Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas"

Transcrição

1 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática Disciplina: Estruturas Algébricas Profs.: Elisangela S. Farias e Sérgio Motta Operações Binárias 0.1 Definição. Seja A um conjunto. Uma operação binária é uma aplicação de AA em A, ou seja, é uma regra que associa a cada par ordenado de elementos de A, algum elemento em A: : A A! A (a; b) 7! a b Observe que a operação binária num conjunto A é uma regra de nida para todos os pares ordenados de elementos de A. Observe também o seguinte : uma operação binária em A é uma regra que associa a cada par de elementos em A algum elemento que também está em A. Esta exigência de que o elemento associado ou resultante pela regra também esteja em A é conhecida como condição de fechamento. Dizemos assim que A é um conjunto fechado sob a operação binária. E a operação binária é também chamada lei de composição interna. Exemplos e Contraexemplos Exemplo 0.1. A operação usual de adição no conjunto dos números reais, R (e também em C ou Z) é uma operação binária. Exemplo 0.2. A operação usual de multiplicação no conjunto dos números reais, R é uma operação binária. operação Exemplo 0.3. Seja M(R) o conjunto de todas as matrizes com entradas reais. + : M(R) M(R)! M(R) A

2 2 (A; B) 7! A + B não é uma operação binária. Exemplo 0.4. Seja M = M mn (R) o conjunto das matrizes de tamanho m n com elementos reais, então a adição usual de matrizes é uma operação binária. Exemplo 0.5. Seja M = M n (R) o conjunto das matrizes quadradas de ordem n com elementos reais, a operação multiplicação de matrizes é uma operação binária. Exemplo 0.6. A subtração em Z (e também em Q,R e C) é uma operação binária. Exemplo 0.7. A subtração em N não é uma operação binária. Exemplo 0.8. Consideremos + : R R! R (a; b) 7! a + b: Agora, analisemos se esta é uma operação binária. Exemplo 0.9. Consideremos : N N! N dada por (a; b) 7! a b, a operação de potenciação em N é uma operação binária em N : Consideremos os exemplos abaixo, analisando se apresentam uma operação binária: Exemplo A operação de potenciação em Z: Exemplo A operação de potenciação em Q: Exemplo A operação de potenciação em R: Exemplo A operação de divisão em Q e em R. Exemplo A operação de divisão em N, Z, Q, R, N e em Z Exemplo Seja F = F (R) o conjunto das funções de R em R. Para cada par ordenado de funções (f; g) 2 F F, de nimos as seguintes operações binárias: ADIÇÃO DE FUNÇÃO + : F F! F

3 3 (f; g) 7! f + g MULTIPLICAÇÃO DE FUNÇÃO : F F! F (f; g) 7! f g SUBTRAÇÃO DE FUNÇÃO : F F! F (f; g) 7! f g COMPOSIÇÃO DE FUNÇÃO : F F! F (f; g) 7! f g Exemplo Vamos de nir em Z + uma operação * por : Z + Z +! Z + (a; b) 7! a b onde a b é igual ao menor valor de a e b ou o valor comum se a = b. Exemplo Seja 0 : Z + Z +! Z + (a; b) 7! a 0 b onde a 0 b = (a b) + 2 e é a operação de nida no exemplo anterior. Exemplo : Z + Z +! Z + (a; b) 7! a 00 b onde a 00 b = a. 0.2 Definição. Uma operação binária em A é comutativa se a b = b a para todo a; b 2 A

4 4 Exemplo Analisando os exemplos anteriores, temos operações comutativas em...(responder). 0.3 Definição. Seja : AA! A uma operação binária sobre um conjunto A. O elemento a 1 a 2 a 3 é o elemento obtido determinando primeiramente (a 1 a 2 ) e daí (a 1 a 2 ) a 3. De nimos por indução a 1 a 2 ::: a n = (a 1 ::: a n 1 ) a n : Costuma-se usar os parênteses para enfatizar que vamos primeiro determinar a 1 a 2 (= a 4 ) e então operar a 4 a 3 Esta convenção para a notação é referida como associação à esquerda. 0.4 Definição. Uma operação binária em A é associativa se (a b) c = a (b c) para todo a; b; c 2 A. Se a operação binária for associativa, quaisquer expressão do tipo a 1 a 2 ::: a n serão consideradas sem ambiguidade. Qualquer modo de inserir parênteses para reduzir o cálculo a uma sequência com operações binárias resultará sempre no mesmo elemento de A. E nesse caso, não há necessidade de usar os parênteses. Exemplo A operação de adição em Z é associativa (a + b) + c = a + (b + c) Exemplo A operação de subtração em Z não é associativa. Exemplo Analisemos os exemplos anteriores e veri quemos quais apresentam operação binária associativa. Exemplo Analisemos os exemplos anteriores e veri quemos quais apresentam operação binária não associativa. 0.5 Definição. Dizemos que e 2 A é um elemento neutro à esquerda para a operação quando e x = x para todo x 2 A: E dizemos que e 2 A é um elemento neutro à direita para a operação quando x e = x

5 5 para todo x 2 A: Se e é um elemento neutro à direita e à esquerda para, então dizemos que e é elemento neutro para esta operação. Exemplo A subtração em Z admite 0 como elemento neutro à direita pois x 0 = x; 8x 2 Z, mas não possui elemento neutro à esquerda pois não existe e tal que e x = x; 8x 2 Z Exemplo A divisão em R admite 1 como elemento neutro à direita pois x : 1 = x; 8x 2 R mas não possui elemento neutro à esquerda pois não existe e tal que e : x = x; 8x 2 R : Exemplo Considerando a operação : R R! R (x; y) 7! y; percebemos que ela tem in nitos elementos neutros à esquerda pois e y = y; 8y 2 R é satisfeita por qualquer elemento de R, mas não existe e tal que x e = x; 8x 2 R 0.6 Teorema. Se a operação tem um elemento neutro e, ele é único. 0.7 Definição. Seja uma operação binária com elemento neutro e. Dizemos que x 2 A é um elemento simetrizável se existe y 2 A tal que x y = e = y x: O elemento y é chamado simétrico de x para a operação. Quando a operação é uma adição, +, o simétrico de x também é chamado oposto de x e indicado por x. Quando a operação é uma multiplicação,, o simétrico de x é chamado inverso de x e indicado por x 1. Exemplo é um elemento simetrizável para a adição em Z e seu simétrico é 2 pois 2 + ( 2) = 0 = ( 2) + 2: Exemplo é um elemento simetrizável para a multiplicação em Q e seu simétrico é 1 = 0; 5 pois 2 0; 5 = 1 = 1 2: 2 2

6 6 Exemplo não é simetrizável para a multiplicação em Q pois não há elemento y 2 Q tal que 0 y = 1 = y 0 Exemplo não é simetrizável para a multiplicação em Z pois não existe y 2 Z tal que 2 y = 1 = y 2: 0 1 Exemplo 1 2 A é simetrizável para a adição em M 22 (R) e seu simétrico é A 1 2 A 1 2 A 0 0 A 1 2 A 1 2 A Exemplo 1 3 A é simetrizável para a multiplicação em M 2 (R) e seu simétrico 5 3 A A 1 0 A 5 3 A A. 1 2 A não é simetrizável para a mesma operação De um modo geral, toda matriz B 2 M 2 (R) 0 cujo1determinante é igual a zero não é simetrizável, enquanto, se det(b) 6= 0, para B a b A, B é simetrizável e seu simétrico c d 1 é dado d b A : ad bc c a Exemplo Todo elemento1 é simetrizável para a adição em0 M mn (R). Seja A 2 a 11 a 12 ::: a 1n a 11 a 12 ::: a 1n a M mn (R); A = 21 a 22 ::: a 2n a. B.... e seu simétrico é B = ( A) = 21 a 22 ::: a 2n.. C a m1 a m2 ::: a mn a m1 a m2 ::: a mn onde a ij ; 1 6 i 6 m e 1 6 j 6 n é o simétrico de a ij para a adição em R. 1 C A Exemplo A função f(x) = 2x + 1 é bijetora de R em R, logo existe a função inversa de f, f 1 (x) = x 1 2 tal que f 1 f = id = f f 1 ; onde id é a função identidade de R em R. Então f é um elemento simetrizável para a composição em F (R). Já a função g(x) = x 2 não é uma bijeção e consequentemente, não é um elemento simetrizável para a mesma operação. 0.8 Teorema. Se a operação em A é associativa, tem elemento neutro e, e um elemento x 2 A é simetrizável, então o simétrico de x é único.

7 7 0.9 Teorema. Seja uma operação em A com elemento neutro e. (a) Se x 2 A é simetrizável, então x 1 também é e (x 1 ) 1 = x: (b)se é associativa, x; y 2 A são simetrizáveis, então xy é simetrizável e (xy) 1 = y 1 x 1 : 0.10 Definição. Sendo uma operação sobre A, com elemento neutro e, indica-se por [ (A) = fx 2 A; 9x 1 2 A; x 1 x = e = x x 1 g o conjunto dos elementos simetrizáveis para esta operação em A. Exemplo [ + (N) = f0g Exemplo [ + (Z) = Z Exemplo [ (Z) = f1; 1g Exemplo [ (R) = R Exemplo [ + (M mn (R)) = M mn (R) Exemplo [ (M 22 (R)) = a b Ag; a; b; c; d 2 R e ad c d geral, [ (M n (R)) = fa 2 M n (R); det(a) 6= 0g: bc 6= 0. De forma Note que U (A) 6= ; pois e 2 U (A) uma vez que e e = e: 0.11 Definição. Um elemento 2 A é um elemento absorvente para uma operação se a = = a ; 8a 2 A: Exemplo = 0 é elemento absorvente em R com a multiplicação pois 0 a = 0 = a 0; 8a 2 R: Exemplo De nindo : R R! R (a; b) 7! a b = a + b ab: Temos = 1 elemento absorvente Definição. Dizemos que um elemento a 2 A é regular (ou simpli cável) em relação à operação se:

8 8 (1) a x = a y ) x = y; 8x; y 2 A e (2) x a = y a ) x = y; 8x; y 2 A Se temos apenas (1), dizemos que a é regular à esquerda. Se temos apenas (2), dizemos que a é regular à direita. Exemplo é regular para a adição em N pois 3 + x = 3 + y ) x = y; 8x; y 2 N Exemplo é regular para a multiplicação em Z pois 3x = 3y ) x = y; 8x; y 2 N Exemplo não é regular para a multiplicação em Z. Exemplo 1 2 A é regular para a adição em M 22 (R): 3 4 Exemplo A não é regular para a multiplicação em M 2 (R): 0.13 Teorema. Se a operação é associativa, tem neutro e, e um elemento a 2 A é simetrizável, então a é regular Definição. Sendo uma operação sobre A, indica-se por R (A) = fa 2 A; a x = a y ) x = y e x a = y a ) x = y; 8x; y 2 A: o conjunto dos elementos regulares para esta operação em A. Exemplo R + (N) = N Exemplo [ (Z) = Z Exemplo [ + (M mn (R)) = M mn (R) Exemplo Identi quemos para a operação de potenciação em N, os elementos regulares. Note que se tem elemento neutro em A, então e 2 R (A); portanto, R (A) 6= ;: Além disso, se é associativa, então [ (A) R (A); conforme proposição 0.13.

9 Definição. Sejam e 4 duas operações sobre A. Dizemos que 4 é distributiva em relação a se: (1) x4(y z) = (x4y) (y4x) (2) (y z)4x = (y4x) (z4x); 8x; y; z 2 A: Se vale (1), dizemos que 4 é distributiva à esquerda de. Se vale (1), dizemos que 4 é distributiva à direita de. Se 4 é comutativa, então distributiva à esquerda e distributiva à direita são equivalentes. Exemplo A multiplicação em Z é distributiva em relação à adição em Z pois para todos x; y; z 2 Z temos x(y + z) = xy + xz e (y + z)x = yx + zx Exemplo A multiplicação é distributiva em relação à adição em M n (R): Exemplo A potenciação é distributiva à direita em relação à multiplicação em N; mas não é distributiva à esquerda Definição. Seja uma operação sobre um conjunto A 6= ;: Seja B um subconjunto não vazio de A: Dizemos que B é uma parte fechada para a operação (ou simplesmente que B é fechado ), se a restrição de a B B é uma operação sobre B, isto é, se para todos x; y 2 B temos x y 2 B. Exemplo O conjunto Q dos números racionais é fechado para a operação de adição sobre R. Exemplo O conjunto dos números irracionais não é fechado para a operação de adição sobre R. Exemplo Z + = fx 2 Z; x > 0g; o conjunto dos números inteiros estritamente positivos é fechado sob a operação de adição e não é fechado sob a operação de subtração. Exemplo O conjunto dos números reais positivos, R +, é fechado para multiplicação sobre R: Exemplo O conjunto R de multiplicação sobre R: dos números negativos não é fechado para a operação Exemplo As funções bijetoras de R em R formam um subconjunto A fechado de F para a operação composição.

10 10 Tábua de uma operação Se A é um conjunto nito, uma operação binária em A pode ser de nida através de uma tábua. Vejamos como construir e analisar essa tábua para identi carmos características e propriedades da operação no conjunto apresentado. Seja A = fa 1 ; a 2 ; :::; a n g; (n > 1) um conjunto com n elementos. Cada operação sobre A é uma aplicação : A A! A que associa a cada par (a i ; a j ); 1 6 i; j 6 n o elemento a i a j = a ij : Vamos apresentar esse elemento a ij por meio de uma tabela de dupla entrada, fazendo: 1 o ) Chamando a 1 a linha e a 1 a coluna, respectivamente de linha fundamental e coluna fundamental, colocamos tanto nesta linha como na coluna, todos os elementos do conjunto A ordenadamente. E chamamos de i-ésima linha aquela que começa com a i e de j-ésima coluna aquela que começa com a j : 2 o ) Dado um elemento a i na coluna fundamental e um elemento a j na linha fundamental, marcamos na interseção da linha i com a coluna j; o elemento correspondente a ij : a 1 a 2 ::: a i ::: a j ::: a n a 1 a 11 a 12 a 1i a 1j a 1n a 2 a 21 a 22 a 2i a 2j a 2n. a i a i1 a i2 a ii a ij a in. a j a j1 a j2 a ji a jj a jn. a n a n1 a n2 a ni a nj a nn Montemos a tabela dos seguintes exemplos: Exemplo Seja A = f 1; 0; 1g com a operação de multiplicação usual. mdc(a; b): Exemplo Seja A = f1; 3; 5; 15g e : A A! A dada por (a; b) 7! a b =

11 11 Exemplo Seja A = ff 1 ; f 2 ; f 3 g onde as f i ; 1 6 i 6 3 são funções assim descritas: f 1 = f(a; a); (b; b); (c; c)g; f 2 = f(a; b); (b; c); (c; a)g e f 3 = f(a; c); (b; a); (c; b)g: Propriedades Vejamos agora como se pode estudar as propriedades de uma operação binária sobre A = fa 1 ; a 2 ; :::; a n g quando é dada por meio de uma tábua. COMUTATIVA Chamamos de diagonal principal da tábua de uma operação o conjunto formado pelos compostos a 11 ; a 22 ; a 33 ; :::; a nn : Sabemos que uma operação é comutativa se: a i a j = a j a i ; isto é, se a ij = a ji para todo i; j = 1; :::; n: Mas a ij e a ji ocupam posições simétricas relativamente à diagonal principal, portanto uma operação é comutativa desde que sua tábua seja simétrica em relação à diagonal principal, isto é, compostos colocados simetricamente em relação à diagonal principal são iguais. Exemplo Observando as tabelas, temos que os 3 exemplos anteriores apresentam operações comutativas. Exemplo Analisemos a tábua para a operação no conjunto A = fa; b; cg a b c a a b c b b c a c c b a : ELEMENTO NEUTRO Sabemos que um elemento e é neutro para a operação quando: (I) e x = x; 8x 2 A e (II) x e = x; 8x 2 A Da condição (I) decorre que a linha de e é igual à linha fundamental. Da condição (II) decorre que a coluna de e é igual à coluna fundamental. Assim, uma operação tem neutro

12 12 desde que exista um elemento cuja linha e coluna são respectivamente iguais à linha e coluna fundamentais. Exemplo Analisemos as tábuas dos últimos exemplos, observando que os elementos neutros são respectivamente 1; 15; f 1 e a: Exemplo A tábua abaixo nos mostra uma operação sem neutro. Observe que a é neutro à esquerda. a b c a a b c b c a b c b a c : ASSOCIATIVA É a propriedade cuja veri cação exige maior trabalho. Pode ser feita de dois modos: 1 o ) Calcula-se todos os compostos do tipo a i (a j a k ) e (a i a j ) a k com i; j; k 2 f1; 2; :::; ng e compara-os. Notemos que este método exige o cálculo de 2n 3 compostos. 2 o ) Encontra-se um conjunto F dotado de uma operação que se sabe ser associativa, de tal forma que exista f : A! F com as seguintes propriedades: (a) f é bijetora. (b) f(x y) = f(x) f(y); 8x; y 2 A: Neste caso, a lei também será associativa. ELEMENTOS SIMETRIZÁVEIS Sabemos que um elemento a i 2 A é simetrizável para a operação que tem elemento neutro e; quando existe um a j 2 A tal que (I) a i a j = e(= a ij ); (II) a j a i = e(= a ji ): a e: Da condição (I) decorre que a linha de a i deve apresentar ao menos um composto igual igual a e: Da condição (II) decorre que a coluna de a i deve apresentar ao menos um composto

13 13 Como a ij = a ji = e decorre que o neutro deve aparecer em posições simétricas relativamente à diagonal principal. Assim, um elemento a i é simetrizável quando o elemento neutro aparece ao menos uma vez na linha i e na coluna i da tábua ocupando posições simétricas em relação à diagonal principal. Exemplo A tábua abaixo de ne uma operação sobre A = fe; a 1 ; a 2 ; a 3 ; a 4 g que tem neutro e. e a 1 a 2 a 3 a 4 e e a 1 a 2 a 3 a 4 a 1 a 1 a 2 a 3 a 4 e a 2 a 2 a 3 a 4 a 1 a 2 Os elementos simetrizáveis são e; a 1 ; a 4 : a 3 a 3 a 4 a 1 a 2 a 1 a 4 a 4 e a 3 a 4 a 1 ELEMENTOS REGULARES Sabemos que um elemento a 2 A é regular em relação à operação quando (I) x 6= y ) a x 6= a y (II) x 6= y ) x a 6= y a onde x e y são elementos quaisquer de A: Isto signi ca que a é regular quando, composto com elementos distintos (à esquerda deles ou à direita), produz resultados distintos. Assim, um elemento a é regular quando na sua linha não aparecem elementos iguais, ou seja, repetidos e também na sua coluna não aparecem elementos iguais. Exemplo A tábua abaixo de ne uma operação sobre A = fe; a; b; c; dg onde os elementos regulares são e; a; c:

14 14 e a b c d e e a b c d a a b d e c b b c c b b c c d e a b d d e b d b Exemplo Vamos analisar os exemplos 0.61 até Exemplo Sejam P (A) o conjunto das partes de um conjunto qualquer A e consideremos a operação união de conjuntos, [; dada por B [ C = fx; x 2 B ou x 2 Cg; 8B; C 2 P (A): Então [ : P (A) P (A)! P (A) (C 1 ; C 2 ) 7! C 1 [ C 2 é uma operação binária em P (A): Ela é associativa, comutativa, possui elemento neutro, não possui elementos simetrizáveis além do neutro, e possui elemento absorvente. Exemplo De namos agora, \ : P (A) P (A)! P (A) (C 1 ; C 2 ) 7! C 1 \ C 2 : A interseção de conjuntos também é uma operação binária. Vamos analisar quais propriedades ela possui. Exemplo Analisemos agora a operação diferença de conjuntos : P (A) P (A)! P (A) (C 1 ; C 2 ) 7! C 1 C 2 : Exemplo Analisemos agora a operação diferença simétrica 4 : P (A) P (A)! P (A) (C 1 ; C 2 ) 7! C 1 4 C 2 :

15 15 Exemplo Seja Z m = f0; 1; 2; :::; m 1g a classe residual dos inteiros módulo m: E analisemos a operação binária de nida por : Z m Z m! Z m (a; b) 7! a b = a + b Exemplo Consideremos agora a operação binária de nida por : Z m Z m! Z m (a; b) 7! a b = a b Grupóide, Semigrupo e Monóide 0.17 Definição. Um grupóide é um conjunto com uma operação binária Definição. Um semigrupo é um grupóide que satisfaz a propriedade associativa Definição. Um monóide é um semigrupo que possui elemento neutro. Os conjuntos nos quais de nimos uma operação binária são todos grupóides. Veri quemos entre eles quais são semigrupo e quais são monóide. OBS.: Esta apostila têm como objetivo orientar o decorrer da aula, onde os conceitos e resultados aqui descritos serão devidamente desenvolvidos, explicados e exempli cados, sendo portanto imprescindível o acompanhamento da aula para que esta apostila seja, de fato, elucidativa. Referência Bibliográ ca: Birkho e Maclane. Álgebra Moderna Básica. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, Dean. Elementos de Álgebra Abstrata. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e cientí cos Editora S.A.,1974 Domingues e Iezzi. Álgebra Moderna. São Paulo: Atual, Fraleigh. A rst course in Abstract Algebra. USA: Addison-Wesley Publishing Company, 1994(5 a ed).

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus: Mossoró Curso: Licenciatura Plena em Matemática Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Prof.: Robson Pereira de Sousa

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA

OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA Professora: Elisandra Figueiredo OPERAÇÕES - LEIS DE COMPOSIÇÃO INTERNA DEFINIÇÃO 1 Sendo E um conjunto não vazio, toda aplicação f : E E E recebe o nome de operação sobre E (ou em E) ou lei de composição

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Álgebra Moderna Profª Ana Paula OPERAÇÕES

Álgebra Moderna Profª Ana Paula OPERAÇÕES Álgebra Moderna Profª Ana Paula OPERAÇÕES Definição 1: Sendo E. Toda aplicação f : E E E recebe o nome de operação sobre E (ou em E) ou lei de composição interna sobre E (ou em E). Notação: f : E E E fx,

Leia mais

Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas

Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática - Estruturas Algébricas Prof a.: Elisangela Farias e Sérgio Motta FUNÇÕES Sejam X e Y conjuntos.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR Assuntos: Matrizes; Matrizes Especiais; Operações com Matrizes; Operações Elementares

Leia mais

ÁLGEBRA. Isidorio Rodrigues Queiroz. Rio de Janeiro / 2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO

ÁLGEBRA. Isidorio Rodrigues Queiroz. Rio de Janeiro / 2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ÁLGEBRA Conteudista Isidorio Rodrigues Queiroz Rio de Janeiro / 2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE

Leia mais

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Breve referência à Teoria de Anéis Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Anéis Há muitos conjuntos, como é o caso dos inteiros, dos inteiros módulo n ou dos números reais, que consideramos

Leia mais

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Álgebra Linear André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Janeiro/2006 Índice 1 Sistemas Lineares 1 11 Corpos 1 12 Sistemas de Equações Lineares 3 13 Sistemas equivalentes 4 14 Operações elementares

Leia mais

Introdução MATRIZES. O que vocês acham? Onde podemos usar Matrizes além dos estudos de matemática?

Introdução MATRIZES. O que vocês acham? Onde podemos usar Matrizes além dos estudos de matemática? PROBBILIDDES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais Introdução rrelva@globo.com O crescente uso dos computadores tem feito com que a teoria das matrizes seja cada vez mais aplicada. Onde

Leia mais

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias Capítulo 2 Álgebra e imagens binárias Em Análise de Imagens, os objetos mais simples que manipulamos são as imagens binárias. Estas imagens são representadas matematicamente por subconjuntos ou, de maneira

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B RELAÇÕES BINÁRIAS PARES ORDENADOS Um PAR ORDENADO, denotado por (x,y), é um par de elementos onde x é o Primeiro elemento e y é o Segundo elemento do par A ordem é relevante em um par ordenado Logo, os

Leia mais

Matemática Discreta para Ciência da Computação

Matemática Discreta para Ciência da Computação Matemática Discreta para Ciência da Computação P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação

Leia mais

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição 90 1. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 1.1 FUNÇÕES INJETORAS Definição Dizemos que uma função f: A B é injetora quando para quaisquer elementos x 1 e x de A, f(x 1 ) = f(x ) implica x 1 = x. Em

Leia mais

MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA

MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA 1 MÉTODOS DISCRETOS EM TELEMÁTICA MATEMÁTICA DISCRETA Profa. Marcia Mahon Grupo de Pesquisas em Comunicações - CODEC Departamento de Eletrônica e Sistemas - UFPE Outubro 2003 2 CONTEÚDO 1 - Introdução

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

Aulas Teóricas e de Problemas de Álgebra Linear

Aulas Teóricas e de Problemas de Álgebra Linear Aulas Teóricas e de Problemas de Álgebra Linear Nuno Martins Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico Maio de Índice Parte I (Aulas teóricas e chas de exercícios) Matrizes e sistemas de equações

Leia mais

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade Corpos Definição Um corpo é um anel comutativo com elemento identidade em que todo o elemento não nulo é invertível. Muitas vezes é conveniente pensar em ab 1 como sendo a b, quando a e b são elementos

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

AULA 6 LÓGICA DOS CONJUNTOS

AULA 6 LÓGICA DOS CONJUNTOS Disciplina: Matemática Computacional Crédito do material: profa. Diana de Barros Teles Prof. Fernando Zaidan AULA 6 LÓGICA DOS CONJUNTOS Intuitivamente, conjunto é a coleção de objetos, que em geral, tem

Leia mais

Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio de Fatoração Única.

Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio de Fatoração Única. Universidade Estadual de Campinas Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Departamento de Matemática Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio

Leia mais

FUNÇÃO COMO CONJUNTO R 1. (*)= ou, seja, * possui duas imagens. b) não é uma função de A em B, pois não satisfaz a segunda condição da

FUNÇÃO COMO CONJUNTO R 1. (*)= ou, seja, * possui duas imagens. b) não é uma função de A em B, pois não satisfaz a segunda condição da FUNÇÃO COMO CONJUNTO Definição 4.4 Seja f uma relação de A em B, dizemos que f é uma função de A em B se as duas condições a seguir forem satisfeitas: i) D(f) = A, ou seja, o domínio de f é o conjunto

Leia mais

Outras Realidades. Ou: Quão bem conhecemos as nossas operações elementares?

Outras Realidades. Ou: Quão bem conhecemos as nossas operações elementares? Outras Realidades Ou: Quão bem conhecemos as nossas operações elementares? 1 Operações Binárias Todos conhecem + - x Mas o que é uma OPERAÇÃO? 2 Operações Binárias Dado um conjunto A define-se uma operação

Leia mais

MATRIZES Matriz quadrada Matriz linha e matriz coluna Matriz diagonal Matriz identidade

MATRIZES Matriz quadrada Matriz linha e matriz coluna Matriz diagonal Matriz identidade MATRIZES Matriz quadrada matriz quadrada de ordem. diagonal principal matriz quadrada de ordem. - 7 9 diagonal principal diagonal secundária Matriz linha e matriz coluna [ ] colunas). (linha e matriz linha

Leia mais

Podemos concluir: Todas as funções desse tipo passam pelos pontos: (0,0),(-1,-1) e (1,1). Todas as funções desse tipo são exemplos de funções ímpares.

Podemos concluir: Todas as funções desse tipo passam pelos pontos: (0,0),(-1,-1) e (1,1). Todas as funções desse tipo são exemplos de funções ímpares. 4.3 Funções potência Uma função da forma f(x)=x n, onde n é uma constante, é chamada função potência. Os gráficos de f(x)=x n para n=1,2,3,4 e 5 são dados a seguir. A forma geral do gráfico de f(x)=x n

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA QUINZE: Matrizes & Determinantes (Parte II) Olá, amigos! Pedimos desculpas por não ter sido possível apresentarmos esta aula na semana passada. Motivos de força maior nos impediram de fazê-lo, mas

Leia mais

(os números, que constituirão os corpos numéricos) (os vetores, que constituirão os espaços vetoriais)

(os números, que constituirão os corpos numéricos) (os vetores, que constituirão os espaços vetoriais) Os objetos que serão considerados aqui são de duas natureza: Escalar: Vetorial: (os números, que constituirão os corpos numéricos) (os vetores, que constituirão os espaços vetoriais). Corpos Numéricos

Leia mais

ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA. [x] := {y X t.q. x y}.

ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA. [x] := {y X t.q. x y}. ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA 1. Relações de equivalência Seja uma relação de equivalência sobre um conjunto X, isto é, uma rel ção binária que satisfaz as seguintes propriedades i. (Prop. Reflexiva.)

Leia mais

Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133)

Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133) Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133) Notas de aulas Maria Julieta Ventura Carvalho de Araújo (Colaboração: André Arbex Hallack) Março/2010 i Índice 1 Conjuntos 1 1.1 A noção de conjunto e alguns

Leia mais

BOM DIA!! ÁLGEBRA. Aula 3 COM JENNYFFER LANDIM. jl.matematica@outlook.com

BOM DIA!! ÁLGEBRA. Aula 3 COM JENNYFFER LANDIM. jl.matematica@outlook.com BOM DIA!! ÁLGEBRA COM JENNYFFER LANDIM Aula 3 jl.matematica@outlook.com Números inteiros: operações e propriedades Adição Os termos da adição são chamadas parcelas e o resultado da operação de adição é

Leia mais

INE0003 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE0003 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE0003 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/52 7 - ESTRUTURAS ALGÉBRICAS 7.1) Operações Binárias

Leia mais

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES Noções prévias 1. Valor absoluto de um número real: Chama-se valor absoluto ou módulo de um número real ao número x tal que: x se x 0 x = x se x < 0 Está assim denida

Leia mais

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Nesse artigo vamos discutir algumas abordagens diferentes na Teoria dos Números, no sentido de envolverem também outras grandes áreas, como

Leia mais

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012 NIVELAMENTO MATEMÁTICA 202 Monitor: Alexandre Rodrigues Loures Monitor: Alexandre Rodrigues Loures SUMÁRIO. LOGARITMOS... 3.. Mudança de base... 3.2. Propriedades dos logaritmos... 4 2. DERIVADAS... 4

Leia mais

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados Capítulo 3 Cálculo Vetorial O objetivo deste capítulo é o estudo de vetores de um ponto de vista geométrico e analítico. De acordo com a necessidade, a abordagem do assunto será formal ou informal. O estudo

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Índice Pg. Números Naturais... 02 Números Inteiros... 06 Números Racionais... 23 Números Decimais... - Dízimas Periódicas... - Expressões Numéricas... - Divisibilidade...

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing)

Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing) ISCTE, Escola de Gestão Aula 5 - Matemática (Gestão e Marketing) Diana Aldea Mendes 29 de Outubro de 2008 Espaços Vectoriais Definição (vector): Chama-se vector edesigna-sepor v um objecto matemático caracterizado

Leia mais

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é:

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é: Função Toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. Definição formal:

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

Este apêndice resume os conceitos de álgebra matricial, inclusive da álgebra de probabilidade,

Este apêndice resume os conceitos de álgebra matricial, inclusive da álgebra de probabilidade, D Resumo de Álgebra Matricial Este apêndice resume os conceitos de álgebra matricial, inclusive da álgebra de probabilidade, necessária para o estudo de modelos de regressão linear múltipla usando matrizes,

Leia mais

11 a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark, LERCI, LEGI, LEE 1 o semestre 2003/04 - semana de 2003-12-08

11 a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark, LERCI, LEGI, LEE 1 o semestre 2003/04 - semana de 2003-12-08 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO - DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark LERCI LEGI LEE o semestre 23/4 - semana de 23-2-8. Diga justificando quais dos seguintes ternos

Leia mais

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações O número racional pode ser definido a partir da aritmética fechamento da operação de divisão entre inteiros ou partir da geometria

Leia mais

Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio de Matemática da Região Sul

Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio de Matemática da Região Sul A. T. Baraviera e Flávia M. Branco Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio de Matemática da Região Sul Florianópolis, SC 2014 A. T. Baraviera e Flávia M. Branco Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio

Leia mais

NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR

NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇO VETORIAL REAL NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VETORIAIS Seja um conjunto V φ no qual estão definidas duas operações: adição e multiplicação por escalar, tais que u, v V, u+v V e α R, u V, αu V

Leia mais

Capítulo 5: Transformações Lineares

Capítulo 5: Transformações Lineares 5 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 5: Transformações Lineares Sumário 1 O que são as Transformações Lineares?...... 124 2 Núcleo e Imagem....................

Leia mais

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números inteiros = {0,,, 3,...} * = {,, 3,...} Ø: conjunto vazio A\B =

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA 1 DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA Fabio da Costa Rosa Fernanda Machado Greicy Kelly Rockenbach da Silva

Leia mais

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1.

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1. 2.1 Domínio e Imagem EXERCÍCIOS & COMPLEMENTOS 1.1 1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1 3 (e) g (x) 2x

Leia mais

Representação de Dados e Sistemas de Numeração

Representação de Dados e Sistemas de Numeração 1 Representação de Dados e Sistemas de Numeração Sistema de numeração decimal e números decimais (base 10) Sistema de numeração binário e números binários (base 2) Conversão entre binário e decimal Sistema

Leia mais

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br A Matemática no Vestibular do ITA Material Complementar: Prova 01 c 01, Sergio Lima Netto sergioln@smtufrjbr 11 Vestibular 01 Questão 01: Das afirmações: I Se x, y R Q, com y x, então x + y R Q; II Se

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

1 Propriedades das Funções Contínuas 2

1 Propriedades das Funções Contínuas 2 Propriedades das Funções Contínuas Prof. Doherty Andrade 2005 Sumário 1 Propriedades das Funções Contínuas 2 2 Continuidade 2 3 Propriedades 3 4 Continuidade Uniforme 9 5 Exercício 10 1 1 PROPRIEDADES

Leia mais

QUESTÕES de 01 a 08 INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados e marque o resultado na Folha de Respostas.

QUESTÕES de 01 a 08 INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados e marque o resultado na Folha de Respostas. Resolução por Maria Antônia Conceição Gouveia da Prova de Matemática _ Vestibular 5 da Ufba _ 1ª fase QUESTÕES de 1 a 8 INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados

Leia mais

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz setor 08 080509 080509-SP Aula 35 MATRIZ INVERSA Uma matriz quadrada A de ordem n diz-se invertível, ou não singular, se, e somente se, existir uma matriz que indicamos por A, tal que: A A = A A = I n

Leia mais

Recordamos que Q M n n (R) diz-se ortogonal se Q T Q = I.

Recordamos que Q M n n (R) diz-se ortogonal se Q T Q = I. Diagonalização ortogonal de matrizes simétricas Detalhes sobre a Secção.3 dos Apontamentos das Aulas teóricas de Álgebra Linear Cursos: LMAC, MEBiom e MEFT (semestre, 0/0, Prof. Paulo Pinto) Recordamos

Leia mais

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit O Teorema da Função Inversa

Leia mais

Notas de Aula. Álgebra Linear I

Notas de Aula. Álgebra Linear I Notas de Aula Álgebra Linear I Rodney Josué Biezuner 1 Departamento de Matemática Instituto de Ciências Exatas (ICEx) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Notas de aula da disciplina Álgebra Linear

Leia mais

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Módulo 3 Unidade 29 Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Para início de conversa... Frequentemente em jornais, revistas e também na Internet encontramos informações numéricas organizadas na

Leia mais

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau MATEMATICA 13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR OBJETIVO O objetivo desta atividade é trabalhar com as propriedades de igualdade, raízes

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima.

Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima. Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima. 1 /2013 Para calcular Hom(G 1,G 2 ) ou Aut(G) vocês vão precisar ter em

Leia mais

Representação no Plano Cartesiano INTRODUÇÃO A FUNÇÃO

Representação no Plano Cartesiano INTRODUÇÃO A FUNÇÃO INTRODUÇÃO A FUNÇÃO Def: Dado dois conjuntos que tenham uma relação, chama-se função quando todo elemento do primeiro tiver associado um único elemento do segundo conjunto. Ou seja, f é função de A em

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7

ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7 . ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7 ROBERTO DE MARIA NUNES MENDES Professor do Departamento de Matemática e Estatística e do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica da PUCMINAS Belo Horizonte

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

Tópicos Matriciais Pedro Henrique O. Pantoja Natal / RN

Tópicos Matriciais Pedro Henrique O. Pantoja Natal / RN 1. Traço de Matrizes. Definição 1.1: O traço de uma matriz quadrada A a de ordem n é a soma dos elementos da diagonal principal. Em símbolos, TrA a a a a. Daqui em diante, A denotará uma matriz quadrada

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Atualizado em Prof. Rui Mano E mail: rmano@tpd.puc rio.br SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Sistemas de Numer ação Posicionais Desde quando se começou a registrar informações sobre quantidades, foram criados diversos

Leia mais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais

Matemática. Disciplina: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. Varginha Minas Gerais CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Curso Pró-Técnico Disciplina: Matemática Texto Experimental 1 a Edição Antonio José Bento Bottion e Paulo Henrique Cruz Pereira Varginha Minas Gerais

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

Notas de Aula. Análise na Reta

Notas de Aula. Análise na Reta Notas de Aula (ainda em preparação!) Análise na Reta Higidio Portillo Oquendo http://www.ufpr.br/ higidio Última atualização: 22 de abril de 2015 1 Sumário 1 Preliminares 3 1.1 Conjuntos e Funções....................................

Leia mais

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 3.1 - IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução:

Leia mais

através do reticulado hexagonal

através do reticulado hexagonal Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Construção de códigos esféricos através do reticulado hexagonal Carina Alves UFU - Faculdade de Matemática Campus Santa Mônica 38408-100, Uberlândia, MG E-mail: carina

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

Sistemas de Numerações.

Sistemas de Numerações. Matemática Profº: Carlos Roberto da Silva; Lourival Pereira Martins. Sistema de numeração: Binário, Octal, Decimal, Hexadecimal; Sistema de numeração: Conversões; Sistemas de Numerações. Nosso sistema

Leia mais

MATERIAL MATEMÁTICA I

MATERIAL MATEMÁTICA I MATERIAL DE MATEMÁTICA I CAPÍTULO I REVISÃO Curso: Administração 1 1. Revisão 1.1 Potência de Epoente Inteiro Seja a um número real e m e n números inteiros positivos. Podemos observar as seguintes propriedades

Leia mais

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1 Faculdades Pitágoras de Uberlândia Sistemas de Informação Disciplina: Matemática Básica 1 Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2010 Professor Walteno

Leia mais

Álgebra Linear Resumo das aulas teóricas e práticas Paulo R. Pinto http://www.math.ist.utl.pt/ ppinto/ Lisboa, Novembro de 2011

Álgebra Linear Resumo das aulas teóricas e práticas Paulo R. Pinto http://www.math.ist.utl.pt/ ppinto/ Lisboa, Novembro de 2011 Álgebra Linear Resumo das aulas teóricas e práticas Paulo R Pinto http://wwwmathistutlpt/ ppinto/ Lisboa, Novembro de 2011 Conteúdo 1 Matrizes e sistemas lineares 1 11 Álgebra das Matrizes 1 12 Operações

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência Projeto Matemática 1. Matrizes, determinantes e sistemas lineares

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência Projeto Matemática 1. Matrizes, determinantes e sistemas lineares Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência Projeto Matemática 1 Matrizes, determinantes e sistemas lineares Curitiba 2014 PLANO DE AULA DE SISTEMAS LINEARES Dados de Identificação: Instituição:

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I:

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Vetores e Forças 2.VETORES 2.1 Introdução Os vetores são definidos como entes matemáticos que dão noção de intensidade, direção e sentido. De forma prática, o conceito de vetor pode

Leia mais

Sobre Domínios Euclidianos

Sobre Domínios Euclidianos Sobre Domínios Euclidianos Clarissa Bergo Bianca Fujita Lino Ramada João Schwarz Felipe Yukihide Setembro de 2011 Resumo Neste texto, apresentaremos formalmente o que vem a ser domínio euclidiano, alguns

Leia mais

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade Propriedades das Funções Deriváveis Prof Doerty Andrade 2005 Sumário Funções Deriváveis 2 Introdução 2 2 Propriedades 3 3 Teste da derivada segunda para máimos e mínimos 7 2 Formas indeterminadas 8 2 Introdução

Leia mais

Fundamentos de Matemática

Fundamentos de Matemática Universidade Federal do Piauí Campus Ministro Reis Velloso Departamento de Matemática Fundamentos de Matemática por Cleyton Natanael Lopes de Carvalho Cunha Parnaiba, de 20 Sumário 1 Teoria Elementar dos

Leia mais

PC Fundamentos Revisão 4

PC Fundamentos Revisão 4 exatasfepi.com.br PC Fundamentos Revisão 4 André Luís Duarte...mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão.is

Leia mais

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2)

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Nessa aula continuaremos nosso estudo sobre limites de funções. Analisaremos o limite de funções quando o x ± (infinito). Utilizaremos o conceito

Leia mais

Revisão para a Bimestral 8º ano

Revisão para a Bimestral 8º ano Revisão para a Bimestral 8º ano 1- Quadrado da soma de dois termos Observe: (a + b)² = ( a + b). (a + b) = a² + ab+ ab + b² = a² + 2ab + b² Conclusão: (primeiro termo)² + 2.(primeiro termo). (segundo termo)

Leia mais

CAPÍTULO 6 TRANSFORMAÇÃO LINEAR

CAPÍTULO 6 TRANSFORMAÇÃO LINEAR INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA CAPÍULO 6 ANSFOMAÇÃO LINEA Introdução Muitos problemas de Matemática Aplicada envolvem o estudo de transformações, ou seja, a maneira como certos dados de entrada são

Leia mais

Aula 6 Aritmética Computacional

Aula 6 Aritmética Computacional Aula 6 Aritmética Computacional Introdução à Computação ADS - IFBA Representação de Números Inteiros Vírgula fixa (Fixed Point) Ponto Flutuante Para todos, a quantidade de valores possíveis depende do

Leia mais

(a) Encontre o custo total de ações, usando multiplicação de matrizes.

(a) Encontre o custo total de ações, usando multiplicação de matrizes. NIVERSIDADE ESTADAL DE SANTA CRZ - ESC DEARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - DCET ÁLGEBRA LINEAR ASSNTO: MATRIZES EXERCÍCIOS RESOLVIDOS. Suponha que um corretor da Bolsa de Valores faça um pedido

Leia mais

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração Lista de Exercícios Sistemas de Numeração 1- (Questão 5 BNDES Profissional Básico Análise de Sistemas - Suporte ano 010) Um administrador de sistemas, ao analisar o conteúdo de um arquivo binário, percebeu

Leia mais

Aluno do Curso de Lic. em Matemática da UFMS; e mail: tmviana2000@gmail.com;

Aluno do Curso de Lic. em Matemática da UFMS; e mail: tmviana2000@gmail.com; Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 26 GRUPOS DE PERMUTAÇÕES E ALGUMAS DE PROPOSIÇÕES Thiago Mariano Viana 1, Marco Antônio Travasso 2 & Antônio Carlos

Leia mais

ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere as seguintes afirmações sobre o conjunto U = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} I. U e n(u) = 10 III. 5 U e {5}

Leia mais

UNIV ERSIDADE DO EST ADO DE SANT A CAT ARINA UDESC CENT RO DE CI ^ENCIAS T ECNOLOGICAS DEP ART AMENT O DE MAT EMAT ICA DMAT

UNIV ERSIDADE DO EST ADO DE SANT A CAT ARINA UDESC CENT RO DE CI ^ENCIAS T ECNOLOGICAS DEP ART AMENT O DE MAT EMAT ICA DMAT UNIV ERSIDADE DO EST ADO DE SANT A CAT ARINA UDESC CENT RO DE CI ^ENCIAS T ECNOLOGICAS CCT DEP ART AMENT O DE MAT EMAT ICA DMAT Professora Graciela Moro Exercícios sobre Matrizes, Determinantes e Sistemas

Leia mais

1.1 Domínios e Regiões

1.1 Domínios e Regiões 1.1 Domínios e Regiões 1.1A Esboce o conjunto R do plano R 2 dada abaixo e determine sua fronteira. Classi que R em: aberto, fechado, itado, compacto, ou conexo. (a) R = (x; y) 2 R 2 ; jxj 1; 0 y (b) R

Leia mais

Exercícios de Matemática Funções Função Composta

Exercícios de Matemática Funções Função Composta Exercícios de Matemática Funções Função Composta TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufba) Na(s) questão(ões) a seguir escreva nos parênteses a soma dos itens corretos. 1. Considerando-se as funções f(x) = x

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I 1 Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 013/I 1 Sejam u = ( 4 3) v = ( 5) e w = (a b) Encontre a e b tais

Leia mais