LIMITES E CONTINUIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIMITES E CONTINUIDADE"

Transcrição

1 Capítulo 3 LIMITES E CONTINUIDADE 3.1 Introdução A seguir, apresentaremos como listar os valores de uma função, no formato de tabela, em uma vizinhança de um ponto que não necessariamente pertence ao do domínio da função. Não nos aprofundaremos muito no significado destas sintaes: copiar: print para: for se: if então: then senão: else de: from a: to faça: do A sintae print(epressão); permite eibir a epressão digitada. A sintae for se utiliza para indicar avariação deumcontadordaseguinteforma-forcontadorfrominíciotofinaldo. Em geral, a sintae é utilizada para realizar tarefas repetitivas, uma certa quantidade de vezes. Asintaeiféparaeecutarumainstrução,ouumgrupodeinstruções,see,somentese,verifica certa condição. Se além disso, desejamos que as intruções sejam eecutadas, ainda que algumas outras intruções não se verifiquem, se utiliza a sintae else. As sintaes fi e od são para fechar as intruções. Note que fi é if ao contrário e od é do ao contrário. Sugerimos que a seguinte tabela seja copiada, para realizar os eercícios. A sintae para obter estas tabelas é a seguinte: Para estudar uma função em uma vizinhança de 0, escrevemos > print([.. f() ]); forifrom-10 to10 do if i<> 0then print(array([seq([evalf(1/(100*k),6),evalf(f(1/(100*k)),5)],k=i)])) else print( indefinido em =0 ) 75

2 76 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE fi; od; Para estudar uma função para valores de arbitrariamente grandes; isto é em ±, escrevemos: > print([.. f() ]); forifrom -10 to10do if i <> 0 then print(array([seq([evalf(100*k,6),evalf(f(100*k),5)],k=i)])) else print( ->+infinito ) fi; od; Eemplo Seja f() = 1. Estudemos f emuma vizinhança de 0: >f:=->1/: >print([.. f() ]); forifrom -10 to10 do ifi<>0thenprint((array([seq([evalf(1/(100*k)),evalf(f(1/100*k),5)],k=i)])) else print( indefinida em =0 ) fi; od; [. f()] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] indefinida em =0 [ ] [ ] [ ]

3 3.1. INTRODUÇÃO 77 [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] A tabela nos indica que os comportamentos da função à esquerda e à direita de = 0, são diferentes. 2. Analogamente, estudemos f em uma vizinhança de ± : >f:=->1/: >print([.. f() ]); forifrom-10 to10 do if i <> 0 then print(array([seq([evalf(100*k),evalf(f(100*k),5)],k=i)])) else print( ->+infinito ); fi; od; [. f()] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] ->+infinito [ ] [ ] [ ]

4 78 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] Atabela nosindica queocomportamentodafunção em ±,tendeazero. 3.2 Limites Inicialmente desenvolveremos a idéia intuitiva de limite, estudando o comportamento de uma função y = f() nas proimidades de um ponto que não pertence, necessariamente, ao seu domínio. Eemplo Seja f() = sen() Éclaro que Dom(f) = R {0}. Estudaremosafunção nosvalores de queficam próimosde 0, mas sem atingir 0. Vamos construir uma tabela de valores de aproimando-se de 0, pela esquerda( < 0) e peladireita( > 0) e oscorrespondentesvalores de f(). Digitemos: >f:=->sin()/, f := sen() >print([.. f() ]); forifrom -10 to10 do ifi<>0thenprint(array([seq([evalf(1/(100*k)),evalf(f(1/(100*k)),5)],k=i)])) else print( indefinido em =0 ) fi; od; [. f()] [ ] [ ]

5 3.2. LIMITES 79 [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] indefinida em =0 [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] Observando o resultado da tabela, podemos verificar que: à medida que vai se aproimando de 0, os valores de f() vão aproimando-se de 1. A noção de proimidade pode ficar mais precisa utilizando valor absoluto. De fato, a distância entre dois pontos quaisquer, y R é y. Assim a frase escrita entre aspas, pode ser epressa por: se aproima-se de zero, então f() 1 também se aproima de zero; em outras palavras: para que f() 1 seja pequeno é necessário que também seja pequeno. Logo: sen() lim = 1. 0

6 80 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE 2. Seja Figura 3.1:. f() = (1 + ) 1/. Éclaro que Dom(f) = R {0}. Estudaremosafunção nosvalores de queficam próimosde 0, mas sem atingir 0. Vamos construir uma tabela de valores de aproimando-se de 0, pela esquerda( < 0) e peladireita( > 0) e oscorrespondentesvalores de f(). Digitemos: >f:=->(1+) ˆ (1 /), f := (1 + ) 1/ >print([.. f() ]); forifrom -10 to10 do ifi<>0thenprint(array([seq([evalf(1/(100*k)),evalf(f(1/(100*k)),5)],k=i)])) else print( indefinida em =0 ) fi; od; [. f()] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ]

7 3.3. CÁLCULO DE LIMITES 81 [ ] [ ] indefinida em =0 [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] Observando o resultado da tabela, podemos verificar que: à medida que vai se aproimando de 0, os valores de f() vão aproimando-se de e. Logo, para que f() e seja pequeno é necessário que também seja pequeno. Logo: lim (1 + 0 )1/ = e. Figura 3.2:. 3.3 Cálculo de Limites A sintaeparaocálculo dolimite: é: lim f() a

8 82 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE apodeserum ponto -infinityse a = infinityse a = +. Adireção é opcionalepodeser: left seforum um limite lateralpelaesquerda rightseforum um limite lateral peladireita. > limit(função, variável=a, direção); Uma forma alternativa para calcular limites é utilizar a seguinte sintae: > Limit(função, variável=a, direção); >evalf(%); Observamos que o comando onde aparece limit, com letra minúscula, calcula o limite e o comando Limit, om letra maiúscula, somente eibe a epressão matemática do limite, por isso acima precisamos utilizar o comando evalf(%);. Juntando ambas as sintaes, podemos reescrever os limites em forma mais didática: Veja os eemplos Eemplo Determine lim 0 > Limit(função, variável=a, direção)=limit(função, variável=a, direção); >p1:=(root(ˆ2+1,7)-root(1- ˆ 2,7))/(root( ˆ 2+1,4)-root(1- ˆ 2,4)): > Limit(p1,=0)=limit(p1,=0); 2. Determine lim π/2 tg(). lim = 4 7 > Limit(tan(),=Pi/2)=limit(tan(),=Pi/2); Se incluimos as opções: lim tan() = undefined π/2 > Limit(tan(),=Pi/2,right)=limit(tan(),=Pi/2,right);

9 3.3. CÁLCULO DE LIMITES 83 lim tan() = π + /2 > Limit(tan(),=Pi/2,leftt)=limit(tan(),=Pi/2,left); 3. Determine lim sen ( 1). 0 lim tan() = π /2 >Limit(sin(1/),=0)=limit(sin(1/), =0) Pode eplicar este resultado? lim sin ( 1) = Determine lim > p2:=sqrt(ˆ4+ ˆ 2) /: >Limit(p2,=0)=limit(p2, =0) lim 0 >Limit(p2,=0,left)= limit(p2, =0, left) = undefined lim 0 > Limit(p2,=0,right)=limit(p2, =0, right) = 1 Pode eplicar este resultado. lim = 1 Figura 3.3:.

10 84 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE 5. Determine lim 0 cos(α ) cos(β ) 2. >p3:=(cos(alpha*)-cos(beta*))/ ˆ2: > Limit(p3,=0)=limit(p3,=0); tg(2) 6. Determine lim. 0 cos (α ) cos (β ) lim 0 2 = 1 2 α β2 >Limit(tan(2*)/,=0)=limit(tan(2*)/, =0) ( ) Determine lim tan(2 ) lim = 2 0 >p4:=((+3)/(+5)) ˆ : > Limit(p4,=infinity)=limit(p4,=infinity); 8. Determine lim 0 ( 6 1 ). lim ( ) = e 2 >p5:=(6ˆ-1)/: > Limit(p5,=0)=limit(p5,=0); 6 1 lim = ln(2) + ln(3) 0 Figura 3.4:.

11 3.3. CÁLCULO DE LIMITES 85 2 b 2 9. Determine lim. b b >p6:=( ˆ2-b ˆ 2)/(sqrt()-sqrt(b): > Limit(p6,=b)=limit(p6,=b); lim b 2 b 2 b = 4b 3/2 cos(π ) se < Se f() = sen(π ) se 1 < 1, calcule lim f(). ±1 se > 1 >p7:= piecewise(<1, *cos(),and -1<=, <= 1, sin()/, >1, sqrt()): > Limit(p7,=-1,right)=limit(p7,=-1,right); lim 1 + ( cos(π ) < 1 ) sin(π ) 1 and 1 = 1 1 < > Limit(p7,=-1,right)=limit(p7,=-1,right); lim 1 + ( cos(π ) < 1 ) sin(π ) 1 and 1 = 0 1 < > Limit(p7,=1,right)=limit(p7,=1,right); lim 1 + ( cost(π ) < 1 ) sin(π ) 1 and 1 = 1 1 < > Limit(p7,=1,left)=limit(p7,=1,left); lim 1 ( cos (π ) < 1 ) sin(π ) 1 and 1 = 0 1 <

12 86 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE 11. Se f() = 2 sen ( 1) ; determine >f:=-> ˆ2 *sin(1/): p8:=(f(+h)-f())/h: >factor(limit(p8,h=0)); 3.4 Definição de Limite Seja: lim h 0 Figura 3.5:. f( + h) f(). h 2sin ( 1) (1) cos f : A R R, definida em A, eceto possívelmente, em a. Sabemos que: se,esomentese: lim f() = L a Paratodo ε > 0,eiste δ > 0talquese (a δ,a+δ) ( A {a} ),então f() (L ε,l+ε). Observequeolimitedeumafunção y = f()numponto a,dependeapenasdosvaloresque f assume nas proimidades de a, ou seja, num pequeno intervalo aberto de centro a. Uma das principais dificultades, dos alunos, de entender a definição de limite é sua característica dinâmica. Para facilitar a compreensão da definição, apresentaremos alguns eemplos, onde é utilizanda a sintae animate.

13 3.4. DEFINIÇÃO DE LIMITE 87 Eemplo É claro que lim 2 2 = 4. Então para todo número real positivo ε eiste outro número real positivo δ, quedependede ε,tal quese 0 < 2 < δ, então f() 4 < ε. Esbocemosasituação para ε = 0.8 e δ 0.18, digitandoaseguintesequênciadecomandos: with(plots): > H:=plots[implicitplot]({=2,y=4},=0..2,y=-1..4,color=blue): > G:=plots[implicitplot]({=1.82,=2.18},=0..4,y=-1..7,color=red): > L:=plot( ˆ 2,=0..4,color=black,thickness=2): >M:=plot({4.8,3.2},=0..4,y=-1..7,color=red): >display(h,g,l,m); Figura 3.6:. 2. Visualizemos lim 1 2 = 2. Esbocemos a situação, digitando a seguinte sequência de comandos: >with(plots): >M := plot(2*, =0.. 2, numpoints=300, scaling = constrained,color=black): >M1 :=plot(2, =0.. 1, numpoints=200, scaling =constrained,color=blue): >M2 :=plots[implicitplot]( =1, = 0.. 1, y=0.. 2, numpoints=200, scaling = constrained, color = blue): >A1:= animate(2+(1-(1/10)*t), = 0.. 2, t = 0.. 8, frames = 50, scaling =constrained,color=red): >A2:= animate(1+(1/10)*t, =0.. 2, t=0.. 8, frames = 50, scaling = constrained,color=red): >B1:= animate([1+(1-(1/10)*t)*(1/3),, = ], t =0.. 8, frames = 50, scaling = constrained, color = green): >B2:= animate([, 2+2*((1-(1/10)*t)*(1/3)), =0.. 2], t = 0.. 8, frames = 50, scaling = constrained, color =green):

14 88 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE >B3:=animate([1-(1-(1/10)*t)*(1/3),,= ], t=0.. 8, frames =50, scaling = constrained, color = green): >B4:=animate([, 2-2*((1-(1/10)*t)*(1/3)), =0.. 2], t =0.. 8, frames = 50, scaling = constrained, color = green): >display(m,m1, M2, A1, A2, B1,B2,B3, B4); Notemos que as retas limitantes em vermelho indicam a escolha do ε e as retas limitantes horizontais, em verde, indicam a regão de segurança para o correspondente δ representado pelas retas limitantes verticais, em verde. Nos desenhos, diferentes estágios da animação: Figura 3.7: Figura 3.8: Agora estamos em condições de esclarecer o primeiro eemplo, do parágrafo sobre as deficiências do MAPLE, no capítulo anterior. Consideremos a função: f() = 2 1 1

15 3.5. ASSÍNTOTAS 89 >f:=->( ˆ2-1)/(-1) : >f(1); >g:= unapply(simplify(f()), ); >g(1); Error, (in f) numeric eception: division by zero g := Quando usamos o comado simplify, o MAPLE cancela, seguindo o mesmo procedimento que utiliza para determinar a solução de: lim 1 1 = lim + 1 = 2 1 Istoé,aosimplificar, omaplenão consideramais afunção f,esim, afunção g. 3.5 Assíntotas A reta y = b é uma assíntotahorizontal ao gráfico da função y = f(), se pelo menos uma das seguintes afirmações é verdadeira: lim f() = b ou lim f() = b. + A reta = a é uma assíntota vertical ao gráfico da função y = f(), se pelo menos uma das seguintes afirmações é verdadeira: lim f() = ± a + ou lim f() = ±. a Observamos que,mesmose Dom(f) = R,afunção podeterassíntotasverticais. Poreemplo: 1 se 0 f() = 2 se = 0 Nocaso, de Dom(f) = R eafunção sercontínua,então f não possuiassíntotasverticais. Para descobrir, eperimentalmente, se uma função possui assíntotas horizontais e/ou verticais, utilizamos a sintae: >plot(f, = -infinity.. infinity);

16 90 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE Figura3.9: Gráfico de quando ±. Eemplo Esboceográfico de y = 1. Dom(f) = R {1} eacurva passapor (0,0). De fato: >f:=->/( -1): >solve(f()=0,); >plot(f(), =-infinity.. infinity) 0 Figura3.10: Gráfico de f quando ±. Do desenho, podemos concluir que o gráfico da função possui uma assíntota horizontal e uma vertical. De fato: >lim(f(),=infinity,left);

17 3.5. ASSÍNTOTAS 91 1 >lim(f(),=infinity,rigth); 1 Logo, y = 1 é uma assíntota horizontal. Por outro lado, determinamos as assíntotas verticais: >lim(f(),=1,left); >lim(f(),=1,rigth); Logo, = 1 éumaassínotavertical. Esboçodográfico: >with(plots): >p:= /(-1): >a1:= plot(p,=-3.. 3, discont=true,thickness=3, color = blue): >a2:= plot(1,=-3.. 3, style=point,symbol=cross,color = green): >a3:= implicitplot([ = 1], = , y=-4.. 4, style=point): >display(a1,a2,a3,view=[-3..3,-4..4]); Figura3.11: gráfico de f. 2. Esboceográficode y = Dom(f) = R { 1, 1} eacurva passapor (0,0). De fato:

18 92 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE >f:=-> ˆ 2/( ˆ 2-1): >solve(f()=0,); 0 >plot(f(), =-infinity.. infinity) Figura3.12: gráfico de f quando ±. Do desenho, podemos concluir que o gráfico da função possui uma assíntota horizontal e duas verticais. De fato: >lim(f(),=infinity,left); 1 >lim(f(),=infinity,rigth); 1 Logo, y = 1 é uma assíntota horizontal. Por outro lado, determinamos as assíntota verticais: >lim(f(),=1,left); >lim(f(),=1,rigth); >lim(f(),=-1,left);

19 3.5. ASSÍNTOTAS 93 >lim(f(),=-1,rigth); Logo, = ±1 são assíntotas verticais. Esboço do gráfico: >with(plots): >p:= ˆ 2/( ˆ 2-1): >a1:= plot(p,=-3.. 3, discont=true,thickness=3, color = blue): >a2:= plot(1,=-3.. 3, style=point,symbol=cross,color = green): >a3:= implicitplot([ = -1,=1], =-4.. 4, y=-4.. 4, style=point): >display(a1,a2,a3,view=[-3..3,-4..4]); Figura3.13: gráfico de f. 3. Esboceográficode y = >f:=->( ˆ 4+1)/( ˆ 5-): >plot(f(), = -infinity.. infinity)

20 94 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE Figura3.14: Gráfico de f quando ±. Do desenho, podemos concluir que o gráfico da função possui uma assíntota horizontal e três verticais. De fato: >lim(f(),=infinity,left); 0 >lim(f(),=infinity,rigth); 0 Logo, y = 0 é uma assíntota horizontal. Por outro lado, determinamos as assíntota verticais: >lim(f(),=1,left); >lim(f(),=1,rigth); >lim(f(),=-1,left); >lim(f(),=-1,rigth); >lim(f(),=0,left);

21 3.6. CONTINUIDADE 95 >lim(f(),=0,rigth); Logo, = 1, = 1e=0sãoassíntotasverticais. Esboçodográfico: >with(plots): >p:= (ˆ4+1)/(ˆ 5-): >a1:= plot(p,=-3.. 3, discont=true,thickness=3, color = blue): >a2:= implicitplot([=-1, =1], =-4.. 4, y=-4.. 4, style=point): >display(a1,a2,view=[-3..3,-4..4]); Figura3.15: gráfico de f. 3.6 Continuidade A seguintesintaeéutilizada para saberseumafunção é contínuaounão: >iscont(função, =a..b); A resposta será true onde for contínua e false onde for descontínua, relativa ao intervalo (a, b). Para o intervalo [a, b], utilizamos: >iscont(função, =a..b,closed); Para determinar os pontos de descontinuidade de uma função, utilizamos:

22 96 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE >discont(função, ); Vamos a prestar atenção à diferença de terminologia empregada nas Ciências Aplicadas, como Engenharia e Física, e daquela usada em Matemática. Considereumafunção racional f() = g(),onde g e hsãocontínuasea Rtalque h(a) = 0, h() seeiste δ > 0talquese (a δ,a + δ) ( A {a} ),entãofazsentidoperguntarse f admite uma etensão contínua que esteja definida no ponto a; isto é, se eiste F tal que F() = f() para todo Dom(f) = A e F(a) eista e seja contínua nesse ponto. Isso foi o que MAPLE eecutou no eemplo, onde substituiu: f() = por F() = + 1. É claro que na prática, se eiste a etensão contínua, iremos sempre substituir a função original por sua etensão contínua. Porém, nas Ciências Aplicadas, a terminologia empregada é outra. É comum usarem a palavra descontinuidade para os pontos que anulam o denominador da função e perguntarem se f tem descontinuidade removível em a. No eemplo a seguir, empregaremos a terminologia das Ciências Aplicadas. Achar os pontos onde f é descontínua é equivalente a determinar o domíniodafunção racional f eachar ospontosqueanulam o seudenominador. Ocomandodiscont(),ecluide Rospontosqueanulamnodenominadorde f e,futuramente, iremos perguntar se f admite uma etensão contínua a esses pontos. Eemplo Determineospontosonde f() = q:=( ˆ 2-5)/( ˆ 4+2* ˆ 3-17* ˆ 2-18*+72): >discont(q,); é descontínua. { 4, 3,2,3} 2. Verifiqueseafunção : écontínua. f() = { 2 se se > 2 > k:=piecewise(<=2, ˆ 2,>2, ˆ 2 +2); k := { > 2

23 3.6. CONTINUIDADE 97 >discont(k,); >iscont(k,=0..3); >iscont(k,=2.1..infinity); >iscont(k,=-infinity..1.9); De fato, calculemos diretamente: > limit(k,=2,left); > limit(k,=2,right); {2} false true true 4 6 Logo,oslimiteslaterais não sãoiguais;portanto,afunção édescontínuaem 0 = 2. Paravero gráfico: >plot(k,=-4.. 4, thickness=3,color = blue, discont=true); Figura 3.16: Eemplo Determineaconstante c, talque: f() = 2 sen( 1 ) se 0 c se = 0

24 98 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE seja contínua. > k1:=piecewise(<>0, ˆ 2 *sin(1/),c); k1 := 2 sen( 1 ) se 0 c otherwise > limit(k1,=0,left); 0 > limit(k1,=0,right); 0 Logo,definimos c = 0e: >iscont(k1,=-infinity..infinity); k1 := 2 sen( 1 ) se 0 0 otherwise true Paraver ográfico: >plot(k1,= , thickness=3, color =blue); Figura 3.17: Eemplo Seja 1 f() = ( 1) 2 se 1 4 se = 1. Verifiquese f é contínuaem 1.

25 3.6. CONTINUIDADE 99 > k2:=piecewise(=1,4,1/(-1)ˆ2); 4 = 1 k2 := 1 ( 1) 2 otherwise > limit(k2,=1,left); > limit(k2,=1,right); Por outrolado, f(1) = 4; logo,afunção não écontínuaem 1. >plot(k2, = , color = blue,thickness=3, discont=true,view = [ , ]); Figura 3.18: Eemplo Seja 2 se 1 f() = A + B se 1 < < 3 2 se 3. Determine A e B taisque f sejaumafunção contínuaem R. Os pontos problemáticos do domínio de f são = 1 e = 3. Utilizando a definição, f é contínuase: f() = lim f() = f( 1) + Digitamos: lim 1 1 lim f() = lim f() = f(3), > z1:=piecewise(<=-1,2, -1< and <3,A*+B,>=3,-2);

26 100 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE > eq1:=limit(z1,=-1,left)=limit(z1,=-1,right); > eq2:=limit(z1,=3,left)=limit(z1,=3,right); > solve({eq1,eq2},a,b); 2 1 z1 := A + B 1 < and < eq1 := A + B = 2 eq1 := 3A + B = 2 {A = 1} {B = 1} Logo, temos: 2 1 z1 := 1 1 < and < Figura 3.19: Eemplo 3.

27 3.7. EXERCÍCIOS Eercícios 1. Calcule os seguintes limites usando tabelas: (a) lim 1 1 ) (b) lim 0 ( 2 (c) lim 0 tg(4) ( + 2) 2 (d) lim (e) lim ( 2 1) (f) lim Calcule os seguintes limites: (a) lim (b) lim (c) lim (d) lim a 2 (e) lim a + a (f) lim (g) lim (t + h) 2 t 2 (h) lim h 0 h (i) lim (j) lim (k) lim (l) lim (m) lim (n) lim (o) lim Verifique se os seguintes limites eistem: 3 1 (a) lim 1 1 (b) lim (c) lim (d) lim (e) lim (f) lim (g) lim 0 (cos() [[sen()]]) (h) lim 0 (sen() [[cos()]]) (i) lim 0 + a b (j) lim 0 + [[ a ]] 4. Calcule os seguintes limites no infinito:

28 102 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE (a) lim (b) lim (c) lim (d) lim + (e) lim (f) lim (g) lim (h) lim ( 2 + 1) + 3 (i) lim (j) lim Calcule os seguintes limites infinitos: (a) lim m (b) lim + (c) lim (d) lim (e) lim (f) lim (g) lim (h) lim (i) lim 0 + sen() 3 2 (j) lim 0 + ln() (k) lim 0 ln( ) 6. Se f() = 3 5eg() = 2 2 3, calcule: (a) lim(f + g)() 1 (b) lim(g f)() 1 (c) lim(g f)() 1 (f ) (d) lim () 1 g (g ) (e) lim () 1 f (f) lim(f f)() 1 (g) lim(f g)() 2 (h) lim 2 (g f)() (i) lim (f g f)() 3 2 (j) lim 2 ln( f() ) (k) lim 4 3 cos ( g() ) f() (l) lim sen ( 1 ) 0 g() 7. Calcule os seguintes limites:

29 3.7. EXERCÍCIOS 103 (a) lim π sen() π (b) lim + sen(1 ) (c) lim 0 tg() + tg() (d) lim + (1 + 2 )+1 ) ( 1 (e) lim (f) lim(1 + 2) 1 0 e 2 1 (g) lim 0 e 2 1 (h) lim 0 (i) lim (j) lim e a e b (k) lim 0 sen(a) sen(b), a, b 0 (l) lim 0 cos 2 () tg 2 () (m) lim 0 2 sec() (n) lim + (1 4 )+4 (o) lim (1 1 ) f() f(a) f(t + a) f(a) 8. Calcule lim e lim, se: a a t 0 t (a) f() = 2, a = 2 (b) f() = 2 + 1, a = 2 (c) f() = 3 2, a = 0 (d) f() = 2, a = 2 (e) f() =, a = 1 (f) f() = (1 ), a = 1 (g) f() = cos(), a = π (h) f() = ( 3) 2, a = 1 (i) f() = ln(), a = 1 (j) f() = e 2, a = 0 9. Durante uma epidemia de dengue, o número de pessoas que adoeceram, num certo bairro, após t diasédadopor: L(t) = e 0.8t (a) Determine a quantidade máima de indivíduos atingidos pela doença. (b) Esboceográfico de L. 10. Esboce o gráfico das seguintes funções: (a) y = (b) y = 1 ( 1)( 3 + 1) ( 1)( 3 + 1) (c) y = (d) y = 1 ( 3)( + 2)( 2 + 1) 2 ( 3)( + 2)( 2 1)

30 104 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE 11. Verifique se as seguintes funções são contínuas: { 2 se 1 (g) f() = 1 se > se 2 (h) f() = 2 4 se = 2 Esboce os gráficos correspondentes. 12. Seja f() = 3 +. Verifiqueque: (a) f() f(2) 20 2 se 0 3 (b) f écontínuaem Determine o valor de L para que as seguintes funções sejam contínuas nos pontos dados: 2 se 0 (a) f() =,no ponto = 0. L se = se 3 (b) f() = 3, noponto = 3. L se = 3 { + 2L se 1 (c) f() = L 2, noponto = 1. se < 1 { 43 se < 0 (d) f() =,noponto = 0. 2L + se Verifique se as seguintes funções são contínuas. sen() 1 0 (a) f() = (c) f() = 1 0 = = (b) f() = 2 2, = 2 9 = < 1 (d) f() = ln(2 2 ) > Seja f() = 1 sen ( 1), 0. Como escolher o valor de f(0), para que a função f possaserdefinidaem = 0 esejacontínuanoponto?

31 3.7. EXERCÍCIOS Sendo f() = arctg ( 1 ), 2, é possível escolher o valor de f(2) tal que a função f 2 possaserdefinidaem = 2esejacontínuano ponto? 17. Afunção sinal de édefinidapor: 1 se > 0 sgn() = 0 se = 0 1 se < 0. Verifiquese f() = sgn()eg() = 2 sgn()sãofunçõescontínuas. 18. Verifiquequeaequação = tg() temuma infinidadederaízes reais. 19. Uma esfera oca de raio R está carregada com uma unidade de eletricidade estática. A intensidade de um campo elétrico E() num ponto P localizado a unidades do centro da esfera é determinada pela função: 0 se 0 < < R 1 E() = 3 2 se = R 2 se > R. Verifiqueseafunção E = E() écontínua. Esboceográficode E. 20. A função de Heaviside é utilizada no estudo de circuitos elétricos para representar o surgimento de corrente elétrica ou de voltagem, quando uma chave é instantaneamente ligadae,édefinidapor: H(t) = { 0 se t < 0 1 se t 0 (a) Discutaacontínuidadede f(t) = H(t 2 + 1)ede g(t) = H(sen(π t)). Esboceosrespectivos gráficos em [ 5, 5]. (b) Afunção R(t) = cth(t) (c > 0) échamada rampaerepresentaocrescimentogradual na voltagem ou corrente num circuito elétrico. Discuta a continuidade de R e esboce seu gráficopara c = 1, 2, 3. (c) Verifiqueque u c (t) = H(t c). { f(t) se 0 t < c (d)se h(t) = g(t) se t c, verifiqueque h(t) = (1 u c (t))f(t) + u c (t)g(t).

32 106 CAPÍTULO 3. LIMITES E CONTINUIDADE

LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES

LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES Capítulo 4 LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES 4. Introdução O desenvolvimento teórico de grande parte do Cálculo foi feito utilizando a noção de ite. Por eemplo, as definições de derivada e de integral

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

Limites e continuidade

Limites e continuidade Capítulo 3 Limites e continuidade 3.1 Limite no ponto Considere a função f() = 1 1, D f =[0, 1[ ]1, + ). Observe que esta função não é definida em =1. Contudo, fazendo suficientemente próimo de 1 (mas

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 MATEMÁTICA PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ ESTUDO DAS DERIVADAS (CONCEITO E APLICAÇÕES) No presente capítulo, estudaremos as

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

v m = = v(c) = s (c).

v m = = v(c) = s (c). Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando

Leia mais

Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição

Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição 1 2 Sumário 1 WOLFRAM ALPHA 5 1.1 Digitando Fórmulas e Expressões Matemáticas......... 6 1.1.1 Expoentes......................... 6 1.1.2 Multiplicação.......................

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional.

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional. Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 3 - GABARITO 06 de julho de 013 1. (1,5 pontos) Determine se as afirmações

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta lista de Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I - MTM 1 1. Nos eercícios a seguir admita

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 008/ . CONCEITO DE FUNÇÃO As funções são as melhores ferramentas para descrever

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limites e Continuidade

MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limites e Continuidade MATEMÁTICA A - 12o Ano Funções - Limites e Continuidade Eercícios de eames e testes intermédios 1. Para um certo número real k, é contínua em R a função f definida por 2 + e +k se 0 f() = 2 + ln( + 1)

Leia mais

Esboço de Curvas. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html

Esboço de Curvas. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Esboço de Curvas Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Roteiro para esboçar uma curva A. Verifique o domínio da função Exemplo: f(x) = 1 x {x x = 0} Roteiro para esboçar

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2)

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Nessa aula continuaremos nosso estudo sobre limites de funções. Analisaremos o limite de funções quando o x ± (infinito). Utilizaremos o conceito

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

I N T E G R A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013)

I N T E G R A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013) I N T E G R A L ac C Á L C U L O Prof. ADRIANO CATTAI 03 Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013) NOME: DATA: / / Não há ciência que fale das harmonias da natureza

Leia mais

Sua interface é semelhante a de um processador de textos do tipo WYSIWYG, ou seja, What you see is what you get (o que você vê é o que você faz).

Sua interface é semelhante a de um processador de textos do tipo WYSIWYG, ou seja, What you see is what you get (o que você vê é o que você faz). Mathcad COMANDOS BÁSICOS O software Mathcad é um ambiente de trabalho baseado em Álgebra Computacional, dirigido a profissionais técnicos, educadores e estudantes. Permite a escrita de epressões matemáticas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 00/ SUMÁRIO. LIMITES E CONTINUIDADE..... NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE..... FUNÇÃO CONTÍNUA NUM

Leia mais

1 A Integral por Partes

1 A Integral por Partes Métodos de Integração Notas de aula relativas aos dias 14 e 16/01/2004 Já conhecemos as regras de derivação e o Teorema Fundamental do Cálculo. Este diz essencialmente que se f for uma função bem comportada,

Leia mais

II BIENAL DA SBM 06 A 11 DE NOVEMBRO DE 2006. Equações Paramétricas E... x y. Animação ADELMO RIBEIRO DE JESUS UCSAL/FJA - SALVADOR BAHIA

II BIENAL DA SBM 06 A 11 DE NOVEMBRO DE 2006. Equações Paramétricas E... x y. Animação ADELMO RIBEIRO DE JESUS UCSAL/FJA - SALVADOR BAHIA II BIENAL DA SBM 06 A DE NOVEMBRO DE 006 Equações Paramétricas E... Animação ADELMO RIBEIRO DE JESUS UCSAL/FJA - SALVADOR BAHIA INTRODUÇÃO Neste trabalho analisaremos as várias formas de apresentação das

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação . Isolar os zeros da função f ( )= 9 +. Resolução: Pode-se construir uma tabela de valores para f ( ) e analisar os sinais: 0 f ( ) + + + + + Como f ( ) f ( ) < 0, f ( 0 ) f ( ) < 0 e f ( ) f ( ) < 0,

Leia mais

2. Função polinomial do 2 o grau

2. Função polinomial do 2 o grau 2. Função polinomial do 2 o grau Uma função f: IR IR que associa a cada IR o número y=f()=a 2 +b+c com a,b,c IR e a0 é denominada função polinomial do 2 o grau ou função quadrática. Forma fatorada: a(-r

Leia mais

Esboço de Gráficos (resumo)

Esboço de Gráficos (resumo) Esboço de Gráficos (resumo) 1 Máximos e Mínimos Definição: Diz-se que uma função tem um valor máximo relativo (máximo local) em c se existe um intervalo ( a, b) aberto contendo c tal que f ( c) f ( x)

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA Prof. Francisco Leal Moreira / SUMÁRIO. FUNÇÕES DE DUAS VARIÁVEIS.. FUNÇÕES HOMOGÊNEAS.. CURVAS

Leia mais

2.3 Aplicações das Leis de Newton

2.3 Aplicações das Leis de Newton 2.3-1 2.3 Aplicações das Leis de Newton 2.3.1 Movimento tridimensional de um projétil (se despreza quaisquer efeitos do ar) Nesta seção retomamos a análise do movimento de um projétil, visando a obter

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos Capítulo 4 Funções de duas variáveis 4.1 Funções de varias variáveis - Definição e eemplos Definição 1: Chamamos de função real com n variáveis a uma função do tipo f : D R com D R n = R R. Ou seja, uma

Leia mais

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos.

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3 COMANDOS CONDICIONAIS E DE LAÇO Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3.1 COMANDOS CONDICIONAIS 3.1.1 Comando IF Como o próprio nome já indica, estes comandos

Leia mais

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS.0 Representação O sistema de numeração decimal é o mais usado pelo homem nos dias de hoje. O número 0 tem papel fundamental, é chamado de base do sistema. Os símbolos 0,,, 3, 4, 5,

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3 1 Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Cálculo Vetorial Texto 01: Funções Vetoriais Até agora nos cursos de Cálculo só tratamos de funções cujas imagens

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES UTILIZANDO CÁLCULO DIFERENCIAL

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES UTILIZANDO CÁLCULO DIFERENCIAL CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES UTILIZANDO CÁLCULO DIFERENCIAL FERREIRA, Eliézer Pires Universidade Estadual de Goiás - UnU Iporá eliezer_3d@hotmail.com SOUZA, Uender Barbosa de Universidade Estadual

Leia mais

INTRODUÇÃO E A PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

INTRODUÇÃO E A PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS INTRODUÇÃO E A PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS INTRODUÇÃO Os livros de cálculo costumam conter um capítulo ou um apêndice dedicado a eplicações de fatos básicos da matemática e que, em geral, são abordados

Leia mais

Manual de Matemática para o 12º ano Matemática A. NIUaleph 12 VOLUME 3. Jaime Carvalho e Silva Joaquim Pinto Vladimiro Machado

Manual de Matemática para o 12º ano Matemática A. NIUaleph 12 VOLUME 3. Jaime Carvalho e Silva Joaquim Pinto Vladimiro Machado Manual de Matemática para o 1º ano Matemática A NIUaleph 1 VOLUME 3 Jaime Carvalho e Silva Joaquim Pinto Vladimiro Machado 01 Título NiuAleph 1 - Manual de Matemática para o 1º ano de Matemática A Autores

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II z t t C C α y β y Colaboradores para elaboração da apostila: Elisandra Bär de Figueiredo, Enori Carelli, Ivanete Zuchi Siple, Marnei Luis Mandler, Rogério

Leia mais

Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto

Erros. Número Aproximado. Erros Absolutos erelativos. Erro Absoluto Erros Nenhum resultado obtido através de cálculos eletrônicos ou métodos numéricos tem valor se não tivermos conhecimento e controle sobre os possíveis erros envolvidos no processo. A análise dos resultados

Leia mais

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes NOTAS DE AULA FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS - DIFERENCIAÇÃO Cláudio Martins Mendes Segundo Semestre de 2005 Sumário 1 Funções de Várias Variáveis - Diferenciabilidade 2 1.1 Noções Topológicas no R n.............................

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

MAPLE E.D.O E MODELOS MATEMÁTICOS

MAPLE E.D.O E MODELOS MATEMÁTICOS MAPLE E.D.O E MODELOS MATEMÁTICOS AULA Nº 1. INTRODUÇÃO O Maple V é um software capaz de resolver problemas em diversos ramos da matemática. Dentro dos recursos disponíveis, temos o Cálculo Diferencial

Leia mais

6. Aplicações da Derivada

6. Aplicações da Derivada 6 Aplicações da Derivada 6 Retas tangentes e normais - eemplos Encontre a equação da reta tangente e da normal ao gráfico de f () e, em 0 Represente geometricamente Solução: Sabemos que a equação da reta

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 0/ SUMÁRIO. FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL..... CONCEITO..... ZEROS DE UMA

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

Revisando a Aritmética

Revisando a Aritmética Revisando a Aritmética 1.Revisando os sistemas decimais e convertendo números para outras bases. 2.Usando Maple para converter números binários e hexadecimais para outras bases. 3.Distinguindo frações

Leia mais

Capítulo 4. 4.1.1 O problema da caixa

Capítulo 4. 4.1.1 O problema da caixa Capítulo Funções e Gráficos. Motivação Vimos no capítulo anterior que problemas onde é necessário a determinação dos valores máimos e/ou mínimos de uma função aparecem comumente no nosso dia a dia e que,

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Matemática CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Prof AULA 0 - FUNÇÕES.

Leia mais

Curvas e Superfícies no Espaço através de Exemplos. 1. Reta tangente, plano normal, vetor normal

Curvas e Superfícies no Espaço através de Exemplos. 1. Reta tangente, plano normal, vetor normal Curvas e Superfícies no Espaço através de Exemplos Fernando Deeke Sasse UDESC-Joinville 1. Reta tangente, plano normal, vetor normal Curva dada por função vetorial 1. Encontrar o vetor tangente, a equação

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO 1 wwwprofessorwaltertadeumatbr 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) 10 n Escreva

Leia mais

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Gustavo Sousa Pavani Universidade Federal do ABC (UFABC) 3º Trimestre - 2009 Aulas 1 e 2 Sobre o curso Bibliografia: James Stewart, Cálculo, volume I,

Leia mais

Lívia Braga Sydrião de Alencar. Bergson da Silva Matias. PET Civil

Lívia Braga Sydrião de Alencar. Bergson da Silva Matias. PET Civil MAPLE 13 Lívia Braga Sydrião de Alencar Bergson da Silva Matias PET Civil Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Histórico... 3 1.2. Interface... 3 1.3. Comandos Básicos... 7 1.3.1. Operações básicas... 7 1.4.

Leia mais

CURSO de ENGENHARIA (CIVIL, ELÉTRICA, MECÂNICA, PETRÓLEO, DE PRODUÇÃO e TELECOMUNICAÇÕES) NITERÓI - Gabarito

CURSO de ENGENHARIA (CIVIL, ELÉTRICA, MECÂNICA, PETRÓLEO, DE PRODUÇÃO e TELECOMUNICAÇÕES) NITERÓI - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA o semestre letivo de 009 e 1 o semestre letivo de 010 CURSO de ENGENHARIA (CIVIL, ELÉTRICA, MECÂNICA, PETRÓLEO, DE PRODUÇÃO e TELECOMUNICAÇÕES) NITERÓI - Gabarito

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce o conjunto R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto, fechado, itado, compacto, ou conexo. (a) R = (x; y) 2 R 2 ; jxj 1; 0 y (b) R

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro De Ciências Exatas e da Terra Departamento de Física Teórica e Experimental Programa de Educação Tutorial Curso de Nivelamento: Pré-Cálculo PET DE FÍSICA:

Leia mais

Curvas em coordenadas polares

Curvas em coordenadas polares 1 Curvas em coordenadas polares As coordenadas polares nos dão uma maneira alternativa de localizar pontos no plano e são especialmente adequadas para expressar certas situações, como veremos a seguir.

Leia mais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais PARTE 3 FUNÇÕES REAIS DE VÁRIAS VARIÁVEIS REAIS 3. Funções Reais de Várias Variáveis Reais Vamos agora tratar do segundo caso particular de funções vetoriais de várias variáveis reais, F : Dom(F) R n R

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Funções de duas ou mais variáveis.

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Funções de duas ou mais variáveis. www.engenhariafacil.weebly.com Resumo com exercícios resolvidos do assunto: (I) (II) (III) Funções de duas ou mais variáveis; Limites; Continuidade. (I) Funções de duas ou mais variáveis. No Cálculo I

Leia mais

LISTA BÁSICA MATEMÁTICA

LISTA BÁSICA MATEMÁTICA LISTA BÁSICA Professor: ARGENTINO FÉRIAS: O ANO DATA: 0 / 06 / 0 MATEMÁTICA 6 0 6 +, + 4 é:. O valor de ( ) ( ) ( ) a) b) c) 7 d) 9 e). Considere a epressão numérica a) 9 b) 0 c) 8,00 d) 69 e) 9,00000

Leia mais

Estrutura de Repetição Simples

Estrutura de Repetição Simples Instituto de Ciências Eatas e Biológicas ICEB Lista de Eercícios Básicos sobre Laço Estrutura de Repetição Simples Eercício 01 Escreva um programa que imprima todos os números inteiros de 0 a 50. A seguir,

Leia mais

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF)

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 010 ExercíciosProgramados1e VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Esses exercícios abrangem a matéria das primeiras semanas de aula (Aula 1) Os alunos

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Máximos e Mínimos em Intervalos Fechados

Máximos e Mínimos em Intervalos Fechados Capítulo 5 Máimos e Mínimos em Intervalos Fechados 5. Motivação Na Seção.., estudamos o problema da caia, onde queríamos montar uma caia recortando retângulos nos quatro cantos de uma lâmina de plástico

Leia mais

canal 1 canal 2 t t 2 T

canal 1 canal 2 t t 2 T ircuito L (Prova ) --7 f [khz] L T [s] s canal canal t t T Fig. ircuito usado Tarefas: ) Monte o circuito da figura usando o gerador de funções com sinais harmônicos como força eletromotriz. Use um resistor

Leia mais

A trigonometria do triângulo retângulo

A trigonometria do triângulo retângulo A UA UL LA A trigonometria do triângulo retângulo Introdução Hoje vamos voltar a estudar os triângulos retângulos. Você já sabe que triângulo retângulo é qualquer triângulo que possua um ângulo reto e

Leia mais

MATEMÁTICA. Aula 1 Revisão. Prof. Anderson

MATEMÁTICA. Aula 1 Revisão. Prof. Anderson MATEMÁTICA Aula 1 Revisão Prof. Anderson Assuntos Equação do 1º grau com uma variável. Sistemas de equações do 1º grau com duas variáveis. Equação do º grau com uma variável. Equação do 1º grau com uma

Leia mais

Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano

Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano Distância entre pontos do plano euclidiano MÓDULO - AULA 8 Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano Objetivos Nesta aula, você: Usará o sistema de coordenadas para calcular a distância entre dois

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários:

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1 1.1 Função Real de Variável Real A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1. Um conjunto não vazio para ser o domínio;

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A

Prova Escrita de Matemática A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 39/0, de 5 de julho Prova Escrita de Matemática A.º Ano de Escolaridade Prova 635/Época Especial 5 Páginas Duração da Prova: 50 minutos. Tolerância:

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM PROCESSAMENTO DE DADOS

CURSO TÉCNICO EM PROCESSAMENTO DE DADOS CURSO TÉCNICO EM PROCESSAMENTO DE DADOS APOSTILA DE LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO CAP Criação de Algoritmos e Programas PROFESSOR RENATO DA COSTA Não estamos aqui para sobreviver e sim para explorar a oportunidade

Leia mais

Capítulo V: Derivação 137

Capítulo V: Derivação 137 Capítulo V: Derivação 37 Esboço de gráicos: Para esboçar o gráico de uma unção deve-se sempre que possível seguir as seguintes etapas: Indicar o domínio; Determinar os zeros (caso eistam); Estudar a paridade;

Leia mais

Lista de exercícios Trigonometria Problemas Gerais. Parte 1 : Tangente da soma e da diferença de arcos e tangente do dobro de um arco

Lista de exercícios Trigonometria Problemas Gerais. Parte 1 : Tangente da soma e da diferença de arcos e tangente do dobro de um arco Lista de eercícios Trigonometria Problemas Gerais Prof ºFernandinho Parte 1 : Tangente da soma e da diferença de arcos e tangente do dobro de um arco 01.(Fuvest) Se é um ângulo tal que 0 < < 90 e sen =,

Leia mais

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares).

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). 1 LIVRO Curvas Polares 7 AULA META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. Cálculos com curvas planas em coordenadas polares.

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO (Tóp. Teto Complementar) PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 1 PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO Este teto estuda um grupo de problemas, conhecido como problemas de otimização, em tais problemas, quando possuem soluções, é

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

CURSO DE CÁLCULO INTEGRAIS

CURSO DE CÁLCULO INTEGRAIS CURSO DE CÁLCULO MÓDULO 4 INTEGRAIS SUMÁRIO Unidade 1- Integrais 1.1- Introdução 1.2- Integral Indefinida 1.3- Propriedades da Integral Indefinida 1.4- Algumas Integrais Imediatas 1.5- Exercícios para

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ 4.O gráfico apresentado mostra a elongação em função do tempo para um movimento harmônico simples.

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ 4.O gráfico apresentado mostra a elongação em função do tempo para um movimento harmônico simples. Eercícios Movimento Harmônico Simples - MHS 1.Um movimento harmônico simples é descrito pela função = 7 cos(4 t + ), em unidades de Sistema Internacional. Nesse movimento, a amplitude e o período, em unidades

Leia mais

2 - Generalidades sobre funções reais de variável real

2 - Generalidades sobre funções reais de variável real Análise Matemática - 009/010 - Generalidades sobre unções reais de variável real.1-deinição e Propriedades De..1 Sejam A e B conjuntos, e uma correspondência de A para B, isto é um processo de associar

Leia mais

TUTORIAL MATLAB MATEMÁTICA COMPUTACIONAL Aula 20-Novembro-2013

TUTORIAL MATLAB MATEMÁTICA COMPUTACIONAL Aula 20-Novembro-2013 TUTORIAL MATLAB MATEMÁTICA COMPUTACIONAL Aula 20-Novembro-2013 MATLAB (MATrix LABoratory) é um software de alta performance direccionado para o cálculo numérico. O MATLAB integra áreas como análise numérica,

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MAPLE NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE CÁLCULO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MAPLE NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE CÁLCULO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MAPLE NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE CÁLCULO RESUMO Vanessa Mariani Neste trabalho foi investigado como a utilização do software Maple pode facilitar no ensino-aprendizagem de Matemática

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce a região R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto (A), fechado (F), limitado (L), compacto (K), ou conexo (C). (a) R = (x; y) 2 R

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Sistemas numéricos

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Sistemas numéricos EQE-358 MÉTODOS NUMÉRICOS EM ENGENHARIA QUÍMICA PROFS. EVARISTO E ARGIMIRO Capítulo 1 Introdução O objetivo desta disciplina é discutir e aplicar técnicas e métodos numéricos para a resolução de problemas

Leia mais

Exercícios de Cálculo I - CM041

Exercícios de Cálculo I - CM041 Eercícios de Cálculo I - CM4 Prof. José Carlos Corrêa Eidam DMAT/UFPR Disponível no sítio people.ufpr.br/ eidam/inde.htm o. semestre de Parte Limites de funções. Calcule os seguintes limites, caso eistam:

Leia mais

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1 APOSTILA 015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 015 1 Sumário 1.Conjuntos...5 1.1 Representação de conjuntos...5 1. Operações com conjuntos...6 1. Propriedades

Leia mais