APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE"

Transcrição

1 170 APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUC MINAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: MATEMÁTICA INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE ANÍBAL ATAIDES BARROS FILHO JOÃO BOSCO LAUDARES BELO HORIZONTE 011

2 171 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO O QUE É O MAPLE 14? Como surgiu o Maple? Esruura inerna do Maple Layau COMANDOS BÁSICOS DO MAPLE Operações Básicas Aribuições Funções, Equações e Sisemas Comandos Básicos do Cálculo Diferencial e Inegral GRÁFICOS DE FUNÇÕES EM D Formaações do gráfico EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS Comandos para Represenar Derivadas Comandos para Resolver uma Equação Diferencial Resolução de um problema de valor inicial ou de conorno Consrução do Campo de Direções para uma Equação Diferencial Linear de 1ª Ordem ATIVIDADES COMPLEMENTARES REFERÊNCIAS... 16

3 Inrodução Ese exo foi elaborado com o objeivo de servir como maerial de apoio ao Minicurso inrodução às equações diferencias ordinárias lineares de 1ª e ª ordem com o sofware MAPLE. O Minicurso é desinado a capaciar e ambienar os acadêmicos do 3º período do curso de Engenharia Elérica do Insiuo Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Esado de Goiás (IFG) Campus Jaaí com o sofware MAPLE. Ese Minicurso faz pare de uma preparação prévia dos alunos que cursam a disciplina Equações Diferenciais para pariciparem de uma pesquisa que rás uma sequência didáica que visa rabalhar com novas ecnologias e novas meodologias no ensino de equações diferenciais com foco na resolução de problemas físicos e na inerpreação gráfica dos mesmos. Nese maerial serão apresenados os comandos básicos do MAPLE para simplificação de expressões, resolução de equações, resolução de sisemas de equações, consrução do campo de direções de Equações Diferencias, resolução de problemas de valor inicial e de conorno, consrução de gráficos em duas dimensões, denre ouros, de modo que o paricipane dese Minicurso adquira ferramenas que lhe seja úil no enendimeno dos conceios e na resolução de problemas físicos envolvendo Equações Diferenciais.

4 O que é o Maple? O Maple é um sofware comercial de uso genérico que enquadra no gênero de Sisema de Álgebra Compuacional (SAC). Um SAC permie fazer cálculos não só com números, mas com símbolos, fórmulas, expressões, equações, marizes, ec. O Maple possui um grande número de recursos que permiem que seus usuários obenham resposas analíicas rápidas e precisas para cálculos envolvendo limies, derivadas, inegrais, equações diferenciais, sisemas de equações, série de poências, ransformadas de Laplace, ransformadas de Fourier, ec..1 Como surgiu o Maple? O Maple começou a ser desenvolvido em 1981 pelos pesquisadores Gason Gonne e Keih Geddes do Grupo de Compuação Simbólica da Universidade de Waerloo no Canadá. Desde 1988 em sido desenvolvido e comercializado pela Maplesof, uma companhia canadense. A versão aual é Maple Esruura inerna do Maple. A esruura inerna do Maple consise de rês componenes: Núcleo, biblioecas e inerface. O núcleo (kernel) é a máquina maemáica que faz os cálculos, inerprea os comandos inseridos pelo usuário e mosra os resulados. O núcleo corresponde a 10% do programa e foi elaborado em linguagem C. O resane do programa (90%), desenvolvido na própria linguagem do Maple, consise na biblioeca principal cujos comandos são carregados auomaicamene na hora que você inicia o programa e um conjuno de vários pacoes que você acessa quando vai rabalhar com coneúdo bem específico. A inerface é a aparência do Maple, que promove a ineração enre você e os comandos do Maple..3 Layou Ao iniciarmos o Maple observamos que na ela de rabalho (workshee) aparece o símbolo. É o promp do Maple. Ese símbolo diz que o Maple esá prono para execuar comandos. Você ambém pode rabalhar no Maple com o modo exo, onde você produz exos, hiperexos e comenários e alernar, sempre que quiser, para o modo maemáico e desenvolver cálculos. A figura 1 mosra a capura da ela de iniciação do Maple 14.

5 174 5 Figura 01: Tela de inicialização do Maple Comandos Básicos do Maple 3.1 Operações básicas Exemplos: a)! faorial ^ poenciação / divisão * muliplicação + adição - subração b) Para que o comando seja execuado, devemos finalizar com um pono e vírgula(;) ou com dois ponos(:) e depois acionar a ecla ener. Se finalizarmos com um pono e vírgula, o Maple execua o comando e mosra o resulado, se finalizarmos com dois ponos, ele execua, guarda na memória, mas não exibe a resposa.

6 6 175 Se quisermos o resulado em número decimal aproximado, execuamos o comando evalf (evaluaion wih floaing poin = avaliação num pono fluuane ou variável): Nesa operação, o Maple calculou em número decimal aproximado, o resulado da úlima operação realizada (%) que era. O comando resar permie limpar a memória do Maple em qualquer pare do documeno. Sempre que for iniciar um novo projeo, é aconselhável uilizar o comando. O Maple enende pono(.) como vírgula(,), quando rabalhamos com números. 3. Aribuições Podemos definir o valor de uma variável ou de uma função uilizando-se o símbolo: :=. Exemplos: a) b) c) d) 3.3 Funções, Equações e Sisemas O comando solve serve para resolver equações, inequações e sisemas diversos. Exemplos: Resolvendo uma equação: a) b) Você pode ambém usar o comando subs para subsiuir o valor de uma ou mais variáveis em uma expressão.

7 176 7 Exemplos: Aqui o Maple subsiuiu o valor de x na expressão C e calculou o resulado. Resolvendo um sisema de equações: a) Resolver o seguine sisema x x x y y y z z z 3. 6 b) Resolver o seguine sisema s I1 10 I 5 I1 15 I 10 1 e s 5 I1 51 s s s para as variáveis I1 e I. 0 Exemplos: Para simplificarmos uma expressão, usamos o comando simplify.

8 8 177 a) b) A seguir apresenamos um quadro com comandos básicos que represenam consanes, funções e operações usuais: 3.4 Comandos Básicos do Cálculo Diferencial e Inegral Para execuarmos alguns comandos do Cálculo Diferencial e Inegral devemos carregar o pacoe suden. Para carregar o pacoe, usamos a seguine sinaxe: wih(suden);

9 178 9 Veja que finalizamos com (;) e enão o Maple apresenou odas as operações realizadas pelo pacoe. Exemplos: a) Calcular: lim (cos( x)) x Com o L maiúsculo, o Maple apenas apresena o limie. Agora o Maple calculou o limie. Para o cálculo de derivadas e inegrais a sinaxe é semelhane. b) Calcular a derivada da função f ( x) 3 3 x ln(cos( x)) c) Calcular a seguine inegral: x x e dx Obs.: o x que aparece após as funções, ano na derivada quano na inegral, represena a variável de derivação ou de inegração, uma vez que o Maple enende odas as suas derivadas como derivadas parciais. 4. Gráficos de funções em D Para ploarmos o gráfico de uma função em duas dimensões usamos o comando plo cuja sinaxe básica é a seguine: plo(f,x,v,ops) onde f represena a função a ser ploada, x o inervalo no eixo das abscissas, v o inervalo no eixo das ordenadas e ops as opções de formaação do gráfico. Os parâmeros f e x são obrigaórios para o comando plo.

10 179 Exemplos: a) Consruir o gráfico da função ) ( 33 ) ( e f e 33. Figura 0: Gráfico da função ) ( 33 ) ( e f e 33 gerado no Maple 14. b) Consruir em um mesmo plano caresiano o gráfico das seguines funções: ) 4 ( ) ( ) (, ) (5 ) ( e h sen e f 4 e s e e ) 4 ( ) ( e j 4 e. plo([exp(-4*)*sin(5*), exp(-4*), -exp(-4*)], = , legend = [i[1], i[], i[3]], color = [red, blue, green]); Figura 03: Gráfico das funções ) 4 ( ) ( ) (, ) (5 ) ( e h sen e f 4 e s e e ) 4 ( ) ( e j 4 e gerado no Maple

11 Uilizamos colchees [...] para formamos uma lisa ou conjuno de funções e preservar a ordem para aribuições. 4.1 Formaações do gráfico Ao selecionar um gráfico na área de rabalho do Maple, a ABA gráfico fica aivada. Clicando na ABA gráfico um menu de opções de formaação é abero. Você ambém pode clicar com o boão direio do mouse no gráfico (ver figura 04) e aparecerá ambém o menu. Ese menu mosra várias opções de formaação gráfica que denre elas desacamos: copiar o gráfico com máxima precisão, escolher o esilo de gráfico, escolher o ipo de raçado do gráfico, definir a cor do gráfico (se for mais de um, você pode idenificá-los com cores diferenes), inserir e ediar legendas nos eixos coordenados, inserir e ediar legendas para o gráfico, adicionar íulos e róulos ao gráfico, exibir linhas de grade e exporar o gráfico em diversos formaos, denre eles, bimap e JPEG. Figura 04: Menu de formaação gráfica do Maple Equações Diferenciais Ordinárias Para enconrarmos soluções de equações diferenciais, ploar gráficos das soluções desas equações, ploar campos de direções, resolver problemas de valor inicial e de conorno analiicamene e graficamene, denre ouras funções, uilizamos o pacoe DEools. Usamos a seguine sinaxe:

12 Comandos para Represenar Derivadas Os comandos para indicar a derivada de primeira, segunda e erceira ordem de uma função, respecivamene, são: 5. Comandos para Resolver uma Equação Diferencial Para definirmos uma equação diferencial, escrevemos: Para resolvermos uma equação diferencial usamos o comando dsolve, com a seguine sinaxe: dsolve(ed), onde ED é a equação diferencial já definida. Exemplo: onde _C1 é uma consane arbirária. 5.3 Resolução de um problema de valor inicial ou de conorno Para resolvermos um problema de valor inicial (PVI) ou de conorno uilizamos ambém o comando dsolve. Devemos definir as condições iniciais e de conorno e a equação diferencial. A sinaxe é a seguine: dsolve({edo,ics},y(x),opions), onde EDO é a equação diferencial ordinária, ics as condições iniciais e de conorno, y(x) qualquer função de uma variável que definirá a solução do problema e opions que é opcional, onde por exemplo poderíamos resolver o problema usando o méodo das ransformadas de Laplace ou de séries. Exemplo: Definindo uma equação diferencial: Definindo as condições iniciais e de conorno:

13 18 13 Resolvendo o PVI: Você pode ambém resolver o PVI usando a seguine sinaxe: Obs.: para apresenarmos condições iniciais envolvendo derivadas, usamos a seguine noação: D ( y)(0) 0 para y '(0) 0, D ( y)(0) 0 para y ''(0) 0 e assim sucessivamene. 5.4 Consrução do Campo de Direções para uma Equação Diferencial Linear de 1ª Ordem O comando uilizado para ploar o campo de direções é DEplo, a sinaxe é a seguine: DEplo(EQ,f(x),x,y) onde EQ represena a equação diferencial de primeira ordem que queremos consruir o campo, f(x) a função solução da equação diferencial, x o inervalo no eixo das abscissas, y o inervalo no eixo das ordenadas. Exemplo: Definindo uma equação diferencial: Consruindo o campo de direções para a equação ED1 Figura 05: Campo de direções da equação y' y 4 gerado no Maple 14. Você ambém pode resolver um PVI graficamene, ou aé mesmo raçar várias curvas inegrais de uma equação diferencial:

14 Exemplo: Figura 06: Curvas inegrais de y' 4 y 4y gerado no Maple 14. Aividades Complemenares Exercício 01. Deermine a medida do ângulo em graus do º quadrane cuja angene vale. Exercício 0. Simplifique a seguine expressão: sen ( ) cos( ) sen ( ) sin cos( ). 1 Exercício 03. Dada a função, y x 3 x, ploar o seu gráfico e calcular as suas raízes. Exercício 04. Resolva o seguine sisema de equações: x x x y 3y y z 5z 3z Exercício 05. Calcule a derivada da função 6 f ( x) cos x. Exercício 06. Calcule a inegral da função 6 g( x) sen x.

15 Exercício 07. Resolva a equação diferencial x dy y dx 0 e consrua o seu campo de direções com a solução y ( ) 1. Exercício 08. Resolva dy 3 y e, ( 0) 1 y e consrua o gráfico da função solução. Exercício 09. Resolva função solução. y' ' 6y' 9y e 3 6 9, ( 0) y, y '(0) 6 e consrua o gráfico da Exercício 10. Resolva y '' 4y' 6y 1 e, ( 0) 0 y, y '(0) 0 e consrua o gráfico da função solução. Exercício 11. Resolva x' ' 16 x cos(4 ), x ( 0) 0, x '(0) 1 e consrua o gráfico da função solução.

16 REFERÊNCIAS ANDRADE, L. N. Inrodução à compuação algébrica com o MAPLE. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Maemáica, 004. BOYCE, W. E.; Di PRIMA, R. C. Equações Diferenciais Elemenares e Problemas de Valores de Conorno. Tradução de Valéria Magalhães. 8. ed. Rio de Janeiro: LTC, 006. ZILL, D. G. Equações diferenciais com aplicações em modelagem. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, p.

17 186 APÊNDICE B - PROBLEMA 01. O problema deve ser resolvido observando a sequência apresenada pelo pesquisador (Descobera Guiada uma pedagogia baseada na inquirição onde o professor formula o problema ou escolhe a siuação com o objeivo em mene. Conduz o aluno para a solução do problema e o aluno segue a orienação do professor). PROBLEMA 01 PROBLEMA FÍSICO DE VALOR INICIAL ENVOLVENDO QUEDA LIVRE ENUNCIADO Problema 01 - De um pono siuado a 10m do solo joga-se uma pedra de massa m para o alo com uma velocidade inicial de 8m/s. Considerando-se a gravidade a única força auane, calcular o empo, a velocidade e a disância oal aé a pedra ocar o solo (adoe g=10m/s a aceleração da gravidade). Problema exraído do exo Aplicações das Equações Diferenciais (Um enfoque Meodológico) de João Bosco Laudares, 199, página 19, problema 1. 1 INTERPRETAÇÃO DO ENUNCIADO VERBALIZAÇÃO a) Como você descreve ese problema? Ajuda a MODELO MATEMÁTICO - LEI FÍSICA Idenificação das varáveis d) Qual é a variável independene do problema? Ajuda a e) Quais as variáveis dependenes do problema? Ajuda b Modelos maemáicos f) Quais as leis maemáicas que se aplicam ao problema? Ajuda c CONDIÇÃO INICIAL OU DE CONTORNO b) Quais as condições iniciais do problema? Ajuda a O QUE SE PEDE a) Expresse o que se pede Ajuda a

18 187 RESOLUÇÃO DO MODELO Obs.: Todas as aividades soliciadas nese iem devem ser desenvolvidas com o sofware MAPLE. Para a resolução dese exercício, suponha que a rajeória descria pela pedra é a mesma da direção do eixo coordenado y com senido crescene para cima. f) Resolva analiicamene o problema de valor inicial (PVI) para a equação diferencial dv g (ED1) com as condições iniciais 0 v0 8 m / s. Ajuda a g) Sabendo que a velocidade é a derivada da posição(x) em relação ao empo(), defina a dx equação diferencial g v0 (ED) e resolva o PVI para as condições iniciais 0 x 0 10 m. Ajuda b h) Calcule o insane em que a pedra oca o solo. Ajuda c i) Enconre a velocidade em que a pedra oca o solo. Ajuda d j) Deermine a disância oal percorrida pela pedra aé ocar o solo. Ajuda e 3 ANÁLISE GRÁFICA DOS MODELOS dv a) Consrua o campo de direções para a equação diferencial g Ajuda a b) Por que no campo de direções da equação dv g odos os elemenos lineares apresenam mesma direção e senido? Ajuda b c) Os elemenos lineares represenam inclinações angenes a uma curva, que ipo de curva esses elemenos aproxima? Ajuda c d) Com o uso do Maple, deermine o ângulo formado por esses elemenos. Ajuda d dv e) Pelo campo de direções da equação g é possível prever a forma da função (curvas) que represena a solução geral da equação diferencial? Ajuda e f) O comporameno que você observou no campo de direções é coerene com a solução do iem a da resolução do modelo? Ajuda f

19 188 g) Consrua o gráfico da velocidade em função do empo. Ajuda g h) A função velocidade é crescene ou decrescene para odo? Ajuda h i) Pelo fao da aceleração ser negaiva, posso afirmar que a função velocidade é decrescene? Ajuda i j) No insane = 0, qual é o valor da velocidade? Ajuda j k) Verifique se sua resposa dada no iem anerior observando o gráfico esá coerene com o enunciado do problema. Ajuda k l) Observando o gráfico da velocidade em função do empo, em que empo anula? v dx se Ajuda l m) Observando o gráfico da velocidade em função do empo, esime um valor aproximado do empo em que a pedra ainge o solo. Ajuda m n) Verifique se sua resposa dada no iem anerior esá coerene com a resolução do modelo. Ajuda n o) Em qual inervalo de empo a velocidade é posiiva? Ajuda o p) Consrua o gráfico da aceleração em função do empo. Ajuda p q) A aceleração é posiiva ou negaiva? Ajuda q r) Qual o comporameno da aceleração na variação do empo? Ajuda q dv( ) s) Dada a equação 10 ese PVI. e as condições 0 v0 8 m / s, resolva graficamene Ajuda s ) Que relação exise enre a solução gráfica do PVI do iem anerior com o gráfico da velocidade em função do empo? Ajuda dx( ) u) Dada a equação 10 8, consrua o seu campo de direções. Ajuda u dx( ) v) Pelo campo de direções da equação 10 8 é possível prever a forma da função (curvas) que represena a solução geral da equação diferencial? Ajuda v dx( ) w) Dada a equação 10 8 graficamene ese PVI. e as condições 0 x 0 10 m, resolva Ajuda w

20 189 x) Consrua o gráfico da função x ( ) Ajuda x y) Que relação exise enre a solução gráfica do PVI do iem anerior com o gráfico do espaço em função do empo? Ajuda y z) De acordo com o gráfico do espaço em função do empo, qual é a posição da pedra no insane =0? Ajuda z aa) O valor enconrado no iem anerior esá coerene com o enunciado do problema? Ajuda aa bb) Observando o gráfico, qual é a posição máxima (aproximadamene) que a pedra ainge? Ajuda bb cc) Verificando no gráfico do espaço em função do empo, de 0 a 0,8s, a parábola é crescene ou decrescene? Ajuda cc dd) Verificando no gráfico do espaço em função do empo, de 0,8s a 5,7638s, os valores da posição aumenam ou diminuem no decorrer do empo? Ajuda dd ee) Verifique por que a posição da pedra ainge um valor máximo a parir do gráfico da aceleração. Ajuda ee ff) Verifique, por meio da análise dos gráficos, a parir do valor máximo da posição, o sinal da velocidade e da aceleração. Ajuda ff

21 190 APÊNDICE C - PROBLEMA 0. O problema deve ser resolvido observando a sequência apresenada pelo pesquisador (Descobera Guiada uma pedagogia baseada na inquirição onde o professor formula o problema ou escolhe a siuação com o objeivo em mene. Conduz o aluno para a solução do problema e o aluno segue a orienação do professor). PROBLEMA 0 PROBLEMA FÍSICO ENVOLVENDO TERMODINÂMICA: LEI DE RESFRIAMENTO/AQUECIMENTO DE NEWTON ENUNCIADO A velocidade de resfriameno/aquecimeno de um corpo é proporcional à diferença enre a emperaura do corpo e a emperaura do meio que o rodeia, denominada emperaura ambiene. Supondo que um ermômero é removido de uma sala em que a emperaura é de 70ºF e colocado do lado de fora, em que a emperaura é de 10ºF. Após ½ minuo, o ermômero marcou 50ºF. Qual será a emperaura marcada no ermômero no insane = 1 minuo? Quano empo levará para o ermômero marcar 15ºF? Problema exraído do exo Equações Diferenciais com Aplicações em Modelagem de Dennis G. Zill, 003, página 104, problema INTERPRETAÇÃO DO ENUNCIADO VERBALIZAÇÃO a) Como você descreve ese problema? Ajuda a MODELO MATEMÁTICO - LEI FÍSICA Idenificação das varáveis a) Qual a variável independene do problema? Ajuda a b) Qual a variável dependene do problema? Ajuda b c) Qual é o parâmero do problema? Ajuda c d) Qual é a consane do problema? Ajuda d Modelo maemáico e) Qual a lei maemáica que se aplica ao problema? Ajuda e

22 191 CONDIÇÃO INICIAL OU DE CONTORNO a) Qual a condição inicial do problema? Ajuda a c) Qual a condição de conorno do problema? Ajuda b O QUE SE PEDE a) Expresse o que se pede. Ajuda a RESOLUÇÃO DO MODELO Obs.: Todas as aividades soliciadas nese iem devem ser desenvolvidas com o sofware MAPLE. dt a) Resolva a equação diferencial k ( T Tm ). Ajuda a b) Calcule os valores dos parâmeros k e C. Ajuda b c) Calcule a emperaura do ermômero no insane 1min. Dê sua resposa avaliando em pono fluuane. Ajuda c d) Calcule o empo em que o ermômero marcará 15ºF. Dê sua resposa avaliando em pono fluuane. Ajuda d 3 ANÁLISE GRÁFICA DOS MODELOS dt a) Consrua o campo de direções para a equação diferencial k ( T Tm ), uilizando os valores calculados de k e T m. Ajuda a b) Que ipo de função poderíamos aproximar observando o campo de direções? Ajuda b dt c) É possível definir o sinal de observando o campo de direções? Em caso afirmaivo, dt esabeleça o valores de T para os quais 0 dt, 0 dt e 0. Ajuda c d) É possível prever aproximadamene as soluções de equilíbrio da equação? Ajuda d dt e) Consrua o gráfico de por T. Ajuda e

23 19 dt f) Comparar os valores obidos no iem c com o gráfico por T. Ajuda f dt g) Consrua o gráfico de por. Ajuda g dt h) Quando cresce indefinidamene, qual o valor que ende? Ajuda h dt i) Deermine as angenes para, 6 e 10. Ajuda i j) Verificar se os resulados obidos no iem i são abalizados pelo gráfico do iem g. Ajuda j k) Consrua o gráfico T () por. Ajuda k l) Quando você acha que o ermômero esfria mais rapidamene? Ajuda l m) Resolva graficamene o P.V.I. para T ( 0) 707 e depois para T ( 1/ ) 505. Ajuda m n) O que você observa em relação às duas soluções do iem anerior? Ajuda n Obs.: Nos próximos iens não há AJUDA porque se raa de uma simulação a ser feia pelo esudane com dados a serem deerminados pelo mesmo. o) Simule uma condição inicial e oura de conorno para T (emperaura) negaiva, para análise de aquecimeno. p) Ploe o gráfico T() por para as condições dadas. dt q) Observe a variação de T e de para crescene. r) Simule oura condição inicial e de conorno para T (posiiva) enre 0 e 10 graus, ainda para análise de aquecimeno. dt s) Ploe o gráfico para a nova condição e observe a variação de T e para crescene.

24 193 APÊNDICE D - PROBLEMA 03. O problema deve ser resolvido observando a sequência apresenada pelo pesquisador (Descobera Guiada uma pedagogia baseada na inquirição onde o professor formula o problema ou escolhe a siuação com o objeivo em mene. Conduz o aluno para a solução do problema e o aluno segue a orienação do professor). PROBLEMA 03 ELETRICIDADE: CIRCUITOS EM SÉRIE ENUNCIADO A figura a seguir represena um circuio elérico em série RL básico que conem uma fone de energia com uma volagem dependene do empo de E() vols, um resisor com uma resisência consane de R ohms e um induor com uma induância consane de L henrys. Uma correne i() amperes flui aravés do circuio onde i() saisfaz a equação diferencial (Segunda Lei de Kirchhoff) di L R i E() Para R = 6 Ω, L = 3 H, E() = 4 V e na condição i(0) = 15 A, deerminar i(). 1 INTERPRETAÇÃO DO ENUNCIADO VERBALIZAÇÃO a) Como você descreve ese problema? Ajuda a IDENTIFICAÇÃO DAS VARÁVEIS a) Qual a variável independene do problema? Ajuda a b) Qual a variável dependene do problema? Ajuda b c) Quais são os parâmeros do problema? Ajuda c

25 194 MODELO MATEMÁTICO - LEI FÍSICA a) Qual a lei maemáica que se aplica ao problema? Ajuda a CONDIÇÃO INICIAL OU DE CONTORNO a) Qual a condição inicial do problema? Ajuda a O QUE SE PEDE a) Expresse o que se pede. Ajuda a RESOLUÇÃO DO MODELO Obs.: Todas as aividades soliciadas nese iem devem ser desenvolvidas com o sofware MAPLE. di a) Resolva a equação diferencial L R i E(). Ajuda a b) Resolva o PVI para a condição: i(0) = 15 A. Ajuda b c) Observando as resoluções da equação diferencial e do PVI acima descrios, você pode prever o valor da consane da solução geral da equação diferencial? Ajuda c 3 ANÁLISE GRÁFICA DOS MODELOS di a) Consrua o campo de direções para a equação diferencial L R i E() Ajuda a di b) Observando o campo de direções da equação L R i E(), podemos esboçar soluções desa equação? O que é necessário para esboçarmos uma solução? Ajuda b c) Que ipo de função poderíamos aproximar observando o campo de direções? Ajuda c di d) É possível definir o sinal de observando o campo de direções? Em caso afirmaivo, di esabeleça os valores de i para os quais 0 di, 0 di e 0. Ajuda d e) É possível observar no campo de direções um valor aproximado de i que represena soluções de equilíbrio da equação diferencial? Ajuda e

26 195 f) Resolva graficamene o PVI relaivo ao iem b da resolução do modelo. Ajuda f di g) Consrua o gráfico de por i. Ajuda g di h) Comparar os valores obidos no iem d com o gráfico por i. Ajuda h di i) Por que a rea inercepa o eixo i em 4? Ajuda i j) Consrua o gráfico de i() por. Ajuda j k) O que aconece com a inensidade da correne quando o empo é suficienemene grande? Ajuda k di l) Consrua o gráfico de por. Ajuda l di m) O que aconece com a axa de variação no decorrer do empo? Ajuda m

27 196 APÊNDICE E - PROBLEMA 04. Insruções gerais para a resolução do problema. O problema deve ser resolvido observando a sequência apresenada pelo auor (Descobera Guiada uma pedagogia baseada na inquirição onde o professor formula o problema ou escolhe a siuação com o objeivo em mene. Conduz o aluno para a solução do problema e o aluno segue a orienação do professor). PROBLEMA 04 QUÍMICA: FÍSICO-QUÍMICA ENUNCIADO Sabendo-se que o radium se decompõe nauralmene em proporção direa à quanidade presene e que leva 50 anos para decompor 10% de cera quanidade, quanos anos levarão para decompor a meade da quanidade inicial? Problema exraído do exo Aplicações das Equações Diferenciais (Um enfoque Meodológico) de João Bosco Laudares, 199, página 5, problema INTERPRETAÇÃO DO ENUNCIADO VERBALIZAÇÃO a) Como você descreve ese problema? Ajuda a IDENTIFICAÇÃO DAS VARÁVEIS a) Qual a variável independene do problema? Ajuda a b) Qual a variável dependene do problema? Ajuda b c) Qual é o parâmero do problema? Ajuda c MODELO MATEMÁTICO - LEI FÍSICA a) Qual a lei maemáica que se aplica ao problema? Ajuda a CONDIÇÃO INICIAL OU DE CONTORNO a) Qual a condição inicial do problema? Ajuda a b) Qual a condição de conorno do problema? Ajuda b O QUE SE PEDE a) Expresse o que se pede. Ajuda a

28 197 RESOLUÇÃO DO MODELO Obs.: Todas as aividades soliciadas nese iem devem ser desenvolvidas com o sofware MAPLE. dm k) Resolva a equação diferencial k m. Ajuda a l) Calcule os valores dos parâmeros k e _C1. Ajuda b m) Deerminar a equação que permie calcular a massa em função do empo. Ajuda c n) Calcule o empo necessário à decomposição da meade da quanidade inicial de radium, m ( ) 1/. Ajuda d 3 ANÁLISE GRÁFICA DOS MODELOS dm a) Consrua o campo de direções para a equação diferencial k m Ajuda a dm b) Observando o campo de direções da equação k m, podemos dizer que se o empo ende ao infinio, a massa ende a zero? Ajuda b c) Que ipo de função poderíamos aproximar observando o campo de direções? Ajuda c d) É possível definir o sinal de dm esabeleça o valores de m para os quais 0 dm observando o campo de direções? Em caso afirmaivo, dm, 0 dm e 0. Ajuda d dm e) Consrua o gráfico de por m. Ajuda e dm f) Comparar os valores obidos no iem d com o gráfico por m. Ajuda f g) É possível observar no campo de direções um valor aproximado de m que represena soluções de equilíbrio da equação diferencial? Ajuda g dm h) Consrua o gráfico de por. Ajuda h

29 198 i) O que aconece com a axa de variação da massa com o passar do empo? Ajuda i dm j) Qual o período em que a axa apresena maior variação? Ajuda j k) Consrua o gráfico de m() por. Ajuda k l) O que aconece com a massa quando o empo é suficienemene grande? Ajuda l dm m) Qual o sinal de? Ajuda m n) Verifique se é coerene o valor de m para 0 no gráfico de m() por de acordo com o dado do problema. Ajuda n dm o) Resolva graficamene o Problema de Valor de Conorno (PVC): k m 0 50 m m 1 (100%). Ajuda o 0.9 (90%) p) Verifique se é coerene a solução gráfica do PVC com o gráfico obido em k. Ajuda p

30 199 APÊNDICE F - PROBLEMA 05. Insruções gerais para a resolução do problema. O problema deve ser resolvido observando a sequência apresenada pelo pesquisador (Descobera Guiada uma pedagogia baseada na inquirição onde o professor formula o problema ou escolhe a siuação com o objeivo em mene. Conduz o aluno para a solução do problema e o aluno segue a orienação do professor). PROBLEMA 05 VIBRAÇÃO DE MOLAS: MOVIMENTO HARMÔNICO SIMPLES ENUNCIADO Sisema Massa-Mola Quando a segunda lei de Newon sobre o movimeno é combinada com a lei de Hooke, podemos ober uma equação diferencial que governa o movimeno de uma massa aada a uma d x mola: x 0, onde que auam sobre um sisema em movimeno é k m. A segunda lei de Newon diz que a resulane das forças F m a. A lei de Hooke ( F k x ) 15 diz que a força resauradora de uma mola esicada é proporcional ao deslocameno x, figura 1. Quando o sisema esá em movimeno, a variável x represena o deslocameno da massa em relação à posição de equilíbrio. Supondo que o senido do movimeno para baixo seja posiivo e que o movimeno se dê em uma rea verical que passa pelo cenro de gravidade da massa, deermine a função x () que descreve o movimeno livre, sabendo que uma massa pesando kg disende uma mola em 9,8 cm. No insane = 0, a massa é sola de um pono a 8 cm abaixo da posição de equilíbrio com uma velocidade direcionada para cima de 5 cm/s. Figura 1 Problema adapado do exo Equações Diferenciais com Aplicações em Modelagem de Dennis G. Zill, 003, página 17, exemplo O sinal de subração indica que a força resauradora da mola aua em direção oposa ao movimeno.

31 00 1 INTERPRETAÇÃO DO ENUNCIADO VERBALIZAÇÃO a) Como você descreve ese problema? Ajuda a IDENTIFICAÇÃO DAS VARIÁVEIS a) Qual a variável independene do problema? Ajuda a b) Qual a variável dependene do problema? Ajuda b c) Qual é o parâmero do problema? Ajuda c MODELO MATEMÁTICO - LEI FÍSICA a) Qual a lei maemáica que se aplica ao problema? Ajuda a CONDIÇÃO INICIAL OU DE CONTORNO a) Quais as condições iniciais do problema? Ajuda a O QUE SE PEDE a) Expresse o que se pede. Ajuda a RESOLUÇÃO DO MODELO Obs.: Todas as aividades soliciadas nese iem devem ser desenvolvidas com o sofware MAPLE. a) Deermine o valor da consane k da mola uilizando a segunda lei de Newon e a lei de Hooke. Ajuda a d x b) Resolva a equação diferencial x 0, onde k m. Ajuda b c) Deermine a função x () que descreve o movimeno livre. Ajuda c

32 01 3 ANÁLISE GRÁFICA DO MODELO 1 a) Consrua o gráfico da equação x( ) sin(10 ) cos( 10 ). Ajuda a 40 5 b) Observando o gráfico, deermine o valor máximo de esirameno da mola? Ajuda b c) Observando o gráfico, deermine o valor máximo de compressão da mola? Ajuda c d) Deermine o período de oscilação da mola. Ajuda d e) O período enconrado no iem anerior é coerene com o gráfico em a? Ajuda e f) Indicar no gráfico de x() onde a massa esá abaixo e acima da posição de equilíbrio. Ajuda f g) Em que insane a massa passa pela posição de equilíbrio? Ajuda g h) A vibração da mola ende a se anular quando ende a infinio? Ajuda h i) Consrua o gráfico de v (). Ajuda i j) Deermine a velocidade da massa no insane s. Ajuda j k) O resulado enconrado no iem anerior é coerene com o gráfico v (). Ajuda k l) Qual o senido do movimeno da massa no insane s? Ajuda l m) Comparando os gráficos de x () e v() em relação ao senido do movimeno da massa, o que podemos concluir? Ajuda m n) Consrua o gráfico de a (). Ajuda n o) Observando o gráfico a (), indique os valores onde a aceleração da massa é máxima? Ajuda o p) Deermine a aceleração da massa no insane 3 s. Ajuda p q) O resulado enconrado no iem anerior é coerene com o gráfico a (). Ajuda q

33 0 APÊNDICE G - ORIENTAÇÕES PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA 1 ORIENTAÇÕES DE AJUDA PARA O ALUNO (PROBLEMA 01) 1 INTERPRETAÇÃO DO ENUNCIADO VERBALIZAÇÃO Ajuda a) dica 01: a aprendizagem ocorre com a conversação que não é apenas roca de informações. Ajuda a) dica 0: um diagrama simples pode ser desenhado para ajudar na verbalização. Ajuda a) dica 03: o aluno deve verbalizar (inerprear) o problema com suas próprias palavras. LEI FÍSICA Ajuda a) dica 01: no caso dos problemas de Equações Diferenciais Ordinárias eremos sempre duas variáveis, sendo as demais grandezas os parâmeros. Ajuda a) dica 0: variável independene: As variáveis independenes serão aquelas que são independenes dos procedimenos da invesigação, que não dependem da invesigação, consiuindo, no enano faores deerminanes que a vão influenciar, recorrendo o invesigador à sua manipulação para observar os efeios produzidos nas variáveis dependenes (Sousa, A. B., 005). Resposa: empo. Ajuda b) dica: variável dependene: Consideram-se como variáveis dependenes aquelas que dependem dos procedimenos da invesigação, conecando-se direamene com as resposas que se procuram. São dados que se obêm e que variam à medida que o invesigador modifica as condições de invesigação. Uma variável dependene é aquela que procuramos como resposa para a perguna. Toda a invesigação em por objeivo chegar à variável dependene, ou seja, ao resulado obido com os procedimenos da invesigação (Sousa, A. B., 005). Resposa: aceleração, velocidade, espaço. Ajuda c) dica: a força resulane auane no sisema é a força graviacional ( F F ) dv Resposa: a lei física que se aplica é: m a m g a g 10. s g

34 03 CONDIÇÕES INICIAIS DADAS Ajuda a) dica: no empo inicial que podemos denominar = 0, foram dadas uma posição e uma velocidade. Resposa: 0 x 0 0 v 0 8m / s 10m ( referencial erra ) O QUE SE PEDE Resposa: x?? aé a pedra ocaro solo v? em quea pedra ocao solo espaço percorrido pela pedra aé ocar o solo - RESOLUÇÃO DO MODELO Ajuda a) dica: o comando para resolver uma equação diferencial com uma condição inicial é dsolve. Resposa: v ( ) 10 8 Ajuda b) dica: o comando para resolver uma equação diferencial com uma condição inicial é dsolve. Resposa: x ( ) Ajuda c) dica: subsiuir x() = 0 na equação do espaço e resolver a equação desprezando os valores negaivos de caso aconeça. Resposa: s Ajuda d) dica: subsiuir o empo enconrado s na equação da velocidade. Resposa: v m/s Ajuda e) dica 01: não se pode confundir disância percorrida com posição. Para calcular a disância percorrida, emos que deerminar as posições. Ajuda e) dica 0: a disância oal percorrida represena a disância que a pedra percorre durane a subida e a descida. Ajuda e) dica 03: deermine o empo que a pedra leva para aingir a alura máxima. Ajuda e) dica 04: subsiuir o valor do empo na expressão das posições. Ajuda e) dica 05: lembrar que a posição enconrada a parir do pono de lançameno esá acrescida de 10m.

35 04 Resposa: x ( 10m 3,m 3,m) 16,4 m. 3 - ANÁLISE GRÁFICA DOS MODELOS Ajuda a) dica 01: carregue odos os pacoes(ferramenas) para o esudo de equações diferenciais do Maple. Ajuda a) dica 0: lembre-se que g = 10 m/s. Ajuda a) dica 03: o campo de direções sugere a aparência ou forma de uma família de curvas inegrais da equação diferencial. Ajuda a) dica 04: o comando para consruir o campo de direções é DEplo. Ajuda b) dica 01: observe as direções de odos os elemenos lineares. Resposa: a equação diferencial é da forma de uma consane cuja solução gera uma família de funções do 1º grau. Ajuda c) Resposa: uma rea. Ajuda d) dica 01: analise se odos os ângulos formados pelos elemenos lineares são iguais. Ajuda d) dica 0: uilize a função arcan(x). Resposa: º Ajuda e) dica: observe no gráfico campo de direções a direção e o senido dos elemenos lineares Resposa: sim, funções lineares. Ajuda f) dica: o campo de direções sugere soluções cujas funções são lineares e decrescenes. Ajuda g) dica 01: observe a solução da equação diferencial dv g. Ajuda g) dica 0: o comando para consruir gráficos em D é plo. Ajuda h) dica 01: o ipo do gráfico de uma função linear é uma rea. Resposa: decrescene, pois a medida que o empo aumena a velocidade diminui. Ajuda i) dica 01: pense em inegrar a função aceleração. Ajuda i) dica 0: a aceleração é o coeficiene angular da função velocidade. Ajuda j) dica 01: observe no gráfico da velocidade em função do empo onde = 0. Resposa: 8 m/s.

36 05 Ajuda k) dica: ler o enunciado do problema. Ajuda l) dica 01: explore escalas gráficas variando os valore de. Ajuda l) dica 0: lembre-se que dx v. Ajuda l) dica 03: observar no eixo da velocidade onde v = 0 e verificar o empo. Resposa: = 0,8s Ajuda m) dica 01: explore escalas gráficas variando os valore de. Ajuda m) dica 0: observar no eixo da velocidade onde v é aproximadamene igual a -49 m/s e verificar o empo. Resposa: aproximadamene 5,7s. Ajuda n) confronar os resulados. Ajuda o) dica: observar o gráfico da velocidade em função do empo. Resposa: de 0 a 0,8s Ajuda p) dica: o comando para consruir gráficos em D é plo. Ajuda q) dica: observar direamene o gráfico. Resposa: negaiva Ajuda r) dica: observar no gráfico da aceleração em função do empo, o comporameno da aceleração omando como referência o seu eixo. Resposa: a aceleração é consane. Ajuda s) dica : o comando para consruir PVI é DEplo. Ajuda ) A solução do PVI mosra uma das resposas da equação diferencial que é a função ploada no gráfico da velocidade em função do empo. Ajuda u) dica 01: o campo de direções sugere a aparência ou forma de uma família de curvas inegrais da equação diferencial. Ajuda u) dica 0: o comando para consruir o campo de direções é DEplo. Ajuda v) dica 01: observe no gráfico campo de direções a direção e o senido dos elemenos lineares Resposa: sim, funções quadráicas.

37 06 Ajuda w) dica : o comando para consruir o campo de direções, dadas as condições iniciais é DEplo. Ajuda x) dica: o comando para consruir gráficos em D é plo. Ajuda y) A solução do PVI mosra uma das resposas da equação diferencial que é a função ploada no gráfico do espaço em função do empo. Ajuda z) dica 01: explore escalas gráficas variando os valore de e de x. Resposa: 10m Ajuda aa) confronar os resulados. Ajuda bb) dica 01: explore escalas gráficas variando os valore de e de x. Resposa: aproximadamene 13,m Ajuda cc) dica 01: Função crescene: Uma função f é crescene, se quaisquer que sejam x e y no Domínio de f, com x < y, ivermos f(x) < f(y). Iso é, conforme o valor de x aumena, o valor da imagem de x pela função ambém aumena. Ajuda cc) dica 0: função decrescene: Uma função f é decrescene, se para quaisquer x e y no Domínio de f, com x < y, ivermos f(x) f(y). Iso é, conforme os valores de x aumenam, o valor da imagem de x pela função f diminui. Resposa: a função é crescene. Ajuda dd) Resposa: diminuem. Ajuda ee) dica 01: a aceleração é sempre negaiva. Ajuda ee) dica 0: a aceleração em senido conrário à orienação posiiva da rajeória. Ajuda ee) dica 03: a pedra sobe aé aingir a alura máxima e depois desce devido a força graviacional. Ajuda ff) dica 01: o empo para a pedra aingir a alura máxima é de = 0,8s, a parir do pono de lançameno. Ajuda ff) dica 0: a velocidade, no inervalo considerado, é conrária à orienação posiiva da rajeória Ajuda ff) dica 03: a aceleração é consane.

38 07 APÊNDICE H - ORIENTAÇÕES PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA ORIENTAÇÕES DE AJUDA PARA O ALUNO (PROBLEMA 0) 1 - INTERPRETAÇÃO DO ENUNCIADO ENUNCIADO Ajuda a) dica: raa-se de um coneúdo da Termodinâmica. Resposa: lei de resfriameno/aquecimeno de Newon. VERBALIZAÇÃO Ajuda a) dica 01: a aprendizagem ocorre com a conversação que não é apenas roca de informações. Ajuda a) dica 0: o aluno deve verbalizar (inerprear) o problema com suas próprias palavras. LEI FÍSICA Ajuda a) dica 01: no caso dos problemas de Equações Diferenciais Ordinárias eremos sempre duas variáveis, sendo as demais grandezas os parâmeros. Ajuda a) dica 0: variável independene: As variáveis independenes serão aquelas que são independenes dos procedimenos da invesigação, que não dependem da invesigação, consiuindo, no enano faores deerminanes que a vão influenciar, recorrendo o invesigador à sua manipulação para observar os efeios produzidos nas variáveis dependenes (Sousa, A. B., 005). Resposa: empo(). Ajuda b) dica: variável dependene: Consideram-se como variáveis dependenes aquelas que dependem dos procedimenos da invesigação, conecando-se direamene com as resposas que se procuram. São dados que se obêm e que variam à medida que o invesigador modifica as condições de invesigação. Uma variável dependene é aquela que procuramos como resposa para a perguna. Toda a invesigação em por objeivo chegar à variável dependene, ou seja, ao resulado obido com os procedimenos da invesigação (Sousa, A. B., 005). Resposa: emperaura do corpo(t). Ajuda c) dica: o parâmero é a consane de proporcionalidade. Resposa: k.

39 08 Ajuda d) dica: consane é um valor que não alera durane a análise do fenômeno, ambém denominado invariane. Resposa: emperaura do ambiene ou do meio(t m = 10ºF). Ajuda e) dica: a velocidade de resfriameno é proporcional à diferença enre as emperauras do corpo e do ambiene. Resposa: dt k T T m CONDIÇÕES INICIAIS OU DE CONTORNO Ajuda a) dica 01: se uma equação diferencial esiver definida para [a, b] e a condição for dada em a eremos uma condição inicial. Caso a condição seja dada num pono a, ela é chamada de condição de conorno. Ajuda a) dica 0: no empo inicial que podemos denominar = 0, qual é a emperaura do corpo? Resposa: para 0 T 707 º F Ajuda b) dica 01: se uma equação diferencial esiver definida para [a, b] e a condição for dada em a eremos uma condição inicial. Caso a condição seja dada num pono a, ela é chamada de condição de conorno. Ajuda b) dica 0: no empo 1/ min, qual é a emperaura do corpo? Resposa: 1 min T 50 º F O QUE SE PEDE Resposa: 1) a emperaura marcada no ermômero no insane = 1min. ) o empo que levará para o ermômero marcar 15ºF. - RESOLUÇÃO DO MODELO Ajuda a) dica 01: carregue odos os pacoes (ferramenas) para o esudo de equações diferenciais do Maple. Ajuda a) dica 0: observe que a solução geral vai ficar em função de k. Resposa: T ( ) 10 C1 e k Ajuda b) dica 01: para calcular os valores de k e C1 você deve monar um sisema.

40 09 Ajuda b) dica 0: subsiua as condições dadas 0 1 min T 70º F na solução geral da T 50º F equação diferencial. Ajuda b) dica 03: resolva o sisema. Resposa: k ln(/ 3) e _C1 = 60. Ajuda c) dica 01: para resolver uma equação com uma variável no Maple, uiliza-se o comando solve. Ajuda c) dica 0: subsiua na solução geral da equação diferencial o valor 1min. Ajuda c) dica 03: uilize a função evalf. Resposa: 36, ºF Ajuda d) dica 01: subsiua na solução geral da equação diferencial o valor T = 15ºF. Ajuda d) dica 0: uilize a função evalf. Resposa: 3, min 3 - ANÁLISE GRÁFICA DO MODELO Ajuda a) dica 01: o campo de direções sugere a aparência ou forma de uma família de curvas inegrais da equação diferencial. Ajuda a) dica 0: T m = 10ºF e k ln(/ 3). Ajuda b) dica 01: observar os elemenos lineares, uma única curva inegral segue seu caminho acompanhando o padrão de fluxo do campo. Resposa: exponencial/logarímica. Ajuda c) dica 01: observar a inclinação dos elemenos lineares. Resposa 01: sim Ajuda c) dica 0: observar os valores no eixo T (). dt Resposa 0: 0 dt dt para T ( ) 10, 0para T( ) 10e 0 para T ( ) 10. Ajuda d) dica: soluções de equilíbrio são as únicas soluções consanes da equação diferencial. Resposa: sim, T( ) 10 F.

41 10 Ajuda e) dica: subsiua o valor de k ln(/ 3) na equação diferencial e defina a equação a ser ploada. dt Ajuda f) obs.: aravés da análise do gráfico por T, confirmamos os resulados do esudo dt dos sinais de, obidos apenas observando o campo de direções da equação diferencial. Ajuda g) dica 01: carregue o pacoe (suden); Ajuda g)dica 0: redefina a função T (). Ajuda g) dica 03: calcule a derivada de T () e ploe o gráfico. dt dt Ajuda h) dica 01: observar o comporameno de no gráfico de por. dt Resposa: ende para o valor zero. dt Ajuda i) dica 01: redefina a equação por. Ajuda i) dica 0: uilize o comando subs e subsiua o valores de na equação pré-definida. Resposas: 9, , 0, e 0, Ajuda j) dica: observar se os valores obidos em i são compaíveis com os do gráfico de g. Ajuda k) dica: uilize a função obida no iem c da resolução do modelo. Ajuda l) dica 01: calcule a variação de emperaura nos inervalos de empo [0,1]; [1,]; [,3] e [3,4]. Resposa: no inervalo [0,1]. Ajuda m) dica: uilize o comando DEplo para resolver o PVI. Ajuda n) Resposa: apresenam a mesma solução.

42 11 APÊNDICE I - ORIENTAÇÕES PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA 3 ORIENTAÇÕES DE AJUDA PARA O ALUNO (PROBLEMA 03) 1 - INTERPRETAÇÃO DO ENUNCIADO VERBALIZAÇÃO Ajuda a) dica 01: a aprendizagem ocorre com a conversação que não é apenas roca de informações. Ajuda a) dica 0: o aluno deve verbalizar (inerprear) o problema com suas próprias palavras. IDENTIFICAÇÃO DAS VARIÁVEIS Ajuda a) dica 01: no caso dos problemas de Equações Diferenciais Ordinárias eremos sempre duas variáveis, sendo as demais grandezas os parâmeros ou consanes. Ajuda a) dica 0: variável independene: As variáveis independenes serão aquelas que são independenes dos procedimenos da invesigação, que não dependem da invesigação, consiuindo, no enano faores deerminanes que a vão influenciar, recorrendo o invesigador à sua manipulação para observar os efeios produzidos nas variáveis dependenes (Sousa, A. B., 005). Resposa: empo(). Ajuda b) dica: variável dependene: Consideram-se como variáveis dependenes aquelas que dependem dos procedimenos da invesigação, conecando-se direamene com as resposas que se procuram. São dados que se obêm e que variam à medida que o invesigador modifica as condições de invesigação. Uma variável dependene é aquela que procuramos como resposa para a perguna. Toda a invesigação em por objeivo chegar à variável dependene, ou seja, ao resulado obido com os procedimenos da invesigação (Sousa, A. B., 005). Ajuda b) resposa: inensidade do correne i(). Ajuda c) dica: os parâmeros são valores dados no problema. Resposa: E, L e R.

43 1 MODELO MATEMÁTICO - LEI FÍSICA Ajuda a) dica 01: é a lei do crescimeno da inensidade da correne elérica num circuio RL (série). Ajuda a) dica 0: segunda Lei de Kirchhoff. di Resposa: L R i E(). CONDIÇÃO INICIAL Ajuda a) dica: no empo inicial que podemos denominar = 0, qual é a inensidade da correne? Resposa: 0 i 15 A O QUE SE PEDE Resposa: deerminar a expressão que calcula a inensidade da correne num empo qualquer. - RESOLUÇÃO DO MODELO Ajuda a) dica 01: carregue odos os pacoes (ferramenas) para o esudo de equações diferenciais do Maple. Ajuda a) dica 0: subsiuir os valores de R = 6 Ω, L = 3 H e V() = 4 V na equação diferencial. Ajuda a) dica 03: uilize o comando dsolve para a resolução da equação diferencial. Resposa: i( ) 4 e _ C1 Ajuda b) dica 01: você pode resolver o PVI definindo a condição inicial ou inserindo-a direamene na linha do comando. Ajuda b) dica 0: uilize o comando dsolve para a resolução do PVI. Resposa: i( ) 4 11 e Ajuda c) dica: comparar a resposa da equação diferencial com a do PVI. Resposa: _C1=11

44 ANÁLISE GRÁFICA DO MODELO Ajuda a) dica 01: subsiuir os valores de R = 6 Ω, L = 3 H e V() = 4 V na equação diferencial. Ajuda a) dica 0: uilizar o comando DEplo para raçar o campo de direções com ou sem condições iniciais e de conorno. Ajuda b) resposa 01: o campo de direções permie visualizarmos e esboçarmos inúmeras soluções da equação diferencial(família de curvas inegrais). Ajuda b) resposa 0: é necessário ermos uma condição inicial, por exemplo: 0 i 15 A para se deerminar uma curva da família. Ajuda c) dica: observar os elemenos lineares, uma única curva inegral segue seu caminho acompanhando o padrão de fluxo do campo. Resposa: exponencial/logarímica. Ajuda d) resposa 01: sim, observando a inclinação dos elemenos lineares. Ajuda d) dica: observar os valores no eixo i (). di Resposa 0: 0 di di para i ( ) 4, 0 para i( ) 4e 0 para i ( ) 4. Ajuda e) dica: soluções de equilíbrio são as únicas soluções consanes da equação diferencial. Resposa: sim, i ( ) 4. Ajuda f) dica: para resolver um PVI graficamene, uilize o comando DEplo. Ajuda g) dica 01: uilizar o comando plo para consruir gráficos em D. di Ajuda g) dica 0: isolar na equação diferencial para consruir o gráfico. di Ajuda h) obs.: por meio da análise do gráfico por i, confirmar os resulados do esudo di dos sinais de, obidos apenas observando o campo de direções da equação diferencial. di Ajuda i) Resposa: 4 é o valor onde 0, represena a solução de equilíbrio da equação diferencial.

45 14 Ajuda j) dica: usa-se a seguine equação para ploar o gráfico: i( ) 4 11 e. Ajuda k) dica 01: observar no gráfico i() por a endência de i (). Ajuda k) dica 0: odas as soluções se aproximam de um deerminado valor. Resposa: a correne se esabiliza em i ( ) 4. Ajuda l) dica 01: uilizar o comando plo para consruir gráficos em D. Ajuda l) dica 0: subsiuir i( ) di e na equação diferencial e isolar Ajuda m) dica 01: observar o gráfico. di Resposa: a axa de variação diminui em módulo aé chegar a zero onde ocorre a esabilidade.

46 15 APÊNDICE J - ORIENTAÇÕES PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA 4 ORIENTAÇÕES DE AJUDA PARA O ALUNO (PROBLEMA 04) 1 - INTERPRETAÇÃO DO ENUNCIADO VERBALIZAÇÃO Ajuda a) dica 01: a aprendizagem ocorre com a conversação que não é apenas roca de informações. Ajuda a) dica 0: o aluno deve verbalizar (inerprear) o problema com suas próprias palavras. IDENTIFICAÇÃO DAS VARIÁVEIS Ajuda a) dica 01: no caso dos problemas de Equações Diferenciais Ordinárias eremos sempre duas variáveis, sendo as demais grandezas os parâmeros ou consanes. Ajuda a) dica 0: variável independene: As variáveis independenes serão aquelas que são independenes dos procedimenos da invesigação, que não dependem da invesigação, consiuindo, no enano faores deerminanes que a vão influenciar, recorrendo o invesigador à sua manipulação para observar os efeios produzidos nas variáveis dependenes (Sousa, A. B., 005). Resposa: empo(). Ajuda b) dica: variável dependene: Consideram-se como variáveis dependenes aquelas que dependem dos procedimenos da invesigação, conecando-se direamene com as resposas que se procuram. São dados que se obêm e que variam à medida que o invesigador modifica as condições de invesigação. Uma variável dependene é aquela que procuramos como resposa para a perguna. Toda a invesigação em por objeivo chegar à variável dependene, ou seja, ao resulado obido com os procedimenos da invesigação (Sousa, A. B., 005). Resposa: massa m(). Ajuda c) dica: o parâmero é um valor dado no problema ou a ser deerminado. Resposa: K.

47 16 MODELO MATEMÁTICO - LEI FÍSICA Ajuda a) dica 01: ese ipo de problema que resula em expressões exponenciais são denominados de crescimeno ou decrescimeno exponencial. Ajuda a) dica 0: Resposa: dm dm varia proporcionalmene a m. k m. CONDIÇÕES INICIAIS OU DE CONTORNO Ajuda a) dica 01: no empo inicial que podemos denominar = 0, qual é a massa de radium exisene? Resposa: 0 m 1 (100%). Ajuda b) dica 01: ao érmino de 50 anos, qual é a porcenagem de radium exisene? Resposa: 50 m 0,9 (90%). OBS.: "m" é a massa do radium que não se decompõe, iso é, 90% são o que resa após 50 anos. O QUE SE PEDE Resposa: deerminar o empo para decomposição da meade da quanidade inicial de radium, ou seja:? m 1/ (50%). - RESOLUÇÃO DO MODELO Ajuda a) dica 01: carregue odos os pacoes (ferramenas) para o esudo de equações diferenciais do Maple. Ajuda a) dica 0: observe que a solução geral vai ficar em função de k. Resposa: m k _ C1 e. Ajuda b) dica 01: para deerminar os valores de k e _C1 aplica-se as condições iniciais e de conorno. Ajuda b) dica 0: monar um sisema onde a variáveis são k e _C1. Resposa: k 0,, , _C1=1 Ajuda c) dica: subsiuir k e _C1 na solução geral da equação diferencial.

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Prof. Josemar dos Santos

Prof. Josemar dos Santos Engenharia Mecânica - FAENG Sumário SISTEMAS DE CONTROLE Definições Básicas; Exemplos. Definição; ; Exemplo. Prof. Josemar dos Sanos Sisemas de Conrole Sisemas de Conrole Objeivo: Inroduzir ferramenal

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriee Righi LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 Aenção: Aualize seu adobe, ou subsiua os quadrados por negaivo!!! 1) Deermine

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

Um estudo de Cinemática

Um estudo de Cinemática Um esudo de Cinemáica Meu objeivo é expor uma ciência muio nova que raa de um ema muio anigo. Talvez nada na naureza seja mais anigo que o movimeno... Galileu Galilei 1. Inrodução Nese exo focaremos nossa

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução:

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução: Queda Livre e Movimeno Uniformemene Acelerado Sergio Scarano Jr 1906/013 Exercícios Proposo Um navio equipado com um sonar preende medir a profundidade de um oceano. Para isso, o sonar emiiu um Ulra-Som

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem

Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem Definição. Uma EDO de 1 a ordem é dia linear se for da forma y + fx y = gx. 1 A EDO linear de 1 a ordem é uma equação do 1 o grau em y e em y. Qualquer dependência

Leia mais

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS

CAPÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS APÍTULO III TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS TORÇÃO - PEÇAS DE SEÇÃO VAZADA DE PAREDES FINAS A- TORÇÃO PROBLEMAS ESTATIAMENTE INDETERMINADOS Vimos aé aqui que para calcularmos as ensões em

Leia mais

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores 1 Tópico : evisão dos modelos Diodos e Transisores Diodos Símbolo O mais simples dos disposiivos semiconduores. Função (ideal) Conduzir correne elérica somene em um senido. Circuio abero Polarização 2

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009 Tese Inermédio de Física e Química A Tese Inermédio Física e Química A Versão Duração do Tese: 90 minuos 26.05.2009.º ou 2.º Anos de Escolaridade Decreo-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de resposas,

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão Transisor de Efeio de Campo de Pora Isolada MOSFET - Revisão 1 NMOS: esruura física NMOS subsrao ipo P isposiivo simérico isposiivo de 4 erminais Pora, reno, Fone e Subsrao (gae, drain, source e Bulk)

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO Pág.: 1/88 ÍNDICE Professor: Waldemir Loureiro Inrodução ao Conrole Auomáico de Processos... 4 Conrole Manual... 5 Conrole Auomáico... 5 Conrole Auo-operado... 6 Sisema

Leia mais

Física 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA CINEMÁTICA IV. 4. (0,2s) movimento progressivo: 1. Como x 1

Física 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA CINEMÁTICA IV. 4. (0,2s) movimento progressivo: 1. Como x 1 Física aula CIEMÁTICA IV 4. (,s) movimeno progressivo: COMETÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. Como x x é a diferença enre as posições dos auomóveis A e A em-se: o insane, os auomóveis A e A esão na mesma posição.

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuios Eléricos I EEL420 Coneúdo 1 - Circuios de primeira ordem...1 1.1 - Equação diferencial ordinária de primeira ordem...1 1.1.1 - Caso linear, homogênea, com

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 *

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * Mecânica e Sisemas e Parículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * 1. A velociae e escape e um planea ou esrela é e nia como seno a menor velociae requeria na superfície o objeo para que uma parícula escape

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa GFI00157 - Física por Aiidades Caderno de Trabalhos de Casa Coneúdo 1 Cinemáica 3 1.1 Velocidade.............................. 3 1.2 Represenações do moimeno................... 7 1.3 Aceleração em uma

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo

Análise de Circuitos Dinâmicos no Domínio do Tempo Teoria dos ircuios e Fundamenos de Elecrónica Análise de ircuios Dinâmicos no Domínio do Tempo Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@is.ul.p DEE Área ienífica de Elecrónica T.M.Almeida IST-DEE- AElecrónica

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza raga Índice Cinemáica...1 Exercícios... Gabario...6 Cinemáica (Não se esqueça de adoar uma origem dos espaços, uma origem dos empos e orienar a rajeória) M.R.U. =

Leia mais

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO

ANÁLISE DE UMA EQUAÇÃO DIFERENCIAL LINEAR QUE CARACTERIZA A QUANTIDADE DE SAL EM UM RESERVATÓRIO USANDO DILUIÇÃO DE SOLUÇÃO ANÁLSE DE UMA EQUAÇÃO DFERENCAL LNEAR QUE CARACTERZA A QUANTDADE DE SAL EM UM RESERATÓRO USANDO DLUÇÃO DE SOLUÇÃO Alessandro de Melo Omena Ricardo Ferreira Carlos de Amorim 2 RESUMO O presene arigo em

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro Física Lisa de Física Prof. Alexsandro MU e MU 1 - (UnB DF) Qual é o empo gaso para que um merô de 2m a uma velocidade de 18km/h aravesse um únel de 1m? Dê sua resposa em segundos. 2 - (UERJ) Um rem é

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi Dinâmica de ineração da praga da cana-de-açúcar com seu parasióide Trichogramma galloi Elizabeh de Holanda Limeira 1, Mara Rafikov 2 1 Universidade Federal do ABC - UFABC, Sano André, Brasil, behmacampinas@yahoo.com.br

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

Comportamento Assintótico de Convoluções e Aplicações em EDP

Comportamento Assintótico de Convoluções e Aplicações em EDP Comporameno Assinóico de Convoluções e Aplicações em EDP José A. Barrionuevo Paulo Sérgio Cosa Lino Deparameno de Maemáica UFRGS Av. Beno Gonçalves 9500, 9509-900 Poro Alegre, RS, Brasil. 2008 Resumo Nese

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

ENSAIO SOBRE A FLUÊNCIA NA VIBRAÇÃO DE COLUNAS

ENSAIO SOBRE A FLUÊNCIA NA VIBRAÇÃO DE COLUNAS Congresso de Méodos Numéricos em Engenharia 215 Lisboa, 29 de Junho a 2 de Julho, 215 APMTAC, Porugal, 215 ENSAIO SOBRE A FLUÊNCIA NA VIBRAÇÃO DE COLUNAS Alexandre de Macêdo Wahrhafig 1 *, Reyolando M.

Leia mais

Introdução às Medidas em Física

Introdução às Medidas em Física Inrodução às Medidas em Física 43152 Elisabeh Maeus Yoshimura emaeus@if.usp.br Bloco F Conjuno Alessandro Vola sl 18 agradecimenos a Nemiala Added por vários slides Conceios Básicos Lei Zero da Termodinâmica

Leia mais

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear

2. DÍODOS DE JUNÇÃO. Dispositivo de dois terminais, passivo e não-linear 2. ÍOOS E JUNÇÃO Fernando Gonçalves nsiuo Superior Técnico Teoria dos Circuios e Fundamenos de Elecrónica - 2004/2005 íodo de Junção isposiivo de dois erminais, passivo e não-linear Foografia ânodo Símbolo

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuios Eléricos I EEL42 Coneúdo 8 - Inrodução aos Circuios Lineares e Invarianes...1 8.1 - Algumas definições e propriedades gerais...1 8.2 - Relação enre exciação

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

MATEMATICA Vestibular UFU 2ª Fase 17 de Janeiro de 2011

MATEMATICA Vestibular UFU 2ª Fase 17 de Janeiro de 2011 Vesibular UFU ª Fase 17 de Janeiro de 011 PRIMEIRA QUESTÃO A realidade mosra que as favelas já fazem pare do cenário urbano de muias cidades brasileiras. Suponha que se deseja realizar uma esimaiva quano

Leia mais

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Realizada em 8 de ouubro de 010 GABARITO DISCURSIVA DADOS: Massas aômicas (u) O C H N Na S Cu Zn 16 1 1 14 3 3 63,5 65,4 Tempo de meia - vida do U 38

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA No iem 3.1, apresena-se uma visão geral dos rabalhos esudados sobre a programação de horários de rens. No iem 3.2, em-se uma análise dos rabalhos que serviram como base e conribuíram

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031 Universidade Federal do io Grande do Sul Escola de Engenharia de Poro Alegre Deparameno de Engenharia Elérica ANÁLISE DE CICUITOS II - ENG43 Aula 5 - Condições Iniciais e Finais de Carga e Descarga em

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002

A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insiuo de Ciências Humanas Deparameno de Economia DOUTORADO EM ECONOMIA A Produividade do Capial no Brasil de 1950 a 2002 Aumara Feu Orienador: Prof. Maurício Baraa de Paula Pino

Leia mais

Resumo. Sistemas e Sinais Definição de Sinais e de Sistemas (1) Definição de Funções. Nesta Aula

Resumo. Sistemas e Sinais Definição de Sinais e de Sistemas (1) Definição de Funções. Nesta Aula Resumo Sisemas e Sinais Definição de Sinais e de Sisemas () lco@is.ul.p Insiuo Superior Técnico Definição de funções. Composição. Definição declaraiva e imperaiva. Definição de sinais. Energia e poência

Leia mais

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS Disseração apresenada à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para obenção do íulo de Mesre

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II E.N.I.D.H. Deparameno de Radioecnia APONTAMENTOS DE ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA II (Capíulo 2) José Manuel Dores Cosa 2000 42 ÍNDICE Inrodução... 44 CAPÍTULO 2... 45 CONVERSORES COMUTADOS DE CORRENTE CONTÍNUA...

Leia mais

Física B Extensivo V. 5

Física B Extensivo V. 5 Gabario Eensivo V 5 Resolva Aula 8 Aula 9 80) E 80) A 90) f = 50 MHz = 50 0 6 Hz v = 3 0 8 m/s v = f = v f = 3 0 8 50 0 = 6 m 90) B y = 0,5 cos [ (4 0)] y = 0,5 cos y = A cos A = 0,5 m 6 = 4 s = 0,5 s

Leia mais

Modelos de Previsão. 1. Introdução. 2. Séries Temporais. Modelagem e Simulação - Modelos de Previsão

Modelos de Previsão. 1. Introdução. 2. Séries Temporais. Modelagem e Simulação - Modelos de Previsão Modelos de Previsão Inrodução Em omada de decisão é basane comum raar problemas cujas decisões a serem omadas são funções de faos fuuros Assim, os dados descrevendo a siuação de decisão precisam ser represenaivos

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR

A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR Bárbara Lopes Macedo (Faculdades Inegradas FAFIBE) Carina Aleandra Rondini Marreo (Faculdades Inegradas FAFIBE) Jucélia Maria de Almeida

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA Inrodução Ese arigo raa de um dos assunos mais recorrenes nas provas do IME e do ITA nos úlimos anos, que é a Cinéica Química. Aqui raamos principalmene dos

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS João Dionísio Moneiro * ; Pedro Marques Silva ** Deparameno de Gesão e Economia, Universidade

Leia mais

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL Movimeno unidimensional 5 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL. Inrodução Denre os vários movimenos que iremos esudar, o movimeno unidimensional é o mais simples, já que odas as grandezas veoriais que descrevem o

Leia mais

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro.

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 CÉREBRO ELETRÔNICO O cérebro elerônico faz udo Faz quase udo Faz quase udo Mas ele é mudo. O cérebro elerônico comanda Manda e desmanda Ele é quem manda Mas ele

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks

Sistemas de Energia Ininterrupta: No-Breaks Sisemas de Energia Ininerrupa: No-Breaks Prof. Dr.. Pedro Francisco Donoso Garcia Prof. Dr. Porfírio Cabaleiro Corizo www.cpdee.ufmg.br/~el GEP-DELT-EEUFMG Porque a necessidade de equipamenos de energia

Leia mais

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Unidade de São José Telefonia Digial: Modulação por código de Pulso Curso écnico em Telecomunicações Marcos Moecke São José - SC, 2004 SUMÁRIO. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO....

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º ou 12.º Ano de Escolaridade (Decreo-Lei n.º 74/24, de 26 de Março) PROVA 715/16 Págs. Duração da prova: 12 minuos 27 1.ª FASE PROVA ESCRITA DE FÍSICA E QUÍMICA

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

MODELAMENTO DINÂMICO DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA MÁQUINA CNC DIDÁTICA

MODELAMENTO DINÂMICO DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA MÁQUINA CNC DIDÁTICA 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 h BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 h o 15 h, 2011 Caxias do Sul RS Brazil

Leia mais