Noções Básicas de Erros

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Noções Básicas de Erros"

Transcrição

1 Noções Básicas de Erros PROF. ALIRIO SANTOS DE SÁ MATERIAL ADAPTADA DOS SLIDES DA DISCIPLINA DE CÁLCULO NUMÉRICO DOS PROFESSORES BRUNO QUEIROZ, JOSÉ QUEIROZ E MARCELO BARROS (UFCG). DISPONÍVEL EM:

2 Noções Básicas de Erros PONTOS A SEREM ABORDADOS Motivação Erros na fase de modelagem Erros na fase de resolução Conversões de Base Arredondamento Truncamento Precisão Variações de Erro

3 Noções Básicas de Erros Motivação A obtenção de uma solução Numérica para um problema físico por meio da aplicação de métodos numéricos, nem sempre fornece resultados que se encaiem dentro de limites razoáveis. Isto acontece mesmo quando o método é adequado e os cálculos são efetuados de maneira correta. Tal diferença ocorre devido aos erros acumulados na conversão dos números para o sistema aritmético da máquina e nas sucessivas operações realizadas, isto é inerente ao processo e, na maioria dos casos, não tem como ser evitado. Objetivo Estudar como os erros se manifestam na matemática computacional

4 Noções Básicas de Erros Influência dos Erros nas Soluções Eemplo 1: Falha no lançamento de mísseis (25/02/1991 Guerra do Golfo míssil Patriot) Limitação na representação numérica (24 bits) Erro de 0,34 s no cálculo do tempo de lançamento Ver: 4

5 Noções Básicas de Erros Influência dos Erros nas Soluções Eemplo 2: Eplosão de foguetes (04/06/1996 Guiana Francesa foguete Ariane 5) Limitação na representação numérica (64 bits/ 16 bits) Erro de trajetória 36,7 s após o lançamento Prejuízo: U$ 7,5 bilhões Ver: 5

6 Erros na Modelagem Computacional RETIRADO DE ARENALES (2008)

7 Erros - Eistência I Premissa Impossibilidade de obtenção de soluções analíticas para vários problemas de Engenharia. Consequência Emprego de métodos numéricos na resolução de inúmeros problemas do mundo real. 7

8 Erros - Eistência II Erro Inerente Erro sempre presente nas soluções numéricas, devido à incerteza sobre o valor real. E. 01: Representação intervalar de dados (50,3 ± 0,2) cm (1,57 ± 0,003) ml (110,276 ± 1,04) Kg Cada medida é um intervalo e não um número. 8

9 Erros - Eistência III Método Numérico Método adotado na resolução de um problema físico, mediante a eecução de uma sequência finita de operações aritméticas. Consequência Obtenção de um resultado aproimado, cuja diferença do resultado esperado (eato) denomina-se erro. 9

10 Erros - Eistência IV Natureza dos Erros I Erros inerentes ao processo de aquisição dos dados Relativos à imprecisão no processo de aquisição/entrada, eternos ao processo numérico. 10

11 Erros Inerentes aos Dados Proveniência Processo de aquisição/ entrada (medidas eperimentais) Sujeitos às limitações/aferição dos instrumentos usados no processo de mensuração Erros inerentes são inevitáveis! 11

12 Erros - Eistência V Natureza dos Erros II Erros inerentes ao modelo matemático adotado Relativos à impossibilidade de representação eata dos fenômenos reais a partir de modelos matemáticos Necessidade de adotar condições que simplifiquem o problema, a fim de torná-lo numericamente solúvel 12

13 Erros Inerentes ao Modelo Proveniência Processo de modelagem do problema Modelos matemáticos raramente oferecem representações eatas dos fenômenos reais Equações e relações, assim como dados e parâmetros associados, costumam ser simplificados Factibilidade e viabilidade das soluções 13

14 Erros - Eistência VII Natureza dos Erros III Erros de truncamento Substituição de um processo infinito de operações por outro finito Em muitos casos, o erro de truncamento é precisamente a diferença entre o modelo matemático e o modelo numérico. 14

15 Erros - Eistência VII Natureza dos Erros IV Erros de arredondamento Inerentes à estrutura da máquina e à utilização de uma aritmética de precisão finita 15

16 Erros - Eistência VIII Fontes de Erros I Erros de Aquisição/ Entrada de Dados Erros Inerentes ao Modelo Dados e Parâmetros do Modelo Problema do Mundo Real Modelo Matemático Processamento Numérico Solução Numérica Modelo Numérico Erros de Arredondamento Erros de Truncamento 16

17 Erros - Eistência IX Fontes de Erros II Erros de Truncamento/Arredondamento Erros de Aquisição/Entrada de Dados Unidade Central de Processamento Unidade de Controle ULA Resultado com Erros Unidade Primária de Armazenamento Dispositivos Secondários de Armazenamento 17

18 ERROS NA FASE DE MODELAGEM Erros decorrentes de Simplificações, muitas vezes necessárias, para que o fenômeno da natureza que está sendo observado possa ser representado por um modelo matemático e que tenha condições de ser tratado com as ferramentas matemáticas disponíveis. RETIRADO DE ARENALES (2008)

19 Eemplos Eemplo 1: Calcular a área de uma circunferência de raio 100m A = PI * R 2, assim para: (a) PI = 3,14 A = 31400m 2 (B) PI = 3,1416 A = 31416m 2 (C) PI = 3, A = 31415, 92654m 2 Considerações Neste eemplo, o valor eato de PI não ser representado através de um número finito de dígitos e não pode retornar como resultado um valor eato. Qualquer cálculo que envolva números que não podem ser representados através de um número finito de dígitos não fornecerá como resultado um valor eato. Quanto maior o número de dígitos utilizados, maior será a precisão obtida. Um número pode ter representação finita em uma base e não-finita em outras bases.

20 Eemplos EXEMPLO 2: AS LEIS DA MECÂNICA ENSINADAS NO ENSINO MÉDIO ELA POSSUI: BOLINHA DE METAL CRONÔMETRO FÓRMULA SENDO: D DISTÂNCIA DECORRIDA D 0 DISTÂNCIA INICIAL V 0 VELOCIDADE INICIAL T TEMPO A ACELERAÇÃO COM: D 0 =0 E V 0 = 0 E A = 9,8 M/S 2 SABENDO QUE: D = D 0 + V 0 * T + A*T 2 /2 PARA T = 3 D = 44,1M

21 Eemplo 2 Considerações Esse resultado é confiável? É bem provável que não. Não foram consideradas outras forças Resistência do Ar Velocidade do Vento Etc. Eistem fatores que eercem uma grande influência na confiabilidade da resposta O modelo matemático A precisão dos dados.

22 Erros na Fase de Resolução Erros provenientes da utilização de algum equipamento (e.g. Computador) para processar os cálculos necessários à obtenção de uma solução para o modelo matemático. Decorrentes da capacidade limitada de armazenar os dígitos significativos de valores numéricos utilizados nas operações elementares de adição, multiplicação, subtração e divisão. RETIRADO DE ARENALES (2008) Podem ser classificados em: Erros de mudança de base e erros de representação.

23 Erros na Resolução Observe o que acontece na interação entre o usuário e o computador na resolução de um problema Numérico: Os dados de entrada são enviados ao computador pelo usuário no sistema decimal Toda essa informação é convertida para o sistema binário Todas as operações serão efetuadas nesse sistema Os resultados finais serão convertidos para o sistema decimal e, Finalmente, serão transmitidos ao usuário. Todo esse processo de conversão é uma fonte de erros que afetam o resultado final dos cálculos

24 Erros na Resolução Para a resolução de modelos matemáticos, muitas vezes, torna-se necessário a utilização de instrumentos de cálculos que necessitam, para seu funcionamento, que sejam feitas certas aproimações. Tais aproimações podem gerar erros relacionados a mudanças de base e arredondamentos.

25 Erros na Resolução (Erros de Mudança de Base) Conversão base 2 para base 10 A) = 1 * * * * 2 0 = B)10,1 2 = 1 * * * 2-1 = 2,5 10 C)11,01 2 = 1 * * * * 2-2 = 3,25 10 D)0, = 0 * * * * * * 2-6 = 0,

26 Erros na Resolução (Erros de Mudança de Base) Conversão base 10 para base 2 Parte inteira do Número Utiliza-se o método das divisões sucessivas Parte Fracionária do número Utiliza-se o método das multiplicações sucessivas. Eemplo 18, =? = ,1875 0,3750 0,7500 0, ,3750 0,7500 1,500 1,000 0, = 0,0011 2

27 Eemplos Erros na Resolução (Erros de Mudança de base) A) 0,6 10 = 0, ; B) 0,1 10 = 0, ; C) 13,25 10 = 1101,01 2 Considerações Números decimais reais nem sempre possuem representação binária Dízimas periódicas decimais também são infinitas em binário A causa de erros aritméticos nos computadores está: Na limitação em armazenar bits que representam um número Se o binário for muito grande (muitos bits), não há como armazená-lo por inteiro. Se o erro for repetido muitas vezes, a resposta final pode ficar muito distante da correta.

28 Erros na Resolução

29 Erros na Resolução (Erros de Arredondamento) Os circuitos internos dos computadores reconhecem apenas a ausência ou presença de impulso elétrico. Ausência 0 Presença 1 O número binário é uma seqüência de impulsos elétricos que indicam dois estados: 0 e 1. Um Computador ou calculadora representa um número real em um sistema denominado de aritmética de ponto flutuante.

30 Erros na Resolução (Erros de Arredondamento) Aritmética de ponto flutuante De modo geral, um número é representado na base â por: X = ± [d 1 /b + d 2 /b 2 + d 3 /b d t /b t ] * b ep Onde: D i são os números inteiros contidos no intervalo: 0 d i b-1; i = 1,2,..., t; ep representa o epoente de b e assume os valores entre i e s; i, s limites inferior e superior, respectivamente, para a variação do epoente; [d 1 /b + d 2 /b 2 + d 3 /b d t /b t ] é chamada mantissa e é a parte do número que representa seus dígitos significativos; T número de dígitos do sistema de representação;

31 Erros na Resolução (Erros de Arredondamento) Aritmética de ponto flutuante (Eemplos) Considerando o sistema de base 10, B = 10, represente os seguintes números, em aritmética de ponto flutuante: A) 0, , = (3/10 + 4/ /10 3 ) * 10 0 B)31, , = 0,31415 * 10 2 = (3/10 + 1/ / / /10 5 ) * 10 2

32 Erros na Resolução (Erros de Arredondamento) Aritmética de ponto flutuante (Eemplos) Considerando o sistema de base 2, B = 2, represente os seguintes números, em aritmética de ponto flutuante: A) = 0,101 * 2 3 = (1/2 + 0/ /2 3 ) * 2 11 B) = 0,100 * 2 3 = (1/2 + 0/ /2 3 ) * 2 11

33 Erros na Resolução (Erros de Arredondamento) Aritmética de ponto flutuante (Eemplos) Em uma máquina de calcular cujo sistema de representação tenha B=2, t=10, I=-15 e s=15, o número 25 na base decimal é: = = 0,11001 * 2 5 = 0, * = (1/2 + 1/ / / /2 5 ) * REPRESENTAÇÃO BINÁRIA EM PONTO FLUTUANTE SINAL DA MANTISSA SINAL DO EXPOENTE MANTISSA EXPOENTE

34 Erros na Resolução (Erros de Arredondamento) Aritmética de ponto flutuante (Eemplos) Em uma máquina de calcular cujo sistema de representação tenha B=2, t=10, I=-15 e s=15, o número -7,125 na base decimal é: -7, = -111,001 2 = -0, * 2 3 = -0, * 2 11 REPRESENTAÇÃO BINÁRIA EM PONTO FLUTUANTE SINAL DA MANTISSA SINAL DO EXPOENTE MANTISSA EXPOENTE

35 Erros na Resolução (Erros de Arredondamento) Aritmética de ponto flutuante (Eemplos) Em uma máquina de calcular cujo sistema de representação tenha B=2, t=10, I=-15 e s=15: Sendo assim, o menor valor seria: Enquanto que, o maior valor seria: REPRESENTAÇÃO BINÁRIA EM PONTO FLUTUANTE (MENOR VALOR) SINAL DA MANTISSA SINAL DO EXPOENTE MANTISSA EXPOENTE REPRESENTAÇÃO BINÁRIA EM PONTO FLUTUANTE (MAIOR VALOR) SINAL DA MANTISSA SINAL DO EXPOENTE MANTISSA EXPOENTE

36 Erros na Resolução (Erros de Arredondamento) Aritmética de ponto flutuante (Considerações) O número zero é representado com mantissa igual a zero e ep = -I. A representação do zero com mantissa nula e epoente qualquer para a base â pode acarretar perda de dígitos significativos no resultado da adição deste zero a um outro número. Por eemplo, Em uma máquina que opera na base 10 com 4 dígitos na mantissa, para = 0,0000 * 10 0 e y = 0,3134 * 10-2 o resultado de + y seria 0,3100 * 10-2, isto é são perdidos dois dígitos do valor eato de y. Isto se deve ao alinhamento dos pontos decimais para realização da soma X + Y = 0,0000 * , * 10 0 = 0, * 10 0 Assim, + y = 0,0031 * 10 0 = 0,3100 * 10-2 Generalização: (s-i+1) * (b-1) * (b t-1 )*2 + 1

37 Erros na Resolução (Erros de Arredondamento) Arredondamento e Truncamento Arredondamento: último algarismo é arredondado. Truncamento: último algarismo é desprezado E.: B=10, t=3, i=-4 e S=4. Normalizado Arredondado Truncado 1,25 0,125 * 10 0,125 * 10 0,125 * 10 10,053 0,10053 * ,101 * ,100 * ,15-0,23815 * ,238 * ,238 * , , * 10 0,272 * 10 0,271 * 10 0, ,7 * 10-5 Underflow (epoente < -4) ,82 0, * 10 6 Overflow (epoente > 4)

38 Acurácia Precisão Acurácia (ou Eatidão) Quão próimo um valor computado/mensurado se encontra do valor real (verdadeiro) Precisão (ou Reproducibilidade) Quão próimo um valor computado/ mensurado se encontra de valores previamente computados/mensurados 38

39 Acurácia Precisão Inacurácia (ou Ineatidão) Desvio sistemático do valor real Imprecisão (ou Incerteza) Magnitude do espalhamento dos valores 39

40 Precisão (Reproducibilidade) Acurácia Precisão Eatidão Precisão Eatidão (Acurácia) 40

41 Acurácia Precisão Indicador de Precisão de um Resultado Número de algarismos significativos Algarismos significativos (as) Algarismos que podem ser usados com confiança 41

42 Acurácia Precisão As de um número I Eemplo 02: Considerem-se os seguintes valores de médias obtidas em um eperimento estatístico = casas decimais (cd) = 138,7 1 cd = 138,76 2 cd = 138, cd = 138, cd = 138, cd 42

43 Acurácia Precisão As de um número II Eemplo 02: Os valores das médias podem ser representadas como: = 138 = 0, = 138,7 = 0, = 138,76 = 0, = 138,76875 = 0, = 138, = 0, = 138, = 0,

44 ERROS - EXISTÊNCIA XVIII AS DE UM NÚMERO III EXEMPLO 02: = 0,138 X AS = 0,1387 X AS = 0,13876 X AS = 0, X AS = 0, X AS = 0, X AS 44

45 Erros - Tipos I Absoluto Diferença entre o valor eato de um número e o seu valor aproimado (em módulo) EA ' 45

46 Erros - Tipos II Relativo Razão entre o erro absoluto e o valor eato do número considerado (em módulo) ER ' ' Erro Percentual = ER. 100% 46

47 Erros - Tipos III Relativo Este tipo de erro é utilizado em processos iterativos pois, sendo o processo convergente, a cada iteração o valor atual está mais próimo mais do valor eato do que o valor anterior ' valor anterior valor atual 47

48 ERROS - TIPOS IV ERRO ABSOLUTO - CONSIDERAÇÕES I EA X SÓ PODERÁ SER DETERMINADO SE X FOR CONHECIDO COM EXATIDÃO NA PRÁTICA, COSTUMA-SE TRABALHAR COM UM LIMITANTE SUPERIOR PARA O ERRO, AO INVÉS DO PRÓPRIO ERRO ( E < Ε, SENDO Ε É O LIMITANTE) EX. 08: PARA (3,14; 3,15) EA π = π - π <0,01 48

49 Erros Tipos V Erro Absoluto - Considerações II Eemplo: Sejam a = 3876,373 e b = 1,373, e precisam ser representados como inteiros Considerando-se a parte inteira de a (a ) o erro absoluto será: EA a a 0,373 e a parte inteira de b (b ), o erro absoluto será: a ' EA b b b ' 0,373 49

50 Erros Tipos VI Erro Absoluto - Considerações III Obviamente, o resultado do erro absoluto é o mesmo nos dois casos Entretanto, o peso da aproimação em b é maior do que em a 50

51 ERROS TIPOS VII ERRO RELATIVO - CONSIDERAÇÃO O ERRO RELATIVO PODE, ENTRETANTO, TRADUZIR PERFEITAMENTE ESTE FATO, POIS: 0,373 ERa 0, ER 0, b o,373 5X

52 Erros - Tipos VIII Eemplo: Cálculo do erro relativo na representação dos números a = 2112,9 e n = 5,3, sendo EA < 0,1 ER a = a a / a = 0,1/2112 4, ER n = n n / n = 0,1/5 0,02 Conclusão: a é representado com maior precisão do que n 52

53 Arredondamento Erros Tipos IX Truncamento de Dígitos Quanto menor for o erro, maior será a precisão do resultado da operação. 53

54 Arredondamento I Erros Tipos X Eemplo: Cálculo de digital 2 utilizando uma calculadora Valor apresentado: 1, Valor real: 1,

55 Arredondamento II Erros Tipos XI Ineistência de forma de representação de números irracionais com uma quantidade finita de algarismos Apresentação de uma aproimação do número pela calculadora Erro de arredondamento 55

56 Erros Tipos XII Truncamento de Dígitos Descarte dos dígitos finais de uma representação eata por limitações de representação em vírgula flutuante E. 11: Representação truncada de em vírgula flutuante com 7 dígitos Valor apresentado: 1, Valor real: 1,

57 Arredondamento e Truncamento I Erros de Truncamento e Arredondamento - Demonstração Em um sistema que opera em ponto flutuante de t dígitos na base 10, e seja : = f.10 e + g.10 e-t (0,1 f 1 e 0,1 g 1) Para t = 4 e = 234,57, então: = 0, , f = 0,2345 g = 0,7 e - nº de dígitos inteiros t - nº de dígitos p/ máquina 57

58 Erros - Truncamento No truncamento, g.10 e-t é desprezado e ' f. 10 e EA visto que g <1 ER EA e t et ' g g.10 et et 10 t1 10 e et, e ' f.10 g.10 0,1.10 pois 0,1 é o menor valor possível para f 58

59 g 2 1 Erros Arredondamento I No arredondamento simétrico (forma mais utilizada): f f e e 10 et 1 2, se (g é desprezado) g, se (soma 1 ao último dígito de f ) 59

60 Erros - Arredondamento II Se g 1 2, então: EA 1 2 e t et ' g ER EA g.10 et et 0, t1. 10 e e ' f.10 0,

61 Erros Arredondamento III Se g 1 2, então: e EA EA et et et EA 1/2.10 1/2.10 1/ ER. 10 e et e e f f.10 0, e et e et f.10 g.10 f et et g et et g t1 61

62 Arredondamento e Truncamento I Erros de Truncamento e Arredondamento Sistema operando em ponto flutuante - Base 10 Erro de Truncamento EA 10 et Erro de Arredondamento e ER 10 t 1 1 EA 10 2 et e 1 ER 10 2 t 1 e - nº de dígitos inteiros t - nº de dígitos 62

63 Arredondamento e Truncamento II Sistema de aritmética de ponto flutuante de 4 dígitos, precisão dupla E. 12: Seja = 0, e y = 0, Calcular +y. Alinhamento dos pontos decimais antes da soma = 0, e y = 0, , +y = 0, Resultado com 4 dígitos Arredondamento: +y = 0, Truncamento: +y = 0,

64 ARREDONDAMENTO E TRUNCAMENTO III SISTEMA DE ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE DE 4 DÍGITOS, PRECISÃO DUPLA EX. 12: SEJA X = 0, E Y = 0, CALCULAR X.Y. ALINHAMENTO DOS PONTOS DECIMAIS ANTES DA SOMA X.Y = (0, ).(0, ) X.Y = (0,937.0,1272).10 6 X.Y = 0, RESULTADO COM 4 DÍGITOS ARREDONDAMENTO: X.Y = 0, TRUNCAMENTO: X.Y = 0,

65 Arredondamento e Truncamento IV Considerações Ainda que as parcelas ou fatores de uma operação possam ser representados eatamente no sistema, não se pode esperar que o resultado armazenado seja eato. e y tinham representação eata, mas os resultados +y e.y tiveram representação aproimada. 65

66 Arredondamento e Truncamento V E. 13: Seja = 0, , y = 0, e z = 0, ¹. Efetuar a operação + y + z e calcular o erro relativo do resultado, supondo, y e z eatamente representados. +y+z = 0, , , ¹ = 0, , , = 0, Resultado com 4 dígitos Arredondamento: +y+z = 0, Truncamento: +y+z = 0,

67 Arredondamento e Truncamento VI Erro relativo (no arredondamento): ER y z EA y z 4 0, , , ,

68 Arredondamento e Truncamento VII Sistemas de Vírgula Flutuante (VF ) Um sistema VF(b, p, q) é constituído por todos os números reais X da forma: b -1 X m mb t, em que 1- b -p e ainda X = 0 68

69 Arredondamento e Truncamento VIII Sistemas de Vírgula Flutuante (VF ) Portanto, X (.d -1 d -2 d -3...d - p )b ( t q-1...t 1 t 0 ) na qual p um número finito de dígitos para a mantissa; q um número finito de dígitos para o epoente; b é a base do sistema. 69

70 ARREDONDAMENTO E TRUNCAMENTO IX SISTEMAS DE VÍRGULA FLUTUANTE (VF ) CONSIDERA-SE QUE A MANTISSA É NORMALIZADA, I.E., D 0, EXCETO A REPRESENTAÇÃO DO ZERO. REPRESENTAM-SE NA FORMA VF(B, P, Q, Y), ONDE Y DETERMINA QUAL MÉTODO O SISTEMA ADOTA: CASO Y = A ARREDONDAMENTO; CASO Y = T TRUNCAMENTO DE DÍGITOS. 70

71 ARREDONDAMENTO E TRUNCAMENTO X SISTEMAS DE VÍRGULA FLUTUANTE (VF ) UNIDADE DE ARREDONDAMENTO (U): MAJORANTE DO ERRO RELATIVO NA REPRESENTAÇÃO DE UM NÚMERO NUM DADO SISTEMA VF(B, P, Q), TAL QUE: 1- p EM VF(B, P, Q, A) 1 u b 2 1- p u b EM VF(B, P, Q, T), 71

72 ARREDONDAMENTO E TRUNCAMENTO XI EX. 14: DETERMINE AS RAÍZES DA EQUAÇÃO X 2 + 0,7341X + 0, = 0 NO SISTEMA VF(10, 4, 2, T), CONSIDERANDO QUE NÃO EXISTEM DÍGITOS DE GUARDA NO PROCESSAMENTO DAS OPERAÇÕES EM PONTO FLUTUANTE. A) A PARTIR DA EXPRESSÃO UTILIZADA NA RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES QUADRÁTICAS, CALCULE O ERROS ABSOLUTOS E RELATIVOS (EA X1, EA X2, ER X1 E ER X2 ). 72

73 ARREDONDAMENTO E TRUNCAMENTO XII B) JUSTIFIQUE A ORIGEM DO ERRO RELATIVO OBTIDO NA MENOR RAIZ (EM MÓDULO), SUGERINDO UMA FORMA DE MELHORIA NUMÉRICA PARA A RESOLUÇÃO DE TAL PROBLEMA. SOLUÇÃO: A) 1,2 - b b 2a 2-4ac fl(b) 0, fl(b 2 ) (0,7341.0,7341)( ) 0, fl(b 2 ) 0,

74 ARREDONDAMENTO E TRUNCAMENTO XIII SOLUÇÃO: A) fl(c) (0.6000)10 fl( 4) fl(2) = (0.2000) fl(4c) = (0,4000.0, 6000)(10 fl(b fl( - fl(b (b ( )10 fl(4c) = o, c) = 0, c ) = (0, c) = 0, ) , (0,5389-0, ).10 ) = 0 = = 0,

75 ARREDONDAMENTO E TRUNCAMENTO XIV SOLUÇÃO: A) PRIMEIRA RAIZ: fl(-b fl( fl( 1 1 ) ) b 2 fl 4c ) - b b 2-0, , c 0 0, , ,

76 ARREDONDAMENTO E TRUNCAMENTO XV SOLUÇÃO: A) SEGUNDA RAIZ: fl(-b fl( fl( 1 1 b 2 4c ) - b b ) fl 2 ) -0, , c , , , O cancelamento subtrativo (ou catastrófico) ocorre quando se subtraem números muito próimos em sistemas de vírgula flutuante. 76

77 ARREDONDAMENTO E TRUNCAMENTO XVI SOLUÇÃO: A) PARA CALCULAR OS ERROS COMETIDOS EM FP, É NECESSÁRIO CONHECER OS VALORES EXATOS DAS RAÍZES. CONSIDERANDO UM DÍGITO A MAIS DO QUE REPRESENTAÇÃO DA MANTISSA NO SISTEMA, I.E., 5 DÍGITOS, OBTÉM-SE: A E , ,

78 ARREDONDAMENTO E TRUNCAMENTO XVII EA 1 SOLUÇÃO: A) ASSIM SENDO, OS ERROS ABSOLUTOS E RELATIVOS SERÃO: , (-0, ) 0, EA 1-0, (-0, ) 0, ER 1 EA 1 1 0, , , ER 1 % 0,003% ER 1 % 0,0% ER 2 EA 2 2 0, , , ER 2 % 22,3% 78

79 Arredondamento e Truncamento XVIII Solução: a) Constatação: Apesar dos erros absolutos serem praticamente iguais, a segunda raiz apresenta um erro relativo quatro ordens de grandeza maior do que o erro relativo cometido no cálculo da primeira raiz. b) O problema do erro relativo cometido no cálculo da segunda raiz deve-se ao cancelamento subtrativo, verificado quando números muito próimos se subtraem em aritmética de vírgula flutuante. 79

80 ERROS PROPAGAÇÃO I PROPAGAÇÃO DOS ERROS DURANTE AS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS DE UM MÉTODO, OS ERROS DOS OPERANDOS PRODUZEM UM ERRO NO RESULTADO DA OPERAÇÃO PROPAGAÇÃO AO LONGO DO PROCESSO DETERMINAÇÃO DO ERRO NO RESULTADO FINAL OBTIDO 80

81 ERROS PROPAGAÇÃO II EX. 14: SEJAM AS OPERAÇÕES A SEGUIR, PROCESSADAS EM UMA MÁQUINA COM 4 DÍGITOS SIGNIFICATIVOS E FAZENDO-SE: A = 0, E B = 0, (B+A) A=(0, , ) 0, =0, , = 0, B+(A A)=0, (0, , )=0,2345+0,0000 = 0,

82 ERROS PROPAGAÇÃO III OS DOIS RESULTADOS SÃO DIFERENTES, QUANDO NÃO DEVERIAM SER. (B + A) A = 0,0000 E B + (A A) = 0,2345 CAUSA ARREDONDAMENTO DA ADIÇÃO (B + A), A QUAL TEM 8 DÍGITOS CANCELAMENTO SUBTRATIVO DE (B + A) A DEVIDO À REPRESENTAÇÃO DE MÁQUINA COM 4 DÍGITOS A distributividade é uma propriedade da adição

83 ERROS PROPAGAÇÃO IV RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE UM PROBLEMA IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO DOS EFEITOS DA PROPAGAÇÃO DE ERROS DETERMINAÇÃO DO ERRO FINAL DE UMA OPERAÇÃO CONHECIMENTO DA SENSIBILIDADE DE UM DETERMINADO PROBLEMA OU MÉTODO NUMÉRICO 83

84 ERROS PROPAGAÇÃO V EX. 15: DADOS A = 50 ± 3 E B = 21 ± 1, CALCULAR A + B. VARIAÇÃO DE A 47 A 53 VARIAÇÃO DE B 20 A 22 MENOR VALOR DA SOMA = 67 MAIOR VALOR DA SOMA = 75 A + B = ( ) ± 4 = 71 ± 4 67 A 75 84

85 ERROS PROPAGAÇÃO VI EX. 16: DADOS A = 50 ± 3 E B = 21 ± 1, CALCULAR A - B. VARIAÇÃO DE A 47 A 53 VARIAÇÃO DE B 20 A 22 MENOR VALOR DA DIFERENÇA = 25 MAIOR VALOR DA DIFERENÇA = 33 A B = (50 21) ± 4 = 29 ± 4 25 A 33 Na subtração, os erros absolutos se somam, pois sempre se admite o pior caso

86 ERROS PROPAGAÇÃO VII EX. 17: DADOS A = 50 ± 3 E B = 21 ± 1, CALCULAR A.B. VARIAÇÃO DE A 47 A 53 VARIAÇÃO DE B 20 A 22 MENOR VALOR DO PRODUTO = 940 MAIOR VALOR DA PRODUTO = 1166 A. B = (50 ± 3) X (21 ± 1) 1050 ± ( ) 1050 ± A

87 ERROS PROPAGAÇÃO VII EX. 18: DADOS A = 50 ± 3 E B = 21 ± 1, CALCULAR A.B. CONSIDERAÇÕES DESPREZA-SE O PRODUTO 3.1, POR SER MUITO PEQUENO DIANTE DE ( ) = 113 LIGEIRAMENTE DIFERENTE DO VERDADEIRO INTERVALO, POR CONTA DA DESCONSIDERAÇÃO DO PRODUTO 3.1, ASSUMIDO COMO DESPREZÍVEL 87

88 ERROS PROPAGAÇÃO X ANÁLISE DOS ERROS ABSOLUTO E RELATIVO EXPRESSÕES PARA O DETERMINAÇÃO DOS ERROS NAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS ERROS PRESENTES NA REPRESENTAÇÃO DAS PARCELAS OU FATORES, ASSIM COMO NO RESULTADO DA OPERAÇÃO SUPONDO UM ERRO FINAL ARREDONDADO, SENDO X E Y, TAIS QUE: EA e y y EAy 88 88

89 ERROS PROPAGAÇÃO XI ADIÇÃO ERRO ABSOLUTO y ( EA ) (y EA ( y ) (EA EA y y ) ) ERRO RELATIVO ER y EA y y ER y ER y y y 89

90 ERROS PROPAGAÇÃO XII SUBTRAÇÃO ERRO ABSOLUTO y ( EA ) (y EA ( y ) (EA EA y y ) ) ERRO RELATIVO ER y EA y y ER y ER y y y 90

91 ERROS PROPAGAÇÃO XIII MULTIPLICAÇÃO ERRO ABSOLUTO.y EA. y EA.y y.ea EA EA.EA y y y.y EA. y EAy.y y.ea EAy muito pequeno ERRO RELATIVO ER.y ER ER y 91

92 ERROS PROPAGAÇÃO XIII DIVISÃO y y ERRO ABSOLUTO y y EA EA EA y. 1 1 EA y y Simplificação: 1... y EA y EAy 2 y y.ea y 2 1 EA 1 EA y y EA y y EA y EA y (desprezam-se os termos de potência >1) y y 2 y 3 ERRO RELATIVO ER /y ER ER y 92

93 ERROS ANÁLISE I EX. 19: CÁLCULO DE ER(X+Y) ER ER y y EA y RA y RA EA =EA y = 0, EA +y =0 ER 1 2 t 1 y RA 10 Como e y são eatamente representados, ER +y se resume ao Erro Relativo de Arredondamento (RA) no resultado da soma. 93

94 ERROS ANÁLISE II SISTEMA DE ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE DE 4 DÍGITOS, PRECISÃO DUPLA I EX. 20: SEJA X = 0, , Y = 0, E Z = 0, , CALCULAR X+Y+Z E ER(X+Y+Z), SABENDO QUE X, Y E Z ESTÃO EXATAMENTE REPRESENTADOS. SOLUÇÃO: ALINHANDO AS VÍRGULAS DECIMAIS: X = 0, Y = 0, E Z = 0,

95 ERROS ANÁLISE III EX. 20: SEJA X = 0, , Y = 0, E Z = 0, , CALCULAR X+Y+Z E ER (X+Y+Z), SABENDO QUE X, Y E Z ESTÃO EXATAMENTE REPRESENTADOS. SOLUÇÃO: A SOMA É FEITA POR PARTES: (X+Y)+Z X+Y = 0, X+Y+Z = 0, , X+Y+Z = 0, X+Y+Z = 0, (APÓS O ARREDONDAMENTO) 95

96 96 96 ERROS ANÁLISE IV SOLUÇÃO: EA z =0, ER z =0 1 t z y z y y ER 1 z y y RA RA z y y RA ER RA z y y ER ER RA z y EA ER z y y ER ER s z y s z y z z s z y

97 ERROS ANÁLISE V SOLUÇÃO: ER ER ER y y z 1 2 t1 yz , , yz yz 0,

98 ERROS ANÁLISE VI EX. 21: SUPONDO QUE U É REPRESENTADO EM UM COMPUTADOR POR Ū, QUE É OBTIDO POR ARREDONDAMENTO. OBTER OS LIMITES SUPERIORES PARA OS ERROS RELATIVOS DE V = 2. Ū E W = Ū + Ū. 98

99 ERROS ANÁLISE VII EX. 21: SOLUÇÃO: v 2.u ER ER 2.u 2.u ER2 ER u t 1 RA RA RA 2. RA ER v 10 t1 99

100 ERROS ANÁLISE VIII EX. 21: SOLUÇÃO: ER w ER u w ER u u u u u ER u u u u u ER w 2.RA RA 2.RA u u 1 t 1 ERw 2. RA t 1 t1 w ERv 10 RA 100

101 ERROS SUMÁRIO I 1. Erro Relativo da Adição Soma dos erros relativos de cada parcela, ponderados pela participação de cada parcela no total da soma. 2. Erro Relativo da Subtração Soma dos erros relativos do minuendo e do subtraendo, ponderados pela participação de cada parcela no resultado da subtração. 101

102 ERROS SUMÁRIO II 3. Erro Relativo da Multiplicação Soma dos erros relativos dos fatores. 4. Erro Relativo da Divisão Soma dos erros relativos do dividendo e do divisor. 102

103 Erros na Resolução (Precisão) Avaliar a precisão de um dado sistema: 1/b t A) â=2, t=10 1/2 10 = 1/1024 1/1000 = 1/10 3 = 10-3 B) a=2, t=24 1/2 24 = 1/ / = 1/10 7 = 10-7

104 Variações de Erro Erro Absoluto Erro abs = valor real valor representado Erro Relativo Erro rel = Erro abs / valor real Erro Percentual Erro per = erro rel * 100

105 Referências Ruggiero, M. A. G.; Lopes, V. L. R., Cálculo Numérico: Aspectos Teóricos e Computacionais. Editora Makron Books, Paulino, C. D. & Soares, C. Erros e Propagação de Erros, Notas de aula, SE/DM/IST [Online] [acessado em 08/09/2011]. Disponível em: Queiroz, B. C. N. & Queiroz, J. E. R. & Barros, M. A. Cálculo Numérico: Módulo III Erros, Notas de aula, DSC/CEEI/UFCG [Online] [acessado em 04/03/2012]. Disponível em:

Erros. Cálculo Numérico

Erros. Cálculo Numérico Cálculo Numérico Erros Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br MATIAL ADAPTADO DOS SLIDES DA DISCIPLINA CÁLCULO NUMÉRICO DA UFCG - www.dsc.ufcg.edu.br/~cnum/ Erros - Roteiro Eistência Tipos

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

Aritmética de Ponto Flutuante e Noções de Erro. Ana Paula

Aritmética de Ponto Flutuante e Noções de Erro. Ana Paula Aritmética de Ponto Flutuante e Noções de Erro Sumário 1 Introdução 2 Sistemas de Numeração 3 Representação de Números Inteiros no Computador 4 Representação de Números Reais no Computador 5 Operações

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) I Representação dos números, aritmética de ponto flutuante e erros em máquinas

Leia mais

Aula 2 - Cálculo Numérico

Aula 2 - Cálculo Numérico Aula 2 - Cálculo Numérico Erros Prof. Phelipe Fabres Anhanguera Prof. Phelipe Fabres (Anhanguera) Aula 2 - Cálculo Numérico 1 / 41 Sumário Sumário 1 Sumário 2 Erros Modelagem Truncamento Representação

Leia mais

CCI-22 CCI-22. 2) Erros de arredondamento. Matemática Computacional

CCI-22 CCI-22. 2) Erros de arredondamento. Matemática Computacional Matemática Computacional 2) Erros de arredondamento Carlos Alberto Alonso Sanches Erros de representação e de cálculo Tipos de erros Erro inerente: sempre presente na incerteza das medidas experimentais

Leia mais

Métodos Numéricos. Turma CI-202-X. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br

Métodos Numéricos. Turma CI-202-X. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br Métodos Numéricos Turma CI-202-X Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 3 (10/08/15) Aritmética de ponto flutuante Representação de ponto flutuante Normalização Binária Decimal Situações

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto

Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto Erros Nenhum resultado obtido através de cálculos eletrônicos ou métodos numéricos tem valor se não tivermos conhecimento e controle sobre os possíveis erros envolvidos no processo. A análise dos resultados

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Sistema de ponto flutuante

Sistema de ponto flutuante Exemplo: FP(,4,,A) e FP(,4,,T) Sistema de ponto flutuante FP( b, p, q,_) = FP(, 4,, _ ) base 4 dígitos na mantissa dígitos no expoente A=Arredondamento T=Truncatura x ± =± m b t x =± d 1d d d 4 dígitos

Leia mais

Capítulo 1 - Erros e Aritmética Computacional

Capítulo 1 - Erros e Aritmética Computacional Capítulo 1 - Erros e Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança 2 o Ano - Eng. Civil, Electrotécnica e Mecânica Carlos Balsa Métodos Numéricos

Leia mais

Aritmética de Ponto Flutuante

Aritmética de Ponto Flutuante Aritmética de Ponto Flutuante Entre 1970 e 1980 um grupo formado por cientistas e engenheiros de diferentes empresas de computação realizou um trabalho intenso na tentativa de encontrar um padrão de representação

Leia mais

Eduardo Camponogara. DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina

Eduardo Camponogara. DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação 1/48 Sumário Arredondamentos Erros 2/48 Sumário Arredondamentos

Leia mais

Representação de números em máquinas

Representação de números em máquinas Capítulo 1 Representação de números em máquinas 1.1. Sistema de numeração Um sistema de numeração é formado por uma coleção de símbolos e regras para representar conjuntos de números de maneira consistente.

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DEC - 1996/97

ANÁLISE NUMÉRICA DEC - 1996/97 ANÁLISE NUMÉRICA DEC - 996/97 Teoria de Erros A Teoria de Erros fornece técnicas para quantificar erros nos dados e nos resultados de cálculos com números aproximados. Nos cálculos aproximados deve-se

Leia mais

Cálculo Numérico / Métodos Numéricos. Representação de números em computadores Mudança de base 14:05

Cálculo Numérico / Métodos Numéricos. Representação de números em computadores Mudança de base 14:05 Cálculo Numérico / Métodos Numéricos Representação de números em computadores Mudança de base 14:05 Computadores são "binários" Por que 0 ou 1? 0 ou 1 - "fácil" de obter um sistema físico Transistores

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo do dado define como ele será: Armazenado na memória. Manipulado pela ULA.

A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo do dado define como ele será: Armazenado na memória. Manipulado pela ULA. Representação de Dados Tipos de dados: Caracteres (letras, números n e símbolos). s Lógicos. Inteiros. Ponto flutuante: Notações decimais: BCD. A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo

Leia mais

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Cálculo Numérico Aula : Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Computação Numérica - O que é Cálculo Numérico? Cálculo numérico é uma metodologia para resolver problemas matemáticos

Leia mais

Representando Instruções no Computador

Representando Instruções no Computador Representando Instruções no Computador Humanos aprenderam a pensar na base 10 Números podem ser representados em qualquer base Números mantidos no hardware como série de sinais eletrônicos altos e baixos

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 O que é a Análise Numérica? Ramo da Matemática dedicado ao estudo e desenvolvimento de métodos (métodos

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

Capítulo SETE Números em Ponto Fixo e Ponto Flutuante

Capítulo SETE Números em Ponto Fixo e Ponto Flutuante Capítulo SETE Números em Ponto Fixo e Ponto Flutuante 7.1 Números em ponto fixo Observação inicial: os termos ponto fixo e ponto flutuante são traduções diretas dos termos ingleses fixed point e floating

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Sistemas numéricos

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Sistemas numéricos EQE-358 MÉTODOS NUMÉRICOS EM ENGENHARIA QUÍMICA PROFS. EVARISTO E ARGIMIRO Capítulo 1 Introdução O objetivo desta disciplina é discutir e aplicar técnicas e métodos numéricos para a resolução de problemas

Leia mais

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS.0 Representação O sistema de numeração decimal é o mais usado pelo homem nos dias de hoje. O número 0 tem papel fundamental, é chamado de base do sistema. Os símbolos 0,,, 3, 4, 5,

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

Capítulo 1 Erros e representação numérica

Capítulo 1 Erros e representação numérica Capítulo 1 Erros e representação numérica Objetivos Esperamos que ao final desta aula, você seja capaz de: Pré-requisitos Identificar as fases de modelagem e os possíveis erros nelas cometidos; Compreender

Leia mais

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte II) Universidade Federal de Campina Grande. Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte II) Universidade Federal de Campina Grande. Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Introdução à Computação A Informação e sua Representação (Parte II) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

Como aparecem os erros? Quais os seus efeitos? Como controlar esses efeitos?

Como aparecem os erros? Quais os seus efeitos? Como controlar esses efeitos? &DStWXOR±5HSUHVHQWDomRGH1~PHURVH(UURV,QWURGXomR Como aparecem os erros? Quais os seus efeitos? Como controlar esses efeitos? 7LSRVGH(UURV Erros inerentes à matematização do fenómeno físico: os sistemas

Leia mais

Alguns apontamentos da história da Análise Numérica

Alguns apontamentos da história da Análise Numérica Análise Numérica 1 Âmbito da Análise Numérica Determinar boas soluções aproximadas num tempo computacional razoável? Slide 1 Porquê? Porque em muitos problemas matemáticos e respectivas aplicações práticas

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Aritmética Computacional Slide 1 Sumário Unidade Lógica e Aritmética Representação de Números Inteiros Aritmética de Números Inteiros Representação de Números

Leia mais

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação A Informação e sua Representação (Parte III) Prof.a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

Aula 1 Representação e Operações Aritméticas em Ponto Flutuante.

Aula 1 Representação e Operações Aritméticas em Ponto Flutuante. Aula 1 Representação e Operações Aritméticas em Ponto Flutuante. MS211 - Cálculo Numérico Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica

Leia mais

Unidade 5: Sistemas de Representação

Unidade 5: Sistemas de Representação Arquitetura e Organização de Computadores Atualização: 9/8/ Unidade 5: Sistemas de Representação Números de Ponto Flutuante IEEE 754/8 e Caracteres ASCII Prof. Daniel Caetano Objetivo: Compreender a representação

Leia mais

CURSO E COLÉGIO APOIO. Professor: Ronaldo Correa

CURSO E COLÉGIO APOIO. Professor: Ronaldo Correa CURSO E COLÉGIO APOIO Professor: Ronaldo Correa Holiday - Christmas.mpg medidas 1-Medidas Grandeza tudo aquilo que pode ser medido. Medir comparar com um padrão. No Brasil e na maioria dos países as unidades

Leia mais

Noções Básicas Sobre Erros

Noções Básicas Sobre Erros Noções Básicas Sobre Erros Wellington D. Previero previero@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/previero Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR Câmpus Londrina Wellington D. Previero

Leia mais

Aproximações e Erros de Arredondamento. introdução. exactidão e precisão. Aula 2 Métodos Numéricos Aplicados à Engenharia

Aproximações e Erros de Arredondamento. introdução. exactidão e precisão. Aula 2 Métodos Numéricos Aplicados à Engenharia Aproximações e Erros de Arredondamento Aula 2 Métodos Numéricos Aplicados à Engenharia 23/02/07 João Noronha 1 introdução Em muitos problemas de engenharia não é possível a obtenção de soluções analíticas.

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1998/99. Erros

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1998/99. Erros Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise Numérica 1998/99 Erros Objectivos: Arredondar um número para n dígitos significativos. Determinar os erros máximos absoluto e relativo

Leia mais

Sistemas de Numeração (Aula Extra)

Sistemas de Numeração (Aula Extra) Sistemas de Numeração (Aula Extra) Sistemas de diferentes bases Álgebra Booleana Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 27/2 Sistemas de Numeração Um sistema de numeração

Leia mais

Computador HIPO. Inicialmente vamos apresentar as unidades fundamentais de um computador:

Computador HIPO. Inicialmente vamos apresentar as unidades fundamentais de um computador: Computador HIPO Para introduzirmos as noções básicas de como funciona um computador, empregaremos um modelo imaginário (hipotético) que denominaremos de computador hipo. O funcionamento desse modelo tem

Leia mais

Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão)

Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão) Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão) Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://dase.ifpe.edu.br/~alsm 1 O que fazer com essa apresentação 2 Agenda Breve revisão da aula anterior

Leia mais

Aula 9. Introdução à Computação. ADS IFBA www.ifba.edu.br/professores/antoniocarlos

Aula 9. Introdução à Computação. ADS IFBA www.ifba.edu.br/professores/antoniocarlos Aula 9 Introdução à Computação Ponto Flutuante Ponto Flutuante Precisamos de uma maneira para representar Números com frações, por exemplo, 3,1416 Números muito pequenos, por exemplo, 0,00000001 Números

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO (CONT...) ERRO E INCERTEZA DE MEDIÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO (CONT...) ERRO E INCERTEZA DE MEDIÇÃO INSTRUMENTAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO (CONT...) ERRO E INCERTEZA DE MEDIÇÃO Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Vianna - Felipe Dalla Vecchia 2013 Parâmetros Sensibilidade (Sb) É o quociente entre

Leia mais

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Leugim Corteze Romio Universidade Regional Integrada URI Campus Santiago-RS leugimcr@urisantiago.br Prof.

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes Codificação Principais códigos utilizados Computadores e Equipamentos de Comunicações Digitais trabalham com representação e códigos. A codificação binária de sinais é largamente utilizada em Sistemas

Leia mais

Sistemas de Computação

Sistemas de Computação Sistemas de Computação Ponto Flutuante Haroldo Gambini Santos Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP 26 de abril de 2010 Haroldo Gambini Santos Sistemas de Computação 1/18 Seção 1 Introdução 2 O Padrão

Leia mais

1. Introdução 2. Representação de números 2.1. Conversão Numérica 2.2. Aritmética de ponto flutuante 3. Erros 3.1 Erros Absolutos e Relativos

1. Introdução 2. Representação de números 2.1. Conversão Numérica 2.2. Aritmética de ponto flutuante 3. Erros 3.1 Erros Absolutos e Relativos 1. Introdução 2. Representação de números 2.1. Conversão Numérica 2.2. Aritmética de ponto flutuante 3. Erros 3.1 Erros Absolutos e Relativos 1. Introdução O que é cálculo numérico? Corresponde a um conjunto

Leia mais

Fundamentos Tecnológicos

Fundamentos Tecnológicos 1 2 Potenciação Fundamentos Tecnológicos Potenciação, radiciação e operações algébricas básicas Prof. Flavio Fernandes Dados um número real positivo a e um número natural n diferente de zero, chama-se

Leia mais

Algoritmos DCC 119. Introdução e Conceitos Básicos

Algoritmos DCC 119. Introdução e Conceitos Básicos Algoritmos DCC 119 Introdução e Conceitos Básicos Sumário Sistemas de Numeração Sistemas Computacionais Estrutura de um Computador Digital Sistemas Operacionais Algoritmo Introdução Formas de representação

Leia mais

Distribuição de probabilidades

Distribuição de probabilidades Luiz Carlos Terra Para que você possa compreender a parte da estatística que trata de estimação de valores, é necessário que tenha uma boa noção sobre o conceito de distribuição de probabilidades e curva

Leia mais

Índice de conteúdos. Índice de conteúdos. Capítulo 2. Representação de Números e Erros...1. 1.Representação de números em diferentes bases...

Índice de conteúdos. Índice de conteúdos. Capítulo 2. Representação de Números e Erros...1. 1.Representação de números em diferentes bases... Índice de conteúdos Índice de conteúdos Capítulo 2. Representação de Números e Erros...1 1.Representação de números em diferentes bases...1 1.1.Representação de números inteiros e conversões de base...1

Leia mais

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução).

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução). Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística DCC Leônidas O. Brandão 1 Computador à Gaveta O objetivo deste texto é introduzir os primeiros conceitos de algoritmos a partir de um modelo

Leia mais

Matemática Computacional - Exercícios

Matemática Computacional - Exercícios Matemática Computacional - Exercícios 1 o semestre de 2009/2010 - LEMat e MEQ Teoria de erros e Representação de números no computador Nos exercícios deste capítulo os números são representados em base

Leia mais

1. UMA RAZÃO PARA OS LOGARITMOS

1. UMA RAZÃO PARA OS LOGARITMOS . UMA RAZÃO PARA OS LOGARITMOS.. INTRODUÇÃO Os logaritmos foram inventados, no começo do século XVII, como um instrumento para facilitar e simplificar o cálculo aritmético, permitindo que se efetuassem,

Leia mais

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Representação de grandeza com sinal O bit mais significativo representa o sinal: 0 (indica um número

Leia mais

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase NIVELAMENTO 00/ MATEMÁTICA BÁSICA Núcleo Básico da Primeira Fase Instituto Superior Tupy Nivelamento de Matemática Básica ÍNDICE. Regras dos Sinais.... Operações com frações.... Adição e Subtração....

Leia mais

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 083020 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/04/2008

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 083020 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/04/2008 Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 08300 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/0/008 1. (0 pts.) Considere o sistema de ponto flutuante normalizado

Leia mais

Estudaremos métodos numéricos para resolução de sistemas lineares com n equações e n incógnitas. Estes podem ser:

Estudaremos métodos numéricos para resolução de sistemas lineares com n equações e n incógnitas. Estes podem ser: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Eletrônica Digital para Instrumentação. Herman Lima Jr. hlima@cbpf.br

Eletrônica Digital para Instrumentação. Herman Lima Jr. hlima@cbpf.br G03 Eletrônica Digital para Instrumentação Prof: hlima@cbpf.br Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) Organização do curso Introdução à eletrônica digital

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: variáveis, operadores, entrada/saída Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C Linguagem de uso geral (qualquer tipo de aplicação) Uma das linguagens mais utilizadas Foi utilizada

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2004 Representação de Dados e Aritimética Computacional Roteiro Números inteiros sinalizados e nãosinalizados Operações

Leia mais

Exemplo de Subtração Binária

Exemplo de Subtração Binária Exemplo de Subtração Binária Exercícios Converta para binário e efetue as seguintes operações: a) 37 10 30 10 b) 83 10 82 10 c) 63 8 34 8 d) 77 8 11 8 e) BB 16 AA 16 f) C43 16 195 16 3.5.3 Divisão binária:

Leia mais

Livro de álgebra para ensino fundamental 2 ( 6º ao 9º ano)

Livro de álgebra para ensino fundamental 2 ( 6º ao 9º ano) O ALGEBRISTA Autor: Laércio Vasconcelos www.laercio.com.br Livro de álgebra para ensino fundamental ( º ao º ano) Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) Pré-IME, Pré-ITA,

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

Aula 6 Aritmética Computacional

Aula 6 Aritmética Computacional Aula 6 Aritmética Computacional Introdução à Computação ADS - IFBA Representação de Números Inteiros Vírgula fixa (Fixed Point) Ponto Flutuante Para todos, a quantidade de valores possíveis depende do

Leia mais

Métodos Numéricos. A. Ismael F. Vaz. Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho.

Métodos Numéricos. A. Ismael F. Vaz. Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho. Métodos Numéricos A. Ismael F. Vaz Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho aivaz@dps.uminho.pt Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Ano lectivo 2007/2008 A.

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) II Métodos numéricos para encontrar raízes (zeros) de funções reais. Objetivos:

Leia mais

4 Operações aritméticas em sistema de vírgula flutuante

4 Operações aritméticas em sistema de vírgula flutuante 77 4 Operações aritméticas em sistema de vírgula lutuante 4. Introdução É imediato reconhecer que, dados dois números, F, o resultado de qualquer das operações aritméticas +, -,, com esses números pode

Leia mais

Acadêmico: Projeto de Ensino: Curso de Matemática Básica

Acadêmico: Projeto de Ensino: Curso de Matemática Básica O gênio é composto por % de talento e de 8% de perseverante aplicação (Ludwing Van Beethoven) Acadêmico: Projeto de Ensino: Curso de Matemática Básica SUMÁRIO NÚMEROS E OPERAÇÕES Introdução Conjunto dos

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

Álgebra. SeM MiSTéRio

Álgebra. SeM MiSTéRio Álgebra SeM MiSTéRio Série SeM MiSTéRio Alemão Sem Mistério Álgebra Sem Mistério Cálculo Sem Mistério Conversação em Alemão Sem Mistério Conversação em Espanhol Sem Mistério Conversação em Francês Sem

Leia mais

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5 Truques e Dicas O que se segue serve para esclarecer alguma questão que possa surgir ao resolver um exercício de matemática. Espero que lhe seja útil! Cap. I Fracções. Soma e Produto de Fracções Para somar

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

CAPÍTULO I. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA Apostila de Eletrônica Digital. Sistemas de Numeração. 1.

CAPÍTULO I. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA Apostila de Eletrônica Digital. Sistemas de Numeração. 1. CAPÍTULO I Sistemas de Numeração. Introdução O decimal é o mais importante dos sistemas numéricos. Ele está fundamentado em certas regras que são a base de formação para qualquer outro sistema. Além do

Leia mais

Matemática Computacional. Edgard Jamhour

Matemática Computacional. Edgard Jamhour Matemática Computacional Edgard Jamhour Definição A matemática computacional é uma área da matemática e da computação que trata do desenvolvimento de modelos matemáticos, para o tratamento de problemas

Leia mais

LISTA BÁSICA MATEMÁTICA

LISTA BÁSICA MATEMÁTICA LISTA BÁSICA Professor: ARGENTINO FÉRIAS: O ANO DATA: 0 / 06 / 0 MATEMÁTICA 6 0 6 +, + 4 é:. O valor de ( ) ( ) ( ) a) b) c) 7 d) 9 e). Considere a epressão numérica a) 9 b) 0 c) 8,00 d) 69 e) 9,00000

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Número de ponto flutuante com precisão estendida 1 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 6º ano Ano Letivo: 2015 OBJETIVO GERAL

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 6º ano Ano Letivo: 2015 OBJETIVO GERAL Planejamento Anual Componente Curricular: Matemática Ano: 6º ano Ano Letivo: 2015 Professor(s): Eni e Patrícia OBJETIVO GERAL Desenvolver e aprimorar estruturas cognitivas de interpretação, análise, síntese,

Leia mais

Primeiro roteiro de exercícios no Scilab Cálculo Numérico

Primeiro roteiro de exercícios no Scilab Cálculo Numérico Primeiro roteiro de exercícios no Scilab Cálculo Numérico Rodrigo Fresneda 13 de fevereiro de 2012 Guia para respostas: Responda a todas as questões que estão em negrito ao longo do roteiro. Inclua sempre

Leia mais

3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS

3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS 3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS Introdução É o conjunto de todos os números que estão ou podem ser colocados em forma de fração. Fração Quando dividimos um todo em partes iguais e queremos representar

Leia mais

Capítulo 3 Aula 8. Representação Numérica. Aritmética Computacional Representação Numérica

Capítulo 3 Aula 8. Representação Numérica. Aritmética Computacional Representação Numérica Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação Capítulo 3 Aula 8 Aritmética Computacional Representação Numérica 1 Representação Numérica Base binária (base

Leia mais

2008 2009 2 o semestre

2008 2009 2 o semestre Computadores e Programação Helmut Wolters 4/3/2009 p. 1/12 Computadores e Programação 2008 2009 2 o semestre Aula 4/3/2009 Helmut Wolters Computadores e Programação Helmut Wolters 4/3/2009 p. 2/12 Representação

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Sistema de Numeração Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Sistemas Numéricos Principais sistemas numéricos: Decimal 0,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Prof. Henrique

Arquitetura e Organização de Computadores. Prof. Henrique Arquitetura e Organização de Prof. Henrique Julho/2015 Roteiro Revisão - representação binária; conversão; representação de níveis; notação de sistema; códigos; simulador; Formas de Notação - sinal/magnitude;

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA. Algoritmos. Parte 3. Ricardo José Cabeça de Souza

CURSO DE INFORMÁTICA. Algoritmos. Parte 3. Ricardo José Cabeça de Souza CURSO DE INFORMÁTICA Algoritmos Ricardo José Cabeça de Souza Parte 3 Sumário UNIDADE I - ALGORITMOS 1.6 Pseudo-Linguagem (Pseudocódigo) 1.6.1 Pseudo-Linguagem 1.6.2 Identificadores 1.6.2.1 Nomeação de

Leia mais

Sumário 1.OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS...2. 1.1 Adição e Subtração de Números Racionais...2. 1.2 Multiplicação e Divisão de Números Racionais...

Sumário 1.OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS...2. 1.1 Adição e Subtração de Números Racionais...2. 1.2 Multiplicação e Divisão de Números Racionais... Sumário 1.OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS...2 1.1 Adição e Subtração de Números Racionais...2 1.2 Multiplicação e Divisão de Números Racionais...2 2.OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS...4 2.1 Adição e Subtração

Leia mais

Operação com Números racionais

Operação com Números racionais Operação com Números racionais 1 Significado das frações a) Parte do todo Exemplo 1: 3 = três partes de seis partes, onde seis 6 partes é o todo. Exemplo 8: a) b) b) Divisão Exemplo 2: 6 3 = 6 3 Exemplo

Leia mais

Notas da disciplina Cálculo Numérico

Notas da disciplina Cálculo Numérico Notas da disciplina Cálculo Numérico Leonardo F. Guidi 7 de outubro de 2015 Instituto de Matemática Universidade Federal do Rio Grande do Sul Av. Bento Gonçalves, 9500 Porto Alegre - RS 2 Sumário 1 Representação

Leia mais

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações O número racional pode ser definido a partir da aritmética fechamento da operação de divisão entre inteiros ou partir da geometria

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0. Introdução Por método numérico entende-se um método para calcular a solução de um problema realizando apenas uma sequência finita de operações aritméticas. A obtenção

Leia mais

CURSOS. Licenciatura em Informática Matemática Sistemas de Informação

CURSOS. Licenciatura em Informática Matemática Sistemas de Informação PROCESSO SELETIVO 2009/ Domingo, de janeiro de 2009 CADERNO DE RESPOSTA DISCURSIVA ESPECÍFICA RESPOSTAS ESPERADAS PELAS BANCAS ELABORADORAS CURSOS Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Conjuntos Numéricos. É um subconjunto de números naturais que possuem exatamente dois divisores: o número 1 e ele mesmo. { }

Conjuntos Numéricos. É um subconjunto de números naturais que possuem exatamente dois divisores: o número 1 e ele mesmo. { } CURSO: ASTRONOMIA APLICADA À NAVEGAÇÃO PROFESSOR: ALEXANDRE RIBEIRO ANDRADE MÓDULO 1: MATEMÁTICA APLICADA NA ASTRONOMIA NÁUTICA Apostila 1: Sistema de Unidades utilizadas na Navegação e na Astronomia,

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Possibilitar ao candidato condições para que ele possa fazer uma breve revisão dos conteúdos no ensino fundamental.

Possibilitar ao candidato condições para que ele possa fazer uma breve revisão dos conteúdos no ensino fundamental. INTRODUÇÃO Esse trabalho abordará alguns conceitos importantes sobre a Matemática no Ensino Fundamental. Além desse material, indicamos que você leia livros, acesse sites relacionados à Matemática para

Leia mais

Eduardo Camponogara Eugênio de Bona Castelan Neto

Eduardo Camponogara Eugênio de Bona Castelan Neto UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS CÁLCULO NUMÉRICO PARA CONTROLE E AUTOMAÇÃO Versão preliminar Eduardo Camponogara Eugênio de Bona Castelan Neto Florianópolis,

Leia mais