Gestão de estoque no setor de varejo calçadista: Abordagem via Análise Multivariada e Teoria do Controle Ótimo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de estoque no setor de varejo calçadista: Abordagem via Análise Multivariada e Teoria do Controle Ótimo"

Transcrição

1 UNVERSDADE ESTADUAL PAULSTA JULO DE MESQUTA FLHO FACULDADE DE ENGENHARA DE BAURU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARA DE PRODUÇÃO PAULO NOCERA ALVES JUNOR Gesão de esoque no seor de varejo alçadisa: Abordagem via Análise Mulivariada e Teoria do Conrole Óimo Bauru 04

2 PAULO NOCERA ALVES JUNOR Gesão de esoque no seor de varejo alçadisa: Abordagem via Análise Mulivariada e Teoria do Conrole Óimo Disseração apresenada ao Programa de Pós- Graduação em Engenaria de Produção, da Fauldade de Engenaria da UNESP, Campus de Bauru, omo requisio para obenção do íulo de Mesre em Engenaria de Produção. Área de onenração: Gesão de Operações e Sisemas Orienadora: Profª. Drª. Gladys Doroea Casire Barriga Bauru 04

3 Alves Junior, Paulo Noera. Gesão de esoque no seor de varejo alçadisa: Uma abordagem via Análise Mulivariada e Teoria do Conrole Óimo / Paulo Noera Alves Junior, f. Orienador: Gladys Doroea Casire Barriga Disseração Mesrado Universidade Esadual Paulisa. Fauldade de Engenaria, Bauru, 04. Conrole de esoque.. Análise Mulivariada. 3. Teoria do Conrole Óimo. 4. Varejo. 5. Calçados.. Universidade Esadual Paulisa. Fauldade de Engenaria.. Tíulo.

4

5

6 DEDCO ese rabalo aos meus pais, Paulo e Marisa, que sempre me apoiaram durane odos esses anos.

7 AGRADECMENTOS Agradeço, iniialmene, à Prof.ª Dr.ª Gladys Doroea Casire Barriga, pela orienação; Ao Prof. Dr. Carbel José Ciappea Jabbour, pelo auxílio; Ao Prof. Dr. Anônio Fernando Crepaldi, pela aenção; Ao Prof. Dr. José de Souza Rodrigues e ao Prof. Dr. Moair Godino Filo, pelas onribuições em meu exame de Qualifiação; Aos amigos e familiares, por orerem por mim; Aos professores do Deparameno de Engenaria de Produção da UNESP de Bauru/SP, pelos ensinamenos; Aos funionários da Seção de Pós-Graduação da Fauldade de Engenaria da UNESP de Bauru/SP, pelo apoio onedido; A odos que, direa ou indireamene, onribuíram para a realização dese rabalo; Finalmene, à CAPES, pelo apoio finaneiro.

8 Aquilo que não puderes onrolar, não ordenes. Sóraes

9 RESUMO Um esoque inadequado pode inviabilizar um negóio, e uma araerização pode influeniar em seu onrole e gesão. O objeivo dese rabalo é avaliar a gesão de esoque do seor de varejo alçadisa aravés do auxílio de énias de Análise Mulivariada e da Teoria do Conrole Óimo. Foi apliada a Análise Mulivariada om a finalidade de riar índies para araerizar as lojas de alçados; riar uma função disriminane para avaliar a diferença enre grupos de lojas om e sem exesso de esoque; uilizar esa função para lassifiar novas lojas nesses grupos; verifiar os grupos de lojas e adapar um modelo de onrole de esoque om a Teoria do Conrole Óimo de Sei e Tompson 006. Para isso foram uilizados quesionários para olear dados de 30 lojas da região polo do inerior do Esado de São Paulo, que foram divididas em grupos. Uilizando análise mulivariada o rabalo ria dois índies de segurança aravés de omponenes prinipais, para araerizar as lojas e as variáveis mais imporanes, e aravés da análise disriminane ria uma função disriminane linear de Fiser para avaliar diferença signifiaiva enre grupos e lassifiar as lojas, para que fuuras lojas possam ser aloadas aos grupos que em exesso de esoque ou um nível adequado. Já a Teoria do Conrole Óimo foi uilizada para adapar um modelo de onrole óimo de esoque para o seor de varejo alçadisa. Foi feia uma apliação om dados reais das 30 lojas para a análise mulivariada e de uma loja para o modelo adapado do seor de varejo alçadisa do polo de Frana, e análise de sensibilidade do modelo. Com isso os objeivos foram alançados e ese esudo pode servir de apoio a esudos sobre gereniameno de esoque e auxiliar à omada de deisão de lojas do seor, para orná-las mais ompeiivas. Palavras-ave: Conrole de esoque, Análise Mulivariada, Teoria do Conrole Óimo, Análise de Sensibilidade, Calçados.

10 ABSTRACT nappropriae invenory may ollapse a business, and a araerizaion an influene is onrol and managemen. Te aim of is paper is o evaluae e invenory managemen of e reail foowear seor roug mulivariae analysis eniques and e Opimal Conrol Teory. Teniques of Mulivariae Analysis was applied in order o reae indexes o araerize e foowear sores, reae a disriminan funion o evaluae e differene beween groups wi and wiou exess invenory and alloae fuure sores o e groups; verifying e groups of sores; and adaping a model of invenory onrol wi Opimal Conrol Teory of Sei and Tompson 006. Quesionnaires were adminisered o 30 sores a e region of a foowear pole on e sae of São Paulo, wi were divided ino groups. Using mulivariae analysis, e paper reaes wo safey indexes, roug prinipal omponens, o araerize e foowear sores and e mos imporan variables and, roug disriminan analysis, reaing a Fiser s linear disriminan funion o evaluae a signifian differene beween e groups, lassifying e sores, so fuure sores an be alloaed o e groups wi exess invenory or adequae invenory level. Te Opimal Conrol Teory was used o adap a model of opimal invenory onrol o e reail foowear seor. An appliaion was made wi aual daa from 30 sores using mulivariae analysis, and a sore of e reail foowear seor of e region of Frana using e adaped model, and e sensiiviy analysis of e model. Te objeives were aieved and is sudy an suppor sudies on invenory managemen and assis e deision-making of sores, making em more ompeiive. Keywords: nvenory Conrol, Mulivariae Analysis, Opimal Conrol Teory, Sensiiviy Analysis, Foowear.

11 LSTA DE FGURAS Figura Esruura da disseração 0 Figura Gráfio dos auovalores Sree-Plo 55 Figura 3 Esores da ª e ª omponenes 58 Figura 4 Dendograma - Méodo Ward 64 Figura 5 Gráfio do onrole óimo,, P, S x. 7 Figura 6 Gráfio da função objeivo J. 73 Figura 7 Gráfio da função objeivo J om 0= Figura 8 Gráfio do onrole óimo,, P, S x variando 0±0%. 76 Figura 9 Gráfio da função objeivo J variando 0±0%. 76 Figura 0 Gráfio do onrole óimo,, P, S x variando ES±0%. 78 Figura Gráfio da função objeivo J variando ES±0%. 78 Figura Gráfio do onrole óimo,, P, S x variando Ps±0%. 80 Figura 3 Gráfio da função objeivo J variando Ps±0%. 80 Figura 4 Gráfio do onrole óimo,, P, S x variando ±0%. 8 Figura 5 Gráfio da função objeivo J variando ±0%. 8 Figura 6 Gráfio do onrole óimo,, P, S x variando ±0%. 83 Figura 7 Gráfio da função objeivo J variando ±0%. 84 Figura 8 Gráfio do onrole óimo,, P, S x variando grau de 3 a 6 86 Figura 9 Gráfio da função objeivo J variando grau de 3 a 6 86

12 LSTA DE TABELAS Tabela Desrição de funções, variáveis e parâmeros 5 Tabela Medidas resumo dos dados oleados 53 Tabela 3 Correlação enre variáveis 54 Tabela 4 Auovalores, variânia expliada e % aumulada 55 Tabela 5 Correlação enre omponenes prinipais e variáveis 57 Tabela 6 Medidas resumo do grupo G 60 Tabela 7 Medidas resumo do grupo G 60 Tabela 8 Média dos grupos e pono médio 6 Tabela 9 Verifiação da ipóese de diferença signifiaiva enre as médias dos grupos 6 Tabela 0 Resulados da lassifiação 63 Tabela Medidas resumo do grupo G da Análise de Agrupamenos 64 Tabela Medidas resumo do grupo G da Análise de Agrupamenos 65 Tabela 3 Esoques de Segurança médio e alulados 66 Tabela 4 Variações nas funções, variando o parâmero 0 em ±0% 75 Tabela 5 Variações nas funções, variando o parâmero ES em ±0% 77 Tabela 6 Variações nas funções, variando ±0% no parâmero Ps 79 Tabela 7 Variações nas funções, variando ±0% no parâmero 8 Tabela 8 Variações nas funções, variando ±0% no parâmero 83 Tabela 9 Variações nas funções, variando o grau do polinômio da previsão 85

13 LSTA DE ABREVATURAS E SGLAS DeLTv DvLTv DvLTv Demanda onsane e lead ime variando Demanda variando e lead ime variando segundo Brown Demanda variando e lead ime variando segundo Eppen e Marin

14 SUMÁRO. NTRODUÇÃO PROBLEMA DE PESQUSA...7. OBJETVOS JUSTFCATVA ESTRUTURA DA DSSERTAÇÃO...0. REVSÃO BBLOGRÁFCA..... REFERENCAL TEÓRCO BÁSCO Gesão de esoque Cusos Esoque de segurança Elemenos do onrole de esoque Gesão de demanda Previsão de demanda Conrole óimo Análise mulivariada Análise de omponenes prinipais Análise disriminane Análise de agrupamenos REVSÃO DE LTERATURA Gesão de esoque Conrole óimo Análise Mulivariada MÉTODO DE PESQUSA RESULTADOS ANÁLSE DE COMPONENTES PRNCPAS...53

15 4.. ANÁLSE DSCRMNANTE ANÁLSE DE AGRUPAMENTOS ESTOQUE DE SEGURANÇA CONTROLE ÓTMO Apliação no seor alçadisa Análise de sensibilidade CONSDERAÇÕES FNAS REFERÊNCAS... 9 APÊNDCES APÊNDCE A: QUESTONÁRO...97 APÊNDCE B: SOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CONTROLE ÓTMO...98 APÊNDCE C: MOVMENTO BROWNANO...04 APÊNDCE D: DEMONSTRAÇÃO DO DESVO PADRÃO DA DEMANDA DURANTE O LEAD TME PARA ESTOQUE DE SEGURANÇA...07

16 6. NTRODUÇÃO Modelos de onrole de esoque podem ser uilizados no auxílio à omada de deisão, omo, por exemplo, na deerminação de quano pedir, produzir, esoar, enre ouras. A omada de deisão envolve um grande número de faores que nem sempre em um mesmo valor na ora da esola, podendo fazer om que variáveis de grande influênia não sejam idenifiadas quando a deisão é omada apenas de forma inuiiva VCN, 005, enão é neessário uilizar ferramenas, méodos, oneio e desenvolver modelos que ornem o proesso deisório mais raional e om maiores anes de suesso. A ferramena esaísia de análise Mulivariada pode ser uilizada para raar as amosras de dados em grupos, ao invés de uilizar os dados omo um únio grupo, pois assim os dados fiam mais represenaivos e menos dispersos, ou seja, om melor qualidade MOOR; MARCONDES; ÁVLA, 00. Já a Teoria do Conrole Óimo, que serve para oimizar o onrole de sisemas dinâmios SETH; THOMPSON, 006, onsise, basiamene, em minimizar uma função objeivo, que geralmene é a soma dos usos quadráios em um sisema linear de onrole de esoque BERTSEKAS, 005. Um esoque inadequado pode inviabilizar um negóio, pois uma manuenção de esoque superesimada inorre em usos alos, que podem failmene superar a margem de luro do omeriane. Por exemplo: alçados femininos, por serem produos de moda, podem ser onsiderados omo se fossem produos pereíveis, já que a ada oleção primavera-verão e ouono-inverno o omeriane deve desfazer-se de odo o esoque, diminuindo o luro. ZAPAROLL, 009. No Brasil, o merado de alçados em um papel imporane e o segmeno ona om mais de ino mil indúsrias insaladas em quaro polos naionais: Vale dos Sinos do Rio Grande do Sul, inerior de São Paulo, Ceará e Baia SOUSA, 008. Os polos alçadisas do inerior do Esado de São Paulo esão onenrados, prinipalmene, nas idades de Frana, Jaú e Birigui, oneidas, omo as apiais dos alçados masulinos, femininos e infanis, respeivamene.

17 7 A produção naional benefiia o seor varejisa, mas, embora onar om a projeção de uma mara fore, produos exlusivos e realizar um bom aendimeno sejam faores imporanes ZAPAROLL, 009, isso não garane o suesso no varejo de alçados, pois o gereniameno adequado do esoque ambém é fundamenal ZAPAROLL, PROBLEMA DE PESQUSA Quando omparado om o seor indusrial, o seor varejisa no Brasil eve o desenvolvimeno ardio de seus méodos de gesão de esoques SUCUPRA, 003, que são imporanes para er maiores luros e menores usos, mas para isso é neessário saber omo onrolá-los. Segundo Passos 00, é omum no seor varejisa o uso do oneio de revisão periódia em modelos de onrole de esoque om um período de apuração de aé 3 meses, diminuindo a onfiabilidade do sisema em relação à revisão onínua, que, segundo Godino Filo e Fernandes 00, aumena o esoque médio, sendo onveniene para iens baraos e que não em impao signifiaivo sobre o uso de manuenção de esoque. No seor varejisa ambém é omum, segundo Suupira 003, o uso do oneio de loe eonômio para alular a quanidade a pedir, que, assim omo Godino Filo e Fernandes 00, faz ríias omenando a sua perda de relevânia. Segundo gnaiuk 03, a globalização do Merado e o aumeno da diversidade de produos aumenaram a inereza e a variabilidade da demanda, ornando-se mais difíil onsruir um plano efiiene de ressuprimeno de esoque, e as disânias, operando em grandes áreas, aumenam o lead ime. Uma possível solução é olar para esses problemas da perspeiva dos sisemas dinâmios e da eoria do onrole óimo. Segundo Kouvelis e Guierrez 997, do pono de visa de gesão de produção, a diferença de empo enre as esações de vendas no ano em um merado global de bens de esilo, omo por exemplo, é o aso de alçados, é uma oporunidade a ser explorada para aumenar a renabilidade, e esa siuação pode ser modelada om a Teoria do Conrole Óimo. Em se raando de modelos de onrole óimo no seor alçadisa, foi enonrado apenas o arigo de Kouvelis e Guierrez 997, que raa de um problema de pesquisa operaional amado de newsvendor, mas no merado global e om uma abordagem via

18 8 eoria do onrole óimo. No varejo, segundo Passos 00, é oporuna a elaboração de um modelo de gesão e onrole de esoque para ese seor. Com esse enendimeno, nese rabalo foi feia a seguine quesão: Como avaliar a gesão de esoque do seor de varejo alçadisa aravés da Análise Mulivariada e da Teoria de Conrole Óimo, para auxiliar a omada de deisão das lojas do seor, para aumenar o luro, reduzir os usos e orná-las mais ompeiivas?. OBJETVOS O presene rabalo em omo objeivo geral avaliar a gesão de esoque do seor de varejo alçadisa aravés do auxílio de énias de Análise Mulivariada e da Teoria do Conrole Óimo. Os objeivos espeífios do presene rabalo são: alçados; Criar índies aravés de Componenes Prinipais para araerizar as lojas de Criar uma função disriminane aravés de Análise Disriminane para avaliar a diferença enre grupos de lojas om e sem exesso de esoque e uilizar esas funções para lassifiar novas lojas nesses grupos; Considerar Análise de Agrupamenos para verifiar os grupos de lojas; Adapar um modelo de onrole óimo..3. JUSTFCATVA Ese rabalo pode servir de apoio a esudos sobre gereniameno de esoque, auxiliar à omada de deisão de lojas, ano no senido de diminuir o riso da fala de esoque, quano para que um gereniameno visando a proeção das vendas, não vena a impaar no exesso de esoque e não inorrer em usos e orná-las mais ompeiivas. Segundo Aguiar e Sampaio 03 pouos esudos sobre fala de esoque foram realizados no Brasil, mas essa rupura de esoque é reoneida omo sendo um problema

19 9 ríio no varejo, pois isso disore a previsão de demanda, aumenando os erros que resulam em perdas de reeia e invesimenos exagerados em esoque. Diversos modelos de onrole de esoque foram desenvolvidos por ouros pesquisadores e uilizados por seores indusriais nas úlimas déadas a fim de avaliar os esoques uilizando diferenes énias e oneios esaísios. Pouos rabalos mosram a apliação de Análise mulivariada em onrole de esoque. A uilização de Análise de Agrupamenos pode ser enonrada no rabalo de Moori, Marondes e Ávila 00, e de Componenes Prinipais no rabalo de Tornill e Naim 006. Ouros modelos uilizam o loe eonômio omo uma razoável aproximação, ou aé mesmo oimização, da quanidade a pedir ou produzir, mas o loe eonômio será óimo apenas quando algumas premissas forem saisfeias, omo, por exemplo, a demanda ser onsane e não exisir inerezas quano ao lead ime RTZMAN E KRAJEWSK, 007. Além dessas resrições, Godino Filo e Fernandes 00 riiam o loe eonômio, pois ele sempre leva a esoque remanesene e não balaneia o fluxo. Em omplemeno às énias esaísias mulivariadas apliadas em onrole de esoque, pode-se uilizar a eoria de onrole óimo. A eoria do onrole óimo esoásio lida om problemas envolvendo deisões dinâmias sob inerezas SLVA FLHO, 000, e esa eoria pode ser apliada aos modelos de onrole de esoque, para oimizar esse sisema dinâmio por exemplo: minimizando os usos assoiados a ele e auxiliar a omada de deisão nas empresas. A eoria do onrole óimo em sido bem esabeleida nas indúsrias omo um méodo de modelagem de onrole de esoque, omo pode ser observado nos rabalos de: Ceryan, Duenyas e Koren 0, Federgruen e Zeng 99, Hwang e Ko 99, Lamar e Kulkarni 006, Looskii e Mandel 979, Sana 00 e Sei e Tompson 006. Já as apliações de onrole óimo envolvendo o seor de varejo são pouas, e podem ser enonrado nos rabalos de Cen 00, Cen e Samroengraja 000, Fujiwara, Soewandi e Sedarage 997, Jorgensen e Kor 00, Tang, Xu e Zou 007, Xu, Yao e Zeng 0 e Zang e Lv 008. O únio rabalo enonrado sobre a apliação da Teoria do Conrole Óimo espeifiamene no seor alçadisa foi o rabalo de Kouvelis e Guierrez 997. No presene rabalo, o modelo adapado é diferene do modelo do arigo dos auores prinipalmene quano à modelagem das funções demanda, uso e objeivo.

20 0 Assim, a proposa desse rabalo onsise em uilizar Análise mulivariada para desenvolver modelos de omponenes prinipais, disriminanes e agrupamenos, idenifiar as variáveis mais imporanes, riar índies, lassifiar as lojas, riar uma função disriminane e verifiar os agrupamenos de lojas; e a Teoria do Conrole Óimo para desenvolver o modelo de onrole de óimo esoque e ober funções dinâmias óimas de quanidade a pedir e nível de esoque a se maner. Com isso, esa pesquisa pode ser jusifiada devido ao fao de que a deisão de qual modelo será uilizado pode ornar-se um diferenial na busa pela redução de usos ROSA; MAYERLE; GONÇALVES, 00, p ESTRUTURA DA DSSERTAÇÃO Ese rabalo esá esruurado onforme a Figura : Figura Esruura da disseração Fone: Elaborado pelo auor

21 O apíulo raa da revisão bibliográfia, onde são apresenados os oneios de gesão de esoque, gesão de demanda, onrole óimo e análise mulivariada; O apíulo 3 desreve a meodologia de pesquisa; No apíulo 4 são apresenados os resulados obidos; Por fim, o apíulo 5 apresena as onsiderações finais.

22 . REVSÃO BBLOGRÁFCA Ese apíulo raz ópios relaivos à Gesão e onrole de esoque, que é o ema enral dese rabalo; Gesão e previsão de demanda, que será uilizada para se ober a função de demanda previsa no modelo de onrole óimo; Teoria de Conrole óimo, para se ober as funções dinâmias óimas de pedido e esoque; e Análise Mulivariada, para deerminar os modelos de omponenes prinipais, para idenifiar as variáveis mais imporanes e riar os índies para avaliar se a loja onsegue aender a demanda om segurança, e de análise disriminane, para lassifiar as lojas nos grupos de lojas om e sem exesso de esoque, além da Análise de Agrupamenos. Os arigos reenes de ada sessão dese apíulo foram pesquisados a fim de se saber o esado da are de ada ema, mesmo que fora do seor de varejo alçadisa, pois exisem pouos rabalos sobre modelos de onrole de esoque no seor alçadisa, eoria do onrole óimo de esoque no varejo ou que relaionem análise mulivariada e onrole de esoque... REFERENCAL TEÓRCO BÁSCO Esa sessão raz o referenial eório básio sobre ópios relaivos à Gesão e onrole de esoque; Gesão e previsão de demanda; Teoria do Conrole óimo; e Análise Mulivariada.... Gesão de esoque Esoques são iens guardados por um empo para poserior onsumo dos lienes inernos ou exernos, ou seja, um buffer pulmão enre o suprimeno e a demanda GODNHO FLHO; FERNANDES, 00, p. 63 e exisirão sempre que ouver uma diferença enre a axa de forneimeno e a de demanda, sendo que, quando a axa de forneimeno for maior do que a de demanda, averá um aumeno do esoque; quando for menor, o esoque diminuirá SLACK; CHAMBERS; JOHNSTON, 008.

23 3 Segundo Hobbs, um esoque é jusifiado se voê, ao desfazer-se dele, iver de perder dineiro HOBBS, 976, p. 5, mas ambém é onveniene enar minimizar os níveis de esoque e, onsequenemene, os usos ALVES JUNOR, 0. Para fazer a gesão de esoque, segundo Fioriolli 00, é imporane levar algumas quesões em onsideração, omo: A freqüênia de avaliação dos esoques; A quanidade que deve ser pedida; O momeno em que deve ser pedido. O onrole de esoque feio aravés de um sisema de revisão onínua onsise em verifiar o nível de esoque resane sempre que ouver saída de maerial do esoque, para enão, aso o nível de esoque ainja o pono de ressuprimeno, repor uma deerminada quanidade de maerial CORREA, GANES e CAON, 009. Já a revisão periódia onsise em verifiar o nível de esoque periódiamene, e deerminar a quanidade a ser reposa para que o esoque ainja um nível máximo predeerminado CORREA, GANES e CAON, 009. Segundo Godino Filo e Fernandes 00, é onveniene usar o sisema de revisão periódia para iens baraos, pois não á impao signifiaivo sobre o uso de manuenção de esoque. Esudos reenes sobre gesão de esoque envolvem riérios de susenabilidade, omo pode ser viso em Bouery e al. 0, onrole de esoque no seor de varejo e ambiene online, omo pode ser viso em Arreola, Leng e Parlar 0, análise do impao na adeia de suprimenos uilizando orrelação anônia, omo pode ser viso em Caarsoogi e Heydari 00, e várias apliações de onrole óimo, omo pode ser viso em gnaiuk e Baroszewiz 0, que esuda o onrole óimo de esoque de produos que podem ser onsiderados pereíveis em sisemas de revisão periódia, e Keblis e Feng 0, que fizeram um esudo sobre onrole óimo de esoque em um sisema de monagem sob enomenda Make To Assembly, mas om omponenes para esoque Make To Sok, e Oliva 005, que ambém onsidera os usos de ranspore para a deisão de quano omprar para esoar.

24 4... Cusos Conforme Cing 999, Pozo 004 e Ballou 006 apud ALMEDA, 007, a função mais imporane do onrole de esoque é a adminisração dos níveis de esoques, sendo que os ipos prinipais de usos são: Cuso de pedido: ambém amado de uso de aquisição ou fixo, é o preço do proessameno de um pedido, inluindo o ranspore e a onferênia. Cuso de manuenção de esoque: é a ombinação dos usos envolvidos na manuenção do maerial em esoque uso de oporunidade, operação, oupação e obsolesênia: Ce C * i Onde: Ce é o Cuso de manuenção de esoque; C é o Cuso uniário do produo; e i é a Taxa de manuenção de esoque durane um período. Cuso de fala: são os usos oorridos quando ouver fala de esoque, omo os usos por perda de vendas, mulas, oiosidade, enre ouros: Cfala C * f Onde: Cfala é o Cuso de fala; C é o Cuso uniário do produo; e f é a Taxa de fala durane um período. Cuso oal: é a soma de odos os usos. De aordo om Almeida 007, omo á um alo uso assoiado a esoques, é eonomiamene viável adminisrá-los. Assim, é eonomiamene viável adminisrá-los para enar minimizar os usos assoiados ao pedido e à sua manuenção, e um esoque de segurança pode ser inorporado para que não falem iens e não inorra em usos de fala.... Esoque de segurança Exisem vários ipos de modelos de onrole de esoque onsiderados por vários auores, mas alguns apenas possuem nomes diferenes om a mesma formulação, por exemplo, o que Hobbs 976 ama de esoque para greves o que auores mais reenes, por

25 5 exemplo, Pozo 004 e Correa, Gianesi e Caon 009, amam de esoque de segurança ALVES JUNOR, 0. Em vários rabalos, ao onsiderar um modelo esoásio, assume-se que a demanda segue uma disribuição normal, ou uma aproximação de uma urva normal. Segundo Correa, Gianesi e Caon 009, o esoque de segurança pode ser alulado de forma mais geral uilizando uma abordagem probabilísia. Esoque de segurança abordagem probabilísia: ES FS * 3 DduraneLT de serviço; e Onde: ES é o esoque de segurança; FS é o faor de segurança em função do nível DduraneLT é o desvio-padrão da demanda durane o lead ime, que pode ser modelado de várias maneiras diferenes. probabilidade. O FS é alulado, em função do nível de serviço, om base na disribuição normal de O desvio-padrão da demanda durane o período do lead ime alulado, segundo Correa, Gianesi e Caon 009, das seguines formas: DduraneLT pode ser Desvio-padrão da demanda durane o lead ime om variação ano da demanda quano do lead ime probabilidade onjuna: DduraneLT D * LT D * LT LT * D 3. Desvio-padrão da demanda durane o lead ime om variação ano da demanda quano do lead ime movimeno browniano: DduraneLT D * LT LT * D 3. Desvio-padrão da demanda durane o lead ime om variação da demanda e lead ime onsane, ou seja, LT 0 : DduraneLT D * LT 3.3 Desvio-padrão da demanda durane o lead ime om demanda onsane e variação do lead ime, ou seja, D 0 :

26 6 D 3.4 DduraneLT LT * Onde: DduraneLT é o desvio-padrão da demanda durane o lead ime; D é a Demanda média; LT é o desvio-padrão do lead ime; LT é o lead ime de ressuprimeno; D é o desvio-padrão da demanda. lead ime As demonsrações das equações do desvio-padrão da demanda durane o período do DduraneLT esão no Apêndie D Elemenos do onrole de esoque Segundo Hobbs 976, um suprimeno é enregue em resposa a uma ordem. Tano para quanidade de reposição quano para esoque de segurança, devem-se levar em onsideração alguns faores, omo, por exemplo, o riso de fala e a possibilidade de deerioração do maerial esoado. Segundo Correa, Gianesi e Caon 009, modelos de onrole de esoque podem oner os elemenos desrios a seguir: Loe Eonômio de Compra: é a quanidade omprada para ressuprir o esoque de maneira eonômia. * DA* Cf LEC 4 Ce Onde: LEC é o Loe Eonômio de Compra; DA é a Demanda anual; Cf é o Cuso de pedido; e Ce é o Cuso de manuenção de esoque. Quanidade a pedir em modelos de revisão periódia: é a quanidade omprada para ressuprir o esoque de maneira a aingir um nível máximo de esoque em modelos de revisão periódia. Q M E QP 5 Onde: Q é a Quanidade a pedir; M é o Esoque máximo; E é o Esoque presene; e QP é a Quanidade pendene. Esoque máximo: nível máximo de esoque usado na revisão periódia.

27 7 M D* P LT ES 6 Onde: M é o Esoque máximo; D é a Demanda; P é o Período de revisão; LT é o lead ime; e ES é o esoque de segurança. Pono de ressuprimeno: é o nível de esoque que deermina quando será omprada ou produzida uma era quanidade para ressuprir o esoque essa fórmula oinide om o amado, por Zipkin 000, de nível óimo de esoque base para uma aproximação normal, sendo que ese esoque base ambém depende do esoque de segurança e do faor de segurança. PR D* LT ES 7 Onde: PR é o pono de ressuprimeno; D é a demanda média; LT é o lead ime; e ES é o esoque de segurança. O período, no aso da revisão periódia, pode ser alulado pensando em quanos dias o loe eonômio irá durar aendendo a demanda média: LE P 8 D Onde: P é o Período de revisão; LE é o Loe Eonômio; e D é a demanda média. A mesma araerização dos modelos de onrole de esoque, desria aima, pode ser enonrada em ouros auores, omo Pozo 004, Slak, Cambers e Jonson 008, enre ouros. Apesar das ríias feias ao loe eonômio, exisem rabalos reenes om apliações e omparações, omo é feio nos rabalos de Andrade, Yosizaki e Silva 0 e Moreira, Silva e Ferreira 00, e ambém exisem novos modelos de onrole de esoque que ainda o uilizam, mas inorporando ouros riérios ou uilizando-o para ober parâmeros para ouros modelos, omo pode ser viso no rabalo de Bouery e al. 0, que inluem riérios de susenabilidade, onsiderando a emissão de arbono e aribuindo um uso verde a ser minimizado, no esudo de Rosa 00, que propõe um modelo em redes dinâmias uilizando programação dinâmia esoásia usada em onrole óimo esoásio para ober uma políia óima de onrole de esoque em ponos de demanda a serem aendidos, bem omo seu uso, e o loe eonômio para quanidades, ou no rabalo de Palomino e Carli 008, que fazem um esudo do modelo de onrole de esoque em uma empresa de pequeno pore.

28 8... Gesão de demanda A demanda é uma variável imporane ao se fazer o onrole de esoque, porano ambém é neessário fazer a gesão da demanda, e o prinipal proesso da gesão de demanda é sua previsão. Segundo Correa, Gianesi e Caon 009, a abilidade de fazer a previsão de demanda om era preisão é muio imporane e para isso a empresa deve maner uma base de dados isórios de vendas, ober e ompreender informações que expliquem sua variação faores inernos, promoções, faores exernos, merado, lima, eonomia, e., e uilizar-se de modelos maemáios para expliar o seu omporameno e onseguir esimar a demanda fuura.... Previsão de demanda Segundo Correa, Gianesi e Caon 009, odo planejameno sofre om os erros de previsão, pois nuna se onsegue uma previsão 00% orrea. Uma das fones dessas inerezas é o próprio merado insável, que ambém afeará os onorrenes. A oura fone de erros esá no méodo de previsão de demanda uilizado pela empresa, que fará diferença no seu desempeno em relação aos onorrenes. Ainda Segundo Correa, Gianesi e Caon 009, as prinipais informações que devem ser onsideradas para a previsão são: Dados isórios por período; nformações que expliquem omporamenos aípios da demanda; omporameno; Dados de variáveis relaionadas à demanda e que expliquem seu demanda. Siuação aual de variáveis orrelaionadas ao omporameno da demanda; Previsão da siuação fuura de variáveis orrelaionadas ao omporameno da

29 9 Coneimeno sobre a siuação eonômia aual e sua previsão; nformações de lienes; nformações sobre deisões omeriais. De forma geral, o proesso de previsão de demanda onsise em se ober dados de variáveis que a expliquem, isórios e informações sobre omporameno aípio, que serão raados esaisiamene e analisados junamene om ouras informações relaionadas. Segundo Beuel e Minner 0, a impreisão da previsão de demanda pode levar à fala de esoque, enão se deve maner um esoque de segurança para alançar deerminado nível de serviço. Considerando um iem pereível, om zero de lead ime, sisema de revisão periódia e um meio onde a demanda dependa de faores exernos, omo preço e lima, enão uma série emporal seria inadequada, Beuel e Minner 0 uilizam previsão de demanda ausal e programação linear, para aingir deerminado nível de serviço ou minimizar os usos, apliando o modelo no varejo. Como esperado, o resulado enonrado por Beuel e Minner 0 india que ao enar aingir um nível de serviço muio alo pode-se aumenar signifiaivamene o nível de esoque, mas ese problema pode ser resolvido ajusando a esimaiva da previsão de demanda e nível alvo de esoque. Segundo Godino Filo e Fernandes 00, o proesso de previsão pode ser omposo de ino eapas: idenifiar o objeivo da previsão, seleionar uma abordagem de previsão qualiaiva, ausal ou séries emporais, seleionar méodos de previsão e esimar os parâmeros, elaborar a previsão, moniorar, inerprear e aualizar a previsão. Comparando as abordagens de previsão, denre as abordagens desrias por Godino Filo e Fernandes 00, para Correa, Gianesi e Caon 009 elas podem ser influeniadas pelo prazo uro, médio ou longo e devem ser feias de formas diferenes, desrias a seguir. Para previsões de uro prazo é uilizada a ipóese de que o fuuro seja uma oninuação do passado reene, porano são usados modelos de séries emporais, onsiderando que a demanda fuura em orrelação om a demanda passada e o período observado, além de se omporar om endênia ou permanênia om ou sem sazonalidade. Os modelos de projeção mais omuns são:

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 MACROECONOMIA I LEC 2 3.. Modelo Keynesiano Simples Ouubro 27, inesdrum@fep.up.p sandras@fep.up.p 3.. Modelo Keynesiano Simples No uro prazo, a Maroeonomia preoupa-se om as ausas e as uras dos ilos eonómios.

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Teoria da Comunicação. Prof. Andrei Piccinini Legg Aula 09

Teoria da Comunicação. Prof. Andrei Piccinini Legg Aula 09 Teoria da Comuniação Pro. Andrei Piinini Legg Aula 09 Inrodução Sabemos que a inormação pode ser ransmiida aravés da modiiação das araerísias de uma sinusóide, hamada poradora do sinal de inormação. Se

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO MODELO INTEGRADO PARA PREVISÃO DE VENDAS COMO UMA FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Análise de Previsão de Itens de Demanda Intermitente Utilizando o Modelo Syntetos- Boylan Approximation (SBA)

Análise de Previsão de Itens de Demanda Intermitente Utilizando o Modelo Syntetos- Boylan Approximation (SBA) Análise de Previsão de Iens de Demanda Inermiene Uilizando o Modelo Syneos- Boylan Approximaion (SBA) RESUMO Auoria: Carlos Alexandre Vieira de Carvalho Esa pesquisa se concenra em méodos de Suavização

Leia mais

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA No iem 3.1, apresena-se uma visão geral dos rabalhos esudados sobre a programação de horários de rens. No iem 3.2, em-se uma análise dos rabalhos que serviram como base e conribuíram

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

CUSTOS POTENCIAIS DA PRODUÇÃO E OS BENEFÍCIOS DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

CUSTOS POTENCIAIS DA PRODUÇÃO E OS BENEFÍCIOS DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO XXII Enconro Nacional de Engenharia de rodução Curiiba R, 23 a 25 de ouubro de 2002 CUSTOS OTENCIAIS DA RODUÇÃO E OS BENEFÍCIOS DO LANEJAMENTO E CONTROLE DA RODUÇÃO Valério Anonio amplona Salomon José

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE OPERAÇÕES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

ANDREA CRISTINA ESTEVES

ANDREA CRISTINA ESTEVES 1 ANDREA CRISTINA ESTEVES DESENVOLVIMENTO DE MODELO MATEMÁTICO DE TROCADOR DE CALOR TIPO CASCO-TUBOS SÃO CAETANO DO SUL 2009 2 ANDREA CRISTINA ESTEVES DESENVOLVIMENTO DE MODELO MATEMÁTICO DE TROCADOR DE

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto Macroeconomia

Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto Macroeconomia nsiuo Superior de onailidade e Adminisação do Poro Maroeonomia Oservações: - Responda a ada uma das 3 pares do exame em folas separadas. 3-3-2 - Duração da prova: 2 Pare (5 valores) onsidere os seuines

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Previsão de Demanda. Métodos de Previsão. Demanda: disposição ao consumo Demanda versus Vendas Fatores que afetam a Demanda (Vendas)

Previsão de Demanda. Métodos de Previsão. Demanda: disposição ao consumo Demanda versus Vendas Fatores que afetam a Demanda (Vendas) 2.1 Previsão de emanda Conceios básicos Méodos de Previsão iscussão Formulação do Problema emanda: disposição ao consumo emanda versus Vendas Faores que afeam a emanda (Vendas) Economia, Mercado, Preços,

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

ESTIMATIVA DO NÚMERO MÍNIMO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO REPARÁVEIS UTILIZANDO PROCESSOS ESTOCÁSTICOS MARCUS VINICIUS DA SILVA SALES

ESTIMATIVA DO NÚMERO MÍNIMO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO REPARÁVEIS UTILIZANDO PROCESSOS ESTOCÁSTICOS MARCUS VINICIUS DA SILVA SALES ESTIMATIVA DO NÚMERO MÍNIMO DE EÇAS DE REOSIÇÃO REARÁVEIS UTILIZANDO ROCESSOS ESTOCÁSTICOS MARCUS VINICIUS DA SILVA SALES UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE - UENF CAMOS DOS GOYTACAZES - RJ MAIO

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

Modelos de Previsão. 1. Introdução. 2. Séries Temporais. Modelagem e Simulação - Modelos de Previsão

Modelos de Previsão. 1. Introdução. 2. Séries Temporais. Modelagem e Simulação - Modelos de Previsão Modelos de Previsão Inrodução Em omada de decisão é basane comum raar problemas cujas decisões a serem omadas são funções de faos fuuros Assim, os dados descrevendo a siuação de decisão precisam ser represenaivos

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

ANAIS UM MODELO DE PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO PARA OTIMIZAR O MIX DE PRODUTOS E CLIENTES EM UMA INDÚSTRIA METAL-MECÂNICA

ANAIS UM MODELO DE PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO PARA OTIMIZAR O MIX DE PRODUTOS E CLIENTES EM UMA INDÚSTRIA METAL-MECÂNICA UM MODELO DE PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO PARA OTIMIZAR O MIX DE PRODUTOS E CLIENTES EM UMA INDÚSTRIA METAL-MECÂNICA FELIPE ALBERTO SIMAS DONATO ( felipe.donao@gmail.com, felipe_donao@embraco.com.br

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico

Uma análise de indicadores de sustentabilidade fiscal para o Brasil. Tema: Ajuste Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico Uma análise de indicadores de susenabilidade fiscal para o rasil Tema: Ajuse Fiscal e Equilíbrio Macroeconômico . INTRODUÇÃO Parece pouco discuível nos dias de hoje o fao de que o crescimeno econômico

Leia mais

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA Resumo Mardilson Fernandes Queiroz UNB Ese rabalho evidencia padrão de comporameno

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

Previsão de demanda e monitoramento por sinal de rastreamento do modelo para produto classe A de uma empresa varejista de Belém do Pará.

Previsão de demanda e monitoramento por sinal de rastreamento do modelo para produto classe A de uma empresa varejista de Belém do Pará. Previsão de demanda e moniorameno por sinal de rasreameno do modelo para produo classe A de uma empresa varejisa de Belém do Pará. avi Filipe Vianna Moreira (UEPA) davifilipe@globo.com Jesse Ramon de Azevedo

Leia mais

ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS

ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS ANÁLISE DO ARMAZENAMENTO DE MILHO NO BRASIL COM UM MODELO DINÂMICO DE EXPECTATIVAS RACIONAIS VANIA DI ADDARIO GUIMARÃES Tese apresenada à Escola Superior de Agriculura Luiz de Queiroz, Universidade de

Leia mais

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi Dinâmica de ineração da praga da cana-de-açúcar com seu parasióide Trichogramma galloi Elizabeh de Holanda Limeira 1, Mara Rafikov 2 1 Universidade Federal do ABC - UFABC, Sano André, Brasil, behmacampinas@yahoo.com.br

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi Insper Insiuo de Ensino e Pesquisa Programa de Mesrado Profissional em Economia Bruno Russi ANÁLISE DA ALOCAÇÃO ESTRATÉGICA DE LONGO PRAZO EM ATIVOS BRASILEIROS São Paulo 200 Bruno Russi Análise da alocação

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO ANÁLSE DE UMA EQUAÇÃO DFERENCAL LNEAR QUE CARACTERZA A QUANTDADE DE SAL EM UM RESERATÓRO USANDO DLUÇÃO DE SOLUÇÃO Alessandro de Melo Omena Ricardo Ferreira Carlos de Amorim 2 RESUMO O presene arigo em

Leia mais

Relatividade. Postulados da relatividade restrita. 2.º postulado de Einstein. 1.º postulado de Einstein

Relatividade. Postulados da relatividade restrita. 2.º postulado de Einstein. 1.º postulado de Einstein Relaividade lber Einsein naseu dia 14 de março de 1879, em Ulm, uma pequena idade alemã. pós passar sua infânia em Munique, mudou-se para a Suíça, onde omeçou seu esudo em Físia. Em 191, já graduado baharel

Leia mais

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 ISSN 188-981X 18 18 EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 Effec of cassava price variaion in Alagoas over producion gross value Manuel Albero Guiérrez CUENCA

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

Um estudo de Cinemática

Um estudo de Cinemática Um esudo de Cinemáica Meu objeivo é expor uma ciência muio nova que raa de um ema muio anigo. Talvez nada na naureza seja mais anigo que o movimeno... Galileu Galilei 1. Inrodução Nese exo focaremos nossa

Leia mais

Teste de estresse na ligação macro-risco de crédito: uma aplicação ao setor doméstico de PFs. Autores: Ricardo Schechtman Wagner Gaglianone

Teste de estresse na ligação macro-risco de crédito: uma aplicação ao setor doméstico de PFs. Autores: Ricardo Schechtman Wagner Gaglianone Tese de esresse na ligação macro-risco de crédio: uma aplicação ao seor domésico de PFs Auores: Ricardo Schechman Wagner Gaglianone Lieraura: ligação macrorisco de crédio Relação macro-volume de crédio

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO ANDRÉ MAURO SANTOS DE ESPÍNDOLA

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO ANDRÉ MAURO SANTOS DE ESPÍNDOLA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO ANDRÉ MAURO SANTOS DE ESPÍNDOLA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA PREVISÃO DE CONSUMO:

Leia mais

Avaliação de Empresas com Base em Números Contábeis

Avaliação de Empresas com Base em Números Contábeis Vol. 4, No. 2 Viória-ES, Brasil Mai/ Ago 27 p. 96-3 ISSN 87-734X Avaliação de Empresas com Base em Números Conábeis James A. Ohlson* Arizona Sae Universiy Alexsandro Broedel Lopes** USP- Universidade de

Leia mais

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil*

Estrutura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 15, N. 30, P. 303-345, DEZ. 2008 303 Esruura a Termo da Taxa de Juros e Dinâmica Macroeconômica no Brasil* SAMER SHOUSHA** RESUMO Exise uma relação muio próxima enre

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA

PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA Leicia Takahashi DE/ FEM/ UNICAMP Caia Posal: 6122 CEP: 13.083-970 Campinas - SP leicia@fem.unicamp.br Paulo B. Correia

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000

HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 HIPÓTESE DE CONVERGÊNCIA: UMA ANÁLISE PARA A AMÉRICA LATINA E O LESTE ASIÁTICO ENTRE 1960 E 2000 Geovana Lorena Berussi (UnB) Lízia de Figueiredo (UFMG) Julho 2010 RESUMO Nesse arigo, invesigamos qual

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Amanda Zani Dutra Silva

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Amanda Zani Dutra Silva UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Amanda Zani Dura Silva Gerenciameno de Manuenção de Equipamenos de um Hospial São Paulo 006 Amanda Zani Dura Silva Gerenciameno

Leia mais

Modelos Matemáticos na Tomada de Decisão em Marketing

Modelos Matemáticos na Tomada de Decisão em Marketing Universidade dos Açores Deparameno de Maemáica Monografia Modelos Maemáicos na Tomada de Decisão em Markeing Pona delgada, 3 de Maio de Orienador: Eng. Armado B. Mendes Orienanda: Marla Silva Modelos Maemáicos

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRAS SOBRE O CASO BRASILEIRO Kenya Valeria Micaela de Souza Noronha Mônica Viegas Andrade Junho de 2002 1 Ficha caalográfica 33:614(81)

Leia mais

Análise da produtividade das distribuidoras de energia elétrica utilizando Índice Malmquist e o método de bootstrap

Análise da produtividade das distribuidoras de energia elétrica utilizando Índice Malmquist e o método de bootstrap UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Análise da produividade das disribuidoras de energia elérica uilizando Índice Malmquis e o méodo de boosrap Fernando Elias

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA 3 PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA Felipe Lacerda Diniz Leroy 1 RESUMO Nese arigo,

Leia mais

FUSÃO DE EMPRESA CRIANDO VALOR AO ACIONISTA UMA ANÁLISE FACE AO RISCO NA INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

FUSÃO DE EMPRESA CRIANDO VALOR AO ACIONISTA UMA ANÁLISE FACE AO RISCO NA INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL FUSÃO DE EMPRESA CRIANDO VALOR AO ACIONISTA UMA ANÁLISE FACE AO RISCO NA INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Taiana Barros Pinheiro de Oliveira Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Av.: Dos Economisas,

Leia mais

PREVISÃO DO VOLUME DE VENDAS DE UM BEM DE CONSUMO

PREVISÃO DO VOLUME DE VENDAS DE UM BEM DE CONSUMO ARNAUD FRANCIS JEAN GUÉRIN PREVISÃO DO VOLUME DE VENDAS DE UM BEM DE CONSUMO Trabalho de formaura apresenado À Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para a obenção do Diploma de Engenheiro de

Leia mais

FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS. Eduardo Martins Viana

FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS. Eduardo Martins Viana FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS Eduardo Marins Viana DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA)

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA) GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS Insruções para a Ala Direção e o Responsável Ambienal (RA) DIS TR IBU IDO R Adapado de: MANUAL DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CONCESSIONÁRIAS DE

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LOTES E PROGRAMAÇÃO DO FORNO NUMA FUNDIÇÃO AUTOMATIZADA DE PORTE MÉDIO

DIMENSIONAMENTO DE LOTES E PROGRAMAÇÃO DO FORNO NUMA FUNDIÇÃO AUTOMATIZADA DE PORTE MÉDIO versão impressa ISSN 00-7438 / versão online ISSN 678-542 DIMENSIONAMENTO DE LOTES E PROGRAMAÇÃO DO FORNO NUMA FUNDIÇÃO AUTOMATIZADA DE PORTE MÉDIO Silvio Alexandre de Araujo Deparameno de Informáica Universidade

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS APÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS A- TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS Vimos aé aqui que para calcularmos as ensões em

Leia mais

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO

O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO O EFEITO DIA DE VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA REVISITADO Newon C. A. da Cosa Jr., Milon Biage Deparameno de Economia, UFSC Waldemar Ferreira e Marco Goular Deparameno de Adminisração, UFAM Curso de Pós-Graduação

Leia mais