ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA"

Transcrição

1 ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA Kelly Araúo César Uiversiae Caólica e Brasília Resumo Ese rabalho apresea a aálise esaísica e sobrevivêcia. Essa esima o risco e falha ou more ao logo o empo, que é gerao por meio a esimaiva a fução e sobrevivêcia. Poe-se efiir os experimeos com empos e via, que são variáveis aleaórias represeao os empos ese o iício o experimeo aé a ocorrêcia e um eveo e ieresse. Uilizao écicas em Aálise e Sobrevivêcia, foram realizaas aálises ãoparaméricas via Kapla-Meier e Tabela e Via para o esuo o empo e via e um grupo e paciees com câcer e mama, o períoo e 929 a 938 (Elisa, 992). Palavras-chave: aálise e sobrevivêcia; méoos ão-paraméricos; fução e cofiabiliae.. INTRODUÇÃO A Aálise Esaísica e Sobrevivêcia é um méoo esaísico usao para aálise e aos e sobrevivêcia erivaos e esuos e laboraórios, ou sea, ela esua, por exemplo, o empo em que um iivíuo sobrevive a um eermiao raameo e o empo e resposa a um ao raameo e por meio esa aálise, buscam ovos prouos farmacêuicos e raameos mais aequaos e acoro com caa siuação. Os mesmos méoos são aequaos para aplicações a cofiabiliae iusrial, ciêcias sociais e egócios, e ese caso leva o ome e Teoria a Cofiabiliae. Em oos os casos efii-se falha e cosieram-se os empos ere falhas. Falhas a sobrevivêcia poe ser morrer, recair, recuperar, ec, e a cofiabiliae poe ser falha e ies elerôicos, um mau fucioameo especificao e um prouo, ere ouros. Os empos ere falhas são variáveis aleaórias e por isso um os obeivos essa aálise é esimar a fução e isribuição e probabiliae ese variável, chamaa fução e sobrevivêcia uilizao para iso a Tabela e via e o Esimaor e Kapla-Meier. A Tabela e Via cosise em iviir o eixo o empo em cero úmero e iervalos, o que facilia a realização os cálculos quao há uma amosra grae. Já o esimaor e Kapla- Meier cosiera aos iervalos quao forem o úmero e falhas isias, o que possibilia maior precisão os cálculos. Para a compreesão a aplicação, escrevemos primeiramee uma breve fuameação eórica que irá ar algus coceios, explicações e fórmulas. Liceciaa o Curso e Maemáica a Uiversiae Caólica e Brasília

2 A aplicação apresea aos reais sobre um grupo e paciees com câcer os seios (Elisa, 992). Uma aálise e sobrevivêcia foi realizaa para respoer o empo méio e via esses paciees, a proporção e sobrevivêcia em períoos especificaos, a variâcia essas esimaivas, o úmero méio e ias para o qual % erão morrio. Por úlimo foi comparao o méoo a abela e via com o esimaor e Kapla-Meier. 2. PRELIMINARES A Aálise Esaísica e Sobrevivêcia uiliza aos que evolvem empo para um cero eveo, (como morrer, recair, recuperar), ou sea, ela esua o empo em que um iivíuo sobrevive a um eermiao raameo, o empo e resposa a um ao raameo, o empo em que um iivíuo esevolveu uma oeça, ec. Poemos exemplificar, cosierao a aálise a sobrevivêcia e paciees ifecaos com um vírus leal, cosierao que após ser aplicao uma eermiaa meicação e sabeo que o empo e sobrevivêcia esá seo regisrao em ias, o méoo poe respoer: Qual o úmero méio e ias compleaos aé a more e um iivíuo? Qual a porceagem e mores esperaa coferio ois aos e meicação? Qual o úmero e ias para o qual % os iivíuos erão morrio? Por meio esa aálise é possível verificar e eficiêcia os raameos, esevolver ovos prouos farmacêuicos, selecioar o raameo mais aequao para caa siuação, e acoro com os resulaos obios as pesquisas. O méoo esaísico aborao é ão-paramérico (ão é ecessário especificar a isribuição e probabiliae), seo eses, a Tabela e Via e Esimaor e Klapa-Meier. Para uma melhor compreesão ese esuo, a seguir, emos uma breve fuameação eórica. Defiição 2.. Aálise e Sobrevivêcia (ou Teoria a Cofiabiliae) é um méoo esaísico usao para aálise e aos e sobrevivêcia erivaos e esuos e laboraórios (muias vezes com aimais) ou e clíicas relacioaas a oeças aguas severas ou faais. Defiição 2.2. Tempo e Sobrevivêcia em geral, é efiio como o empo e ocorrêcia e um ao eveo. Ese eveo poe ser o esevolvimeo e uma oeça, resposa a um raameo, uma recaía, ou more. Tempos e Sobrevivêcia são ambém refereciaos como Daos e Sobrevivêcia, Observações exaas ou aia Observações ão Cesuraas. Defiição 2.3. Falha ou more é a ocorrêcia e um eermiao eveo, que poe ou ão ser pré-esabelecio o iício a pesquisa. Por exemplo, uma falha poe ser a more e um ser em esuo ou uma recaía, mas ambém poe ser cosieraa como a melhora o quaro clíico o paciee. Defiição 2.4. Daos Cesuraos ocorrem, quao algus sueios em esuo ão ermiam o eveo e ieresse, ou sea, falham aé o fim o esuo ou empo e aálise. Por exemplo,

3 algus paciees poem aia esar vivos ou em remissão o fial o períoo e esuo. Os exaos empos e sobrevivêcia eses sueios ão são cohecios. Eses aos são ambém chamaos observações cesuraas ou empos cesuraos. Exisem rês ipos e cesuras: A Cesura Tipo I é aquela, oe o ese será ermiao após um períoo pré-esabelecio e empo. Nese caso o esuo é iiciao com um úmero fixo e pessoas (ou quaisquer seres vivos). O empo e sobrevivêcia (ese o iício o experimeo aé a falha) é regisrao, ou sea, é obia uma observação exaa ou ão cesuraa. O empo e sobrevivêcia os seres que aia ão morreram aé o érmio o esuo ão será cohecio, por isso é regisrao o períoo míimo observao, iso é, a observação cesuraa. A Cesura Tipo II é aquela, oe o ese será ermiao após er ocorrio a falha em um úmero pré-esabelecio e seres sob ese. Traa-se e esperar aé que uma pare pré-esabelecia os seres morra. Dos sobrevivees são eão exraías as observações cesuraas. Na Cesura Tipo III o períoo e esuo é fixao e os seres eram o esuo em iferees empos urae aquele períoo. Algus poem morrer aes o fim o esuo e os empos e sobrevivêcia exaos eles são cohecios. Ouros poem ser reiraos aes o fial o esuo e assim, são perias as resposas. E aia em aqueles que poem esar vivos o fial o esuo. Para a pera e paciees, empos e sobrevivêcia é o míimo ese a eraa eles aé o úlimo coao. E para aqueles aia vivos, empo e sobrevivêcia é o míimo a eraa aé o fial o esuo. Eses ois úlimos gêeros cosiuem as observações cesuraas. Observação: O sial e + é usao como oação e uma observação cesuraa. Exemplo, 9+, iso quer izer, que uma cesura ocorre com 9 meses ou com 9 ias, ec. Poemos perceber que o empo e sobrevivêcia esá sueio a variações aleaórias, e como oa variável aleaória, possui uma isribuição. A isribuição o empo e sobrevivêcia é geralmee caracerizaa por rês fuções: (a) fução e sobrevivêcia, (b) fução esiae e probabiliae e (c) fução e risco. Deoao a variável aleaória empo e sobrevivêcia por T, emos: ) Fução e Sobrevivêcia (S() ou R()) é efiia como a probabiliae que um iivíuo sobreviva além e : S( ) = P( T > ) = P( T ) = F( ), oe F() é a fução e isribuição acumulaa. Nese caso F() represea a probabiliae e more aé o empo. Temos que, S()= e lim S( ) =

4 Na práica, se ão exisem observações cesuraas, a fução e sobrevivêcia é esimaa a seguie forma: úmero e paciees que sobrevivem após S ˆ ( ) = úmero _ oal _ e _ paciees (proporção e sueios que sobreviveram após ). 2) Fução Desiae e Probabiliae (f()) é a probabiliae, e more (ou falha) em um pequeo iervalo por uiae e empo. P( < T < + ) f ( ) = lim. Na práica, se ão exisirem observações cesuraas a fução f() é esimaa por: f ˆ( ) = úmero _ e _ paciees _ que _ morrem _ o _ i ervalo _ e a _ ( úmero _ oal _ e _ paciees) ( comprimeo _ i ervalo) 3) Fução e Risco (h()) é a probabiliae que um iivíuo morra em um iervalo muio curo e empo, ao que o iivíuo sobreviveu aé o iício o iervalo. P( T < + T ) h( ) = lim. Na práica quao ão exisirem observações cesuraas, a fução h() é esimaa por: º_ e _ paciees _ que _ morreram _ o _ i ervalo _ que _ iicia _ em _ h ˆ( ) = ( º_ e _ paciees _ que _ sobreviveram _ aé _ ).( comprimeo _ o _ i ervalo) = úmero_ e _ paciees_ que_ morrem_ por _ uiae_ e _ empo_ o _ iervalo = úmero_ e _ paciees_ que_ sobreviveram _ aé _ 3. ESTIMAÇÃO DA FUNÇÃO DE SOBREVIVÊNCIA NA PRESENÇA DE CENSURA 3.- Tabela e Via A Tabela e Via ou Méoo Auarial é uma as mais aigas écicas esaísicas uilizaas para esimar caracerísicas associaas à isribuição os empos e falha. A cosrução e uma Tabela e Via cosise em iviir o eixo o empo em cero úmero e iervalos. Para caa um os iervalos esima-se para q ( ) a probabiliae e um iem falhar o iervalo, ). [ i i ˆ i

5 qˆ( ) = i úmero _ e _ falhas _ o _ i ervalo [ úmero _ sob _ risco _ em i i, ) ( úmero _ cesurao _ em [ i i, )) / 2 i Um ser esá sob risco o empo se aia ão falhou ou ão foi cesurao aé ese empo. A explicação para a segua pare o eomiaor, é que seres para os quais a cesura ocorreu o iervalo [ i, i ) são raaos como se esivessem sob risco urae a meae o iervalo cosierao. Observe que, ao que o ser ão morreu aé i, a sua probabiliae e morrer o iervalo [ i, ) é q i, e coseqüeemee a probabiliae e ão morrer é qi. Ieificação os ies a abela: O ermo (meio em ias, semaas, meses, horas e ec) é uilizao para ieificar o empo percorrio ese o iício a observação, seo que é o empo iicial a pesquisa e é o empo fial. O úmero e paciees que esão sob risco é eoao por, seo ese o úmero oal e paciees o iício a pesquisa. As falhas ou mores o esuo e pesquisa são aboraas, por iervalo. Assim eoamos como seo o úmero e falhas ou mores ocorrios o iervalo ). As cesuras, ambém são aboraas por iervalo e eoaa por e empo, é expresso como R ˆ( ). [ c. Em relação a probabiliae e more o períoo qˆ. E a proporção coicioal e sobrevivêcia é eoaa como Na Tabela, ecoramos as esimaivas a abela e via para o caso geral. Tabela : Esimaivas a Tabela e Via (empo) (risco) (falhas ou mores) 2 c = qˆ -% (probabiliae e more o períoo e empo) = q c - cesura ( c 2) c = q ˆ( ) R -% (proporção coicioal sobrevivêcia) ( c 2) c q = r c = = q c 2) c r q = r ( e

6 O méoo a Tabela e Via ormalmee uiliza poucos iervalos, e isso os á uma aproximação grosseira a veraeira proporção coicioal e a axa e moros/falhas. Uma forma e miimizar ese problema é usar o Esimaor e Klapa-Meier O Esimaor e Kapla-Meier O Esimaor e Kapla-Meier a sua cosrução cosiera aos iervalos e empo, quao forem o úmero e falhas isias. Ele é efiio a seguie forma: Supoha que exisem ies sob ese e K( ) falhas isias os empos < 2 < < k Ocasioalmee, poe ocorrer mais e uma falha o mesmo empo, o que é chamao e empae. Desa forma, usamos a seguie oação: : úmero e falhas o empo ; : úmero e ies sob risco (ão falhou e ão foi cesurao) em (exclusive). O esimaor e Kapla-Meier e R ˆ( ) é efiio como: Rˆ( ) = (( ) / )(( oe é o maior empo e falha meor que. ) / ))...(( ) / Na Tabela 2, ecoramos o esimaor e Kapla-Meier para o caso geral. Tabela 2: Esimaor e Kapla-Meier c (cesuras) (falhas ou mores) (risco) R ) (proporção coicioal e sobrevivêcia) % c = T c ˆ( ) (( - )/ )=r T 2 c 2 c2 = 2 2 r (( 2-2)/ 2)=r c... c = ( ) ( )... r (-)(( - )/ )=r Tao os esimaores a abela e via quao o e Kapla-Meier, são sueios a variação amosral e, eão, é eseável que ehamos uma iéia e sua precisão. Uma esimaiva para a variâcia o esimaor e Kapla-Meier é aa por: ( 2 Var Rˆ( )) = Rˆ( ) [( / ( )) + ( 2 / 2 ( 2 2 )) ( / ( ))]

7 oe é o maior empo e falha meor que. Esa expressão é cohecia como fórmula e Greewoo. Se a variação for pequea, mais preciso será o cálculo. 3- APLICAÇÃO Os aos abaixo represeam os empos e sobrevivêcia e um grupo e 2 paciees com câcer e mama obios e um grae hospial um períoo e 929 a 938. Os empos e via são aos em meses e as observações cesuraas êm um sial +. (Elisa, 992) Na Tabela 3, apreseamos a abela e Kapla-Meier, observao a mesma poemos esimar as probabiliaes e sobrevivêcia em e 5 aos. Cosierao que um mês em 3 ias. Aplicao a fórmula o esimaor e Kapla-Meier emos que, a esimaiva e sobrevivêcia em = ao é R ˆ (2) Rˆ(,8) = 89,4%. Realizao um cálculo mais preciso, emos por ierpolação que x = Rˆ (2) = 88,6%. Tal cálculo foi obio a seguie forma:,8943,8895 x,8895 = 2,2,8 2,2 2 A esimaiva e sobrevivêcia em = 5 aos é R ˆ (6) = 45,%. Iso sigifica que a probabiliae e um paciee sobreviver mais que um ao é 88,6% e a probabiliae e sobreviver mais que cico aos é 45,%. Após um ao 3 pessoas erão falecio. E após cico aos 6 pessoas erão falecio. Coferio ois aos e meicação o úmero e mores esperao é e 38 pessoas. O úmero e ias para o qual % os paciees erão morrio é aproximaamee um ao. A variâcia relacioaa a um e cico aos é relaivamee pequea, seo: Var( Rˆ(.8)) =,82278 e a Var ( Rˆ(6)) =,24848.

8 O empo méio e via os paciees em esuo, represeao pela meiaa, é aproximaamee 5 meses. Tabela 3: Esimaivas e Kapla-Meier para os aos em esuo c (falhas ou (risco) (meses) R( )-% (proporção (cesuras) mores) coicioal e sobrevivêcia) 2 %,3 2 99,74% ,333% 5, ,493% 6, ,652% 6, ,82% 6, ,97% 6, ,3% 7,5 93,283% 8,4 92,435% 8, ,587%, ,739% ,89%, ,43% 2, ,95% 2, ,347% 3, ,499% 4, ,65% 4,4 2 84,83% 4,8 2 83,955% 5, ,98% 6, ,24% 6, ,384% 6, ,528% 6, ,67% 7, ,84% 7, ,958% 7, ,% 7, ,244% 9, ,388% 2, ,53% 2, ,674% ,88% ,96% 2, ,4% ,248%

9 23, ,38% ,53% ,646% 27, ,779% 28, ,9% 29, ,44% ,77% ,3% ,442% ,575% ,78% ,84% ,934% ,968% ,968% ,969% ,95% ,874% ,677% ,452% ,227% ,97% ,75% ,426% ,9% ,972% 8 2 4,926% ,652% ,379% ,36% Abaixo emos a represeação gráfica o Esimaor e Kapla-Meier.

10 Figura Represeação Gráfica as Proporções Coicioais e Sobrevivêcia e um grupo e 2 paciees com câcer a mama obios e um grae hospial um períoo e 929 a 938 com relação às esimaivas e Kapla-Meier. Na Tabela 4, apreseamos a abela auarial com iervalos e um ao, para esa aplicação. A esimaiva e sobrevivêcia em = ao é R ˆ (2) = 89,2% e = 5 aos é R ˆ (6) = 46,8%. Iso sigifica, que a probabiliae e um paciee sobreviver mais que ao é 89,2% e a probabiliae e sobreviver mais que cico aos é 46,8%. Após um ao 3 pessoas erão falecio. E após cico aos 6 pessoas erão falecio. Coferio ois aos e meicação o úmero e mores esperao é e 38 pessoas. O úmero e ias para o qual % os paciees erão morrio é aproximaamee um ao. Realizao uma ierpolação liear, emos que o empo méio e via é 54 meses, ou sea, R ˆ (54) = 5%. Tal cálculo foi obio ecorao a meiaa a seguie forma:,5388,468,5,468 = x Tabela 4: Esimaivas a Tabela e Via para os aos em esuo. - (ao) - - (risco) (falhas ou mores) c - (cesuras) Abaixo emos a represeação gráfica a Tabela e Via. qˆ - (probabiliae e more o períoo e empo) R ˆ( ) (proporção coicioal e sobrevivêcia) ,9,% ,22 89,2% ,38 69,4% , 59,87% ,43 53,88% ,36 46,8% ,93 44,53% , 4,39% ,9% ,9% ,2 35,9% ,72% >44 28,72%

11 Figura 2 Represeação Gráfica as Proporções Coicioais e Sobrevivêcia e um grupo e 2 paciees com câcer a mama obios e um grae hospial um períoo e 929 a 938 com relação às esimaivas a abela e Via. Comparao os esimaores e Kapla-Meier com os esimaores a Tabela e Via, poe-se oar que ão há muia ifereça ere as probabiliaes coicioais e sobrevivêcia, seo assim, qualquer um os méoos poeria ser uilizao. Claro que, o méoo a Tabela e Via é mais rápio e ser obio em relação aos cálculos realizaos o méoo e Kapla-Meier. 4. CONCLUSÃO O obeivo básico a aálise e sobrevivêcia é esimar o risco e falha ao logo o empo, que é gerao por meio a esimaiva a fução e sobrevivêcia. Poe-se efiir os experimeos com empos e via cuas uiaes eham como variável epeee os empos, observaos ese o iício o experimeo aé a ocorrêcia e um eveo e ieresse. Uma caracerísica presee eses ipos e esuos é a preseça e cesuras, que é a ão observação o empo e ocorrêcia o eveo. As esimaivas poem ser obias a parir e méoos ão-paraméricos (que ão supõe ehuma isribuição associaa). Verificou-se aravés a Tabela e Via e e Kapla-Meier a aálise e sobrevivêcia os paciees com câcer a mama. Houve uma relaiva ifereça ere os resulaos obios pelos ois méoos, ficao a cargo o pesquisaor escolher o méoo mais aequao e acoro com os seus ieresses. Com esa pesquisa pue perceber que uma aálise esaísica os empos e via e obeos ou pessoas em esuo em sio realizaa em iversas áreas o cohecimeo, especialmee em egeharia e ciêcias bioméicas. Após oo ese processo e esuo-pesquisa, pue compreeer os coceios básicos a aálise e sobrevivêcia, a esimação ão paramérica as fuções e sobrevivêcia e, com uma aplicação, reforcei os cohecimeos aquirios.

12 Dese á, cocluo que o rabalho é e grae valia, pois o mesmo coribui para o meu crescimeo profissioal e pessoal. Uma sugesão para esuos fuuros seria: fazer uma aplicação comparao a aálise e sobrevivêcia e um grupo e paciees em relação à iae, sexo e raameos. BIBLIOGRAFIA Borges, Wager S; Colosimo, Erico A; Freias, Mara A. (996) Méoos Esaísicos e Melhoria a Qualiae Cosruio Cofiabiliae em Prouos. ABE- Associação Brasileira e Esaísica, São Paulo, 27p. Dowig, Douglas; Clark, Jeffrey. (2) Esaísica Aplicaa. E. Saraiva, São Paulo, 455p. Lawless, J. F.(982) Saisical Moels a Lifeime Daa. E. Joh Wiley & Sos. Maris, Gilbero A. (22) Esaísica Geral e Aplicaa. E. Alas, São Paulo, 47p. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Lee, Elisa T. (992) Saisical Mehos for Survival Daa Aalysis. E. Joh Wiley & Sos.

TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS

TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS A hipóese ula (Ho) usualmee esaa é a e que as uas amosras eham sio obias e populações om méias iguais,

Leia mais

CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO

CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO 1. APRESENTAÇÃO Nese capíulo serão abordados vários méodos que levam em coa o uso das probabilidades a aálise de ivesimeos. Eses méodos visam subsidiar

Leia mais

Métodos de Amortização

Métodos de Amortização Méodos de Amorização Rui Assis Egeheiro Mecâico IST rassis@rassis.com www.rassis.com Fevereiro de 2006 Reviso em Seembro de 20 Méodos de Amorização Irodução Na perspeciva coabilísica, a amorização referese

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 03 Métodos Cinéticos

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 03 Métodos Cinéticos Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos Irodução O esudo ciéico, usualmee, é feio a arir de dados exerimeais coleados durae a evolução de uma reação química. Eses dados coleados

Leia mais

Equação diferencial é uma equação que apresenta derivadas ou diferenciais de uma função desconhecida.

Equação diferencial é uma equação que apresenta derivadas ou diferenciais de uma função desconhecida. . EQUAÇÕES DIFERENCIAIS.. Coceito e Classificação Equação iferecial é uma equação que apreseta erivaas ou ifereciais e uma fução escohecia. Seja uma fução e e um iteiro positivo, etão uma relação e igualae

Leia mais

conceito de análise de investimento

conceito de análise de investimento 1. coceio de aálise de ivesimeo Aálise de Ivesimeos Prof. Uério Cruz O coceio de aálise de ivesimeo pode hoje ser um cojuo de écicas que permiem a comparação ere resulados de omada de decisões referees

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA E O EFEITO ESTUFA

MODELAGEM MATEMÁTICA E O EFEITO ESTUFA a MODELAGEM MATEMÁTICA E O EFEITO ESTUFA Âgela Maria Loureção Gerolômo 1 UEL Uiversidade Esadual de Lodria agela-maemaica@uol.com.br Rodolfo Eduardo Verua 2 UEL Uiversidade Esadual de Lodria rodolfoverua@yahoo.com.br

Leia mais

2 Métodos de previsão de vendas de itens de estoque 2.1 Introdução

2 Métodos de previsão de vendas de itens de estoque 2.1 Introdução 8 Méodos de previsão de vedas de ies de esoque. Irodução A previsão de demada é processo comum o plaejameo das empresas e poderá ser basae úil o corole de esoques e egociações de preços. Ao se rabalhar

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

Comparando Fluxos de Caixa Em Moedas Diferentes

Comparando Fluxos de Caixa Em Moedas Diferentes Trabalho Apreseado o II SEGeT II Simpósio de Excelêcia em Gesão e Tecologia promovido pela Associação Educacioal Dom Bosco (AEDB) Comparado Fluxos de Caixa Em Moedas Diferees Marcelo Heriques de Brio -

Leia mais

MÉTODO PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS: ALTERNATIVA PARA CLASSIFICAÇÃO DE PROJETOS COM PRAZO E VOLUME DE RECURSOS DIFERENTES.

MÉTODO PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS: ALTERNATIVA PARA CLASSIFICAÇÃO DE PROJETOS COM PRAZO E VOLUME DE RECURSOS DIFERENTES. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de ouubro de

Leia mais

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA)

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA) (Fuves-SP) (UERJ) No esáio o Morumbi, 0 000 orceores assisem a um jogo. Aravés e caa uma as 6 saías isponíveis, poem passar 000 pessoas por minuo. Qual é o empo mínimo necessário para esvaziar o esáio?

Leia mais

FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schubert

FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schubert FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schuber Esa maéria que ão em bibliografia e o seu coceio o ambiee coábil refere-se aos bes iagíveis e os auores ficam com os ies iagíveis possíveis de serem regisrados pela coabilidade

Leia mais

Técnicas de Previsão

Técnicas de Previsão Técicas de Previsão Prof. Ferado Auguso Silva Maris www.feg.uesp.br/~fmaris fmaris@feg.uesp.br 1 Sumário 1. Coceios 2. Eapas de um Modelo de Previsão 1. Objeivos 2. Colea e aálise de dados 3. Seleção da

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NA GESTÃO FLORESTAL

MATEMÁTICA FINANCEIRA NA GESTÃO FLORESTAL Uiversidade de São Paulo - Escola Superior de Agriculura 'Luiz de Queiroz' MATEMÁTICA FINANCEIRA NA GESTÃO FLORESTAL Avaliação de Projeos Floresais (Técicas de Maemáica Fiaceira) Prof. Luiz Carlos Esraviz

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

1. Um capital de $80.000,00 é aplicado à taxa de 2,5% ao mês durante um trimestre. Determine o valor dos juros acumulados neste período.

1. Um capital de $80.000,00 é aplicado à taxa de 2,5% ao mês durante um trimestre. Determine o valor dos juros acumulados neste período. MATEMÁTIA FINANEIRA RESOLUÇÃO DOS EXERÍIOS I. UROS SIMPLES. Um capial de $8., é aplicado à axa de 2,5% ao mês durae um rimesre. Deermie o valor dos juros acumulados ese período. i..,25 8. 3 6., 2. Um egociae

Leia mais

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 *

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * Mecânica e Sisemas e Parículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * 1. A velociae e escape e um planea ou esrela é e nia como seno a menor velociae requeria na superfície o objeo para que uma parícula escape

Leia mais

Sistemas Dinâmicos. Sistema massa-mola-atrito. O que é um sistema? Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo

Sistemas Dinâmicos. Sistema massa-mola-atrito. O que é um sistema? Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo Sisemas Diâmicos Sisemas Lieares e Ivariaes o Tempo O que é um sisema? Sisema massa-mola-ario Um sisema é um objeco ou grupo de objecos que ieragem com o mudo. Essa ieracção é represeada aravés de eradas

Leia mais

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS DE TRANSDUTORES DE PRESSÃO PIEZORRESISTIVOS

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS DE TRANSDUTORES DE PRESSÃO PIEZORRESISTIVOS DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS 15 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS DE TRANSDUTORES DE PRESSÃO PIEZORRESISTIVOS Evaldo Ferezi Luiz Carlos Felicio EESC-USP, Av.

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Índices Físicos ÍNDICES

Índices Físicos ÍNDICES Ínice Fíico ÍNDICES = volume oal a amora; = volume a fae ólia a amora; = volume a fae líquia; a = volume a fae aoa; v = volume e vazio a amora = a + ; = peo oal a amora ; a = peo a fae aoa a amora; = peo

Leia mais

2 o Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo & Gás

2 o Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo & Gás o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS MONITORAMENTO DA PERFORMANCE TÉRMICA DE TROCADORES E REDES DE TROCADORES DE CALOR Paulo César Toi, Cezar Oaviao Ribeiro Negrão Laboraório e Ciêcias Térmicas

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

TEORIA DE VALORES EXTREMOS PARA CÁLCULO DE VaR *

TEORIA DE VALORES EXTREMOS PARA CÁLCULO DE VaR * TEORIA DE VALORES ETREMOS PARA CÁLCULO DE VaR * Luiz Alvares Rezede de Souza ** (lalvares@usp.br) Marcos Eugêio da Silva *** (medsilva@usp.br) Julho de 999 Resumo É cohecido o fao de que disribuições de

Leia mais

Resposta no tempo de sistemas de primeira e de segunda ordem só com pólos

Resposta no tempo de sistemas de primeira e de segunda ordem só com pólos Resposa o empo de sisemas de pimeia e de seguda odem só com pólos Luís Boges de Almeida Maio de Iodução Esas oas apeseam, de foma sumáia, o esudo da esposa o empo dos sisemas de pimeia e de seguda odem

Leia mais

CÁLCULO DO BALANÇO ENTRE ATIVIDADES REPETITIVAS PARA USO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS.

CÁLCULO DO BALANÇO ENTRE ATIVIDADES REPETITIVAS PARA USO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. CÁLCULO DO BALANÇO ENTRE ATIVIDADES REPETITIVAS PARA USO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Carlos Luciao Sa Aa Vargas Mesrado do Programa de Pós-graduação em Egeharia de Produção a UFSC Praça

Leia mais

Capital Adicional Baseado no Risco de Subscrição de Seguro de Vida Individual e Previdência

Capital Adicional Baseado no Risco de Subscrição de Seguro de Vida Individual e Previdência Coorenação Geral e Moniorameno e Solvência - CGSO Coorenação e Moniorameno e iscos COIS Capial icional Baseao no isco e Subscrição e Seguro e Via Iniviual e Previência io e Janeiro, março e 2011 Coorenação

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

PRODUTIVIDADE E EFICIÊNCIA COMO FATORES DETERMINANTES DA RENTABILIDADE NA ATIVIDADE LEITEIRA

PRODUTIVIDADE E EFICIÊNCIA COMO FATORES DETERMINANTES DA RENTABILIDADE NA ATIVIDADE LEITEIRA PRODUTIVIDADE E EFICIÊNCIA COMO FATORES DETERMINANTES DA RENTABILIDADE NA ATIVIDADE LEITEIRA Ariano Provezano Gomes Robero Serpa Dias 2 Resumo: A análise e janelas a DEA e o ínice e Malmquis foram aplicaos

Leia mais

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z)

Exemplo pág. 28. Aplicação da distribuição normal. Normal reduzida Z=(900 1200)/200= 1,5. Φ( z)=1 Φ(z) Exemplo pág. 28 Aplcação da dsrbução ormal Normal reduzda Z=(9 2)/2=,5 Φ( z)= Φ(z) Subsudo valores por recurso à abela da ormal:,9332 = Φ(z) Φ(z) =,668 Φ( z)= Φ(z) Φ(z) =,33 Φ(z) =,977 z = (8 2)/2 = 2

Leia mais

Análise de uma Fila Única

Análise de uma Fila Única Aálise de ua Fila Úica The A of oue Syses Pefoace Aalysis Ra Jai a. 3 Fila Úica O odelo de filas ais siles coé aeas ua fila Pode se usado aa aalisa ecusos idividuais e siseas de couação Muias filas ode

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

MATEMÁTICA 4 AULA 2 RESOLUÇÕES SÉRIE AULA

MATEMÁTICA 4 AULA 2 RESOLUÇÕES SÉRIE AULA QUSTÕS MTMÁTIC 4 RVISÃO FINL OBJTIVS NM 0 /6 ROFSSOR MRCLO RNTO MTMÁTIC 4 UL RSOLUÇÕS SÉRI UL ) Resolução: Como as uas maiores prouções são as e 008 e 009, esse foi o biêio que apresetou a maior proução

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

ASPECTOS FINANCEIROS DA PRODUÇÃO DE TECA NO ESTADO DE MATO GROSSO

ASPECTOS FINANCEIROS DA PRODUÇÃO DE TECA NO ESTADO DE MATO GROSSO ASPECTOS FINANCEIROS DA PRODUÇÃO DE TECA NO ESTADO DE MATO GROSSO Humbero Âgelo 1, Versides Sebasião de Moraes e Silva 2, Álvaro Nogueira de Souza 1, Adré Corazza Gao 3 1 Eg. Floresal, Dr., Depo. de Egeharia

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

ÁLGEBRA DE MATRIZES. Baseado no Capítulo 2 do livro: Linear Models in Statistics, A. C. Rencher, 2000 John Wiley & Sons, New York.

ÁLGEBRA DE MATRIZES. Baseado no Capítulo 2 do livro: Linear Models in Statistics, A. C. Rencher, 2000 John Wiley & Sons, New York. ÁGEBRA DE ATRIZES Bseo o Cpíulo o livro: ier oels i Sisics, A. C. Recher, Joh Wiley & Sos, New York. eril prepro pelo Prof. Dr. Césr Goçlves e im E-mil: ceglim@usp.r DCE/ESAQ USP Fevereiro e 7 Í N D I

Leia mais

MAT302 - Cálculo 2. INTEGRAIS Integral Indefinida pág. 403. Bibliografia: Cálculo volume I, 5 edição. James Stewart Prof.

MAT302 - Cálculo 2. INTEGRAIS Integral Indefinida pág. 403. Bibliografia: Cálculo volume I, 5 edição. James Stewart Prof. MAT - Cálculo Biliografia: Cálculo volume I, 5 edição. James Sewar Prof. Valdecir Boega INTEGRAIS Iegral Idefiida pág. 4 Aé aqui, osso prolema ásico era: ecorar a derivada de uma fução dada. A parir de

Leia mais

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13 CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD Noa Técnica Auarial 024/13 Julho/2013 0 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 2 2 MODALIDADE DOS BENEFÍCIOS... 3 2.1 BENEFÍCIOS PREVISTOS PELO PLANO... 3 2.2 INSTITUTOS... 3

Leia mais

INTERFERÊNCIA DE MICROONDAS (RELATÓRIO / EXPERIÊNCIA

INTERFERÊNCIA DE MICROONDAS (RELATÓRIO / EXPERIÊNCIA UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA INSTITUTO D FÍSICA DPARTAMNTO D FÍSICA DO STADO SÓLIDO FIS 14 - FÍSICA GRAL XPRIMNTAL IV / LABORATÓRIO PROF.: José Ferao Turma: Teórica/ Prática T: P: 13 Data: 13/09/00 Aluo:

Leia mais

Testando a existência de efeitos lead-lag entre os mercados acionários norte-americano e brasileiro

Testando a existência de efeitos lead-lag entre os mercados acionários norte-americano e brasileiro SEGeT Simpósio de Excelêcia em Gesão e Tecologia 2 Tesado a exisêcia de efeios lead-lag ere os mercados acioários ore-americao e brasileiro Oávio Reiro de Medeiros Professor Tiular da Uiversidade de Brasília

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

ALGORITMOS DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA USADOS EM MODELOS MARKOVIANOS OCULTOS (HMMs)

ALGORITMOS DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA USADOS EM MODELOS MARKOVIANOS OCULTOS (HMMs) INPE-305-TDI/0 ALGORITMOS DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA USADOS EM MODELOS MARKOVIANOS OCULTOS (HMMs) José Olimpio Ferreira Tese de Douorado do Curso de Pós-Graduação em Compuação Aplicada, orieada pelo Dr. Solo

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

ENG04030 - ANÁLISE DE CIRCUITOS I ENG04030

ENG04030 - ANÁLISE DE CIRCUITOS I ENG04030 EG04030 AÁISE DE IRUITOS I Aulas 9 ircuios e ª orem: análise no omínio o empo aracerísicas e capaciores e inuores; energia armazenaa nos componenes; associação e capaciores/inuores Sérgio Haffner ircuios

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

OPERAÇÃO OTIMIZADA INTELIGENTE DE GRUPOS GERADORES HIDRELÉTRICOS GUILHERME S. BASTOS

OPERAÇÃO OTIMIZADA INTELIGENTE DE GRUPOS GERADORES HIDRELÉTRICOS GUILHERME S. BASTOS Aais o XIX Cogresso Brasileiro e Automática, CBA 0. OERAÇÃO OTIMIZADA INTELIGENTE DE GRUOS GERADORES HIDRELÉTRICOS GUILHERME S. BASTOS Cetro e Referêcia em Tecologias a Iformação, Istituto e Egeharia e

Leia mais

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi

PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 2008. são fixos (não aleatórios), α e β são parâmetros desconhecidos e os εi PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO MESTRADO/UFMG 008 Istruções para a prova: a) Cada questão respodida corretamete vale um poto. b) Questões deixadas em braco valem zero potos (este caso marque

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Educação, Salários e a Alocação de Trabalhadores entre Tarefas: Teoria e Evidências para o Brasil

Educação, Salários e a Alocação de Trabalhadores entre Tarefas: Teoria e Evidências para o Brasil Inspirar para Transformar Eucação, Salários e a Alocação e Trabalhaores enre Tarefas: Teoria e Eviências para o Brasil Reynalo Fernanes Naercio Menezes-Filho Insper orking Paper PE: 960 Inspirar para Transformar

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

ATRIBUTO REPRESENTAÇÃO

ATRIBUTO REPRESENTAÇÃO ATRIBUTO Dado que é associado a cada ocorrêcia de uma etidade ou de um relacioameto (característica, qualidade). REPRESENTAÇÃO EMPREGADO ATUAÇÃO fução tipo data código ome ENTIDADE RELACIONAMENTO Tipos:

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS SOBRE O CASO BRASILEIRO TEXTO PARA DISCUSSÃO N 171 DESIGUALDADES SOCIAIS EM SAÚDE: EVIDÊNCIAS EMPÍRAS SOBRE O CASO BRASILEIRO Kenya Valeria Micaela de Souza Noronha Mônica Viegas Andrade Junho de 2002 1 Ficha caalográfica 33:614(81)

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Lista de Exercícios #4. in Noções de Probabilidade e Estatística (Marcos N. Magalhães et al, 4ª. edição), Capítulo 4, seção 4.4, páginas 117-123.

Lista de Exercícios #4. in Noções de Probabilidade e Estatística (Marcos N. Magalhães et al, 4ª. edição), Capítulo 4, seção 4.4, páginas 117-123. Uiversidade de São Paulo IME (Istituto de Matemática e Estatística MAE Profº. Wager Borges São Paulo, 9 de Maio de 00 Ferado Herique Ferraz Pereira da Rosa Bach. Estatística Lista de Exercícios #4 i Noções

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

Compressão da mortalidade: um estudo da variabilidade da idade à morte na população do Estado de São Paulo, Brasil, 1980-2005

Compressão da mortalidade: um estudo da variabilidade da idade à morte na população do Estado de São Paulo, Brasil, 1980-2005 ARTIGO ARTICLE 1475 Compressão a mortaliae: um estuo a variabiliae a iae à morte a população o Estao e São Paulo, Brasil, 1980-2005 Compressio of mortality: a stuy o the variability of age at eath i the

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capíulo 1 Inrodução Índice Índice...1 1. Inrodução...2 1.1. Das Ondas Sonoras aos Sinais Elécricos...2 1.2. Frequência...4 1.3. Fase...6 1.4. Descrição de sinais nos domínios do empo e da frequência...7

Leia mais

RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S

RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S APLICA ES Marina Silva Cunha 1. INTRODUÇÃO Segundo Fava & Cai (1995) a origem da discussão sobre a exisência de raiz uniária nas séries econômicas esá no debae sobre

Leia mais

Exercícios de Cálculo Numérico Interpolação Polinomial e Método dos Mínimos Quadrados

Exercícios de Cálculo Numérico Interpolação Polinomial e Método dos Mínimos Quadrados Eercícos e Cálculo Numérco Iterpolação Polomal e Métoo os Mímos Quaraos Para a ução aa, seja,, 6 e, 9 Costrua polômos e grau, para apromar, 5, e ecotre o valor o erro veraero a cos b c l Use o Teorema

Leia mais

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk Módulo 07 Capíulo 06 - Viscosímero de Cannon-Fensk Inrodução: o mundo cienífico, medições são necessárias, o que sempre é difícil, impreciso, principalmene quando esa é muio grande ou muio pequena. Exemplos;

Leia mais

DETECÇÃO DE COLISÕES AUXILIADAS POR BOUNDING BOXES

DETECÇÃO DE COLISÕES AUXILIADAS POR BOUNDING BOXES Departameto e Matemática DETECÇÃO DE COLISÕES AUXILIADAS POR BOUNDING BOXES Aluo: Matheus Felipe Ferreira Maciel Orietaor: Thomas Lewier Itroução Detecções e colisões em sistemas gráficos exigem estruturas

Leia mais

Keywords: Dividend Policy, Expectations, Macroeconomic Projections, Granger Causality. ÁREA 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças

Keywords: Dividend Policy, Expectations, Macroeconomic Projections, Granger Causality. ÁREA 3 Macroeconomia, Economia Monetária e Finanças Mudaças as Expecaivas Macroecoômicas Afeam a Políica de Dividedos das Empresas de Capial Abero? Uma Aálise de Coiegração e Causalidade de Grager Jéfferso Auguso Colombo Rodrigo Eduardo Bampi 2 Cássio da

Leia mais

ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ASSINTÓTICA DOS ESTIMADORES DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO WEIBULL NA PRESENÇA DE DADOS SUJEITOS A CENSURA ALEATÓRIA

ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ASSINTÓTICA DOS ESTIMADORES DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO WEIBULL NA PRESENÇA DE DADOS SUJEITOS A CENSURA ALEATÓRIA ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ASSINTÓTICA DOS ESTIMADORES DOS PARÂMETROS DA DISTRIBUIÇÃO WEIBULL NA PRESENÇA DE DADOS SUJEITOS A CENSURA ALEATÓRIA Almir MANTOVANI Maria Aarecida de Paiva FRANCO 2 RESUMO: O objetivo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

Jackknife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem

Jackknife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem Jackkife, Bootstrap e outros métodos de reamostragem Camilo Daleles Reó camilo@dpi.ipe.br Referata Biodiversa (http://www.dpi.ipe.br/referata/idex.html) São José dos Campos, 8 de dezembro de 20 Iferêcia

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Uso da Simulação de Monte Carlo e da Curva de Gatilho na Avaliação de Opções de Venda Americanas

Uso da Simulação de Monte Carlo e da Curva de Gatilho na Avaliação de Opções de Venda Americanas J.G. Casro e al. / Invesigação Operacional, 27 (2007) 67-83 67 Uso da imulação de Mone Carlo e da Curva de Gailho na Avaliação de Opções de Venda Americanas Javier Guiérrez Casro Tara K. Nanda Baidya Fernando

Leia mais

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo?

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo? AMOSTRAGEM metodologia de estudar as populações por meio de amostras Amostragem ou Ceso? Por que fazer amostragem? população ifiita dimiuir custo aumetar velocidade a caracterização aumetar a represetatividade

Leia mais

Secção 9. Equações de derivadas parciais

Secção 9. Equações de derivadas parciais Secção 9 Equações de derivadas parciais (Farlow: Sec 9 a 96) Equação de Derivadas Parciais Eis chegado o mometo de abordar as equações difereciais que evolvem mais do que uma variável idepedete e, cosequetemete,

Leia mais

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil

Variabilidade e pass-through da taxa de câmbio: o caso do Brasil Variabilidade e pass-hrough da axa de câmbio: o caso do Brasil André Minella Banco Cenral do Brasil VI Seminário de Meas para a Inflação Agoso 005 Disclaimer: Esa apresenação é de responsabilidade do auor,

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

APLICAÇÃO DA DURATION EM EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS

APLICAÇÃO DA DURATION EM EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS APLICAÇÃO DA DURATION EM EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS Autores: NARA ROSSETTI (UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO) FLÁVIO LEONEL DE CARVALHO (UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO) RAPHAEL PAZZETTO GONÇALVES (UNIVERSIDADE DE SÃO

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Risco no mercado de arroz em casca

Risco no mercado de arroz em casca RISCO NO MERCADO DE ARROZ EM CASCA ANDRÉIA CRISTINA DE OLIVEIRA ADAMI; GERALDO SANT ANA DE CAMARGO BARROS; ESALQ/USP PIRACICABA - SP - BRASIL adami@esalq.usp.br APRESENTAÇÃO ORAL Comercialização, Mercados

Leia mais

Tempo ótimo entre manutenções preventivas para sistemas sujeitos a mais de um tipo de evento aleatório

Tempo ótimo entre manutenções preventivas para sistemas sujeitos a mais de um tipo de evento aleatório empo óimo enre manuenções prevenivas para sisemas sujeios a mais de um ipo de eveno aleaório Resumo agner Baracho dos Sanos Enrico Anonio olosimo Sergio Brandão da Moa Um sisema reparável opera so uma

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Estrutura a termo da taxa de juros. Previsão. Redes neurais artificiais. Abstract

Resumo. Palavras-chave: Estrutura a termo da taxa de juros. Previsão. Redes neurais artificiais. Abstract 1 Área 8: Microeconomia, Méodos Quaniaivos e Finanças Classificação JEL: G17 PREVISÃO DA ESTRUTURA A TERMO DA TAXA DE JUROS BRASILEIRA USANDO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Breno de Oliveira Aranes * Resumo

Leia mais

FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL

FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL FUNÇÕES CONVEAS EM EORIA DE APREÇAMENO DE OPÇÕES POR ARBIRAGEM UILIZANDO O MODELO BINOMIAL Devanil Jaques de SOUZA Lucas Moneiro CHAVES RESUMO: Nese rabalho uilizam-se écnicas maemáicas elemenares, baseadas

Leia mais

SÉRIE: Estatística Básica Texto: Percentagens, Relativos e Índices SUMÁRIO 1. PERCENTAGENS...4 2. 2. RELATIVOS...9 3. 3. NÚMEROS ÍNDICES...

SÉRIE: Estatística Básica Texto: Percentagens, Relativos e Índices SUMÁRIO 1. PERCENTAGENS...4 2. 2. RELATIVOS...9 3. 3. NÚMEROS ÍNDICES... SUMÁRO 1. PERCENTAGENS...4 1.1. NTRODUÇÃO...4 1.2. 1.2.. EQUVALÊNCAS...5 1.3. 1.3. ASSMETRA...5 1.4. 1.4. AUMENTOS E BAXAS SUCESSVAS...7 2. 2. RELATVOS...9 2.1. 2.1. TPOS DE RELATVOS...9 2.1.1. 2.1.1.

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO Área 5 - Crescimeno, Desenvolvimeno Econômico e Insiuições Classificação

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Elaine Aparecida Fernandes RESUMO: Diane da consaação de que os spreads bancários brasileiros (diferença enre as axas de juros de capação e aplicação dos bancos) se enconram em

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais