Física 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA CINEMÁTICA IV. 4. (0,2s) movimento progressivo: 1. Como x 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Física 2 aula 11 COMENTÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA CINEMÁTICA IV. 4. (0,2s) movimento progressivo: 1. Como x 1"

Transcrição

1 Física aula CIEMÁTICA IV 4. (,s) movimeno progressivo: COMETÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. Como x x é a diferença enre as posições dos auomóveis A e A em-se: o insane, os auomóveis A e A esão na mesma posição. Para < < 3s o auomóvel A esá a frene do auomóvel A, pois x x >. Em 3s o auomóvel A esá ulrapassando o auomóvel A, pois x x. Do insane 3s em diane o auomóvel A ficou a frene do auomóvel A, pois x x <. Assim só ivemos uma ulrapassagem durane odo o percurso.. Do gráfico você conclui que: o inervalo de (,5s) o movimeno é progressivo e o deslocameno ΔS ( 5 + ) x ΔS 35m x8 Δ S ΔS 8m (5,9s) movimeno rerógrado ( 7+ 5) x8 Δ S ΔS 48m (,9s) ΔS ΔS + ΔS ΔS 8 + ( 48) ΔS 4m B.: O sinal negaivo no ΔS significa que a parícula no final do deslocameno esá a esquerda do pono de parida. 5. Assim para ele reornar ao pono de origem, o deslocameno ΔS de 5s em diane deverá ser ambém 35m. ( 5) + ( 6) x ( ) x Δ S s 3. Cálculo da velocidade: 5 5 o gráfico v gα v v m/s Equação horária: x x + v x 5 + Posição no insane h 7s: x 5 + x 7 x 75m x 7,5 x 3 m Ordem de grandeza (OG): OG(x) 4 m Deslocameno do carro A: ΔS A A riângulo 8x Deslocameno do carro B: ΔS B A + A ( 8+ 4) x 4 Δ SB + 8 x 3 Δ SB 48m o insane 8s carro B na frene do carro A Disância que separa os móveis (d) d ΔS B ΔS A d 48 4 d 8m Resposa correa: E 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA

2 6. A velocidade que a quesão esá raando é a velocidade escalar média. x v Δ x 4 3x Ariângulos x A riângulos v v Δ 6 v v m/s o início da ulrapassagem: As equações dos espaços são: x A 5 x B o final da ulrapassagem: COMETÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS. Do exame do gráfico, conclui-se que: I. O rem azul pare da cidade A às 4h e chega à B às 6h realizando um deslocameno de 7km em h. Afirmaiva B (verdadeira) II. O rem praa pare da cidade B às 6h e chega à A às 8h realizando um deslocameno de 7km em h. Afirmaiva D (falsa) III. A velocidade média dos dois rens é a mesma. x A x B s 4 4. o gráfico abaixo, a área hachurada mede o módulo do deslocameno no inervalo de 3s, 9s. V m Δ S Vm 7 Δ Afirmaiva A (verdadeira) V m 6km/h IV. As equações horárias dos dois rens são: Azul: S A 6( 4) Praa: S P 7 6( 6) o enconro S A S P 6( 4) 7 6( 6) h Afirmaiva C (verdadeira). Examinando-se o gráfico, em-se: Trecho posições crescem ciclisa move-se no mesmo senido da rajeória. (Figura C) Trecho posições permanecem consanes ciclisa em repouso. (Figura B) Trecho 3 posições decrescene com o empo ciclisa move-se no senido conrário à orienação da rajeória. Figura A 3. Do gráfico emos: v A ce Δ s Δ v B ce Δ s Δ B B A A 5m/s m/s (3s, 9s) ΔS π.r 4 ΔS. π. (3) 4 ΔS π 9 m 4 B.: esse inervalo de empo o módulo do deslocameno é igual ao espaço percorrido. 5. Sendo o movimeno uniforme e a rea do gráfico x x decrescene, a velocidade escalar é negaiva. Para 3s S 3 S + v 5 S,5 x 3 S m Para 5s Resposa correa: E 6. Com base no gráfico, você conclui: Os movimenos dos móveis são: M M.R.U e PROGRESSIVO M.R.U e RETRÓGRADO S 5 S + v S 5,5 x 5 S 5 6,5m 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA

3 Opções (A) e (B) são falsas. OPÇÃO (E) verdadeira 6 5 v m v m m/s B.: As equações horárias para os móveis M X M X o enconro X M X s Resposa correa: E 7. Velocidades dos móveis A e B.. Cálculo do módulo do deslocameno (,5h): (,h) ΔS x 3 ΔS 3km (h, h) ΔS (h, 3h) ΔS 3 x ΔS 3 km (3h, 5h) ΔS 4 ΔS ΔS + ΔS + ΔS 3 + ΔS 4 ΔS km Cálculo do módulo da velocidade média: V m Δ S Vm Δ 5 V m km/h V A gα A V A 5 V B gα B V B V A 4m/s Equações horárias dos móveis S S + v a b S A 4 S B 5 + V B m/s Insane do enconro S A S B O empo para a explosão é obido de: v Δ S 6, 5. Δ s Δ Δ 5s. Analisando o gráfico você conclui: I. O movimeno é uniforme e progressivo. II. A velocidade é consane e posiiva. V gα V V m/s III. A aceleração angencial é ULA. Resposa correa: E. Da análise do gráfico e verificando-se as opções oferecidas pelas alernaivas, conclui-se que: I) o inervalo de empo de a s, o corpo deslocou com velocidade escalar média de: v m Δ s 3,5m/s Δ II) Enre e s, o movimeno foi uniforme com velocidade escalar de: v Δ s 3 m/s a Δ III) Enre e s, o corpo permaneceu em repouso. IV) Enre e 3s, a velocidade escalar média foi de: v m Δs m/s Δ o gráfico de S x, a angene do ângulo é numericamene igual ao módulo da velocidade no pono Q V Q O deslocameno do dublê é dado pela área sob o gráfico v versus aé o insane s. ( ). ( + ). ΔS B+ b h 6 5 ΔS 45m Resposa correa: E 9. I. Incorrea. Enre e 4s o objeo execuou um movimeno reilíneo uniforme. II. Incorrea. Enre 4s e 6s o objeo permaneceu em repouso. III. Correa. Enre 4s e 9s a velocidade média é dada por: 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA 3

4 α > α gα > gα V P > V R V P > V R > V Q 4. o gráfico, a disância percorrida pelo corpo é numericamene igual à área hachurada. (4s, 5s) o movimeno é uniforme e progressivo. v Δ S v Δ v m/s (, 5s) a velocidade média será v m Δ S v m Δ 5 5 v m/s m B: (5s, 7s) o movimeno é uniforme e rerógrado v Δ S Δ v,5m/s Veja que o maior valor da velocidade ocorre no inervalo de 4s a 5s. Desa maneira as afirmaivas (A) e (D) são falsas. CIEMÁTICA V aula d ΔS + ΔS d m ( + ) 5 x 5x d + COMETÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. o insane V 5m/s Para 4,s V 5 x 4 V 3m/s Assim, no insane 4s, a velocidade em módulo igual a 3m/s e senido oposo ao da velocidade inicial. 5. O deslocameno (ΔS) do objeo, no inervalo de a 4h, em relação ao pono inicial é numericamene igual à área do gráfico:. Calculemos as disâncias percorridas por cada veículo aé parar: V V + γδ s ΔS A + A + A 3 ΔS ΔS 4km 6. Observando o gráfico conclui-se que: (,s) o movimeno é uniforme e progressivo afirmaiva (C) é falsa. Como: (3) + ( 3)d 6d 9 d 5m Caminhão: (3) + ( )d 4d 9 d 5m Para não haver colisão, a disância inicial enre os dois veículos deve ser maior ou igual a: d d 75m 3. Observe a siuação: esse inervalo v Δ S Δ 3 v,5m/s (s, 4s) e (7s, 9s) o móvel esá em repouso afirmaiva (E) é falsa. 4 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA

5 Gao: S G So + Vo + a S G a Rao: S R So + v S R, COMETÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS. O insane em que o alea B pare em perseguição ao alea A esá ilusrado na figura: Tempo que o rao leva para chegar ao buraco: S R 4,6m 4,6,76 + 3,8s Aceleração mínima do gao: S G 4,6m no insane,8s 4,6 x a x (,8) a 3m/s 4. Cálculo da aceleração do avião nos 4m da pisa: v v a s Δ (5) (7) x a x 4 a m/s ese momeno, o Airbus da TAM inha 7m de pisa mas ainda coninuou desacelerando com m/s, percorreu um espaço x e aingiu uma velocidade v. onde o espaço de A foi obido pela relação: ΔsA v A ΔsA m. Δ A parir do insane represenado na figura, as equações das posições dos aleas são: s A e s B a. Sabendo-se que o enconro ocorre em 4s e que, nesse insane, s A s B, enão: a. (4) a 5m/s ( ) ( ) V V ax V 5.. x V 5 x Daí o piloo arremeeu (acelerou) a aeronave com a 4m/s, percorrendo um espaço x e aingindo a velocidade v 3 7m/s, no final da pisa. v3 v ax + (7) (5) x + x 4. x 8x x 48 (I) Porém, x + x 7. Logo, x + x 4 (II) Somando-se (I) com (II) obém-se: x 388. Se V e a m/s enão: S S + V o + a 3s S 3,5 x (3) S 3 4,5m S,5 5s S 5,5 x (5) S 5,5m Assim, ΔS S 5 S 3 ΔS,5 4,5 ΔS 8m 3. Analisando-se os dois úlimos segundos do movimeno: x 388m Assim, o piloo eria que arremeer a aeronave a 388m do final da pisa para eviar o acidene. 5. Cálculo do empo aé a mosca ser capurada: x M v M. Δ 8. Δ Δ 8s Cálculo da aceleração do pássaro: 5 SP a( ) a x ( 8) a 6 Δ Δ m/s Velocidade do pássaro ao capurar a mosca: 5 5 V P V + aδ VP x 8 VP m/s 6 v v a ΔS v x a x 4a ΔS v a v a x 4 v a v v x 4 v v v v 4v + 4 v m/s Como v 4a () 4a a m/s Cálculo do empo no º recho v v + a 5,5s O empo oal, desde a freada aé parar, é: T + T,5 + T,5s 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA 5

6 4. Carro I (MRUR) v m/s a g senα a 5m/s S S + v + a S,5 Carro II (MRU) v 5m/s S S S 5 + v 7. Para resolver esa quesão, basa aplicar a Equação de Torricelli V +. a. ΔS Vamos considerar que ele pare, porano, a velocidade final será zero. Assim, vamos er: +. ( 5). ΔS 4. ΔS Sendo 4m < m, concluímos que o moorisa conseguirá parar o carro a 6m do animal. 8. Analisando-se o movimeno: Cálculo da aceleração o recho AB: v v + aδs B A 9 + x a x a m/s o enconro S S,5 5,5 5,5 ( 6) 6s Posição do enconro S S 5 x 6 S S 3m 5. Comparando-se as equações, em-se: x() + 5 x() x + v + a Enão x m, v m/s e a 5 a m/s A equação da velocidade será V V + a V Para 4s V x 4 V 3m/s 6. Tempo de reação d vor 5 R R,75s Cálculo da aceleração ( ) v v + aδs.a. a m/s o Tempo de frenagem v v + a s o F F Tempo para parada complea +,75 +,75s R F Cálculo do empo o recho BC: Δ S vb + a x x s 4 9. Orienando-se a rajeória no mesmo senido do movimeno e efeuando-se as devidas ransformações de unidade: v v + aδ s 6 +. a. a,64m/s Observação: Consideramos para a resolução da quesão que a aceleração do ciclisa foi consane durane odo o movimeno, e não apenas no insane em que ele compleou m. Resposa correa: E. Comparando as equações, em-se: x x + v + x v a 4m/s a m/s x 4 + A equação da velocidade v v + a v 4 + Em 8s v 4 + x 8 v m/s v 7km/h. Aplicando-se a Equação de Torricelli, vem: V V + aδ s (MUV) km 7 V 7 (m/s) m/s h 3,6 () + a 5 γ 4 6 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA

7 a 4,m/s a 4,m/s 4.. o insane os objeos A e B esão na origem. Equação da posição S A a S A x, S B S + v S B 8 o enconro S A S B, 8, 8,( 8) e 8s Velocidade do objeo A v A v + a v A, v A, x 8 As equações horárias dos rens que possuem acelerações iguais em módulo: SA a SB D a o enconro S A S B a D a D a D a D As velocidades dos rens: v a v v. D 4 Em módulo, v v 5 v v 48km/h. 6 A velocidade relaiva v r v + v v r 96km/h 5. Conando o empo a parir da passagem do carro pelo pono P, em-se: v A 6m/s 3. Posição do carro no momeno que a moo vai parir x V c. + a c x 5 x + x x 4 x m Alernaiva D é verdadeira. Cálculo da aceleração Δv a Δ vb va a Δ a 6 4 a m/s Cálculo da disância AB vb va + ad (6) (4) + x x d d m Insane e posição do enconro S M S + v + a S M ( ) S C S + v C + a S C C 5 +,5 o enconro S M S C ,5,5 8s 3 + 8,6s (não convém) A posição do enconro S M (8 ) S M 7m Alernaiva C é verdadeira. Velocidades no momeno do enconro Carro V C V + a C. V C 5 + x 8 V C 3m/s 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA 7

8 Alernaiva A é verdadeira. Moo V M V + a V M 4 ( ) V M 4 (8 ) V M 4m/s 6. Inervalo de empo em que os movimenos são acelerados Moo: VM Vo+ a VM,5 3,5 6s Carro: VC Vo + a VC s Assim, no insane 5s Moo M.R.U.A Carro M.R.U Opção A é verdadeira o insane 4s Moo: V M,5 V M,5 x 4 V M m/s Carro: Possui velocidade consane e igual a m/s desde m/s. Opção B é verdadeira Observe o gráfico de velocidade x empo 7. Como se raa de um movimeno uniformemene variado, a equação da velocidade é: v v + a que, comparada com a equação dada, v 5, indica que o movimeno em aceleração escalar consane igual a m/s. a m/s o insane 5s, a velocidade do corpo é: v 5. (5) v 8. Siuação (): Vo 4km/h, V, ΔS 8m Vo V Vo aδs Δ S a Siuação (): Vo 8km/h, Vo Vo, V ΔS? Vo 4Vo V Vo aδs Δ S Δ S 4ΔS a a Δ S 4x8 S 3m 9. Cálculo da aceleração: v v + a a x 5, a 5, m/s Cálculo da disância: Δs v o + Δs 5 x 5, + a x 5, x (5,) Δs 78m. Para os úlimos 9 meros, em-se v v aδx () a9 a 8m/s o insane 6s, os deslocamenos são: 6 x 3 Δ SM ΔS M 9m (moo) (6 + 4) x Δ SC ΔS C m (carro) O carro esá m à frene da moo. Opção C é verdadeira O enconro ocorre no insane, logo Δ SM Δ SC ( + 6)x 3 ( + )x s ( 6) x 3 Δ SM Δ SC ( x 7 6) x 3 Δ SM Δ SC Δ S M Resposa correa: E ΔS m C CIEMÁTICA VI aula 3 COMETÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. o gráfico de posição x empo você observa que o carro e o caminhão esão numa mesma posição no insane s. Opção A é verdadeira. Aé o enconro o caminhão sempre eseve na frene do carro. o gráfico de velocidade x empo observe que: Aceleração do carro: a gα a m/s Para s v c v + a v c x v c m/s ou Opção B é verdadeira. v c 7km/s 8 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA

9 Disância enre o carro e o caminhão em s: caminhão: ΔS x ΔS m x carro: ΔS ΔS 5m d ΔS ΔS d 5 d 5m. As disâncias percorridas pelos dois auomóveis aé o insane de enconro podem ser deerminadas como segue: ΔS x x Δ S () 5m (s, S)(M.U.A) a m/s Δv A v v x v v v 3m/s v v + aδs ( 3) ( ) + x x ΔS Δ S m d I I Área I ( + ) E E d I d E (s, 5s)(M.U) a Δv v 5 v v5 3m/s ΔS 3 v x Δ Δ 3 3 x 3 Δ S3 9m (5, f )MUR Δv A 3 Δv ( f 5) x ( ) v f v 5 f f + 5 f 8s v f v5 + aδs 4 (3) x x ΔS 4 Δ D4 45m Deslocameno oal: ΔS T ΔS + ΔS + ΔS 3 + ΔS 4 ΔS T ΔS T 6m d d Área II 3 II II E A soma de ais disâncias corresponde à disância enre as duas cidades: d I + d II 5 E + 3 E 5 T E 4s Logo, a disância procurada é: d I (4) d I 988m d I 9,88km ou d I 9,88km 3. Cálculo das velocidades empo final ( f ) deslocamenos Dado: v e v f (,s)(m.u.a) a m/s Δv A v v x ΔS v. + a 4. Supondo que o gráfico (s x ) do veículo II é uma parábola, sendo s m e sua velocidade inicial nula. Calculando a aceleração do veículo II: a II s s + v + (para 5s) a5 II a II m/s Insane em que o veículo II alcança o veículo I é 5s: v II v + a v II +. 5 v II 3m/s 5. Do insane aé o insane 5α o módulo do deslocameno é ΔS ΔS 8m α x ( 3α α) x o gráfico Δ S + + (5α 3α) x α α + + α 8 α 6s 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA 9

10 . COMETÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS a(m/s) Deslocameno (5 + ) x A 5 Δ S A A 5x A 5 Δ S 5 5 Δ S m 4. Espaço percorrido durane o empo de reação: ΔS v. ΔS x ΔS m Observando-se o gráfico conclui-se: I. O objeo só permanece em repouso no inervalo de (,4s) se inicialmene ele esiver em repouso. II. o inervalo de (4s, s) a velocidade do objeo é sempre crescene, logo o movimeno é acelerado, e sua velocidade será máxima em s. III. A variação de velocidade ( Δ v ) de a 8s é numericamene igual a área A. 4xa Δ v Δ v 4a A variação de velocidade ( Δ v ) de 8s a s é numericamene igual a área A. xa Δ v Δ v a ou seja Δ v Δ v Aceleração do carro durane a frenagem: v v + a ΔS, onde ΔS ΔS 8m a,5m/s () x a x 8 6a 4 Cálculo do inervalo de empo do início da frenagem aé o carro parar: v v + a,5 Δ 8s Logo, o gráfico de v x para o movimeno compleo será:. Examinando o gráfico você conclui: Considerando-se as curvas ramos de parábolas, em-se: A: possui M.U.R. e PROGRESSIVO v A > e a A < B: possui M.U.A. e PROGRESSIVO v B > e a B > Assim a A < a B o insane do ECOTRO as posições (x A x B ) B: A área hachurada no gráfico corresponde à disância enre o obsáculo e o moorisa no momeno em que ele o avisa. ( 9+ ) x Δ S Δ S m 5. As áreas hachuradas no gráfico represenam os módulos dos deslocamenos. α A > α B gα A > gα B v A > v B 3. Aceleração Média Δv v vo ( ) am am am Δ a m m/s Comparando as áreas você conclui que: x < x 3 < x 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA

11 6. 8. Examinando-se o gráfico e os dados da quesão, em-se: x m v Cálculo da aceleração: 3s x 6m x + a 6 + x a x (3) a 4m/s Posição no insane 5s: x x + v o + a x + 5s x 5 + x (5) x 5 48m Cálculo da aceleração: Aceleração consane a gα a 5 Módulo do deslocameno (5,s, 5s) ΔS x A x ( + ) a m/s 4 x x 3m Equação da velocidade v v o + a v + Para 7,5s v + x 7,5 v 5m/s B: Para 5s v + x 5 v 6m/s 7. o inervalo (,4s) as posições decrescem, logo a velocidade é EGATIVA. Como a concavidade da parábola é para cima, enão a aceleração é POSITIVA o empo odo. o insane 4s o móvel invere o senido do movimeno, logo a velocidade é ULA. As equações do movimeno são: S S + V + a S V. + a Velocidade no insane 5s: v v + a v 4 5s v 5 4 x 5 v 5 m/s 9. o inervalo de empo ( 4s) em-se: x x + V + a x Para 4s x x (4) x 68m V V + a V 4 Para 4s V 4 x 4 V 6m/s o inervalo de empo (4s 8s) x x + V + a x 68 6 ( 4) + ( 4) Para 8s x 68 6 (8 4) + (8 4) x m. Aceleração do rem a gα a a m/s Disância enre as esações (6 + 3) x ΔS ΔS 9m Em 4s S 4m 4 4V + 8a 4v 8a 8 () V V + a Em 4s V V + 4a V 4a Subsiuindo-se em () em-se: 4 x 4a 8a 8 a m/s, logo V 4m/s. Assim: S 4 + e V 4 + 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA

12 . O deslocameno do veículo A durane a frenagem corresponde à área desacada no gráfico: 4. As posições dos carros de Barrichello e de Schumacher são dadas respecivamene por: xb() ab x( B 6) x( S 6) 36aB 9aS as 4aB ( 3) xs() a S vb abd vs 8aBD 4 vs asd 8a D vb abd B 5.6 B 4 3 Enão, Δs 3m. Porano, a disância que separa ambos os veículos no fim da frenagem é: d 3 3 d m v S v B Resposa correa: E 5. o º recho, o movimeno é uniformemene acelerado. v v + a 3 5s Para desacelerar ele deve gasar o mesmo empo, porano, em um recho em que a velocidade será consane.. Represenando abaixo o gráfico dado e seus ângulos associados: Sugesão: Calcule a área do rapézio. Ela represena numericamene o módulo do deslocameno ΔS 8m. Desa forma você oberá o valor de Δ. Ese valor será Δ 45s. Confirme. Sendo os ΔOAB e ΔECD semelhanes: OB OA ED 5 CE ED ED 6. O gráfico da velocidade escalar do auomóvel em função do empo é: v(m/s) Como v D ED, emos que v D 5m/s v 3. De acordo com o enunciado, o gráfico v x é: ΔS m 4 (s) Uilizando-se a propriedade da área do gráfico v x : Δs A Δs (5 + 5). Δs 4m De a 4s o auomóvel realiza um movimeno uniformemene acelerado: v v v + a. m a 5 s v v m s 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA

13 De s a o auomóvel sofre um deslocameno escalar de m. Como ΔS A: b.h Δ. Δ s Logo, o gráfico com os valores de v e é: 9. Uilizando-se a definição de velocidade escalar média: Δs 9 vm 5 Δ Subsiuindo 6s no gráfico I, obemos: v(m/s) A velocidade escalar média do auomóvel é: Δs v m Δ Δs A ( + 6). Δ s 8m Δs v m Δ 8 v 5 m m s 54 km h 7. Escrevendo a equação do Torricelli para o movimeno do auomóvel: v v + a(x 4 x ) A ΔS (s) Sendo a área do gráfico v x numericamene igual ao deslocameno e S( ): de aé 6s: ( 6 + ). v 9 v,5m/s de a s:. v SR.,5 S R 5m de a 4s: ( 4 + ). v SR 3.,5. Do enunciado: V m 8,m/s Δs m S S 675m Porano, o empo de prova foi: Δs v m Δ,5s,5s Δ 8, (6). a. (9) a m/s 8. Para que não ocorra choque, a mínima aceleração (em módulo) da ambulância se obém impondo-se que a velocidade da ambulância diminua a m/s, durane um deslocameno correspondene ao deslocameno do carro, somado a m no mesmo inervalo de empo. O diagrama v x é: 3 v(m/s) A Do gráfico emos que Δs A, porano: A área hachurada indica os m:. Δv s a Δ (s) 3 a Δs Δ + Δ + Δ 3. 5,5 + (8,5 5,5). + v 3,5m/s ( + v). (,5 8,5) a,5 m/s 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA 3

14 QUEDA LIVRE LAÇAMETO VERTICAL aula 4 COMETÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. Tempo de descida: h x h g 45 g 5 s d s 5 Velocidade inicial (v ): v v + a v v Para s v v x v m/s. Enquano o objeo () descer durane um empo, o objeo () descerá durane um empo ( 9 ). S S h S g S g ( ) g g( ) h g g + g g h g h+ g h + g COMETÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS. o vácuo, as esferas caem com a mesma aceleração, g (aceleração da gravidade). Desa forma, a disância enre as esferas não muda durane a queda.. Da análise do gráfico você conclui que o empo de subida é s 6s. A velocidade inicial (v ) é: v v + a v v g v g s v g s v x 6 v 6m/s a alura máxima (h m ) em-se v, enão: v v + a Δs v g h m h m (6) h m x h 8m m (Reificação de gabario) v g 3. Como a luz úil é apenas a parir de 4m, vamos deerminar os insanes em que o foguee passa por essa posição. h + 5 Se h 4m s (na subida) s(na descida) Porano, o inervalo que o foguee emie luz úil é Δ Δ 3s Alura máxima: v v + aδs () x x h Tempo de subida: v v + a s s s Tempo oal que a bola permanece no ar h 5m Equação da posição S S + ΔS g v + a Para ΔS y y g y x T s T s Para ΔS x x g() x 4 x 4 y y 4. Desprezada a resisência do ar (queda livre), os corpos caem com a mesma aceleração independenemene da massa. Assim, após cero empo, os dois corpos erão a mesma velocidade (v) e erão percorrido a mesma disância. 5. Observe, que nesa siuação, os gráficos só ficam adequados se orienarmos a rajeória para baixo. Desa forma, a siuação descria são represenadas pelos gráficos da opção d. 5. Escrevendo a equação de Torricelli: v v gh v x x 5 v m/s Como v v g (v v ) subida s. g S + 4 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA

15 Porém, subida descida T oal s 6. Do gráfico você conclui que: v e a g m/s, logo: v. Se,5s v x,5 Afirmaiva I (falsa) d A 3.3 Afirmaiva II (verdadeira) d 45m v 5m/s A disância percorrida é numericamene igual à área do riângulo. A aceleração é consane e igual à angene do ângulo formado com o semi-eixo posiivo dos empos: 3 gα a a a m/s 3 Afirmaiva III (verdadeira) v v + aδs ( ) v' gh + ( g) h v' 6gh Porano, v v Siuação () a g e Δs h v Siuação () v v + gh gh v a g senα ΔS v v + aδ S h senα v gh v gh gh h α v gsen α. sen As medidas de disância e do empo eram realizadas no empo de Galileu não com a precisão feias aualmene. Afirmaiva IV (falsa) 7. Cálculo da velocidade com que o corpo ainge o solo: Siuação (3) a g senβ ΔS 3 h senβ v3 v + aδ S3 v gsenβ x sen β v 3 gh v3 3 h gh v v v + aδ s gh Cálculo da velocidade com que o corpo passa pelo pono A, após er sido lançado vericalmene a parir do solo com velocidade v v gh : v v v 3 9. O inervalo de empo do pono () aé aingir a alura máxima é s s, pois s + d 4s. 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA 5

16 Velocidade da bola no pono (): V V + a V s V x. De acordo com o gráfico da função horária das posições, o esudane orienou a rajeória do corpo para cima: V m/s Alura máxima medida do pono (): V V + aδsy () x x H H m Assim, H ΔS + h 5 + h h 5m g g Velocidade da bola no pono (): V V + aδs V () x x 5 V m/s Tempo de subida a parir do pono (): V V + a x 's 's s Segundo essa orienação, a função da velocidade do objeo é: v g. O gráfico correspondene é: Inervalo de empo enre ambas passagens da bola pelo pono (): Δ 's Δ s. S (+) Resposa correa: E 3. v g A equação da velocidade para o movimeno compleo é: v v + a v v o momeno em que ele oca o solo v 3m/s 3 4 4s A equação horária da posição S S + v + S a o solo S ΔS A ΔS H 8x5 H m 3± 7 5s (não convém) 6 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA

17 4. Oriene a rajeória para cima S S + v o + a S v o + 5 o solo S m quando 4s 4v + 5 x (4) v 5m/s v 8km/h (Reificação de gabario) 6. A alura procurada é H 5, com q (empo de queda). A equação das velocidades é v e o gráfico é: Pedra () S S + v + a S H g Para S H H g g () v (m/s) (q ) A Δs Área Pedra () Cálculo da velocidade inicial v v aδs v gh v gh () Equação da posição S S + v + a S H + v Para S H + v v g H (3) g g Subsiuindo-se () e () em (3), em-se: gh. H H( ).. H gh. Elevando-se ao quadrado ambos os membros em-se: B+ b Δ s h [q + (q )] 6. 6 q + q q 4s Porano: H H TORRE 8m (q ) q (s) 7. uma queda livre oriene a rajeória para baixo. H ( ) 4 H 4. h.h H ( -) v v + aδs (8) x x h Resposa correa: E 5. Orienando-se a rajeória para baixo em-se: h 3,m 8. Tempo de queda da pedra a verical: Δs y v y + a y a g m/s v sy Δ 7,m 7,..,s 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA 7

18 O inervalo de empo em que a pedra se desloca (Δs) aé aingir o vidro do carro é o mesmo que ele leva para percorrer a disância d. d km m v carro ce vcarro h 3 s d 3, d 4m aula 5 MECÂICA REVISÃO COMETÁRIOS ATIVIDADES PARA SALA. Observe a siuação descria: 9. Quando a pedra aingir a alura de H 6m, de vola, a sua velocidade será m/s. Assim, a velocidade ao ocar o solo será: v v + gh v + xx6 6. v 4m/s Resposa correa: E Cálculo das posições dos corpos A e B em s S A S + V A. S A 4 S A 4 x S A 4m S B S + V B. S B 5 6 S B 5 6 x S B 9m Disância enre os corpos no insane s: d S B S A d 9 4 d 5m B.: É bom lembrar que se os corpos A e B não esiverem indo um de enconro ao ouro, mas caminhando em senidos oposos à disância seria: d 35m. O movimeno é reilíneo uniformemene acelerado (a consane). Pela equação de Torricelli, v v +.a.δs, e considerando que o esquiador pare do repouso, podemos dizer que o quadrado da sua velocidade é direamene proporcional ao seu deslocameno ou à alura V correspondene a cada nível, logo: B HB, ou seja, V C HC H V C C VB V C m/s HB Tempo de queda da bola () ' S S + v S + v + a S 45 x x g 9 3s 3. Analisando o gráfico você conclui que: (,s) M.R.U e desloca-se ΔS x ΔS m (s, 4s) M.R.U.R desloca-se ΔS x ΔS m Dos gráficos apresenados o que pode represenar a siuação descria é: Para que as duas ainjam o solo, no mesmo insane, a úlima bola () deve gasar um empo de s para percorrer os 45m. Cálculo da velocidade inicial (v ) da bola () s ' S S + v + S v a o + g 45 v x + x x () v 5 v,5m/s 8 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA

19 4. I. (F) O movimeno de é uniforme (velocidade escalar consane ) e o movimeno de M é uniformemene variado (a velocidade escalar é função do º grau do empo). II. (F) o insane s, as velocidades escalares são iguais, porém as posições são diferenes. III. (V) o inervalo de aé o insane de enconro, os móveis erão o mesmo espaço percorrido, porano, a mesma velocidade escalar média. VM V () m(m) + V 6 M V M 3m/s 5. 8ml 8cm 3,8 x 5 mm 3 h g, subsiuindo os valores:, ,63s 3mm 3,63s,8. 5 3,8 x 5 x,63 5, 76 x,59 x 4 59s horas 3 h 3. o insane os objeos A e B se enconrarão novamene. esse insane as velocidades serão: V A,4 e V B 8 +,8 Os deslocamenos ΔS A e ΔS B serão iguais: x,4 Δ SA,4 ( 6 +,8) ( 8+,8+ 8) x Δ SB,4 6 +,8 s 4. Durane odo o movimeno, a única força que age no objeo é o peso. COMETÁRIOS ATIVIDADES PROPOSTAS. Como a laa efeua volas por segundo, sua velocidade escalar média será de: Δs πr..3,4.,8 vm. Δ Δ. V m m/s A velocidade escalar média com que o ar oca a laa, em módulo, é igual a m/s. A força peso nas proximidades da superfície da Terra em as seguines caracerísicas: MÓDULO: P mg DIREÇÃO: verical SETIDO: para baixo (consane) Logo, a força auando no objeo é para baixo e consane. 5. um plano inclinado, desprezando-se os arios, a aceleração dos corpos é igual a: Os objeos A e B êm aceleração consane. gα A a A 5 a A,4m/s gα B a B 8 5 a B,8m/s a g. senα h a g d 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA 9

20 A velocidade no final do plano inclinado será: V V + a. Δs V x g h.d d V gh Como os planos inclinados e êm a mesma alura (h h ), enão V V, logo: V V V B V + V V B km/h 8. A aceleração da gravidade é devido à força PESO. Assim ela será diferene de zero em odos os insanes. A força de resisência do ar varia com a velocidade. Como no pono mais alo V, enão, 9. o gráfico de posição x empo a gα v fr AR. 6. Como no plano inclinado o movimeno é MRUA, enão: ΔS V o + a d g. h d. d gh o plano : o plano : d gh d gh o plano : () ( ) x gh d d gh d d d + d 5 o plano : () ( ) 5 d + 3 d Os móveis B e C possuem velocidade consane. Como α B > α C gα B > gα C V B > V C Alernaivas A e B são falsas. o pono 3 a rea angene à curva A é a rea C logo nese pono os móveis A e C se enconram (mesma posição e V A V C Alernaiva C é falsa. Os móveis A e B êm a mesma posição nos ponos e (posição de enconro), porém no: 7. O movimeno do pneu é a composição de dois movimenos: um de ranslação e o ouro de roação, em orno do cenro. pono : pono V B > V A V B < V A e e x B x A x B x A Resposa correa: E. A velocidade escalar é a razão enre o espaço percorrido (x 6m) e o inervalo de empo gaso (Δ 8s). x 6 V V Δ 8 V 7,5m/s Resposa correa: E o movimeno de ranslação odos os ponos do pneu apresenam a mesma velocidade v do cenro. o movimeno de roação, odos os ponos da periferia apresenam a mesma velocidade em módulo e igual a v. Dese modo, em relação ao plano, os módulos das velocidades nos ponos A e B são: V A V V V A -49 Rev.: Jarina 3ª SÉRIE E EXTESIVO OLÍMPICOS VOLUME 3 FÍSICA

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro

Física. MU e MUV 1 ACESSO VESTIBULAR. Lista de Física Prof. Alexsandro Física Lisa de Física Prof. Alexsandro MU e MU 1 - (UnB DF) Qual é o empo gaso para que um merô de 2m a uma velocidade de 18km/h aravesse um únel de 1m? Dê sua resposa em segundos. 2 - (UERJ) Um rem é

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriee Righi LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 Aenção: Aualize seu adobe, ou subsiua os quadrados por negaivo!!! 1) Deermine

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza raga Índice Cinemáica...1 Exercícios... Gabario...6 Cinemáica (Não se esqueça de adoar uma origem dos espaços, uma origem dos empos e orienar a rajeória) M.R.U. =

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA)

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA) (Fuves-SP) (UERJ) No esáio o Morumbi, 0 000 orceores assisem a um jogo. Aravés e caa uma as 6 saías isponíveis, poem passar 000 pessoas por minuo. Qual é o empo mínimo necessário para esvaziar o esáio?

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

Física B Extensivo V. 5

Física B Extensivo V. 5 Gabario Eensivo V 5 Resolva Aula 8 Aula 9 80) E 80) A 90) f = 50 MHz = 50 0 6 Hz v = 3 0 8 m/s v = f = v f = 3 0 8 50 0 = 6 m 90) B y = 0,5 cos [ (4 0)] y = 0,5 cos y = A cos A = 0,5 m 6 = 4 s = 0,5 s

Leia mais

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos:

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos: CINEMÁTICA ESCALAR A Física objetiva o estudo dos fenômenos físicos por meio de observação, medição e experimentação, permite aos cientistas identificar os princípios e leis que regem estes fenômenos e

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades dos móveis variam com o decurso do tempo, introduz-se o conceito de uma grandeza

Leia mais

Exercícios resolvidos recomendados para consolidação do estudo:

Exercícios resolvidos recomendados para consolidação do estudo: Exercícios resolvidos recomendados para consolidação do estudo: 1. (PUC-SP) A função horária das posições de um móvel sobre uma trajetória retilínea é S= 10 2t (no SI). Pede-se: b) a posição do móvel no

Leia mais

Um estudo de Cinemática

Um estudo de Cinemática Um esudo de Cinemáica Meu objeivo é expor uma ciência muio nova que raa de um ema muio anigo. Talvez nada na naureza seja mais anigo que o movimeno... Galileu Galilei 1. Inrodução Nese exo focaremos nossa

Leia mais

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Junior Condez Aluno (a): Série: 1ª Data: / / 2015. LISTA DE FÍSICA II

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Junior Condez Aluno (a): Série: 1ª Data: / / 2015. LISTA DE FÍSICA II Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Junior Condez Aluno (a): Série: 1ª Data: / / 2015. LISTA DE FÍSICA II Obs: A lista somente será aceita com os cálculos. 1) Duas bolas de dimensões desprezíveis

Leia mais

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução:

Esquema: Dados: v água 1520m. Fórmulas: Pede-se: d. Resolução: Queda Livre e Movimeno Uniformemene Acelerado Sergio Scarano Jr 1906/013 Exercícios Proposo Um navio equipado com um sonar preende medir a profundidade de um oceano. Para isso, o sonar emiiu um Ulra-Som

Leia mais

Física Unidade IV Balística Série 1 - Queda livre e lançamento vertical

Física Unidade IV Balística Série 1 - Queda livre e lançamento vertical 01 Em uma queda livre, a resultante das forças é o peso; assim: R = P m a = m g a = g = constante Então, se há um movimento uniformemente variado (MUV), os itens b, d, e, g e h estão corretos, e os itens

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t)

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t) ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS No estudo do movimento é bastante útil o emprego de gráficos. A descrição de um movimento a partir da utilização dos gráficos (posição x tempo; velocidade x tempo e aceleração

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Colégio Santa Catarina Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 17 Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar

Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br. Cinemática escalar Cinemática escalar A cinemática escalar considera apenas o aspecto escalar das grandezas físicas envolvidas. Ex. A grandeza física velocidade não pode ser definida apenas por seu valor numérico e por sua

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão II

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão II Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão II 1. Um carro está viajando numa estrada retilínea com velocidade de 72 km/h. Vendo adiante um congestionamento

Leia mais

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ESTUDOS BÁSICOS E INSTRUMENTAIS CAMPUS DE ITAPETINGA PROFESSOR: ROBERTO CLAUDINO FERREIRA DISCIPLINA: FÍSICA I Aluno (a): Data: / / NOTA: Lista

Leia mais

Cinemática Unidimensional

Cinemática Unidimensional Cinemática Unidimensional 1 INTRODUÇÃO Na Cinemática Unidimensional vamos estudar o movimento de corpos e partículas, analisando termos como deslocamento, velocidade, aceleração e tempo.os assuntos que

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Curso de Engenharia Civil Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Posição e Coordenada de Referência Posição é o lugar no espaço onde se situa o corpo. Imagine três pontos

Leia mais

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 *

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * Mecânica e Sisemas e Parículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * 1. A velociae e escape e um planea ou esrela é e nia como seno a menor velociae requeria na superfície o objeo para que uma parícula escape

Leia mais

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas.

É a parte da mecânica que descreve os movimentos, sem se preocupar com suas causas. 1 INTRODUÇÃO E CONCEITOS INICIAIS 1.1 Mecânca É a pare da Físca que esuda os movmenos dos corpos. 1. -Cnemáca É a pare da mecânca que descreve os movmenos, sem se preocupar com suas causas. 1.3 - Pono

Leia mais

MUV. constante igual a a 2,0 m/s. O veículo B, distando d = 19,2 km do veículo A, parte com aceleração constante igual a veículos, em segundos.

MUV. constante igual a a 2,0 m/s. O veículo B, distando d = 19,2 km do veículo A, parte com aceleração constante igual a veículos, em segundos. MUV 1. (Espcex (Aman) 013) Um carro está desenvolvendo uma velocidade constante de 7 km h em uma rodovia federal. Ele passa por um trecho da rodovia que está em obras, onde a velocidade máxima permitida

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 1 Bimestre

Lista de Exercícios de Recuperação do 1 Bimestre Lista de Exercícios de Recuperação do 1 Bimestre Instruções gerais: Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

1 Introdução a Cinemática

1 Introdução a Cinemática 1 Introdução a Cinemática A cinemática é a parte da mecânica que estuda e descreve os movimentos, sem se preocupar com as suas causas. Seu objetivo é descrever apenas como se movem os corpos. A parte da

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F5 Cinemática vetorial

Física. Resolução das atividades complementares. F5 Cinemática vetorial Resolução das aiidades complemenares Física F Cinemáica eorial p. 9 (Uniau-SP) Dois objeos enconram-se em moimeno em relação a um obserador inercial O. s rajeórias são reilíneas de mesma direção e as elocidades

Leia mais

Física. Cinemática EDUCACIONAL EXERCÍCIOS. 01.(FM-Santos) Considere um ponto na superfície da Terra. É correto afirmar que:

Física. Cinemática EDUCACIONAL EXERCÍCIOS. 01.(FM-Santos) Considere um ponto na superfície da Terra. É correto afirmar que: Física Cinemática EXECÍCIOS 1.(FM-Santos) Considere um ponto na superfície da Terra. É correto afirmar que: a) o ponto descreve uma trajetória circular b) o ponto está em repouso c) o ponto descreve uma

Leia mais

EXERCÍCIOS MECÂNICA - UNIDADE 1 - CINEMÁTICA

EXERCÍCIOS MECÂNICA - UNIDADE 1 - CINEMÁTICA www.pascal.com.br MECÂNICA - UNIDADE 1 - CINEMÁTICA EXERCÍCIOS Prof. Edson Osni Ramos (Cebola) 1. (BP - 2006) Analise as senenças a seguir. I. O século XVI foi marcado pela revolução cienífica no esudo

Leia mais

Exemplos de aceleração Constante 1 D

Exemplos de aceleração Constante 1 D Exemplos de aceleração Constante 1 D 1) Dada a equação de movimento de uma partícula em movimento retilíneo, s=-t 3 +3t 2 +2 obtenha: a) A velocidade média entre 1 e 4 segundos; e) A velocidade máxima;

Leia mais

1. (Upe 2014) O deslocamento Δ x de uma partícula em função do tempo t é ilustrado no gráfico a seguir:

1. (Upe 2014) O deslocamento Δ x de uma partícula em função do tempo t é ilustrado no gráfico a seguir: 1. (Upe 2014) O deslocamento Δ x de uma partícula em função do tempo t é ilustrado no gráfico a seguir: Com relação ao movimento mostrado no gráfico, assinale a alternativa CORRETA. a) A partícula inicia

Leia mais

Movimento Uniformemente Variado (MUV)

Movimento Uniformemente Variado (MUV) Movimento Uniformemente Variado (MUV) É o movimento no qual a aceleração escalar é constante e diferente de zero. Portanto, a velocidade escalar sofre variações iguais em intervalos de tempos iguais Observe

Leia mais

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida.

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida. Diciplina de Fíica Aplicada A / Curo de Tecnólogo em Geão Ambienal Profeora M. Valéria Epíndola Lea. Aceleração Média Já imo que quando eamo andando de carro em muio momeno é neceário reduzir a elocidade,

Leia mais

5 0,2 m Vamos determinar quanto tempo a bala levou para atravessar a caixa: 5 v c

5 0,2 m Vamos determinar quanto tempo a bala levou para atravessar a caixa: 5 v c Resolução das atividades complementares Física F3 Cinemática escalar p. 3 Duas bolas de dimensões desprezíveis se aproximam uma da outra, executando movimentos retilíneos e uniformes (veja figura). Sabendo-se

Leia mais

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL Movimeno unidimensional 5 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL. Inrodução Denre os vários movimenos que iremos esudar, o movimeno unidimensional é o mais simples, já que odas as grandezas veoriais que descrevem o

Leia mais

SLBZFISICA FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO EJA: EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOVIMENTOS ACELERADOS

SLBZFISICA FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO EJA: EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOVIMENTOS ACELERADOS SLBZFISICA FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO EJA: EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOVIMENTOS ACELERADOS 1. MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO M.U.V. Na maior parte dos casos a velocidade dos objetos em movimento não

Leia mais

Lançamento Vertical e Queda Livre

Lançamento Vertical e Queda Livre Lançamento Vertical e Queda Livre 1 (Uerj 13) Três pequenas esferas, e uma mesma altura, verticalmente para o solo Observe as informações da tabela: Esfera Material Velocidade inicial E 1 chumbo E alumínio

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

Capítulo 2 A Cinemática

Capítulo 2 A Cinemática Capítulo 2 A Cinemática ACinemática é a parte da Física que tenta descrever os movimentos, sem levar em consideração as suas causas. Para isso, organiza informações sobre a posição, o deslocamento, o espaço

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos.

CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos. INTRODUÇÃO À CINEMÁTICA REPOUSO OU MOVIMENTO? DEPENDE DO REFERENCIAL! CINEMÁTICA - É a parte da mecânica que estuda os vários tipos de movimento, sem se preocupar com as causas destes movimentos. REFERENCIAL.

Leia mais

Resolva os exercícios a mão.

Resolva os exercícios a mão. Lista de Exercícios de Física I Estes exercícios tem a finalidade de auxiliar os alunos nos estudos para a matéria: Física I. Resolva os exercícios a mão. Não digite, não faça copy/paste, não procure respostas

Leia mais

UNIDADE 10 ESTUDOS DE MECÂNICA - INÍCIO LISTA DE EXERCÍCIOS

UNIDADE 10 ESTUDOS DE MECÂNICA - INÍCIO LISTA DE EXERCÍCIOS INTRODUÇÃO À FÍSICA turma MAN 26/2 profa. Marta F. Barroso UNIDADE 1 LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE 1 ESTUDOS DE MECÂNICA - INÍCIO Exercício 1 Movendo-se com velocidade constante de 15 m/s, um trem, cujo

Leia mais

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a:

QUESTÃO 01 Considere os conjuntos A = {x R / 0 x 3} e B = {y Z / 1 y 1}. A representação gráfica do produto cartesiano A B corresponde a: PROVA DE MATEMÁTICA - TURMA DO o ANO DO ENINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-A - JUlHO DE. ELAORAÇÃO: PROFEORE ADRIANO CARIÉ E WALTER PORTO. PROFEORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUETÃO Considere os conjunos A { R

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 82) AD TM TC. Aula 26 (pág. 84) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 82) AD TM TC. Aula 26 (pág. 84) AD TM TC. Aula 27 (pág. Física Setor A rof.: Índice-controle de Estudo Aula 5 (pág. 8) AD TM TC Aula 6 (pág. 84) AD TM TC Aula 7 (pág. 85) AD TM TC Aula 8 (pág. 87) AD TM TC Aula 9 (pág. 87) AD TM TC Aula 30 (pág. 90) AD TM TC

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2. Cinemática. Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2. Cinemática. Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.2 Cinemática Isabelle Araújo Engenharia de Produção Myllena Barros Engenharia de Produção Cinemática Na cinemática vamos estudar os movimentos sem

Leia mais

LISTA EXTRA MRU e MRUV - 2ª SÉRIE

LISTA EXTRA MRU e MRUV - 2ª SÉRIE LISTA EXTRA MRU e MRUV - ª SÉRIE 1. (Unicamp 014) Correr uma maratona requer preparo físico e determinação. A uma pessoa comum se recomenda, para o treino de um dia, repetir 8 vezes a seguinte sequência:

Leia mais

MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO (M.U.V)

MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO (M.U.V) INSTITUTO DE EDUCAÇÃO PROF. DENIZARD RIVAIL A Educação é a base da vida 1ºAno do Ensino médio. Turmas: Jerônimo de Mendonça e Pedro Alcantara Disciplina: Física Prof. Dr. Mário Mascarenhas Aluno (a): 1.

Leia mais

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula.

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA-CFM DEPARTAMENTO DE FÍSICA FSC 5107 FÍSICA GERAL IA Semestre 2012.2 LISTA DE EXERCÍCIOS 2 - MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO Gráficos: Q1) Para cada gráfico seguinte de

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

1 m 2. Substituindo os valores numéricos dados para a análise do movimento do centro de massa, vem: Resposta: D. V = 2 10 3,2 V = 8 m/s

1 m 2. Substituindo os valores numéricos dados para a análise do movimento do centro de massa, vem: Resposta: D. V = 2 10 3,2 V = 8 m/s 01 De acordo com o enunciado, não há dissipação ou acréscimo de energia. Considerando que a energia citada seja a mecânica e que, no ponto de altura máxima, a velocidade seja nula, tem-se: ε ε = ' + 0

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

Lista de Exercícios CINEMÁTICA PROF.: MIRANDA

Lista de Exercícios CINEMÁTICA PROF.: MIRANDA Lista de Exercícios CINEMÁTICA PROF.: MIRANDA I Unidade 1 ANO 01. Um carro com uma velocidade de 80 Km/h passa pelo Km 240 de uma rodovia às 7h e 30 mim. A que horas este carro chegará à próxima cidade,

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA FÍSICA AULA. Aula 6.1 Conteúdo: Lançamento Vertical.

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA FÍSICA AULA. Aula 6.1 Conteúdo: Lançamento Vertical. Aula 6.1 Conteúdo: Lançamento Vertical. Habilidades: Compreender os conceitos físicos que se relacionam ao movimento dos corpos. Saber calcular as grandezas físicas relacionados com o lançamento vertical.

Leia mais

Exercícios sobre Movimentos Verticais

Exercícios sobre Movimentos Verticais Exercícios sobre Movimentos Verticais 1-Uma pedra, deixada cair do alto de um edifício, leva 4,0 s para atingir o solo. Desprezando a resistência do ar e considerando g = 10 m/s 2, escolha a opção que

Leia mais

F-128 Física Geral I 2 o Semestre 2012 LISTA DO CAPÍTULO 2

F-128 Física Geral I 2 o Semestre 2012 LISTA DO CAPÍTULO 2 Questão 1 Um motorista de um carro que vai 52 km/h freia, desacelera uniformemente e para em 5 segundos. Outro motorista, que vai a 34 km/h, freia mais suavemente, e para em 10 segundos. Represente em

Leia mais

Lista de Exercícios- PRA Física Geral Experimental I

Lista de Exercícios- PRA Física Geral Experimental I I Velocidade Média: Lista de Exercícios- PRA Física Geral Experimental I 1 - Um avião vai de São Paulo a Recife, em 1 h 40. A distância entre as cidades é aproximadamente 3 000km. Qual a velocidade média

Leia mais

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa GFI00157 - Física por Aiidades Caderno de Trabalhos de Casa Coneúdo 1 Cinemáica 3 1.1 Velocidade.............................. 3 1.2 Represenações do moimeno................... 7 1.3 Aceleração em uma

Leia mais

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006)

Adaptado de O Prisma e o Pêndulo as dez mais belas experiências científicas, p. 52, Crease, R. (2006) PROVA MODELO GRUPO I Arisóeles inha examinado corpos em moimeno e inha concluído, pelo modo como os corpos caem denro de água, que a elocidade de um corpo em queda é uniforme, proporcional ao seu peso,

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

Aulas 8 e 9. Aulas 10 e 11. Colégio Jesus Adolescente. a n g l o

Aulas 8 e 9. Aulas 10 e 11. Colégio Jesus Adolescente. a n g l o Colégio Jesus Adolescente a n g l o Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor A Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral SISTEMA DE ENSINO Aulas 8 e 9 1) Um autorama descreve uma

Leia mais

Provas Comentadas OBF/2011

Provas Comentadas OBF/2011 PROFESSORES: Daniel Paixão, Deric Simão, Edney Melo, Ivan Peixoto, Leonardo Bruno, Rodrigo Lins e Rômulo Mendes COORDENADOR DE ÁREA: Prof. Edney Melo 1. Um foguete de 1000 kg é lançado da superfície da

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

PRIMEIRO TRIMESTRE NOTAS DE AULAS LUCAS XAVIER www.wikifisica.com (FILOMENA E CORONEL) FÍSICA

PRIMEIRO TRIMESTRE NOTAS DE AULAS LUCAS XAVIER www.wikifisica.com (FILOMENA E CORONEL) FÍSICA α β χ δ ε φ ϕ γ η ι κ λ µ ν ο π ϖ θ ϑ ρ σ ς τ υ ω ξ ψ ζ Α Β Χ Ε Φ Γ Η Ι Κ Λ Μ Ν Ο Π Θ Ρ Σ Τ Υ Ω Ξ Ψ Ζ PRIMEIRO TRIMESTRE NOTAS DE AULAS LUCAS XAVIER www.wikifisica.com (FILOMENA E CORONEL) FÍSICA Ciência

Leia mais

CORREÇÃO PROVA UFRGS 2009 MATEMÁTICA FAÉ

CORREÇÃO PROVA UFRGS 2009 MATEMÁTICA FAÉ CORREÇÃO PROVA UFRGS 009 MATEMÁTICA FAÉ QUESTÃO 6 (E) ASSUNTO: MATEMÁTICA BÁSICA (PORCENT. E POTÊNCIAS DE 0) 00 milhões = 00.0 6 Regra de Três: 00.0 6,% 00%.0 8,.0.0 0 dólares QUESTÃO 7 (E) ASSUNTO: MATEMÁTICA

Leia mais

Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão

Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica II Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão Perguntas 1. A Figura 1 é uma gráfico

Leia mais

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS

EXERCÍCIOS 2ª SÉRIE - LANÇAMENTOS EXERCÍCIOS ª SÉRIE - LANÇAMENTOS 1. (Unifesp 01) Em uma manhã de calmaria, um Veículo Lançador de Satélite (VLS) é lançado verticalmente do solo e, após um período de aceleração, ao atingir a altura de

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Anual de Física para Medicina e Odontologia 2005 - www.fisicaju.com.br - Prof Renato Brito

Anual de Física para Medicina e Odontologia 2005 - www.fisicaju.com.br - Prof Renato Brito Anual de Física para Medicina e Odontologia 005 - www.fisicaju.com.br - Prof Renato Brito AULA 5 TRABALHO E ENERGIA QUESTÃO O enunciado afirmou que o caminhão e o carro estão se movendo com energias cinéticas

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Cinemática: É a parte da mecânica que estuda os movimentos, procurando determinar a posição, velocidade e aceleração do corpo a cada instante. Ponto Material: É todo corpo que não possua dimensões a serem

Leia mais

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t.

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t. CINEMÁTICA VETORIAL Na cinemática escalar, estudamos a descrição de um movimento através de grandezas escalares. Agora, veremos como obter e correlacionar as grandezas vetoriais descritivas de um movimento,

Leia mais

CAPÍTULO 05 - MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL

CAPÍTULO 05 - MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL CAPÍTULO 05 - MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL 1. CONCEITOS BÁSICOS 1.1 MOVIMENTO Movimento é a mudança de posição de um corpo no espaço. Esta mudança de posição poderá ser feita rapidamente ou lentamente. O tempo

Leia mais

Gráficos no MU e MUV. E alguns exercícios de vestibulares

Gráficos no MU e MUV. E alguns exercícios de vestibulares Gráficos no MU e MUV E alguns exercícios de vestibulares Tipos de movimentos -MU Velocidade positiva Velocidade negativa v = s t Que tipo de informação tiramos s x t V x t v = s t s = v. t MUV -espaço

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 16 GRÁFICOS DA CINEMÁTICA REVISÃO

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 16 GRÁFICOS DA CINEMÁTICA REVISÃO FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 16 GRÁFICOS DA CINEMÁTICA REVISÃO Como pode cair no enem? O estudo dos movimentos (Uniforme e Uniformemente Variado) é a aplicação física do estudo das funções em Matemática. As

Leia mais

Movimento Retilíneo Uniforme (MRU) Equação Horária do MRU

Movimento Retilíneo Uniforme (MRU) Equação Horária do MRU Movimento Retilíneo Uniforme (MRU) velocímetro do automóvel da figura abaixo marca sempre a mesma velocidade. Quando um móvel possui sempre a mesma velocidade e se movimenta sobre uma reta dizemos que

Leia mais

GREGOR MENDEL PROF WILSON

GREGOR MENDEL PROF WILSON 1. (Mackenzie 01) Um avião, após deslocar-se 10 km para nordeste (NE), desloca-se 160 km para sudeste (SE). Sendo um quarto de hora, o tempo total dessa viagem, o módulo da velocidade vetorial média do

Leia mais

Sobre a Cinemática dos Mapas. (a) [ pontos] Norte e Sul Geográficos são conceitos relativos? Explique!

Sobre a Cinemática dos Mapas. (a) [ pontos] Norte e Sul Geográficos são conceitos relativos? Explique! Lista de Cinemática - Prof. Sérgio F. Lima - Colégio Pedro II Questão 1: Um grupo de estudantes resolve acampar na Ilha Grande. Durante o deslocamento para o local onde iriam montar as barracas eles percorrem

Leia mais

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força?

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força? Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 02: Segunda Lei de Newton Como você acaba de ver no Tópico 1, a Primeira Lei de Newton ou Princípio da Inércia diz que todo corpo livre da ação de forças ou

Leia mais

12-Função Horária da Posição do Movimento Uniforme

12-Função Horária da Posição do Movimento Uniforme 12-Função Horária da Posição do Movimento Uniforme Vamos agora chegar a uma função que nos vai fornecer a posição de um móvel sobre uma trajetória em qualquer instante dado. Para isto, vamos supor que

Leia mais

Capítulo 4 Trabalho e Energia

Capítulo 4 Trabalho e Energia Capítulo 4 Trabalho e Energia Este tema é, sem dúvidas, um dos mais importantes na Física. Na realidade, nos estudos mais avançados da Física, todo ou quase todos os problemas podem ser resolvidos através

Leia mais

Professor: Danilo Dacar

Professor: Danilo Dacar Progressão Ariméica e Progressão Geomérica. (Pucrj 0) Os números a x, a x e a x esão em PA. A soma dos números é igual a: a) 8 b) c) 7 d) e) 0. (Fuves 0) Dadas as sequências an n n, n n cn an an b, e b

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli 1. A figura abaixo mostra o mapa de uma cidade em que as ruas retilíneas se cruzam perpendicularmente e cada quarteirão

Leia mais

Física Simples e Objetiva Mecânica Cinemática e Dinâmica Professor Paulo Byron. Apresentação

Física Simples e Objetiva Mecânica Cinemática e Dinâmica Professor Paulo Byron. Apresentação Apresentação Após lecionar em colégios estaduais e particulares no Estado de São Paulo, notei necessidades no ensino da Física. Como uma matéria experimental não pode despertar o interesse dos alunos?

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

Professor: Danilo Dacar

Professor: Danilo Dacar . (Pucrj 0) Os números a x, a x e a3 x 3 esão em PA. A soma dos 3 números é igual a: é igual a e o raio de cada semicírculo é igual à meade do semicírculo anerior, o comprimeno da espiral é igual a a)

Leia mais

FÍSICA I LISTA 5 DIVERSOS EXERCÍCIOS GABARITO Orientação para V2 e VS 1. Um ônibus passa pelo km 30 de uma rodovia às 6 h, e às 9 h 30 min passa

FÍSICA I LISTA 5 DIVERSOS EXERCÍCIOS GABARITO Orientação para V2 e VS 1. Um ônibus passa pelo km 30 de uma rodovia às 6 h, e às 9 h 30 min passa FÍSICA I LISTA 5 DIVERSOS EXERCÍCIOS GABARITO Orientação para V2 e VS. Um ônibus passa pelo km 30 de uma rodovia às 6 h, e às 9 h 30 min passa pelo km 240. Determine: a) a velocidade escalar média desenvolvida

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk Módulo 07 Capíulo 06 - Viscosímero de Cannon-Fensk Inrodução: o mundo cienífico, medições são necessárias, o que sempre é difícil, impreciso, principalmene quando esa é muio grande ou muio pequena. Exemplos;

Leia mais