ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA. [x] := {y X t.q. x y}.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA. [x] := {y X t.q. x y}."

Transcrição

1 ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA 1. Relações de equivalência Seja uma relação de equivalência sobre um conjunto X, isto é, uma rel ção binária que satisfaz as seguintes propriedades i. (Prop. Reflexiva.) Para todo x X temos que x x. ii. (Prop. Simétrica.) Para todo x, y X, se x y então y x. iii. (Prop. Transitiva) Para todo x, y, z X, se x y e y z então x z. Então podemos definir, para cada x X, a classe de equivalência de x como O conjunto de todas as classes de equivalência [x] := {y X t.q. x y}. X/ := {[x]: x X} é chamado do quociente de X pela relação de equivalência. Existe uma aplicação natural π : X X/ definida por π(x) := [x] A aplicação sobrejetora π é chamada de aplicação quociente. 2. Partições e relações de equivalência Uma partição P de X é uma coleção de subconjuntos de X tais que i. Esta coleção de subconjuntos cobre X, isto é X = A P A. ii. Os subconjuntos de X nesta coleção são dois a dois disjuntos, isto é, se A, B P e A B φ então A = B. Segue das propriedades i, ii, iii de uma relação de equivalência que X/ é uma partição de X. Reciprocamente, se P é uma partição de X, podemos definir uma relação em X do seguinte modo: x y se e somente se x e y pertencem ao mesmo subconjunto de X na coleção P. Então é uma relação de equivalência e P = X/. 3. Topologia quociente Se (X, O X ) é um espaço topológico e é uma relação de equivalência em X, então podemos munir X/ com uma topologia, chamada de topologia quociente. Para este fim faremos uso a seguinte proposição Proposição 3.1. Seja (X, O X ) um espaço topológico e π : X Y uma função sobrejetora entre X e um conjunto Y. Então podemos definir uma topologia em Y da seguinte forma: A Y é aberto se e somente se π 1 A é aberto em X. A prova é simples: basta verificar que O Y := {A Y : π 1 A é aberto em X} é uma topologia (Exercício!!). A topologia O Y é chamada de topologia co-induzida pela aplicação π. Se aplicarmos a proposição acima à aplicação quociente π : X X/, então a topologia co-induzida O X/ em X/ por π é chamada de topologia quociente. O espaço topológico (X/, O X/ ) é chamado de espaço quociente de X por. 1

2 2 DANIEL SMANIA 4. Tomando o quociente de funções contínuas Sejam X e Y espaços topológicos e f : X Y uma função conítua. Seja uma relação de equivalência em X. Vamos analisar a seguintes questão: quando é possível encontrar uma função contínua g : X/ Y tal que f = g π. Note que se tal função existe então se x y termos que [x) = [y] e assim Assim a condição de que (*) x y implica f(x) = f(y). f(x) = g(π(x)) = g([x]) = g([y]) = g(π(y)) = f(y). é certamente necessária para a existência de g. Ocorre que esta condição também é suficiente: Proposição 4.1. Sejam X e Y espaços topológicos, f : X Y uma função contínua e uma relação de equivalência em X. Então existe uma função contínua g : X/ Y satisfazendo se e somente se a condição ( ) acima é satisfeita. f = g π Já demonstramos que ( ) é necessária. Vamos demonstrar a suficiência: Defina g : X/ Y como g([x]) := f(x). Devido a condição ( ), a função g está bem definida. Note que se x X então g(π(x)) = g([x]) = f(x). Assim f = g π. Resta mostrar que g é contínua. De fato, se A é aberto em Y então f 1 A é aberto em X, pois f é contínua. Mas pela definição da topologia quociente, g 1 A é aberto se e somente se ψ 1 (g 1 A) = f 1 A é aberto em X. Logo g 1 A é aberto. Concluimos que g é contínua. A proposição acima é particularmente útil para reconhecer espaços quocientes como homoemórficas à espaços topológicos mais familiares, como veremos nos exemplos da próxima seção e nos exercícios abaixo. 5. Exemplos 5.1. O círculo como um espaço quociente. Defina a seguinte relação de equivalência sobre R: dois números reais x e y são equivalentes se eles diferem por um número inteiro, isto é x y se e somente se x y Z. Se considermos R com a topologia usual então R/ é homeomorfo ao círculo S 1 := {(x, y) R 2 : x 2 + y 2 = 1}. De fato, utilizaremos a Proposição 4.1 para construir um homeomorfismo De fato, seja f : R S 1 a função sobrejetora definida por g : X/ S 1. f(t) := (cos(2πt), sin(2πt)). Segue do curso de Cálculo ZERO que f(t 2 ) = f(t 1 ) se e somente se t 2 = t 1 + k, para algum k Z, isto é ( ) f(t 2 ) = f(t 1 ) se e somente se t 2 t 1 Z. Em particular, Pela Proposição 4.1 existe uma função contínua g : X/ S 1 tal que f = g π Vamos mostrar que g é um homeomorfismo. Como f é sobrejetora, g também é sobrejetora. Afirmamos que f é injetora. De fato se g([t 2 ]) = g([t 2 ]) então f(t 2 ) = g([t 2 ]) = g([t 1 ]) = f(t 1 ), logo por ( ) temos que t 2 t 1 Z, assim [t 2 ] = [t 1 ]. Resta verificar que g 1 é contínua. Note que f não é inversível, mas ela possui inversas locais. De fato, defina A 1 := S 1 {(x, y): x > 0},

3 ESPAÇOS QUOCIENTES 3 A 2 := S 1 {(x, y): y > 0}, A 3 := S 1 {(x, y): x < 0}, A 4 := S 1 {(x, y): y < 0}. Note que A i, com i = 1, 2, 3, 4, é um aberto em S 1. Vamos definir inversas locais contínuas ψ i : A i R, isto é, ψ i satisfazem f ψ i (x, y) = (x, y) para (x, y) A i. Construiremos ψ 1, os outros casos são deixados para o leitor. Primeiramente, note que a função f quando restrita ao intervalo aberto ( 1/4, 1/4) é injetora, pois π 2 f é injetora, já que φ 1 : ( 1/4, 1/4) ( 1, 1) definida por φ 1 (t) := sin(2πt) é injetora em ( 1/4, 1/4). Como além disso φ 1 é sobrejetora e φ 1(x) 0, para x ( 1/4, 1/4), pelo manjado teorema da função inversa existe uma inversa diferenciável (portanto contínua) φ 1 1. Então é fácil ver que se definirmos ψ 1 (x, y) := φ 1 1 (y) para (x, y) A 1, então ψ 1 é uma inversa local (contínua). Estamos prontos para definir a inversa de g. Defina h: S 1 R/ como π ψ 1 (x, y) se (x, y) A 1, π ψ 2 (x, y) se (x, y) A 2, h(x, y) = π ψ 3 (x, y) se (x, y) A 3, π ψ 4 (x, y) se (x, y) A 4, Note que h está bem definida, pois se (x, y) A i A j, temos que como ψ i e ψ j são inversas locais, logo f(ψ i (x, y)) = (x, y) = f(ψ j (x, y)), logo pela propriedade ( ) temos que ψ i (x, y) ψ j (x, y) Z, donde π ψ i (x, y) = π ψ j (x, y). Como vimos em aulas anteriores, como h é contínua em cada um dos abertos A i (que cobrem S 1 ) temos que h é contínua. Além disso g(h(x, y)) = g(π(ψ i (x, y))) = g([ψ i (x, y)]) = f(ψ i (x, y)) = (x, y), logo h é a inversa de g. Assim g é um homeomorfismo O toro T 2. Se 0 < a < c, podemos definir um toro T 2 como o conjunto dos pontos (x, y, z) R 3 tais que (c x 2 + y 2 ) 2 + z z = a 2. Do ponto de vista métrico há vários toros (variando as constantes a e c obtemos toros que não são isométricos. Mas do ponto de vista topológico só há um toro, isto é, todos este toros são homeomorfos (exercício!). Assim fixe c = 1 e a < 1. Vamos obter o toro como um espaço quociente: Defina a seguinte relação de equivalência 2 sobre R 2 : v 2 w se e somente se v w Z 2. Afirmamos que R/ 2 é homeomorfo a um toro. De fato considere a função sobrejetora f : R 2 T 2 definida por (u, v) (x, y, z), onde x = (1 + acos(2πv)) cos(2πu), y = (1 + acos(2πv)) sin(2πu), z = a sin(2πv). Note que ( ) f(u, v) = f(u, v ) se e somente se (u, v) (u, v ) Z 2. Como no exemplo anterior, podemos tomar o quociente de f, encontrando uma função g bijetora e contínua entre R 2 / e o toro T 2. Poderíamos mostrar que a inversa de g é contínua utilizando um argumento similar ao adotado no exemplo anterior, mas isto seria muito trabalhoso. Um método mais simples seria mostrar que R/ é compacto, o que implicaria automaticamente que g 1 é contínua. De fato como π([0, 1] [0, 1]) = R/ 2, a continuidade da aplicação quociente π : R 2 R/ 2 implica que R/ 2 é compacto.

4 4 DANIEL SMANIA 5.3. O toro T n. De maneira análoga podemos definir a relação de equivalência n em R n por usando os métodos acima descritos, é possível mostrar que v n w se e somente se v w Z n. T n := R n / n é homeomorfo a S 1 S 1... S } {{ } 1. n vezes O espaço topológico T n é chamado de toro n-dimensional (generalize o exercício 5) Espaço Projetivo P n. Considere a relação de equivalência sobre R n+1 := R n+1 {0} definida por v w se e somente se existe λ R tal que v = λw. O espaço quociente R n+1 / é chamado de espaço projetivo n-dimensional e denotado P n Espaços homogêneos. Seja (G, ) um grupo topológico, isto é, um grupo munido com uma topologia tal que as aplicações (x, y) x y e x x 1 são contínuas. Se H é um subgrupo de G, podemos definir a seguinte relação de equivalência em G: x y se e somente se x y 1 H. O espaço quociente G/, também denotado G/H, é chamado de espaço homogêneo. Noque que os toros T n são espaço homegêneos, considerando G = R n como um grupo aditivo e H = Z n como seu subgrupo. 6. Exercícios Exercício 1. Considere a seguinte relação de equivalência em R 2 : dois pontos (a, b) e (c, d) são equivalentes se e somente se c a Z. Mostre que o espaço quociente é homemorfo ao cilindro {(x, y, z) R 3 tal que x 2 + y 2 = 1}. Exercício 2. Defina a seguinte relação de equivalência em Ω := R n+1 {0}: dois vetores v e w são equivalentes se existe λ R + tal que v = λw. Mostre que Ω/ é homeomorfo a esfera n-dimensional S n := {x R n+1 : x Eucl = 1} Exercício 3. Mostre que o espaço projetivo P n é homeomorfo a S n /, onde a relação de quival encia tem classes de equivalência dadas por [x] = {x, x}. Exercício 4. Sejam X e Y espaços topológicos e f : X Y uma função sobrejetiva que é um homeomorfismo local (isto é, para todo ponto x X existe uma vizinhança aberta U de x tal que f(u) é um aberto em Y e f : U f(u) tem uma inversa contínua). Defina a seguinte relação de equivalência em X: dois pontos x, y X são equivalentes se e somente se f(x) = f(y). Mostre que X/ é homeomorfo a Y. Exercício 5. Sejam X e Y espaços topológicos e X e Y relações de equivalência em X e Y. Defina a relação de equivalência em X Y como (a, b) (x, y) see a X x e b Y y. Mostre que (X Y/ ) (X/ X ) (Y/ Y ). Exercício 6. Sejam X e Y espaços topológicos e X relações de equivalência em X e Y. Seja f : X Y uma função contínua tal que se a X b então f(a) Y Mostre que existe uma função e Y f(b). tal que isto é, o diagrama abaixo comuta. g : X / X Y / Y π Y f = g π X, X π X X / X f Y π Y g Y / Y

5 ESPAÇOS QUOCIENTES 5 Exercício 7. Mostre que P 1 é homeomorfo a S 1. Sug: Considere S 1 como um subconjunto de C e defina f : S 1 S 1 dada por f(z) := z 2. Então use os Exs. 3 e 6. Exercício 8. Como veremos, P 2 não é homeomorfo a S 2. Mostre que existe uma função f : S 2 P 2 que é um homeomorfismo local sobrejetor. O mesmo resultado vale substituindo 2 por n? Sug: Use o Ex. 6. Exercício 9. Mostre que o espaço projetivo P 2 é localmente homeomorfo a R 2, isto é, para todo ponto x P 2 existe um aberto U que contém x e um homeomorfimo h: U R 2. O mesmo resultado vale substituindo 2 por n? Exercício 10. Seja M uma matriz 2 2 tal que todas suas entradas são números inteiros. Considere a transformação linear (contínua) f : R 2 R 2 definida por f(v) = M v. Mostre que existe uma função contínua g : T 2 T 2 atal que π f = g π, isto é, o diagrama abaixo comuta. Aqui π : R 2 T 2 é a função quociente. Mostre que g é um homeomorfismo se det(m) {1, 1}. R 2 π f R 2 T 2 g T 2 Exercício 11. Seja G/H um espaço homogêneo como definido no Exemplo 5.5. Mostre que G/H é homogêneo no sentido topológico, isto é, dados quaisquer a, b G/H, existe um homeomorfismo h: G/H G/H tal que h(a) = b. Exercício 12. Seja v, w R 2 vetores linearmente independentes. Então π H = {n v + m w t.q. m, n Z} é um subgrupo do grupo aditivo (R 2, +). Mostre que R 2 /H é homeomorfo ao toro R 2 /Z 2. URL:

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição 90 1. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 1.1 FUNÇÕES INJETORAS Definição Dizemos que uma função f: A B é injetora quando para quaisquer elementos x 1 e x de A, f(x 1 ) = f(x ) implica x 1 = x. Em

Leia mais

1 Propriedades das Funções Contínuas 2

1 Propriedades das Funções Contínuas 2 Propriedades das Funções Contínuas Prof. Doherty Andrade 2005 Sumário 1 Propriedades das Funções Contínuas 2 2 Continuidade 2 3 Propriedades 3 4 Continuidade Uniforme 9 5 Exercício 10 1 1 PROPRIEDADES

Leia mais

FUNÇÃO COMO CONJUNTO R 1. (*)= ou, seja, * possui duas imagens. b) não é uma função de A em B, pois não satisfaz a segunda condição da

FUNÇÃO COMO CONJUNTO R 1. (*)= ou, seja, * possui duas imagens. b) não é uma função de A em B, pois não satisfaz a segunda condição da FUNÇÃO COMO CONJUNTO Definição 4.4 Seja f uma relação de A em B, dizemos que f é uma função de A em B se as duas condições a seguir forem satisfeitas: i) D(f) = A, ou seja, o domínio de f é o conjunto

Leia mais

Notas Para um Curso de Cálculo. Daniel V. Tausk

Notas Para um Curso de Cálculo. Daniel V. Tausk Notas Para um Curso de Cálculo Avançado Daniel V. Tausk Sumário Capítulo 1. Diferenciação... 1 1.1. Notação em Cálculo Diferencial... 1 1.2. Funções Diferenciáveis... 8 Exercícios para o Capítulo 1...

Leia mais

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit O Teorema da Função Inversa

Leia mais

Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133)

Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133) Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133) Notas de aulas Maria Julieta Ventura Carvalho de Araújo (Colaboração: André Arbex Hallack) Março/2010 i Índice 1 Conjuntos 1 1.1 A noção de conjunto e alguns

Leia mais

Um Exemplo de Topologia Não Metrizável

Um Exemplo de Topologia Não Metrizável Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática Um Exemplo de Topologia Não Metrizável Autor: Tamyris Marconi Orientadora: Profa. Dra. Cláudia Buttarello

Leia mais

Lista 1 para a P2. Operações com subespaços

Lista 1 para a P2. Operações com subespaços Lista 1 para a P2 Observação 1: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós sugerimos

Leia mais

1 Base de um Espaço Vetorial

1 Base de um Espaço Vetorial Disciplina: Anéis e Corpos Professor: Fernando Torres Membros do grupo: Blas Melendez Caraballo (ra143857), Leonardo Soriani Alves (ra115465), Osmar Rogério Reis Severiano (ra134333) Ramon Códamo Braga

Leia mais

Teorema de Taylor. Prof. Doherty Andrade. 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange. 2 Exemplos 2. 3 Exercícios 3. 4 A Fórmula de Taylor 4

Teorema de Taylor. Prof. Doherty Andrade. 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange. 2 Exemplos 2. 3 Exercícios 3. 4 A Fórmula de Taylor 4 Teorema de Taylor Prof. Doherty Andrade Sumário 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange 1 2 Exemplos 2 3 Exercícios 3 4 A Fórmula de Taylor 4 5 Observação 5 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange

Leia mais

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade Propriedades das Funções Deriváveis Prof Doerty Andrade 2005 Sumário Funções Deriváveis 2 Introdução 2 2 Propriedades 3 3 Teste da derivada segunda para máimos e mínimos 7 2 Formas indeterminadas 8 2 Introdução

Leia mais

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é:

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é: Função Toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. Definição formal:

Leia mais

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus: Mossoró Curso: Licenciatura Plena em Matemática Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Prof.: Robson Pereira de Sousa

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 A Nome: RG: Assinatura: Instruções A duração da prova é de duas horas. Assinale as alternativas corretas na folha de respostas que está

Leia mais

Notas de aulas. André Arbex Hallack

Notas de aulas. André Arbex Hallack Cálculo I Notas de aulas André Arbex Hallack Julho/007 Índice 0 Preliminares 0. Números reais.................................... 0. Relação de ordem em IR.............................. 3 0.3 Valor absoluto....................................

Leia mais

Introdução à Topologia Resoluções de exercícios. Capítulo 1

Introdução à Topologia Resoluções de exercícios. Capítulo 1 Introdução à Topologia Resoluções de exercícios Exercício nº5 (alíneas 3. e 4.) Capítulo 1 É imediato, directamente a partir da definição, que, dados r, s Q, d p (r, s) e que d p (r, s) = se e só se r

Leia mais

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Álgebra Linear André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Janeiro/2006 Índice 1 Sistemas Lineares 1 11 Corpos 1 12 Sistemas de Equações Lineares 3 13 Sistemas equivalentes 4 14 Operações elementares

Leia mais

Fundamentos de Matemática

Fundamentos de Matemática Universidade Federal do Piauí Campus Ministro Reis Velloso Departamento de Matemática Fundamentos de Matemática por Cleyton Natanael Lopes de Carvalho Cunha Parnaiba, de 20 Sumário 1 Teoria Elementar dos

Leia mais

Espaços Quociente e sua Topologia

Espaços Quociente e sua Topologia Universidade Federal da Rondônia Núcleo de Ciências Exatas e da Terra Departamento de Matemática Curso de Matemática Espaços Quociente e sua Topologia Quéssia de Oliveira Gimenes 2014 Universidade Federal

Leia mais

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2}

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2} Sistemas de Informação e Tecnologia em Proc. de Dados Matemática Ms. Carlos Roberto da Silva/ Ms. Lourival Pereira Martins FUNÇÃO Definição: Dados dois conjuntos e define-se como função de em a toda relação

Leia mais

Capítulo 5: Transformações Lineares

Capítulo 5: Transformações Lineares 5 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 5: Transformações Lineares Sumário 1 O que são as Transformações Lineares?...... 124 2 Núcleo e Imagem....................

Leia mais

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias

Capítulo 2. Álgebra e imagens binárias. 2.1 Subconjuntos versus funções binárias Capítulo 2 Álgebra e imagens binárias Em Análise de Imagens, os objetos mais simples que manipulamos são as imagens binárias. Estas imagens são representadas matematicamente por subconjuntos ou, de maneira

Leia mais

Princípio das casas de pombo

Princípio das casas de pombo Princípio das casas de pombo Márcia R. Cerioli IM e COPPE, UFRJ Renata de Freitas IME, UFF Petrucio Viana IME, UFF Maio de 2014 1 Introdução Neste texto, apresentamos e exemplificamos o Princípio das Casas

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7

ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7 . ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7 ROBERTO DE MARIA NUNES MENDES Professor do Departamento de Matemática e Estatística e do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica da PUCMINAS Belo Horizonte

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Breve referência à Teoria de Anéis Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Anéis Há muitos conjuntos, como é o caso dos inteiros, dos inteiros módulo n ou dos números reais, que consideramos

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. As Fronteiras de Shilov e de Bishop

Universidade Federal do Rio de Janeiro. As Fronteiras de Shilov e de Bishop Universidade Federal do Rio de Janeiro Rafael Monteiro dos Santos As Fronteiras de Shilov e de Bishop Rio de Janeiro 2008 Rafael Monteiro dos Santos As Fronteiras de Shilov e de Bishop Dissertação de Mestrado

Leia mais

INE0003 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE0003 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE0003 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/52 7 - ESTRUTURAS ALGÉBRICAS 7.1) Operações Binárias

Leia mais

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 Funções contínuas, equações diferenciais ordinárias, Exp e Log Roberto Imbuzeiro Oliveira 21 de Fevereiro de 214 Conteúdo 1 O que vamos ver 1 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 3 Existência

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES

ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - Unifal-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000 - Fax: (35) 3299-1063 ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES

Leia mais

através do reticulado hexagonal

através do reticulado hexagonal Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Construção de códigos esféricos através do reticulado hexagonal Carina Alves UFU - Faculdade de Matemática Campus Santa Mônica 38408-100, Uberlândia, MG E-mail: carina

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Elementos de Matemática Discreta

Elementos de Matemática Discreta Elementos de Matemática Discreta Prof. Marcus Vinícius Midena Ramos Universidade Federal do Vale do São Francisco 9 de junho de 2013 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Marcus

Leia mais

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril 15.053 Quinta-feira, 25 de abril Teoria de Programação Não-Linear Programação Separável Dificuldades de Modelos de PNL Programa Linear: Apostilas: Notas de Aula Programas Não-Lineares 1 2 Análise gráfica

Leia mais

Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima.

Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima. Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima. 1 /2013 Para calcular Hom(G 1,G 2 ) ou Aut(G) vocês vão precisar ter em

Leia mais

Espaços não reversíveis

Espaços não reversíveis {Nome da seção} Notas de aula Espaços não reversíveis Fernando Lucatelli Nunes UnB-UC/UP 1 Se X e Y são espaços topológicos quaisquer, o gráfico de uma função f : X Y é o conjunto G( f )={(x, f (x)) :

Leia mais

A classificação de Thurston das geometrias tridimensionais

A classificação de Thurston das geometrias tridimensionais A classificação de Thurston das geometrias tridimensionais Carlos Matheus 22 de março de 2007 Resumo Apresentamos a prova do teorema de classificação das geometrias 3-dimensionais de Thurston, segundo

Leia mais

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html

4.2 Teorema do Valor Médio. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html 4.2 Teorema do Valor Médio Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Teorema de Rolle: Seja f uma função que satisfaça as seguintes hipóteses: a) f é contínua no intervalo

Leia mais

Aluno do Curso de Lic. em Matemática da UFMS; e mail: tmviana2000@gmail.com;

Aluno do Curso de Lic. em Matemática da UFMS; e mail: tmviana2000@gmail.com; Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 26 GRUPOS DE PERMUTAÇÕES E ALGUMAS DE PROPOSIÇÕES Thiago Mariano Viana 1, Marco Antônio Travasso 2 & Antônio Carlos

Leia mais

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados Capítulo 3 Cálculo Vetorial O objetivo deste capítulo é o estudo de vetores de um ponto de vista geométrico e analítico. De acordo com a necessidade, a abordagem do assunto será formal ou informal. O estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CAMPUS DE AQUIDAUANA CURSO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CAMPUS DE AQUIDAUANA CURSO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CAMPUS DE AQUIDAUANA CURSO DE MATEMÁTICA Fulano da Silva Sauro COLOQUE AQUI O TÍTULO DO TRABALHO COLOQUE AQUI O SUBTÍTULO SE HOUVER AQUIDAUANA, MS 2015 FULANO

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática Disciplina: Estruturas Algébricas Profs.: Elisangela S. Farias e Sérgio Motta Operações

Leia mais

Prof. Márcio Nascimento. 22 de julho de 2015

Prof. Márcio Nascimento. 22 de julho de 2015 Núcleo e Imagem Prof. Márcio Nascimento marcio@matematicauva.org Universidade Estadual Vale do Acaraú Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Curso de Licenciatura em Matemática Disciplina: Álgebra Linear

Leia mais

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x

LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES. : R R + o x x LIMITES e CONTINUIDADE de FUNÇÕES Noções prévias 1. Valor absoluto de um número real: Chama-se valor absoluto ou módulo de um número real ao número x tal que: x se x 0 x = x se x < 0 Está assim denida

Leia mais

Representação no Plano Cartesiano INTRODUÇÃO A FUNÇÃO

Representação no Plano Cartesiano INTRODUÇÃO A FUNÇÃO INTRODUÇÃO A FUNÇÃO Def: Dado dois conjuntos que tenham uma relação, chama-se função quando todo elemento do primeiro tiver associado um único elemento do segundo conjunto. Ou seja, f é função de A em

Leia mais

Gobooks.com.br. PucQuePariu.com.br

Gobooks.com.br. PucQuePariu.com.br ÁLGEBRA LINEAR todos os conceitos, gráficos e fórmulas necessárias, em um só lugar. Gobooks.com.br PucQuePariu.com.br e te salvando de novo. Agora com o: RESUMO ÁLGEBRA LINEAR POR: Giovanni Tramontin 1.

Leia mais

Trabalho Computacional. A(h) = V h + 2 V π h, (1)

Trabalho Computacional. A(h) = V h + 2 V π h, (1) Unidade de Ensino de Matemática Aplicada e Análise Numérica Departamento de Matemática/Instituto Superior Técnico Matemática Computacional (Mestrado em Engenharia Física Tecnológica) 2014/2015 Trabalho

Leia mais

A ideia de coordenatização (2/2)

A ideia de coordenatização (2/2) 8 a : aula (1h) 12/10/2010 a ideia de coordenatização (2/2) 8-1 Instituto Superior Técnico 2010/11 1 o semestre Álgebra Linear 1 o ano das Lics. em Engenharia Informática e de Computadores A ideia de coordenatização

Leia mais

Sobre Domínios Euclidianos

Sobre Domínios Euclidianos Sobre Domínios Euclidianos Clarissa Bergo Bianca Fujita Lino Ramada João Schwarz Felipe Yukihide Setembro de 2011 Resumo Neste texto, apresentaremos formalmente o que vem a ser domínio euclidiano, alguns

Leia mais

Uma Introdução ao Estudo de Fibrados Vetoriais

Uma Introdução ao Estudo de Fibrados Vetoriais Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Instituto de Geociências e Ciências Exatas Campus de Rio Claro Uma Introdução ao Estudo de Fibrados Vetoriais Eliete Grasiela Both Dissertação apresentada

Leia mais

ÁLGEBRA. Isidorio Rodrigues Queiroz. Rio de Janeiro / 2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO

ÁLGEBRA. Isidorio Rodrigues Queiroz. Rio de Janeiro / 2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ÁLGEBRA Conteudista Isidorio Rodrigues Queiroz Rio de Janeiro / 2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE

Leia mais

v m = = v(c) = s (c).

v m = = v(c) = s (c). Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando

Leia mais

Consequências Interessantes da Continuidade

Consequências Interessantes da Continuidade Consequências Interessantes da Continuidade Frederico Reis Marques de Brito Resumo Trataremos aqui de um dos conceitos basilares da Matemática, o da continuidade no âmbito de funções f : R R, mostrando

Leia mais

AS ÁLGEBRAS DOS OPERADORES DE CONSEQÜÊNCIA

AS ÁLGEBRAS DOS OPERADORES DE CONSEQÜÊNCIA AS ÁLGEBRAS DOS OPERADORES DE CONSEQÜÊNCIA Mauri Cunha do NASCIMENTO 1 Hércules de Araújo FEITOSA 1 RESUMO: Neste trabalho, introduzimos as TK-álgebras associadas com os operadores de conseqüência de Tarski,

Leia mais

NOTAS DE AULA CONJUNTOS, FUNÇÕES E RELAÇÕES

NOTAS DE AULA CONJUNTOS, FUNÇÕES E RELAÇÕES NOTAS DE AULA CONJUNTOS, FUNÇÕES E RELAÇÕES CAPÍTULO I NOÇÕES BÁSICA DE CONJUNTOS 1. Conjuntos O conceito de conjunto aparece em todos os ramos da matemática. Intuitivamente, um conjunto é qualquer coleção

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Análise Funcional. José Ferreira Alves. Março de 2002. Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Matemática Pura

Análise Funcional. José Ferreira Alves. Março de 2002. Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Matemática Pura Análise Funcional José Ferreira Alves Março de 2002 Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Matemática Pura ii Introdução Estas notas foram elaboradas para a disciplina de Complementos

Leia mais

Exercícios resolvidos P2

Exercícios resolvidos P2 Exercícios resolvidos P Questão 1 Dena as funções seno hiperbólico e cosseno hiperbólico, respectivamente, por sinh(t) = et e t e cosh(t) = et + e t. (1) 1. Verique que estas funções satisfazem a seguinte

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE Preliminares No estudo de sistemas de controle, e comum usar-se diagramas de blocos, como o da figura 1. Diagramas de blocos podem ser utilizados

Leia mais

II. DEFINIÇÕES INICIAIS 1

II. DEFINIÇÕES INICIAIS 1 -1- ELPO: Definições Iniciais [MSL] II. DEFINIÇÕES INICIAIS 1 No que se segue, U é um conjunto qualquer e X, Y,... são os subconjuntos de U. Ex.: U é um quadrado e X, Y e Z são três círculos congruentes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA CÓDIGOS GEOMETRICAMENTE UNIFORMES EM ESPAÇOS HIPERBÓLICOS. Por

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA CÓDIGOS GEOMETRICAMENTE UNIFORMES EM ESPAÇOS HIPERBÓLICOS. Por UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA CÓDIGOS GEOMETRICAMENTE UNIFORMES EM ESPAÇOS HIPERBÓLICOS Por ANA PAULA FARIA MACHADO Orientador: Prof. Dr. MÁRIO JOSÉ DE SOUZA DISSERTAÇÃO

Leia mais

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade Corpos Definição Um corpo é um anel comutativo com elemento identidade em que todo o elemento não nulo é invertível. Muitas vezes é conveniente pensar em ab 1 como sendo a b, quando a e b são elementos

Leia mais

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48 Conteúdo 1 Princípios de Contagem e Enumeração Computacional Permutações com Repetições Combinações com Repetições O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos > Princípios de Contagem e Enumeração

Leia mais

Exercícios Adicionais

Exercícios Adicionais Exercícios Adicionais Observação: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós recomendamos

Leia mais

Guia de Estudo de Análise Real

Guia de Estudo de Análise Real Guia de Estudo de Análise Real Marco Cabral Baseado na V2.4 Dezembro de 2011 Introdução O objetivo deste texto é orientar o estudo da aluna(o) em análise real. Ele é baseado no livro Curso de Análise Real

Leia mais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais PARTE 3 FUNÇÕES REAIS DE VÁRIAS VARIÁVEIS REAIS 3. Funções Reais de Várias Variáveis Reais Vamos agora tratar do segundo caso particular de funções vetoriais de várias variáveis reais, F : Dom(F) R n R

Leia mais

SMA - 306 - Álgebra II Teoria de Anéis - Notas de Aulas

SMA - 306 - Álgebra II Teoria de Anéis - Notas de Aulas SMA - 306 - Álgebra II Teoria de Anéis - Notas de Aulas Professora Ires Dias - Segundo Semestre de 2001 1 Definição e Exemplos Definição 1 Um conjunto não vazio R, juntamente com duas operações binárias

Leia mais

ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO

ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO Angelo Fernando Fiori 1 Bruna Larissa Cecco 2 Grazielli Vassoler 3 Resumo: O presente trabalho apresenta um estudo sobre os espaços vetoriais munidos de produto interno.

Leia mais

Aula 17 Continuidade Uniforme

Aula 17 Continuidade Uniforme Continuidade Uniforme Aula 17 Continuidade Uniforme MÓDULO 2 - AULA 17 Metas da aula: Discutir o conceito de função uniformemente contínua, estabelecer o Teorema da Continuidade Uniforme e o Teorema da

Leia mais

Funções Exponenciais e Logarítmicas

Funções Exponenciais e Logarítmicas Capítulo 3 Funções Exponenciais e Logarítmicas Problema 1. Uma piscina tem capacidade para 100 m de água. Quando a piscina está completamente cheia, é colocado 1 kg de cloro na piscina. Água pura (sem

Leia mais

Álgebra Linear I Solução da 5ª Lista de Exercícios

Álgebra Linear I Solução da 5ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Engenharia de Produção Curso de Graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Cursos de Engenharia. Prof. Álvaro Fernandes Serafim

FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Cursos de Engenharia. Prof. Álvaro Fernandes Serafim FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Cursos de Engenharia Prof. Álvaro Fernandes Serafim Última atualização: //7. Esta apostila de Álgebra Linear foi elaborada pela Professora Ilka Rebouças Freire. A formatação

Leia mais

Códigos Lineares CAPÍTULO 4

Códigos Lineares CAPÍTULO 4 CAPÍTULO 4 Códigos Lineares 1. Definição, pârametros e peso mínimo Seja F q o corpo de ordem q. Portanto, pelo Teorema 3.24, q = p m para algum primo p e inteiro positivo m. Definição 4.1. Um código linear

Leia mais

Aplicações de Derivadas

Aplicações de Derivadas Aplicações de Derivadas f seja contínua no [a,b] e que f '(x) exista no intervalo aberto a x b. Então, existe pelo menos um valor c entre a eb, tal que f '(c) f (b) f (a) b a. pelo menos um ponto c (a,

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

Números, Relações e Criptografia

Números, Relações e Criptografia Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Matemática Números, Relações e Criptografia AntôniodeAndradeeSilva A minha esposa Rosângela. Prefácio A idéia de

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS GRUPO Educação adistância Caderno de Estudos EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Prof. Ruy Piehowiak Editora UNIASSELVI 2012 NEAD Copyright Editora UNIASSELVI 2012 Elaboração: Prof. Ruy Piehowiak Revisão, Diagramação

Leia mais

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012 NIVELAMENTO MATEMÁTICA 202 Monitor: Alexandre Rodrigues Loures Monitor: Alexandre Rodrigues Loures SUMÁRIO. LOGARITMOS... 3.. Mudança de base... 3.2. Propriedades dos logaritmos... 4 2. DERIVADAS... 4

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR. Núcleo e Imagem de uma Transformação Linear, Teorema da Dimensão, Isomorfismo. Prof. Susie C. Keller

ÁLGEBRA LINEAR. Núcleo e Imagem de uma Transformação Linear, Teorema da Dimensão, Isomorfismo. Prof. Susie C. Keller ÁLGEBRA LINEAR Núcleo e Imagem de uma Transformação Linear, Teorema da Dimensão, Isomorfismo Prof. Susie C. Keller Núcleo de uma Definição: Chama-se núcleo de uma transformação linear T: V W ao conjunto

Leia mais

Máximos, mínimos e pontos de sela Multiplicadores de Lagrange

Máximos, mínimos e pontos de sela Multiplicadores de Lagrange Máximos, mínimos e pontos de sela Multiplicadores de Lagrange Anderson Luiz B. de Souza Livro texto - Capítulo 14 - Seção 14.7 Encontrando extremos absolutos Determine o máximo e mínimo absolutos das funções

Leia mais

n. 33 Núcleo de uma transformação linear

n. 33 Núcleo de uma transformação linear n. 33 Núcleo de uma transformação linear Chama-se núcleo de uma transformação linear f: V W ao conjunto de todos os vetores v V que são transformados em 0 W. Indica-se esse conjunto \por N(f) ou Ker (f).

Leia mais

Carlos José Braga Barros e Josiney Alves de Souza Departamento de Matemática, Universidade Estadual de Maringá cjbbarros@uem.br jasouza@uem.

Carlos José Braga Barros e Josiney Alves de Souza Departamento de Matemática, Universidade Estadual de Maringá cjbbarros@uem.br jasouza@uem. Minicurso sobre transitividade e transitividade por cadeias para ações de semigrupos em espaços topológicos Apresentado na Escola e Workshop de Teoria de Lie, Unicamp, 2010 Carlos José Braga Barros e Josiney

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA II

ANÁLISE MATEMÁTICA II ANÁLISE MATEMÁTICA II Acetatos de Ana Matos Noções Básicas de Funções em R n Topologia DMAT Noções Básicas sobre funções em n Introdução Vamos generalizar os conceitos de limite, continuidade e diferenciabilidade,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UFRPE Matemática Discreta Licenciatura em Computação Respostas - 3ª Lista de Exercícios

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UFRPE Matemática Discreta Licenciatura em Computação Respostas - 3ª Lista de Exercícios 1.Represente, graficamente, a relação Relações e Funções Represente, graficamente, a relação S = {( x, y) RxR / 2x + 3y 6 0}. 2.São dados A={1,2,3,4} e B={x, y, z}. Seja R a seguinte relação de A para

Leia mais

Lista de Exercícios 03

Lista de Exercícios 03 Lista de Exercícios 03 Aplicações das relações e funções no cotidiano Ao lermos um jornal ou uma revista, diariamente nos deparamos com gráficos, tabelas e ilustrações. Estes, são instrumentos muito utilizados

Leia mais

Processos Estocásticos

Processos Estocásticos Processos Estocásticos Terceira Lista de Exercícios 22 de julho de 20 Seja X uma VA contínua com função densidade de probabilidade f dada por Calcule P ( < X < 2. f(x = 2 e x x R. A fdp dada tem o seguinte

Leia mais

Notas de Aula. Álgebra Linear

Notas de Aula. Álgebra Linear Notas de Aula Álgebra Linear Rodney Josué Biezuner 1 Departamento de Matemática Instituto de Ciências Exatas (ICEx) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Notas de aula da disciplina Álgebra Linear

Leia mais

Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio de Matemática da Região Sul

Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio de Matemática da Região Sul A. T. Baraviera e Flávia M. Branco Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio de Matemática da Região Sul Florianópolis, SC 2014 A. T. Baraviera e Flávia M. Branco Introdução à Álgebra Max-Plus III Colóquio

Leia mais

O AXIOMA DA ESCOLHA, O LEMA DE ZORN E O TEOREMA DE ZERMELO

O AXIOMA DA ESCOLHA, O LEMA DE ZORN E O TEOREMA DE ZERMELO O AXIOMA DA ESCOLHA, O LEMA DE ZORN E O TEOREMA DE ZERMELO Resumo. Após uma breve discussão sobre as origens do Axioma da Escolha, discutiremos nessas notas a equivalência das três asserções do título

Leia mais

Cálculo Infinitesimal I prof. Felipe Acker

Cálculo Infinitesimal I prof. Felipe Acker Cálculo Infinitesimal I prof. Felipe Acker NÚMEROS 1 Introdução Uma apresentação rigorosa dos números deveria, provavelmente, começar pelos fundamentos da lógica e da teoria dos conjuntos para, em seguida,

Leia mais

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y).

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y). PUCRS FACULDADE DE ATEÁTICA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PROF. LUIZ EDUARDO OURIQUE EQUAÇÔES EXATAS E FATOR INTEGRANTE Definição. A diferencial de uma função de duas variáveis f(x,) é definida por df = f x (x,)dx

Leia mais

Cálculo. Álgebra Linear. Programação Computacional. Metodologia Científica

Cálculo. Álgebra Linear. Programação Computacional. Metodologia Científica UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Cálculo Álgebra Linear Programação Computacional Metodologia Científica Realização: Fortaleza, Fevereiro/2012 UNIVERSIDADE

Leia mais

Um Teorema de Gromov Sobre Grupos de Crescimento Polinomial

Um Teorema de Gromov Sobre Grupos de Crescimento Polinomial Um Teorema de Gromov Sobre Grupos de Crescimento Polinomial Rafael Montezuma Pinheiro Cabral Orientador: Roberto Imbuzeiro 2 Seminário de Pesquisa Este trabalho foi escrito no período letivo Agosto/Novembro

Leia mais

Introdução à Topologia Algébrica

Introdução à Topologia Algébrica Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática Introdução à Topologia Algébrica Autor: Wagner Carvalho Sgobbi Orientador: Alexandre Paiva Barreto

Leia mais

MD Teoria dos Conjuntos 1

MD Teoria dos Conjuntos 1 Teoria dos Conjuntos Renato Martins Assunção assuncao@dcc.ufmg.br Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br MD Teoria dos Conjuntos 1 Introdução O que os seguintes objetos têm em comum? um

Leia mais