ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO RAUL PILLA COMPONENTE CURRICULAR: Matemática PROFESSORA: Maria Inês Castilho. Conjuntos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO RAUL PILLA COMPONENTE CURRICULAR: Matemática PROFESSORA: Maria Inês Castilho. Conjuntos"

Transcrição

1 ESCOL ESTDUL DE ENSINO MÉDIO UL PILL COMPONENTE CUICUL: Matemática POFESSO: Maria Inês Castilho Noções básicas: Conjuntos 1º NOS DO ENSINO MÉDIO Um conjunto é uma coleção qualquer de objetos, de dados, de números, de informações. Os componentes de um conjunto são chamados elementos. Costumamos representar um conjunto por: 1. EXTENSÃO - nomeando os elementos um a um, separados por vírgula, dentro de chaves e identificando o conjunto por uma letra maiúscula. Exemplo: = { 0, 2, 4, 6} Esta forma pode ser usada mesmo se o número de elementos for muito grande. Exemplos: Conjunto infinito: = {0, 2, 4, 6, 8, 10,...} Conjunto finito: C = {0, 2, 4, 6, 8, } 2. DIGM DE VENN Exemplo: COMPEENSÃO quando se representa por uma característica do conjunto. Exemplo: = { x x é um número par menor que 7} representação do número de elementos de um conjunto é indicada por n() =4 (lê-se o número de elementos de é igual a 4) EXECÍCIOS 1. epresente os conjuntos abaixo, por extensão e compreensão: a) é o conjunto dos números inteiros positivos menor que 100; b) é o conjunto dos números inteiros negativos maior que 3; c) C é o conjunto dos números ímpares; d) D é o conjunto dos números primos; e) E é o conjunto de cores da bandeira do rasil; 2. Qual o número de elementos de cada conjunto do exercício anterior? 3. Dado o diagrama abaixo determine o número de elementos: a).s C SC.1.7.P

2 Conjuntos Iguais: Há uma igualdade entre dois ou mais conjuntos quando eles tem os mesmos elementos. Se os conjuntos e são iguais, dizemos =. E a negação da igualdade é dada por. Exemplo: = {0, 2, 4, 6, 8} e = {x x é um número natural par menor que 9} e C = {0,2,4, 6} = C Para indicar que um elemento pertence a determinado conjunto usamos o símbolo ϵ (pertence) e, para indicar que não pertence, o símbolo é. Exemplo: = {0, 2, 4, 6, 8} 2 ϵ 3 Conjunto Universo: Quando se faz referência de conjuntos em relação a um conjunto maior, este é chamado conjunto universo, simbolizado normalmente por U. Por exemplo: a) Quando estudamos um fato, como por exemplo, idade superior a 15 anos, relacionado aos estudantes da escola, o conjunto universo será constituído por todos os alunos da escola. U = { alunos da Escola aul Pilla} = {x x tem 15 anos} ou = {x ϵ U x tem 15 anos} b) Quando o fato está relacionado apenas aos alunos de uma das turmas da escola, o conjunto universo será constituído por todos os alunos dessa turma. U = { alunos da turma 110 da Escola aul Pilla} ={x x tem 15 anos} ou = {x ϵ U x tem 15 anos} Observe que os conjuntos e são diferentes, ou seja, porque o conjunto universo a que se referem são diferentes. Conjunto Unitário: Quando o conjunto possui apenas um único elemento. Por exemplo: C = { x x é um número primo par e positivo} C = {2} conjunto unitário Conjunto Vazio: Quando o conjunto não possui nenhum elemento. Por exemplo: D = {x x é um número primo menor que 2} C = { } ou C = OSEVÇÂO: Nunca use C = { } por que esse não é um conjunto vazio e sim um conjunto que contem um conjunto vazio. Logo, não é vazio!

3 Subconjuntos: Observe os conjuntos e e também o diagrama ao lado = { 1, 2, 3, 4, 5} = { 1, 2, 5} Todos os elementos de estão dentro do conjunto embora este tenha mais 2 elementos. Então, dizemos que está contido em ou é um subconjunto de. Indicamos por Também podemos dizer que contém símbolo que significa está contido. símbolo que significa contém. Quando existir pelo menos um elemento de que não está contido em, dizemos que não contém ou que não está contido em. Por exemplo, os conjuntos e abaixo. = { 1, 2, 3, 4, 5} = { 1, 2, 6} E a simbologia é: ou símbolo que significa não está contido. / símbolo que significa não contém. EXECÍCIOS a) Classifique como conjunto vazio ou conjunto unitário, considerando como conjunto universo o conjunto dos números naturais: a) = { x x é menor do que 1} b) = { x x é maior que 5 e menor que 6} c) C = { x x é um número primo maior que 11 e menor que 20} d) D = { x x é um número par maior que 30 e menor que 32} e) E = { x x + 3 = 8} f) F = { x 5x = 30 g) G = { x x < 1} h) H = { x x <0} b) Dados os conjuntos = {1, 2}, = { 1, 2, 3, 4, 5}, C = {3, 4, 5} e D = { 0, 1, 2, 3, 4, 5}, classifique em V ou F cada informação a seguir: a) b) C D c) D d) C e) D f) g) C h) ϵ i) D j) k) 2 ϵ D l) 1 D

4 Operações com conjuntos União de Conjuntos união de dois conjuntos e é o conjunto C formado por todos os elementos que pertencem a ou pertencem a. Por exemplo: Se, = { 0, 1, 2, 3, 4, 5} e = {0, 2, 4, 6, 8} então, U = C = {0, 1, 2, 3,4, 5, 6, 8} símbolo que significa união ou reunião. Intersecção de Conjuntos intersecção de dois conjuntos e é um conjunto C formado pelos elementos que pertencem a e pertencem a, ou seja, somente aqueles elementos que pertencem a e também a. Se, = { 0, 1, 2, 3, 4, 5} e = {0, 2, 4, 6, 8} então, = C = {0, 2, 4} símbolo que significa intersecção. Podemos dizer que ={ x x ϵ e x ϵ } Diferença de Conjuntos diferença de dois conjuntos e é o conjunto C formado pelos elementos que pertencem a, mas não pertencem a. Se, = { 0, 1, 2, 3, 4, 5} e = {0, 2, 4, 6, 8} então, - = C = {1, 3, 5} OSEVE que se, a diferença é chamada complementar de em relação a e indicamos por ou Por exemplo, Se, = { 0, 1, 2, 3, 4} e = {2, 3} símbolo que significa diferença. então = = { 0, 1, 4} NOTE que o complementar de em relação a é o que falta ao conjunto para ficar igual ao conjunto.

5 EXECÍCIOS 1. Dados os conjuntos = {a, b, c, d, e, f, g}, = {b, d, g, h, i} e C = {e, f, m, n} determine: a) U e) F b) C f) C c) d) ( ) U ( ) g) U C h) U C 2. Dados os conjuntos = { 0, 3, 4, 5, 6, 7, 8}, = {2, 4, 5, 6, 9} e C = {0, 3, 6, 9, 10) determine: a) U g) ( C) U b) h) ( ) C c) U C i) ( U ) C d) C j) ( U C) e) C k) U ( C) f) ( ) U C 3. Considere o diagrama e determine: a) b) C c) C d) C e) U f) U C g) U C C 4. Uma escola de línguas tem 630 pessoas, 350 deles estudam Inglês, 210 estudam Espanhol e 90 estudam as duas matérias (Inglês e Espanhol). Pergunta-se: a) Quantas pessoas estudam apenas Inglês? b) Quantas pessoas estudam apenas Espanhol? c) Quantas pessoas estudam apenas Inglês e Espanhol? d) Quantas pessoas não estudam nenhuma das duas linguas? 5. Em uma pesquisa realizada com 50 pessoas para saber que esporte elas apreciam entre futebol, basquete e vôlei, o resultado foi o seguinte: 23 gostam de futebol, 18 de basquete e 14 de vôlei; 10 gostam de futebol e de basquete; 9 de futebol e vôlei, 8 de basquete e de vôlei; e 5 gostam das três modalidades. a) Quantas pessoas gostam somente de futebol? b) Quantas pessoas gostam somente de basquete? c) Quantas pessoas gostam somente de volei? d) Quantas pessoas gostam somente de futebol e de basquete? e) Quantas pessoas gostam somente de futebol e de volei? f) Quantas pessoas não gostam nem de basquete nem de volei? g) Quantas pessoas gostam somente de futebol ou somente de basquete? h) Quantas pessoas não gostam de nenhum desses esportes?

6 Conjuntos Numéricos Conjuntos dos números naturais O primeiro dos conjuntos numéricos é aquele que a partir do zero, acrescenta-se uma unidade e se obtém o seguinte, até o infinito. Simbolizado pela letra N maiúscula, fica representado por extensão: = { 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6,...} Graficamente, numa semi-reta numerada, temos a representação abaixo. Observe que os pontos são equidistantes n n+1 NOT: Toda vez que usamos um asterisco (*) junto da letra é porque retiramos o zero, ou seja, é o conjunto sem o zero. Veja: * = { 1, 2, 3, 4, 5, 6,...} * Conjuntos dos números inteiros Os números naturais mais os respectivos simétricos formam o conjunto dos números inteiros. Simbolizado pela letra Z maiúscula. Z = {..., -3, -2, -1, 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6,...} n n+1... OSEVE que os números simétricos (exemplo -3 e +3) estão a mesma distância do zero e por esta razão são chamados simétricos ou opostos. Exemplos de subconjuntos de Z: = { x ϵ Z -3 x 4} ou = { x ϵ Z -3 x < 5} Z* = {..., -3, -2, -1, 1, 2, 3, 4,...} são os números inteiros não-nulos; Z+ = {0, 1, 2, 3, 4,...} são os números inteiros não-negativos; Z- = {..., -3, -2, -1, 0} são os números inteiros não-positivos; E podemos dizer que: Z* Z Z + Z Z - Z Z Conjuntos dos números racionais Para também contemplar os números fracionários e decimais que existem entre uma unidade e outra dos números inteiros, existe o conjunto dos números racionais. Simbolizado pela letra Q maiúscula é melhor representado por: Q = { x x =, com a ϵ Z, b ϵ Z e b 0} ou Q = {..., -1,...,,..., 0,...,,...,,..., 1,..., 2,...,,..., 3,... } Todo número racional possui o seu oposto ou simétrico. O oposto de é -, o oposto de -0,2 é 0,2. Entre dois números racionais distintos existem sempre outros números racionais. Q* Q Q + Q Q - Q Z Q Q

7 Exemplos de números racionais: a) 6 é um número inteiro mas é também um nº racional porque pode ser escrito na forma. b) 0,25 é um número racional. Veja que ele pode ser escrito na forma. OSEVÇÂO: Todo número que pode ter uma representação finita (número finito de casas decimais) é considerado um número racional. c) 0, = = d) 0, = 0, = Conjuntos dos números irracionais Número irracional é o número que tem uma representação decimal infinita e não periódica. Esses números diferem dos racionais porque estes são valores exatos e os irracionais, não. Exemplos: O símbolo do conjunto dos Irracionais é o I. Exemplo: I = {..., -,..., -,...,,...,,...,,...} Conjuntos dos números reais É o conjunto que envolve todos os outros vistos anteriormente. Os conjuntos dos naturais, dos inteiros, dos racionais e dos irracionais são subconjuntos do conjunto dos números reais. Veja o diagrama abaixo: Z Toda dízima periódica é um número racional. Tem infinitas casa decimais, mas elas se repetem de forma periódica. N I representação geométrica da reta numérica real (ou simplesmente reta real) pode ser representada da seguinte forma: = {..., -1,...,,..., 0,...,,...,,...,,..., 1,..., 2,..., -...,, 3,... } NOTE que, entre um e outro número exposto, existem infinitos números reais. E ainda: * + - Q Z onde: * = {0} = Números reais não-nulos. + = {x ϵ x 0} = Números reais não-negativos. - = {x ϵ x 0} = Números reais não-positivos.

8 EXECÍCIOS 1. Usando os símbolos ϵ e, relacione o elemento com o conjunto dado, completando o espaço: a) 5... N k)... I s) 0, Z b) 5... Z l)... Q t) 0, Q c) 5... Q m)... N u) 0, I d) 5... v) 0, e) N n)... Z w) 0, f) Z o)... Q x)... Q g) Q y)... Z p)... I h) z)... I i) q)... j)... N r) 0, N 2. Determine os conjuntos, por extensão: a) M = { x ϵ -2x 2 9x + 5 = 0} b) N = { x ϵ 7x 4 = 10} c) O = { x ϵ x 2 36 = 0} d) P = { x ϵ + 22 = 0} 3. Localize os números 0, -1,, 2, na reta numerada: 4. Sendo a um número natural menor que 30 e = {x ϵ N x = }, determine o número de elementos de. 5. nalise os dois retângulos abaixo, calcule a diagonal de cada um delese, em seguida, classifique os números encontrados em racional ou irracional Dado o diagrama abaixo, escreva o conjunto dos elementos que formam,, C, D e F. C E D -4 F

9 INTEVLOS Sabemos que o conjunto N, Z, Q, I são subconjuntos de e sabemos como representá-los. gora, veremos outros subconjuntos do conjunto dos números eais (), determinados por desigualdades. Esses são chamados de INTEVLOS. Observe os exemplos: 1. Conjunto dos números reais maiores que 3 e menores que 7. Na reta numerada podemos representar por: 3 7 Observe a bolinha vazia nas extremidades do segmento de reta. Ela indica que o número 3 e o número 7 não pertencem ao conjunto. Então denominamos Intervalo berto, e pode ser indicado por { x ϵ 3 < x < 7} ou ]3,7[ 2. Conjunto dos números reais maiores ou iguais a -1 e menores ou iguais a Observe agora as bolinhas cheias. Ela indica que os números -1 e 4 pertencem ao conjunto. E é chamado Intervalo Fechado, e pode ser indicado por { x ϵ -1 x 4} ou [-1, 4] 3. Conjunto dos números reais maiores que -1 e menores ou iguais a Neste caso, há uma bolinha vazia no -1 e indica que ele não pertence ao conjunto e uma bolinha cheia no 4. Então o 4 pertence ao conjunto. ssim, temos um Intervalo semi-aberto à esquerda, e a representação é dada por { x ϵ -1 < x 4} ou ]-1,4]. 4. Conjunto dos números reais maiores ou iguais a -1 e menores que qui, há uma bolinha cheia no -1 e uma bolinha vazia no 4. Então, temos um Intervalo semi-aberto à direita, e { x ϵ -1 x < 4} ou [-1,4[. 5. Conjunto dos números reais maiores que 12. { x ϵ x > 12} ou ]12, [ Conjunto dos números reais menores ou igual a 8. { x ϵ x 8} ou ]-, 8] 8

10 Operações com Intervalos Devemos estar atentos quando trabalhamos com intervalos porque é preciso analisá-los detalhadamente para saber se o número pertence ou não aquele conjunto. melhor forma de fazer essa análise é observando o intervalo na reta dos eais. Veja os exemplos: a) UNIÃO Dados os conjuntos = { x ϵ 2 x < 8} e = { x ϵ -3 < x < 5}, determine U U união de com é dada por U = { x ϵ -3 < x < 8} b) INTESECÇÃO - Dados os mesmos conjuntos do exemplo anterior, determine intersecção de com é dada por = { x ϵ 2 x < 5} c) DIFEENÇ - Dados os mesmos conjuntos do exemplo anterior, determine EXECÍCIOS 1. Escreva cada conjunto a seguir usando a notação de colchetes e, em seguida, represente-os na reta numerada: a) = { x ϵ 4 x < 9} b) = { x ϵ -1 < x < 3} c) C = { x ϵ 4 x 6} d) D = { x ϵ -5 x 11} 2. Efetue as operações indicadas abaixo considerando os conjuntos,, C e D do exercício anterior. a) U b) C c) C d) C U D e) U C f) C g) D h) i)

TEORIA DOS CONJUNTOS Símbolos

TEORIA DOS CONJUNTOS Símbolos 1 MATERIAL DE APOIO MATEMÁTICA Turmas 1º AS e 1º PD Profº Carlos Roberto da Silva A Matemática apresenta invenções tão sutis que poderão servir não só para satisfazer os curiosos como, também para auxiliar

Leia mais

Teoria dos Conjuntos. Prof Elizeu Junior

Teoria dos Conjuntos. Prof Elizeu Junior Teoria dos Conjuntos Prof Elizeu Junior Introdução A teoria dos Conjuntos representa instrumento de grande utilidade nos diversos desenvolvimentos da Matemática, bem como em outros ramos das ciências físicas

Leia mais

PROF. LUIZ CARLOS MOREIRA SANTOS

PROF. LUIZ CARLOS MOREIRA SANTOS 1 - CONCEITO PROF. LUIZ CARLOS MOREIRA SANTOS CONJUNTOS Conjunto proporciona a idéia de coleção, admitindo-se coleção de apenas um elemento (conjunto unitário) e coleção sem nenhum elemento (conjunto vazio).

Leia mais

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1 Faculdades Pitágoras de Uberlândia Sistemas de Informação Disciplina: Matemática Básica 1 Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2010 Professor Walteno

Leia mais

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU 1 EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU Equação do 1º grau Chamamos de equação do 1º grau em uma incógnita x, a qualquer expressão matemática que pode ser escrita sob a forma: em que a e b são números reais,

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

AULA 6 LÓGICA DOS CONJUNTOS

AULA 6 LÓGICA DOS CONJUNTOS Disciplina: Matemática Computacional Crédito do material: profa. Diana de Barros Teles Prof. Fernando Zaidan AULA 6 LÓGICA DOS CONJUNTOS Intuitivamente, conjunto é a coleção de objetos, que em geral, tem

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

Unidade Curricular Matemática Aplicada Prof. Angelo Gonçalves da Luz Teoria dos Conjuntos

Unidade Curricular Matemática Aplicada Prof. Angelo Gonçalves da Luz Teoria dos Conjuntos Unidade Curricular Matemática Aplicada Prof. Angelo Gonçalves da Luz Teoria dos Conjuntos 1) O tipo float está contido dentro de quais conjuntos? (Mais de uma alternativa pode ser marcada como correta).

Leia mais

MATEMÁTICA PRINCÍPIOS

MATEMÁTICA PRINCÍPIOS MTEMÁTI PRINÍPIOS PÍTULO NÚMEROS oneões Podemos imaginar um campo de futebol no qual desejamos ir de uma trave à outra. Pode-se seguir este raciocínio: Na caminhada, em determinado momento, estaremos na

Leia mais

Assunto: Conjuntos Numéricos Professor: Daniel Ferretto

Assunto: Conjuntos Numéricos Professor: Daniel Ferretto Todas as questões encontram-se comentadas na videoaula do canal maismatemática, disponível para visualização gratuita no seguinte link: https://www.youtube.com/watch?v=tlsqgpe7td8 NÍVEL BÁSICO 1. (G1 -

Leia mais

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 3.1 - IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução:

Leia mais

Universidade Federal Fluminense ICEx Volta Redonda Introdução a Matemática Superior Professora: Marina Sequeiros

Universidade Federal Fluminense ICEx Volta Redonda Introdução a Matemática Superior Professora: Marina Sequeiros . Conjuntos numéricos Objetivo: aprender sobre conjuntos numéricos, suas operações e propriedades..1 Conjunto dos números naturais (IN) O conjunto dos números naturais é representado por IN e IΝ{0;1;;;...}.

Leia mais

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1.º e 2.º Ciclos do Ensino Básico. I. Conjuntos

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores do 1.º e 2.º Ciclos do Ensino Básico. I. Conjuntos I. Conjuntos 1. Introdução e notações 1.1. Relação de pertença 1.2. Modos de representar um conjunto 1.3. Classificação de conjuntos quanto ao número de elementos 1.4. Noção de correspondência 2. Relações

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016

Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 1.º Período Conteúdos Programados Previstas Dadas Números e Operações Utilizar corretamente os numerais ordinais até vigésimo. Ler e representar

Leia mais

Introdução MATRIZES. O que vocês acham? Onde podemos usar Matrizes além dos estudos de matemática?

Introdução MATRIZES. O que vocês acham? Onde podemos usar Matrizes além dos estudos de matemática? PROBBILIDDES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais Introdução rrelva@globo.com O crescente uso dos computadores tem feito com que a teoria das matrizes seja cada vez mais aplicada. Onde

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos A U L A Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Introdução Você já sabe que peças da área da Mecânica têm formas e elementos variados. Algumas apresentam rebaixos, outras rasgos,

Leia mais

MÓDULO 6 INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE

MÓDULO 6 INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE MÓDULO 6 INTRODUÇÃO À PROBBILIDDE Quando estudamos algum fenômeno através do método estatístico, na maior parte das vezes é preciso estabelecer uma distinção entre o modelo matemático que construímos para

Leia mais

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Nesse artigo vamos discutir algumas abordagens diferentes na Teoria dos Números, no sentido de envolverem também outras grandes áreas, como

Leia mais

.x.y.z A B = {1,2,3,4} Conjunto das Partes CONJUNTOS. Nomenclatura: Conjuntos Letras maiúsculas Elementos Letras minúsculas

.x.y.z A B = {1,2,3,4} Conjunto das Partes CONJUNTOS. Nomenclatura: Conjuntos Letras maiúsculas Elementos Letras minúsculas Nomenclatura: Representação:.x.y.z CONJUNTOS Conjuntos Letras maiúsculas Elementos Letras minúsculas A = {x,y,z}- Entre chaves Diagrama de Euler-Venn Descrição de um Conjunto Enumerado - A= {a,e,i,o,u}

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 010 1 a Fase Profa Maria Antônia Gouveia QUESTÃO 01 Sobre números reais, é correto afirmar: (01) Se m é um número inteiro divisível por e n é um número inteiro divisível

Leia mais

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Toda vez que você se refere a um valor ligado a uma unidade de medir, significa que, de algum modo, você realizou uma medição. O que você expressa é,

Leia mais

I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA TAXAS DE JUROS. Taxas Proporcionais

I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA TAXAS DE JUROS. Taxas Proporcionais 1º BLOCO...2 I. Matemática Financeira - André Arruda...2 2º BLOCO...6 I. Matemática - Daniel Lustosa...6 3º BLOCO... 10 I. Tabela de Acumulação de Capital... 10 I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA

Leia mais

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1 APOSTILA 015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 015 1 Sumário 1.Conjuntos...5 1.1 Representação de conjuntos...5 1. Operações com conjuntos...6 1. Propriedades

Leia mais

Ponto, reta e plano no espaço tridimensional, cont.

Ponto, reta e plano no espaço tridimensional, cont. Ponto, reta e plano no espaço tridimensional, cont. Matemática para arquitetura Ton Marar 1. Posições relativas Posição relativa entre pontos Dois pontos estão sempre alinhados. Três pontos P 1 = (x 1,

Leia mais

16 Comprimento e área do círculo

16 Comprimento e área do círculo A UA UL LA Comprimento e área do círculo Introdução Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o círculo, que começou a ser estudado há aproximadamente 4000 anos. Os círculos fazem parte do seu dia-a-dia.

Leia mais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Curso Pró-Técnico Disciplina: Matemática Texto Experimental 1 a Edição Antonio José Bento Bottion e Paulo Henrique Cruz Pereira Varginha Minas Gerais

Leia mais

quociente razão. mesma área a partes de um tablete de chocolate

quociente razão. mesma área a partes de um tablete de chocolate 1 As sequências de atividades Vamos relembrar, Como lemos os números racionais?, Como escrevemos os números racionais?, As partes das tiras de papel, Comparando e ordenando números racionais na forma decimal

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

MD Teoria dos Conjuntos 1

MD Teoria dos Conjuntos 1 Teoria dos Conjuntos Renato Martins Assunção assuncao@dcc.ufmg.br Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br MD Teoria dos Conjuntos 1 Introdução O que os seguintes objetos têm em comum? um

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

(c) 2a = b. (c) {10,..., 29}

(c) 2a = b. (c) {10,..., 29} 11 Atividade extra UNIDADE CONJUTOS Fascículo 4 Matemática Unidade 11 Conjuntos Exercı cio 11.1 Sejam os conjuntos A = {a, 7, 0} e B = {0, 1, b}, tal que os conjuntos A e B sejam iguais. Qual é a relação

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação Números e funções Guia do professor Experimento Otimização da cerca Objetivos da unidade 1. Resolver um problema de otimização através do estudo de uma função quadrática. 2. Estudar as propriedades de

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/59 2 - FUNDAMENTOS 2.1) Teoria dos Conjuntos 2.2) Números

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática Disciplina: Estruturas Algébricas Profs.: Elisangela S. Farias e Sérgio Motta Operações

Leia mais

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I:

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Vetores e Forças 2.VETORES 2.1 Introdução Os vetores são definidos como entes matemáticos que dão noção de intensidade, direção e sentido. De forma prática, o conceito de vetor pode

Leia mais

BOM DIA!! ÁLGEBRA. Aula 3 COM JENNYFFER LANDIM. jl.matematica@outlook.com

BOM DIA!! ÁLGEBRA. Aula 3 COM JENNYFFER LANDIM. jl.matematica@outlook.com BOM DIA!! ÁLGEBRA COM JENNYFFER LANDIM Aula 3 jl.matematica@outlook.com Números inteiros: operações e propriedades Adição Os termos da adição são chamadas parcelas e o resultado da operação de adição é

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS

3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS 3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS Introdução É o conjunto de todos os números que estão ou podem ser colocados em forma de fração. Fração Quando dividimos um todo em partes iguais e queremos representar

Leia mais

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B RELAÇÕES BINÁRIAS PARES ORDENADOS Um PAR ORDENADO, denotado por (x,y), é um par de elementos onde x é o Primeiro elemento e y é o Segundo elemento do par A ordem é relevante em um par ordenado Logo, os

Leia mais

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2)

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Nessa aula continuaremos nosso estudo sobre limites de funções. Analisaremos o limite de funções quando o x ± (infinito). Utilizaremos o conceito

Leia mais

A equação do 2º grau

A equação do 2º grau A UA UL LA A equação do 2º grau Introdução Freqüentemente, ao equacionarmos um problema, obtemos uma equação na qual a incógnita aparece elevada ao quadrado. Estas são as chamadas equações do 2º grau.

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 13 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

Canguru Matemático sem Fronteiras 2014

Canguru Matemático sem Fronteiras 2014 http://www.mat.uc.pt/canguru/ Destinatários: alunos do 9. o ano de escolaridade Nome: Turma: Duração: 1h 30min Não podes usar calculadora. Em cada questão deves assinalar a resposta correta. As questões

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

Unidade 5: Sistemas de Representação

Unidade 5: Sistemas de Representação Arquitetura e Organização de Computadores Atualização: 9/8/ Unidade 5: Sistemas de Representação Números de Ponto Flutuante IEEE 754/8 e Caracteres ASCII Prof. Daniel Caetano Objetivo: Compreender a representação

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

Domínio Subdomínio Conteúdos Metas

Domínio Subdomínio Conteúdos Metas Escola Básica e Secundária da Graciosa Planificação Anual de Matemática de 1º ano Ano letivo 2014/2015 Períodos Domínio Subdomínio Conteúdos Metas Situar-se e situar objetos no espaço - Relações de posição

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Índice Pg. Números Naturais... 02 Números Inteiros... 06 Números Racionais... 23 Números Decimais... - Dízimas Periódicas... - Expressões Numéricas... - Divisibilidade...

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

Matéria: Matemática Assunto: Divisores e Múltiplos Prof. Dudan

Matéria: Matemática Assunto: Divisores e Múltiplos Prof. Dudan Matéria: Matemática Assunto: Divisores e Múltiplos Prof. Dudan Matemática Divisores e Múltiplos Os múltiplos e divisores de um número estão relacionados entre si da seguinte forma: Se 15 é divisível por

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

Revisão ENEM. Conjuntos

Revisão ENEM. Conjuntos Revisão ENEM Conjuntos CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS N Números naturais são aqueles utilizados na contagem dos elementos de um conjunto. N = {0,1,2,3,...} N* = {1,2,3,4,...} CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS

Leia mais

Resolvendo problemas com logaritmos

Resolvendo problemas com logaritmos A UA UL LA Resolvendo problemas com logaritmos Introdução Na aula anterior descobrimos as propriedades dos logaritmos e tivemos um primeiro contato com a tábua de logarítmos. Agora você deverá aplicar

Leia mais

Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2008 Nível 1

Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2008 Nível 1 OBMEP 00 Nível 1 1 QUESTÃO 1 Como Leonardo da Vinci nasceu 91 anos antes de Pedro Américo, ele nasceu no ano 14 91 = 145. Por outro lado, Portinari nasceu 451 anos depois de Leonardo da Vinci, ou seja,

Leia mais

Matemática I Conjuntos Conjuntos Numéricos. Prof.: Joni Fusinato 1

Matemática I Conjuntos Conjuntos Numéricos. Prof.: Joni Fusinato  1 Matemática I Conjuntos Conjuntos Numéricos Prof.: Joni Fusinato joni.fusinato@ifsc.edu.br jfusinato@gmail.com 1 Teoria dos Conjuntos Teoria matemática dedicada ao estudo da associação entre objetos com

Leia mais

O B. Podemos decompor a pirâmide ABCDE em quatro tetraedros congruentes ao tetraedro BCEO. ABCDE tem volume igual a V = a2.oe

O B. Podemos decompor a pirâmide ABCDE em quatro tetraedros congruentes ao tetraedro BCEO. ABCDE tem volume igual a V = a2.oe GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Setembro de 0 Questão. (pontuação: ) No octaedro regular duas faces opostas são paralelas. Em um octaedro regular de aresta a, calcule a distância entre duas faces opostas. Obs:

Leia mais

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas.

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas. Definições Básicas Introdução à Estatística ESTATÍSTICA: estudo dos métodos para coletar, organizar, apresentar e analisar dados. População: conjunto constituído por todos os indivíduos que apresentem

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 4. Representação dos Números Inteiros (Sistemas de Numeração)

MA14 - Aritmética Unidade 4. Representação dos Números Inteiros (Sistemas de Numeração) MA14 - Aritmética Unidade 4 Representação dos Números Inteiros (Sistemas de Numeração) Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo

Leia mais

Conselho de Docentes do 1.º Ano PLANIFICAÇÃO Anual de Matemática Ano letivo de 2015/2016

Conselho de Docentes do 1.º Ano PLANIFICAÇÃO Anual de Matemática Ano letivo de 2015/2016 Conselho de Docentes do 1.º Ano PLANIFICAÇÃO Anual de Matemática Ano letivo de 2015/2016 Domínios/Subdomínios Objetivos gerais Descritores de desempenho Avaliação Números e Operações Números naturais Contar

Leia mais

Fundamentos de Matemática

Fundamentos de Matemática Fundamentos de Matemática Aula 1 Antonio Nascimento Plano de Ensino Conteúdos Teoria dos Conjuntos; Noções de Potenciação, Radiciação; Intervalos Numéricos; Fatoração, Equações e Inequações; Razão, Proporção,

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questão TIPO DE PROVA: A Se a circunferência de um círculo tiver o seu comprimento aumentado de 00%, a área do círculo ficará aumentada de: a) 00% d) 00% b) 400% e) 00% c) 50% Aumentando o comprimento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de Matemática 1º ano Ano Letivo 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de Matemática 1º ano Ano Letivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO 1º Ciclo Planificação Anual de Matemática 1º ano Ano Letivo 2015/2016 1º Trimestre Domínios Números e Operações Números naturais Contar até cinco Correspondências

Leia mais

Conceitos e fórmulas

Conceitos e fórmulas 1 Conceitos e fórmulas 1).- Triângulo: definição e elementos principais Definição - Denominamos triângulo (ou trilátero) a toda figura do plano euclidiano formada por três segmentos AB, BC e CA, tais que

Leia mais

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental 1. (alternativa C) Os números 0,01 e 0,119 são menores que 0,12. Por outro lado, 0,1 e 0,7 são maiores que 0,. Finalmente, 0,29 é maior que 0,12 e menor

Leia mais

Francisco Ramos. 100 Problemas Resolvidos de Matemática

Francisco Ramos. 100 Problemas Resolvidos de Matemática Francisco Ramos 100 Problemas Resolvidos de Matemática SUMÁRIO Questões de vestibulares... 1 Matrizes e Determinantes... 25 Geometria Plana e Espacial... 39 Aritmética... 61 QUESTÕES DE VESTIBULARES

Leia mais

MATERIAL MATEMÁTICA I

MATERIAL MATEMÁTICA I MATERIAL DE MATEMÁTICA I CAPÍTULO I REVISÃO Curso: Administração 1 1. Revisão 1.1 Potência de Epoente Inteiro Seja a um número real e m e n números inteiros positivos. Podemos observar as seguintes propriedades

Leia mais

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar GAAL - 201/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar SOLUÇÕES Exercício 1: Determinar os três vértices de um triângulo sabendo que os pontos médios de seus lados são M = (5, 0, 2), N = (, 1, ) e P = (4,

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hewlett-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 04 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luís Ano: 2015 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 2 Número de elementos

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 1 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

Sistemas Lineares. 2. (Ufsj 2013) Considere o seguinte sistema de equações lineares, nas incógnitas x, y e z:

Sistemas Lineares. 2. (Ufsj 2013) Considere o seguinte sistema de equações lineares, nas incógnitas x, y e z: Sistemas Lineares 1. (Unesp 2013) Uma coleção de artrópodes é formada por 36 exemplares, todos eles íntegros e que somam, no total da coleção, 113 pares de patas articuladas. Na coleção não há exemplares

Leia mais

Calculando probabilidades

Calculando probabilidades A UA UL LA Calculando probabilidades Introdução evento E é: P(E) = Você já aprendeu que a probabilidade de um nº deresultadosfavoráveis nº total de resultados possíveis Nesta aula você aprenderá a calcular

Leia mais

Simetria Externa. Universidade de São Paulo. Instituto de Química de São Carlos. Departamento de Química e Física Molecular. SQM 409 - Cristalografia

Simetria Externa. Universidade de São Paulo. Instituto de Química de São Carlos. Departamento de Química e Física Molecular. SQM 409 - Cristalografia Universidade de São Paulo Instituto de Química de São Carlos Departamento de Química e Física Molecular Simetria Externa SQM 09 - Cristalografia Prof. Dr. Maria Teresa do Prado Gambardella . Simetria Externa

Leia mais

Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas

Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas Professor: Arthur Lima AULA 05: RESUMO Caro aluno, Para finalizar nosso curso, preparei um resumo de toda a teoria vista nas

Leia mais

I. Experimentos Aleatórios

I. Experimentos Aleatórios A teoria do azar consiste em reduzir todos os acontecimentos do mesmo gênero a um certo número de casos igualmente possíveis, ou seja, tais que estejamos igualmente inseguros sobre sua existência, e em

Leia mais

Equações do segundo grau

Equações do segundo grau Módulo 1 Unidade 4 Equações do segundo grau Para início de conversa... Nesta unidade, vamos avançar um pouco mais nas resoluções de equações. Na unidade anterior, você estudou sobre as equações de primeiro

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência:

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: FUNÇÃO DO 1º GRAU Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: Correspondência: é qualquer conjunto de pares ordenados onde o primeiro elemento pertence ao primeiro

Leia mais

AULA 5 QUANTIFICADORES, PREDICADOS E VALIDADE

AULA 5 QUANTIFICADORES, PREDICADOS E VALIDADE Disciplina: Matemática Computacional Prof. Diana de Barros Teles AULA 5 QUANTIFICADORES, PREDICADOS E VALIDADE Quantificadores: são frases do tipo para todo, ou para cada, ou para algum, isso é, frases

Leia mais

a 1 x 1 +... + a n x n = b,

a 1 x 1 +... + a n x n = b, Sistemas Lineares Equações Lineares Vários problemas nas áreas científica, tecnológica e econômica são modelados por sistemas de equações lineares e requerem a solução destes no menor tempo possível Definição

Leia mais

COMO ENSINEI MATEMÁTICA

COMO ENSINEI MATEMÁTICA COMO ENSINEI MATEMÁTICA Mário Maturo Coutinho COMO ENSINEI MATEMÁTICA.ª edição 511 9 AGRADECIMENTOS À Deus À minha família Aos mestres da matemática do C.E.Visconde de Cairu APRESENTAÇÃO O objetivo deste

Leia mais

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase NIVELAMENTO 00/ MATEMÁTICA BÁSICA Núcleo Básico da Primeira Fase Instituto Superior Tupy Nivelamento de Matemática Básica ÍNDICE. Regras dos Sinais.... Operações com frações.... Adição e Subtração....

Leia mais

CONJUNTOS. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais. Uma breve história. Alguns conceitos primitivos CONJUNTOS ELEMENTOS

CONJUNTOS. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais. Uma breve história. Alguns conceitos primitivos CONJUNTOS ELEMENTOS PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais rrelva@globo.com 1 Uma breve história e administrar os seus bens de forma a não ser enganado. O homem sempre teve a necessidade de se

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 4

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 4 Lei de Gauss Considere uma distribuição arbitrária de cargas ou um corpo carregado no espaço. Imagine agora uma superfície fechada qualquer envolvendo essa distribuição ou corpo. A superfície é imaginária,

Leia mais

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo.

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. 1. Círculos e cilindros 1.1. Planificação da superfície de um cilindro Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. A planificação

Leia mais

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48 Conteúdo 1 Princípios de Contagem e Enumeração Computacional Permutações com Repetições Combinações com Repetições O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos > Princípios de Contagem e Enumeração

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores Algoritmos e Estrutura de Dados III Árvores Uma das mais importantes classes de estruturas de dados em computação são as árvores. Aproveitando-se de sua organização hierárquica, muitas aplicações são realizadas

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14 EQUAÇÃO DO 1º GRAU EQUAÇÃO: Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que esteja escrita em linguagem matemática. Esta

Leia mais

5 Equacionando os problemas

5 Equacionando os problemas A UA UL LA Equacionando os problemas Introdução Nossa aula começará com um quebra- cabeça de mesa de bar - para você tentar resolver agora. Observe esta figura feita com palitos de fósforo. Mova de lugar

Leia mais

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações O número racional pode ser definido a partir da aritmética fechamento da operação de divisão entre inteiros ou partir da geometria

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto Material Teórico - Módulo de Divisibilidade MDC e MMC - Parte 1 Sexto Ano Prof. Angelo Papa Neto 1 Máximo divisor comum Nesta aula, definiremos e estudaremos métodos para calcular o máximo divisor comum

Leia mais

Atenção: o conjunto vazio é representado por { } 1.2 Pertinência e Inclusão

Atenção: o conjunto vazio é representado por { } 1.2 Pertinência e Inclusão Módulo 1 Conjuntos A Teoria dos Conjuntos foi estabelecida por Georg Ferdinand Ludwig Cantor (1845 1918). Em meados do século XX, a Teoria dos Conjuntos exerceu profundos efeitos sobre o ensino da Matemática.

Leia mais

CURSO ON LINE RACIOCÍNIO LÓGICO PARA DESESPERADOS PROFESSORES: GUILHERME NEVES E VÍTOR MENEZES

CURSO ON LINE RACIOCÍNIO LÓGICO PARA DESESPERADOS PROFESSORES: GUILHERME NEVES E VÍTOR MENEZES 1 1. CONJUNTOS... 3 1 Introdução... 3 2 Formas de representação de conjuntos... 4 3 Conjunto universo... 7 4 Subconjuntos.... 8 5 Conjuntos em que os elementos também são conjuntos.... 10 6 Operações com

Leia mais

GABARITO PROVA B GABARITO PROVA A. Colégio Providência Avaliação por Área 1ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

GABARITO PROVA B GABARITO PROVA A. Colégio Providência Avaliação por Área 1ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Colégio Providência Avaliação por Área Matemática e suas tecnologias 1ª ETAPA Data: 11/05/015 1ª SÉRIE ENSINO MÉDIO GABARITO PROVA A GABARITO PROVA B A B C D 1 XXXX xxxxx xxxxx xxxxx 3 4 5 6 7 8 9 10 11

Leia mais