Analise do Programa Bolsa Familia e o problema de assimetria de informação (Moral Hazard)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Analise do Programa Bolsa Familia e o problema de assimetria de informação (Moral Hazard)"

Transcrição

1 Aalse do Programa Bolsa Famla e o problema de assmetra de formação (Moral Hazard) Adão Rodrgues 1 Júla Araújo 2 Resumo: O objetvo deste trabalho é aalsar os problemas exstetes o programa de trasferêca de reda Bolsa Famíla sob a ótca da ecooma da formação. Isto é, aalsar o problema de assmetra de formação exstete etre o Govero e o beefcáro do programa após o programa ter sdo aceto. As evdêcas mostram que exste um grade úmero de beefcáros que ão cumprem corretamete as exgêcas mposta e a mpossbldade de maor fscalzação por parte do govero. O que pode ser um dos motvos da ão excelêca do programa o questo de combate a pobreza e a desgualdade socal o Brasl. Palavras-chaves: Bolsa Famíla, Moral Hazard e fscalzação. 1 INTRODUÇÃO O Brasl vem testemuhado os últmos aos uma redução sgfcatva a desgualdade de reda, cotudo o país ada ocupa uma posção de destaque egatva etre os países mas desguas do mudo, em 2008 seu ídce de G 3 fo de 54,4, valor maor que, por exemplo, Argeta (49), Méxco (47,9). Vsado mtgar o problema da desgualdade, o govero braslero tesfcou os programas de trasferêca de reda focado os dvíduos que se ecotram em stuações desfavoráves moetaramete, com destaque para o Bolsa Famíla. Os efetos do Bolsa Famíla a socedade braslera têm sdo alvo de mutos estudos tas como Azzo et al (2007), Barros e Carvalho (2006), Abesur, Crbar-Neto e Meezes (2007), Marho, Lhares e Campelo (2007), que apesar de ecotrarem resultados dferetes, utlzaram argumetos semelhates, sto é, tem um efeto postvo, ada que bastate reduzdo, e que boa parte deste pode ser atrbuída ao baxo comprometmeto dos beefcáros com requstos do programa. 1 Mestrado em ecooma aplcada UFRGS. 2 Mestrada em ecooma aplcada UFRGS. 3 O coefcete de G vara etre 0 e 1, sedo que quato mas próxmo do zero meor é a desgualdade de reda. Por outro lado, quato mas próxmo do um, maor a cocetração de reda um país

2 2 Na lteratura recete também é possível ecotrar estudos que assocam os problemas relacoados ao Bolsa Famíla à assmetra de formação, sobretudo a seleção adversa, ou seja, o problema aalsado ates que o cotrato teha se frmado, como Medes e Sampao (2008), que argumetam que o prcpal (govero), ão tem as verdaderas formações (ível de pobreza) sobre o beefcáro. Dferetemete, o presete trabalho tem como objetvo olhar para o problema exstete o programa Bolsa Famíla como sedo um problema de formação assmétrca pós-cotratual, sto é, um problema de moral hazard o qual o govero se depara com a falta de formação sobre o comportameto do beefcáro após ter sdo cluído o programa. Uma vez que, para o govero ter seus objetvos alcaçados (redução do ível de pobreza e de desgualdade socal) ão basta apeas trasferr dhero para o dvíduo, mas também que este execute algumas tarefas (cudados médcos, educação para seus flhos). O que se observa é a exstêca de elevado grau de descumprmeto do beefcáro, como a elevada partcpação do trabalho fatl e pouca preocupação com cudados médcos. Como resultado, uma forma de br estes fatos pode ser através do cotrole do valor moetáro trasferdo como uma espéce de premações para os que apresetam alto comprometmeto e puções para o outro. Isso ada mas é do que mplatar trasferêcas moetáras flutuates ao em vez de fxos. Além dessa trodução, este trabalho é composto de mas quatro seções. A próxma seção realza uma breve cotextualzação das varáves pobreza e desgualdade o Brasl aos recetes, a seção três tem-se a descrção do programa Bolsa Famíla e aálses recetes do mesmo. Na seção quatro apreseta-se o modelo de Agete-Prcpal e, em seguda, as cosderações fas sobre o trabalho. 2 Evolução das varáves pobreza e desgualdade o Brasl A taxa de pobreza o Brasl ada é muto alta, cofgurado um quadro extremate delcado o país. Coforme Barros e Foguel (2000), mas de 75% da população mudal vvem com reda per capta feror à braslera, sedo que este país ão pode ser cosderado pobre, mas se faz pobre date da má dstrbução dos recursos exstetes. Segudo Barros, Herques e Medoça (2001), o grau de pobreza o Brasl é cerca de três vezes superor à méda dos países com reda per capta semelhate. Cosderado a reda e o grau de pobreza reportados pelos países o Relatóro de Desevolvmeto Humao da Orgazação das Nações Udas (ONU), os autores propõem uma orma teracoal que mputara um

3 3 valor prevsto de somete 8% de pobres para países com reda per capta equvalete à braslera. Portato, de acordo com a desgualdade méda mudal referete à escassez de recursos, apeas 8% da população braslera devera ser pobre, sedo que a dstâca do valor real (cerca de 30% em 1989) em relação a essa orma devera ser explcada pelo elevado grau de desgualdade dos recursos brasleros. Segudo estudos realzados pelo Programa das Nações Udas para o Desevolvmeto PNUD - (2004), a proporção de pobres (úmero de pessoas abaxo da lha de pobreza) o Brasl reduzu substacalmete as últmas três décadas. Na década de 70 o resultado orga-se das altas taxas de crescmeto ecoômco; a década de 80, apesar da crse ecoômca, ada percebe-se uma redução a proporção de pobres. Na década de 90, a establdade ecoômca, o crescmeto e as polítcas socas foram resposáves por uma redução cosderável do úmero de pobres. O PNUD (2004) efatza que a redução da pobreza os aos 90 fo proporcoada prcpalmete pela establzação trazda pelo Plao Real; o etato as polítcas socas também tveram papel mportate este ceáro, mpeddo que a crse ecoômca e as mudaças o mercado de trabalho resultassem em maores aumetos o úmero de pobres e a desgualdade. Barros, Carvalho e Fraco (2006), ctados por Schwartzma (2006), efatzam que o período etre 2003 e % da redução da desgualdade fo atrbuída aos programas de trasferêca de reda, 12% à educação, 8% ao aumeto do saláro mímo e 2% à redução do desemprego. E ressaltam que, apesar da sgfcatva cotrbução do sstema de proteção socal para a redução da pobreza, o maor resposável pelo aumeto da reda das famílas fo o mercado de trabalho, o que levou a uma sgfcatva redução da pobreza e dgêca o período, mas ão a um mpacto sgfcate sobre a desgualdade. Os trabalhos supractados mostram que os programas de trasferêca de reda mpactaram postvamete sobre a pobreza e a desgualdade o Brasl, resultado em amortecmeto das varações da reda per capta, sobretudo para os mas pobres, embora essa cotrbução ão seja sgfcatvamete alta. A relevâca dessas polítcas para o atual estado da dstrbução de reda o Brasl justfca o estudo de seus efetos. Na seção segute, é apresetada de forma sucta o prcpal programa de trasferêca de reda do govero atual, o Bolsa Famíla. 3 Aalse do programa Bolsa Famíla

4 4 O govero vem os últmos aos estudado formas de terveção o tuto de melhorar o sstema de dstrbução de reda braslera, detre os strumetos utlzados para alcaçar esse objetvo destaca-se o Programa Bolsa Famíla (PBF). Este programa fo crado pelo Govero Federal em outubro de 2003, o âmbto da estratéga Fome Zero, com o objetvo de ufcar a gestão e a mplemetação de quatro programas federas de trasferêca de reda oretados para as famílas mas pobres do país. Dos destes quatro, o Programa Bolsa Escola e o Programa Bolsa Almetação, eram programas de trasferêcas de reda codcoados a ações da famíla em prol de sua educação e saúde, respectvamete. Os outros dos, dos quatro, eram programas de trasferêca ão codcoas: o Auxílo Gás e o Programa Nacoal de Acesso à Almetação (PNAA), mas cohecdo como Cartão Almetação. Para este últmo, a úca codção era que as famílas gastassem a trasferêca exclusvamete com almetação. O Programa de Erradcação do Trabalho Ifatl (PETI), que era o programa de trasferêca de reda codcoada mas atgo do Govero Federal, crado em 1996, fo tegrado ao PBF somete a partr de Rocha (2005), que etede os mecasmos de trasferêca de reda apeas como um detre mutos compoetes de uma polítca ampla de combate à pobreza, afrma que o Bolsa- Famla possu um caráter uversal, que beefca todas as famílas com reda per capta abaxo de meo saláro mímo, depedetemete se tem craça ou ão em sua composção. Nesse setdo, a autora destaca que o Bolsa famíla prorza e tem por coseqüêca um mpacto sgfcatvo sobre os dgetes. Atualmete, o Programa Bolsa Famíla de trasferêca dreta de reda, de acordo com o MDS (2010), beefca famílas em stuação de pobreza (com reda mesal por pessoa de R$ 60,01 a R$ 120,00) e extrema pobreza (com reda mesal por pessoa de até R$ 60,00). Ode a reda da famíla é calculada a partr da soma do dhero que todas as pessoas da casa gaham por mês (como saláros e aposetadoras). Esse valor deve ser dvddo pelo úmero de pessoas que vvem a casa, obtedo assm a reda per capta da famíla. O PBF vsa assegurar o dreto humao à almetação adequada, promovedo a seguraça almetar e utrcoal e cotrbudo para a erradcação da extrema pobreza e para a coqusta da cdadaa pela parcela da população mas vulerável a fome, que pauta-se a artculação das segutes dmesões: Reforçar o exercíco de dretos socas báscos as áreas de Saúde e Educação; coordeação de programas complemetares, que têm por objetvo o desevolvmeto das famílas, de modo que os beefcáros cosgam superar a stuação de

5 5 vulerabldade e pobreza. Como programas de geração de trabalho e reda, de alfabetzação de adultos, de forecmeto de regstro cvl e demas documetos. Ao mesmo tempo os dvíduos (beefcáros) ao receber o beefíco estão codcoados a determados requstos. Esses são os compromssos as áreas da Educação, da Saúde e Assstêca Socal assumdos pelas famílas e que precsam ser cumprdos para que cotuem recebedo o beefíco do Bolsa Famíla. Como a freqüêca escolar míma de 85% para craças e adolescetes etre 6 e 15 aos e míma de 75% para adolescetes etre 16 e 17 aos; acompahameto do caledáro vacal e do crescmeto e desevolvmeto para craças meores de 7 aos; e pré-atal das gestates e acompahameto das utrzes a faxa etára de 14 a 44 aos; freqüêca míma de 85% da carga horára relatva aos servços socoeducatvos para craças e adolescetes de até 15 aos em rsco ou retradas do trabalho fatl. Na vsão goverametal, se esses requstos são realmete cumprdos pelos beefcáros do programa, há uma chace maor de amezar os problemas de dstrbução de reda. Nesse setdo, pde-se dzer, que de um lado temos o dvíduo beefcáro e do outro o Govero que executa uma polítca e ecessta do comprometmeto do prmero para que teha resultados satsfatóros. Nota-se que esta relação é bastate parecda com a que se estuda em Ecooma da Iformação, o qual o prcpal, o caso o Govero ão cosegue observar de perto o comportameto do agete, o caso o beefcáro, e sso se dá após o frmameto de um cotrato, ou seja, há um problema de moral hazard - rsco moral, pergo moral. Sob esta vsão, o Govero para ter seus objetvos alcaçados depede da ação do beefcáro, mas esse últmo pode ter sua utldade alterada ao se deparar com a decsão de se comprometer muto ou pouco com os codcoates apresetados, como exemplo, as decsões quato à educação das craças são tomadas por seus pas com base em um cálculo de custos e beefícos. Em mutos casos, o dvíduo se vê em uma stuação, em que o retoro de ter um flho executado alguma tarefa (trabalho) é maor do que se ele tvesse frequetado a sala de aula ou algum programa socal. Segudo dados do IPEA (2007), ada exstam craças - com dade etre 5 e 15 aos trabalhado, esse cotgete sgfca 6,6% da população dessa faxa etára. Ou seja, um grupo de 100 craças, cerca de 6 delas trabalham. Detro desse grupo, cerca de 20 ml ão estudam, apeas trabalham.

6 6 Quato à questão da saúde, estudo elaborado pelo Cetro Iteracoal de Pobreza, sttução de pesqusa do Programa das Nações Udas para o Desevolvmeto (PNUD), em parcera com o Isttuto de Pesqusa Ecoômca Aplcada (IPEA), revelou que o programa Bolsa Famíla tem pouco mpacto a desutrção e a vacação de craças de 1 a 3 aos. Segudo os autores da pesqusa, ão foram ecotradas evdêcas de que as famílas beefcadas pela trasferêca de reda estejam cumprdo o caledáro de vacação. Para eles, apesar de ter aumetado o cosumo de almetos os domcílos ateddos, o que falta é motorameto mas efetvo da stuação utrcoal, oretações sobre a qualdade da deta e meddas que compesem as defcêcas de utretes. Date do exposto, coclu-se que a ausêca de fscalzação e/ou cetvos por parte do prcpal potecalza o úmero de famílas que ão cumprem as regras mpostas, o que por sua vez reduzra os mpactos sobre a pobreza e a desgualdade o país das polítcas de trasferêca de reda, prejudcado os objetvos do govero. A segur será apresetado o modelo de prcpal-agete baseado em Macho-Stradler e Pérez-Castrllo (2001) e Mas-Colell (2005). 4 Modelo de Geral de Agete-Prcpal Dz-se que há Moral Hazard (pergo moral, dao moral) uma teração ecoômca ou socal quado a ação (a escolha) do agete A ão é verfcável pelo prcpal P ou quado o A se dspõe de algum tpo de formação prvada após o estabelecmeto do cotrato. Nesse caso, o P ão pode cotrolar dretamete a ação de A. Govero pagametodebeefco Beefcáro (prcpal) cumpreoaco rdo (agete) Pressupostos da aálse: O Govero refere-se ao prcpal e o beefcáro como o agete; Cosdera-se que o govero esteja realmete preocupado em reduzr a pobreza e as desgualdades socas e ão apeas fazer polítcas. Assume-se que exste uma relação a qual uma parte cotrata uma outra para realzar algum tpo de ação ou tomar algum tpo de decsão. No caso tratado sgfca que o Govero

7 7 selecoa um dvíduo (beefcáro) para realzar algumas tarefas, detre elas cotrolar a preseça das craças em salas de aulas, o que afeta o objetvo do Govero. O Govero estrutura um cotrato e, etão oferece ao dvíduo, que deve decdr se aceta ou ão o cotrato; O dvíduo acetará o cotrato proposto pelo Govero desde que a utldade obtda for maor que a utldade que o agete ra obter se ão assumsse o compromsso. Haja vsta que o agete se depara, por exemplo, com o problema de drecoar seu flho para execução de alguma atvdade produtva ou cetvar ao estudo; A relação surge da segute forma: P estrutura um A aceta ou A oferta um N deter. O estado resultados e Cotrato rejeta esforço ão verfcado do mudo payoffs Portato, há uma espéce de cofltos etre o teresse dos dos partcpates, o govero para ter seus objetvos alcaçados ecessta de um esforço dos beefcáros, o qual ao se esforçar depara-se com um custo. Este esforço ão pode ser motorado e meddo pelo prcpal e, portato, ão pode ser dretamete compesado. As soluções desse problema rão requerer algus alhametos de teresses etre as duas partes. Que é o real problema de moral hazard, sto é, o prcpal (govero) observa apeas o resultado, por exemplo, os dados fas sobre a dstrbução de reda forecdos pelo Programa das Nações Udas para o Desevolvmeto PNUD. Etão, seja x o cojuto de todos os resultados possíves referetes a ação que toma o agete (beefcáro), x = { x 1,..., x } (1) O resultado fal obtdo depede do esforço que o agete dedca à tarefa (as codcoaldades), a qual é deotada por (e), além de uma varável v ) aleatóra ( por exemplo fatores clmátcos) para os quas ambos os partcpates tem a mesma dstrbução a pror. (2) y = f ( e, va ) ( a

8 8 É assumdo que tato o prcpal quato o agete tem a mesma formação referete ao compoete aleatóro, o resultado ( x ) é também uma varável aleatóra. Se o cojuto de resultados é fto, etão é possível escrever a probabldade dos resultados x sedo codcoado ao esforço realzado pelo agete, sto é: p[ x= x / e] p ( e) { 1,2,..., } = (3) Se x = x,..., x } temos que p ( e) = 1, p (e) > 0 { 1 = 1 Assume-se que a fução utldade é do tpo VNM. O objetvo do prcpal é de maxmzar a redução da desgualdade socal e pobreza. B( X W ) é a fução utldade do prcpal, a qual represeta suas preferêcas. Ode X é fator observável; W é o gaho do agete; B > 0 e B <0. O agete recebe um valor moetáro líqudo por sua partcpação a relação e se dspõe a ofertar um certo compromsso, o qual mplca algum custo. Assume que a fução utldade do agete é adtva e separável. U (w, e) = u (w) v(e) u (w) > 0 v (e) > 0 ; u (w) > 0 v (e) 0 Dadas as duas fuções objetvo do prcpal e do agete, vê-se que há um coflto de teresses. O resultado da relação etre o prcpal e o agete é uma varável aleatóra e que o cotrato pode depeder de todas as varáves observáves. Neste cotexto, o prcpal deve decdr tato o esforço (e) requerdo do agete como os valores moetáros que ele deverá pagar ao agete{ ( )} =. w x 1,..., O prcpal deve ofertar um cotrato que seja acetável pelo agete, dado o esforço demadado, e etão, escolher, etre os cotratos que obteham o esforço desejado, aquele que seja o de meor custo. Tem-se o segute problema, s.a Max [ e,{ x )} = 1,..., ] = 1 p ( e) B[ x x ) p e U w x V e Ur = ( ) [ ( )] ( ) 1 Ode Ur é a utldade esperada que as oportudades exteras oferecem ao agete é o que deoma-se de utldade de reserva. O esforço despeddo pelo agete [e], um cotexto de formação assmétrca, ão é uma varável verfcável pelo prcpal e que ão pode ser cluída os termos do cotrato. (5) (4)

9 9 O coceto atural para a solução do problema é um equlíbro perfeto em subjogos. Resolve-se de traz para frete. No estágo fal do jogo mplca que o agete rá escolher o esforço que: * (6) e arg Max { = p ( ê) U[ x )] V ( ê) 1 Esta restrção é dta restrção de cetvos ou restrção de compatblzação de cetvos e reflete a preseça de moral hazard: dado que o cotrato fo aceto e a ação e ão é observável, o A escolhe e que maxmza a sua utldade esperada. No segudo estágo do jogo, dado o esforço que ele rá exercer e os termos do cotrato, o agete decde se aceta ou ão o cotrato. Formalmete temos que a restrção de partcpação é dada por: = 1 p ( e) U[ x )] V ( e) Ur que reflete o fato de que o agete sempre pode rejetar o cotrato se o que ele obtém ao assá-lo ão é, ao meos, gual ao que ele podera obter de outras alteratvas. Assm, temos que, o prmero estágo do jogo, o prcpal estrutura um cotrato que atecpa o comportameto do agete, ou seja, o problema com o qual se defrota o prcpal é o de escolher um esquema de pagameto e de dedcação do agete que maxmze a sua utldade esperada e satsfaça as duas restrções (7) Max [ e,{ x )} = 1,..., ] = 1 p ( e) B[ x x ) (8) s.a p e U w x V e Ur = ( ) [ ( )] ( ) 1 * e arg Max { p ( ê) U[ x 1 )] V ( ê) O agete somete rá frmar o cotrato com o prcpal se o mesmo for melhor ou gual ao que ele pode obter executado outra tarefa. Quato maor for a utldade reserva do agete, meor será a utldade do lucro líqudo do prcpal. Etão, assumdo que o agete pode escolher somete dos íves de esforço: alto (e h ) e baxo (e l ); de maera que seu espaço de estratéga é p h e e, e }, ode V e ) > V e ) { h l = p e ) é a probabldade de que o resultado rá ser x quado o agete oferece um alto ( h esforço ; p l = p e ) é a probabldade de que o resultado rá ser x quado o agete oferece um baxo esforço. ( l ( h ( l (9)

10 10 O problema pode ser estruturado da segute forma: Max [ ( )] ( )} ] = p 1 h B x w x x =1 [ e,{ w,..., (10) s.a = p U[ x )] V ( e ) Ur 1 h [ ] [ ( )] ( ) ( ) = p 1 h pl U w x V eh V el L[ x ), λ, µ ] = ph[ x x )] + λ{ + µ { = 1 [ p h p l h = 1 = 1 ] U[ x )] V ( e h ) V ( e )} l p U[ x )] V ( e ) h h Dervado o lagrageao com respeto ao valor moetáro w x ) para todo, temos que as codções para um maxmo são dadas por: p + λ p u' [ x )] + µ [ p p ] u'[ x )] = 0 depos de algumas álgebras, ecotra-se que: Ode, l h h h ( l h h w x ) = (1/ u')(1/ λ ) + µ [1 ( p / p )], λ >0; µ >0 p / p = é a razão de probabldades que dca a precsão com a qual o resultado x salza que o ível de esforço fo e h. O w x ) será maor quato meor for a razão (p l /p h ). Quato meor for a razão do ( quocete, ou seja, quato maor p h com respeto a p l, maor a certeza de que o sal do esforço usado fo e h é forte. Assm se o Govero utlzar de strumeto, como o aumeto do valor moetáro para dvíduos que tveram alto comprometmeto e reduz este valor para os que se comprometem meos, ele acaba expodo o dvíduo a um determado rsco, que pode fucoar como um tpo de cetvo efetvo. A maera de fazer sso é cotrolar por regões, as que exercerem maores esforços receberão maores recursos. O que acaba gerado uma espéce de mecasmo, uma vez que os agetes passarão a fscalzar us aos outros. Esta forma faclta para o Govero, pos, em geral, as formas de cotrole dspoíves podem ão ser capazes de detfcar efcetemete o dvíduo. O Govero, hoje, utlza algus strumetos para cotrolar as ações dos agetes, porém bastate efcetes, como por exemplo, o prmero descumprmeto, a famíla receberá apeas uma advertêca, que ão afeta ou altera o recebmeto do beefíco; o segudo descumprmeto, a famíla terá uma sação, o beefíco será bloqueado por 30 das, mas recebe acumulado o mês segute; o tercero descumprmeto, o beefíco da famíla l ( (11) (12)

11 11 será suspeso por 60 das; o quarto regstro, o beefíco da famíla será suspeso por 60 das. Nesses dos períodos, as parcelas ão serão geradas e a famíla fca sem receber; o quto regstro de descumprmeto a famíla poderá ter o beefíco cacelado. Equato para as famílas com adolescetes de 16 e 17 aos: o prmero descumprmeto, advertêca; o segudo regstro de descumprmeto, o beefíco será suspeso por 60 das; e o tercero regstro de descumprmeto, o beefíco referete ao jovem é cacelado. Cabe observar que esses programas de trasferêcas de reda vêm melhorado os aspecto relacoados a pobreza e desgualdade socal, mas ada assm, muto aquém do esperado. Uma justfcatva para sso pode ser em parte explcada por esses maus strumetos utlzados. Em estudos apresetados pelo IPEA utlzado a PNAD de 2007, também efatzou o problema de boa parte das craças ada cotuar trabalhado resulta do fato da falta de pealdade (ou pealdades executadas de maera efcetes) quato ao ão cumprmeto das codcoaldades. E também o valor moetáro é sufcetemete baxo, o que acaba comprometedo o alto esforço. 5 Cosderações fas O programa de trasferêca dreta de reda goverametal, Bolsa Famíla, crado vsado a amezar os problemas de pobreza e desgualdade de reda o Brasl, vem os últmos aos tedo mpacto postvo este questo. Porém, ada dexado muto a desejar. Esse trabalho apresetou, baseado em modelos de assmetra de formação, que um dos motvos pode estar relacoado ao descumprmeto das codcoaldades mpostas sobre os beefcáros. Como o cudado das famílas em mater o bom estado de saúde das craças assm como a mauteção das craças as salas de aulas sem exercer atvdade produtva que prejudque o seu redmeto escolar. Os dados apresetado pelo IPEA mostram que, em 36% das famílas, a cotrbução das craças que têm redmeto e ão frequetam a escola vara de um terço a 100% da reda famlar. Em 2007, ada exstam craças - com dade etre 5 e 15 aos - trabalhado. Este cotgete sgfca 6,6% da população dessa faxa etára. Por outro lado, um estudo elaborado pelo Cetro Iteracoal de Pobreza, sttução de pesqusa do Programa das Nações Udas para o Desevolvmeto (PNUD), em parcera com o Isttuto de Pesqusa Ecoômca Aplcada (IPEA), revelou que o programa Bolsa Famíla tem pouco mpacto a desutrção e a vacação de craças de 1 a 3 aos. Esse fato ocorre devdo ao problema de assmetra de formação, que mplca, que uma vez que o acordo etre o Govero e o beefcáro teha sdo frmado (este ter sdo aceto o programa), o beefcáro ão tem cetvo em segur as ormas (codcoaldades

12 12 mpostas pelo govero). Pos as famílas em stuação de pobreza têm alta probabldade de drecoar seus flhos para atvdades que lhe permtam aumetar seu poder aqustvo, assm como, despeder um elevado tempo para frequetar postos de saúde, mesmo recebedo o beefíco. Portato, a partr do modelo de Agete-Prcpal, o que deve ser feto é mplatar ova forma de cetvo/pução. Como um aumeto este o valor moetáro oferecdo para os que exercerem alto esforço, e meor valor para os de baxo esforço (usar saláros flutuates ao em vez de fxos) o que acaba expodo o dvíduo dretamete ao rsco. Devdo à dfculdade de cotrolar dvdualmete sso pode ser feto através de um cotrole por regões. Referêca bblográfca ABENSUR, Thems C; CRIBARI-NETO, Fracsco; MENEZES, Tatae A. Impactos do programa Bolsa Famíla os resultados das Eleções Presdecas o Brasl em Perambuco: Trabalho apresetado o V ENABER Ecotro Nacoal da Assocação braslera de Estudos Regoas e Urbaos, AZZONI, Carlos R.; GUILHOTO, Joaqum J.M.; HADDAD, Eduardo A.; HEWINGS, Geoffrey J.D.; LAES, Marco A.; MOREIRA, Gulherme R.C. Socal polces, persoal ad come equalty Brazl: a I-O aalyss of the Bolsa Famíla progam. Perambuco: Trabalho apresetado o V ENABER Ecotro Nacoal da Assocação braslera de Estudos Regoas e Urbaos, BARROS, Rcardo Paes de; CARVALHO, Mrela de; FRANCO, Samuel; MENDONÇA, Rosae. Uma aálse das prcpas causas da queda recete a desgualdade de reda braslera. Ro de Jaero: IPEA, Texto de dscussão º1203. BARROS, Rcardo Paes de; FOGUEL, Mguel Natha. Focalzação dos gastos públcos socas e erradcação da pobreza o Brasl. Ro de Jaero: IPEA, BARROS, Rcardo Paes de; HENRIQUES, Rcardo; MENDONÇA, Rosae. A establdade acetável: desgualdade e pobreza o Brasl. Ro de Jaero: IPEA, Texto para dscussão º800.

13 13 BARROS, Rcardo Paes de; CARVALHO, Mrela de. A efetvdade do saláro mímo como strumeto para reduzr a pobreza e a desgualdade o Brasl. I: LEVY, Paulo Masur; HENRIQUES, Rcardo (org.). Desgualdade e pobreza o Brasl. Ro de Jaero: IPEA, Cap.4, p MACHO-STRADLER, Iés e PÉREZ-CASTRILLO, Davd. (1997). A Itroducto to the Ecoomcs of Iformato: Icetves ad Cotracts. Oxford, Oxford Uversty Press. MDS, Mstéro do Desevolvmeto Socal. Programa Bolsa Famíla. Dspoível em: Brasíla, 2007b. MARINHO, Emerso; LINHARES, Fabríco; CAMPELO, Guracyae. Os programas de trasferêca de reda do govero mpactam a pobreza o Brasl? Ceará: CAEN, MAS-COLELL, A.; WHISTON, M; e GREEN, J.R. (1995). Mcroecoomc Theory. Oxford, Oxford Uversty Pres. MENDES, Mara da Vega; SAMPAIO,Lucao Meeze Bezerra. Dssertação de mestrado.ufpb, PAZELLO, Elae Toldo; TAVARES, Prscla Albuquerque. Uma Avalação do programa Bolsa Escola Federal: focalzação e mpacto a dstrbução de reda e pobreza. I: SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA, 12, 2006, Damata: CEDEPLAR, p ROCHA, S.. Impacto sobre a pobreza dos ovos programas federas de trasferêca de reda, Revsta de Ecooma Cotemporâea, 9(1), ja/abr 2005, IE/UFRJ 22. Dspoível em: de_trasfereca_de_reda.pdf Sustetável IDHS, 2004.PNUD, Rede de laboratóros acadêmcos para acompahameto dos objetvos do mlêo. Regão Sudeste: coleção de estudos regoas

14 14 sobre os objetvos do mlêo. Belo Horzote: Isttuto de Desevolvmeto Humao Sustetável IDHS, VILLELA, Reato. Uma ageda para o crescmeto ecoômco e a redução da pobreza. Ro de Jaero: IPEA, p.39-61, 2006.

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Goverador Domgos Gomes de Aguar Flho Vce Goverador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GES- TÃO (SEPLAG)

Leia mais

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples.

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples. Estudo das relações etre peso e altura de estudates de estatístca através da aálse de regressão smples. Waessa Luaa de Brto COSTA 1, Adraa de Souza COSTA 1. Tago Almeda de OLIVEIRA 1 1 Departameto de Estatístca,

Leia mais

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL rofessores Ealdo Vergasta, Glóra Márca e Jodála Arlego ENCONTRO RM 0 FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL INTRODUÇÃO Numa operação de empréstmo, é comum o pagameto ser efetuado em parcelas peródcas, as quas

Leia mais

Projeto de rede na cadeia de suprimentos

Projeto de rede na cadeia de suprimentos Projeto de rede a cadea de suprmetos Prof. Ph.D. Cláudo F. Rosso Egehara Logístca II Esboço O papel do projeto de rede a cadea de suprmetos Fatores que fluecam decsões de projeto de rede Modelo para decsões

Leia mais

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Faculdade de Ecooma, Admstração e Cotabldade de Rberão Preto Ecooma Moetára Curso de Ecooma / º. Semestre de 014 Profa. Dra. Rosel da Slva Nota de aula CAPM Itrodução Há dos modelos bastate utlzados para

Leia mais

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO 9 - Regressão lear e correlação Veremos esse capítulo os segutes assutos essa ordem: Correlação amostral Regressão Lear Smples Regressão Lear Múltpla Correlação

Leia mais

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros Estrutura a Termo de Taxa de Juros 20 2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros A Estrutura a termo de taxa de juros (também cohecda como Yeld Curve ou Curva de Retabldade) é a relação, em dado mometo, etre

Leia mais

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático Requstos metrológcos de strumetos de pesagem de fucoameto ão automátco 1. Geeraldades As balaças estão assocadas de uma forma drecta à produção do betão e ao cotrolo da qualdade do mesmo. Se são as balaças

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Aálse de Regressão Prof. Paulo Rcardo B. Gumarães. Itrodução Os modelos de regressão são largamete utlzados em dversas áreas do cohecmeto, tas como: computação, admstração, egeharas, bologa, agrooma, saúde,

Leia mais

Perguntas freqüentes Credenciadores

Perguntas freqüentes Credenciadores Pergutas freqüetes Credecadores Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte pelo facameto da compra pelo emssor?

Leia mais

Perguntas Freqüentes - Bandeiras

Perguntas Freqüentes - Bandeiras Pergutas Freqüetes - Baderas Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte por lqudar a obrgação de forma parcelada

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA 003 Iformações: relembra-se os aluos teressados que a realzação de acções presecas só é possível medate solctação vossa, por escrto, à assstete da cadera. A realzação

Leia mais

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre Uma Calculadora Facera usado métos umércos e software lvre Jorge edraza Arpas, Julao Sott, Depto de Cêcas e Egeharas, Uversdade Regoal ItegradaI, URI 98400-000-, Frederco Westphale, RS Resumo.- Neste trabalho

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Nota Técca o 037/2013-SRG/ANEEL Em 17 de mao de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Assuto: Cosoldação de todas as regulametações referetes à apuração de dspobldades de empreedmetos de geração de eerga

Leia mais

Risco Moral na Utilização de Serviços de Saúde no Brasil

Risco Moral na Utilização de Serviços de Saúde no Brasil Rsco Moral a Utlzação de Servços de Saúde o Brasl Resumo Autora: Lus Gabrel Marques Regato, Luís duardo Afoso Neste trabalho fo vestgada a preseça de rsco moral o sstema de plaos de saúde do Brasl, por

Leia mais

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C)

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C) RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA I. JUROS SIMPLES ) Elemetos de uma operação de Juros Smples: Captal (C); Motate (M); Juros (J); Taxa (); Tempo (). ) Relação etre Juros, Motate e Captal: J = M C ) Defção

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva LEASING UMA OBSERVAÇÃO Ecoomsta Atoo Perera da Slva AMOR POR DINHEIRO TITÃS Composção: Sérgo Brtto e To Bellotto Acma dos homes, a le E acma da le dos homes A le de Deus Acma dos homes, o céu E acma do

Leia mais

UMA ANÁLISE ESPACIAL DA INSUFICIÊNCIA E DA DESIGUALDADE DE RENDA NOS MUNICÍPIOS SERGIPANOS, 1991-2000

UMA ANÁLISE ESPACIAL DA INSUFICIÊNCIA E DA DESIGUALDADE DE RENDA NOS MUNICÍPIOS SERGIPANOS, 1991-2000 Aas III Smpóso Regoal de Geoprocessameto e Sesorameto Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 UMA ANÁLISE ESPACIAL DA INSUFICIÊNCIA E DA DESIGUALDADE DE RENDA NOS MUNICÍPIOS SERGIPANOS, 99-2000 OLIVEIRA,

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Podemos dvdr a Estatístca em duas áreas: estatístca dutva (ferêca estatístca) e estatístca descrtva. Estatístca Idutva: (Iferêca Estatístca)

Leia mais

Capitulo 8 Resolução de Exercícios

Capitulo 8 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Peródcas, Crescetes e Postecpadas, com Termos em P. A. G 1 1 1 1 G SPAC R R s s 1 1 1 1 1 G G C R a R a 1 1 PAC Audades Gradetes Postecpadas S GP G 1 1 ; C GP G 1 1 1 Audades Gradetes

Leia mais

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo C:\Documets ad Settgs\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_EF_44\ef44_PDF\CAP XIV_IFCOTIUO.doc 6 Motorameto ou Ivetáro Florestal Cotíuo Agosto Lopes de Souza. ITRODUÇÃO Parcelas permaetes de vetáro florestal cotíuo

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Facera 2007.1 Prof.: Luz Gozaga Damasceo 1 E-mals: damasceo1204@yahoo.com.br damasceo@terjato.com.br damasceo12@hotmal.com http://www. damasceo.fo www. damasceo.fo damasceo.fo Obs.: (1 Quado

Leia mais

Unidade II ESTATÍSTICA

Unidade II ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA Udade II 3 MEDIDAS OU PARÂMETROS ESTATÍSTICOS 1 O estudo que fzemos aterormete dz respeto ao agrupameto de dados coletados e à represetação gráfca de algus deles. Cumpre agora estudarmos as

Leia mais

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico Capítulo : Erros em cálculo umérco. Itrodução Um método umérco é um método ão aalítco, que tem como objectvo determar um ou mas valores umércos, que são soluções de um certo problema. Ao cotráro das metodologas

Leia mais

Avaliação da Localização de Base de Atendimento para Equipamentos de Movimentação de uma Empresa Siderúrgica

Avaliação da Localização de Base de Atendimento para Equipamentos de Movimentação de uma Empresa Siderúrgica Avalação da Localzação de Base de Atedmeto para Equpametos de Movmetação de uma Empresa Sderúrgca Leadro Ferades da Slva Leadro.Ferades@cs.com.br UFF Ilto Curty Leal Juor ltocurty@gmal.com UFRJ Paul Adrao

Leia mais

Capítulo 1 PORCENTAGEM

Capítulo 1 PORCENTAGEM Professor Joselas Satos da Slva Matemátca Facera Capítulo PORCETAGEM. PORCETAGEM A porcetagem ada mas é do que uma otação ( % ) usada para represetar uma parte de cem partes. Isto é, 20% lê-se 20 por ceto,

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística Grupo C - º semestre de 004 Exercíco 0 (3,5 potos) Uma pesqusa com usuáros de trasporte coletvo a cdade de São Paulo dagou sobre os dferetes tpos usados as suas locomoções dáras. Detre ôbus, metrô e trem,

Leia mais

ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL

ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL Dese de Mrada e Slva Correa Vâa Barcellos Gouvêa Campos Isttuto Mltar de Egehara Resumo Neste trabalho apreseta-se uma aálse espacal

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9 Coteúdo IND 5 Iferêca Estatístca Aula 9 Outubro 2004 Môca Barros Dfereça etre Probabldade e Estatístca Amostra Aleatóra Objetvos da Estatístca Dstrbução Amostral Estmação Potual Estmação Bayesaa Clássca

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística Resolução das atvdades complemetares Matemátca M8 Noções de Estatístca p. 3 (UFRJ) Dos estados do país, um certo ao, produzem os mesmos tpos de grãos. Os grácos de setores lustram a relação etre a produção

Leia mais

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria Avalação da seguraça dâmca de sstemas de eerga elétrca: Teora. Itrodução A avalação da seguraça dâmca é realzada através de estudos de establdade trastóra. Nesses estudos, aalsa-se o comportameto dos geradores

Leia mais

Lealdade à Marca e Sensibilidade ao Preço: Um Estudo da Escolha da Marca pelo Consumidor. Autoria: Delane Botelho, André Torrres Urdan.

Lealdade à Marca e Sensibilidade ao Preço: Um Estudo da Escolha da Marca pelo Consumidor. Autoria: Delane Botelho, André Torrres Urdan. Lealdade à Marca e Sesbldade ao Preço: Um Estudo da Escolha da Marca pelo Cosumdor Autora: Delae Botelho, Adré Torrres Urda Resumo Este artgo usa dados em pael do tpo escaeados, desagregados ao ível de

Leia mais

Palavras-Chave: Teoria das Restrições, Decisões a Longo Prazo, Simulação de Monte Carlo.

Palavras-Chave: Teoria das Restrições, Decisões a Longo Prazo, Simulação de Monte Carlo. Teora das Restrções e Decsões de Logo Prazo: Camho para a Covergêca Autores PABLO ROGERS Uversdade Federal de Uberlâda ERNANDO ANTONIO REIS Uversdade Federal de Uberlâda Resumo Advogam os crítcos da Teora

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado.

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado. 1 Belo Horzote, 14 de abrl de 2007. À UNAFISCO SAÚDE AT.: Glso Bezerra REF: AVALIAÇÃO ATUARIAL Prezado Sehor, Em atedmeto à solctação de V.Sa., apresetamos, a seqüêca, os resultados do estudo referecado.

Leia mais

Ana Clara P. Campos 1 Denise Nunes Viola 1 Moacyr Cunha Filho 2 Guilherme Vilar 2 Vanessa Van Der Linden 3

Ana Clara P. Campos 1 Denise Nunes Viola 1 Moacyr Cunha Filho 2 Guilherme Vilar 2 Vanessa Van Der Linden 3 Idetfcação da exstêca de padrão espacal aleatóro a dstrbução dos pacetes portadores de doeça geétca rara com defcêca físca da Assocação de Assstêca à Craça Defcete (AACD) de Perambuco Aa Clara P. Campos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES Aa Mara Lma de Faras Luz da Costa Laurecel Com a colaboração dos motores Maracajaro

Leia mais

Projeção Populacional 2013-2020 para a Cidade do Rio de Janeiro: uma aplicação do método AiBi

Projeção Populacional 2013-2020 para a Cidade do Rio de Janeiro: uma aplicação do método AiBi ISSN 1984-7203 Projeção Populacoal 2013-2020 para a Cdade do Ro de Jaero: uma aplcação do método AB Nº 20130102 Jaero - 2013 Iva Braga Ls 1, Marcelo Pessoa da Slva, Atoo Carlos Carero da Slva, Sérgo Gumarães

Leia mais

FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM

FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM Fabríca D. Satos, Lucla G. Rbero, Leoardo G. de R. Guedes, Weber Marts Uversdade Católca de Goás, Departameto de Computação Uversdade

Leia mais

3 Precificação de resseguro

3 Precificação de resseguro Precfcação de Resseguro 35 3 Precfcação de resseguro Este capítulo traz prmeramete uma oção ampla das aplcações das metodologas de precfcação de resseguro para melhor compreesão do mesmo Da seção 3 até

Leia mais

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004 Elaborado: 2002 Ultma atualzação: 23/12/2004 Cadero de Fórmulas Apresetação Sstema Nacoal de Atvos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de

Leia mais

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL CÁLCULOS DE FINANÇAS MATEMÁTICA FINANCEIRA Semestre: A/2008 PROFESSOR: IRANI LASSEN CURSO: ALUNO: SUMÁRIO CÁLCULOS DE FINANÇAS INTRODUÇÃO...3. OBJETIVO:...3.2 FLUXO DE CAIXA...4.3

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental.

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental. É o grau de assocação etre duas ou mas varáves. Pode ser: Prof. Lorí Val, Dr. val@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/val www.pucrs.br/famat/val/ correlacoal ou expermetal. Numa relação expermetal os valores

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA versão mpressa ISSN 00-7438 / versão ole ISSN 678-542 AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA Luís Alberto Duca Ragel UFF-COPPE/PEP/UFRJ

Leia mais

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A.

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A. MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS M. Z. Nascmeto, A. F. Frère e L. A. Neves INTRODUÇÃO O cotraste as radografas vara ao logo do campo de

Leia mais

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística Projeção de Ceáros Aplcados ao Orçameto Empresaral Com revsão das Ferrametas de Estatístca Prof. Dr. Marco Atoo Leoel Caetao TÓPICO Tratameto, Quatfcação e Vsualzação de Dados Faceros. Itrodução Na dvulgação

Leia mais

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes UERJ CTC IE Departameto de Iormátca e Cêca da Computação Udade I - Erros as apromações umércas. I. - Cosderações geras. Há váras stuações em dversos campos da cêca em que operações umércas são utlzadas

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesqusa ISS: 1517-972 revedu@usp.br Uversdade de São Paulo Brasl Helee, Otavao Evolução da escolardade esperada o Brasl ao logo do século XX Educação e Pesqusa, vol. 38, úm. 1, marzo, 212, pp.

Leia mais

FERRAMENTAS DE ANÁLISE DE RISCOS EM ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

FERRAMENTAS DE ANÁLISE DE RISCOS EM ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS FERRAMENTAS DE ANÁLISE DE RISCOS EM ESTRATÉGIAS EMRESARIAIS or: Herbert Kmura RAE-eletrôca, Volume, Número 2, jul-dez/2002. http://www.rae.com.br/eletroca/dex.cfm?fuseacto=artgo&id=825&secao=wc&volume=&numero=2&ao=

Leia mais

Cálculo de média a posteriori através de métodos de integração numérica e simulação monte carlo: estudo comparativo

Cálculo de média a posteriori através de métodos de integração numérica e simulação monte carlo: estudo comparativo INGEPRO Iovação, Gestão e Produção Jaero de 010, vol. 0, o. 01 www.gepro.com.br Cálculo de méda a posteror através de métodos de tegração umérca e smulação mote carlo: estudo comparatvo Helto Adre Lopes

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS GMI/001 21 a 26 de Outubro de 2001 Campas - São Paulo - Brasl GRUPO XII ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDICADORES DE DESEMPENHO DA TRANSMISSÃO: METODOLOGIA DE CÁLCULO

Leia mais

de Energia Geração Térmica

de Energia Geração Térmica Sstema Itegrado de Plaeameto e Comercalzação de Eerga Geração Térmca Rafael de Souza Favoreto, CEHPAR LACTEC; Marcelo Rodrgues Bessa, CEHPAR LACTEC; Wlso Tadeu Pzzatto, COPEL; Luz Roberto Morgester Ferrera,

Leia mais

Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA

Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA O objetvo deste capítulo é apresetar formas da equação da coservação da massa em fução de propredades tesvas faclmete mesuráves, como a temperatura, a pressão,

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO A expressão dados, será ctada dversas vezes esta dscpla, em lguagem ormal, dados são ormações (úmeros ou ão) sobre um dvíduo (pessoa,

Leia mais

TT.405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Material Didático - 2008 Prof. Lúcia R. A. Montanhini

TT.405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Material Didático - 2008 Prof. Lúcia R. A. Montanhini INTRODUÇÃO TT405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Materal Ddátco - 2008 Prof Lúca R A Motah INTRODUÇÃO 2 INDICE INTRODUÇÃO 7 2 O CONCEITO E ORIGEM DA ENGENHARIA ECONÔMICA 8 3 MATEMÁTICA FINANCEIRA 9 3 CONCEITOS

Leia mais

ÍNDICE DE TERMOS: MOTOR DEDICADO, PADRONIZAÇÃO;

ÍNDICE DE TERMOS: MOTOR DEDICADO, PADRONIZAÇÃO; Aplcação de Motores de Méda esão dedcados acoados por versor de frequêca e utlzação de um úco projeto em dferetes solctações de carga. Gleuber Helder Perera Rodrgues Esp. Eg. WEG Brasl gleuber@weg.et Alex

Leia mais

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN Tayd Dayvso Custódo Pexoto ; Sérgo Luz Agular Leve ; Adre Herma Frere Bezerra 3 ; José

Leia mais

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO DE JNEIRO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PLICÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGI PROBLEMS DE INSTBILIDDE DE ESTRUTURS Julaa Bragh Ramalho Raul Rosas e Slva lua de graduação do curso

Leia mais

Capítulo 1 Matemática Financeira

Capítulo 1 Matemática Financeira apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A matemátca facera trata da comparação de valores moetáros ao logo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas de vestmeto e

Leia mais

1.1 Apresentação. do capítulo

1.1 Apresentação. do capítulo apítulo Matemátca Facera. Apresetação do capítulo A Matemátca Facera trata da comparação de valores moetáros que estão dspersos ao logoo do tempo. Através de seu estudo, podemos aalsar e comparar alteratvas

Leia mais

Curso de An lise de Fluxo de Caixa

Curso de An lise de Fluxo de Caixa Curso de A lse de Fluxo de Caxa SUMÁRIO PROGRESSÕES... 0. FÓRMULAS BÁSICAS... 0.. Progressões artmétcas... 0..2 Progressões geométrcas... 02.2 EXERCÍCIOS SUGERIDOS... 02 2 CONCEITOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA...

Leia mais

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13.

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13. SUMARIO 2 MÉTODO ESTATÍSTICO...3 2. A ESTATÍSTICA...3 2.2 FASES DO MÉTODO ESTATÍSTICO...4 3 FERRAMENTAS DE CÁLCULO PARA O ESTUDO DA ESTATÍSTICA...5 3. FRAÇÃO...5 3.. Adção e subtração...5 3..2 Multplcação

Leia mais

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA Proessor Maurco Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA. Coceto Exstem mutas deções propostas por autores, objetvado estabelecer com clareza o que é estatístca, como por exemplo: Þ A Estatístca é um cojuto de métodos

Leia mais

ANÁLISE E MODELAGEM ESPACIAL PARA A INCIDÊNCIA DE AIDS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, 2009-2011

ANÁLISE E MODELAGEM ESPACIAL PARA A INCIDÊNCIA DE AIDS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, 2009-2011 ANÁLISE E MODELAGEM ESPACIAL PARA A INCIDÊNCIA DE AIDS NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, 2009-2011 A. T. J. Alves* e F. F. Nobre* *Programa de Egehara Bomédca COPPE/UFRJ, Ro de Jaero, Brasl e-mal:

Leia mais

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA Maríla Brasl Xaver REITORA Prof. Rubes Vlhea Foseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA MATERIAL DIDÁTICO EDITORAÇÃO ELETRONICA Odvaldo Texera Lopes ARTE FINAL DA CAPA Odvaldo Texera Lopes REALIZAÇÃO

Leia mais

RAI - Revista de Administração e Inovação ISSN: 1809-2039 campanario@uninove.br Universidade de São Paulo Brasil

RAI - Revista de Administração e Inovação ISSN: 1809-2039 campanario@uninove.br Universidade de São Paulo Brasil RAI - Revsta de Admstração e Iovação ISSN: 809-2039 campaaro@uove.br Uversdade de São Paulo Brasl Cotador, José Luz; Cotador, José Celso; Herques de Carvalho, Marcus Fabus; Olvera Costa Neto, Pedro Luz

Leia mais

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc.

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas ESTATÍSTICA Notas de Aulas Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas SUMÁRIO CONCEITOS BÁSICOS 5. Estatístca. Estatístca

Leia mais

CAPÍTULO 1 PROBABILIDADE

CAPÍTULO 1 PROBABILIDADE CAPÍTULO PROBABILIDADE. Coceto O coceto de probabldade está sempre presete em osso da a da: qual é a probabldade de que o meu tme seja campeão? Qual é a probabldade de que eu passe aquela dscpla? Qual

Leia mais

Gestão de Sistemas de Produção/Operações Profº Túlio de Almeida

Gestão de Sistemas de Produção/Operações Profº Túlio de Almeida Gestão de Sstemas de Produção/Operações Profº Túlo de Almeda 3. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E INDICADORES 3.1. INDICADORES DE DESEMPENHO Os dcadores são tes essecas para qualquer tpo de projeto, processo,

Leia mais

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial Ecoometra: 4 - Regressão últpla em Notação atrcal Prof. arcelo C. ederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. arco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo

Leia mais

Sistema Kanban para fábrica de tintas

Sistema Kanban para fábrica de tintas Sstema Kaba para ábrca de ttas José Luz Cotador Proessor do Programa de Pós-Graduação em Admstração Uove; Doutor em Egehara Aeroáutca e Mecâca - Isttuto Tecológco de Aeroáutca ITA. [Brasl] luz@eg.uesp.br

Leia mais

Ensaios Econômicos. Amortização de Dívidas e Prestações Constantes: Uma Análise Crítica. Outubro de 2013. Escola de. Pós-Graduação.

Ensaios Econômicos. Amortização de Dívidas e Prestações Constantes: Uma Análise Crítica. Outubro de 2013. Escola de. Pós-Graduação. Esaos Ecoômcos Escola de ós-graduação em Ecooma da Fudação Getulo Vargas N 746 ISSN 004-890 Amortzação de Dívdas e restações Costates: Uma Aálse Crítca Clovs de Faro Outubro de 203 URL: http://hdl.hadle.et/0438/232

Leia mais

Notas de aula da disciplina Probabilidade e Estatística

Notas de aula da disciplina Probabilidade e Estatística otas de aula da dscpla Probabldade e Estatístca Proessor M Sc Adré Luz DAMAT - UTFPR Esta apostla apreseta os tópcos prcpas abordados em sala de aula, cotedo deções, teoremas, eemplos Sua letura ão é obrgatóra,

Leia mais

MATERIAL DE ESTATÍSTICA II PROF. MÁRIO ROBERTO

MATERIAL DE ESTATÍSTICA II PROF. MÁRIO ROBERTO 1 VARIÁVEIS ALEATÓRIAS O que se etede por varável aleatóra? Até agora ossos estudos estavam pratcamete voltados mas para defrmos osso Espaço Amostral U, sem assocarmos suas respectvas probabldades aos

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST º Semestre 05/6 3º TRABALHO LABORATORIAL CIRCUITO RLC SÉRIE em Regme Forçado Alterado Susodal Prof. V. Maló Machado Prof. M. Guerrero das Neves Prof.ª Mª Eduarda Pedro Eg.

Leia mais

Notas em Matemática Aplicada 9

Notas em Matemática Aplicada 9 Notas em atemátca Aplcada 9 Edtado por Elaa XL de Adrade Uversdade Estadual aulsta - UNES São José do Ro reto, S, Brasl Rubes Sampao otfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero Ro de Jaero, RJ, Brasl Geraldo

Leia mais

Optimização e controlo da poluição atmosférica

Optimização e controlo da poluição atmosférica Optmzação e cotrolo da polução atmosférca A. Ismael F. Vaz e Eugéo C. Ferrera Departameto de Produção e Sstemas, Escola de Egehara, Uversdade do Mho Emal: avaz@dps.umho.pt Cetro de Egehara Bológca, Escola

Leia mais

ANAIS O JOGO DA LOGÍSTICA E SUAS VARIANTES NO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES

ANAIS O JOGO DA LOGÍSTICA E SUAS VARIANTES NO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES O JOGO DA LOGÍSTICA E SUAS VARIANTES NO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES MARCOS RICARDO ROSA GEORGES ( marcos.georges@puc-campas.edu.br, marcos_georges@yahoo.com.br ) PUC-CAMPINAS Resumo Este artgo

Leia mais

Orientadora: Profª Drª Maria Adélia Oliveira M. da Cruz Co-Orientadores: Prof Dr. Paulo de Paula Mendes Prof Dr. Manoel da Cunha Costa

Orientadora: Profª Drª Maria Adélia Oliveira M. da Cruz Co-Orientadores: Prof Dr. Paulo de Paula Mendes Prof Dr. Manoel da Cunha Costa UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO - UFRPE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PRPPG PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOMETRIA (NÍVEL: MESTRADO) Dssertação apresetada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

O mercado de renda fixa e a estrutura da taxa de juro

O mercado de renda fixa e a estrutura da taxa de juro O mercado de reda fxa e a estrtra da taxa de jro No Brasl, a egocação o mercado de reda fxa egloba títlos públcos e títlos prvados. O strmeto para a expressão da remeração e/o o valor de mercado de cada

Leia mais

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária.

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária. 1 UTOR: Emeta Luz Herque M da Slva 1 Defções de razão e proporção, propredades; Graduado em Matemátca e habltado em ísca pelo UNIEB 2 Gradezas dretamete proporcoas e versamete proporcoas, Regra de três;

Leia mais

MODELO DE ISING BIDIMENSIONAL SEGUNDO A TÉCNICA DE MATRIZ DE TRANSFERÊNCIA

MODELO DE ISING BIDIMENSIONAL SEGUNDO A TÉCNICA DE MATRIZ DE TRANSFERÊNCIA UIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ RAFAEL DE LIMA BARBOSA MODELO DE ISIG BIDIMESIOAL SEGUDO A TÉCICA DE MATRIZ DE TRASFERÊCIA FORTALEZA CEARÁ 4 RAFAEL DE LIMA BARBOSA MODELO DE ISIG BIDIMESIOAL SEGUDO A TÉCICA

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Val, Dr. http://www.pucrs.br/famat/val/ val@pucrs.br Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Obetvos A Aálse de

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

TEXTO SUJEITO A REVISÃO

TEXTO SUJEITO A REVISÃO Aálse Comparatva de duas Metodologas Factíves para o Cálculo de IPCs com a Utlzação de Mcrodados do IPC-FIPE Hero Carlos Esvael do Carmo TEXTO SUJEITO A REVISÃO Resumo O prcpal objetvo deste texto é aalsar,

Leia mais

EMPRESA E MERCADO DE CAPITAIS FLUXOS FINANCEIROS FONTES DE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS. Mercado de Capitais. Empresa. Debêntures.

EMPRESA E MERCADO DE CAPITAIS FLUXOS FINANCEIROS FONTES DE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS. Mercado de Capitais. Empresa. Debêntures. TEF II Prof. Crstao Fort MERCADO ACIONÁRIO Empresa Operações Corretes Aqusção de atvos reas Fote: S.C. Myers/1976 EMPRESA E MERCADO DE CAPITAIS FLUXOS FINANCEIROS Caxa Ivestdo a empresa Caxa gerado pelas

Leia mais

Obra publicada pela Universidade Federal de Pelotas

Obra publicada pela Universidade Federal de Pelotas Obra publcada pela Uversdade Federal de Pelotas Retor: Prof. Dr. Atoo Cesar Goçalves Bores Vce-Retor: Prof. Dr. Maoel Luz Breer de Moraes Pró-Retor de Etesão e Cultura: Prof. Dr. Luz Era Goçalves Ávla

Leia mais

A Medição e o Erro de Medição

A Medição e o Erro de Medição A Medção e o Erro de Medção Sumáro 1.1 Itrodução 1.2 Defções 1.3 Caracterzação da qualdade de medção 1.4 O erro da medção 1.4.1 Os erros aleatóros 1.4.2 Os erros sstemátcos 1.5 O verdadero valor, o erro

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais