ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS"

Transcrição

1 GMI/ a 26 de Outubro de 2001 Campas - São Paulo - Brasl GRUPO XII ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDICADORES DE DESEMPENHO DA TRANSMISSÃO: METODOLOGIA DE CÁLCULO E UTILIZAÇÃO EM MODELOS PROBABILÍSTICOS DE ANÁLISE E DECISÃO Sergo Bradão da Motta CEMIG RESUMO Este texto apreseta uma flosofa e uma prátca de egehara de mauteção voltada para a gestão da dspobldade de sstemas de trasmssão de eerga elétrca. Para tato é ecessáro o domío do cclo completo da formação, ou seja, desde o ambete operacoal ode são gerados os dados prmáros, passado por estágos termedáros de processameto e utlzação, até a sua fase fal, mas elaborada, ode, com apoo de modelos probablístcos, são tomadas as decsões de caráter estratégco. O objetvo deste texto é apresetar, suctamete, o cclo da formação da egehara de mauteção de trasmssão da Cemg e o sstema formatzado desevolvdo para suportar este processo. PALAVRAS-CHAVE: Trasmssão Egehara de Mauteção Cofabldade Sstemas de Iformação 1.0 INTRODUÇÃO No ovo modelo do Setor Elétrco Braslero a receta das empresas trasmssoras depede dretamete da dspobldade de seus sstemas de trasmssão. O papel estratégco que a mauteção deve desempehar este ovo cotexto mplca a mudaça do paradgma da efcêca para o da efcáca, ou seja, da preocupação focada o reparo rápdo e bem executado, para a busca da garata da dspobldade dos sstemas, com seguraça e custos adequados. Em um texto recete veculado em um portal de mauteção da Iteret (mater.com.br) o egehero Júlo Xaver susteta, com propredade, que as pergutas prcpas colocadas à mauteção são: O que a empresa precsa para ateder o mercado de forma compettva? O que a mauteção pode oferecer para ateder esta demada empresaral? Pretede-se este texto evdecar o esforço empreeddo pelo Departameto de Gerecameto de Mauteção da Trasmssão da Cemg o setdo de vablzar a realzação desta vsão estratégca por meo do domío do cclo completo da formação, ode os dcadores de desempeho despotam como elemetos chave para a tomada de decsão. O coceto subjacete à realzação deste trabalho é o de egehara de gestão da mauteção, aqu eteddo como o cojuto de atvdades, acorado o tratameto e o uso corretos da formação, vsado garatr a dspobldade dos sstemas de trasmssão de eerga elétrca. 2.0 O CICLO DA INFORMAÇÃO Ates de se descrever o cclo da formação o cotexto da egehara de mauteção de sstemas de trasmssão de eerga elétrca covém exclarecer os cocetos de dado e de formação utlzados este texto. Cosdera-se dado como qualquer represetação abstrata de um feômeo, e formação como a orgazação e a agregação de dados capaz de ser terpretada por quem a recebe. Iformação é, portato, algo provdo de sgfcado e que se orgaza para alguma faldade. A formação é de fudametal mportâca para a tomada de decsões as orgazações. No cotexto da mauteção das empresas trasmssoras de eerga elétrca mutas decsões têm mpacto dreto a receta, que depede dretamete da dspobldade dos sstemas de trasmssão. Na Cemg, as formações de egehara de mauteção, orgadas dos dados da operação e mauteção do sstema, são costruídas por meo de estágos sucessvos de processameto, almetado, este camho, os dversos processos de tomada de decsão. As decsões Av. Barbacea, 1200/13 º adar Barro Sato Agostho Belo Horzote - MG Telefoe: (31) E-mal:

2 assm tomadas rão melhorar o desempeho dos sstemas e realmetar os processos decsóros com formações ovas, caracterzado-se, deste modo, o caráter cíclco deste fluxo. As formações são processadas em quatro fases por um sstema computadorzado deomado DELTA Desempeho de Equpametos e Lhas da Trasmssão, cujos dados provêm de sstemas de plaejameto e cotrole da operação e mauteção de equpametos de subestações e lhas de trasmssão. Em cada fase sucessva do processameto as formações vão adqurdo um maor valor agregado e almetado os dversos processos relatvos à egehara de mauteção dos sstemas de trasmssão da Empresa. As fases do fluxo de formações são as segutes: 1) dados prmáros, 2) dados classfcados e agregados, 3) dcadores estatístcos e 4) probabldades. Veja Fgura 1, adate. A Operação e mauteção da Trasmssão Dados prmáros 2.1 Prmera fase: dados prmáros São os dados gerados dretamete pelos processos de operação e de execução das mauteções dos sstemas de trasmssão. Costtuem-se dos dados cadastras e dos relatvos aos evetos ocorrdos os equpametos e lhas, proveetes de três sstemas de formação: do módulo de mauteção do sstema corporatvo SAP R/3 e dos sstemas RME (Regstro de Medções e Esaos), da mauteção, e RDO (Relatóro Dáro de Ocorrêcas), da operação. Um eveto é defdo como toda dspobldade de equpameto ou de lha de trasmssão que requera a terveção da mauteção. 2.2 Seguda fase: dados classfcados e agregados Os dados de evetos, grade parte deles proveetes dos sstemas de formação da área de operação, são aalsados, codfcados e regstrados o sstema DELTA, equato os dados cadastras são captados dretamete do SAP R/3. O sstema DELTA processa estes dados prmáros, forecedo formações para processos de egehara de mauteção em ível de tecologa, tas como a aálse de falha (cujo objetvo é detfcar a causa fudametal do problema), o dagóstco de mauteção e a logístca de suprmeto de equpametos e peças de reserva. 2.3 Tercera fase: dcadores estatístcos Classfcação e agregação de dados Dados agreg. Dados agreg. Dagóstco Logístca de suprmetos Os dcadores estatístcos de desempeho de equpametos e lhas de trasmssão são calculados pelo sstema DELTA, cosderado-se um período estatístco especfcado e de acordo com as seleções possíves de serem realzadas o cadastro de equpametos e stalações e o de evetos. Cálculo de dcadores estatístcos Idcad. Estatíst. Aplcação de modelos probablístcos Probabldades Gestão da dspobldade de sstemas A Decsão Idcad. Estatíst. FIGURA 1 Cclo da formação Melhora da cofabldade de equpametos Estes dcadores referem-se aos três parâmetros terrelacoados que caracterzam a efetvdade de um sstema reparável: a cofabldade, a mauteabldade e a dspobldade. A cofabldade é defda como a probabldade de que ão ocorrerá falha o período de teresse. A mauteabldade de um sstema é determada pela facldade com que os reparos e outros servços de mauteção possam ser executados. A dspobldade é a probabldade de que um tem esteja dspoível quado requerdo, ou como a proporção do tempo total que o tem é dspoível para uso (O CONNOR, 1991). Exste um relacoameto estreto etre cofabldade e mauteabldade, um afetado o outro e ambos afetado a dspobldade e os custos. Os dcadores estatístcos estão melhor caracterzados a seção Probabldades Usualmete as decsões relatvas ao gerecameto da mauteção devem ser tomadas em um ambete caracterzado pela certeza, prcpalmete devdo às dfculdades de se determar o mometo em que ocorrerão falhas e defetos os sstemas em operação. Neste cotexto, o uso de téccas probablístcas como

3 ferrametas de auxílo aos processos decsóros torase especalmete relevate. Nesta fase do cclo de formações, a egehara de mauteção em ível de gestão ou, melhor dzedo, a egehara de gestão da mauteção, forece ao processo de gerecameto da mauteção da trasmssão as probabldades de ocorrêca de evetos o período cosderado, a partr dos dcadores de desempeho forecdos pelo sstema DELTA. Presume-se que as decsões assm tomadas rão refletr o desempeho dos sstemas, gerado ovos dados e recado-se, assm, o cclo da formação. 3.0 O SISTEMA DELTA Tem por objetvo vablzar as fases operacoas do cclo da formação, ou seja, a agregação de dados, o regstro de evetos, a geração de cosultas e relatóros e o cálculo dos dcadores de desempeho. O cohecmeto destes dcadores é fudametal para o atedmeto de demadas mportates da egehara de mauteção, tas como: subsdar estudos de egehara de mauteção em ível de tecologa (melhora da cofabldade do sstema de trasmssão); subsdar estudos de cofabldade do sstema; subsdar decsões gerecas; ateder às solctações dos órgãos reguladores do sstema elétrco braslero. As cosultas à base de dados podem ser fetas através de fltrages realzadas os segutes campos: espéce de equpameto, úmero de vetáro, tpo/modelo, período, fabrcate, local de stalação, stalação, fução da rede básca e tesão. O sstema Delta corpora a mesma estrutura de local de stalação exstete o módulo de mauteção do sstema corporatvo SAP R3. Local de stalação é defdo como uma etdade físca ou lógca, localzada em uma estrutura herárquca, a qual há atuação da mauteção e teresse de cotrole.. Ele permte a coleta e a aálse de dados em cada ível da estrutura. Cocetua-se equpameto como um objeto técco que é aalsado dvdualmete detro do processo de mauteção. As lhas são cosderadas como stalações da trasmssão e, como tal, são detfcadas e caracterzadas através de seus respectvos locas de stalação. A Fgura 3 mostra exemplos de estruturas herárqucas, represetado o auto-trasformador T1 da SE Neves 1 e a LT Neves 1 Taquarl 345 kv, cujos códgos são, respectvamete, T-S T-ATRA-T1 e T-L SE s Neves 1 Trasmssão 500 kv LT s 345 kv A Fgura 2, adate, apreseta a estrutura smplfcada do sstema DELTA, composto de três módulos: vetáro de equpametos e stalações; regstros de evetos; cálculo dos dcadores. Prot TP Trasf Trafo TC LT RBSU-TQL DELTA T1 Ivetáro Evetos FIGURA 2 Estrutura do sstema DELTA Idcadores Equp. SE Levatam. Cofab. LT Local Ist. Detalham. Mauteab. Dspob. 3.1 O vetáro de equpametos e stalações Bascamete, este vetáro é costtuído pelos equpametos de subestações, pelos equpametos de proteção, cotrole e automação e pelas lhas de trasmssão. FIGURA 3 Estrutura herárquca de local de stalação 3.2 O módulo de evetos O módulo de regstro de evetos do sstema DELTA compõe-se de duas partes: 1) levatameto de evetos e 2) detalhameto de evetos. O levatameto é costtuído de dados prmáros orgáros de sstemas de formação da área de operação do sstema de trasmssão da Empresa, equato os dados de detalhameto, mas elaborados, provêm dos regstros do módulo de mauteção do sstema corporatvo SAP R3. Os evetos levatados são dos tpos programado ou ão programado, sedo classfcados como: falhas, defetos de alta gravdade, falhas ocultas e operacoas de relés de proteção e mauteção prevetva (com ou sem detecção de defeto). As cosultas à base de dados de evetos podem ser fetas através de fltrages fetas os segutes

4 campos: tpo de eveto, espéce de equpameto, stalação, local de stalação, período, úmero de vetáro, classfcação do eveto, tesão, causa e fução dspoível. 3.3 O módulo de dcadores Este módulo utlza as bases de dados de vetáro e de evetos, para realzar os cálculos e emtr os relatóros dos dcadores de desempeho. Os cálculos são fetos de acordo com o período estatístco selecoado e com as fltrages possíves de serem estabelecdas a base de dados de vetáro. Nesta prmera etapa de desevolvmeto e aplcação do sstema buscou-se mplemetar os dcadores clásscos referetes à cofabldade, à mauteabldade e à dspobldade de sstemas reparáves. Posterormete serão mplatados outros dcadores, para subsdar estudos de egehara de mauteção drecoados ao melhorameto cotíuo do desempeho do sstema de trasmssão da empresa. Icalmete, selecoa-se o período estatístco e o objeto (lha de trasmssão ou equpameto de subestação). Os equpametos podem ser selecoados por espéce, por tesão de operação ou por fabrcate, ou por uma combação destes campos. As lhas podem ser selecoadas por tesão de operação ou por local de stalação, ou por ambos. Após a seleção do objeto, pode-se selecoar e calcular os dcadores de desempeho Os dcadores já mplemetados o sstema são: a taxa de falhas, a taxa de defetos de alta gravdade, o tempo médo para reparo e a dspobldade A taxa de falhas A taxa de falhas de um tem reparável expressa a probabldade de falha por udade de tempo, quado mas de uma falha pode ocorrer durate a vda do tem. A fórmula geral da taxa de falhas de equpametos de subestações é: NF =1 TF = Ntes t e para lhas de trasmssão é: ode: TF = = 1 = 1 NF ExtLT t 100 NF = úmero de falhas do ésmo tem Ntes = úmero de tes ExtLT = exteção, em km, da ésma lha t = período estatístco A taxa de defetos de alta gravdade É smlar à taxa de falhas. Neste caso, os evetos cosderados são os deslgametos de urgêca dos equpametos ou das lhas de trasmssão O tempo médo de reparo da fução É o tempo médo, em horas, gasto para restabelecer a fução exercda pelo equpameto o sstema por meo de reparo ou de substtução do equpameto. A fórmula geral é: ode: TMRF = 1 = = 1 HIR NF HIR = tempo gasto para restabelecer a fução exercda pelo ésmo equpameto ou pela ésma lha o sstema A dspobldade É a proporção do tempo total que o tem está dspoível para operar devdo às terveções da mauteção o período estatístco cosderado. A fórmula geral para equpametos de subestações é: INDI = = 1 = 1 HI HP 100 e para lhas de trasmssão é: ode: INDI = = 1 ( ExtLT HI ) = 1 ( ExtLT ) HP 100 HI = horas dspoíves do ésmo equpameto, ou da ésma lha, devdo às terveções da mauteção; HP = horas do período. 4.0 MODELOS PROBABIÍSTICOS DE AUXÍLIO À DECISÃO O uso de téccas estatístcas para aálse de dados e tomada de decsão as esferas técca e gerecal da mauteção é ada bastate cpete as empresas do setor elétrco braslero. Tedo-se em vsta que a mauteção deve garatr o máxmo de dspobldade dos sstemas de trasmssão com o mímo de custos, tem-se que as suas tarefas devem ser realzadas com o máxmo de prevsbldade possível. Neste cotexto, o uso de téccas de cofabldade como ferrameta de auxílo ao processo decsóro tora-se bastate útl. A segur são apresetados, suctamete, três modelos de cofabldade, para auxílo ao processo decsóro da egehara de mauteção. O prmero modelo já fo

5 desevolvdo e mplatado a empresa; o segudo está em desevolvmeto; e o tercero deverá ser desevolvdo em um futuro próxmo. 4.1 Prmero modelo: perodcdade de mauteções prevetvas de relés de proteção De acordo com o modelo de aálse desevolvdo, a perodcdade é defda em fução do maor tervalo etre speções que garata a cofabldade requerda do sstema de relés de proteção. A cofabldade é caracterzada por meo da probabldade de que o sstema rá desempehar a sua fução requerda, caso ocorra alguma perturbação o sstema protegdo (lha de trasmssão ou trasformador). As etapas de aplcação do modelo são as segutes: a) Estatístca descrtva da base de dados Nesta etapa são fetas dversas estratfcações das bases de dados, tas como: dades dos relés que falharam e ão falharam em cada tervalo do período estatístco; percetuas por quatdade de falhas e por tecologa; percetuas por quatdade de falhas e por espéce de relés (drecoas, de dstâca, de tempo, dferecas, etc). b) Aálse de cofabldade São estmadas as fuções de cofabldade dos agrupametos de relés que, a etapa ateror, revelaram apresetar desempehos semelhates. Ao fal desta etapa, são defdos os agrupametos de relés que possuem desempehos dferecados em termos de suas respectvas fuções de cofabldade: c) Escolha das perodcdades de mauteções prevetvas (speções) a serem aalsadas d) Estmação das dspobldades dos grupos de relés em cada tervalo de speção cosderado Assumdo-se a dstrbução expoecal, a equação de dspobldade é a segute: Ode: A(T I) = [1 R(T I)]/λT I A(T I) = dspobldade do grupo de relés o tempo T I; T I = tervalo etre speções aalsado; R(T I) = cofabldade do grupo de relés o tempo T I; λ = taxa de falhas do grupo de relés. A dspobldade do grupo de relés o tervalo T I, será: I(T I) = 1 - A(T I) e) Cálculo da probabldade de ocorrêca de perturbação o sstema protegdo F(T I) SP = 1 - R(T I) SP Ode: F(T I) SP = probabldade da perturbação ocorrer o tempo T I; R(T I) SP = cofabldade = probabldade de ão ocorrer perturbação o sstema protegdo, o tempo T I; T I = tempo de dspobldade do relé o tervalo sob aálse. f) Cálculo da probabldade de falha múltpla do relé, ou seja, da probabldade smultâea de ocorrêca de perturbação o sstema protegdo com o relé em estado de falha oculta. PFM(T I)= I(T I). F(T I) SP g) Cálculo da probabldade de falha múltpla em sstemas de relés redudates h) Escolha do melhor tervalo etre speções As cofabldades dos sstemas de relés de proteção assocam-se a cada perodcdade de speção aalsada. Assm, a escolha do melhor tervalo pode ser feta cojugado-se fatores téccos e ecoômcos com o rsco de falha operacoal que a orgazação se dspõe a assumr. 4.2 Segudo modelo: estmação dos mpactos faceros da cofabldade sobre a receta de atvos físcos de sstemas de trasmssão O objetvo da aplcação do modelo que está sedo desevolvdo é cohecer as característcas de cofabldade dos sstemas de trasmssão e as probabldades assocadas de perdas futuras de receta devdo a falhas e mauteções prevetvas. As prcpas etapas de desevolvmeto e de aplcação são as segutes: a) pesqusa de téccas e modelos de cofabldade e de gerêca facera aplcáves; b) cálculo dos dcadores de desempeho e de custos; c) estatístca descrtva dos dados; d) desevolvmeto e aplcação do modelo; cálculo da cofabldade do sstema; estmatva das dspobldades auas; estmatva das perdas de recetas auas. 4.3 Tercero modelo: determação da perodcdade de mauteção prevetva que maxmza a remueração de sstemas de trasmssão. A premssa básca deste modelo probablístco de aálse e decsão, a ser desevolvdo em um futuro próxmo, é a de que deve exstr um balaço ótmo etre os custos dretos de mauteções prevetvas e os custos dretos assocados às estmatvas de perdas de remueração devdo às dspobldades provocadas por falhas dos sstemas. 5.0 CONCLUSÕES O trabalho aqu apresetado é meos um produto acabado do que um camho que, vale dzer, está sedo trlhado com etusasmo por todos os que com

6 ele estão evolvdos. Este projeto pode ser avalado muto pelos resultados já obtdos e mas ada pelo excepcoal potecal que represeta para o desevolvmeto e cosoldação de uma egehara de mauteção cosoate com os ovos vetos soprados pela modera ecooma. A aplcação do modelo de cofabldade para escolha da melhor perodcdade de speções de relés de proteção resultou em uma redução de cerca de 47% a ecessdade de mão-de-obra de mauteção prevetva dos relés. - Mestrado em Egehara de Produção UFMG 1999 e Especalzação em Gestão Estratégca UFMG 2000; - Experêca profssoal: desevolvmeto de modelos de cofabldade aplcados à Egehara de Mauteção, artgo publcado a revsta Eletrcdade Modera e trabalhos apresetados em cogressos e semáros da ABRAMAN e do GCOI. Uma medda do potecal de cotrbução do projeto ao desevolvmeto da egehara de mauteção pode ser dada pelo modelo que se pretede desevolver para a determação da perodcdade ótma de mauteção prevetva de equpametos da rede básca de trasmssão. Sua aplcação represetará uma verdadera mudaça de paradgma, já que o foco atual a redução de custos de mauteção cederá lugar à preocupação com a agregação dreta de valor ao egóco de trasmssão de eerga elétrca. 6.0 BIBLIOGRAFIA (1) BUCKLAND, Mchael. Iformato as Thg. School of Lbrary ad Iformato Studes, Uversty of Calfora, Berkeley, (2) CHOO, Chu We. The Kowg Orgazato how orgazatos use formato to costruct meag, create kowledge, ad make decsos. New York, Oxford: Oxford Uversty Press, (3) KECECIOGLU, Dmtr. Mataablty, avalablty ad operatoal readess egeerg hadbook. New Jersey: Pretce Hall, (4) MOTTA, Sergo B. Perodcdade de mauteções prevetvas em dspostvos de proteção de sstemas elétrcos de potêca: aplcação de téccas quattatvas de cofabldade à egehara de mauteção. Belo Horzote: Uversdade Federal de Mas Geras, (Dssertação, Mestrado em Egehara de Produção). (5) O`CONNOR, Patrck D. T. Practcal Relablty Egeerg. Eglad: Joh Wley & Sos Ltd, (6) SIMON, Herbert. Comportameto Admstratvo: estudo dos processos decsóros as orgazações admstratvas. Ro de Jaero: Ed. da Fudação Getúlo Vargas, 1979, cap. 4 e DADOS BIOGRÁFICOS - Sergo Bradão da Motta; - Local / ao de ascmeto: Satos Dumot / 1952;

Projeto de rede na cadeia de suprimentos

Projeto de rede na cadeia de suprimentos Projeto de rede a cadea de suprmetos Prof. Ph.D. Cláudo F. Rosso Egehara Logístca II Esboço O papel do projeto de rede a cadea de suprmetos Fatores que fluecam decsões de projeto de rede Modelo para decsões

Leia mais

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples.

Estudo das relações entre peso e altura de estudantes de estatística através da análise de regressão simples. Estudo das relações etre peso e altura de estudates de estatístca através da aálse de regressão smples. Waessa Luaa de Brto COSTA 1, Adraa de Souza COSTA 1. Tago Almeda de OLIVEIRA 1 1 Departameto de Estatístca,

Leia mais

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes

A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: enchentes Mostra Nacoal de Icação Cetífca e Tecológca Iterdscplar VI MICTI Isttuto Federal Catarese Câmpus Camború 30 a 3 de outubro de 03 A REGRESSÃO LINEAR EM EVENTOS HIDROLÓGICOS EXTREMOS: echetes Ester Hasse

Leia mais

Avaliação da Localização de Base de Atendimento para Equipamentos de Movimentação de uma Empresa Siderúrgica

Avaliação da Localização de Base de Atendimento para Equipamentos de Movimentação de uma Empresa Siderúrgica Avalação da Localzação de Base de Atedmeto para Equpametos de Movmetação de uma Empresa Sderúrgca Leadro Ferades da Slva Leadro.Ferades@cs.com.br UFF Ilto Curty Leal Juor ltocurty@gmal.com UFRJ Paul Adrao

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

Perguntas Freqüentes - Bandeiras

Perguntas Freqüentes - Bandeiras Pergutas Freqüetes - Baderas Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte por lqudar a obrgação de forma parcelada

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística Grupo C - º semestre de 004 Exercíco 0 (3,5 potos) Uma pesqusa com usuáros de trasporte coletvo a cdade de São Paulo dagou sobre os dferetes tpos usados as suas locomoções dáras. Detre ôbus, metrô e trem,

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Aálse de Regressão Prof. Paulo Rcardo B. Gumarães. Itrodução Os modelos de regressão são largamete utlzados em dversas áreas do cohecmeto, tas como: computação, admstração, egeharas, bologa, agrooma, saúde,

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Faculdade de Ecooma, Admstração e Cotabldade de Rberão Preto Ecooma Moetára Curso de Ecooma / º. Semestre de 014 Profa. Dra. Rosel da Slva Nota de aula CAPM Itrodução Há dos modelos bastate utlzados para

Leia mais

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria

2 Avaliação da segurança dinâmica de sistemas de energia elétrica: Teoria Avalação da seguraça dâmca de sstemas de eerga elétrca: Teora. Itrodução A avalação da seguraça dâmca é realzada através de estudos de establdade trastóra. Nesses estudos, aalsa-se o comportameto dos geradores

Leia mais

ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL

ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL ANÁLISE DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL UTILIZANDO ESTATÍSTICA ESPACIAL Dese de Mrada e Slva Correa Vâa Barcellos Gouvêa Campos Isttuto Mltar de Egehara Resumo Neste trabalho apreseta-se uma aálse espacal

Leia mais

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre Uma Calculadora Facera usado métos umércos e software lvre Jorge edraza Arpas, Julao Sott, Depto de Cêcas e Egeharas, Uversdade Regoal ItegradaI, URI 98400-000-, Frederco Westphale, RS Resumo.- Neste trabalho

Leia mais

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo

Monitoramento ou Inventário Florestal Contínuo C:\Documets ad Settgs\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_EF_44\ef44_PDF\CAP XIV_IFCOTIUO.doc 6 Motorameto ou Ivetáro Florestal Cotíuo Agosto Lopes de Souza. ITRODUÇÃO Parcelas permaetes de vetáro florestal cotíuo

Leia mais

Perguntas freqüentes Credenciadores

Perguntas freqüentes Credenciadores Pergutas freqüetes Credecadores Como devo proceder para prestar as formações de quatdade e valor das trasações com cartões de pagameto, os casos em que o portador opte pelo facameto da compra pelo emssor?

Leia mais

Ana Clara P. Campos 1 Denise Nunes Viola 1 Moacyr Cunha Filho 2 Guilherme Vilar 2 Vanessa Van Der Linden 3

Ana Clara P. Campos 1 Denise Nunes Viola 1 Moacyr Cunha Filho 2 Guilherme Vilar 2 Vanessa Van Der Linden 3 Idetfcação da exstêca de padrão espacal aleatóro a dstrbução dos pacetes portadores de doeça geétca rara com defcêca físca da Assocação de Assstêca à Craça Defcete (AACD) de Perambuco Aa Clara P. Campos

Leia mais

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico Capítulo : Erros em cálculo umérco. Itrodução Um método umérco é um método ão aalítco, que tem como objectvo determar um ou mas valores umércos, que são soluções de um certo problema. Ao cotráro das metodologas

Leia mais

Palavras-Chave: Teoria das Restrições, Decisões a Longo Prazo, Simulação de Monte Carlo.

Palavras-Chave: Teoria das Restrições, Decisões a Longo Prazo, Simulação de Monte Carlo. Teora das Restrções e Decsões de Logo Prazo: Camho para a Covergêca Autores PABLO ROGERS Uversdade Federal de Uberlâda ERNANDO ANTONIO REIS Uversdade Federal de Uberlâda Resumo Advogam os crítcos da Teora

Leia mais

FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM

FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM FERRAMENTA AVALIATIVA DINÂMICA A PARTIR DA TEORIA DE RESPOSTA AO ITEM Fabríca D. Satos, Lucla G. Rbero, Leoardo G. de R. Guedes, Weber Marts Uversdade Católca de Goás, Departameto de Computação Uversdade

Leia mais

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação

CAPÍTULO 9 - Regressão linear e correlação INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO 9 - Regressão lear e correlação Veremos esse capítulo os segutes assutos essa ordem: Correlação amostral Regressão Lear Smples Regressão Lear Múltpla Correlação

Leia mais

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental.

É o grau de associação entre duas ou mais variáveis. Pode ser: correlacional ou experimental. É o grau de assocação etre duas ou mas varáves. Pode ser: Prof. Lorí Val, Dr. val@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/val www.pucrs.br/famat/val/ correlacoal ou expermetal. Numa relação expermetal os valores

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO ÀS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA 003 Iformações: relembra-se os aluos teressados que a realzação de acções presecas só é possível medate solctação vossa, por escrto, à assstete da cadera. A realzação

Leia mais

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático

Requisitos metrológicos de instrumentos de pesagem de funcionamento não automático Requstos metrológcos de strumetos de pesagem de fucoameto ão automátco 1. Geeraldades As balaças estão assocadas de uma forma drecta à produção do betão e ao cotrolo da qualdade do mesmo. Se são as balaças

Leia mais

de Energia Geração Térmica

de Energia Geração Térmica Sstema Itegrado de Plaeameto e Comercalzação de Eerga Geração Térmca Rafael de Souza Favoreto, CEHPAR LACTEC; Marcelo Rodrgues Bessa, CEHPAR LACTEC; Wlso Tadeu Pzzatto, COPEL; Luz Roberto Morgester Ferrera,

Leia mais

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A.

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A. MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS M. Z. Nascmeto, A. F. Frère e L. A. Neves INTRODUÇÃO O cotraste as radografas vara ao logo do campo de

Leia mais

ÍNDICE DE TERMOS: MOTOR DEDICADO, PADRONIZAÇÃO;

ÍNDICE DE TERMOS: MOTOR DEDICADO, PADRONIZAÇÃO; Aplcação de Motores de Méda esão dedcados acoados por versor de frequêca e utlzação de um úco projeto em dferetes solctações de carga. Gleuber Helder Perera Rodrgues Esp. Eg. WEG Brasl gleuber@weg.et Alex

Leia mais

A Medição e o Erro de Medição

A Medição e o Erro de Medição A Medção e o Erro de Medção Sumáro 1.1 Itrodução 1.2 Defções 1.3 Caracterzação da qualdade de medção 1.4 O erro da medção 1.4.1 Os erros aleatóros 1.4.2 Os erros sstemátcos 1.5 O verdadero valor, o erro

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

SUMÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Cid Ferreira Gomes Governador. 1. Introdução... 2. Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Goverador Domgos Gomes de Aguar Flho Vce Goverador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GES- TÃO (SEPLAG)

Leia mais

3 Precificação de resseguro

3 Precificação de resseguro Precfcação de Resseguro 35 3 Precfcação de resseguro Este capítulo traz prmeramete uma oção ampla das aplcações das metodologas de precfcação de resseguro para melhor compreesão do mesmo Da seção 3 até

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesqusa ISS: 1517-972 revedu@usp.br Uversdade de São Paulo Brasl Helee, Otavao Evolução da escolardade esperada o Brasl ao logo do século XX Educação e Pesqusa, vol. 38, úm. 1, marzo, 212, pp.

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA COMPUTACIONAL GRÁFICA PARA ESTUDOS DE FLUXO DE CARGA DE SISTEMAS DE POTÊNCIA

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA COMPUTACIONAL GRÁFICA PARA ESTUDOS DE FLUXO DE CARGA DE SISTEMAS DE POTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA COMPUTACIONAL GRÁFICA PARA ESTUDOS DE FLUXO DE CARGA DE SISTEMAS DE POTÊNCIA Thales Lma Olvera, Geraldo Caxeta Gumarães, Márco Augusto Tamashro Uversdade Federal de Uberlâda,

Leia mais

Gestão de Sistemas de Produção/Operações Profº Túlio de Almeida

Gestão de Sistemas de Produção/Operações Profº Túlio de Almeida Gestão de Sstemas de Produção/Operações Profº Túlo de Almeda 3. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E INDICADORES 3.1. INDICADORES DE DESEMPENHO Os dcadores são tes essecas para qualquer tpo de projeto, processo,

Leia mais

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado.

Em atendimento à solicitação de V.Sa., apresentamos, na seqüência, os resultados do estudo referenciado. 1 Belo Horzote, 14 de abrl de 2007. À UNAFISCO SAÚDE AT.: Glso Bezerra REF: AVALIAÇÃO ATUARIAL Prezado Sehor, Em atedmeto à solctação de V.Sa., apresetamos, a seqüêca, os resultados do estudo referecado.

Leia mais

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Projeção de Cenários Aplicados ao Orçamento Empresarial Com revisão das Ferramentas de Estatística Projeção de Ceáros Aplcados ao Orçameto Empresaral Com revsão das Ferrametas de Estatístca Prof. Dr. Marco Atoo Leoel Caetao TÓPICO Tratameto, Quatfcação e Vsualzação de Dados Faceros. Itrodução Na dvulgação

Leia mais

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89

Nota Técnica n o 037/2013-SRG/ANEEL. Em 17 de maio de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Nota Técca o 037/2013-SRG/ANEEL Em 17 de mao de 2013. Processo: 48500.002907/2010-89 Assuto: Cosoldação de todas as regulametações referetes à apuração de dspobldades de empreedmetos de geração de eerga

Leia mais

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros

2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros Estrutura a Termo de Taxa de Juros 20 2 Estrutura a Termo de Taxa de Juros A Estrutura a termo de taxa de juros (também cohecda como Yeld Curve ou Curva de Retabldade) é a relação, em dado mometo, etre

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS

PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS PROCEDIMENTOS DE CÁLCULO DE INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM MEDIÇÕES DIRETAS E INDIRETAS Prof José Leoardo Noroha M Eg Departameto de Egehara de Prodção Escola Federal de Egehara de Itabá EFEI RESUMO: Neste trabalho

Leia mais

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva

CAPÍTULO 2 - Estatística Descritiva INF 6 Prof. Luz Alexadre Peterell CAPÍTULO - Estatístca Descrtva Podemos dvdr a Estatístca em duas áreas: estatístca dutva (ferêca estatístca) e estatístca descrtva. Estatístca Idutva: (Iferêca Estatístca)

Leia mais

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA

Marília Brasil Xavier REITORA. Prof. Rubens Vilhena Fonseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA Maríla Brasl Xaver REITORA Prof. Rubes Vlhea Foseca COORDENADOR GERAL DOS CURSOS DE MATEMÁTICA MATERIAL DIDÁTICO EDITORAÇÃO ELETRONICA Odvaldo Texera Lopes ARTE FINAL DA CAPA Odvaldo Texera Lopes REALIZAÇÃO

Leia mais

AMOSTRAGEM EM DOIS ESTÁGIOS COM UNIDADES PRIMÁRIAS DE TAMANHOS DIFERENTES SUBSAMPLING TO TWO PROBATION WITH PRIMARY UNITS OF UNEQUAL SIZES

AMOSTRAGEM EM DOIS ESTÁGIOS COM UNIDADES PRIMÁRIAS DE TAMANHOS DIFERENTES SUBSAMPLING TO TWO PROBATION WITH PRIMARY UNITS OF UNEQUAL SIZES Cêca Florestal, v.6,., p.47-55 47 ISS 003-9954 AMOSTRAGEM EM DOIS ESTÁGIOS COM UIDADES PRIMÁRIAS DE TAMAHOS DIFERETES SUBSAMPLIG TO TWO PROBATIO WITH PRIMARY UITS OF UEQUAL SIZES Sylvo Péllco etto RESUMO

Leia mais

ANAIS O JOGO DA LOGÍSTICA E SUAS VARIANTES NO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES

ANAIS O JOGO DA LOGÍSTICA E SUAS VARIANTES NO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES O JOGO DA LOGÍSTICA E SUAS VARIANTES NO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES MARCOS RICARDO ROSA GEORGES ( marcos.georges@puc-campas.edu.br, marcos_georges@yahoo.com.br ) PUC-CAMPINAS Resumo Este artgo

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA

AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA versão mpressa ISSN 00-7438 / versão ole ISSN 678-542 AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UFRJ EMPREGANDO UMA VARIANTE DESENVOLVIDA DO MÉTODO UTA Luís Alberto Duca Ragel UFF-COPPE/PEP/UFRJ

Leia mais

Projeção Populacional 2013-2020 para a Cidade do Rio de Janeiro: uma aplicação do método AiBi

Projeção Populacional 2013-2020 para a Cidade do Rio de Janeiro: uma aplicação do método AiBi ISSN 1984-7203 Projeção Populacoal 2013-2020 para a Cdade do Ro de Jaero: uma aplcação do método AB Nº 20130102 Jaero - 2013 Iva Braga Ls 1, Marcelo Pessoa da Slva, Atoo Carlos Carero da Slva, Sérgo Gumarães

Leia mais

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS

APLICAÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGIA A PROBLEMAS DE INSTABILIDADE DE ESTRUTURAS PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO DE JNEIRO DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PLICÇÕES DE MÉTODOS DE ENERGI PROBLEMS DE INSTBILIDDE DE ESTRUTURS Julaa Bragh Ramalho Raul Rosas e Slva lua de graduação do curso

Leia mais

RAI - Revista de Administração e Inovação ISSN: 1809-2039 campanario@uninove.br Universidade de São Paulo Brasil

RAI - Revista de Administração e Inovação ISSN: 1809-2039 campanario@uninove.br Universidade de São Paulo Brasil RAI - Revsta de Admstração e Iovação ISSN: 809-2039 campaaro@uove.br Uversdade de São Paulo Brasl Cotador, José Luz; Cotador, José Celso; Herques de Carvalho, Marcus Fabus; Olvera Costa Neto, Pedro Luz

Leia mais

Curso de An lise de Fluxo de Caixa

Curso de An lise de Fluxo de Caixa Curso de A lse de Fluxo de Caxa SUMÁRIO PROGRESSÕES... 0. FÓRMULAS BÁSICAS... 0.. Progressões artmétcas... 0..2 Progressões geométrcas... 02.2 EXERCÍCIOS SUGERIDOS... 02 2 CONCEITOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA...

Leia mais

FERRAMENTAS DE ANÁLISE DE RISCOS EM ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

FERRAMENTAS DE ANÁLISE DE RISCOS EM ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS FERRAMENTAS DE ANÁLISE DE RISCOS EM ESTRATÉGIAS EMRESARIAIS or: Herbert Kmura RAE-eletrôca, Volume, Número 2, jul-dez/2002. http://www.rae.com.br/eletroca/dex.cfm?fuseacto=artgo&id=825&secao=wc&volume=&numero=2&ao=

Leia mais

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA UTILIZANDO MÉTODOS DE TANQUE CLASSE A PROPOSTOS PELA FAO, NA REGIÃO DE MOSSORÓ, RN Tayd Dayvso Custódo Pexoto ; Sérgo Luz Agular Leve ; Adre Herma Frere Bezerra 3 ; José

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

Lealdade à Marca e Sensibilidade ao Preço: Um Estudo da Escolha da Marca pelo Consumidor. Autoria: Delane Botelho, André Torrres Urdan.

Lealdade à Marca e Sensibilidade ao Preço: Um Estudo da Escolha da Marca pelo Consumidor. Autoria: Delane Botelho, André Torrres Urdan. Lealdade à Marca e Sesbldade ao Preço: Um Estudo da Escolha da Marca pelo Cosumdor Autora: Delae Botelho, Adré Torrres Urda Resumo Este artgo usa dados em pael do tpo escaeados, desagregados ao ível de

Leia mais

Unidade II ESTATÍSTICA

Unidade II ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA Udade II 3 MEDIDAS OU PARÂMETROS ESTATÍSTICOS 1 O estudo que fzemos aterormete dz respeto ao agrupameto de dados coletados e à represetação gráfca de algus deles. Cumpre agora estudarmos as

Leia mais

Cálculo de média a posteriori através de métodos de integração numérica e simulação monte carlo: estudo comparativo

Cálculo de média a posteriori através de métodos de integração numérica e simulação monte carlo: estudo comparativo INGEPRO Iovação, Gestão e Produção Jaero de 010, vol. 0, o. 01 www.gepro.com.br Cálculo de méda a posteror através de métodos de tegração umérca e smulação mote carlo: estudo comparatvo Helto Adre Lopes

Leia mais

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C)

RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA. Juro Bom Investimento C valor aplicado M saldo ao fim da aplicação J rendimento (= M C) RESUMO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA I. JUROS SIMPLES ) Elemetos de uma operação de Juros Smples: Captal (C); Motate (M); Juros (J); Taxa (); Tempo (). ) Relação etre Juros, Motate e Captal: J = M C ) Defção

Leia mais

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes UERJ CTC IE Departameto de Iormátca e Cêca da Computação Udade I - Erros as apromações umércas. I. - Cosderações geras. Há váras stuações em dversos campos da cêca em que operações umércas são utlzadas

Leia mais

Analise do Programa Bolsa Familia e o problema de assimetria de informação (Moral Hazard)

Analise do Programa Bolsa Familia e o problema de assimetria de informação (Moral Hazard) Aalse do Programa Bolsa Famla e o problema de assmetra de formação (Moral Hazard) Adão Rodrgues 1 Júla Araújo 2 Resumo: O objetvo deste trabalho é aalsar os problemas exstetes o programa de trasferêca

Leia mais

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9

IND 1115 Inferência Estatística Aula 9 Coteúdo IND 5 Iferêca Estatístca Aula 9 Outubro 2004 Môca Barros Dfereça etre Probabldade e Estatístca Amostra Aleatóra Objetvos da Estatístca Dstrbução Amostral Estmação Potual Estmação Bayesaa Clássca

Leia mais

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva

LEASING UMA OBSERVAÇÃO Economista Antonio Pereira da Silva LEASING UMA OBSERVAÇÃO Ecoomsta Atoo Perera da Slva AMOR POR DINHEIRO TITÃS Composção: Sérgo Brtto e To Bellotto Acma dos homes, a le E acma da le dos homes A le de Deus Acma dos homes, o céu E acma do

Leia mais

TT.405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Material Didático - 2008 Prof. Lúcia R. A. Montanhini

TT.405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Material Didático - 2008 Prof. Lúcia R. A. Montanhini INTRODUÇÃO TT405 - ECONOMIA DE ENGENHARIA Materal Ddátco - 2008 Prof Lúca R A Motah INTRODUÇÃO 2 INDICE INTRODUÇÃO 7 2 O CONCEITO E ORIGEM DA ENGENHARIA ECONÔMICA 8 3 MATEMÁTICA FINANCEIRA 9 3 CONCEITOS

Leia mais

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial Ecoometra: 4 - Regressão últpla em Notação atrcal Prof. arcelo C. ederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. arco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo

Leia mais

MANUTENÇÃO CENTRADA EM CONFIABILIDADE: APLICANDO UMA ABORDAGEM QUANTITATIVA

MANUTENÇÃO CENTRADA EM CONFIABILIDADE: APLICANDO UMA ABORDAGEM QUANTITATIVA XXII Ecotro Nacoal de Egehara de Produção Curtba PR, 23 a 25 de outubro de 2002 MANUTENÇÃO CENTRADA EM CONFIABILIDADE: APLICANDO UMA ABORDAGEM QUANTITATIVA Mguel Afoso Selltto, MSc. Eg. Uversdade do Vale

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA SÉRGIO KATO A expressão dados, será ctada dversas vezes esta dscpla, em lguagem ormal, dados são ormações (úmeros ou ão) sobre um dvíduo (pessoa,

Leia mais

Risco Moral na Utilização de Serviços de Saúde no Brasil

Risco Moral na Utilização de Serviços de Saúde no Brasil Rsco Moral a Utlzação de Servços de Saúde o Brasl Resumo Autora: Lus Gabrel Marques Regato, Luís duardo Afoso Neste trabalho fo vestgada a preseça de rsco moral o sstema de plaos de saúde do Brasl, por

Leia mais

Notas em Matemática Aplicada 9

Notas em Matemática Aplicada 9 Notas em atemátca Aplcada 9 Edtado por Elaa XL de Adrade Uversdade Estadual aulsta - UNES São José do Ro reto, S, Brasl Rubes Sampao otfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero Ro de Jaero, RJ, Brasl Geraldo

Leia mais

Sistema Kanban para fábrica de tintas

Sistema Kanban para fábrica de tintas Sstema Kaba para ábrca de ttas José Luz Cotador Proessor do Programa de Pós-Graduação em Admstração Uove; Doutor em Egehara Aeroáutca e Mecâca - Isttuto Tecológco de Aeroáutca ITA. [Brasl] luz@eg.uesp.br

Leia mais

Variância estatística associada a métodos semi-empíricos para estimativa da capacidade de carga de estacas

Variância estatística associada a métodos semi-empíricos para estimativa da capacidade de carga de estacas Teora e Prátca a Egehara vl,.0, p.6-67, ovemro, 0 arâca estatístca assocada a métodos sem-empírcos para estmatva da capacdade de carga de estacas Statstcal varace assocated wth sem-emprcal methods for

Leia mais

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13.

12.2.2 CVT: Coeficiente de Variação de Thorndike...45 12.2.3 CVQ: Coeficiente Quartílico de Variação...45 13 MEDIDAS DE ASSIMETRIA...46 13. SUMARIO 2 MÉTODO ESTATÍSTICO...3 2. A ESTATÍSTICA...3 2.2 FASES DO MÉTODO ESTATÍSTICO...4 3 FERRAMENTAS DE CÁLCULO PARA O ESTUDO DA ESTATÍSTICA...5 3. FRAÇÃO...5 3.. Adção e subtração...5 3..2 Multplcação

Leia mais

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc.

Estatística Notas de Aulas ESTATÍSTICA. Notas de Aulas. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Professor Inácio Andruski Guimarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas ESTATÍSTICA Notas de Aulas Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Professor Iáco Adrus Gumarães, DSc. Estatístca Notas de Aulas SUMÁRIO CONCEITOS BÁSICOS 5. Estatístca. Estatístca

Leia mais

TEXTO SUJEITO A REVISÃO

TEXTO SUJEITO A REVISÃO Aálse Comparatva de duas Metodologas Factíves para o Cálculo de IPCs com a Utlzação de Mcrodados do IPC-FIPE Hero Carlos Esvael do Carmo TEXTO SUJEITO A REVISÃO Resumo O prcpal objetvo deste texto é aalsar,

Leia mais

Capitulo 8 Resolução de Exercícios

Capitulo 8 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Audades Peródcas, Crescetes e Postecpadas, com Termos em P. A. G 1 1 1 1 G SPAC R R s s 1 1 1 1 1 G G C R a R a 1 1 PAC Audades Gradetes Postecpadas S GP G 1 1 ; C GP G 1 1 1 Audades Gradetes

Leia mais

MATERIAL DE ESTATÍSTICA II PROF. MÁRIO ROBERTO

MATERIAL DE ESTATÍSTICA II PROF. MÁRIO ROBERTO 1 VARIÁVEIS ALEATÓRIAS O que se etede por varável aleatóra? Até agora ossos estudos estavam pratcamete voltados mas para defrmos osso Espaço Amostral U, sem assocarmos suas respectvas probabldades aos

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística Resolução das atvdades complemetares Matemátca M8 Noções de Estatístca p. 3 (UFRJ) Dos estados do país, um certo ao, produzem os mesmos tpos de grãos. Os grácos de setores lustram a relação etre a produção

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística

Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística Prof. Lorí Val, Dr. http://www.pucrs.br/famat/val/ val@pucrs.br Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Prof. Lorí Val, Dr. PUCRS FAMAT: Departameto de Estatístca Obetvos A Aálse de

Leia mais

Capítulo 1 PORCENTAGEM

Capítulo 1 PORCENTAGEM Professor Joselas Satos da Slva Matemátca Facera Capítulo PORCETAGEM. PORCETAGEM A porcetagem ada mas é do que uma otação ( % ) usada para represetar uma parte de cem partes. Isto é, 20% lê-se 20 por ceto,

Leia mais

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004

Elaborado: 2002 Ultima atualização: 23/12/2004 Elaborado: 2002 Ultma atualzação: 23/12/2004 Cadero de Fórmulas Apresetação Sstema Nacoal de Atvos E ste Cadero de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de

Leia mais

Estatística Agosto 2009 Campus do Pontal Prof. MSc. Quintiliano Siqueira Schroden Nomelini

Estatística Agosto 2009 Campus do Pontal Prof. MSc. Quintiliano Siqueira Schroden Nomelini Estatístca Agosto 009 Campus do Potal Prof. MSc. Qutlao Squera Schrode Nomel - ESTATÍSTICA DESCRITIVA. - A NATUREZA DA ESTATÍSTICA COMO SURGIU A ESTATÍSTICA????? A Matemátca surge do covívo socal, da cotagem,

Leia mais

ÁLBUNS DE FIGURINHAS, O PROBLEMA DO COLECIONADOR DE CUPONS E PROGRAMAÇÃO EM VBA?

ÁLBUNS DE FIGURINHAS, O PROBLEMA DO COLECIONADOR DE CUPONS E PROGRAMAÇÃO EM VBA? ÁLBUNS DE FIGURINHAS, O PROBLEMA DO COLECIONADOR DE CUPONS E PROGRAMAÇÃO EM VBA? Fláva Fretas Maa Rafael G Barbastefao 2 Dayse Hame Pastore 3 Resumo: Este trabalho apreseta uma proposta de estudo do Problema

Leia mais

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA

Professor Mauricio Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA Proessor Maurco Lutz ESTATÍSTICA BÁSICA. Coceto Exstem mutas deções propostas por autores, objetvado estabelecer com clareza o que é estatístca, como por exemplo: Þ A Estatístca é um cojuto de métodos

Leia mais

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST

ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST ELECTROTECNIA TEÓRICA MEEC IST º Semestre 05/6 3º TRABALHO LABORATORIAL CIRCUITO RLC SÉRIE em Regme Forçado Alterado Susodal Prof. V. Maló Machado Prof. M. Guerrero das Neves Prof.ª Mª Eduarda Pedro Eg.

Leia mais

Orientadora: Profª Drª Maria Adélia Oliveira M. da Cruz Co-Orientadores: Prof Dr. Paulo de Paula Mendes Prof Dr. Manoel da Cunha Costa

Orientadora: Profª Drª Maria Adélia Oliveira M. da Cruz Co-Orientadores: Prof Dr. Paulo de Paula Mendes Prof Dr. Manoel da Cunha Costa UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO - UFRPE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PRPPG PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOMETRIA (NÍVEL: MESTRADO) Dssertação apresetada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

FUNDAMENTOS DE FINANÇAS E CUSTOS MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO E NEGÓCIOS

FUNDAMENTOS DE FINANÇAS E CUSTOS MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO E NEGÓCIOS 1 João Edso Tamel Marts FUNDAMENTOS DE FINANÇAS E CUSTOS & MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À GESTÃO E NEGÓCIOS Permtda a reprodução pelos aluos dos Cursos Téccos da ETE Pro. Camargo Araha 013 Apresetação

Leia mais

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária.

3. Porcentagem; 4. Problemas sobre custo e venda; 5. Fator de capitalização e taxa unitária. 1 UTOR: Emeta Luz Herque M da Slva 1 Defções de razão e proporção, propredades; Graduado em Matemátca e habltado em ísca pelo UNIEB 2 Gradezas dretamete proporcoas e versamete proporcoas, Regra de três;

Leia mais

Neste capítulo pretende-se introduzir o conceito de centróide, em especial quando aplicado para o caso de superfícies planas.

Neste capítulo pretende-se introduzir o conceito de centróide, em especial quando aplicado para o caso de superfícies planas. Físca plcada à Egehara vl II aulo Medes ENTRÓIDES Neste capítulo pretede-se troduzr o coceto de cetróde, em especal quado aplcado para o caso de superfíces plaas. Este documeto, costtu apeas um strumeto

Leia mais

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA

CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA CENTRO: GESTÃO ORGANIZACIONAL CÁLCULOS DE FINANÇAS MATEMÁTICA FINANCEIRA Semestre: A/2008 PROFESSOR: IRANI LASSEN CURSO: ALUNO: SUMÁRIO CÁLCULOS DE FINANÇAS INTRODUÇÃO...3. OBJETIVO:...3.2 FLUXO DE CAIXA...4.3

Leia mais

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros.

JUROS SIMPLES. i 100 i 100. TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplicada ao mesmo capital, no mesmo prazo, produze o mesmo juros. JUROS MONTANTE JUROS SIMPLES J = C 0 * * t 00 M = C * + * t 00 TAXA PROPORCIONAL: É aquela que aplcada ao mesmo captal, o mesmo prazo, produze o mesmo juros. * = * JUROS COMPOSTOS MONTANTE M = C * + 00

Leia mais

Teoria da Amostragem

Teoria da Amostragem Teora da Amostragem I- oções fudametas sobre amostragem. Amostragem é todo o processo de recolha de uma parte, geralmete pequea, dos elemetos que costtuem um dado couto. Da aálse dessa parte pretede obter-se

Leia mais

UMA NOVA METODOLOGIA PARA TREINAMENTO EM REDES NEURAIS MULTI CAMADAS

UMA NOVA METODOLOGIA PARA TREINAMENTO EM REDES NEURAIS MULTI CAMADAS UMA OVA METODOLOGIA PARA TREIAMETO EM REDES EURAIS MULTI CAMADAS Luz Carlos C. Pedroza Pedroza@cefet-rj.br CEFET-RJ Av. Maracaã, 229 Ro de Jaero, CEP 2027-0 Carlos E. Pedrera pedrera@ele.puc-ro.br DEE

Leia mais

Notas de aula da disciplina Probabilidade e Estatística

Notas de aula da disciplina Probabilidade e Estatística otas de aula da dscpla Probabldade e Estatístca Proessor M Sc Adré Luz DAMAT - UTFPR Esta apostla apreseta os tópcos prcpas abordados em sala de aula, cotedo deções, teoremas, eemplos Sua letura ão é obrgatóra,

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS POR REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO

MODELAGEM DE DADOS POR REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO ODEAGE DE DADOS POR REGRESSÃO INEAR ÚTIPA PARA AVAIAÇÃO DE IÓVEIS RURAIS DO SUBÉDIO SÃO FRANCISCO JOSÉ ANTONIO OURA E SIVA Isttuto Nacoal de Colozação e Reforma Agrára - INCRA UIZ RONADO NAI 3 Isttuto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA NÚMEROS ÍNDICES Aa Mara Lma de Faras Luz da Costa Laurecel Com a colaboração dos motores Maracajaro

Leia mais

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas

Capítulo 6 - Centro de Gravidade de Superfícies Planas Capítulo 6 - Cetro de ravdade de Superfíces Plaas 6. Itrodução O Cetro de ravdade (C) de um sóldo é um poto localzado o própro sóldo, ou fora dele, pelo qual passa a resultate das forças de gravdade que

Leia mais

UMA ANÁLISE ESPACIAL DA INSUFICIÊNCIA E DA DESIGUALDADE DE RENDA NOS MUNICÍPIOS SERGIPANOS, 1991-2000

UMA ANÁLISE ESPACIAL DA INSUFICIÊNCIA E DA DESIGUALDADE DE RENDA NOS MUNICÍPIOS SERGIPANOS, 1991-2000 Aas III Smpóso Regoal de Geoprocessameto e Sesorameto Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 UMA ANÁLISE ESPACIAL DA INSUFICIÊNCIA E DA DESIGUALDADE DE RENDA NOS MUNICÍPIOS SERGIPANOS, 99-2000 OLIVEIRA,

Leia mais

O mercado de renda fixa e a estrutura da taxa de juro

O mercado de renda fixa e a estrutura da taxa de juro O mercado de reda fxa e a estrtra da taxa de jro No Brasl, a egocação o mercado de reda fxa egloba títlos públcos e títlos prvados. O strmeto para a expressão da remeração e/o o valor de mercado de cada

Leia mais

Relatório Final da disciplina de Probabilidades e Estatística. Economia Gestão Informática e Gestão

Relatório Final da disciplina de Probabilidades e Estatística. Economia Gestão Informática e Gestão Relatóro Fal da dscpla de Probabldades e Estatístca Ecooma Gestão Iformátca e Gestão Docetes: Paulo Ifate (resposável) Iês Sousa Das Ao Lectvo 007/008 Ídce Relatóro Crítco de Leccoação Programa detalhado

Leia mais

Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA

Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA Capítulo 5 EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO DA MASSA O objetvo deste capítulo é apresetar formas da equação da coservação da massa em fução de propredades tesvas faclmete mesuráves, como a temperatura, a pressão,

Leia mais

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL

FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL rofessores Ealdo Vergasta, Glóra Márca e Jodála Arlego ENCONTRO RM 0 FINANCIAMENTOS UTILIZANDO O EXCEL INTRODUÇÃO Numa operação de empréstmo, é comum o pagameto ser efetuado em parcelas peródcas, as quas

Leia mais

ANÁLISE DE CORRELAÇÃO: ABORDAGEM TEÓRICA E DE CONSTRUÇÃO DOS COEFICIENTES COM APLICAÇÕES

ANÁLISE DE CORRELAÇÃO: ABORDAGEM TEÓRICA E DE CONSTRUÇÃO DOS COEFICIENTES COM APLICAÇÕES UNIVERIDADE FEDERAL DO PARANÁ ANÁLIE DE CORRELAÇÃO: ABORDAGEM TEÓRICA E DE CONTRUÇÃO DO COEFICIENTE COM APLICAÇÕE CURITIBA 004 ACHIKO ARAKI LIRA ANÁLIE DE CORRELAÇÃO: ABORDAGEM TEÓRICA E DE CONTRUÇÃO DO

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO V-104 STABILIZER DE PRODUÇÃO DE LPG - GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO CAMPO PETROLÍFERO DO MALONGO/CABINDA/ANGOLA

OTIMIZAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO V-104 STABILIZER DE PRODUÇÃO DE LPG - GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO CAMPO PETROLÍFERO DO MALONGO/CABINDA/ANGOLA OTIMIZAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO V-104 STABILIZER DE PRODUÇÃO DE LPG - GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO CAMPO PETROLÍFERO DO MALONGO/CABINDA/ANGOLA KÁTIA MARIANA SILIVELI EPALANGA - Egehera Químca Dssertação

Leia mais

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais