Chapter Noções Preliminares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares"

Transcrição

1 Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências de números reais, os quais são mais simples, mais adiante, estudaremos os limites de derivadas, seqüências de funções e outros. Intuitivamente, podemos pensar numa seqüência (a, a 2,..., a n,...) de números reais como sendo uma seqüência de pontos da reta e o seu limite como sendo um ponto do qual os pontos a n tornam e permanecem arbitrariamente próximos, desde que se tome o índice n suficientemente grande. 2. Noções Preliminares Uma seqüência de números reais é uma função f : IN IR, definida no conjunto IN = {, 2, 3, 4,...} dos números naturais e tomando valores no conjunto IR dos números reais. O valor f(n) será representado por a n, para todo n IN, e chamado o termo 42

2 2. Noções Preliminares 43 geral, ou n-ésimo termo da seqüência. É comum usarmos as notações (a n ), (a n ) n IN, (a, a 2, a 3,...) ou simplesmente a n para reprensentar uma seqüência. Usaremos ainda a notação {a n } para indicar o conjunto de valores da seqüência. Essa distinção é importante, pois uma seqüência pode possuir infinitos elementos, mesmo que seu conjunto de valores seja finito. Exemplo 2. A seqüência é infinita, com,,,,,,... a n = ( ) n = ( ) n. Mas observe que seu conjunto de valores possui somente dois valores, + e -, ou seja, {a n } = {+, }. De acordo com a definição que demos anteriormente, o índice de uma seqüência (a n ) começa em n =, ou seja a é seu primeiro termo. Observe, o leitor, que a seqüência de termo geral a n = n 3 só faz sentido para n = 4, 5, 6,... de modo que seu primeiro termo é a 4. Não pense, o leitor, que isto seja um obstáculo, pois podemos, e faremos, uma translação de índices de forma que o primeiro termo da seqüência tenha índice n =. De fato, definindo a seqüência b n = a n+4 = a seqüência fica definida a partir de n =. n +

3 2. Noções Preliminares 44 Seja (a n ) uma seqüência. Dizemos que (a n ) é crescente se a < a 2 < a 3 <... < a n..., isto é, se a n < a n+ Agora se a > a 2 > a 3 >... > a n..., isto é, se a n > a n+ dizemos que a seqüência é decrescente. A seqüência (a n ) é não-crescente se a a 2 a 3... a n... e não-decrescente se a a 2 a 3... a n... Se uma seqüência satisfaz qualquer uma dessas propriedades ela é dita monótona. Uma seqüência a n é dita ser limitada superiormente se existir um número real β tal que, para todo número natural n, temos a n β. De maneira análoga dizemos que uma seqüência a n é limitada inferiormente se existir um número real α tal que, para todo número natural n, temos a n α. Se existirem reais α e β tais que, para todo número natural n, temos α a n β, dizemos que a n é uma seqüência limitada. Note que uma seqüência é limitada se, e somente se, ela é limitada superiormente e inferiormente. Em outra palavras, uma seqüência é limitada se todos os seus termos pertencem ao intervalo [α, β].

4 2. Noções Preliminares 45 Lema 2. A seqüência (a n ) de números reais é limitada se, e somente se, ( a n ) é limitada. Observe que todo intervalo [α, β] está contido num intervalo maior da forma [ c, c] com c > 0, basta o leitor fazer c = max{ α, β }. Uma vez que a n [ c, c] é o mesmo que a n c, a seqüência (a n ) é limitada se, e somente se, existe um número real c > 0 tal que a n c para todo n IN, e portanto (a n ) é limitada se, e somente se, ( a n ) é limitada. Dada uma seqüência f = (a n ) n IN de números reais, uma subseqüência de f é a restrição de f a um subconjunto infinito IN = {n < n 2 < n 3 <... < n i,...} de IN. Escrevemos f = (a n ) n IN ou (a n, a n2, a n3,..., a ni,...) ou (a ni ) i IN para representar uma subseqüência. Lema 2.2 Uma seqüência (a n ) n IN monótona é limitada se, e somente se, possui uma subseqüência limitada. Se a seqüência (a n ) n IN monótona é limitada, é fácil ver que toda subseqüência é limitada. Seja a n a n2 a n3... a nk... b uma subseqüência limitada da seqüência não-decrescente (a n ). Note que para qualquer n IN, existe um n k > n e, portanto, a n a nk b. Logo a n b para todo n. Conseqüentemente, (a n ) n IN é limitada.

5 2. Noções Preliminares 46 Exemplo 2.2 Sendo (a n ) = para todo n IN, temos a seqüência constante (,,,,...), obviamente ela é limitada, não-decrescente e não-crescente. Exemplo 2.3 Sendo (a n ) = n para todo n IN, temos a seqüência (, 2, 3, 4,..., n,...), que é limitada inferiormente, ilimitada superiormente, monótona crescente. Exemplo 2.4 Se para n par temos a n = 0 e n ímpar temos a n =, obtemos uma seqüência limitada e não monótona que é (, 0,, 0,,...). Exemplo 2.5 Seja a n = n para todo n IN. Esta é a seqüência (, 2, 3, 4, 5,...) que é monótona decrescente e limitada. Exemplo 2.6 Consideremos a seqüência (a, a 2, a 3, a 4,..., a n,...) das potências de a, com a IR e n IN. (i) Se a = 0 ou a =, temos obviamente uma seqüência constante.

6 2. Noções Preliminares 47 (ii) Se 0 < a <, a seqüência é decrescente e limitada. Com efeito, multiplicando ambos os membros da desigualdade a < por a n obtemos a n+ < a n, e assim a seqüência é decrescente. Observe, o leitor, que todos os termos dessa seqüência são positivos e portanto 0 < a n < para todo n IN, em outra palavras esta seqüência é limitada. (iii) Se < a < 0, a seqüência (a n ) não é monótona, pois seus termos são alternadamente positivos e negativos, respectivamentnte se n é par ou ímpar, contudo, a seqüência é limitada. De fato, como a n = a n e 0 < a <, pelo item (ii) e Lema 2. conclui-se a afirmação. (iv) (v) Se a = temos a seqüência (,,,,...) cuja análise é trivial. Se a > obtemos uma seqüência crescente ilimitada. Com efeito, multiplicando ambos os membros da desigualdade a > por a n obtemos a n+ > a n, logo a seqüência é crescente. Quanto a ser ilimitada, observe que a = + h com h > 0 IR e fazendo uso da desigualdade de Bernoulli concluimos que a n > + nh. Note também que dado qualquer número real b, podemos achar n tal que a n > b, para isto, basta tomar Donde obtemos n > b h. + nh > b que por sua vez nos leva a a n > b. Portanto, a seqüência (a n ) e crescente ilimitada.

7 2.2 Limite de uma Seqüência 48 (vi) Se a < a seqüência (a n ) não é monótona, pois seus termos são alternadamente positivos e negativos, e é ilimitada superior e inferiormente. Com efeito, seus termos de ordem par, a 2n = (a 2 ) n, constituem, pelo item v, uma subseqüência crescente, ilimitada superiormente, de números positivos. Enquanto isso, seus termos de ordem ímpar, a 2n+ = a(a 2n ), constituem uma subseqüência decrescente, ilimitada inferiormente, pelo item v. 2.2 Limite de uma Seqüência Intuitivamente, dizer que o número real L é limite da seqüência (a n ) significa afirmar que, à medida que o índice n cresce, os termos a n tornam-se e se mantém tão próximo de L quanto se deseje. Dizer que a n vai-se tornando tão próximo de L quanto se deseje significa dizer que a n L torna-se inferior a qualquer número positivo ε, por menor que seja, desde que façamos o índice n suficentemente grande. Dizemos que o número real L é o limite da seqüência (a n ) de números reais, e escrevemos lim a n = L, lim a n = L ou a n L. n Quando lim a n = L, diz-se que a seqüência (a n ) converge para L, ou tende para L. Uma seqüência que possui limite chama-se convergente, caso contrário, divergente. Isto nos leva à seguinte definição: Definição 2. Diz-se que uma seqüência (a n ) converge para o número L, ou tem limite L se, dado qualquer número ε > 0, é sempre possível encontrar um número n o tal que n > n o a n L < ε.

8 2.2 Limite de uma Seqüência 49 Em linguagem simbólica lim a n = L ε > 0 n o IN : n > n o a n L < ε. Observe que se lim a n = L então qualquer intervalo (L ε, L+ε), de centro L e raio ε > 0, contém os termos a n da seqüência, com exceção no máximo de um número finito de índices n. Com efeito, dado o intervalo (L ε, L + ε), com lim a n = L, obtemos n o IN : n > n o a n L < ε. Ou seja, n > n o a n (L ε, L + ε). Assim, fora do intervalo (L ε, L + ε) só poderão estar, no máximo, os termos a, a 2, a 3,..., a no. Reciprocamente, se qualquer intervalo de centro L contém todos os a n, salvo talvez para um número finito de índices n, então lim a n = L. Com efeito, dado qualquer ε > 0, o intervalo (L ε, L + ε) conterá todos os a n exceto para um número finito de índices n. Seja n o o maior índice n tal que a n (L ε, L + ε). Então n > n o a n (L ε, L + ε), ou seja a n L < ε. Isto prova que lim a n = L. Exemplo 2.7 Prove, segundo a definição, que a seqüência n (a n ) = ( n + ) = ( 2, 2 3, 3 4,... n n +,...) converge para o número.

9 2.2 Limite de uma Seqüência 50 Solução: Note que, dado qualquer ε > 0, n a n = n + = n + < ε n > ε Logo, dado qualquer ε > 0 existe n o = tal que ε n n > n o n + < ε, o que vem de encontro com a definição 2., como queriamos. Exemplo 2.8 Calcule o ponto de convergencia da seqüência, abaixo Solução: a n = 3n n + sen(2n). Antes de calcularmos o pedido, observemos que: (i) Dividindo o numerador e denominador por n e lembrando que [sen(2n)]/n 0, vemos que o ponto procurado é 3; (ii) Assim, é fácl, também, ver que n + sen(2n) n sen(2n) n. a n 3 = 3 sen(2n) n + sen(2n) 3 n + sen(2n) 3 n sen(2n) 3 n. Portanto, dado qualquer ε > 0, temos que a n 3 3 n < ε n > + ε.

10 2.2 Limite de uma Seqüência 5 Consequentemente o ponto de convergencia da seqüência é 3, pois ε > 0 n o = + ε : n > n o a n 3 < ε. Demonstraremos, agora, que uma seqüência não pode possuir dois limites distintos, ou seja, se o limite existe ele é único. Teorema 2. Se lim a n = L e lim a n = L então L = L. Suponhamos que L L e tomemos ε < L L. 2 Se lim a n = L, então, para um certo n temos n > n a n L < ε. Da mesma forma se, lim a n = L, então, para um certo n 2 temos n > n 2 a n L < ε. Seja n o = max{n, n 2 }, de forma que n > n o nos leva simultaneamente a n > n e n > n 2. Assim, n > n o implica que L L = (L a n ) + (a n L ) L a n + L a n < 2ε < L L, o que é aburdo. Logo, L = L.

11 2.2 Limite de uma Seqüência 52 Este teorema nos dá a Unicidade do limite. Se insistirmos em calcular limites pela definição, isto pode tornar-se um trabalho muito complicado. Porém com esta definição podemos estabelecer propriedades que torna este trabalho um pouco menos complicado, como veremos daqui por diante. Teorema 2.2 Se lim a n = L então toda subseqüência de (a n ) converge para o limite L. Seja (a n, a n2, a n3,..., a ni,..) uma subseqüência de (a n ). Dado ε > 0, existe n o IN tal que n > n o a n L < ε. Como os índices da subseqüência formam um subconjunto infinito, existe entre eles um n io > n o. Então n i > n io n i > n o a ni L < ε. Logo lim a ni = L. Corolário 2. Se lim n a n = L então, para todo k IN, lim n a n+k = L. Com efeito, (a +k, a 2+k, a 3+k, a 4+k,..., a n+k,...) é uma subseqüência de (a n ) e pelo teorema anterior seu limite é L.

12 2.2 Limite de uma Seqüência 53 NOTA 2. Este último corolário nos diz que o limite de uma seqüência não se altera quando dela retiramos um número finito de termos. Mas geral, é o teorema anterior a este corolário, que diz que podemos retirar um número infinito de termos de uma seqüência, desde que se conserve uma infinidade de índices, de modo a restar uma subseqüência, que o limite, ainda, se mantém. Teorema 2.3 Toda seqüência convergente é limitada. Seja (a n ) uma seqüência que converge par L. Então dado qualquer ε > 0, exite n o IN tal que n > n o L ε < a n < L + ε. Isto quer dizer que a partir do índice n = n o +, a seqüência é certamente limitada: à direta por L + ε e à esquerda por L ε. Falta, então, acrescentarmos os termos restantes da seqüência, para isto, basta considerarmos, dentre todos os números a, a 2,..., a n, L ε, L + ε, aquele que é o menor de todos, digamos A, e aquele que é o maior de todos, digamos B e então será verdade, para todo n, que A a n B, como queriamos demonstrar.

13 2.2 Limite de uma Seqüência 54 Quando uma seqüência não é limitada, seus elementos podem se espalhar por toda a reta, distanciando-se uns dos outros, como acontece com a n = n, a n = n ou a n = ( ) n (2n + ). Se a seqüência for limitada, estando seus elementos confinados a um intervalo [A, B], eles são forçados a se acumularem em um ou mais lugares desse intervalo. Isto é o que nos diz o Teorema de Bolzano-Weierstrass, enuciado a seguir, cuja demonstração está baseada na propriedade do supremo. Para mais detalhes, vinde [], pg. 36. Teorema 2.4 de Bolzano-Weierstrass Toda seqüência limitada (a n ) possui uma subseqüência convergente. Como a seqüência é limitada, existe um número positivo M tal que, para todos os índices n, M < a n < M. Seja X o conjunto dos números x tais que existe uma infinidade de elementos da seqüência à direita de x, isto é, x < a n para uma infinidade de índices n. É claro que M X e M é uma cota superior de X. Tratando-se, pois, de um conjunto não vazio e limitado superiormente, X possui supremo, que designamos por A. Vamos provar que existe uma subseqüência convergindo para A. Começamos provando que, qualquer que seja ε > 0, existem infinitos índices n tais que A ε < a n e somente um número finito satisfazendo A + ε < a n. De fato, sendo A o supremo de X, existe x X à direita de A ε e infinitos a n à direita desse x, portanto à direita de A ε; ao mesmo tempo, só pode existir um número finito de elementos a n > A + ε; do contrário, qualquer número entre A e A + ε estaria em X. Seja ε = e a n um elemento da seqüência no intervalo (A, A + ). Em seguida, seja a n2, com n 2 > n, um elemento da seqüência no intervalo (A, A + ). Em 2 2

14 2.2 Limite de uma Seqüência 55 seguida, seja a n3, com n 3 > n 2, um elemento da seqüência no intervalo (A 3, A + 3 ). Continuando com esse raciocinio, construimos uma subseqüência (x j ) = (a nj ), que certamente converge para A, pois x j A <. E assim a demonstração esta completa. j Além de sua importância, tanto teórico como prática, o teorema abaixo teve papel histórico relevante. Foi tentando prová-lo de maneira puramente aritmética que Dedekind(858) verificou a imposibilidade de fazê-lo sem antes possuir uma teoria matemática satisfatória dos números reais. Teorema 2.5 Toda seqüência monótona limitada é convergente. Consideremos, para fixar as idéias, a seqüência (a a 2... a n...) nãodecrescente limitada. A hipótese de ser limitada significa que ela é limitada superiormente, ou seja, seu conjunto de valores possui supremo S. Afirmamos que lim a n = S. Com efeito, dado qualquer ε > 0, como S ε < S, o número S ε não é cota superior do conjunto dos a n. Logo existe algum n o IN tal que S ε < a no. Como a seqüência é monótona, n > n o a no a n e, portanto, S ε < a n. Como a n S para todo n, vemos que n > n o S ε < a n < S + ε.

15 2.3 Operações com limites 56 Assim completamos nossa demonstração. Corolário 2.2 Se uma seqüência monótona (a n ) possui uma subseqüência convergente, então (a n ) é convergente. Com efeito, pelo Lema 2.2, a seqüência monótona (a n ) é limitada e consequentemente pelo teorema anterior esta demonstrado o corolário. 2.3 Operações com limites Mostraremos agora algumas operações, soma, multiplicação e divisão, dos limites de seqüências. Teorema 2.6 Se lim a n = 0 e (b n ) é uma seqüência limitada, lim a n.b n = 0. Iste resultado é válido, ainda, que lim b n não exista.

16 2.3 Operações com limites 57 Sendo (b n ) limitada, existe c > 0 tal que b n < c prar todo n IN. Dado ε > 0, como lim a n = 0, podemos encontrar n o IN tal que Logo, Isto nos montra que a n.b n 0. n > n o a n < ε c. n > n o a n.b n = a n. b n < ε.c = ε. c Exemplo 2.9 Qualquer que seja x IR, temos Solução: sen(nx) lim n n = 0. Como De fato, sen(nx) n = sen(nx). n. em outras palavras, é limitado e sen(nx), n 0, pelo teorema anterior, temos o resultado desejado. Lema 2.3 Sendo lim b n = y, com y 0, então, salvo um númro finito de índices n, tem-se b n 0.

17 2.3 Operações com limites 58 Com efeito, sendo y 0, podemos tomar um intervalo (y ε, y + ε) de centro y, tal que 0 (y ε, y + ε). Para isto, tome ε = y. Então existe n o IN tal que n > n o b n (y ε, y + ε) isto é n > n o b n 0. Teorema 2.7 Seja lim a n = x e lim b n = y, então: (a) lim(a n + b n ) = x + y e lim(a n b n ) = x y; (b) (c) lim(a n.b n ) = x.y; lim( an b n ) = x y se y 0. (a) Sendo lim a n = x e lim b n = y temos, respectivamente que, existem n e n 2 em IN tais que: n > n a n x < ε 2 e n > n 2 b n y < ε 2.

18 2.3 Operações com limites 59 Seja n o = max{n, n 2 }. Então n > n o, nos leva a n > n e n > n 2. Logo n > n o implica: (a n + b n ) (x + y) = (a n x) + (b n y) a n x + b n y < ε 2 + ε 2 < ε. Com isto provamos que lim(a n + b n ) = x + y. De maneira análoga se prova a diferença. (b) Observe que a n b n xy = a n b n a n y + a n y xy = a n (b n y) + (a n x)y. Pelo teorema 2.3, (a n ) é uma seqüência limitada e pelo item (a) lim(b n y) = 0. Logo pelo teorema 2.5, lim[a n (b n y)] = 0. De maneira análoga temos, lim[(a n x)b] = 0. Dessa forma temos, pelo item (a) lim(a n b n xy) = lim[a n (b n y)] + lim[(a n x)b] = 0, donde obtemos Para que a seqüência an b n lim(a n.b n ) = x.y. tenha sentido, ou seja, para que ela seja formada, limitamonos aos índices n suficientemente grandes de modo que b n 0. (c) Note, pelo item anterior, que b n y y 2, ou seja, existe n o IN tal que n > n o b n y > y2 2.

19 2.3 Operações com limites 60 Para ver isto, basta tomar ε = y2 2 e achar o n o correspondente. Daí, para todo n > n o, b ny Como 2 é um número positivo inferior a. Logo, a seqüência ( y 2 b ny ) é limitada. Veja bem, a n x b n y = ya n xb n b n y = (ya n xb n ) b n y. lim (ya n xb n ) = xy xy = 0, n segue do teorema 2.5 que e portanto lim( a n b n x y ) = 0, lim( a n b n ) = x y. Exemplo 2.0 Calcule o limite da seqüência de números reais a n = n x = x n, onde x > 0. Solução: Note que esta seqüência é decrescente se x >, crescente se x < e limitada em qualquer um dos casos. Portanto, existe lim x n n = L. Sem sombra de dúvida temos L > 0. De fato,

20 2.3 Operações com limites 6 (i) Se 0 < x <, então L = sup{x n ; n IN} x. (ii) Se x > então x n >, para todo n, logo L = inf{x n ; n IN} Podemos afirmar com toda certeza que lim n x n =. Com efeito, consideremos a subseqüência (x n(n+) ) = (x 2, x 6, x 2,...). Pelo teorema 2.2 e pelo item (c) do teorema 2.6 obtemos L = lim x n(n+) = lim x n n+ = lim x n x n+ = lim x n lim x n+ = L L =. Exemplo 2. Calcule lim n n n = lim n n. Solução: Primeiramente, vamos verificar se este limite existe. Para tanto, basta provar que a seqüência é monótona. A seqüência em questão é uma seqüência de números reais positivos, portanto limitada inferiormente. Vejamos se é monótona: Para que seja n n > n+ n + é necessário e suficiente que n n+ > (n + ) n,

21 2.4 Critério de Convergência de Cauchy 62 isto é, que n > ( + n )n. Isto de fato ocorre para todo n 3, pois sabemos que ( + n )n < 3 (verifique!!!) seja qual for n. Assim concluímos que a seqüência dada por n n é decrescente a partir do seu terceiro termo. Note que < 2 < 3 3, logo ela cresce em seus três primeiros passos, só então começando a decrescer. Assim ( n n) é limitada e monótona decrescente a partir do seu terceiro termo. Portanto seu limite existe. Seja lim n n = L. Como a seqüência é monótona decrescente temos que L = inf{n n ; n IN}. Uma vez que n n particular, L > 0. Considerando a subseqüência (2n) 2n, temos > para todo n IN, temos L. Em L 2 = lim[(2n) 2n ] 2 = lim[(2n) n ] = lim[2 n.n n ] = lim 2 n. lim n n = L. Como L 0, de L 2 = L obtemos L =. Portanto, lim n n n =. 2.4 Critério de Convergência de Cauchy Um critério de convergência já foi dado antes, Teorema 2.4 ( Toda seqüência monótona limitada é convergente ), ou seja, um teorema que nos permite saber, em certos casos, se uma dada seqüência é convergente, mesmo sem conhecermos o valor desse limite. Mas é claro que muitas seqüências convergentes não são monótonas, de modo que aquele

22 2.4 Critério de Convergência de Cauchy 63 critério de convergência não é o mais geral possível. Em contraste, o teorema seguinte é de caráter geral, é um critério de convergência, que nos dará uma condição, não somente suficiente mas também necessária, para a convergência de qualquer seqüência de números reais. Este critério é conhecido como Critério de Convergência de Cauchy. Definição 2.2 Uma seqüência de números reais (a n ) é dita ser uma uma seqüência de Cauchy se ela satisfaz a seguinte condição: dado arbitrariamente um número real ε > 0, pode-se obter n o IN tal que m > n o e n > n o implicam a m a n < ε. Note, o leitor, que comparando esta definição com a definição de limite observamos que, na definição de limite, exige-se que os termos a n se aproximem arbitrariamente de um número real L, dado a priori. Enquanto que, para (a n ) ser uma seqüência de Cauchy, exige-se que seus termos a m e a n, para valores suficientemente grandes dos índices m e n, se aproximem arbitrariamente uns dos outros, ou seja, impõe-se, apenas, uma condição sobre os termos da própria seqüência. Lema 2.4 Toda seqüência de Cauchy é limitada. Seja (a n ) uma seqüência de Cauchy. Tomando ε =, obtemos n o IN tal que m, n > n o a m a n <. Em particular, n n o a no a n <,

23 2.4 Critério de Convergência de Cauchy 64 ou seja, n n o a n (a no, a no + ). Sejam α o menor e β o maior elemento do conjunto {a, a 2,..., a no, a no + }. Então a n [α, β] para cada n IN, logo (a n ) é limitada. Lema 2.5 Se uma seqüência de Cauchy (a n ) possui uma subseqüência convergindo para L IR então lim a n = L. Sendo (a n ) uma seqüência de Cauchy temos que dado ε > 0, existe n o IN tal que m, n > n o a m a n < ε 2. Seja (a ni ) uma subseqüência de (a n ) convergindo para L. Então existe n > n o tal que a n L < ε 2. Portanto, n > n o a n L a n a n + a n L < ε 2 + ε 2 = ε. Com isso mostramos que lim a n = L.

24 2.5 Limites Infinitos 65 Teorema 2.8 Critério de Convergência de Cauchy Uma seqüência de números reais é convergente se, e somente se, é Cauchy. Seja (a n ) uma seqüência tal que lim a n = L. Dado arbitrariamente ε > 0, existe n o IN tal que m > n o a m L < ε 2 e Logo, n > n o a n L < ε 2. m, n > n o a m a n a m L + a n L < ε 2 + ε 2 = ε. Portanto (a n ) é uma seqüência de Cauchy. Reciprocamemte, seja (a n ) uma seqüência de Cauchy. Pelo Lema 2.4, ela é limitada. Consequentemente, pelo Teorema de Bolzano-Weierstrass, ela possui uma subseqüência convergente. Finalmente do Lema 2.5 temos que (a n ) converge. Isto completa a demonstração do teorema. 2.5 Limites Infinitos Certas seqüências, embora não convergentes, apresentam um comportamento tanto quanto regular, a saber, aquelas cujos valores se tornam e se mantêm arbitrariamente grandes ou arbitrariamente pequenos com o crescer do índice. Seqüências com estas propriedades, dizemos que diverge para mais infinito ou para menos infinito respectivamente.

X.0 Sucessões de números reais 1

X.0 Sucessões de números reais 1 «Tal como a tecnologia requer as tøcnicas da matemætica aplicada, tambøm a matemætica aplicada requer as teorias do nœcleo central da matemætica pura. Da l gica matemætica topologia algøbrica, da teoria

Leia mais

1 Propriedades das Funções Contínuas 2

1 Propriedades das Funções Contínuas 2 Propriedades das Funções Contínuas Prof. Doherty Andrade 2005 Sumário 1 Propriedades das Funções Contínuas 2 2 Continuidade 2 3 Propriedades 3 4 Continuidade Uniforme 9 5 Exercício 10 1 1 PROPRIEDADES

Leia mais

Seqüências, Limite e Continuidade

Seqüências, Limite e Continuidade Módulo Seqüências, Limite e Continuidade A partir deste momento, passaremos a estudar seqüência, ites e continuidade de uma função real. Leia com atenção, caso tenha dúvidas busque indicadas e também junto

Leia mais

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 Funções contínuas, equações diferenciais ordinárias, Exp e Log Roberto Imbuzeiro Oliveira 21 de Fevereiro de 214 Conteúdo 1 O que vamos ver 1 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 3 Existência

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

Notas de Aula. Análise na Reta

Notas de Aula. Análise na Reta Notas de Aula (ainda em preparação!) Análise na Reta Higidio Portillo Oquendo http://www.ufpr.br/ higidio Última atualização: 22 de abril de 2015 1 Sumário 1 Preliminares 3 1.1 Conjuntos e Funções....................................

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

Aula 17 Continuidade Uniforme

Aula 17 Continuidade Uniforme Continuidade Uniforme Aula 17 Continuidade Uniforme MÓDULO 2 - AULA 17 Metas da aula: Discutir o conceito de função uniformemente contínua, estabelecer o Teorema da Continuidade Uniforme e o Teorema da

Leia mais

Matemática na Reta. 1 o Colóquio de Matemática da Região Nordeste. Claus I. Doering Instituto de Matemática Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Matemática na Reta. 1 o Colóquio de Matemática da Região Nordeste. Claus I. Doering Instituto de Matemática Universidade Federal do Rio Grande do Sul ColMatNesIAMNR 2010/12/29 15:43 page i #1 Introdução à Análise Matemática na Reta Claus I. Doering Instituto de Matemática Universidade Federal do Rio Grande do Sul 1 o Colóquio de Matemática da Região

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES Noções prévias 1. Valor absoluto de um número real: Chama-se valor absoluto ou módulo de um número real ao número x tal que: x se x 0 x = x se x < 0 Está assim denida

Leia mais

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação UFU-Curso de Bacharelado em Ciência da Computação - 7 0 período Profa. Sandra de Amo Exercícios de Revisão : Autômatos e Gramáticas 1. Mostre que a linguagem

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade Corpos Definição Um corpo é um anel comutativo com elemento identidade em que todo o elemento não nulo é invertível. Muitas vezes é conveniente pensar em ab 1 como sendo a b, quando a e b são elementos

Leia mais

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Nesse artigo vamos discutir algumas abordagens diferentes na Teoria dos Números, no sentido de envolverem também outras grandes áreas, como

Leia mais

Princípio das casas de pombo

Princípio das casas de pombo Princípio das casas de pombo Márcia R. Cerioli IM e COPPE, UFRJ Renata de Freitas IME, UFF Petrucio Viana IME, UFF Maio de 2014 1 Introdução Neste texto, apresentamos e exemplificamos o Princípio das Casas

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

O Princípio da Indução diz o seguinte:

O Princípio da Indução diz o seguinte: (*) +-,/. 01+$243/5246/798 : ;"=@?9A@BDC@E@? "!$#%& ' O Princípio da Indução é um eficiente instrumento para a demonstração de fatos referentes aos números naturais. Por isso deve-se adquirir prática

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

1. Extremos de uma função

1. Extremos de uma função Máximo e Mínimo de Funções de Várias Variáveis 1. Extremos de uma função Def: Máximo Absoluto, mínimo absoluto Seja f : D R R função (i) Dizemos que f assume um máximo absoluto (ou simplesmente um máximo)

Leia mais

Séries de Potências de x

Séries de Potências de x Séries de Potências de x As séries de potências de x são uma generalização da noção de polinómio. Definição: Chama-se série de potências de x com coeficientes a 0, a 1,, a n,, a qualquer série da forma

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional.

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional. Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 3 - GABARITO 06 de julho de 013 1. (1,5 pontos) Determine se as afirmações

Leia mais

6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS

6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS 6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS Quando uma função f (z) não é diferenciável num complexo z 0 ; diremos que z 0 é uma singularidade de f (z) ; z 0 dir-se-á uma singularidade isolada de f (z) se, contudo, f

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

Sinopse da Teoria da Escolha

Sinopse da Teoria da Escolha 14.126 Teoria dos Jogos Sergei Izmalkov e Muhamet Yildiz Outono de 2001 Sinopse da Teoria da Escolha Esta nota resume os elementos da teoria da utilidade esperada. Para uma exposição em detalhes dos quatro

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 2. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisibilidade II. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 2. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisibilidade II. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível Prof. Samuel Feitosa Aula Divisibilidade II Definição 1. Dados dois inteiros a e b, com a 0, dizemos que a divide b ou que a é um divisor

Leia mais

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 3.1 - IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução:

Leia mais

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1.

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1. 2.1 Domínio e Imagem EXERCÍCIOS & COMPLEMENTOS 1.1 1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1 3 (e) g (x) 2x

Leia mais

A linguagem matemática

A linguagem matemática A linguagem matemática Ricardo Bianconi 1 o Semestre de 2002 1 Introdução O objetivo deste texto é tentar explicar a linguagem matemática e o raciocínio lógico por trás dos textos matemáticos. Isto não

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2)

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Nessa aula continuaremos nosso estudo sobre limites de funções. Analisaremos o limite de funções quando o x ± (infinito). Utilizaremos o conceito

Leia mais

Limites e continuidade

Limites e continuidade Capítulo 3 Limites e continuidade 3.1 Limite no ponto Considere a função f() = 1 1, D f =[0, 1[ ]1, + ). Observe que esta função não é definida em =1. Contudo, fazendo suficientemente próimo de 1 (mas

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hewlett-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 04 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luís Ano: 2015 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 2 Número de elementos

Leia mais

O B. Podemos decompor a pirâmide ABCDE em quatro tetraedros congruentes ao tetraedro BCEO. ABCDE tem volume igual a V = a2.oe

O B. Podemos decompor a pirâmide ABCDE em quatro tetraedros congruentes ao tetraedro BCEO. ABCDE tem volume igual a V = a2.oe GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Setembro de 0 Questão. (pontuação: ) No octaedro regular duas faces opostas são paralelas. Em um octaedro regular de aresta a, calcule a distância entre duas faces opostas. Obs:

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase 36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase Problema 1 Turbo, o caracol, está participando de uma corrida Nos últimos 1000 mm, Turbo, que está a 1 mm por hora, se motiva e

Leia mais

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1 Faculdades Pitágoras de Uberlândia Sistemas de Informação Disciplina: Matemática Básica 1 Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2010 Professor Walteno

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Curso Pró-Técnico Disciplina: Matemática Texto Experimental 1 a Edição Antonio José Bento Bottion e Paulo Henrique Cruz Pereira Varginha Minas Gerais

Leia mais

Tipos de variáveis aleatórias

Tipos de variáveis aleatórias Tipos de variáveis aleatórias Variáveis aleatórias discretas se assumem um conjunto finito ou infinito numerável de valores. Exemplos: número de pintas que sai no lançamento de um dado; registo, a intervalos

Leia mais

CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO

CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO Ricardo Bianconi Primeiro Semestre de 2008 Revisado em Fevereiro de 2015 Resumo Relacionamos os conceitos de campos irrotacionais, campos conservativos e forma do domínio

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 O que é a Análise Numérica? Ramo da Matemática dedicado ao estudo e desenvolvimento de métodos (métodos

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES

ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - Unifal-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000 - Fax: (35) 3299-1063 ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

AULA 6 LÓGICA DOS CONJUNTOS

AULA 6 LÓGICA DOS CONJUNTOS Disciplina: Matemática Computacional Crédito do material: profa. Diana de Barros Teles Prof. Fernando Zaidan AULA 6 LÓGICA DOS CONJUNTOS Intuitivamente, conjunto é a coleção de objetos, que em geral, tem

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 Para determinarmos um valor aproximado das raízes de uma equação não linear, convém notar inicialmente

Leia mais

FUNÇÃO COMO CONJUNTO R 1. (*)= ou, seja, * possui duas imagens. b) não é uma função de A em B, pois não satisfaz a segunda condição da

FUNÇÃO COMO CONJUNTO R 1. (*)= ou, seja, * possui duas imagens. b) não é uma função de A em B, pois não satisfaz a segunda condição da FUNÇÃO COMO CONJUNTO Definição 4.4 Seja f uma relação de A em B, dizemos que f é uma função de A em B se as duas condições a seguir forem satisfeitas: i) D(f) = A, ou seja, o domínio de f é o conjunto

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais

Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto

Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto Erros Nenhum resultado obtido através de cálculos eletrônicos ou métodos numéricos tem valor se não tivermos conhecimento e controle sobre os possíveis erros envolvidos no processo. A análise dos resultados

Leia mais

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Cálculo Numérico Aula : Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Computação Numérica - O que é Cálculo Numérico? Cálculo numérico é uma metodologia para resolver problemas matemáticos

Leia mais

Esboço de Gráficos (resumo)

Esboço de Gráficos (resumo) Esboço de Gráficos (resumo) 1 Máximos e Mínimos Definição: Diz-se que uma função tem um valor máximo relativo (máximo local) em c se existe um intervalo ( a, b) aberto contendo c tal que f ( c) f ( x)

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Uma equação diferencial é uma equação que relaciona uma ou mais funções (desconhecidas com uma ou mais das suas derivadas. Eemplos: ( t dt ( t, u t d u ( cos( ( t d u +

Leia mais

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Teoria dos Números 1 Noções Básicas A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Z = {..., 4, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, 4...}. Ela permite resolver de

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1998/99. Erros

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1998/99. Erros Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise Numérica 1998/99 Erros Objectivos: Arredondar um número para n dígitos significativos. Determinar os erros máximos absoluto e relativo

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto Material Teórico - Módulo de Divisibilidade MDC e MMC - Parte 1 Sexto Ano Prof. Angelo Papa Neto 1 Máximo divisor comum Nesta aula, definiremos e estudaremos métodos para calcular o máximo divisor comum

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Estruturas Discretas INF 1631

Estruturas Discretas INF 1631 Estruturas Discretas INF 1631 Thibaut Vidal Departamento de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Rua Marquês de São Vicente, 225 - Gávea, Rio de Janeiro - RJ, 22451-900, Brazil

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA 1 DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA Fabio da Costa Rosa Fernanda Machado Greicy Kelly Rockenbach da Silva

Leia mais

Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com)

Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com) Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com) 1. O dominó Você já deve conhecer o dominó. Não vamos pensar no jogo de dominós

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO Jorge Costa do Nascimento Introdução Na produção desse texto utilizamos como fonte de pesquisa material

Leia mais

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit O Teorema da Função Inversa

Leia mais

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau MATEMATICA 13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR OBJETIVO O objetivo desta atividade é trabalhar com as propriedades de igualdade, raízes

Leia mais

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema OTIMIZAÇÃO VETORIAL Formulação do Problema Otimização Multiobjetivo (também chamada otimização multicritério ou otimização vetorial) pode ser definida como o problema de encontrar: um vetor de variáveis

Leia mais

UM TEOREMA QUE PODE SER USADO NA

UM TEOREMA QUE PODE SER USADO NA UM TEOREMA QUE PODE SER USADO NA PERCOLAÇÃO Hemílio Fernandes Campos Coêlho Andrei Toom PIBIC-UFPE-CNPq A percolação é uma parte importante da teoria da probabilidade moderna que tem atraído muita atenção

Leia mais

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO 5 FUNÇÃO 5.1 Introdução O conceito de função fundamenta o tratamento científico de problemas porque descreve e formaliza a relação estabelecida entre as grandezas que o integram. O rigor da linguagem e

Leia mais

Estrutura de Dados Básica

Estrutura de Dados Básica Estrutura de Dados Básica Professor: Osvaldo Kotaro Takai. Aula 7: Recursividade O objetivo desta aula é apresentar o conceito de recursão para solução de problemas. A recursão é uma técnica de programação

Leia mais

Consequências Interessantes da Continuidade

Consequências Interessantes da Continuidade Consequências Interessantes da Continuidade Frederico Reis Marques de Brito Resumo Trataremos aqui de um dos conceitos basilares da Matemática, o da continuidade no âmbito de funções f : R R, mostrando

Leia mais

TEORIA DOS CONJUNTOS Símbolos

TEORIA DOS CONJUNTOS Símbolos 1 MATERIAL DE APOIO MATEMÁTICA Turmas 1º AS e 1º PD Profº Carlos Roberto da Silva A Matemática apresenta invenções tão sutis que poderão servir não só para satisfazer os curiosos como, também para auxiliar

Leia mais

Definição 1.1. Uma função φ real definida sobre um intervalo aberto ]a, b[ de R, diz-se convexa se x, y ]a, b[, e0 γ 1,

Definição 1.1. Uma função φ real definida sobre um intervalo aberto ]a, b[ de R, diz-se convexa se x, y ]a, b[, e0 γ 1, ESPAÇOSDEFUNÇÕES INTEGRÁVEIS-L p 1. Funções convexas e desigualdades Definição 1.1. Uma função φ real definida sobre um intervalo aberto ]a, b[ de R, diz-se convexa se x, y ]a, b[, e0 γ 1, φ((1 γ)x + γy)

Leia mais

por séries de potências

por séries de potências Seção 23: Resolução de equações diferenciais por séries de potências Até este ponto, quando resolvemos equações diferenciais ordinárias, nosso objetivo foi sempre encontrar as soluções expressas por meio

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática Disciplina: Estruturas Algébricas Profs.: Elisangela S. Farias e Sérgio Motta Operações

Leia mais

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Professor Orientador: Alberto Berly Sarmiento Vera Belo Horizonte 2012 Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Monografia

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus: Mossoró Curso: Licenciatura Plena em Matemática Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Prof.: Robson Pereira de Sousa

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO CURSO DE MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA E GESTÃO ANÁLISE MATEMÁTICA I ELEMENTOS DE ANÁLISE REAL Volume 1 Por : Gregório Luís I PREFÁCIO O presente texto destina-se

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Índice Pg. Números Naturais... 02 Números Inteiros... 06 Números Racionais... 23 Números Decimais... - Dízimas Periódicas... - Expressões Numéricas... - Divisibilidade...

Leia mais

Åaxwell Mariano de Barros

Åaxwell Mariano de Barros ÍÒ Ú Ö Ö Ð ÓÅ Ö Ò Ó Ô ÖØ Ñ ÒØÓ Å Ø Ñ Ø ÒØÖÓ Ò Ü Ø Ì ÒÓÐÓ ÆÓØ ÙÐ ¹¼ ÐÙÐÓÎ ØÓÖ Ð ÓÑ ØÖ Ò Ð Ø Åaxwell Mariano de Barros ¾¼½½ ËÓÄÙ ¹ÅA ËÙÑ Ö Ó 1 Vetores no Espaço 2 1.1 Bases.........................................

Leia mais

UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A EXISTÊNCIA DE SOLUÇÃO PARA UM PROBLEMA SEMILINEAR COM EXPOENTE CRÍTICO DE SOBOLEV

UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A EXISTÊNCIA DE SOLUÇÃO PARA UM PROBLEMA SEMILINEAR COM EXPOENTE CRÍTICO DE SOBOLEV UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A EXISTÊNCIA DE SOLUÇÃO PARA UM PROBLEMA SEMILINEAR COM EXPOENTE CRÍTICO DE SOBOLEV Alex Jenaro Becker, Mestrando, alexjenaro@gmail.com Bolsista CAPES/FAPERGS

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

Notas de aula número 1: Otimização *

Notas de aula número 1: Otimização * UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto Júnior

Leia mais