Sistema de vigilância para detecção de interação espaçotempo de eventos pontuais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de vigilância para detecção de interação espaçotempo de eventos pontuais"

Transcrição

1 Sema de vglâca para deecção de eração epaçoempo de eveo poua Taãa C. Smõe Reao M. Aução Deparameo de Eaíca Uverdade Federal de Ma Gera UFMG Caa Poal: Belo Horzoe MG Bral Abrac. We roduce a urvellace em o moor po eve locaed geographcal pace ad me. The am o deec he pace-me cluer a oo he ar emerge b rggerg a alarm. I h arcle he ma objecve o adap a echque propoed b Rogero 00 amg a defg he eveual cluer ha would be he prcpal caue he alarm gog off. Addoall we beleve ha our echque olae eve ha do' belog o he cluer bu ha corbue o he alarm warg. Reumo. Propomo um ema de vglâca para o moorameo de eveo poua a fm de deecar rapdamee a formação de coglomerado epaço-empo am que ee começam a urgr dparado um alarme. Nee argo o objevo prcpal é adapar a écca apreeada por Rogero 00 com o uo de defcar o cluer eveualmee eee e que era a prcpal caua do dparo do alarme. Além do acreda-e que a écca propoa perma olar eveo que ão pereçam ao eveual cluer ma que corbuam para fazer o alarme oar.. Irodução Deecar aglomerado epaço-empo de forma rápda efcee e em empo real é uma ecedade em vára área do cohecmeo. Na área da aúde prcpalmee écca e ferramea com ee fm êm uma mporâca parcular po permem que erveçõe ou açõe de corole ejam realzada de forma efcee. O ema de vglâca propoo ee argo coe o moorameo de um cojuo de eveo poua a fm de deecar rapdamee a formação de coglomerado epaço-empora am que ee começam a urgr. O ema é um méodo eaíco propecvo o qual é fea aále repeda de dado acumulado eqüecalmee ao logo do empo com o objevo de deecar rapdamee uma mudaça relevae que ocorra a ére de dado. Ulzado a eaíca de deecção de coglomerado epaço-empo de o e méodo de oma acumulada CUSUM Rogero 00 propõe um ema de vglâca que deece cluer avo eee o momeo da aále. No eao do problema verfcado ea écca ão: - eveo que dparam o alarme podem

2 ão perecer ao eveual cluer; a écca é capaz de deecar a preeça de cluer localzado ma ão defca ee cluer dado ua poção e eeão o epaço e empo. Dea forma oo rabalho procura adapar a écca apreeada por Rogero 00 com o uo de defcar o cluer eveualmee eee e que era a prcpal caua do dparo do alarme. Acreda-e ada que a écca propoa perma olar eveo que ão pereçam ao cluer ma que corbuam para fazer o alarme oar. A déa é moorar o ovo eveo ão aravé de uma Soma Acumulada ma aravé de uperfíce acumulada. De forma reumda a cada ovo eveo é calculado um ecore de eração epaço-emporal localzado e ee ecore é drbuído o epaço aravé de uma dedade de kerel gerado uma uperfíce a regão do eveo. Ea uperfíce ão acumulada e geram uma alêca proucada em oro de um eveual cluer.. Vglâca Eaíca Um ema de vglâca moora mudaça quado ovo eveo oram-e dpoíve o decorrer do eudo. A vglâca eaíca gfca um moorameo de um proceo eocáco X {X;...} com o objevo de deecar uma mudaça mporae o proceo em um empo decohecdo τ ão rápda e precamee poível. A cada ae de empo deve-e dcrmar ere do eado o ema moorado: ob-corole e fora-de-corole. Para que o ocorra ulzam-e o eveo acumulado aé deoado por X para formar cojuo alarme. Se X perecerem ao cojuo alarme há uma dcação de que o proceo eá o eado fora-de-corole e um alarme é oado. Uualmee o é feo uado uma fução alarme px e um lme de corole h. O empo de um alarme A é ecro como A m{ p X > Dferee po de medda ão ulzado para avalar um ema de vglâca caracerzado eu comporameo quado o proceo eá ob-corole e fora-decorole. A drbução de um alarme falo por eemplo é freqüeemee reumda pelo úmero médo de eveo aé que o alarme oe dado que o proceo eá obcorole ARL 0. h} ARL 0 E[ A τ ] ode τ é o empo verdadero de mudaça o proceo e que é decohecdo a práca. Oura medda ormalmee ulzada é a probabldade de um alarme falo: P A < τ P τ P A < τ τ Geralmee a drbução de probabldade Pτ para τ ão é cohecda e o dfcula o uo dea úlma medda. Quado um ema de vglâca é avalado deve-e ecarar um rade-off ere alarme falo e empo de epera curo para obervar um alarme verdadero.

3 3. Sema de Vglâca Rogero 00 Rogero 00 propõe um ema de vglâca que comba méodo de oma acumulada CUSUM com uma eaíca de deecção de coglomerado epaço-empo para um cojuo de dado poua Tee de o. 3.. Tee de o O ee de o é um ee baeado a coagem do úmero de pare de eveo que ocorrem dero de ervalo críco pré-epecfcado de empo T e dâca D. Dado poo localzado o empo e o epaço eem pare do que podem er dvddo em uma marz Tabela dcado o pare que eão prómo o epaço ou prómo o empo. Tabela. Tabela para o cálculo do Tee de o O valore dcado por ão obdo a parr do dema. Suação Prómo o epaço Não pró. o epaço Toal Prómo o empo Não pró. o empo Toal -/ Sejam o pare de eveo obervado que ão prómo o epaço eparado por uma dâca meor ou gual a D o pare de eveo que ão prómo o empo eparado o empo por meo que o ervalo críco T e o pare de eveo que ão prómo em ambo epaço e empo. A eaíca de ee N deve er comparada com o eu valor eperado ob a hpóee ula H 0 de que ão há eração epaço-empo. Cao o úmero de eveo prómo o epaço e o empo eceda ubacalmee ee valor eperado há uma dcação da eêca de eração epaço-empo. Ea eaíca ea a preeça de eração de forma global em localzar o cluer e em preocupar-e em verfcar e o cluer ada eão preee ou e já dearam de er. Para reolver ee do problema Rogero 00 propô o uo da eaíca loca de o. 3.. Eaíca Local de o Sejam o úmero de eveo que ão prómo ao -émo eveo o epaço o úmero de eveo que ão prómo ao -émo eveo o empo e o úmero de eveo que ão prómo mulaeamee o epaço e empo ao eveo. Para ecorar a drbução de N ob a hpóee ula de ão eração epaço-empo ua-e que cada permuação aleaóra do ídce do empo maedo a poçõe epaca fa é gualmee provável. Seja j o úmero de poo que eão prómo o empo do eveo quado a ee é aocado o j-émo valor do

4 empo. Mora-e que a drbução de N é hpergeomérca com parâmero - e j. Coderado odo o valore poíve de empo para o -émo eveo mora-e que N é uma oma poderada de hpergeomérca. Pode-e morar ambém que: } { N E + + } { N Var j j Padroza-e N reulado a egue eaíca ecore z ajuada: } { 0.5 } { N Var N E z A varável z pou drbução apromadamee ormal com méda zero e varâca deoada por N0 cao o proceo eeja ob corole. Cao ea um cluer epera-e que z eha drbução com méda maor que zero e o eveo fzer pare do cluer. A drbução de z ede a permaecer apromadamee gual a N0 para aquele eveo que ão fazem pare do cluer. Supoha que - eveo já eham ocorrdo. Pode-e comparar o valor da eaíca de o apó o cao deoado com o valor que era eperado ob a hpóee ula e codcoado ao valor da eaíca de o apó o eveo - e valore obervado de e { j ; j...}: } { 05 } { Var E z A formação em z obda ea comparação de com ua eperaça codcoal erve para medr a corbução do eveo a eaíca de o. Embora o ecore z eja ereae por caua dea propredade ele é dfícl de er calculado po o do momeo E{ -... } e Var{ -... } ão pouem fórmula aalíca. Por o o ecore z acaba edo preferdo a práca. É poível morar que z -.

5 3.3. Méodo de Soma Acumulada CUSUM O méodo de oma acumulada ão muo uado para moorar proceo dura com o objevo de deecar rapdamee uma mudaça deejável o proceo. Ee méodo ão comu o corole de um proceo eaíco eqüecal de uma varável para poeca devo da méda eperada. Seja X o valor de uma varável aleaóra com drbução Nµ σ aocada ao -émo eveo. Aumdo que ão há correlação a ére de eveo a oma acumulada aé o eveo é dada aravé da relação: S ma 0 S + µ kσ ; S0 0 Am a oma acumulada acumula devo da méda que ecedem k devo padrão deecado rapdamee qualquer mudaça o valor médo de X. Um al de "fora-de-corole" houve uma mudaça a méda do proceo é oado o prmero empo al que S eceda algum ível de decão predeermado h. O parâmero h e k ão epreo em ermo do devo-padrão do eveo. A ecolha de h depede do úmero médo de eveo aé que ocorra uma mudaça ob a hpóee de que o proceo eeja ob corole ARL 0. O valor de ARL 0 é fado pelo uuáro e epera-e que ele eja grade. Um bom procedmeo de vglâca erá ARL pequeo ode ARL é o úmero médo de eveo aé o alarme oar a parr de uma mudaça do proceo. Em Rogero 00 a eaíca de oma acumulada correpodee ao eveo é dada por: S ma 0 S + z k; S0 O lmar h a parr do qual o alarme deve oar é dado pela epreão dervada por Segmud 985: ARL 0 {ep h +.66 h.66} Para lurar o comporameo da écca propoa por Rogero 00 foram gerado 00 poo com coordeada ; ; o epaço e empo. O prmero 80 eveo êm coordeada epaca e gerada de uma drbução uforme ere o valore 0 e deoada U0; e ae de empo em que o eveo ocorreu gerado de uma drbução uforme ere o valore 0 e 0 deoada U0;0. Am o eveo eão drbuído de forma aleaóra dero de um cubo de bae 0; e alura 0. O ouro 0 eveo foram gerado com coordeada epaca e de uma drbução uforme ere o valore 0.5 e 0.6 deoada U0.5;0.6 e com ae de empo gerado de uma drbução uforme ere o valore 5 e 6 deoada U5;6 a fm de formar um cluer ea regão. O eveo foram ordeado de acordo com o empo de ocorrêca e roulado por...00 de forma que < +. Para calcular a eaíca loca de o uamo o parâmero críco D 0. e T.0. A ecolha do valore do parâmero D e T é arbrára e ee eemplo foram ecolhdo como 0% da amplude do eveo gerado o epaço e o empo. 0

6 Na Fgura oberva-e o reulado do méodo compreededo um gráfco do eveo deoado por d veru a oma acumulada deoada por S morado como a oma acumulada pode er moorada ao logo da ocorrêca do eveo. Fgure. Vualzação do reulado forecdo pelo méodo do Rogero 00 para deecção de eraçõe epaço-empo. Aravé da Fgura verfca-e ada que o lmar h a parr do qual o alarme oa em eu valor prómo a 5 rea horzoal paralela ao eo da abca e que é ulrapaado por S pela prmera vez o 45º-émo eveo. O cluer de amaho 0 coém o eveo de úmero Como o prmero alarme fo verfcado o eveo de úmero 45 oa-e que o memo fo oado por um eveo que perece ao cluer. Apó o 45º-émo eveo a Soma Acumulada reora a zero e vola a ulrapaar o lmar h o eveo de úmero e Problema com a meodologa de Rogero 00 Como vo aerormee Rogero 00 propõe um ema de vglâca que deece cluer avo vvo aravé do moorameo de uma quadade S que va edo acumulada aravé de uma oma à medda que um ovo eveo e ora dpoível a aále. Cao ea oma S ulrapae um lmar predeermado h o alarme deve er oado. No eao do problema podem er verfcado ea écca: - eveo que dparam o alarme podem ão perecer ao eveual cluer; a écca avala a preeça de cluer ma ão o defca dado ua poção e eeão o epaço e empo. No prmero problema verfca-e que pode er que a oma acumulada S eeja ão próma do lmar h que um eveo com z > 0 e que ão perece ao cluer pode fazer o alarme oar. Numa uação como ea provavelmee o alarme já eava a mêca de er oado e ea corbução pova para S faz o alarme dparar. Io quer dzer que a localzação do eveo dparado do alarme ão pode er uada como um defcador da poção do cluer. Ea uação pode acoecer auralmee po o ecore z ~ N0 de eveo que ão pereçam ao cluer podem eceder k devo padrõe da méda ocaoalmee.

7 Dea forma oo objevo prcpal é adapar a écca apreeada por Rogero 00 com o uo de deecar o cluer eveualmee eee e que era dparado o alarme aravé da vualzação da poção em que ee fo formado. A écca propoa ee argo ambém perme olar eveo que ão perecem ao cluer ma que corbuem para fazer o alarme oar. A déa propoa é moorar o ovo eveo ão aravé de uma oma acumulada ma aravé de uperfíce acumulada que ulzam além do méodo CUSUM écca de emação de dedade por kerel. Supoha que o -émo eveo ocorra a poção o epaço-empo e que z eja o ecore de eração epaço-empo eaíca local de o calculado para ee eveo. Um valor muo povo de z é dcavo de um eceo de eveo que ocorreram pouco empo ae e que eão geografcamee prómo do eveo. Nó drbuímo ee valor de z em oro da poção do -émo eveo uado uma uperfíce de kerel b-dmeoal. Uma fução de kerel bdmeoal é obda a parr de fuçõe de dedade de probabldade 0 a que dd com mámo a orgem 00 radalmee mérca e decrecedo uavemee à medda que o afaamo da orgem. Dua fuçõe muo ulzada ão a fução de kerel gauaa e a fução de kerel quárca. A fução de kerel gauaa é defda como ep + π O gráfco dea fução eá repreeado a Fgura. Fgure. Superfíce de kerel uado fução gauaa.

8 A fução de kerel quárca é defda como < c c e π A fuçõe de kerel modfcam a fuçõe delocado-a para um ovo cero e mudado ua cocavdade a orgem com um parâmero chamado de largura de bada e deoado por. Por eemplo a fução de kerel gauaa cerada a poção do -émo eveo e com largura de bada é dada por + π ep De maera geral dada uma fução bae com a propredade decra a fução de kerel cerada em é dada por O efeo do parâmero é críco. Um valor muo pequeo rá gerar uma uperfíce muo decoíua e e for grade dema a uperfíce poderá fcar eremamee alada macarado ua forma verdadera. Nó uamo a fução de kerel epalhado o ecore z em oro da localzação epacal do -émo eveo: z z w Oberve que 00 z w e que w coverge para 0 à medda que a poção afaa-e de. Noe ambém que dd w z morado que de fao eamo drbudo o valor z o epaço uado a fução w.

9 A cada -émo eveo a uperfíce é calculada eravamee como: S { 0 S + z { } ma{ 0 S w } ma + + e equao que S 0 0 para oda poção. De forma geral a écca de oma acumulada e uperfíce acumulada ão bem mlare alvo o fao de a prmera ear omado mplemee o ecore z e a eguda ear mulplcado uma uperfíce de kerel a ee ecore que perme defcar a localzação do eveual cluer. Reumdo a écca de oma acumulada é reformulada para er aplcada a oma de uperfíce uperfíce acumulada. A parr dea écca a uperfíce + era formada por mua curva de forma que a poção em que evee o cluer e formara uma curva muo maor reulae da corbuçõe do kerel de cada um do eveo. A écca de uperfíce acumulada pode er vualzada de forma bem equemazada aravé da Fgura 3. Fgure 3. Vualzação da écca de uperfíce acumulada para deecção de cluer epaço-empo. Verfca-e dea forma que o problema de o alarme er oado ocaoalmee por eveo que ão perecem ao cluer é olucoado o edo que a eveo corburão com uma uperfíce de kerel a ua localzação de orgem ão fluecado efevamee a uperfíce formada por elemeo do cluer. A uperfíce formada apó o eveo erem corbuído para a oma deve aparecer com vára prouberâca reulae da uperfíce de kerel formada por cada eveo de forma que o ervalo de empo em que e ecora o cluer obervae-a uma prouberâca muo maor e comparada à dema permdo am a localzação epacal do cluer. 5. Smulado a Superfíce Acumulada o ofware R Para e er uma déa do comporameo da uperfíce acumulada o cao bdmeoal foram gerado 00 poo com coordeada. Como ae 80 eveo pouem coordeada e de uma drbução uforme U0; e ae de

10 empo de uma uforme U0;0. O 0 eveo reae foram gerado com coordeada e de uma uforme U0.5;0.6 e empo de uma uforme U5;6 de forma que formaem um cluer ea regão uma vez que eão prómo o epaço e o empo. O parâmero críco para o cálculo da eaíca de o ão de D0. e T.0. O lmar h ulzado fo obdo aravé da fórmula de Segmud 985 uado um ARL 0 - / log -p ode p é uma aa aceável predeermada de alarme falo e fo ecolhda como 0%. A fórmula para o cálculo de ARL 0 fo obda upodo que o úmero de eveo obervado aé que um alarme oe ob H 0 eha apromadamee drbução epoecal. O gráfco da Fgura 4 moram a écca do Rogero 00 e de uperfíce acumulada ob a hpóee ula de ão eração epaço-empo. Foram gerado apea o 00 eveo com coordeada de uma drbução uforme U0 e ae de empo de uma drbução uforme U00 ou eja ehum cluer fo crado. O gráfco de oma acumulada mora que S a alguma veze do valor zero ma ão chega a agr o lmar h 5 que em é morado por efeo de ecala. Dea forma o alarme ão é oado como era eperado. No gráfco de uperfíce acumulada vemo apea alguma elevaçõe reulae da corbução da oma da uperfíce de kerel do eveo aerore. Fgure 4. Gráfco de oma acumulada Rogero 00 e de uperfíce acumulada ob H 0.

11 Na Fgura 5 fo crado um cluer de amaho 0 como decro o íco do eemplo. O cluer gerado coém o eveo de úmero No gráfco de oma acumulada S o lmar h é ulrapaado pela prmera vez a ocorrêca do 4º-émo eveo ou eja o alarme é oado quae o íco do cluer. O gráfco de uperfíce acumulada lura o méodo o momeo da ocorrêca do 4ºémo eveo que acoou o alarme o méodo do Rogero 00. Obervamo uma elevação gfcava em relação à dema regõe levado a coderar a preeça de um cluer a regão de maor alêca. Fgure 5. Gráfco de oma acumulada Rogero 00 e de uperfíce acumulada com a eêca de um cluer. De forma geral a Fgura 6 e 7 forecem um mecamo de vualzação do cluer o momeo em que o alarme é oado o ema do Rogero 00. Na fgura 6 vemo a poção do cubo compreededo o eveo do cluer verdadero gerado a uperfíce formada o momeo de ocorrêca do 4º-émo eveo. Na Fgura 7 o prmero gráfco mora core da uperfíce íve de cooro e o egudo é um gráfco de magem o qual valore maore da uperfíce core ma fore dcam que aquele local ee uma alêca maor e comparada à oura regõe dcado a localzação ma provável do eveual cluer. Além do realamo o fao de que em ambo o gráfco da Fgura 7 o maore valore da uperfíce eham aparecdo ere a poçõe 0.5 e 0.6 do eo e poçõe ea em que o cluer verdadero fo formado.

12 Fgure 6. Gráfco da uperfíce acumulada morado a poção do cubo repreeae do cluer gerado. Fgure 7. Gráfco de cooro e gráfco de magem formado o momeo do 4º-émo eveo. Apear da écca gráfca morada dar bae a uma boa vualzação da poção do cluer é de eree ecorar o valore apromado de ua coordeada e o epaço. Para o a uperfíce que coém o poo de mámo é eccoada por íve de cooro. Seccoado a uperfíce que em o maor pco obemo o cojuo de coordeada a que S c ode c é uma coae que deve er ecolhda de forma a ober a coordeada ma próma da coordeada o cluer. A Fgura 8 lura o mpaco da ecolha da coae c. No prmero gráfco o valor de c fo ecolhdo muo prómo do plao levado à uperemação do amaho do cluer uma vez que uperfíce vzha ambém ão agda. No egudo gráfco a ecolha da coae c fo aproprada dado que o core fo feo apea a uperfíce que coém o valor mámo e porao a regão ma provável de coer o eveo do cluer.

13 Fgure 8. Gráfco de uperfíce acumulada com ecolha dferee da coae c para o core da uperfíce. Uma maera de avalar o méodo de moorameo é verfcado e o alarme fo oado muo ae/depo do cluer verdadero er urgdo e aravé da probabldade de alarme falo ob H 0. Para ear a prmera uação foram fea 000 mulaçõe do memo ceáro acma ulzado o lmar propoo por Rogero 00. Apear de ermo cohecmeo de que ee lmar é própro para o uo de ére de obervaçõe e ão de uperfíce ulzaremo o memo em ambo o méodo para dear clara a ecedade de obermo um lmar dferee quado rabalhamo com uperfíce. Seja d o empo ere o prmero alarme e o íco do cluer. Se d >0 é poível calcular o úmero eperado de eveo aé que um alarme ocorra dado que o proceo eeja fora de corole ou eja dado que ee um cluer ARL. A Fgura 9 apreea a drbução do d o méodo do Rogero 00 e de uperfíce acumulada. Noe que a amplude do valore o prmero o dá uma dcação de que o empo de epera por um alarme verdadero é maor o méodo do Rogero que o egudo méodo. Fgure 9. Hograma do d o do méodo.

14 Ea colocação pode er cofrmada aravé da Tabela que mora além de formaçõe decrva do d o méodo do Rogero 00 e de uperfíce acumulada a como a méda o devo-padrão o mímo M mámo Ma º º Medaa e 3º Quar o empo médo de epera por um alarme verdadero dado que ea um cluer em ambo o méodo. Tabela. Iformaçõe relevae obda a mulaçõe k05. Iformaçõe obre o d ' k05 Méodo Méda Devo-padrão M ºQuarl Medaa 3ºQuarl Ma ARL Rogero Superfíce Tee de Ma-Whe: w p-valor 0000 Aravé da Tabela verfca-e que em geral o alarme oa ma rápdo o méodo de uperfíce acumulada uma vez que o empo médo de epera aé que um alarme verdadero oe dado que ea eração epaço-empo ARL é meor que o Rogero 00. Além do ea dfereça de empo de epera do d povo ere o do méodo é eacamee gfcava uma vez que o ee de Ma- Whe fo gfcavo ao ível de 5%. No eao oura maera de avalar um ema de vglâca é aravé da probabldade de alarme falo ob H 0 em cluer. Ea probabldade é calculada como edo a razão ere o úmero de veze que o alarme oa dere o oal de mulaçõe. A Tabela 3 mora o reulado da probabldade de alarme falo ob H 0 para 00 mulaçõe do méodo de oma acumulada - Rogero e do méodo de uperfíce acumulada ulzado o memo lmar do Rogero 00 Superfíce e ma do lme emprcamee obervado: Lm e Lm. Lm fo obdo da egue maera: para uma dada mulação era calculado o valor mámo que a uperfíce aga a cada eveo obervado. Am para uma úca mulação eam 00 valore de mámo correpodee à eapa de formação da uperfíce a cada eveo acreceado. Lm é o percel 90 dee mámo. A probabldade de alarme falo é calculada aravé da razão ere o úmero de Lm dferee de zero dere a 00 mulaçõe. No Lm para uma úca mulação era calculado o percel 90 da uperfíce em cada eapa de ua formação. Dea forma eem 00 valore de percel 90 do qua é calculada a méda arméca. Io é feo para cada uma da 00 mulaçõe permdo calcular a probabldade de alarme falo como a razão do úmero de Lm que ão dferee de zero obre o oal de 00 mulaçõe.

15 Tabela 3. Iformaçõe da probabldade de alarme falo. Méodo PAlarme Falo Rogero 0 Superfíce 077 Lm 087 Lm 097 Aravé da Tabela 3 vemo que a probabldade de alarme falo ob H 0 para o méodo de uperfíce acumulada ulzado o lmar do Rogero 00 de 0.77 é muo maor e comparado ao méodo de oma acumulada que é zero. No eao ee reulado é eperado devdo ao fao de earmo uado um lmar aproprado para ére de obervaçõe e ão para uperfíce como do aerormee. Além do o méodo do Rogero 00 apreea um valor muo abao que o eperado de 0% de alarme falo. Acredamo que ee reulado poam er devdo ao fao do lmar abordado por Rogero 00 er adequado a dua écca. Para o lme Lm e Lm verfcamo que a probabldade é muo ala o eao ee reulado pode er devdo ao fao do procedmeo er o repedo pouca veze. Am um úmero maor de eraçõe deve er mulado a fm de avalar prcpalmee o comporameo de Lm que acredamo er o ma adequado dere o lme ugerdo para o méodo de uperfíce acumulada. A edade de poo o ceáro gerado e o úmero de eveo por udade de volume dero do cldro em eudo pode em muo cao er baa ou memo ula. Am uma alerava era reduzr o parâmero k ulzado a oma acumulada para zero ão deado am que a Soma S e ore zero ão freqüeemee. Dea forma fazedo o ajue k 0 fará com que a oma S ão eha edêca a dmur poblado um alarme ma efcaz o edo da deecção ma rápda do cluer. Eudo ada ão publcado realzado o LESTE UFMG Laboraóro de Eaíca Epacal moram que em ceáro ode a edade de poo por volume é baa a fluêca do k é grade razedo ubemação de falo alarme o méodo e prejudcado o reulado devdo ao bao valor do S. Dea forma a Tabela 4 mora o reulado decrvo do d ulzado k 0 bem como a probabldade de alarme falo ob H 0 e o ARL o méodo do Rogero 00 e de uperfíce acumulada. Tabela 4. Iformaçõe relevae obda a mulaçõe k 00. Iformaçõe obre o d ' k00 Méodo Méda Devo-padrão M ºQuarl Medaa 3ºQuarl Ma ARL Rogero Superfíce Tee de Ma-Whe: w p-valor 0000 De uma maera geral a Tabela 4 mora o memo reulado que a Tabela ou eja o méodo de uperfíce acumulada apreea empo médo de eveo aé uma mudaça verdadera dado que ea um cluer meor que o méodo do Rogero 00.

16 6. Cocluõe Verfca-e que o méodo propoo de uperfíce acumulada com bae o ema de vglâca do Rogero 00 dá a dcação de er um bom defcador do cluer uma vez que deeca a poção epacal do memo aravé da vualzação da repreeaçõe gráfca da uperfíce. Corbução ea de grade relevâca uma vez que a práca a localzação do cluer poa levar a vára omada de decão mporae. No eao a upoção de que o ovo méodo foreça um úmero meor de alarme falo deve er apurada ma profudamee dado que por mulaçõe préva eha do verfcado que o lmar propoo por Rogero 00 e ouro empírco ão ejam aproprado. Acreda-e que um lmar adequado poa er ecorado ulzado-e écca de eora de valor eremo em parcular de mámo de uperfíce aleaóra campo gauao. Porao o eforço fuuro erão drecoado a procura de um lmar ómo para a ova écca propoa. 7. Referêca Rogero P.A..00 Moorg po paer for he developme of pace-me cluer. Joral Roal Sacal Soce Par Uver a Bualo USA. Segmud D. O..985 Sequeal Aal: Te ad Codece Ierval. New York: Sprger. HärdleW..990 Smoohg Techque. Louva-La-Neuve. Soeo C.; Bock D..00 A revew ad dcuo of propecve acal urvellace publc healh. Göeborg Uver Swede. Joral Roal Sacal Soce Par pp 5-. Dggle P. J..983 Sacal Aal of Spaal Po Paer. Academc Pre Ic. Lodre. Fre M..003 Sacal urvellace. Opmal ad mehod. Ieraoal Sacal Revew o E. G..964 The deeco of pace-me eraco.. Appl. Sa Mogomer D. C..000 Iroduco o Sacal Qual Corol.. 4h Edo New York : Joh Wle 000.

PROJEÇÃO DE DOMICÍLIOS PARA OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 31/12/2004

PROJEÇÃO DE DOMICÍLIOS PARA OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 31/12/2004 PROJEÇÃO DE DOMICÍLIOS PARA OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS EM 31/12/2004 SUMÁRIO 1. INRODUÇÃO... 1 2. FONE DE DADOS... 1 3. PROJEÇÃO DO NÚMERO DE DOMICÍLIOS... 2 3.1 Mucípo emacpado em 2001... 5 3.2 População

Leia mais

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z)

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z) Exemplo pág. 28 Aplcação da dsrbução ormal Normal reduzda Z=(9 2)/2=,5 Φ( z)= Φ(z) Subsudo valores por recurso à abela da ormal:,9332 = Φ(z) Φ(z) =,668 Φ( z)= Φ(z) Φ(z) =,33 Φ(z) =,977 z = (8 2)/2 = 2

Leia mais

4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS

4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS INE 700 Aálse de Séres Temporas 4 - ANÁLISE DE SÉRIES TEMPORAIS Sére Temporal é um cojuo de observações sobre uma varável, ordeado o empo, e regsrado em períodos regulares. Podemos eumerar os segues exemplos

Leia mais

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço

Leia mais

Análise de Eficiência Energética em Sistemas Industriais de Ventilação

Análise de Eficiência Energética em Sistemas Industriais de Ventilação Aálse de Efcêca Eergéca em Ssemas Idusras de elação Kleber Davd Belovsk, Déco Bspo, Aôo Carlos Delaba, Sérgo Ferrera de aula Slva Faculdade de Egehara Elérca da Uversdade Federal de Uberlâda UFU, Aveda

Leia mais

Manual de Estatística Descritiva, Probabilidade e Inferência Estatística. Frequência Relativa % (f r )

Manual de Estatística Descritiva, Probabilidade e Inferência Estatística. Frequência Relativa % (f r ) Maual de Eaíca Decrva, robabldade e Ierêca Eaíca Tabela 3 Drbução de reuêca acumulada Varável o de ervço Freuêca bolua Freuêca bolua cumulada F Freuêca Relava % r Freuêca Relava cumulada % F r reuêca relava

Leia mais

A DESIGUALDADE DE CHEBYCHEV HÉLIO BERNARDO LOPES 1

A DESIGUALDADE DE CHEBYCHEV HÉLIO BERNARDO LOPES 1 A DESIGUALDADE DE CHEBYCHEV HÉLIO BERNARDO LOPES Resumo. A desgualdade de Chebychev cosu um resulado de grade mporâca a esmação da probabldade de acoecmeos orudos de experêcas aleaóras de que se descohece

Leia mais

TESTE DE VIDA SEQÜENCIAL COM DISTRIBUIÇÕES DE AMOSTRAGEM WEIBULL E WEIBULL INVERTIDA

TESTE DE VIDA SEQÜENCIAL COM DISTRIBUIÇÕES DE AMOSTRAGEM WEIBULL E WEIBULL INVERTIDA TST VI SQÜNCI CM ISTRIBUIÇÕS MSTRGM WIBU WIBU INVRTI ael I. e Souza Jr. Resumo: mecasmo de ese de vda seqüecal represea uma suação de ese de hpóese a qual é omada uma decsão de se acear ou se rejear uma

Leia mais

13 ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS E DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL

13 ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS E DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL 3 ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS E DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL Como vto em amotragem o prmero bmetre, etem fatore que fazem com que a obervação de toda uma população em uma pequa eja mpratcável, muta veze em vrtude

Leia mais

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida.

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida. Diciplina de Fíica Aplicada A / Curo de Tecnólogo em Geão Ambienal Profeora M. Valéria Epíndola Lea. Aceleração Média Já imo que quando eamo andando de carro em muio momeno é neceário reduzir a elocidade,

Leia mais

Como o Intervalo de Confiança para a média é bilateral, teremos uma situação semelhante à da figura abaixo:

Como o Intervalo de Confiança para a média é bilateral, teremos uma situação semelhante à da figura abaixo: INE66 Méodo Eaíico Exercício Prova - Semere 15.1 O poo de fuão (medido em C) é um apeco crucial em maeriai cerâmico, epecialmee o uado em reaore ucleare, como a ória. Receemee um fabricae apreeou dua ova

Leia mais

Escola Secundária de Jácome Ratton

Escola Secundária de Jácome Ratton Ecola Secudára de Jácome Ratto Ao Lectvo / Matemátca Aplcada à Cêca Soca Na Ecola Secudára do Suceo aualmete é premado o aluo que tver melhor méda a ua clafcaçõe a dferete dcpla. No ao lectvo 9/, o do

Leia mais

2.4. Grandezas Nominais e Reais

2.4. Grandezas Nominais e Reais 2.4. Gradezas Nomas e Reas rcpas varáves macroecoómcas (IB, C, G, I, X, Q,...): sedo agregações, são ecessaramee valores moeáros Calculadas a preços correes / em valor / em ermos omas, Mas eressa, frequeemee,

Leia mais

Departamento de Economia, FEA/USP Macroeconomia II 2º/2015 Mauro Rodrigues Primeira Lista de Exercícios - Solução

Departamento de Economia, FEA/USP Macroeconomia II 2º/2015 Mauro Rodrigues Primeira Lista de Exercícios - Solução Deparameo de Ecoomia, FEA/USP Macroecoomia II 2º/205 Mauro Rodriue Primeira Lia de Exercício - Solução. Joe, cap.4, exercício. Ver arquivo com plailha. 2. Coidere uma ecoomia a qual a fução de produção

Leia mais

Contabilometria. Números-Índices

Contabilometria. Números-Índices Coablomera Números-Ídces Foes: Seveso (1981) Esaísca Alcada à Admsração Ca. 15 Foseca, Mars e Toledo (1991) Esaísca Alcada Ca. 5 Números-Ídces Sezam modfcações em varáves ecoômcas durae um eríodo de emo

Leia mais

TENSÕES E CORRENTES TRANSITÓRIAS E TRANSFORMADA LAPLACE

TENSÕES E CORRENTES TRANSITÓRIAS E TRANSFORMADA LAPLACE TNSÕS CONTS TANSTÓAS TANSFOMADA D APAC PNCPAS SNAS NÃO SNODAS Degrau de ampliude - É um inal que vale vol para < e vale vol, conane, para >. Ver fig. -a. v (a) (b) v Fig. A fig. -b mora um exemplo da geração

Leia mais

CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PARTÍCULA: FORÇA E ACELERAÇÃO

CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PARTÍCULA: FORÇA E ACELERAÇÃO 13 CAPÍTULO 2 DINÂMICA DA PATÍCULA: OÇA E ACELEAÇÃO Nese capíulo seá aalsada a le de Newo a sua foma dfeecal, aplcada ao movmeo de paículas. Nesa foma a foça esulae das foças aplcadas uma paícula esá elacoada

Leia mais

CAPÍTULO 7 - Intervalos de confiança

CAPÍTULO 7 - Intervalos de confiança INF 16 CAPÍTULO 7 - Itervalo de cofiaça É uma maeira de calcularmo uma etimativa de um parâmetro decohecido. Muita veze também fucioa como um tete de hipótee. A idéia é cotruir um itervalo de cofiaça para

Leia mais

Perguntas Freqüentes - Bandeiras

Perguntas Freqüentes - Bandeiras Pergutas Freqüetes - Baderas Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte por lqudar a obrgação de forma parcelada

Leia mais

LCE2112 Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais 2010/02. Exemplos de revisão

LCE2112 Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais 2010/02. Exemplos de revisão LCE Etatítca Aplcada à Cêca Soca e Ambeta 00/0 Eemplo de revão Varável Aleatóra Cotíua Eemplo: Para e etudar o comportameto de uma plata típca de dua, a Hydrocotlle p., quato ao eu deevolvmeto, medu-e

Leia mais

Sistemas Série-Paralelo e

Sistemas Série-Paralelo e Capíulo 5 Cofabldade de semas ére-paralelo e Msos Flávo. Foglao uposções comus a odos os ssemas aalsados Cofabldade de ssemas é avalada um poo o empo; ou seja, compoees apreseam cofabldades esácas em.

Leia mais

Sinais e Sistemas. Env. CS1 Ground. Sine Wave Joint Actuator. Double Pendulum Two coupled planar pendulums with. gravity and sine wave forcing in the

Sinais e Sistemas. Env. CS1 Ground. Sine Wave Joint Actuator. Double Pendulum Two coupled planar pendulums with. gravity and sine wave forcing in the -4-6 -8 - - -4-6 -8 Frequecy khz Hammig kaiser Chebyshev Siais e Sisemas Power Specral Desiy Ev B F CS CS B F CS Groud Revolue Body Revolue Body Power/frequecy db/hz Sie Wave Joi Acuaor Joi Sesor Revolue

Leia mais

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula.

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula. Probabldade e Etatítca I Antono Roque Aula Medda de Dperão A medda de tendênca central não ão ufcente para e caracterzar um conjunto de dado. O motvo é que ete varação na natureza, to é, dado que venham

Leia mais

Unidade XI Análise de correlação e regressão

Unidade XI Análise de correlação e regressão Uvedade Fedeal do Ro Gade Iuo de Maemáca, Eaíca e Fíca Dcpla Pobabldade e Eaíca Aplcada à Egehaa CÓDIGO: Iodução Poceo de quema de maa ceâmca de pavmeo Udade XI Aále de coelação e egeão Vvae Lee Da de

Leia mais

= n. Observando a fórmula para a variância, vemos que ela pode ser escrita como, i 2

= n. Observando a fórmula para a variância, vemos que ela pode ser escrita como, i 2 Etatítca II Atoo Roque Aula 4 O Coefcete de Correlação de Pearo O coefcete de correlação de Pearo é baeado a déa de varâca, dada o curo de Etatítca I Como vto aquele curo, quado temo uma amotra compota

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Prova CONTROLE DE PROCESSOS Edial Nº. /9-DIPE de maio de 9 INSTRUÇÕES ERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Ue apena canea eferográfica azul ou prea. Ecreva o eu nome compleo e o número do eu documeno

Leia mais

4 Sondagem do canal de propagação rádio-móvel

4 Sondagem do canal de propagação rádio-móvel 4 Sodagem do caal de propagação rádo-móvel O desempeho dos ssemas de comucações móves é eremamee depedee do comporameo do caal de propagação. O percurso ere uma esação ase e um ermal móvel pode apresear

Leia mais

TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS

TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS A hipóese ula (Ho) usualmee esaa é a e que as uas amosras eham sio obias e populações om méias iguais,

Leia mais

MODELOS DE REGRESSÃO NÃO LINEARES

MODELOS DE REGRESSÃO NÃO LINEARES M. Mede de Olvera Excerto da ota peoa obre: MODELOS DE REGRESSÃO NÃO LINEARES Obervação No modelo de regreão dto leare, a varável depedete é exprea como fução lear do coefcete de regreão. É rrelevate,

Leia mais

Paulo Cabral Erros e Incertezas nas Medições Julho 2004

Paulo Cabral Erros e Incertezas nas Medições Julho 2004 Paulo Cabral Erro e Icerteza a Medçõe Julho 004 Erro e Icerteza a Medçõe IEP Ittuto Electrotécco Portuguê ISEP Ittuto Superor de Egehara do Porto Laboratóro de Metrologa e Eao Departameto de Fíca Rua de

Leia mais

ÍNDICE DE THEIL Referência Obrigatória: Hoffman cap 4 pags 99 a 116 e cap 3 pgs (seção 3.4).

ÍNDICE DE THEIL Referência Obrigatória: Hoffman cap 4 pags 99 a 116 e cap 3 pgs (seção 3.4). Cetro de Polítcas Socas - Marcelo Ner ÍNDICE DE HEIL Referêca Obrgatóra: Hoffma cap 4 pags 99 a 6 e cap 3 pgs 42-44 (seção 3.4).. Coteúdo Iformatvo de uma mesagem Baseado a teora da formação, que aalsa

Leia mais

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n

CAPÍTULO 1 REPRESENTAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS. Sistema monovariável SISO = Single Input Single Output. s 1 s 2. ... s n 1 CAPÍTULO 1 REPREENTAÇÃO E CLAIFICAÇÃO DE ITEMA 1.1. Represenação de ssemas 1.1.1. semas com uma enrada e uma saída (IO) e sema monovarável IO = ngle Inpu ngle Oupu s e = enrada s = saída = ssema 1.1..

Leia mais

Transformadas de Laplace

Transformadas de Laplace Trformd de plce O MÉTODO O méodo de rformd de plce é um méodo muio úil pr reolver equçõe diferecii ordiári EDO. Com rformd de plce, pode-e coverer mui fuçõe comu, i como, eoidi e morecid, em equçõe lgébric

Leia mais

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples.

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples. Estudo das relações etre peso e altura de estudates de estatístca através da aálse de regressão smples. Waessa Luaa de Brto COSTA 1, Adraa de Souza COSTA 1. Tago Almeda de OLIVEIRA 1 1 Departameto de Estatístca,

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística Resolução das atvdades complemetares Matemátca M8 Noções de Estatístca p. 3 (UFRJ) Dos estados do país, um certo ao, produzem os mesmos tpos de grãos. Os grácos de setores lustram a relação etre a produção

Leia mais

Exercícios de Cálculo Numérico Interpolação Polinomial e Método dos Mínimos Quadrados

Exercícios de Cálculo Numérico Interpolação Polinomial e Método dos Mínimos Quadrados Eercícos e Cálculo Numérco Iterpolação Polomal e Métoo os Mímos Quaraos Para a ução aa, seja,, 6 e, 9 Costrua polômos e grau, para apromar, 5, e ecotre o valor o erro veraero a cos b c l Use o Teorema

Leia mais

Curso de Óptica Aplicada

Curso de Óptica Aplicada Curso de Ópca Aplcada Faculdade de Cêcas e Tecologa Uversdade Nova de Lsboa AT 4 Propagação Deparameo Aula Teórca de Físca 5 Ópca Geomérca Curso de Ópca Aplcada Aula Teórca 4 Propagação Curso de Ópca Aplcada

Leia mais

Acção da neve: quantificação de acordo com o EC1

Acção da neve: quantificação de acordo com o EC1 Acção da neve: quanificação de acordo com o EC1 Luciano Jacino Iniuo Superior de Engenharia de Liboa Área Deparamenal de Engenharia Civil Janeiro 2014 Índice 1 Inrodução... 1 2 Zonameno do erriório...

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

Estatística 15 - Comparação entre Duas Populações

Estatística 15 - Comparação entre Duas Populações Etatítca 5 - Comaração etre Da Polaçõe 5- Comaração de Méda de Da Polaçõe µ Méda da olação µ Méda da olação Tete µ - µ µ - µ > µ - µ µ - µ < µ - µ µ - µ. Dado Emarelhado EemloVte cobaa bmetda drate ma

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9 Coteúdo IND 5 Iferêca Estatístca Aula 9 Outubro 2004 Môca Barros Dfereça etre Probabldade e Estatístca Amostra Aleatóra Objetvos da Estatístca Dstrbução Amostral Estmação Potual Estmação Bayesaa Clássca

Leia mais

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca

Validação do método de dimensionamento do número médio ideal de sementes por saca Validação do método de dimeioameto do úmero médio ideal de emete por aca Quitiliao Siqueira Schrode Nomelii 1, Dayae Alve Cota 1, Luca Floretio Silva 1, Alie Sato Ferreira 1, Jaer Moura Pereira 2, Nádia

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA Kelly Araúo César Uiversiae Caólica e Brasília Resumo Ese rabalho apresea a aálise esaísica e sobrevivêcia. Essa esima o

Leia mais

A Estrutura a Termo da Taxa de Juros: Uma Síntese *

A Estrutura a Termo da Taxa de Juros: Uma Síntese * TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 447 A Esruura a Termo da Taxa de Juros: Uma Síese * José W. Ross ** Ro de Jaero, dezembro de 996 * Esse esudo eve apoo facero do CNPq (Proc. 522436/96-0). ** Da Dreora de Pesqusa

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística Grupo C - º semestre de 004 Exercíco 0 (3,5 potos) Uma pesqusa com usuáros de trasporte coletvo a cdade de São Paulo dagou sobre os dferetes tpos usados as suas locomoções dáras. Detre ôbus, metrô e trem,

Leia mais

RIO DE JANEIRO, RJ BRASIL MARÇO DE 2009

RIO DE JANEIRO, RJ BRASIL MARÇO DE 2009 1 METODOLOGIA PARA ESTUDOS DE CIRCULAÇÃO NATURAL EM CIRCUITOS FECHADOS Rafael de Olvera Pessoa de Araujo DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NUCLEARES DO INSTITUTO

Leia mais

CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO

CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO 1. APRESENTAÇÃO Nese capíulo serão abordados vários méodos que levam em coa o uso das probabilidades a aálise de ivesimeos. Eses méodos visam subsidiar

Leia mais

MOSFET: A Dedução da equação da corrente Aula 2

MOSFET: A Dedução da equação da corrente Aula 2 MOSFET: A edução da equação da corree Aula 31 Aula Maéra Cap./pága 1ª 03/08 Elerôca PS33 Programação para a Prmera Prova Esruura e operação dos rassores de efeo de campo caal, caraceríscas esão-corree.

Leia mais

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DA DISTRIBUIÇÃO DE TEMPERATURAS EM

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DA DISTRIBUIÇÃO DE TEMPERATURAS EM SIMUAÇÃO NUMÉRICA DA DISRIBUIÇÃO DE EMPERAURAS EM UMA BARRA UNIFORME DE AÇO-CARBONO COM O MÉODO DE CRANK-NICOSON J. C. ARAÚJO R. G. MÁRQUEZ Resumo Nesse abalho é desevolvda uma solução uméca po dfeeças

Leia mais

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico Capítulo : Erros em cálculo umérco. Itrodução Um método umérco é um método ão aalítco, que tem como objectvo determar um ou mas valores umércos, que são soluções de um certo problema. Ao cotráro das metodologas

Leia mais

Ações de Controle Básicas e Controladores Automáticos Industriais. Referência: Engenharia de Controle Moderno Katsuhiko Ogata

Ações de Controle Básicas e Controladores Automáticos Industriais. Referência: Engenharia de Controle Moderno Katsuhiko Ogata Açõe e Conrole Báca e Conrolaore Auomáco Inura Referênca: Engenhara e Conrole Moerno auhko Ogaa Açõe e Conrole Báca Conrolaore e ua oçõe ou lga-elga Conrolaore roorcona Conrolaore o o negral Conrolaore

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Itrodução Aálie o domíio do tempo Repota ao degrau Repota à rampa Repota à parábola Aálie o domíio da freqüêcia Diagrama de Bode Diagrama de Nyquit Diagrama de Nichol Eta aula EM

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

ANÁLISE ELÁSTICA DE ESTRUTURAS COMPOSTAS POR LÂMINAS PLANAS DE ESPESSURAS CONSTANTES UTILIZANDO-SE O MÉTODO DOS ELEMENTOS DE CONTORNO

ANÁLISE ELÁSTICA DE ESTRUTURAS COMPOSTAS POR LÂMINAS PLANAS DE ESPESSURAS CONSTANTES UTILIZANDO-SE O MÉTODO DOS ELEMENTOS DE CONTORNO ISSN 89-586 ANÁLISE ELÁSICA DE ESRRAS COMOSAS OR LÂMINAS LANAS DE ESESSRAS CONSANES ILIZANDO-SE O MÉODO DOS ELEMENOS DE CONORNO Âgelo Vera Medoça & João Baa de ava Remo Na rmera are dee rabalho ão edada

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 MEDIDA DE INDUTÂNCIA POR ONDA RETANGULAR

EXPERIÊNCIA 7 MEDIDA DE INDUTÂNCIA POR ONDA RETANGULAR UMCCE Eng. Elérca m - ab. Crco Elérco Prof. Wlon Yamag EXPEÊNC 7 MEDD DE NDUÂNC PO OND ENGU NODUÇÃO O objvo báco da xprênca é mdr a ndânca a rênca d ma bobna zando ma onda ranglar. O prncípo da mdção é

Leia mais

4.1 Definição e interpretação geométrica de integral definido. Somas de Darboux.

4.1 Definição e interpretação geométrica de integral definido. Somas de Darboux. Aálse Memá I - Ao Levo 006/007 4- Cálulo Iegrl emr 4. Defção e erpreção geomér de egrl defdo. Soms de Drou. Def.4.- Sej f() um fução oíu o ervlo [, ]. M e m o mámo e o mímo vlor d fução, respevmee. Se

Leia mais

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12

MEDIDAS DE POSIÇÃO: X = soma dos valores observados. Onde: i 72 X = 12 MEDIDAS DE POSIÇÃO: São meddas que possbltam represetar resumdamete um cojuto de dados relatvos à observação de um determado feômeo, pos oretam quato à posção da dstrbução o exo dos, permtdo a comparação

Leia mais

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes UERJ CTC IE Departameto de Iormátca e Cêca da Computação Udade I - Erros as apromações umércas. I. - Cosderações geras. Há váras stuações em dversos campos da cêca em que operações umércas são utlzadas

Leia mais

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas Capítulo 6 - Cetro de ravdade de Superfíces Plaas 6. Itrodução O Cetro de ravdade (C) de um sóldo é um poto localzado o própro sóldo, ou fora dele, pelo qual passa a resultate das forças de gravdade que

Leia mais

Projeto de rede na cadeia de suprimentos

Projeto de rede na cadeia de suprimentos Projeto de rede a cadea de suprmetos Prof. Ph.D. Cláudo F. Rosso Egehara Logístca II Esboço O papel do projeto de rede a cadea de suprmetos Fatores que fluecam decsões de projeto de rede Modelo para decsões

Leia mais

Capítulo III Medidas Estatísticas

Capítulo III Medidas Estatísticas 8 Capítulo III Medda Etatítca III. Medda de Tedêca Cetral A apreetação de dado em tabela e gráco motra a orma da dtrbução. A medda de tedêca cetral dcam o valor do poto em toro do qual o dado e dtrbuem.

Leia mais

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Goverador Domgos Gomes de Aguar Flho Vce Goverador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GES- TÃO (SEPLAG)

Leia mais

Projeto de Inversores e Conversores CC-CC

Projeto de Inversores e Conversores CC-CC eparameno de Engenhara Elérca Aula. onversor Buck Prof. João Amérco lela Bblografa BAB, vo. & MANS enzar ruz. onversores - Báscos Não-solados. ª edção, UFS,. MOHAN Ned; UNEAN ore M.; OBBNS Wllam P. Power

Leia mais

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria Avalação da seguraça dâmca de sstemas de eerga elétrca: Teora. Itrodução A avalação da seguraça dâmca é realzada através de estudos de establdade trastóra. Nesses estudos, aalsa-se o comportameto dos geradores

Leia mais

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

EEL-001 CIRCUITOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO L IRUITOS LÉTRIOS 8 UNIFI,VFS, Re. BDB PRT L IRUITOS LÉTRIOS NGNHRI D OMPUTÇÃO PÍTULO 5 PITORS INDUTORS: omporameno com Snas onínuos e com Snas lernaos 5. INTRODUÇÃO Ressor elemeno que sspa poênca. 5.

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

Introdução aos Conversores CC-CC

Introdução aos Conversores CC-CC INIUO E ELERÔNICA E POÊNCIA epartamento de Engenhara Elétrca Centro ecnológco UNIERIAE FEERAL E ANA CAARINA Introdução ao Converore CCCC Reponável pelo Etudo: Clóv Antôno Petry (INEP/EEL UFC) Orentador:

Leia mais

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA

CONHECIMENTOS BÁSICOS MATEMÁTICA CONHECIENTOS BÁSICOS ATEÁTICA Para repoder à quetõe de o e, utilize o dado da tabela abaixo, que apreeta a freqüêcia acumulada da idade de 0 jove etre 4 e 0 ao. Idade (ao) Freqüêcia Acumulada 4 5 4 6 9

Leia mais

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO 9 - Regressão lear e correlação Veremos esse capítulo os segutes assutos essa ordem: Correlação amostral Regressão Lear Smples Regressão Lear Múltpla Correlação

Leia mais

Módulo 2: Métodos Numéricos. (problemas de valores iniciais e problemas de condições-fronteira)

Módulo 2: Métodos Numéricos. (problemas de valores iniciais e problemas de condições-fronteira) Módulo : Méodos Numércos Equações dferencas ordnáras problemas de valores ncas e problemas de condções-fronera Modelação Compuaconal de Maeras -5. Equações dferencas ordnáras - Inrodução Uma equação algébrca

Leia mais

Índices Físicos ÍNDICES

Índices Físicos ÍNDICES Ínice Fíico ÍNDICES = volume oal a amora; = volume a fae ólia a amora; = volume a fae líquia; a = volume a fae aoa; v = volume e vazio a amora = a + ; = peo oal a amora ; a = peo a fae aoa a amora; = peo

Leia mais

Teoria de Potência Ativa e Reativa Instantânea e Aplicações Filtros Ativos e FACTS

Teoria de Potência Ativa e Reativa Instantânea e Aplicações Filtros Ativos e FACTS Teora de Poêca Aa e Reaa Isaâea e Aplcações Flros Aos e FACTS (GRQ:DWDQDEH COPPE/UFRJ DXUFLR$UHGH COPPE/EE/UFRJ Laboraóro de Elerôca de Poêca Caxa Posal 6854,.945-97 Ro de Jaero RJ, Brazl E-mals: waaabe@coe.ufrj.br,

Leia mais

é é ç í é é é ç ó çõ é ê á çã é çã é á á ã é í á ã ó É ã ê í á á é á ã â é ó é é ã é é é á é ã ó ã á é í á é ê ã

é é ç í é é é ç ó çõ é ê á çã é çã é á á ã é í á ã ó É ã ê í á á é á ã â é ó é é ã é é é á é ã ó ã á é í á é ê ã Ó é é ç ç ã éó éçéá éé çí é éé çóçõé ê á çã é çã é á á ã é í á ã óéãê íáá éáãâé ó é é ã éé éáé ãóã áéí á é ê ã çã é ã é çã ãíçãê éé ô í é çóã á ó ó é çãéã ú ê é á íô á ãé úóé çãçç óçãéééõé ççã çãôáíô éçé

Leia mais

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU

PROF. DR. JACQUES FACON LIMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WULU 1 PUCPR- Ponfíca Unversdade Caólca Do Paraná PPGIA- Programa de Pós-Graduação Em Informáca Aplcada PROF. DR. JACQUES FACON IMIARIZAÇÃO POR ENTROPIA DE WUU Resumo: Uma nova écnca de marzação baseada em

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Ivetigação Operacioal Fila de Epera Liceciatura em Egeharia Civil Liceciatura em Egeharia do Território Nuo Moreira - 4/5 roblema Nuo Moreira - 4/5 No erviço de urgêcia do hopital da cidade o paciete ão

Leia mais

Eletromagnetismo Licenciatura. 18 a aula. Professor Alvaro Vannucci

Eletromagnetismo Licenciatura. 18 a aula. Professor Alvaro Vannucci leomagesmo Lcecaua 8 a aula Pofesso Alvao Vaucc Na úlma aula vmos... Poêca adada po um Dpolo léco que Oscla: P dpolo p 0 4 c quao que a Poêca adada po uma aea mea-oda: P aea q 0 4 c Agoa, em emos do valo

Leia mais

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição:

16/03/2014. IV. Juros: taxa efetiva, equivalente e proporcional. IV.1 Taxa efetiva. IV.2 Taxas proporcionais. Definição: 6// IV. Juros: taxa efetva, equvalete e proporcoal Matemátca Facera Aplcada ao Mercado Facero e de Captas Professor Roaldo Távora IV. Taxa efetva Defção: É a taxa de juros em que a udade referecal de seu

Leia mais

Interpolação. Exemplo de Interpolação Linear. Exemplo de Interpolação Polinomial de grau superior a 1.

Interpolação. Exemplo de Interpolação Linear. Exemplo de Interpolação Polinomial de grau superior a 1. Iterpolação Iterpolação é um método que permte costrur um ovo cojuto de dados a partr de um cojuto dscreto de dados potuas cohecdos. Em egehara e cêcas, dspõese habtualmete de dados potuas, obtdos a partr

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO:

MEDIDAS DE DISPERSÃO: MEDID DE DIPERÃO: fução dessas meddas é avalar o quato estão dspersos os valores observados uma dstrbução de freqüêca ou de probabldades, ou seja, o grau de afastameto ou de cocetração etre os valores.

Leia mais

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø.

Professor Mauricio Lutz REGRESSÃO LINEAR SIMPLES. Vamos, então, calcular os valores dos parâmetros a e b com a ajuda das formulas: ö ; ø. Professor Maurco Lutz 1 EGESSÃO LINEA SIMPLES A correlação lear é uma correlação etre duas varáves, cujo gráfco aproma-se de uma lha. O gráfco cartesao que represeta essa lha é deomado dagrama de dspersão.

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DOS MÉTODOS DE RESÍDUOS PONDERADOS POR QUADRATURAS GAUSSIANAS. Eduardo Moreira de Lemos

IMPLEMENTAÇÃO DOS MÉTODOS DE RESÍDUOS PONDERADOS POR QUADRATURAS GAUSSIANAS. Eduardo Moreira de Lemos IMPLEMENTAÇÃO DOS MÉTODOS DE RESÍDUOS PONDERADOS POR QUADRATURAS GAUSSIANAS Edardo Morera de Lemos DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

( k) Tema 02 Risco e Retorno 1. Conceitos Básicos

( k) Tema 02 Risco e Retorno 1. Conceitos Básicos FEA -USP Graduação Cêcas Cotábes EAC05 04_0 Profa. Joaíla Ca. Rsco e Retoro. Cocetos Báscos Rotero BE-cap.6 Tema 0 Rsco e Retoro. Cocetos Báscos I. O que é Retoro? II. Qual é o Rsco de um Atvo Idvdual

Leia mais

2 Programação Matemática Princípios Básicos

2 Programação Matemática Princípios Básicos Programação Maemáca Prncípos Báscos. Consderações Geras Os objevos dese capíulo são apresenar os conceos de Programação Maemáca (PM) necessáros à compreensão do processo de omzação de dmensões e descrever

Leia mais

Econometria: 3 - Regressão Múltipla

Econometria: 3 - Regressão Múltipla Ecoometra: 3 - Regressão Múltpla Prof. Marcelo C. Mederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. Marco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo de regressão

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA UNIDADE IV - MEDIDAS DE DISPERSÃO OU VARIAÇÃO

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA UNIDADE IV - MEDIDAS DE DISPERSÃO OU VARIAÇÃO PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA UNIDADE IV - MEDIDAS DE DISPERSÃO OU VARIAÇÃO 0 INTRODUÇÃO A medda de varação ou dperão, avalam a dperão ou a varabldade da eqüênca numérca em anále, ão medda que fornecem nformaçõe

Leia mais

Grande Conjuntos de Dados. Organização; Resumo; Apresentação. Amostra ou População. Defeitos em uma linha de produção

Grande Conjuntos de Dados. Organização; Resumo; Apresentação. Amostra ou População. Defeitos em uma linha de produção Prof. Lorí Val, Dr. val@pucr.br http://www.pucr.br/~val/ Grade Cojuto de Dado Orgazação; Reumo; Apreetação. Amotra ou População Defeto em uma lha de produção Lacado Deeho Torto Deeho Torto Lacado Torto

Leia mais

RESISTÊNCIA E PROPULSÃO Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Exame de 2ª Época 26 de Janeiro de 2010 Duração: 3 horas

RESISTÊNCIA E PROPULSÃO Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Exame de 2ª Época 26 de Janeiro de 2010 Duração: 3 horas RESISTÊNCIA E PROPULSÃO Metrado e Engenharia e Arquitectura Naval Exae de ª Época 6 de Janeiro de 010 Duração: 3 hora Quetão 1. U porta-contentore te a eguinte caracterítica: -Superfície olhada: 5454.

Leia mais

CAPITAL ADICIONAL RELATIVO AO RISCO DE SUBSCRIÇÃO DAS SOCIEDADES DE CAPITALIZAÇÃO

CAPITAL ADICIONAL RELATIVO AO RISCO DE SUBSCRIÇÃO DAS SOCIEDADES DE CAPITALIZAÇÃO Relaóro CGSOA/CORIS Caal Adconal Relavo ao Rco de Sbcrção da Socedade de Caalzação CAPITAL ADICIOAL RELATIVO AO RISCO DE SUBSCRIÇÃO DAS SOCIEDADES DE CAPITALIZAÇÃO RELATÓRIO Sernendênca de Segro Prvado

Leia mais

Sistema de vigilância para detecção de interações espaçotempo de eventos pontuais

Sistema de vigilância para detecção de interações espaçotempo de eventos pontuais Ssema de vglânca para deecção de nerações espaçoempo de evenos ponuas Taynãna C. Smões, Renao M. Assunção Deparameno de Esaísca Unversdade Federal de Mnas Geras (UFMG) Caxa Posal: 72 327-9 Belo Horzone

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

Análise tributária das formas de remuneração dos sócios: uma abordagem com cálculo atuarial

Análise tributária das formas de remuneração dos sócios: uma abordagem com cálculo atuarial Aálse rbuára das formas de remueração dos sócos: uma abordagem com cálculo auaral Resumo A redução dos cusos de emresas or meo de laejameo rbuáro é óco recorree, ao a esqusa coábl acadêmca, como a ráca

Leia mais

CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES

CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES ARGA E DESARGA DE APAITORES O assuno dscudo ns argo, a carga a dscarga d capacors, aparcu dos anos conscuvos m vsbulars do Insuo Mlar d Engnhara ( 3). Ns sudo, srão mosradas as dduçõs das uaçõs d carga

Leia mais

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático Requstos metrológcos de strumetos de pesagem de fucoameto ão automátco 1. Geeraldades As balaças estão assocadas de uma forma drecta à produção do betão e ao cotrolo da qualdade do mesmo. Se são as balaças

Leia mais

Noções Básicas de Medidas e Algarismos Significativos

Noções Básicas de Medidas e Algarismos Significativos Noções Báscas de Meddas e Algarsmos Sgfcatvos Prof. Theo Z. Pava Departameto de Físca - Faculdade de Flosofa, Cêcas e Letras de Rberão Preto-USP Físca Acústca Motvações Quas são os padrões de meddas? Podemos

Leia mais

Organização de dados -Dados não agrupados n. Mediana:

Organização de dados -Dados não agrupados n. Mediana: Orgazação de dado -Dado ão agruado Medaa: Poto de ocoameto: Méda: Moda: valor que ocorre com maor freqüêca Méda de Itervalo: + m max + Quartl: (ara j, ou 3) j( +) Poto de ocoameto: 4 Méda da Juta: Q +

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO IMPACTO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE HOMICÍDIOS FICA VIVO

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO IMPACTO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE HOMICÍDIOS FICA VIVO AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO IMPACTO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE OMICÍDIOS FICA VIVO Rafael Almeda da Maa Môca Vegas Adrade Resumo O argo vesga a efevdade do programa de corole de homcídos Fca Vvo cado o fal

Leia mais

4- Método de Diferenças Finitas Aplicado às Equações Diferenciais Parciais.

4- Método de Diferenças Finitas Aplicado às Equações Diferenciais Parciais. MÉTODOS NM ÉRICOS PARA E QAÇÕES DIFEREN CIAIS PARCIAIS 4- Méodo de Difereças Fiias Aplicado às Equações Difereciais Parciais. 4.- Aproximação de Fuções. 4..- Aproximação por Poliômios. 4..- Ajuse de Dados:

Leia mais