Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto"

Transcrição

1 Erros Nenhum resultado obtido através de cálculos eletrônicos ou métodos numéricos tem valor se não tivermos conhecimento e controle sobre os possíveis erros envolvidos no processo. A análise dos resultados obtidos através de um método numérico representa uma etapa fundamental no processo das soluções numéricas. Número Aproimado Um número é dito uma aproimação para o número eato se eiste uma pequena diferença entre eles. Geralmente, nos cálculos os números eatos não são conhecidos e deste modo são substituidos por suas aproimações. Dizemos que é um número aproimado por falta do valor eato se <. Se > temos uma aproimação por ecesso. Eemplo Como 1.41 < 2 < 1.42 temos que 1.41 uma aproimação de 2 por falta e 1.42 uma aproimação de 2 por ecesso. Erros Absolutos erelativos Erro Absoluto A diferença entre um valor eato e sua aproimação é dito erro absoluto o qual denotamos por e. e :=

2 Cota para oerro Na prática, o valor eato é quase sempre não conhecido. Como o erro é definido por e := conseqüentemente também será não conhecido. Uma solução para este problema é ao invés de determinar o erro determinar uma cota para o erro. Isso permitirá que, mesmo não conhecendo o erro, saber que ele está entre dois valores conhecidos. Dizemos que um número ɛ > 0 é uma cota para o erro e se e < ɛ... e < ɛ < ɛ ɛ < < + ɛ Assim, mesmo não conhecendo o valor eato, podemos afirmar que ele esta entre ɛ e + ɛ que são valores conhecidos. É evidente que uma cota ɛ só tem algum valor prático se ɛ 0 Erro Relativo Considere : = 100 ; = e y = ; ỹ = Assim e = 0.1 e e y = Como e y é muito menor que e poderiamos imaginar que a aproimação ỹ de y é melhor que a de. Numa análise mais cuidadosa percebemos que as grandezas dos números envolvidos são muito diferentes. Inspirados nessa observação definimos: E := e que é denominado erro relativo. Temos então para os dados acima: E = e / = 0.1/100.1 = E y = e y /ỹ = / = Agora podemos concluir que a aproimação de é melhor que a ỹ de y pois E < E. Fontes de Erros Erros Inerentes São os erros que eistem nos dados e são causados por erros inerentes aos equipamentos utilizados na captação dos dados.

3 Erros de Truncamento São os erros causados quando utilizamos num processo algorítmico infinito apenas uma parte finita do processo. Eemplo e = ! + 3 3! + = n=1 Podemos assim usar /2! + 3 /3! como uma aproimação para o valor eato e. Observe que para isso truncamos uma série infinita utilizando apenas uma parte finita dela. No eemplo utilizamos para a aproimação apenas quatro termos da série. Usando a aproimação acima temos: ẽ = /2 + 1/6 = que é uma aproimação muito pobre para e Erros de Arredondamento Erros de Arredondamento são os erros originados pela representação dos números reais utilizando-se apenas um número finito de casas decimais. Como se sabe, desde a mais simples calculadora até o mais potente computador, utiliza apenas um número finito de casas decimais para representar um número real.(número real é denominado número de ponto flutuante nas linguagens de programação) Dizemos então que os equipamentos eletrônicos utilizam nos cálculos a chamada aritmética finita. Ao longo desse capítulo veremos que algumas propriedades que são válidas nas operações com os números na chamada aritmética infinita, por eemplo a lei comutativa da adição (a+b=b+a), podem não valer na aritmética finita. Eemplo Suponha que tenhamos um computador que trabalha com 5 casas decimais e que nele estejam armazenados os números : = e y = Queremos calcular z = y. Observe que como e y tem 5 casas decimais z terá 10 casas decimais. Como proceder para armazenar z com 10 casas decimais nesse computador que só pode armazenar números com 5 casas decimais? n n!

4 A seguir veremos duas maneiras de solucionar este problema. Para tanto será necessário introduzir os conceitos a seguir. Aritmética de Ponto Flutuante Seja = Utilizando potências de 10 o número pode ser representado das seguintes maneiras: = = = = Estas representações podem ser unificadas impondo-se a condição de que o número que multiplica a potência de 10 esteja entre 0.1 e 1. Observe que : > > < < < 1 Assim, apenas igualdade (2.2) satisfaz a condição imposta. Dizemos que um número não nulo esta representado na forma normalizada na base 10 se = m 10 e onde 1 10 m < 1 m é dita mantissa do número e e seu epoente. De um modo esquemático podemos sempre representar um número de ponto flutuante como sinal mantissa epoente ± a 1 a 2 a n e Observe que como a mantissa m satisfaz a desigualdade 0.1 m < 1 ela pode sempre ser escrita como m = ±0.a 1 a 2 a 3 a n com a i {0, 1, 2,..., 9} e a 1 0

5 Representação de um Número com tdigitos Seja 0 um número de ponto flutuante. Assim pode ser escrito como Como = ±0.a 1 a 2... a t a t+1... a n 10 e com a i {0, 1, 2,..., 9} e a a 1 a 2... a t a t+1... a n 0. a 1 a 2... a t a t+1... a n e a t+1...a n =0.a t+1...a n 10 t Usando 2.5 e 2.6 temos : = ±(0.a 1 a 2... a t a t+1... a n ) 10 e ±(0.a 1 a 2... a t a t+1... a n ) 10 e ±(0.a 1 a 2... a t 10 e + 0.a t+1... a n ) 10 e t Fazendo { f = 0.a1 a 2... a t g = 0.a t a n temos = f 10 e + g 10 e t ondef e g satisfazem as condições { 0.1 f < 1 0 g<1 Observe que f esta na forma normalizada e tem t digitos (casas decimais). Erros de Arredondamento Arredondamento Truncado Como acabamos de mostrar todo número real (de ponto flutuante) não nulo pode ser colocado na seguinte forma = f 10 e + g 10 e t com f e g satisfazendo (2.8)

6 Vamos considerar = f 10 e como uma aproimação para. O erro cometido ao aproimarmos por é denominado erro de arredondamento truncado sendo definido por e := = g 10 e t AT ENÇÃO! Note que aproimar por é equivalente a considerar apenas t casas decimais de e desprezar as restantes. Eemplo Seja = Determine uma aproimação de para usando arredondamento truncado e 4 digitos(4 casas decimais). Observe que = não está na forma normalizada, assim devemos colocá-lo nesta forma. = = ( )10 3 Temos então como aproimação para o valor = O erro cometido neste caso será dado por e = = = Arredondamento Simétrico Como já vimos R pode ser escrito separando-se t digitos na forma normalizada como = f 10 e + g 10 e t. Quando consideramos a aproimação para definida por { f 10 e se 0 < g < 0.5 = f 10 e + 10 e t se 0.5 g<1 então o erro cometido é denominado erro de arrendondamento simétrico e é dado por e = { g 10 e t se 0 < g < 0.5 (g 1) 10 e t se 0.5 g < 1 Proposição Oarredondamento simétrico definido em (2.9) éequivalente à conhecida regra de arredondamento de um número com t casas decimais:

7 Se o valor do algarismo que fica na (t + 1)-ésima casa decimal for menor do que 5 arredondamos o número desprezando-se todos algarismos após a t-ésima casa decimal; Se for maior ou igual a 5 soma-se 1 ao algarismo na t-ésima casa decimal e desprezam-se os algarismos restantes. Antes de demonstrar a proposição vejamos um eemplo. Eemplo Sejam = e y = Se estivermos arredondando os números e y usando 3 casa decimais teremos = e ỹ = pois no primeiro caso temos na quarta casa decimal temos algarismo 7 que é maior que 5 e assim devemos somar 1 ao algarismo na terceira casa decimal (6 + 1 = 7) e desprezar os restantes. No segundo caso temos algarismo 3 na quarta casa decimal, que é menor que 5 e então apenas desprezamos todos algarismos a partir da quarta casa decimal. Demonstração. = f 10 e se 0 g < 0.5 Como f = 0.a 1... a t e g = 0.a t+1... a n temos = (0.a 1 a 2... a t ) 10 e se 0 g < g < a t+1... a n < 0.5 a t+1 < 5. Isto mostra a primeira parte da equivalência. Para a segunda parte temos = (0.a 1 a 2... a t ) 10 e + 10 e t se g 0.5 g a t+1... a n 0.5 a t+1 5 Basta agora verificar que = (0.a 1 a 2... a t ) 10 e + 10 e t = (0.a 1... a t + 10 t ) 10 e = ( 0.a 1... a t + 0. } 00 {{... 1} ) 10 e = (0.a 1... a t + 1) 10 e t AT ENÇÃO! Na aritmética finita ou seja quando os números de ponto flutuante são representados apenas por um número finito de casas decimais as operações aritméticas envolvendo estes números introduzem sempre um erro de arredondamento. Como já salientamos todo equipamento eletrônico de cálculo desde a mais simples calculadora até o mais potente main frame utiliza a aritmética finita em seus cálculos. Veremos a seguir que os erros introduzidos pela aritmética finita podem ser controlados.

8 Cotas para os Erros de Arredondamento Proposição Suponha que estejamos utilizando arredondamento truncado e uma aritmética finita com t casas decimais. Então 10 1 t é uma cota para o erro relativo cometido a cada operação efetuada. Demonstração. E = e = No caso de arredondamento truncado temos: g 10e t f 10 e < 10e t (0.1)10 e = 10e t 10 e 1 = 101 t Proposição Suponha que estejamos utilizando arredondamento simétrico e uma aritmética finita com t casas decimais. Então t é uma cota para o erro relativo cometido a cada operação efetuada. Demonstração. { g 10 e t se 0 < g < 1 e = 2 (g 1) 10 e t 1 se 2 g < 1 E = e = g 10 e t /f 10 e se 0 < g < 1 2 (g 1) 10 e t /(f 10 e t + 10 e t ) se 1 2 g < 1 Observando que 0 g < 1 2 g < 1 2 e 1 2 g < 1 g 1 < 1 2 E = g 10 e t f 10 e < t se 0 < g < 1 2 g 1 10 e t g 1 10e t f 10 e t < + 10e t f 10 e t < t 1 se 2 g < 1 Casas Decimais Eatas Dizemos que uma aproimação de um número eato tem r casas decimais eatasse r

9 Eemplo Seja = com 4decimais eatas. O que se pode afirmar sobre o valor eato? Temos = = ( ) ( ) ( ) ( ) Ou seja pode-se afirmar que ( ) ( ) Propagação dos Erros Propagação dos Erros Absolutos Seja uma aproimação para e ỹ uma aproimação para y ou seja e = e e y = y ỹ Então temos: 1. Soma e +y = e + e y Demonstração. e (+y) = ( + y) ( + ỹ) = ( ) + (y ỹ) = e + e y 2. Subtração e y = e e y Demonstração. e ( y) = ( y) ( ỹ) = (y ỹ) = e e y 3. Multiplicação e.y = e y + ỹe Demonstração. Por definição e = e e y = y ỹ y = ( + e )(ỹ+e y )= ỹ+ỹe + e y +e e y

10 Como e e e y são supostamente pequenos o produto e e y torna-se desprezível com relação aos outros termos de 2.10 e assim podemos escrever y = ỹ e y + ỹe = e (y) = (y) ( ỹ) e y + ỹe 4. Divisão e ( y ) = e ỹ (ỹ) 2 e y Demonstração. Como = + e e y = ỹ + e y temos: y = ( + e ) (ỹ + e y ) = ( + e 1 ) ỹ(1 + e y ỹ ) Mas a R com a < 1 vale a igualdade 1 1 a = 1 + a + a2 + + a n +... ( Série Geométrica ) e como e y ỹ é proimo de zero, ou seja e y ỹ < 1, podemos fazer a = e y ỹ na igualdade acima e teremos e = 1 e y y ỹ + (e y ỹ )2 ( e y ỹ ) ỹ Assim temos 1 1 e y 1 + eỹ ỹ y pois como e y ỹ é pequeno os fatores (e y ỹ )2, ( e y ỹ )3... são desprezíveis. Substituindo esta aproimação na equação 2.11 temos y ( + e ) (1 e y ỹ ỹ ) = ỹ + ỹe e y e e y (ỹ) 2 = y ỹ e ỹ e y (ỹ) 2 pois e e y 0 Assim é bastante razoável considerar e ( y ) = e ỹ e y (ỹ) 2

11 Propagação dos Erros Relativos 1. Soma e Subtração E (±y) = e ± e y ± ỹ = e ± ỹ ± e y ± ỹ = ± ỹ E ± ỹ ± ỹ E y onde a ultima igualdade foi conseguida substituindo e por E e e y por ỹe y. E (±y) = 2. Multiplicação ± ỹ E ± ỹ ± ỹ E y E y = e (y) ỹ = e y + ỹe ỹ = e y ỹ + ỹe ỹ = e y ỹ + e = E + E y E y = E + E y 3. Divisão E ( y ) = e ( y ) ỹ = ỹ e ( y ) = ỹ (e ỹ (ỹ) 2 e y) = e e y ỹ = E E y E ( y ) = E E y Eemplo Seja 0< 1 < 2 < 3 < 4 onde os números i são eatos ou seja E i = 0, i = 1, 2, 3, 4. Determine uma cota para o erro cometido no cálculo de w = , supondo que estejamos usando uma aritmética finita com t casas decimais e arredondamento simétrico. É claro que na aritmética infinita a ordem com que somamos os fatores i para calcular w é irrelevante pois vale a lei comutativa da adição, ou seja, ( = ). Veremos a seguir que o mesmo não acontece na aritmética finita ou seja neste caso a ordem em que efetuamos as somas parciais pode influir no resultado.

12 Observe que a cada operação realizada na aritmética finita é introduzido um erro de arredondamento que vamos denotar r i i = 1, 2, Como estamos utilizando t casas decimais e arredondamento simétrico temos que r i t. E (1 + 2 ) = E E 2 + r 1 = r 1 pois como 1 e 2 são eatos E 1 = E 2 = 0 E (1 + 2 )+ 3 = ( ) 3 E (1 + 2 ) + E 3 + r = r 1 + r 2 E ( )+ 4 = ( ) E ( ) E 4 + r 3 (E 4 = 0) E ( )+ 4 = w Portanto temos : = (r r 2 ) + r 3 (r r 2 ) + r 3 1 w (r 2( ) + r 1 ( ) + r 3 ( ) = 1 w ( 1(r 1 + r 2 + r 3 ) + 2 (r 1 + r 2 + r 3 ) + 3 (r 2 + r 3 ) + 4 r 4 ) E w 1 w ( 1( r 1 + r 2 + r 3 ) + 2 ( r 1 + r 2 + r 3 ) + 3 ( r 2 + r 3 ) + 4 r 4 ) 1 w ( ) t (pois r i t ) Observe que o tamanho de E w depende do tamanho da epressão ( ). Esta por sua vez atinge seu valor mínimo quando temos 1 2 < 3 < 4. No eemplo acima se tivessemos mudado a ordem da

13 soma, ou seja, se tivessemos utilizado parcela 4 no lugar da parcela 1 a cota para o erro seria maior pois como 4 > 1 teríamos ( ) > ( ). É claro que na aritmética finita isto não aconteceria pois pela lei comutativa da soma teríamos : = (a b) ( a ) ( ) b Eemplo Considere as epressões u= e v =. c c c Supondo a, b e c positivos e eatos mostre que embora tenhamos u = v na aritmética infinita o erro relativo por arredondamento em v pode ser muito maior que em u se a b. E(a b) = a a b E a b a b E b + r1 = r1 (E a = Eb = 0) E u = E (a b) c = E(a b) E c + r2 = r1 + r2 E c = 0 Assim E u r1 + r t = 10 1 t Por outro lado E ( a c ) = E a E c + r 3 = r 3 E ( b c ) = E b E c + r 4 = r 4 E v = ( a c ) ( a c ) ( b c )E ( a c ) ( b c ) ( a c ) ( b c )E ( b c ) + r 5 = a a b r 3 b a b r 4 + r 5 a E v a b r b 3 + a b r a + b 4 + r 5 ( a b + 1) t Basta agora observar que a + b lim( + 1) = + a b a b

14 Eercícios Propostos 1 Seja w = n i e i aproimações para i. i=1 Sabendo-se que i < ɛ para i = 1,..., n. Mostre que o erro máimo cometido no cálculo de w é n ɛ. 2 Seja S = Supondo que as proimações para as raizes foram calculadas com 2 casas decimais eatas teremos S = Quantas casas decimais eatas tem esse resultado? Deseja-se determinar o valor de S = e i. Supondo que desejamos obter o valor de S com 3 casas decimais eatas com que precisão deveremos calcular os valores de e i? 4 Quantos termos devemos considerar na soma da série para que tenhamos uma aproimação para a soma com 3 casas decimais eatas. Sugestão: Pode ser provado que o erro cometido quando se trunca uma série alternada decrescente no termo de ordem n é menor que o valor absoluto do termo de ordem n + 1. Por eemplo, se aproimarmos a série por, digamos, o erro cometido será menor que Suponha que a seja um número positivo e eato e que o número 2 possa ser representado de maneira eata num computador. Determine limites para os erros relativos cometidos em u = a + a e v = 2a e conclua que este limites são iguais. 6 Suponha que a seja um número positivo e eato e que o número 3 possa ser representado de maneira eata num computador. Determine cotas para os erros relativos cometidos em u = a + a + a e v = 3a. Conclua que a cota para a epressão u é maior que a cota para a epressão v. i=1

15 7 Suponha que a e b sejam números positivos eatos. Mostre que o limite superior do erro relativo cometido no cálculo de u = 3(ab) é menor que o cometido em v = (a + a + a)b. 8 Suponha: a e b positivos e eatos e que a > b. Mostre que, embora em precisão infinita seja verdadeira a igualdade a + b = (a 2 b 2 )/(a b), os erros de arredondamento podem tornar o valor da epressão à esquerda da igualdade diferente do da direita. 9 Suponha que a seja eato e positivo e que 1 possa ser corretamente representado. Considere as epressões u = (1+a) 2 e v = 1+(2a+a 2 ). Mostre que quando a torna-se muito grande os limites de erro relativo para u e v aproimam-se da igualdade mas quando a torna-se muito pequeno o limite para o erro relativo em u se aproima de três vezes o limite do erro relativo em v. 10 Considere as epressões u = a(b c) e v = ab ac, nas quais supomos que a, b, c são eatos, a > 0, b > 0, c > 0, b > c e b c. Mostre que u tem uma eatidão relativa muito melhor sob as condições estabelecidas.

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS.0 Representação O sistema de numeração decimal é o mais usado pelo homem nos dias de hoje. O número 0 tem papel fundamental, é chamado de base do sistema. Os símbolos 0,,, 3, 4, 5,

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) I Representação dos números, aritmética de ponto flutuante e erros em máquinas

Leia mais

Erros. Cálculo Numérico

Erros. Cálculo Numérico Cálculo Numérico Erros Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br MATIAL ADAPTADO DOS SLIDES DA DISCIPLINA CÁLCULO NUMÉRICO DA UFCG - www.dsc.ufcg.edu.br/~cnum/ Erros - Roteiro Eistência Tipos

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Sistemas numéricos

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Sistemas numéricos EQE-358 MÉTODOS NUMÉRICOS EM ENGENHARIA QUÍMICA PROFS. EVARISTO E ARGIMIRO Capítulo 1 Introdução O objetivo desta disciplina é discutir e aplicar técnicas e métodos numéricos para a resolução de problemas

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Aula 2 - Cálculo Numérico

Aula 2 - Cálculo Numérico Aula 2 - Cálculo Numérico Erros Prof. Phelipe Fabres Anhanguera Prof. Phelipe Fabres (Anhanguera) Aula 2 - Cálculo Numérico 1 / 41 Sumário Sumário 1 Sumário 2 Erros Modelagem Truncamento Representação

Leia mais

Noções Básicas de Erros

Noções Básicas de Erros Noções Básicas de Erros PROF. ALIRIO SANTOS DE SÁ ALIRIOSA@UFBA.BR MATERIAL ADAPTADA DOS SLIDES DA DISCIPLINA DE CÁLCULO NUMÉRICO DOS PROFESSORES BRUNO QUEIROZ, JOSÉ QUEIROZ E MARCELO BARROS (UFCG). DISPONÍVEL

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Como aparecem os erros? Quais os seus efeitos? Como controlar esses efeitos?

Como aparecem os erros? Quais os seus efeitos? Como controlar esses efeitos? &DStWXOR±5HSUHVHQWDomRGH1~PHURVH(UURV,QWURGXomR Como aparecem os erros? Quais os seus efeitos? Como controlar esses efeitos? 7LSRVGH(UURV Erros inerentes à matematização do fenómeno físico: os sistemas

Leia mais

Capítulo 1 Erros e representação numérica

Capítulo 1 Erros e representação numérica Capítulo 1 Erros e representação numérica Objetivos Esperamos que ao final desta aula, você seja capaz de: Pré-requisitos Identificar as fases de modelagem e os possíveis erros nelas cometidos; Compreender

Leia mais

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Cálculo Numérico Aula : Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Computação Numérica - O que é Cálculo Numérico? Cálculo numérico é uma metodologia para resolver problemas matemáticos

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1998/99. Erros

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1998/99. Erros Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise Numérica 1998/99 Erros Objectivos: Arredondar um número para n dígitos significativos. Determinar os erros máximos absoluto e relativo

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 O que é a Análise Numérica? Ramo da Matemática dedicado ao estudo e desenvolvimento de métodos (métodos

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

Representação de números em máquinas

Representação de números em máquinas Capítulo 1 Representação de números em máquinas 1.1. Sistema de numeração Um sistema de numeração é formado por uma coleção de símbolos e regras para representar conjuntos de números de maneira consistente.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Alguns apontamentos da história da Análise Numérica

Alguns apontamentos da história da Análise Numérica Análise Numérica 1 Âmbito da Análise Numérica Determinar boas soluções aproximadas num tempo computacional razoável? Slide 1 Porquê? Porque em muitos problemas matemáticos e respectivas aplicações práticas

Leia mais

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Toda vez que você se refere a um valor ligado a uma unidade de medir, significa que, de algum modo, você realizou uma medição. O que você expressa é,

Leia mais

Aritmética de Ponto Flutuante e Noções de Erro. Ana Paula

Aritmética de Ponto Flutuante e Noções de Erro. Ana Paula Aritmética de Ponto Flutuante e Noções de Erro Sumário 1 Introdução 2 Sistemas de Numeração 3 Representação de Números Inteiros no Computador 4 Representação de Números Reais no Computador 5 Operações

Leia mais

Eduardo Camponogara. DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina

Eduardo Camponogara. DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação 1/48 Sumário Arredondamentos Erros 2/48 Sumário Arredondamentos

Leia mais

1. Introdução 2. Representação de números 2.1. Conversão Numérica 2.2. Aritmética de ponto flutuante 3. Erros 3.1 Erros Absolutos e Relativos

1. Introdução 2. Representação de números 2.1. Conversão Numérica 2.2. Aritmética de ponto flutuante 3. Erros 3.1 Erros Absolutos e Relativos 1. Introdução 2. Representação de números 2.1. Conversão Numérica 2.2. Aritmética de ponto flutuante 3. Erros 3.1 Erros Absolutos e Relativos 1. Introdução O que é cálculo numérico? Corresponde a um conjunto

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

MATEMÁTICA. Aula 1 Revisão. Prof. Anderson

MATEMÁTICA. Aula 1 Revisão. Prof. Anderson MATEMÁTICA Aula 1 Revisão Prof. Anderson Assuntos Equação do 1º grau com uma variável. Sistemas de equações do 1º grau com duas variáveis. Equação do º grau com uma variável. Equação do 1º grau com uma

Leia mais

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO Sinais obtidos por equipamentos e instrumentos devem ser calibrados para evitar erros nas medidas. Calibração, de acordo com o INMETRO, é o conjunto de operações que estabelece, sob

Leia mais

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1 APOSTILA 015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 015 1 Sumário 1.Conjuntos...5 1.1 Representação de conjuntos...5 1. Operações com conjuntos...6 1. Propriedades

Leia mais

MATERIAL MATEMÁTICA I

MATERIAL MATEMÁTICA I MATERIAL DE MATEMÁTICA I CAPÍTULO I REVISÃO Curso: Administração 1 1. Revisão 1.1 Potência de Epoente Inteiro Seja a um número real e m e n números inteiros positivos. Podemos observar as seguintes propriedades

Leia mais

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 07

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 07 DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 07 Este é o 7º artigo da série de dicas para facilitar / agilizar os cálculos matemáticos envolvidos em questões de Raciocínio Lógico, Matemática, Matemática Financeira

Leia mais

Aula 6 Aritmética Computacional

Aula 6 Aritmética Computacional Aula 6 Aritmética Computacional Introdução à Computação ADS - IFBA Representação de Números Inteiros Vírgula fixa (Fixed Point) Ponto Flutuante Para todos, a quantidade de valores possíveis depende do

Leia mais

Conversão de Bases e Aritmética Binária

Conversão de Bases e Aritmética Binária Conversão de Bases e Aritmética Binária Prof. Glauco Amorim Sistema de Numeração Decimal Dígitos Decimais: 0 2 3 4 5 6 7 8 9 Potências de base 0 0 0 2 0 0 3 4 0 0 00 000 0 000 Sistema de Numeração Binário

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 008/ . CONCEITO DE FUNÇÃO As funções são as melhores ferramentas para descrever

Leia mais

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL

2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL 18 2. MÓDULO DE UM NÚMERO REAL como segue: Dado R, definimos o módulo (ou valor absoluto) de, e indicamos por,, se 0 =, se < 0. Interpretação Geométrica O valor absoluto de um número é, na reta, a distância

Leia mais

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional.

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional. Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 3 - GABARITO 06 de julho de 013 1. (1,5 pontos) Determine se as afirmações

Leia mais

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Método Simple.. Solução eata para os modelos de Programação Linear O modelo de Programação Linear (PL) reduz um sistema real a um conjunto

Leia mais

Estrutura de Repetição Simples

Estrutura de Repetição Simples Instituto de Ciências Eatas e Biológicas ICEB Lista de Eercícios Básicos sobre Laço Estrutura de Repetição Simples Eercício 01 Escreva um programa que imprima todos os números inteiros de 0 a 50. A seguir,

Leia mais

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Questão Concurso 00 Seja ABC um triângulo com lados AB 5, AC e BC 8. Seja P um ponto sobre o lado AC, tal que

Leia mais

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação A Informação e sua Representação (Parte III) Prof.a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

Representação de Dados

Representação de Dados Representação de Dados Introdução Todos sabemos que existem diferentes tipos de números: fraccionários, inteiros positivos e negativos, etc. Torna-se necessária a representação destes dados em sistema

Leia mais

Exemplo de Subtração Binária

Exemplo de Subtração Binária Exemplo de Subtração Binária Exercícios Converta para binário e efetue as seguintes operações: a) 37 10 30 10 b) 83 10 82 10 c) 63 8 34 8 d) 77 8 11 8 e) BB 16 AA 16 f) C43 16 195 16 3.5.3 Divisão binária:

Leia mais

v m = = v(c) = s (c).

v m = = v(c) = s (c). Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando

Leia mais

Medidas e Incertezas

Medidas e Incertezas Medidas e Incertezas O que é medição? É o processo empírico e objetivo de designação de números a propriedades de objetos ou eventos do mundo real de forma a descreve-los. Outra forma de explicar este

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados 2aula Janeiro de 2012 TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS Objetivos: Familiarizar o aluno com os algarismos significativos, com as regras de arredondamento e as incertezas

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DEC - 1996/97

ANÁLISE NUMÉRICA DEC - 1996/97 ANÁLISE NUMÉRICA DEC - 996/97 Teoria de Erros A Teoria de Erros fornece técnicas para quantificar erros nos dados e nos resultados de cálculos com números aproximados. Nos cálculos aproximados deve-se

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0. Introdução Por método numérico entende-se um método para calcular a solução de um problema realizando apenas uma sequência finita de operações aritméticas. A obtenção

Leia mais

Índice de conteúdos. Índice de conteúdos. Capítulo 2. Representação de Números e Erros...1. 1.Representação de números em diferentes bases...

Índice de conteúdos. Índice de conteúdos. Capítulo 2. Representação de Números e Erros...1. 1.Representação de números em diferentes bases... Índice de conteúdos Índice de conteúdos Capítulo 2. Representação de Números e Erros...1 1.Representação de números em diferentes bases...1 1.1.Representação de números inteiros e conversões de base...1

Leia mais

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração Lista de Exercícios Sistemas de Numeração 1- (Questão 5 BNDES Profissional Básico Análise de Sistemas - Suporte ano 010) Um administrador de sistemas, ao analisar o conteúdo de um arquivo binário, percebeu

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Aritmética Computacional Slide 1 Sumário Unidade Lógica e Aritmética Representação de Números Inteiros Aritmética de Números Inteiros Representação de Números

Leia mais

Representação de Dados e Sistemas de Numeração

Representação de Dados e Sistemas de Numeração 1 Representação de Dados e Sistemas de Numeração Sistema de numeração decimal e números decimais (base 10) Sistema de numeração binário e números binários (base 2) Conversão entre binário e decimal Sistema

Leia mais

20-10-2014. Sumário. Arquitetura do Universo

20-10-2014. Sumário. Arquitetura do Universo Sumário Das Estrelas ao átomo Unidade temática 1 Diferenças entre medir, medição e medida duma grandeza. Modos de exprimir uma medida. Algarismos significativos: Regras de contagem e operações. Esclarecimento

Leia mais

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio:

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio: ELETRÔNICA DIGITAl I 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO INTRODUÇÃO A base dos sistemas digitais são os circuitos de chaveamento (switching) nos quais o componente principal é o transistor que, sob o ponto de vista

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA QUINZE: Matrizes & Determinantes (Parte II) Olá, amigos! Pedimos desculpas por não ter sido possível apresentarmos esta aula na semana passada. Motivos de força maior nos impediram de fazê-lo, mas

Leia mais

Limites e continuidade

Limites e continuidade Capítulo 3 Limites e continuidade 3.1 Limite no ponto Considere a função f() = 1 1, D f =[0, 1[ ]1, + ). Observe que esta função não é definida em =1. Contudo, fazendo suficientemente próimo de 1 (mas

Leia mais

MATEMÁTICA PRINCÍPIOS

MATEMÁTICA PRINCÍPIOS MTEMÁTI PRINÍPIOS PÍTULO NÚMEROS oneões Podemos imaginar um campo de futebol no qual desejamos ir de uma trave à outra. Pode-se seguir este raciocínio: Na caminhada, em determinado momento, estaremos na

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Sistema de Numeração Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Sistemas Numéricos Principais sistemas numéricos: Decimal 0,

Leia mais

CAPÍTULO II COLETANDO DADOS EXPERIMENTAIS

CAPÍTULO II COLETANDO DADOS EXPERIMENTAIS CAPÍTULO II COLETANDO DADOS EXPERIMENTAIS II.1 A Comunicação em Ciência e Tecnologia A comunicação torna-se ainda mais perfeita, mais objetiva, se a questão envolver a definição da igualdade ou não de

Leia mais

Aula 1 Representação e Operações Aritméticas em Ponto Flutuante.

Aula 1 Representação e Operações Aritméticas em Ponto Flutuante. Aula 1 Representação e Operações Aritméticas em Ponto Flutuante. MS211 - Cálculo Numérico Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica

Leia mais

Aproximações e Erros de Arredondamento. introdução. exactidão e precisão. Aula 2 Métodos Numéricos Aplicados à Engenharia

Aproximações e Erros de Arredondamento. introdução. exactidão e precisão. Aula 2 Métodos Numéricos Aplicados à Engenharia Aproximações e Erros de Arredondamento Aula 2 Métodos Numéricos Aplicados à Engenharia 23/02/07 João Noronha 1 introdução Em muitos problemas de engenharia não é possível a obtenção de soluções analíticas.

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 04. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 04. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 04 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo para Aula 04 Aplicação de Produto Escalar - Interpretação do produto escalar

Leia mais

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14 EQUAÇÃO DO 1º GRAU EQUAÇÃO: Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que esteja escrita em linguagem matemática. Esta

Leia mais

Aritmética Binária e. Bernardo Nunes Gonçalves

Aritmética Binária e. Bernardo Nunes Gonçalves Aritmética Binária e Complemento a Base Bernardo Nunes Gonçalves Sumário Soma e multiplicação binária Subtração e divisão binária Representação com sinal Sinal e magnitude Complemento a base. Adição binária

Leia mais

ANÁLISE DE ERROS. F. Wolfango Macedo UTAD. Departamento de Matemática. Vila Real

ANÁLISE DE ERROS. F. Wolfango Macedo UTAD. Departamento de Matemática. Vila Real ANÁLISE DE ERROS F. Wolfango Macedo UTAD Departamento de Matemática Vila Real 99 ÍNDICE ANÁLISE DE ERROS Prefácio Capítulo INTRODUÇÃO. Tipos de Erros. O Processo de Medição 3. Aproimação de Valores Numéricos

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Cálculo Numérico / Métodos Numéricos. Representação de números em computadores Mudança de base 14:05

Cálculo Numérico / Métodos Numéricos. Representação de números em computadores Mudança de base 14:05 Cálculo Numérico / Métodos Numéricos Representação de números em computadores Mudança de base 14:05 Computadores são "binários" Por que 0 ou 1? 0 ou 1 - "fácil" de obter um sistema físico Transistores

Leia mais

4 Operações aritméticas em sistema de vírgula flutuante

4 Operações aritméticas em sistema de vírgula flutuante 77 4 Operações aritméticas em sistema de vírgula lutuante 4. Introdução É imediato reconhecer que, dados dois números, F, o resultado de qualquer das operações aritméticas +, -,, com esses números pode

Leia mais

Sistemas Numéricos e a Representação Interna dos Dados no Computador

Sistemas Numéricos e a Representação Interna dos Dados no Computador Capítulo 2 Sistemas Numéricos e a Representação Interna dos Dados no Computador 2.0 Índice 2.0 Índice... 1 2.1 Sistemas Numéricos... 2 2.1.1 Sistema Binário... 2 2.1.2 Sistema Octal... 3 2.1.3 Sistema

Leia mais

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Representação de grandeza com sinal O bit mais significativo representa o sinal: 0 (indica um número

Leia mais

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação . Isolar os zeros da função f ( )= 9 +. Resolução: Pode-se construir uma tabela de valores para f ( ) e analisar os sinais: 0 f ( ) + + + + + Como f ( ) f ( ) < 0, f ( 0 ) f ( ) < 0 e f ( ) f ( ) < 0,

Leia mais

MATEMÁTICA BÁSICA E CALCULADORA

MATEMÁTICA BÁSICA E CALCULADORA DISCIPLINA MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSOR SILTON JOSÉ DZIADZIO APOSTILA 01 MATEMÁTICA BÁSICA E CALCULADORA A matemática Financeira tem como objetivo principal estudar o valor do dinheiro em função do

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Aula 1: Medidas Físicas

Aula 1: Medidas Físicas Aula 1: Medidas Físicas 1 Introdução A Física é uma ciência cujo objeto de estudo é a Natureza. Assim, ocupa-se das ações fundamentais entre os constituíntes elementares da matéria, ou seja, entre os átomos

Leia mais

ANEXO IV REGRAS DE COMPATIBILIZAÇÃO DE VALORES

ANEXO IV REGRAS DE COMPATIBILIZAÇÃO DE VALORES ANEXO IV REGRAS DE COMPATIBILIZAÇÃO DE VALORES O resultado de uma medição, envolvendo o resultado base (RB) e a incerteza do resultado (IR), deveo resultado de uma medição, envolvendo o resultado base

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial. Sistemas Digitais. Exercícios de Apoio - I. Sistemas de Numeração

Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial. Sistemas Digitais. Exercícios de Apoio - I. Sistemas de Numeração Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial Sistemas Digitais Exercícios de Apoio - I Sistemas de Numeração CONVERSÃO ENTRE SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Conversão Decimal - Binário Números Inteiros

Leia mais

Prof. Luís Caldas Sistemas de Numeração e Transformação de Base NUMERAÇÃO, BASE NUMÉRICA E TRANSFORMAÇÃO DE UMA BASE

Prof. Luís Caldas Sistemas de Numeração e Transformação de Base NUMERAÇÃO, BASE NUMÉRICA E TRANSFORMAÇÃO DE UMA BASE NUMERAÇÃO, BASE NUMÉRICA E TRANSFORMAÇÃO DE UMA BASE Os números são na verdade coeficientes de uma determinada base numérica e podem ser representados como números assinalados, não assinalados, em complemento

Leia mais

Aula 2 Modelo Simplificado de Computador

Aula 2 Modelo Simplificado de Computador Aula 2 Modelo Simplificado de Computador Um computador pode ser esquematizado de maneira bastante simplificada da seguinte forma: Modelo Simplificado de Computador: Memória Dispositivo de Entrada Processador

Leia mais

Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo abaixo) para Pré-IME, Pré-ITA, EsPCEx, EEAer, ENEM.

Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo abaixo) para Pré-IME, Pré-ITA, EsPCEx, EEAer, ENEM. O ALGEBRISTA Autor: Laércio Vasconcelos www.laercio.com.br Livro de ÁLGEBRA do ensino fundamental (6º ao 9º ano) Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo

Leia mais

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostila de Matemática Aplicada Volume Edição 00 Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Capítulo - Revisão Neste capítulo será feita uma revisão através da resolução de alguns eercícios, dos principais tópicos já

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA 2 Aula 45 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA 3 Vídeo Arredondamento de números. 4 Arredondamento de números Muitas situações cotidianas envolvendo valores destinados à contagem, podem ser facilitadas utilizando o

Leia mais

Algarismos Significativos

Algarismos Significativos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA QUÍMICA FUNDAMENTAL A - QUI-01-009 Algarismos Significativos ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Os algarismos significativos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13 Índice 1. Circuitos Digitais - Continuação...3 1.1. Por que Binário?... 3 1.2. Conversão entre Bases... 3 2 1. CIRCUITOS DIGITAIS - CONTINUAÇÃO 1.1. POR QUE BINÁRIO?

Leia mais

A FÓRMULA DE CONVERSÃO ENTRE AS UNIDADES É: F = 1.8 C + 32.0

A FÓRMULA DE CONVERSÃO ENTRE AS UNIDADES É: F = 1.8 C + 32.0 UTILIZANDO NOSSA MÁQUINA HIPOTÉTICA VAMOS CONSTRUIR UM PROGRAMA PARA CONVERTER VALORES DE UMA UNIDADE PARA OUTRA. O NOSSO PROGRAMA RECEBE UM VALOR NUMÉRICO QUE CORRESPONDE A UMA TEMPERATURA EM GRAUS CELSIUS

Leia mais

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos.

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos. Objetivos 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos Revisar o sistema de numeração decimal Contar no sistema de numeração binário Converter de decimal para binário e vice-versa Aplicar operações aritméticas

Leia mais

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012 NIVELAMENTO MATEMÁTICA 202 Monitor: Alexandre Rodrigues Loures Monitor: Alexandre Rodrigues Loures SUMÁRIO. LOGARITMOS... 3.. Mudança de base... 3.2. Propriedades dos logaritmos... 4 2. DERIVADAS... 4

Leia mais

CAPÍTULO 9. PROCESSAMENTO DOS DADOS 9.5. ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS. =0.01 gcm 3 3.36 Logo o resultado experimental é: = 5.82 g 0.

CAPÍTULO 9. PROCESSAMENTO DOS DADOS 9.5. ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS. =0.01 gcm 3 3.36 Logo o resultado experimental é: = 5.82 g 0. CAPÍTULO 9. PROCESSAMENTO DOS DADOS 9.5. ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Logo o resultado experimental é: =(1.732 ± 0.001) gcm 3 O erro relativo do volume (0.1%) é uma ordem de grandeza maior que o erro relativo

Leia mais

Matemática Financeira Módulo 2

Matemática Financeira Módulo 2 Fundamentos da Matemática O objetivo deste módulo consiste em apresentar breve revisão das regras e conceitos principais de matemática. Embora planilhas e calculadoras financeiras tenham facilitado grandemente

Leia mais

Trabalho compilado da Internet Prof. Claudio Passos. Sistemas Numéricos

Trabalho compilado da Internet Prof. Claudio Passos. Sistemas Numéricos Trabalho compilado da Internet Prof. Claudio Passos Sistemas Numéricos A Informação e sua Representação O computador, sendo um equipamento eletrônico, armazena e movimenta as informações internamente sob

Leia mais

Resolução de sistemas lineares

Resolução de sistemas lineares Resolução de sistemas lineares J M Martínez A Friedlander 1 Alguns exemplos Comecemos mostrando alguns exemplos de sistemas lineares: 3x + 2y = 5 x 2y = 1 (1) 045x 1 2x 2 + 6x 3 x 4 = 10 x 2 x 5 = 0 (2)

Leia mais

Capítulo UM Bases Numéricas

Capítulo UM Bases Numéricas Capítulo UM Bases Numéricas 1.1 Introdução Quando o homem aprendeu a contar, ele foi obrigado a desenvolver símbolos que representassem as quantidades e grandezas que ele queria utilizar. Estes símbolos,

Leia mais

1. Tipos de variáveis e organização dos dados

1. Tipos de variáveis e organização dos dados 1. Tipos de variáveis e organização dos dados 2012 1.1 ARREDONDAMENTO Algarismo significativo é qualquer algarismo sobre o qual temos certeza na sua determinação. Em inglês: significant digit ou significant

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

Introdução ao Scilab

Introdução ao Scilab Programação de Computadores 1 Capítulo 1 Introdução ao Scilab José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014.2 1/35 1 MATLAB e Scilab 2 O ambiente Scilab 2/35

Leia mais

Representação Binária de Números

Representação Binária de Números Departamento de Informática Notas de estudo Alberto José Proença 01-Mar-04 Dep. Informática, Universidade do Minho Parte A: Sistemas de numeração e representação de inteiros A.1 Sistemas de numeração

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS E SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

REPRESENTAÇÃO DE DADOS E SISTEMAS DE NUMERAÇÃO REPRESENTAÇÃO DE DADOS E SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Profs. M.Sc. Lucio M. Duarte e Ph.D. Avelino Zorzo 1 Faculdade de Informática - PUCRS 1 REPRESENTAÇÃO DE DADOS Acredita-se que a criação de números veio com

Leia mais