Evidências recentes na revascularização miocárdica: SYNTAX, ASCERT, FREEDOM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evidências recentes na revascularização miocárdica: SYNTAX, ASCERT, FREEDOM"

Transcrição

1 H o s p i t a l d e SANTA MARIA Unidade de Cardiologia de Intervenção Joaquim Oliveira Evidências recentes na revascularização miocárdica: SYNTAX, ASCERT, FREEDOM A cirurgia cardíaca deve recuperar terreno à intervenção coronária percutânea? NÃO Pedro Canas da Silva Cardiologia, HSM, CHLN

2

3 Estudos sobre revascularização na doença multivaso e diabetes Apenas clinico-angiográficos (Sem avaliação funcional - FFR?) SYNTAX (estudo aleatorizado) FREEDOM (estudo aleatorizado ) ASCERT (estudo observacional) resultante da avaliação das bases de dados de dois registos diferentes (da ACCF e da STS) Será que estes estudos trouxeram algo de novo? NÃO

4 Tratamento actual da doença coronária US US 7% 2% Medical Rx PCI CABG Europe 8% 6% 1% Medical Rx PCI CABG PCI + CABG 91% 85% CDC MMWR 2007;56: Eur Heart J 2005;26: J Am Coll Cardiol 2002;39: PSST 5077

5 CABG vs. ICP - Prós e contras + Alívio da Angina + Redução de reintervenção + Anatomia Complexa + Revascularização Completa +Redução da Mortalidade em grupos selecionados de doentes - Custos potencialmente mais elevados - Invasiva CABG + Inicialmente custo-efectiva + Recuperação rápida + Menos complicações agudas + Menos invasiva - Restenose - Aumento da taxa de revascularização PCI Historicamente CABG é o standard no tratamento de doentes com doença do TC ou Multivaso

6 H o s p i t a l d e SANTA MARIA Cirurgia (CABG) Unidade de Cardiologia de Intervenção Joaquim Oliveira René Favaloro (Cleveland Clinic Maio 1967) Mas: Vladimir Demikhov, 1953 Vasilii Kolesov, 1964 David Sabiston Michael DeBakey Bailey, Reed MIE Carpentier - Radial

7 H o s p i t a l d e SANTA MARIA Unidade de Cardiologia de Intervenção Joaquim Oliveira Angioplastia coronária (ICP) Andreas Gruentzig Angioplastia coronária

8 Julio Palmaz Antonio Colombo Stents 1980 Dupla antiagregação, IVUS Stents fármaco-activos

9 Intervenções nas D. Cardiovasculares CAT ICP Cir. Card. CABG Heart Disease and Stroke Statistics. Circulation. Janeiro 27, 2009

10 Prevalence Prevalence of CAD: 2004 US data: 15.8 million Prevalence of procedures: 2004 US data: 249,000 CABG and 664,000 PCI

11 Temporal Trends in Revascularization and Medical Therapy Among Patients with 3-Vessel CAD Drug-eluting stents Approved by FDA p for trend in CABG surgery <0.01 Period CABG Surgery PCI Medical Therapy Jan-Mar % 36.9% 27.9% Apr-Jun % 36.2% 24.7% Jul-Sep % 34.6% 26.7% Oct-Dec % 34.0% 26.4% Jan-Mar % 37.2% 28.0% Apr-Jun % 34.4% 29.6% Jul-Sep % 38.0% 25.3% Oct-Dec % 40.7% 24.6% Jan-Mar % 36.7% 25.8% Apr-Jun % 39.0% 25.8% Jul-Sep % 41.2% 26.9% Oct-Dec % 40.9% 26.0% Jan-Mar % 42.4% 25.4% Apr-Jun % 44.8% 25.5%

12 Trends in Type of Revascularization Strategy for 3- Vessel CAD: PCI vs. CABG

13 The Changing Face of Interventional Cardiology The early days of stenting Stress/Benestent (1994) Diabetes 16% Lesion length (mm) 7-10 No. of lesions treated 1 Only de novo lesions No Acute MI Multivessel CTO Left main SVG Bifurcation ISR Ostial Fischman DL et al. NEJM 1994; 331: ; Serruys PW et al. NEJM 1994; 331:

14 Angioplastia coronária o que tem mudado na nossa prática Mais doentes e mais intervenções diagnósticas e terapêuticas Doentes diferentes e situações mais complexas Idosos Díabetes Obesidade Comorbilidades IRC Insuf. respiratória Disfunção ventricular Euroscore elevado Tronco comum Bifurcações Oclusões crónicas Lesões longas Lesões multiplas Vasos finos

15 Desenho Estudo ASCERT Análise dos doentes com idade > 65 anos, com doença de dois ou três vasos, sem enfarte do miocárdio prévio, submetidos a ICP ou CABG e inseridos nos registos de angioplastia e cirurgia coronária da ACCF e da STS associados a pedidos (requisições) para estas intervenções no âmbito da Medicare ou Medicaid (CMS) Total de pedidos para ICP e de para CABG, num total de doentes, registados na base de dados do CMS com alta entre 1 de Janeiro de 2004 e 31 de Dezembro de 2007 em 644 centros participando nos registos de angioplastia (CathPCI Registry) ou de cirurgia (ACD) Seleccionados para análise doentes submetidos a ICP (7% do total) e 86,244 doentes submetidos a CABG (15% do total) (menos de 10% da população total avaliada)

16 Estudo ASCERT Critérios de exclusão Doença de um vaso, ou do tronco comum, Choque cardiogénico nas 24 horas antes de CABG ou na altura de admissão no hospital para realização de ICP, Enfarte do miocárdio nos 7 dias antes de CABG ou da admissão hospitalar para ICP, Necessidade de balão intraaórtico previamente a qualquer das intervenções, ou CABG, cirurgia valvular ou ICP 180 dias antes do presente internamento. Sempre que existiam relatórios de ICP e CABG associados ao mesmo pedido de intervenção, foi considerado que o doente tinha efectuado ICP seguida de CABG. (sempre assim nos EUA, e cá?) Apenas o primeiro registo de revascularização do doente foi analizado.

17 ASCERT

18 ASCERT Endpoint primário mortalidade total Follow-up entre 1 e 5 anos (média de 2,72 anos; CABG 2.82, ICP 2.63 anos) A 1 ano não se registaram diferenças na mortalidade (CABG 6,2% e ICP 6,6%). A mortalidade ajustada a 4 anos foi de 16.4% no grupo CABG e 20.8% no grupo ICP Resultados idênticos com e sem ajustamentos de propensão Aos 4 anos benefício para o grupo CABG em geral e em todos os subgrupos (sexo, idade, diabetes, índice de massa corporal, doença pulmonar

19 Estudo ASCERT Mas, segundo os próprios autores: Existem diversas limitações ao estudo. Os dados não são totalmente sobreponíveis nas duas bases de dados. Assim, torna-se dificil comparar dados o que provoca alguma incerteza na interpretação de variáveis que podem afectar os resultados. O ASCERT é um estudo observacional. Algumas das variáveis que têm importância fundamental na escolha do tipo de revascularização (extensão da DC, oclusões crónicas, fragilidade do doente) não estavam disponíveis para esta análise O intervalo de tempo decorrido após um evento é registado de forma diferente nas duas bases de dados, conduzindo a definições díspares.

20 Estudo ASCERT Os dados angiográficos são pouco detalhados e portanto não é fácil comparar variáveis angiográficas. Não é possível calcular o score Syntax. Não existem dados de avaliação funcional da circulação coronária que são actualmente importantes na decisão para intervenção (FFR) Embora a análise de sensiblidade sugira que uma variável importante ou diversas variáveis associadas podem confundir (baralhar) o resultado estas podem funcionar em qualquer sentido Existem também limitações analíticas. Faltam diversas variáveis (TFG, FEVE) importantes Alem disso o ( emparelhamento probabilistico ) pode não ser um método confiável para comparar dados em bases diferentes.

21 FREEDOM PI Valentin Fuster

22 FREEDOM Randomized effectives 953 / 947 (studied vs. control) Design Parallel groups Blinding open Follow-up duration 3.8 yrs (median) Number of centre 140 Geographic area international Primary endpoint death, MI, stroke Events (%) Endpoint Relative Risk 95% CI Studied treat.(pci) Control treat.(cabg) CV events 205 / 953 (21,5%) 147 / 947 (15,5%) 1,39 [1,14;1,68] Death from any cause 118 / 953 (12,4%) 86 / 947 (9,1%) 1,36 [1,05;1,77] Myocardial infarction 99 / 953 (10,4%) 48 / 947 (5,1%) 2,0 [1,47;2,86] Stroke 22 / 953 (2,3%) 37 / 947 (3,9%) 0,59 [0,35;0,99] Cardiovascular death 75 / 953 (7,9%) 55 / 947 (5,8%) 1,36 [0,97;1,90]

23 Diabéticos com doença multivaso CABG melhor Já conhecido: BARI 2D, ISAR, SYNTAX, CABRI e outros

24 Diabetes BARI 7 year survival CABRI Diabetics substudy Mortality 5 years 7 years 7 years Kerbaan A et al. Am J Cardiol 2001;87:947-50

25 SYNTAX Trial Design 62 EU Sites + 23 US Sites Heart Team (surgeon & interventionalist) All Pts Total with enrollment de novo 3VD and/or LM disease (N=4,337) N=3075 Amenable for both Amenable for only one treatment options Treatment preference treatment (9.4%) approach Randomized Arms Referring Stratification: MD or pts. refused informed LM and consent Diabetes (7.0%) Inclusion/exclusion (4.7%) Withdrew before consent (4.3%) N=1800 Other (1.8%) N=1275 Randomized Arms CABG TAXUS * N=897 n=897 3VD DM 66.3% 28.5% Stratification: LM and Diabetes Medical treatment (1.2%) n=1800 TAXUS CABG vs N= n=903 N=1077 n= % enrolled 750 w/ f/u Non LM DM vs 3VD DM NonDM LM 5yr f/u no f/u (N=3,075) 33.7% 71.5% 28.2% 65.4% 71.8% 34.6% n=649 n=428 Two Registry Arms Two Registry Arms PCI N=198 n=198 all captured w/ follow up * TAXUS TM Express 2TM Stent System USPG October Page 25 of 161

26 SYNTAX Score Avaliação anatómica Syntax score Oclusões Localização Tortuosidade Calcificação Trombo Bifurcação Tronco comum Doença de três vasos Calcification Thrombus Bifurcation Lesion Location SYNTAX SCORE Tortuosity Left Main 3 Vessel CTO < > 33

27

28 Average Number of Stents Implanted per Patient Avg. # stents or lesions treated Average number of stents implanted in the SYNTAX trial is higher than any other contemporary stent versus CABG studies SYNTAX Trial 4.6±2.3 0

29 Average total stent length (mm) Average Total Stented Length SYNTAX Trial 86.1±

30 SYNTAX SYNTAX Trial Trial Patient Patient and and Lesion Lesion Characteristics Characteristics Patients with Bifurcation Disease: 72.4% Patients with Total Occlusions: 24.2% Source: See Glossary. PCI Core lab reported rate.

31 SYNTAX Trial Clinical Event Rates at 12 Months CABG (N=897) TAXUS Stent* (N=903) All Death 3.5% 4.3% P=0.37 CVA (Stroke) 2.2% 0.6% P=0.003 MI 3.2% 4.8% P=0.11 Death/MI/CVA 7.7% 7.6% P=0.98 Revascularization 5.9% 13.7% P< MACCE 12.1% 17.8% P= Patients (%) ITT population, Kaplan-Meier Rates Fisher Exact Test Source: See Glossary * TAXUS TM Express 2TM Stent System

32 H o s p i t a l d e SANTA MARIA SYNTAX Trial - Overall Cohort Summary Results at 4-years Unidade de Cardiologia de Intervenção Joaquim Oliveira MACCE Through 4 years of Follow-up in the Overall Randomized Cohort. 50 P=0.07 P=0.048 P<0.001 P=0.06 P< Before 1 year * 12.4% vs 17.8% P= years * 5.7% vs 8.3% P= years * 4.8% vs 6.7% P= years * 4.2% vs 7.9% P=0.002 Patients (%) ,6 0 18,0 Death/ CVA/MI 8,8 11,7 8,3 3,8 3,7 2,3 11,9 23,0 All Death MI CVA Revasc. CABG (n=897) SYNTAX 4-year Outcomes EACTS 2011 Serruys et. al. This material is not intended for use in the US and Japan Cumulative Event Rate (%) 25 0 P<0.001 Months Since Allocation TAXUS Express Stent (n=903) 33.5% 23.6%

33 H o s p i t a l d e SANTA MARIA Unidade de Cardiologia de Intervenção Joaquim Oliveira SYNTAX Trial - Overall Cohort MACCE by SYNTAX Score Low SYNTAX Scores (0-22) 28.6% P=0.57 CABG (N=275) 26.1% TAXUS* (N=299) Low Scores CABG PCI P value Death 8.9% 8.3% 0.77 CVA 4.0% 1.4% MI 4.2% 6.6% 0.25 Death, CVA or MI 14.6% 14.4% 0.87 Revasc. 13.6% 20.0% Intermediate SYNTAX Scores (23-32) P= % CABG (N=300) 21.5% TAXUS* (N=310) Intermediate Scores CABG PCI P value Death 9.3% 11.1% 0.49 CVA 3.6% 2.0% 0.25 MI 3.6% 9.0% Death, CVA or MI 14.9% 17.3% 0.44 Revasc. 10.9% 20.7% High SYNTAX Scores (33+) P< % CABG (N=315) 23.6% TAXUS* (N=290) Months Since Allocation High Scores CABG PCI P value Death 8.4% 16.1% CVA 3.7% 3.5% 0.80 MI 3.9% 9.3% 0.01 Death, CVA or MI Site-reported Data; ITT population SYNTAX 4-year Outcomes EACTS 2011 Serruys et. al., SYNTAX Score made possible by support from Cardialysis and Boston Scientific. This material is not intended for use in the US and Japan 14.6% 22.7% 0.01 Revasc. 11.4% 28.8% <0.001 * TAXUS Express Stent

34 ICP versus CABG Metanálise Intervenção ICP CABG Sobrevivência % 98,9 98,2 n.s. AVC % 1,2 O, Sobrevivência a 1 ano % 96,5 96,4 n.s. Sobrevivência a 5 anos % 89,7 90,7 n.s. Reintervenção % Angioplastia % 46,1 9,8 < Stents 40,1 - - Ausência de angina % < Metanálise de 23 estudos aleatorizados. DC. uni ou multivaso dts; ICP 5019; CABG F-up > 5 anos. Conclusão: CABG foi mais eficaz no alívio da angina e conduziu a menos reintervenções, mas com aumento do risco de AVC. Sobrevivência identica nos dois grupos Bravata et al. Ann intern Med 2007;147:

35 CABG versus ICP na doença multivaso Metanálise de 10 estudos aleatorizados (ARTS, BARI, CABRI, EAST, ERACI-II, GABI, MASS-II, RITA-I, SOS, Toulouse) Mortalidade Não diabéticos Mortalidade Diabéticos ,00 14, , ,00 0 Diabetics CABG H Latsky et al. Lancet 2009; 373: ICP

36 Euro Heart Survey Tratamento dos doentes com lesões coronárias > 50% Tratamento e resultados em doentes com doença coronária conhecida: The Euro Heart Survey on coronary revascularization

37 H o s p i t a l d e SANTA MARIA Conclusões Unidade de Cardiologia de Intervenção Joaquim Oliveira Cirurgia melhor em diabéticos com doença multivaso (evidência clara em múltiplos ensaios aleatorizados) Estudos favoráveis á Cirurgia na doença do tronco comum e três vasos com DA proximal e MIE Seguramente existem outros subgrupos de doentes com situação semelhante Resultados de registos são divergentes e muito difíceis de avaliar pela sua heterogeneidade

38 H o s p i t a l d e SANTA MARIA Conclusões II Unidade de Cardiologia de Intervenção Joaquim Oliveira Evolução técnica da angioplastia > á da cirurgia Evolução constante nos stents: bio reabsorção (?) Redução dos endpoints desfavoráveis angioplastia: restenose e trombose á Ausência de redução dos riscos associados á cirurgia: mortalidade imediata, AVC, infecções Melhor terapêutica antiagregante Parece claro que a angioplastia coronária se impôs como a mais frequente forma de revascularização miocárdica Não me parece possível qualquer recuperação de terreno por parte da cirurgia

39 H o s p i t a l d e SANTA MARIA Unidade de Cardiologia de Intervenção Joaquim Oliveira Resposta Diapositivos da apoio

40

41 PCI Tratamento Médico vs ICP Equivalente em termos de sobrevivencia ICP - menos angina (melhor qualidade de vida) ICP vs CABG Quando CABG não vai influenciar a sobrevida: Equivalente excepto: CABG melhor em diabéticos ICP melhor quando risco muito alto para CABG Mais angina e reintervenções na ICP Revascularização CABG Tratamento Médico vs CABG CABG superior no que se refere a sobrevida quando existe: Lesão do T Comum DC de 1, 2 ou 3 vasos que inclua a DA proximal DC de 3 vasosvessel (sem DA proximal), com funcão VE comprometida CABG melhor no alivio de sintomas

42 CABG e ICP Resultados aos 20 anos Sobrevivência CABG ICP 5 anos 92% 91% 10 anos 77% 80% 15 anos 57% 64% 20 anos 49% 59% Reintervenções CABG 20% 34% ICP 7% 31% Serruys et al. Am J Heart 2002;23:

43 Syntax trial 2.9 CABG IMA 18.2 CABG SVG Only 20.2 PTCA But, the benefit of surgery in diabetic patients was only in those patients who received at least one IMA graft, usually to the LAD BARI Circ 1997;96:

44 Which diabetic patients should undergo PCI? Single-vessel disease No evidence of involvement of proximal or mid- LAD (i.e., no LIMA) Patients with 2 or 3 highly discrete lesions without evidence of diffuse atherosclerosis (I.e., low risk ) Patients with important contraindications to CABG Previous CABG with patent LIMA Advanced age

45 Motivos de recusa para CABG/ICP CABG Comorbilidades Cirurgia prévia Ausência de condutos Fracção de ejecção muito baixa Ausência de lesão da DA PCI Lesões multiplas Oclusões totais Comorbilidades Impossibilidade de dupla antiagregação AMBOS Maus vasos Debilidade (fragilidade extrema)

46 Intervenção coronária complexa Sexo feminino 71 anos. HIV+ sob terapêutica antiretroviral Internamento por SCA: CAT: doença coronária significativa envolvendo o tronco comum e ostia da DA e circunflexa; suboclusão médio-distal da DA e suboclusão de circunflexa proximal e OM1. CDm 50% Proposta cirurgia Cirurgia: apenas MIE DA Proposta para ICP do TC, DA e Cx ICP em Maio/2010 MIE para DA médio-distal OK. Caso 1

47 SYNTAX SCORE- 29 ACROSS SCORE M30dias-5%; MACE 1 ano 15,64% TC DA DA Cx Caso 1

48 Stent na Circunflexa Stent 3,0/8 mm Caso 1

49 Stents nas duas lesões da descendente anterior Stent 2,5/14 mm Stent 3,0/8 mm Caso 1

50 Stent no Tronco comum Stent 4,0/18 mm Caso 1

51 Kissing balloon final Caso 1

52 Resultado final Caso 1

53 Readmissão 1/2011 por EAM sem supra de ST inferior, KK III. ECG- RS/74 bpm, inv de ondas T DIII e avf, com TnI 2,36 ug/l. Diagnósticos prévios de: HIV sob TARV, cardiopatia isquémica submetida a CABG Abril 2010 LIMA para DA e PTCA do TC, DA e Cx em Maio de Medicada em ambulatório: ranitidina, DNI, clopidogrel, AAS, Stocrin, Kaletra, bisoprolol, paracetamol, rosuvastatina, Viread, Flurazepam, Nolotil. Restenose/trombose de stent (circunflexa)? Caso 1

54 Lesão longa suboclusiva da CD Angioplastia de lesão suboclusiva longa da CD Stents Stents 3,0/30 mm; 3,5/20 mm; 4,0/8 mm Caso 1

55 Restenose discreta da circunflexa CPM sem evidência de isquemia Em Follow-up e assintomática Caso 1

8º SIMPÓSIO DE CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA PARA O CLÍNICO

8º SIMPÓSIO DE CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA PARA O CLÍNICO 8º SIMPÓSIO DE CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA PARA O CLÍNICO ESTADO ATUAL E PERSPECTIVAS DA INTERVENÇÃO CORONÁRIA EM PACIENTES COM LESÃO DE TRONCO NÃO PROTEGIDO JOÃO BATISTA L.LOURES LESÃO DE TCE NÃO PROTEGIDO

Leia mais

Diabetes implica risco 2 4x maior de doença coronária Cardiopatia isquémica é responsável por 75% das mortes relacionadas com a diabetes

Diabetes implica risco 2 4x maior de doença coronária Cardiopatia isquémica é responsável por 75% das mortes relacionadas com a diabetes Diabetes implica risco 2 4x maior de doença coronária Cardiopatia isquémica é responsável por 75% das mortes relacionadas com a diabetes Circulation 2003;108:1655 61 Diabetes predispõe para uma forma difusa

Leia mais

Eduardo Keller Saadi, MD, PhD Prof. Cirurgia Cardiovascular/UFGRS- HCPA Chefe do Serviço de Cirurgia CV- Hospital Mãe de Deus www.clinicasaadi.com.

Eduardo Keller Saadi, MD, PhD Prof. Cirurgia Cardiovascular/UFGRS- HCPA Chefe do Serviço de Cirurgia CV- Hospital Mãe de Deus www.clinicasaadi.com. Eduardo Keller Saadi, MD, PhD Prof. Cirurgia Cardiovascular/UFGRS- HCPA Chefe do Serviço de Cirurgia CV- Hospital Mãe de Deus www.clinicasaadi.com.br Conflito de interesses Clínico Cirurgião Cardiovascular

Leia mais

A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade

A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade Doença Aterosclerótica Coronariana e o Emprego Racional de Endopróteses Procedimento Operacional Padrão Dr. Marco Antonio de Mattos Hospital UNIMED-RIO-

Leia mais

Intervenção Coronária Percutânea na Doença Coronária Multiarterial e no Tronco da Coronária Esquerda Não Protegido: O Estado da Arte em 2011

Intervenção Coronária Percutânea na Doença Coronária Multiarterial e no Tronco da Coronária Esquerda Não Protegido: O Estado da Arte em 2011 Curso Anual de Revisão em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista 2011 São Paulo, SP, 28 e 29 de Outubro de 2011 Intervenção Coronária Percutânea na Doença Coronária Multiarterial e no Tronco da Coronária

Leia mais

Quando Indicar PCI em Lesões do Tronco

Quando Indicar PCI em Lesões do Tronco III Curso para Intervencionistas en Entrenamiento Dr. José Gabay Pre Congreso SOLACI 2012 - México DF, 7 de Agosto 2012 Doença de Múltiplos Vasos Coronários e Tronco Quando Indicar PCI em Lesões do Tronco

Leia mais

XVII Jornada Brasileira de Enfermagem em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista

XVII Jornada Brasileira de Enfermagem em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista XVII Jornada Brasileira de Enfermagem em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Reserva de Fluxo Fracionado - FFR Recurso Diagnóstico para Direcionar as Intervenções Percutâneas Mateus dos Santos

Leia mais

O papel da intervenção coronária percutânea no tratamento da angina estável e isquemia silenciosa

O papel da intervenção coronária percutânea no tratamento da angina estável e isquemia silenciosa O papel da intervenção coronária percutânea no tratamento da angina estável e isquemia silenciosa Marcelo J C Cantarelli, MD, PhD, FACC, FSCAI H. Bandeirantes H. Leforte H. Rede D Or São Luiz Anália Franco

Leia mais

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014

Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Atualização de Angina Instável e IAM sem supra ST AHA/ACC Guideline - 2014 Dr Henrique Lane Staniak Doutor em ciencias médicas FMUSP Cardiologista do HMPB e do HU-USP Epidemiologia SCA 5 a 7 milhões de

Leia mais

Boletim Científico SBCCV 11-2012

Boletim Científico SBCCV 11-2012 1 2 Boletim Científico SBCCV 11-2012 Nova Diretriz da American Heart Association para Doença Coronariana Estável confirma papel da terapia clínica e da cirurgia de revascularização miocárdica, como estratégias

Leia mais

INTERVENÇÃO EM PONTES DE SAFENA

INTERVENÇÃO EM PONTES DE SAFENA INTERVENÇÃO EM PONTES DE SAFENA IV Curso José Gabay para Intervencionistas em Treinamento de ProEducar - SOLACI Helio Roque Figueira JULHO de 2013 helioroque@uol.com.br LESÕES EM PONTE DE SAFENA 1- A FISIOPATOLOGIA.

Leia mais

Diogo Torres. Laboratório de Hemodinâmica Serviço de Cardiologia I C.H.L.N.

Diogo Torres. Laboratório de Hemodinâmica Serviço de Cardiologia I C.H.L.N. Diogo Torres Laboratório de Hemodinâmica Serviço de Cardiologia I C.H.L.N. 1 A angiografia coronária continua a ser o principal método de avaliação e quantificação das lesões coronárias Grande variabilidade

Leia mais

Stents farmacológicos e diabetes

Stents farmacológicos e diabetes Stents farmacológicos e diabetes Constantino González Salgado Hospital Pró Cardíaco Realcath-RealCordis HUPE-UERJ DM analisando o problema O Diabetes Mellitus é doença sistêmica de elevada prevalência

Leia mais

Boletim Científico. Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar.

Boletim Científico. Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar. Boletim Científico SBCCV 01/09/2014 Número 04 Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar. Predicting early left ventricular dysfunction

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda Dois Espectros da Mesma Doença Carlos Aguiar Reunião Conjunta dos Grupos de Estudo de Insuficiência Cardíaca e Cuidados Intensivos Cardíacos Lisboa,

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE MARCOS ANTONIO MARINO COORDENADOR DEPARTAMENTO DE HEMODINÂMICA, CARDIOLOGIA E RADIOLOGIA VASCULAR INTERVENCIONISTA CONFLITO DE INTERESSES

Leia mais

http://www.theheart.org/article/1466345.do.

http://www.theheart.org/article/1466345.do. Resultados finais do estudo SYNTAX reafirmam a cirurgia de revascularização miocárdica como intervenção de escolha, em pacientes com doença coronária complexa. http://www.theheart.org/article/1466345.do.

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias

Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias F.X.Valente 1, C. Trigo 2, J.D.F. Martins 2, I. Freitas 2, F. Paramés 2, M. António 2, L. Bakero 3, J. Fragata

Leia mais

Avaliação de Tecnologias em Saúde. Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Assunto: COROFLEX PLEASE: Stent coronariano eluído com Paclitaxel

Avaliação de Tecnologias em Saúde. Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Assunto: COROFLEX PLEASE: Stent coronariano eluído com Paclitaxel Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Assunto: COROFLEX PLEASE: Stent coronariano eluído com Paclitaxel Porto Alegre, Janeiro de 2008. AVALIAÇÃO DA CÂMARA TÉCNICA

Leia mais

Rui Manuel Sequeira de Almeida. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Brazil.

Rui Manuel Sequeira de Almeida. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Brazil. [Index FAC] [FVCC Index] Cirugía Cardíaca/Cardiovascular Surgery Revascularização do Miocárdio - Estudo Comparativo do Custo da Cirurgia Convencional e da Angioplastia Transluminal Percutânea Myocardial

Leia mais

Ultrassom intracoronário: fundamentos, aplicabilidade e estudos clínicos

Ultrassom intracoronário: fundamentos, aplicabilidade e estudos clínicos Curso Anual de Revisão em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2010 05 e 06 de Novembro de 2010 Ultrassom intracoronário: fundamentos, aplicabilidade e estudos clínicos Costantino Costantini

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Intervenção Coronária Percutânea de Salvamento, Facilitada e Tardia (> 12 horas), no Infarto Agudo do Miocárdio.

Intervenção Coronária Percutânea de Salvamento, Facilitada e Tardia (> 12 horas), no Infarto Agudo do Miocárdio. Intervenção Coronária Percutânea de Salvamento, Facilitada e Tardia (> 12 horas), no Infarto Agudo do Miocárdio. Dr. Maurício de Rezende Barbosa Cordenador do Departamento de Hemodinâmica no Hospital Biocor

Leia mais

EHJ: doi:10.1093/eurheartj/ehq277

EHJ: doi:10.1093/eurheartj/ehq277 EHJ: doi:10.1093/eurheartj/ehq277 FIBRINÓLISE 2010 = PROBLEMAS E REALIDADE Reperfusão em 60% Sangramento AVCH Contraindicações absolutas e relativas Ainda primeira opção em muitos países (5 a 85%) na Europa

Leia mais

THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A L O U F A S

THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A L O U F A S THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE PERCUTANEUS REPAIR OR SURGERY FOR MITRAL REGURGITATION EVEREST II=ENDOVASCULAR VALVE EDGE-TO-EDGE REPAIR STUDY A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A

Leia mais

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio

Abordagem da reestenosee. Renato Sanchez Antonio Abordagem da reestenosee oclusões crônicas coronárias Renato Sanchez Antonio Estudos iniciais de seguimento clínico de pacientes com angina estável demonstraram que o percentual de mortalidade aumentou

Leia mais

Sumário. Data: 17/12/2012

Sumário. Data: 17/12/2012 Nota Técnica: 53 /2012 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração: 1.0439.12.014415-9/001 Data: 17/12/2012 Medicamento Material X Procedimento Cobertura TEMA: Uso

Leia mais

A PROVA DE ESFORÇO É INDISPENSÁVEL NO ALGORITMO DIAGNÓSTICO DE ISQUEMIA Luís Martins Brízida Assistente Hospitalar Graduado de Cardiologia Serviço de

A PROVA DE ESFORÇO É INDISPENSÁVEL NO ALGORITMO DIAGNÓSTICO DE ISQUEMIA Luís Martins Brízida Assistente Hospitalar Graduado de Cardiologia Serviço de A PROVA DE ESFORÇO É INDISPENSÁVEL NO ALGORITMO DIAGNÓSTICO DE ISQUEMIA Luís Martins Brízida Assistente Hospitalar Graduado de Cardiologia Serviço de Cardiologia Hospital Fernando da Fonseca Amadora/Sintra

Leia mais

Tratamento da reestenose intrastent. J. Airton Arruda, MD, PhD, FSCAI, FEAPCI INTERCATH - Hospital Meridional HUCAM- UFES CIAS

Tratamento da reestenose intrastent. J. Airton Arruda, MD, PhD, FSCAI, FEAPCI INTERCATH - Hospital Meridional HUCAM- UFES CIAS Tratamento da reestenose intrastent J. Airton Arruda, MD, PhD, FSCAI, FEAPCI INTERCATH - Hospital Meridional HUCAM- UFES CIAS CONFLITO DE INTERESSES Conflito de interesse, apoio financeiro da indústria

Leia mais

Muito mais que imagens bonitas Que informações fazem a diferença? Nuno Bettencourt Cardiologia, Centro Hospitalar de VN Gaia/Espinho, EPE

Muito mais que imagens bonitas Que informações fazem a diferença? Nuno Bettencourt Cardiologia, Centro Hospitalar de VN Gaia/Espinho, EPE Muito mais que imagens bonitas Que informações fazem a diferença? Cardiologia, Centro Hospitalar de VN Gaia/Espinho, EPE A beleza... - Está nos olhos do observador 2 A perspectiva do paciente Qualidade

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Detecção precoce de cardiotoxicidade em Oncologia

Detecção precoce de cardiotoxicidade em Oncologia Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia Detecção precoce de cardiotoxicidade em Oncologia Andreia Magalhães Fevereiro/2013 Cardiotoxicidade Lesão cardíaca induzida por fármacos utilizados no tratamento

Leia mais

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR Uma viagem a quatro mãos Doença coronária Uma das principais causas de morte no mundo ocidental Responsável por 1 em cada 6 mortes nos E.U.A. 1 evento

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

Prótese Valvular Aórtica

Prótese Valvular Aórtica Aquilo que o cardiologista clínico deve saber sobre Intervenção não coronária- Quando e Como Prótese Valvular Aórtica Algarve, Abril 2014 Daniel Caeiro Centro Hospitalar Gaia/Espinho História natural da

Leia mais

VACINAÇÃO DA GRIPE NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR DO IDOSO. Manuel Teixeira Veríssimo HUC Faculdade de Medicina de Coimbra

VACINAÇÃO DA GRIPE NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR DO IDOSO. Manuel Teixeira Veríssimo HUC Faculdade de Medicina de Coimbra VACINAÇÃO DA GRIPE NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR DO IDOSO Manuel Teixeira Veríssimo HUC Faculdade de Medicina de Coimbra Gripe e idade A gripe é mais frequente em crianças e adultos jovens do que em idosos

Leia mais

Stents Farmacológicos Versus Cirurgia de Revascularização Miocárdica: meta-análise de ensaios clínicos prospectivos

Stents Farmacológicos Versus Cirurgia de Revascularização Miocárdica: meta-análise de ensaios clínicos prospectivos Rev Bras Cardiol. 2012;25(3):210-217 Artigo Original 6 Andrade et al. Stents Farmacológicos Versus Cirurgia de Revascularização Miocárdica: meta-análise de ensaios clínicos prospectivos Drug-Eluting Stents

Leia mais

Módulo II. Ultrassom intracoronário: fundamentos, aplicabilidade e estudos clínicos. Métodos adjuntos diagnósticos e intervencionistas

Módulo II. Ultrassom intracoronário: fundamentos, aplicabilidade e estudos clínicos. Métodos adjuntos diagnósticos e intervencionistas Módulo II Métodos adjuntos diagnósticos e intervencionistas Ultrassom intracoronário: fundamentos, aplicabilidade e estudos clínicos Dr Marcelo de Freitas Santos Hospital Costantini EVOLUÇÃO DE ERAS AONDE

Leia mais

Recomendações Médicas

Recomendações Médicas UNIMED-RIO Recomendações Médicas Angioplastia Coronariana com Stent Convencional Angioplastia Coronariana com Stents Recobertos por Drogas Rio ANGIOPLASTIA CORONARIANA COM STENT CONVENCIONAL 1 Angioplastia

Leia mais

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE

ANEURISMA DE AORTA. ESTADO DA ARTE ANEURISMA DE AORTA. CORREÇÃO POR VIA ENDO-VASCULAR ESTADO DA ARTE Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia Seção Médica de Radiologia 2010 ACCF/AHA/AATS/ACR/ASA/SCA/SCAI/SIR/STS SVM Guidelines for the

Leia mais

Abordagem intervencionista na síndrome coronária aguda sem supra do segmento ST. Roberto Botelho M.D. PhD. www.ict.med.br robertobotelho@mac.

Abordagem intervencionista na síndrome coronária aguda sem supra do segmento ST. Roberto Botelho M.D. PhD. www.ict.med.br robertobotelho@mac. Abordagem intervencionista na síndrome coronária aguda sem supra do segmento ST Roberto Botelho M.D. PhD. www.ict.med.br robertobotelho@mac.com 1 POTENCIAIS CONFLITOS DE INTERESSE De acordo com a RDC nº

Leia mais

Serviço de Cardiologia, Hospital de Santa Marta Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE

Serviço de Cardiologia, Hospital de Santa Marta Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Efeito da injecção intracoronária de células progenitoras autólogas derivadas da medula óssea no strain global longitudinal em doentes com enfarte agudo do miocárdio com supradesnivelamento de ST Serviço

Leia mais

Register of patients with bioresorbable device in daily clinical practice REPARA study. Andreia Magalhães Hospital de Santa Maria

Register of patients with bioresorbable device in daily clinical practice REPARA study. Andreia Magalhães Hospital de Santa Maria Register of patients with bioresorbable device in daily clinical practice REPARA study Andreia Magalhães Hospital de Santa Maria POTENCIAIS VANTAGENS DOS STENTS BIOABSORVÍVEIS Restoration of Vasomotion

Leia mais

Enxertos de Veia Safena

Enxertos de Veia Safena CURSO ANUAL DE REVISÃO EM HEMODINÂMICA E CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA 2010 Enxertos de Veia Safena BPSP Wilson A. Pimentel Fº BPSP Introdução A intervenção percutânea (IP) no EVS apresenta complicações

Leia mais

CASO CLÍNICO DAC III. HOSPITAL VERA CRUZ CAMPINAS SP gioppato@terra.com.br

CASO CLÍNICO DAC III. HOSPITAL VERA CRUZ CAMPINAS SP gioppato@terra.com.br CASO CLÍNICO DAC III SILVIO GIOPPATO SILVIO GIOPPATO HOSPITAL VERA CRUZ CAMPINAS SP gioppato@terra.com.br Antecedentes Feminino, 90 anos HAS; DLP; Obesidade (IMC: 31) IM prévio com ICP primária para ACD

Leia mais

Conduta no paciente com. isquêmica

Conduta no paciente com. isquêmica Conduta no paciente com cardiopatia isquêmica Lucas Araujo PET - Medicina Primeira causa de morte nos países ricos e vem aumentando sua incidência nos países de média e baixa renda No coração em repouso

Leia mais

Resumo da Tese CARACTERIZAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS, MESENQUIMAIS E ENDOTELIAIS EM PACIENTES

Resumo da Tese CARACTERIZAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS, MESENQUIMAIS E ENDOTELIAIS EM PACIENTES Resumo da Tese CARACTERIZAÇÃO DOS COMPARTIMENTOS DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS, MESENQUIMAIS E ENDOTELIAIS EM PACIENTES COM CARDIOPATIA ISQUÊMICA OU VALVULAR. Autora: Carine Ghem Orientadora: Dra. Melissa

Leia mais

No jovem com FA paroxística e sem cardiopatia estrutural a ablação deve ser a terapêutica inicial? DIOGO CAVACO

No jovem com FA paroxística e sem cardiopatia estrutural a ablação deve ser a terapêutica inicial? DIOGO CAVACO No jovem com FA paroxística e sem cardiopatia estrutural a ablação deve ser a terapêutica inicial? DIOGO CAVACO EPIDEMIOLOGIA Prevalência aumenta com a idade 1% na população geral 80 anos

Leia mais

Custos de Tratamento da Síndrome Coronariana Aguda sob a Perspectiva do Sistema de Saúde Suplementar

Custos de Tratamento da Síndrome Coronariana Aguda sob a Perspectiva do Sistema de Saúde Suplementar Custos de Tratamento da Síndrome Coronariana Aguda sob a Perspectiva do Sistema de Saúde Suplementar Acute Coronary Syndrome Treatment Costs from the Perspective of the Supplementary Health System Vanessa

Leia mais

Revascularização do miocárdio: estudo comparativo do custo da cirurgia convencional e da angioplastia transluminal percutânea

Revascularização do miocárdio: estudo comparativo do custo da cirurgia convencional e da angioplastia transluminal percutânea ARTIGO ORIGINAL Revascularização do miocárdio: estudo comparativo do custo da cirurgia convencional e da angioplastia Myocardial revascularization: comparative cost study between conventional coronary

Leia mais

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos Sugestões para o rol Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos S Procedimentos selecionados Cardiologia AngioTC de coronárias Escore de cálcio Cintilografia

Leia mais

Pós-trombólise. O que fazer? Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa São Paulo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Fibrinolíticos menor tempo isquemia mioc aguda menor

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

TAPD + Anticoagulação Oral Indicacões e Diminuição de Risco

TAPD + Anticoagulação Oral Indicacões e Diminuição de Risco Reunião Científica Divisão de Cardiologia TAPD + Anticoagulação Oral Indicacões e Diminuição de Risco Wersley Araújo Silva São Lucas Clínica & Hospital Aracaju, 30 de abril de 2013 Brasil Papel das Plaquetas

Leia mais

Association between diabetes mellitus and severity of coronary artery disease in patients undergoing percutaneous coronary intervention

Association between diabetes mellitus and severity of coronary artery disease in patients undergoing percutaneous coronary intervention Artigo Original Associação entre diabetes mellitus e gravidade da doença arterial coronariana em pacientes submetidos à intervenção coronária percutânea Association between diabetes mellitus and severity

Leia mais

Dr. Felipe José Fernández Coimbra Depto. De Cirurgia Abdominal - Cirurgia Oncológica

Dr. Felipe José Fernández Coimbra Depto. De Cirurgia Abdominal - Cirurgia Oncológica Dr. Felipe José Fernández Coimbra Depto. De Cirurgia Abdominal - Cirurgia Oncológica Duodenopancreatectomia Howard JM, 1968 Morbimortalidade pancreatectomia Fhurman GM, et al. Ann. Surg. 1996. Leach SD,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: CIRURGIÃO CARDÍACO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de

Leia mais

A utilização e interpretação inapropriada dos exames imagiológicos: impacto clínico!

A utilização e interpretação inapropriada dos exames imagiológicos: impacto clínico! Iatrogenia em Medicina Cardiovascular Setembro 2011 A utilização e interpretação inapropriada dos exames imagiológicos: impacto clínico! Ana G. Almeida Faculdade de Medicina de Lisboa - Hospital de Santa

Leia mais

Qualidade de vida e funcionalidade das pessoas com insuficiência cardíaca crónica grave

Qualidade de vida e funcionalidade das pessoas com insuficiência cardíaca crónica grave Qualidade de vida e funcionalidade das pessoas com insuficiência cardíaca crónica grave Elisabete Nave Leal (1), José Pais Ribeiro (2), Mário Martins Oliveira (3), Sofia Santos (3), Rui Ferreira (3) (1)

Leia mais

Evolução Clínica após Intervenção Coronária Percutânea em Indivíduos com Transplante Renal Prévio

Evolução Clínica após Intervenção Coronária Percutânea em Indivíduos com Transplante Renal Prévio 128 Artigo Original Evolução Clínica após Intervenção Coronária Percutânea em Indivíduos com Transplante Renal Prévio Fábio Trentin 1, Eduardo França Pessoa de Melo 2, Carlos Vinicius Abreu do Espírito

Leia mais

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Tabela 01 - Pacientes de Cirurgia Cardíaca - Principais Características Clinicas - Gênero (n, %) Masculino 473 68,55 Feminino 217 31,45 Idade (anos) (média ± DP) 60,78

Leia mais

Após extensa revisão os autores deste trabalho dão as

Após extensa revisão os autores deste trabalho dão as Qual é o risco de eventos cardíacos adversos ou de sangramento grave, após cirurgias não cardíacas, relativos à terapia antiplaquetária, em pacientes com angioplastia coronariana prévia? The Risk of Adverse

Leia mais

Questões actuais na prática clínica: Qual a importância e risco da terapêutica anti-dislipidémica no doente idoso?

Questões actuais na prática clínica: Qual a importância e risco da terapêutica anti-dislipidémica no doente idoso? Questões actuais na prática clínica: Qual a importância e risco da terapêutica anti-dislipidémica no doente idoso? Ana Teresa Timóteo Serviço Cardiologia, Hospital de Santa Marta, CHLC, EPE Tróia, 26 Março

Leia mais

Reoperações em Cirurgia Cardíaca: a experiência de 5 anos de um Centro

Reoperações em Cirurgia Cardíaca: a experiência de 5 anos de um Centro Reoperações em Cirurgia Cardíaca: a experiência de 5 anos de um Centro Rui Cerejo, Luís Baquero, Andreia Gordo, Hagen Kahlbau, Nuno Banazol, José Fragata Hospital de Santa Marta Centro Hospitalar Lisboa

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA

TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA TRATAMENTO PERCUTÂNEO DA AORTA TORÁCICA Álvaro Laranjeira Santos Serviço de Cirurgia Cardiotorácica CHLC- Hospital Santa Marta Sistematização Grupo 1 Aorta descendente c TEVAR isolado Grupo 2 Arco aórtico

Leia mais

Somatropina no adulto. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa

Somatropina no adulto. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa Somatropina no adulto Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa Secreção de GH Concentração integrada de GH nas 24h em 173 indivíduos de ambos

Leia mais

Boletim Científico SBCCV 12-2012

Boletim Científico SBCCV 12-2012 1 2 Boletim Científico SBCCV 12-2012 Análise de desfechos após 5 anos do implante transcateter de válvula aórtica balãoexpansível, no Canadá. 5-Year Outcome After Transcatheter Aortic Valve Implantation.

Leia mais

Implante Implante Transcateter Valvar Valvar Aórtico: Curso de Pós Graduação Lato Sensu Hospital Beneficência Portuguesa SP Maio/2010

Implante Implante Transcateter Valvar Valvar Aórtico: Curso de Pós Graduação Lato Sensu Hospital Beneficência Portuguesa SP Maio/2010 Implante Implante Transcateter Valvar Valvar Aórtico: Indicações, Aórtico: Indicações, Critério de Critério Seleção de e Seleção Resultados e Resultados Curso de Pós Graduação Lato Sensu Hospital Beneficência

Leia mais

La Salete Martins. Hospital Santo António, CHP Porto

La Salete Martins. Hospital Santo António, CHP Porto Registos da transplantação em Portugal transplante pancreático La Salete Martins Unidade de Transplante Reno-Pancreático Hospital Santo António, CHP Porto Portugal Reunião SPT, Curia, de 27/11 a 28/11/2009

Leia mais

Miniaturização no Pacing permanente

Miniaturização no Pacing permanente Miniaturização no Pacing permanente Para onde vamos? Dr. Luis Alves Carpinteiro CHLN / HSM Miniaturização no pacing permanente A miniaturização de sistemas implantáveis para terapia de ritmo cardíaco designa

Leia mais

Antritrombóticos na doença cardíaca

Antritrombóticos na doença cardíaca Antritrombóticos na doença cardíaca Terapêutica antitrombótica na doença cardíaca caso clínico Hermenegildo A.S., 67 anos Antec.Pessoais: Terapêutica farmac.: - HTA - Hiperuricemia - alopurinol Terapêutica

Leia mais

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD

Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Indicações e Resultados do Tratamento Percutâneo de Obstruções à Via de Saída do VD Carlo B Pilla e Cardiologia Intervencionista SBHCI 2012 Obstruções à VSVD Estenose subvalvar pulmonar* Estenose valvar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A AR E A DM TIPO II. Agenda: 1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS 3. METODOLOGIA 4. PLANIFICAÇÃO DO PROJECTO

AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A AR E A DM TIPO II. Agenda: 1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS 3. METODOLOGIA 4. PLANIFICAÇÃO DO PROJECTO AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A ARTRITE REUMATÓIDE E A DIABETES MELLITUS TIPO 2 Análise da Base de Dados de Doenças Reumáticas Norte-Americana National Data Bank for Rheumatic Diseases PROJECTO DE TESE

Leia mais

Significado da Elevação de Segmento ST na Miocardite Aguda

Significado da Elevação de Segmento ST na Miocardite Aguda Serviço de Cardiologia Hospital de Santa Maria Centro Hospitalar de Lisboa Norte Significado da Elevação de Segmento ST na Miocardite Aguda Um Novo Paradigma? Nobre Menezes, Miguel; Magalhães, Andreia;

Leia mais

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO SABADOR Prevenção Primária: em quem devemos usar estatina e aspirina em 2015? Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD Professora de Clínica Médica da UNIRIO

Leia mais

Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia

Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia EULER MANENTI MD PhD FACC Ins2tuto de Medicina Cardiovascular Sistema de Saúde Mãe de Deus Porto Alegre Conflito

Leia mais

IMPACTO EPIDEMIOLÓGICO DA ESTENOSE AÓRTICA, QUAIS OS DADOS NACIONAIS?

IMPACTO EPIDEMIOLÓGICO DA ESTENOSE AÓRTICA, QUAIS OS DADOS NACIONAIS? IMPACTO EPIDEMIOLÓGICO DA ESTENOSE AÓRTICA, QUAIS OS DADOS NACIONAIS? Prof. Dr. Flávio Tarasoutchi Unidade de Valvopatias Instituto do Coração (InCor) - Hospital das Clínicas Universidade de São Paulo

Leia mais

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão?

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? Vladmir Cláudio Cordeiro de Lima, MD, PhD Hospital A.C. Camargo São Paulo - Brasil Rastreamento do Câncer de Pulmão Fonte: World Health Organization.

Leia mais

Resultados da angioplastia primária num centro de referência. Evolução intra-hospitalar [86]

Resultados da angioplastia primária num centro de referência. Evolução intra-hospitalar [86] Resultados da angioplastia primária num centro de referência. Evolução intra-hospitalar [86] RUBEN RAMOS, LINO PATRÍCIO, LUÍS BERNARDES, DUARTE CACELA, LÍDIA SOUSA, ANTÓNIO FIARRESGA, JOSÉ MARIA GONÇALVES,

Leia mais

Rev Bras Cardiol Invasiva. 2015;23(1):17-21

Rev Bras Cardiol Invasiva. 2015;23(1):17-21 Rev Bras Cardiol Invasiva. 2015;23(1):17-21 Artigo Original Desfechos clínicos tardios de pacientes diabéticos tratados com stents farmacológicos eluidores de sirolimus ou everolimus: uma análise do registro

Leia mais

Os Mais Importantes Estudos de Quimioterapia Neo-adjuvante. O que ha de novo?

Os Mais Importantes Estudos de Quimioterapia Neo-adjuvante. O que ha de novo? Os Mais Importantes Estudos de Quimioterapia Neo-adjuvante O que ha de novo? Carlos H. Barrios Professor, PUCRS School of Medicine Director, Oncology Research Center, Hospital São Lucas Director, Instituto

Leia mais

Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo

Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo Ingrid A. Mayer, M.D., M.S.C.I. Professora Assistente Diretora, Pesquisa Clínica Programa de Câncer de Mama Vanderbilt-Ingram Cancer Center Nashville,

Leia mais

IV Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia

IV Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia IV Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia Doroteia Silva Fev. 2014 BIOMARCADORES BIOMARCADORES Galectina-3 BNP ANP GALECTINA-3 o β-galactosidase encontrada no núcleo, citoplasma e membrana celular o

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - EAD INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - EAD INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - EAD INSTITUTO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL RELATÓRIO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO:

Leia mais

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Avaliação da dor torácica no serviço de urgência Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Introdução Dor torácica constitui a 2ª causa mais comum de admissão no serviço de urgência

Leia mais

16/05/2011. Objetivos da Aula. Apresentação Clínica. Classificação. Síndrome Coronariana Aguda O que é? Inclui: Angina Instável IAMEST IAMSEST

16/05/2011. Objetivos da Aula. Apresentação Clínica. Classificação. Síndrome Coronariana Aguda O que é? Inclui: Angina Instável IAMEST IAMSEST Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial Davi Melo Objetivos da Aula Síndrome Coronariana Aguda O que é? Definir SCA Distinguir os diferentes tipos de SCA s Saber

Leia mais

4º Congresso Internacional dos Hospitais. Reposicionamento do Hospital no contexto da saúde

4º Congresso Internacional dos Hospitais. Reposicionamento do Hospital no contexto da saúde 4º Congresso Internacional dos Hospitais Reposicionamento do Hospital no contexto da saúde Impacto dos grupos de doenças por regiões 60% das mortes são relacionadas com as DCN The top-10 leading causes

Leia mais

VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica. Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012

VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica. Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012 VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012 Modelos de Prevenção Secundária da DRC : Modelo Público-Privado Paulo Luconi Dir técnico da ABCDT pauloluconi@uol.com.br

Leia mais

Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde

Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologias em Saúde 08BRATS ISSN 1983-7003 Resumo Ano IV nº 8 Junho de 2009 STENTS FARMACOLÓGICOS E STENTS METÁLICOS NO TRATAMENTO DA DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA Nas últimas décadas, tem sido observado no Brasil um aumento

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular SCORE (Systematic Coronary Risk Evaluation) Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Avaliação do Risco Cardiovascular SCORE (Systematic Coronary Risk Evaluation) Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) Digitally signed by Francisco Henrique Moura George Francisco DN: c=pt, o=ministério da Saúde, ou=direcção-geral da Henrique Saúde, cn=francisco Henrique George Moura George Moura Date: 2015.01.21 12:20:20

Leia mais

ESCOLHA DO REGIME ANTIPLAQUETÁRIO NAS SÍNDROMES CORONÁRIAS AGUDAS

ESCOLHA DO REGIME ANTIPLAQUETÁRIO NAS SÍNDROMES CORONÁRIAS AGUDAS CURSO ANUAL DE REVISÃO EM HEMODINAMICA E CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA SBHCI - 23/10/2014 : SÃO PAULO ESCOLHA DO REGIME ANTIPLAQUETÁRIO NAS SÍNDROMES CORONÁRIAS AGUDAS Marinella Patrizia Centemero Serviço

Leia mais

Mortalidade em Cirurgias Cardíacas em Hospital Terciário do Sul do Brasil

Mortalidade em Cirurgias Cardíacas em Hospital Terciário do Sul do Brasil 200 Internacional Journal of Cardiovascular Sciences. 2015;28(3):200-205 ARTIGO ORIGINAL Mortalidade em Cirurgias Cardíacas em Hospital Terciário do Sul do Brasil Mortality in Cardiac Surgeries in a Tertiary

Leia mais

Custo-efetividade do implante de stents recobertos com rapamicina em procedimentos percutâneos coronarianos no Brasil 1

Custo-efetividade do implante de stents recobertos com rapamicina em procedimentos percutâneos coronarianos no Brasil 1 Custo-efetividade do implante de stents recobertos com rapamicina em procedimentos percutâneos coronarianos no Brasil 1 Carisi Anne Polanczyk, Marco V. Wainstein e Jorge Pinto Ribeiro Serviço de Cardiologia

Leia mais