Tráfego em Redes de Comutação de Circuitos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tráfego em Redes de Comutação de Circuitos"

Transcrição

1 Caracerzação do ráfego nálse de ssemas de esados nálse de ráfego em ssemas de erda nálse de ráfego em ssemas de araso Bloqueo em ssemas de andares múllos Máro Jorge Leão Inenconalmene em branco

2 Caracerzação do ráfego 3 Inensdade de ráfego ulzação de um nó de comuação de crcuos (or exemlo, uma cenral elefónca) ou de um gruo de crcuos de ransmssão é deermnada or dos facores: chegada de chamadas; duração de chamadas. O ráfego oma em consderação esas comonenes, odendo quanfcar-se aravés da nensdade em undades de erlang (segundo.k. Erlang, onero dnamarquês da eora do eleráfego): se um ssema suora chamadas, dz-se que ransora erlangs de ráfego (noe-se que esa undade é admensonal). De um modo geral, a nensdade de ráfego num nervalo de emo ode exrmr-se aravés da razão enre o volume de ráfego V - somaóro das durações d de odas as chamadas n ocorrdas no nervalo - e o eríodo de emo T: V T n = = = T d Caracerzação do ráfego 4 Inensdade nsanânea do ráfego oal Inensdade méda de ráfego = 0,5 erlang Volume de ráfego V = 84 chamadas X mnuo cvdade ndvdual dos crcuos Temo (mnuos) cvdade de ráfego num conjuno de crcuos

3 Caracerzação do ráfego 5 Por ouro lado, a axa méda de chegada de chamadas λ e a duração méda das chamadas d m são dadas or: n λ = T d m n = = n d Logo, a nensdade de ráfego vrá: = λ d m nensdade de ráfego é aenas uma medda da ulzação méda durane um eríodo de emo e não reflece a relação enre chegada e duração de chamadas: muas chamadas de cura duração odem roduzr a mesma nensdade de ráfego que oucas chamadas longas. as redes de comuação de crcuos, é geralmene sufcene caracerzar o ráfego aenas em ermos de nensdade de ráfego, odendo or vezes ser necessáro consderar os adrões de chegada de chamadas ou as dsrbuções de durações. Caracerzação do ráfego 6 Varação do ráfego s redes de comuação de crcuos, como a rede elefónca úblca, são camene dmensonadas em ermos da acvdade durane a hora mas carregada do da, rocurando-se um comromsso enre dos exremos: rojecar ara a ulzação méda oal, que nclu emos nocurnos vrualmene sem ráfego; rojecar ara cos de cura duração resulanes de aconecmenos esorádcos (fm de rogramas de TV, concursos or elefone, ec.). É habual consderar dos os de ulzadores no que resea ao ráfego elefónco: resdencas, com ulzação or lnha de 0,05 a 0, erlang na hora mas carregada, e emos médos de duração de chamadas de 3 a 4 mnuos; as cenras de zonas resdencas aresenam maores cargas ao fm do da/noe; emresaras, com ulzações suerores em horas corresondenes ao fm da manhã/meo da arde. O ráfego de acesso à Inerne, caracerzado or chamadas de mas longa duração, nroduz uma carga adconal sgnfcava que alera os adrões radconas.

4 Caracerzação do ráfego hora mas carregada Inensdade de ráfego (erlang) Hora do da Cenral em área resdencal Cenral em área emresaral Inensdade de ráfego elefónco em função da hora do da Caracerzação do ráfego 8 Ssemas de erda e ssemas de esera Há dos grandes os de ssemas usados em redes de comuação de crcuos: ssema de erda, em que as chamadas que excedem em qualquer nsane a caacdade máxma do ssema são rejeadas, odendo ou não regressar em novas enavas; ssemas de esera, em que as chamadas em excesso são colocadas em flas de esera aé esarem dsoníves os recursos necessáros ara as suorar (exceconalmene, se a fla encher, o ssema assa a comorar-se como na suação de erda). os ssemas de erda, o ráfego ransorado é semre menor ou gual ao ráfego oferecdo ao ssema elas fones, enquano nos ssemas de esera esas duas quandades são guas, desde que a méda a longo razo do ráfego oferecdo seja nferor à caacdade máxma do ssema e as flas de esera enham rofunddade sufcene ara absorver os cos. Os ssemas elefóncos clásscos são ssemas de erda. Conudo, são cada vez mas comuns ssemas de esera, sendo exemlos sgnfcavos os cenros de aendmeno (call cenres) e ceros os de redes de comuncação móvel.

5 Caracerzação do ráfego 9 Chegada de chamadas Processo de Posson O rocesso de Posson é o mas usado ara modelzar o ráfego em ssemas de comuncações (ssemas elefóncos e redes de dados). ssume o rncío básco de ndeendênca de chegada de chamadas enre fones, odendo formular-se aravés da robabldade de chegada num nervalo nfnesmal [, +Δ], nroduzndo uma consane de roorconaldade λ: oe-se que um rocesso de Posson não em memóra: um aconecmeno num nervalo Δ é ndeendene de aconecmenos nos nervalos anerores ou fuuros. +Δ emo Inervalo emoral usado ara defnr um rocesso de Posson P (uma chegada no nervalo [, +Δ]) = λδ P (nenhuma chegada no nervalo [, +Δ]) = λδ Δ Caracerzação do ráfego 0 Probabldades de chegada de chamadas Para um nervalo fno T, a robabldade T () de chegadas é dada or: T λt ( ) = ( λt ) e! T = 0,,,... DEMOSTRÇÃO... Δ Δ Δ Δ Dervação da dsrbução de Posson: T = m Δ, Δ 0 emo Esa é a chamada dsrbução de Posson, caracerzada or: Méda: E() =λt Varânca: σ = λt Desvo adrão: σ = λt DEMOSTRÇÃO... lgumas conclusões o arâmero λ é afnal a axa méda de chegada de chamadas (λ = E()/T); como a méda cresce mas radamene do que o desvo adrão, ara valores grandes de λt a dsrbução orna-se mas comaca em orno da méda - logo o número n (aleaóro) de chamadas chegadas num nervalo grande T conduz a uma boa esmava de λ aravés de λ n / T.

6 Caracerzação do ráfego T () 0,4 0, 0,0 0,08 λτ=0 λτ=0 T λt ( ) = ( λt ) e! 0,06 0,04 λτ=50 λτ=00 0, úmero de chamadas Dsrbução de Posson Caracerzação do ráfego Combnação de fones ndeendenes a análse de ráfego em ssemas de comuncação é muas vezes necessáro combnar o ráfego gerado or fones ndeendenes. ssumndo n fones de ráfego de Posson com axas arbráras λ (=,,... n), a defnção de rocesso de Posson conduz drecamene a que o agregado das fones é ambém um rocesso de Posson com axa: λ = n = λ Exrme-se ese faco dzendo que a soma de rocessos de Posson é conservava relavamene à dsrbução: so é, a soma reém a roredade de Posson. oe-se que a robabldade de ocorrênca de uma chegada no nervalo [, +Δ] é a soma das robabldades de chegada de cada uma das n fones ndeendenes (assumese que Δ é ão equeno que não ocorrem múllas chamadas). Ou seja: n n ( λδ) = λ Δ = λδ P (uma chegada no nervalo[, + Δ]) = = =

7 Caracerzação do ráfego 3 Temos enre chegadas de chamadas um rocesso de Posson, o emo c enre aconecmenos consecuvos é uma varável aleaóra com dsrbução exonencal. c chegadas consecuvas Temo enre chegadas de chamadas emo De faco, a robabldade de o emo enre chamadas c ser é: P( c ) = P( c > ) = (0) = e função de densdade de robabldade vrá enão, or dervação: f () = λ e -λ O valor médo e a varânca desa dsrbução exonencal são: c -λ Méda: E( c) = f ( )d = λ 0 c Varânca: σ = λ c Caracerzação do ráfego 4 O valor médo do emo enre chegadas consecuvas arás obdo é o eserado, uma vez que, sendo a axa de chegadas do rocesso de Posson λ, enão o emo enre chegadas será /λ. f c () λ λe -λ /λ Dsrbução exonencal de emos de chegada enre chamadas oe-se que uma varável aleaóra exonencal é a únca varável aleaóra que em a roredade já referda de não memóra: em ermos de chegada de chamadas, a dsrbução emoral dos róxmos evenos é a mesma ndeendenemene do emo resene.

8 Caracerzação do ráfego 5 Duração de chamadas Dsrbução de durações Para as chamadas enradas no ssema, é habual assumr uma dsrbução exonencal da duração d, com valor médo E(d) = /µ: Dsrbução cumulava de robabldades P (d ) = - e -μ Função de densdade de robabldade f d () = µ e -μ f d () μ μe -μ /μ Dsrbução exonencal de duração de chamadas Esa hóese em sdo consderada adequada ara modelzar o ráfego, e em a vanagem de aresenar a caracerísca já referda de "sem memóra": a robabldade de uma chamada ermnar num nervalo Δ é ndeendene da sua duração aneror. Caracerzação do ráfego 6 Probabldade de lberação de chamadas Consdere-se um ssema consuído or uma fla de esera com um cero número de chamadas à esera de serem aenddas e uma únca saída (uma únca chamada de cada vez no ssema com ossbldade de ser lberada). Marquem-se à saída os onos corresondenes à lberação de cada chamada. d lberações consecuvas Temo enre lberações de chamadas emo Uma vez que os nervalos enre lberação de chamadas êm dsrbução exonencal, o rocesso de lberação é análogo ao de chegada de chamadas, odendo conclur-se que os emos de lberação de chamadas reresenam eles róros um rocesso de Posson: P (uma lberação no nervalo [, +Δ]) = μδ P (nenhuma lberação no nervalo [, +Δ]) = μδ

9 Caracerzação do ráfego 7 De gual modo, ara um nervalo fno T, a robabldade T () de lberações vrá: Logo: T μt ( ) ( μt ) e! Méda: E() =μt Varânca: σ = μt = = 0,,,... Desvo adrão: σ = μt O arâmero µ é, orano: μ = axa méda de lberação de chamadas = o caso mas geral de exsrem no ssema chamadas acvas com ossbldade de serem lberadas de forma ndeendene enre s, o rocesso de lberação resulane connuará a ser de Posson (roredade conservava), sendo: Ou seja: μ = μ μ = axa méda de lberação de chamadas = duração méda de chamadas número de chamadas acvas duração méda de chamadas Caracerzação do ráfego 8 Ocorrênca de aconecmenos Taxa méda = α Dsrbução exonencal de emos enre aconecmenos Méda = /α rocesso de Posson Chegada de chamadas Taxa méda = λ Dsrbução exonencal de emos enre chegadas de chamadas Méda = /λ chamada no ssema Lberação de chamadas Taxa méda = μ = /d m chamadas no ssema Lberação de chamadas Taxa méda = μ = /d m chamada no ssema Dsrbução exonencal de emos enre lberações de chamadas Méda = /μ = d m chamadas no ssema Dsrbução exonencal de emos enre lberações de chamadas Méda = /( μ ) = d m / Dsrbução exonencal de durações de chamadas Méda = d m

10 nálse de ssemas de esados 9 Probabldades de ermanênca nos esados do ssema Consdere-se um ssema de esados defndos elo número de chamadas em curso. Para o ssema esar no esado no emo +Δ, oderá, no emo : esar no esado - e chegar uma chamada (robabldade λ - Δ) ou esar no esado + e lberar-se uma chamada (robabldade μ + Δ) ou esar no esado e não ocorrer nenhuma das suações anerores (robabldade λ Δ μ Δ). Os esados do ssema e as ransções enre eles oderão ser modelzados aravés de um dagrama smlfcado: μ μ μ 3 μ μ μ + μ λ 0 λ λ λ λ λ λ + Dagrama de esados de um ssema nálse de ssemas de esados 0 robabldade [] +Δ de o ssema esar no esado no emo +Δ vrá enão: Rearranjando os ermos: [] [ ] ( λ Δ μ Δ) + [ + ] μ Δ + [ ] λ Δ + Δ = + [] [] +Δ Δ = []( λ + μ ) + [ + ] μ+ + [ ] λ Fazendo Δ 0, a equação aneror oderá assar ara a forma dferencal: d [] d []( λ + μ ) + [ + ] μ+ + [ ] λ = oe-se que = 0 é um caso esecal em que: µ 0 = 0 (não há lberação de chamadas no esado 0); λ = 0 (não exse o esado ). Logo: d [] 0 d = [] 0 λ0 + [] μ

11 nálse de ssemas de esados Condção de equlíbro Se as axas de chegada e lberação de chamadas forem consanes, o ssema angrá ao fm de algum emo uma suação de equlíbro em que as robabldades de ermanênca nos esados não varam com o emo (d[]/d = 0). Logo: []( λ + μ ) = [ + ] μ+ + [ ] λ Calculando sucessvamene ara =,,... obém-se a exressão geral: [ ] λ = [] μ Ou seja: (robabldade de esar no esado -) x (axa de chegada de chamadas no esado -) = (robabldade de esar no esado ) x (axa de lberação de chamadas no esado ) Escrevendo a exressão aneror sucessvamene ara =,,... chega-se faclmene a: Para um ssema de esados, a robabldade [0] obém-se nvocando a condção de normalzação: = [] [ ] = λ 0 μ = 0 [ ] = 0 = [] 0 λ 0 = [] μ nálse de ráfego em ssemas de erda Ssema de acesso oal Um ssema de acesso oal é um ssema de M fones e canas, em que qualquer fone lvre em acesso a qualquer canal lvre ndeendenemene do esado do ssema. O exemlo mas smles é uma marz de comuação de M x onos de cruzameno. M enradas Em cada esado (0 ) o ssema é caracerzado elos segunes arâmeros: axa de chegada de chamadas λ =(M-)λ em que λ é a axa de chegada de cada fone lvre; axa de lberação de chamadas μ =μ, em que /μ é a duração méda das chamadas. saídas Ssema de acesso oal

12 nálse de ráfego em ssemas de erda 3 Dsrbução de Erlang-B (M») ese caso, a axa de chegadas λ e o ráfego oferecdo ao ssema são consanes, so é, ndeendenes do número (0 ) de chamadas em curso; logo: λ Mλ = λ S onde λ S é a axa oal de chegada de chamadas ao ssema. ssm a condção de equlíbro vem Efecuando a normalzação =, faclmene se obém 0 =!, elo que Esa equação exrme a dsrbução de robabldade dos esados do ssema (dsrbução de Erlang-B), sendo usada correnemene desde que a hóese de axa de chamadas seja aroxmadamene ndeendene do número de chamadas acvas. Mλ μ = [] [ 0] = λ μ = ( Mλ) (! μ ) =! = 0 = λ S [] [] = 0! [] = = 0! 0 μ = 0 nálse de ráfego em ssemas de erda 4 o caso de o ráfego oferecdo conduzr a um reduzdo número de chamadas em curso relavamene ao número de canas, os úlmos ermos do somaóro da exressão da dsrbução de Erlang vão-se ornando desrezáves, odendo enão ulzar-se a aroxmação: Subsundo: e = 0!! Esa equação evdenca que a dsrbução de Erlang-B é uma forma runcada da dsrbução de Posson. Há uma nerreação smles ara esa relação enre dsrbuções: sendo o ráfego oferecdo =λ S /μ, ode conclur-se que a robabldade [] de o ssema er chamadas acvas num cero nsane é gual à robabldade de erem chegado chamadas no eríodo de emo /μ (duração méda das chamadas) medaamene aneror (no caso de durações consanes guas a /μ, esa relação é óbva). [] = e

13 nálse de ráfego em ssemas de erda 5 Congesão emoral Chama-se congesão emoral E à robabldade de o ssema esar no esado, so é E =! [ ] = = 0! Esa exressão é conhecda como a fórmula de Erlang de o B ara a robabldade de bloqueo em ssemas de erda, consundo um dos resulados fundamenas da eora de ráfego. Os valores da fórmula de Erlang-B odem ser calculados or eração, recorrendo à segune exressão E E = E + E 0 = Em alernava, oderão ser ulzadas abelas ou gráfcos, os quas ermem ober valores com grande radez e com recsão sufcene ara alcações de engenhara de eleráfego. nálse de ráfego em ssemas de erda 6 Congesão de chamadas congesão de chamadas B é a robabldade de uma chamada chegar e enconrar o ssema oalmene ocuado (bloqueado). Logo, ara um nervalo T B = número eserado de chamadas chegadas com o ssema no esado número oal eserado de chamadas chegadas congesão de chamadas ode exrmr-se aravés de uma razão de axas de chegadas, esadas elas robabldades de ocorrênca dos resecvos esados B = λ [ ] λ [ ] = 0 Como a axa de chegada de chamadas é consane e sendo B = [] B = E [] = robabldade de bloqueo erme relaconar drecamene o ráfego oferecdo com o ráfego efecvamene ransorado, sendo a dferença o ráfego erddo: = (-B) = 0 vrá congesão de chamadas = congesão emoral

14 nálse de ráfego em ssemas de erda 7 Probabldade de bloqueo (B) Probabldades de bloqueo (B) de ssemas de erda na suação de Erlang, em função do ráfego oferecdo or canal (/) e do número de canas () Tráfego oferecdo or canal (/) nálse de ráfego em ssemas de erda 8 Tráfego ransorado or canal ( /) Tráfego ransorado or canal ( /) em ssemas de erda na suação de Erlang, em função do número de canas () e da robabldade de bloqueo (B) úmero de canas ()

15 nálse de ráfego em ssemas de erda 9 Dsrbução de Engse (M>) Corresonde ao caso geral, em que o número de fones é sueror ao número de canas, mas não ano que se consdere o ráfego oferecdo ao ssema como consane. ese caso, a condção de equlíbro vem M [] [ 0] = λ μ = ( ) = 0 = μ ormalzando e calculando [0], obém-se a dsrbução de Engse ara a robabldade [] do número de chamadas em curso ( ) M λ [] μ = 0 M λ ( ) = 0 μ Como é óbvo, a dsrbução de Erlang-B é um caso arcular da dsrbução de Engse quando M». λ nálse de ráfego em ssemas de erda 30 Congesão emoral congesão emoral ode calcular-se aravés de E = Congesão de chamadas Pela defnção B = λ Logo [ ] = M ( ) M ( ) λ μ λ = 0 μ [ ] λ [ ] = ( M ) λ [ ] ( M ) λ [] = 0 B = M ( ) M ( ) = 0 λ μ = 0 λ μ

16 nálse de ráfego em ssemas de erda 3 equação aneror exrme B em função da razão enre os arâmeros λ e μ, a qual deverá ser relaconados com o ráfego oferecdo, ou com a acvdade méda ρ de cada fone, mas faclmene mensuráves. Sendo a axa oal λ S de chegada de chamadas ao ssema gual ao roduo do número médo de fones lvres ela axa λ de chegada de cada fone lvre, o ráfego oferecdo vrá = λ S μ = ( M - ) λ μ em que é o ráfego ransorado (número médo de fones ocuadas). Inroduzndo as relações =( B) e ρ =/M obém-se λ μ = M- -B ( ) - ( -B) Embora esa exressão não esabeleça uma relação exlíca enre λ/μ e ou ρ, or nclur B, gualmene função de λ/μ, erme calcular B a arr de ou ρ, or eração. Em alernava, oderão ser ulzadas abelas ou gráfcos, como referdo ara a suação de Erlang. = ρ ρ nálse de ráfego em ssemas de erda 3 fgura segune aresena valores da robabldade de bloqueo ara a dsrbução de Engse, e ambém ara a dsrbução de Erlang, como caso arcular daquela (M= ). Pode verfcar-se que, quando se consdera a suação de Erlang como aroxmação, resulam esmavas essmsas da robabldade de bloqueo ara um dado número de canas, ou o sobre-dmensonameno do ssema ara uma dada robabldade. Probabldade de bloqueo (B) M/ -fones/canas Probabldades de bloqueo (B) de ssemas de erda na suação de Engse, em função do ráfego oferecdo or canal (/) ara dversas combnações de fones e canas Tráfego oferecdo or canal (/)

17 nálse de ráfego em ssemas de erda 33 Dsrbução bnomal (Bernoull) (M ) ese caso só oderão esar ocuadas, no máxmo, M canas, elo que [] = M ( ) M M ( ) λ μ λ = 0 μ 0 M O denomnador é a exansão bnomal de (+λ/μ) M, elo que se se subsur e fzer ( λ μ ) = λ + obém-se a dsrbução bnomal (de Bernoull) M M [] = ( ) ( ) oe-se que desa exressão se ode conclur que =λ/(λ+μ) é recsamene a robabldade de ocuação de cada fone. nálse de ráfego em ssemas de erda 34 Congesão emoral Se M< não há congesão emoral (E=0), uma vez que o esado não é angdo mesmo que as M fones esejam odas acvas (M chamadas). Se M=, obém-se drecamene da dsrbução bnomal a segune exressão ara a congesão emoral: Ese resulado sera de eserar, uma vez que se é a robabldade de ocuação de cada fone, será a robabldade de ocuação das fones/canas. Congesão de chamadas E = [] = ese caso, não haverá congesão de chamadas (B=0), mesmo na suação de M=, uma vez que não haverá novas chamadas quando o ssema esá no esado com odas as fones ocuadas. O ráfego ransorado e o oferecdo são guas ( =) e a robabldade de ocuação de cada fone concde com a resecva acvdade méda (=ρ).

18 nálse de ráfego em ssemas de esera 35 Dsrbução de Erlang-C ese caso, assume-se que as chamadas que não êm recursos dsoníves são colocadas numa fla de esera com rofunddade nfna, elo que λ = λ S μ = μ, μ = μ, < λ S d m = /μ - axa oal de chegada de chamadas - duração méda das chamadas lcando a condção de equlíbro anerormene obda, chega-se à fórmula de Erlang-C ara a robabldade de uma chamada sofrer araso num ssema de esera P ( Δ > 0) = = 0!! ( α ) + B = α + Bα α! - número de canas = λ S /μ - ráfego oferecdo ao ssema α = / - ráfego oferecdo or canal (α < ) B - robabldade de bloqueo de um ssema de erda (Erlang-B) B =! = 0! nálse de ráfego em ssemas de esera 36 Se a fla de esera for de o FIFO, o araso Δ erá uma dsrbução exonencal P ( Δ ) = P( Δ > 0) > e ( ) Inegrando ara odos os valores obém-se o araso médo de odas as chamadas Consderando aenas as chamadas que sofrem araso, resula um araso médo Δ Δ>0 = d Esas equações são normalmene ulzadas ara dmensonar o número de canas (servdores) de um ssema, de forma a sasfazer objecvos de desemenho do o: uma cera robabldade de as chamadas que chegam ao ssema sofrerem um araso sueror a um dado valor; ou um cero valor do araso médo das chamadas. m m ( Δ > ) ( ) Δ = P 0 d ( ) d m

19 nálse de ráfego em ssemas de esera 37 Fla de esera fna ese caso o ssema raa as chegadas de rês formas dferenes: servço medao se um ou mas canas esver lvre; servço com araso se odos os canas esverem ocuados e menos de L eddos na fla de esera; bloqueo se a fla de esera esver reenchda com L eddos endenes. Esa suação corresonde ao caso geral, mas realsa, de um ssema com recursos fnos. Pode demonsrar-se que, ara ese ssema, a robabldade de araso é dada or P ( Δ > 0) =! α L! + α +! = 0 nálse de ráfego em ssemas de esera 38 robabldade de bloqueo ode ober-se aravés de B = = 0 L α α L+! α α + +! L α! = P α α L ( Δ > 0) α L+ O araso médo de odas as chamadas ode ser calculado ela exressão d m m ( Δ > ) ( ) ( d ) Δ = P 0 s dsrbuções de Erlang-B e Erlang-C corresondem a casos exremos da fla de esera de dmensão L: se L=0 obém-se a dsrbução de Erlang-B; se L obém-se a dsrbução de Erlang-C. L B

20 Bloqueo em ssemas de andares múllos 39 Técnca dos grafos de Lee O cálculo de robabldades de bloqueo em ssemas de andares múllos é nerenemene comlexo, odendo conudo recorrer-se a aroxmações, como a roosa or Lee (955) - smles e adequada a muos casos. Lgações báscas Consderam-se as segunes lgações báscas que consuem qualquer ssema: lgação dreca q = robabldade de esar ocuado robabldade de esar lvre lgação em aralelo n B robabldade de bloqueo B = n lgação em sére n B robabldade de bloqueo B = q n = ( n ) Bloqueo em ssemas de andares múllos 40 Marz de 3 andares Consdere-se uma marz x de 3 andares, com os segunes arâmeros de ráfego: axa de chegada de chamadas de cada fone λ duração méda das chamadas /µ robabldade de ocuação das enradas =λ/(λ+μ) (dsrbução bnomal). Os andares são nerlgados enre s como se ndca na fgura /n marzes n marzes /n /n /n marzes n enradas n /n /n n saídas =λ/(λ+μ) n /n /n n Marz de comuação de rês andares

21 Bloqueo em ssemas de andares múllos 4 O grafo de robabldades resulane vrá ' ' ' ' ' ' = λ / (λ + μ) ' = (n / ) robabldade de bloqueo B da marz de 3 andares será enão ssume-se, nas lgações nermédas, robabldades de ocuação ' = (n / ) = / β ndeendenes enre s (β=/n é a razão de exansão). Esa aroxmação só é neramene válda se β = ; se houver exansão (β > ), à medda que cada vez mas rajecos são ocuados, os rajecos resanes são menos rováves de esar ocuados e B será calculado or excesso. O nverso ocorrerá se houver concenração (β < ). Grafo de robabldade de uma marz de 3 andares B = [ ( ' ) ] Bloqueo em ssemas de andares múllos 4 Marz de 5 andares Para uma marz de 5 andares a análse é dênca. n n n n n n n n n n n n n n n enradas n saídas n n n n n n n n n n n n n n Marz de comuação de 5 andares

22 Bloqueo em ssemas de andares múllos 43 n n = ( ) ( ) n = ( ) n = ( ) q = ( λ + ) = λ μ q = = = ( n ) ( n )( n ) Grafo de robabldade de uma marz de 5 andares robabldade de bloqueo da marz de 5 andares vrá B = [ ( q ) ] { q } Bloqueo em ssemas de andares múllos 44 nálse de Jacobaeus Uma aroxmação mas comlexa fo sugerda or Jacobaeus (950), conduzndo a resulados quase exacos, com exceção das suações de grande concenração e elevadas robabldades de bloqueo. análse realzada ara uma marz x de rês andares conduz à segune robabldade de bloqueo de chamadas (usando a noação aneror) Esa exressão é aroxmada, como se verfca ara = n -, a condção de Clos, ara a qual devera ser B = 0, obendo-se um valor muo equeno mas não nulo. o caso de n =, resula B =! B = ( n! ) ( ) ( ) n n! [ ] ( ) = ( ) ou seja, exacamene a aroxmação de Lee que, como se vu, era exaca ara n =.

23 Bloqueo em ssemas de andares múllos 45 lguns exemlos de comaração enre as aroxmações de Lee e Jacobaeus: Comaração de robabldades de bloqueo de uma marz de 3 andares n β=/n Equação de Lee Equação de Jacobeaus Comenáros E E E-06.5 E-05 Lee sub-esma E-08.4 E E E E-.9 E- Valores exacos Lee sub-esma Valores exacos E-04.7 E-05 Lee sobre-esma E E E E- Condção de Clos (B=0) Deve noar-se que as equações de Lee e Jacobaeus arás obdas se alcam aenas à suação de comuação de lnhas ndvduas: uma dada enrada é suosa ser lgada a uma dada saída (comuação de lnha). Pelo conráro, se uma qualquer enrada de um dado gruo de enrada uder ser comuada ara uma qualquer saída de um gruo de saída (comuação de gruo), as robabldades de bloqueo serão menores, exgndo-se uma análse dferene. 46 Inenconalmene em branco

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido

FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA. Héctor Arango José Policarpo G. Abreu Adalberto Candido FILTROS ATIVOS: UMA ABORDAGEM COMPARATIVA Hécor Arango José Polcaro G. Abreu Adalbero Canddo Insuo de Engenhara Elérca - EFEI Av. BPS, 1303-37500-000 - Iajubá (MG) e-mal: arango@ee.efe.rmg.br Resumo -

Leia mais

Análise Discriminante: classificação com 2 populações

Análise Discriminante: classificação com 2 populações Análse Dscrmnane: classcação com oulações Eemlo : Proreáros de coradores de rama oram avalados seundo duas varáves: Renda U$ ; Tamanho da roredade m. Eemlo : unção dscrmnane unvarada ~ ama4 4 3 e ~ ama8.5

Leia mais

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

ECONOMETRIA. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. ECONOMETRIA Prof. Parca Mara Borolon. Sc. Modelos de ados em Panel Fone: GUJARATI;. N. Economera Básca: 4ª Edção. Ro de Janero. Elsever- Campus 006 efnções Geras Nos dados em panel a mesma undade de core

Leia mais

Contabilometria. Números-Índices

Contabilometria. Números-Índices Coablomera Números-Ídces Foes: Seveso (1981) Esaísca Alcada à Admsração Ca. 15 Foseca, Mars e Toledo (1991) Esaísca Alcada Ca. 5 Números-Ídces Sezam modfcações em varáves ecoômcas durae um eríodo de emo

Leia mais

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal.

Gripe: Época de gripe; actividade gripal; cálculo da linha de base e do respectivo intervalo de confiança a 95%; e área de actividade basal. Grpe: Época de grpe; acvdade grpal; cálculo da lnha de ase e do respecvo nervalo de confança a 95%; e área de acvdade asal. ÉPOCA DE GRPE Para maor facldade de compreensão será desgnado por época de grpe

Leia mais

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil

3 Planejamento da Operação Energética no Brasil 3 Planeameno da Operação Energéca no Brasl 3.1 Aspecos Geras O ssema elérco braslero é composo por dos dferenes pos de ssemas: os ssemas solados, os quas predomnam na regão Nore do Brasl e represenam cerca

Leia mais

Avaliação de Métodos de Interpolação do Sinal de Variabilidade da Freqüência Cardíaca

Avaliação de Métodos de Interpolação do Sinal de Variabilidade da Freqüência Cardíaca Avalação de Méodos de Inerolação do Snal de Varabldade da Freqüênca Cardíaca João Luz Azevedo de Carvalho, Oávo Sérgo de Araúo e Noguera, Adson Ferrera da Rocha, Francsco Asss de Olvera Nascmeno, João

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA MODELO DE APOIO À DECISÃO PARA UM PROBLEMA DE POSICIONAMENTO DE BASES, ALOCAÇÃO E REALOCAÇÃO DE AMBULÂNCIAS EM CENTROS URBANOS: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO RESUMO Ese argo apresena uma proposa

Leia mais

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices

S&P Dow Jones Indices: Metodologia da matemática dos índices S&P Dow Jones Indces: Meodologa da maemáca dos índces S&P Dow Jones Indces: Meodologa do índce Ouubro 2013 Índce Inrodução 3 Dferenes varedades de índces 3 O dvsor do índce 4 Índces ponderados por capalzação

Leia mais

Módulo 2: Métodos Numéricos. (problemas de valores iniciais e problemas de condições-fronteira)

Módulo 2: Métodos Numéricos. (problemas de valores iniciais e problemas de condições-fronteira) Módulo : Méodos Numércos Equações dferencas ordnáras problemas de valores ncas e problemas de condções-fronera Modelação Compuaconal de Maeras -5. Equações dferencas ordnáras - Inrodução Uma equação algébrca

Leia mais

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras

Análise do Desempenho dos Gestores de Fundos, baseada nas Transações e nas Participações das Carteiras Vâna Sofa Sequera Umbelno Análse do Desempenho dos Gesores de Fundos, baseada nas Transações e nas Parcpações das Careras Dsseração de Mesrado apresenado à Faculdade de Economa da Unversdade de Combra

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4.

CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013. Padrão. Padrão. max i. I - F = fator estabelecido no art. 4º da Resolução nº 4. CIRCULAR Nº 3.634, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Esabelece os procedmenos para o cálculo da parcela dos avos ponderados pelo rsco (RWA) referene às exposções sueas à varação de axas de uros prefxadas denomnadas

Leia mais

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z)

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z) Exemplo pág. 28 Aplcação da dsrbução ormal Normal reduzda Z=(9 2)/2=,5 Φ( z)= Φ(z) Subsudo valores por recurso à abela da ormal:,9332 = Φ(z) Φ(z) =,668 Φ( z)= Φ(z) Φ(z) =,33 Φ(z) =,977 z = (8 2)/2 = 2

Leia mais

CAPÍTULO 4. Vamos partir da formulação diferencial da lei de Newton

CAPÍTULO 4. Vamos partir da formulação diferencial da lei de Newton 9 CPÍTUL 4 DINÂMIC D PRTÍCUL: IMPULS E QUNTIDDE DE MVIMENT Nese capíulo será analsada a le de Newon na forma de negral no domíno do empo, aplcada ao momeno de parículas. Defne-se o conceo de mpulso e quandade

Leia mais

Palavras-Chave: Eficiência de Mercado, Modelo de Valor Presente, Testes de Cointegração em Painéis Dinâmicos.

Palavras-Chave: Eficiência de Mercado, Modelo de Valor Presente, Testes de Cointegração em Painéis Dinâmicos. TÍTULO: ANÁLISE DO MODELO DE VALOR PRESENTE ENTRE PREÇOS DAS AÇÕES E DIVIDENDOS PARA O MERCADO FINANCEIRO NO BRASIL: EVIDÊNCIA BASEADA NOS DADOS EM PAINEL DINÂMICO. Auora: Parca Maríla Rcomn e Almeda,

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido.

Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. Erro! Indicador não definido. A Prevsão com o Modelo de Regressão.... Inrodução ao Modelo de Regressão.... Exemplos de Modelos Lneares... 3. Dervação dos Mínmos Quadrados no Modelo de Regressão... 6 4. A Naureza Probablísca do Modelo

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Comunicação Serial Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Comunicação Serial Vitor Amadeu Souza Prgramaçã em ASIC para PIC Cmuncaçã Seral Vr Amadeu Suza Inrduçã Nesa quara sére relaand us d mkrasic para prgramar PIC, verems cm realzar a cmuncaçã seral enre PC e mcrcnrladr. A déa será lgar u deslgar

Leia mais

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo

5 Apreçamento de ESOs com preço de exercício fixo 5 Apreçameno de ESOs com preço de exercíco fxo Ese capíulo rá explorar os prncpas modelos de apreçameno das ESOs ulzados hoje em da. Neses modelos a regra de decsão é esruurada em orno da maxmzação do

Leia mais

Introdução à Computação Gráfica

Introdução à Computação Gráfica Inrodução à Compuação Gráfca Desenho de Consrução Naval Manuel Venura Insuo Superor Técnco Secção Auónoma de Engenhara Naval Sumáro Represenação maemáca de curvas Curvas polnomas e curvas paramércas Curvas

Leia mais

Instituto de Física USP. Física V Aula 30. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física V Aula 30. Professora: Mazé Bechara Insuo de Físca USP Físca V Aula 30 Professora: Maé Bechara Aula 30 Tópco IV - Posulados e equação básca da Mecânca quânca 1. Os posulados báscos da Mecânca Quânca e a nerpreação probablísca de Ma Born.

Leia mais

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro

Interpolação e Extrapolação da Estrutura a Termo de Taxas de Juros para Utilização pelo Mercado Segurador Brasileiro Inerpolação e Exrapolação da Esruura a Termo de Taxas de Juros para Ulzação pelo Mercado Segurador Braslero Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc.,

Leia mais

CONVERSORES CC-CC Aplicações: Controlo de motores de CC-CC Fontes de alimentação comutadas Carga de baterias bateria

CONVERSORES CC-CC Aplicações: Controlo de motores de CC-CC Fontes de alimentação comutadas Carga de baterias bateria CÓNCA PÊNCA Aplcações: CN CC-CC CN CC-CC Crolo de moores de CC-CC Fes de almenação comuadas Carga de baeras ensão cínua de enrada moor de correne cínua crolo e comando baera ede CA ecfcador não crolado

Leia mais

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela

Esta monografia é dedicada a Letícia e aos meus pais, João e Adelangela Esa monografa é dedcada a Leíca e aos meus pas, João e Adelangela Agradecmenos Gosara de agradecer ao Prof. Vrgílo, pelo apoo e orenação dados durane ese e ouros rabalhos. Agradeço ambém a meus colegas

Leia mais

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo

Denilson Ricardo de Lucena Nunes. Gestão de suprimentos no varejo Denlson Rcardo de Lucena Nunes Gesão de suprmenos no varejo semas de reposção de esoques em duas camadas e análse de esquemas de monorameno da prevsão de demanda Tese de Douorado Tese apresenada ao programa

Leia mais

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica

Gestão de uma Carteira de Activos de Produção de Energia Eléctrica Gesão de uma Carera de Acvos de Produção de Energa Elécrca Invesmeno na ópca da Teora da Carera Mara Margarda D Ávla Duro de Sousa e Slva Dsseração para a obenção do Grau de Mesre em Engenhara e Gesão

Leia mais

SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS

SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS SELECÇÃO DE MOTORES ELÉCTRICOS FACTORES QUE INFLUEM NA SELECÇÃO DO MOTOR ELÉCTRICO CARGA ACCIONADA E CARACTERÍSTICAS DE SERVIÇO Diagramas de carga: oência e/ ou binário requeridos e sua variação. Classe

Leia mais

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha)

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha) Estatístca p/ Admnstração II - Profª Ana Cláuda Melo Undade : Probabldade Aula: 3 Varável Aleatóra. Varáves Aleatóras Ao descrever um espaço amostral de um expermento, não especfcamos que um resultado

Leia mais

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS

7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS 7. FILTROS PASSIVOS E ATIVOS São esudadas nese capíulo esruuras de crcuos capazes de mgar o problema de dsorção de correnes e/ou ensões em ssemas elércos. Inca-se com os flros passvos, verfcando alguns

Leia mais

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 3. Lagrangeano Princípio da Mínima Ação Exemplos

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 3. Lagrangeano Princípio da Mínima Ação Exemplos MECÂNICA CÁSSICA AUA N o 3 agrangeano Prncípo da Mínma Ação Exemplos Todas as les da Físca êm uma esruura em comum: as les de uma parícula em movmeno sob a ação da gravdade, o movmeno dado pela equação

Leia mais

2. A Medição da Actividade Económica Grandezas Nominais e Reais e Índices de Preços

2. A Medição da Actividade Económica Grandezas Nominais e Reais e Índices de Preços 2. A Medção da Acvdade Económca 2.4. Grandezas Nomnas e Reas e Índces de Preços Ouubro 2007, nesdrum@fe.u. Sldes baseados no guão dsonível no se da cadera 1 2.4. Grandezas Nomnas e Reas e Índces de Preços

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PROGRAMAÇÃO SEMAFÓRICA

FUNDAMENTOS DA PROGRAMAÇÃO SEMAFÓRICA Lus Vlanova * FUNDMENOS D PROGRMÇÃO SEMFÓRIC resentação Este artgo detalha os rmeros assos da teora de cálculo da rogramação semafórca de um semáforo solado, deduzndo as equações báscas do temo de cclo

Leia mais

Análise da Confiabilidade de Componentes Não Reparáveis

Análise da Confiabilidade de Componentes Não Reparáveis Análse da onfabldade de omponenes Não Reparáves. omponenes versus Ssemas! Ssema é um conjuno de dos ou mas componenes nerconecados para a realzação de uma ou mas funções! A dsnção enre ssema, sub-ssema

Leia mais

Física I. 2º Semestre de Instituto de Física- Universidade de São Paulo. Aula 5 Trabalho e energia. Professor: Valdir Guimarães

Física I. 2º Semestre de Instituto de Física- Universidade de São Paulo. Aula 5 Trabalho e energia. Professor: Valdir Guimarães Físca I º Semesre de 03 Insuo de Físca- Unversdade de São Paulo Aula 5 Trabalho e energa Proessor: Valdr Gumarães E-mal: valdrg@.usp.br Fone: 309.704 Trabalho realzado por uma orça consane Derenemene

Leia mais

8º CONGRESO IBEROAMERICANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre de 2007

8º CONGRESO IBEROAMERICANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre de 2007 8º CONGRESO IBEROAMERICANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Ocubre de 27 OPTIMIZAÇÃO DO PERÍODO DE SUBSTITUIÇÃO PREVENTIVA DE COMPONENTES EM FUNÇÃO DOS CUSTOS José Mendonça Dias *, José Gomes

Leia mais

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos:

(19) 3251-1012 O ELITE RESOLVE IME 2013 DISCURSIVAS FÍSICA FÍSICA. , devido à equação (1). Voltando à equação (2) obtemos: (9) - O LIT SOLV IM DISCUSIVS ÍSIC USTÃO ÍSIC sendo nula a velocdade vercal ncal v, devdo à equação (). Volando à equação () obemos:,8 ˆj ˆj b) Dado o momeno lnear da equação () obemos a velocdade na dreção

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia GERADOR DE SEQUÊNCIA

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia GERADOR DE SEQUÊNCIA Universidade do Algarve Faculdade de Ciências e Tecnologia Eng.ª Sisemas e Informáica 004/005 Circuios Inegrados Digiais GERADOR DE SEQUÊNCIA Trabalho elaborado or: Fernando Simão nº 0598 e-mail: a0598@ualg.

Leia mais

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES.

Avaliação Inter/Intra-regional de absorção e difusão tecnológica no Brasil: Uma abordagem não-paramétrica. AUTORES. Avalação Iner/Inra-regonal de absorção e dfusão ecnológca no Brasl: Uma abordagem não-paramérca. Palavras chave: Efcênca écnca Produvdade oal Varação ecnológca AUTORES Emerson Marnho ouor em Economa pela

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física def deparameno de físca Laboraóros de Físca www.def.sep.pp.p Equações de Fresnel Insuo Superor de Engenhara do Poro Deparameno de Físca Rua Dr. Anóno Bernardno de Almeda, 431 400-07 Poro. Tel. 8 340 500.

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010.

ANEXO III. Nota Técnica nº 148/2010-SRE/ANEEL Brasília, 24 de maio de 2010. ANEXO III Noa Técnca nº 148/21-SRE/ANEEL Brasíla, 24 de mao de 21. M E T O D O L O G I A E Á L U L O D O F A T O R X ANEXO II Noa Técnca n o 148/21 SRE/ANEEL Em 24 de mao de 21. Processo nº 485.269/26-61

Leia mais

Aula 3 - Classificação de sinais

Aula 3 - Classificação de sinais Processamento Dgtal de Snas Aula 3 Professor Marco Esencraft feverero 0 Aula 3 - Classfcação de snas Bblografa OPPENHEIM, AV; WILLSKY, A S Snas e Sstemas, a edção, Pearson, 00 ISBN 9788576055044 Págnas

Leia mais

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P

1. Introdução. B = S = Valor presente esperado dos superávits futuros (1) P . Inrodução A vsão radconal da deermnação do nível de preços é baseada na eora Quanava da Moeda. Segundo essa vsão o padrão de avdade real em uma economa mplca um cero nível desejado de encaxes moneáros

Leia mais

3 Teoria de imunização

3 Teoria de imunização 33 3 Teora de munzação Como fo vso, o LM é um gerencameno conuno de avos e passvos como o nuo de dmnur ou aé elmnar os rscos enfrenados pelas nsuções fnanceras. Deses rscos, o rsco de axa de uros represena

Leia mais

x () ξ de uma variável aleatória X ser um número real, enquanto que uma realização do

x () ξ de uma variável aleatória X ser um número real, enquanto que uma realização do 3 Snas Aleaóros em empo Conínuo. Pare II: Modelos de Fones de Informação e de uído. No capíulo aneror vemos oporundade de recordar os conceos báscos da eora das probabldades e das varáves aleaóras. Nese

Leia mais

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia

Autoria: Josilmar Cordenonssi Cia Uma Possível Solução para o Equy Premum Puzzle (EPP Auora: Joslmar Cordenonss Ca Resumo MEHRA e PRESCO (985 levanaram uma quesão que aé hoje não fo respondda de forma sasfaóra: o prêmo de rsco das ações

Leia mais

Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos

Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos onceos Báscos de rcuos lércos. nrodução Nesa aposla são apresenados os conceos e defnções fundamenas ulzados na análse de crcuos elércos. O correo enendmeno e nerpreação deses conceos é essencal para o

Leia mais

7. VENTILADORES INTRODUÇÃO CAMPOS DE APLICAÇÃO

7. VENTILADORES INTRODUÇÃO CAMPOS DE APLICAÇÃO 7. ENTILADORES INTRODUÇÃO eniladores são máquinas de fluxo geradoras que ransmiem a energia mecânica recebida do eixo ara o fluido (gás). Seu funcionameno é similar às bombas, sendo a rincial diferença

Leia mais

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A.

Despacho n.º 13/06. 2. A presente resolução entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. João Renato Lima Presidente do C.A. Despacho n.º 13/06 De enre as arbuções da Agênca de Regulação Económca desaca-se a compeênca de fxar as arfas e os mecansmos de reajuses a serem pracados pela oncessonára do servço públco de ranse e dsrbução

Leia mais

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN

DINÂMICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS COM O FILTRO DE KALMAN XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DINÂICA E PREVISÃO DE PREÇOS DE COODITIES AGRÍCOLAS CO O FILTRO DE KALAN Flávo Pnhero Corsn (POLI-USP) flavo.corsn@gmal.com Celma de Olvera Rbero (POLI-USP)

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa TERMODINÂMICA APLICADA.

Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa TERMODINÂMICA APLICADA. ERMODINÂMICA APLICADA Deartamento de Engenhara Geográfca, Geofísca e Energa Faculdade de Cêncas da Unversdade de Lsboa ERMODINÂMICA APLICADA Programa. Concetos báscos da ermodnâmca. 2. Prncío Zero da termodnâmca.

Leia mais

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década

Desconcentração e interiorização da economia fluminense na última década DSCONCNTRAÇÃO INTRIORIZAÇÃO DA CONOMIA FLUMINNS NA ÚLTIMA DÉCADA PAULO MARCLO SOUZA; NIRALDO JOSÉ PONCIANO; MARLON GOMS NY; HNRIQU TOMÉ MATA; UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA SALVADOR - BA - BRASIL pmsouza@uenf.br

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Modelagem Analítica. Disciplina: Variável Aleatória

Departamento de Informática. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Modelagem Analítica. Disciplina: Variável Aleatória Departamento de Informátca Dscplna: do Desempenho de Sstemas de Computação Varável leatóra Prof. Sérgo Colcher colcher@nf.puc-ro.br Varável leatóra eal O espaço de amostras Ω fo defndo como o conjunto

Leia mais

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos

Análise RFV do Cliente na Otimização de Estratégias de Marketing: Uma Abordagem por Algoritmos Genéticos Análse RFV do Clene na Omzação de Esraégas de Markeng: Uma Abordagem por Algormos Genécos Anderson Gumarães de Pnho Ponfíca Unversdade Caólca do Ro de Janero Ro de Janero RJ Brasl agp.ne@gmal.com 1. Inrodução

Leia mais

CAPITAL ADICIONAL RELATIVO AO RISCO DE SUBSCRIÇÃO DAS SOCIEDADES DE CAPITALIZAÇÃO

CAPITAL ADICIONAL RELATIVO AO RISCO DE SUBSCRIÇÃO DAS SOCIEDADES DE CAPITALIZAÇÃO Relaóro CGSOA/CORIS Caal Adconal Relavo ao Rco de Sbcrção da Socedade de Caalzação CAPITAL ADICIOAL RELATIVO AO RISCO DE SUBSCRIÇÃO DAS SOCIEDADES DE CAPITALIZAÇÃO RELATÓRIO Sernendênca de Segro Prvado

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMPÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO AULO THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA DO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SÃO AULO 28 THIAGO CAIUBY GUIMARÃES TESTES EMÍRICOS DA EFICIÊNCIA

Leia mais

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE

HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE Pesqusa Operaconal e o Desenvolvmeno Susenável 7 a /9/5, Gramado, RS HEURÍSTICA PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUE André Luís Shguemoo Faculdade de Engenhara Elérca e Compuação Unversdade Esadual

Leia mais

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU 1 PUCPR- Ponfíca Unversdade Caólca Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informáca Aplcada PROF. DR. JACQUES FACON IMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WUU Resumo: Uma nova écnca de marzação baseada em

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização

Renda Básica da Cidadania versus Imposto de Renda Negativo: O Papel dos Custos de Focalização Renda Básca da Cdadana versus Imposo de Renda Negavo: O Papel dos Cusos de Focalzação Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Re s u m o O presene argo procura comparar duas polícas socas alernavas de combae

Leia mais

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes

A estrutura a termo de taxas de juros no Brasil: modelos, estimação, interpolação, extrapolação e testes A esruura a ermo de axas de juros no Brasl: modelos, esmação, nerpolação, exrapolação e eses Sergo Lus Frankln Jr. Thago Baraa Duare César da Rocha Neves + Eduardo Fraga L. de Melo ++ M.Sc., SUSEP/CGSOA

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

MODELOS VAR, TAXAS DE JURO E INFLAÇÃO

MODELOS VAR, TAXAS DE JURO E INFLAÇÃO MODELOS VAR, TAXAS DE JURO E INFLAÇÃO Jorge Caiado. INTRODUÇÃO Os méodos esruurais de modelização de equações simulâneas usam a eoria económica ara descrever as relações enre imoranes variáveis económicas.

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

5945851-1 Psicologia Conexionista Antonio Roque Aula 6. A Adaline

5945851-1 Psicologia Conexionista Antonio Roque Aula 6. A Adaline 594585- Pscologa Conexonsta Antono Roque Aula 6 A Adalne Poucos meses aós a ublcação do teorema da convergênca do Percetron or Rosenblatt, os engenheros da Unversdade de Stanford Bernard Wdrow (99 ) e

Leia mais

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005

Impacto da Educação Defasada sobre a Criminalidade no Brasil: 2001-2005 1 Impaco da Educação Defasada sobre a Crmnaldade no Brasl: 2001-2005 Evandro Camargos Texera Ana Lúca Kassouf Seembro, 2011 Workng Paper 010 Todos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal ou negral

Leia mais

Belém Pará (Março de 2012)

Belém Pará (Março de 2012) Pardade Descobera da Taxa de Juros da Economa Braslera num Ambene de Crse Fnancera Mundal: Teora e Evdênca Empírca Davd Ferrera Carvalho(*) Resumo O argo em como propóso avalar o efeo da recene políca

Leia mais

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO

CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO CÁLCULO DE ÍNDICES DE CONFIABILIDADE EM SISTEMAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA USANDO UM ALGORITMO GENÉTICO MODIFICADO RODRIGO ALBUQUERQUE, ANSELMO RODRIGUES, MARIA G. DA SILVA. Grupo de Ssemas de Poênca, Deparameno

Leia mais

SINTONIA DE CONTROLADORES P.I.D. João Lourenço Realizado em Janeiro de 96 e revisto em Janeiro de 97

SINTONIA DE CONTROLADORES P.I.D. João Lourenço Realizado em Janeiro de 96 e revisto em Janeiro de 97 SINTONIA DE CONTROLADORES P.I.D. João Lourenço Realzado em Janero de 96 e revsto em Janero de 97 O resente texto retende, ncalmente, dar a conhecer quas as característcas rncas das váras acções de controlo,

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO L IRUITOS LÉTRIOS 8 UNIFI,VFS, Re. BDB PRT L IRUITOS LÉTRIOS NGNHRI D OMPUTÇÃO PÍTULO 5 PITORS INDUTORS: omporameno com Snas onínuos e com Snas lernaos 5. INTRODUÇÃO Ressor elemeno que sspa poênca. 5.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO

ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO ESTUDO COMPARATIVO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO PARA A ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SUZANO Roque Passos Pvel Escola Polécnca da Unversdade de São Paulo - EPUSP Pedro Alem Sobrnho Escola Polécnca da Unversdade

Leia mais

Portfelio Sharpe Três lideres

Portfelio Sharpe Três lideres Portfelo Share Três lderes Consderemos uma teora de ortfólo de alcatvos ara a cração de nstrumentos comlexos. este artgo, vamos mostrar como odemos crar uma cartera de comérco, mlementada utlzando tecnologas

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II E.N.I.D.H. Deparameno de Radioecnia APONTAMENTOS DE ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II (Capíulo 2) José Manuel Dores Cosa 2000 42 ÍNDICE Inrodução... 44 CAPÍTULO 2... 45 CONVERSORES COMUTADOS DE CORRENTE CONTÍNUA...

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15.

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15. Economia e Finanças Públicas Aula T21 6.3 Resrição Orçamenal, Dívida Pública e Susenabilidade 6.3.1 A resrição orçamenal e as necessidades de financiameno 6.3.2. A divida pública 6.3.3 A susenabilidade

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 03 Métodos Cinéticos

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 03 Métodos Cinéticos Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos Irodução O esudo ciéico, usualmee, é feio a arir de dados exerimeais coleados durae a evolução de uma reação química. Eses dados coleados

Leia mais

REDUÇÃO DE DIMENSIONALIDADE ATRAVÉS DUMA ANÁLISE EM COMPONENTES PRINCIPAIS: UM CRITÉRIO PARA O NÚMERO DE COMPONENTES PRINCIPAIS A RETER

REDUÇÃO DE DIMENSIONALIDADE ATRAVÉS DUMA ANÁLISE EM COMPONENTES PRINCIPAIS: UM CRITÉRIO PARA O NÚMERO DE COMPONENTES PRINCIPAIS A RETER REDUÇÃO DE DIMENSIONALIDADE ATRAVÉS DUMA ANÁLISE EM COMPONENTES PRINCIPAIS: UM CRITÉRIO PARA O NÚMERO DE COMPONENTES PRINCIPAIS A RETER REDUCING DIMENSIONALITY BY MEANS OF A PRINCIPAL COMPONENT ANALYSIS:

Leia mais

directa: Simulação de

directa: Simulação de Deparameno de Engenhara Elecroécnca Comuncação sem fos 007 / 008 Mesrado Inegrado em Engenhara Elecroécnca e Compuadores 4º ano 7º semesre Ssemas de espalhameno especral por sequênca dreca: Smulação de

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana

Arbitragem na Estrutura a Termo das Taxas de Juros: Uma Abordagem Bayesiana Arbragem na Esruura a ermo das axas de Juros: Uma Abordagem Bayesana Márco Pole Laurn Armêno Das Wesn Neo Insper Workng Paper WPE: / Copyrgh Insper. odos os dreos reservados. É probda a reprodução parcal

Leia mais

O díodo. Dispositivo de dois terminais

O díodo. Dispositivo de dois terminais eparameno de Engenhara Elecroécnca (EE) sposvo de dos ermnas Ânodo O díodo Cáodo Componene elemenar não-lnear ulzado em crcuos muo varados Aplcações: conversores de poênca AC/C recfcadores, processameno

Leia mais

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA

ipea COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA COEFICIENTES DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NA INDÚSTRIA Paulo Mansur Levy Mara Isabel Fernans Serra Esa noa em como objevo dvulgar resulados relavos ao comporameno das exporações e mporações produos ndusras

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE CONDUÇÃO DE CALOR POR DECOMPOSIÇÃO DE DOMÍNIO

SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE CONDUÇÃO DE CALOR POR DECOMPOSIÇÃO DE DOMÍNIO SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE CONDUÇÃO DE CALOR POR DECOMPOSIÇÃO DE DOMÍNIO Idalmis Milián Sardiña 1 Luiz Nélio Henderson 2 Anônio J. Silva Neo 3 Insiuo Poliécnico UERJ, CP 97282, CEP 28601-970, Nova Friburgo,

Leia mais

Sumário, aula 6. Curva da procura. Curva da procura. Curva da procura. Curva da procura

Sumário, aula 6. Curva da procura. Curva da procura. Curva da procura. Curva da procura Sumáro, aula 6 ) Mercado Curva da Procura Agregação das curvas ndvduas Equlíbro de mercado (concorrênca erfeta) Já sabemos que os agentes económcos são esecalzados Produzem muta quantdade de oucos BS Consomem

Leia mais

Estatística I Licenciatura MAEG 2006/07

Estatística I Licenciatura MAEG 2006/07 Estatístca I Lcencatura MAEG 006/07 AMOSTRAGEM. DISTRIBUIÇÕES POR AMOSTRAGEM.. Em determnada unversdade verfca-se que 30% dos alunos têm carro. Seleccona-se uma amostra casual smples de 0 alunos. a) Qual

Leia mais

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL

PREVISIBILIDADE NO MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA NO BRASIL Salvador, BA, Brasl, 08 a de ouubro de 03. PREVISIBILIDADE O MERCADO DE COMMODITIES: UM ESTUDO APLICADO AO PREÇO DA SOJA O BRASIL Everon Anger Cavalhero (UFPEL ) ecavalhero@cvsm.com.br Kelmara Mendes Vera

Leia mais

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza?

Renda Básica da Cidadania ou Imposto de Renda Negativo: Qual o Mais Eficiente no Combate a Pobreza? Renda Básca da Cdadana ou Imposo de Renda Negavo: Qual o Mas Efcene no Combae a Pobreza? Auores Nelson Leão Paes Marcelo Leer Squera Ensao Sobre Pobreza Nº 12 Feverero de 2008 CAEN - UFC 1 Renda Básca

Leia mais

(em Redes de Acesso Móvel Celular)

(em Redes de Acesso Móvel Celular) Omzaçã de arfas (em edes de cess Móvel Celular) LGOITMO GEÉTICO PLICDO O POLEM DE TIFÇÃO EM EDES DE COMUICÇÕES MÓVEIS CELULES lexandre Sree e run Flach sree@g.cm.br e brunflach@yah.cm Pnfíca Unversdade

Leia mais

Inferência Bayesiana Aplicada ao Desenvolvimento de Modelos Neurais para Tratamento de Alarmes em Subestações

Inferência Bayesiana Aplicada ao Desenvolvimento de Modelos Neurais para Tratamento de Alarmes em Subestações Inferênca Bayesana Aplcada ao Desenvolvmeno de Modelos Neuras para Traameno de Alarmes em Subesações Vor Huo Ferrera, Julo esar Saccn de Souza e Mlon Brown Do ouo Flo Absrac-- Ts wor nvesaes e applcaon

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

AEP FISCAL ESTATÍSTICA

AEP FISCAL ESTATÍSTICA AEP FISCAL ESTATÍSTICA Módulo 11: Varáves Aleatóras (webercampos@gmal.com) VARIÁVEIS ALEATÓRIAS 1. Conceto de Varáves Aleatóras Exemplo: O expermento consste no lançamento de duas moedas: X: nº de caras

Leia mais

QUEBRA ESTRUTURAL, MODELAGEM E PREVISÃO DO PREÇO DO CAFÉ BRASILEIRO

QUEBRA ESTRUTURAL, MODELAGEM E PREVISÃO DO PREÇO DO CAFÉ BRASILEIRO 1 QUEBRA ESTRUTURAL, MODELAGEM E PREVISÃO DO PREÇO DO CAFÉ BRASILEIRO Carlos Enrique Carrasco Guierrez Douor em Economia ela Fundação Geúlio Vargas - RJ E-mail: carlosenrique@ucb.br Universidade Caólica

Leia mais