CAPÍTULO 6 TRANSFORMAÇÃO LINEAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 6 TRANSFORMAÇÃO LINEAR"

Transcrição

1 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA CAPÍULO 6 ANSFOMAÇÃO LINEA Introdução Muitos problemas de Matemática Aplicada envolvem o estudo de transformações, ou seja, a maneira como certos dados de entrada são transformados em dados de saída Em geral, o estudante está familiarizado com funções, tais como funções reais de uma variável real, as quais têm por domínio e contradomínio o conjunto dos números reais (ou subconjuntos de ), como, por exemplo, a função f indicada a seguir: f : x a f ( x) = x Essa função transforma um número real x qualquer em outro número real, no caso, seu cubo, isto é, x Estudam-se, ainda, funções com outros domínios e contradomínios, como, por exemplo: f : A ( x,y) a f( x,y) = x + y Neste capítulo, serão estudadas funções cujos conjuntos domínio e contradomínio são espaços vetoriais Como os elementos de um espaço vetorial são chamados, de modo geral, de vetores, essas funções associarão vetores do conjunto domínio com vetores do conjunto contradomínio Definição: Dados dois espaços vetoriais V e W, sendo V φ, uma função ou transformação de V para W é uma lei que associa a todo vetor x de V um único vetor em W, denotado por ( x) O vetor ( x) de W é chamado imagem de x V pela transformação Exemplo: considerando-se os espaços vetoriais reais definida por: : ( x,y, z) a ( x,y, z) = ( x + y,y z) 0,, no vetor: vê-se que leva o vetor ( ) ( 0,, ) = ( 0 +, ( ) ) = (, ), V = e W = e a transformação ransformação Linear

2 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA Definição: Sejam V e W espaços vetoriais sobre o mesmo corpo K Uma função uma transformação linear se: (a) ( v v ) = ( v ) + ( v ), v,v V α + = α α (b) ( v) ( v), v V, K : V W é Observações: ) Na transformação linear : V W, V é chamado espaço de saída e W é chamado espaço de chegada da transformação ) A transformação linear : V W é também chamada de aplicação linear; ela preserva a adição de vetores e a multiplicação de um vetor por um escalar ) A transformação linear : V V (isto é, W = V ) é chamada de operador linear Exemplos: ) Considere-se a aplicação definida por: : ( x,y) a( x,y) = ( x,y) é uma transformação linear (ou operador linear), como se mostrará a seguir (a) sejam v = ( x, ) e ( x, ) y v = y dois vetores do ( v v ) = [ ( x,y ) + ( x,y )] = [ ( x + x,y + )] = + y ; tem-se: ( ( x + x ),y + y ) = ( x x,y + y ) = ( x,y ) + ( x,y ) = ( v ) + ( ) v (b) considerando-se um vetor ( ) v = x, y e um número real α, tem-se: ( α v) = [ α( x,y) ] = ( αx, αy) = ( αx, αy) = α( x,y) = α( x,y) = α( v) FIGUA 9 É possível visualizar geometricamente a ação da transformação linear no plano de coordenadas cartesianas ortogonais, que representa geometricamente o espaço vetorial real Considerando-se, por exemplo, o vetor (,4) v =, que é o vetor-posição do ponto ( 4),,

3 tem-se: ( v) (, 4) = (, 4) = INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA Vê-se, na Figura 9, que a transformação promove uma rotação do vetor em torno do eixo Oy ) Seja :, definida por ( x,y, z) = ( x + z, y z) Mostrar que é uma transformação linear Mostrar-se-á que são satisfeitas as condições da definição: (a) Sejam v = ( x,y, ) e ( x,y, ) z v = z dois vetores do Então: ( v v ) = [ (( x,y, z ) + ( x,y, z ))] = ( x + x,y + y, z + ) = + z (( x + x ) + ( z + z ), ( y + y ) ( z + )) = = z ( x + x + z + z, y + y z z ) = = ( x + z, y z ) + ( x + z, y z ) = = ( x,y, z ) + ( x,y, z ) = ( v ) ( ) = + v v = x,y, z e α em-se: (b) Sejam ( ) ( αv) = [ α( x,y, z) ] = ( αx, αy, αz) = ( αx + αz, αy αz) ( x + z, y z) = α( x,y, z) α( v) = α = ) Sejam : V W 0 a aplicação nula, definida por 0 ( ) = 0 identidade, definida por ( v) são lineares v, v V, e Id:V V a aplicação Id = v, v V O leitor poderá verificar que essas transformações 4) Seja :, definida por ( x,y) = ( x,y,) Mostrar que não é uma transformação linear Deve-se mostrar que pelo menos uma das condições da definição não é satisfeita em-se: (a) Sejam v = ( x, ) e ( x, ) = y v = y dois vetores do ( v v ) = [ ( x,y ) + ( x,y )] = ( x + x,y + ) = + y ( x + x,y + y, ) = ( x,y, ) + ( x,y, ) ( v ) + ( v ) 0 Conclui-se, assim, que não é transformação linear em-se: 5) As seguintes transformações apresentam uma visão geométrica: (a) Expansão: : ( x,y) a( x,y) = α( x,y), sendo α Na Figura 0, mostram-se, para exemplificar, o vetor v = (,) e o vetor ( v) v ( v) (, ) = (, ) (, 4) = =, onde se considerou α = =, ou seja, (b) eflexão em torno do eixo Ox:

4 : ( x,y) a( x,y) = ( x, y) INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA Considerando-se, por exemplo, o vetor v = (, ), tem-se que ( v) (, ) = (, ) vetores são mostrados na Figura = Esses FIGUA 0 FIGUA (c) eflexão na origem: : ( x,y) a( x,y) = ( x, y) A imagem do vetor v = (,) por essa transformação é ( v) = (, ) = (, ) vê na Figura, conforme se d) otação de um ângulo θ no sentido anti-horário: : ( x,y) a ( x,y) = ( xcosθ ysenθ,ycosθ + xsenθ)

5 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA omando-se, novamente, o vetor v = (,) e considerando-se um ângulo de rotação tem-se: ( x,y) ( cos( 60 ) sen( 60 ), cos( 60 ) + sen( 60 ) =, ou seja, tem-se o vetor ( ), =, +, mostrado na Figura 0 = 60 θ, FIGUA FIGUA (e) eflexão em torno da reta : ( x,y) a( x,y) = ( y,x) y = x: Considerando-se, agora, o vetor v = (,), obter-se-á, pela transformação, o vetor ( v) (,) =, os quais são simétricos em relação à reta y = x, como mostra a Figura 4 6) Sejam: ( ) ( ) M n o espaço vetorial das matrizes quadradas de ordem n sobre o corpo e B uma matriz fixa Verificar se é linear a transformação M n

6 : Mn A ( ) Mn( ) a( A) = AB BA INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA Verificar-se-á se são satisfeitas as condições da definição (a) Sejam A e C duas matrizes de M ( ) ( A) = AB BA e ( C) CB BC então: = ; n em-se: ( A + C) = ( A + C) B B( A + C) = AB + CB BA BC = ( AB BA) + ( CB BC) = ( A) + ( C) (b) Sejam A M ( ) e α em-se: n ( α A) = ( αab ) B( αa) = α( AB) α( BA) = α( AB BA) = α( A) Conclui-se, de (a) e (b), que é uma transformação linear 7) Considere-se a aplicação : P ( ) M ( ) Figura 4, definida por: ( ) a0 + a a a0 + at + at = a a a Mostrar que é uma transformação linear Deve-se mostrar que são satisfeitas as condições da definição (a) Sejam p ( t) = a + at + a e p ( t) = b + b t + b dois elementos de P ( ) 0 t 0 t Então: ( p ( t) + p ( t) ) = ( a + at + a t + b + bt + b )= = ( a + b ) + ( a + b ) t + ( a + b ) 0 0 t a0 + a + b0 + b a = a + b a + b a ( p ( t) ) ( p ( t) ) = + Assim, ( p ( t) + p ( t) ) = ( p ( t) ) ( p ( t) ) + + b a0 + a = b a (b) Sejam p ( t) = a + at + a um elemento de ( ) 0 t [ 0 0 t ] = a b0 + b b + = a a b b b P e α em-se:

7 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA αa0 + αa αa αat + αat = αa αa αa ( α pt ( )) = ( αa + ) = a0 + a a = α = α a a a 0 ( pt ( )) De (a) e (b), conclui-se que é uma transformação linear eorema: Sejam V e W dois espaços vetoriais reais e B { v,v, L } de V Dados =,v n uma base ordenada w,w, L,wn elementos arbitrários de W, existe uma única transformação linear :V W tal que ( v ) w Demonstração: Hipóteses: B { v,v, L } =, ( v ) = w,, ( v n ) wn = =,v n é base de V; w,w, L,wn são elementos arbitrários de W ese: existe uma única transformação linear ( v n ) = wn (i) Existência Seja :V W tal que ( v ) w v V Então, existem números reais α, α, L, αn tais que: v = α v + α v + L + α n v n Define-se a seguinte transformação: : V v W ( v ) = α w + α w + L + αn w n a =, ( v ) w =,, Observe-se que está bem definida, pois α, α, L, αn são únicos Além disso, tem-se: ( v) = ( α v + α v + + α v ) = α ( v ) + α ( v ) + L + α ( v ) L n n n n ; conclui-se, assim, que, para i =,, L, n, tem-se ( v i ) = wi (ii) Unicidade Suponha-se que existe uma transformação linear : V W tal que ( v i ) = wi, para i =,, L,n Então, vem: ( v) = ( α v + α v + + α v ) = α ( v ) + α ( v ) + L + α ( v ) = L n n n n = α w + αw + L + αn wn = ( v), de onde se segue que = Observação: com este teorema, pode-se afirmar que as transformações lineares são determinadas conhecendo-se apenas seu valor nos elementos de uma base de seu espaço de saída Propriedades das ransformações Lineares Para toda transformação linear ( P ) ( 0 ) = 0 :V W, são válidas as seguintes propriedades:

8 De fato, tem-se: ( 0 ) = ( 0 v) = 0 ( v) = 0, v V ( P ) ( v) = ( v), v V De fato, tem-se: ( v) = ( v) = ( v) = ( v) ( P ) ( v v) = ( v) ( v) INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA, v,v V Com efeito, tem-se: ( v v ) = ( v + ( v )) = ( v ) + ( v ) = ( v ) ( ) v n ( P 4) ivi = αi( vi ) i = De fato, tem-se: n i= n α, v i V, α i K; i =,, L, n i= α ivi = ( α v + α v + L + α v ) = ( α v ) + ( α v ) + L + ( α v ) = ( v ) + α ( v ) + + α ( v ) = ( v ) n n n = α L n n αi ( P 5) Se i= i U V como subespaço vetorial, então ( U) W como subespaço vetorial Sugere-se demonstrar a afirmação Observações: ) Da ª propriedade, decorre que, se uma transformação é tal que ( 0) 0, então não é linear essalte-se, no entanto, que a condição de que ( 0 ) = 0 não é suficiente para que seja linear ) A 4ª propriedade mostra que a transformação linear preserva combinações lineares Diz-se, então, que a transformação linear satisfaz o princípio de superposição Exemplo: considere-se uma transformação linear : P ( ) 0 t condições: (,, ) = t, (,, ) = + t e (,, ) t + satisfazendo as seguintes 00 = t Determinar a expressão de De acordo com os espaços de saída e de chegada de, esta transforma vetores do em polinômios de grau menor ou igual a, com coeficientes reais Para que seja possível construir x,y, z a expressão de aplicada em um vetor ( ), é preciso conhecê-la aplicada nos

9 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA vetores de uma base do seu espaço de saída, no caso, o É possível mostrar que o conjunto {(,, ),( 0,, ),( 0,, 0) } B = é uma base deste espaço e, portanto, são conhecidas as imagens desses vetores, pela transformação x,y, z omando um vetor genérico ( ) B e, portanto, pode-se escrever: ( x,y, z) a(,, ) + b( 0,, ) + c( 0,, 0) ou seja, =, ( x,y, z) ( a + b + c,a + b,a) =, de onde se segue que x = a + b + c y = a + b, z = a e, portanto, a = z b = y z c = x y Logo, pode-se escrever: ( x,y, z) z(,, ) + ( y z)( 0,, ) + ( x y)( 00,, ) =, este é uma combinação linear dos vetores da base Aplicando-se a transformação em ambos os lados desta igualdade, vem: ( x,y, z) ( z(,, ) + ( y z)( 0,, ) + ( x y)( 0,, 0) ) = Pela propriedade ( P ), tem-se: ( x,y, z) = z(,, ) + ( y z) ( 0,, ) + ( x y) ( 0,, 0) = ( t) + ( y z)( + t t ) + ( x y)( t t ) = z + ( y + z) + ( x 4z) t + ( x y + z) t = x,y, z Assim, para qualquer vetor ( ) ( x,y, z) ( y + z) + ( x 4z) t + ( x y z) t = +,, tem-se que que é a expressão procurada da transformação 4 Núcleo e Imagem Definição: O conjunto imagem de uma transformação linear ( ) { w W; v V / ( v) w} Im = = : V W é o conjunto: Assim, a imagem de é constituída dos vetores de W que são imagem de pelo menos um vetor de V, através da aplicação É claro que, de maneira geral, tem-se que ( ) pode ocorrer, entretanto, que Im ( ) = W Im W ; Definição: O núcleo de uma transformação linear : V W é o conjunto:

10 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA Ker = v V / v = 0 ( ) { ( ) } Observações: ) A notação Ker ( ) para núcleo de deve-se à palavra inglesa kernel, que significa núcleo ) O núcleo de é um subconjunto de V, isto é, Ker( ) V ) ambém se pode fazer referência ao núcleo de como nulidade de, com a notação Nul ( ) 4) Quando se consideram funções da forma: f : A x a B y = f ( x), ou seja, funções reais de uma variável real, o conjunto dos elementos de A tais que ( x) = 0 o conjunto dos zeros da função f, ou seja, das raízes reais da equação f ( x) = 0 f é Esses são os valores da variável x que anulam a função f, de onde se origina a expressão nulidade da função No caso de transformações lineares, não se utiliza a expressão zero da transformação para um vetor v tal que ( v) = 0 levado por ela ao vetor nulo do espaço de chegada Diz-se, apenas, que v pertence ao núcleo de e, portanto, é A Figura 5 mostra a representação gráfica de uma transformação linear conjuntos Ker( ) V, no qual se mostra um vetor u tal que ( u) = 0, e Im( ) W mostram os vetores w, imagem de um vetor : V W, com os, no qual se v V, e o vetor nulo 0, imagem do vetor u V FIGUA 5 Exemplos: ) Considere-se a transformação linear, definida por: : ( x,y) a ( x,y) = ( x y, x y, 0) Determinar os conjuntos Ker ( ) e ( ) Im Para que um vetor v = ( x,y) pertença ao núcleo de, é preciso que ( v) = 0, ou seja, deve-se

11 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA x,y = 0, 00, Assim, vem: ter: ( ) ( ) ( x y, x y, 0) = ( 000,, ), de onde se segue que { / y = x} ( ) ( x,y) Ker =, isto é, são os pares ordenados ( ) O conjunto imagem de é: ( ) = w ; v / ( v) y = x Portanto, o núcleo de é o conjunto: { w} Im = x,y que pertencem à reta de equação y = x ou seja, são as ternas ( x,y, z) do tipo ( x y, x y, 0) Um sistema de geradores para o conjunto imagem é [(,, 0),(, 0, )], Como esses dois vetores são LD, pois são múltiplos um do outro, pode-se retirar um deles, por exemplo, (, 0, ) Então, conclui-se que Im ( ) = [(,, 0) ], ou seja, Im ( ) ( x,y, z) imagem geométrica desse conjunto é a reta do y = x z = 0 Da análise efetuada, têm-se as seguintes conclusões: () os pares ordenados do que pertencem à reta de equação: são levados, por esta transformação, a elemento ( ) { / y = xe = 0} = z A y = x pertencem ao núcleo de, isto é, 0, 0, 0 ; () os demais elementos do são levados, por, à reta do Essas conclusões são mostradas na Figura 6 de equação y z = x = 0 FIGUA 6 ) Considere-se a transformação linear : ( x,y, z) a ( x,y, z) = ( x,y, 0)

12 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA x,y,z v = Para que um vetor v = ( ) pertença ao núcleo de, é preciso que ( ) 0, ou seja, devese ter: ( x,y,z) ( 0, 0, 0) = Assim, vem: (,y, 0 ) ( 0, 0, 0) x =, de onde se conclui que x = y = 0 e z pode ser qualquer número real Portanto, o núcleo de é o conjunto: ( ) = {(,,z)/ z } Ker 0 0 O conjunto imagem de é: { w} ( ) = w ; v / ( v) Im = ou seja, são as ternas ( x,y, z) do tipo (,y,0) Portanto, ( ) = {( x,y, )/ x, y } Im 0, x eorema: Sejam V e W espaços vetoriais sobre um corpo K e linear Então: (a) Ker ( ) é um subespaço vetorial de V (b) Im ( ) é um subespaço vetorial de W :V W uma transformação Demonstração: Hipótese: :V W uma transformação linear eses: (a) Ker ( ) é um subespaço vetorial de V (b) Im ( ) é um subespaço vetorial de W (a) Para provar que Ker ( ) é um subespaço vetorial de V, devem-se mostrar que são verdadeiros os três axiomas da definição de espaço vetorial De fato, tem-se: () como ( 0 ) = 0, segue-se que 0 Ker( ) () sejam u e u dois elementos de Ker ( ) Então, ( u) = 0 e ( u' ) = 0 transformação linear, vem: ( u + u' ) = ( u) + ( u' ) = = 0 e, portanto, u u' Ker( ) + u e K () sejam Ker( ) como é uma transformação linear, vem: ( αu) = α( u) = α0 = 0, de onde se conclui que u Ker( ) Assim, sendo uma α Sendo u um elemento de Ker ( ), segue-se que ( u) = 0 α Então, De (), () e (), conclui-se que Ker ( ) é um subespaço vetorial de V Escreve-se: Ker( ) V (b) Mostrar-se-á, agora, que Im ( ) é um subespaço vetorial de W () Como ( 0 ) = 0, segue-se que 0 Im ( ) () Sejam w e w dois elementos de Im ( ) Então, existem elementos u e u em V tais que ( u) = w e ( u' ) w' ( u + u' ) = ( u) + ( u' ) = w + w' = Assim, sendo uma transformação linear, vem: se

13 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA w + w' Im e, portanto, ( ) w e K () Sejam Im ( ) ( u) = w ( α u) α( u) = αw α Se Im ( ) Por hipótese, é transformação linear; então: =, de onde se conclui que α w Im ( ) w, segue-se existe um elemento u V tal que De (), () e (), conclui-se que Im ( ) é um subespaço vetorial de W Escreve-se: Im ( ) W se Definição: Seja dim Im ( ) = posto de ; Ker( ) = dim nulidade de :V W uma transformação linear Define-se: Exemplos: : M ) Considere-se a transformação linear ( ) a b = ( a b c,a + c,b + d) c d 5 Determinar Ker ( ) e ( ) a c b d Seja Ker( ) a b = c d ou seja, ( 0, 0, 0) ( a 5b c,a + c,b + d) = ( 0, 0, 0),, de onde vem que: a 5b c = 0 a + c = 0 b + d = 0, definida por: Im, assim como as dimensões desses espaços Por definição do núcleo de, tem-se: esolvendo-se esse sistema linear, obtêm-se: a b c = d = d = d Assim: a b Ker( ) = M ( ) / a = b = d e c = d, d, c d ou, equivalentemente, d d Ker( ) = M ( ) / d d d Encontrar-se-á uma base para esse espaço

14 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA d d Ker d d, pode-se escrever: omando-se um elemento ( ) d d d = d d Então, = B é base de Ker ( ) e, portanto, Ker( ) = dim Os elementos ( x,y, z) que pertencem ao conjunto ( ) do tipo ( a 5b c,a + c,b + d) Im, pela própria definição de, são, onde a, b, c e d são os elementos da matriz a b c d Para encontrar uma base para Im ( ), escreve-se: ( a 5b c,a + c,b + d) = a( 0,, ) + b( 50,, ) + c( 0,, ) + d( 0, 0, ) Assim, S = {(, 0, ),( 50,, ),( 0,, ),( 0, 0, )} é um sistema de geradores para ( ) Im Para encontrar uma base desse espaço, a partir desse sistema de geradores, conforme se viu anteriormente, constrói-se uma matriz com os vetores do conjunto de geradores e escalona-se a matriz As linhas não nulas da matriz resultante do escalonamento serão vetores LI, os quais formarão a base procurada Então: L + L 5 0 L L L L L L Então B ' = {(, 0, ),( 05,, ),( 0, 0, )} é base de Im ( ) e, portanto, Im ( ) = dim [ ] ) Determinar um operador linear : tal que Im( ) = (,, ),(,, ) Observe-se que os vetores (,, ) e (,, ) são LI Considere-se a base canônica { e,e, } do e seja x,y, z tomando ( ) : tal que ( e ) (,, ), tem-se: ( x,y, z) x(, 0, 0) + y( 00,, ) + z( 0, 0, ) = xe + ye + ze Então: = 0 0 =, ( e ) = (, ) e ( e ) ( 0, 0 0), ( x,y, z) ( xe + ye + ze ) = ( xe ) + ( ye ) + ( ze ) = x( e ) + y( e ) + z( ) = = e (,, ) y(,, ) + z( 0, 0, 0) = ( x + y, x y, x + y) x + Assim, ( x,y, z) ( x + y, x y, x + y) = e =, Logo, ) Seja : a transformação linear definida por ( x,y, z) = ( x + y, x y + z) (a) Determinar uma base e a dimensão de Ker ( ) Por definição, tem-se: { } ( ) ( x,y, z) / ( x,y, z) ( 00, ) Ker = =

15 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA da seguinte forma: Assim, Ker ( ) é constituído dos vetores do ( x,y, z) ( x + y, x y + z) ( 0, 0) = =, ou seja, x + y = 0 x y + z, = 0 de onde se conclui que y = x e z = x Portanto, os vetores do que pertencem ao x, x, x, x, isto é, núcleo de são da forma ( ) ( ) = {( x, x, x) / x } = { x(,, ) / x } = [(,, ) ] Logo, {(,, ) } é uma base de Ker ( ) e dim Ker( ) = Ker (b) Determinar uma base e a dimensão de Im ( ) em-se, por definição: ( ) = {( x + y, x y + z) / x,y, z } = { x(, ) + y(, ) + z( 0, )/ x,y, z } Im Assim, S = [(, ),(, ),( 0, )] é um sistema de geradores para ( ) Im Para encontrar uma base desse espaço, a partir desse sistema de geradores, constrói-se uma matriz com os vetores do conjunto de geradores e escalona-se a matriz As linhas não nulas da matriz resultante do escalonamento serão vetores LI, os quais formarão a base procurada Então: 0 L L L 0 L L 0 L Então B ' = {(, ),( 0, )} é base de Im ( ) e, portanto, Im ( ) = 0 dim 5 Operações com ransformações Lineares ) Adição Sejam V e W espaços vetoriais sobre um corpo K e lineares Chama-se adição de F com G a aplicação ( F G)( v) = F( v) + Gv ( ), v V + F : V W e G :V W transformações F + G:V W tal que Propriedades: dadas as transformações lineares operação de adição satisfaz as propriedades: a) Comutativa: F + G = G + F b) Associativa: F + ( G + H) = ( F + G) + H c) Elemento Neutro: é a transformação linear nula : V W satisfazendo: F + N = N + F = F F : V W, G : V W e H : V W, a N, definida por N( v), v V = 0, d) Elemento Oposto: considerada a transformação linear F : V W, o elemento oposto da operação de adição é a transformação ( F ): V W, definida por ( F)( v) = v, v V, que

16 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA F + F = F + F = satisfaz: ( ) ( ) N Proposição: Sejam: V e W espaços vetoriais sobre um corpo K e duas transformações lineares Então Demonstração: Hipótese: F e G são transformações lineares ese: F + G é transformação linear F + G é uma transformação linear (a) Sejam u e v dois elementos de V em-se, por definição, que: ( F + G)( u + v) = F( u + v) + Gu ( + v) Como, por hipótese, F e G são transformações lineares, pode-se escrever: ( F + G)( u + v) = F( u + v) + Gu ( + v) = [ F( u) + F( v) ] + [ Gu ( ) + G( v) ] = = [ F ( u) + G( u) ] + [ F( v) + Gv ( )] = ( F + G)( u) + ( F + G)( v) Assim, ( F + G)( u + v) = ( F + G)( u) + ( F + G)( v) (b) Sejam u V e α K ; tem-se: ( F + G)( αu) = F( αu) + G( αu) = αf( u) + αgu ( ) = α[ F( u) + Gu ( )] = α[ ( F + G)( u) ] De (a) e (b), conclui-se que F + G é uma transformação linear F : V W e G : V W ) Subtração Sejam V e W espaços vetoriais sobre um corpo K e lineares Chama-se subtração das transformações F e G a aplicação ( F G)( v) = F( v) Gv ( ), v V F : V W e G :V W transformações F G :V W tal que A subtração de F e G é a adição de F com a transformação oposta de G, ou seja, com G; assim, a subtração de F e G é obtida fazendo-se: F G = F + ( G) É claro que esta operação satisfaz as mesmas propriedades da adição de transformações ambém é possível demonstrar que é verdadeira a proposição enunciada a seguir Proposição: Sejam: V e W espaços vetoriais sobre um corpo K e duas transformações lineares Então F G é uma transformação linear F : V W e G : V W ) Multiplicação de uma transformação linear por um escalar Sejam V e W espaços vetoriais sobre um corpo K, K F : V Wuma transformação linear e α Chama-se multiplicação da transformação F pelo número α a aplicação ( α F) : V W tal que ( F)( v) = αf( v), v V α Propriedades: dadas as transformações lineares β, a operação de multiplicação por escalar satisfaz as propriedades: F : V We G : V W e os escalares α e

17 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA α βf = β αf = αβ a) ( ) ( ) ( )F α α + α b) ( F + G) = F G α β α + β c) ( + ) F = F F d) F = F É possível demonstrar que é verdadeiro o resultado seguinte Proposição: Sejam: V e W espaços vetoriais sobre um corpo K, α F é uma transformação linear F : V W e α K Então 4) Composição de ransformações Lineares Sejam: V, U e W espaços vetoriais sobre um corpo K e F :V U e G: U W transformações lineares Chama-se transformação composta de G com F, denotada por a aplicação G o F :V W, definida por: ( G o F)( v) = G( F( v) ), v V A representação gráfica é mostrada na Figura 7 G o F, FIGUA 7 Assim, tem-se: FIGUA 8 Observação: a composição de G com F, denotada por Go F, é lida G composta com F ou, então, G bola F Não se trata, evidentemente, do produto de G por F, denotado por Além disso, tem-se, em geral, que ( G F)( v) ( F og)( v) G F o, ou seja, G composta com F é diferente, em geral, de F composta com G Portanto, a composição de transformações lineares não é comutativa

18 INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA Proposição: Sejam: V, U e W espaços vetoriais sobre um corpo K e F :V U e G: U W transformações lineares Então, Demonstração: Hipótese: F e G são transformações lineares ese: G o F é transformação linear G o F :V W é uma transformação linear (a) Sejam u e v dois elementos de V em-se, por definição, que: ( G F)( u + v) = G( F( u + v) ) o Como, por hipótese, F é uma transformação linear, pode-se escrever: ( G F)( u + v) = G( F( u + v) ) = G( F( u) + F( v) ) o Por sua vez, G é uma transformação linear; então: G ( F( u) + F( v) ) = G( F( u) ) + G( F( v) ) = ( G o F)( u) + ( G of)( v) Assim, ( G o F)( u v) = ( G of)( u) + ( G of)( v) (b) Sejam + u V e α K; tem-se: ( G of)( α u) = G( F( αu) ) = G( αf( u) ) = αg( F( u) ) = α( G of)( u) De (a) e (b), conclui-se que G o F é uma transformação linear Para o caso dos operadores lineares, são válidas as propriedades que se seguem Propriedades: Sejam: V, um espaço vetorial sobre um corpo K; F :V V, G:V V e H:V V operadores lineares Então, são válidas as propriedades: o o = a) Associativa: F ( G H) ( F G) H o o b) Elemento Neutro: é o operador linear identidade Id : V V, definido por Id ( v) v, v V =, satisfazendo: F o Id = Id of = F c) Distributiva: - à esquerda: F o ( G + H) = F og + F oh - à direita: ( G + H) o F = G of + H of d) Elemento Inverso: considerado o operador linear inversível F : V V, o elemento inverso da composição de transformações é o operador F :V V tal que F of = F of = Id Observação: as transformações lineares inversíveis serão estudadas no Capítulo 7 Exemplo: dadas as transformações lineares: F :, G : e H :, definidas por: F ( x,y) = ( x + y, x y, x), G ( x,y, z) = ( x y, x + z) e H( x,y) ( x y,y, x + y) =, determinar:

19 (a) = F + H em-se: INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA ( x,y) = F( x,y) + h( x,y) = ( x + y, x y, x) + ( x y,y, x + y) = ( 7 x + y, x y, 5x + 4y) (b) G o F ( G o F)( x,y) = G( F( x,y) ) = G( x + y, x y, x) = ( x + y x + y, x + y + x) = ( y, x + y) (c) F F = F of ( x,y) = ( F of)( x,y) = F( F( x,y) ) = F( x + y, x y, x) = ( x + y + x y, x + y x + y, x + y) = ( x, y, x + y) = Exercícios Propostos ) Seja ( ) M n o espaço vetorial das matrizes quadradas de ordem n e B uma matriz fixa deste espaço Mostrar que a aplicação F : M n ( ) M ( ), definida por: ( X) BX, X M ( ) um operador linear n F é = n ) Sabendo que é um operador linear do tal que (, ) = (, ) e ( 0, ) (, ) determinar a expressão de ( x,y) : ( x,y) = ( x + y, 5 x + y) =, ) Considere-se a transformação linear definida por: ( x,y, z,t) = ( x + y z, x y + z t, x + z t) Determinar uma base e a dimensão para Im ( ) e Ker ( ) : Base de Im ( ) :{(,, ),( 0,, )}; dim Im ( ) = Base de Ker ( ) : {(, 0,, ),( 04,,, )}; dim Ker( ) = 4) Determinar um operador do y = x z = 0 cujo núcleo é constituído pelos pontos da reta de equação e cuja imagem é constituída pelos pontos do plano de equação x + y + z = 0 5) Sendo ( x,y) = ( x y, x + y, x y) e G( x,y,z) ( x y + z, x z) lineares, determine a dimensão de Ker( G o ) e de ( G ) : ( x,y, z) = ( 4 x y z, x + y, z) = duas transformações Im o : dimker( G o ) = 0 e dimimg ( o ) =

Prof. Márcio Nascimento. 22 de julho de 2015

Prof. Márcio Nascimento. 22 de julho de 2015 Núcleo e Imagem Prof. Márcio Nascimento marcio@matematicauva.org Universidade Estadual Vale do Acaraú Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Curso de Licenciatura em Matemática Disciplina: Álgebra Linear

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Cursos de Engenharia. Prof. Álvaro Fernandes Serafim

FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Cursos de Engenharia. Prof. Álvaro Fernandes Serafim FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Cursos de Engenharia Prof. Álvaro Fernandes Serafim Última atualização: //7. Esta apostila de Álgebra Linear foi elaborada pela Professora Ilka Rebouças Freire. A formatação

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR. Núcleo e Imagem de uma Transformação Linear, Teorema da Dimensão, Isomorfismo. Prof. Susie C. Keller

ÁLGEBRA LINEAR. Núcleo e Imagem de uma Transformação Linear, Teorema da Dimensão, Isomorfismo. Prof. Susie C. Keller ÁLGEBRA LINEAR Núcleo e Imagem de uma Transformação Linear, Teorema da Dimensão, Isomorfismo Prof. Susie C. Keller Núcleo de uma Definição: Chama-se núcleo de uma transformação linear T: V W ao conjunto

Leia mais

n. 33 Núcleo de uma transformação linear

n. 33 Núcleo de uma transformação linear n. 33 Núcleo de uma transformação linear Chama-se núcleo de uma transformação linear f: V W ao conjunto de todos os vetores v V que são transformados em 0 W. Indica-se esse conjunto \por N(f) ou Ker (f).

Leia mais

Álgebra Linear AL. Luiza Amalia Pinto Cantão. Depto. de Engenharia Ambiental Universidade Estadual Paulista UNESP luiza@sorocaba.unesp.

Álgebra Linear AL. Luiza Amalia Pinto Cantão. Depto. de Engenharia Ambiental Universidade Estadual Paulista UNESP luiza@sorocaba.unesp. Álgebra Linear AL Luiza Amalia Pinto Cantão Depto. de Engenharia Ambiental Universidade Estadual Paulista UNESP luiza@sorocaba.unesp.br Transformações Lineares 1 Definição e Exemplos 2 Núcleo e Imagem

Leia mais

Lista 1 para a P2. Operações com subespaços

Lista 1 para a P2. Operações com subespaços Lista 1 para a P2 Observação 1: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós sugerimos

Leia mais

Cálculo. Álgebra Linear. Programação Computacional. Metodologia Científica

Cálculo. Álgebra Linear. Programação Computacional. Metodologia Científica UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Cálculo Álgebra Linear Programação Computacional Metodologia Científica Realização: Fortaleza, Fevereiro/2012 UNIVERSIDADE

Leia mais

Exercícios Adicionais

Exercícios Adicionais Exercícios Adicionais Observação: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós recomendamos

Leia mais

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Álgebra Linear André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Janeiro/2006 Índice 1 Sistemas Lineares 1 11 Corpos 1 12 Sistemas de Equações Lineares 3 13 Sistemas equivalentes 4 14 Operações elementares

Leia mais

Álgebra Linear Volume 2

Álgebra Linear Volume 2 MATEMÁTICA Graduação Álgebra Linear Volume 2 Luiz Manoel Figueiredo Marisa Ortegoza da Cunha Módulo Volume 3 2ª edição 2 Luiz Manoel Figueiredo Marisa Ortegoza da Cunha I SBN 85-7648 - 315-7 Álgebra Linear

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Equações e problemas MATEMÁTICA A - 1o Ano N o s Complexos - Equações e problemas Exercícios de exames e testes intermédios 1. Em C, conjunto dos números complexos, considere z = + i19 cis θ Determine os valores de θ pertencentes

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES LINEARES. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga

TRANSFORMAÇÕES LINEARES. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga TRANSFORMAÇÕES LINEARES Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga INTRODUÇÃO Estudaremos um tipo especial de função, onde o domínio e o contradomínio são espaços vetoriais reais. Assim, tanto

Leia mais

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz setor 08 080509 080509-SP Aula 35 MATRIZ INVERSA Uma matriz quadrada A de ordem n diz-se invertível, ou não singular, se, e somente se, existir uma matriz que indicamos por A, tal que: A A = A A = I n

Leia mais

I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO

I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO Matemática Frente I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO 1 - RECORDANDO Na última aula, nós vimos duas condições bem importantes: Logo, se uma reta passa por um ponto e tem um coeficiente angular,

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. Questão. Considerando-se as funções f: R R e g: R R definidas por f(x) = x e g(x) = log(x² + ), é correto afirmar: () A função

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Uma equação diferencial é uma equação que relaciona uma ou mais funções (desconhecidas com uma ou mais das suas derivadas. Eemplos: ( t dt ( t, u t d u ( cos( ( t d u +

Leia mais

ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO

ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO Angelo Fernando Fiori 1 Bruna Larissa Cecco 2 Grazielli Vassoler 3 Resumo: O presente trabalho apresenta um estudo sobre os espaços vetoriais munidos de produto interno.

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I 1 Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 013/I 1 Sejam u = ( 4 3) v = ( 5) e w = (a b) Encontre a e b tais

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

Expansão linear e geradores

Expansão linear e geradores Espaços Vectoriais - ALGA - 004/05 4 Expansão linear e geradores Se u ; u ; :::; u n são vectores de um espaço vectorial V; como foi visto atrás, alguns vectores de V são combinação linear de u ; u ; :::;

Leia mais

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA Marília Brasil Xavier REITORA Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA MATERIAL DIDÁTICO EDITORAÇÃO ELETRONICA Odivaldo Teixeira Lopes ARTE FINAL DA CAPA Odivaldo Teixeira

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r 94 4. Produto Vetorial Dados dois vetores u e v no espaço, vamos definir um novo vetor, ortogonal a u e v, denotado por u v (ou u v, em outros textos) e denominado produto vetorial de u e v. Mas antes,

Leia mais

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus: Mossoró Curso: Licenciatura Plena em Matemática Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Prof.: Robson Pereira de Sousa

Leia mais

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 A Nome: RG: Assinatura: Instruções A duração da prova é de duas horas. Assinale as alternativas corretas na folha de respostas que está

Leia mais

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações O número racional pode ser definido a partir da aritmética fechamento da operação de divisão entre inteiros ou partir da geometria

Leia mais

Unidade II - Sistemas de Equações Lineares

Unidade II - Sistemas de Equações Lineares Unidade II - Sistemas de Equações Lineares 1- Situando a Temática Discutiremos agora um dos mais importantes temas da matemática: Sistemas de Equações Lineares Trata-se de um tema que tem aplicações dentro

Leia mais

Gobooks.com.br. PucQuePariu.com.br

Gobooks.com.br. PucQuePariu.com.br ÁLGEBRA LINEAR todos os conceitos, gráficos e fórmulas necessárias, em um só lugar. Gobooks.com.br PucQuePariu.com.br e te salvando de novo. Agora com o: RESUMO ÁLGEBRA LINEAR POR: Giovanni Tramontin 1.

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO LINEAR. Álgebra Linear - Prof a Ana Paula

TRANSFORMAÇÃO LINEAR. Álgebra Linear - Prof a Ana Paula Álgebra Linear - Prof a na Paula TRNSFORMÇÃO LINER Definição: T é uma transformação do espaço vetorial V no espaço vetorial W, T : V W, se cada vetor v V tem um só vetor imagem w W, que será indicado por

Leia mais

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática Módulo 3 Unidade 10 Sistemas Lineares Para início de conversa... Diversos problemas interessantes em matemática são resolvidos utilizando sistemas lineares. A seguir, encontraremos exemplos de alguns desses

Leia mais

2) A área da parte mostarda dos 100 padrões é 6. 9. 2. 3) A área total bordada com a cor mostarda é (5400 + 3700) cm 2 = 9100 cm 2

2) A área da parte mostarda dos 100 padrões é 6. 9. 2. 3) A área total bordada com a cor mostarda é (5400 + 3700) cm 2 = 9100 cm 2 MATEMÁTICA 1 Um tapete deve ser bordado sobre uma tela de m por m, com as cores marrom, mostarda, verde e laranja, da seguinte forma: o padrão quadrado de 18 cm por 18 cm, mostrado abaio, será repetido

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro De Ciências Exatas e da Terra Departamento de Física Teórica e Experimental Programa de Educação Tutorial Curso de Nivelamento: Pré-Cálculo PET DE FÍSICA:

Leia mais

Aluno do Curso de Lic. em Matemática da UFMS; e mail: tmviana2000@gmail.com;

Aluno do Curso de Lic. em Matemática da UFMS; e mail: tmviana2000@gmail.com; Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 26 GRUPOS DE PERMUTAÇÕES E ALGUMAS DE PROPOSIÇÕES Thiago Mariano Viana 1, Marco Antônio Travasso 2 & Antônio Carlos

Leia mais

Capítulo 5: Transformações Lineares

Capítulo 5: Transformações Lineares 5 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 5: Transformações Lineares Sumário 1 O que são as Transformações Lineares?...... 124 2 Núcleo e Imagem....................

Leia mais

Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133)

Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133) Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133) Notas de aulas Maria Julieta Ventura Carvalho de Araújo (Colaboração: André Arbex Hallack) Março/2010 i Índice 1 Conjuntos 1 1.1 A noção de conjunto e alguns

Leia mais

NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR

NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇO VETORIAL REAL NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VETORIAIS Seja um conjunto V φ no qual estão definidas duas operações: adição e multiplicação por escalar, tais que u, v V, u+v V e α R, u V, αu V

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é:

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é: Função Toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. Definição formal:

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Elementos de Matemática Discreta

Elementos de Matemática Discreta Elementos de Matemática Discreta Prof. Marcus Vinícius Midena Ramos Universidade Federal do Vale do São Francisco 9 de junho de 2013 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Marcus

Leia mais

Vetores. Definição geométrica de vetores

Vetores. Definição geométrica de vetores Vetores Várias grandezas físicas, tais como por exemplo comprimento, área, olume, tempo, massa e temperatura são completamente descritas uma ez que a magnitude (intensidade) é dada. Tais grandezas são

Leia mais

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B RELAÇÕES BINÁRIAS PARES ORDENADOS Um PAR ORDENADO, denotado por (x,y), é um par de elementos onde x é o Primeiro elemento e y é o Segundo elemento do par A ordem é relevante em um par ordenado Logo, os

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

Retas e Planos. Equação Paramétrica da Reta no Espaço

Retas e Planos. Equação Paramétrica da Reta no Espaço Retas e lanos Equações de Retas Equação aramétrica da Reta no Espaço Considere o espaço ambiente como o espaço tridimensional Um vetor v = (a, b, c) determina uma direção no espaço Dado um ponto 0 = (x

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

Åaxwell Mariano de Barros

Åaxwell Mariano de Barros ÍÒ Ú Ö Ö Ð ÓÅ Ö Ò Ó Ô ÖØ Ñ ÒØÓ Å Ø Ñ Ø ÒØÖÓ Ò Ü Ø Ì ÒÓÐÓ ÆÓØ ÙÐ ¹¼ ÐÙÐÓÎ ØÓÖ Ð ÓÑ ØÖ Ò Ð Ø Åaxwell Mariano de Barros ¾¼½½ ËÓÄÙ ¹ÅA ËÙÑ Ö Ó 1 Vetores no Espaço 2 1.1 Bases.........................................

Leia mais

I. Cálculo Diferencial em R n

I. Cálculo Diferencial em R n Análise Matemática II Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Ano Lectivo 2010/2011 2 o Semestre Exercícios propostos para as aulas práticas I. Cálculo Diferencial em R n Departamento

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

Introdução à Topologia Resoluções de exercícios. Capítulo 1

Introdução à Topologia Resoluções de exercícios. Capítulo 1 Introdução à Topologia Resoluções de exercícios Exercício nº5 (alíneas 3. e 4.) Capítulo 1 É imediato, directamente a partir da definição, que, dados r, s Q, d p (r, s) e que d p (r, s) = se e só se r

Leia mais

Lista de Exercícios 03

Lista de Exercícios 03 Lista de Exercícios 03 Aplicações das relações e funções no cotidiano Ao lermos um jornal ou uma revista, diariamente nos deparamos com gráficos, tabelas e ilustrações. Estes, são instrumentos muito utilizados

Leia mais

Resolução de sistemas lineares

Resolução de sistemas lineares Resolução de sistemas lineares J M Martínez A Friedlander 1 Alguns exemplos Comecemos mostrando alguns exemplos de sistemas lineares: 3x + 2y = 5 x 2y = 1 (1) 045x 1 2x 2 + 6x 3 x 4 = 10 x 2 x 5 = 0 (2)

Leia mais

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2}

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2} Sistemas de Informação e Tecnologia em Proc. de Dados Matemática Ms. Carlos Roberto da Silva/ Ms. Lourival Pereira Martins FUNÇÃO Definição: Dados dois conjuntos e define-se como função de em a toda relação

Leia mais

1ª Parte Questões de Múltipla Escolha

1ª Parte Questões de Múltipla Escolha MATEMÁTICA 11 a 1ª Parte Questões de Múltipla Escolha A soma dos cinco primeiros termos de uma PA vale 15 e o produto desses termos é zero. Sendo a razão da PA um número inteiro e positivo, o segundo termo

Leia mais

Vetores no R 2 : = OP e escreve-se: v = (x, y), identificando-se as coordenadas de P com as componentes de v.

Vetores no R 2 : = OP e escreve-se: v = (x, y), identificando-se as coordenadas de P com as componentes de v. Vetores no R 2 : O conjunto R 2 = R x R = {(x, y) / x, y Є R} é interpretado geometricamente como sendo o plano cartesiano xoy. Qualquer vetor AB considerado neste plano tem sempre um representante OP

Leia mais

1. O conjunto dos polinômios de grau m, com 2 m 5, acrescido do polinômio nulo, é um subespaço do espaço P 5.

1. O conjunto dos polinômios de grau m, com 2 m 5, acrescido do polinômio nulo, é um subespaço do espaço P 5. UFPB/PRAI/CCT/DME - CAMPUS II DISCIPLINA: Álgebra Linear ALUNO (A): 2 a LISTA DE EXERCÍCIOS 1 a PARTE: QUESTÕES TIPO VERDADEIRO OU FALSO COM JUSTI- FICATIVA. 1. O conjunto dos polinômios de grau m com

Leia mais

Matemática. Euclides Roxo. David Hilbert. George F. B. Riemann. George Boole. Niels Henrik Abel. Karl Friedrich Gauss.

Matemática. Euclides Roxo. David Hilbert. George F. B. Riemann. George Boole. Niels Henrik Abel. Karl Friedrich Gauss. Matemática Jacob Palis Álgebra 1 Euclides Roxo David Hilbert George F. B. Riemann George Boole Niels Henrik Abel Karl Friedrich Gauss René Descartes Gottfried Wilhelm von Leibniz Nicolaus Bernoulli II

Leia mais

Álgebra Linear e Geometria Analítica

Álgebra Linear e Geometria Analítica Álgebra Linear e Geometria Analítica Departamento de Matemática para a Ciência e Tecnologia Universidade do Minho 2005/2006 Engenharia e Gestão Industrial Engenharia Electrónica Industrial e de Computadores

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS GRUPO Educação adistância Caderno de Estudos EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Prof. Ruy Piehowiak Editora UNIASSELVI 2012 NEAD Copyright Editora UNIASSELVI 2012 Elaboração: Prof. Ruy Piehowiak Revisão, Diagramação

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Capítulo 8 Equações Diferenciais Ordinárias Vários modelos utilizados nas ciências naturais e exatas envolvem equações diferenciais. Essas equações descrevem a relação entre uma função, o seu argumento

Leia mais

Def. 1: Seja a quádrupla (V, K, +, ) onde V é um conjunto, K = IR ou K = IC,

Def. 1: Seja a quádrupla (V, K, +, ) onde V é um conjunto, K = IR ou K = IC, ESPAÇO VETORIAL Def. 1: Seja a quádrupla (V, K, +, ) onde V é um conjunto, K = IR ou K = IC, + é a operação (função) soma + : V V V, que a cada par (u, v) V V, associa um único elemento de V, denotado

Leia mais

Notas Para um Curso de Cálculo. Daniel V. Tausk

Notas Para um Curso de Cálculo. Daniel V. Tausk Notas Para um Curso de Cálculo Avançado Daniel V. Tausk Sumário Capítulo 1. Diferenciação... 1 1.1. Notação em Cálculo Diferencial... 1 1.2. Funções Diferenciáveis... 8 Exercícios para o Capítulo 1...

Leia mais

4. Tangentes e normais; orientabilidade

4. Tangentes e normais; orientabilidade 4. TANGENTES E NORMAIS; ORIENTABILIDADE 91 4. Tangentes e normais; orientabilidade Uma maneira natural de estudar uma superfície S consiste em considerar curvas γ cujas imagens estão contidas em S. Se

Leia mais

Aula 9 Plano tangente, diferencial e gradiente

Aula 9 Plano tangente, diferencial e gradiente MÓDULO 1 AULA 9 Aula 9 Plano tangente, diferencial e gradiente Objetivos Aprender o conceito de plano tangente ao gráfico de uma função diferenciável de duas variáveis. Conhecer a notação clássica para

Leia mais

2 Extensão do Produto Vetorial Sobre uma Álgebra Exterior

2 Extensão do Produto Vetorial Sobre uma Álgebra Exterior 2 Extensão do Produto Vetorial Sobre uma Álgebra Exterior Seja R 3 o espaço euclidiano tridimensional, chamamos de álgebra exterior de R 3 a álgebra Λ(R 3 ) gerada pela base canônica {e 1, e 2, e 3 } satisfazendo

Leia mais

Lista de férias. Orientação de estudos:

Lista de férias. Orientação de estudos: Lista de férias Orientação de estudos: 1. Você deve rever as aulas iniciais sobre distância entre dois pontos e coeficiente angular. Lembre-se que há duas maneiras para determinar o coeficiente angular.

Leia mais

ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere as seguintes afirmações sobre o conjunto U = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} I. U e n(u) = 10 III. 5 U e {5}

Leia mais

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Breve referência à Teoria de Anéis Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Anéis Há muitos conjuntos, como é o caso dos inteiros, dos inteiros módulo n ou dos números reais, que consideramos

Leia mais

Curvas em coordenadas polares

Curvas em coordenadas polares 1 Curvas em coordenadas polares As coordenadas polares nos dão uma maneira alternativa de localizar pontos no plano e são especialmente adequadas para expressar certas situações, como veremos a seguir.

Leia mais

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase 36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase Problema 1 Turbo, o caracol, está participando de uma corrida Nos últimos 1000 mm, Turbo, que está a 1 mm por hora, se motiva e

Leia mais

Produtos. 4.1 Produtos escalares

Produtos. 4.1 Produtos escalares Capítulo 4 Produtos 4.1 Produtos escalares Neste tópico iremos estudar um novo tipo de operação entre vetores do plano e do espaço. Vamos fazer inicialmente uma consideração geométrica, como segue. Seja

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática Disciplina: Estruturas Algébricas Profs.: Elisangela S. Farias e Sérgio Motta Operações

Leia mais

2ª fase. 19 de Julho de 2010

2ª fase. 19 de Julho de 2010 Proposta de resolução da Prova de Matemática A (código 635) ª fase 19 de Julho de 010 Grupo I 1. Como só existem bolas de dois tipos na caixa e a probabilidade de sair bola azul é 1, existem tantas bolas

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 7 ISOMORFISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 7 ISOMORFISMO INRODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBRA LINERAR CAPÍULO 7 ISOMORFISMO A pergunta inicial que se faz neste capítulo e que o motiva é: dada uma transformação linear : V W é possível definir uma transformação linear

Leia mais

Capítulo 1: Sistemas Lineares e Matrizes

Capítulo 1: Sistemas Lineares e Matrizes 1 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 1: Sistemas Lineares e Matrizes Sumário 1 O que é Álgebra Linear?............... 2 1.1 Corpos.........................

Leia mais

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Definição Chama-se função polinomial do 1º grau, ou função afim, a qualquer função f de IR em IR dada por uma lei da forma f(x) = ax + b, onde a e b são números reais dados

Leia mais

Prof. José Carlos Morilla

Prof. José Carlos Morilla 1 Cálculo Vetorial e Geometria Analítica Santos 009 1 CÁLCULO VETORIAL... 4 1.1 Segmentos Orientados... 4 1. Vetores... 4 1..1 Soma de um ponto com um vetor... 5 1.. Adição de vetores... 5 1..3 Diferença

Leia mais

4. A FUNÇÃO AFIM. Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares

4. A FUNÇÃO AFIM. Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares 38 4. A FUNÇÃO AFIM Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares 1) A função identidade fr : Rdefinida por f(x) = x para todo

Leia mais

por séries de potências

por séries de potências Seção 23: Resolução de equações diferenciais por séries de potências Até este ponto, quando resolvemos equações diferenciais ordinárias, nosso objetivo foi sempre encontrar as soluções expressas por meio

Leia mais

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, exploramos a origem do campo magnético - cargas em movimento.

Leia mais

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA Autor: Carlos Safreire Daniel Ramos Leandro Ferneta Lorival Panuto Patrícia de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC SEMANA DE MATEMÁTICA - OFICINA DE GEOMETRIA PROFESSORAS: Jurema Lindote Botelho e Eurivalda Ribeiro Santana

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC SEMANA DE MATEMÁTICA - OFICINA DE GEOMETRIA PROFESSORAS: Jurema Lindote Botelho e Eurivalda Ribeiro Santana UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC SEMANA DE MATEMÁTICA - OFICINA DE GEOMETRIA PROFESSORAS: Jurema Lindote Botelho e Eurivalda Ribeiro Santana ATIVIDADE 1 TRANSLAÇÃO 1. Considere, na figura a seguir,

Leia mais

Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma

Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma Equações Diferenciais de Ordem Superior Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma ou então d 2 y ( dt = f t, y, dy ) 2 dt y = f(t, y, y ). (1) Dizemos que a equação (1) é linear quando a função f for linear

Leia mais

1 Módulo ou norma de um vetor

1 Módulo ou norma de um vetor Álgebra Linear I - Aula 3-2005.2 Roteiro 1 Módulo ou norma de um vetor A norma ou módulo do vetor ū = (u 1, u 2, u 3 ) de R 3 é ū = u 2 1 + u2 2 + u2 3. Geometricamente a fórmula significa que o módulo

Leia mais

Álgebra Linear Resumo das aulas teóricas e práticas Paulo R. Pinto http://www.math.ist.utl.pt/ ppinto/ Lisboa, Novembro de 2011

Álgebra Linear Resumo das aulas teóricas e práticas Paulo R. Pinto http://www.math.ist.utl.pt/ ppinto/ Lisboa, Novembro de 2011 Álgebra Linear Resumo das aulas teóricas e práticas Paulo R Pinto http://wwwmathistutlpt/ ppinto/ Lisboa, Novembro de 2011 Conteúdo 1 Matrizes e sistemas lineares 1 11 Álgebra das Matrizes 1 12 Operações

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

Representação no Plano Cartesiano INTRODUÇÃO A FUNÇÃO

Representação no Plano Cartesiano INTRODUÇÃO A FUNÇÃO INTRODUÇÃO A FUNÇÃO Def: Dado dois conjuntos que tenham uma relação, chama-se função quando todo elemento do primeiro tiver associado um único elemento do segundo conjunto. Ou seja, f é função de A em

Leia mais

Atenção: o conjunto vazio é representado por { } 1.2 Pertinência e Inclusão

Atenção: o conjunto vazio é representado por { } 1.2 Pertinência e Inclusão Módulo 1 Conjuntos A Teoria dos Conjuntos foi estabelecida por Georg Ferdinand Ludwig Cantor (1845 1918). Em meados do século XX, a Teoria dos Conjuntos exerceu profundos efeitos sobre o ensino da Matemática.

Leia mais

b) a 0 e 0 d) a 0 e 0

b) a 0 e 0 d) a 0 e 0 IFRN - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RN PROFESSOR: MARCELO SILVA MATEMÁTICA FUNÇÃO DO º GRAU 1. Um grupo de pessoas gastou R$ 10,00 em uma lanchonete. Quando foram pagar a conta,

Leia mais

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO 5 FUNÇÃO 5.1 Introdução O conceito de função fundamenta o tratamento científico de problemas porque descreve e formaliza a relação estabelecida entre as grandezas que o integram. O rigor da linguagem e

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT GABARITO da 3 a Avaliação Nacional de Aritmética - MA14-21/12/2013 Questão 1. (pontuação: 2) (1,0) a) Enuncie e demonstre

Leia mais

R é o conjunto dos reais; f : A B, significa que f é definida no conjunto A (domínio - domain) e assume valores em B (contradomínio range).

R é o conjunto dos reais; f : A B, significa que f é definida no conjunto A (domínio - domain) e assume valores em B (contradomínio range). f : A B, significa que f é definida no conjunto A (domínio - domain) e assume valores em B (contradomínio range). R é o conjunto dos reais; R n é o conjunto dos vetores n-dimensionais reais; Os vetores

Leia mais

Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente

Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente Aula 6 Derivadas Direcionais e o Vetor Gradiente MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual

Leia mais

Matemática SSA 2 REVISÃO GERAL 1

Matemática SSA 2 REVISÃO GERAL 1 1. REVISÃO 01 Matemática SSA REVISÃO GERAL 1. Um recipiente com a forma de um cone circular reto de eixo vertical recebe água na razão constante de 1 cm s. A altura do cone mede cm, e o raio de sua base

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Conteúdos do 7º ano Conteúdos do 8º ano Conteúdos do 8º Ano Teorema de Pitágoras Funções Semelhança de triângulos Ainda os números Lugares geométricos

Leia mais