La Salete Martins. Hospital Santo António, CHP Porto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "La Salete Martins. Hospital Santo António, CHP Porto"

Transcrição

1 Registos da transplantação em Portugal transplante pancreático La Salete Martins Unidade de Transplante Reno-Pancreático Hospital Santo António, CHP Porto Portugal Reunião SPT, Curia, de 27/11 a 28/11/2009

2 Que tipos de transplantes de pâncreas existem? Em DM1 antes de desenvolver Insuf Renal Crónica (IRC) O transplante de pâncreas isolado mais raro, c/ piores resultados Em DM 1 já com IRC O transplante de rim-pâncreas simultâneo (TRP) O transplante de pâncreas após rim (PAR)

3 O Transplante de rim-pâncreas (TRP) Representa a grande maioria dos transplantes de pâncreas em todo o mundo: >70% são TRP É o tipo de transplante de pâncreas com melhores resultados de sobrevivência (comparativamente ao pâncreas isolado ou após transplante de rim prévio) O enxerto renal ajuda a monitorizar a rejeição do pâncreas

4 TRP versus Tx Pâncreas isolado ou Pâncreas após Rim

5 OTRP Receptores < 45 anos (excepcionalmente <50) Sem doença CV major Bem sucedido, cura as 2 doenças: a Diabetes tipo1 - a Insuf. Renal Crónica Comparativamente ao TR isolado (e manter insulina) Tem > morbi-mortalidade no imediato e a curto-prazo mas melhor sobrevida a médio e longo-prazo! SPK can be expected to live 10 years longer than KTA p y g form deceased donors White SA, Lancet 2009; 23:1808

6 DM tipo 1 submetidos a TR vs TRP idade = anos Fonte: dados do US Renal Data System 3168 doentes. até final do 1º ano (década de 90): 9.7% dos TRP falecidos 9.8% dos TR falecidos 16.8% dos enxertos no TRP perdidos ao fim de 1 ano 25.2% dos rins no TR perdidos ao fim de 1 ano o risco de morte dos DMID no TRP não é superior e o rim dura mais

7 TRP em Portugal - evolução * dados até 20/Nov/2009 (n=88 TRP até fim de 2008) HUC: primeiro TRP em 1993/94; total 3 TRP HGSA: primeiro TRP em 02/05/2000; total 103 TRP HCC: 1 TRP em /

8 Técnica cirúrgica do TRP -Derivacão exócrina: entérica -Anastomoses venosas: à circulação sistémica

9 TRP TRP - experiência do HGSA início de actividade: Maio/2000 Responsável pela Unidade de TRP -Dr. Manuel Teixeira (Cirurgia) Equipa multidisciplinar: Cirurgia Vascular; Nefrologia; Cuidados Intensivos; Anestesia; Endocrinologia; Cardiologia; Urologia; Neurofisiologia; Oftalmologia

10 No HGSA Realizados 103 TRP (rim e pâncreas simultâneos) Realizados 4 PAR (pâncreas após rim): 3 bem sucedidos, ficaram funcionantes, 1 perda imediata por trombose

11 103 TRP DM tipo 1, com IRC terminal Protocolo de Imunossupressão: ATG+Tacrolimus+MMF+Corticóides Todos de dador de cadáver um programa nacional: mais de 40% são doentes no Centro, Sul e Ilhas.

12 Dos 103 TRP em 4 casos foi feito um retransplante de rim,,por trombose do primeiro; Em outros 4 foi feito um retransplante t de pâncreas - em doentes que tinham perdido o 1º pâncreas por hemorragia (n=1), infecção (n=1) e trombose (n=2)

13 CARACTERÍSTICAS DOS DOENTES Média Mínimo-Máximo Idade (anos) 34± % Sexo Masc. 43% Duração diabetes (anos) 23± IMC (Kg/m 2 ) 22.4± Dose insulina (U/dia) 39± Duração diálise (meses)*; ** 32± idade dador (anos) 26± MMcom o dador 19.4% * 19.4 % (20 doentes) em diálise peritoneal; ** 4 preemptive

14 TRP TRP- resultados internamento inicial Intern. SCI (dias) Internamento (dias) Necessidade insulina (dias) nec de HD transitória Reintervenções* Média Mediana Mínimo- Máximo * motivos de , n=18; 17.4% em 30% (n=31) (1 a 12 reintervenções/doente) * motivos de reintervenção (inicial) infecção 9 a) hemorragia 10 a) trombose Px 5 Rx 3 oclusão intestinal 2 fístula urinária 1 a)- 4 destes evoluíram com trombose posterior do Px

15 TRP rejeição incidência de rejeição aguda global= 11/93 = 11.8% episódios em 11 doentes *1 doente com 4 episódios; 1 doente com 2 episódios 0 Enx Pancr Enx Renal Ambos enx

16 dados de n= 93 TRP, até Maio/2009 FALÊNCIA DE ENXERTO Renal Nº Causa 3 Rejeição 2 Morte do doente 3 Trombose 2 Sepsis Total=10* *4 fizeram retransplante 3 funcionantes, 1 morte com enxerto funcionante

17 TRP função do enxerto renal Funcionantes: 92.5% função renal Creat média =112± mg/dl Cl Creat = 79.6 ±26.4ml/min Prot U = 0.30 ±0.27g/dia dados de n= 93 TRP, até Maio/2009

18 dados de n= 93 TRP, até Maio/2009 FALÊNCIA DE ENXERTO Pancreático Nº Causa 4 Rejeição 9 Trombose 3 Hemorragia 5 Infecção / sepsis 2 Morte do doente Total=23* *4 fizeram retransplante 2 funcionantes, 1 perdido por rejeição, e 1 por trombose

19 TRP função do enxerto pancreático Funcionantes = 79.6% função do pâncreas glicemia média = 80.0 ± 9.4mg/dl HbA1c, média = 4.8 ± 0.4% Pept C, média = 3.06 ± 146ng/ml 1.46 dados de n= 93 TRP, até Maio/2009

20 TRP: causa de morte dos doentes 6 doentes falecidos: 11 em HD, (5 meses após perda dos enxertos) morte cardio-vascular* 11 por AVC, com ambos os enxertos funcionantes 22 por sepsis no pós-op 11 por Aspergilose pulmonar e cerebral, 4 meses após Tx, com ambos os enxertos funcionantes 1 1 de causa desconhecida

21 Sobrevivência - TRP Anos Rim 1 0,95 0,94 0,90 0,90 0,90 0,90 0,90 0,90 0,90 Pancreas , , , , , , , , ,79 Doente 1 0,96 0,95 0,93 0,93 0,93 0,93 0,93 0,93 0,93 dados de n= 93 TRP, até Maio/2009

22 Resultados globais 90% 96% 95% 93% 93% 93% 93% 93% 93% 93% 95% 94% 90% 90% 90% 90% 90% 90% 90% 81% 81% 79% 79% 79% 79% 79% 79% 79% doente rim * 70% pâncreas 50% º 6º 7º 8º 9º ano ano ano ano ano ano ano ano ano dados de n= 93 TRP, até Maio/2009

23 COMPARAÇÃO COM OUTROS CENTROS sobrevivências HGSA UNOS/IPTR* US Não-US UNOS/ IPTR** Dados UK*** ****Dados Sollinger, U Winsconsin (1000 TRP) 1 ano 5 anos 9 anos 1 ano 1 ano 4 anos 5 anos 1 ano 10 anos Doente 96% 93% 93% 95% 98% 90.3% 90.4% 97% 80% Rim 95% 90% 90% 93% 94% 91% 63% pâncreas 81% 79% 79% 85% 88% 78.6% 88% 63% *G Cli T l *Gruessner, Clin Transpl 2004;:21-51 **Gruessner, Am J Transpl 2004;4:2018 ***M Akyol, Abstract OP-002, IPITA Congress 2005 **** Sollinger HW; Ann Surg 2009; 250:618

Prof. Dr. José O Medina Pestana. Hospital do Rim e Hipertensão Disciplina de Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo

Prof. Dr. José O Medina Pestana. Hospital do Rim e Hipertensão Disciplina de Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA APÓS O TRANSPLANTE Prof. Dr. José O Medina Pestana Hospital do Rim e Hipertensão Disciplina de Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo FUNÇÃO RETARDADA DO ENXERTO RENAL

Leia mais

ESTUDOS AVANÇADOS EM ANESTESIA PARA TRANSPLANTAÇÃO HEPÁTICA, RENO-PANCREÁTICA, RENAL E CÓRNEA

ESTUDOS AVANÇADOS EM ANESTESIA PARA TRANSPLANTAÇÃO HEPÁTICA, RENO-PANCREÁTICA, RENAL E CÓRNEA Serviço de Anestesiologia do Centro Hospitalar do Porto Director de Serviço Dr. Humberto Machado Março de 2014 ESTUDOS AVANÇADOS EM ANESTESIA PARA TRANSPLANTAÇÃO HEPÁTICA, RENO-PANCREÁTICA, RENAL E CÓRNEA

Leia mais

Breves apontamentos do Registo Nacional do Tratamento da IRC

Breves apontamentos do Registo Nacional do Tratamento da IRC Rui Alves Filipe Breves apontamentos do Registo Nacional do Tratamento da IRC 1984: criação do Gabinete do Registo Nacional do Tratamento da IRC pelo Prof. Dr. Jacinto Simões, então Presidente da SPN 1984

Leia mais

Transplante Segmentar Transplante de Pâncreas

Transplante Segmentar Transplante de Pâncreas Histórico 1966 - Kelly e cols. (Univ. Minessota- EUA) José Marcus Raso Eulálio Prof. Adjunto do Departamento de Cirurgia Faculdade de Medicina da UFRJ 2006 1977 ( Transplante Duplo Pâncreas-Rim) sobrevida

Leia mais

A Transplantação em Portugal

A Transplantação em Portugal A Transplantação em Portugal 4 de Maio 2011 Pós-Graduação em Cuidados Intensivos Ano lectivo Maria da Cruz Palma Gabinete Coordenador de Colheita e Transplantação Maria da Cruz Palma (Enfª) Directora do

Leia mais

Insuficiência Renal e Codificação Clínica. Teresa Matias

Insuficiência Renal e Codificação Clínica. Teresa Matias Insuficiência Renal e Codificação Clínica Insuficiência Failure Insufficiency Falência Failure Insufficiency Falência Insufficiency Insuficiência Falência Insuficiência Falência Failure Insufficiency Insuficiência

Leia mais

3º ENCONTRO DA AMACC FALÊNCIA RENAL. Conceição Barata Évora 2011

3º ENCONTRO DA AMACC FALÊNCIA RENAL. Conceição Barata Évora 2011 INSUFICIÊNCIA E FALÊNCIA RENAL Conceição Barata Évora 2011 Objectivos Clarificar o conceito de Insuficiência e Falência Explicitar a codificação de Insuficiência Renal Aguda e Crónica Codificar a Insuficiência

Leia mais

Ética e. Transplante Renal. stucci49@gmail.com

Ética e. Transplante Renal. stucci49@gmail.com Ética e Transplante Renal stucci49@gmail.com Ética e Transplante Equidade imparcialidade na seleção do receptor Justiça retribuir ao indivíduo os seus direitos Beneficência o transplante deve representar

Leia mais

Função Retardada do Enxerto Renal e Taxa de Redução de Creatinina

Função Retardada do Enxerto Renal e Taxa de Redução de Creatinina 0 Função Retardada do Enxerto Renal e Taxa de Redução de Creatinina Dissertação de Mestrado Luciana Barreira de Alencar Andrade Motta Salvador-Bahia Brasil 2012 II 1 Função Retardada do Enxerto Renal e

Leia mais

Doação e Transplantação de Órgãos Dados da atividade de 2015 Coordenação Nacional de Transplantação

Doação e Transplantação de Órgãos Dados da atividade de 2015 Coordenação Nacional de Transplantação 215 Doação e Transplantação de Órgãos foi um ano de consolidação de estratégias na área da doação e transplantação, marcado não só pela publicação de inúmeros documentos legislativos de apoio à atividade,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA COMPARAÇÃO DA FREQÜÊNCIA DE BLOQUEIO DA DRENAGEM VENOSA EM FÍGADOS TRANSPLANTADOS PELOS MÉTODOS CONVENCIONAL OU PIGGYBACK

PROJETO DE PESQUISA COMPARAÇÃO DA FREQÜÊNCIA DE BLOQUEIO DA DRENAGEM VENOSA EM FÍGADOS TRANSPLANTADOS PELOS MÉTODOS CONVENCIONAL OU PIGGYBACK PROJETO DE PESQUISA COMPARAÇÃO DA FREQÜÊNCIA DE BLOQUEIO DA DRENAGEM VENOSA EM FÍGADOS TRANSPLANTADOS PELOS MÉTODOS CONVENCIONAL OU PIGGYBACK Pesquisador Responsável: Dr. Paulo Celso Bosco Massarollo PROJETO

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS FAURGS HCPA Edital 05/2007 1 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 22 MÉDICO (Urologia) 01. A 11. B 02. C 12. A 03. B 13.

Leia mais

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 03 Novembro 2008

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 03 Novembro 2008 Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 03 Novembro 2008 Disciplina: Pediatria II Prof.: Dra. Miroslava Gonçalves Tema da Aula Teórica: Transplante renal em Pediatria Autores: Ângela Melo Equipa Revisora: Cláudia

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

Dados preliminares 2011

Dados preliminares 2011 Dados preliminares 2011 Os seguintes dados referem se à atividade de colheita e transplantação 2011 Agradecimentos: Gabinetes Coordenadores de Colheita e Transplantação Coordenadores d Hospitalares de

Leia mais

Transplante de pâncreas

Transplante de pâncreas Transplante de pâncreas Marcelo Moura Linhares mlinhares@unifesp.br Prevalência do diabetes 8,7% Terceira doença mais comum. Média de vida: 15 anos menor que a população não diabética. International Diabetes

Leia mais

Stents farmacológicos e diabetes

Stents farmacológicos e diabetes Stents farmacológicos e diabetes Constantino González Salgado Hospital Pró Cardíaco Realcath-RealCordis HUPE-UERJ DM analisando o problema O Diabetes Mellitus é doença sistêmica de elevada prevalência

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação Diretrizes Assistenciais Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação 2011 Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação Definição Todo paciente doador renal

Leia mais

Foi no final da década de 60 que se iniciaram as atividades de transplantes

Foi no final da década de 60 que se iniciaram as atividades de transplantes Sistema Estadual de Transplantes em São Paulo: histórico, resultados e perspectivas Luiz Augusto Pereira 1 Sonia Angélica Coria 2 Francisco Monteiro 3 Marcelo Caetano Scandiuzzi 4 Introdução Foi no final

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Avaliação Clínica e Laboratorial do Candidato ao Transplante Renal com Doador Falecido

Diretrizes Assistenciais. Avaliação Clínica e Laboratorial do Candidato ao Transplante Renal com Doador Falecido Diretrizes Assistenciais Avaliação Clínica e Laboratorial do Candidato ao Transplante Renal com Doador Falecido 2011 Avaliação Clínica e Laboratorial do Candidato ao Transplante Renal com Doador Falecido

Leia mais

SLEEVE GÁSTRICO : RESULTADOS E FATORES PREDITORES DE PERDA DE PESO

SLEEVE GÁSTRICO : RESULTADOS E FATORES PREDITORES DE PERDA DE PESO Diretor Dr. Mesquita Rodrigues SLEEVE GÁSTRICO : RESULTADOS E FATORES PREDITORES DE PERDA DE PESO A. GOULART, C. BRANCO, J. MAIA DA COSTA, F. MANSO, M. PEREIRA, A. FERNANDES, P. COSTA, P. LEÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

AS SOLUÇÕES... 1. A prevalência da diabetes na população portuguesa entre os 20-79 anos é:

AS SOLUÇÕES... 1. A prevalência da diabetes na população portuguesa entre os 20-79 anos é: RESPOSTAS OBTIDAS AS SOLUÇÕES... 1. A prevalência da diabetes na população portuguesa entre os 20-79 anos é: a) inferior a 10% b) superior a 20% c) entre 13-14% d) nenhuma das anteriores 2. Em Portugal

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS VI CONGRESSO DE BIOÉTICA DE RIBEIRÃO PRETO Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS Maria Cristina Komatsu Braga Massarollo Escola de Enfermagem- USP massaro@usp.br TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS Modalidade

Leia mais

IMPORTANCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA EM DOENTES SUBMETIDOS A TRANSPLANTE RENAL E HEPÁTICO

IMPORTANCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA EM DOENTES SUBMETIDOS A TRANSPLANTE RENAL E HEPÁTICO IMPORTANCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA EM DOENTES SUBMETIDOS A TRANSPLANTE RENAL E HEPÁTICO Pereira, V.; Branco, E.; Menezes, M.D.; Silva, C.A.; Silveira, A.; Ventura, F.; Tomás, T. Novembro 2003 FUNDAMENTAÇÃO

Leia mais

PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012

PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012 PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012 Estabelece estratégia de qualificação e ampliação do acesso aos transplantes de órgãos sólidos e de medula óssea, por meio da criação de novos procedimentos e de

Leia mais

ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM NO PERIOPERATORIO DE TRANSPLANTE RENAL COM DOADOR VIVO: UM RELATO DE EXPERIENCIA

ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM NO PERIOPERATORIO DE TRANSPLANTE RENAL COM DOADOR VIVO: UM RELATO DE EXPERIENCIA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM NO PERIOPERATORIO DE TRANSPLANTE RENAL COM DOADOR VIVO: UM RELATO DE EXPERIENCIA Liliane Angélica da Roza da Silva², Patrícia Dalla Barba 2, Isadora Fontana 2, Eliane Raquel Rieth

Leia mais

CHAT 08/03/2006 Dr. Paulo

CHAT 08/03/2006 Dr. Paulo CHAT 08/03/2006 Dr. Paulo 20:53:02 Dr_Online entra na sala 20:55:36 fcmira entra na sala 20:57:28 Dr-Online entra na sala 21:06:16 [Dr-Online] oi 21:06:24 Carmen entra na sala 21:09:28 [fcmira] Boa noite

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

ALERGOLOGIA BERÇÁRIO. Tel: 2107-5123 Ordem Procedimentos e Exames OBS

ALERGOLOGIA BERÇÁRIO. Tel: 2107-5123 Ordem Procedimentos e Exames OBS Clínicas médicas ALERGOLOGIA Emissão de pareceres e laudos médicos. 3 Assistência a pacientes baixados. 4 Exames especificados na Clínica Pneumológica. BERÇÁRIO Tel: 107-513 1 Atendimento de pacientes

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

Cirurgia lombar falhada

Cirurgia lombar falhada II ENCONTRO DO GRUPO DE ESTUDO ME DICO LEGAL DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA Centro Hospitalar de S. João Faculdade de Medicina Serviço de Ortopedia e Traumatologia Porto Cirurgia

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3. Comparação do Número de Dadores na Europa, 2002... 4 2. SEGURANÇA E QUALIDADE EM TRANSPLANTAÇÃO... 4

1. INTRODUÇÃO... 3. Comparação do Número de Dadores na Europa, 2002... 4 2. SEGURANÇA E QUALIDADE EM TRANSPLANTAÇÃO... 4 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 Comparação do Número de Dadores na Europa, 2002... 4 2. SEGURANÇA E QUALIDADE EM TRANSPLANTAÇÃO... 4 3. CARTA NACIONAL DE COLHEITA DE ÓRGÃOS... 6 4. GESTÃO ESTRATÉGICA... 6 5.

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

05/05/2014 NOTA TÉCNICA

05/05/2014 NOTA TÉCNICA Data: 05/05/2014 NOTA TÉCNICA 82/2014 Medicamento Material Solicitante Juiz Renato Luís Dresch Procedimento 4ª Vara da Fazenda Pública Municipal Cobertura Processo número: 0847203-25.2014 TEMA: Cirurgia

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

VAGAS e INSCRITOS por GRUPO 39 85

VAGAS e INSCRITOS por GRUPO 39 85 01 - ÁREAS BÁSICAS COM ACESSO DIRETO 1 ANESTESIOLOGIA - 3 ANOS 15 165 11,0 2 CIRURGIA GERAL - 2 ANOS 46 211 4,6 3 CLÍNICA MÉDICA - 2 ANOS 54 275 5,1 4 DERMATOLOGIA - 3 ANOS 5 88 17,6 5 INFECTOLOGIA - 3

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 26 de Abril Sexta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Francisco Azevedo Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª

Leia mais

MEDICINA: Transplante de Lobo Pulmonar de Dadores Vivos para a Fibrose Quística

MEDICINA: Transplante de Lobo Pulmonar de Dadores Vivos para a Fibrose Quística MEDICINA: Transplante de Lobo Pulmonar de Dadores Vivos para a Fibrose Quística Margaret E Hodson, MD MSc FRCP DA INTRODUÇÃO Porque é que o transplante lobar pulmonar a partir de dadores vivos é essencial?

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 48/2014 Solicitante Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Processo número: 1.0421.14.000078-5/001 TEMA: Cirurgia bariátrica em paciente com obesidade mórbida Data: 19/03/2014 Medicamento Material

Leia mais

Medicina de Urgência e Cuidados intensivos 500horas/aula

Medicina de Urgência e Cuidados intensivos 500horas/aula Introdução à Medicina Veterinária Intensiva Introdução à Medicina Veterinária Intensiva Medicina Baseada em Evidências Estatística Biomédica e Metodologia do Ensino Índices Prognósticos Arquitetura Hospitalar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ANGELA MARIA BAGATTINI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ANGELA MARIA BAGATTINI 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ANGELA MARIA BAGATTINI RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR III - SERVIÇOS HOSPITALARES: Unidade de Hemodiálise do Hospital de Clínicas de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Associação de Noctúria e Mortalidade: Resultados do Terceiro Levantamento Nacional de Exame de Saúde e Nutrição

Associação de Noctúria e Mortalidade: Resultados do Terceiro Levantamento Nacional de Exame de Saúde e Nutrição URO-RESUMOS www.urologiaessencial.org.br Brasil Silva Neto Professor Adjunto do Departamento de Cirurgia Faculdade de Medicina Universidade Federal do Rio Grande do Sul Serviço de Urologia Hospital de

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA Priscila Rodrigues da Silva * Prof. Ms. Clovis E. Zanetti ** RESUMO: A doença renal crônica é considerada

Leia mais

AS MODERNAS INSULINAS

AS MODERNAS INSULINAS AS MODERNAS INSULINAS II Congresso para Diabéticos promovido pela Aliança de Atenção ao Diabetes do Rio de Janeiro - Foto molecular da insulina humana - Izidoro de Hiroki Flumignan - médico endocrinologista

Leia mais

Programa com Entrada Direta 311 - Dermatologia 390 1 Classificado Programa com Entrada Direta 311 - Dermatologia 405 2 Classificado.

Programa com Entrada Direta 311 - Dermatologia 390 1 Classificado Programa com Entrada Direta 311 - Dermatologia 405 2 Classificado. Programa com Entrada Direta 302 - Anestesiologia 21 1 Classificado Programa com Entrada Direta 302 - Anestesiologia 1115 2 Classificado Programa com Entrada Direta 302 - Anestesiologia 32 3 Classificado

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Fluxo de Atendimento ao Candidato ao Transplante Renal com doador vivo e Avaliação Clínica e Laboratorial do Candidato ao Transplante Renal com Doador Vivo Versão eletrônica atualizada

Leia mais

PABLO GIRARDELLI MENDONÇA MESQUITA. Análise da sobrevida do paciente e do enxerto de diabéticos submetidos a diferentes modalidades de transplante

PABLO GIRARDELLI MENDONÇA MESQUITA. Análise da sobrevida do paciente e do enxerto de diabéticos submetidos a diferentes modalidades de transplante PABLO GIRARDELLI MENDONÇA MESQUITA Análise da sobrevida do paciente e do enxerto de diabéticos submetidos a diferentes modalidades de transplante Dissertação apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

Avaliação económica em transplantação renal

Avaliação económica em transplantação renal Avaliação económica em transplantação renal XI Conferência Nacional de Economia da Saúde Porto, 8-10 de Outubro de 2009 Universidade Católica Portuguesa M. O. Domingos 1,3, M. Gouveia 2, J. Pereira 3 e

Leia mais

Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA. 707 20 10 18 geral@bebevida.com www.bebevida.com

Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA. 707 20 10 18 geral@bebevida.com www.bebevida.com Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA 1 Células hematopoiéticas do sangue do cordão umbilical podem ajudar na recuperação de AVC s As células estaminais hematopoiéticas do sangue do cordão umbilical podem promover

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 Norte 24 de Outubro Quinta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª hora 200

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM Paula Bogalho S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Hosp. Curry Cabral, Lisboa, 20.2.2010 Diabetes Crescimento nos países em desenvolvimento Diabetes

Leia mais

Caracterização do Serviço de Nefrologia e Transplantação Renal. Centro Hospital Lisboa Norte Hospital de Santa Maria

Caracterização do Serviço de Nefrologia e Transplantação Renal. Centro Hospital Lisboa Norte Hospital de Santa Maria ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE SÃO FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS 2ª Pós-Graduação em Enfermagem Nefrológica e Técnicas Dialíticas Caracterização do Serviço de Nefrologia e Transplantação Renal Centro Hospital

Leia mais

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga Manutenção do Potencial Doador Dra. Viviane Cordeiro Veiga 2009 Fila de Transplantes São Paulo 13.244 pacientes 9.911 - rim 2.556 fígado 391 pâncreas/rim 114 coração 80 pulmão 56 - pâncreas TRANSPLANTES:

Leia mais

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC-

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Modelo conceitual para DRC Antecedentes potenciais da DRC Estágios da DRC Consequências da DRC Complicações Normal

Leia mais

II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia ENDOCRINOLOGIA

II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia ENDOCRINOLOGIA II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia O FÍGADO F NA ENDOCRINOLOGIA MÁRIO REIS ÁLVARES-DA-SILVA Hospital de Clínicas de Porto Alegre Universidade Federal do Rio Grande do Sul Curitiba,

Leia mais

I Curso de Transplantação para Medicina Geral e Familiar

I Curso de Transplantação para Medicina Geral e Familiar PROGRAMA PROVISÓRIO 05 de Dezembro de 2013 - (5ª feira) 08:30 Abertura do 08:50-09:00 Sessão de Abertura. Boas Vindas. 09:00-09:30 A Transplantação em Portugal e no Mundo (algumas notas históricas) Domingos

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivo Geral Capacitar o profissional médico durante os dois anos de treinamento de conteúdo programático teórico e prático essenciais,

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

PROGRAMA DATA LOCAL E INFORMAÇÕES HORÁRIO

PROGRAMA DATA LOCAL E INFORMAÇÕES HORÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - SANTA CASA DE PORTO ALEGRE COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 CALENDÁRIO DA 2ª

Leia mais

1. CANDIDATURA A UM DESEJO

1. CANDIDATURA A UM DESEJO 1. CANDIDATURA A UM DESEJO Dados da criança: (dd/mmm/aaaa i.e. 01Jan2000) Nome: Sexo: Masculino Feminino Doença: Data de Nascimento: Telefone: Morada actual: Idade: Desejo da Criança: Língua-materna: Já

Leia mais

2009/2010 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE ANESTESIA

2009/2010 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DE ANESTESIA 2009/2010 COMISSÃO CIENTÍFICA Celínia Antunes Cristina Baião Fernanda Príncipe Henrique Dias Jorge Coelho José Alberto Martins José David Ferreira Marcos Pacheco Nuno Tavares Lopes Paulo Amorim Paulo Figueiredo

Leia mais

Hemodiálise. Uma breve introdução. Avitum

Hemodiálise. Uma breve introdução. Avitum Hemodiálise Uma breve introdução Avitum O que é hemodiálise? Na hemodiálise, um rim artificial (hemodialisador) é usado para remover resíduos, substâncias químicas extras e fluido de seu sangue. Para colocar

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 197 11 de outubro de 2013 6085

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 197 11 de outubro de 2013 6085 Diário da República, 1.ª série N.º 197 11 de outubro de 2013 6085 de 25 de maio de 2006, assinado em Moscovo, em 1 de fevereiro de 2007, o qual foi aprovado pelo Decreto do Governo n.º 24/2007, publicado

Leia mais

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos.

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos. Doação de órgãos A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de

Leia mais

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica IV ENCONTRO NACIONAL DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA Fortaleza - Ceará João Roberto de Sá Coordenador do Amb. Diabetes e Transplante - Centro de Diabetes

Leia mais

Colheita por milhões de habitantes

Colheita por milhões de habitantes 25 20 15 10 5 0 21,7 22,2 20,5 20,2 19,1 19,5 19 18 16,7 19 23,9 2006 2007 Colheita por milhões de habitantes 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 2005 2004 200 180 160 140 120 100 80 60 40 20 0 146 198

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 5/2014-EBSERH/HC-UFMG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, 21 DE FEVEREIRO DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 5/2014-EBSERH/HC-UFMG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, 21 DE FEVEREIRO DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 5/2014-EBSERH/HC-UFMG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, 21 DE FEVEREIRO DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 801 Médico Acupuntura 802

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 11.1.2010 2009/2104(INI) PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a Comunicação da Comissão: Plano de acção no domínio da

Leia mais

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5

Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Cardiologia - Cirurgia Cardíaca 1 / 5 Tabela 01 - Pacientes de Cirurgia Cardíaca - Principais Características Clinicas - Gênero (n, %) Masculino 473 68,55 Feminino 217 31,45 Idade (anos) (média ± DP) 60,78

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE A TAXA DE SOBREVIDA DO ENXERTO RENAL ORIUNDO DE DOADORES CADÁVER E DOADORES VIVO.

COMPARAÇÃO ENTRE A TAXA DE SOBREVIDA DO ENXERTO RENAL ORIUNDO DE DOADORES CADÁVER E DOADORES VIVO. COMPARAÇÃO ENTRE A TAXA DE SOBREVIDA DO ENXERTO RENAL ORIUNDO DE DOADORES CADÁVER E DOADORES VIVO. COMPARISON OF THE RATE OF RENAL ALLOGRAFT SURVIVAL COME FROM CADAVER DONORS AND LIVING DONORS. Jéssica

Leia mais

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss

Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Diagnosis and prevention of chronic kidney allograft loss Brian J Nankivell, Dirk RJ Kuypers Lancet 2011; 378: 1428-37 Moisés Carminatti Últimas décadas: avanços no conhecimento acerca da imunologia do

Leia mais

ENFERMAGEM DO TRABALHO - TURMA VII

ENFERMAGEM DO TRABALHO - TURMA VII Rua Rio Branco, 216, Centro, CEP 650-490, São Luís /MA - Fone: (98) 3878.21 Credenciado pela Portaria Ministerial nº 1764/06, D.O.U. 211 de 03.11.06, Seção 01, Folha14 ENFERMAGEM DO TRABALHO - TURMA VII

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE MARCOS ANTONIO MARINO COORDENADOR DEPARTAMENTO DE HEMODINÂMICA, CARDIOLOGIA E RADIOLOGIA VASCULAR INTERVENCIONISTA CONFLITO DE INTERESSES

Leia mais

Os Rins. Algumas funções dos Rins?

Os Rins. Algumas funções dos Rins? Os Rins Os Rins Algumas funções dos Rins? Elimina água e produtos resultantes do metabolismo como a ureia e a creatinina que, em excesso são tóxicas para o organismo; Permite o equilíbrio corporal de líquidos

Leia mais

Hospital de Santo Espirito da Ilha Terceira e a sua articulação com as Unidades de Saúde de Ilha da RAA. Paula Moniz

Hospital de Santo Espirito da Ilha Terceira e a sua articulação com as Unidades de Saúde de Ilha da RAA. Paula Moniz Hospital de Santo Espirito da Ilha Terceira e a sua articulação com as Unidades de Saúde de Ilha da RAA Paula Moniz VISÃO O Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira, EPER pretende ser uma instituição

Leia mais

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Diabetes Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional de Controlo da Diabetes existe, em Portugal, desde a década de setenta, tendo sido atualizado e revisto

Leia mais

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica Diabetes e Insuficiência Renal Crônica O que é a diabetes? A diabetes mellitus, normalmente conhecida por diabetes (e em alguns países por sugar açúcar) é uma condição que ocorre quando o corpo não fabrica

Leia mais

A Transplantação Hepática no C. H. Porto

A Transplantação Hepática no C. H. Porto A Transplantação Hepática no C. H. Porto Bruno Filipe Teixeira Magalhães XLI CEAH Maio de 2013 XXXVIII Curso de Especialização em Administração Hospitalar (2008-2010) UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Escola

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

GRUPO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE PROCESSO SELETIVO - RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 RESULTADO FINAL 1ª Etapa Prova Objetiva.

GRUPO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE PROCESSO SELETIVO - RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 RESULTADO FINAL 1ª Etapa Prova Objetiva. 101 Anestesiologia 1167427 84,00 5,60-89,60 1 CLASSIFICADO 101 Anestesiologia 1168953 78,00 8,00-86,00 2 CLASSIFICADO 101 Anestesiologia 1169652 75,60 8,50-84,10 3 CLASSIFICADO 101 Anestesiologia 1170741

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA NORMAS PARA CREDENCIAMENTO E RECREDENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO EM NEFROLOGIA Curso de Especialização em Nefrologia OBJETIVOS DO PROGRAMA OBJETIVO GERAL Capacitar o profissional médico no conteúdo

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL CLÍNICO E EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES QUE REALIZARAM TRANSPLANTE RENAL EM UM HOSPITAL BENEFICENTE 1 RESUMO

ANÁLISE DO PERFIL CLÍNICO E EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES QUE REALIZARAM TRANSPLANTE RENAL EM UM HOSPITAL BENEFICENTE 1 RESUMO ARTIGO ORIGINAL ANÁLISE DO PERFIL CLÍNICO E EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES QUE REALIZARAM TRANSPLANTE RENAL EM UM HOSPITAL BENEFICENTE 1 CLINICAL AND EPIDEMIOLOGIC PROFILE ANALYSIS OF KIDNEY TRANSPLANTED

Leia mais

Educação em Diabetes da Faculdade Municipal "Professor Franco Montoro"

Educação em Diabetes da Faculdade Municipal Professor Franco Montoro Educação em Diabetes da Faculdade Municipal "Professor Franco Montoro" Mogi Guaçu/SP Educação em Diabetes da Faculdade Municipal Professor Franco Montoro RESUMO A educação em diabetes é parte imprescindível

Leia mais

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade

1- hipertensão arterial. 2- hiperglicemia. 3- presença de proteinúria. 4- ingesta proteica elevada. 5- obesidade COMO PREVENIR A DOENÇA RENAL CRÔNICA NA ATENÇÃO BÁSICA Fatores de risco para perda de função renal 1- hipertensão arterial 2- hiperglicemia 3- presença de proteinúria 4- ingesta proteica elevada 5- obesidade

Leia mais

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças Paulo César Alves da Silva Hospital Infantil Joana de Gusmão Florianópolis-SC Florianópolis-SC Módulo de

Leia mais

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ.

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ. Referências bibliográficas: 1. Sociedade Brasileira de Diabetes. Algoritmo para o tratamento do diabetes tipo 2 atualização 2011. Posicionamento Oficial SBD no. 3. São Paulo: SBD; 2011. 2. Sociedade Brasileira

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA

RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA RESIDÊNCIA MÉDICA EM NEFROLOGIA 2010 2 DISCIPLINA DE NEFROLOGIA DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU - UNESP 1. INTRODUÇÂO O Programa de Residência de Nefrologia da Disciplina

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR DCI RALTITREXEDO Medicamento PVH PVH com IVA Titular de AIM TOMUDEX Embalagem contendo 1 frasco com pó para solução injectável

Leia mais

Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio

Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio 1 Duração do internato 60 meses. 2 Definição e âmbito: 2.1 A Medicina Interna ocupa-se da prevenção, diagnóstico

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2011/2012. Módulo V.II Nefrologia

Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 2011/2012. Módulo V.II Nefrologia 2011/2012 Módulo V.II Nefrologia Tema da Aula:. Docente: Dr. Edgar Almeida Data: 25/11/2011 Número da Aula Previsto: 16 Desgravador: Manuel Rocha Corrector: Sara Serafino comissaodecurso0713@gmail.com

Leia mais