Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio"

Transcrição

1 Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e o osciloscópio. 2. MATERIAL UTILIZADO osciloscópio; gerador de funções. 3. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores utilizamos instrumentos de medida (amperímetro e voltímetro) e fontes de energia (fonte de voltagem DC) para estudar o comportamento de correntes elétricas e voltagens estacionárias, ou seja, que não variam com o passar do tempo. No entanto, como veremos a partir da próxima aula, a resposta elétrica de alguns elementos de circuito que utilizaremos está relacionada com correntes e voltagens variáveis no tempo. Assim, para estudá-los devemos ser capazes de gerar e observar correntes e voltagens com essas características. Em nosso curso utilizaremos um gerador de sinais ou gerador de funções para gerar voltagens variáveis com o tempo e um osciloscópio para observá-las e medi-las. 3.1 Gerador de sinais O gerador de sinais, ou gerador de funções, é um aparelho que gera voltagens V g variáveis como funções do tempo t. As voltagens geradas são periódicas, de período T (dado em segundos), freqüência f (dada em Hz) e amplitude V 0, assemelhando-se a uma onda. É por esse motivo que cada função de voltagem gerada é denominada de forma de onda. São três as principais formas de onda geradas: quadrada, senoidal e triangular. A voltagem gerada pode ter valores positivos ou negativos em relação a uma referência que é denominada de GND ou terra. A amplitude V 0 da forma de onda corresponde ao valor máximo, em módulo, da voltagem gerada em relação à referência (terra). Na Figura 1 mostramos um gráfico de duas dessas formas de onda, quadrada e senoidal, que foram geradas com uma freqüência f =1kHz (1kHz = 10 3 Hz), período T =1ms (1ms = 10-3 s ) e amplitude V 0 =1V. 21

2 Figura 1: Formas de onda quadrada e senoidal com período T =1ms e amplitude V 0 =1V. A Figura 2 abaixo mostra uma representação esquemática do painel frontal do gerador de sinais que utilizaremos no curso. Figura 2: Painel frontal de um gerador de sinais típico. A seguir apresentamos uma breve descrição do significado de cada chave e botão apresentados com numeração na Figura 2. Observe que nem todos os botões estão numerados. Os botões não numerados correspondem a funções que não serão utilizadas no curso. (1) Botão liga-desliga: esse botão corresponde a uma chave do tipo Push Bottom que quando pressionada liga o aparelho. (2) Chave de controle da amplitude de sinal: esta chave controla a amplitude em volts do sinal de voltagem gerado. (3) Chave de controle de sinal contínuo: esta chave permite adicionar um certo valor de voltagem que não varia com o tempo. Esta voltagem constante é denominada de voltagem DC (do inglês 22

3 direct current ), termo que é utilizado quando o sinal de voltagem é equivalente ao utilizado em um experimento de corrente contínua, como já discutimos em aulas anteriores. Esta chave funciona como uma fonte de voltagem ajustável associada em série com o sinal variável no tempo que é produzido pelo gerador. (4) Sinal de saída: sinal gerado pelo gerador. O sinal gerado tem freqüência variando de fração de Hz até MHz (10 6 Hz) e amplitude variando de 0 a 10V. Junto dessa chave há informação sobre o valor máximo de amplitude que pode ser gerado. V PP corresponde à voltagem pico-a-pico. Um sinal de 20V PP tem amplitude V 0 =10V. (5) Sinal de sincronismo: sinal complementar gerado com amplitude fixa, usualmente menor que 5V, e a mesma freqüência do sinal de saída. Em situações normais ele não é utilizado. Em alguns casos, quando a amplitude do sinal de saída é muito pequena, e não conseguimos observar o sinal no osciloscópio, temos a opção de usar o sinal de sincronismo como sinal externo para sincronizar o osciloscópio e o gerador, como será discutido na próxima seção. (6) Botões seletores de função: quando um determinado botão ( Push Bottom ) é pressionado, a forma de onda respectiva é selecionada. Nos geradores comerciais há usualmente três opções de sinais, onda quadrada, onda senoidal e onda triangular. Neste curso nós trabalharemos apenas com as formas de onda quadrada e senoidal. (7) Seletor de faixa de freqüência: estas sete chaves Push Bottom permitem selecionar a faixa de freqüência do sinal gerado que seja adequada ao experimento a ser realizado. O valor da freqüência é aproximadamente o valor indicado pela chave (8) multiplicado pela faixa de freqüência selecionada. (8) Chave de ajuste da freqüência: esta chave permite variar continuamente a freqüência de 0,2 a 2,0 vezes o valor da faixa de freqüência selecionada pelos botões do item (7). É importante observar que o valor da freqüência selecionada pelas chaves em (7) e (8) é aproximado. Para obtermos o valor preciso da freqüência devemos utilizar o osciloscópio para visualizar o sinal e através da medida do período do mesmo, determinar qual é sua freqüência com a respectiva incerteza. (9) Botão de inversão: esta chave Push Bottom quando pressionada multiplica o sinal gerado por menos um. (10) Seletor de faixa de amplitude: esta chave Push Bottom quando pressionada limita a amplitude do sinal de saída gerado a 1V. Num circuito, representamos o gerador de funções pelo símbolo indicado na Figura 3. O símbolo dentro do círculo representa a forma de onda gerada. No exemplo da Figura 3 a forma de onda gerada é quadrada. GND na Figura 3 significa o mesmo que referência ou terra. Figura 3: Representação esquemática de um gerador de funções num circuito elétrico. Neste caso o sinal gerado é uma onda quadrada. 23

4 3.2 Osciloscópio O osciloscópio é um instrumento empregado para visualizar voltagens que variam com o tempo. Ele é utilizado para determinação de amplitudes e freqüências de sinais de voltagem, bem como para comparação de sinais diferentes. Muitas são suas funções e é fundamental para o bom andamento deste curso que o estudante se torne familiarizado com as mesmas. Para tanto, uma breve descrição de seu princípio de funcionamento e principais funções serão a seguir apresentados. Gostaríamos de ressaltar no entanto, que apenas a prática com o instrumento permitirá ao estudante usufruir de todas as possibilidades que o mesmo oferece. Esperamos que isso aconteça no decorrer do curso, quando observaremos fenômenos físicos para os quais o uso do osciloscópio é de fundamental importância. Na Figura 4 mostramos o esquema de um painel frontal de um osciloscópio analógico, muito semelhante ao que utilizamos no curso. Figura 4: Painel frontal do osciloscópio com a numeração das chaves e botões que serão relacionadas com as instruções de uso do mesmo para medidas de voltagens variáveis no tempo. Na Figura 4 o botão (1) corresponde a uma chave Push Bottom que é utilizada para ligar e desligar o osciloscópio. As demais chaves e botões serão apresentadas de acordo com a divisão do funcionamento do osciloscópio em blocos estruturais. O osciloscópio pode ser estruturalmente divido em quatro sub-sistemas básicos: mostrador, deflexão vertical, deflexão horizontal e gatilho Mostrador O mostrador do osciloscópio está representado na Figura 4 pelo retângulo quadriculado à esquerda. Esse retângulo corresponde à parte posterior de um tubo de raios catódicos que é usado para visualização do sinal. Uma representação simplificada do tubo de raios catódicos é mostrada na Figura 5. 24

5 Figura 5: Representação de um tubo de raios catódicos. Elétrons livres são gerados por efeito termiônico no filamento quando o mesmo é aquecido e são direcionados por sistemas complementares, criando um feixe de elétrons que caminha em direção às placas defletoras X 1, X 2, Y 1 e Y 2. Às placas são aplicadas voltagens que criam campos elétricos em seus interiores que deslocam o feixe na tela alvo (veja Figuras 4 e 5) de acordo com as voltagens aplicadas. Um sistema de controle de brilho (chave 2 na Figura 4) e de ajuste de foco (chave 3 na Figura 4) são usados para ajustar a intensidade e o foco do feixe de elétrons. A tela alvo é feita de material fosforescente que converte a energia do feixe de elétrons em luz visível, tornando possível sua visualização Deflexão vertical O sistema de deflexão vertical de um osciloscópio é usado para controlar a visualização dos sinais medidos através de ajustes nos sub-sistemas de mostrador e de gatilho. Ele consiste de dois canais CH1 e CH2, ou seja, duas entradas para voltagens independentes e uma série de chaves e botões para o ajuste do sinal na tela do osciloscópio. Um canal consiste de um atenuador e um amplificador que são utilizados para ajustar a escala de voltagem que será utilizada na visualização do sinal. Um sinal de voltagem proporcional ao sinal do canal é então aplicado às placas Y 1 e Y 2 fazendo o feixe de elétrons ser defletido na vertical de acordo com a escala escolhida, de modo que o reticulado do mostrador possa ser usado para medir a voltagem de entrada no canal. O coeficiente de deflexão (atenuador ou amplificador) é usualmente dado em VOLTS/DIV. DIV, neste caso, corresponde a uma divisão, à parte vertical do quadrado de cerca de 1cm de lado, no mostrador. Para o CH1, a chave (8) e para o CH2 a chave (18) na Figura 4, são usadas como seletores da escala de medida. Valores típicos são 10mV; 20mV; 0,1V; 0,2V; 0,5V; 1V; etc. Quando a chave seletora está posicionada em 1V, por exemplo, isso significa que cada retículo (DIV) no mostrador tem altura equivalente a 1V. Os sinais a serem observados são levados ao osciloscópio por meio de cabos coaxiais até as entradas dos CH1 e CH2. A entrada do CH1 está representada por (7) na Figura 4 e a do CH2 por (14). Um cabo coaxial corresponde a dois fios coaxiais de cobre separados por um material dielétrico num arranjo cilíndrico. Veja em sala de aula mais detalhes com seu professor. É possível ajustar continuamente o coeficiente de deflexão do feixe de elétrons no 25

6 mostrador. Isso é feito destravando a chave (9) para o CH1 ou a chave (17) para o CH2 (ver Figura 4). Neste caso, valores absolutos de voltagem não podem ser determinados usando o osciloscópio. Esta função não será utilizada neste curso. Certifique-se sempre, antes de começar suas medidas, que as chaves (9) e (17) estejam travadas. Para cada canal há uma chave para controlar a posição vertical do feixe de elétrons no mostrador, chave (11) para o CH1 e chave (15) para o CH2 (veja Figura 4). Essas chaves são usadas para mudar posições de referência dos sinais, o que em algumas situações é conveniente ser feito para se obter uma melhor resolução na imagem do sinal medido que é apresentada no mostrador do osciloscópio. Cada canal pode também ser chaveado para uma das três posições: GND, DC e AC, utilizando os botões (6) para CH1 e (13) para o CH2 (ver Figura 4). Na posição GND, o sinal de voltagem de referência, que chamamos de terra, é aplicado ao feixe de elétrons. Nesse caso, uma voltagem de zero volts está sendo lida no osciloscópio. Quando a posição DC é escolhida, o sinal é mostrado sem nenhum processamento, como ele se apresenta no circuito de prova. Quando a posição AC é escolhida, o sinal é submetido a um filtro, que corta as freqüências inferiores a 10Hz. Nesse caso, valores constantes do sinal são filtrados e não são mostrados no mostrador do osciloscópio. Em osciloscópios típicos podemos observar até dois sinais independentemente. Na visualização dos mesmos, podemos escolher apresentar apenas o sinal do CH1, apenas o sinal do CH2, ou ambos. A escolha de qual, ou quais sinais apresentar, é feita pelos botões indicados em (12) na Figura Deflexão horizontal Vimos que a deflexão vertical é proporcional à voltagem aplicada no CH1 ou no CH2 do osciloscópio, o que desloca o feixe de elétrons na direção vertical do mostrador. O que dizer sobre a deflexão horizontal? Qual deve ser a voltagem aplicada nas placas X 1 e X 2, que desloca o feixe de elétrons na direção horizontal do mostrador do osciloscópio, de modo que tenhamos a reprodução do eixo do tempo nessa direção? Para tanto um sinal de voltagem como o mostrado na Figura 6 é aplicado às placas X 1 e X 2. Figura 6: Sinal de voltagem usado para gerar a deflexão horizontal. 26

7 Nos intervalos onde a voltagem V X aplicada às placas X 1 e X 2 está representada com linha contínua temos um aumento da voltagem linearmente proporcional ao tempo t. Isto significa, que um sinal de voltagem em um dos canais do osciloscópio, percorrerá a tela movendo-se da esquerda para a direita. Na parte superior da Figura 6, indicamos a posição do feixe de elétrons, como vista no mostrador do osciloscópio, para o início e para o final do intervalo de traço t traço. No intervalo de retraço, t retraço, o feixe de elétrons não é mostrado na tela do osciloscópio (linhas pontilhadas representando a voltagem V X ). Esse processo se repete quando o feixe se encontra novamente na posição de início do ciclo. Assim, com essa construção, temos uma representação da voltagem aplicada no CH1 ou CH2 em função do tempo. Para ajustar o valor do intervalo de tempo t traço em que o sinal é visualizado no mostrador do osciloscópio, selecionamos usando a chave (24) da Figura 4, a escala de tempo adequada. A escala de tempo é dada em unidades de TEMPO/DIV. DIV neste caso corresponde a uma divisão, à parte horizontal do quadrado de cerca de 1cm de lado, no mostrador. Valores típicos são 10µs; 20µs; 50µs; 0,1ms; 0,5ms; 1ms; etc. Quando a chave seletora está posicionada em 1ms, por exemplo, isso significa que cada retículo (DIV) no mostrador tem largura equivalente a 1ms. Em grande parte das observações feitas usando o osciloscópio, os tempos característicos observados, como por exemplo períodos de sinais que se repetem, são muito pequenos, quando comparados ao tempo de resposta da percepção de nossos olhos. Por esse motivo, o feixe de elétrons se desloca tão rapidamente que aparece na tela do osciloscópio uma linha contínua representando o sinal medido. Como no caso da posição vertical do sinal no mostrador do osciloscópio, há também para a horizontal uma chave que controla a posição horizontal do feixe de elétrons no mostrador, chave (19) (veja Figura 4). Essa chave é utilizada para deslocar toda a imagem do sinal no mostrador do osciloscópio para a esquerda ou para a direita, operação que também será muito utilizada no curso. Quando dois sinais estão sendo observados, um no CH1 e outro no CH2, há também a possibilidade de desativar o sistema de deflexão horizontal e apresentar na tela do osciloscópio o sinal do CH2 em função do sinal do CH1. Esta função é obtida selecionando a opção X-Y na chave (24) mostrada na Figura 4. Ela é utilizada para criar figuras denominadas figuras de Lissajous que serão utilizadas no Experimento 10 do curso Gatilho O sistema de gatilho estabelece o momento em que o osciloscópio começa a desenhar o sinal. Muitos dos problemas enfrentados pelos estudantes quando não conseguem uma visualização adequada de determinado sinal estão relacionados com os ajustes desse sistema. Para você ter uma idéia, observaremos sinais com freqüências de ordem de grandeza superior a khz. Para observarmos uma imagem na tela do osciloscópio, que represente o sinal, precisamos sincronizar o osciloscópio com o sinal desejado. A situação é similar ao que acontece quando, por exemplo, desejamos fotografar as pás de um ventilador quando o mesmo está em movimento. Como o tempo de exposição do objeto para a determinação de sua imagem na câmera é maior que o período de rotação das pás do ventilador, vemos apenas um borrão na imagem. No entanto, se utilizarmos uma iluminação estroboscópica, na qual o objeto é iluminado com freqüência igual à freqüência de deslocamento das pás, podemos observar uma imagem das pás paradas, mesmo com o ventilador em movimento. É algo similar a isso que o sistema de gatilho do osciloscópio faz para colocar uma imagem do sinal parada na tela do osciloscópio. O sistema de gatilho sincroniza a deflexão horizontal com o sinal medido de modo que sua imagem fique estável. Um sinal periódico no tempo tem sempre duas regiões, uma que assume valores positivos e outra que assume valores negativos em relação a seu valor médio. Podemos escolher com qual 27

8 dessas duas regiões queremos sincronizar o osciloscópio através da chave SLOPE (20) na Figura 4. Quando a voltagem do lado selecionado passa por determinado valor, especificado pela chave LEVEL (21) na Figura 4, um pulso é gerado e conectado ao sistema de deflexão horizontal indicando o momento de iniciar a varredura e apresentação do sinal na tela do osciloscópio. Há três diferentes métodos de se fazer o sincronismo do osciloscópio com o sinal medido: automático (AUTO), normal (NORM), varredura única. a) SINCRONISMO AUTOMÁTICO nessa situação um novo pulso de sincronismo é gerado automaticamente após um intervalo de tempo pré-determinado se um novo sinal de sincronismo não puder ser gerado nesse intervalo de tempo. Nesse caso haverá sempre algum tipo de sinal sendo mostrado na tela do osciloscópio independentemente da presença de sinais no CH1 ou CH2. b) SINCRONISMO NORMAL nessa situação o sincronismo só acontece quando o sinal de entrada passa de um determinado valor, estabelecido pela chave (21) (veja Figura 4). Só aparecerá sinal na tela quando um sinal de entrada estiver presente no canal selecionado. c) VARREDURA ÚNICA- nessa situação um sinal de sincronismo é disparado uma única vez. Esta função é utilizada para visualização de respostas não periódicas no tempo. Ainda com relação ao sincronismo é preciso informar ao osciloscópio qual sinal desejamos ter sincronizado. A escolha é feita por meio dos botões descritos em (28) na Figura 4. Nos experimentos que realizaremos neste curso, escolheremos sempre o CH1 como fonte de sincronismo (botão 29 na Figura 4 pressionado), e trabalharemos com sincronismos normal e automático fixos (ambos os botões 22 na Figura 4 pressionados). Há várias outras funções do osciloscópio que não foram discutidas porque para as aplicações que teremos no curso elas não serão utilizadas. Num circuito, representamos o osciloscópio pelo símbolo indicado na Figura 7. Figura 8: Representação esquemática de um osciloscópio num circuito elétrico. As setas indicam onde devem ser conectados os sinais dos canais CH1 e CH2. Como exemplo de uso do osciloscópio para medidas de amplitudes e períodos de sinais periódicos no tempo, considere que o mostrador do osciloscópio seja aquele apresentado na Figura 9, e que tenham sido utilizadas para a deflexão vertical 1DIV = 5V e para a deflexão horizontal 1DIV=1ms. Vemos que a forma de onda é aproximadamente senoidal. Para determinarmos o período e a amplitude dessa forma de onda, utilizamos o reticulado da tela do osciloscópio como régua. Observe que cada retículo, ou seja, cada DIV está subdivido em 5 divisões menores. Assim temos para este caso que a amplitude V 0 =1,7 ± 0,1DIV, ou seja, V 0 = 8,5 ± 0,5V. Também temos 28

9 que o período T = 5,1± 0,1DIV, ou seja, T = 5,1± 0,1ms. Figura 9: Exemplo de sinal na tela do osciloscópio que é discutido no texto. 4. PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS Procedimento I: Sincronismo e OFF SET 1) Monte o circuito da Figura 10 abaixo. Observe que esse circuito corresponde a escolher a forma de onda quadrada e a ligar diretamente o canal CH1 na saída descrita como MAIN do gerador. Figura 10: Circuito a ser montado para os procedimentos experimentais a serem realizados no Procedimento I. 2) Escolha visualizar apenas o CH1 utilizando os botões (12) da Figura 4. Certifique-se de que a chave 3 da Figura 2 esteja travada, evitando que a função DC OFFSET do gerador esteja ativa. 29

10 3) Ajuste os controles da deflexão vertical para mostrar a referência GND. Para isso use o botão (6) da Figura 4. Coloque o feixe de elétrons no centro do mostrador do osciloscópio. 4) Ajuste os botões de sincronismo para fonte no CH1 (chave 29 da Figura 4) e controles AUTO e NORM (chaves 22 na Figura 4) pressionando os botões respectivos. 5) Retire a opção GND destravando o botão (6) da Figura 4, e escolha a opção DC. Ajuste a freqüência do gerador para 1kHz, utilizando as chaves (7) e (8) indicadas na Figura 2, e a amplitude do CH1 para V 0 = 5V utilizando a chave (8) da Figura 4 e o controle de amplitude do gerador (chave 2 da Figura 2). Você deve obter uma imagem do sinal parada na tela do osciloscópio. 6) Destrave a chave de controle de sincronismo NORM, mude aleatoriamente o nível de sincronismo ajustando a função LEVEL (chave 21 na Figura 4) e descreva o que você observou. 7) Pressione novamente a chave de controle de sincronismo NORM e destrave a chave 3 do gerador de sinais (veja Figura 2) para ativar a função DC OFFSET. Ajuste aleatoriamente o valor do nível de OFFSET e descreva o que você observou. Qual foi o valor máximo de voltagem contínua (DC) acrescentado ao sinal utilizando a função DC OFFSET? 8) Mude agora para a opção AC e descreva o que aconteceu com a imagem do sinal. Qual é a função da chave AC? 9) Retire a função DC OFFSET do gerador travando a chave 3 da Figura 2 e acione novamente a função DC. Certifique-se de que as chaves (12) da Figura 4 estejam ambas pressionadas. Isso indica que o osciloscópio está preparado para fazer a leitura dos dois canais, CH1 e CH2, simultaneamente. Mude a fonte de sincronismo para o CH2 utilizando as chaves (28) da Figura 4. Descreva e explique o que você observou Procedimento II: Medidas de períodos e amplitudes 1) Monte o circuito da Figura 11 abaixo. Observe que esse circuito corresponde a escolher a forma de onda quadrada e a ligar diretamente os canais CH1 na saída descrita como MAIN do gerador e o canal CH2 na saída SYNC. Figura 11: Circuito a ser montado para os procedimentos experimentais a serem realizados no Procedimento II. 2) Ajuste os botões de sincronismo para fonte no CH1 (chave 29 na Figura 4) e controles AUTO e NORM (chaves 22 na Figura 4) pressionando os botões respectivos. 3) Ajuste a freqüência do gerador para 1kHz, utilizando as chaves (7) e (8) indicadas na Figura 2, 30

11 e a amplitude do CH1 para V MAIN 0 = 5V. Meça o período T MAIN do sinal no CH1. 4) Meça o valor máximo do sinal SYNC, V SYNC MAX e o período T SYNC do CH2. 5) Mude a amplitude do canal CH1 para V MAIN 0 =10V e mantenha a freqüência em 1kHz. Descreva o que aconteceu com o valor máximo do CH2, V SYNC MAX, neste caso. 6) Ajuste novamente o valor da amplitude do CH1 para V MAIN 0 = 5V. Mude agora a freqüência do gerador para 10kHz. Meça novamente T MAIN, T SYNC e V SYNC MAX. 7) Preencha a Tabela 1 com o resultados obtidos. f(khz) V MAIN 0 (V) T MAIN ± " TMAIN V SYNC MAX ± " T SYNC SYNC ± " TSYNC f SYNC ± " fsync VMAX Tabela 1: Resultados obtidos no Procedimento II. 8) O que podemos dizer sobre o sinal SYNC em comparação com o sinal MAIN do gerador? Como variam a amplitude e o período do sinal SYNC quando são variados a amplitude e o período do sinal MAIN. Faça um esboço da variação do sinal SYNC como função do tempo. 31

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Física e Química A -.º Ano Actividade Prático-Laboratorial AL. Física Assunto: Osciloscópio Questão-problema Perante o aumento da criminalidade tem-se

Leia mais

Gerador de funções e osciloscópio

Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 2.1 Material Osciloscópio digital; Gerador de funções. 2.2 Introdução Na aula anterior utilizamos instrumentos de medida (amperímetro e voltímetro) e fontes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Fig. 1: Arranjo do experimento P2510502 O que você vai necessitar: Fotocélula sem caixa 06779.00 1 Rede de difração, 600 linhas/mm 08546.00 1 Filtro

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Prof. Hamilton Klimach Janeiro de 2002 OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Introdução Esse osciloscópio, como qualquer outro, tem por função apresentar a representação visual da tensão

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

Análise de Circuitos

Análise de Circuitos INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Secção de Sistemas e Controlo Introdução ao Osciloscópio Março de 2002 Elaborado por: António Serralheiro INTRODUÇÃO

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS M224 ELECTRÓNICA I TRABALHO LABORATORIAL Nº 1

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS M224 ELECTRÓNICA I TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS M224 ELECTRÓNICA I TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 REVISÃO SOBRE CIRCUITOS ELÉCTRICOS Por: Prof. Luís Filipe Baptista Eng. Carlos Santos

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Osciloscópio didático U8481350 Instruções para o uso 01/08 CW/ALF Entradas: 1 Tensão anódica 2 Tensão catódica 3 Tensão de Wehnelt 4 Tensão de aquecimento (0) 5 Tensão de aquecimento

Leia mais

Notas sobre os instrumentos

Notas sobre os instrumentos 8 ircuitos de corrente alternada Notas sobre os instrumentos A. Precisão de alguns instrumentos: Antes de desperdiçar tempo querendo medir com mais precisão do que os instrumentos permitem, tenha presente

Leia mais

PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS. LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos

PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS. LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos Conteúdo P1 - Erro experimental....3 P2 - Osciloscópio.... 5 P3 - Divisor de tensão. Divisor de corrente.... 13 P4 - Fonte de tensão.

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz.

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz. Ciências Experimentais P5: Osciloscópio. Sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho. 1. Objectivos Iniciação ao osciloscópio. Estimativas de sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho.

Leia mais

Atenção ainda não conecte a interface em seu computador, o software megadmx deve ser instalado antes, leia o capítulo 2.

Atenção ainda não conecte a interface em seu computador, o software megadmx deve ser instalado antes, leia o capítulo 2. Atenção ainda não conecte a interface em seu computador, o software megadmx deve ser instalado antes, leia o capítulo 2. Interface megadmx SA Firmware versão 1, 2 e 3 / software megadmx 2.000 (Windows/MAC

Leia mais

Laboratório de Física Experimental I

Laboratório de Física Experimental I Laboratório de Física Experimental I Centro Universitário de Vila Velha Multímetro e Fonte DC Laboratório de Física Prof. Rudson R. Alves 2012 2/10 Sumário Multímetro Minipa ET-1001...3 TERMINAIS (1)...3

Leia mais

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA Uma das grandes dificuldades que os técnicos enfrentam na reparação de circuitos eletrônicos é esta: os fenômenos que ocorrem nos componentes eletrônicos são abstratos; ou

Leia mais

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a Electrónica P1 - Osciloscópio. Objectivo Iniciação ao osciloscópio Material necessário 1 osciloscópio, 1gerador de sinais, 1 fonte de tensão. Procedimento experimental Siga o procedimento para cada uma

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-3060D

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-3060D MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-3060D Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do aparelho ÍNDICE 1. Introdução... 01 2. Especificações... 02 2.1. Gerais...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO CAPÍTULO 1 DIODOS RETIFICADORES

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO CAPÍTULO 1 DIODOS RETIFICADORES INTRODUÇÃO CPÍTULO DIODOS RETIFICDORES O diodo é um dispositivo semi-condutor muito simples e é utilizado nas mais variadas aplicações. O uso mais freqüente do diodo é como retificador, convertendo uma

Leia mais

LEE 2006/07. Guia de Laboratório. Trabalho 3. Circuitos Dinâmicos. Resposta no Tempo

LEE 2006/07. Guia de Laboratório. Trabalho 3. Circuitos Dinâmicos. Resposta no Tempo Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 3 Circuitos Dinâmicos Resposta no Tempo INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores

Leia mais

Aula prática Como utilizar um multímetro

Aula prática Como utilizar um multímetro Aula prática Como utilizar um multímetro Definição Como o próprio nome sugere, é um equipamento que pode ser utilizado para a realização de diversas medidas, dentre as principais temos: Tensão (alternada

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA Material Utilizado: - um conjunto para experimentos com trilho de ar composto de: - um trilho de ar (PASCO SF-9214) - um gerador de fluxo de ar (PASCO SF-9216) - um carrinho

Leia mais

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link

Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Laboratório de Telecomunicações - Aula Prática 4 Sub-turma: 3 Nomes dos alunos: Tarefa 17 Ruído em um Link Digital Objetivo:

Leia mais

MANUAIS DE INSTRUÇÃO

MANUAIS DE INSTRUÇÃO MANUAIS DE INSTRUÇÃO ESPECIFICAÇÕES O DIMMER RACK 12 CANAIS CBI é fabricado para cumprir com as especificações do mercado de iluminação profissional, iluminação cênica, decorativa, shows, eventos e iluminação

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

XXIX Olimpíada Internacional de Física

XXIX Olimpíada Internacional de Física XXIX Olimpíada Internacional de Física Reykjavík, Islândia Parte Experimental Segunda-feira, 6 de Julho de 1998 Lê isto primeiro: Duração: 5 H 1. Utiliza apenas a esferográfica que te foi dada. 2. Usa

Leia mais

Data 23/01/2008. Guia do Professor. Introdução

Data 23/01/2008. Guia do Professor. Introdução Guia do Professor Data 23/01/2008 Introdução A inserção de tópicos da Eletricidade nas escolas de nível básico e médio é fundamental para a compreensão de alguns fenômenos da vida moderna. Você já imaginou

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS LABORATÓRIO O CONDENSADOR

ANÁLISE DE CIRCUITOS LABORATÓRIO O CONDENSADOR ANÁLISE DE CIRCUITOS LABORATÓRIO O CONDENSADOR Introdução ao uso do Osciloscópio. Ano Lectivo 20 / 20 Curso Grupo Classif. Rubrica Além do estudo do condensador, pretende-se com este trabalho obter uma

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Roteiro para experiências de laboratório

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

Aula 19. Conversão AD e DA Técnicas

Aula 19. Conversão AD e DA Técnicas Aula 19 Conversão AD e DA Técnicas Introdução As características mais importantes dos conversores AD e DA são o tempo de conversão, a taxa de conversão, que indicam quantas vezes o sinal analógico ou digital

Leia mais

EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA

EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA Modulação em freqüência ocorre quando uma informação em banda básica modula a freqüência ou alta freqüência de uma portadora com sua amplitude permanecendo constante.

Leia mais

FineNess Cachos PRO. Manual de Uso

FineNess Cachos PRO. Manual de Uso Manual de Uso IMPORTANTE, POR FAVOR, LEIA ESTAS INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES ANTES DE USAR O DUTO Antes de começar a utilizar o novo Fineness Cachos, por favor, leia atentamente as instruções. 1. Certifique-se

Leia mais

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Pré requisitos: Elaboração de questionário Formulário multimídia Publicação na internet Uso de senhas na Web Visualização condicionada ao perfil A

Leia mais

8QLYHUVLGDGH)HGHUDOGR3DUDQi

8QLYHUVLGDGH)HGHUDOGR3DUDQi 7tWXOR Movimento Parabólico EMHWLYR Estudar o movimento de projéteis lançados horizontalmente 0DWHULDO Rampa de lançamento, suportes, esferas (de metal e de plástico), nível, anteparo de madeira, papel

Leia mais

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+ Teoria de Fourier Domínio da Freqüência e Domínio do Tempo A teoria de Fourier estabelece que uma forma de onda periódica pode ser decomposta em harmônicos relacionados; senos ou cossenos em diferentes

Leia mais

A unidade Energise inclui a tecnologia sem fios SimplyWorks, permitindo a ativação de aparelhos até 10 metros de distância.

A unidade Energise inclui a tecnologia sem fios SimplyWorks, permitindo a ativação de aparelhos até 10 metros de distância. Instruções Descrição do Produto Um regulador de funcionalidades de alimentação elétrica que permite que os utilizadores possam controlar até dois aparelhos elétricos com manípulos com ou sem fio. A unidade

Leia mais

Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX.

Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX. 2011 www.astralab.com.br Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX. Equipe Documentação Astra AstraLab 24/08/2011 1 Sumário Frases Codificadas...

Leia mais

Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro

Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Negação Convenções Compreendendo o monte

Leia mais

Densímetro de posto de gasolina

Densímetro de posto de gasolina Densímetro de posto de gasolina Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia Tema Materiais: propriedades Conteúdos Densidade, misturas homogêneas e empuxo Usos / objetivos Introdução ou aprofundamento do

Leia mais

Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS

Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS V Seminário de Metrologia Aeroespacial V SEMETRA 21 a 24 de julho de

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

Aparelhos de Laboratório de Electrónica

Aparelhos de Laboratório de Electrónica Aparelhos de Laboratório de Electrónica Este texto pretende fazer uma introdução sucinta às características fundamentais dos aparelhos utilizados no laboratório. As funcionalidades descritas são as existentes

Leia mais

1) Entendendo a eletricidade

1) Entendendo a eletricidade 1) Entendendo a eletricidade 1 2) Circuitos Modelix 2 3) Utilizando o Sistema Esquemático Modelix-G (Modelix-Grafix) 6 4) Fazendo montagens com os Circuitos Modelix 7 5) Exercícios para treinar 8 Objetivo:

Leia mais

Acessando o SVN. Soluções em Vendas Ninfa 2

Acessando o SVN. Soluções em Vendas Ninfa 2 Acessando o SVN Para acessar o SVN é necessário um código de usuário e senha, o código de usuário do SVN é o código de cadastro da sua representação na Ninfa, a senha no primeiro acesso é o mesmo código,

Leia mais

3 Metodologia de calibração proposta

3 Metodologia de calibração proposta Metodologia de calibração proposta 49 3 Metodologia de calibração proposta A metodologia tradicional de calibração direta, novamente ilustrada na Figura 22, apresenta uma série de dificuldades e limitações,

Leia mais

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio.

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Manual de Operação do Century BR2014 Slim O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de TV via satélite.

Leia mais

Introd. Física Médica

Introd. Física Médica Introd. Física Médica Aula 04 Atenuação de RX 2012 http://www.upscale.utoronto.ca/generali nterest/harrison/flash/nuclear/xrayinte ract/xrayinteract.html 2 Propriedades do alvo Boa Condutividade Térmica:

Leia mais

CRONÔMETRO MICROPROCESSADO

CRONÔMETRO MICROPROCESSADO O equipamento possui um display de alta resolução e 6 botões: CRONÔMETRO MICROPROCESSADO www.maxwellbohr.com.br (43) 3028-9255 LONDRINA PR 1 - Introdução O Cronômetro Microprocessado é um sistema destinado

Leia mais

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO 1 Introdução O osciloscópio é basicamente um dispositivo de visualização gráfico que mostra sinais elétricos no tempo. O osciloscópio pode ser

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA Introdução O uso de termômetros de resistência esta se difundindo rapidamente devido a sua precisão e simplicidade

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Introdução 5 Introdução ao osciloscópio 6 O painel do osciloscópio e a função dos seus controles 7 Controles de ajuste do traço ou ponto na tela 8 Brilho ou luminosidade (brightness ou intensity)

Leia mais

Tutorial 7 Fóruns no Moodle

Tutorial 7 Fóruns no Moodle Tutorial 7 Fóruns no Moodle O Fórum é uma atividade do Moodle que permite uma comunicação assíncrona entre os participantes de uma comunidade virtual. A comunicação assíncrona estabelecida em fóruns acontece

Leia mais

PUPILOMETRO GR-4. w w w. m e l l o i n d u s t r i a l. c o m. b r

PUPILOMETRO GR-4. w w w. m e l l o i n d u s t r i a l. c o m. b r PUPILOMETRO GR-4 *O Pupilometro é um instrumento digital de precisão óptica usado para medir a distancia pupilar. *Este equipamento foi desenvolvido cientificamente integrando tecnologia, mecanismos, eletricidade

Leia mais

MaxHome. Mini Ferro de Viagem. MaxHome. Sm-110 Bivolt

MaxHome. Mini Ferro de Viagem. MaxHome. Sm-110 Bivolt Mini Ferro de Viagem Sm-110 Bivolt ÍNDICE NOTAS: Parabéns por ter adquirido o seu Mini Ferro de Viagem. Características do produto Dicas de Segurança Informações do aparelho Usando o aparelho Cuidados

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

Programação em papel quadriculado

Programação em papel quadriculado 4 NOME DA AULA: Programação em papel quadriculado Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a entender como a codificação funciona. RESUMO Ao "programar"

Leia mais

Tipos de malha de Controle

Tipos de malha de Controle Tipos de malha de Controle SUMÁRIO 1 - TIPOS DE MALHA DE CONTROLE...60 1.1. CONTROLE CASCATA...60 1.1.1. Regras para Selecionar a Variável Secundária...62 1.1.2. Seleção das Ações do Controle Cascata e

Leia mais

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s).

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s). Campus Serra COORDENADORIA DE AUTOMAÇÂO INDUSTRIAL Disciplina: ELETRÔNICA BÁSICA Professor: Vinícius Secchin de Melo Sinais Senoidais Os sinais senoidais são utilizados para se representar tensões ou correntes

Leia mais

Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2

Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2 Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2 1- CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Prato em aço inoxidável 340 x 310 mm. Saída serial para impressora matricial Urano USE-PII. Temperatura de operação: 0 a 50 ºC.

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

Conhecendo o Decoder

Conhecendo o Decoder Conhecendo o Decoder O Decoder da sua ion TV, ou receptor, também é chamado de STB, sigla em inglês para Set Top Box, que é o aparelho responsável por receber o sinal de TV, decodificá-lo e enviá-lo para

Leia mais

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro

Leia mais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais O objetivo desta aula é procurar justificar o modelo de neurônio usado pelas redes neurais artificiais em termos das propriedades essenciais

Leia mais

Trabalho sobre No-breaks

Trabalho sobre No-breaks Trabalho sobre No-breaks Grupo: Leandro Porto Cristiano Porto Diego Martins Diogo Rubin Os nobreaks protegem os equipamentos contra quatro problemas principais causados pela variação da energia elétrica.

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos 1 Exercícios Pré-Laboratório Semana 1 1.1 Filtro RC 3º Trimestre de 2002 Figura 1:

Leia mais

1 Propagação de Onda Livre ao Longo de um Guia de Ondas Estreito.

1 Propagação de Onda Livre ao Longo de um Guia de Ondas Estreito. 1 I-projeto do campus Programa Sobre Mecânica dos Fluidos Módulos Sobre Ondas em Fluidos T. R. Akylas & C. C. Mei CAPÍTULO SEIS ONDAS DISPERSIVAS FORÇADAS AO LONGO DE UM CANAL ESTREITO As ondas de gravidade

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP)

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) NOTA RELATÓRIO -.... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais

Leia mais

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes 86 5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes No capítulo anterior estudamos a resposta do EDFA sob variações lentas da potência em sua entrada e vimos que é possível

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

6 Circuitos pneumáticos e hidráulicos

6 Circuitos pneumáticos e hidráulicos A U A UL LA Circuitos pneumáticos e hidráulicos Um problema A injetora de plásticos de uma fábrica quebrou. Desesperado, o supervisor de produção procura pelo novo mecânico de manutenção de plantão: você.

Leia mais

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1 Escola Secundária Vitorino Nemésio Física e Química A Componente de física 11º ano Actividade Laboratorial 2.1 Osciloscópio Nome: Turma: Nº: Classificação: docente: 1. Questão problema: Perante o aumento

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços.

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Nesse tópico, você aprenderá a administrar listas de preços no SAP Business One. Sua empresa atualiza múltiplas listas de preços para fornecer

Leia mais

1. A corrida de vetores numa folha de papel.

1. A corrida de vetores numa folha de papel. 1. A corrida de vetores numa folha de papel. desenhando a pista. o movimento dos carros. o início da corrida. as regras do jogo. 2. A corrida no computador. o número de jogadores. o teclado numérico. escolhendo

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais A parte

Leia mais

Manual de operação TRUCK LASER EDIÇÃO 2004 MOP 0504

Manual de operação TRUCK LASER EDIÇÃO 2004 MOP 0504 Manual de operação TRUCK LASER EDIÇÃO 2004 MOP 0504 INTRODUÇÃO O aparelho TRUCK LASER, permite a aferição dos ângulos característicos de todas as rodas e/ou eixos de caminhões, ônibus e camionetes. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

4 PARÂMETROS DINÂMICOS

4 PARÂMETROS DINÂMICOS 4 PARÂMETROS DINÂMICOS Nesta experiência iremos medir os parâmetros do amp op que podem prejudicar o desempenho dos circuitos em alta freqüência. Os dois parâmetros Produto Ganho-Largura de Banda GBP (também

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSMISSAO E TELEMETRIA

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSMISSAO E TELEMETRIA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSMISSAO E TELEMETRIA Introdução Frequentemente, o instrumento indicador, controlador, registrador, etc. e instalado a uma distancia considerável do ponto de medição.

Leia mais

DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO

DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO DISPOSITIVO DE PARTIDA E TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA PARA GERADORES DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DO USUÁRIO Por favor, leia este manual com atenção para uso do equipamento. Instruções de Operação do QTA. I.

Leia mais

Manual das planilhas de Obras v2.5

Manual das planilhas de Obras v2.5 Manual das planilhas de Obras v2.5 Detalhamento dos principais tópicos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 1. Gerando previsão de custos da obra (Módulo

Leia mais

Modo de Serviço TV Panasonic Modelo TC-29S10

Modo de Serviço TV Panasonic Modelo TC-29S10 Modo de Serviço TV Panasonic Modelo TC-29S10 A. SINTONIA AUTOMÁTICA Esta característica permite que todos os canais com sinal sejam sintonizados. Pressionado a tecla canal (UP ou DW) obteremos acesso somente

Leia mais

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms O uso da Calculadora Científica (Casio fx) fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms Prof. Ms. Renato Francisco Merli 2013 1 Sumário 1. Antes de Começar... 2 2. Cálculos Básicos... 8 3. Cálculos

Leia mais

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox 1- Scilab e a placa Lab_Uino A placa Lab_Uino, é uma plataforma aberta para aprendizagem de sistemas microprocessados. Com a utilização de um firmware especifico a placa Lab_Uino é reconhecido pelo sistema

Leia mais

SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO

SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO AUTOMAÇÃO SEGURANÇA SOM SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO MANUAL DO UTILIZADOR www.only-pt.pt INTRODUÇÃO... 4 EQUIPAMENTOS... 4 CONTROLOS E INDICAÇÕES... 5 CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DO OTC-CLIMA... 6 1. Ajuste de data

Leia mais

Oficina de Manipulação e Edição de Fotografia e Imagem Digital GIMP

Oficina de Manipulação e Edição de Fotografia e Imagem Digital GIMP Oficina de Manipulação e Edição de Fotografia e Imagem Digital GIMP O que é o GIMP É um programa de criação e edição de imagens. Foi criado como uma alternativa livre ao Photoshop, ou seja, é um software

Leia mais

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em "espera" ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc.

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em espera ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc. 1 Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores de sinais de TV via satélite. Estamos certos de que o receptor Century USR 1900 lhe proporcionará a melhor imagem e também bons momentos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL MODELO TD-801

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL MODELO TD-801 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL MODELO TD-801 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução... 02 2. Regras de segurança...

Leia mais