receptor Century USR 1900 lhe proporcionará a melhor imagem e também bons momentos

Leia mais

FREQUENCÍMETRO DIGITAL Digital Frequency Counter Frecuencimetro Digital MF-7240

FREQUENCÍMETRO DIGITAL Digital Frequency Counter Frecuencimetro Digital MF-7240 FREQUENCÍMETRO DIGITAL Digital Frequency Counter Frecuencimetro Digital MF-7240 *Imagem meramente ilustrativa./imagen meramente ilustrativa./ Only illustrative image MANUAL DE INSTRUÇÕES Instructions Manual

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO TRABALHO PRÁTICO MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO Objectivo Este trabalho tem como objectivo a familiarização com alguns dos equipamentos e técnicas de medida

Leia mais

E.2 Instrumentos e técnicas de medida II

E.2 Instrumentos e técnicas de medida II E.2 Instrumentos e técnicas de medida II E.2.1 Preparação O osciloscópio é um elemento essencial na gama de instrumentos de medida utilizados em laboratórios de electrónica. A função essencial do osciloscópio

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DJ100 MANUAL DE OPERAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO DJ100 MANUAL DE OPERAÇÃO MANUAL DE OPERAÇÃO 1 1 - INSTRUÇÕES INICIAIS IMPORTANTE LEIA COM ATENÇÃO! MANUAL DE OPERAÇÃO DJ100 Certifique-se de que a seleção de voltagem no equipamento é compatível com a tensão da rede elétrica.

Leia mais

Medidas elétricas I O Amperímetro

Medidas elétricas I O Amperímetro Medidas elétricas I O Amperímetro Na disciplina Laboratório de Ciências vocês conheceram quatro fenômenos provocados pela passagem de corrente elétrica num condutor: a) transferência de energia térmica,

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado C130. V.1.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado C130. V.1. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado C130 V.1.01 / Revisão 4 ÍNDICE Item Página 1. Introdução...01 2. Características...01

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 CONVERSORES DE SINAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista E.N.I.D.H. 2012/2013

Leia mais

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre 1. Em uma aula de laboratório, os estudantes foram divididos em dois grupos. O grupo A fez experimentos com o objetivo de desenhar linhas de campo elétrico e magnético. Os desenhos feitos estão apresentados

Leia mais

DIGITAL AUDIO PROCESSOR

DIGITAL AUDIO PROCESSOR ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Número de Canais de Entrada: Número de Canais de Saída: Equalizador Gráfico: Equalizador Paramétrico: Crossover com frequência variável: Roteamento entre Entradas e Saídas: Delay:

Leia mais

Experimento 1 Medidas Elétricas

Experimento 1 Medidas Elétricas _ Procedimento 1 Medida de resistência Experimento 1 Medidas Elétricas Código de R teórico R/R teórico R R medida1 R medida2 *Desvio **Desvio cores rel. Desvio * Desvio = ValorMedido ValorTeórico

Leia mais

Laboratório de Física Experimental I

Laboratório de Física Experimental I Laboratório de Física Experimental I Centro Universitário de Vila Velha Multímetro e Fonte DC Laboratório de Física Prof. Rudson R. Alves 2012 2/10 Sumário Multímetro Minipa ET-1001...3 TERMINAIS (1)...3

Leia mais

- - - - , # %!# %!&2# %! %! #34 %!! 5 %!!# ! / Curso de Osciloscópio 2

- - - - , # %!# %!&2# %! %! #34 %!! 5 %!!# ! / Curso de Osciloscópio 2 - - - -! "#$ %&#'()$ %&*#'+, #!- "#.$ %# % %01 %!# %!&2# %! %! '#34 %! #34 %!! 5 %!!# 67'8 # 6 9 -)!6*! Curso de Osciloscópio 2 !7! ): ;!! )1)!"& " )$ " ) "&)$ % % )# % ) %! *: 67; 67< ==7 < >7=0 6>0?&6=@&>

Leia mais

MICROFONES SEM FIO UHF

MICROFONES SEM FIO UHF MICROFONES SEM FIO UHF Microfones sem fio de alta tecnologia e durabilidade. Este manual está sujeito à mudanças sem aviso prévio. As imagens e ilustrações neste manual buscam aproximar-se ao máximo do

Leia mais

Série Alpha 4000. Sistemas de Rádio Controle Remoto Industrial. Manual de Instruções

Série Alpha 4000. Sistemas de Rádio Controle Remoto Industrial. Manual de Instruções Série Alpha 4000 Sistemas de Rádio Controle Remoto Industrial Manual de Instruções SEYCONEL AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LTDA www.seyconel.com.br Fone (41) 3201 8000 2 SUMÁRIO 1. INSTRUÇÕES... 1 2. INSTRUÇÕES

Leia mais

TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO

TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE SOM 2.0 CANAIS HI-FI ÍNDICE Prefacio...2 Conteúdo da Embalagem...2 Informações de segurança...3 Funções do Painel Frontal...4 Funções Painel Traseiro...4 Conexões do

Leia mais

TÉCNICAS DIGITAIS I (CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES)

TÉCNICAS DIGITAIS I (CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES) CENTRO TECNOLÓGICO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES-TET APOSTILA DE TÉCNICAS DIGITAIS I (CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES) &CIRCUITOS DIGITAIS (CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Módulo Interno AL-VP 310 SÉRIE 3000 Importado e Distribuído por: R.R Sistemas Ltda. CNPJ: 09.416.111/0001-58 www.alivebrasil.com.

Módulo Interno AL-VP 310 SÉRIE 3000 Importado e Distribuído por: R.R Sistemas Ltda. CNPJ: 09.416.111/0001-58 www.alivebrasil.com. Módulo Interno AL-VP 310 SÉRIE 3000 Importado e Distribuído por: R.R Sistemas Ltda. CNPJ: 09.416.111/0001-58 www.alivebrasil.com.br ÍNDICE FIAÇÃO 1 APARÊNCIA 2 OPERAÇÃO 2 1. Operações básicas 2 1.1Conversação

Leia mais

Prova Experimental. Quinta-feira, 7 de Julho de 2005. Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência!

Prova Experimental. Quinta-feira, 7 de Julho de 2005. Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência! 36 a Olimpíada Internacional de Física. Salamanca (Espanha) 005 Prova Experimental Quinta-feira, 7 de Julho de 005 Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência! Por favor, ler estas

Leia mais

E01 MEDIDAS DE TENSÃO E CORRENTE COM O MULTÍMETRO

E01 MEDIDAS DE TENSÃO E CORRENTE COM O MULTÍMETRO E01 MEDIDAS DE TENSÃO E CORRENTE COM O MULTÍMETRO OBJETIVOS 1) Medidas de resistência e tensão em corrente continua e corrente alternada com um multímetro digital; 2) Medidas de corrente continua e alternada

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: MVB DSO

OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: MVB DSO OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Interface USB DE 50 ATÉ Display: LCD de 7 (400 x 240) colorido. Largura de Banda: Inicial de 50MHz podendo ser atualizada para 70MHz e. Contraste: Ajustável

Leia mais

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo.

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO 11.1 OBJETIVOS Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. 11.2 INTRODUÇÃO Força de Lorentz Do ponto de vista formal,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE ÁUDIO MODELO GA-1001

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE ÁUDIO MODELO GA-1001 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE ÁUDIO MODELO GA-1001 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do gerador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA... 1 3.

Leia mais

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Engenharia Ambiental Prof. Marcio Kimpara data: ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 Resistores e Tensão Alternada Senoidal Objetivos: Familiarização com os osciloscópios

Leia mais

MÓDULO SINTETIZADOR.

MÓDULO SINTETIZADOR. MÓDULO SINTETIZADOR. O módulo sintetizador é uma placa (PCA) de 3,5pol x 9 pol, ligada a placa mãe em J4 e localizada imediatamente adjacente ao módulo de Referência/Controle do transceptor. Como o módulo

Leia mais

Analisador de vibrações NK 100 MANUAL DE OPERAÇÃO TEKNIKAO

Analisador de vibrações NK 100 MANUAL DE OPERAÇÃO TEKNIKAO Analisador de vibrações NK 100 http:/ www. ekn / ka t.com.r i o MANUAL DE OPERAÇÃO TEKNIKAO ÍNDICE: Descrição:...3 Principais características:...3 Descrição das chaves de funções:...4 Descrição operacional:...5

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do gerador ÍNDICE 1. Introdução... 01 2. Regras de segurança... 02

Leia mais

Sistema Inversor. Modelos Tipo Parede. Localização e reparação de erros

Sistema Inversor. Modelos Tipo Parede. Localização e reparação de erros Sistema Inversor Modelos Tipo Parede Localização e reparação de erros 1- Quando a unidade apresenta algum problema (a lâmpada de operação e Timer não irá acender) 2- A função autodiagnóstico (a lâmpada

Leia mais

Manual do Aparelho. Display multifuncional e sistema de avaliação AX 360. Mode/Enter

Manual do Aparelho. Display multifuncional e sistema de avaliação AX 360. Mode/Enter Manual do Aparelho Display multifuncional e sistema de avaliação AX 360 Mode/Enter Set Instruções de Segurança Estas instruções são parte do aparelho. Elas contêm informações e ilustrações sobre o correto

Leia mais

CIRCUITOS ELÉCTRICOS

CIRCUITOS ELÉCTRICOS CICUITOS ELÉCTICOS. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Conceito de resistência interna de um aparelho.. INTODUÇÃO O multímetro digital que vai utilizar pode realizar

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

GERADOR DE FUNÇÕES DIGITAL MFG-4201A MANUAL DE INSTRUÇÕES

GERADOR DE FUNÇÕES DIGITAL MFG-4201A MANUAL DE INSTRUÇÕES GERADOR DE FUNÇÕES DIGITAL MFG-4201A MANUAL DE INSTRUÇÕES ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...02 2. RESUMO DE SEGURANÇA...02 3. DESCRIÇÃO DO PRODUTO...03 3.1 Introdução...03 3.2 Especificações Técnicas...03 4. ACESSÓRIOS...05

Leia mais

Introdução aos Circuitos e Sistemas Electrónicos. Guia de Laboratório I

Introdução aos Circuitos e Sistemas Electrónicos. Guia de Laboratório I Introdução aos Circuitos e Sistemas Electrónicos Guia de Laboratório I IST-2012 1-Objectivos Com este guia pretende-se dar a conhecer os principais equipamentos (multímetro, gerador de funções e osciloscópio),

Leia mais

Manual de Operação do SUPER COLOR. A Century se reserva todos os direitos sobre este Manual podendo alterar seu conteúdo sem aviso prévio.

Manual de Operação do SUPER COLOR. A Century se reserva todos os direitos sobre este Manual podendo alterar seu conteúdo sem aviso prévio. Manual de Operação do SUPER COLOR A Century se reserva todos os direitos sobre este Manual podendo alterar seu conteúdo sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores

Leia mais

Manual do Usuário. Série MS6000 Osciloscópio de Armazenamento Digital

Manual do Usuário. Série MS6000 Osciloscópio de Armazenamento Digital Manual do Usuário Série MS6000 Osciloscópio de Armazenamento Digital Capítulo 1 - Resumo CAPÍTULO 1 - RESUMO...2 1.1 SUMÁRIO DE SEGURANÇA GERAL...4 1.2 TERMOS E SÍMBOLOS DE SEGURANÇA...5 1.3 TERMOS NO

Leia mais

Análise de Circuitos

Análise de Circuitos Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise de Circuitos 1º Trabalho de Laboratório Circuitos resistivos lineares e não lineares Leis de Kirchhoff e amplificador operacional Setembro

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO BALANÇA ROR MODELO RC 5000/1 CONTADORA ÍNDICE

MANUAL DE OPERAÇÃO BALANÇA ROR MODELO RC 5000/1 CONTADORA ÍNDICE MANUAL DE OPERAÇÃO BALANÇA ROR MODELO RC 5000/1 CONTADORA ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 03 II - INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO... 03 III - LIGANDO SUA BALANÇA... 03 IV - OPERAÇÃO... 04 V - RECURSOS DA BALANÇA CONTADORA...

Leia mais

Matriz HDMI 4x2 MX EDID/RS232 (SBMX42)

Matriz HDMI 4x2 MX EDID/RS232 (SBMX42) Matriz HDMI 4x2 MX EDID/RS232 (SBMX42) Versão 24.9.8 Você acaba de adquirir um produto AV LIFE!!! Não deixe de acessar nosso site www.avlife.com.br para ficar por dentro das novidades, assistir a vídeos,

Leia mais

Queda livre de um corpo

Queda livre de um corpo Experiência 3 Dizemos que um corpo se encontra em queda livre quando a única força que actua nele é a força gravítica terrestre. Não pode haver actuação de outras forças; em particular, não pode existir

Leia mais

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro 1 INTRODUÇÃO A interferência sonora consiste em um recebimento de duas ou mais ondas de fontes diferentes. Neste caso, teremos uma região do espaço na

Leia mais

Multiplexação de Displays

Multiplexação de Displays Multiplexação de Displays D.T. e J.R.B./200 (revisão) E.T.M./2003 (revisão da parte experimental) E.T.M./200 (revisão) E.T.M./2006 (revisão) RESUMO Nesta experiência são apresentados alguns conceitos sobre

Leia mais

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação MINI OSCILOSCÓPIO DIGITAL PORTÁTIL BASEADO EM MICROCONTROLADOR PIC Curitiba 2004 1 Ederson

Leia mais

PREZADO CLIENTE PAINEL TRASEIRO

PREZADO CLIENTE PAINEL TRASEIRO PREZADO CLIENTE Parabéns pela aquisição do Receptor de Satélite OrbiSat S2200 Plus, um equipamento que usa a mais avançada tecnologia para proporcionar a você e à sua família a melhor imagem e o melhor

Leia mais

Modulador e demodulador PWM

Modulador e demodulador PWM Modulador e demodulador PWM 2 ATENÇÃO O autor não se responsabiliza pelo uso indevido das informações aqui apresentadas. Danos causados a qualquer equipamento utilizado juntamente com os circuitos aqui

Leia mais

Elementos de Engenharia Civil 2007/2008. Enunciados dos problemas *

Elementos de Engenharia Civil 2007/2008. Enunciados dos problemas * DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÁO DE HIDRÁULICA E RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS Elementos de Engenharia Civil 2007/2008 2 SEMESTRE Enunciados dos problemas * (módulo de Hidráulica)

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2 Experiência N o 02: Medidas C I - Objetivos Familiarização com os equipamentos de laboratório: gerador de funções, osciloscópio e multímetro. II - Introdução

Leia mais

Manual de Operação do USR - 1950

Manual de Operação do USR - 1950 Manual de Operação do USR - 1950 A Century se reserva todos os direitos sobre este Manual podendo alterar seu conteúdo sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores

Leia mais

Apresentação Instalação Codificação dos Receptores Programações Operações

Apresentação Instalação Codificação dos Receptores Programações Operações Manual do Usuário Apresentação Instalação Codificação dos Receptores Programações Operações Módulo de Acesso com Teclado 3 ÍNDICE CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO...07 1.01 - Introdução...07 1.02 - Aplicações...07

Leia mais

CRONÔMETRO MICROPROCESSADO

CRONÔMETRO MICROPROCESSADO O equipamento possui um display de alta resolução e 6 botões: CRONÔMETRO MICROPROCESSADO www.maxwellbohr.com.br (43) 3028-9255 LONDRINA PR 1 - Introdução O Cronômetro Microprocessado é um sistema destinado

Leia mais

Roteiro Experimental de Laboratório de Física IV

Roteiro Experimental de Laboratório de Física IV Carlos R. A. Lima Departamento de Física Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Juiz de Fora Professores Revisores Roberto Rosas Pinho, Maria Luiza Bedran e Maria Jose Valenzuela Bell Roteiro

Leia mais

Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal

Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal CONCEITO DE SINAL Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal RECONSTRUÇÃO DE SINAIS A PARTIR DE SENÓIDES

Leia mais

OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V

OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V APLICAÇÕES Este instrumento foi projetado para proporcionar uma análise rápida de sinais através de sua Unidade de Aquisição de Dados Rápida. Dotado

Leia mais

Amplificador de Radiofreqüência

Amplificador de Radiofreqüência Laboratório de Telecomunicações 1 Amplificador de Radiofreqüência Objetivos Comportamentais 1 Identificar um estágio amplificador de radiofreqüência utilizado em um transmissor típico e medir as tensões

Leia mais

Manual de Operação do ROTASAT RTS 1900. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio.

Manual de Operação do ROTASAT RTS 1900. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Manual de Operação do ROTASAT RTS 1900 O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de TV via satélite.

Leia mais

Laboratório de Física Engª Telecomunicações e Informática ISCTE 2010/2011. Movimento Linear

Laboratório de Física Engª Telecomunicações e Informática ISCTE 2010/2011. Movimento Linear Laboratório de Física Engª Telecomunicações e Informática ISCTE 2010/2011 Movimento Linear Nome: Nome: Nome: Nome: Nº: Nº: Nº: Nº: Leia com atenção a totalidade deste enunciado antes de começar, e responda

Leia mais

Manual de Instalação, Configuração e Uso

Manual de Instalação, Configuração e Uso Manual de Instalação, Configuração e Uso Classic RDM8-AC RDM8-DC 127 V e 220 V 2008 Índice 1 Manual de Utilização... 2 1.1 Apresentação do Painel e identificação das teclas... 2 1.2 Modos de operação do

Leia mais

Manual de Operação do Century PR 2010 Áudio Variável

Manual de Operação do Century PR 2010 Áudio Variável Manual de Operação do Century PR 2010 Áudio Variável O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de

Leia mais

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR CONTROLE DE UM SERVO MOTOR Versão 2014 RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização e o projeto de um circuito de controle simples de um servo motor. A parte experimental inclui atividades

Leia mais

IFP-64. Ultra-High Intensity 168 LED Indoor Light Fixture. Manual do Usuário

IFP-64. Ultra-High Intensity 168 LED Indoor Light Fixture. Manual do Usuário IFP-64 Ultra-High Intensity 168 LED Indoor Light Fixture Manual do Usuário Introdução Obrigado por ter escolhido este produto. Você verá que adquiriu um aparelho poderoso e versátil. Desembale-o e, antes

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Curso: Licenciatura em Física Disciplina: Laboratório de Física Moderna Prof. Dr. Sandro Marcio Lima Prática: O experimento de Millikan 2007 1-Introdução ao

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

Contador Digital para Linear Gage

Contador Digital para Linear Gage Contador Digital para Linear Gage Os contadores digitais facilitam a leitura de posição das escalas Digimatic e comparadores eletrônicos Linear Gage LGD e LGS. Diversos modelos encontram-se a disposição

Leia mais

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I AULA PRÁTICA MODULAÇÃO POR AMPLITUDE DE PULSOS 1. Introdução Como o sinal

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: ED-2950 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação apresenta experimentos planejados para desenvolver comunicações eletrônicas fundamentais. O é

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 2 Amplificadores Operacionais INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores 1 Objectivos

Leia mais

DECLARAÇÃO DA COMISSÃO FEDERAL DE COMUNICAÇÔES DOS ESTADOS UNIDOS (FCC) SOBRE INTERFERÊNCIA DE RADIOFREQÜÊNCIA

DECLARAÇÃO DA COMISSÃO FEDERAL DE COMUNICAÇÔES DOS ESTADOS UNIDOS (FCC) SOBRE INTERFERÊNCIA DE RADIOFREQÜÊNCIA MANUAL DO USUÁRIO Instruções de Operação Parabéns pela aquisição do monitor colorido multi-scan de alta resolução. Antes da instalação, recomendamos a leitura deste manual com bastante atenção. DECLARAÇÃO

Leia mais