LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES"

Transcrição

1 Capítulo 4 LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES 4. Introdução O desenvolvimento teórico de grande parte do Cálculo foi feito utilizando a noção de ite. Por eemplo, as definições de derivada e de integral definida, independente de seu significado geométrico ou físico, são estabelecidas usando ites. Inicialmente desenvolveremos a idéia intuitiva de ite, estudando o comportamento de uma função y = f() nas proimidades de um ponto que não pertence, necessariamente, ao seu domínio. Por eemplo, seja f() = 22 = (2 + )( ). Éclaro que Dom(f) = R {}. Estudaremosafunção nosvaloresde queficam próimosde, mas sem atingir. Para todo Dom(f) temos que f() = 2 +. Vamos construir uma tabela de valores de aproimando-se de, pela esquerda ( < ) e pela direita ( > ) e os correspondentes valores de f(): < f() > f()

2 62 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES Observando as tabelas, podemos verificar que: à medida que vai se aproimando de, os valores de f() vão aproimando-se de 3. A noção de proimidade pode ficar mais precisa utilizando valor absoluto. De fato, a distância entre dois pontos quaisquer, y R é y. Assim a frase escrita entre aspas, pode ser epressa por: se aproima-se dezero,então f() 3 tambémseaproimadezero;emoutraspalavras: paraque f() 3 sejapequenoénecessário que tambémsejapequeno. Onúmero 3échamadoitede f()quando estápróimo de. Noeemplo,temos f() 3 = 2 ; logo,adistânciade f()a3éigualaduasvezes a distância de a. É claro que quando aproima-se de, aproima-se de zero e consequentemente f() 3 também aproima-se de zero. Mais ainda, poderemos tornar f() tão perto de 3 quanto desejarmos, bastando para tal considerar suficientemente próimo de. Por eemplo, se desejarmos que f() 3 seja igual a 0,2, basta considerar = 0,; agora,sedesejarmosque f() 3 < 0,02, bastaconsiderar < 0,0. De um modo geral, considerando qualquer número real positivo ε (letra grega epsilon), tão pequeno quanto se deseje e definindo o número real δ (letra grega delta), δ = ε, teremos que 2 a distância de f() a 3 é menor que ε, desde que a distância de a seja menor que δ. Então paratodonúmerorealpositivo εeisteoutronúmerorealpositivo δ, quedependede ε,talque se 0 < < δ, então f() 3 = 2 < 2δ = ε. Note que todos os intervalos abertos quecontém intersectam R {} deformanão vazia. 3 Figura 4.: Definição 4.. Sejam f : A R uma função e b R tais que para todo intervalo aberto I, contendo b, tem-se I (A {b}) φ. O número real L é o ite de f() quando aproima-se de b quando para todo número ε > 0, eiste δ > 0 (δ dependendo de ε), tal que, se A e 0 < b < δ então f() L < ε. Anotação é: f() = L b A definição é equivalente a dizer: Paratodo ε > 0,eiste δ > 0talquese (b δ,b + δ) ( A {b} ),então f() (L ε,l + ε).

3 4.. INTRODUÇÃO 63 L+ ε L L- ε b- δ b b δ Figura 4.2: Observe queoite deumafunção y = f()numponto b, dependeapenas dosvalores que f assume nas proimidades de b, ou seja, num pequeno intervalo aberto de centro b. Proposição 4.. Unicidade do ite Se b f() = L e b f() = L 2 ;(L,L 2 R),então L = L 2. Em outras palavras se o ite eiste (é um número real), ele é único. Para a prova veja o apêndice. Corolário 4.. Seasfunções f()eg() são tais que f() = g() eceto numponto b,então: desde que eista um dos ites. f() = g(), b b Esta propriedade nos permite "simplificar"antes de calcular o ite, como no primeiro eemplo. Eemplo 4.. [] Sejam f() = 22 e g() = 2 +. Logo, f() = g() se ; então, f() = g(), como jáfoiverificado. [2] Seja Calcule f(). f() = { + 5 se 2 se =. Observemos que f() = 2, mas o valor do ite da função quando tende a não depende dovalor dafunção noponto, pois f() = + 5se ; logo: f() = ( + 5) = 6.

4 64 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES 6 Figura 4.3: Eemplo[2]. Proposição 4.2. Se f()e g(), eistem, então para todo α, β R:. [ α f() + β g() ] = α f() + β g(). 2. [ f()g() ] = [ f() ][ g() ]. f() 3. g() = f() g(), se g() [ f() ] n = [ f() ] n,se n N. 5. n f() = n f(), se f() 0 e n é qualquer natural, ou f() positivo, negativo ou nuloenéumnatural ímpar. 6. ln [ f() ] = ln [ f() ], se f() > Se h() = g() = L e eiste δ > 0 tal que h() f() g(), para 0 < a < δ, então f() = L. Segue diretamente da proposição 4.2: (a) Se P()éuma função polinomial, então: P() = P(a). (b) Se f() = P() éumafunção racional e a Dom(f), então: Q() f() = f(a).

5 4.. INTRODUÇÃO 65 Eemplo 4.2. Calcule os seguintes ites: [] 0 [ ]. Nestecaso P() = ; logo: [2] [ ] = P() = P(0) = 0. 0 Como 2 ( 4 9) = 7 0, podemosaplicar aproposição4.2; então, ( + 2) 4 9 = 2 2 (4 9) = [3]. 2 2 Como ( 2) = 0, não podemosaplicar aproposição4.2; mas fatorandoonumerador: = ( )( 2)( 5) 2 = ( )( 5), para todo 2. Logo: 2 [4] Determineovalor de atal que = 2 ( )( 5) = 3. eista a + a Noteque = ( + 2)( ). Dividindo a + a + 3por + 2; obtemos: a + a + 3 = ( + 2)(3 + a 6) + (5 a); logo,paraqueadivisão sejaeatadevemoster a = 5; então: a + a + 3 = 3( ) = 3( + 2)( + 3) e a + a = =. [5]

6 66 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES Como ( 4) = 0, não podemosaplicar diretamente a proposição 4.2; mas racionalizando 4 onumerador: = Logo: = = Figura4.4: Gráfico de f() = +5 4,pertode4. [6] 4 5. Paracalcular esteite façamos amudançadevariáveis = t 20 ; então: Se,então t ;logo: 4 5 = t5 t 4 = (t4 + t 3 + t 2 + t + )(t ) (t )(t 3 + t 2. + t + ) 4 t 4 + t 3 + t 2 + t + 5 = t t 3 + t 2 = 5 + t + 4. [7] Seja f()umafunção talque f() 2 ;então, 0 f() = 0. De fato. Pelaproposição4.2, ítem7, temos: 0 f() = 0, oqueimplica, 0 f() = Limites Laterais Sejam f uma função definida em um domínio D (que pode ser um intervalo ou uma reunião de intervalos).

7 4.2. LIMITES LATERAIS 67 Definição Seja a Rtalqueeistem b Re(a,b) Dom(f). Onúmeroreal Léoiteàdireitade f(), quando seaproima de a pela direita separa todo ε > 0, eiste δ > 0tal que f() L < ε, se a < < a + δ. Notação: f() = L + L a + Figura 4.5: Limite à direita. 2. Seja a R tal que eistem c R e (c,a) Dom(f). O número real L é o ite à esquerda de f(), quando se aproima de a pela esquerda se para todo ε > 0, eiste δ > 0 tal que f() L < ε, se a δ < < a. Notação: f() = L L a Figura 4.6: Limite à esquerda. Eemplo 4.3. [] Calcule: f() e f(), 2 + 2

8 68 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES se: 2 + se < 2 f() = 2 se = se > 2. Para calcular estesites observemosque 2 + significa que fica pertode 2, para valores de maiores que 2 e 2 significa que fica perto de 2, para valores de menores que 2. Assim: f() = 2 2 (2 + ) = 5 e f() = ( 2 + 9) = Figura4.7: Gráfico de f,pertode 2. [2] Calcule f()e f(), se: se 0 f() = se = 0. Novamente, para calcular estesites observemosque 0 + significa que fica perto de 0, para valores maiores que 0 e 0 significa que fica perto de 0, para valores menores que 0. Primeiramente, escrevamos a função da seguinte maneira: f() = { se 0 se < 0. Assim f() = = e f() = ( ) =

9 4.2. LIMITES LATERAIS Figura4.8: Gráfico de f. [3] Calcule f()e f(),se: Calculando diretamente: f() = { se < se 2 f() = ( ) = 2 e f() = 2 2 ( ) = Figura4.9: Gráfico de f,pertode 2. Relação entre ite e ites laterais Teorema4.2. Seja f()umafunçãocomdomínio D nascondiçõesdasdefinições. Então f() = L se, esomentese, osites laterais eistem e: f() = f() = L. + Para aprova, vejaoapêndice.

10 70 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES Teste para determinar quando não eiste um ite Se f() f() + ouseum dosites laterais nãoeiste,então f()não eiste. Eemplo 4.4. [] Calcule 2 f(),se: 2 + se < 2 f() = 2 se = se > 2. Utilizando o teorema anterior, basta calcular os ites laterais correspondentes. Do eemplo [] das páginas anteriores temos f() = 5e f() = 5. Peloteorema,temosque: f() = Figura4.0: Gráfico de f,pertode 2. [2] Determineovalor daconstante ctalque c f()eista,se: f() = { 2 2 se c se > c. Utilizando o teorema anterior, basta calcular os ites laterais correspondentes. f() = = c e c + c f() = (2 c c 2 ) = 2 c 2. Pelo teorema, devemos ter f() = f();logo,resolvemosaequação c c c2 +c 2 = 0de + ondeobtemos c = ec= 2. Então,podemosdefinir: { { 2 2 se 2 2 se 2 f() = ou f() = se > se > 2.

11 4.3. LIMITES NO INFINITO Figura4.: Gráficos de f para c = ec = 2, respectivamente. [3] Calcule f(),se: f() = { 2 se < 3 se. Utilizando o teorema anterior, basta calcular os ites laterais correspondentes: f() = 3 e + f() =. Logo, f()nãoeiste. [4] A função degrau unitário é definida como: { 0 se < c u c () = se c, onde c R. Logo, c u c() = 0e c + u c() = ; logo, c u c ()não eiste. 4.3 Limites no Infinito Definição Seja f : (a,+ ) R. Diz-se que: f() = L + quandopara todo ε > 0, eiste A > 0tal que f() L < εse > A. 2. Seja f : (,b) R. Diz-se que: f() = L quandopara todo ε > 0, eiste B > 0tal que f() L < ε se < B.

12 72 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES Proposição4.3. Para todo númeronatural nepara b R {0}, tem-se: b. + n = 0. b 2. n = 0. Figura4.2: Gráficos de f() = b paradiferentes b e n. n Proposição 4.4. Se f()e g() eistem, então, para todo α, β R: ± ± [ ]. α f() + β g() = α f() + β g(), ± ± ± [ ] [ ][ ] 2. f()g() = f() g(), ± ± ± f() 3. ± g() = ± f() ± se g() 0. g(), ± Eemplo 4.5. [] Calcule + ( ). Aplicando diretamente a proposição anterior: + ( ) ( 3 ) = = = 5. +

13 4.3. LIMITES NO INFINITO 73 5 [2] Calcule + 2. Aplicando diretamente a proposição anterior: Figura4.3: Gráfico de f quando = = Cálculo de Limites no Infinito de Funções Racionais Proposição 4.5. Seja f() = P() Q(), onde P() = a n n + a n n a 0 e Q() = b m m + b m m b 0 são polinômios de coeficientes reais de graus nem,respectivamente, isto é a n 0eb m 0. Então: De fato: P() ± Q() = a n b m P() Q() = a n n + a n n a 0 se n = m 0 se n < m [ b m m + b m m = n an + a n a b 0 n ] m [ b m + b m b 0 m ]. Aplicando ite easpropriedadesdaproposição4.4,obtemosoresultado. Para n > m,vejao próimo parágrafo. Eemplo [] Calcule Como n < m,temos: = 0.

14 74 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES [2] Calcule Como n = m,temos: = [3] Calcule Neste problema, a função não é racional, mas utilizaremos a mesma idéia dos eercícios anteriores: = ( + ) = [4] Calcule 2 5. = = =. Aparentemente este ite é análogo ao do eemplo[3]; mas devemos ter cuidado, pois,,significa que < 0; logo,consideramos 2 = : = =. 4.4 Limites Infinitos Seja f uma função definida num domínio D, que pode ser um intervalo ou uma reunião de intervalos. Seja a um ponto que não pertence necessariamente a D, mas tal que nas proimidades de a eistam pontos de D; em outras palavras, qualquer intervalo aberto que contem a intersecta D de forma não vazia. Definição Diz-se que f() = +,quando para todo A > 0,eiste δ > 0 tal que f() > A, se D e 0 < a < δ. 2. Diz-se que f() =,quandoparatodo B > 0,eiste δ > 0talque f() < B,se D e 0 < a < δ. Analogamente podemos definir ites laterais infinitos. Assim: Diz-se que f() = +, quando paratodoa > 0, eiste δ > 0 tal que f() > A se a δ < < a. Diz-se que f() =, quando para todo B > 0, eiste δ > 0 tal que f() < B se + a < < a + δ. Nãoédifícil ver queparatodonúmeronatural n,temos:

15 4.4. LIMITES INFINITOS n = n = { + se népar se néímpar Proposição 4.6. Sejam f()eg() funçõestais que f() 0e g() = 0. Então f() f(). = + se > 0para valores de próimos de a. g() g() f() f() 2. = se < 0para valores de próimos de a. g() g() Eemplo 4.7. [] Calcule 3 2 ( ) 2. Como (3 2) = e ( ) 2 = 0, observando que se > 2, mas, então > 0,aplicando oteorema,temos: ( ) 2 [2] Calcule ( 2) ( ) 2 = +. Como (2 5) = e ( 2) 2 = 0, observando que se < 5, mas 2, então < 0, aplicando oteorema,temos: ( 2) ( 2) 2 =. Analogamente podemos definir outros tipos de ites. Como eercício, defina os seguintes ites: f() = +, f() = e f() = +, f() =. + + Corolário 4.3. Para funções racionais, temos: P() ± Q() = ± se n > m a n se n = m. b m 0 se n < m

16 76 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES Eemplo 4.8. [ [] ]. Como [ ] 5 = ; temos, [ ] = [ ] 5 = + 5 = +. [ [2] ]. Como [ ] 5 = ; temos, [ ] = [ ] 5 = 5 =. [ [3] ]. Como [ ] = 6 [ [4] ]. [ ] 6 = ; temos, [ ] Como n > m,pelocorolário anterior: + [ = 6 = +. 5 ] = Símbolos de Indeterminação Nas operações com ites, muitas vezes aparecem os símbolos:, 0,, 0 0, 00,, 0 chamados símbolos de indeterminação. Quando aparece um destes símbolos no cálculo de um ite, nada se pode dizer sobre este ite. Ele poderá eistir ou não, dependendo da epressão da qual se está calculando o ite. Eemplo 4.9. [] Se f() = + mas ( f() g() ) =. ( ) 2 e g() = ( ) 2, onde f e g sãodefinidasem R {}, então, f() = g() = +, [2] Se f() = + ( ) 2 e g() = ( ) 2, onde f e g são definidas em R {}, então, ( ) f() = g() = +,mas f() g() não eiste.

17 4.6. LIMITES FUNDAMENTAIS Limites Fundamentais [] Primeiro ite fundamental: ± ( ) + Façamos uma tabelausandoafunção f() = ( + ) > 0 f() < 0 f() Figura4.4: Gráfico de f() = ( + ) para 0ey = e. É possível provar que: ± onde e éonúmero deeuler. ( ) + = e, A prova direta desta propriedade poderá ser encontrada na bibliografia intermediária ou avançada. [2] Segundo ite fundamental. Seja a R, a > 0, a, então: 0 (a ) = ln(a) Em particular, eéaúnica basedaeponencialtalque: 0 (e ) = ln(e) =

18 78 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES Eemplo 4.0. ( ) [] Calcule +. Seja = 0 t ; se 0então t ± ;logo: ( ) ( + ) t = + = e. 0 t ± t ( b ),onde [2] Calcule + b éum númeroreal. ± Seja b = t,então: ± ( + b ) = [ t ± ( ),onde [3] Calcule + b é umnúmero real. ± + b Seja + b = t,então: ( + 2 [4] Calcule ± ± ( + ± + b ) +b,onde b éum númeroreal. ( + 2 a [5] Verifique que = ln(a). 0 ] ( ) b t + = e b. t ) ( ) t b = + = e. t ± t ) +b ( 3 ) ( 3 ) b = + + = e 3. ± ± Seja t = a ;então ln(a ) = ln(t+);logo ln(a) = ln(t+)e = temosque t 0e: a = 0 t 0 t ln(t + ) ln(a) = ln(a) t 0 a b [6] Calcule,onde a, b > 0ea,b. 0 a b Assíntotas = 0 a + b ln(t + ). Quando 0 ln(a) = ln(a) t ln(t + ) ln(( + t) t ) = ln(a). = 0 (a b t 0 ) (a) = ln(a) ln(b) = ln. b Definição 4.5. A reta y = b é uma assíntota horizontal ao gráfico da função y = f() se pelo menos uma das seguintes afirmações é verdadeira: f() = b ou f() = b. +

19 4.7. ASSÍNTOTAS 79 Eemplo 4.. [] Esboce o gráfico da função logística: L(t) = Dom(L) = Reacurvapassapor (0, A + B e Ct onde A, B, C R. A ). Poroutrolado: + B L(t) = A; t + Logo, y = A éumaassíntotahorizontal. L(t) = 0;logo, y = 0éumaassíntotahorizontal. t No caso em que L = L(t) descreve o crescimento de uma população, o valor A é dito valor ite da população e corresponde ao número máimo de indivíduos que um ecossistema pode suportar. y Figura 4.5: Gráfico da função logística. [2] A função degompertzédadapor: N(t) = ca Rt, 0 < R <. Apliquemos logaritmo a ambos os lados dafunção de Gompertz: ln(n(t)) = ln(c) + ln(a) R t ; logo: t + Rt = 0 = N(t) = c, t + istoé, y = céumaassíntotahorizontalde N(t)

20 80 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES Figura 4.6: Curva de Gompertz. Definição 4.6. A reta = a éumaassíntota vertical aográfico dafunção y = f()se pelo menosuma das seguintes afirmações é verdadeira: f() = ± + ou f() = ±. Em geral,seodom(f) = R,entãoográfico de f não possuiassíntotasverticais Esboço Aproimado de Funções Racionais Seja f() = P() talque a / Dom(f),istoé, Q(a) = 0; então: Q() Q() = ( a) n Q (), n > e Q (a) 0; analogamente, se P(a) = 0, então P() = ( a) m P (), m 0 e P (a) 0. Se m < n,fazendo k = n m,temos: onde f () = P () Q () f() = ( a) k f (), éumafunção definidaem a. Então f() =. ± Figura4.7: Gráficos de f aoredordoponto a, para k ímpar e k par e f (a) > 0.

21 4.7. ASSÍNTOTAS 8 Figura4.8: Gráficos de f ao redordoponto a,para k ímpar e k par e f (a) < 0. Logo, a função possui uma assíntota vertical em cada raiz do polinômio Q(). Eemplo 4.2. [] Esboceográfico de y = 2. Dom(f) = R {,} eacurva passapor (0,0). Poroutrolado: onde f () = f() = f (), + ; k = e f () > 0; então, f() = +, f() =, Analoga- + mente: onde f () = f() = + f (), ; k = ef ( ) > 0, então: f() = + e f() = + logo, = e= são assíntotasverticais. Poroutrolado, f() = 0;logo, y = 0éuma ± assíntota horizontal Figura4.9: Gráfico de y = 2.

22 82 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES [2] Esboceográficode y = 2 2. Dom(f) = R {, }eacurva passapor (0,0). Poroutrolado: f() = f (), onde f () = + ; k = e f () > 0; então, f() = +, f() =. Analoga- + mente: 2 f() = + f (), onde f () = 2 ; k = e f ( ) < 0; então, f() = e f() = + ; + logo = e = são assíntotasverticais. Por outro lado, f() = ; logo, y = é uma ± assíntota horizontal Figura4.20: gráfico de y = Continuidade A noção de continuidade em Matemática é a que utilizamos no dia a dia, isto é, onde não há interrupção ou, então, onde não eistem partes separadas umas das outras. Nos parágrafos anteriores, estudamos o comportamento de uma função y = f() para valores de próimos de um ponto a. Pode acontecer que o ite de f() quando tende para a eista, mas que f não seja definida em a; ou ainda, pode acontecer que o ite seja diferente de f(a). Estudaremos, agora, uma classe especial de funções, onde se verifica que: f() = f(a).

23 4.8. CONTINUIDADE 83 Definição4.7. Seja f umafunçãoea Dom(f),onde Dom(f)éumintervalo abertoouumareunião de intervalos abertos. f édita contínuaem a,se:. f()eiste. 2. f() = f(a). Se f não verifica qualquerdas condiçõesdadefinição, f éditadescontínuaem a. Eemplo 4.3. [] Considere: 2 se f() = se =. Noteque Dom(f) = R,mas f não écontínuaem. De fato, f() = ( + ) = 2 f(). Vejaodesenho: 2 Figura 4.2: Eemplo[]. Observe que se redefinirmos a função, fazendo f() = 2, a função será contínua em todos os pontos de R. Verifique este fato. [2] Seja: u c () = { se c 0 se < c. A função degrauunitário y = u c () nãoécontínuaem c, poisnãoeiste c u c ().

24 84 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES c Figura 4.22: Função degrau unitário. Intuitivamente, a continuidade de uma função em um ponto indica que o gráfico da função não apresenta saltos nesse ponto(veja o desenho anterior). [3] f() = 2 éumafunção contínuaemtodopontodeseudomínio. De fato f() = + se e 0 f() = 0 + = f( 0 ). [4] Seja 2 se f() = A + B se < < 3 2 se 3. Determine A e B tais que f sejaumafunção contínuaem R. Os pontos problemáticos do domínio de f são = e = 3. Utilizando a definição, f é contínua se: f() = + f() f() = f(), que é equivalente ao sistema: { A + B = 2 3A + B = 2; logo, A = eb =. Então: 2 se f() = se < < 3 2 se 3.

25 4.8. CONTINUIDADE Figura4.23: Gráfico de f doeemplo[4]. A continuidadetambémpodeserepressaemfunção de εeδ. De fato, f() = f(a) significa que: para todo ε > 0 eiste δ > 0 tal que, se Dom(f) e a < δ, então f() f(a) < ε. Em outras palavras, f é contínua em a se, e somente se, para todo ε > 0, eiste δ > 0 tal que f() (f(a) ε,f(a) + ε)desdeque (a δ,a + δ) Dom(f). Proposição 4.7. Sejam f e g funçõescontínuasnoponto a. Então:. αf + β g são contínuasem a, para todo α, β R. 2. f g é contínuaem a. 3. f g écontínuaem a, se a Dom( f ). g As provas destas propriedades decorrem imediatamente das definições. Definição 4.8. Uma função f é dita contínua em A R se f é contínua em cada ponto de A. Se f é contínuaem A e B A,então, f écontínuaem B. Eemplo 4.4. [] Os polinômios são funções contínuas em R, pois são epressos por somas e produtos de funções contínuas em R. [2] As funções racionais são funções contínuas no seu domínio. [3] As funções eponenciais são funções contínuas em R. [4] As funções logarítmicas são funções contínuas em (0, + ). Proposição 4.8. Sejam f e g funçõestais que f() = b e g écontínuanoponto b. Então: ( ) ( g f () = g f() )

26 86 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES A prova segue das definições. Eemplo 4.5. Como aplicação direta desta propriedade temos: [] Afunção g() = e écontínuaem R;logo,seeiste f(),então: ef() = e f(). [2] Afunção g() = ln()écontínuaem (0,+ ); logo,se f() (0,+ ), então: [ ] + [3] ln 2 + e 2 [4] [ = ln ( ) + = e = e 0 =. ln( f() ) = ln ( f() ) ] = ln ( 3). 2 Teorema 4.4. Sejam f e g funções tais que g f esteja bem definida. Se f é contínua no ponto a e g é contínuaem f(a), então g f écontínuaem a. Eemplo 4.6. []Afunção h() = éumafunçãocontínuaem R,pois héacompostadasseguintes funções: f() = eg() = ; ambas funçõessãocontínuasem R. (Verifique!). [2] Afunção h() = e écontínua. (Verifique!). O teorema seguinte estabelece que, com hipóteses adequadas, uma função f, definida num intervalo fechado [a,b], assume todos os valores entre f(a) e f(b); em outras palavras, para que f passe de f(a) a f(b) tem que passar por todos os valores intermediários. A definição anterior de continuidade foi feita considerando como domínios intervalos abertos ou reunião de intervalos abertos; então necessitamos da seguinte definição: Definição 4.9. Seja f : [a,b] R; f écontínuaem [a,b] se:. f écontínuaem (a,b). 2. f()eiste e f() = f(a) f()eiste e f() = f(b). b b As condições 2 e 3, são chamadas continuidades laterais, à direita e à esquerda, respectivamente.

27 4.8. CONTINUIDADE 87 Teorema 4.5. (dovalorintermediário) Se f : [a,b] R éumafunçãocontínuaem [a,b] e f(a) < d < f(b) ou f(b) < d < f(a), então eiste c (a,b) tal que f(c) = d. Para aprova, veja[ta] ou [?]. Eemplo 4.7. Seja f : [,] Rtal que f() = ; então f assumeovalor 3 2. De fato f é contínua e 2 = f( ) < 3 2 < f() = 3 2; logo, do teorema, temos que eiste c (,) talque f(c) = Figura 4.24: Corolário 4.6. Seja f : [a,b] R uma função contínua em [a,b]. Se f(a) e f(b) tem sinais opostos, ou seja f(a)f(b) < 0,então eiste c (a,b) tal que f(c) = 0. a c c c b Figura 4.25: Aplicações Este resultado pode ser utilizado para localizar as raízes reais de um polinômio de grau ímpar. De fato, seja f() = n + a n a n + a n

28 88 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES umafunção polinomial degrau nímpar, a i R. Para os 0, escrevemos: [ f() = n + a a ] n n. [ a Como + ± a n ] = ; então, n f() = + e f() =, + pois, néímpar. Logo,eistem < 2 taisque f( ) < 0ef( 2 ) > 0. f écontínuanointervalo [, 2 ]; pelocorolário, eiste c (, 2 )talque f(c) = 0. Se népar,aconclusão é falsa. Opolinômio f() = 2 + nãopossuiraízesreais. Eemplo 4.8. [] Aequação = 0possui 3 raízesreais distintas. De fato, a função f() = é contínua em R; logo, é contínua em qualquer intervalo fechado. Considere: 2 f( ) f( 2 ) Conclusão Eiste c ( 3, 2) tal que f(c ) = Eiste c (0,) talque f(c 2 ) = Eiste c 3 (,2) talque f(c 3 ) = Figura 4.26: Eemplo[] [2] A equação 2 ln( 2 + ) + 3 log 6 (e ) 20 no intervalo [, 2]. = 0 possui pelo menos 4 raízes reais distintas De fato,afunção f() = 2 ln( 2 + ) + 3 log 6 (e ) écontínuaem [,2] e 20 f( ) 0.26, f( 0.5) 0.072, f(0) = 0.05, f(0.5) 0.23 e f(2) 2.542; então:

29 4.8. CONTINUIDADE 89 2 f( ) f( 2 ) Conclusão Eiste c (, 0.5) talque f(c ) = Eiste c ( 0.5,0) talque f(c 2 ) = Eiste c 3 (0,0.5) tal que f(c 3 ) = Eiste c 4 (0.5,2) tal que f(c 4 ) = 0. 2 Figura 4.27: Eemplo[2] O seguinte algoritmo serve para determinar aproimadamente as raízes de uma equação, utilizando o corolário: Seja f contínuaem [a,b]. i) Se f(a)f(b) < 0, então,eistepelomenosum c (a,b) talque f(c) = 0. ii) Considere: m = a + b 2 ; se f(m ) = 0, achamos araiz. Caso contrário, f(a)f(m ) < 0ou f(m )f(b) < 0. iii) Se f(a)f(m ) < 0, então, f() = 0temsolução em [a,m ]. Considere: m 2 = a + m ; 2 se f(m 2 ) = 0, achamos araiz. Caso contrário f(a)f(m 2 ) < 0 ou f(m 2 )f(m ) < 0. iv) Se f(m 2 )f(m ) < 0, então, f() = 0temsolução em [m 2,m ]. Considere: m 3 = m + m 2 ; 2 se f(m 3 ) = 0, achamos araiz. Caso contrário f(m 3 )f(m 2 ) < 0ou f(m 3 )f(m ) < 0. Continuando obtemos m n tal que f(c) f(m n ) é menor que a metade do comprimento do último intervalo.

30 90 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES Eemplo 4.9. Noeemplo[] temos f() = i) f()f(2) < 0; seja m = 3 2, como f(m ) 0 e f(m )f(2) < 0, então, procuramos a solução nointervalo [m,2]; seja: m 2 = m + 2 = ii)como f(m 2 ) 0ef(m )f(m 2 ) < 0,então,procuramosasoluçãonointervalo [m,m 2 ];seja: m 3 = m + m 2 2 = 3 8. Assim, continuando podemos, por eemplo, obter m 4 = = nointervalo [.67504,.6757] etalque f(m 4 ) =

31 4.9. EXERCÍCIOS Eercícios. Calcule os seguintes ites usando tabelas: (a) (3 8) (b) (3 2) (c) (d) (e) 2 + (f) ( (g) 2 2 ) (h) ( + 2) 2 e 2 (i) (j) (k) ( 2 ) 2. Verifique se são corretas as seguintes afirmações: (a) = + 3 (b) = ( + 3) Calcule os seguintes ites: (a) (b) (c) (d) 2 a 2 (e) a + a (f) (g) (h) h 0 (t + h) 2 t 2 h 4 (i) (j) (k) (l) (m) (n) (o) 2 (p) a (q) 2 a 2 a + a (r) 2 a 2 (s) (t) 2 + 2

32 92 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES 4. Verifique se os seguintes ites eistem: 3 (a) (b) (c) (d) (e) (f) (g) b 0 + a 5. Calcule os seguintes ites no infinito: (a) (b) (c) (d) (e) + (f) (g) (h) ( 2 + ) + 3 (i) (j) (k) + ( + + 3) 5 + (l) (m) + (n) + (o) + (p) + (q) + (r) + (s) + (t) Calcule os seguintes ites infinitos: (a) (b) (c) (d) + ( ) (e) (f) m + 5 (g) 3 + 3

33 4.9. EXERCÍCIOS (h) (i) (j) (k) (l) ln() (m) 0 + (n) 0 ln( ) 2 (o) (p) 0 + (q) + + (r) Se f() = 3 5 e g() = 2 2 3,calcule: (a) (f + g)() (b) (g f)() (c) (g f)() (f ) (d) () g (g ) (e) () f (f) (f f)() (g) (f g)() 2 (h) (g f)() 2 (i) (f g f)() 3 2 (j) 2 ln( f() ) f() f(a) f(t + a) f(a) 8. Calcule e, se: a t 0 t (a) f() = 2, a = 2 (b) f() = 2 +, a = 2 (c) f() = 3 2, a = 0 (d) f() = 2, a = 2 (e) f() =, a = (f) f() = ( ), a = (g) f() = ( 3) 2, a = (h) f() = ln(), a = (i) f() = e 2, a = 0 9. O custo em u.m.(unidades monetárias) para remover % dos detritos tóicos despejados numaterro édadopor: C() = , para 0 < < 00. (a) Calcule 00 S(). (b) Interprete o resultado obtido.

34 94 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES 0. Durante uma epidemia de dengue, o número de pessoas que adoeceram, num certo bairro, após tdias édadopor: L(t) = e 0.8t. (a) Determine a quantidade máima de indivíduos atingidos pela doença. (b) Esboceográficode L.. Esboce o gráfico das seguintes funções: (a) y = ( + )( 3 ) (b) y = ( + )( 3 ) (c) y = ( )( 3 + ) (d) y = ( )( 3 + ) (e) y = ( 3)( + 2)( 2 + ) (f) y = 2 ( 3)( + 2)( 2 ) + 2. Use a continuidade da função para calcular o seguinte ite: Determine o valor de L para que as seguintes funções sejam contínuas nos pontos dados: 2 se 0 (a) f() =,no ponto = 0. L se = se 3 (b) f() = 3, noponto = 3. L se = 3 { + 2L se (c) f() = L 2, noponto =. se < { 4 3 se < 0 (d) f() =,noponto = 0. 2L + se 0 e se 0 (e) f() =, noponto = 0. L se = 0 { se (f) f() = 9 L 2, noponto =. se > 4. Verifique se as seguintes funções são contínuas.

35 4.9. EXERCÍCIOS (b) f() = 2 2, < = 2 (d) f() = ln(2 2 ) 9 = 3 > + 5 (22 + 3) (c) f() = 3 (e) f() = 6 5 < < 3 = Verifique se as seguintes equações admitem, pelo menos, uma raiz real: (a) = 0 (b) = 0 (c) = 0 (d) = 0

36 96 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES

LIMITES E CONTINUIDADE

LIMITES E CONTINUIDADE Capítulo 3 LIMITES E CONTINUIDADE 3.1 Introdução A seguir, apresentaremos como listar os valores de uma função, no formato de tabela, em uma vizinhança de um ponto que não necessariamente pertence ao do

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais

Limites e continuidade

Limites e continuidade Capítulo 3 Limites e continuidade 3.1 Limite no ponto Considere a função f() = 1 1, D f =[0, 1[ ]1, + ). Observe que esta função não é definida em =1. Contudo, fazendo suficientemente próimo de 1 (mas

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 00/ SUMÁRIO. LIMITES E CONTINUIDADE..... NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE..... FUNÇÃO CONTÍNUA NUM

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

Seqüências, Limite e Continuidade

Seqüências, Limite e Continuidade Módulo Seqüências, Limite e Continuidade A partir deste momento, passaremos a estudar seqüência, ites e continuidade de uma função real. Leia com atenção, caso tenha dúvidas busque indicadas e também junto

Leia mais

Aplicações de Derivadas

Aplicações de Derivadas Aplicações de Derivadas f seja contínua no [a,b] e que f '(x) exista no intervalo aberto a x b. Então, existe pelo menos um valor c entre a eb, tal que f '(c) f (b) f (a) b a. pelo menos um ponto c (a,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 008/ . CONCEITO DE FUNÇÃO As funções são as melhores ferramentas para descrever

Leia mais

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2)

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Nessa aula continuaremos nosso estudo sobre limites de funções. Analisaremos o limite de funções quando o x ± (infinito). Utilizaremos o conceito

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Capítulo 7 APLICAÇÕES DA DERIVADA 7. Variação de Funções Definição 7.. Seja f umafunçãoex 0 Dom(f).. f possui um ponto de máximo relativo ou de máximo local noponto x 0, se existe umpequeno intervalo aberto

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

Esboço de Gráficos (resumo)

Esboço de Gráficos (resumo) Esboço de Gráficos (resumo) 1 Máximos e Mínimos Definição: Diz-se que uma função tem um valor máximo relativo (máximo local) em c se existe um intervalo ( a, b) aberto contendo c tal que f ( c) f ( x)

Leia mais

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional.

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional. Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 3 - GABARITO 06 de julho de 013 1. (1,5 pontos) Determine se as afirmações

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação . Isolar os zeros da função f ( )= 9 +. Resolução: Pode-se construir uma tabela de valores para f ( ) e analisar os sinais: 0 f ( ) + + + + + Como f ( ) f ( ) < 0, f ( 0 ) f ( ) < 0 e f ( ) f ( ) < 0,

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 MATEMÁTICA PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ ESTUDO DAS DERIVADAS (CONCEITO E APLICAÇÕES) No presente capítulo, estudaremos as

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

3.1 Cálculo de Limites

3.1 Cálculo de Limites 3. Cálculo de Limites EXERCÍCIOS & COMPLEMENTOS 3. FORMAS INDETERMINADAS 0 0 0 0 OPERAÇÕES COM OS SÍMBOLOS + = = ( ) = k = ; se k > 0 k = ; se k < 0 ( ) ( ) = k = ; se k > 0 = ; se > 0 = 0; se < 0 k =

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL 18 2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL como segue: Dado R, definimos o módulo (ou valor absoluto) de, e indicamos por,, se 0 =, se < 0. Interpretação Geométrica O valor absoluto de um número é, na reta, a distância

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 03: LIMITES DE FUNÇÃO, CÁLCULO DE LIMITES E CONTINUIDADES TÓPICO 03: CONTINUIDADES Este tópico trata dos conceitos de continuidade de funções num valor e num intervalo, a compreensão

Leia mais

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES Noções prévias 1. Valor absoluto de um número real: Chama-se valor absoluto ou módulo de um número real ao número x tal que: x se x 0 x = x se x < 0 Está assim denida

Leia mais

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade Propriedades das Funções Deriváveis Prof Doerty Andrade 2005 Sumário Funções Deriváveis 2 Introdução 2 2 Propriedades 3 3 Teste da derivada segunda para máimos e mínimos 7 2 Formas indeterminadas 8 2 Introdução

Leia mais

v m = = v(c) = s (c).

v m = = v(c) = s (c). Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Consequências Interessantes da Continuidade

Consequências Interessantes da Continuidade Consequências Interessantes da Continuidade Frederico Reis Marques de Brito Resumo Trataremos aqui de um dos conceitos basilares da Matemática, o da continuidade no âmbito de funções f : R R, mostrando

Leia mais

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO 5 FUNÇÃO 5.1 Introdução O conceito de função fundamenta o tratamento científico de problemas porque descreve e formaliza a relação estabelecida entre as grandezas que o integram. O rigor da linguagem e

Leia mais

2. Função polinomial do 2 o grau

2. Função polinomial do 2 o grau 2. Função polinomial do 2 o grau Uma função f: IR IR que associa a cada IR o número y=f()=a 2 +b+c com a,b,c IR e a0 é denominada função polinomial do 2 o grau ou função quadrática. Forma fatorada: a(-r

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES UTILIZANDO CÁLCULO DIFERENCIAL

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES UTILIZANDO CÁLCULO DIFERENCIAL CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES UTILIZANDO CÁLCULO DIFERENCIAL FERREIRA, Eliézer Pires Universidade Estadual de Goiás - UnU Iporá eliezer_3d@hotmail.com SOUZA, Uender Barbosa de Universidade Estadual

Leia mais

Considere um triângulo eqüilátero T 1

Considere um triângulo eqüilátero T 1 Considere um triângulo eqüilátero T de área 6 cm. Unindo-se os pontos médios dos lados desse triângulo, obtém-se um segundo triângulo eqüilátero T, que tem os pontos médios dos lados de T como vértices.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 0/ SUMÁRIO. FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL..... CONCEITO..... ZEROS DE UMA

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais PARTE 3 FUNÇÕES REAIS DE VÁRIAS VARIÁVEIS REAIS 3. Funções Reais de Várias Variáveis Reais Vamos agora tratar do segundo caso particular de funções vetoriais de várias variáveis reais, F : Dom(F) R n R

Leia mais

1 Propriedades das Funções Contínuas 2

1 Propriedades das Funções Contínuas 2 Propriedades das Funções Contínuas Prof. Doherty Andrade 2005 Sumário 1 Propriedades das Funções Contínuas 2 2 Continuidade 2 3 Propriedades 3 4 Continuidade Uniforme 9 5 Exercício 10 1 1 PROPRIEDADES

Leia mais

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos Capítulo 4 Funções de duas variáveis 4.1 Funções de varias variáveis - Definição e eemplos Definição 1: Chamamos de função real com n variáveis a uma função do tipo f : D R com D R n = R R. Ou seja, uma

Leia mais

Esboço de Curvas. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html

Esboço de Curvas. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Esboço de Curvas Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Roteiro para esboçar uma curva A. Verifique o domínio da função Exemplo: f(x) = 1 x {x x = 0} Roteiro para esboçar

Leia mais

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html 4.2 Teorema do Valor Médio Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Teorema de Rolle: Seja f uma função que satisfaça as seguintes hipóteses: a) f é contínua no intervalo

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limites e Continuidade

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limites e Continuidade MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limites e Continuidade Eercícios de eames e testes intermédios 1. Para um certo número real k, é contínua em R a função f definida por 2 + e +k se 0 f() = 2 + ln( + 1)

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

Cálculo - James Stewart - 7 Edição - Volume 1

Cálculo - James Stewart - 7 Edição - Volume 1 Cálculo - James Stewart - 7 Edição - Volume. Eercícios. Eplique com suas palavras o significado da equação É possível que a equação anterior seja verdadeira, mas que f? Eplique.. Eplique o que significa

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

Notas de aulas. André Arbex Hallack

Notas de aulas. André Arbex Hallack Cálculo I Notas de aulas André Arbex Hallack Julho/007 Índice 0 Preliminares 0. Números reais.................................... 0. Relação de ordem em IR.............................. 3 0.3 Valor absoluto....................................

Leia mais

LIMITE E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES

LIMITE E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES Capítulo 3 LIMITE E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES 3. Limites O desenvolvimento teórico de grande parte do Cálculo foi feito utilizando a noção de ite. Por eemplo, as definições de derivada e de integral definida,

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce o conjunto R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto, fechado, itado, compacto, ou conexo. (a) R = (x; y) 2 R 2 ; jxj 1; 0 y (b) R

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Uma equação diferencial é uma equação que relaciona uma ou mais funções (desconhecidas com uma ou mais das suas derivadas. Eemplos: ( t dt ( t, u t d u ( cos( ( t d u +

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Estrutura de Repetição Simples

Estrutura de Repetição Simples Instituto de Ciências Eatas e Biológicas ICEB Lista de Eercícios Básicos sobre Laço Estrutura de Repetição Simples Eercício 01 Escreva um programa que imprima todos os números inteiros de 0 a 50. A seguir,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA 1 DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA Fabio da Costa Rosa Fernanda Machado Greicy Kelly Rockenbach da Silva

Leia mais

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim

Lista de Férias. 6 Prove a partir da definição de limite que: a) lim. (x + 6) = 9. 1 Encontre uma expressão para a função inversa: b) lim Lista de Férias Bases Matemáticas/FUV Encontre uma epressão para a função inversa: + 3 a) 5 2 + e b) e c) 2 + 5 d) ln( + 3) 6 Prove a partir da definição de ite que: a) 3 ( + 6) = 9 b) = c) 2 = 4 2 d)

Leia mais

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1 Prof. William Mascia Resende Engenharia Elétrica ITAJUBÁ 2013 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ Curso: Engenharia

Leia mais

TEORIA DOS CONJUNTOS Símbolos

TEORIA DOS CONJUNTOS Símbolos 1 MATERIAL DE APOIO MATEMÁTICA Turmas 1º AS e 1º PD Profº Carlos Roberto da Silva A Matemática apresenta invenções tão sutis que poderão servir não só para satisfazer os curiosos como, também para auxiliar

Leia mais

CÁLCULO PARA ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO: VOLUME I

CÁLCULO PARA ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO: VOLUME I CÁLCULO PARA ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO: VOLUME I MAURICIO A. VILCHES Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Funções de duas ou mais variáveis.

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Funções de duas ou mais variáveis. www.engenhariafacil.weebly.com Resumo com exercícios resolvidos do assunto: (I) (II) (III) Funções de duas ou mais variáveis; Limites; Continuidade. (I) Funções de duas ou mais variáveis. No Cálculo I

Leia mais

Limites, derivadas e máximos e mínimos

Limites, derivadas e máximos e mínimos Limites, derivadas e máimos e mínimos Psicologia eperimental Definição lim a f ( ) b Eemplo: Seja f()=5-3. Mostre que o limite de f() quando tende a 1 é igual a 2. Propriedades dos Limites Se L, M, a,

Leia mais

Estudo do Sinal de uma Função

Estudo do Sinal de uma Função Capítulo 4 Estudo do Sinal de uma Função 4.1 Introdução Neste Capítulo discutimos o problema do estudo do sinal de uma função, assunto muitas vezes tratado de forma rápida e supercial nos ensinos básico

Leia mais

Estudo do Sinal de uma Função

Estudo do Sinal de uma Função Capítulo 1 Estudo do Sinal de uma Função 11 Introdução Neste Capítulo discutimos o problema do estudo do sinal de uma função, assunto muitas vezes tratado de forma rápida e supercial nos ensinos básico

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2010/2011)

(Testes intermédios e exames 2010/2011) (Testes intermédios e eames 00/0) 57. Na Figura, está parte da representação gráfica da função f, de domínio +, definida por f() = log 9 () Em qual das opções seguintes está definida uma função g, de domínio,

Leia mais

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Questão Concurso 00 Seja ABC um triângulo com lados AB 5, AC e BC 8. Seja P um ponto sobre o lado AC, tal que

Leia mais

CÁLCULO I. Apresentar e aplicar a Regra de L'Hospital.

CÁLCULO I. Apresentar e aplicar a Regra de L'Hospital. CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida Aula n o : Limites Innitos e no Innito. Assíntotas. Regra de L'Hospital Objetivos da Aula Denir ite no innito e ites innitos; Apresentar alguns tipos

Leia mais

Manual de Matemática para o 12º ano Matemática A. NIUaleph 12 VOLUME 3. Jaime Carvalho e Silva Joaquim Pinto Vladimiro Machado

Manual de Matemática para o 12º ano Matemática A. NIUaleph 12 VOLUME 3. Jaime Carvalho e Silva Joaquim Pinto Vladimiro Machado Manual de Matemática para o 1º ano Matemática A NIUaleph 1 VOLUME 3 Jaime Carvalho e Silva Joaquim Pinto Vladimiro Machado 01 Título NiuAleph 1 - Manual de Matemática para o 1º ano de Matemática A Autores

Leia mais

Comecemos por relembrar as propriedades dos limites das sucessões: b n = K e c IR então: lim. lim

Comecemos por relembrar as propriedades dos limites das sucessões: b n = K e c IR então: lim. lim .. Limites e Continuidade... Limites em IN Comecemos por relembrar as propriedades dos ites das sucessões: Propriedades dos Limites das Sucessões: Sejam n a n = L e n b n = K e c IR então: n [a n ± b n

Leia mais

A integral também é conhecida como antiderivada. Uma definição também conhecida para integral indefinida é:

A integral também é conhecida como antiderivada. Uma definição também conhecida para integral indefinida é: Integral Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. No cálculo, a integral de uma função foi criada para originalmente determinar a área sob uma curva no plano cartesiano e também surge naturalmente em dezenas

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

6. Aplicações da Derivada

6. Aplicações da Derivada 6 Aplicações da Derivada 6 Retas tangentes e normais - eemplos Encontre a equação da reta tangente e da normal ao gráfico de f () e, em 0 Represente geometricamente Solução: Sabemos que a equação da reta

Leia mais

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1 APOSTILA 015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 015 1 Sumário 1.Conjuntos...5 1.1 Representação de conjuntos...5 1. Operações com conjuntos...6 1. Propriedades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta lista de Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I - MTM 1 1. Nos eercícios a seguir admita

Leia mais

MATEMÁTICA. Aula 1 Revisão. Prof. Anderson

MATEMÁTICA. Aula 1 Revisão. Prof. Anderson MATEMÁTICA Aula 1 Revisão Prof. Anderson Assuntos Equação do 1º grau com uma variável. Sistemas de equações do 1º grau com duas variáveis. Equação do º grau com uma variável. Equação do 1º grau com uma

Leia mais

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes NOTAS DE AULA FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS - DIFERENCIAÇÃO Cláudio Martins Mendes Segundo Semestre de 2005 Sumário 1 Funções de Várias Variáveis - Diferenciabilidade 2 1.1 Noções Topológicas no R n.............................

Leia mais

Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto

Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto Erros Nenhum resultado obtido através de cálculos eletrônicos ou métodos numéricos tem valor se não tivermos conhecimento e controle sobre os possíveis erros envolvidos no processo. A análise dos resultados

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano

Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano Distância entre pontos do plano euclidiano MÓDULO - AULA 8 Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano Objetivos Nesta aula, você: Usará o sistema de coordenadas para calcular a distância entre dois

Leia mais

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostila de Matemática Aplicada Volume Edição 00 Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Capítulo - Revisão Neste capítulo será feita uma revisão através da resolução de alguns eercícios, dos principais tópicos já

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO RAUL PILLA COMPONENTE CURRICULAR: Matemática PROFESSORA: Maria Inês Castilho. Conjuntos

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO RAUL PILLA COMPONENTE CURRICULAR: Matemática PROFESSORA: Maria Inês Castilho. Conjuntos ESCOL ESTDUL DE ENSINO MÉDIO UL PILL COMPONENTE CUICUL: Matemática POFESSO: Maria Inês Castilho Noções básicas: Conjuntos 1º NOS DO ENSINO MÉDIO Um conjunto é uma coleção qualquer de objetos, de dados,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO 1 wwwprofessorwaltertadeumatbr 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) 10 n Escreva

Leia mais

Cálculo I IM UFRJ Lista 1: Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão Para o Aluno. Tópicos do Pré-Cálculo

Cálculo I IM UFRJ Lista 1: Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão Para o Aluno. Tópicos do Pré-Cálculo Cálculo I IM UFRJ Lista : Pré-Cálculo Prof. Marco Cabral Versão 7.03.05 Para o Aluno O sucesso (ou insucesso) no Cálculo depende do conhecimento de tópicos do ensino médio que chamaremos de pré-cálculo.

Leia mais

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Teoria dos Números 1 Noções Básicas A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Z = {..., 4, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, 4...}. Ela permite resolver de

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática - 12º ano Cálculo Diferencial II - Exercícios saídos em Exames (séc XX)

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática - 12º ano Cálculo Diferencial II - Exercícios saídos em Exames (séc XX) Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática - 1º ano Cálculo Diferencial II - Eercícios saídos em Eames (séc XX) 1. Seja f a função real de variável real tal que f()= - /. Quanto ao limite

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro De Ciências Exatas e da Terra Departamento de Física Teórica e Experimental Programa de Educação Tutorial Curso de Nivelamento: Pré-Cálculo PET DE FÍSICA:

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2005/2006)

(Testes intermédios e exames 2005/2006) 158. Indique o conjunto dos números reais que são soluções da inequação log 3 (1 ) 1 (A) [,1[ (B) [ 1,[ (C) ], ] (D) [, [ 159. Na figura abaio estão representadas, em referencial o. n. Oy: parte do gráfico

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M4 Funções

Matemática. Resolução das atividades complementares. M4 Funções Resolução das atividades complementares Matemática M Funções p. Responda às questões e, tomando por base o teto abaio: (Unama-PA) O ATAQUE DOS ALIENS Caramujos africanos, medindo centímetros de comprimento

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Distribuição das 1.048 Questões do I T A 94 (8,97%) 104 (9,92%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais 23 (2, 101 (9,64%) Geo. Espacial Geo. Analítica Funções Conjuntos 31 (2,96%)

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função polinomial do 1 o grau

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função polinomial do 1 o grau Resolução das atividades complementares Matemática M5 Função polinomial do o grau p. 8 O perímetro p de um quadrado é função linear de seu lado. Qual a sentença que define essa função? p 5 O perímetro

Leia mais

CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL

CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL BÁRBARA DENICOL DO AMARAL RODRIGUEZ CINTHYA MARIA SCHNEIDER MENEGHETTI CRISTIANA ANDRADE POFFAL CONTINUIDADE DE FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL a Edição Rio Grande Editora da FURG 206 Universidade Federal

Leia mais

Limites. 2.1 Limite de uma função

Limites. 2.1 Limite de uma função Limites 2 2. Limite de uma função Vamos investigar o comportamento da função f definida por f(x) = x 2 x + 2 para valores próximos de 2. A tabela a seguir fornece os valores de f(x) para valores de x próximos

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais